A INTERMEDIAÇÃO NO CONTRATO DE SEGURO ASPECTOS RELEVANTES NO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERMEDIAÇÃO NO CONTRATO DE SEGURO ASPECTOS RELEVANTES NO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO."

Transcrição

1 1 A INTERMEDIAÇÃO NO CONTRATO DE SEGURO ASPECTOS RELEVANTES NO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO. ANGÉLICA L. CARLINI é advogada e docente universitária na PUC-CAMPINAS, UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP e FACULDADE CAMPINAS - FACAMP, nas áreas de Hermenêutica, Direitos Humanos, Estudos Dirigidos de Direito Público e Direito do Consumidor. É pesquisadora de direito do seguro, direito do consumidor e políticas públicas. Diretora da seção brasileira da AIDA e do Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor BRASILCON. 1. INTRODUÇÃO. 2. O CORRETOR DE SEGUROS DEFINIÇÃO E TRATAMENTO LEGAL 3. O AGENTE DE SEGUROS DEFINIÇÃO E TRATAMENTO LEGAL 4. RESPONSABILIDADE CIVIL SOLIDÁRIA NA INTERMEDIAÇÃO DE CONTRATOS DE SEGURO.DO CORRETOR DE SEGUROS E DO SEGURADOR NA INTERMEDIAÇÃO 5. CONCLUSÃO. RESUMO Este trabalho pretende investigar as principais características jurídicas das atividades de corretagem e agenciamento de seguros, tratando da diferença entre esses institutos jurídicos. Também pretende construir uma reflexão sobre a responsabilidade dos corretores de seguros, agentes e dos seguradores na proteção ao consumidor de seguros. RESUMEN - Este trabajo tiene como objetivo investigar las principales características de las actividades legales de corretaje y agencia de seguros, en la diferencia entre las instituciones jurídicas. Asimismo, la intención de construir una reflexión sobre la responsabilidad de los corredores de seguros, agentes de seguros y en la protección de los consumidores de seguros PALAVRAS CHAVES Direito do Seguro; Corretor de Seguros; Responsabilidade Civil.

2 2 1. INTRODUÇÃO A intermediação nos contratos de seguro é área que ainda precisa ser mais bem regulamentada no direito brasileiro. Há legislação específica mas o Código Civil brasileiro de 2002 não tratou do tema adequadamente, contribuindo para propiciar certa confusão na compreensão dos estudiosos do tema. O trabalho pretende iniciar uma reflexão sobre a intermediação e sua natureza jurídica, focada principalmente na necessidade de entender se há e por que há distinção entre a figura do corretor de seguros e do agente de seguros. Pretende ainda discutir como o direito trata essa distinção e a responsabilidade de cada uma dessas figuras de direito perante segurados e seguradores. Da exata distinção entre elas decorrerá a noção mais precisa do alcance da responsabilidade civil inerente a cada parte, o que também é objeto de estudo neste trabalho. 2. O CORRETOR DE SEGUROS DEFINIÇÃO E TRATAMENTO LEGAL NO BRASIL. No direito brasileiro o corretor de seguros é regulado pela Lei 4.594, de 29 de dezembro de Além disso, há extensa regulamentação realizada pela Superintendência de Seguros Privados, entidade de caráter federal a quem compete por força de lei regular e fiscalizar as atividades de seguro no Brasil. A Circular SUSEP n.º 127, de abril de 200, por exemplo, contém importantes disposições sobre a atividade dos corretores de seguro no país, inclusive a definição da atividade. Consta dessa legislação administrativa que o corretor de seguros, pessoa física ou jurídica, é o intermediário legalmente autorizado a angariar e promover contratos de seguro entre as sociedades seguradoras e as pessoas físicas ou jurídicas de direito privado, devidamente registrado, conforme as instruções estabelecidas na própria circular. De igual forma, os artigos 24 e 25 da circular determinam sobre as responsabilidades dos corretores de seguros, determinando que: o corretor de seguros responde civilmente perante os segurados e as sociedades seguradoras pelos prejuízos que causar, por omissão, imperícia ou negligência no exercício da

3 3 profissão e, que cabe responsabilidade profissional perante a Superintendência ao corretor de seguros que deixar de cumprir as leis, regulamentos e resoluções em vigor, ou que der causa dolosa ou culposa e prejuízos às sociedades seguradoras ou aos segurados. O Código Civil brasileiro de 2002, que entrou em vigor em janeiro de 2003, não trouxe referência expressa a atuação do corretor de seguros quer no que tange a definição de suas atribuições, quer no que diz respeito às suas responsabilidades perante o segurador e o segurado. O Código Civil brasileiro legisla sobre contratos de corretagem definindo-o como aquele em que uma pessoa não ligada a outra, em virtude de mandato, de prestação de serviços ou por qualquer relação de dependência, obriga-se a obter para a segunda um ou mais negócios, conforme as instruções recebidas. O mesmo texto legal fixa a responsabilidade do corretor pela intermediação com responsabilidade e diligência, do mesmo modo como determina a obrigatoriedade da remuneração ao corretor e o modo como ela se dará. As peculiaridades da atuação do corretor de seguros não foram tratadas pelo Código Civil que, no entanto, cuidou de explicitar que os preceitos de corretagem por ele tratados não excluem a aplicação de outras normas oriundas de legislação especial. É comum na prática cotidiana que os corretores de seguro, em especial aqueles que se organizam em sociedades empresariais, utilizem os serviços de produtores, ou seja, captadores que atuam na busca de pessoas interessadas ou necessitadas em contratar seguros de modalidades diversas. Esses captadores ou produtores quase sempre se caracterizam por não possuírem habilitação legal para o exercício da atividade, tanto que os contratos de seguro quando formalizados ainda que tenham recebido a intermediação desses produtores, não os identificam, mencionam o corretor de seguros ou a sociedade empresarial corretora de seguros para o qual o produtor presta serviços. A atuação profissional do produtor ou captador será de responsabilidade direta do corretor de seguros ou da sociedade corretora de seguros para a qual ele presta serviços, ainda que entre eles não exista nenhum vínculo formal, seja de prestador de serviços ou de vínculo empregatício. Essa obrigatoriedade é decorrente do disposto no Código de Defesa do Consumidor quando a relação contemplar um consumidor como contratante do

4 4 seguro; e, encontra fundamento no Código Civil quando a parte contratante tiver amparo nesse diploma legal. Em ambas as hipóteses haverá responsabilidade civil objetiva, ou seja, independentemente da prova de culpa. Essa conclusão se obtém da análise do disposto nos artigos 932 e 933 do Código Civil brasileiro, e dos artigos 14 e 34 do Código de Defesa do Consumidor. Embora o Código Civil não tenha tratado especificamente do corretor de seguro no artigo 775 tratou do agente de seguros, o que em parte contribuiu para formalizar certa dificuldade de compreensão de ambas as atividades. 3. O AGENTE DE SEGUROS DEFINIÇÃO E TRATAMENTO LEGAL NO BRASIL. O agente de seguros ao contrário da figura do corretor de seguros, não é definido na legislação administrativa. Mas é definido pelo Código Civil de 2002 que entrou em vigor em 2003 no Brasil. O artigo 775 determina que os agentes autorizados do segurador presumem-se seus representantes para todos os atos relativos aos contratos que agenciarem. A definição deixa claro que o agente que a lei pretende regular é aquele que presta serviço para uma seguradora com objetivo de colocar seus produtos de seguro no mercado, divulgando-os e em conseqüência, encontrando quem queira contratar. Em outras palavras, o agente trabalha no interesse da atividade fim do segurador e não no interesse do segurado. Por essa razão é que o texto da lei civil identificou os agentes de seguro como representantes do segurador e não do segurado. O Código Civil brasileiro também cuidou da figura do agente no artigo 710 e seguintes, definindo o contrato de agência como aquele em que uma pessoa assume em caráter não eventual e sem vínculos de dependência, a obrigação de promover, à conta de outra, mediante retribuição, a realização de certos negócios, em zona determinada. O contrato de agência será denominado de contrato de distribuição quando o agente tiver à sua disposição a coisa a ser negociada.

5 5 A lei determina ainda que se tratando de agentes em geral, não especificando os agentes de contratos de seguro, eles deverão ter sua zona de atuação respeitada não sendo admitidos mais de um agente com a mesma incumbência por zona. Estipula, ainda, que o agente não poderá tratar de negócios do mesmo gênero, à conta de outros proponentes. Por se tratar de questão de ordem meramente patrimonial é possível ao agente transigir com esse direito admitindo, por exemplo, que o proponente tenha mais de um agente em uma mesma zona geográfica. Também poderá o proponente aquiescer com o fato de que o agente represente mais de um interesse. O direito civil brasileiro obriga o agente a agir com diligência atendendo às determinações do proponente. Dessa disposição legal se extrai o alcance da responsabilidade civil do agente, que será sempre responsável pelo cumprimento das obrigações contratualmente assumidas perante o segurado, inclusive quanto ao tipo de contrato de seguro pactuado. No Brasil a figura do agente de seguros é menos comum que a de corretores de seguro. A figura do agente se vincula mais fortemente a transação de seguros realizada em instituições bancárias, onde atuam profissionais que não são corretores de seguro regulamentados como tal, oferecendo produtos de seguro de uma determinada seguradora para consumidores ou contratantes que tenham negócios bancários com essa instituição. Não há registro da existência de organização de agentes de seguro ao contrário dos corretores que se organizam em associações, clubes sociais e sindicatos em todo o país. Essas associações atuam permanentemente em defesa dos direitos dos corretores de seguros, sobretudo na garantia da livre concorrência. Não há no Brasil maior tradição na atuação dos agentes de seguro e, apesar de atuarem no cotidiano ainda são desconhecidos de grande parte dos consumidores. 4. RESPONSABILIDADE CIVIL DO CORRETOR DE SEGUROS E DO SEGURADOR NA INTERMEDIAÇÃO Na prática os consumidores brasileiros nem sempre sabem se estão contratando com corretores de seguro, com produtores de corretores de seguro, com agentes ou com a própria seguradora.

6 6 Ao comentar o artigo 775, Tzirulnik, Pimentel e Queiroz afirmam Sob a denominação de corretores ou estipulantes encontramos uma profusão de intermediários funcionando como canais de venda de seguros intensamente vinculados aos interesses das seguradoras. Não se deve confundir a figura do agente com as figuras do preposto ou empregados, marcadas pela relação de dependência, e cujos atos e omissões vinculam de pleno direito o proponente ou patrão. A figura do agente é regulada no art. 710 e ss., sendo caracterizada, entre outros aspectos, pela forma autônoma pela qual exerce seu mister. (2003, p. 98) Também ao comentar o mesmo artigo de lei o ex- Ministro José Augusto Delgado do Superior Tribunal de Justiça aproxima o corretor de seguro e o agente, sem no entanto contribuir para distinguir adequadamente as duas figuras. Afirma José Augusto Delgado que Agente, para o Direito Civil, é a pessoa que atua na execução de um ato jurídico, sendo o autor, tendo-o executado por conta própria ou de outrem. O vocábulo agente presente no art. 775 tem a significação de alguém que, em nome do segurador, celebra o contrato de seguro. O Código Civil de 1916 não definiu, expressamente, a situação jurídica do agente de seguro. O agenciamento dos contratos de seguro é feito por profissional autônomo ou assalariado, devidamente especializado para servir como intermediário entre o segurado e o segurador. Esse trabalho é denominado corretagem de seguros. Esta é definida como sendo o ato de intermediação praticado por profissionais devidamente autorizados a negociar seguro no mercado. Esses profissionais recebem uma comissão, em forma de percentual, que é calculado sobre o prêmio pago ao segurador. (2004, p ) As duas contribuições doutrinárias transcritas parcialmente confirmam que as definições de corretor e de agente de seguro não estão claramente colocadas no universo jurídico brasileiro na atualidade. E essa ausência de clareza contribui de forma negativa no momento de proteger o consumidor ou o contratante de seguro, e até mesmo para proteger a atividade fim da seguradora que depende sempre da correta atuação do intermediário. O agente e o corretor de seguros têm posições diferentes quando atuam na intermediação de seguros: o agente atua no interesse do segurador para quem realiza negócios com habitualidade, divulgando produtos e formas de contratação; já o corretor de seguros atua no interesse do segurado, do futuro contratante de

7 7 seguro, prospectando junto a várias seguradoras a melhor oferta para apresentar para seu cliente. O agente pode até prestar serviços para várias seguradoras visando sempre a colocação dos produtos dessas seguradoras para o mercado de consumo. O corretor de seguros, ao contrário, presta serviços para vários e diferentes segurados que na condição de proponentes são representados pelos corretores de seguro na fase de negociação e consecução do negócio. Ainda que muitas vezes se apresentem perante os consumidores e contratantes sem explicitar claramente a diferença entre as funções e, ainda que a legislação brasileira não tenha definido e distinguido essas figuras jurídicas, há notória distinção entre as atividades que desempenham e é preciso enfatizar essa distinção mormente para que a responsabilidade civil decorrente dessas atividades profissionais seja claramente colocada. Há responsabilidade civil em ambas as áreas de atuação profissional, mas é preciso distinguir claramente quem escolhe um ou outro profissional de seguro para atuar em defesa de seus interesses. Assim no caso do corretor de seguros quem o escolhe para atuar é o próprio proponente, futuro segurado, que contrata o corretor de seguro mediante a paga de uma remuneração denominada comissão, que é inserida no preço final da contratação de seguro. O agente de seguro, ao contrário, é escolhido pelo segurador e capacitado tecnicamente por ele para oferecer os produtos aos clientes, buscando angariar pessoas interessadas que se habilitem a contratar. Como decorrência natural da ausência de maior sustentação jurídica na distinção entre agentes e corretores de seguro, o judiciário nem sempre consegue distinguir adequadamente a natureza jurídica das funções, optando por condenar o corretor de seguros e a seguradora em caráter de solidariedade que nem sempre existe. Há solidariedade entre a função exercida pelo agente de seguros e o segurador, em razão dos laços que os unem e do tipo da atividade exercida: divulgação de produtos de seguro e captação de clientes. Mas nem sempre se caracteriza a solidariedade entre a sociedade seguradora e o corretor de seguros, sobretudo quando este comente equívocos decorrentes de sua atividade e sem vinculação com a atividade do segurador, como

8 8 ocorre, por exemplo, na avaliação errada sobre a extensão dos riscos, ou na contratação em valores inferiores aos necessários, ou ainda na falta de contratação de riscos que deveriam ter sido incluídos na proposta. Também ocorre responsabilidade civil exclusiva do corretor de seguros quando se dá a perda de prazo de renovação, ou mesmo a perda de prazo para apresentação da proposta perante a sociedade seguradora. Nessas hipóteses não há como invocar a solidariedade do segurador, porque os atos praticados e que geraram o prejuízo ao segurado são atos típicos da atividade fim do corretor de seguros e não do segurador. A falta de uma distinção legal mais adequada entre corretores de seguro e agentes de seguro também contribui para que haja confusão quanto a extensão da expressão credenciamento, utilizada por sociedades seguradoras para se referir a corretores de seguro. É comum que as sociedades seguradoras promovam o cadastramento de corretores de seguro com os quais pretendam manter relações comerciais. Esse cadastro se constitui em mera listagem de corretores de seguro que atuam como pessoas físicas ou jurídicas, e contém dados gerais identificadores, tais como nome, endereço, número de identificação junto à Superintendência de Seguros Privados, entre outros da mesma natureza. Esse cadastramento cumpre a função de permitir à sociedade seguradora que conheça o perfil dos profissionais que pretendem oferecer seus produtos de seguro para clientes, prospectando no universo disponibilizado pelo segurador oportunidades que se adequem às necessidades do segurado para o qual está trabalhando. O cadastramento não tem o condão de gerar solidariedade entre a sociedade seguradora e o corretor de seguros, porque não se trata de uma escolha formal. Os requisitos de cadastramento são apenas no sentido de identificar o corretor de seguros e não selecioná-lo por qualidade técnica ou moral. Para isso o segurador deveria promover um verdadeiro exame de seleção que, no entanto, não ocorre. Em verdade, quem selecionou previamente os corretores de seguro e os habilitou a trabalhar na intermediação foi o órgão do governo federal, a Superintendência de Seguros Privados. Confundir o cadastramento de corretores de seguro para fins de identificação com seleção para parceria de negócios é extrapolar a compreensão da

9 9 atividade, atribuindo-lhe uma conotação jurídica que ela não tem, até porque o corretor de seguros deve estar fundamentalmente a serviço dos proponentes e segurados. É certo que existem práticas de malversação da atividade de corretagem, principalmente quando os corretores de seguro atuam sem a necessária independência em relação às sociedades seguradoras, muitas vezes com elas flagrantemente se confundindo com o uso ostensivo de sinais de publicidade. Essas práticas indevidas e até ilegais não devem ser suficiente, no entanto, para estender a solidariedade na responsabilidade civil para todas as relações entre corretores de seguro e sociedades seguradoras. Somente a análise acurada do caso concreto e a compreensão de suas nuances e especificidades poderá ter o condão de detectar se houve ou não solidariedade na prática passível de gerar responsabilidade civil. Aguiar Dias ensina (...) se o violador do direito ou causador do prejuízo já não é uma pessoa, mas um grupo de pessoas, estão todas e cada um de per si obrigadas a reparar o dano. Elas aparecem, em relação ao fato danoso, como a causa para o efeito e, como o acontecimento é um, e um só o mal produzido, o mal de um será, necessariamente, o mal dos outros, sem divisão possível... (Mazeaud et Mazeadu, p.880) Assim, cada um dos agentes que participam no ato ilícito é considerado pessoalmente como produtor do dano e, consequentemente, obrigado à reparação integral. (1987, p. 940) É requisito da solidariedade, portanto, que as partes tenham agido como participantes do ato ilícito, como produtoras do dano, para que a partir dessa constatação possam ser consideradas solidárias passivamente no dever de indenizar. Não havendo prova expressa e cabal da contribuição eficaz para a ocorrência do ato danoso, não se poderá invocar a solidariedade. O simples credenciamento para efeito de registro e identificação de um corretor de seguros, que por definição legal é independente e autônomo em relação as atividades das sociedades seguradoras, não pode levar a conclusão da existência de solidariedade passiva quando houver dano ao segurado. De outro lado, o Código de Defesa do Consumidor prevê que tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela reparação dos danos previstos nas normas de consumo. Ao comentar esse artigo, Bruno Miragem afirma

10 10 No que se refere à solidariedade dos fornecedores de serviços, é interessante referir que a responsabilidade objetiva fixada no artigo 14, caput, do CDC, abrange não apenas o fornecedor direto como, segundo jurisprudência contemporânea nas Cortes brasileiras, também o organizador da cadeia de fornecimento, ainda que não se configure no prestador direto do produto ou serviço. Não há, neste sentido, uma referência à solidariedade, mas a referência genérica a fornecedor de serviço, prevista no artigo 14, permite que se identifiquem todos os integrantes da cadeia de fornecimento de uma determinada prestação de serviços com esta qualidade, portanto, passíveis de serem responsabilizados pelo fato do serviço. (2008, p. 294) No caso dos contratos de seguro há que se respeitar a regra da especificidade. O Estado chamou para si toda a responsabilidade pela seleção de pessoas que podem ser exercer a atividade de corretor de seguros, vedando aos particulares que impeçam alguém de exercer essa atividade se estiver devidamente habilitado pelo órgão federal. Em outras palavras, um segurador sequer pode proibir a intermediação de seguros por um determinado corretor de seguros. Seria prontamente acusado de agir em desrespeito ao princípio constitucional da livre concorrência e da livre iniciativa. Pode, no entanto, identificar por meio de cadastro os corretores que vão operar no mercado oferecendo produtos de seguro concebidos por uma dada seguradora, de modo a manter um elo essencial inclusive no aporte de informações sobre os serviços disponibilizados. Os produtos de seguro podem conter falhas, sobretudo na redação imprecisa de seus contratos. Nesse caso, a responsabilidade será solidária entre o segurador e o corretor de seguros porque ambos deram causa ao dano do segurado. Mas se o produto de seguro for isento de falhas e, mesmo assim, for oferecido pelo corretor de seguros para um segurado que não necessita das coberturas de risco daquele produto e sim de outro; ou, ainda que se trate de produto tecnicamente correto que tenha sido oferecido ao segurado que formaliza a proposta e esta, por equívoco do corretor não é apresentada a seguradora, ou é apresentada depois da ocorrência do sinistro, isso não pode caracterizar a responsabilidade solidária da sociedade seguradora, porque esta não praticou nenhum ato capaz de gerar a referida solidariedade.

11 11 5. CONCLUSÃO Corretores de seguro e agentes de seguro não realizam no Brasil a mesma atividade. Distinguir uma e outra função é papel que a lei não cumpre de forma satisfatória e, exatamente por isso, as práticas cotidianas de ambas as atividades devem primar por caracterizar as diferenças, impedindo que o consumidor ou contratante fique confuso no momento do relacionamento com os profissionais de intermediação de seguro. Quanto maior a clareza e a transparência das formas de operacionalizar a intermediação na contratação de seguros, mais fácil será para o consumidor ou contratante identificar a autoria de atos que possam gerar dever de indenizar, apontando adequadamente para o judiciário a responsabilidade. A legislação poderia contribuir tratando detalhadamente de ambas as figuras, corretores e agentes, e explicitando melhor a diferença das atividades. Mas enquanto isso não acontece no Brasil, é preciso cuidar para que não haja a prática indiscriminada da atribuição de solidariedade passiva, lembrando que nas cadeias de consumo da sociedade contemporânea, pós moderna e complexa, todos os valores pagos indevidamente revertem em prejuízo dos consumidores, porque de alguma maneira impactam os preços de produtos e serviços. Os impactos sucessivos na precificação sinalizam para duas conseqüências perversas: expurgam do mercado os consumidores de baixa renda e impedem o acesso de outros. Por isso, e em se tratando de área de profunda repercussão social como a de seguros, é fundamental distinguir as atividades fim desempenhadas por corretores e agentes, que são conceitualmente diferentes e isso se mostra na prática cotidiana, sendo necessário para essa distinção um tratamento legal mais bem concebido.

12 12 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: DELGADO, José Augusto. Comentários ao Novo Código Civil. Das Várias Espécies de Contrato. Do Seguro. R.de Janeiro: Forense, DIAS, José de Aguiar. Da Responsabilidade Civil. R.de Janeiro: Forense, GHERSI, Carlos Alberto. El Contrato de Seguro. Buenos Aires: Astrea, MIRAGEM, Bruno. Direito do Consumidor. S.Paulo: Revista dos Tribunais, NUNES, Luis Antonio Rizzatto. Curso de Direito do Consumidor. S.Paulo: Saraiva, TZIRULNIK, Ernesto. CAVALCANTI, Flávio de Queiroz B., PIMENTEL, Ayrton. O Contrato de Seguro. S.Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

Circular 429/2012 - Revogada CIRCULAR 510/2015 IMPACTOS

Circular 429/2012 - Revogada CIRCULAR 510/2015 IMPACTOS Circular 429/2012 - Revogada CIRCULAR 510/2015 IMPACTOS Art. 1o O registro e as atividades de corretagem de seguros realizadas no país ficam subordinadas às disposições desta Circular. Parágrafo único.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional, a facilidade de acesso ao crédito e as ações do governo para incentivar o consumo

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av.

Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Site: www.fernandomenezes.adv.br E-mail: advogado@fernandomenezes.adv.br Celular: (71) 9917-5454 e (71) 9173-8855 Telefone: (71) 3341-5454 Av. Tancredo Neves, nº 939, Sala 907, bairro Caminho das Arvores,

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI Advogada. Pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho/CESUSC. Membro da Comissão de Direito Securitário da OAB/SC. Art.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III. I - Noções gerais:

CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III. I - Noções gerais: CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III I - Noções gerais: - Na cadeia de circulação de mercadorias vamos encontrar, inicialmente, aqueles que se dedicam a extrair bens propiciados pela natureza, como o agricultor,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO LTDA MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Revisado em agosto/2013 Página 1/8 1. CRITÉRIOS BÁSICOS Em atendimento a Instrução CVM 497 de 03 de junho de 2011,

Leia mais

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE BuscaLegis.ccj.ufsc.br PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE Autor: Valcir Edson Mayer Advogado e Professor OAB/SC 17.150 Rua General Osório, n.º 311 - Salas 202 e 205 Centro Coml. Diplomata - Centro - Timbó/SC CEP

Leia mais

PACOTES DE VIAGENS E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR A NOVA LEI DE AGÊNCIAS DE TURISMO DO BRASIL 1

PACOTES DE VIAGENS E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR A NOVA LEI DE AGÊNCIAS DE TURISMO DO BRASIL 1 PACOTES DE VIAGENS E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR A NOVA LEI DE AGÊNCIAS DE TURISMO DO BRASIL 1 Joandre Antonio Ferraz 2 SUMÁRIO I ANTECEDENTES ESPECÍFICOS II O CÓDIGO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR III

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

PREPARATÓRIO BANCO DO BRASIL/ESCRITURÁRIO QUESTÕES COMENTADAS PROVA APLICADA PELA CESGRANRIO EM 18/10/2015.

PREPARATÓRIO BANCO DO BRASIL/ESCRITURÁRIO QUESTÕES COMENTADAS PROVA APLICADA PELA CESGRANRIO EM 18/10/2015. PREPARATÓRIO BANCO DO BRASIL/ESCRITURÁRIO QUESTÕES COMENTADAS PROVA APLICADA PELA CESGRANRIO EM 18/10/2015. PROFª MARTHA MESSERSCHMIDT E-MAIL: marthamesserschmidt@hotmail.com CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Aon Risk Solutions. Outubro/2014 FINANCIAL LINES

Aon Risk Solutions. Outubro/2014 FINANCIAL LINES Aon Risk Solutions Outubro/2014 Aon Risk Solutions Aon Corporation Líder mundial em consultoria de seguros, gerenciamento de riscos e benefícios para funcionários e executivos; Maior corretora mundial

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 497, DE 3 DE JUNHO DE 2011, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 515/11. Dispõe sobre a atividade de agente autônomo de investimento. A PRESIDENTE DA

Leia mais

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009.

Comunicação: tendências e desafios, realizada na Universidade do Sagrado Coração Bauru SP, no período de 27 a 29 de agosto de 2009. 111 1ª Jornada Científica de Comunicação Social A pesquisa em Comunicação: tendências e desafios PUBLICIDADE E PROPAGANDA: UMA REFLEXÃO SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DA ÉTICA PARA A PROFISSÃO

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado com sede na Rua Sampaio Viana, 44 - Paraíso,

Leia mais

CONTROLE EXTERNO DO SISTEMA SEBRAE

CONTROLE EXTERNO DO SISTEMA SEBRAE CONTROLE EXTERNO DO SISTEMA SEBRAE Palestrante: Ricardo de Mello Araújo APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Objetivos Oferecer visão geral do sistema de controle brasileiro e da atuação do TCU A p r e s e n t a

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Código de Ética, Conduta e Relacionamento

Código de Ética, Conduta e Relacionamento As normas éticas possuem como pressuposto as normas morais. A ética estabelece normas de conduta as quais são destinadas a regular os atos humanos tendentes à consecução dos fins a que se propõe. O não

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE.

CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. CORRETOR DE IMÓVEIS REGULAMENTAÇÃO, CONTRATO E RESPONSABILIDADE. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total CONTRATOS REGULAMENTAÇÃO DOS CORRETORES E DO CONTRATO DE CORRETAGEM DO CORRETOR

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Responsabilidade Civil Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. RESPONSABILIDADE CIVIL É A OBRIGAÇÃO QUE INCUMBE A ALGUÉM DE

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS

ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS ATUAÇÃO DA ANS E CONTRATOS COLETIVOS O que é contrato coletivo? ou coletivo. No que diz respeito à modalidade de contratação, o plano de saúde pode ser individual, familiar, Os planos de saúde individuais

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS

A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS A REFORMA DA LEI DAS SOCIEDADES ANÔNIMAS Tocantins Advogados TERCEIRIZAÇÃO * * * * PROJETO DE LEI - 4.330/04 CENÁRIO ATUAL Não existe lei de terceirização, mas sim, lei de trabalho temporário (Lei 6.019/74)

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 222 - Data 27 de outubro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SISCOSERV. OPERAÇÃO COM MERCADORIAS. SERVIÇOS

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Matheus Corredato Rossi 1 Publicado originalmente em Fundos de Pensão Revista da ABRAPP / SINDAPP / ICSS. n. 316. São Paulo: mai/06. A importância

Leia mais

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 12/09/2013 1. OBJETIVOS O objetivo desta Política é estabelecer

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO

EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO EXTRATO DE CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGURO TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania PROJETO DE LEI N o 6.332, DE 2005 Dá nova redação aos arts. 20 e 123 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, que dispõe sobre o Sistema Nacional

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

www.procon.rs.gov.br Produzido em:06/09. Governo do Estado do Rio Grande do Sul CARTILHA DO CONSUMIDOR Trabalhando em prol da cidadania Apresentação O PROCON-RS através desta cartilha visa orientar de

Leia mais

Responsabilidades dos contratantes e contratados no cumprimento da NR-10

Responsabilidades dos contratantes e contratados no cumprimento da NR-10 SEGURANÇA EM ELETRICIDADE Responsabilidades dos contratantes e contratados no cumprimento da NR-10 Engº Luciano Diniz Mendonça Lima Esclarecer o significado e as implicações jurídicas de termos presentes

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários. Carlos Eduardo Patrício Narciso Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil dos Estabelecimentos Bancários Carlos Eduardo Patrício Narciso Rio de Janeiro 2012 CARLOS EDUARDO PATRÍCIO NARCISO Responsabilidade

Leia mais

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS. (Modelos sugeridos)

ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS. (Modelos sugeridos) ANEXO VIII MODELOS DE DECLARAÇÕES E CARTAS (Modelos sugeridos) Conteúdo dos envelopes: a) ENVELOPE DE CREDENCIAMENTO (i) Documentos do REPRESENTANTE LEGAL; (ii) Documentos da CORRETORA CREDENCIADA; (iii)

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos de Seguros

Glossário de Termos Técnicos de Seguros Glossário de Termos Técnicos de Seguros O objetivo deste glossário é apresentar, como referencial, definições de termos usualmente empregados pelo mercado segurador. As definições foram selecionadas e

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 10/2012 Processo RJ-2012-379

RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 10/2012 Processo RJ-2012-379 RELATÓRIO DE ANÁLISE Audiência Pública SDM nº 10/2012 Processo RJ-2012-379 Objeto: Minuta de Instrução alteradora da Instrução CVM nº 301, de 16 de abril de 1999 Adequação à Lei nº 9.613, de 3 de março

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções.

TERCEIRIZAÇÃO. Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. TERCEIRIZAÇÃO Autor: Ivaldo Kuczkowski, Advogado Especialista em Direito Administrativo e Conselheiro de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. INTRODUÇÃO Para que haja uma perfeita compreensão sobre

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) Acrescenta parágrafo único ao Art. 932, da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, dispondo sobre a responsabilidade dos locatários de

Leia mais

Orientações Jurídicas

Orientações Jurídicas São Paulo, 24 de outubro de 2014. OJ-GER/043/14 Orientações Jurídicas Resolução Normativa - RN nº 357, de 16 de outubro de 2014 Altera a Resolução Normativa - RN nº 48, de 19 de setembro de 2003, que dispõe,

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv.

Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária. Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009. Setembro/2010. www.simonaggio.adv. Ampliação do Conceito de Estabelecimento e a Responsabilidade Solidária Lei Nº 13.918 de 22 de dezembro de 2009 Setembro/2010 1 O ESTABELECIMENTO E O CÓDIGO CIVIL O estabelecimento como objeto de direito

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.181, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da atividade das Empresas de Gerenciamento de Riscos em Operações Logísticas.

Leia mais

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1.

SEGURO GARANTIA - SETOR PÚBLICO MANUAL DO SEGURADO CONDIÇÕES GERAIS Processo SUSEP Nº 15414.900183/2014-84 CNPJ: 61.383.493/0001-80 1. 1. OBJETO 1.1. Este contrato de seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador perante o Segurado, conforme os termos da apólice e até o valor da garantia fixado nesta, e de acordo

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 116 - Data 28 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS. REGIME DE

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.273.204 - SP (2011/0133691-4) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por ERIKA HAGER, com fundamento no art. 105,

Leia mais

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 2 2. OBJETIVO DO SEGURO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. VIGÊNCIA... 5 5. GARANTIA... 5 6. EXCLUSÕES GERAIS... 5 7.

Leia mais

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO

CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO CONDIÇÃO GERAL SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL SUMÁRIO 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 2 2. OBJETIVO DO SEGURO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 4. VIGÊNCIA... 5 5. GARANTIA... 5 6. EXCLUSÕES GERAIS... 5 7.

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA OS GESTORES DA COMPANHIA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DA CASA CIVIL CDURP COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO SEGURO DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias. Qualificação: Sem certificação técnica

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias. Qualificação: Sem certificação técnica Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU Área Profissional: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Transações Imobiliárias. Qualificação:

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34 a Câmara SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5. Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 34 a Câmara APELAÇÃO C/ REVISÃO N 940070-0/5 Comarca de CAMPINAS Processo 872/00 l.v.cível APTE APDO MARCELO AZEVEDO FEITOR CORRETORA DE SEGUROS LTDA OTONIEL QUEIROZ DA SILVA A C Ó R D Ã O TRIBUNAL DE

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO. CONSIDERANDO que,

TERMO DE COOPERAÇÃO. CONSIDERANDO que, TERMO DE COOPERAÇÃO BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Praça Antônio Prado, nº 48, 7º andar, Centro, inscrita no Cadastro Nacional

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA 1 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: INDAGAÇÃO ACERCA DA RESPONSABILIDADE CIVIL SOLIDÁRIA DO HOSPITAL EM CASOS DE ERRO MÉDICO PRATICADO POR PROFISSIONAL, QUE NÃO É MEMBRO DO QUADRO CLÍNICO DO NOSOCÔMIO,

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais