TECLADO. (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECLADO. (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento"

Transcrição

1 TECLADO (aula 1) O Teclado é um instrumento musical eletrônico, composto por teclas onde simulam sons de forma digital! Origem do Instrumento O Piano e o Órgão são os instrumentos musicais mais tradicionais mundialmente! Com o passar dos anos, houve a necessidade de criar instrumentos capazes de produzir os mesmos timbres (ou semelhantes), porém com dois focos principais; reduzir custos e facilitar na sua locomoção, já que o Piano e o Órgão eram e ainda são instrumentos de grande porte! O Piano Tradicional (acústico) é também conhecido como Piano de Cauda. Foram criados então o Piano Transversal (piano de armário) e com o passar do tempo, o Piano Digital (piano eletrônico). Já na derivação do Órgão Tradicional, temos o Órgão Eletrônico e o Órgão Hammond (conhecido simplesmente como Hammond). Estes instrumentos praticamente "resolveram" os problemas de custo e locomoção! Posteriormente foram criados Teclados Arranjadores e Sintetizadores, que além de reduzir ainda mais os custos e locomoção, enfatizaram uma enorme quantidade de timbres! O Teclado é um instrumento derivado do Piano e do Órgão. Por este motivo, os timbres destes instrumentos são sempre priorizados pelos fabricantes de Teclado. Além disso, o Teclado abrange diversos timbres de outros instrumentos musicais, podendo-se até mesmo unir dois ou mais timbres distintos, criar novos timbres, ou alterar os existentes (dependendo do modelo do instrumento). O Teclado NÃO possui timbre próprio! Este instrumento apenas simula (imita), timbres de instrumentos musicais já existentes! VAMG por: ELISEU GONÇALVES 1

2 Variações dos instrumentos - PIANO, ÓRGÃO e TECLADO. QUAIS AS DIFERÊNÇAS? Embora sejam instrumentos semelhantes pelo fato de possuírem teclas, pedais, formato e outras características semelhantes, cada um possui seu timbre particular (outros um grande número de timbres), e uma determinada finalidade! Vamos conhecer as principais características de cada um destes instrumentos: - PIANO ACÚSTICO (cauda) Os sons são produzidos por cordas através de mecanismos internos dentro da caixa de ressonância. Ao tocarmos as teclas, os mecanismos acionam os martelos na parte interna, ferindo as cordas. Requer afinação manual quando necessário. Possuem Oitenta e Oito teclas (sete oitavas e meia) pesadas. Possuem de dois à três pedais. Ideal para salas de concerto, com tetos altos e boa acústica. Não é um instrumento portátil, porém é versátil, o que o tornou muito popular mundialmente. - PIANO DIGITAL (eletrônico) Os sons são produzidos eletronicamente de forma digital. Possuem a mesma quantidade de teclas que um Piano Acústico. Teclas pesadas. Não requer afinação, já que os sons são gravados em placas digitais. Possuem de um a três pedais. Possuem timbres muito autênticos e realísticos dos pianos acústicos mais populares do mundo. Ideal para palcos e apresentações ao vivo. Alguns modelos até produzem sons de outros instrumentos - ÓRGÃO TRADICIONAL Os sons são produzidos através da passagem de ar, por tubos de metal e madeira. Variam em relação a seus tamanhos. Possuem de Dois a Cinco andares. Além das teclas, os sons são produzidos também por pedais de acompanhamento (geralmente treze pedais). Alguns modelos possibilitam criar variações de timbres. Utilizado geralmente em cerimônias religiosas, igrejas, musicas sacra, e corais de vozes humanas. Não é um instrumento portátil. Os sons são produzidos somente enquanto são pressionadas as teclas ou pedais VAMG por: ELISEU GONÇALVES 2

3 - ÓRGÃO ELETRÔNICO Os sons são produzidos de forma eletrônica e digital. Variam em relação à seus tamanhos. Geralmente constituído por dois andares (de teclas) Além dos treze pedais, ele também possui mais um pedal para controlar o volume do instrumento. Praticamente todos os modelos possibilitam criar variações de timbres. Utilizado em estilos como rock, jazz, blues, gospel e outros ritmos. Não é considerado um instrumento portátil, porém é ideal para apresentações em igrejas, cerimônias religiosas e ao vivo. - HAMMOND Conhecido também como Órgão Hammond, pois é baseado no Órgão. Aparência e timbres semelhantes ao Órgão. Possui pedias e maior numero de teclas em vista do Órgão Eletrônico. Os sons são produzidos de forma eletromecânica, através da movimentação em alta velocidade de discos dentados, onde os sinais elétricos são captados e convertidos em sons. Muito utilizados no rock, reggae e música gospel. Combinações de alto-falantes, criando efeitos através da Caixa Leslie. Ideal para apresentações em palcos. - TECLADO ARRANJADOR Ideal para estudos e criação de arranjos. Além de timbres de piano, órgão e efeitos, possui timbres de outros instrumentos musicais. Possuem acompanhamentos através tons e ritmos já pré-definidos, podendo ser modificados. Alto-falantes embutidos no próprio instrumento. Portátil e ideal para uso no dia-a-dia. Geralmente possuem Sessenta e Uma teclas leves, semipesadas ou pesadas (Cinco Oitavas). Conexão para pedal de "sustain" e expressão. Nem todos possuem teclas sensíveis - TECLADO SINTETIZADOR Ideal para uso profissional, shows de grande porte, apresentações em palco, ao vivo e gravações em estúdio. Além de timbres realísticos de diversos instrumentos, é possível modificar e até criar novos timbres. Permite comunicação MIDI e conexões com controladores. Permite programação e gravações internas em sua memória ou em outros dispositivos externos. Não possui alto-falantes, já que é para uso em equipamentos de som amplificado. Possuem teclas pesadas (Cinco à Sete Oitavas). Conexão para pedal de "sustain" e expressão. VAMG por: ELISEU GONÇALVES 3

4 Características básicas do Teclado Os Teclados em geral possuem de Cinco a Sete Oitavas. O que são e onde localizar as oitavas? É denominada Oitava quando contamos uma sequencia de 7 (sete) notas NATURAIS + a 8ª nota desta sequencia, totalizando 8 notas! Nos Teclados, Pianos e Órgãos, as Oitavas são sempre contadas a partir da primeira tecla Dó. No exemplo acima temos um Piano de Sete Oitavas e meia! * Contamos da esquerda para a direita, sendo que nem sempre a primeira tecla branca corresponde à nota Dó. Nos teclados, as teclas são geralmente sensíveis, ou seja, os sons sofrem variações em seu volume dependendo da intensidade que tocamos (forte ou fraco). Os níveis de peso em um Teclado variam entre LÉVE, SEMI-PESADO e PESADO. Alguns modelos não possuem teclas sensíveis! A maior parte dos teclados possui conexão para pedal de sustain (sustentação). Este pedal tem a função de sustentar o por algum tempo, mesmo que o musico retire o(s) dedo(s) da(s) tecla(s), possibilitando à execução de Arpeggios e outras técnicas. Os Órgãos não possuem teclas sensíveis e nem pedal de sustain. VAMG por: ELISEU GONÇALVES 4

5 Já os Pianos possuem as teclas sensíveis e pesadas, o que requer mais esforço e atenção na hora de tocar! Além disso, nos Pianos acústicos as teclas mais graves (lado esquerdo) requerem mais esforço do que as teclas mais agudas (lado direito). Isto porque as cordas que produzem os sons mais graves na caixa de ressonância são mais grossas e requerem mais precisão ao serem marteladas pelo mecanismo interno. Desta forma o musico que se dedica ao estudo e prática do Piano, deve ter ciência que será requerido sempre um maior esforço em sua mão esquerda do que em sua mão direita! VAMG por: ELISEU GONÇALVES 5

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo INSTRUTOR Zeh Blackie CURSO DE GUITARRA Nível Básico 7º Passo Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos

Leia mais

TONALIDADE X FREQUÊNICA

TONALIDADE X FREQUÊNICA Som, notas e tons TONALIDADE X FREQUÊNICA O violão é um instrumento musical e o seu objetivo é fazer música. Música é a organização de sons em padrões que o cérebro humano acha agradável (ou pelo menos

Leia mais

SELECIONANDO SONS (VOICES) 3 TOCANDO SONS SIMULTANEAMENTE 5 ACOMPANHAMENTO AUTOMÁTICO 8 ONE TOUCH SETTING (OTS) 10

SELECIONANDO SONS (VOICES) 3 TOCANDO SONS SIMULTANEAMENTE 5 ACOMPANHAMENTO AUTOMÁTICO 8 ONE TOUCH SETTING (OTS) 10 Quick Guide SELECIONANDO SONS (VOICES) 3 TOCANDO SONS SIMULTANEAMENTE 5 Botões Part Select e Part On/Off 5 Selecionando Uma Única Voice (RIGHT 1) 6 Tocando Duas Voices Simultaneamente 6 Tocando Voices

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. POWERPOINT 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos ou objetos

Leia mais

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM

CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM CEM BENJAMIM JOSÉ DE ALMEIDA PROJETO INTERDISCIPLINAR EINSTEIN E A MÚSICA PROFESSORES: ROSEVALDO CELESTINO BARROS FÁBIO JÚNIOR MILHOMEM ARAGUAÍNA, DEZEMBRO DE 2015 A FÍSICA NA MÚSICA A música, de um modo

Leia mais

Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. OPENOFFICE IMPRESS 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o OpenOffice Impress, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

Página 1 de 5 Sequência Didática As ondas sonoras e suas propriedades físicas Utilizando elementos cotidianos e instrumentos musicais, explique à classe os conceitos físicos do som e os limites saudáveis

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Clássico Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTERFACE INTERATIVA PARA ENTRETENIMENTO DIGITAL

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTERFACE INTERATIVA PARA ENTRETENIMENTO DIGITAL 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTERFACE INTERATIVA PARA ENTRETENIMENTO DIGITAL Maurílio Mardegan Mendes 1 ; Anderson Brito Garcia 1 ; Carlos Cezar

Leia mais

Método decadactilar ou digitação

Método decadactilar ou digitação Escola Secundária de Paços de Ferreira 2008/2009 Método decadactilar ou digitação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 Digitação Desenvolve a habilidade de digitar textos com mais rapidez e eficiência

Leia mais

PROJETO BÁSICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Professor André Lima

PROJETO BÁSICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Professor André Lima PROJETO BÁSICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA Professor André Lima 1. Formação Inicial e Continuada / Qualificação Profissional pretendida: Curso de Formação Inicial e Continuada em Regência

Leia mais

Beats Pill. Conheça a Beats Pill

Beats Pill. Conheça a Beats Pill Beats Pill Conheça a Beats Pill Não seja escravo do seu aparelho de som Ambiente Externos e Viagens Negócios Lar Você pode levar a Pill nas próximas férias para poder amplificar suas músicas favoritas.

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

O SOM E SEUS PARÂMETROS

O SOM E SEUS PARÂMETROS O SOM E SEUS PARÂMETROS Você já percebeu como o mundo está cheio de sons? Mas você já parou para pensar o que é o SOM? Pois bem, som é tudo o que nossos ouvidos podem ouvir, sejam barulhos, pessoas falando

Leia mais

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário CADERNO DE INFORMÁTICA FACITA Faculdade de Itápolis Aplicativos Editores de Texto WORD 2007/2010 Sumário Editor de texto... 3 Iniciando Microsoft Word... 4 Fichários:... 4 Atalhos... 5 Área de Trabalho:

Leia mais

TRABALHO DE MATEMÁTICA II

TRABALHO DE MATEMÁTICA II TRABALHO DE MATEMÁTICA II Prof. Sérgio Tambellini 2 o Trimestre / 2012 2 o Amarelo Questão 04 FUVEST 2010 GRUPO 1 Maria deve criar uma senha de 4 dígitos para sua conta bancária. Nessa senha, somente os

Leia mais

PLANO DE CARREIRA PROPOSTAS PARA ENVIO A ALMG E SECRETÁRIO

PLANO DE CARREIRA PROPOSTAS PARA ENVIO A ALMG E SECRETÁRIO PLANO DE CARREIRA PROPOSTAS PARA ENVIO A ALMG E SECRETÁRIO Após a compilação das contribuições apresentadas pelos servidores, o Grupo de Trabalho e a ASSEMA sistematizaram as ideias centrais, que serão

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Apostila de Ensino Violão (Módulo I)

Apostila de Ensino Violão (Módulo I) Apostila de Ensino Violão (Módulo I) APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios práticos criados;

Leia mais

O desenho 3 ordem PROVA Prova Adaptabilidade Conectando... Desenho 5 e 1 Desenho 4 Desenho 2 Desenho 3 No mé m t

O desenho 3 ordem PROVA Prova Adaptabilidade  Conectando... Desenho 5 e 1 Desenho 4 Desenho 2 Desenho 3 No mé m t Repertório Palm Muting. Intro de Que País é esse? You shook Beat it 14 Ainda é Cedo harmônicos. 14 Ode à Alegria Arranjo quarteto de cordas. 9 30 25 24 22 21 20 16 13 12 11 10 8 4 7 5 2 mulado 29 28 26

Leia mais

Introdução/Histórico da Informática. O Computador

Introdução/Histórico da Informática. O Computador Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Civil Prof.: Maico Petry Introdução/Histórico da Informática O Computador DISCIPLINA: Informática Aplicada para Engenharia Idade da Pedra

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

www.leitejunior.com.br 13/03/2012 12:24 Leite Júnior

www.leitejunior.com.br 13/03/2012 12:24 Leite Júnior BACKUP E RESTAURAÇÃO(RECOVERY) BACKUP É a cópia de dados de um dispositivo para o outro e tem como objetivo ter uma maior segurança em caso de problema com os dados originais. Todo backup tem um único

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

Psicologia Social. É a área da Psicologia que procura estudar a interação social.

Psicologia Social. É a área da Psicologia que procura estudar a interação social. Psicologia Social Psicologia Social É a área da Psicologia que procura estudar a interação social. Aroldo Rodrigues, afirma que a psicologia social é uma das manifestações comportamentais suscitada pela

Leia mais

Este projeto estará acessível a todos que tiverem interesse e disponibilidade. Piano Booster: Musical Instrumental Midi. Deu trabalho pra fazer!

Este projeto estará acessível a todos que tiverem interesse e disponibilidade. Piano Booster: Musical Instrumental Midi. Deu trabalho pra fazer! Partituras Digitais com opções de vários tipos de leitura facilitada, com letras símbolos das notas, ou de modo convencional. Antes de tudo, você deverá e precisara ter á técnica de solo, do tipo de instrumento

Leia mais

As Notas Musicais. O processo moderno utiliza códigos quando se refere a cada uma das notas. Este código é chamado de CIFRA.

As Notas Musicais. O processo moderno utiliza códigos quando se refere a cada uma das notas. Este código é chamado de CIFRA. Para focalizar a mente façamos um ditado.omplete. As Notas Musicais São aqueles 7 nomes que todo mundo já ouviu falar (Dó, Ré Mi, Fá, Sol, Lá e Si) mas, ao contrário do que muitas pessoas pensam, existem

Leia mais

PRIMEIRA AULA DE MU SICA

PRIMEIRA AULA DE MU SICA PRIMEIRA AULA DE MU SICA Antes de iniciar o nosso estudo prático no instrumento precisamos fazer alguns exercícios básicos, porém primordiais. O famoso Dó, Ré, Mí. Este exercício consiste em copiar várias

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20

Manual do Usuário - ProJuris Web - Biblioteca Jurídica Página 1 de 20 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música

Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Copos e trava-línguas: materiais sonoros para a composição na aula de música Andréia Veber Rede Pública Estadual de Ensino de Santa Catarina andreiaveber@uol.com.br Viviane Beineke Universidade do Estado

Leia mais

Arquitetura de processadores: RISC e CISC

Arquitetura de processadores: RISC e CISC Arquitetura de processadores: RISC e CISC A arquitetura de processador descreve o processador que foi usado em um computador. Grande parte dos computadores vêm com identificação e literatura descrevendo

Leia mais

Família Luques Fabricantes de Gaitas-de-Fole Brasil Bagpipes Makers Brazil

Família Luques Fabricantes de Gaitas-de-Fole Brasil Bagpipes Makers Brazil Família Luques Fabricantes de Gaitas-de-Fole Brasil Bagpipes Makers Brazil Desde 2001 Since 2001 Catálogo Maio de 2014 Família Luques Luthiers de Gaitas-de-Fole Gaita-de-Fole Minhota/Galega em Dó maior

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO...

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... Índice ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... 4 O TECLADO... 4 TIPOS DE TECLADOS... 4 Sintetizadores... 4 Teclados com acompanhamento automático... 4 Workstations... 4 Pianos digitais...

Leia mais

Modem e rede local. Guia do usuário

Modem e rede local. Guia do usuário Modem e rede local Guia do usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB

COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB COTAÇÃO DE COMPRAS COM COTAÇÃO WEB RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de

Leia mais

PAINEL DE COMANDO MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

PAINEL DE COMANDO MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO PAINEL DE COMANDO MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO 1 ÍNDICE 01- SEQUENCIADOR MIDES SEQ1 1.1- DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 1.2- CONSTRUÇÃO... 4 1.3- COLOCAÇÃO EM FUNCIONAMENTO... 4 1.4- ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

Automatismos Industriais

Automatismos Industriais Automatismos Industriais Introdução à Pneumática Nos actuais sistemas de automação a pneumática é um elemento muito importante pois está presente num vasto numero de aplicações, seja como sistema totalmente

Leia mais

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?

Escalas I. Escalas - I. Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues. Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch? Escalas - I Escala Pentatônica Menor e Escala Penta-blues Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=ek0phekndbu Sumário Introdução Escalas Musicais...0 Escala Pentatônica Menor Histórico

Leia mais

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes

Principais códigos utilizados. Codificação. Código binário puro. Codificação binária. Codificação Binária. Código Binário puro e suas variantes Codificação Principais códigos utilizados Computadores e Equipamentos de Comunicações Digitais trabalham com representação e códigos. A codificação binária de sinais é largamente utilizada em Sistemas

Leia mais

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA

O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA O ESTUDO DO HANON NA MÚSICA POPULAR: UM NOVO OLHAR PARA A SUA TÉCNICA PIANÍSTICA Por Turi Collura Elaborado no Século XIX, o antigo livro de técnica pianística chamado Hanon - O Pianista Virtuoso resiste

Leia mais

Projeto: Torquímetro Didático

Projeto: Torquímetro Didático Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin 1º semestre de 2010 Projeto: Torquímetro Didático Disciplina: F-609 Instrumentação para Ensino Aluno: Diego Leonardo Silva Scoca diegoscocaxhotmail.com

Leia mais

ACORDEON MANUAL DO PROPRIETÁRIO

ACORDEON MANUAL DO PROPRIETÁRIO ACORDEON MANUAL DO PROPRIETÁRIO ÍNDICE SOBRE O ACORDEON... 4 ANATOMIA...4 O FOLE...6 PARA TOCAR ACORDEON...6 MOVIMENTO DO FOLE...7 DICAS...7 SOBRE O ACORDEON O acordeon pertence a uma ampla família de

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

EXTRAÇÃO DE CONHECIMENTO MUSICAL

EXTRAÇÃO DE CONHECIMENTO MUSICAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO EXTRAÇÃO DE CONHECIMENTO MUSICAL A PARTIR DE EXECUÇÃO VIOLONÍSTICA PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Alexandre

Leia mais

Musica: Arte e Tecnologia

Musica: Arte e Tecnologia Musica: Arte e Tecnologia Jorge Kaschny e Marcos Ferreira Vitória da Conquista (2008) O que é o som? Uma onda mecânica longitudinal, ou ainda, uma onda de pressão. Alternativamente, podemos dizer, que

Leia mais

WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR

WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR WWW.MUSICALLEIZER.COM.BR Índice Índice Prefácio Sobre o autor Introdução Como ser produtivo estudando corretamente Você já organizou o seu tempo e os seus dias para estudar? Definir o que vai estudar Organizando

Leia mais

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY,

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY, À Procura de Mozart Resumo O vídeo nos oferece um relato sobre a vida e obra de Wolfgang Amadeus Mozart. Ele nos é apresentado como único e inigualável devido à sua genialidade na música clássica do século

Leia mais

Início em Arranjos Musicais

Início em Arranjos Musicais Marcelo Morales Torcato Início em Arranjos Musicais 1ª. Edição Pauliceia Marcelo Morales Torcato 2009 PRIMEIRA AULA. As notas musicais são sete: dó; ré; mi; fá; sol; lá; si. Também podem ser representadas

Leia mais

Unidade 7. Ondas, som e luz

Unidade 7. Ondas, som e luz Unidade 7 Ondas, som e luz ONDA É uma perturbação ou oscilação que se propaga pelo meio (ar, água, sólido) e no vácuo (ondas eletromagnéticas). Ex: Abalos sísmicos, ondas do mar, ondas de radio, luz e

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 1

Linguagem Radiofônica Aula 1 Linguagem Radiofônica Aula 1 Características do rádio: o veículo companheiro Você escuta rádio? Quais emissoras você ouve? Você presta atenção às peças comerciais? Que tarefas você faz enquanto escuta

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br www.mvmob.com.br 1 1. Introdução Este guia foi produzido para auxiliar educandos e educadores durante as ofi cinas oferecidas pelo projeto MVMob - Minha Vida Mobile, como material de subsídio pedagógico.

Leia mais

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA

PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Rede Salesiana de Escolas. Entusiasmo diante da vida. PROJETO MÚSICA NA ESCOLA Escola: Nossa Senhora Auxiliadora Níveis de Ensino: Fundamental II Coordenação Pedagógica: Maria das Graças L. N. Ferreira

Leia mais

RGF SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA SISARQ SISTEMA DE CONTROLE DE ARQUIVO DESLIZANTE PARAÍSO DO TOCANTINS-TO

RGF SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA SISARQ SISTEMA DE CONTROLE DE ARQUIVO DESLIZANTE PARAÍSO DO TOCANTINS-TO RGF SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA SISARQ SISTEMA DE CONTROLE DE ARQUIVO DESLIZANTE PARAÍSO DO TOCANTINS-TO 2 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 3 1 ESTRUTURA DE ARQUIVOS DESLIZANTES... 5 1.1 Módulos... 8 1.2 Face...

Leia mais

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual

Figura 1. Interface do Ambiente Virtual GenVirtual O ambiente virtual, denominado GenVirtual, foi desenvolvido com tecnologia de Realidade Aumentada. O GenVirtual possibilita adicionar no mundo real do usuário objetos virtuais musicais que simulam sons

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 01 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 Páginas 03 à 25 1 A mistura de tecnologias da Internet e preocupações empresariais

Leia mais

Professor Paulo Lorini Najar

Professor Paulo Lorini Najar Microsoft PowerPoint O Microsoft PowerPoint é uma ferramenta ou gerador de apresentações, palestras, workshops, campanhas publicitárias, utilizados por vários profissionais, entre eles executivos, publicitários,

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES DE PRODUÇÃO PARA FABRICAÇÃO DE PUFE DE GARRAFA PET VISANDO A GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA

CAPACITAÇÃO DE AGENTES DE PRODUÇÃO PARA FABRICAÇÃO DE PUFE DE GARRAFA PET VISANDO A GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA CAPACITAÇÃO DE AGENTES DE PRODUÇÃO PARA FABRICAÇÃO DE PUFE DE GARRAFA PET VISANDO A GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA Área Temática: Geração de trabalho e renda Adriana de Paula Lacerda Santos 1 (Coordenador

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL Aula 01 04/08/2008 Universidade do Contestado UnC Sistemas de Informação Arquitetura de Computadores 2ª Fase Prof. Carlos Guerber ARQUITETURA DE COMPUTADORES - CONCEITUAL O QUE É O COMPUTADOR? Um computador

Leia mais

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA FUNÇÃO DO CEREBELO. É a parte do encéfalo responsável pelo controle dos movimentos voluntários, aprendizagem motora, controle

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único serve para que as famílias de baixa renda possam participar

Leia mais

Projeto Tocarei ao Senhor

Projeto Tocarei ao Senhor Projeto Tocarei ao Senhor Formando Bandas Sinfônicas nas igrejas Objetivo: Formar Bandas Sinfônicas com uso de instrumentos de sopro (madeiras flautas, clarinetes, saxofones, oboé, fagote), metais (trompetes,

Leia mais

TRABALHO DE MATEMÁTICA II

TRABALHO DE MATEMÁTICA II TRABALHO DE MATEMÁTICA II Prof. Sérgio Tambellini 2 o Trimestre / 2012 2 o Azul Questão 04 GRUPO 1 (FUVEST2010) Maria deve criar uma senha de 4 dígitos para sua conta bancária. Nessa senha, somente os

Leia mais

O uso de tecnologia digital na educação musical

O uso de tecnologia digital na educação musical O uso de tecnologia digital na educação musical Rafael Salgado Ribeiro PETE Educação com Tecnologia salgaado@gmail.com Comunicação Oral Introdução O presente trabalho visa a apresentar algumas possibilidades

Leia mais

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes...

AMOSTRA ATENÇÃO: SUMÁRIO. Introdução...1. Notação musical...3. Teoria musical...13. Harmonia...30. Escalas...44. Dicionário de acordes... AMOSTRA ATENÇÃO: ESTE DOCUMENTO SE TRATA APENAS DE UMA AMOSTRA. AS PÁGINAS AQUI EXPOSTAS SÃO PÁGINAS ALEATÓRIAS DA APOSTILA, MESCLADAS DO APRENDIZADO ADULTO COM O APRENDIZADO INFANTIL, COM EFEITO APENAS

Leia mais

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição.

Apostila de Iniciação Musical. Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Apostila de Iniciação Musical Baseado no Livro Teoria da Música de Ricci Adams Compilação de: Elsaby Antunes 1ª Edição. Junho 2008 http://www.elsabyantunes.blogspot.com/ elsabyantunes@gmail.com Prefácio

Leia mais

Medição de vazão. Capítulo

Medição de vazão. Capítulo Capítulo 5 Medição de vazão V azão é o volume de água que passa por uma determinada seção de um rio dividido por um intervalo de tempo. Assim, se o volume é dado em litros, e o tempo é medido em segundos,

Leia mais

junho/june 2012 - Revista O Papel

junho/june 2012 - Revista O Papel sérgio brito Por Luiz Bersou, diretor do Instituto Épico de Administração : luizbersou@bcaconsultoria.com.br Gestão por Ponto Flutuante H Gráfico 1 enry Ford, diz a história, propunha-se a fabricar carros

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade

REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade REPRESENTAÇÃO DE DADOS EM SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO AULA 03 Arquitetura de Computadores Gil Eduardo de Andrade O conteúdo deste documento é baseado no livro Princípios Básicos de Arquitetura e Organização

Leia mais

SISTEMAS ADMINISTRATIVOS

SISTEMAS ADMINISTRATIVOS SISTEMAS ADMINISTRATIVOS TEORIA GERAL DE SISTEMAS - TGS 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA No final dos anos 30, o biólogo alemão Ludwig von Bertalanffy havia observado que a ciência se acostumara a tratar de forma

Leia mais

1) 2) 3) CD 4 Faixas: 80 80.

1) 2) 3) CD 4 Faixas: 80 80. 1ª Aula a) Cumprimentar cada criança cantando seu nome e dando um beijinho com fantoche. Nas primeiras aulas use sempre um fantoche na hora do cumprimento para ganhar a aproximação do aluno. Depois pode

Leia mais

Álgebra. SeM MiSTéRio

Álgebra. SeM MiSTéRio Álgebra SeM MiSTéRio Série SeM MiSTéRio Alemão Sem Mistério Álgebra Sem Mistério Cálculo Sem Mistério Conversação em Alemão Sem Mistério Conversação em Espanhol Sem Mistério Conversação em Francês Sem

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX.

Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. 2011 www.astralab.com.br Astra LX Frases Codificadas Guia para o processo de Configuração de Frases Codificadas no Programa AstraLX. Equipe Documentação Astra AstraLab 24/08/2011 1 Sumário Frases Codificadas...

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música?

NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? NOTAÇÃO MUSICAL TRADICIONAL: Como se escrever música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música

Leia mais

DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO

DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO DECLARAÇÃO DE GUERRA AO RUÍDO Diz-se que a capacidade auditiva deficiente não pode ser curada nem corrigida devido ao fato de que a perda da audição produzida pelo ruído é sempre permanente. O ouvido humano

Leia mais

PORTEIROS ELETRÔNICOS RESIDÊNCIAIS - KITs

PORTEIROS ELETRÔNICOS RESIDÊNCIAIS - KITs RESIDÊNCIAIS KITs 26.0 INTRODUÇÃO AOS PORTEIROS ELETRÔNICOS RESIDÊNCIAIS KITs O porteiro eletrônico residencial é um sistema constituído por quatro componentes básicos. 3 S Figura 1 KIT NR30 Figura 2 KIT

Leia mais

Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG. Menilton Menezes. META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica.

Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG. Menilton Menezes. META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. Aula 3 CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS EM PAPEL DILOG META Expandir o estudo da utilização de gráficos em escala logarítmica. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Construir gráficos em escala di-logarítmica.

Leia mais

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III.

Figura 1.1 Utilização de colunas de aço estaiada e protendida durante a montagem do Palco Mundo do Rock in Rio III. 1 Introdução A busca contínua de sistemas estruturais eficientes como solução para grandes vãos tem sido um dos maiores desafios enfrentados por engenheiros estruturais. Por outro lado, sistemas estruturais

Leia mais

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS

4- PROJETO DE BANCO DE DADOS 4- PROJETO DE BANCO DE DADOS OBJETIVOS DE ENSINO: 4 - Empregar a técnica da modelagem de dados no projeto de banco de dados. OBJETIVOS OPERACIONAIS Ao final desta unidade o aluno será capaz de: 4.1 - Definir

Leia mais

COM O BROFFICE IMPRESS

COM O BROFFICE IMPRESS Unidade Unidade 5 4 Preparando Compondo suas planilhas apresentações eletrônicas com com o BrOffice o BrOffice Impress Calc UNIDADE 5 PREPARANDO SUAS APRESENTAÇÕES COM O BROFFICE IMPRESS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Como criar um blog. Será aberta uma janela onde você deverá especificar o título do blog, o endereço do blog, e o modelo.

Como criar um blog. Será aberta uma janela onde você deverá especificar o título do blog, o endereço do blog, e o modelo. Como criar um blog Criando o blog Vá em www.blogger.com. Entre com sua conta google (a mesma que você usa para acessar o gmail). Escolha um perfil. Na página seguinte, clique no botão novo blog. Será aberta

Leia mais

2. Objetivos 3. Método 3.1 Amostra 3.2 Coleta de dados

2. Objetivos 3. Método 3.1 Amostra 3.2 Coleta de dados O desenvolvimento do canto em crianças de 2 a 6 anos de idade Beatriz Ilari Universidade Federal do Paraná UFPR beatrizilari@ufpr.br Vivian Dell Agnolo Universidade Federal do Paraná UFPR Resumo. Este

Leia mais

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental.

NOTA FUNDAMENTAL Desse conjunto de sons simultâneos, o que é mais bem identificado é o som da nota principal ou também chamada de nota fundamental. Sons Harmônicos Esse assunto é extenso e bastante complexo, sendo objeto de estudo de diversos cursos especializados e de uma vasta literatura no campo da física e da matemática. Como esse não é nosso

Leia mais

Ensaio de tração: procedimentos normalizados

Ensaio de tração: procedimentos normalizados A U A UL LA Ensaio de tração: procedimentos normalizados Introdução Hoje em dia é comum encontrar uma grande variedade de artigos importados em qualquer supermercado e até mesmo em pequenas lojas de bairro:

Leia mais

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES

APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES APOSTILA AULA 2 ENTENDENDO OS SINTOMAS DO DIABETES 1 Copyright 2014 por Publicado por: Diabetes & Você Autora: Primeira edição: Maio de 2014 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta apostila pode

Leia mais

1. Criar uma nova apresentação

1. Criar uma nova apresentação MANUAL DO Baixa da Banheira, 2006 1. Criar uma nova apresentação Para iniciar uma sessão de trabalho no PowerPoint é necessário criar uma nova apresentação para depois trabalhar a mesma. Ao iniciar uma

Leia mais

DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS

DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS DESCRITIVO SISTEMA SEVEN PLUS O Sistema SEVEN PLUS foi configurado para possibilitar sinalização do paciente no Posto de Enfermagem, de acordo com as Normas Técnicas da ABNT NBR 5410 e da Agência Nacional

Leia mais