Processo de Pedido de Patente e de Desenho para Ferramenta de. Soldadura e Processamento por Fricção Linear

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Pedido de Patente e de Desenho para Ferramenta de. Soldadura e Processamento por Fricção Linear"

Transcrição

1 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Mecânica Secção de Tecnologia Mecânica Av. Rovisco Pais Lisboa Portugal Processo de Pedido de Patente e de Desenho para Ferramenta de Soldadura e Processamento por Fricção Linear Titulo: Sistema Modular Dual de Ferramenta para Soldadura e Processamento por Fricção Linear Domínio Técnico: Engenharia Mecânica Tecnologia dos Processos de Fabrico Processos de Soldadura Autores: Telmo Jorge Gomes dos Santos Pedro Miguel dos Santos Vilaça da Silva Lisboa, IST, Fevereiro de 2007

2 Índice Índice... 2 Resumo... 3 Descrição da Invenção... 4 Reivindicações... 7 Desenhos Técnicos... 8 Legendas das Figuras Contacto dos Inventores

3 Resumo Título: Sistema Modular Dual de Ferramenta para Soldadura e Processamento por Fricção Linear A presente invenção consiste num novo sistema estrutural de uma ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear, de concepção modular dual e de elevada versatilidade, que permite diferentes combinações de parâmetros geométricos de soldadura, e que é ajustável a diferentes espessuras de chapas a soldar. Esta nova concepção visa facilitar e tornar menos dispendiosos estes processos tecnológicos quando é necessário utilizar parâmetros geométricos com elevada diversidade, como sejam diferentes geometrias e dimensões da base e do pino da ferramenta. A ideia mestra é a modularidade dos componentes base e pino e a possibilidade de afinação do comprimento saliente do pino. A geometria simétrica destes dois componentes permite-lhes uma dupla funcionalidade, dado que existem duas faces activas para a soldadura ou processamento. Assim, com apenas um conjunto base + pino obtêm-se quatro combinações diferentes de parâmetros geométricos. 3

4 Descrição da Invenção Domínio Técnico da Invenção Engenharia Mecânica / Tecnologia dos Processos de Fabrico / Processos de Soldadura Estado da Arte O processo de Soldadura por Fricção Linear (SFL) foi inventado e patenteado em Dezembro de 1991 (patente internacional n.º PCT/GB92/02203 e patente GB n.º , 6 de Dezembro de 1991; Thomas, Wayne M.). Na sua configuração convencional, a SFL é formada pela introdução, na junta definida pelas peças a ligar, de uma ferramenta mecânica não consumível animada de movimento de rotação e translação, cujo corpo da ferramenta define uma base da qual se destaca um pino com um comprimento ligeiramente inferior à penetração desejada. Existem à data diversos conceitos e configurações de ferramentas para a realização de SFL, com domínios de aplicação próprios e benefícios para a qualidade da soldadura igualmente distintos. Exemplos de algumas patentes de ferramentas de SFL são: U.S. 5,971,247; U.S. 5,697,544; U.S. 5,718,366; U.S. 6,138,895; U.S. 6,994,242 B2; U.S. 6,227, 430 B1; U.S. 5,893,507; U.S. 5,713,507; U.S. 7,032,801; U.S. 6,669,075 B2; U.S. 6,779,704 B2; EP ; EP A1 e GB A. A forma geométrica e as dimensões dos pinos e bases das ferramentas de soldadura são parâmetros cruciais do processo. Estes parâmetros continuam a ser alvo de investigação e desenvolvimento, o que implica a realização de soldaduras em elevado número e com diferentes combinações de bases e de pinos, em termos geométricos e dimensionais. Neste contexto, as configurações convencionais das ferramentas de SFL, tipicamente em monobloco, mostram-se inadequadas à realização de testes, nomeadamente em ambientes laboratoriais, dada a sua reduzida versatilidade e à impossibilidade de adaptar a mesma ferramenta a diferentes configurações de parâmetros de soldadura. 4

5 Descrição Pormenorizada da Invenção A presente invenção consiste num novo sistema estrutural de uma ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de concepção modular dual e de elevada versatilidade, que permite diferentes combinações de parâmetros geométricos, e que é ajustável a diferentes espessuras de chapas a soldar. Esta nova concepção estrutural da ferramenta visa facilitar e tornar menos dispendiosa a realização destes processos tecnológicos quando existe a necessidades de utilizar parâmetros geométricos com elevada diversidade, como sejam diferentes geometrias e dimensões da base e do pino da ferramenta. Necessidades desta ordem são diagnosticadas na indústria mas sobretudo na investigação e desenvolvimento em ambiente laboratorial. O presente sistema de ferramenta é constituído por 6 componentes (Figuras 1, 3, e 5) para os quais se adoptou a seguinte nomenclatura: 1) Corpo principal, 2) Base dual, 3) Pino dual, 4) Parafuso de afinação vertical, 5) Parafusos de fixação da base dual, 6) Parafuso de fixação do pino dual. A ideia mestra da concepção deste sistema de ferramenta consiste na modularidade dos componentes Base dual (2) e Pino dual (3) e também na possibilidade de afinação vertical do comprimento do Pino dual. (3). Adicionalmente, a geometria simétrica destes dois componentes permite uma dupla funcionalidade para ambos: a Base dual (2) tem as duas faces opostas preparadas para entrar em contacto directo com os materiais a soldar ou processar; e o Pino dual (3) caracteriza-se também por ter as duas extremidades preparadas para penetrar nos materiais a soldar ou processar (Figura 7). Desta forma, com apenas um conjunto Base dual (2) + Pino dual (3) é possível obter quatro combinações diferentes de parâmetros geométricos. Descreve-se seguidamente o modo de funcionamento do novo sistema de ferramenta: O Corpo principal (1), constituído por dois cilindros concêntricos de diâmetro diferente (Figura 1 e 2), é o componente estrutural que serve de suporte aos restantes componentes, e que permite a adaptação a uma pinça de um equipamento apto a realizar os processos tecnológicos de fricção linear. O Corpo principal (1) apresenta na base 5

6 inferior do cilindro de maior diâmetro uma geometria que permite acoplar a Base dual (2) e fixa-la com uma ligação aparafusada através do Parafusos de fixação da base dual (5) (Figura 3 e 5). No interior do Corpo principal (1), alinhado com o eixo de concentricidade dos cilindros, existe o Parafuso de afinação vertical (4) (Figuras 3 e 5) que suporta a carga vertical aplicada sobre o Pino dual (3) e permite regular a sua posição vertical relativamente à Base dual (2). O Parafuso de afinação vertical (4) caracteriza-se por uma rosca de passo 1mm, possibilitando de forma expedita relacionar o movimento angular com o deslocamento vertical. Esta relação de movimentos é quantificada com precisão adicional através de uma escala graduada, existente na superfície superior do Corpo principal (1) (Figura 6). A escala é composta por dez marcas radiais igualmente espaçadas de 36º umas das outras, correspondendo a cada uma um deslocamento vertical de 0.1mm para o Pino dual (3). A Base dual (2) com a sua geometria composta por três cilindros concêntricos e um furo central trespassante, permite soldar usando as duas faces opostas dos veios de menor diâmetro (Figura 7). Assim, para uma única Base dual (2) existem duas geometrias distintas que correspondem a dois parâmetros de soldadura diferentes. O Pino dual (3) caracteriza-se igualmente por uma geometria dual (Figura 7) que permite dispor de dois parâmetros de soldadura distintos. A sua face plana central (Figura 7) em conjunto com o Parafuso de fixação do pino dual (6) impede o movimento de rotação relativamente à Base dual (3) (Figura 5). O deslocamento permitido para o Parafuso de afinação vertical (4) garante um comprimento saliente do Pino dual (3) relativamente à Base dual (2) compreendido no intervalo [0,10] mm (Figura 4). 6

7 Reivindicações Em Anexo. 7

8 Desenhos Técnicos Figura Figura 2 8

9 Figura 3 Figura 4 9

10 Figura Figura 6 10

11 Figura 7 11

12 Legendas das Figuras Figura 1 Vista explodida de desenho de conjunto da ferramenta de SFL.com a nomenclatura dos vários componentes constituintes; 1) Corpo principal, 2) Base dual, 3) Pino dual, 4) Parafuso de afinação vertical, 5) Parafusos de fixação da base dual, 6) Parafuso de fixação do pino dual Figura 2 Vista tridimensional de desenho de conjunto da ferramenta de SFL com a nomenclatura dos vários componentes constituintes; 1) Corpo principal, 2) Base dual, 3) Pino dual, 4) Parafuso de afinação vertical, 5) Parafusos de fixação da base dual, 6) Parafuso de fixação do pino dual Figura 3 Vista tridimensional semitransparente de desenho de conjunto da ferramenta de SFL com a nomenclatura dos vários componentes constituintes; 1) Corpo principal, 2) Base dual, 3) Pino dual, 4) Parafuso de afinação vertical, 5) Parafusos de fixação da base dual, 6) Parafuso de fixação do pino dual Figura 4 Desenho técnico de conjunto da ferramenta de SFL com as cotas de atravancamento e a indicação das posições extremas do pino dual (3) e respectivo parafuso de afinação vertical (4); Figura 5 Vista em corte por dois planos perpendiculares de desenho de conjunto da ferramenta de SFL com a nomenclatura dos vários componentes constituintes; 1) Corpo principal, 2) Base dual, 3) Pino dual, 4) Parafuso de afinação vertical, 5) Parafusos de fixação da base dual, 6) Parafuso de fixação do pino dual Figura 6 Vista tridimensional de desenho de conjunto da ferramenta de SFL evidenciando a escala graduada utilizada para o ajuste do parafuso de afinação vertical (4); Figura 7 Pormenor da dualidade geométrica da Base dual (2) e do Pino dual (3) da ferramenta de SFL, esquematizando as quatro combinações possíveis de parâmetros geométricos com estes dois componentes. 12

13 Contacto dos Inventores Telmo Jorge Gomes dos Santos Telf.: Telm.: Pedro Miguel dos Santos Vilaça da Silva Telf.: Fax: Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Mecânica Secção de Tecnologia Mecânica Av. Rovisco Pais Lisboa Portugal 13

14 Reivindicações 1. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear, caracterizado por um conjunto base dual (2) + pino dual (3) de concepção modular e dual, com afinação vertical do comprimento do pino dual (3) ajustável a: a) Soldadura e processamento por fricção linear com diferentes parâmetros geométricos, através da utilização de diferentes combinações dos três componentes: corpo principal (1) + base dual (2) + pino dual (3); b) Soldadura em diferentes espessuras de chapas por via da variação do comprimento saliente do pino dual (3) através do ajuste do parafuso de afinação vertical (4). 2. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com a reivindicação 1, caracterizado por uma geometria simétrica dos dois componentes, base dual (2) e pino dual (3), sendo que qualquer deles tem as duas faces preparadas para a soldadura, obtendo-se, desta forma, quatro combinações diferentes de parâmetros geométricos de SFL. 3. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com a reivindicação 1 e 2, caracterizado por incluir na sua constituição os seguintes componentes: corpo principal (1), base dual (2), pino dual (3), parafuso de afinação vertical (4), parafusos de fixação da base dual (5), parafuso de fixação do pino dual (6).

15 4. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com a reivindicação 3, caracterizado por um corpo principal (1) com as seguintes características: a) Simetria axial, definido por um cilindro de maior diâmetro com uma reentrância e um furo na base inferior que permitem o acoplamento da base dual (2), e um cilindro de menor diâmetro com um furo na zona superior e um furo roscado interior no qual enrosca o parafuso de afinação vertical (4); b) Existência de uma escala graduada marcada na superfície superior do cilindro de menor diâmetro, composta por dez marcas radiais igualmente espaçadas de 36º umas das outras, que permite contabilizar a rotação do parafuso de afinação vertical (4) e relaciona-a com o seu deslocamento vertical. 5. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com a reivindicação 3, caracterizado por uma base dual (2) com as seguintes características: a) Definida por três cilindros concêntricos e um furo central trespassante onde encaixa o pino dual (3); b) Existência de dois furos diametralmente opostos no cilindro central que permitem a sua fixação ao corpo principal (1), e de um furo roscado radial que impede a rotação do pino dual (3) por intermédio do parafuso de fixação do pino dual (6); c) As faces opostas dos dois veios extremos caracterizadas por geometrias especiais que promovem os processos tecnológicos de fricção linear, aquando do contacto destas com a superfície do material. 2

16 6. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com a reivindicação 3, caracterizado por um pino dual (3) montado no interior da base dual (2), com as duas extremidades caracterizadas por geometrias especiais que promovem os processos tecnológicos de fricção linear aquando do contacto destas com o interior do material. 7. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com as reivindicações anteriores, caracterizado pelo seguinte modo de funcionamento: a) O corpo principal (1) serve de suporte aos componentes, permite a adaptação a uma pinça de equipamento apto a realizar os processos tecnologicos, e apresenta na sua base uma geometria para acoplar a base dual (2) e fixá-la com uma ligação aparafusada através dos parafusos de fixação da base dual (5); b) No interior do corpo principal (1), existe um parafuso de afinação vertical (4) que suporta a carga vertical aplicada sobre o pino dual (3) e permite regular a posição vertical do pino dual (3) relativamente à base dual (2); c) A rotação do pino dual (3) é impedida por via do aperto do parafuso de fixação do pino dual (6) existente na base dual (2); d) A redução do comprimento saliente do pino é impedida por acção redundante do parafuso de afinação vertical (4) e do parafuso de fixação do pino dual (6). 8. Sistema modular dual de ferramenta para os processos tecnológicos de soldadura e processamento por fricção linear de acordo com as reivindicações anteriores, caracterizada por: 3

17 a) Executar cordões de soldadura por fricção linear, na sua configuração convencional, em chapas topo-atopo, sobrepostas ou em T ; b) Executar processamento por fricção linear de material que beneficie deste processo tecnológico. Lisboa, 05 de Fevereiro de

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares

Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Toleranciamento Geométrico João Manuel R. S. Tavares Bibliografia Simões Morais, José Almacinha, Texto de Apoio à Disciplina de Desenho de Construção

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES. Prof. Márcio Valério de Araújo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES. Prof. Márcio Valério de Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES Prof. Márcio Valério de Araújo INTRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRESENTAÇÃO EM CORTE NO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

(11) Número de Publicação: PT 104707 A. (51) Classificação Internacional: B66C 13/08 (2006.01) B66F 9/04 (2006.01)

(11) Número de Publicação: PT 104707 A. (51) Classificação Internacional: B66C 13/08 (2006.01) B66F 9/04 (2006.01) (11) Número de Publicação: PT 104707 A (51) Classificação Internacional: B66C 13/08 (2006.01) B66F 9/04 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2009.08.04 (30) Prioridade(s):

Leia mais

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Schlüter -KERDI-DRAIN Escoamento 8.2 Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Aplicação e funcionamento Schlüter -KERDI-DRAIN é um sistema de escoamento de águas no solo destinado

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice

------------------------------- -----------------------------Henflex. Henflex------------------------------ Índice Índice 1.Características Gerais... 2 2.Seleção do Tamanho do Acoplamento... 2 2.1- Dimensionamento dos acoplamentos Henflex HXP para regime de funcionamento contínuo... 2 2.2 Seleção do Acoplamento...

Leia mais

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07

www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 www.reinhausen.com Eixo de transmissão Instruções de serviço BA 042/07 NOTA! O produto pode ter sido modificado depois de este documento ter sido enviado para impressão. Reservamo-nos expressamente o direito

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

veneza Armário de automação IP 55

veneza Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 Armário de automação IP 55 veneza A solução flexível para compor A oferta da Hager acaba de ser ampliada com a nova série veneza, a solução ideal para realizar armários de automação,

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS.

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO Conjunto de Metodologias Procedimentos que visam o desenvolvimento comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA Objectivo produzir documentação

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria

CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 - Software de planificação em caldeiraria Calculando uma peça com o CALDsoft7 É muito simples calcular uma peça com o CALDsoft7, basta seguir os passos apresentados abaixo: - Escolher a peça

Leia mais

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções

Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções Spot Picker V 0.1 Plataforma móvel de trabalho em altura Manual de Instruções SPOT JET Serviços de Manutenção Industrial, Lda Rua D. Luís de Noronha n.º 22, 4 Dto. 1050-072 Lisboa Portugal Tel. (+351)

Leia mais

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL

ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL ESTRUTURA DA TORRE DE S. GABRIEL João F. Almeida Júlio Appleton Tiago Abecassis João N. Silva José N. Camara Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil Engº Civil JSJ, IST AP, IST TALPROJECTO AP JSJ,

Leia mais

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair.

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair. KEYSTONE As válvulas de borboleta HiSeal, de elevada perfomance e de dupla excentricidade, estão totalmente de acordo com as classes ANSI 0 e ANSI 300. Índice 1 Armazenagem / Selecção / Protecção 1 2 Instalação

Leia mais

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA

EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA EMPREENDIMENTO CIDADE FINANCEIRA: A CONSTRUÇÃO METÁLICA EM ANGOLA Vitor C. França a, André A. Machado 2 b, Ângela S. Rodrigues 3 c e Hugo M. Sousa 4 d a Director de Projecto, TRIEDE S.A. b,c,d Chefe de

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação Suporte para amostras de pequeno porte e engastadas modelo SB-AP ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone:

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com.

Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento. Edição - Julho/2012. modular@modularsc.com.br www.modularsc.com. Manual Técnico do Sistema MODULAR de Terças para Cobertura e Fechamento Edição - Julho/2012 modular@modularsc.com.br CONTEÚDO A EMPRESA 3 SISTEMA DE TERÇAS PARA COBERTURA E FECHAMENTO 4 Apresentação 4

Leia mais

1. Desenho artístico e técnico

1. Desenho artístico e técnico 1. Desenho artístico e técnico O desenho artístico possibilita uma ampla liberdade de figuração e apreciável subjetividade na representação. Dois artistas ao tratarem o mesmo tema transmitem, a quem observa

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 106328 (51) Classificação Internacional: A47K 13/30 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2012.05.22 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105546 (51) Classificação Internacional: A01G 23/06 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2011.02.26 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO

COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO COMPORTAMENTO DE ESTRUTURAS DE AÇO ENFORMADAS A FRIO E DIMENSIONAMENTO DE ACORDO COM O EC3-1-3 NUNO SILVESTRE DINAR CAMOTIM Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Instituto Superior Técnico RESUMO

Leia mais

No final do curso existirá ainda uma disciplina de Projecto em que o estudante implementará um sistema digital com características especificas.

No final do curso existirá ainda uma disciplina de Projecto em que o estudante implementará um sistema digital com características especificas. Resumo A educação em Sistemas Digitais e Computadores é actualmente ministrada no IST no âmbito do curso de Engenharia Electrotécnica. Este processo iniciou-se em 1970, existindo neste momento um núcleo

Leia mais

U45 - Suspensa indirecta

U45 - Suspensa indirecta RAL 01 10 00 Características técnicas Luminária linear suspensa de luz indirecta. Perfil de alumínio, com difusor em perfil de policarbonato frost com duplo sistema de encaixe, à face ou recuado. Equipada

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Conselhos práticos para a oficina. Parafusos da cabeça do motor e montagem da cabeça do motor. Conselhos e informações para a prática n.

Conselhos práticos para a oficina. Parafusos da cabeça do motor e montagem da cabeça do motor. Conselhos e informações para a prática n. Conselhos práticos para a oficina Parafusos da cabeça do motor e montagem da cabeça do motor Conselhos e informações para a prática n.º 2 Parafusos da cabeça do motor ligação potente para uma vedação

Leia mais

Pedro Rocha 2015-10-15

Pedro Rocha 2015-10-15 Pedro Rocha 2015-10-15 Circulação O veiculo não pode sair do centro para se posicionar nas linhas ou áreas de inspeção Via de fuga Evitar o cruzamento de veículos 2 As linhas devem ser estruturadas para

Leia mais

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada

Parafusos III. Até agora você estudou classificação geral. Parafuso de cabeça sextavada A U A UL LA Parafusos III Introdução Até agora você estudou classificação geral dos parafusos quanto à função que eles exercem e alguns fatores a serem considerados na união de peças. Nesta aula, você

Leia mais

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos

www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos www.torcisao.ind.br Catálogo de Produtos A TORCISÃO A Torcisão foi fundada em 1968, iniciando suas atividades na fabricação de peças para a indústria automobilística. Em 2006, o grupo se expandiu e fundou

Leia mais

Acoplamento Altamente Elástico

Acoplamento Altamente Elástico Acoplamento Altamente Elástico Spxpt 04/02 GENERALIDADES Acoplamentos altamente elásticos Speflex modelos SPA e SPG O acoplamento VULKAN SPEFLEX é constituído de um elemento altamente elástico em borracha

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX MN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência a abrasão.

Leia mais

Página 1 de 15 MANUAL TÉCNICO

Página 1 de 15 MANUAL TÉCNICO Página 1 de 15 MANUAL TÉCNICO Antes de iniciar a montagem: Aconselhamos que as tábuas Easydeck sejam desembaladas 48 horas antes de proceder à sua montagem, de forma a permitir que estas se adaptem às

Leia mais

Segurança Rodoviária

Segurança Rodoviária Segurança Rodoviária A Metalocar é uma empresa líder no mercado de sistemas de segurança rodoviária. A nossa experiência está patente em cada quilómetro de auto-estradas, IP s, IC s, estradas nacionais

Leia mais

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES

CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES CAPÍTULO 7 FABRICAÇÃO DOS DORMENTES Este capítulo mostra e descreve o molde metálico e a estrutura de protensão, utilizados para a fabricação dos protótipos do dormente. Também apresenta os procedimentos

Leia mais

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas

Metalo. Modular. Sistema de Andaimes em Alumínio. Instruções Técnicas Metalo Modular Sistema de Andaimes em Alumínio Instruções Técnicas Modular_AF4.indd 1 Modular Índice Favor observar: Nestas instruções técnicas, encontram-se todas as informações e indicações importantes

Leia mais

ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS

ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS 1. OBJETIVO ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS Definir o tipo e características dos acessórios metálicos a serem utilizados no assentamento e fixação dos trilhos aos dormentes

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX MSN CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX MSN são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido nodular, e um elemento poliuretano alojado entre eles

Leia mais

CARROS DE REBOQUE. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE.

CARROS DE REBOQUE. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES.

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Especificações As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Quando instalada em contacto directo com alvenarias, pavimentos, entre

Leia mais

Ralos lineares. Características do ralo linear de parede

Ralos lineares. Características do ralo linear de parede Ficha técnica Ralos lineares O ralo linear da butech é um ralo para bases de duche construídas, com saída horizontal. Caracteriza-se por um bandeja amplo em torno da grelha, o que facilita a ligação à

Leia mais

M7 Estantes para picking

M7 Estantes para picking M7 Estantes para picking 2 PICKING M7 PARA CARGA MÉDIA E GRANDE Sistema de armazenagem de produtos para picking manual que segue o princípio homem a produto. Principais vantagens: - Possibilidade de armazenar

Leia mais

Manual de identidade Programa Operacional de Assistência Técnica Fundo Social Europeu

Manual de identidade Programa Operacional de Assistência Técnica Fundo Social Europeu Manual de identidade Programa Operacional de Assistência Técnica Fundo Social Europeu nota prévia Este manual tem o objectivo de contribuir para uma coerente e eficaz comunicação da identidade POAT FSE

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS. No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a:

CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS. No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a: CAPÍTULO 16 ORGANIZAÇÃO DO DOSSIER DE PROJETO OBJECTIVOS No final deste capítulo o leitor deverá estar apto a: Organizar um dossier de projeto nas suas diversas partes Compreender e elaborar o conteúdo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

Simplos. Estantes para cargas ligeiras

Simplos. Estantes para cargas ligeiras Simplos Estantes para cargas ligeiras Estantes Simplos Estantes Simplos O sistema de armazenagem Simplos proporciona a melhor solução às mais diversas necessidades de armazenagem de cargas médias e ligeiras,

Leia mais

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ Departamento Regional do Espírito Santo 3 _ Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

Leia mais

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: GERADOR DE ENERGIA DAS CORRENTES MARÍTIMAS E FLUVIAIS

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: GERADOR DE ENERGIA DAS CORRENTES MARÍTIMAS E FLUVIAIS (11) Número de Publicação: PT 105069 A (51) Classificação Internacional: F03B 13/12 (2006.01) F03B 13/10 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.04.26 (30) Prioridade(s):

Leia mais

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa

2. O Programa. Figura 1 : Janela Principal do Programa AUTOMAÇÃO DE PROJETOS DE TRELIÇAS METÁLICAS PLANAS Nilto Calixto Silva Aluno de Graduação ncalixto@fec.unicamp.br http://www.fec.unicamp.br/~ncalixto João Alberto Venegas Requena Professor Assistente Doutor

Leia mais

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL

- 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL - 1 - RESUMO SISTEMA DE MEDIÇÃO DE CONSUMOS DE LINHA DA CANELA EM TEMPO REAL A invenção consiste num sistema de medida em tempo real dos consumos de linha da canela em máquinas de ponto preso (classe 300

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD

Rev.1 18.01.2013. Racks Paletização KD 18.01.2013 Racks Paletização KD O sistema de armazenagem KD de cargas médias e pesadas representa a melhor solução para armazéns em que é necessária uma correta armazenagem para produtos paletizados com

Leia mais

Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão

Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão O tipo de compressão gerada por um parafuso é designado compressão interfragmentária

Leia mais

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA)

ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) ACOPLAMENTO ELÁSTICO MADEFLEX CR (COM CRUZETA) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX CR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR

VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR VENTILADORES AXIAIS AC / B/ AL AFR ÍNDICE CONTEÚDO Pág Nº Generalidades sobre ventiladores 4 Generalidades sobre as curvas características 5 Ventiladores AFR 5 Nomenclatura 6 Seleção 7 Dimensões AFR /

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS)

ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) ACOPLAMENTOS ELÁSTICOS MADEFLEX GR (COM GARRAS) CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos MADEFLEX GR são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre

Leia mais

Manual de Montagem. Seguidor SPH 4.0

Manual de Montagem. Seguidor SPH 4.0 Manual de Montagem Seguidor 1 - Montagem do Poste Colocação do Poste em Base de Betão (da responsabilidade do cliente). Orientar a furação do Poste, para passagem de cabelagem, o mais a Norte possível.

Leia mais

07/12/2012 Agosto/2012 1

07/12/2012 Agosto/2012 1 07/12/2012 Agosto/2012 1 Arranjo e Detalhamento de Tubulações Industriais 07/12/2012 2 Tipos de Desenhos de Tubulação Os principais tipos de desenhos que compõem um projeto de tubulação, são: 1. Fluxogramas

Leia mais

www.afcamoes.com SISTEMA AGRAFADO

www.afcamoes.com SISTEMA AGRAFADO www.afcamoes.com SISTEMA AGRAFADO SISTEMA AGRAFADO O Sistema Agrafado AFCAMÕES é um simples, mas engenhoso sistema para fixar painéis de vidro (monolítico temperado, laminado temperado e duplo temperado),

Leia mais

Título do Vídeo: Nome dos participantes: Professor responsável: Escola Secundária José Saramago - Mafra. Blood Crystals Saramago On the Rocks

Título do Vídeo: Nome dos participantes: Professor responsável: Escola Secundária José Saramago - Mafra. Blood Crystals Saramago On the Rocks Título do Vídeo: Blood Crystals Saramago On the Rocks Nome dos participantes: Ana Margarida Pedro Braz (E-mail: anabraz96@gmail.com) Catarina Isabel Santos Andrade (E-mail: catarina_smile@hotmail.com)

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

Calibradores de Minerais

Calibradores de Minerais uma Companhia Astec Industries Calibradores de Minerais Calibradores de Minerais/Calibradores de Rolos para Aplicações Primárias/Secundárias e Terciárias A gama Osborn de Calibradores de Rolos de Eixo

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Introdução Padronização e Definições Tipos e Usos de Parafusoso Introdução Elementos de fixação: Importância Por que estudar elementos de fixação. Papel em projetos

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

Artigo Descrição Núm. do artigo Cabo de conexão universal Cabo de conexão, fêmea-fêmea, universal

Artigo Descrição Núm. do artigo Cabo de conexão universal Cabo de conexão, fêmea-fêmea, universal Cabos Os cabos de tomada que se utilizam são especialmente robustos, fabricados por Amphenol (serie C 16 1/7pin) ou Binder (serie 693/7pin) para as balanças WL 103 e Fischer (tipo 104/4pin) para a WL 104.

Leia mais

3 Descrição do Programa Experimental

3 Descrição do Programa Experimental 5 3 Descrição do Programa Experimental A melhor forma de se obter o comportamento global e local de estruturas aparafusadas é por meio de ensaios experimentais realizados em laboratório. Com esses ensaios

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES REDOL. Educação Tecnológica. Desenho Técnico

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES REDOL. Educação Tecnológica. Desenho Técnico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES REDOL Educação Tecnológica Desenho Técnico O desenho técnico pode ser considerado uma «linguagem», pois tem uma gramática, uma ortografia

Leia mais

UNIÕES DE ACOPLAMENTO

UNIÕES DE ACOPLAMENTO UNIÕES DE ACOPLAMENTO Cat 012 - Out 2015 1 / 11 "GIFLEX" GE-T A aplicação industrial de acoplamentos elásticos tem por objectivo absorver ou atenuar eventuais irregularidades de rotação originadas pelo

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: () Número de Publicação: PT 06258 (5) Classificação Internacional: A4B 9/02 (2006) (2) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 202.04.7 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação do pedido:

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94) MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94) Inclui, na Norma Regulamentadora n.º 36 - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA INSTALAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL

REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA INSTALAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL REGRAS BÁSICAS PARA UMA BOA INSTALAÇÃO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL O presente documento visa servir o interesse do cliente da EPAL, dando a conhecer algumas das condições ideais de construção, de

Leia mais

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br

Acoplamentos elásticos. eflex. www.aciobras.com.br Acoplamentos elásticos eflex www.aciobras.com.br Os acoplamentos elásticos EFLEX com garras, tipos EA, GA e HA, são utilizados na ligação de eixos rotativos, com desalinhamentos normalmente inevitáveis,

Leia mais

1 - Considerações gerais 03 A - Introdução 03 A1 - Direitos 03 A2 - Garantia 04 A3 - Uso apropriado 04. 2 - Início de trabalho 05 A - Testes 05

1 - Considerações gerais 03 A - Introdução 03 A1 - Direitos 03 A2 - Garantia 04 A3 - Uso apropriado 04. 2 - Início de trabalho 05 A - Testes 05 Sumário 1 - Considerações gerais 03 A - Introdução 03 A1 - Direitos 03 A2 - Garantia 04 A3 - Uso apropriado 04 2 - Início de trabalho 05 A - Testes 05 3 - Características do produto 06 4 - Funcionamento

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente:

A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: A sigla CAD pode representar duas definições principais, das quais muitas vezes são empregadas inadequadamente: Computer Aided Drafting (CAD) a palavra drafting pode ser traduzida como desenho técnico,

Leia mais

Instruções de encastramento

Instruções de encastramento para aparelhos frigoríficos, BioFresh, congeladores, integrável com montagem fixa de porta P 708 45-00 IK/IKP/IKB/IG 006 a b max. 00 3 4 00 38 00 cm 560-570 550 (mm) 557 538 6 3mm 38 0 57 A (mm) B 00 cm

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

SOQUETES E ACESSÓRIOS

SOQUETES E ACESSÓRIOS SOQUETES E ACESSÓRIOS Os soquetes são ferramentas manuais destinadas ao aperto e desaperto de porcas ou parafusos, conjugados com um acessório. Os soquetes e acessórios Belzer são forjados em aço cromo-vanádio,

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Rede geral de terras Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição Energia,

Leia mais

Montagem por Interferência de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais

Montagem por Interferência de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais Departamento de Engenharia Mecânica e Industrial por de Rodas Dentadas em Veios de Redutores Industriais Professora Doutora Helena V. G. Navas UNIDEMI, DEMI-FCT/UNL Mestre David F. N. Braga SEW-EURODRIVE

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO

O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO O COMPORTAMENTO SÍSMICO DOS EDIFÍCIOS POMBALINOS. PROPOSTAS DE REFORÇO Reforço Estrutural de Edifícios Antigos Rita BENTO e Mário LOPES IST, Lisboa, Março 2007 1. DESCRIÇÃO 2. MODELAÇÃO DE UM EDIFÍCIO

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Iluminação LED de nível alto

Iluminação LED de nível alto Iluminação LED de nível alto Sistemas de iluminação em linha com LED As séries E4, E5 e E7 da ETAP oferecem uma vasta gama de iluminação LED para espaços com pé direito elevado, como pavilhões industriais,

Leia mais

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!!

Introdução. Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! D I S T R I B U I D O R Introdução Bem vindo, ao mundo dos automatizadores para portas de enrolar!!! A NEW AUTOMATIZADORES atua no mercado nacional há 1 ano, distribuindo para todo Brasil e America Latina.

Leia mais

Dicas de montagem substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para o tipo de motor 2,8 l 30 V no Audi A4, A6, A8 e VW Passat

Dicas de montagem substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para o tipo de motor 2,8 l 30 V no Audi A4, A6, A8 e VW Passat Technical Info www contitech de Dicas de montagem substituição de correias dentadas Instruções detalhadas para o tipo de motor 2,8 l 30 V no Audi A4, A6, A8 e VW Passat O motor 2,8 l 30 V encontra-se montado

Leia mais

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS

ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS ESTRUTURAS DE COBERTURA PARA GRANDES VÃOS Travamentos e Contraventamentos Estruturas de Coberturas Elementos Principais vencem o vão Elementos Secundários Exemplo: Planta geral da cobertura Planta da cobertura

Leia mais

KSB Megabloc. Bomba Centrífuga para Uso Geral. Mega Bloc. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB Megabloc 32-125 + 2. 2. 4.

KSB Megabloc. Bomba Centrífuga para Uso Geral. Mega Bloc. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB Megabloc 32-125 + 2. 2. 4. Folheto Descritivo Nº A27.1P/2 KSB Megabloc Bomba Centrífuga para Uso Geral LINA : VERSÃO : Mega Bloc 1. Aplicação A bomba KSB Megabloc é indicada para bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão

ESTRUTURAS METÁLICAS. Maj Moniz de Aragão SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS METÁLICAS LIGAÇÕES PARAFUSADAS (NBR 8800/2008) Maj Moniz de Aragão 1. Resistência dos parafusos pág 06 2. Área bruta e área efetiva

Leia mais