A.M. BEST METHODOLOGY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A.M. BEST METHODOLOGY"

Transcrição

1 A.M. BEST METHODOLOGY Critérios - Especialidade 13 de agosto de 2014 Classificação das seguradoras de garantia Embora as seguradoras de garantia sejam analisadas junto com outras seguradoras de acidentes e danos materiais, suas singulares características exigem uma análise adicional durante o processo de avaliação de classificação. Este relatório de critérios destaca algumas das principais categorias dos seguros garantia subscritos pelas seguradoras classificadas pela A.M. Best, e descreve algumas das análises adicionais que são realizadas com estas seguradoras além das feitas a um subscritor típico de acidentes e danos materiais. Uma das principais diferenças dos seguros garantia é que envolvem um acordo entre três partes e não o acordo tradicional de seguro entre uma seguradora e um segurado. Um seguro garantia de obrigações contratuais é um acordo tripartite entre a seguradora de garantia, o tomador e o credor. A seguradora garante as obrigações de desempenho e pagamentos do tomador (ou Principal) ao credor, conforme estabelece o contrato, e inclui os fornecedores e subcontratados do tomador. O tomador paga um prêmio à seguradora por esta garantia. Os seguros garantia de obrigações comerciais incluem seguros garantia para licenças e títulos (incluindo garantias para revendedores de veículos motorizados e seguros garantia de licenças de contratantes); seguros garantia para corretores (incluindo garantias de seguros, hipotecas e agências de títulos); seguros garantia de oficiais públicos; e seguros garantia diversos, que muitas vezes são o alicerce das relações privadas e das necessidades empresariais únicas (tais como, garantias de obrigações de imposto de renda, de obrigações aduaneiras e de seguro próprio de indenização trabalhista). Informações adicionais Critérios: A relação de adequação de capital (Capital Adequacy Ratio, BCAR) da Best para seguradoras de acidentes e danos materiais nos EUA. A gestão de risco e o processo de classificação para as seguradoras Contato Analítico Gerard Altonji, Oldwick +1 (908) Ext Robert Valenta, Oldwick +1 (908) Ext Este informe de criterios puede encontrarse en com/ratings/methodology As obrigações dos riscos de garantias comerciais podem ser de vários tipos, incluindo: Recuperação/abandono, de caução e de conformidade financeira. Alguns seguros garantia de obrigações comerciais têm disposições de cancelamento, enquanto outras têm capacidade limitada para cancelar a obrigação. Os seguros garantia de obrigações contratuais incluem garantias para a compra e desempenho (estas últimas podem incluir uma garantia de manutenção e de subdivisão) e de pagamento. Já que muitos projetos de construção envolvem financiamento federal, as empresas que cumpriram com as leis e regulamentos do Departamento do Tesouro dos EUA são listadas como garantes ou avais aceitáveis de títulos públicos federais nos termos das Seções 9304 a 9308 do Título 31 do Código dos Estados Unidos. Esta lista do Tesouro é comumente conhecida como a Lista T. Ela permite que a seguradora possa garantir envolvidas com projetos federais. A Lista T geralmente permite que a seguradora forneça um limite de contrato de até 10% do capital e excedente da garantia por título emitido. Podem oferecer-se limites mais altos, mas o excesso teria de ser ressegurado, co-segurado ou protegido de outra forma, para que o limite líquido esteja dentro do limite de 10% de subscrição. Sob seguros garantia de obrigações contratuais, a seguradora avalia o tomador na base dos três Cs : capacidade, capital e caráter. A seguradora garante que o tomador tem a capacidade (ou seja, as habilidades de sistemas e de gestão) para cumprir suas obrigações nos termos do contrato. Direitos Autorais 2014 da A.M. Best Company, Inc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Nenhuma parte deste relatório ou documento pode ser distribuído por meio eletrônico ou por qualquer outro meio, nem armazenado em banco de dados ou sistema de recuperação sem a prévia autorização por escrito da AM Best Company. Para obter detalhes adicionais, consulte os nossos Termos de Uso, disponíveis no site da AM Best Company:

2 A seguradora verifica as finanças do tomador para confirmar que tem a solidez financeira (capital) para cumprir o contrato. A seguradora pesquisa as características, a experiência e a reputação do tomador através de entrevistas e de registros públicos para entender bem sua capacidade de cumprir suas obrigações contratuais com o credor. O analista da A.M. Best precisa entender como a seguradora de garantia implementa os três Cs no processo de subscrição, assim como entender bem os sistemas, controles e práticas de gestão de risco da seguradora. Nos casos nos que o tomador pode não ter capital suficiente para qualificar para um seguro garantia, a seguradora pode aceitar um aval do tomador. Aval, como o termo é utilizado na área de seguros garantia, é um ativo dado como fiança que fica em posse da seguradora como meio de garantir o desempenho do tomador. Alguns subscritores de contratos de garantia também utilizam controle de fundos. Nesta prática, a seguradora controla o desembolso e a administração dos recursos para o tomador em um projeto de construção. Desta forma, a seguradora pode certificar que os fundos não vão ser misturados com os fundos de outros projetos e também fica em uma melhor posição para ajudar o contratado no cumprimento das suas obrigações com os fornecedores, subcontratados e o credor. A A.M. Best revisa tanto os fatores quantitativos como qualitativos ao atribuir uma classificação a uma seguradora. Ao estudar uma seguradora de obrigações contratuais, os seguintes fatores qualitativos exigirão mais concentração no processo de classificação: (1) Gerenciamento de carteira: a. Qualidade de crédito: i. Como a seguradora determina a qualidade creditícia dos seus tomadores. ii. Ferramentas e modelos utilizados na análise da qualidade de crédito. iii. A frequência em que é revisada a qualidade de crédito de cada tomador. iv. Quantas pessoas e quais são os departamentos que fazem a revisão de um tomador. v. A distribuição de riscos segundo a qualidade de crédito e quaisquer alterações. vi. Procedimentos quando um tomador sofre uma queda na qualidade de crédito. vii. Para riscos de qualidade inferior, como é mitigado esse aumento de risco. b. Dispersão geográfica do risco i. A dispersão geográfica ou a concentração da carteira de riscos. ii. Conhecimento dos riscos legais, regulamentares, judiciais e econômicos nos lugares onde operam ou desejam operar. iii. Motivo das alterações, se houver alguma, na distribuição geográfica - crescimento bem pesquisado e planejado em contraste com apenas seguindo o crescimento dos tomadores. c. Distribuição do tamanho da conta: i. Dimensão típica de uma conta subscrita pela seguradora. ii. Diversificação ou concentração segundo o volume ou dimensão da conta. iii. Concentrações de em um número pequeno de contas grandes, ou distribuídas por muitas contas. iv. Mudanças na distribuição do volume das contas. d. Tamanho da garantia: i. Dimensão típica das garantias subscritas pela seguradora. 2

3 ii. Concentração de garantias dentro de uma conta individual. iii. Mudanças na dimensão típica de garantias subscritas. e. Risco de vencimentos/de cauda: i. Duração típica dos títulos subscritos pela seguradora. ii. Distribuição de títulos segundo a duração. iii. Alterações na duração. iv. Existência de qualquer a longo prazo não típica. v. A capacidade da seguradora poder cancelar os títulos. f. Composição da conta ou risco empresarial: i. Tipos de garantia subscritos. ii. Existência de qualquer potencialmente perigosa, como por exemplo, a garantia financeira ou garantia comercial mais arriscada. iii. Distribuição por tipo de garantia. iv. Mudanças na distribuição por tipo de garantia. (2) Reclamações: a. As operações do departamento de reclamação realizadas internamente ou através de um fornecedor externo. b. A filosofia de tratamento de reclamações, incluindo a carga de casos por ajustador, a autoridade de resolução, as relações de advogados, perícia, etc. c. Práticas de reservas: i. Os procedimentos para o estabelecimento de uma reserva inicial de caso, mudanças às reservas de caso. ii. Procedimentos para configurar reservas para sinistros ocorridos mas não avisados (IBNR, incurred but not reported reserves) iii. Tratamento de resgate e sub-rogação antecipada. iv. Frequência e qualidade das revisões de reservas. (3) Auditorias: a. Prestação de contas da gestão através da auditorias próprias ou revisões de terceiros sobre as práticas de subscrição e de processos de sinistros. b. Quem realiza as auditorias. c. Com que freqüência são realizadas as auditorias. d. Quem analisa as auditorias. e. Resultado de auditorias recentes. (4) Controle de avais e de fundos: a. Tipos de avais, normalmente incluem imóveis, cartas de crédito, cartões de crédito e garantias pessoais (incluindo indenização do cônjuge). b. Liquidez do aval. c. Procedimento para calcular o valor da garantia e a frequência da valoração. d. Processo para aceitar aval. e. Processo quando o valor do aval diminui. f. Controle e liberação de aval. g. Utilização de controle fundos. h. Controle de fundos realizado internamente ou por terceiros. (5) Outras Estratégias de Mitigação de Risco: a. Resseguros: i. Qualidade e capacidade das resseguradoras de crédito. ii. Perícia da resseguradora quanto ao seguro garantia. iii. Frequência e qualidade das auditorias de reclamações e subscrição realizadas pelas resseguradoras. iv. Tempo transcorrido desde que começou o relacionamento com as resseguradoras atuais. 3

4 v. Tipo de resseguro fornecido. vi. Mudanças recentes na resseguradoras ou tipo de resseguro fornecido. vii. A dependência de resseguro para a capacidade. b. Co-garantia: i. Procedimento para a utilização e seleção de outra seguradora como coseguradora. ii. Perícia, qualidade e capacidade de crédito da co-seguradora. iii. Responsabilidade da seguradora de garantia no caso de inadimplência da co-seguradora. c. Acordo de participação (Joint venture): i. Políticas e procedimentos para casos em que vários contratados estão concluindo um projeto juntos. ii. A responsabilidade da seguradora de garantia se um dos contratados descumpre suas obrigações. Títulos judiciais são estabelecidos por lei e podem ser subdivididos em duas categorias gerais. Títulos fiduciários são títulos exigidos pelos tribunais para garantir que as pessoas em cargos de confiança vão salvaguardar os ativos que outras pessoas colocam sob seu controle. Depósitos judiciais são títulos exigidos em processos judiciais e incluem depósitos recursais, títulos de guarda tutela e fianças libertadoras. A fiança libertadora é um tipo de depósito judicial que garante o comparecimento de um réu em processo criminal ao juizado. Ao avaliar um subscritor de fianças libertadoras, é necessário proporcionar informações adicionais sobre a forma em que os agentes são nomeados, gerenciados e monitorados, especialmente em relação às procurações. As fianças libertadoras são singulares no sentido em que os agentes de fiança têm a obrigação contratual de certificar-se de que o réu em processo criminal comparece ao juizado no momento adequado. Geralmente, o prêmio bruto pago pelo réu por uma fiança libertadora é de 10% do limite do título de fiança. Já que o agente de fiança constitui a primeira linha de defesa da seguradora contra a perda potencial, o agente normalmente recebe uma comissão de cerca de 90% do prêmio bruto para que o agente tenha os recursos financeiros para garantir a conformidade com a ordem do juizado. Já que a seguradora mantém cerca de 10% do prêmio cobrado pelo agente, e o prêmio cobrado pelo agente é de 10% do limite do titulo, o prêmio líquido retido pela seguradora é de aproximadamente 1% do limite da fiança. Dependendo do estado, algumas seguradoras de fiança devem comunicar seus prêmios líquidos sem as comissões, enquanto outras devem comunicar o valor dos prêmios brutos com as comissões. Isto tem consequências na forma em que A.M. Best trata o prêmio no seu modelo de coeficiente de adequação de capital da Best (BCAR). Em um esforço para garantir que todas as seguradoras de fianças libertadoras recebam o mesmo tratamento, a A.M. Best usará o prêmio bruto da fiança subscrita sem a comissão como a base para determinar o capital necessário para estabelecer o preço do risco na página de prêmio de risco no BCAR. Para as seguradoras dos Estados Unidos, isso pode se obter do Suplemento de Títulos de fiança libertadora na declaração estatutária, desde que esteja preenchida com precisão. Os fatores de capitais aplicados ao prêmio líquido vão variar segundo o tamanho do prêmio líquido e rentabilidade do negócio de fiança libertadora. Pode observar-se uma amostra do cálculo no Anexo 1. A vantagem de se utilizar o prêmio líquido é que ele reflete a líquida relativa das seguradoras que utilizam uma estrutura de agência geral de gestão (MGA) comparada com as que não a utilizam. As seguradoras de fiança libertadora que usam uma estrutura MGA mantêm um prêmio líquido menor devido à camada adicional de comissões pagas, mas algumas das perdas são absorvidas no nível MGA, o que causa uma líquida menor para a seguradora da fiança libertadora. Os prêmios líquidos sem as comissões 4

5 podem ser reduzidos aos prêmios cedidos às resseguradoras após determinados os fatores de capital utilizando apenas prêmios líquidos sem a comissão. Anexo 1 Exemplos de cálculos de fator de capital para fianças Com base no lucro das subscrições (excluída a receita de investimento). Amostra de empresa altamente rentável Fatores de capital de prêmios subscritos de fianças libertadoras (1) (2) (3) Prêmio líquidos subscritos sem a comissão ($) Fator de capital Fator de ganhos de NWP Base do Setor subscrição* =(1)*(2) Fator capital de NWP final NWP <1 milhão 0,80 0,80 0,64 1m <= NWP <2m 0,70 0,80 0,56 2m <= NWP <3m 0,60 0,80 0,48 3m <= NWP <4m 0,50 0,80 0,40 NWP> = 5m 0,40 0,80 0,32 Amostra de companhia não lucrativa Fatores de capital de prêmios subscritos de fianças libertadoras (1) (2) (3) =(1)*(2) Prêmio líquidos subscritos sem a comissão ($) Fator de capital Fator de ganhos de Fator capital de NWP Base do Setor subscrição* NWP final NWP <1 milhão 0,80 1,20 0,96 1m <= NWP <2m 0,70 1,20 0,84 2m <= NWP <3m 0,60 1,20 0,72 3m <= NWP <4m 0,50 1,20 0,60 NWP> = 5m 0,40 1,20 0,48 * Fator de rentabilidade varia de 0,80 (níveis de rentabilidade superiores) para 1,20 (sem rentabilidade). Os agentes de fiança guardam parte da sua renda de comissão em um fundo de crescimento (Build-up funds, BUF) ao qual a seguradora tem acesso, no caso de que um agente não possa cobrir suas obrigações. Para algumas seguradoras, os valores agregados dos fundos BUF podem ser consideráveis. Também podem distorcer as demonstrações contábeis, já que muitas empresas de fiança registram os fundos BUF como ativos não investidos e também como passivos. O resultado é que os coeficientes de liquidez atuais (definidos amplamente como dinheiro a vista e ativos investidos divididos pelos passivos) podem ser baixos para os subscritores de fiança por causa dos passivos dos fundos BUF. Já que estes passivos são apoiados por ativos não investidos, é importante remover o impacto dessa relação de coeficientes para obter uma melhor vista da liquidez da demonstração contábil da seguradora. Observe-se que as contas BUF não são integradas, e como resultado, uma seguradora não pode reduzir as perdas de uma agência usando o BUF acumulado por outra agência. Outra divergência com os coeficientes de acidentes e danos materiais tradicionais são as perdas, despesas e os coeficientes combinados. As seguradoras de fiança geralmente têm perdas muito baixas já que são absorvidas pelos agentes (por meio do BUF). Como resultado, os coeficiente de perdas para a seguradora tendem a ser, em média, inferior a 10 para os subscritores de fiança classificados pela A.M. Best. No entanto, ao deixar 90% ou mais dos prêmios retidos pelos agentes na forma de comissões, fica uma base de prêmios muito baixa para a seguradora; portanto os coeficientes de despesas tendem a ser muito elevados, tipicamente superiores a 80%. Quando um subscritor de fiança tem um agente geral afiliado que é responsável pela produção de fianças, a A.M. Best também irá estudar a estrutura de despesas e os resultados operacionais daquela entidade para determinar se as possíveis perdas naquela entidade podem espalhar para a seguradora na forma de demanda de capital (através da propriedade comum). Impostos sobre os prêmios A questão do uso de prêmios líquidos ou brutos (com ou sem a comissão) obviamente tem afetado o pagamento de impostos sobre os prêmios. As seguradoras de fiança se expõem a possíveis passivos de pagamentos de impostos sobre os prêmios. Nos poucos estados onde as seguradoras devem informar prêmios brutos com a comissão, algumas pessoas informaram 5

6 prêmios líquidos, resultando em passivos acumulados por insuficiência de pagamento dos impostos sobre os prêmios. Carolina do Sul, Texas, Connecticut e Nevada são estados que fazem auditoria de entidades de fiança e estão multando os que não estão informando o devido. O analista precisa descobrir se a seguradora tomou medidas para mitigar essa para evitar ser multada. Pode ser necessária uma redução do superávit no BCAR da seguradora por esse possível passivo se a seguradora não acumulou um passivo estimado por conta própria. Capitalização Como parte da avaliação de capitalização dos subscritores de contratos de seguro garantia e das seguradoras de fiança, a A.M. Best irá incluir uma redução do superávit informado no BCAR publicado devido a uma possível perda grande. Para os subscritores de seguros garantia de obrigações contratuais, o potencial de perda grande será a maior perda líquida após os impostos, selecionada dos maiores tomadores da seguradora com a maior, de modo tal que a perda líquida para cada tomador é baseada em 90% de perda máxima provável (PML) líquida sem o aval e o resseguro. O 90% de PML para cada tomador pode ser calculado usando o modelo severidade de perda de construção mais atualizado elaborado pela Associação de Fiadores e Fidelidade dos Estados Unidos (Surety & Fidelity Association of America, SFAA). O exame dos maiores tomadores será com base no total dos limites das obrigações para cada tomador, no qual o limite total de obrigações é igual à soma dos limites das obrigações em vigor, mais a soma de todos os limites de obrigações vencidas nos últimos 12 meses. Um exemplo de cálculo da perda líquida após os impostos é mostrado no Anexo 2. Para os subscritores de seguros garantia cujas maiores exposições estejam localizadas fora dos Estados Unidos, as potenciais grandes perdas serão desenvolvidas em base das informações fornecidas pela seguradora de garantia relacionadas com suas maiores exposições, incluídos os limites abertos, limites vencidos nos últimos 12 meses, o custo para concluir, as grandes perdas históricas incorridas, programas de resseguros, co-seguros de garantia, etc. Anexo 2 Exemplo do cálculo das perdas potenciais para seguros garantia de obrigações contratuais Os valores mostrados estão em dólares. Os fatores do modelo de severidade de perda são baseados no tipo de empreendimento, na região de operação, no tamanho dos limites totais e na concentração dos limites das obrigações para esse tomador. (1) Maior 6 (2) Segunda maior (3) Terceira maior (4) Quarta maior (5) Quinta maior 1 Exposição Bruta do tomador $ $ $ $ $ Fator de modelo de severidade de perda de 90% PML 0,15 0,30 0,16 0,25 0,40 3 Valor de modelo de severidade de perda de 90% PML = (1) * (2) Participação de co-garantia % 40,0 20,0 0,0 0,0 0,0 5 Valor da participação da co-garantia = (3) * (4) Valor PML líquido após co-garantia= (3) - (5) Valor de aval aceitável * Valor PML líquido após co-garantia e aval= (6) - (7) Valor de Resseguro de excesso de perda (XOL) Valor de participação de quota de resseguro Valor potencial de perda líquida antes dos impostos = (8) - (9) (10) 12 Taxa de Imposto Federal 35,0 35,0 35,0 35,0 35,0 13 Valor potencial de perda líquida após os impostos = (100% - (12)) * (11) $ $ $ $ $ * O aval deve ser fácil e rapidamente conversível em dinheiro. A maior perda líquida após os impostos A segunda maior perda líquida após os impostos

7 Além disso, a A.M. Best irá realizar um teste de esforço no BCAR da garantia contratual. O BCAR com esforço será calculado assumindo que aconteceu a maior perda líquida e depois fazendo uma estimativa de como seria o BCAR da seguradora pouco depois de acontecido o primeiro evento. Isso produz uma redução do superávit informado na quantidade da maior perda líquida (após impostos), seguida por um aumento nos montantes recuperáveis (40% da perda cedida), um aumento nas reservas de perda líquida (40% da perda líquida antes dos impostos) e uma redução de superávit para a segunda maior perda líquida potencial (após impostos) calculada a partir dos maiores tomadores com a maior. O analista pode ajustar o fator de 40% para cima ou para baixo segundo os contratos de resseguro existentes. O BCAR com esforço será analisado e discutido com a empresa, mas não será publicado. Anexo 3 Exemplo do cálculo das perdas potenciais para a fiança (Milhares de $) Principais agentes de fiança Passivos abertos informados Ajuste (%) Passivo aberto atual estimado Taxa de 3% de confisco de fiança Saldo BUF Exposição Bruta Exposição Líquida Valor de anterior aos Resseguro impostos Exposição Taxa FIT líquida após os (%) impostos Agente 1 $ $ $ $ $5.000 $2.000 $ $1.950 = 2ª maior perda líquida Agente = Maior perda líquida Agente Agente Agente Para carteiras de seguros garantia de obrigações comerciais que não sejam de construção, se a carteira contém várias potenciais grandes exposições a perdas, então a carteira será avaliada de forma semelhante às exposições de contrato de construção, estimando o potencial de uma grande perda líquida para cada grande e usando as maiores perdas potenciais nas análises do BCAR. No entanto, se as exposições são menores e são mais eficazmente analisadas de forma agregada, nesse caso a agregada será considerada, utilizando uma abordagem que é semelhante à abordagem utilizada em outras linhas de negócios de acidentes e danos materiais, onde os prêmios não-catástrofe e riscos de reserva são capturados através do uso de fatores de capital no BCAR. Anexo 4 Exemplo de ajustes no BCAR para garantia de contrato Com base nos dados de amostra do Anexo 2. (Milhares de USD) Ajustes no BCAR Publicado: Quantidade Descrição Redução no superávit reportado: 520 A maior perda líquida após os impostos (do Anexo 2, coluna 2, linha 13) Ajustes no BCAR com esforço: Quantidade Descrição Redução no superávit reportado: 520 A maior perda líquida após os impostos (do Anexo 2, coluna 2, linha 13) 390 A segunda maior perda líquida após os impostos (do Anexo 2, coluna 5, linha 13) 910 Redução total a superávit Aumento a recuperáveis: % das perdas cedidas às resseguradoras e co-garantia na maior perda líquida * = 40% vezes ( ) = 40% vezes (Anexo 2, coluna 2, linhas 5, 9 e 10) Aumento às Reservas de perda líquida: % da maior perda líquida antes dos impostos = 40% vezes 800 = 40% vezes (Anexo 2, coluna 2, linha 11) * Supõe que o seguro de garantia tem responsabilidade contingente de participação da co-garantia sobre a perda. Se o seguro de garantia não tem responsabilidade contingente, então a participação da co-garantia será removida. 7

8 Uma coisa muito parecida acontecerá com as seguradoras de fiança, no sentido de que a A.M. Best irá reunir informações sobre os cinco maiores agentes de fiança que produzem negócios para a seguradora. A conta de passivos abertos será utilizada para determinar quais agentes são os cinco que mais produzem. Para cada um dos cinco principais agentes de fiança, os passivos abertos serão reduzidos para aproximar os verdadeiros passivos abertos atuais, já que o passivo aberto informado pela seguradora normalmente é exagerado por causa de atrasos na comunicação do encerramento de fianças. Aplica-se uma taxa de 3% de confisco de fiança ao passivo aberto ajustado para cada agente de fiança, e o BUF mantido para esse agente é utilizado para reduzir a à perda desse agente. O resultado será submetido a efeito fiscal. O maior valor líquido depois dos impostos daqueles cinco agentes será usado como perda potencial no BCAR publicado, produzindo uma redução no superávit informado. Um exemplo de cálculo da perda líquida após os impostos é mostrada no Anexo 3. A A.M. Best também irá rever o total dos confiscos atuais e históricos da seguradora para determinar se os valores calculados para os cinco principais agentes precisam ser ajustados. Publicado pela A.M. Best Company Metodologia PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E PRESIDENTE Arthur Snyder III VICE PRESIDENTE EXECUTIVO Larry G. Mayewski VICE PRESIDENTE EXECUTIVO Paul C. Tinnirello VICE PRESIDENTES SENIOR Douglas A. Collett, Matthew C. Mosher, Rita L. Tedesco, Karen B. Heine A.M. BEST COMPANY SEDE MUNDIAL Ambest Road, Oldwick, N.J Telefone: +1 (908) ESCRITÓRIO DE WASHINGTON 830 National Press Building th Street N.W., Washington, D.C Telefone: +1 (202) A.M. BEST AMÉRICA LATINA, S.A. DE C.V. Paseo de la Reforma 412, Piso 23 Col. Juárez, Del Cuauhtémoc México City, México Telefone: A.M. BEST EUROPE RATING SERVICES LTD. A.M. BEST EUROPE INFORMAÇÃO SERVICES LTD. 12 Arthur Street, 6th Floor, London, UK EC4R 9AB Telefone: +44 (0) A.M. BEST ASIA-PACIFIC LTD. Unit 4004 Central Plaza, 18 Harbour Road, Wanchai, Hong Kong Telefone: ESCRITÓRIO DE DUBAI (MENA, SOUTH & CENTRAL ASIA) Office 102, Tower 2 Currency House, DIFC PO Box , Dubai, UAE Telefone: A classificação de solidez financeira da Best é uma opinião independente da solidez financeira de um segurador e da sua capacidade de satisfazer suas obrigações de apólices de seguros e de contratos. Tem base em uma avaliação abrangente quantitativa e qualitativa da solidez no balanço patrimonial da empresa, do desempenho operativo e do perfil empresarial. A classificação de solidez financeira diz respeito à capacidade relativa de um segurador de satisfazer suas obrigações de apólices de seguros e de contratos. Estas classificações não representam uma garantia da capacidade atual ou futura do segurador de que vai satisfazer suas obrigações contratuais. A classificação não é atribuída a apólices específicas de seguro ou contratos e não trata de nenhum outro risco, inclusive e não limitado às políticas ou procedimentos de pagamento do segurador em relação com as reclamações; a capacidade do segurador de disputar ou negar qualquer pagamento de disputa ou reclamação com base a uma falsa representação ou fraude, ou qualquer responsabilidade civil contratual do segurado ou de quem tem o contrato. A classificação de solidez financeira não constitui uma recomendação de compra, de manter ou terminar uma apólice de seguro, contrato nem qualquer outra obrigação financeira emitida por um segurador, nem trata da adequação de uma apólice particular ou contrato para um propósito ou comprador específico. A Classificação de crédito de dívida/emissor da Best é uma opinião sobre o risco de crédito futuro de uma entidade, um compromisso de crédito ou uma dívida ou título similar. Tem base em uma avaliação abrangente quantitativa e qualitativa da solidez no balanço patrimonial da empresa, do desempenho operativo e do perfil empresarial, e quando corresponde, da natureza específica e dos detalhes de um título de dívida classificado. O risco de crédito é o risco de que uma entidade pode não satisfazer usas obrigações contratuais financeiras quando vencem. Esta classificação de créditos não trata de nenhum outro risco, incluindo mas não limitado ao risco de liquidez, risco do valor do mercado ou da volatilidade de preços dos títulos classificados. A classificação não constitui uma recomendação de compra, venda, de manter qualquer título, apólices de seguro, contrato nem qualquer outra obrigação financeira, nem trata da adequação de uma qualquer obrigação financeira particular ou propósito ou comprador específico. Todas e cada uma das classificações, opiniões e informação contida no presente é proporcionada como está, sem nenhuma garantia manifesta ou implícita. As classificações podem ser modificadas, suspensas, ou retiradas em qualquer momento, por qualquer motivo, por decisão exclusiva da A.M. Best. Ao chegar a uma decisão de classificação, a A.M. Best confia em dados financeiros auditados por terceiros, e/ou outra informação proporcionada. Embora esta informação seja considerada confiável,a A.M. Best não verifica independentemente a precisão ou confiabilidade da informação. A A.M. Best não oferece serviços de consultoria ou assessoramento. A A.M. Best não é assessor de investimento nem oferece assessoramento de investimentos de nenhum tipo, nem a empresa ou seus analistas de classificação oferecem qualquer forma de assessoramento estrutural ou financeiro. A A.M. Best não vende títulos. A A.M. Best recebe remuneração por seus serviços de classificação interativa. Estas taxas de classificação podem variar de US$ 5,000 a US$ 500,000. Além disso, A A.M. Best pode receber remuneração de entidades classificadas por serviços ou produtos oferecidos não relacionados com a classificação. Para consultas de imprensa, ou para comunicar-se com os autores, comunique-se com James Peavy no (908) , ramal SR-2014-M

A.M. BEST METHODOLOGY

A.M. BEST METHODOLOGY A.M. BEST METHODOLOGY 05 de setembro de 2014 Ratings da A.M. Best de Escala Nacional Um Rating de Crédito de Emissor (ICR - Issuer Credit Rating) da Best é uma opinião sobre a capacidade de um emissor/entidade

Leia mais

A.M. BEST METHODOLOGY

A.M. BEST METHODOLOGY A.M. BEST METHODOLOGY Critérios - Especialidade 19 de setembro de 2014 Classificação de s/seguros Veículos de transformação Informações adicionais Critérios: Classificação da formação de novas companhias

Leia mais

A.M. BEST METHODOLOGY

A.M. BEST METHODOLOGY A.M. BEST METHODOLOGY 6 de Maio de 2015 Informações adicionais Critérios: Entendendo o BCAR para seguradoras de ramos elementares (bens/imóveis) Entendendo o BCAR para seguradoras de vida/saúde Perspectiva

Leia mais

Questões regulamentares e tributárias, bem como a desarticulação nos mercados e

Questões regulamentares e tributárias, bem como a desarticulação nos mercados e A.M. BEST METHODOLOGY Critérios - Seguros 6 de junho de 2011 Informações adicionais Critérios: O BCAR Universal Índice de Adequação do Capital de Seguradoras da A.M. Best O BCAR para seguradoras de ramos

Leia mais

Metodologia da A.M. BEST

Metodologia da A.M. BEST da A.M. BEST Critérios - Seguros 2 de maio de 2012 Avaliação do risco país A A.M. Best define o risco país como aquele em que fatores específicos de um país possam afetar de forma desfavorável a capacidade

Leia mais

A.M. BEST METHODOLOGY

A.M. BEST METHODOLOGY A.M. BEST METHODOLOGY 06 de outubro de 2015 Projeto: Perspectiva da A.M. Best sobre alavancagem operacional Para formar uma opinião geral da solidez do balanço patrimonial de uma empresa, a A.M. Best Co.

Leia mais

METODOLOGIA da A.M. BEST

METODOLOGIA da A.M. BEST METODOLOGIA da A.M. BEST 6 de maio de 2014 Informações adicionais Critérios: O BCAR Universal Avaliação das Controladoras fora do ramo de seguros Perspectiva da A.M. Best sobre alavancagem operacional

Leia mais

As holdings de seguros (IHC) e suas estruturas associadas de capital podem gerar

As holdings de seguros (IHC) e suas estruturas associadas de capital podem gerar BEST S SPECIAL REPORT Our Insight, Your Advantage. 18 de março de 2013 Informações adicionais Critérios: O BCAR Universal A avaliação das controladoras de não seguradoras A perspectiva sobre a alavancagem

Leia mais

A.M. BEST METHODOLOGY

A.M. BEST METHODOLOGY A.M. BEST METHODOLOGY Critérios - Universal 25 de março, 2013 Análise da liquidez de uma holding A análise da liquidez de uma empresa holding é uma parte fundamental para compreender o possível estresse

Leia mais

2013 pode ser o ápice dos próximos anos?

2013 pode ser o ápice dos próximos anos? da Best Nosso insight, sua vantagem. Resseguro global Revisão financeira 4 de abril de 2014 Perspectiva do rating de resseguro permanece estável por enquanto. 2013 pode ser o ápice dos próximos anos? Dadas

Leia mais

METODOLOGIA da A.M. BEST

METODOLOGIA da A.M. BEST METODOLOGIA da A.M. BEST 15 de Junho de 2015 Introdução A introdução à Metodolgia de Rating de Crédito da AM Best (BCRM) contém a explicação do propósito do documento BCRM, uma descrição do processo de

Leia mais

As operadoras em busca de uma fatia do mercado brasileiro de seguros de vida

As operadoras em busca de uma fatia do mercado brasileiro de seguros de vida BEST S SPECIAL REPORT Our Insight, Your Advantage. Seguros de vida no Brasil Análise do mercado 9 de julho de 2012 Os consumidores brasileiros preferem produtos de poupança a proteção. Desafio complexo

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA EXTERNA DE PROJETOS FINANCIADOS PELO BID. (Documento AF-400)

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA EXTERNA DE PROJETOS FINANCIADOS PELO BID. (Documento AF-400) Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA EXTERNA DE PROJETOS FINANCIADOS PELO BID (Documento AF-400) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.org

Leia mais

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Brasmotor S.A. 31 de dezembro de 2010 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2014 e de Dezembro de 2013 (Em Milhares de Reais - R$)

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2014 e de Dezembro de 2013 (Em Milhares de Reais - R$) SENHORES ACIONISTAS De acordo com as disposições legais e estatutárias, apresentamos as Demonstrações Financeiras relativas ao semestre encerrado em 30 de junho de 2014 da Mitsui Sumitomo Seguros S.A.,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Yuny Incorporadora S.A. 31 de dezembro de 2013 e 2012 com Relatório dos Auditores Independentes Yuny Incorporadora S.A. Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.S.as o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da SUHAI Seguros S.A. relativas ao semestre findo em, apuradas

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40. Instrumentos Financeiros: Evidenciação COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 40 Instrumentos Financeiros: Evidenciação Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 7 Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE 3 5

Leia mais

SOLUÇÕES DE PLANEJAMENTO DE TRANSFERÊNCIA DE PATRIMÔNIO APRESENTADO POR: WALTER AZEVEDO HÖRMANN VICE PRESIDENT - LATIN AMERICA

SOLUÇÕES DE PLANEJAMENTO DE TRANSFERÊNCIA DE PATRIMÔNIO APRESENTADO POR: WALTER AZEVEDO HÖRMANN VICE PRESIDENT - LATIN AMERICA SOLUÇÕES DE PLANEJAMENTO DE TRANSFERÊNCIA DE PATRIMÔNIO APRESENTADO POR: WALTER AZEVEDO HÖRMANN VICE PRESIDENT - LATIN AMERICA International Planning Group Liderança de Mercado: Líder de mercado no planejamento

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Demonstrações Financeiras com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7. Demonstrações de resultado abrangente 11

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7. Demonstrações de resultado abrangente 11 Demonstrações Financeiras Consolidadas em 31 de Dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório da diretoria 3 Parecer avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 11 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE

Leia mais

metodologias SR RATING

metodologias SR RATING metodologias SR RATING o processo de avaliação de risco de instituição financeira 1. INTRODUÇÃO A intermediação financeira é peça motriz da economia, estando esses agentes financeiros no centro da ebulição

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional

Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Banco Honda S/A Demonstrações financeiras do Conglomerado Prudencial das empresas Banco Honda, Honda Leasing, Administradora de Consórcio Nacional Honda 1 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Ratings na Escala Nacional Brasil da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. rebaixados para 'braa-'

Ratings na Escala Nacional Brasil da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. rebaixados para 'braa-' Data de Publicação: 14 de abril de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings na Escala Nacional Brasil da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. rebaixados para 'braa-' Analista principal:

Leia mais

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações

7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 7. Pronunciamento Técnico CPC 10 (R1) Pagamento Baseado em Ações 1. Aplicação 1- As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas

Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas CONTABILIDADE EM DESTAQUE Outubro de 2015 Edição: 001/15 Divulgações sobre o envolvimento em entidades estruturadas Esta edição da Contabilidade em Destaque tem como objetivo explicar mais profundamente

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

Se tiver dúvidas ou preocupações sobre a prática de privacidade da Pan-American Life, entre em contato conosco em:

Se tiver dúvidas ou preocupações sobre a prática de privacidade da Pan-American Life, entre em contato conosco em: Políticas de privacidade on-line A Pan-American Life sempre esteve comprometida em manter a confidencialidade, integridade e segurança das informações pessoais confiadas a nós pelos clientes atuais e futuros.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BRUSQUE - FEBE CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 Fevereiro/2011 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. (Prata Forte) 3º Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários

REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. (Prata Forte) 3º Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S.A. (Prata Forte) 3º Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários ÍNDICE CARACTERÍSTICAS DOS CRI s... 3 CARACTERIZAÇÃO DA EMISSORA... 3

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022 Data de Publicação: 5 de agosto de 2015 Comunicado à Imprensa Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da com vencimento em 2020 e 2022 Analista principal: Diego Ocampo,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 1 de agosto de 1 Real aprecia em semana de alta volatilidade Real fechou a semana em, A semana foi marcada por volatilidade nos mercados cambiais, que foram afetados

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Agência Estado Ltda. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota

Leia mais

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229

INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SINTETIZADAS BALANÇO SINTETIZADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 Activos intangíveis 355.229 Relatório do Auditor Independent sobre informações financeiras resumidas Para: Acionistas da Companhia Ônix SEGUROS SA Relatório sobre as informações financeiras resumidas Informações financeiras resumo

Leia mais

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Auditadas Banco ABC Brasil S.A. com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais S.A. BDMG 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012.

Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS. 31 de dezembro de 2013 e de 2012. Demonstrações Financeiras Consolidadas em IFRS 31 de dezembro de 2013 e de 2012. 1 Índice Balanço Patrimonial...3 Demonstração dos resultados dos exercícios...4 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Demonstrações Financeiras Consolidadas Banco Paulista S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Parecer dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Consolidadas Banco Paulista S.A. 31 de dezembro de 2014 e 2013 com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Consolidadas Banco Paulista S.A. com Parecer dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras consolidadas em IFRS Índice Geral Parecer dos auditores independentes... 1 Demonstrações

Leia mais

ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS

ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS ARTIGO 132 A ESCORAGEM DE CRÉDITO PESQUISA MAIS PROFUNDAMENTE OS DADOS RESUMO: Escoragem de crédito pode auxiliar na simplificação de operações e eliminação de custos, na redução de perdas, na ampliação

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2010 Comunicado à Imprensa Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Fevereiro de 2010 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 46 Mensuração do Valor Justo Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 13 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 4 ALCANCE

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS

DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Conheça os significados dos principais termos técnicos utilizados na IGNIOS no âmbito dos: DADOS ECONÓMICO-FINANCEIROS Criação de Valor Valor criado pela empresa num período temporal (fonte: Demonstração

Leia mais

Release de Resultado Janeiro/08

Release de Resultado Janeiro/08 PORTO SEGURO anuncia lucro líquido de R$10,0 milhões ou R$0,13 por ação em janeiro de 2008 São Paulo, 17 de Março de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados de janeiro de 2008. As

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

ALLIANZ SEGUROS S.A. CNPJ nº 61.573.796/0001-66

ALLIANZ SEGUROS S.A. CNPJ nº 61.573.796/0001-66 sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 125 (38) 337 Senhores Acionistas, Apresentamos as demonstrações financeiras individuais da Allianz Seguros S.A. relativas aos

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CNPJ (MF) Nº 83.128.769/0001-17 Brusque - SC DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Fevereiro/2012 1 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Gerenciamento de Riscos Revisão: Julho/ 2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA... 3 3. LINHAS DE NEGÓCIOS PRODUTOS OFERTADOS... 3 3.1. CARTÃO DE CRÉDITO...

Leia mais