Plano de Benefício Definido Centrus - PBDC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Benefício Definido Centrus - PBDC"

Transcrição

1 Plano de Benefício Definido Centrus - PBDC Política de Investimentos - Período 2014 a /11/2013 Ativos 1 - Fundamentação da Política Alocação dos Recursos a 2018 Renda Fixa 238,0 69,8% 271,9 71,3% 305,5 72,0% 342,9 72,6% 384,1 73,2% Renda Variável 96,7 28,4% 105,6 27,7% 115,2 27,1% 125,4 26,6% 136,6 26,0% Investimentos Estruturados 0,1 0,0% 0,1 0,0% 0,1 0,0% 0,1 0,0% 0,1 0,0% Fundo de Investimento em Participações 0,1 0,0% 0,1 0,0% 0,1 0,0% 0,1 0,0% 0,1 0,0% Imóveis 2,9 0,8% 0,6 0,2% 0,6 0,1% 0,6 0,1% 0,8 0,2% Operações com Participantes 2,7 0,8% 2,6 0,7% 2,6 0,6% 2,5 0,5% 2,4 0,5% Outros 1/ 0,5 0,1% 0,5 0,1% 0,5 0,1% 0,5 0,1% 0,5 0,1% Recursos Garantidores 340,8 100% 381,4 100% 424,5 100% 472,1 100% 524,6 100% Gestão Administrativa 13,7 13,5 13,0 12,4 11,6 Total do Patrimônio 354,6 394,9 437,6 484,4 536,2 Rentabilidade Meta Atuarial (IPCA + 4,0% a.a.) 1/ Provisão para dividendos, JCP e realizável Limites de Alocação dos Recursos Devido à característica de acumulação de reservas do PBDC, a estratégia de gestão baseia-se na alocação de recursos em ativos de renda fixa e de renda variável, de longo prazo de maturação, observada a cobertura integral dos valores necessários ao pagamento dos benefícios e ao exigível operacional por títulos públicos, como forma de manter a solidez atualmente demonstrada do Plano. Em razão de ainda existir descasamento de prazos entre a carteira de títulos públicos e o fluxo de pagamentos dos benefícios, as aplicações em papéis do Governo Federal serão realizadas em ativos com vencimentos que propiciem ao PBDC o recebimento de cupons nos vértices deficitários em relação às despesas previdenciárias esperadas. Importante assinalar que as aplicações deverão, no conjunto, ao longo dos anos, produzir rentabilidade compatível com a remuneração do passivo atuarial do Plano, estabelecida pela variação do IPCA acrescida de juros de 4,0% a.a. (em processo de aprovação). 2 - Alocação dos Recursos Segmento de Renda Fixa ,18% 12,91% ,25% 12,29% No segmento de renda fixa, os recursos serão primordialmente direcionados para títulos públicos com vencimento superior a 2045, tendo em vista as características do PBDC, que exige maiores desembolsos somente no longo prazo, o que irá requerer o monitoramento das taxas reais de juros praticadas pelo Tesouro Nacional, de forma a assegurar o cumprimento dos compromissos atuariais. 12,61% 10,14% 9,77% 9,48% 9,44% Alocação em 2014 /1 Permitido Segmento Resolução Mínimo Alvo Máximo CMN Renda Fixa 55,8% 69,8% 77,3% 100,0% Renda Variável 22,1% 28,4% 43,7% 70,0% Investimentos Estruturados 0,0% 0,0% 20,0% 20,0% Imóveis 0,1% 0,8% 1,2% 8,0% Operações com Participantes 0,4% 0,8% 3,5% 15,0% /1 em relação aos Recursos Garantidores Em R$ milhões ,44% 1

2 Não obstante a classificação contábil dos títulos públicos que compõem a carteira própria do Plano ser pelo critério de títulos mantidos até o vencimento e registrados, portanto, pela curva do papel, não estão descartadas compras de títulos para negociação. Quando os investimentos em títulos públicos não se mostrarem atrativos, poderão ser realizadas aplicações de recursos em Certificados de Depósitos Bancários - CDB, Depósitos a Prazo com Garantia Especial - DPGE, debêntures e Letras Financeiras - LF, limitadas, no conjunto, a 10% dos Recursos Garantidores do PBDC. Se propostas, as aplicações em CDB e LF serão realizadas em bancos de grande porte com baixo risco de crédito, de forma a manter a prudência na gestão dos recursos. No caso dos DPGE, a fim de assegurar a liquidação da operação, mesmo na hipótese de inadimplência da instituição emissora, as operações serão realizadas até o limite de garantia do Fundo Garantidor de Créditos - FGC. Os investimentos em debêntures somente poderão ser efetuados em empresas com salutar situação econômico-financeira e de baixo risco de crédito. No caso do Fundo de Investimentos em Renda Fixa - FIRF, o montante aplicado limita-se a prover as necessidades de caixa do Plano. Assim, a sua manutenção configura-se como importante, a despeito de a rentabilidade poder situar-se abaixo da meta atuarial Segmento de Renda Variável Com base na premissa de priorizar as aplicações em títulos públicos, a Centrus não efetuará incremento da carteira de ações do PBDC por aquisições de novos papéis, exceto via subscrição, quando se mostrar favorável, restringindo-se à manutenção da atual posição detida, com vistas à realização em tempo futuro. Devido à dinâmica do mercado, no intuito de estar presente em setores que apresentem melhores perspectivas, poderão ocorrer realocações na carteira, de sorte que a diversificação produza maior retorno, e para ampliar a rentabilidade do Plano e suavizar impactos decorrentes de desvalorização de papéis em momentos de queda da bolsa de valores, serão realizadas operações de empréstimo de ações Segmento de Investimentos Estruturados Considerando o longo prazo de maturação do PBDC, aportes em FIP poderão ser objeto de análise, sobretudo se as taxas de juros reais praticadas pelo Tesouro Nacional não superarem a correção do passivo atuarial. Atualmente, o Plano tem apenas uma aplicação em FIP, que se encontra em processo de desinvestimento Segmento de Imóveis Como os imóveis não estão segregados por unidade entre as carteiras do PBB e do PBDC, os investimentos no segmento são cotizados e ambos os planos de benefícios observam a mesma política. Assim, no segmento de imóveis, a política objetiva a continuidade da estratégia de alienação, conforme PAI iniciado em Além das vendas, consideram-se, também, as depreciações anuais e as reavaliações previstas para 2015 e 2018, conforme regulamentação em vigor. Nessas reavaliações, estima-se acréscimo de 42,0%, parâmetro correspondente à média das três últimas atualizações efetuadas (2006, 2009 e 2012). 2

3 Quanto aos valores depositados em Juízo em favor da Centrus, preservam-se na projeção os saldos relativos aos processos de desapropriação dos imóveis situados nas cidades de Campinas (SP) e do Rio de Janeiro (RJ), tendo em vista não existir expectativa de encerramento das controvérsias Segmento de Operações com Participantes Na carteira de empréstimos, mantém-se a política de conceder novos créditos a participantes e assistidos. A expectativa é que exista equilíbrio entre a demanda por crédito e as amortizações, ocasionando, dessa forma, reduzida variação no saldo da carteira. Em relação aos financiamentos imobiliários, a contratação de novas operações permanece suspensa, de modo que a participação dessa carteira na composição dos recursos será reduzida gradativamente. Consideradas tais estimativas, no cômputo total, a participação do segmento no conjunto dos investimentos deverá apresentar declínio, tendo em vista a redução da carteira de financiamentos imobiliários. 3 - Operações com Derivativos Se e quando as condições macroeconômicas recomendarem, poderão ser utilizadas operações com derivativos de renda fixa e de renda variável em bolsa de valores, de mercadorias e de futuros nos próximos cinco anos, como instrumento de proteção e na modalidade com garantia, conforme abaixo: Limite Máximo Percentual Para Proteção 100% /1 Para Exposição 0 /1 do valor das posições detidas à vista O objetivo da realização de tais operações é proporcionar a redução do risco a que estão expostas as carteiras integrantes dos segmentos de renda fixa e de renda variável. Na execução de operações com derivativos, serão observados os procedimentos de controle e de avaliação do risco de mercado e demais riscos envolvidos nessa modalidade de aplicação, de acordo com o previsto na Resolução CMN nº 3.792, de 24 de setembro de 2009, e no Regulamento de Aplicações dos Recursos Garantidores das Reservas, Fundos e Obrigações, em especial a aprovação final pelo Conselho Deliberativo, independentemente do valor da operação. 4 - Meta de Rentabilidade dos Segmentos de Aplicações Para cada segmento de aplicação, a Centrus adota os seguintes benchmark s para monitorar o desempenho de seus investimentos: Segmento de Aplicação Renda Fixa Renda Variável Imóveis Investimentos Estruturados Operações com Participantes Benchmark Taxa Selic Ibovespa Meta Atuarial Meta Atuarial Meta Atuarial 3

4 5 - Expectativa de Rentabilidade 6 - Apreçamento dos Ativos No processo de apreçamento de seus ativos financeiros, a Fundação segue as melhores práticas de mercado, primando pela transparência, objetividade e consistência das informações e utilizando metodologias e fontes de referência a seguir descritas Renda Fixa Em se tratando de investimentos em títulos públicos, adota-se como fonte de referência para negociação a taxa indicativa divulgada diariamente pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais - Anbima. Quanto à metodologia de apreçamento, utiliza-se o preço da curva do papel no caso dos títulos levados a vencimento e o preço unitário - PU divulgado pela Anbima para os marcados a mercado. As operações de compra de títulos públicos com compromisso de revenda no dia seguinte (compromissadas de um dia), registradas no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - Selic, são marcadas a mercado e o preço de compra dos títulos observa a taxa divulgada pela Anbima. Os FIRF, são avaliados pelo valor da cota repassada pelas respectivas instituições gestoras. Os CDB, os DPGE e as LF são avaliados pela taxa contratada e as debêntures pelas taxas indicativas divulgadas diariamente pela Anbima Renda Variável As ações são apreçadas pela cotação de fechamento divulgada pela BM&FBovespa S.A. - Bolsa de Valores, de Mercadorias & Futuros. Na hipótese de o ativo permanecer por mais de seis meses sem negociação, será utilizado o valor patrimonial da ação ou o custo de aquisição, dentre eles o menor, consoante explicita a Resolução CGPC nº 28, de 26 de janeiro de As ações objeto de empréstimo são valorizadas a mercado diariamente pelo respectivo preço de fechamento no dia divulgado pela BM&FBovespa. A taxa da operação é definida no momento da pactuação e calculada a cada dia, pro rata temporis, até o vencimento ou a liquidação antecipada Investimentos Estruturados Para os fundos que permitem aquisição de ações de companhias fechadas (cujos papéias não são negociados em bolsas de valores), como os Fundos de Investimento em Participações - FIP, adotase o valor patrimonial das ações calculado trimestralmente, a partir das demonstrações financeiras auditadas de tais empresas Derivativos Segmento Meta Atuarial (IPCA + 4,0% a.a.) 10,14% 9,77% 9,48% 9,44% 9,44% PBDC 12,18% 12,91% 12,61% 12,25% 12,29% Renda Fixa 11,87% 12,09% 11,79% 11,77% 11,77% Renda Variável 13,33% 14,04% 13,80% 13,64% 13,64% Imóveis 5,16% 46,38% 6,62% 7,16% 41,13% Operações com Participantes 10,49% 10,66% 9,91% 9,64% 9,61% Os ativos são apreçados tomando-se por base a cotação de fechamento do pregão da BM&FBovespa. 4

5 6.5 - Imóveis Todos os imóveis da carteira são reavaliados trienalmente. Quando colocados à venda, são apreçados mediante avaliação específica, na forma prevista na regulamentação em vigor Operações com Participantes Os empréstimos e os financiamentos imobiliários são apreçados de acordo com as taxas contratadas, observados os critérios técnicos aprovados pelo Conselho Deliberativo e pela Diretoria- Executiva, sob a prudência de se resguardar a meta de rentabilidade atuarial. 7- Tipo de Gestão A gestão dos ativos de renda fixa e de renda variável integrantes da carteira própria dos planos administrados pela Centrus é realizada internamente. Quando terceirizada dá-se, preferencialmente, por fundos exclusivos. 8 - Limite de Concentração Os investimentos dos recursos dos planos administrados estão sujeitos aos seguintes limites estabelecidos na Resolução CMN nº 3.792, de 2009, e nas demais instruções e regulamentos complementares: PBDC Concentração por Emissor Limite Capital Total - Companhia aberta ou SPE 25% Capital Votante - Companhia aberta 25% Patrimônio Líquido 25% - Instituição financeira 25% - Fundo referenciado /1 25% - Fundo de investimento estruturado /2 25% /1 fundo de índice referenciado em cesta de ações de companhias abertas /2 fundo de investimento em participações e fundos de investimento imobiliário Concentração por Investimento Limite Títulos e Valores Mobiliários - mesma série 25% Fundo de Investimento em Direitos Creditórios - FDIC - mesma classe ou série 25% Empreendimento imobiliário - mesmo empreendimento /1 25% /1 limite se aplica a desenvolvimento de projetos 9 - Participação em Assembleias de Acionistas A participação da Centrus em assembleias de acionistas será obrigatória se o investimento representar 10% ou mais dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados ou se a sua participação no capital votante ou total da companhia investida for igual ou superior a 10%. A Fundação poderá comparecer à assembleia de acionistas de qualquer das companhias que detenha ações, conforme a sua conveniência, em face dos assuntos em pauta, mesmo no caso de investimento não enquadrado no critério de representatividade acima. 5

6 10 - Avaliação e Controle de Risco A gestão de riscos da Centrus segue as diretrizes da Política de Gerenciamento de Risco aprovada pelo Conselho Deliberativo, que tem como meta principal possibilitar a análise dos riscos, das suas grandezas e dos seus impactos sobre as atividades da Fundação, permitindo a gestão de ocorrências de perdas e o desenvolvimento de planos de ação para correção. Na Política de Gerenciamento de Risco estão expostos os procedimentos operacionais e administrativos adotados pelas áreas operacionais da Centrus, no sentido de minimizar as vulnerabilidades a que está exposta. O gerenciamento de riscos da Fundação é de responsabilidade da própria área operacional, respondendo os respectivos gestores pelo levantamento e pela mitigação dos riscos envolvidos na execução de cada processo ou rotina. A prática de delegar aos gestores das áreas operacionais esse gerenciamento, cabendo ao Comitê de Controles Internos e Compliance - Cocic o acompanhamento, deixa claro que essa tarefa não está circunscrita à responsabilidade da alta administração da Centrus, mas implementada por todas as partes envolvidas nos processos. Com relação ao risco de mercado, em especial, a Fundação utiliza, além do Sistema de Controle da Divergência não Planejada, exigido pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar - Previc, o Sistema de Controle e Avaliação de Risco de Mercado (VaR). No que diz respeito ao risco de crédito de instituições financeiras e não financeiras, a Centrus leva em consideração a avaliação de, no mínimo, duas agências de reconhecida reputação em funcionamento no país e serão consideradas aceitáveis as que obtiverem as seguintes avaliações. Agência Curto Prazo Nas aplicações em depósito a prazo até o montante de cobertura do Fundo Garantidor de Créditos - FGC regularmente disciplinado pelo CMN, é dispensada a obrigatoriedade da observância da parametrização acima disposta, sem prejuízo da exigência de a instituição emissora contar com rating de pelo menos duas agências de classificação de risco de crédito Governança Corporativa e Responsabilidade Social Com gestão voltada para o desenvolvimento econômico-social da comunidade e zelando por boas práticas de governança corporativa, as empresas socialmente responsáveis tendem a atrair mais investimentos e, consequentemente, a proporcionar melhores retornos aos acionistas. Nesse sentido, a Centrus busca alocar recursos em ativos de empresas que atendam aos Princípios de Responsabilidade Social, levando em consideração, na tomada de decisão para seleção de investimentos, os seguintes aspectos: Rating Longo Prazo Austin Rating AAA - A AAA - A Fitch Rating F1 (bra) AAA - A Moody's BR-1 Aaa.br - A.br Standard & Poor's A1 AAA - A Governança prioriza companhias que estejam listadas no Novo Mercado, Nível 2 ou Nível 1 da BM&FBovespa; 6

7 Relatórios de Sustentabilidade se a empresa publica documentos sobre suas ações de natureza socioambientais, com foco na relevância e na clareza das informações prestadas; Políticas inclusivas se a empresa adota políticas de não-discriminação e políticas afirmativas com relação a mulheres, negros e portadores de deficiência; Certificação social se a empresa adota padrão de tratamento social responsável aos seus trabalhadores, como, por exemplo, SA8000; Meio ambiente se a empresa não sofreu autuação por dano ambiental; Investimentos sociais se a empresa adota programa de investimentos sociais. A Fundação depreende que ao observar aspectos que envolvem responsabilidade socioambiental em seus investimentos preservará os interesses dos participantes e assistidos, bem como altos valores éticos e morais. Soma-se a isso o fato de que empresas que adotam esses princípios estão menos expostas a riscos e apresentam boa rentabilidade no médio e longo prazos, com investimentos sustentáveis. Para atestar seu compromisso em relação às boas práticas de sustentabilidade social, a Centrus aderiu, em 2006, aos Princípios para o Investimento Responsável - PRI, cujas características básicas estão relacionadas com transparência, governança e consideração das questões ambientais e sociais. Brasília (DF), 4 de dezembro de Helio Cesar Brasileiro Diretor-Presidente José Antonio Marciano Diretor de Aplicações 7

Plano Básico de Benefícios - PBB

Plano Básico de Benefícios - PBB Plano Básico de Benefícios - PBB Política de Investimentos - Período 2014 a 2018 19/11/2013 Ativos 1 - Fundamentação da Política Alocação dos Recursos - 2014 a 2018 Renda Fixa 4.780,6 70,8% 4.744,4 69,9%

Leia mais

Plano Básico de Benefícios - PBB

Plano Básico de Benefícios - PBB 22/12/2014 Ativos 1 - Fundamentação da Política Plano Básico de Benefícios - PBB Política de Investimentos - Período 2015 a 2019 Alocação dos Recursos - 2015 a 2019 Renda Fixa 5.083,0 81,0% 5.529,0 84,0%

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA

Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil Política de Investimentos 2015 a 2019 Plano DE GESTÃO AdministrativA 1 Sociedade Previdenciária DuPont do Brasil 2 Regulamento do Plano Administrativo Duprev ÍNDICE

Leia mais

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015

Política de Investimentos PGA. 2011 a 2015 Política de Investimentos PGA 2011 a 2015 Fundação Saelpa de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de Gestão Administrativa... 3 3. Alocação de recursos e

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012 Fortalecendo o Futuro! SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO

Leia mais

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA POLÍTICA DE INVESTIMENTO FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA Vigência: 01/01/2008 a 31/12/2012 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3 2 CRITÉRIOS

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS O Presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Santos IPREV SANTOS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Diretrizes Gerais... 3 3 Plano de Benefícios... 4 4 Alocação de recursos

Leia mais

Indice. Anexos. Mensagem do Diretor-Presidente...5 Institucional...7 Gestão Previdencial...13 Gestão dos Investimentos...25 Gestão Administrativa...

Indice. Anexos. Mensagem do Diretor-Presidente...5 Institucional...7 Gestão Previdencial...13 Gestão dos Investimentos...25 Gestão Administrativa... Indice Mensagem do Diretor-Presidente...5 Institucional...7 Gestão Previdencial...13 Gestão dos Investimentos...25 Gestão Administrativa...33 Anexos I II III IV V VI VII VIII IX X Política de Investimentos...41

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano Previdencial B S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD ÍNDICE CAPÍTULO PÁGINA Introdução.... 3 Governança Corporativa.... 3 Diretrizes

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Plano de Gestão Administrativa Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano de Benefícios... 5 5 Alocação de Recursos

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2012 Política de Investimentos 2012 Plano de Benefícios 1 1. Introdução A Futura - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política

Leia mais

ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL. CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04.

ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL. CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04. ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04.2016 1- PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II A MUTUOPREV Entidade de Previdência Complementar - CNPJ nº 12.905.021/0001-35 e CNPB 2010.0045-74, aprovado pela portaria nº 763 de 27 de setembro

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Plano Fundamental ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 Empresas Patrocinadoras 3 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 4 i. Seleção de Gestores 4 3. PLANO DE BENEFÍCIOS

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 26/12/20 /2013 Vigência: 01/01/201 2014 a 31/12/2019 1 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização por parte da CAFBEP, das diretrizes presentes

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2014 Política de Investimentos 2014 1 1. Introdução A Futura II - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Lotus Fundo de Investimento em Renda Fixa Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão CAPOF Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD 2015 A presente Política de Investimentos do Plano de Benefício Definido PBD, administrado pela Previdência Usiminas, foi aprovada pelo Conselho

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018

Política de Investimentos 2014 a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano de Gestão Administrativa 1 Introdução A presente política de investimento

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FIOPREV INSTITUTO OSWALDO CRUZ DE SEGURIDADE SOCIAL Plano BD FioPrev 2016 a 2020 Aprovada pelo Conselho Deliberativo do FioPrev em reunião ordinária ocorrida em 21/12/2015 Sumário

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras CNPJ : 09.195.701/0001-06 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações BRB

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2015 a 2019 Sumário 1. Introdução... 3 2. Abrangência... 4 3. Investimentos... 5 3.1. Alocação Estratégica... 6 3.2. Mandatos... 9 3.3. Avaliação

Leia mais

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES REGULAMENTO DO FUNDO O BRESSER AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES, regido pelas disposições do presente Regulamento, e regulado pelas Instruções CVM nº 302

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL PGA - Plano de Gestão Administrativa 2015 a 2019 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA... 3 3 DIRETRIZES PARA

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2014 a 2018 Sumário 1. Introdução... 4 2. Abrangência... 5 3. Sobre os Benefícios... 6 4. Investimentos... 7 4.1. Alocação Estratégica... 8 4.2.

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Renda Fixa BRB Mais Brasília - DF Examinamos as demonstrações financeiras

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352. FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CRÉDITO PRIVADO TRAVESSIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 23.352.186/0001-43 Mês de Referência: Novembro de 2015 CLASSIFICAÇÃO ANBIMA:

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

Politica de Investimentos 2014

Politica de Investimentos 2014 Politica de Investimentos 2014 Serra-ES Sumário 1. Apresentação, Objetivo e Vigência... 3 2. Parâmetros Gerais... 3 2.1. Responsável Técnico... 3 2.2. Modelo de Gestão... 3 2.3. Meta de Rentabilidade...

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL Artigo 19, da Resolução do CGPC nº 13/04. CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão. 1º SEMESTRE DE 2011

Leia mais

Política de Gestão de Risco Financeiro

Política de Gestão de Risco Financeiro Política de Gestão de Risco Financeiro Índice Introdução... 2 Objetivos... 2 Atribuições... 3 Descrição dos riscos financeiros... 4 Exposição às flutuações das taxas de juros... 4 Exposição às variações

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Renda Fixa DI Longo Prazo 1 Milhão

Leia mais

Resolução 3792. Principais Aspectos

Resolução 3792. Principais Aspectos Resolução 3792 Principais Aspectos Diretrizes para as aplicações princípios de segurança, rentabilidade, solvência, liquidez e transparência; boa fé, lealdade e diligência; elevados padrões éticos; cumprimento

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização, por parte da CAFBEP, das diretrizes

Leia mais

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI)

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) NUCLEOS Instituto de Seguridade Social Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) Maio, 2009 Índice Capítulo Página I Introdução...1 II Alocação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1. DOS OBJETIVOS...

Leia mais

São Bernardo Previdência Privada

São Bernardo Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA São Bernardo Previdência Privada Vigência: 2015 a 2019 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 3 1.1 Vigência da Política de Investimento 3 2 PROCEDIMENTOS

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014

POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 POLÍTICA DE INVESTIMENTO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE JAGUARÃO-RS PARA O EXERCÍCIO DE 2014 1. Apresentação A presente Política de Investimentos visa atender as Portarias

Leia mais

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42

ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 ITAÚ MAXI RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 04.222.433/0001-42 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio aberto,

Leia mais

Sumário. Planos de Contribuição Variável

Sumário. Planos de Contribuição Variável Planos de Contribuição Variável Sumário Plano Sanasa Parecer atuarial sobre o balanço...2 Demonstrações patrimonial e de resultados de plano de benefícios de natureza previdencial...7 Demonstrativo de

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Simulado CPA 20 Gratis

Simulado CPA 20 Gratis 1 Simulado CPA 20 Gratis Question 1. O risco de crédito está associado a capacidade do emissor de um título em não honrar os pagamentos: ( ) Somente dos Juros ( ) Dos juros e do principal da dívida ( )

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ITAÚ PERSONNALITÉ RENDA FIXA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 00.832.424/0001-12 MENSAGEM DO ADMINISTRADOR Prezado Cotista, Este FUNDO, constituído sob a forma de condomínio

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis BNB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento Renda Fixa Curto Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANPARA RENDA FIXA PLUS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANPARA RENDA FIXA PLUS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANPARA RENDA FIXA PLUS FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO LONGO PRAZO CNPJ: 00.857.368/0001-70 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES

Leia mais

Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91

Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91 Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - CNPJ nº 19.909.560/0001-91 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) (CNPJ nº 33.868.597/0001-40)

Leia mais

FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.)

FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.) FGP FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS CNPJ: 07.676.825/0001-70 (Administrado pelo Banco do Brasil S.A.) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2006 (Em milhares de

Leia mais

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 O presente resumo do Relatório Anual de Informações de 2014 trata das atividades desenvolvidas pela POUPREV, no referido

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 15 Rendimentos a distribuir 412 366 Aplicações financeiras de renda fixa 28 8

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DO SUL/RS FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR MUNICIPAL - FASEM POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DO SUL/RS FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR MUNICIPAL - FASEM POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DO SUL/RS FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR MUNICIPAL - FASEM POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2014 14 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Meta de Rentabilidade... 3 3. Modelo

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A.

Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. Relatório de revisão dos auditores independentes sobre as Informações Trimestrais (ITRs) trimestre findo em 30 de junho de 2015 1. INFORMAÇÕES GERAIS A Dommo Empreendimentos

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Fundo de Aposentadoria Programada Individual Banrisul Conservador CNPJ 04.785.314/0001-06 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96)

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2012 Perspectivas para os Certificados de Recebíveis Imobiliários diante da queda das Taxas Juros no Brasil Prof. Dr. Fernando Bontorim

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Over II - CNPJ nº 08.915.208/0001-42

HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Over II - CNPJ nº 08.915.208/0001-42 HSBC Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento Curto Prazo Over II - CNPJ nº 08.915.208/0001-42 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A)

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE AGOSTO DE 2014 PÉROLA FUNDO

Leia mais

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.975/0001-73 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

ESTE FUNDO PODE ESTAR EXPOSTO A SIGNIFICATIVA CONCENTRAÇÃO EM ATIVOS DE RENDA VARIÁVEL DE POUCOS EMISSORES, APRESENTANDO OS RISCOS DAÍ DECORRENTES.

ESTE FUNDO PODE ESTAR EXPOSTO A SIGNIFICATIVA CONCENTRAÇÃO EM ATIVOS DE RENDA VARIÁVEL DE POUCOS EMISSORES, APRESENTANDO OS RISCOS DAÍ DECORRENTES. ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA OS FUNDOS DE INVESTIMENTO, BEM COMO ÀS NORMAS EMANADAS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ESCOLHA DOS

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de março de 2012 e 2011

Demonstrações financeiras em 31 de março de 2012 e 2011 CNPJ nᵒ 00.832.453/0001-84 (Nova denominação social do Credit Suisse DI Fundo de Investimento de Curto Prazo) (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A.) (CNPJ nᵒ 61.809.182/0001-30)

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2010 MUDAR SPE MASTER EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. ÍNDICE 1. Relatório dos Auditores Independentes 03

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDkA IPCA 2A TÍTULOS PÚBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO Data de Competência: 07/06/2016 1. CNPJ 14.386.926/0001-71 2. PERIODICIDADE

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO MULHER & NEGOCIOS ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.922. Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital;

RESOLUÇÃO Nº 3.922. Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital; RESOLUÇÃO Nº 3.922 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central do Brasil, na forma

Leia mais