! "# $%&'( ) *'*&%( +,$ -.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "! "# $%&'( ) *'*&%( +,$ -."

Transcrição

1 ! "# $%&'( ) *'*&%( +,$ -.!! "#$%/!%% //++/%0&% /0/)%1& %#%% 1($2! %3 4 5*5 &6 (7 " &!'/!%% ++/<11($2&5 (%*3 %&!17 5(! ( )&!%& //++% % "#1($ (&*3 &! 7%5 * +, 1% //++1($723 &! 7%5 -./(0 5 * 5'% 7% (&* ** A* * 5&%* *% &"#*&%%* %**('% 78"B% ) %*%%*(7%! "#$%*C % 78"B% *%*8%! "# C *% 0&( % &(8% *% &%!*8! "# %%5( 0& % 78"B%% D% E%&"%% %'8( 7 7% %&% &%% "%%5&%**&%8"#%! # 1%*% % *C % 7 %*&1% (! "# * %&% % 7% *%& 78"#/ % (8&1%&%0&%'( ) *7 % % 78"B%% % 0&% 7&&1% * 7 % %&% 78"B%% ("# (7&% *"B% &% % F7*! "# %&(%!!*% (7&% *"B% &* *% % (% %% F!&% 0& % 78"B%%2(%G%* 12 5* %C *% &" C &"%%7!*% % 2C5% % %%% %*!7& "B% % G%%!(! " 5(2 % 78"B% *% % %! %%&&/ %5 %%5% 78"B% *% % %%!% 6 % 0& (! % &"# *%& %% *"& % %% %7 % 78"B%% %% % * 5%* 5&%* 7%*% %72% &*!(' % "%5&%*0&(! * % "% *% %*%& % D ( * 0& %%% C% #%# %&!*% 7 %5 A*% 78"B%7&(5 24 ( -=9.& & 0&( &% %"# % "% *%& %# *%%% *% % % 7%*%% # (*"% % '*(A* (2 78*( %%! "# 72 H*$ F *% *%%% %(&5 *C %!&& % % %%% ** A* * (2! "B%! C * *(%! * % * % *&%8 &% % "% %7& % %% %*(%!! "# F * %%*( %5 A* % 78"B%&(*' 5D% 7F'( 0&! % 78"B%%%#&(8! "# 5 %& * *"B%!% % %* -==; %7& %"#; %*&! "# *2**! % F7* %"#:%# '%% (7&% F% %5 *(7! "# %"#? % F %0&%&(8% 5(20&0&%"#.%* 1%%5 % %&(%(8 "B%!%5 (7&% *"B%%5 &%! "#* 7* 2!,!! & *7(5(8*&*5%! "#I** A* % 78"B% 5%1% ** 0& &(8! "#J * /K-==?5!!*8*!C(7&K((K(( -==--I% %%C%

2 (*%#%#*" 0&! "#DC#F& &'*(&% *( (% "B% 78"#%&% %%J1%%*% C1( C1( * & *% *& % %% * 5&! (2 % %&(% 78*% (-==L / % %* -==; I% %% 0& 72 # 7& *M* % # 0&(% 0& 72 7&! "# 0& % % "# %!&"#! "#J %* *(* 0& I! "# *2**B& *& % %%*( %&*%% "# 78"# & 5 ** A*J & %D! "# *2*% &(8%*&7** *(I%%2%7! "# *2* 7 % %! "# *2* & % % "%%*%B%J -=9= "# 7! "#*2*% *(! "#%7 % &%!&& % **C1(% -==;$ 7 % 5(% &%D 7%* % %!&"B% %%%%! "# 7%# ( %*%0NA*% 78"#%0&% %*&%%7%%& 1(%O * "#%%!%"# 5( &&(&C * "B%0& %!!&"#! *(7*O &8 &" 78*( (7 E (&"# %&(H 78"# %& 5O (8 %&%*2*%%&%' A*% *% & ) *( %%%G( 78"#O 87 78*(!*( (&"#*& C( 78"# 7 %% ( %!&"B% DC *% * *( %0&% &"#!"% %%( &!&(!&"#$!&"#! *( 78"# 0& %% 78"# (7C1(%5' -==; %7& %* 1%%5! "#** &% % "% ;- 7 %! 7%*%E 78"# ;; )1 *%%(&"# 78"#*%%"#%!&& %& * % 7 "# % *%! "# #%( *2* * ( *%& 5% 0& %% & % " %O! "# F (7&! (7 &%! "B%*%&7 % ) &&% (%% *% %* %*1%*% %%! "B% P% &8 5% % % &% ( % A 5&! "# *2*%D%5! A*% *( & % % % * ) *%%!5 *"# %%*(&% (%&F %&( & %% % "% % & %D % %&% * %0&% 7%#! "#! "# * %* 72 *( 0&( C *! % F7 %*(2 ( 78"# % F &! *"# &( ** A* H*! "#& %! C1( 8% ) * 78"# & ) &% /! "# F!&( 7 *!&* % 78"B% % 5(8 *%B% % %*% %%5( % "B% ** *! *"# &% % "% (2 *2* %5 *(! 0& 0&*( 8(%! "#&%7!*% F7*&%D % & 7! *(* * /K-==? %* -=9=! 0& I 0&(! "# C!&& %J )/ 3!! "# %2 & (!"# '*&"# 7 "# % F7% 78*% * * 81% %% * & % %&% % % 78"# -==9 7& * / &%Q -==? IE 0& 7 "# % F7 %& '*&"# 1% %! 78*( % (! "# * &! %%*( %*27 %% 7 "# 1% %*( J %% 5 7! * A% %*%% F7*% */K-==?$! "#&'(!*"#%"% 0& % &% ' % % E 78"#O &'( * "# *%%% 0&! * % &% & % "%! "# F &! 0&! * &% % "% & E% 8%F ) &O!F& 7 0& '*&"# % F7* * 0& *2* 1%%% F7% 1% %*

3 / &'( % 78"B% %5 % % 5 1% *%& &0&*(7! "# %0&! "#F&%(%* &*% %% / / (( -=9. % % 78"B% % * * 8 * & 7 * 0&%! %*&% 0& 0&%! E! *"# & & % "/ (( -==?.>*8% (H* *25( &8 **"# %( &"# % 5&"# &% # % 7(E%*%%%A*% *** %!('5( %% "B% 78"#! "# C/ %( %25( * 7%#! "#%& (F!&( 4*!! ( % 78"B% && %7!* & P( F* 7(5(8"#&** A* *%G%%%C %*%& *( (%& % #%)%C(& &(% F7***( % F7% 78*% %*(2% % 5F %C % ( % % F7% D&!1(% 6 -==LO 6 -==:O RK -==: (( -==?*0&% 78"B%%% 0&%! "%*%0& C1 (%&* G(*&(8 7A1(%%! "% *$ (%$!%*(%*& 78"#* F% 5 72 %% 0& %% 0& % "% *%7& % 0&( & % % "% ( % " * 5& &"# * 5 72 * 78"#! * *%% 0& *( ' % *(!8 *0& 78"# 5(2 *(% 78"#(F& % " *(&1 &O * %$ * ("# * %! * % * 0&! *!8 &"% &&! *%%%&"%!8*0& 78"#!0& %7 ("#%&%** % 78"#&(8 0& 5 72 %! * % & %&* &%! %$ %! %*&%%1(2%%&% ) %*%% ("#O * %$ * ("# * % ** % * 0& % &(8! (* ("#**(%&! * %%%&72S T* ("#%* %7& (( -==?F%0&%%&(8%& &(8"# % % & % 7 % D7* ** A* %5(* % (% ("#*%*(%%%0& %! " ("#%** %O % %$ 1% 0&( 78"# 0& &% 0&(F#(#&/ %"% 78"B%%%5(*% * &(8 ( 5 %!*&( % 78"B%%O / &%%&5%&%$ * ("# * % &% %&5%&% * 0&%& 7 % &%& (%%5(% *(&%%* 78"#% 78"B%%&(8 %%*!*%"% 1% % %** % % %! % 7)*!8 ("%* % 78"B%%" % 78"B%%0&!(2 *2 (&"##A % UK( -==>*(*1% %%%5 % *()7* %7 % F7* -==- %! &1% &!!&( % F7 % 78"B%% 6 -==: 0& %! & & %! 78*( ( / ;>>- *8( %5%%*% F7% 78*% % /-==? 52! %& 7 "B% % * %*& %&5%*( % P(% % * %0& %%"#% %%*( 0&*%&1%&(*D& * * %* * %* V W R-==L %% %0& %& %1%7 %&**&"#%7)*% *& C(*( %( ("B% *% (*%% % "%! "B% *& %% KK6 -==L E %& (* * %* %&% %! % *&*"# %C %%5( &"% %! **5 (8 % 7)*% % % % 78"B% ;>>-&%D(%C (&* G! * % 78"B%% % (* * %&%! * % %&% *(% % "# &%+% "% % *% % % 5&"# "# &% % &%7)*%* 7*

4 &%% )'%&(H %&( %%%H*% *&%% )'%8 ;>>>%&( FD&%%&** * *%% E! "# /R-===0&F%%*(&5(* *0&%&( 2%2 -==9 *(* 0& *%% C E! "# F & * G* %&*%% % 78"B% & 8 0& % *2*% %# % ' # 0& 0& "# 7 A* %*' &'( 5"# %! "B% % % %%!% <! %! % ' % % < & F% 1(% *%% 5%%!&(81%%C % *& %%%G% 7& %*X 8*&5&Q*& -==L %%5( & % *%% * (2! "# *2* * 5% "# %! "B% ' % E 78"# ' %! "B% % E 78"# (8"# 7)*% 0&(0& (*( *5 %% * %!&%% 2 C % %! % G%%!8 * 0& % 78"B% % 0& %D 1% *% % % &'( % %&%! % *%%% *%# % %5(8& *%%G( E%! "B% 0&(0& (&7 0&(0& 2 0&(0& %% -==:%*%% %% * % % **% 6( 3# % %& F & 8 '( ) % 5&%* &!( * &%! "# * 7 * & % *! "# F% ( % %& *("# %0&% '( ) 5F F &% %*5 ( %%5(%%%B%&("# %% /K -==:L 1%&%& X*&D! *(%! % 75&%*% C % & %D *(% %*( % 5D% % %0&% & * 1 % %( DC 0& *( % * & & / K -==:O-==?- *( % * & &% % % %%! => 7 % % 78"B%%0& % 0&%B%*&D!0& &%! "#%7& % %%!?? 7 % *&D!0& % 0&%B% &(8"# *! 7& - 5% % %("# %! *A* & 8 0& % %%% &%*& %%)%17 &"#*(%* & -===;>>> - Y ;>>- ; Y % &*(%5%&1%%0&% (8 %%* -==;0& % *"B%0&% (%*(%7%&"% % 78"B%* %% &(8!*8! "#! (8 %5 78"# & %# H*7(5(%% *"B%P! % 7&%!%% %% '( *"# I 1% *( * %&% '*%J 7& 7& I*%& %%*(*%&%'*%ZJ%* *"#!! %5 * % % ( % 7 ( *"#%7& 7& - %%0&%B%!%% %%

5 Perguntas utilizadas nas duas etapas de coleta de dados Nº Etapa 1 - Enfoque: uso da informação Etapa 2 - Enfoque: uso da internet 1. Como a sua empresa se adapta ao cliente e Como a sua empresa se adapta ao cliente e antecipa suas expectativas utilizando a antecipa suas expectativas utilizando a internet? informação? 2. De que forma a sua empresa usa a informação para melhorar a reação às mudanças externas? 3. Como a sua empresa procura desenvolver a capacidade de evolução, buscando assegurar a sua perenidade? 4. Como a sua empresa desenvolve sua capacidade de inovação para adaptação às mudanças externas? 5. De que forma a sua empresa procura desenvolver a capacidade de escuta do exterior e do futuro, para melhor se adaptar às mudanças externas? 6. Que ações a sua empresa desenvolve para melhor adaptar-se às pessoas, compartilhando a informação e o conhecimento? 7. De que forma a sua empresa procura tornar-se mais comunicativa, padronizando os conhecimentos e a informação? De que forma a sua empresa usa a informação via web para melhorar a reação às mudanças externas? Como a sua empresa procura desenvolver a capacidade de evolução, buscando assegurar a sua perenidade? Como a sua empresa desenvolve sua capacidade de inovação para adaptação às mudanças externas? De que forma a sua empresa procura desenvolver a capacidade de escuta do exterior e do futuro, para melhor se adaptar às mudanças externas? Que ações a sua empresa desenvolve para melhor adaptar-se às pessoas, compartilhando a informação e o conhecimento? De que forma a sua empresa procura tornar-se mais comunicativa, padronizando os conhecimentos e a informação? 8. De que forma a sua empresa procura integrar a tecnologia de informação à sua estratégia? De que forma a sua empresa procura integrar a tecnologia de informação à sua estratégia? 9. Que ações a sua empresa desenvolve no Que ações a sua empresa desenvolve no sentido sentido de buscar a retenção do conhecimento de buscar a retenção do conhecimento por ela por ela adquirido? adquirido? $17! C(% % %! (8 F% 0&%7&, -=LL F *(%%!*"# *5(8"# 8 %! 0NA*% & *5&(C % *& & %*5 [%J C*%!0&% F% &(8"# *2% "B% &! %% *%% % %%% 5% )% *7 8"# % % C% * 0&%# 5%!0&% *&1%&%! %%%$ '( &1%%*7 %%*%* &% 7&%! "#*!0&O&%7& &&1%%%*7 % 5%!0&% *& 0& C1(%(! "%*%%( / (( -=9. (( -==? 8- C(% *P *& % 0&%B%! (*% %*7 % % *%% *"B%&(8%*5% %%"B%% %% *&% *"B%(*"B%F 0&0& %%% C(%*P(*&1%F***7 % %% *%=> %%!0&! "# %% %%%#!%%G( 2&*7 % *!%* %#( 0& %%%C(%*&%0&%B% % F 5F (% '( "# % %%5!0& %!*?> 7 % 8)1-! 9! #!!*( C(%! (%%%=*7 %%*%%5(*&1%% * % F* *7 P *"B% &G & % *"B% -! 1'%!!! / % *(* %&%*%%% 78"# *%7! %! 7! "# *2* 7 % ( % &% % "% %%%%!"#*(F5D *( 78"#&%DF!&"# *(0&%D&%!* %"B% 78"#

6 * 1'9::!! 23 Capacitar os recursos humanos 20 Identificar o perfil do cliente 15 Antecipar as necessidades do cliente 14 Realizar pesquisas de mercado 14 Buscar a qualidade total 13 Identificar as necessidades do cliente 12 Informar-se sobre a satisfação dos clientes 12 Utilizar sistemas integrados de gestão 9 Pesquisar e desenvolver novos produtos e serviços * 87 respondentes * * 5(- 1%& 7 *&"# % '*&% (2 %&%*(% F%% &%% "% %%(%%&% %% *&"#!!(*(!* %&%*%%% *C1(%%0&% %%!"#% %% %C 5 % -==: %%( 0& I1% 7 C % & *"# E% '*% *(% * ( *&%% %% J **"# % *& %% 2&% * *! % * %*1% %% * & 7 *&"# % '*&% (2 % *(!( * % "% &% 0&( -! '(, 3 ; 7 % % C F & %5 A* 78"# % %%#*% * %* 5 0& (% % (F % % I %%J %5(&((! "# C%(F%P((&% %&5'*&%!( &8"#%5F**C(% 5% 1% 5(; 5' 0& %* (8"# % *%B% F& % *%! % % *"# & 8 0& * 5& & "# % C7( 78"#! %&"B% 0& * 8 % '7 *%B% C% % %) F %%G( %! *%H* * %%%7 %7%#0&7(8*( 8"# 78"#%("#% 5&"#! "#"%& 7 % *"#& *&"#* %*"# %*&5 ' (2 %"B%!&& % 78"# * '9:, 32 Descentralizar as decisões 30 Utilizar sistemas integrados de gestão 16 Padronizar processos 10 Capacitar recursos humanos 7 Reduzir os níveis hierárquicos 6 Utilizar 6 Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva 5 Agilizar o atendimento ao cliente 5 Motivar a equipe *75 respondentes / 2 & 7(*(*%%*%%! C7( C %! "B% 1%%%*(! & *%B%! *( 7(8%% " -==: -! 4'!! 1% % F7 I J &%D 78"# 5&%* *"# # %% ( *& 8 (2 %& %(7!* #%) %!*&(%! %5F% &% * * 4'9!!

7 38 Capacitar os recursos humanos 35 Formalizar o planejamento estratégico 14 Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva 9 Desenvolver a capacidade de adequação da empresa às mudanças do mercado 8 Projetar cenários 6 Trabalhar em equipe 5 Investir em novas tecnologias de informação 4 Motivar os funcionários 4 Valorizar a cultura organizacional * 89 respondentes!**"#% *& %%2&%% &%! %%*% % 0& % '*&% %# % 0&% % %! &"%! % % *%%% %*G!*% * (D % F7* ** &! (&"# *%**% 78"# 0& % &(8 & % *%% (7A* * -=9= D *C %!&& %!*( %% & (2 "# % &"%*%% * -! 5'!! # 2C (&"# % "# "# 8 % # % % &% % "%! *% * % 5F % *%&(8% ( 78"# &"# %%%5%% "% -==; * 5'9!! 23 Lançar novos produtos e serviços 18 Pesquisar e desenvolver produtos e serviços 16 Capacitar os recursos humanos 6 Estimular novas idéias para produtos e serviços 5 Estimular a inovação tecnológica 5 Motivar os funcionários 4 Desenvolver a capacidade adequação da empresa as mudanças do mercado 3 Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva 3 Personalizar produtos e serviços 2 Desenvolver alianças *83 respondentes 1%&7 *&"#% %% % &%% "%%(7&%%! % 0& 5(8 % "# % * **"# % *& %% 2&% %0&% %( &%% "%%&( %F% &%% "%! *% % 1% %0& (% %% "# *()7* %% % "#%5(8(F%% %(8"# &%% "%*7 &** * % "# % 7% % % A* F *&%8"# &% % "% 5&%* *%%% %*G!*% * *( / % 5 % 78"# %D %% * % % ( -==; 5% 1% '(*% *&"# %%! %"#%!&*C %%G&( %F% -! 6'!!!<=, % 0& 0& 0& F 0&(! "# / (&! (D 1% % % 5&%* * % %% *( % % * *%% % %0& %*& %*5 * 6'9!!!

8 17 Ter acesso a informações de qualidade 11 Possibilitar a atualização dos funcionários 5 Informar-se sobre a satisfação dos clientes 5 Utilizar sistemas integrados de gestão 5 Filtrar/cruzar as informações 4 Utilizar internet 4 Fazer benchmarking 4 Organizar um fluxo adequado de informações 4 Utilizar a internet *75 respondentes % *7 % *% (% %% 7(5 % *% 8% (7A* *0&% 0&% %%%# *&% %*! "B% * %0&#&! (8 (2 %A*% *%"B%% ** % -! 8'!,!,!, # 7%#! "#*2* %*%7&5% H*& %&% *& %% 2&% % % G% %&( "# &( &1 (8"# *2* & *% * 5(8 *"B% % *( %*( %& 0&(%5(%7& " * 8'9!,!,! 20 Capacitar os recursos humanos 13 Motivar os funcionários 10 Recompensar e premiar os funcionários 9 Descentralizar as decisões 8 Manter um bom clima organizacional 7 Desenvolver potencial dos funcionários 7 Manter um plano de cargos e salários 6 Fornecer benefícios sociais 6 Utilizar sistemas integrados de gestão *74 respondentes (%%! %*1%&7 *&"#*7%# *& %%2&% 0&% %& H*%&% 78"B%/ F#A0&! "# % &! %* (8 % *%B%* (2 %! "B% % %* %%&5!G* %%*%% -! > ' *!! 7!,!, #'% C% 7 % %%*&*"#* *&("#%! "B% * >'9:7!,! 14 Utilizar a intranet 13 Compartilhar as informações 12 Utilizar para a comunicação interna 10 Agilizar a comunicação interna 6 Captar informações em revistas e jornais 5 Utilizar a internet 5 Padronizar a Informação 4 Utilizar ferramentas de Comunicação 4 Utilizar um sistema integrado de gestão *56 respondentes

9 5%5(L!*1%0&% %% *5% %%%* (2! "# % %%/1%5% 0&*%%'%A**&*"#%C %* % %%*(7 %0& %C5(8*&*"# 1( % 78"B% %%%% % *&*"# % %% % D % %# %&% % *%! %*&*"# -!? '! 3 )- * 2! 3 #2 C"#%! "#! "#%*(70& *% * 8 % %! 1% & % & % F7* 0& (8"# & % * / (&(8"#"#*()7*% %& *&% # ( % 0& %C 7 & 0& ** A* &(8 *? '9:* Utilizar a TI como ferramenta facilitadora 15 Capacitar os recursos humanos 11 Utilizar tecnologia adequada à empresa 10 Partir da necessidade do usuário para escolher os sistemas 7 Utilizar um sistema de gestão para tomada de decisão 6 Utilizar sistemas integrados de gestão 5 Atualizar o parque tecnológico da empresa 4 Desenvolver e organizar os sistemas de informação 4 Utilizar sistemas em rede *63 respondentes %%& * 8 % & ( % F7* % 78"B% %% 1% *%% "# % % F7% 78"# * % % F7% RK-==: 5( 9 1% % *&"# % %C % *(! % * 0& *(* *(7! "# * &!!*( U&*%*(*"#%7& *&"#***"#% *& %%2&% ( *%%%%*(7% *5F *&"#&(8"#*(7%0& %*%%% %&%&C &%D% % &%%* % % %#%%0&% ( % 'A!!!9B!#! %! %%%G%*5%%*2*%0& %( 78"#F(5 "# %%% *%# S 0& ** %ZT & %%%% %*(%% % 0&% 7)%*% *%% 5(%'%%5&%*(2 C %5 &! "#% 7% % % '9:!!,! # 17 Utilizar sistemas de apoio à decisão 10 Capacitar os recursos humanos 8 Desenvolver corpo gerencial 7 Utilizar banco de dados 7 Registrar as informações da organização 7 Valorizar o conhecimento interno 5 Aprender com experiências passadas 4 Estudar os processos organizacionais 4 Desenvolver e utilizar softwares de gestão *56 respondentes /1% 5(= *&"# % %%0&!'% & %%0&)%&%*%B%/ %% 1%*%%C **"#%% *& %%2&% % % %%!8 0&%# %* H* %( *2* * 7 *( *%% '%A* & 5* % %%% 8%! "B%%5 78"#

10 /1% %% %& 5 7 % *"B% *"# % 7 % 7% 5(->$ * 1'-!!! 9 Recomendações Três principais categorias Citações/ Ações referentes à adaptação às Capacitar os recursos humanos 23 expectativas do cliente Identificar o perfil do cliente 20 Antecipar as necessidades do cliente Ações referentes à melhoria da Descentralizar as decisões 32 reação da empresa Utilizar sistemas integrados de gestão 30 Padronizar processos 16 Capacitar os recursos humanos 38 Formalizar o planejamento estratégico Ações referentes ao desenvolvimento da capacidade de evolução da empresa Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva Ações referentes ao Lançar novos produtos e serviços 23 desenvolvimento da capacidade de Pesquisar e desenvolver produtos e serviços 18 inovação Capacitar os recursos humanos Ações referentes ao Ter acesso a informações de qualidade 17 desenvolvimento da capacidade de Possibilitar a atualização dos funcionários 11 escuta externa Informar-se sobre a satisfação dos clientes Ações referentes ao Capacitar os recursos humanos 20 compartilhamento do conhecimento Motivar os funcionários 13 Recompensar e premiar os funcionários Ações referentes à padronização Utilizar a intranet 14 do conhecimento e da informação Compartilhar as informações Ações referentes à integração da TI as estratégias da empresa Utilizar para a comunicação interna 12 Utilizar a TI como ferramenta facilitadora 28 Capacitar os recursos humanos 15 Utilizar tecnologia adequada à empresa 11 Utilizar sistemas de apoio à decisão 17 Capacitar os recursos humanos Ações referentes à busca de retenção do conhecimento adquirido pela empresa Desenvolver corpo gerencial 8 8)2!!! C(% % % *& &1%!* % % %% % *%! "#*! 5"# 7*/ &(8&1% ( %! "% *% / -=9> (( -==? *(7! "# ( F % **! "%$ *(%! * % * % % % &%%&5%&%7& ((% 78"B%% *%%( &** % *%0&(%**! "%5 C1(D& % %% & / %% * % **! "% % 0&(G5 0&#F*%*% 5(-- / (2 %"# % %% %% ()7* % % %%% % %%! 7 &% *! 5( -- % **! "% *% *(%! * %* %% % &%%&5%&% %% (( -==? * 11'$! '# Forças competitivas Citações Freqüência (%) Produtos substitutos ,6 Clientes 72 23,0 Novos entrantes 55 17,6 Concorrentes 13 4,2 Fornecedor 2 0,6 Total de citações % (%1%5(--1% &7 %0&(G5 %**! "%*% %7& %%%*7 % C(% *P %! % B% % => 7 % % && ( P *"B% -L- & ( :-: *"B%! E! " * &% %&5%&%0&%%&%0&5 *"B%0&*(%UC%% %#% *(% % 0&&! 0NA* % 0&(5 0& 0& * %! * % %# &%%0&(0& & %! "%*%

11 *&"#% %% ("#% &%%&5%&%F!% ( * (% %# 7 &%D % 7 % "% % &%%&5%&% (% %# %0&%%(7 77%*%%%&% &% (%# % %&5%&G%% %#F%&!*F *%% 5F&"# %%! "%*%/ '(0& %%( &%%&5%&% %%#%( * %*%&%! * %Z% 0&! *F 1 % %*&( % F75% &%%&5%&% (( -==?5F *(*0&0&% %%* & &%&5%& *&%G(F%* DC*(*%F0& %0&%%&% &&%( &("*% 8)42! 5D!* %% %%%!0&?>7 %*% *!5"#7*&(8&1%%( -==?%**! "%*% *(7! "# %&( 7 &% %%%&0&%# * 1%5(-; * 1'$! '# Forças competitivas Citações Freqüência (%) Clientes ,0 Novos entrantes 24 12,2 Produtos substitutos 22 11,3 Concorrentes 5 2,5 Fornecedor 0 0,0 Total de citações % 5% 5( -; 1% & 7 %0&(G5 % **! "% *% %% (( -==?!0& % %% %& (! 0NA* L?\! E! " * S*(%T % S% %T %# )'% S &% %&5%&%T % & & % ->;\ 0& 0& S** %T % % ;.?\%! * %#! *%(% %% 5* '7A**% 0&( &% % "% D&%!* ( *&"#% %%*%&%*(%*8%'7%%(%%-?.*"B% S*(%T 5(-; % *&"# A1(% (2 %%G(/ %%% %%%#!* & %*%%!(%&%*(% (2 * %&%*%%%! * %%*8% &%% "%*&%8% > 9! %%"# %%&7 (8"##F%%G(% %% * % ( C(% *"# 0& 7 *( % %! %! "% *% *0&8 %&%! "#*! * *&% $5(-:(&% %% * 14' Freqüência (%) Forças competitivas Informação Internet Clientes 23,0 74,0 Concorrentes 4,2 2,5 Fornecedor 0,6 0 Novos entrantes 17,6 12,2 Produtos substitutos 54,6 11,3 Total de citações 100% 100% * Eram 90 gerentes no enfoque informação e 40 no enfoque internet ("#*%*(% &% %%% %%*&D!0& 7 *"B%* 5'*"#%%! "%*% ("#*%** %5%%!0&%! "# *"#%! "*!5'! "*%! * %!%*% (%%!0&%$2&*"#!0& &0&G%%%*"B% ; =>!0&! "# % F& *&%%! * %A& (*%%& ("# *!" * %% %!* E *A (7& % * %*& & & UC %! "% *% S% %T S &% %&5%&%T!

12 (5*%!0&! "#S &%%&5%&%T%% *"B%5%*"B%!0& 5F %5*% % 0& < '( 1 & %5 (" % &%!%%(%%! * C %%*(0&(%&5DC(% % &%(%%%&%%*% 7 *A* =>?>7 % % 1% * 5&G!('#%5 0&%#*0&%%&%%% % (8%%C* - B!;! CD%#/&($Q,Q%;>>>,& *; E%5$"B%L>-=LL //O%%%%! "#% %A*%*(7%7)*% - (!%&!! $* 4 1((-==? 0&!!$&(%%! "# Q7 E*%#/ (7 $ 8-==::.. O,KUOKO//2!$%%%%& */ (7 $ 8-==L O % (! "##/&($- /.;L:U&(2+5 -==;=;1->;,UX ! #/&($Q,Q% -==. V*2 UO],KK X$(77 % 7X 4 25&%%%7(%4 V Q$R% 2(-==L:;> Q75&%%%%%!2 " A- F 1 UORK 7*(7$( 77! *2(7X! %! 7 78%,X%U& (-==::; --=91;;> UKOO6 UK6 K6 O6 UK6 K6 -!, G ) 6,-==> KKO6,!!!$7 T%7&%6 %(X-==L KKOKU;GH F'*$/ *1((-==-99- KOU/+! 1) U %! 72 %$2(7!5&%%%! *2(7X % 7%2A(.G I QO-==:OR(:;%%-O7-=9 2 J/ %$%%-=9= OW, *F * U O* 2%(! %& 72(*!! *2(7X 78(% 7* 5(%!.!!-==- &8D5# K$(7(D'*&"#C(%#/&($ (%-==?; *U/K+! 3! &*!*A*%& %&(8! "#*&! % F7*U $ &%-==?;?? 6 I 78%$4 **%! 4! %(! 74 /(KK2& X % *22(7X%$%%%%I ( 2.G!((-==: / 7X2 "F ) /OR4! 7%X&*7" C(%! ( *"#&% 78"B%*A*% -==9 /OR! $*% *G%*M*%%(* U $&%-=== R(K3!2#/&($Q,Q%-==L 6 *! &%(% %%0&5A7* #/&($(%-==: 6 2!!, G7)&X%%7U2

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Inteligência Estratégica

Inteligência Estratégica Inteligência Estratégica Henrique Freitas & Raquel Janissek-Muniz PPGA/EA/UFRGS SPHINX Brasil E-mail: inteligencia@sphinxbrasil.com Pesquisa: http://gianti.ea.ufrgs.br Soluções: http://www.sphinxbrasil.com/inteligencia

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ

GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ GESTÃO ESTRATÉGICA DO CONHECIMENTO NAS PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: UM MODELO DE ABORDAGEM ABRAHAM B. SICSÚ 1 Contextualizando a Apresentação Gestão do Conhecimento, primeira abordagem: TI + Tecnologias Organizacionais

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval Brasília (DF), 26 de novembro de 2010 1 Propósito e Natureza Discussão dos grandes temas nacionais pertinentes ao conhecimento Papel de natureza social, desde 04/07/2008 está qualificada pelo Ministério

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING 1 PLANEJAMENTO DE MARKETING 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.Importância do Planejamento de Marketing 2. Considerações Organizacionais no Planejamento de Marketing 3.Planejamento de Database Marketing 4.Análise

Leia mais

Teoria Geral de Sistemas. Késsia R. C. Marchi

Teoria Geral de Sistemas. Késsia R. C. Marchi Teoria Geral de Sistemas Késsia R. C. Marchi Informação e Sistema Abordagem Sistêmica As pessoas empregam a palavra sistema em muitas situações cotidianas, por exemplo: O sistema eletrônico de votação...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Administração de Sistemas. E-mail: fdenis_natal@yahoo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com

Administração de Sistemas. E-mail: fdenis_natal@yahoo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Administração de Sistemas de Informação PROF. FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA E-mail: fdenis_natal@yahoo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Facebook: Felipe Oliveira OBSERVAÇÕES IMPORTANTES Freqüência: Mínimo

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Prêmio Nacional de Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Gestão da Inovação

Prêmio Nacional de Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Gestão da Inovação Prêmio Nacional de Inovação 2013 Caderno de Avaliação Categoria Gestão da Inovação Método: Esta dimensão visa facilitar o entendimento de como podem ser utilizados sistemas, métodos e ferramentas voltados

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Sistemas de informação Gerencial

Sistemas de informação Gerencial + Sistemas de informação Gerencial Referência: LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de información gerencial. 12. ed. México: Pearson Educación, 2012. + Componentes de um sistema de informações n (LAUDON;LAUDON,

Leia mais

Desenvolvendo competências nos gestores públicos

Desenvolvendo competências nos gestores públicos Desenvolvendo competências nos gestores públicos Walter Sigollo Superintendente de Recursos Humanos e Qualidade 26/maio/2011 Contexto do País - Mercado Estudo Mercer Consulting Outsourcing - abril 2011

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS SM

GESTÃO DE PROCESSOS SM GESTÃO DE PROCESSOS OBJETIVOS OBJETIVOS Promover a percepção de negócio, a partir do Mapeamento e da Gestão de Processos, focalizando principalmente: O desenvolvimento de uma visão sistêmica e estratégica

Leia mais

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02

Missão, Visão e Valores da Techint Engenharia e Construção. Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 da Techint Engenharia e Construção Código: FR-MA-MNG-001-01 R02 15 de Julho de 2008 Missão Nossa missão é agregar valor aos nossos acionistas e clientes através da prestação de serviços de Engenharia,

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 16/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional I Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciência da Informação Universidade Estadual de Londrina - UEL Londrina 06 de março de 2010

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa.

Tem a missão de assessorar a Presidência em assuntos a ela delegados, agindo em apoio aos demais órgãos da empresa. PRESIDÊNCIA (DIPRE) A missão da Presidência é assegurar a sobrevivência, o crescimento e a diversificação sinergética da Guimar, em consonância com as orientações estratégicas emanadas do Conselho de Administração,

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA GESTAO DE PESSOAS, PROCESSOS E NEGÓCIOS

GESTÃO DO CONHECIMENTO NA GESTAO DE PESSOAS, PROCESSOS E NEGÓCIOS GESTÃO DO CONHECIMENTO NA GESTAO DE PESSOAS, PROCESSOS E NEGÓCIOS Paulo da Luz Gerente de Gestão do Conhecimento Gerência Executiva de Recursos Humanos Our Story In 2 Minutes http://www.youtube.com/watch?v=mrqqd_tsy4q

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Adaptar criativamente

Adaptar criativamente Adaptar criativamente Os fundamentos do benchmarking eficiente e o caminho para a obtenção de vantagem competitiva. Por Robert Camp DOSSIÊ 64 Um dos termos mais comentados e menos compreendidos atualmente

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

SIG Capítulo 3 - Parte 1

SIG Capítulo 3 - Parte 1 SIG Capítulo 3 - Parte 1 Estudo de caso: Textron Fabrica de tudo: de aviões corporativos e sistemas de transmissão automotivos até aparadores de grama. Outra área industrial e uma financeira Vai de bem

Leia mais

Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva

Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva Gestão dos Stakeholders Cap. 2 - A construção da Vantagem Competitiva Profa. Dra. Thelma Rocha 1 Administração dos Públicos Estratégicos Vê a empresa como o centro de uma rede de públicos chamados de públicos

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING Prof. Esp. Lucas Cruz Estabelecimento de metas Os objetivos devem atender aos critérios: ser organizados hierarquicamente, do mais importante para o

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União Palestra UNICEUB Estratégia utilizada para implantação da Governança

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade. Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Práticas de Apoio à Gestão: Gerenciamento com foco na Qualidade Prof a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Gestão da Qualidade Total (TQM) Conjunto de ideias e

Leia mais

Fomento & Atração de Capitais: Estímulos à Reflexão

Fomento & Atração de Capitais: Estímulos à Reflexão Seminário Nacional de Rochas Ornamentais: Tecnologias, Tendências & Mercados Fomento & Atração de Capitais: Estímulos à Reflexão Eduardo Vale Salvador, BA 5 a 7 de julho de 2005 Considerações Preliminares;

Leia mais

Tecnologia SAP aplicada ao Setor Público Brasileiro. Um estudo de caso da Embrapa

Tecnologia SAP aplicada ao Setor Público Brasileiro. Um estudo de caso da Embrapa Tecnologia SAP aplicada ao Setor Público Brasileiro Um estudo de caso da Embrapa É possível inovar no setor público? LIMPE (Legalidade, Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiência) Paradigma do

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR

Conceitos É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR Conceitos EMPREENDEDOR É AQUELE QUE FAZ AS COISAS ACONTECEREM, SE ANTECIPA AOS FATOS E TEM UMA VISÃO FUTURA DA ORGANIZAÇÃO ENTREPRENEUR É AQUELE QUE ASSUME RISCOS E COMEÇA ALGO NOVO 1 Onde empreender Criar

Leia mais

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br C.R.M. Customer Relationship Management Parte 2 Prof. Fulvio Cristofoli fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br Mudança a Organizacional Mudança na cultura organizacional. Todas as áreas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Workshop 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Prof. Mércio Rosa Júnior PRODUÇÃO 02 e 03 de Fevereiro de 2011 Agência Nacional de Transportes Aquaviários O MAPA ESTRATÉGICO ANTAQ 2 Missão Assegurar à sociedade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo

Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo Aula 03 1 2 Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo Exemplos: Empresas; Associações; Órgãos governamentais,

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

INOVAÇÃO EM AGÊNCIAS Luca Cavalcanti Diretor de Canais Digitais

INOVAÇÃO EM AGÊNCIAS Luca Cavalcanti Diretor de Canais Digitais INOVAÇÃO EM AGÊNCIAS INOVAÇÃO EM AGÊNCIAS Luca Cavalcanti Diretor de Canais Digitais Luca Cavalcanti Diretor de Canais Digitais INOVAÇÃO EM AGÊNCIAS Luca Cavalcanti Diretor de Canais Digitais 3000 a.c.

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

COPPE/UFRJ. Ana Regina Rocha. Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

COPPE/UFRJ. Ana Regina Rocha. Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Gerência do Conhecimento Porque é importante para empresas de software Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Três Níveis de Conhecimento Dados Informação Dados organizados para

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais