FACULDADE DE PARÁ DE MINAS - FAPAM Curso de Direito. Marcos Flávio Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE PARÁ DE MINAS - FAPAM Curso de Direito. Marcos Flávio Carvalho"

Transcrição

1 FACULDADE DE PARÁ DE MINAS - FAPAM Curso de Direito Marcos Flávio Carvalho REPERCUSSÕES JURÍDICAS NO CONTRATO ELETRÔNICO SOB A ÒTICA DO ADQUIRENTE DO PRODUTO OU SERVIÇO Pará de Minas 2010

2 Marcos Flávio Carvalho REPERCUSSÕES JURÍDICAS NO CONTRATO ELETRÔNICO SOB A ÒTICA DO ADQUIRENTE DO PRODUTO OU SERVIÇO Monografia apresentada à Coordenação do curso de Direito da Faculdade de Pará de Minas, como requisito parcial para a conclusão do Curso de Direito. Orientadora: Ana Paula Santos Diniz Pará de Minas 2010

3 Marcos Flávio Carvalho REPERCUSSÕES JURÍDICAS NO CONTRATO ELETRÔNICO SOB A ÒTICA DO ADQUIRENTE DO PRODUTO OU SERVIÇO Monografia apresentada à Coordenação do curso de Direito da Faculdade de Pará de Minas, como requisito parcial para a conclusão do Curso de Direito. Aprovado em / / Ana Paula Santos Diniz Ronaldo Galvão Alexandre Rodrigues Atheniense

4 Agradeço a Deus por estar presente em todos os momentos, principalmente os mais difíceis; Aos meus pais, por estarem sempre me apoiando, com carinho e atenção; A minha namorada, pela paciência durante os momentos de elaboração deste trabalho; A minha orientadora, Ana Paula Santos Diniz, por ter me encorajado neste tema, apoiado e dedicado seu tempo, sempre buscando o meu sucesso; Ao meu professor e examinador Ronaldo Galvão, pelo incentivo, companheirismo e dedicação; Ao meu examinador Alexandre Rodrigues Atheniense, pela sua disposição, preocupação e atenção; Aos meus amigos e colegas de sala, pessoas que não mediram esforços para me ajudar neste trabalho.

5 Dedico este trabalho a todos os juristas e estudantes do direito, que buscam formas para aprimorar e adaptar o direito no Mundo Virtual.

6 O mundo está se movendo tão rápido ultimamente que, aquele que diz que algo não pode ser feito é, geralmente, interrompido por alguém fazendo-o. (Elbert Hubbard)

7 RESUMO O presente trabalho tem como problemática principal o estudo da aplicabilidade das normas brasileiras de responsabilidade civil nos Contratos Eletrônicos. A justificativa reside no fato em que, com a Globalização, desenvolvimento da tecnologia e, principalmente, com o acesso facilitado à Internet, houve o aumento da realização desse tipo de contrato. Com isso, a dificuldade em solucionar determinadas demandas decorrentes da inadimplência de obrigações dele advindas. Nota-se, portanto a constante necessidade de adequação do Direito às situações emergentes e ainda não previstas no ordenamento jurídico pátrio. Nesse sentido, o trabalho explica as bases históricas e doutrinárias do contrato eletrônico, como também, apresenta definições e conceitos de termos técnicos específicos referentes ao tema desta pesquisa, qual seja REPERCUSSÕES JURÍDICAS NO CONTRATO ELETRÔNICO SOB A ÒTICA DO ADQUIRENTE DO PRODUTO OU SERVIÇO. Para tanto, foram realizados estudos sobre os princípios que incidem sobre o tema, como a legislação existente atualmente. Para alcançar os objetivos pretendidos, foi feita uma pesquisa descritiva e explicativa, utilizando-se da revisão bibliográfica. O resultado ao qual se chegou foi que, os contratos eletrônicos, apesar de suas especificidades, não deixam de ser submetidos aos princípios gerais do direito e muito menos àqueles garantidores dos direitos consumeristas e à eficácia horizontal dos direitos fundamentais. Palavras chave: Contratos; Contratos Eletrônicos.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ASPECTOS HISTORICOS DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS ANTECEDENTES HISTÓRICOS DOS CONTRATOS A INTERNET E SEU SURGIMENTO DOS PRINCÍPIOS JURÍDICOS APLICÁVEIS AOS CONTRATOS ELETRÔNICOS PRINCÍPIO DA EQUIVALÊNCIA FUNCIONAL DOS ATOS JURÍDICOS PRODUZIDOS POR MEIOS ELETRÔNICOS PRINCÍPIO DA NEUTRALIDADE TECNOLÓGICA DAS DISPOSIÇÕES REGULADORAS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO PRINCÍPIO DA INALTERABILIDADE DO DIREITO EXISTENTE SOBRE OBRIGAÇÕES E CONTRATOS PRINCÍPIO DA BOA-FÉ PRINCÍPIO DA AUTONOMIA PRIVADA CONTRATOS ELETRÔNICOS E SEU CONCEITO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS CONTRATOS ELETRÔNICOS LEI MODELO DA UNCITRAL SOBRE O COMERCIO ELETRÔNICO O que é a UNCITRAL e seu Mandato Composição e Estado Membros Lei Modelo da UNCITRAL Sobre o Comércio Eletrônico CÓDIGO CIVIL E O CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Carta de Princípios do Comercio Eletrônico Diretrizes do Comércio Eletrônico PROBLEMAS ORIUNDOS DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS, DIVERGÊNCIAS E POSSIVEIS SOLUÇÕES PAGAMENTO FALTA DE INFORMAÇÃO DOS CONSUMIDORES E O DIREITO DE ARREPENDIMENTO SITES DE LEILÕES E SUA RESPONSABILIDADE DIFICULDADES PARA SE IDENTIFICAR A OUTRA PARTE E POSSÍVEIS SOLUÇÕES ASSINATURA DIGITAL, CRIPTOGRAFIA E O CERTIFICADO DIGITAL CONSIDERAÇÕES FINAIS...49 REFERÊNCIAS...51 ANEXO I ETAPAS PARA SE OBTER OS DADOS DO RESPONSÁVEL POR UM DOMÍNIO OU SITE NA INTERNET...55 ANEXO II PROJETO DE LEI Nº DE ANEXO III DIRETRIZES DO COMERCIO ELETRÔNICO...63 ANEXO IV CARTA DE PRINCÍPIOS DO COMERCIO ELETRÔNICO...68 ANEXO V LEI MODELO DA UNCITRAL SOBRE COMERCIO ELETRÔNICO...83 ANEXO VI MEDIDA PROVISÓRIA DE 24 DE AGOSTO DE ANEXO VII PROJETO DE LEI Nº DE ANEXO VIII DECISÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MINAS GERAIS...110

9 8 1 INTRODUÇÃO Inicialmente, deve-se destacar que este trabalho é o desenvolvimento de um projeto de pesquisa do curso de graduação, sob forma de monografia. Assim, é um documento que representará o resultado de um estudo caracterizado pela não pretensão de esgotar o tema em sua verticalidade, mas, tão-somente, preencher determinadas lacunas, muitas vezes, deixadas por aqueles que escrevem sobre contratos. Sendo assim, a questão a ser estudada versa sobre a responsabilidade civil nos contratos eletrônicos, a norma a ser aplicada e os principais problemas relativos ao tema. Com o desenvolvimento da Internet e com avanço tecnológico as pessoas morais/jurídicas e naturais/físicas passaram a se tornar quase que dependentes dos computadores conectados à rede mundial de computadores, não somente para acompanhar tal evolução, mas, também, pela grande facilidade de comunicação, substituindo, muitas vezes, telefonemas, cartas, viagens e até deslocamento de pessoas. Como hoje é grande a facilidade de comunicação, houve um grande aumento de compras via Internet. Antes de tal evolução comprava-se sem ver o produto por meio de catálogos enviados aos clientes via correio que, quando chegavam às mãos do comprador, muitas vezes, os produtos estavam em estoque e, hoje, pelos sites, podem-se ver fotos dos produtos ou até mesmo simular cores e tamanhos. Com isso, a todo o momento, são celebrados contratos eletrônicos. São pessoas comprando via , via sites de vendas e em programas de comunicação instantânea. Pode-se conceituar estes contratos de várias formas, sendo que a mais abrangente das pesquisadas é a do Prof. Sandro Zumaran, (2010) que diz que os contratos eletrônicos são aqueles para cuja celebração, o homem se valha da tecnologia informática, podendo consistir seu objeto em obrigação de qualquer natureza. A definição mais simples para o contrato eletrônico é aquela que se usa para os contratos em sentido amplo, diferindo apenas, no tocante à forma de sua efetivação, que vem a ser por meio eletrônico. Apesar da grande facilidade do mundo virtual, muitas pessoas já se deparam com a desagradável surpresa de uma das partes não cumprir a sua obrigação no contrato celebrado eletronicamente. Como em qualquer outra obrigação, nesta espécie, também pode ocorrer o inadimplemento ou o vício no produto ou serviço. Existem outras dificuldades enfrentadas no campo da contratação eletrônica como, por exemplo, a falta de uma legislação adequada e

10 9 específica, pois está-se vivendo praticamente em um vazio legal sobre o assunto, em que existe uma grande lacuna na legislação sobre o tema especificamente. Diante das conseqüências advindas das várias espécies de inadimplemento, levanta-se neste trabalho a seguinte problemática: quais as normas aplicáveis? Quais são os principais problemas e as possíveis soluções? Este trabalho demonstrará como proceder em tais situações, informando direitos e deveres das partes do contrato, como elas devem agir, quem procurar, onde procurar e até mesmo como se identificar. Nesse sentido, o trabalho encontra-se estruturado em seis principais capítulos, os quais foram divididos em introdução, aspectos históricos dos contratos eletrônicos, dos princípios jurídicos aplicáveis aos contratos eletrônicos, contratos eletrônicos e seu conceito, legislação aplicável aos contratos eletrônicos e problemas oriundos dos contratos eletrônicos, divergências e possíveis soluções.

11 10 2 ASPECTOS HISTORICOS DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS 2.1 Antecedentes Históricos dos Contratos É importante ressaltar que o termo contrato recebe várias conceituações a depender do autor e do tempo em que ele é estudado e analisado. Nesse sentido deve ser destacado que o autor Sílvio de Salvo Venosa (2007) entende que a palavra contractus significa unir, contrair, conceito o qual tem grande relevância para esta pesquisa. No entanto, no Direito Romano, havia outros termos para finalidades semelhante em que se usava Convenção, de conventio, que provém de cum venire, que quer dizer vir junto e o Pacto que provém de pacis si, que quer dizer estar de acordo.(venosa, 2007) Com relação à evolução histórica, sabe-se que existe contrato desde a época mais remota, tanto que o contrato, a convenção e o pacto foram conhecidos no Direito Romano em que os contratos como todos os atos jurídicos tinham caráter rigoroso e sacramental. As formas tinham que ser obedecidas, ainda que não expressassem exatamente a vontade das partes. Venosa também traz em sua obra que: Afora os contratos formais, em época posterior passaram a ser conhecidas outras figuras: os contratos reais (depósito, comodato, mútuo e penhor) e os consensuais (venda, arrendamento, mandato e sociedade). Posteriormente, na historia romana, foram sendo reconhecidos outros pactos, que se utilizavam para certos negócios. (VENOSA, 2007, p. 335). Feitas essas citações exemplificativas, o importante aqui é registrar que o contrato objeto desta pesquisa teve seu maior destaque a partir do grande avanço tecnológico, desenvolvimento da Internet e popularização da mesma a qual será tratada no próximo tópico. 2.2 A Internet e Seu Surgimento Segundo Liliana Minardi Paesani (2008), a Internet surgiu quando o Departamento de defesa norte-americano, em 1969, confiou a Rand Corporation desenvolver um sistema de telecomunicações que interligasse várias cidades de forma que se uma cidade sofresse um

12 11 ataque nuclear o comando dos Estados Unidos não parasse sua comunicação. Este fato permitiu que fossem desenvolvidas pequenas redes LAN posicionadas em pontos estratégicos de forma que quando um ponto fosse atingido os remanescentes continuassem se comunicando. Em 1973, Vinton Cerf, do Departamento de pesquisa avançada da Universidade da Califórnia, registrou o Protocolo de Controle da Transmissão/Protocolo Internet (Protocolo TCP/IP), com isso, diversos networks incompatíveis puderam se comunicar. Com o Protocolo TCP/IP, a Internet se popularizou, aumentando rapidamente o número de usuários conectados à rede. Paesani ensina que a Internet surgiu no auge do processo do processo de barateamento das comunicações, ocorrido ao longo do século XX, e o usufruto desse beneficio saltou de 140 milhões de usuários, em 1998, para mais de 800 milhões nos anos seguintes.(2008, p.11)

13 12 3 DOS PRINCÍPIOS JURÍDICOS APLICÁVEIS AOS CONTRATOS ELETRÔNICOS Considerando a importância dos princípios jurídicos, é oportuno que se inicie o estudo de um instituto jurídico sempre deve começar pelos princípios que o regem, e nesse sentido Jorge José Lawand (2003) entende que os princípios são utilizados pelos juízes ao solucionar os conflitos, pelo legislador quando vai redigir as leis, pelos juristas para elaborarem as suas teorias e pelos operadores do direito para atuar sobre ele. Os princípios aplicáveis aos contratos eletrônicos são todos aqueles que regem os contratos tradicionais, Silvio de Salvo Venosa afirma que: Por aí vemos como estão distantes os princípios clássicos de direito contratual. No entanto, tal não afasta os princípios fundamentais até aqui estudados. A automatização do contrato não inibe nem dilui os princípios de boa fé, relatividade das convenções e obrigatoriedades e intangibilidade das clausulas. As regras de investigação interpretativa é que devem ser diversas. O elemento objetivo do contrato, em se tratando em contrato de massa ganha proeminência sobre o elemento subjetivo. O exame do contrato, nessa hipótese, aproxima-se do inconsciente coletivo. Parece correto dizer que estes contratos existe uma abstração das atitudes psíquicas de seus autores.(venosa, 2001, p.341 e 342) Dentre os princípios tradicionais, existem alguns que se destacam mais, os quais serão objetos de estudos em seções específicas. 3.1 Princípio Da Equivalência Funcional Dos Atos Jurídicos Produzidos Por Meios Eletrônicos Para Jorge José Lawand, (2003), o primeiro princípio fundamental que rege a disciplina dos contratos eletrônicos é o que veda qualquer espécie de diferenciação entre os contratos clássicos - produzidos em papel e reconhecida a sua legitimidade por um tabelionato de notas - e os contratos efetivados por meio eletrônico, em especial pela Internet. Este princípio visa impedir qualquer espécie de tratamento desigual com relação ao que consta da rede mundial de computadores. Fabio Ulhoa Coelho traz em sua obra que: O princípio da equivalência funcional é o argumento mais genérico e básico da tecnologia jurídica dos contratos virtuais. Afirma que o registro em meio magnético cumpre as mesmas funções do papel. Assim, as certezas e incertezas que podem

14 13 exsurgir do contrato-e não são diferentes das do contrato-p.(coelho, 2001, p. 39). Jorge José Lawand (2003) cita ainda que, em um contexto liberal, afirma-se que o Estado deve ser neutro e não ditar normas discriminatórias. As manifestações de vontade surgidas do ambiente virtual, ou seja, todas as contratações feitas pela Internet devem ser respeitadas pelas partes e pelos tribunais. 3.2 Princípio Da Neutralidade Tecnológica Das Disposições Reguladoras Do Comércio Eletrônico Como o avanço tecnológico é bem dinâmico, torna-se difícil uma regulamentação adequada de todas as hipóteses, sem falar no problema relativo especificamente a mudança da tecnologia, tal problema que foi solucionado com a adoção nesta matéria do princípio da neutralidade tecnológica. Segundo Jorge José Lawand, (2003) o Princípio da Neutralidade Tecnológica das Disposições Reguladoras do Comércio Eletrônico dispõe que as leis disciplinadoras do comércio eletrônico devem sempre estar à frente da tecnologia existente no momento de sua entrada em vigor, para que não seja submetida às modificações ou torne-se obstáculo para o desenvolvimento de nova tecnologia. Confirmando essa afirmação, o autor entende que a utilização da tecnologia na vida das pessoas pode, em pouco tempo, tornar-se obsoleta, daí a necessidade das legislações não se referirem a meios eletrônicos, ópticos ou qualquer outra tecnologia. (LAWAND, 2003, p. 45) Sendo assim, isto revela o fato de que as normas disciplinadoras do comércio eletrônico abarcarão, não somente a tecnologia existente no momento em que foram promulgadas, mas, também, as futuras, sem necessidade de ser submetida a alguma espécie de modificação. 3.3 Princípio Da Inalterabilidade Do Direito Existente Sobre Obrigações E Contratos Jorge José Lawand, (2003), explica que esta diretriz refere-se ao fato de que as normas jurídicas introduzidas para disciplinar o comércio eletrônico, não implicarão uma modificação

15 14 substancial do direito vigente e disciplinador das obrigações e contratos, tanto formados no âmbito nacional ou internacional. Ele explica melhor quando afirma que: Trata-se de um postulado que parte da premissa mediante a qual a eletrônica é um novo suporte e meio de transmissão da vontade dos negociantes, e não um novo direito regulador das mesmas. Assim sendo, a regulamentação das relações obrigacionais elaboradas, executadas e consumadas por esta via não devem acarretar necessariamente uma mudança no direito preexistente que já baliza legalmente todos os contratos privados (LAWAND, 2003, p. 47). É importante entender que, a alteração não ocorre nas regras, mas no meio pelo qual o contrato é celebrado. Pode-se afirmar com base no que foi explicado, de que os elementos essenciais do negócio jurídico - consentimento e objeto, assim como suas manifestações e defeitos, além da própria tipologia contratual preexistente não sofrem alteração significativa quando o vínculo jurídico é estabelecido na esfera do comércio eletrônico, tampouco quando estes são internacionais. 3.4 Princípio Da Boa-Fé A boa-fé, princípio adotado nos contratos tradicionais, também foi adotada pela Lei Modelo da UNCITRAL, em seu art. 3.1, o qual dispõe que "na interpretação desta Lei, levarse-ão em consideração a sua origem internacional e a necessidade de promover a uniformidade de sua aplicação e a observância da boa-fé". (UNCITRAL, 97). Para Lawand, a boa-fé Trata-se de um postulado fundamental do comércio eletrônico, haja vista o imperativo de confiabilidade, correção e lealdade que as relações eletrônicas demandam. Essencialmente a boa-fé significa a ausência de vontade de agredir um direito alheio. (2003, p. 47). É importante ressaltar que a boa-fé garante a possibilidade das partes procederem à revisão dos negócios jurídicos, tendo em vista a cláusula rebus sic stantibus e mais recentemente a teoria da onerosidade excessiva, consistindo na possibilidade de ser arguida qualquer espécie dos vícios do consentimento. A aplicação do art. 51 do Código de Defesa do Consumidor (BRASIL, 1990) confere a proteção contra cláusulas abusivas, entre outras decorrentes do referido princípio. Maria Helena Diniz explica que:

16 15 [...] intimamente ligado não só à interpretação do contrato pois, segundo ele, o sentido literal da linguagem não deverá prevalecer sobre a intenção inferida da declaração de vontade das partes mas também ao interesse social de segurança das relações jurídicas, uma vez que as partes deverão agir com lealdade e confiança recíprocas, isto é, proceder com boa fé. (DINIZ, 2000, p. 36). Em consonância com esse entendimento e para garantir a aplicação da boa-fé Jorge José Lawand ressalta que: A implicação mais relevante no tocante à adoção da boa-fé é quando à segurança que deve ser proporcionada aos contratos celebrados por meio da Internet, o que consequentemente exige a adoção de um sistema de criptografia, que irá conceder integridade para a mensagem de dados, a qual será transmitida de modo intelegível, somente podendo ser decodificado pelo destinatário que possua a chave para tanto. (LAWAND, 2003, p. 47). 3.5 Princípio Da Autonomia Privada O Princípio da Autonomia Privada trata da ampla liberdade de contratação, fixando livremente regras concernentes aos seus interesses, desde que não seja contrária à ordem pública. Neste sentido Jorge José Lawand explica que: Faculta-se, portanto, ampla liberdade aos contratantes a fim de que concluam o seu negócio, dentro daquela diretriz traçada no direito privado moderno, no sentido de que tudo é permitido desde que não fira a ordem pública e os mais comezinhos princípios da moral e dos bons costumes que abarcam a sociedade. (LAWAND, 2003, p. 52). A liberdade de contratar nunca foi totalmente ilimitada, sempre esbarrando nos Princípios de ordem pública, devendo ser respeitados os bons costumes e atualmente a função social do contrato. Cezar Fiuza explica que a vontade livre de contratar é exercida em quatro esferas bem nítidas que são: 1º contratar ou não contratar, pois ninguém pode ser obrigado a contratar apesar de ser impossível uma pessoa viver sem celebrar contratos; 2º com quem e o que contratar, ou seja, as pessoas devem ser livres para escolher seu parceiro contratual e o objeto do contrato; 3º estabelecer as clausulas contratuais, respeitados os limites da lei; 4º mobilizar ou não o Poder Judiciário para fazer respeitar o contrato, que, uma vez celebrado, torna-se fonte formal do Direito. (FIUZA, 2001, p. 214).

17 16 Perceba que esta ideia está contida no art. 421 do Código Civil Brasileiro (BRASIL, 2002) A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Tendo em vista esta liberdade contratual prevista no ordenamento jurídico, pode-se concluir que as partes podem utilizar dos vários modelos contratuais previstos no ordenamento jurídico que são os contratos típicos ou nominados, e podendo até mesmo criar modalidades de contratos de acordo com suas necessidades formando assim os contratos atípicos ou inominados.

18 17 4 CONTRATOS ELETRÔNICOS E SEU CONCEITO A todo o momento celebram-se contratos, podendo-se dizer que seria quase que impossível uma pessoa viver hoje sem celebrar um contrato, principalmente quando se mora em grandes centros, e necessita-se de água, energia, telefone, transporte. Para o fornecimento destes serviços, torna se necessário celebrar contratos com o fornecedor. As formas de contratar e as suas características passaram por grandes modificações até chegar aos dias de hoje, configurando se às novas tendências de massificação do comércio e da indústria como modo de se tornarem mais eficazes os processos de venda e fornecimento de produtos e serviços. O avanço foi maior na área dos bens de consumo, segundo a e-bit, empresa de Pesquisa e Marketing on line, com a venda de livros, compact disk CD - e Digital Vídeo Disc - DVD -, em que um site web comercial logo no início alcançou um reconhecimento geral. Hoje, compra-se todo tipo de produto e serviço pela Internet. A compra pela Internet pode ser feita tanto pelo consumidor final, como pelo intermediário, como as empresas, em que o comércio eletrônico vem trazendo muitos benefícios no processo de vendas, logística e transações empresariais. A Internet tem se transformado em um vigoroso mecanismo para a redução do custo relacionado com a produção, execução de vendas, distribuição e aquisição. Os benefícios são incalculáveis, tanto para praticidade, como para velocidade da prestação do serviço ou entrega do produto. A todo o momento, pesquisa-se por produtos e filtra-se o resultado por preços, cores, características, modelo, opcionais. Uma vantagem a ser apontada é que essas pesquisas não sofrem limites geográficos, pois pode-se escolher por cidade, região, país ou até mesmo no mundo inteiro. A exposição do produto ou serviço dessa maneira reflete positivamente na economia das pequenas empresas, que passam a ter condições de expor equivalentemente às empresas de porte maior. Importa ressaltar a aquisição, pela Internet, de objetos intangíveis, que abrangem um grande percentual dos contratos eletrônicos, como por exemplo, músicas, trabalhos científicos, obras artísticas, e-book e serviços que, consequentemente, geram problemas decorrentes da propriedade intelectual. Além disso, há as questões relativas ao âmbito de eficácia dos direitos e pertinência das leis existentes, jurisdição, direito aplicável, validade dos

19 18 contratos e aplicação dos direitos, tornando-se mais complexas quando os produtos são intangíveis. Inclusive, deve deixar claro que, essas especificidades apontadas não são objeto desta pesquisa, sendo aqui mencionadas apenas a título de informação, vez que a sua omissão deixaria uma lacuna injustificada no trabalho e incompreensível ao leitor. Para que se possa entender o conceito de contrato eletrônico, é importante, antes, conceituar o contrato, o qual Pablo Stolze Gagliano e Rodolfo Pamplona Filho entendem como: [...] contrato é um negócio jurídico por meio do qual as partes declarantes, limitadas pelos princípios da função social e da boa-fé objetiva, aoutodiciplinam os efeitos patrimoniais que pretendem atingir, segundo a autonomia das próprias vontades. Não se poderá falar em contrato, de fato, sem que se tenha por sua pedra de toque a manifestação da vontade.(gagliano, FILHO, 2009, p. 11) Maria Helena Diniz, (2000), conceitua o contrato de uma forma mais simples de como sendo um acordo de duas ou mais vontades, na conformidade da ordem jurídica, destinado a estabelecer uma regulamentação, de interesse entre as partes, com escopo de adquirir, modificar ou extinguir relações jurídicas de natureza patrimonial. Jorge José Lawand, (2003), tem uma preciosa contribuição, ao afirmar que o desenvolvimento desta nova área de estudo requer a exploração de um conceito apropriado de contrato a fim de serem delimitados os seus contornos próprios, para possibilitar a interpretação e seu conteúdo bem como suas características. O conceito jurídico de contrato eletrônico é a diretriz primordial para a fixação das características do seu fenômeno jurídico, nada impedindo que muitas definições tradicionais sejam aplicadas aos contratos virtuais, pois a inovação está no meio pelo qual são realizados os acordos de vontade O contrato eletrônico deverá seguir as mesmas regras dos contratos tradicionais, todos os elementos essenciais devem ser seguidos, sendo que, para Jorge José Lawand, no contrato eletrônico o que muda é o veículo para a formação: Todos os requisitos previstos no Código Civil devem ser respeitados, mantendo-se o elemento nuclear, qual seja, o consenso entre as partes, ou melhor, a relação jurídica contratual fundada na manifestação de vontade. No mais existirá apenas um veículo diferente, através do qual se tornará perfectível o vínculo jurídico. (LAWAND, 2003, p. 87) É importante entender que o Contrato Eletrônico se difere dos demais no modo em que se materializa, vez que é celebrado por um meio eletrônico. No mais, aplicam-se todos aqueles princípios e regras dos contratos tradicionais no que for compatível.

20 19 No entendimento do Professor Sandro Zumaran (2010) os contratos eletrônicos são aqueles para cuja celebração o homem se valha da tecnologia informática podendo consistir seu objeto de obrigações de qualquer natureza. Cumpre assinalar o conceito de Jorge José Lawand, que entende que Contrato eletrônico é o negócio jurídico concretizado através da transmissão de mensagens eletrônicas pela Internet, entre duas ou mais pessoas, a fim de adquirir, modificar ou extinguir relações jurídicas de natureza patrimonial. (LAWAND, 2003, p. 87) Há autores que tratam o contrato eletrônico como comércio eletrônico, tendo em vista que o mesmo é celebrado por meio do comércio eletrônico. Entretanto, Fábio Ulhoa Coelho entende que Comércio eletrônico é a atividade comercial explorada através de contrato de compra e venda com a particularidade de ser este contrato celebrado em ambiente virtual, tendo por objetivo a transmissão de bens físicos ou virtuais e também serviços de qualquer natureza.(coelho, 2002, p. 32) Cláudia Lima Marques apresenta conceito diferente ao dizer: [...] comércio entre fornecedores e consumidores realizado através de contratações à distância, as quais são conduzidas por meios eletrônicos ( etc), por Internet (on line) ou por meios de telecomunicações de massa (telemarketing, TV, TV a cabo, etc.), sem a presença física simultânea dos dois contratantes no mesmo lugar (e sim à distância).(marques, 2002, p. 98) Luiz Henrique Ventura (2001) faz um a síntese conclusiva ao dizer que o comercio eletrônico é a operação que consiste em comprar e vender mercadorias ou prestar serviços por meio eletrônico. Tendo em vista todas estas considerações pode-se definir que Contrato Eletrônico é o acordo de vontades, celebrado ou executado por via eletrônica, que visa constituir, modificar, conservar ou extinguir direitos, sendo assim obrigando os respectivos acordantes.

21 20 5 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS CONTRATOS ELETRÔNICOS No Brasil, a legislação vigente se mostra inapta a resolver de forma completa e eficaz as demandas surgidas do Mundo Virtual, hoje há mais de sessenta e cinco Projetos de Lei tramitando no Congresso Nacional, segundo levantamento procedido pela Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, os quais visam fundamentalmente fixar normas jurídicas para as diferentes atividades na grande Rede de Computadores. Newton de Lucca cita enumerando os principais Projetos de Lei que estão em tramitação que são: n /1993, de autoria do então Senador Maurício Correa, regulando a garantia constitucional da inviolabilidade de dados, definindo os crimes praticados por meio do computador e alterando a Lei que dispõe sobre a propriedade intelectual de Programas de Computador e a sua comercialização no País ; n /1995, de autoria do deputado Ildemar Kussler, tratando sobre crimes oriundos da divulgação de material pornográfico através de computadores; n /1996, de autoria do Deputado Cassio Cunha Lima, referindo se sobre o acesso, a responsabilidade e os crimes cometidos nas redes interligadas de computadores; n /1996, de autoria do Deputado Jovair Arantes, disciplinando a elaboração, o arquivamento e o uso dos documentos eletrônicos; n.3.173/1997, de autoria do Senador Sebastião Rocha, que dispõe sobre documentos produzidos e arquivados em meio eletrônico; n /1997, de autoria da Deputada Célia Mendes, disciplinando a divulgação em redes de computadores, de cenas de sexo que envolvam menores de idade; n. 234/1996, de autoria do Senador Júlio Campos, definindo crimes contra a inviolabilidade de comunicação de dados de computador e n. 84/1999, de autoria do Deputado Luiz Piauhylino, prevendo sete modalidades de delitos: dano a dado programa de computador; acesso indevido ou não autorizado; alteração de senha ou mecanismo de acesso a programa de computador ou dados; obtenção indevida ou não autorizada de dado ou instrução de computador; violação de segredo armazenado em computador ou meio de natureza magnética, óptica ou similar; criação, desenvolvimento ou inserção em computador de dados ou programas com fins nocivos e, ainda, a veiculação de pornografia através da rede de computadores. (LUCCA, 2001, p. 66 e 67) Tendo em vista que a maioria destes projetos de Lei não tem correlação direta com o tema contratos eletrônicos, a atenção especial será focada ao Projeto de lei a ser tomado como standart sobre o assunto que é a Lei Modelo da UNCITRAL (ANEXO V) sobre Comércio Eletrônico de 1996 que contém um plano abrangente no sentido de ser aplicável e compatível com diversos sistemas normativos, os quais serão tratados adiante. 5.3 Lei Modelo da UNCITRAL Sobre o Comercio Eletrônico

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET O Ministério da Justiça divulgou na sexta-feira (20/8), durante a 65ª reunião do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), um documento com as diretrizes

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Escola Nacional de Defesa do Consumidor Oficina Desafios da Sociedade da Informação: comércio eletrônico

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista

E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista E-COMMERCE: implicações jurídicas das relações virtuais * : entrevista RUY ROSADO DE AGUIAR JÚNIOR** Ministro do Superior Tribunal de Justiça O Ministro Ruy Rosado de Aguiar, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

Pergunta do professor - Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica?

Pergunta do professor - Qual a diferença entre interceptação telefônica e escuta telefônica? Universidade de Brasília UnB Faculdade de Direito Direito Administrativo 3 Turno: Noturno Grupo 3: Eliane Regis de Abreu 10/0099475 Isabel Rocha 10/0105432 Luisa Mendes Lara 10/0112781 Matheus Coelho 10/0115829

Leia mais

VALIDADE JURÍDICA DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS

VALIDADE JURÍDICA DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS VALIDADE JURÍDICA DOS CONTRATOS ELETRÔNICOS RESUMO Aline Cardoso Sanches O comércio eletrônico, utilizando-se dos recursos da informática e das telecomunicações, tem proliferado em escala mundial, aproveitando-se

Leia mais

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX

Resumo executivo. Metodologia. versus RESUMO EXECUTIVO DO EMC PRIVACY INDEX Privacidade versus Conveniência Resumo executivo As manchetes sobre privacidade na Internet estão fomentando um debate sobre quanto de acesso governos e empresas devem ter a atividades, comunicações e

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE PROTECÇÃO MÚTUA DE MATÉRIAS CLASSIFICADAS. Decreto n.º 13/2005 Acordo entre a República Portuguesa e a República Federal da Alemanha sobre Protecção Mútua de Matérias Classificadas, assinado em Lisboa em 22 de Dezembro de 2004 Atendendo ao desenvolvimento

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO

CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO CONFIANET CERTIFICAÇÕES S.A. INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE USO DE SOFTWARE DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE COMERCIAL CONDIÇÕES GERAIS DO CONTRATO O presente instrumento faz parte

Leia mais

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual

Arts. 269 e 270 Teoria da Aparência. Arts. 272 e 273 Revisão Contratual Novo Código Comercial Livro III Das obrigações dos empresários Cibele Frandulic Shimono Guilherme Setoguti J. Pereira Luiz Rafael de Vargas Maluf Rafael Villac Vicente de Carvalho 22 de novembro de 2011

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas

PL 5196/2013. Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas PL 5196/2013 Acrescer Capítulo VIII ao Título Ido Código de Defesa do Consumidor: Das Medidas Corretivas Medidas Corretivas: natureza jurídica. [redação original do PL] Art. 60-A. Sem prejuízo da sanções

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

MENSALIDADES ESCOLARES

MENSALIDADES ESCOLARES MENSALIDADES ESCOLARES O aumento das mensalidades escolares deve obedecer a algum parâmetro legal? O assunto mensalidades escolares é regulado pela Lei 9870, de 23 de novembro de 1999. Esta Lei, dentre

Leia mais

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida

Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida Práticas e Intervenção em Qualidade de Vida Capítulo 8 Documento Eletrônico e Assinatura Digital: Inovação Tecnológica no Direito Brasileiro e os Benefícios à Qualidade de Vida MARCO ANTONIO BETTINE DE

Leia mais

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL

UNIÃO POSTAL UNIVERSAL UPU UNIÃO POSTAL UNIVERSAL CEP C 3 2014.1 Doc 12 CONSELHO DE OPERAÇÕES POSTAIS Comissão 3 (Serviços Físicos) Grupo «Avaliação e Melhoria da Qualidade do Serviço de Encomendas Postais» Relatório do Presidente

Leia mais

Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em

Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Convenção sobre o Combate da Corrupção de Funcionários Públicos Estrangeiros em Transações Comerciais Internacionais Preâmbulo As Partes, Considerando que a corrupção é um fenômeno difundido nas Transações

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

CONTRATOS ELETRÔNICOS

CONTRATOS ELETRÔNICOS CONTRATOS ELETRÔNICOS Ligia Lílian Vergo VEDOVATE 1 Resumo: O presente artigo tem como finalidade analisar a contratação via Internet é um dos temas mais relevantes na seara jurídica contemporânea. A World

Leia mais

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família.

CONHEÇA A ADT. A empresa que protege seus bens e sua família. CONHEÇA A ADT A empresa que protege seus bens e sua família. NOSSA EMPRESA MAIOR EMPRESA ESPECIALIZADA EM SEGURANÇA E INCÊNDIO A ADT pertence à Tyco, a maior empresa de segurança e incêndio do mundo, com

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL

CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL CISG-Brasil.net entrevista LUCA CASTELLANI, consultor jurídico do Secretariado da UNCITRAL Luca G. Castellani é Consultor Jurídico do Secretariado da Comissão das Nações Unidas para o Direito Mercantil

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Projeto de Lei do Senado/Câmara n o de CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Seção I - Da Mediação Judicial

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Módulo Logística Integrada. Questões. Legislação. Prof. Mardônio da Silva Girão

Módulo Logística Integrada. Questões. Legislação. Prof. Mardônio da Silva Girão Módulo Logística Integrada 1. A logística e os contratos empresariais 2. Os contratos eletrônicos 3. A logística e o direito internacional 4. Os contratos internacionais 5. Aspectos da tributação Prof.

Leia mais

TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME

TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME TERMO DE USO DO PORTAL SEU PET COM SOBRENOME O respectivo Termo de Uso tem como objetivo regrar a utilização pelos usuários do Portal SEU PET COM SOBRENOME, localizado pelo endereço eletrônico http://www.seupetcomsobrenome.com.br,

Leia mais

OBRIGAÇÕES DAS PARTES

OBRIGAÇÕES DAS PARTES CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, DE CRIAÇÃO E HOSPEDAGEM DE WEB SITE Pelo presente instrumento particular, de um lado: TAKESTORE desenvolvimento e hospedagem, denominada contratada, pessoa jurídica de

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves comentários aos contratos eletrônicos Alessandro Fonseca* Conceito e Contratação nos dias atuais Conceito de contrato eletrônico Antes de abordar o conceito de contrato eletrônico,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET?

O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? O QUE MUDA NA SUA NAVEGAÇÃO COM O MARCO CIVIL DA INTERNET? Redação e revisão Camila Marques, Laura Tresca, Luiz Alberto Perin Filho, Mariana Rielli

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. JOÃO DADO) Altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, dispondo sobre a fiscalização remota das redes e serviços de telecomunicações de interesse coletivo. O Congresso

Leia mais

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO

Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Comentários relacionados ao anteprojeto de lei brasileiro sobre manipulação de dados pessoais INTRODUÇÃO Estamos muito próximos da próxima revolução tecnológica. O setor de TIC está se expandindo para

Leia mais

Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes:

Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes: Senhor Ministro PAULO DE TARSO SANSEVERINO, demais presentes: Inicio esta minha intervenção cumprimentando Vossa Excelência pela convocação desta audiência pública. Com esta iniciativa, Vossa Excelência

Leia mais

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB

1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB 1. Política de Privacidade e Confidencialidade do PAG CENTERCOB Estas políticas de privacidade (as "Políticas de Privacidade") entrarão em vigor desde sua aceitação para os usuários do S.C.A Serviço de

Leia mais

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera.

Portanto seremos obrigados a adaptar ou elaborar legislações, e isso há de ser agora, pois a evolução da informática é extraordinária e não espera. 1 Títulos de Crédito em face da Revolução Eletrônica Karine Paola Vasconcelos Costa,aluna do curso de Direito-manhã, 5º período,do Centro Universitário Newton Paiva. Diante a banalização da ciência da

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. DESPACHO 2009 N O Projeto de Lei nº 2/2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor do Projeto: Poder Executivo SUBSTITUTIVO Nº 1 /2009 Estabelece

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.111, DE 2011 (Do Sr. Carlos Bezerra) Obriga a apresentação de documento de identidade do titular de cartão de crédito ou débito, ou de seu dependente, conforme

Leia mais

A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PELA INTERNET NO BRASIL

A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PELA INTERNET NO BRASIL A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PELA INTERNET NO BRASIL Autor: Fábio Martins Ferreira OAB-DF nº 38.370 www.fmferreira.adv.br Ultimamente temos visto uma forte

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br.

Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. Eu Amo Hotel Fazenda LTDA v01 Estes termos gerais de prestação são parte integrante do Contrato do Hotel celebrado entre um Meio de Hospedagem e o Euamohotelfazenda.com.br. DEFINIÇÕES Além dos termos definidos

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 19-23 de junho de 2006 Tema 6.2 da agenda provisória CE138/25 (Port.) 8 de junho

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA - PROTOCOLO DE LAS LEÑAS - Os Governos da República Argentina, da República Federativa do Brasil,

Leia mais

Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website

Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website Termo de Uso e Política de Confidencialidade Acesso ao Website Ao acessar este website e quaisquer de suas páginas, você estará aceitando seus termos e condições de uso. Este website e os produtos através

Leia mais

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário. 2. Acesso e Utilização dos Serviços

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário. 2. Acesso e Utilização dos Serviços Termo de Uso O respectivo Termo de Uso (doravante, Termo de Uso ) tem como objetivo regrar a utilização pelos usuários de Internet (doravante, Usuário ) do Site BlenderWeb, localizado pelo endereço eletrônico

Leia mais

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11

O Código de Defesa do Consumidor 7. Como ser um consumidor bem informado? 8. O que é relação de consumo? 10. Conheça os seus direitos 11 SUMÁRIO O Código de Defesa do Consumidor 7 Como ser um consumidor bem informado? 8 O que é relação de consumo? 10 Conheça os seus direitos 11 Prazos para reclamar 17 O que é cadastro 19 Dicas importantes

Leia mais

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário

Termo de Uso. 1. Aceitação do Termo de Uso pelo Usuário Termo de Uso O respectivo Termo de Uso, objetiva determinar a utilização pelo Usuário do portal FUTMUNDI, localizado pelo endereço eletrônico http://www.futmundi.com, de titularidade FUTMUNDI Entretenimento

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS)

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS) MERCOSUL/CMC/DEC. N 05/92 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA (PR. DE LAS LEÑAS) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção assinado

Leia mais

Respostas do Grupo 4:

Respostas do Grupo 4: Respostas do Grupo 4: Resposta ao Grupo 1: Questão: É possível a garantia de neutralidade de redes ser concretizada para além da obrigatoriedade da interconexão,regulamentada, nos termos do artigo 146

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões

5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões 5º Seminário: Construindo caminhos para o Desenvolvimento Sustentável das Autogestões A crise do princípio da legalidade: a Lei nº 9.656/98 está vigindo? Os juízes podem deixar de observá-la, com fundamento

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Reconhecida pelo Decreto 79.090 de 04/01/1970 CURSO DE DIREITO 2º SEMESTRE 2013 PERÍODO: 4º DISCIPLINA: Direito Civil III - Teoria Geral dos Contratos e Responsabilidade Civil CARGA HORÁRIA TOTAL: 80 h/a. CRÉDITOS: 04 PROFESSORA: MÁRCIA PEREIRA COSTA

Leia mais

As palavras grafadas neste instrumento com letras maiúsculas terão o significado que a elas é atribuído de acordo com o estabelecido abaixo:

As palavras grafadas neste instrumento com letras maiúsculas terão o significado que a elas é atribuído de acordo com o estabelecido abaixo: Termo e Condições de Uso Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, entidade associativa sem fins lucrativos, CNPJ 04.481.317/0001-48, situada à Rua Bela Cintra, 756, 9 andar, conjunto 91, CEP 041415-000,

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a mediação extrajudicial. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Esta lei dispõe sobre mediação extrajudicial. Parágrafo único.

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

TERMO DE HOSPEDAGEM DE SITES INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

TERMO DE HOSPEDAGEM DE SITES INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TERMO DE HOSPEDAGEM DE SITES INSTRUMENTO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Pelo presente instrumento particular, de um lado a SARON TECNOLOGIAS, denominada CONTRATADA. E de outro lado o doravante CONTRATANTE,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA IMPORTANTE-LEIA ESTA GARANTIA DO FABRICANTE COM ATENÇÃO PARA ENTENDER SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES! O termo "Dispositivo de Hardware" significa

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

APLICATIVO VIVO DIRETO:

APLICATIVO VIVO DIRETO: TERMO DE USO As disposições abaixo regulam a utilização do serviço VIVO DIRETO ( Serviço ), comercializado pela VIVO ao CLIENTE, o qual, antes de realizar seu cadastro e/ou utilizar o referido Serviço,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O USO DE COMUNICAÇÕES ELETRÔNICAS TRADUZIDA POR: BERNARDO SANTOS 2 PEDRO CORREA E CASTRO MARTINI 3

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O USO DE COMUNICAÇÕES ELETRÔNICAS TRADUZIDA POR: BERNARDO SANTOS 2 PEDRO CORREA E CASTRO MARTINI 3 CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O USO DE COMUNICAÇÕES ELETRÔNICAS NOS CONTRATOS INTERNACIONAIS 1 TRADUZIDA POR: BERNARDO SANTOS 2 PEDRO CORREA E CASTRO MARTINI 3 PEDRO SILVEIRA CAMPOS SOARES 4 1 Os tradutores

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

www.procon.rs.gov.br Produzido em:06/09. Governo do Estado do Rio Grande do Sul CARTILHA DO CONSUMIDOR Trabalhando em prol da cidadania Apresentação O PROCON-RS através desta cartilha visa orientar de

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SOFTWARE

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SOFTWARE CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SOFTWARE 1 - IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE: {Razão social}, com sede em {Cidade}, na {Endereço}, Bairro {Bairro}, Cep {CEP}, no Estado de {Estado}, inscrita no C.N.P.J. sob

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões

Módulo Operações na Logística. Objetivos. Questões Módulo Operações na Logística 1. O Direito, a lei e a Logística 2. Os Direitos do Consumidor 3. Atividade Empresarial e a Logística 4. As Obrigações Tributárias Prof. Mardônio da Silva Girão Objetivos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL

POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL POLÍTICA DE PRIVACIDADE AMBIENTAL MERCANTIL Leia com atenção a nossa Política de Privacidade. Esta Política de Privacidade aplica-se à todos os usuários cadastrados no site, e integram os Termos e Condições

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE PROGRAMAS ESPECIAIS São Paulo, 28 de agosto de 2012 Considerações da Fundação Procon SP à Consulta Pública nº 48, da Agência Nacional de Saúde ANS, que dispõe sobre a regulamentação do agrupamento de contratos coletivos de

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO

CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO CÓDIGO DE ÉTICA DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO Considerando a intensificação do relacionamento do profissional na área da segurança do trabalho, sendo imperativo para a disciplina profissional,

Leia mais

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas;

VALIDAÇÃO DE DADOS o cadastro de usuário só será validado, se todas as informações pessoais estiverem corretas; Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por Nome Fantasia: Acordo Certo, inscrito no CNPJ sob n.º 08.702.298/0001-93, com sede a Rua Sete de Abril, 97-6º

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico

Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom TJPE. Ilustração Gerência de Atendimento Técnico Conceitos de Segurança da Informação, Certificação Digital e suas Aplicações no TJPE 3ª Edição - Maio/2013 Elaboração Núcleo de Segurança da Informação SETIC Editoria e Diagramação Núcleo de Imagem Ascom

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais