VOLUME 06 DIREITO. Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF. Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VOLUME 06 DIREITO. Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF. Garça/SP: Editora FAEF, 2014. Vol 06 (07 vols.) - ISSN 1676-6814 1"

Transcrição

1 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF VOLUME 06 DIREITO Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

2 ISSN XVII VOLUME 06 DIREITO GARÇA/SP

3 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: SOCIEDADE CULTURAL E FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO - FAEF Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros km 420, via de acesso a Garça, km 1, CEP , Garça/SP / Telefone: (14) EDIÇÃO, EDITORAÇÃO ELETRÔNICA, ARTE FINAL e CAPA Aroldo José Abreu Pinto Ficha Catalográfica elaborada pela biblioteca da Faculdade de Ensino Superior e Formação - FAEF 630 S621a Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF. XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF. Anais... Garça: Editora FAEF, p. vol 06 - (07 vols.) 15x22cm. ISSN Ciências Agrárias 2.Ciências Contábeis 3. Administração 4. Agronomia 5. Engenharia Florestal 6. Medicina Veterinária 7. Pedagogia 8. Psicologia 9. Direito. 10 Turismo. 11 Comércio Exterior Os autores são responsáveis pelo conteúdo das palestras e trabalhos científicos. Reprodução permitida desde que citada a fonte. Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros km 420, via de acesso a Garça, km 1. CEP , Garça/SP / (14) Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

4 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF XVII SUMÁRIO Apresentação Comissão Organizadora Agradecimentos Programação TRABALHOS APRESENTADOS Direito DIREITOS DOS ANIMAIS: UM COMPARATIVO ENTRE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA E A EQUATORIANA José Honório de OLIVEIRA FILHO A CAPACIDADE CIVIL DO EMPRESARIO INDIVIDUAL Sebastiana TEIXEIRA; Marcilaine Aparecida FERREIRA A CARTULA NA ERA VIRTUAL, TITULO DE CRÉDITO Elaini Luizari, GARCIA; Adelmo, LUIZ; Eduardo,VIEIRA; Marina, MARTINS Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

5 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO DIREITO EMPRESARIAL Jacqueline Benedito SILVA; Juan Pablo Camiloto Batista LEAL; Fernando Henrique Buffulin RIBEIRO À VIDA PRIVADA DA PESSOA NATURAL Fábio Ricardo Rodrigues dos SANTOS; Ederson RAPHAEL; Adelmo FERREIRA A VONTADE NOS CONTRATOS DE ADESÃO Jacqueline Benedito SILVA; Juan Pablo Camiloto Batista LEAL; Junior Henrique Pradode SOUZA; Elani Luizari GARCIA ANÁLISE DO LIVRO O PROCESSO DE FRANZ KAFKA À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA Adriana Maiara, OLIVEIRA; Daniele Santos, GONÇALVES; Anderson CEGA APONTAMENTOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA Simone Doreto CAMPANARI AS FASES DA FORMAÇÃO DO CONTRATO Guilherme Barbozados SANTOS; Lucas CASTELUCI; Marcos Soares MARTA; Fábio Ricardo Rodrigues dos SANTOS AS MEDIDAS ALTERNATIVAS Jacqueline Benedito, SILVA; Juan Pablo Camiloto, LEAL; Simone, CAMPANARI AS MODALIDADES DE FAMÍLIA Camila Alves da SILVA; Jacqueline Benedito SILVA; Martinho Otto GERLACK ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO ESTATUTO DO DESARMAMENTO Ivan PERES; Martinho Otto GERLACK NETO Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

6 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF ASPECTOS SOBRE A DESMATERIALIZAÇÃO DOS TÍTULOS DE CRÉDITO Andréia Matos SOUZA; Márcia Cristina BARUFALLDI; Priscila dos Santos OLIVEIRA; Elaini Luvisari GARCIA BREVE ENTENDIMENTO DA PRISÃO CIVIL DO DEVEDOR DE ALIMENTOS E A QUESTÃO DA ATUALIDADE DA DÍVIDA GARCIA, Elaini; SOARES, Fabiana Prado; JUNIOR, Sérgio Silva dos Santos CARTULARIDADE NOS TÍTULOS DE CRÉDITO ELETRÔNICOS Eduardo, BATISTA; Leysiane, CARDOSO; Lucas V. Casteluci de, SOUZA CONSIDERAÇÕES SOBRE A SUCESSÃO ENTRE OS COMPANHEIROS EM CONCORRÊNCIA COM OS COLATERAIS Elaini Luvisari GARCIA CONTRATOS DE ADESÃO E SUAS CLÁUSULAS ABUSIVAS Camila, TOMAZ; Daniela, ANDERSON; Letycia, MORAIS CONVIVÊNCIA FAMILIAR NO TOCANTE À LEI Nº , DE 8 ABRIL DE 2014 Érika Cristina de Menezes Vieira Costa TAMAE CRIMES VIRTUAIS: ANÁLISE SOBRE A TIPIFICAÇÃO LEGAL Martinho Otto GERLACK NETO DA MORTE PRESUMIDA Fábio Ricardo Rodrigues dos SANTOS; Alex de Souza RANIERI; Márcio Lucas de Jesus GOMES; Tiago Corazza de SOUZA DEMOCRACIA E DIREITO: PRINCÍPIOS DA IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Lucas Vinícius Casteluci de, SOUZA; Profa. Dra. Érica Cristina Vieira, COSTA TAMAE Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

7 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO ÂMBITO DO DIREITO AGRÁRIO E DIREITO DE PROPRIEDADE Aline dos Santos NASCIMENTO; Martinho Otto GERLACK NETO ESTAGIO DE DESENVOLVIMENTO DOS PAISES E CONTRIBUIÇÃO PARA A FIXAÇÃO DE METAS PARA A REDUÇÃO EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA Fernando Henrique Buffulin RIBEIRO; Guilherme Bernuy LOPES; Larissa Buffulin RIBEIRO EXCLUSÃO DO IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA SOBRE A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS AMBRIZZI, Angelo Francisco Barrionuevo; SOARES, Fabiana Prado; SANTOS, Sergio Silva Junior EXPLANANDO SOBRE VICÍOS REDIBITÓRIO E EVICÇÃO DOS CONTRATOS A LUZ DO CÓDIGO CIVIL Alcides Dias de Souza JUNIOR; Ana Paula VICTOR; Luis Carlos FORNACCHARI; Ronier Mingatos MARCONDES FIDELIDADE, CONCUBINATO E OS DIREITOS DAS CONCUBINAS Adriana Maiara OLIVEIRA; Fernando BUFFULIN HISTÓRICO DA SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS INTERNACIONAIS Fernando Henrique Buffulin RIBEIRO; Guilherme Bernuy LOPES; Larissa Buffulin RIBEIRO INCIDÊNCIA DO IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS NA REVENDA DE PRODUTOS IMPORTADOS Alex Yudi Kikuti KOYAMA; Diego Ferreira e SILVA; Ângelo Francisco Barrionuevo AMBRIZZI Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

8 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF INCONSTITUCIONALIDADE NA MEDIDA PROVISÓRIA 627/13: MULTA PELA INEXATIDÃO, OMISSÃO OU NÃO ENTRADA DO E-LALUR AMBRIZZI, Angelo Francisco Barrionuevo JURISDIÇÃO Camila TOMAZ; Daniela ANDERSON; Letycia MORAIS; Anderson CEGA JUSTIÇA COM AS PRÓPRIAS MÃOS : UM DESAFIO À DEMOCRACIA E AOS DIREITOS HUMANOS Claudia Telles de PAULA LEI MARIA DA PENHA E A INCLUSÃO DO HIPOSSUFICIENTE PARA A GARANTIA DO PRINCÍPIO DE IGUALDADE A PROTEÇÃO E CIDADANIA JulianaÁLVARES; Silvio ÁLVARES O CRIME VIRTUAL E A HONRA Eduardo, VIEIRA; Sílvio Carlos, ALVARES O DIREITO AMBIENTAL NO CONFLITO DE NORMAS CONSTITUCIONAIS ENVOLVENDO A EXPLORAÇÃOANIMAL José Honório de Oliveira Filho O DIREITO CAMBIÁRIO E SUAS IMPLICAÇÕES Fábio Ricardo Rodrigues dos SANTOS; Andréia Matos de SOUZA; Letícia SARAIVA; Márcia Cristina BARUFALLDI O TOLHIMENTO DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL DE GARÇA Fabio Ricardo Rodrigues dos SANTOS Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

9 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA: HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA E FATO GERADOR Juliana Nunes de Castro LIMA; Viviane Xavier Pereira Ramos DIAS; Angelo Francisco Barrionuevo AMBRIZZI OS OBJETIVOS DA PRIVAÇÃO DA LIBERDADE COMO SANÇÃO PENAL Guilherme Barboza dos SANTOS; Érika Vieira TAMAE PESPECTIVA PRINCIPIOLÓGICA DIANTE DAS NOVAS MANIFESTAÇÕES DE FÁMILIA ALMEIDA, Jessica Vieira de; BRANDÃO, Simone Aparecida Rocha; LEÃO, Maria Cristina Contiero; GARCIA, Elaini Luziari PRINCÍPIOS CONTRATUAIS Jacqueline Benedito SILVA; Juan Pablo Camiloto Batista LEAL; Elani Luizari GARCIA PRINCÍPIOS QUE NORTEIAM OS CONTRATOS COQUEIRO, Laura Amanda da Silva; GARCIA, Elaini Luvisari REGRA MATRIZ DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA: ESTUDO DA LEGISLAÇÃO DO MUNICIPAL DE GARÇA ISSQN ALMEIDA, Jéssica Vieira de; BRANDÃO, Simone Aparecida Rocha; KUSUMOTO, Mariângela Garcia Delicato; AMBRIZZI, Angelo Francisco Barrionuevo RELAÇÕES EMPRESARIAIS: SOLIDARIEDADE CAMBIÁRIA E AS GARANTIAS DOS TÍTULOS DE CRÉDITO Victor José Cruz CORREIA; Beatriz Machado SANTOS; Ana Carolina Paulino DIAS; Elaini Luvisari GARCIA Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

10 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF TEORIA DO DELITO PENA DE MORTE Adriana Maiara OLIVEIRA; Martinho GERLACK; Silvio ALVARES TRABALHO DO IDOSO NO BRASIL CÊGA, Anderson Normas para elaboração de artigo científico do Simpósio da FAEF Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

11 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E 12 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

12 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF XVII APRESENTAÇÃO O décimo sétimo Simpósio de Ciências Aplicadas é um marco histórico para todos os membros da nossa prestigiada FAEF. Chegamos às vésperas de duas décadas de existência, tratandose do mais relevante evento anual de ensino, pesquisa e extensão da nossa IES, momento em que todos os membros da direção, coordenações, corpo administrativo, funcionários, colaboradores, docentes e discentes estão unidos para um único objetivo, qual seja, a construção e a divulgação do conhecimento. Prova dessa assertiva é a inscrição de aproximadamente 2000 pessoas entre alunos e profissionais das diversas áreas e um número elevado de trabalhos científicos, entre artigos, comunicações científicas e técnicas, relatos de casos, revisões de literatura e outros. A cada ano, felizmente, majora o volume e a qualidade dos trabalhos inscritos e aprovados para publicação nos anais. Todavia, para quem pensa que alcançamos tudo, vale aguardar para participar desses quatro dias de evento, pois, aspiramos continuar mudando a história da melhor maneira que sabemos: produzindo e divulgando conhecimento (tríade: ensino, pesquisa e extensão de excelência). Assim sendo, com muita dedicação, paixão e profissionalismo ao que fazemos, temos a certeza de que a décima sétima edição do Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF, leva-nos, a cada ano, a buscar o conhecimento como Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

13 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E que pela primeira vez, pois objetivamos atingir a nossa parcela neste processo essencial para a formação dos nossos alunos, profissionais que já estão no mercado de trabalho e a população externa que nos visita para abrilhantar este grandioso evento científico. Sejam todos bem-vindos! PROF. MSC. OSNI ÁLAMO PINHEIRO JÚNIOR PRESIDENTE EXECUTIVO DO XVII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS APLICADAS DA FAEF 14 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

14 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF XVII COMISSÃO ORGANIZADORA Presidente de Honra do Simpósio Profª. Drª. Dayse Maria Alonso Shimizu Presidente Executivo do Simpósio Prof. MSc. Osni Alamo Pinheiro Junior Vice Presidente Prof. MSc. Martinho Otto Gerlack Neto Comissão Científica do Simpósio Prof. MSc. Felipe Camargo de Campos Lima Profª. MSc. Priscilla dos Santos Bagagi Profª. MSc. Vanessa Zappa Profª. Drª. Letícia de Abreu Faria Comissão de Infraestrutura do Simpósio Prof. Esp. Daniel Aparecido Marzola Sra. Lirya Kemp Marcondes de Moura Prof. MSc. Márcio Roberto Agostinho Prof. Esp. Fernando Rocha Prof. Esp. Alexandre Luis da Silva Felipe Prof. Dr. Ernani Nery de Andrade Sr. Rodrigo Pinheiro de Azevedo Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

15 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E Prof. MSc. Felipe Camargo de Campos Lima Sra. Maria Aparecida da Silva Comissão de Captação de Parceiros Prof. MSc. Márcio Roberto Agostinho Prof. MSc. Martinho Otto Gerlack Neto Profª. MSc. Gisleine Galvão Bosque Sr. Mateus Souza Avelar Prof. Esp. Paulo César Jacobino Sra. Lirya Kemp Marcondes de Moura Comissão de Marketing, Comunicação Visual e Mídias Sociais Prof. MSc. Augusto Gabriel Claro de Melo Srta. Andréia Travenssolo Mansano Profª. MSc.Vanessa Zappa Sr. Rodrigo Pinheiro de Azevedo Sr. Anderson de Oliveira Cardoso Moraes Comissão de Documentação e Expedição de Certificados Profª. MSc. Gisleine Galvão Bosque Profª. MSc. Priscilla dos Santos Bagagi Prof. MSc. Márcio Roberto Agostinho Prof. MSc. Augusto Gabriel Claro de Melo Profª. MSc. Raquel Beneton Ferioli Srta. Ana Stela Agostinho Costa Srta. Andréia Travenssolo Mansano Srta. Suellen Sossolote Comissão de Cultura e Entretenimento Profª. MSc. Gisleine Galvão Bosque Profª. MSc. Priscilla dos Santos Bagagi Prof. MSc. Augusto Gabriel Claro de Melo 16 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

16 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF Prof. MSc. Márcio Roberto Agostinho Prof. MSc. Martinho Otto Gerlack Neto Sra. Lirya Kemp Marcondes de Moura Srta. Andréia Travenssolo Mansano Prof. Dr. Ernani Nery de Andrade Sra. Maria Aparecida da Silva Profª. MSc. Gisele Fabricia Martins dos Reis Prof. Msc.Diego José Zanzarini Delfiol Comissão de Secretaria e Tesouraria do Simpósio Profª. Msc. Priscilla dos Santos Bagagi Profª. Msc. Gisleine Galvão Bosque Prof. Msc. Augusto Gabriel Claro de Melo Profª. Esp. Amaly Pinha Alonso Srta. Rosilene Pedroso de Oliveira Srta. Ana Stela Agostinho Costa Sr. Wilson Shimizu Comissão Editorial do Simpósio Prof. Dr. Aroldo José de Abreu Pinto Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

17 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E COMISSÃO CIENTÍFICA DOS CURSOS Administração Prof. MSc. Ricardo Alves Perri Prof. Esp. Jorge Toshio Fushimi Agronomia Prof. Dr. Edgard Marino Júnior Prof. Esp. Giovana Paiva Azevedo Profª. Drª. Letícia de Abreu Faria Ciências Contábeis Prof. Esp. Nildemar Andrade Gonçalves Gonzaga Prof. Esp. Cristiano dos Santos Dereça Direito Prof. Esp. Diogo Simionato Alves Prof. Dr. Silvio Carlos Alvares Profª. MSc. Simone Doreto Campanari Profª. Drª. Érika Cristina de Menezes Vieira Costa Tamae Profª. MSc. Claudia Telles de Paula Engenharia Florestal Prof. MSc. Augusto Gabriel Claro de Melo Prof. MSc. Murici Carlos Candelaria Prof. Esp. Victor Lopes Braccialli Medicina Veterinária Profª. Esp. Fernanda Tamara Neme Mobaid Agudo Romão Profª. Msc. Raquel Beneton Ferioli Profª. Msc. Vanessa Zappa Pedagogia Prof. MSc. Odair Vieira da Silva Profª. MSc. Neuci Leme de Camargo Profª. MSc. Priscilla dos Santos Bagagi Psicologia Prof. MSc. Rangel Antonio Gazzolla Profª. MSc. Juliana Baracat Turismo Profª. Msc. Talita Prado Barbosa 18 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

18 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF XVII AGRADECIMENTOS A Comissão Organizadora e a Administração Superior da Sociedade Cultural e Educacional de Garça agradecem imensamente a todos aqueles que participaram do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF e, em especial, aos palestrantes, apoios e/ou patrocínios das empresas e órgãos públicos que contribuíram para o sucesso do evento. Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

19 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E 20 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

20 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF XVII PROGRAMAÇÃO Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

21 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E MINICURSOS XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF - Entretenimento Além de enriquecer o conhecimento profissional, no XVII Simpósio de Ciências Aplicadas os participantes puderam participar de atividades culturais, de entretenimento, de lazer e de educação ambiental. Confiram a programação: - Dia 6 de maio, a partir das 19h, na Estância FAEF: Concurso Miss e Mister FAEF e Nossos Talentos; - Dia 7, 8 e 9 de maio, das 17h30 às 19h, no campo: Campeonato de futebol; - Dia 9 de maio, das 15 às 17h50, no Haras: Atividades Equestres; - Dia 9 de maio, das 15 às 17h50, na Estância FAEF: Dog Fashion Day; - Dia 9 de maio, das 15 às 17h50, no NUEMA: Oficina Ambiental. 22 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

22 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF XVII TRABALHOS APRESENTADOS Direito Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

23 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E 24 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

24 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF DIREITOS DOS ANIMAIS: UM COMPARATIVO ENTRE A CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA E A EQUATORIANA José Honório de OLIVEIRA FILHO 1 1 Mestrando em Teoria do Direito e do Estado pelo Centro Universitário Eurípides de Marília UNIVEM, advogado e servidor público. RESUMO O presente artigo visa analisar os Direitos dos Animais na Constituição Federal brasileira realizando um comparativo com a Carta Magna equatoriana. Pretende descaracterizar a doutrina predominante que tem o entendimento que os animais são coisas utilizando a bel prazer pelos seres humanos, visão esta antropocêntrica que deve ser erradica o mais rápido possível. Os Direitos dos Animais é tema cada vez mais crescente em debates acadêmicos, jurídicos e na mídia, trazendo ampla discussão em diversos aspectos. Palavras-Chave: Constituição Federal do Brasil; Constituição Federal do Equador; Direitos dos Animais; Direito Ambiental; Sujeitos de Direito. ABSTRACT This article aims to analyze the Rights of Animals in the Brazilian Federal Constitution performing a comparison with the Ecuadorian Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

25 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E Constitution. Want to mischaracterize the prevailing doctrine that has the understanding that animals are things using the whim of human beings, this anthropocentric view that should be eradicated as soon as possible. The Animal Welfare is increasingly growing theme in academic, legal and media debates, bringing extensive discussion on various aspects. Key-words: Federal Constitution of Brazil; Federal Constitution of Ecuador; Animal Welfare; Environmental Law; Subjects of Right. 1.INTRODUÇÃO Cada vez mais os Direitos dos Animais ganham força mundialmente, com os defensores sempre atuantes reivindicando direitos àqueles que não podem lutar sozinhos. Os animais que juridicamente são tratados como objetos à disposição do ser humano, moralmente já vem perdendo este status. Animais utilizados em pesquisas científicas conquistaram a liberdade em São Roque/SP, no ano de 2013, graças aos manifestantes que entendiam que eticamente quaisquer procedimentos científicos seriam inaceitáveis com seres inocentes. Leis proibindo os testes com animais para cosméticos já foram sancionadas na União Europeia, no Brasil e em outros países do globo terrestre. Alunos já conseguem se beneficiar pela escusa de consciência em não frequentar aulas que envolvam animais como cobaias. Numa análise entre Constituições Federais, vamos compreender a visão brasileira e equatoriana sobre os animais, e se estes se encaixam como coisas ou como sujeitos de direitos. 2. A PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL AOS ANIMAIS A Constituição Federal de 1988, a lei suprema de nosso ordenamento jurídico, prevê a defesa do meio ambiente natural, que compreende a fauna e a flora. Em seu artigo 225, 1º, VII, fica evidente a proteção que devemos ter pelos animais, conforme transcrito abaixo: Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo- 26 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

26 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: (...) VII proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, vedadas as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies, ou submetam os animais a crueldade. O artigo demonstra que, primordialmente, foi levando em consideração o próprio bem-estar das pessoas, visto que sem o meio ambiente ecologicamente equilibrado estaríamos colocando em risco a própria espécie humana, podendo sofrer com a falta de recursos naturais ao longo do tempo. No inciso VII, também é demonstrada preocupação com a extinção de espécies, e não com o animal propriamente dito, mas sim visando que nossa biodiversidade se mantenha com o transcorrer das gerações, contribuindo com a nossa sobrevivência. O conteúdo mais importante deste artigo é justamente a parte final de seu inciso VII, que afirma vedadas práticas que (...) submetam os animais à crueldade. No tocante a este trecho podemos dizer que o legislador pode ter sido influenciado por uma visão menos especista, vedando a crueldade contra animais, Neme conceitua de forma brilhante o termo crueldade : Todos os textos consultados concordam que a crueldade é associada à desumanidade, ruindade, maldade violenta. Etimologicamente remete a crudos: que contém sangue, sangrento, ensangüentado, cru, encruado e não cozido. O indivíduo cruel é aquele que se compraz em fazer o mal, em atormentar ou prejudicar. A crueldade então é uma expressão abrangente, que traz em seu bojo alguns tipos de violência como os maus tratos, a servícia, o ferimento, a mutilação, e os abusos (NEME, 2006, p. 87). Deste modo, qualquer crueldade contra animais está vedada pela Constituição Federal, o que em termos práticos está muito distante de acontecer, apenas para citar alguns exemplos de crueldades contra animais, podemos mencionar práticas culturais como rodeios, vaquejadas, rituais religiosos, circos, vestuário, alimentação, todos estes utilizando animais de forma cruel, como meros objetos ao serviço do ser humano. Santana analisa, o artigo 225 da Constituição Federal: Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

27 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E Além disso, como a caça e a pesca podem ser autorizadas, o sistema jurídico brasileiro não garante sequer o direito à vida desses animais, que continuam sendo capturados e mortos diariamente, legal ou clandestinamente, tornando letra morta a norma constitucional que proíbe às práticas que coloquem em risco a função ecológica dos animais, provoquem a sua extinção ou submetaos à crueldade (CF, art. 225, par. 1, VII) (GORDILHO, 2004, p. 99). Krell afirma que nem o Poder Público, muito menos a coletividade, logram êxito na implementação de normas que vedem o tráfico de animais silvestres, por conseqüência das falhas na prestação real dos serviços públicos de proteção ambiental, esta falha é encontrada na formulação, implementação e manutenção das respectivas políticas públicas, como também na composição dos gastos nos orçamentos da União, dos estados, e dos municípios (KRELL, 2002, p ). Eliana Franco Neme diz que todo o regramento fortificado pela norma constitucional é capaz de modificar os hábitos culturais, as tradições comerciais e científicas, os padrões de entretenimento ou os comportamentos religiosos. Com isso, ainda temos uma série de fatores que colidem com o conteúdo jurídico da Constituição, determinando o comportamento cruel com os animais. Esses fatores são decorrentes de uma concepção histórica da superioridade do homem sobre os animais (NEME, 2006, p.97). Assim, apesar de nossa Constituição Federal possuir previsão de proteção aos animais não temos muito o que comemorar, os defensores acabam sempre tendo que protestar para que os direitos dos animais realmente sejam resguardados, como no caso da invasão do Instituto Royal, em São Roque/SP no ano de 2013, onde foram resgatados cães de raça beagle e camundongos que eram utilizados como cobaias em grande parte visando a indústria cosmética. 4. ANIMAIS COMO SUJEITOS DE DIREITO A doutrina clássica brasileira exclui os animais não humanos no que tange possuir capacidade, personalidade e, muito menos, ser sujeito de direitos, dando-lhes status de coisa, uma visão totalmente antropocêntrica que prevalece no direito nacional (GORDILHO, SILVA, 2012, p.351). 28 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

28 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF Podemos utilizar o ensinamento Fabio Ulhoa Coelho para que possamos analisar melhor os critérios de organização dos sujeitos de direito, dividindo-se em personificados ou não personificados e em sujeitos humanos ou não humanos. (COELHO, 2003, p. 139). Nesta sistemática, poderíamos colocar os animais como sujeitos não humanos personificados. Muitos defendem a expansão dos direitos fundamentais aos animais, nos moldes da Declaração Universal dos Direitos dos Animais, que passariam a ser protegidos em juízo da mesma forma que os direitos humanos. Filósofos como Paola Cavalieri e Peter Singer, por exemplo, lançaram, em 1993, o projeto The Great Ape Project, onde é defendida a ideia de imediata extensão dos direitos humanos, tais como o direito à vida, saúde, liberdade, a um meio ambiente sadio e equilibrado e direitos de personalidade, para os grandes primatas, antes que estes sejam extintos (GORDILHO, 2004, p.100). A questão principal é a seguinte: porque razão nós concedemos personalidade jurídica a crianças, mesmo aquelas que ainda não nasceram, a deficientes mentais que apenas levam uma vida vegetativa, a associação de pessoas, e até mesmo a conjunto de bens patrimoniais, mas nos recusamos a concedê-la a seres que compartilham conosco até 99,5% de carga genética, e integram, por conseguinte, a nossa mesma família, a dos hominídeos, ou quando muito a nossa mesma sub-ordem, a dos antropóides? Porque razão deixamos que nossos primos chimpanzés, bonobos, gorilas e orangotangos entrem em extinção, enquanto concedemos direitos fundamentais para humanos capazes de cometer os mais abomináveis crimes contra a própria humanidade? Porque razão não estendemos, nos termos da Declaração Universal dos Direitos dos Animais, proclamada pela Liga Internacional pelos Direitos dos Animais no ano de 1978, e submetida a apreciação da Unesco e da própria ONU, a eles direitos fundamentais como os direitos à vida, liberdade e a um meio ambiente equilibrado? (GORDILHO, 2004, p.100). Porém, muitos autores são contrários de se estender aos animais direitos humanos, pois entre o homem e os animais existe uma real fronteira que se encontra na distinção entre liberdade e determinismo (GORDILHO, 2004, p.102) Na visão desses autores, o ser humano seria o único sujeito moral do mundo, devido ser capaz de um ato de liberdade, sendo que este ato não é praticado por instinto. Dessa forma, os animais não são livres, não podendo ser moralmente responsáveis por nada: o animal é sempre inocente (RABENHORST, 1997, p. 126). Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

29 Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF SOCIEDADE CULTURAL E Os abolicionistas, obviamente, são contra essa justificava para exploração animal. Se fossemos assim entender, os loucos e demais deficientes, as crianças e adolescentes também são considerados incapazes de ter consciência de seus atos, mas nem por isso lhes é recusada c capacidade em adquirir e exercer direitos através de seus representantes (GORDILHO, 2004, p. 103). Contudo, os deficientes mentais e recém-nascidos também não possuem essa racionalidade deliberativa, e nem por isso cogitamos em negar-lhes direitos ou dignidade moral. Outro respeitado doutrinador a ser tido como referência será Hans Kelsen, para ele os animais devem ser considerados sujeitos de direito, devido às leis que os protegem. Com isso, a partir do momento que o indivíduo está obrigado a ter determinada conduta em face de um outro, tem esse, perante aquele, um direito a esta conduta (KELSEN, 1987, p.182). Vejamos: O argumento de que os animais, plantas e os objetos inanimados dessa forma protegidos não são sujeitos de direitos reflexos porque estes objetos não são pessoas, não procede. Com efeito, pessoa significa, como veremos, sujeito jurídico; e se sujeito de um direito reflexo é o homem em face do qual deve ter lugar a conduta do indivíduo a tal obrigado, então os animais plantas e objetos inanimados em face dos quais os indivíduos são obrigados a conduzirem-se de determinada maneira são sujeitos de um direito a esta conduta no mesmo sentido em que o credor é sujeito do direito que consiste na obrigação (dever) que o devedor tem em face dele (KELSEN, 1987, p. 182). Gordilho conclui o pensamento de Kelsen dizendo que no direito civil, ser sujeito de direitos e obrigações não é privilégio apenas do ser humano. Pessoa jurídica e entes despersonalizados, como a massa falida, a herança jacente, a herança vacante, o espólio etc, podem ser sujeitos de direitos e obrigações, inclusive com capacidade jurídica, estando autorizados a defender seus direitos em juízo (GORDILHO, 2004, p. 106). O doutrinador Sérgio Greif é defensor da corrente abolicionista e crítico do bem-estarismo: Leis de bem-estar animal apresentam o principal problema de não reconhecerem, e dessa vez por escrito e com apoio de proeminentes vultos da proteção animal, que animais têm direitos. Quando sociedades 30 Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

30 SOCIEDADE CULTURAL E Anais do XVII Simpósio de Ciências Aplicadas da FAEF protetoras de animais ou pessoas de reconhecida militância na causa animal apoiam uma lei que diz que animais de consumo têm de ser abatidos de determinada forma, eles estão reconhecendo que existem animais que de fato nasceram para serem de consumo e que existe uma forma correta de abatê-los. Significa que não é errado matá-los, desde que isso seja feito da forma correta. O animal em si não tem direitos (GREIF). Desta forma, é primordial o reconhecimento dos animais como sujeitos de direito, para que assim, no futuro, possam conquistar direitos vedados por nosso ordenamento atual, nada adiantando termos leis meramente bem-estaristas que apenas legaliza o sofrimento animal. 5. NATUREZA NA CONSTITUIÇÃO EQUATORIANA A Constituição do Equador é inovadora em relação à natureza e à visão antropocêntrica que prevalece na doutrina brasileira, acabando por reconhecer a natureza como sujeito de direitos. Devemos citar o artigo 71 da Carta Magna equatoriana: La naturaliza o Pacha mama, donde se reproduce y realiza la vida, tiene derecho a que se respete integralmente su existência y el mantenimiento y regeneración de sus ciclos vitales, estrucutura, funciones y processos evolutivos. Toda persona, comunidade, Pueblo o nacionalidade poderá exigir a la autoridade pública el cumplimiento de los derechos de la naturaliza. El Estado incentivará a las personas naturales y jurídicas y a los colectivos, para que protejan la naturaliza, y promoverá el respeto a todos los elementos quer forman um ecossistema. Desta forma, é importante salientar que a natureza é tratada como Mãe Terra, tendo o direito de ser respeitada integralmente sua existência e manutenção. Cristiano de Souza Lima Pacheco trata como histórica a inovação trazida pela Constituição Equatoriana, pondo fim à exclusividade humana em ser sujeito de direitos, para o autor, não seria exagero afirmar que todos os animais também são sujeitos-de-uma-vida (PACHECO, 2012, p. 354). Evidente que os animais são integrantes da natureza, assim também seriam contemplados com a inovação equatoriana, sendo considerados sujeitos de direito e tendo uma maior proteção do Garça/SP: Editora FAEF, Vol 06 (07 vols.) - ISSN

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL 1. Capacidade para o exercício da empresa Atualmente, existe a possibilidade de a atividade empresarial ser desenvolvida pelo empresário individual, pessoa física, o qual deverá contar com capacidade para

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denis Dall Asta Msc. Denisdall@unioeste.br

NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denis Dall Asta Msc. Denisdall@unioeste.br NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denisdall@unioeste.br TIPOS JURÍDICOS ABORDADOS EMPRESÁRIO SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA REVOGAÇÃO DE PARTE DO CÓDIGO COMERCIAL

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 8 DIREITO CIVIL

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 8 DIREITO CIVIL INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 8 DIREITO CIVIL Índice 1. Direito Civil...3 1.1. Parte geral... 4 1.2. Das Pessoas... 4 1.2.1. Pessoa Natural... 4 1.2.2. Relativamente Incapazes... 5 1.2.3.

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS

TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS TÍTULOS DE CRÉDITOS VIRTUAIS Rodrigo Almeida Magalhães Mestre e Doutor em Direito 1- Introdução Baseado no conceito de Cesare Vivante 1, o Código Civil de 2002, em seu art. 887, preceitua o título de crédito,

Leia mais

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Conceito de empresário - Art. 966, CC/2002 (Lei n. 10.406, 10 de janeiro de 2002) - Profissionalismo: a. Habitualidade b. Pessoalidade

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB.

POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS. Palavras-chaves: Sociedade de Advogados, quotas de serviço, OAB. POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO DE SÓCIO COM QUOTAS DE SERVIÇO EM SOCIEDADE DE ADVOGADOS Diogo Dória Pinto 1 RESUMO A previsão do art.2º, XIII do provimento nº 112/06 do Conselho Federal da Ordem dos Advogados

Leia mais

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15

SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 SUMÁRIO NOTA DOS COORDENADORES DA COLEÇÃO...15 DIREITO ADMINISTRATIVO...17 Fernando Ferreira Baltar Neto e Ronny Charles Lopes de Torres 1. Direito Administrativo e o Regime Jurídico-Administrativo...17

Leia mais

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:...

1. REGISTRO RESTRIÇÕES PARA ATUAR COMO EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Falido:... Estrangeiro:... Médico:... Advogado:... Membros do legislativo:... 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Registro PONTO 2: Incapacidade Superveniente PONTO 3: Sociedade Empresária 1. REGISTRO Para fazer o registro, a pessoa deve estar livre de qualquer impedimento ou proibição.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1. Regiane Moreno Domingues Ribas RESUMO

ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1. Regiane Moreno Domingues Ribas RESUMO ESTUDO DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATUAL EM RELAÇÃO A EXPERIMENTAÇÃO COM ANIMAIS 1 Regiane Moreno Domingues Ribas FAAG Faculdade de Agudos RESUMO O objetivo deste trabalho foi o de realizar um estudo da Legislação

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

1 O INÍCIO DA PERSONALIDADE E A SITUAÇÃO DO NASCITURO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO. Flora Soares Guimarães* Leonardo Alves Guedes* Lívia Gueiros Maia* Michel Alves de Souza* Paola Teixeira Lessa

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-40 7º 04 04 60 Turma DIREITO Nome da Disciplina / Curso DIREITO COMERCIAL II D- 32DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/01) D- 27 DIREITO COMERCIAL I(EMENTA 2008/02)

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

EXTENSÃO DE DIREITOS AOS GRANDES PRIMATAS O HABEAS CORPUS DE SUÍÇA

EXTENSÃO DE DIREITOS AOS GRANDES PRIMATAS O HABEAS CORPUS DE SUÍÇA EXTENSÃO DE DIREITOS AOS GRANDES PRIMATAS O HABEAS CORPUS DE SUÍÇA Charles Darwin 1859 Origem das espécies Princípio da Continuidade Física e Mental entre os animais 1871 A origem do Homem 1872 - A expressão

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL

PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO UM DIREITO FUNDAMENTAL Fernando Souza OLIVEIRA 1 Pedro Anderson da SILVA 2 RESUMO Princípio do Desenvolvimento Sustentável como um direito e garantia fundamental,

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

Direito Empresarial A figura do empresário

Direito Empresarial A figura do empresário Direito Empresarial A figura do empresário Olá. Como estão?! Hoje trataremos sobre um tema interessantíssimo (e básico) no direito empresarial. Falaremos sobre a figura do empresário. Vamos brincar? Boa

Leia mais

A PROTEÇÃO INTEGRAL DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES VÍTIMAS.

A PROTEÇÃO INTEGRAL DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES VÍTIMAS. 1 A PROTEÇÃO INTEGRAL DAS CRIANÇAS E DOS ADOLESCENTES VÍTIMAS. GRUPO TEMÁTICO: Direito à cultur a e ao lazer, e direito à liberdade, dignidade, respeito e diversidade cultur al. LUIZ ANTONIO MIGUEL FERREIRA

Leia mais

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins)

*PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) CÂMARA DOS DEPUTADOS *PROJETO DE LEI N.º 2.431, DE 2015 (Da Sra. Luizianne Lins) Dispõe sobre o patrimônio público digital institucional inserido na rede mundial de computadores e dá outras providências.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

QUESTÕES E MITOS SOBRE O PROJETO DE LEI 6602/13

QUESTÕES E MITOS SOBRE O PROJETO DE LEI 6602/13 QUESTÕES E S SOBRE O PROJETO DE LEI 6602/13 QUE REGULAMENTA OS EXPERIMENTOS COM ANIMAIS PARA FINS COSMÉTICOS GERANDO UM ENORME RETROCESSO ÀS CONQUISTAS OBTIDAS NA LEGISLAÇÃO JÁ EM VIGOR De acordo com nossa

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2012

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2012 14472273 ANA CARLA MELO VALADÃO Colocada em 0911 14595437 ANA ISABEL TERRA SILVA Colocada em 3101 9084 14541457 ANA MARIA DE SOUSA MARTINS Colocada em 7220 8149 14314779 ANDRÉ ALVES HOMEM Colocado em 0130

Leia mais

Curso Avançado de Marcas

Curso Avançado de Marcas A proteção às marcas e aos demais sinais distintivos na legislação brasileira, na legislação comparada e nos tratados internacionais Nível Avançado 1º Semestre de 2009 Coordenação: Advs. Ricardo Fonseca

Leia mais

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO Palavras-chaves: Controle. E-mail. Empregado. Matheus Diego do NASCIMENTO

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL

PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL Pernambuco, 2012 PACTO PELA VIDA ANIMAL REDE DE DEFESA ANIMAL DOCUMENTO DE TRABALHO Sobre um Plano de Ação relativo à Proteção e ao Bem-Estar dos Animais 2012-2015 Base estratégica das ações propostas

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA

A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA A PEQUENA EMPRESA E A TEORIA DA FLEXIBILIZAÇÃO DIFERENCIADA Renato Rua de Almeida Advogado trabalhista; professor de direito do trabalho da faculdade de direito da pontifícia Universidade católica de São

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira dos Santos, Pedro Teófilo de Sá

Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira dos Santos, Pedro Teófilo de Sá Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 409 ASPECTOS DAS SOCIEDADES ANÔNIMA E LIMITADA Amanda dos Santos Saraiva, Júlio César Campioni Lima, Tatiana Vieira

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

A LIMTAÇÃO AOS CRÉDITOS TRABALHISTAS NA NOVA LEI DE FALÊNCIAS E O PRINCÍPIO DA ISONOMIA

A LIMTAÇÃO AOS CRÉDITOS TRABALHISTAS NA NOVA LEI DE FALÊNCIAS E O PRINCÍPIO DA ISONOMIA A LIMTAÇÃO AOS CRÉDITOS TRABALHISTAS NA NOVA LEI DE FALÊNCIAS E O PRINCÍPIO DA ISONOMIA João Glicério de Oliveira Filho * SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Limitação aos créditos trabalhistas na falência; 3.

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

CONVÊNIO DE ADESÃO QUE CELEBRAM

CONVÊNIO DE ADESÃO QUE CELEBRAM Aprovado pela Portaria DITEC/PREVIC/MPS nº 44, de 31 de janeiro de 2013. (publicada no DOU nº 24, de 04 de fevereiro de 2013, Seção 1, Página 50) CONVÊNIO DE ADESÃO QUE CELEBRAM A UNIÃO E A FUNDAÇÃO DE

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de advogados devidamente registrada da Ordem dos Advogados do Brasil sob o nº 15.196, e atual nos mais variados ramos do direito, com atuação preventiva e contenciosa

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE DIREITO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO CURSO DIREITO DISCIPLINA DIREITO EMPRESARIAL IV PROFESSOR Ms. TATYANE KAREN DA SILVA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO NÚCLEO DE PESQUISA JURÍDICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO NÚCLEO DE PESQUISA JURÍDICA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO NÚCLEO DE PESQUISA JURÍDICA EDITAL DE SELEÇÃO 01/2010 PARA PROVIMENTO DE VAGAS AOS DISCENTES NOS GRUPOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenação do Curso de Direito e a

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 2011.02 3º PERÍODO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 2011.02 3º PERÍODO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 2011.02 3º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA, CULTURA E INSTITUIÇÃO DO DIREITO História do direito no Brasil Colônia. História do direito no Brasil Império.

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM A SOCIEDADE SIMPLES PABLO ROGER DE ANDRADE Administração 6º período Disciplina Direito Empresarial Professor Douglas BETIM 2010 A luta pela existência é a lei suprema de

Leia mais

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada 18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada Texto elaborado em 30.04.2010 Sumário 1. Introdução 2. Capacidade de ser sócio 3. Impedimentos 4. Impedimentos para

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Direitos e Deveres do Cidadão - 2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Direitos e Deveres do Cidadão - 2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Direitos e Deveres do Cidadão - 2013 Todos os seres humanos nascem com direitos. MAS para terem validade, os direitos de uma pessoa têm de ser respeitados pelas

Leia mais

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de advogados voltada para os mais variados ramos do direito, com atuação preventiva e contenciosa em todo o território nacional. Sociedade nascida da união de profissionais

Leia mais

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com

Direito Ambiental Constitucional. Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Direito Ambiental Constitucional Andrei Ferreira Fredes E-mail: andreiffredes@gmail.com Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO

A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A NECESSIDADE DE INSERÇÃO DA EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA (SOCIEDADE UNIPESSOAL) NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO A questão da aceitação, no direito brasileiro, da empresa individual

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores

Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores 1 Direitos laborais inespecíficos dos trabalhadores Renato Rua de Almeida (*) O Direito do Trabalho distinguiu-se do Direito Civil, porque, enquanto o Direito Civil regulou de forma igual e recíproca os

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Educação, Deficiência e Cidadania (*)

Educação, Deficiência e Cidadania (*) SEM REVISÃO Educação, Deficiência e Cidadania (*) Luiz Antonio Miguel Ferreira Promotor de Justiça SP 1. As Constituições do Brasil e o deficiente Segundo dados da ONU, cerca de 10% da população é constituída

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja,

A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, A Sra. ALMERINDA DE CARVALHO (PMDB-RJ) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, mais uma vez, a Igreja, por intermédio da CNBB, com a Campanha da Fraternidade de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: ( ) CAPÍTULO VII DISPOSIÇÕES PENAIS Seção I Dos Crimes em

Leia mais

Daniel Nunes Pereira

Daniel Nunes Pereira -Excelentíssimos vereadores e vereadoras -Excelentíssimos comendadores e comendadeiras -Excelentíssimos secretários e demais autoridades presentes -Imprensa que democraticamente acompanha diariamente os

Leia mais

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS

Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro AASSIJUR Fundada em 13 de maio de 1963 RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS RIO DE JANEIRO - ASSISTENTES JURÍDICOS Para incluir no site da ABRAP A Associação dos Assistentes Jurídicos do Estado do Rio de Janeiro -, com sede própria localizada na Travessa do Ouvidor n 8, 3 andar,

Leia mais

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal

Nota Técnica. Contra a Redução da Maioridade Penal Nota Técnica Contra a Redução da Maioridade Penal A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, por meio do Núcleo Especializado de Infância e Juventude, diante da missão de exercer a defesa dos interesses

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

Revista Liberdades n 07 - maio-agosto de 2011

Revista Liberdades n 07 - maio-agosto de 2011 ISSN 2175-5280 Revista Liberdades n 07 - maio-agosto de 2011 ISSN 2175-5280 EXPEDIENTE Instituto Brasileiro de Ciências Criminais DIRETORIA DA GESTÃO 2011/2012 Presidente: Marta Saad 1º Vice-Presidente:

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais