SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR NO ÂMBITO DA SUSEP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR NO ÂMBITO DA SUSEP"

Transcrição

1 SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR NO ÂMBITO DA SUSEP MARÇO 2011 DE

2 Sanções Administrativas e PAS O Poder de Polícia do Estado (Regulação e Supervisão) O Processo Administrativo Sancionador As Sanções Administrativas (Efeito Pedagógico, Repressivo e Reparatório) A Resolução CNSP nº 243, de 6 de dezembro de Sanções Administrativas / Inquérito Administrativo / PAS no âmbito da SUSEP e das entidades autorreguladoras do mercado de corretagem Revogadas a Resolução CNSP nº 060, de 3 de setembro de 2001, e a Resolução CNSP nº 186, de 30 de abril de 2008

3 Pessoas Sujeitas ao PAS Pessoas Naturais ou Jurídicas que tenham cometido infrações relativas à legislação de Seguros Resseguros Previdência Complementar Aberta Capitalização Corretagem Bem como Auditores Independentes Autorreguladoras Liquidantes Estipulantes

4 Advertência As Sanções - Infrações de menor gravidade e sem reincidência Multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ ,00 (um milhão de reais) - Aplicada sempre que a pena exclusiva de advertência for insuficiente para cumprir com os objetivos da repressão e prevenção da pena - Será imputada somente ao agente responsável, respondendo solidariamente a sociedade de seguro, de resseguro, de previdência complementar aberta ou de capitalização, assegurado o direito de regresso - Pagamento com desconto de 25%, desde que se renuncie ao direito de recorrer - Inscrição no CADIN Multa no valor igual à importância segurada ou ressegurada, no caso das operações de seguro, cosseguro ou resseguro sem autorização Cancelamento de registro de corretor de seguros, pessoa natural ou jurídica

5 As Sanções Suspensão do exercício de atividade ou profissão abrangida pela Resolução CNSP nº 243/11, pelo prazo de trinta dias até cento e oitenta dias - Infrações graves, que gerem efetivo prejuízo à entidade ou a terceiros, sempre que o infrator for considerado reincidente ou quando não der cumprimento à determinação da SUSEP Inabilitação para o exercício de cargo ou função no serviço público ou em empresa pública, sociedades de economia mista e respectivas subsidiárias, entidades de previdência complementar, sociedade de capitalização, instituições financeiras, sociedades seguradoras e resseguradoras, pelo prazo de dois a dez anos - Será aplicada à pessoa natural que tiver sido punida com pena de suspensão nos últimos cinco anos por infração da mesma natureza ou, em qualquer caso, sempre que a infração cometida também for capitulada como crime ou, ainda, quando o infrator tiver sofrido condenação criminal, com transito em julgado, por ato praticado no exercício da profissão

6 As Sanções A SUSEP poderá considerar como responsável o titular de cargo ou função de presidente, diretor, administrador, conselheiro de administração ou fiscal, contador, atuário, analista, gerente ou assemelhado, corretor responsável, bem como qualquer outro que detenha ciência e poder de decisão em relação à infração verificada ( 5º do artigo 2º) O corretor estará sujeito a multa, suspensão do exercício de atividade e cancelamento de registro, bem como às penas fixadas pelas entidades autorreguladoras

7 A Dosimetria da Pena Na gradação das sanções administrativas serão consideradas, de forma sucessiva: I -as sanções administrativas cabíveis dentro dos limites mínimos e máximos previstos nesta Resolução - Ressalvada a hipótese de condenação pelo exercício de atividade não autorizada pela SUSEP, nenhuma pena de multa será superior ao valor máximo de R$ ,00 (um milhão de reais) II as circunstâncias administrativas da infração - Gravidade da infração e seus efeitos, a capacidade econômica do infrator, antecedentes e culpabilidade - A incidência das circunstâncias administrativas não poderá conduzir a aumento do valor de multa ou prazo de suspensão ou de inabilitação superior a cinqüenta por cento da diferença entre o valor mínimo e máximo previstos para a respectiva infração

8 A Dosimetria da Pena III - as circunstâncias agravantes e atenuantes Agravantes: Ter o infrator obtido vantagem indevida ou dissimulado a natureza ilícita da infração Ter a infração ocorrida em detrimento de menor de dezoito, maior de sessenta anos ou de pessoa portadora de deficiência física, mental ou sensorial, interditada ou não Deixar o infrator de atender a recomendação da SUSEP para tomar providências que evitem ou mitiguem as conseqüências da infração Atenuantes: Ter o infrator utilizado, na tentativa de resolução de conflito de interesses, de ouvidoria ou de sistema similar reconhecido pela SUSEP Ter o infrator evitado ou mitigado as conseqüências da infração, até o julgamento do processo em primeira instância A confissão da infração Cada circunstância agravante ou atenuante implicará o acréscimo máximo ou a redução de até, respectivamente, 20% da diferença entre os limites máximo e mínimo previstos na sanção aplicável

9 Infração Continuada/Reincidência/Extinção de Punibilidade/Prescrição Infração continuada pena de uma só das infrações, se idênticas, ou a mais grave, se diversas, aumentada, em qualquer caso, de um sexto a dois terços Reincidência a multa é agravada até o dobro Extinção de Punibilidade: (i) pela morte do infrator; (iii) pela prescrição administrativa; ou III pela retroatividade de lei que deixe de considerar determinada conduta como infração. Hipótese genérica: Não comprovado o dolo, o órgão encarregado pelo julgamento dos processos sancionadores no âmbito da SUSEP, considerando a gravidade da infração e os antecedentes do infrator, poderá deixar de aplicar sanção prevista nesta Resolução quando, a seu juízo, concluir que uma recomendação ao agente supervisionado seja suficiente ao atendimento dos objetivos da regulação setorial, hipótese na qual dará ciência ao órgão que instaurou o procedimento apuratório (artigo 2º, inciso VI, 4º). Prescrição - (i) do direito de punir: 5 anos; (ii) intercorrente: 3 anos.

10 As Infrações Das Operações sem Autorização Das Infrações Contábeis Das Infrações Societárias Das Infrações Pertinentes aos Produtos e a sua Comercialização Das Infrações aos Mecanismos de Supervisão Das Infrações que Afetam a Solvência Das Infrações Pertinentes às Intermediações Das Infrações aos Prestadores de Serviços de Auditoria Independente e de Avaliações Atuariais Das Demais Infrações

11 Inquérito Administrativo e o PAS Inquérito Administrativo - Procedimento para apuração de materialidade, da autoria e da responsabilidade por infrações administrativas - Serve de base para a instauração do PAS Processo Administrativo Sancionador - Objeto - Início do PAS: (i) auto de infração; (ii) denúncia; e (iii) representação - Dos atos e termos do processo - Da Comunicação dos Atos - Instrução - Instâncias (Remessa obrigatória para o Conselho Diretor - artigo 127)

12 TAC Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta A SUSEP poderá firmar termo de compromisso de ajustamento de conduta com agentes supervisionados, estabelecendo prazo razoável para sua adequação às normas e demais exigências regulatórias, o qual terá por objeto: I - a cessação e a correção de atos e situações considerados irregulares pela SUSEP II - o cumprimento de obrigações consideradas necessárias pela autarquia III - a indenização por prejuízo causado Natureza contratual, será firmado pelos compromissários e pelo Superintendente da SUSEP, mediante aprovação prévia pelo Conselho Diretor Título executivo extrajudicial.

13 TAC Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta O compromisso não importará confissão quanto à matéria de fato, nem reconhecimento de ilicitude da conduta analisada Deverão constar do termo de compromisso metas quantitativas ou qualitativas em prazos definidos, cujo cumprimento será acompanhado pela SUSEP, bem como cláusula penal para a hipótese de seu descumprimento O descumprimento injustificado do termo de compromisso dará ensejo às conseqüências nele previstas, sem prejuízo da abertura ou prosseguimento de processo administrativo sancionador, bem como, se for o caso, na instauração de regime especial

14 TAC NO ÂMBITO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM A fim de estabelecer um comparativo, o TAC é um instituto utilizado há anos pela Comissão de Valores Mobiliários CVM no âmbito do mercado de capitais Neste caso específico, o valor pago na celebração de um TAC deve primeiramente cobrir o dano financeiro causado aos participantes do mercado basicamente acionistas minoritários que se sentiram lesados por conduta de acionistas controladores, diretores e conselheiros de sociedades anônimas, e, subsidiariamente, punir a conduta ilícita que tenha sido supostamente cometida, desestimulando práticas semelhantes Similarmente à aplicação que será dada a este instituto pela SUSEP, o TAC firmado com a CVM não entra no mérito da irregularidade cometida, razão pela qual assinar um TAC não significa, necessariamente, qualquer assunção de culpa ou de prática de ato ilícito

15 TAC NO ÂMBITO DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM Os recursos obtidos pela CVM com os TACs são geralmente utilizados para indenizar possíveis lesados ou são direcionados para o Fundo de Defesa de Direitos Difusos, que foi criado pela lei que trata de ações civis públicas Considerando-se o patamar monetário aceito pela CVM com relação aos TACs firmados até meados de 2008, o valor usualmente aceito era entre R$ 50 mil e R$ 100 mil. Tal valores não mais se aplicam, por a CVM ter entendido, ao julgar o PAS RJ2007/8556, que tal patamar monetário era ineficaz na sua função preventiva de desestimular a prática de condutas semelhantes Desde então, o valor usualmente aceito pela CVM é de R$ 200 mil veja-se PAS RJ2011/ LLX LOGÍSTICA S/A (julgado em ), mas pode até como no caso do PAS RJ2011/ BRASIL TELECOM S.A. (também julgado em ), em que um dos interessados se comprometeu a pagar R$ 300 mil e o outro R$ 200 mil

16 Obrigado! Sanções Administrativas e PAS

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 233, de 2011.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 233, de 2011. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 233, de 2011. Dispõe sobre as condições de constituição, organização, funcionamento e extinção de entidades autorreguladoras

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações de co-seguro,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 Mensagem de veto Dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 243, de 2011.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 243, de 2011. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 243, de 2011. Dispõe sobre sanções administrativas no âmbito das atividades de seguro, cosseguro, resseguro, retrocessão,

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO. Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, CIVIL E PENAL NA SUPERVISÃO DOS FUNDOS DE PENSÃO Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2015 1 RESPONSABILIDADES TRIPARTITES RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE CIVIL

Leia mais

NORMALIZAÇÃO, REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA

NORMALIZAÇÃO, REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA NORMALIZAÇÃO, REGULAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA Nélia Maria de Campos Pozzi Diretora Presidente do SINDAPP Sindicato Nacional das Entidades Fechadas de Previdência Complementar MARCOS HISTÓRICOS DA NORMATIZAÇÃO

Leia mais

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção

Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Decreto Federal Regulamentador da Lei Anticorrupção Em 19 de março de 2015, foi publicado o Decreto Federal nº 8.420, de 18 de março de 2015 ( Decreto ), que regulamenta a Lei Federal nº 12.846, de 1º

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 1/3/2016 Em 15 de dezembro de 2015, foram publicadas normas de grande relevância para a indústria de seguros e resseguros, as quais trazem mudanças nas regras de constituição,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.590, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações

Leia mais

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013

Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 Um programa de compliance eficiente para atender a lei anticorrupção Lei 12.846/2013 FEBRABAN Arthur Lemos Jr Promotor de Justiça Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos Compliance A LEI PROVOCA

Leia mais

SUL AMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 9.000,00.

SUL AMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 9.000,00. Recurso nº 1847 Processo SUSEP nº 15414.002869/2002-74 SUL AMÉRICA SEGUROS DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A. EMENTA: RECURSO ADMINISTRATIVO. Representação. Não atender à Carta SUSEP/DECON/GERES/DISEC/ nº 352/02.

Leia mais

CAPÍTULO I DO CONTRATO DE FOMENTO EMPRESARIAL

CAPÍTULO I DO CONTRATO DE FOMENTO EMPRESARIAL Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 13, de 2007 (PL nº 3.615, de 2000, na Casa de origem), que Dispõe sobre as operações de fomento mercantil factoring, e dá outras providências. Substitua-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Assinatura: RELATÓRIO

Assinatura: RELATÓRIO Gerência/Diretoria: NUCLEO-RJ/SEGER Protocolo nº: 33902.566210/2012-01 Data: 23/11/2012 Hora: 14:33:25 Diretoria de Fiscalização Assinatura: Processo n.º: 33902.113433/2010-08 Demanda/Protocolo: 963822/959019

Leia mais

MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO

MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO MINUTA DE TERMO DE COMPROMISSO DE CESSAÇÃO O CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA, doravante designado CADE, neste ato representado por sua Presidente, Elizabeth Maria Mercier Querido Farina, conforme

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL

CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI. Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL CONTADOR JOSE LUIZ VAILATTI Lei 12. 846/2013 LEI ANTI CORRUPÇÃO EMPRESARIAL Atender às exigências internacionais de combate a corrupção Estimular a prática do compliance. Ética corporativa na administração.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP Nº 460, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP Nº 460, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP Nº 460, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Estabelece normas sobre a distribuição, a cessão, a subscrição e a publicidade na comercialização de títulos de capitalização,

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 327, de 29 de maio de 2006.

CIRCULAR SUSEP N o 327, de 29 de maio de 2006. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 327, de 29 de maio de 2006. Dispõe sobre os controles internos específicos para o tratamento de situações relacionadas à prática

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

PARECER DO COMITÊ CVM Nº FATOS. Central do. 3. Em /Nº 016/14) nº 356/01;

PARECER DO COMITÊ CVM Nº FATOS. Central do. 3. Em /Nº 016/14) nº 356/01; PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSOO ADMINISTRATIVO CVM Nº RJ 2014/376 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso apresentada por Citibank DTVM S/A e seus diretores responsáveis pelos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o XXX, DE 20XX. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre o plano de regularização de

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0216/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário

Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário Lei Anticorrupção: principais aspectos e como se preparar para este novo cenário Marcelo Leonardo Cristiano Helena Marques de Souza Fernandes Como um dos resultados do compromisso assumido pelo Brasil

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0108/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Assunto: Taxa de administração do RPPS e responsabilidade do gestor. ANÁLISE JURÍDICA

Assunto: Taxa de administração do RPPS e responsabilidade do gestor. ANÁLISE JURÍDICA Página 1 de 10 Assunto: Taxa de administração do RPPS e responsabilidade do gestor. ANÁLISE JURÍDICA As despesas administrativas da unidade gestora do Regime Próprio de Previdência Social RPPS serão custeadas

Leia mais

PREVIMAX PREVIDÊNCIA PRIVADA E SEGURADORA S.A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: Multa no valor de R$ 16.000,00.

PREVIMAX PREVIDÊNCIA PRIVADA E SEGURADORA S.A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: Multa no valor de R$ 16.000,00. Recurso nº 4481 Processo SUSEP nº 15414.004750/2006-60 PREVIMAX PREVIDÊNCIA PRIVADA E SEGURADORA S.A. EMENTA: RECURSO ADMINISTRATIVO. Representação. Realizar operação financeira com pessoa jurídica ligada

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 124, DE 30 DE MARÇO DE 2006.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 124, DE 30 DE MARÇO DE 2006. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 124, DE 30 DE MARÇO DE 2006. Dispõe sobre a aplicação de penalidades para as infrações à legislação dos planos privados de assistência à saúde. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS

LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS LEI ANTICORRUPÇÃO E PRÁTICAS DE COMPLIANCE PARA PESSOAS JURÍDICAS Objeto da Lei n.º12.846, de 2013 A Lei Anticorrupção dispõe sobre: a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas. pela

Leia mais

MODELO CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

MODELO CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR MODELO CONTRATO N.º /20 CONTRATO DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A (Órgão/Entidade Federal, Estadual ou Municipal), pessoa jurídica de direito público ou privado, com sede à Rua, n.º,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE

PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE PROCEDIMENTOS PARA ATRASO OU NÃO ENTREGA DE MATERIAL PERMANENTE 1 - O servidor encarregado pelo recebimento deverá solicitar ao servidor lotado no Setor de Patrimônio de cada Unidade, que entre em contato

Leia mais

Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998

Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998 Lei nº 9.613, de 03 de Março de 1998 Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema financeiro para os ilícitos previstos nesta lei;

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NOTA JURÍDICA N.º 001/2008 Cuiabá/MT, 03 de julho de 2008. RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS 1. Devido à responsabilidade da Agenda Assessoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 52, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2003 (*) Dispõe sobre os Regimes Especiais de Direção Fiscal e de Direção

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Corretagem

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Corretagem Regulatory Practice Insurance News Fevereiro 2012 SUSEP Corretagem Resolução CNSP 249, de 15.02.2012 Atividade dos corretores de seguros Dispõe sobre a atividade dos corretores de seguros de ramos elementares

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS 2014 CADERNO DE LOGÍSTICA SANÇÕES ADMINISTRATIVAS EM LICITAÇÕES E CONTRATOS Versão 1.0 setembro de 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS

CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS CONTROLE E CONSEQUÊNCIAS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA NO ÂMBITO DAS CORTES DE CONTAS Clique para editar o estilo do subtítulo mestre O tema Improbidade Administrativa está inserida dentro do assunto Controle

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 297, DE 2013. Disciplina as operações das sociedades seguradoras por meio de seus representantes de seguros, pessoas jurídicas,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0152/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

ACÓRDÃOS DA 161ª SESSÃO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. BASE LEGAL: Art. 88 do Decreto-Lei nº 73/66.

ACÓRDÃOS DA 161ª SESSÃO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. BASE LEGAL: Art. 88 do Decreto-Lei nº 73/66. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP Recurso nº 0753 Processo SUSEP nº 15414.002596/97-94 ACÓRDÃOS

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0082/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94):

Teoria das nulidades dos atos de advocacia. Dispõe o Estatuto da Advocacia (Lei Federal n.º 8.906/94): Thiago d Ávila Membro da Advocacia-Geral da União. Procurador Federal. Procurador do INCRA em Natal/RN. Ex-Procurador do INSS. Ex-Procurador do Órgão de Arrecadação da Procuradoria-Geral Federal. Dedica-se

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0162/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE IX ENCONTRO NACIONAL DA MULHER CONTABILISTA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS VISÃO DA AUDITORIA

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE IX ENCONTRO NACIONAL DA MULHER CONTABILISTA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS VISÃO DA AUDITORIA CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE IX ENCONTRO NACIONAL DA MULHER CONTABILISTA PREVENÇÃO E MITIGAÇÃO DE RISCOS PROFISSIONAIS VISÃO DA AUDITORIA 1 PRINCIPAIS RISCOS ENVOLVIDOS NO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO CONTÁBIL

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

DO ÂMBITO E FINALIDADE DA DEFINIÇÃO

DO ÂMBITO E FINALIDADE DA DEFINIÇÃO TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM N o 364/02, 448/07 e 450/07.. Dispõe sobre a administração de carteira de valores mobiliários e revoga as Instruções CVM n os 82, de

Leia mais

"EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 1 Transcrevemos a seguir, na íntegra, Edital de Audiência Pública disponibilizado pela Comissão de Valores Mobiliários em seu endereço na internet: http://www.cvm.gov.br "EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA 1.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO

CÂMARA MUNICIPAL DE CORNÉLIO PROCÓPIO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 002/2015 02/02/2015 EMENTA: Estabelece medidas com o intuito de se evitar a venda, oferta, fornecimento, entrega e o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente,

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP Recurso n.º 269 Processo SUSEP nº 15414.004089/97-77 45ª SESSÃO

Leia mais

CÓDIGO DE AUTORREGULAÇÃO DA ANCORD Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias

CÓDIGO DE AUTORREGULAÇÃO DA ANCORD Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias CÓDIGO DE AUTORREGULAÇÃO DA ANCORD Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias 1 ÍNDICE CAPÍTULO I. FINALIDADE... 3 CAPÍTULO II. CONSELHO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

ACÓRDÃOS DA 149ª SESSÃO PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP

ACÓRDÃOS DA 149ª SESSÃO PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP Recurso nº 1538 Processo SUSEP nº 15414.002160/2002-79 ACÓRDÃOS DA 149ª SESSÃO PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS EMENTA: RECURSO ADMINISTRATIVO. Representação. Não remeter à SUSEP, no prazo determinado,

Leia mais

PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 34.000,00. Sala dassõ,de evereiro e 20 5. WALDIR QUINTILIA O DA SILVA res4te ;RRe a

PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 34.000,00. Sala dassõ,de evereiro e 20 5. WALDIR QUINTILIA O DA SILVA res4te ;RRe a MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA I'RIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 2O9 Sessão Recurso n 6538 Processo SUSEP n0 15414.005489/2011-82

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO RELATÓRIO

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO RELATÓRIO MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO Recurso n2 5.550 - CRSNSP Processo n2 15414.005009/2005-35- SUSEP Recorrente

Leia mais

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101 Voltar SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101 Indiciados : Ivanildo Alves Messias Messias Auditoria e Consultoria S/C Ementa : Decisão : O auditor independente no exercício

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0115/2006 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011 Proíbe vender, ofertar, fornecer, entregar e permitir o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente, aos menores de 18 (dezoito) anos de idade, e dá providências

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0098/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 198/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 198/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 198/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014

A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE. Agosto, 2014 A LEI ANTICORRUPÇÃO E AS POLÍTICAS DE COMPLIANCE Agosto, 2014 Lei Anticorrupção Brasileira: Lei 12.846/2013 Aspectos Gerais: Vigência: Entrou em vigor em 29/01/2014; Será regulamentada. Objetivo: Responsabilizar

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 DOU DE 16/1/2007

LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 DOU DE 16/1/2007 LEI COMPLEMENTAR Nº 126, DE 15 DE JANEIRO DE 2007 DOU DE 16/1/2007 Dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações de co-seguro, as contratações de seguro no exterior

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP 43ª SESSÃO DE JULGAMENTO - ACÓRDÃOS Recurso Nº 0352 Processo

Leia mais

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br

São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br São Paulo - SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar (55 11) 3254 0050 www.porto.adv.br 86º ENIC: 2014 Comissão de Obras Públicas - COP Lei Anticorrupção Lei nº 12.846, de 01/08/2013 PORTO ADVOGADOS www.porto.adv.br

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No- 301, DE 7 DE AGOSTO DE 2012 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe sobre o

Leia mais

Vida Seguradora S.A. PENALIDADE ORIGINAL: Multa de R$ 9.000,00. Sala das Sessões (Ri), 12 de dezembro de 2014.

Vida Seguradora S.A. PENALIDADE ORIGINAL: Multa de R$ 9.000,00. Sala das Sessões (Ri), 12 de dezembro de 2014. CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, - CRSNSP 208' Sessão Recurso n 5898 Processo SUSEP n 15414.100701/2008-19 RECORRENTE: RECORRIDA: Vida Seguradora S.A. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 023/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 023/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 023/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Representante de Seguros Resolução CNSP 297, de 25.10.2013 Operações por meio de representantes de seguros

SUSEP. Regulatory Practice Insurance News. Representante de Seguros Resolução CNSP 297, de 25.10.2013 Operações por meio de representantes de seguros Regulatory Practice Insurance News Outubro 2013 SUSEP Representante de Seguros Resolução CNSP 297, de 25.10.2013 Operações por meio de representantes de seguros Disciplina as operações das sociedades seguradoras

Leia mais

RECORRENTE: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 64.000,00.

RECORRENTE: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - PENALIDADE ORIGINAL: Multa no valor de R$ 64.000,00. MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO - CRSNSP 206 Sessão Recurso n 4703 Processo SUSEP n 15414.100262/2005-00 RECORRENTE: COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para racionalizar regras de procedimento administrativo e de competência de órgãos públicos.

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO CRM/DF nº 378/2015 (Publicada no DODF de 25 de março de 2015, Seção 03, p. 47) Dispõe sobre a instituição do Termo de Ajustamento de Conduta no âmbito da jurisdição do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

informa Societário &Mercado de Capitais DECISÕES DO COLEGIADO DA CVM nº 79 / 12 de julho de 2013

informa Societário &Mercado de Capitais DECISÕES DO COLEGIADO DA CVM nº 79 / 12 de julho de 2013 nº 79 / 12 de julho de 2013 informa Societário &Mercado de Capitais Nesta edição: Decisões do Colegiado da CVM Atualização Normativa Notícias Este Boletim é um informe destinado aos clientes e integrantes

Leia mais

RESOLUÇÃO N 58, de 5 DE OUTUBRO DE 2013

RESOLUÇÃO N 58, de 5 DE OUTUBRO DE 2013 RESOLUÇÃO N 58, de 5 DE OUTUBRO DE 2013 Dispõe sobre o procedimento para a aplicação das sanções ético-disciplinares relacionadas às infrações ético-disciplinares por descumprimento à Lei n 12.378, de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.122, DE 2 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 4.122, DE 2 DE AGOSTO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 4.122, DE 2 DE AGOSTO DE 2012 Estabelece requisitos e procedimentos para constituição, autorização para funcionamento, cancelamento de autorização, alterações de controle, reorganizações societárias

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA

RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Decorre da transgressão de normas administrativas pelo servidor,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP ACÓRDÃOS DA 97ª SESSÃO Recurso nº 0739 Processo SUSEP nº 15414.003029/97-18

Leia mais

RECURSO ADMINISTRATIVO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: multa de R$ 16.057,84. BASE LEGAL: Art. 88 do Decreto-Lei nº 73/66.

RECURSO ADMINISTRATIVO SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP. PENALIDADE: multa de R$ 16.057,84. BASE LEGAL: Art. 88 do Decreto-Lei nº 73/66. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA E DE CAPITALIZAÇÃO CRSNSP ACÓRDÃOS DA 88ª SESSÃO Recurso nº 0754 Processo SUSEP nº 15414.005763/97-31

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

CONTRATO 011/2010 DESCRIÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO

CONTRATO 011/2010 DESCRIÇÃO DO MATERIAL/SERVIÇO PROCESSO Nº 129710/2010 PREGÃO Nº 002/2010 UNIOESTE/CAMPUS DE TOLEDO CONTRATO 011/2010 CLÁUSULA PRIMEIRA OBJETO Contrato objetivando a seleção de propostas visando registro de preços de Serviços de Hospedagem

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

Clipping. GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel. Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE 2015.

Clipping. GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel. Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE 2015. Clipping Veículo: Minas Gerais Data: 04/08/2015 Editoria: Caderno 1 - Diário do Executivo Páginas: 1 e 2 GOVERNO DO ESTADO Governador: Fernando Pimentel Leis e Decretos LEI Nº 21.735, DE 3 DE AGOSTO DE

Leia mais

MINUTA DO CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MOTO - BOY

MINUTA DO CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MOTO - BOY 1 MINUTA DO CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MOTO - BOY O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO, Autarquia Federal criada pelo Decreto-Lei nº. 9.295, de 27.05.1946, CNPJ /MF nº.

Leia mais