! "# $%&'( ) *'*&%( +,$ -.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "! "# $%&'( ) *'*&%( +,$ -."

Transcrição

1 ! "# $%&'( ) *'*&%( +,$ -.!! "#$%/!%% //++/%0&% /0/)%1& %#%% 1($2! %3 4 5*5 &6 (7 " &!'/!%% ++/<11($2&5 (%*3 %&!17 5(! ( )&!%& //++% % "#1($ (&*3 &! 7%5 * +, 1% //++1($723 &! 7%5 -./(0 5 * 5'% 7% (&* ** A* * 5&%* *% &"#*&%%* %**('% 78"B% ) %*%%*(7%! "#$%*C % 78"B% *%*8%! "# C *% 0&( % &(8% *% &%!*8! "# %%5( 0& % 78"B%% D% E%&"%% %'8( 7 7% %&% &%% "%%5&%**&%8"#%! # 1%*% % *C % 7 %*&1% (! "# * %&% % 7% *%& 78"#/ % (8&1%&%0&%'( ) *7 % % 78"B%% % 0&% 7&&1% * 7 % %&% 78"B%% ("# (7&% *"B% &% % F7*! "# %&(%!!*% (7&% *"B% &* *% % (% %% F!&% 0& % 78"B%%2(%G%* 12 5* %C *% &" C &"%%7!*% % 2C5% % %%% %*!7& "B% % G%%!(! " 5(2 % 78"B% *% % %! %%&&/ %5 %%5% 78"B% *% % %%!% 6 % 0& (! % &"# *%& %% *"& % %% %7 % 78"B%% %% % * 5%* 5&%* 7%*% %72% &*!(' % "%5&%*0&(! * % "% *% %*%& % D ( * 0& %%% C% #%# %&!*% 7 %5 A*% 78"B%7&(5 24 ( -=9.& & 0&( &% %"# % "% *%& %# *%%% *% % % 7%*%% # (*"% % '*(A* (2 78*( %%! "# 72 H*$ F *% *%%% %(&5 *C %!&& % % %%% ** A* * (2! "B%! C * *(%! * % * % *&%8 &% % "% %7& % %% %*(%!! "# F * %%*( %5 A* % 78"B%&(*' 5D% 7F'( 0&! % 78"B%%%#&(8! "# 5 %& * *"B%!% % %* -==; %7& %"#; %*&! "# *2**! % F7* %"#:%# '%% (7&% F% %5 *(7! "# %"#? % F %0&%&(8% 5(20&0&%"#.%* 1%%5 % %&(%(8 "B%!%5 (7&% *"B%%5 &%! "#* 7* 2!,!! & *7(5(8*&*5%! "#I** A* % 78"B% 5%1% ** 0& &(8! "#J * /K-==?5!!*8*!C(7&K((K(( -==--I% %%C%

2 (*%#%#*" 0&! "#DC#F& &'*(&% *( (% "B% 78"#%&% %%J1%%*% C1( C1( * & *% *& % %% * 5&! (2 % %&(% 78*% (-==L / % %* -==; I% %% 0& 72 # 7& *M* % # 0&(% 0& 72 7&! "# 0& % % "# %!&"#! "#J %* *(* 0& I! "# *2**B& *& % %%*( %&*%% "# 78"# & 5 ** A*J & %D! "# *2*% &(8%*&7** *(I%%2%7! "# *2* 7 % %! "# *2* & % % "%%*%B%J -=9= "# 7! "#*2*% *(! "#%7 % &%!&& % **C1(% -==;$ 7 % 5(% &%D 7%* % %!&"B% %%%%! "# 7%# ( %*%0NA*% 78"#%0&% %*&%%7%%& 1(%O * "#%%!%"# 5( &&(&C * "B%0& %!!&"#! *(7*O &8 &" 78*( (7 E (&"# %&(H 78"# %& 5O (8 %&%*2*%%&%' A*% *% & ) *( %%%G( 78"#O 87 78*(!*( (&"#*& C( 78"# 7 %% ( %!&"B% DC *% * *( %0&% &"#!"% %%( &!&(!&"#$!&"#! *( 78"# 0& %% 78"# (7C1(%5' -==; %7& %* 1%%5! "#** &% % "% ;- 7 %! 7%*%E 78"# ;; )1 *%%(&"# 78"#*%%"#%!&& %& * % 7 "# % *%! "# #%( *2* * ( *%& 5% 0& %% & % " %O! "# F (7&! (7 &%! "B%*%&7 % ) &&% (%% *% %* %*1%*% %%! "B% P% &8 5% % % &% ( % A 5&! "# *2*%D%5! A*% *( & % % % * ) *%%!5 *"# %%*(&% (%&F %&( & %% % "% % & %D % %&% * %0&% 7%#! "#! "# * %* 72 *( 0&( C *! % F7 %*(2 ( 78"# % F &! *"# &( ** A* H*! "#& %! C1( 8% ) * 78"# & ) &% /! "# F!&( 7 *!&* % 78"B% % 5(8 *%B% % %*% %%5( % "B% ** *! *"# &% % "% (2 *2* %5 *(! 0& 0&*( 8(%! "#&%7!*% F7*&%D % & 7! *(* * /K-==? %* -=9=! 0& I 0&(! "# C!&& %J )/ 3!! "# %2 & (!"# '*&"# 7 "# % F7% 78*% * * 81% %% * & % %&% % % 78"# -==9 7& * / &%Q -==? IE 0& 7 "# % F7 %& '*&"# 1% %! 78*( % (! "# * &! %%*( %*27 %% 7 "# 1% %*( J %% 5 7! * A% %*%% F7*% */K-==?$! "#&'(!*"#%"% 0& % &% ' % % E 78"#O &'( * "# *%%% 0&! * % &% & % "%! "# F &! 0&! * &% % "% & E% 8%F ) &O!F& 7 0& '*&"# % F7* * 0& *2* 1%%% F7% 1% %*

3 / &'( % 78"B% %5 % % 5 1% *%& &0&*(7! "# %0&! "#F&%(%* &*% %% / / (( -=9. % % 78"B% % * * 8 * & 7 * 0&%! %*&% 0& 0&%! E! *"# & & % "/ (( -==?.>*8% (H* *25( &8 **"# %( &"# % 5&"# &% # % 7(E%*%%%A*% *** %!('5( %% "B% 78"#! "# C/ %( %25( * 7%#! "#%& (F!&( 4*!! ( % 78"B% && %7!* & P( F* 7(5(8"#&** A* *%G%%%C %*%& *( (%& % #%)%C(& &(% F7***( % F7% 78*% %*(2% % 5F %C % ( % % F7% D&!1(% 6 -==LO 6 -==:O RK -==: (( -==?*0&% 78"B%%% 0&%! "%*%0& C1 (%&* G(*&(8 7A1(%%! "% *$ (%$!%*(%*& 78"#* F% 5 72 %% 0& %% 0& % "% *%7& % 0&( & % % "% ( % " * 5& &"# * 5 72 * 78"#! * *%% 0& *( ' % *(!8 *0& 78"# 5(2 *(% 78"#(F& % " *(&1 &O * %$ * ("# * %! * % * 0&! *!8 &"% &&! *%%%&"%!8*0& 78"#!0& %7 ("#%&%** % 78"#&(8 0& 5 72 %! * % & %&* &%! %$ %! %*&%%1(2%%&% ) %*%% ("#O * %$ * ("# * % ** % * 0& % &(8! (* ("#**(%&! * %%%&72S T* ("#%* %7& (( -==?F%0&%%&(8%& &(8"# % % & % 7 % D7* ** A* %5(* % (% ("#*%*(%%%0& %! " ("#%** %O % %$ 1% 0&( 78"# 0& &% 0&(F#(#&/ %"% 78"B%%%5(*% * &(8 ( 5 %!*&( % 78"B%%O / &%%&5%&%$ * ("# * % &% %&5%&% * 0&%& 7 % &%& (%%5(% *(&%%* 78"#% 78"B%%&(8 %%*!*%"% 1% % %** % % %! % 7)*!8 ("%* % 78"B%%" % 78"B%%0&!(2 *2 (&"##A % UK( -==>*(*1% %%%5 % *()7* %7 % F7* -==- %! &1% &!!&( % F7 % 78"B%% 6 -==: 0& %! & & %! 78*( ( / ;>>- *8( %5%%*% F7% 78*% % /-==? 52! %& 7 "B% % * %*& %&5%*( % P(% % * %0& %%"#% %%*( 0&*%&1%&(*D& * * %* * %* V W R-==L %% %0& %& %1%7 %&**&"#%7)*% *& C(*( %( ("B% *% (*%% % "%! "B% *& %% KK6 -==L E %& (* * %* %&% %! % *&*"# %C %%5( &"% %! **5 (8 % 7)*% % % % 78"B% ;>>-&%D(%C (&* G! * % 78"B%% % (* * %&%! * % %&% *(% % "# &%+% "% % *% % % 5&"# "# &% % &%7)*%* 7*

4 &%% )'%&(H %&( %%%H*% *&%% )'%8 ;>>>%&( FD&%%&** * *%% E! "# /R-===0&F%%*(&5(* *0&%&( 2%2 -==9 *(* 0& *%% C E! "# F & * G* %&*%% % 78"B% & 8 0& % *2*% %# % ' # 0& 0& "# 7 A* %*' &'( 5"# %! "B% % % %%!% <! %! % ' % % < & F% 1(% *%% 5%%!&(81%%C % *& %%%G% 7& %*X 8*&5&Q*& -==L %%5( & % *%% * (2! "# *2* * 5% "# %! "B% ' % E 78"# ' %! "B% % E 78"# (8"# 7)*% 0&(0& (*( *5 %% * %!&%% 2 C % %! % G%%!8 * 0& % 78"B% % 0& %D 1% *% % % &'( % %&%! % *%%% *%# % %5(8& *%%G( E%! "B% 0&(0& (&7 0&(0& 2 0&(0& %% -==:%*%% %% * % % **% 6( 3# % %& F & 8 '( ) % 5&%* &!( * &%! "# * 7 * & % *! "# F% ( % %& *("# %0&% '( ) 5F F &% %*5 ( %%5(%%%B%&("# %% /K -==:L 1%&%& X*&D! *(%! % 75&%*% C % & %D *(% %*( % 5D% % %0&% & * 1 % %( DC 0& *( % * & & / K -==:O-==?- *( % * & &% % % %%! => 7 % % 78"B%%0& % 0&%B%*&D!0& &%! "#%7& % %%!?? 7 % *&D!0& % 0&%B% &(8"# *! 7& - 5% % %("# %! *A* & 8 0& % %%% &%*& %%)%17 &"#*(%* & -===;>>> - Y ;>>- ; Y % &*(%5%&1%%0&% (8 %%* -==;0& % *"B%0&% (%*(%7%&"% % 78"B%* %% &(8!*8! "#! (8 %5 78"# & %# H*7(5(%% *"B%P! % 7&%!%% %% '( *"# I 1% *( * %&% '*%J 7& 7& I*%& %%*(*%&%'*%ZJ%* *"#!! %5 * % % ( % 7 ( *"#%7& 7& - %%0&%B%!%% %%

5 Perguntas utilizadas nas duas etapas de coleta de dados Nº Etapa 1 - Enfoque: uso da informação Etapa 2 - Enfoque: uso da internet 1. Como a sua empresa se adapta ao cliente e Como a sua empresa se adapta ao cliente e antecipa suas expectativas utilizando a antecipa suas expectativas utilizando a internet? informação? 2. De que forma a sua empresa usa a informação para melhorar a reação às mudanças externas? 3. Como a sua empresa procura desenvolver a capacidade de evolução, buscando assegurar a sua perenidade? 4. Como a sua empresa desenvolve sua capacidade de inovação para adaptação às mudanças externas? 5. De que forma a sua empresa procura desenvolver a capacidade de escuta do exterior e do futuro, para melhor se adaptar às mudanças externas? 6. Que ações a sua empresa desenvolve para melhor adaptar-se às pessoas, compartilhando a informação e o conhecimento? 7. De que forma a sua empresa procura tornar-se mais comunicativa, padronizando os conhecimentos e a informação? De que forma a sua empresa usa a informação via web para melhorar a reação às mudanças externas? Como a sua empresa procura desenvolver a capacidade de evolução, buscando assegurar a sua perenidade? Como a sua empresa desenvolve sua capacidade de inovação para adaptação às mudanças externas? De que forma a sua empresa procura desenvolver a capacidade de escuta do exterior e do futuro, para melhor se adaptar às mudanças externas? Que ações a sua empresa desenvolve para melhor adaptar-se às pessoas, compartilhando a informação e o conhecimento? De que forma a sua empresa procura tornar-se mais comunicativa, padronizando os conhecimentos e a informação? 8. De que forma a sua empresa procura integrar a tecnologia de informação à sua estratégia? De que forma a sua empresa procura integrar a tecnologia de informação à sua estratégia? 9. Que ações a sua empresa desenvolve no Que ações a sua empresa desenvolve no sentido sentido de buscar a retenção do conhecimento de buscar a retenção do conhecimento por ela por ela adquirido? adquirido? $17! C(% % %! (8 F% 0&%7&, -=LL F *(%%!*"# *5(8"# 8 %! 0NA*% & *5&(C % *& & %*5 [%J C*%!0&% F% &(8"# *2% "B% &! %% *%% % %%% 5% )% *7 8"# % % C% * 0&%# 5%!0&% *&1%&%! %%%$ '( &1%%*7 %%*%* &% 7&%! "#*!0&O&%7& &&1%%%*7 % 5%!0&% *& 0& C1(%(! "%*%%( / (( -=9. (( -==? 8- C(% *P *& % 0&%B%! (*% %*7 % % *%% *"B%&(8%*5% %%"B%% %% *&% *"B%(*"B%F 0&0& %%% C(%*P(*&1%F***7 % %% *%=> %%!0&! "# %% %%%#!%%G( 2&*7 % *!%* %#( 0& %%%C(%*&%0&%B% % F 5F (% '( "# % %%5!0& %!*?> 7 % 8)1-! 9! #!!*( C(%! (%%%=*7 %%*%%5(*&1%% * % F* *7 P *"B% &G & % *"B% -! 1'%!!! / % *(* %&%*%%% 78"# *%7! %! 7! "# *2* 7 % ( % &% % "% %%%%!"#*(F5D *( 78"#&%DF!&"# *(0&%D&%!* %"B% 78"#

6 * 1'9::!! 23 Capacitar os recursos humanos 20 Identificar o perfil do cliente 15 Antecipar as necessidades do cliente 14 Realizar pesquisas de mercado 14 Buscar a qualidade total 13 Identificar as necessidades do cliente 12 Informar-se sobre a satisfação dos clientes 12 Utilizar sistemas integrados de gestão 9 Pesquisar e desenvolver novos produtos e serviços * 87 respondentes * * 5(- 1%& 7 *&"# % '*&% (2 %&%*(% F%% &%% "% %%(%%&% %% *&"#!!(*(!* %&%*%%% *C1(%%0&% %%!"#% %% %C 5 % -==: %%( 0& I1% 7 C % & *"# E% '*% *(% * ( *&%% %% J **"# % *& %% 2&% * *! % * %*1% %% * & 7 *&"# % '*&% (2 % *(!( * % "% &% 0&( -! '(, 3 ; 7 % % C F & %5 A* 78"# % %%#*% * %* 5 0& (% % (F % % I %%J %5(&((! "# C%(F%P((&% %&5'*&%!( &8"#%5F**C(% 5% 1% 5(; 5' 0& %* (8"# % *%B% F& % *%! % % *"# & 8 0& * 5& & "# % C7( 78"#! %&"B% 0& * 8 % '7 *%B% C% % %) F %%G( %! *%H* * %%%7 %7%#0&7(8*( 8"# 78"#%("#% 5&"#! "#"%& 7 % *"#& *&"#* %*"# %*&5 ' (2 %"B%!&& % 78"# * '9:, 32 Descentralizar as decisões 30 Utilizar sistemas integrados de gestão 16 Padronizar processos 10 Capacitar recursos humanos 7 Reduzir os níveis hierárquicos 6 Utilizar 6 Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva 5 Agilizar o atendimento ao cliente 5 Motivar a equipe *75 respondentes / 2 & 7(*(*%%*%%! C7( C %! "B% 1%%%*(! & *%B%! *( 7(8%% " -==: -! 4'!! 1% % F7 I J &%D 78"# 5&%* *"# # %% ( *& 8 (2 %& %(7!* #%) %!*&(%! %5F% &% * * 4'9!!

7 38 Capacitar os recursos humanos 35 Formalizar o planejamento estratégico 14 Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva 9 Desenvolver a capacidade de adequação da empresa às mudanças do mercado 8 Projetar cenários 6 Trabalhar em equipe 5 Investir em novas tecnologias de informação 4 Motivar os funcionários 4 Valorizar a cultura organizacional * 89 respondentes!**"#% *& %%2&%% &%! %%*% % 0& % '*&% %# % 0&% % %! &"%! % % *%%% %*G!*% * (D % F7* ** &! (&"# *%**% 78"# 0& % &(8 & % *%% (7A* * -=9= D *C %!&& %!*( %% & (2 "# % &"%*%% * -! 5'!! # 2C (&"# % "# "# 8 % # % % &% % "%! *% * % 5F % *%&(8% ( 78"# &"# %%%5%% "% -==; * 5'9!! 23 Lançar novos produtos e serviços 18 Pesquisar e desenvolver produtos e serviços 16 Capacitar os recursos humanos 6 Estimular novas idéias para produtos e serviços 5 Estimular a inovação tecnológica 5 Motivar os funcionários 4 Desenvolver a capacidade adequação da empresa as mudanças do mercado 3 Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva 3 Personalizar produtos e serviços 2 Desenvolver alianças *83 respondentes 1%&7 *&"#% %% % &%% "%%(7&%%! % 0& 5(8 % "# % * **"# % *& %% 2&% %0&% %( &%% "%%&( %F% &%% "%! *% % 1% %0& (% %% "# *()7* %% % "#%5(8(F%% %(8"# &%% "%*7 &** * % "# % 7% % % A* F *&%8"# &% % "% 5&%* *%%% %*G!*% * *( / % 5 % 78"# %D %% * % % ( -==; 5% 1% '(*% *&"# %%! %"#%!&*C %%G&( %F% -! 6'!!!<=, % 0& 0& 0& F 0&(! "# / (&! (D 1% % % 5&%* * % %% *( % % * *%% % %0& %*& %*5 * 6'9!!!

8 17 Ter acesso a informações de qualidade 11 Possibilitar a atualização dos funcionários 5 Informar-se sobre a satisfação dos clientes 5 Utilizar sistemas integrados de gestão 5 Filtrar/cruzar as informações 4 Utilizar internet 4 Fazer benchmarking 4 Organizar um fluxo adequado de informações 4 Utilizar a internet *75 respondentes % *7 % *% (% %% 7(5 % *% 8% (7A* *0&% 0&% %%%# *&% %*! "B% * %0&#&! (8 (2 %A*% *%"B%% ** % -! 8'!,!,!, # 7%#! "#*2* %*%7&5% H*& %&% *& %% 2&% % % G% %&( "# &( &1 (8"# *2* & *% * 5(8 *"B% % *( %*( %& 0&(%5(%7& " * 8'9!,!,! 20 Capacitar os recursos humanos 13 Motivar os funcionários 10 Recompensar e premiar os funcionários 9 Descentralizar as decisões 8 Manter um bom clima organizacional 7 Desenvolver potencial dos funcionários 7 Manter um plano de cargos e salários 6 Fornecer benefícios sociais 6 Utilizar sistemas integrados de gestão *74 respondentes (%%! %*1%&7 *&"#*7%# *& %%2&% 0&% %& H*%&% 78"B%/ F#A0&! "# % &! %* (8 % *%B%* (2 %! "B% % %* %%&5!G* %%*%% -! > ' *!! 7!,!, #'% C% 7 % %%*&*"#* *&("#%! "B% * >'9:7!,! 14 Utilizar a intranet 13 Compartilhar as informações 12 Utilizar para a comunicação interna 10 Agilizar a comunicação interna 6 Captar informações em revistas e jornais 5 Utilizar a internet 5 Padronizar a Informação 4 Utilizar ferramentas de Comunicação 4 Utilizar um sistema integrado de gestão *56 respondentes

9 5%5(L!*1%0&% %% *5% %%%* (2! "# % %%/1%5% 0&*%%'%A**&*"#%C %* % %%*(7 %0& %C5(8*&*"# 1( % 78"B% %%%% % *&*"# % %% % D % %# %&% % *%! %*&*"# -!? '! 3 )- * 2! 3 #2 C"#%! "#! "#%*(70& *% * 8 % %! 1% & % & % F7* 0& (8"# & % * / (&(8"#"#*()7*% %& *&% # ( % 0& %C 7 & 0& ** A* &(8 *? '9:* Utilizar a TI como ferramenta facilitadora 15 Capacitar os recursos humanos 11 Utilizar tecnologia adequada à empresa 10 Partir da necessidade do usuário para escolher os sistemas 7 Utilizar um sistema de gestão para tomada de decisão 6 Utilizar sistemas integrados de gestão 5 Atualizar o parque tecnológico da empresa 4 Desenvolver e organizar os sistemas de informação 4 Utilizar sistemas em rede *63 respondentes %%& * 8 % & ( % F7* % 78"B% %% 1% *%% "# % % F7% 78"# * % % F7% RK-==: 5( 9 1% % *&"# % %C % *(! % * 0& *(* *(7! "# * &!!*( U&*%*(*"#%7& *&"#***"#% *& %%2&% ( *%%%%*(7% *5F *&"#&(8"#*(7%0& %*%%% %&%&C &%D% % &%%* % % %#%%0&% ( % 'A!!!9B!#! %! %%%G%*5%%*2*%0& %( 78"#F(5 "# %%% *%# S 0& ** %ZT & %%%% %*(%% % 0&% 7)%*% *%% 5(%'%%5&%*(2 C %5 &! "#% 7% % % '9:!!,! # 17 Utilizar sistemas de apoio à decisão 10 Capacitar os recursos humanos 8 Desenvolver corpo gerencial 7 Utilizar banco de dados 7 Registrar as informações da organização 7 Valorizar o conhecimento interno 5 Aprender com experiências passadas 4 Estudar os processos organizacionais 4 Desenvolver e utilizar softwares de gestão *56 respondentes /1% 5(= *&"# % %%0&!'% & %%0&)%&%*%B%/ %% 1%*%%C **"#%% *& %%2&% % % %%!8 0&%# %* H* %( *2* * 7 *( *%% '%A* & 5* % %%% 8%! "B%%5 78"#

10 /1% %% %& 5 7 % *"B% *"# % 7 % 7% 5(->$ * 1'-!!! 9 Recomendações Três principais categorias Citações/ Ações referentes à adaptação às Capacitar os recursos humanos 23 expectativas do cliente Identificar o perfil do cliente 20 Antecipar as necessidades do cliente Ações referentes à melhoria da Descentralizar as decisões 32 reação da empresa Utilizar sistemas integrados de gestão 30 Padronizar processos 16 Capacitar os recursos humanos 38 Formalizar o planejamento estratégico Ações referentes ao desenvolvimento da capacidade de evolução da empresa Desenvolver mecanismos de inteligência competitiva Ações referentes ao Lançar novos produtos e serviços 23 desenvolvimento da capacidade de Pesquisar e desenvolver produtos e serviços 18 inovação Capacitar os recursos humanos Ações referentes ao Ter acesso a informações de qualidade 17 desenvolvimento da capacidade de Possibilitar a atualização dos funcionários 11 escuta externa Informar-se sobre a satisfação dos clientes Ações referentes ao Capacitar os recursos humanos 20 compartilhamento do conhecimento Motivar os funcionários 13 Recompensar e premiar os funcionários Ações referentes à padronização Utilizar a intranet 14 do conhecimento e da informação Compartilhar as informações Ações referentes à integração da TI as estratégias da empresa Utilizar para a comunicação interna 12 Utilizar a TI como ferramenta facilitadora 28 Capacitar os recursos humanos 15 Utilizar tecnologia adequada à empresa 11 Utilizar sistemas de apoio à decisão 17 Capacitar os recursos humanos Ações referentes à busca de retenção do conhecimento adquirido pela empresa Desenvolver corpo gerencial 8 8)2!!! C(% % % *& &1%!* % % %% % *%! "#*! 5"# 7*/ &(8&1% ( %! "% *% / -=9> (( -==? *(7! "# ( F % **! "%$ *(%! * % * % % % &%%&5%&%7& ((% 78"B%% *%%( &** % *%0&(%**! "%5 C1(D& % %% & / %% * % **! "% % 0&(G5 0&#F*%*% 5(-- / (2 %"# % %% %% ()7* % % %%% % %%! 7 &% *! 5( -- % **! "% *% *(%! * %* %% % &%%&5%&% %% (( -==? * 11'$! '# Forças competitivas Citações Freqüência (%) Produtos substitutos ,6 Clientes 72 23,0 Novos entrantes 55 17,6 Concorrentes 13 4,2 Fornecedor 2 0,6 Total de citações % (%1%5(--1% &7 %0&(G5 %**! "%*% %7& %%%*7 % C(% *P %! % B% % => 7 % % && ( P *"B% -L- & ( :-: *"B%! E! " * &% %&5%&%0&%%&%0&5 *"B%0&*(%UC%% %#% *(% % 0&&! 0NA* % 0&(5 0& 0& * %! * % %# &%%0&(0& & %! "%*%

11 *&"#% %% ("#% &%%&5%&%F!% ( * (% %# 7 &%D % 7 % "% % &%%&5%&% (% %# %0&%%(7 77%*%%%&% &% (%# % %&5%&G%% %#F%&!*F *%% 5F&"# %%! "%*%/ '(0& %%( &%%&5%&% %%#%( * %*%&%! * %Z% 0&! *F 1 % %*&( % F75% &%%&5%&% (( -==?5F *(*0&0&% %%* & &%&5%& *&%G(F%* DC*(*%F0& %0&%%&% &&%( &("*% 8)42! 5D!* %% %%%!0&?>7 %*% *!5"#7*&(8&1%%( -==?%**! "%*% *(7! "# %&( 7 &% %%%&0&%# * 1%5(-; * 1'$! '# Forças competitivas Citações Freqüência (%) Clientes ,0 Novos entrantes 24 12,2 Produtos substitutos 22 11,3 Concorrentes 5 2,5 Fornecedor 0 0,0 Total de citações % 5% 5( -; 1% & 7 %0&(G5 % **! "% *% %% (( -==?!0& % %% %& (! 0NA* L?\! E! " * S*(%T % S% %T %# )'% S &% %&5%&%T % & & % ->;\ 0& 0& S** %T % % ;.?\%! * %#! *%(% %% 5* '7A**% 0&( &% % "% D&%!* ( *&"#% %%*%&%*(%*8%'7%%(%%-?.*"B% S*(%T 5(-; % *&"# A1(% (2 %%G(/ %%% %%%#!* & %*%%!(%&%*(% (2 * %&%*%%%! * %%*8% &%% "%*&%8% > 9! %%"# %%&7 (8"##F%%G(% %% * % ( C(% *"# 0& 7 *( % %! %! "% *% *0&8 %&%! "#*! * *&% $5(-:(&% %% * 14' Freqüência (%) Forças competitivas Informação Internet Clientes 23,0 74,0 Concorrentes 4,2 2,5 Fornecedor 0,6 0 Novos entrantes 17,6 12,2 Produtos substitutos 54,6 11,3 Total de citações 100% 100% * Eram 90 gerentes no enfoque informação e 40 no enfoque internet ("#*%*(% &% %%% %%*&D!0& 7 *"B%* 5'*"#%%! "%*% ("#*%** %5%%!0&%! "# *"#%! "*!5'! "*%! * %!%*% (%%!0&%$2&*"#!0& &0&G%%%*"B% ; =>!0&! "# % F& *&%%! * %A& (*%%& ("# *!" * %% %!* E *A (7& % * %*& & & UC %! "% *% S% %T S &% %&5%&%T!

12 (5*%!0&! "#S &%%&5%&%T%% *"B%5%*"B%!0& 5F %5*% % 0& < '( 1 & %5 (" % &%!%%(%%! * C %%*(0&(%&5DC(% % &%(%%%&%%*% 7 *A* =>?>7 % % 1% * 5&G!('#%5 0&%#*0&%%&%%% % (8%%C* - B!;! CD%#/&($Q,Q%;>>>,& *; E%5$"B%L>-=LL //O%%%%! "#% %A*%*(7%7)*% - (!%&!! $* 4 1((-==? 0&!!$&(%%! "# Q7 E*%#/ (7 $ 8-==::.. O,KUOKO//2!$%%%%& */ (7 $ 8-==L O % (! "##/&($- /.;L:U&(2+5 -==;=;1->;,UX ! #/&($Q,Q% -==. V*2 UO],KK X$(77 % 7X 4 25&%%%7(%4 V Q$R% 2(-==L:;> Q75&%%%%%!2 " A- F 1 UORK 7*(7$( 77! *2(7X! %! 7 78%,X%U& (-==::; --=91;;> UKOO6 UK6 K6 O6 UK6 K6 -!, G ) 6,-==> KKO6,!!!$7 T%7&%6 %(X-==L KKOKU;GH F'*$/ *1((-==-99- KOU/+! 1) U %! 72 %$2(7!5&%%%! *2(7X % 7%2A(.G I QO-==:OR(:;%%-O7-=9 2 J/ %$%%-=9= OW, *F * U O* 2%(! %& 72(*!! *2(7X 78(% 7* 5(%!.!!-==- &8D5# K$(7(D'*&"#C(%#/&($ (%-==?; *U/K+! 3! &*!*A*%& %&(8! "#*&! % F7*U $ &%-==?;?? 6 I 78%$4 **%! 4! %(! 74 /(KK2& X % *22(7X%$%%%%I ( 2.G!((-==: / 7X2 "F ) /OR4! 7%X&*7" C(%! ( *"#&% 78"B%*A*% -==9 /OR! $*% *G%*M*%%(* U $&%-=== R(K3!2#/&($Q,Q%-==L 6 *! &%(% %%0&5A7* #/&($(%-==: 6 2!!, G7)&X%%7U2

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Condicionantes da Estrutura Organizacional De acordo com Simeray ( 1970) é produto dos seguintes fatores: O valor do homem O conhecimento

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval

Brasília (DF), 26 de novembro de 2010. Clarisse Droval Brasília (DF), 26 de novembro de 2010 1 Propósito e Natureza Discussão dos grandes temas nacionais pertinentes ao conhecimento Papel de natureza social, desde 04/07/2008 está qualificada pelo Ministério

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Contexto e Caracterização Geral do Agrupamento de Escolas... 5. 4. Resultados Académicos...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Contexto e Caracterização Geral do Agrupamento de Escolas... 5. 4. Resultados Académicos... ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Metodologia... 4 3. Contexto e Caracterização Geral do Agrupamento de Escolas... 5 3.1 CONTEXTO FÍSICO E SOCIAL 3.2 DIMENSÃO E CONDIÇÕES FÍSICAS DO AGRUPAMENTO 3.3 CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

B B C F B AC C A C C C F B B B B B B A C B C BF B B A B C B AB C B B AC B CAC C B B B B

B B C F B AC C A C C C F B B B B B B A C B C BF B B A B C B AB C B B AC B CAC C B B B B AB ACDC B CE F B C ACFC ADB C F B AC BA B A CE F C F B AC B BA B B C F B AC C A C C C F B B B B B B A C B C BF B B A B C B AB C B B AC B CAC C B B B B ABC DEF C CE C CE AC C A C C C F B B B B B B A C B

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL HEITOR J PEREIRA. Professor da FIA Fundação Instituto de Administração. Ex-Presidente da SBGC Soc. Bras. Gestão do Conhecimento Revolução Agrícola

Leia mais

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada

Vice-Presidência de Tecnologia. Governança de TI Uma Jornada Vice-Presidência de Tecnologia Governança de TI Uma Jornada Contexto Conhecer-se é condição fundamental para evoluir Evolução da TI Governança de TI Contexto Evolução da TI Aumento de importância e complexidade

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 16/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Prof. Lillian Alvares. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Universidade de Brasília

Prof. Lillian Alvares. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Universidade de Brasília Prof. Lillian Alvares Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Objetivos Melhorar a eficiência e produtividade no trabalho por meio do compartilhamento de conhecimento

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12

GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 GESTÃO DO CONHECIMENTO MÓDULO 12 Índice 1. Processo de gestão do conhecimento...3 2. Gestão do capital intelectual...3 3. Sistema de inteligência competitiva...4 2 1. PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL

ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Capítulo 1 ADMINISTRAÇÃO DA EMPRESA DIGITAL 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação Gerencial Capítulo 1 Administra,cão da Empresa Digital

Leia mais

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING

10/7/2011 PLANEJAMENTO DE MARKETING 1 PLANEJAMENTO DE MARKETING 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1.Importância do Planejamento de Marketing 2. Considerações Organizacionais no Planejamento de Marketing 3.Planejamento de Database Marketing 4.Análise

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Administração de Sistemas. E-mail: fdenis_natal@yahoo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com

Administração de Sistemas. E-mail: fdenis_natal@yahoo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Administração de Sistemas de Informação PROF. FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA E-mail: fdenis_natal@yahoo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Facebook: Felipe Oliveira OBSERVAÇÕES IMPORTANTES Freqüência: Mínimo

Leia mais

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração

FORMAÇÃO. Algumas atividades já exercidas. Disciplina Informática Básica. Graduação: Processamento de Dados e Administração Curso de Administração Cláudio Márcio, quem é você? Disciplina Informática Básica Prof. Msc. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com FORMAÇÃO Graduação: Processamento de Dados e Administração Pós-Graduação: Especialização:

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas de informação Gerencial

Sistemas de informação Gerencial + Sistemas de informação Gerencial Referência: LAUDON, K. C.; LAUDON, J. P. Sistemas de información gerencial. 12. ed. México: Pearson Educación, 2012. + Componentes de um sistema de informações n (LAUDON;LAUDON,

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

F# F#m7M9 G#m7 F#/A# B9 G#/C C#sus4 %

F# F#m7M9 G#m7 F#/A# B9 G#/C C#sus4 % 01 - É Tempo de Festa F % % % % F Eb7M % Gm7 % Bb Gm7 F/A Bb7M Csus4 F F % Gm7 % Bb % Eb Bb/D Bb Csus4 F C/F Eb % F C/F Eb Bb Alegre estou em Tua casa ó Deus, o meu louvor entoarei. F C/F Eb % F C/F Eb

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Inteligência Competitiva como Estratégia Empresarial em Micro e Pequenas Empresas

Inteligência Competitiva como Estratégia Empresarial em Micro e Pequenas Empresas Inteligência Competitiva como Estratégia Empresarial em Micro e Pequenas Empresas Marina Carvalho Correia Lima (UFPB) marinaccl@hotmail.com Francier Pereira de Souza (UFPB) francierps@hotmail.com Resumo

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Sistemas de Informação para Operação nas Empresas

Sistemas de Informação para Operação nas Empresas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETÁRIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO CAMPUS CATU Informação para Operação nas Empresas Profª Eneida Rios TIPOS DE

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Sobre o IBIE Instituto Brasileiro de Intra-Empreendedorismo POWERED BY UFRJ/NCE

Sobre o IBIE Instituto Brasileiro de Intra-Empreendedorismo POWERED BY UFRJ/NCE www.ibie.com.br IBIE Sobre o IBIE www.ibie.com.br 1 Parceiros & Apoio Parceiros Apoio www.ibie.com.br Sobre o IBIE O * IBIE é primeira entidade brasileira dedicada ao estudo, aplicação e disseminação dos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CORPORATIVA SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Um Sistema de Informação não precisa ter essencialmente

Leia mais

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida anobra e Proteção de otores sirius étodos de Partida étodos de partida Índice Páginas Partida direta coordenada com fusível... e Partida direta com reversão coordenada com fúsivel... 5 e 6 Partida estrela-triângulo

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

2004 by Pearson Education

2004 by Pearson Education &DStWXOR 7Ï3,&26$9$1d$'26'(6,67(0$6'(,1)250$d 2 $'0,1,675$d 2 '$(035(6$ ',*,7$/ &

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO PODER JUDICIÁRIO Tribunal de Justiça do Estado do Ceará GESTÃO DO CONHECIMENTO ARNOUDO ALVES, MsC ETICE Empresa de Tecnologia da Informação do Estado / SEPLAG DAE Departamento de Arquitetura e Engenharia

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM. Prof. Wilson Míccoli, MsC IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA CRM 1 Fase 1: Contextualização Fase 2: Revisão do Plano Estratégico da Organização Fase 3: Revisão do Portfólio de Produtos Fase 4: Definição da Visão e dos Objetivos do CRM Fase

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Seminário Cidades mais Inteligentes. A certificação energética e a reabilitação urbana. Braga, 10 de Maio de 2011

Seminário Cidades mais Inteligentes. A certificação energética e a reabilitação urbana. Braga, 10 de Maio de 2011 Seminário Cidades mais Inteligentes (PROSPERIDADE RENOVÁVEL) A certificação energética e a reabilitação urbana Braga, 10 de Maio de 2011 ADENE Agência para a Energia Francisco Passos sce@adene.pt ÍNDICE

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão

ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão Parecer da Instituição de Ensino Superior à Intenção de Decisão do Conselho de Administração

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo

Artigo Inicial: 4 Artigo I (A Semente é a Palavra de Deus): 9 Artigo II (Alvo de Contradição): 20 Artigo III (Novo Adão e Nova Eva): 26 Artigo 1 !" #!#!$" %&''() 2 Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo IV ("São José"): 37 Artigo V ("Corpo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

! " ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$

!  ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ xfghdfgh!" # ! " $$! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ &! '! -! 95,()!! +)- *$ - :! ' ')!0 ') );!4 ' -! ',*$!7 < )) 6 +=!>? @ ) *$!)2 3 ) - :! -), "

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Manual de Gestão - MG Pág. 1 de 13

Manual de Gestão - MG Pág. 1 de 13 Manual de Gestão - MG Pág. 1 de 13 Representantes dos Processos Principais: Estão diretamente envolvidos no atendimento aos principais requisitos dos clientes externos, portanto estão focados no cliente

Leia mais

IOT COMPETITIVIDADE EM SISTEMAS DE PRODUTOS

IOT COMPETITIVIDADE EM SISTEMAS DE PRODUTOS IOT COMPETITIVIDADE EM SISTEMAS DE PRODUTOS 17 DE SETEMBRO 2015 MOVIMAT SÃO PAULO JOSE VIDAL BELLINETTI - DIRETOR ITS E FÓRUM BRASILEIRO DE IOT Internet das Coisas além da definição Desde 2012 através

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Inteligência Estratégica

Inteligência Estratégica Inteligência Estratégica Henrique Freitas & Raquel Janissek-Muniz PPGA/EA/UFRGS SPHINX Brasil E-mail: inteligencia@sphinxbrasil.com Pesquisa: http://gianti.ea.ufrgs.br Soluções: http://www.sphinxbrasil.com/inteligencia

Leia mais

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br

C.R.M. Prof. Fulvio Cristofoli. Customer Relationship Management. Parte 2. fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br C.R.M. Customer Relationship Management Parte 2 Prof. Fulvio Cristofoli fulviocristofoli@uol.com.br www.fulviocristofoli.com.br Mudança a Organizacional Mudança na cultura organizacional. Todas as áreas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Fomento & Atração de Capitais: Estímulos à Reflexão

Fomento & Atração de Capitais: Estímulos à Reflexão Seminário Nacional de Rochas Ornamentais: Tecnologias, Tendências & Mercados Fomento & Atração de Capitais: Estímulos à Reflexão Eduardo Vale Salvador, BA 5 a 7 de julho de 2005 Considerações Preliminares;

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo

Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo Aula 03 1 2 Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado coletivo Exemplos: Empresas; Associações; Órgãos governamentais,

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares

GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Anderson Valadares GESTÃO DE PROJETOS Prof. Anderson Valadares Projeto Empreendimento temporário Realizado por pessoas Restrições de recursos Cria produtos, ou serviços ou resultado exclusivo Planejado, executado e controlado

Leia mais