EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 5"

Transcrição

1 tuador elescópico UNIFEI EE610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 5 ula 5 rof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Exercício Um atuador telescópico elevará uma carga de 150 kgf ao ser alimentado por um fluxo de 15 l/min. Esboce o gráfico ressão x empo considerando que no instante zero o atuador está totalmente recuado. Os diâmetros do atuador são 0, 15 e 10 cm e seus respectivos cursos são 50, 55 e 60 cm. Calculo de áreas e pressões r π ( 10 cm) 314,159 1 π cm F 150 kgf 314,159 cm 1 1 3,98 bar ( 7,5 cm) 176,715 π r π cm F 150 kgf 176,715 cm 7,07 bar ( 5 cm) 78,540 3 π r π cm F 150 kgf 78,540 cm ,9 bar

2 Calculo dos tempos Gráfico (fora de escala) empo [s] Área [cm ] Curso [mm] 6 Vazão[l/min] ,9 314, ,83 [s] , ,88 [s] , ,85 [s] ,1 3, Gráfico (em escala) Oscilador Hidráulico

3 Oscilador hidráulico Oscilador hidráulico otor oscilante. Realizam movimentos angulares menores que uma revolução. 1 - Carcaça - Cremalheira com êmbolos 3 - Engrenagem e eixo 4 - Regulagem do curso (ângulo de giro) Oscilador hidráulico otores Hidráulicos em funcionamento similar ao das bombas, só que o sentido do fluido é inverso. em-se: otor de engrenagens; otor de palhetas; otor de pistão em linha/axiais (fixo e variável); otor de pistões radiais; otores orbitais; otor gerotor De 19:18 min até 6:17 min

4 Válvulas de Comando e Controle s válvulas permitem controlar a operação do sistema hidráulico. Em geral podem: Bloquear o fluxo; Direcionar o fluxo; Válvulas de Controle Direcional Controlar a vazão. Válvula de Controle Direcional Simbologia - Número de posições Uma parte móvel (carretel) permite que o fluxo do fluido seja desviado corretamente para a aplicação desejada. É definida por: Número de posições; Número de vias; osição normal; ipo de acionamento. posições 3 posições

5 Simbologia - Número de vias Simbologia - ipos de vias vias 3 vias 4 vias assagem Bloqueio mbas Dupla assagem Simbologia - osição normal ipo de acionamento B iloto Rolete anual Válvula direcional de / vias Válvula direcional de 3/ vias Válvula direcional de 4/ vias Solenóide

6 ipo de acionamento - anual ipo de acionamento - Roletes ipo de acionamento - Solenóide ipo de acionamento - iloto

7 ipo de acionamento ino de rava (Detente) Válvulas com travas não precisam manter os seus acionadores energizados para manter a posição (válvula montada na horizontal). Retorno por mola Uma energização temporária (0.1 s) é suficiente para o deslocamento do carretel. 100 bar Circuito básico Válvula limitadora de pressão ( segurança) B Quanto o atuador 110 bar 100 bar esta parado a segurança permite a passagem do óleo para o reservatório.

8 Válvulas de controle de pressão Válvulas de ressão Estas válvulas são utilizadas principalmente para: Limitar a pressão máxima de um sistema (válvulas limitadoras); Reduzir a pressão em certas partes dos circuitos (válvulas reguladoras). base de operação dessas válvulas é o balanço entre pressão e força de mola. Válvula limitadora de pressão ( segurança) Exemplo com segurança Quanto o atuador esta parado a segurança permite a passagem do óleo para o reservatório. válvula limitadora de pressão abrirá quando o atuador não estiver se movimentando, pois a bomba continua movimentando o óleo.

9 Válvula de sequência Válvula de Sequência O objetivo da sequência é criar uma pequena automação. No esquema do slide seguinte o atuador da esquerda só iniciará o seu movimento de avanço quando o atuador da direita terminar de avançar. or exemplo: o atuador da direita faz a fixação de uma peça que será furada e o atuador da esquerda avança a furadeira automaticamente após a fixação. 150 bar 150 bar pressão ajustada na sequencia deve ser inferior a ajustada na válvula limitadora de pressão, caso contrário o atuador da esquerda nunca avança. 00 bar Na posição central os atuadores não se movimentam retenção se abre deixando o fluido passar. 00 bar Na posição central os dois atuadores recuam simultaneamente.

10 150 bar 150 bar Enquanto o atuador da direita avança sem encontrar resistência a sequencia fica fechada 00 bar Quanto o atuador da direita encontra resistência a pressão no sistema aumenta e a sequencia se abre, avançando o atuador da esquerda. 00 bar Válvula de Contrabalanço Na posição central o óleo fica circulando a baixa pressão. O objetivo da contrabalanço é impedir que um atuador, que desloca uma carga verticalmente, movimente-se devido a força da gravidade. CRG força exercida pela carga, devido a gravidade, não é o suficiente para a contrabalanço abrir.

11 Nesta posição o óleo é bombeado para elevar a carga. Nesta posição o óleo é bombeado para a descida da carga. CRG CRG Na posição de elevação da carga o óleo flui pela retenção. força exercida pela carga somada com a força do atuador faz a contrabalanço se abrir e permitir a movimentação. UNIFEI

Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual.

Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual. Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual. Com os dados abaixo, calcular a força F1 necessária para elevar o automóvel e quantas vezes o operador

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 4

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 4 UNIFEI EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 4 Aula 4 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior ombas Parâmetros importantes: Pressão máxima; Vazão máxima; Faixa de rotação; Rendimento: Rendimento

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04 Cálculos envolvendo tuadores Hidráulicos EME-26 ula 04 21-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior tuador hidráulico de dupla ação tuador hidráulico

Leia mais

Válvula redutora de pressão. EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 6

Válvula redutora de pressão. EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 6 UNIFEI EE610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 6 Válvula redutora de pressão O objetivo da válvula de redutora de pressão é fazer com que a pressão em uma parte do sistema seja mantida em um determinado

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Circuitos Pneumáticos Básicos

Circuitos Pneumáticos Básicos UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Pneumática 03 Circuitos Pneumáticos Básicos EME-26/EME610 Aula 09 09-11-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Circuito 1: comando direto de cilindro de simples

Leia mais

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos Prensa Pneumática Comandada por Válvula Convencional 5/2 vias Simples Solenóide Escape Área de pilotagem conectada à atmosfera através

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Roteiro n Introdução n Aplicações n Estrutura dos circuitos n Sistemas de atuação hidráulica n Componentes n Exemplo de CNC hidráulico Definição de Sistema hidráulico n Conjunto de

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Automatismos Industriais

Automatismos Industriais Automatismos Industriais Introdução à Pneumática Nos actuais sistemas de automação a pneumática é um elemento muito importante pois está presente num vasto numero de aplicações, seja como sistema totalmente

Leia mais

7ª Aula Válvulas Direcionais

7ª Aula Válvulas Direcionais 7ª Aula Válvulas Direcionais Os comandos pneumáticos consistem de seis camadas de elementos que são: a. Elementos de trabalho; b. Elementos de influência; c. Elementos de comando; d. Elementos de processamento

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

de hidráulica industrial

de hidráulica industrial A UU L AL A Noções de manutenção de hidráulica industrial João, o operador de uma retificadora cilíndrica, percebeu uma certa alteração no desempenho de sua máquina. Após fazer as verificações que conhecia

Leia mais

Componentes de um Sistema Hidráulico Parte II. Prof. Gustavo Fernandes de Lima <gustavo.lima@ifrn.edu.br>

Componentes de um Sistema Hidráulico Parte II. Prof. Gustavo Fernandes de Lima <gustavo.lima@ifrn.edu.br> Componentes de um Sistema Hidráulico Parte II Prof. Gustavo Fernandes de Lima Objetivos Identificar os principais componentes de um sistema hidráulico; Conhecer as válvulas direcionais,

Leia mais

Válvulas controladoras de vazão

Válvulas controladoras de vazão Generalidades Válvula controladora de vazão variável Válvula de controle de vazão variável com retenção integrada Métodos de controle de vazão Válvula de controle de vazão com pressão compensada temperatura

Leia mais

Introdução. Tipos de Válvulas. Eletropneumática Válvulas de Controle Direcional. Válvulas de Controle Direcionais. Fabricio Bertholi Dias

Introdução. Tipos de Válvulas. Eletropneumática Válvulas de Controle Direcional. Válvulas de Controle Direcionais. Fabricio Bertholi Dias Introdução Eletropneumática Válvulas de Controle Direcional Fabricio Bertholi Dias Os elementos pneumáticos podem ser subdividido em: Elementos de trabalho; Elementos de comando; Elementos de sinais. Todos

Leia mais

(E) (A) A bobina do rele de tempo dt1 está queimada. (B) A1. (B) A bobina do contator 1K3 está queimada. (C) A2

(E) (A) A bobina do rele de tempo dt1 está queimada. (B) A1. (B) A bobina do contator 1K3 está queimada. (C) A2 Técnico de Lab.: Automação Industrial 31. De acordo com a norma NBR 8403/1984: Aplicação de linhas em desenhos Tipos de linhas - Larguras das linhas e a norma NBR 198/1995: Representação de área de corte

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte III 14/02/2015 1 Atuadores 14/02/2015 2 Atuador Pneumático Os atuadores pneumáticos, assim como os atuadores hidráulicos, são componentes que

Leia mais

Sistemas Pneumáticos

Sistemas Pneumáticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE ENGENHARIAS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Sistemas Pneumáticos Gilson PORCIÚNCULA wp.ufpel.edu.br/porciuncula Estrutura de um circuito Pneumático

Leia mais

Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 05

Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 05 Válvula de contrabalanço UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 05 CRG EE-26/EE610 ula 05 28-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Posição central Carga parada Válvula de contrabalanço

Leia mais

1 Introdução 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS HIDRÁULICA

1 Introdução 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS HIDRÁULICA HIDRÁULICA 1 Introdução 1.1 Histórico: Existem apenas três métodos conhecidos de transmissão de potência na esfera comercial: (1) a mecânica, (2) a elétrica e (3) a fluídica. Naturalmente, a transmissão

Leia mais

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

Atuadores e válvulas

Atuadores e válvulas A UU L AL A Atuadores e válvulas Você já viu nas aulas anteriores que é possível transformar energia elétrica em energia mecânica por meio de uma máquina: o motor elétrico. Na indústria atual, o motor

Leia mais

CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO

CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO Em matérias anteriores, conhecemos algumas noções básicas do funcionamento de uma transmissão automática, com seus componentes principais, informando ao técnico

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

Tecnologia Pneumática Industrial. Apresentação M1001-1 BR

Tecnologia Pneumática Industrial. Apresentação M1001-1 BR Tecnologia Pneumática Industrial Apresentação M00- BR Índice Propriedades físicas do ar... Compressibilidade do ar. 4 Difusibilidade do ar.. 4 Elasticidade do ar 4 Expansibilidade do ar.. 4 Peso do ar.

Leia mais

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS SISTEMAS E COMPONENTES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS: SÍMBOLOS GRÁFICOS E DIAGRAMAS DE CIRCUITOS

ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS SISTEMAS E COMPONENTES HIDRÁULICOS E PNEUMÁTICOS: SÍMBOLOS GRÁFICOS E DIAGRAMAS DE CIRCUITOS ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORAS TÉCNICAS SISTEAS E COPONENTES HIDRÁULICOS E PNEUÁTICOS: SÍBOLOS GRÁFICOS E DIAGRAAS DE CIRCUITOS PARTE I SÍBOLOS GRÁFICOS 1. ESCOPO A primeira parte da norma estabelece

Leia mais

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 03

EME610 - Sistemas Hidropneumáticos Hidráulica 03 UNIFEI EME610 - Sitema Hidropneumático Hidráulica 03 Válvula de egurança (limitadora de preão) Aula 03 Prof. Joé Hamilton Chave Gorgulho Júnior 1 3 Válvula de egurança (limitadora de preão) Válvula de

Leia mais

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Hidráulica 01/06/2015. Hidráulica. Hidráulica. Hidráulica. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação CURSO

Leia mais

BRITADORES DE CONE 1. DESCRIÇÃO:

BRITADORES DE CONE 1. DESCRIÇÃO: SISTEMA MECÂNICO DE ALÍVIO SISTEMA HIDRÁULICO DE ALÍVIO 1. DESCRIÇÃO: Os britadores de cone Piacentini, são equipamentos robustos que proporcionam alta produtividade, baixo custo operacional e longa vida

Leia mais

6 Circuitos pneumáticos e hidráulicos

6 Circuitos pneumáticos e hidráulicos A U A UL LA Circuitos pneumáticos e hidráulicos Um problema A injetora de plásticos de uma fábrica quebrou. Desesperado, o supervisor de produção procura pelo novo mecânico de manutenção de plantão: você.

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

REGULAGEM DAS VÁLVULAS DA CENTRAL HIDRÁULICA

REGULAGEM DAS VÁLVULAS DA CENTRAL HIDRÁULICA REGULAGEM DAS VÁLVULAS DA CENTRAL HIDRÁULICA 3 2 1 4 5 DESCRIÇÃO REGULAGEM 1 VÁLVULA DE FLUXO CONTROLA A VELOCIDADE DE DESCIDA AO ABRIR AUMENTA A VELOCIDADE (ANTI-HORÁRIO) AO FECHAR DIMINUI A VELOCIDADE

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Acionamento de palhetas giratórias, Série RAK Ângulo de rotação: 30-270 Acionamento de palhetas giratórias, com efeito duplo Tipo de eixo: unilateral

Acionamento de palhetas giratórias, Série RAK Ângulo de rotação: 30-270 Acionamento de palhetas giratórias, com efeito duplo Tipo de eixo: unilateral Acionamentos giratórios Acionamento de palhetas giratórias 1 Pressão de operação mín/máx Veja a tabela abaixo Temperatura ambiente min./máx. Veja a tabela abaixo Temperatura de produto mín/máx. - C / +60

Leia mais

Válvula Direcional 4/3 e 4/2 Acionamento Manual Tipo WMM 10

Válvula Direcional 4/3 e 4/2 Acionamento Manual Tipo WMM 10 RP 30/04.05 Substitui: 03.90 Válvula Direcional 4/3 e 4/ Acionamento Manual Tipo WMM 10 Tamanho Nominal 10 Série 1X Pressão máxima de operação 315 bar Vazão máxima 100 L/min Índice Conteúdo Características

Leia mais

Atuadores Pneumáticos

Atuadores Pneumáticos / / D Atuadores Pneumáticos Os atuadores pneumáticos HiTork são dispositivos utilizados para o acionamento de válvulas de controle e outros elementos semelhantes. Possuem construção robusta, grandes torques

Leia mais

Válvula direcional 3/2, Série CD07 Qn= 1400 l/min conexão de tubo conexão de ar comprimido saída: G 1/4 apropriado para ATEX

Válvula direcional 3/2, Série CD07 Qn= 1400 l/min conexão de tubo conexão de ar comprimido saída: G 1/4 apropriado para ATEX Válvulas direcionais Acionamento mecânico Válvula direcional /, Série CD07 Qn= 400 l/min conexão de tubo conexão de ar comprimido saída: G /4 apropriado para ATEX Modelo válvula corrediça, sem sobreposição

Leia mais

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais

Segurança em Sistemas Pneumáticos

Segurança em Sistemas Pneumáticos Segurança em Sistemas Pneumáticos Celso Tadeu Carciofi LÍDER NA TECNOLOGIA DE VÁLVULAS DE SEGURANÇA PARA PRENSAS DESDE 1950 2005 2000 1995 1980 1976 1967 1962 1954 Segurança em Sistemas Pneumáticos Comando

Leia mais

Hidráulica e Pneumática

Hidráulica e Pneumática E Curso Técnico Concomitante em Mecânica 3º módulo MSc. Acumuladores ACUMULADORES HIDRÁULICOS Objetivos da aula Estudar os tipos de acumuladores; Conhecer a simbologia dos acumuladores; Identificar suas

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Sistema de Enlonamento Pneumático Índice Apresentação...03 Termo de Garantia...04 Sistema de Enlonamento Pneumático...05 Suporte de Fixação...06 Movimentador...08 Flange de Fixação Lona Retrátil...09 Lona

Leia mais

Introdução à pneumática

Introdução à pneumática Introdução à pneumática Introdução: A palavra pneumática tem origem grega Pneuma que significa respiração, sopro e é definido como a parte da física que se ocupa dos fenômenos relacionados com os gases

Leia mais

Tecnologia em equilíbrio entre força e movimento

Tecnologia em equilíbrio entre força e movimento Tecnologia em equilíbrio entre força e movimento Parker Hannifin A Parker é a líder global na fabricação de componentes destinados aos mercados de movimento e controle do movimento, dedicada a oferecer

Leia mais

P110. Automação Pneumática EXERCÍCIO 01. Dispositivo de Alimentação

P110. Automação Pneumática EXERCÍCIO 01. Dispositivo de Alimentação A figura abaixo representa um dispositivo de alimentação de peças. O funcionamento deste dispositivo baseia-se no avanço de um atuador de simples ação que desloca as peças para dentro de um sistema, retornando

Leia mais

SISTEMA HIDRÁULICO. Cilindros hidráulicos Válvulas direcionais Bombas Filtros Reservatórios Circuitos hidráulicos básicos CILINDROS HIDRÁULICOS

SISTEMA HIDRÁULICO. Cilindros hidráulicos Válvulas direcionais Bombas Filtros Reservatórios Circuitos hidráulicos básicos CILINDROS HIDRÁULICOS SISTEMA HIDRÁULICO A unidade hidráulica é destinada ao acionamento dos pistões de aperto do abafador à base, composta de duas bombas (sendo uma de reserva), e dos respectivos acessórios de supervisão,

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 86 HS. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 86 HS Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br 4 tipos de versões e o maior número de vantagens Alavanca de múltipla ação no carregador frontal Plataforma para o operador

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC

TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Engenharia Mecatrônica Tecnologias de Comando Numérico Prof. Alberto J. Alvares TRABALHOS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO NC 1. Peça Exemplo: Elaborar um programa

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

VÁLVULA ESFERA MONOBLOCO LATÃO FORJADO

VÁLVULA ESFERA MONOBLOCO LATÃO FORJADO VÁLVULA MONOBLOCO LATÃO FORJADO A Válvula de Esfera Monobloco GBR, possue corpo e peça única, oferecendo segurança absoluta com vedação estanque. São construídas em latão forjado, conforme DIN 17.660,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO AGA-TEC Indústria, Comércio e Manutenção Ltda. R: Danilo Valbuza, 703 - Laranjeiras 07700-000 Caieiras / SP - Brasil Tels /Fax: (11) 4441 8353 / 8309 / 8247 / 8502 E-mail: agatecvendas@terra.com.br MANUAL

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 10400 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E DESEMPENHO FÓRUM NACIONAL DE NORMALIZAÇÃO 1 TRATORES AGRÍCOLAS - DETERMINAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

PERFIL DO TÉCNICO REPARADOR DE TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS. Competências necessárias ao técnico para o desempenho de suas funções.

PERFIL DO TÉCNICO REPARADOR DE TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS. Competências necessárias ao técnico para o desempenho de suas funções. PERFIL DO TÉCNICO REPARADOR DE TRANSMISSÕES AUTOMÁTICAS Competências necessárias ao técnico para o desempenho de suas funções. Primeiro grupo Introdução às transmissões automáticas. 1. Corrigir declarações

Leia mais

Automatização. de Persianas

Automatização. de Persianas Automatização de Persianas Externas Índice Motores... 3 Motor para Tubo Octogonal 40 mm... 4 Motor para Tubo Octogonal 60 mm... 6 Fixação da Esteira... 8 Controles Remotos... 9 Transmissores Portáteis...

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 1 1) Elementos de trabalho são os executores das tarefas automatizadas. Cabe aos elementos de trabalho executar as tarefas que o circuito lógico determinar.

Leia mais

SISTEMA ELÉTRICO. Bateria 64 Ah. Giro da lança Esquerda: 50 / Direita: 80. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes

SISTEMA ELÉTRICO. Bateria 64 Ah. Giro da lança Esquerda: 50 / Direita: 80. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes CX80 MIDIESCAVADEIRA MOTOR Modelo Tipo Isuzu AU-4LE2X 4 tempos, turboalimentado, intercooler Cilindros 4 Deslocamento 2,2 l (2.189 cm 3 ) Diâmetro x Curso 85 x 96 mm Injeção de combustível eletrônica Filtro

Leia mais

e Catálogo de Componentes Pneumáticos e Elétricos www.festo.com.br

e Catálogo de Componentes Pneumáticos e Elétricos www.festo.com.br Painel Simulador Painel Simulador de Pneumática de Pneumática e Eletropneumática e Catálogo de Componentes Pneumáticos e Elétricos www.festo.com.br Festo Didactic Presente desde 1974 no Brasil, a Festo

Leia mais

HIDRÁULICA E TÉCNICAS DE COMANDO

HIDRÁULICA E TÉCNICAS DE COMANDO HIDRÁULICA E TÉCNICAS DE COMANDO José Fernando Xavier Faraco Presidente da FIESC Sérgio Roberto Arruda Diretor Regional do SENAI/SC Antônio José Carradore Diretor de Educação e Tecnologia do SENAI/SC Marco

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

Conexão das Series de Segurança e fim de Porta Aberta

Conexão das Series de Segurança e fim de Porta Aberta Conexão das Series de Segurança e fim de Porta Aberta Aviso: O controlador recebe e processa a informação da segurança nos seus terminais, mas não é uma parte dos circuitos ou sistemas de segurança. A

Leia mais

Propulsoras para Graxa

Propulsoras para Graxa Propulsoras para Graxa PROPULSORA PNEUMÁTICA P/ GRAXA 50:1 p/ graxa até NLGI 2 pressão de trabalho 4 a 10 bar pressão máxima de trabalho 10.3 bar vazão: 460 g/min não necessita lubrificação 4896 - p/ tambor

Leia mais

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. VÁLVULAS GUILHOTINA VGU-08

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. VÁLVULAS GUILHOTINA VGU-08 Descrição Geral As Válvulas Guilhotinas FKB modelo VGU-08 tem a função de controle e/ou bloqueio na vazão de fluídos, do qual foram desenvolvidos conforme norma MSS-SP81 e com design Robusto, tem como

Leia mais

Compressores. www.iesa.com.br 2

Compressores. www.iesa.com.br 2 www.iesa.com.br 1 Compressores A pneumática utiliza o ar como fonte de energia para o acionamento de seus automatismos. Esse ar necessita de determinadas condições apropriadas para sua utilização. São

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CANCELA PARA AUTOMAÇÃO DO SISTEMA GEST Controle de Revisões Elaborador: Luiz Coelho Alves da Silva Neto Validador: Adriano José Cunha de Aguiar Aprovador: Camilo Magalhães de Sales

Leia mais

1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo

1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo 1. As Máquinas Hidráulicas de Fluxo Máquina de Fluxo é uma máquina de fluido, em que o escoamento flui continuamente, ocorrendo transferência de quantidade de movimento de um rotor para o fluido que atravessa.

Leia mais

EQ 7881. Manual de montagem, instalação e operação

EQ 7881. Manual de montagem, instalação e operação EQ 7881 Manual de montagem, instalação e operação 0 A Rampa para elevação e alinhamento de veículos EQ 7881 foi desenvolvida e fabricada para facilitar e auxiliar os trabalhos de alinhamento de direção,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO TALHAS E TROLES MANUAIS TALHAS ELÉTRICAS GUINCHOS DE ALAVANCA TALHAS COM ACIONAMENTO MANUAL 1) NORMAS UTILIZADAS: NBR 10401 e 10402 Especificação: Fixa as condições exigíveis

Leia mais

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador

Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador R Plantadeira de Micro-Trator 1 Linha - Plantio Direto e Convencional Instruções do Operador INDÚSTRIA MECÂNICA KNAPIK LTDA. Rua Prefeito Alfredo Metzler, 480 - CEP 89400-000 - Porto União - SC Site: www.knapik.com.br

Leia mais

Automação Pneumática. DIDACTIC Automação Pneumática 1

Automação Pneumática. DIDACTIC Automação Pneumática 1 Automação Pneumática DIDACTIC Automação Pneumática 1 Comparação qualitativa: força, velocidade e precisão Mecânica Boa força Ótimas velocidades Ótima precisão Hidráulica Ótima força Baixas velocidades

Leia mais

28/8/2011. Aula4 ROTEIRO VÁLVULAS DE CONTROLE DIRECIONAL. Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos. Introdução.

28/8/2011. Aula4 ROTEIRO VÁLVULAS DE CONTROLE DIRECIONAL. Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos. Introdução. ROTEIRO Disciplina : EME139 - Acionamentos Hidráulicos e Pneumáticos CAPÍTULO 4 Válvulas de Controle Direcional 1. Introdução 2. Características Importantes: 3. Circuitos Pneumáticos Aula4 Prof. Cícero

Leia mais

TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber

TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber O QTEK Bomber é um dispositivo de separação de camada independente, projetado para remover ou adicionar camadas de produtos sobre um palete. O Bomber também pode

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática

Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica. Roteiro de Laboratório: Pneumática Instituto Federal de São Paulo Departamento de Mecânica Roteiro de Laboratório: Pneumática Prof. Engº Felipe Amélio de Lucena Catanduva, 25 de julho de 2012. Sumário 1 Objetivo... 3 2 Estrutura para elaboração

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

Resgate Terrestre. Sistema de escorramento Power Shore

Resgate Terrestre. Sistema de escorramento Power Shore PowerShore Mecânico - MS 2 L ESCORA MECANICA MS 2L5+. Cilindro mecânico extensível em alumínio rosqueável, com travamento através de contra porca MS 2 L 5+. Confeccionado em alumínio de alta resistência,

Leia mais

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO

TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO TM-IC TM-Z TM-IT TRANSPALETES MANUAIS MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CATÁLOGO PEÇAS DE REPOSIÇÃO Prezado Cliente, Você acaba de adquirir o Transpalete Hidráulico Manual (Linha TM)PALETRANS, um equipamento

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 3ª Série

Mecânica 2007/2008. 3ª Série Mecânica 2007/2008 3ª Série Questões: 1. Se o ouro fosse vendido a peso, preferia comprá-lo na serra da Estrela ou em Lisboa? Se fosse vendido pela massa em qual das duas localidades preferia comprá-lo?

Leia mais

ATUADORES PNEUMÁTICOS SIMPLES E DUPLA AÇÃO

ATUADORES PNEUMÁTICOS SIMPLES E DUPLA AÇÃO ATUADORES PNEUMÁTICOS SIMPLES E DUPLA AÇÃO ATUADORES PARA CADA AMBIENTE A ACTREG,SA fabrica uma ampla gama de atuadores pneumáticos oferecendo um desempenho seguro nas principais aplicações da válvula.

Leia mais

ALINHADOR DIGITAL A LASER

ALINHADOR DIGITAL A LASER MANUAL DE OPERAÇÃO ALINHADOR DIGITAL A LASER PRATIC LASER REVISÃO 00.1 ADENDO AO MANUAL ALINHADOR PRATIC LASER Alguns dos dispositivos mostrados neste manual são opcionais podendo não ser entregues como

Leia mais

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA

EESC-USP LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA LABORATÓRIO DE CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA Professores: Eduardo Nobuhiro Asada Luís Fernando Costa Alberto Colaborador: Elmer Pablo Tito Cari LABORATÓRIO N 9: MAQUINA SÍNCRONA: (ângulo de carga,

Leia mais

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá

ENGRENAGENS. Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá ENGRENAGENS Prof. Alexandre Augusto Pescador Sardá INTRODUÇÃO Engrenagens são utilizadas para transmitir movimento de um eixo rotativo para outro ou de um eixo rotativo para outro que translada (rotação

Leia mais

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO

LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO LASERTECK LTA450 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 3 3 CALIBRAGEM DOS MÓDULOS LASER (AFERIÇÃO E TEMPORIZAÇÃO)... 3 3.1 AFERIÇÃO DO LASER PONTO LONGITUDINAL...3 3.2

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

Educação Profissional Técnica Mecatrônica. Hidráulica PNH. 2 o semestral

Educação Profissional Técnica Mecatrônica. Hidráulica PNH. 2 o semestral Educação Profissional Técnica Mecatrônica Hidráulica PNH 2 o semestral SENAI-SP, 2000 Trabalho adaptado pela Faculdade SENAI de Tecnologia Mecatrônica e Gerência de Educação Diretoria Técnica Walter Vicioni

Leia mais

ZIGUEZAGUE ELETRÔNICA ZJ-2290

ZIGUEZAGUE ELETRÔNICA ZJ-2290 ZIGUEZAGUE ELETRÔNICA ZJ-2290 05-01 01- ESPECIFICAÇÕES CORTADOR DE LINHA AUTOMÁTICO. POSICIONAMENTO DE AGULHA. LEVANTADOR AUTOMÁTICO DO CALCADOR LANÇADEIRA DE TITÂNIO POSSUI MOTOR DE PASSO PARA MOVIMENTAR

Leia mais