REVISTA CIENTIFICA COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO ISSN CUIABÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA CIENTIFICA COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO ISSN 2236-8590 CUIABÁ"

Transcrição

1 1 REVISTA CIENTIFICA COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO ISSN CUIABÁ 2014

2 2 FACULDADES INTEGRADAS MATO-GROSSENSES DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DIREÇÃO ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REVISTA CIENTÍFICA COMPUTAÇÃO EM EVOLUÇÃO Ciência e Tecnologia em Mato Grosso Rua: Av. Europa, nº 63 Bairro: Jd. Tropical CEP: Cidade: Cuiabá-MT Fone: (65) Home page: CUIABÁ 2014

3 3 Apresentação, As iniciativas pela democratização do conhecimento é um benefício ímpar na tarefa de aperfeiçoamento e evolução da humanidade. Atualmente, a Ciência da Computação tem sido um suporte essencial ao desenvolvimento das profissões e do conhecimento em diversas áreas da Tecnologia da Informação. A Revista Científica Computação em Evolução, conta com publicação de artigos produzidos pelos alunos curso de Ciência da Computação do ICE, avaliados e selecionados pelo Comitê Cientifico formados por professores do próprio curso e professores convidados. Assim, a difusão do conhecimento fará com que o nosso corpo acadêmico marche rumo a excelência. É com este espírito que lançamos a Computação em Evolução, a Revista Científica da Computação do ICE. A Computação em Evolução será mais um veículo de disseminação do conhecimento em Ciência da Computação especialmente aquele produzido no seio de nossa Faculdade. Atenciosamente, Prof º Andersown Becher Paes de Barros Coordenador do Curso de Ciência da Computação - ICE

4 Realização 4

5 5 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA DO ICE Informações para a Biblioteca Digital

6 6 Sumário Comissão Organizadora... 7 Comissão Ciêntifico... 8 Professores Orientadores... 9 Artigos Aceitos... 10

7 7 Comissão Organizadora Prof. Andersown BecHer Coordenador do Curso Faculdades ICE Prof. Leonardo Luiz Braun Professor do Curso Faculdades ICE Prof. MSc. Edie Correia Santana Professor do Curso Faculdades ICE Prof. MSc. Gustavo Zanatta Bruno Professor do Curso Faculdades ICE

8 8 Comissão Ciêntifico - Membros do ICE: Prof. Andersown Becker Prof. Leonardo Luiz Braun Prof. Edie Correia Santana Prof. MSc. Gustavo Zanatta Bruno - Membros convidados: Prof. Mestre Luciano Barco UNEMAT. Prof. Mestre Thiago Toledo UFSCAR.

9 9 Professores Orientadores Prof. Andersown Becher Prof. Leonardo Luiz Braun Prof. Edie Correia Santana Prof. Gustavo Zanatta Bruno Prof. Max José Botelho Ferreira da Silva

10 10 Artigos Aceitos SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA EM ANDROID PARA CÁLCULO DE ÁREA TERRITORIAL DAMIANI, Fagner Leandro Pereira 1 BRAUN, Leonardo Luiz 2 BOTELHO, Max 3 SANTANA, Edie Correia 4 RESUMO O aumento de aplicativos que trazem informações geográficas tem aumentado no mercado recentemente. O objetivo deste artigo é apresentar um aplicativo na plataforma Android capaz de realizar o cálculo de área em um dispositivo móvel através de um mapa digital. Palavras chaves: Geoprocessamento, Android, Desenvolvimento ABSTRACT The increase in applications that bring geographic information has increased in the market recently. The objective of this paper is to present an application capable of performing in the calculation of area on a mobile device through a digital map Android platform. Key words: GIS, Android, Development 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação do Instituto Cuiabano de Educação 2 Professor do curso de Ciência da Computação do Instituto Cuiabano de Educação 3 Professor do curso de Ciência da Computação do Instituto Cuiabano de Educação 4 Professor do curso de Ciência da Computação do Instituto Cuiabano de Educação

11 11 1. INTRODUÇÃO A necessidade do Homem em registrar lugares e objetos durante suas jornadas vem antes da escrita. Os primeiros mapas apareceram em figuras rupestres nas cavernas, desenhados pelos povos primitivos com o intuito de registrar os lugares por onde passavam, delimitar seus territórios e registrar fenômenos naturais. Com o passar dos anos foram surgindo estudiosos que se interessaram por estas figuras e as aprimoraram, passando a utilizar o papel para armazenar as informações, com intuito de utilizar esse documento em guias de exploração, demarcações territoriais e localizações. As evoluções tecnológicas na segunda metade do século XX possibilitaram a capacidade de armazenar e exibir informações sobre a distribuição geográfica de fenômenos e objetos em ambiente computacional, levando ao surgimento do Geoprocessamento. 2. Android No dia 5 de novembro de 2007, nas cidades Mountain View (Estados Unidos da América), Bona (Alemanha), Taoyuan (China), San Diego (Estados Unidos da América) e em Schaumburg (Estados Unidos da América) foi anunciada a primeira plataforma de código realmente aberto e abrangente para dispositivos móveis, chamada Android. O Android foi desenvolvido por um grupo composto de empresas multinacionais de tecnologia e por grandes indústrias de aparelhos móveis, o grupo recebeu o nome de Open Handset Alliance (OHA). Os principais objetivos do Android são permitir ao desenvolvedor uma flexibilidade para desenvolver seus projetos e integrar aplicações nativas da plataforma a sua aplicação e outros objetivos importantes ao usuário são permitir interatividade agradável do sistema operacional através de toque na tela, fácil usabilidade e fornecer aplicações interativas pré-instaladas. (OPENHANDSETALLIANCE, 2007, s/p). Para desenvolver um aplicativo para Android é indicado pelo site oficial do Google (Google Developer) um pacote de ferramentas de desenvolvimento de aplicativos para Android chamado ADT Bundle criado pelo próprio Google, o pacote contem a Integrated Development Environment (IDE) Eclipse com o plugin Android

12 12 Development Tools (ADT) configurado, Android Software Development Kit (SDK) Tools, Platform-tools, ultima versão da plataforma Android e a ultima versão do emulador do sistema operacional Android. (Android Developers, 2014, s/p). 2.1 Google Maps API V2 O Google Maps API V2 é uma biblioteca desenvolvida pelo Google para integração de informações geográficas em aplicações para Android, esta ferramenta serve para auxiliar o desenvolvedor. A biblioteca permite que o desenvolvedor integre à sua aplicação um mapa, também disponibiliza algumas ferramentas de gerenciamento, posicionamento e de criação como linhas, marcadores e poligonos. (Google, 2014, s/p). 3. Geoprocessamento O Geoprocessamento é um termo vasto, que inclui varias tecnologias de manipulação e tratamento de dados geográficos, através métodos computacionais. Porém as ferramentas que recebem destaque são Sensoriamento Remoto ultilizando o Sistema de Posicionamento Global, os Sistemas de Informação Geográfica, bem como a automação de tarefas cartográficas e a digitalização de dados. (MADRUGA, 2008, p. 8) 4. Cálculos matemáticos A intenção de fazer o cálculo da área delimitada pelo usuário, cálculo da distância entre dois pontos e o cálculo para encontrar as coordenadas do centro do polígono foram tarefas que exigiram conceitos matemáticos, esses que serão explanados nos tópicos seguintes Centróide do Polígono A centróide é o ponto no interior de um polígono chamado centro geométrico. Se o polígono possui um corpo de densidade uniforme então a centróide coincide com o centro de massa e se a figura geométrica está submetida a um campo gravitacional então este ponto coincide com o centro de gravidade. (MADEIRA, 2009, s/p)

13 13 Figura 1 Fórmula para calcular ponto central de um polígono. Tecnodetail. 2014/ Adaptado Distância entre dois pontos sobre a superfície terrestre Uma fórmula baseada no sistema de coordenadas geográficas para calcular a distância entre 2 pontos da superfície terrestre sobre uma esferóide até ao momento apresenta uma precisão de 0.5mm porém o seu peso computacional é enorme e exige um processamento muito alto, a alternativa encontrada foi a fórmula de Haversine baseada na ortodromia, que assume a Terra como esférica. A garante uma precisão de 0.3% e é bastante menos complexa e computacionalmente menos dispendiosa (SILVA, 2012, p. 10). Figura 2 Fórmula de haversine. Ryanduell. 2014/ Adaptado Área do Polígono Esférico Os polígonos esféricos são definidos por grandes arcos circulares que conectam pontos em uma esfera. Usando a Terra como a esfera em questão é possível afirmar que os pontos cartesianos são os pontos que compõe esse polígono, área de um polígono esférico em graus esféricos é o excesso esférico, definido da seguinte forma. (Heckbert, 1994).

14 14 O algoritmo usado nesta pesquisa para encontrar a área do polígono delimitado pelo usuário foi apontado por (Heckbert, 1994) usando codificação em C++, conforme é mostrado na imagem seguinte. Figura 3 Excesso de um polígono esférico. DAMIANI.F.L.P.2014 Adaptado Graphics Gem IV

15 15 5. Projeto O aplicativo utilizou as bibliotecas fornecidas pelo Android combinado com a biblioteca externa Google Maps API V2 em seu desenvolvimento para a elaboração da tela do mapa, esta tela que permite criar os poligonos e retornar suas informações, como, quantidade total de pontos geográficos e seus respectivos valores cartesianos, área em metros quadrados e o perímetro do polígono. Figura 4 Aplicativo criando e exibindo dados de um polígono esférico. DAMIANI.F.L.P.2014 Usando o entendimento do geoprocessamento e suas ferramentas nos permitiu encontrar os requisitos básicos para o desenvolvimento do sistema de informação geográfica, como, coleta de informações geográficas, armazenamento no banco de dados, a recuperação e manipulação dos dados geográficos na tela do mapa. E por fim, assim que o usuário cria o polígono no mapa é usado o algoritmo que faz o cálculo da área da figura geométrica esférica, o código em C++ apresentado por Snyder foi adaptado para a linguagem Java, linguagem padrão do desenvolvimento em Android. CONCLUSÃO O aplicativo alcançou os objetivos realizando os processos de exibição e salvamento dos dados geográficos permitindo também a manipulação e a recuperação desses dados na tela do mapa. Os benefícios conquistados por esta aplicação para o usuário foram poupar

16 16 gastos extremos de alocação de equipamentos em áreas que não exigem grandes precisões, armazenar dados geográficos e gerar relatórios sobre as áreas através de exibição na tela do aparelho ou por documento em PDF. Como implementações futuras sugeridas serão criados o método de compartilhamento, o método de inserção manual de coordenadas para que o usuário crie delimitações digitando manualmente as coordenadas. 7. Referencias bibliograficas OPENHANDSETALLIANCE. Industry Leaders Announce Open Platform for Mobile Devices. Disponível em: <http://www.openhandsetalliance.com/press_ html>. Acesso em: 10 jun Android Developers. Get the Android SDK. Disponível em: <http://developer.android.com/sdk/index.html>. Acesso em: 10 jun GOOGLE. API Android do Google Maps Biblioteca Externa. Disponível em: <https://developers.google.com/maps/documentation/android/?hl=pt-br>. Acesso em: 05 mai MADRUGA, R.A. Geração de base cartográfica digital utilizando imagens de satélite de altíssima resolução espacial para o suporte ao planejamento municipal. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Centro Estadual de Pesquisa em Sensoriamento Remoto e Meteorologia. Programa de Pós Graduação em Sensoriamento Remoto. Porto Alegre, HECKBERT, S. Paul. Graphics Gem IV. Pittsburgh Pennsylvania,1994.

17 17 PROPOSTA DE SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROCESSOS DOS DEPARTAMENTOS DE UMA ORGANIZAÇÃO RIBEIRO, Jared Pereira 1 BRAUN, Leonardo Luiz 2 SANTANA, Edie Correia 3 ICE INSTITUTO CUIABANO DE EDUCAÇÃO Resumo Os processos dentro de um departamento refletem como o mesmo funciona, e produzem o produto ou serviço que atenderá um cliente ou até mesmo outro departamento dentro da organização. A partir da definição e aplicação dos processos os departamentos irão gerar valor, capacitando seus colaboradores as atividades do mesmo e contribuindo para que a organização crie diferenciais competitivos no mercado. Estes processos se bem definidos, centralizados e disponibilizados de forma fácil e coerente possibilitam ao colaborador entender como o seu departamento ou empresa funciona, e por conseguinte instruem o mesmo colaborador a executá-los de forma eficaz. Para atender a este objetivo propõe-se o desenvolvimento de um software que realize a modelagem de negócios e gerencie os processos dos departamentos de uma organização em uma ferramenta de fácil utilização e acesso. Com esta ferramenta será possível cadastrar os departamentos que compõem uma empresa, gerando seu modelo de negócios, anexando checklists que os colaboradores possam estar utilizando e mapeando todos os processos. Palavras Chaves: Software, processos 1. Introdução Devido ao cenário do mercado atual as empresas visam sempre garantir a estabilidade no segmento de mercado e diferenciais competitivos que as destaquem dos demais concorrentes, para isto estão buscando continuamente a otimização dos processos organizacionais, sua adequação e funcionamento. Além disso a compreensão dos processos é essencial para o sucesso em qualquer negócio, pois eles irão gerar uma 1 Acadêmico do curso de Ciência da Computação 2 Professor do curso de Ciência da Computação 3 Professor do curso de Ciência da Computação

18 18 estrutura adequada para fornecer produtos e/ou serviços de qualidade ao cliente. (PAMPONET, 2009) Além disso uma empresa precisa demonstrar logicamente através de um modelo como ela cria, entrega e gera valor e associar a este modelo os processos envolvidos para alcançar resultados concretos. Um software que gere este modelo, associe e gerencie processos ajudaria os colaboradores na compreensão dos mesmos e forneceria a organização uma ferramenta que contribuísse para o sucesso no segmento em que atua. No decorrer deste artigo será apresentado através de princípios administrativos uma proposta para o desenvolvimento de um software que gere o modelo de negócios, gerencie processos e centralize documentações dos departamentos que compõem uma empresa. Além da metodologia utilizada como base, será demonstrado a estrutura do software independente de linguagem ou banco de dados utilizado, ficando assim a critério do desenvolvedor escolher as ferramentas para o desenvolvimento. 2. Administração de empresas Segundo Nogueira (2010), a administração de empresas torna eficaz os pontos fortes das pessoas e minimiza o impacto causado pelas fraquezas. Esta administração de pessoas torna-se fator crítico para qualquer empresa. Com base na teoria proposta por Nogueira (2010), disponibilizando de maneira fácil aos funcionários os processos de seus respectivos departamentos é uma forma de auxiliar nesta administração de pessoas. Cada departamento da organização possui seus processos, por isso foi necessário realizar um estudo sobre departamentalização de uma organização. 3. Departamentalização A especialização na organização pode ser dar tanto no sentido vertical quanto no horizontal. A especialização horizontal também conhecida como departamentalização ocorre quando se verifica a necessidade de aumentar a perícia, a eficiência e a melhor qualidade de trabalho em si. (CHIAVENATO, 2003)

19 19 De acordo com Chiavenato (2003, pág. 209) A departamentalização é uma característica típica das grandes organizações. Ela é diretamente relacionada com o tamanho da organização e com a complexidade das operações. Quando a organização torna-se grande, todas as atividades não podem ser supervisionadas diretamente pelo proprietário ou diretor, mas por meio de vários executivos responsáveis pelas diferentes fases da atividade ou pelos diferentes aspectos dessa atividade. Chiavenato complementa dizendo que a departamentalização pode acontecer por função, que consiste no agrupamento das atividades e tarefas de acordo com as funções principais desenvolvidas dentro da empresa. Dentro de uma economia de troca por exemplo podemos ter em uma empresa as funções de produção, vendas e financiamentos, agrupando assim as atividades em departamentos: de produção, de vendas e de finanças. (CHIAVENATO, 2000, pág. 210) Podemos constatar através da teoria de Chiavenato que uma organização é dívida em departamentos, cada um com suas atividades que por conseguinte são exercidas por seus colaboradores. 4. Modelo de Negócios Para o levantamento do gerenciamento de processos foi utilizado como base o guia de BPM desenvolvido pela ABPMP (Association of Business Process Management Professionals) que é uma associação internacional de profissionais de Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM Business Process Management), sem fins lucrativos, independente de fornecedores e dedicada à promoção dos conceitos e práticas de BPM. (FURLAN et al., 2009) Segundo FURLAN et al. (2009, pág. 64) Modelos de negócios retratam os principais eventos, atividades e resultados que descrevem cada um dos principais processos por completo, seus subprocessos e suas interações com o ambiente. Modelos de negócios também descrevem o suporte e os processos de gerenciamento e como interagem com os processos primários ou de apoio. Em uma abordagem mais simples Osterwalder, Pigneur (2009, pág. 14) definem que um modelo de negócios descreve a lógica de como uma organização cria, entrega, e captura valor.

20 20 Para descrever como os departamentos criam, entregam, geram valor e com quem eles interagem dentro da organização, foi necessário gerar um modelo de negócios específico para eles, porém utilizando como base um modelo de referência na área administrativa, o modelo escolhido foi o Business Model Canvas que é uma ferramenta de gerenciamento estratégico, que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes. (OSTERWALDER, PIGNEUR, 2009, pág. 42) Na imagem abaixo temos o modelo de negócios proposto pelo método Canvas. Figura 1: Modelo de negócios utilizando o método Canvas Fonte: Exame.com 1 1 Disponível em: <http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/mochileiro-corporativo/2013/02/17/voce-temum-modelo-de-negocio-pessoal/> Acesso em out

21 21 5. Checklist Segundo FURLAN et al. (2009, pág. 307), o checklist é uma lista de verificação composto por itens agrupados e listados para facilitar comparação ou garantir que ações associadas sejam gerenciadas adequadamente e não sejam esquecidas. Cada departamento possui diversos checklists que serão utilizados pelos colaboradores como lembrete de itens em tarefas muito longas, ou passos a serem seguidos para se obter sucesso em uma determinada atividade. 6. Mapeamento de Processos Segundo FURLAN et al. (2009, pág. 30) um processo é um conjunto definido de atividades ou comportamentos executados por humanos ou máquinas para alcançar uma ou mais metas. Os processos podem ser disparados por eventos apresentando um ou mais resultados, estes resultados podem significar o término do processo ou a transferência de controle para outro processo. Os processos são compostos por várias tarefas ou atividades com o objetivo de solucionar uma questão específica, onde o trabalho é realizado ponta-a-ponta gerando valor aos clientes. (FURLAN et al., 2009) O mapeamento de processos é utilizado para desenhar e comunicar processos de negócios e são realistas em termos de seus usos. (FURLAN et al., 2009) Em outra definição Cheung e Bal (1998) afirmam que o mapeamento de processos é uma técnica onde coloca-se em um diagrama o processo de um setor, departamento ou organização, para orientação em suas fases de avaliação, projeto e desenvolvimento. Abaixo é apresentada uma imagem exemplificando o mapeamento de processos da utilização do software.

22 22 Figura 2: Mapeamento de processos da utilização do software Fonte: Elaborada pelo autor Conforme abordado anteriormente foi apresentado um método para demonstrar como um departamento gera valor e interage com quem ele ajuda, esta interação será apresentada com um mapeamento de processos, os processos deste mapeamento podem ter ou não fluxograma, o conceito de fluxograma de processos será visto a seguir. 7. Fluxogramas De acordo com o FURLAN et al. (2009), fluxograma é uma ferramenta utilizada para apresentar um ou mais processos através de simbologia. Uma representação comum de fluxogramas foi aprovada como um padrão ANSI no ano de 1970, utilizada na época para gerar fluxos de sistemas. Em uma definição mais simples Barnes (2004) afirma que um fluxograma de processo é uma ferramenta utilizada para se registrar um processo de maneira compacta, por meio de alguns símbolos padronizados. Um fluxograma comum pode conter os símbolos de início e fim sendo representados por losangos, retângulos ovais ou arredondados geralmente contendo a palavra Inicio ou Fim, ou outra que indique o início e o fim de um processo. Pode apresentar também setas interligando dois símbolos, indicando que o controle passa de um símbolo para o próximo, passos de processamento representado como retângulos, entrada e saída representadas por um paralelogramo, condição (ou decisão) representada pelo losango geralmente contendo teste como Sim/Não ou Verdadeiro/Falso, e vários outros símbolos que não são comumente utilizados mas que podem ser adotados. (FURLAN et al., 2009) Na imagem abaixo temos um exemplo de fluxograma de processo.

23 23 Figura 3: Exemplo de fluxograma do processo Fonte: Elaborada pelo autor 8. Estrutura do software Após a metodologia levantada a estrutura do software pode ser definida através de um cadastro inicial de departamentos, cada departamento irá possuir seus checklists e modelo de negócios, onde neste último devem ser apresentados seus relacionamentos, quem ajuda o departamento, de que forma ele é ajudado, quem o departamento ajuda, como ele ajuda, sendo que a forma de como o departamento é ajudado e como ele ajuda serão representados através do mapeamento de processos contendo diversos processos e fluxogramas que contribuíram para que o usuário obtenha uma matriz de conhecimento sobre seu departamento e consiga executar suas atividades com eficiência. A imagem abaixo ilustra a estrutura do software com base nos conceitos levantados.

24 24 Figura 4: Estrutura do software Fonte: Elaborada pelo autor 9. Conclusão O objetivo deste artigo foi propor o desenvolvimento de um software para gerar o modelo de negócios dos departamentos que compõem uma organização, associando processos e documentações utilizados por eles. O primeiro passo foi passo foi compreender o conceito de departamentalização dentro de uma organização e utilizar como base um modelo de negócios que fornecesse aos colaboradores uma visão ampla de como o seu departamento gera valor e os processos envolvidos para se alcançar os objetivos desejados. Para isto foi necessário realizar uma pesquisa aprofundada sobre alguns conceitos administrativos como processos, checklist e fluxograma de processos. Conclui-se também que com a implementação deste software será possível cadastrar todos os departamentos existentes em uma organização gerando um modelo de negócios para cada departamento, anexando os checklists utilizados e gerenciando os processos envolvidos, sendo possível demonstrar estes processos através de um fluxograma de processos.

25 25 O software fornecerá a organização uma central de conhecimento em gestão de processos, auxiliando os colaboradores a executarem suas atividades com eficiência, para que eles consigam alcançar os resultados esperados afim de fornecer produtos e serviços de qualidade ao cliente, ou seja, o software se desenvolvido será um diferencial para que a empresa se destaque em relação a seus concorrentes. 10. Referências BARNES, R. M. Estudo de movimentos e de tempos. Tradução da 6ª edição americana. 9ª reimpressão. São Paulo: Edgard Blücher, CHEUNG, Y.; BAL, J. Process analysis techniques and tools for business improvements. Business Process Management Journal, v. 4, n. 4, p , CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações. 7. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Elsevier, ª reimpressão, ISBN FURLAN, J. et al. Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio Corpo Comum de Conhecimento. Versão 2.0, NOGUEIRA, W. O que é administração de empresas?. Disponível em:http://www.setelagoas.com.br/component/content/article/5796-coluna-gestao-empresarial-oque-e-administracao-de-empresas. Acesso em: 01 de out OSTERWALDER A., PIGNEUR Y. Business Model Generation ISBN PAMPONET, A. V. Como Entender os Processos Organizacionais. Disponível em: Acesso em: 15 de nov

26 26 APESVICI: UM APLICATIVO ANDROID DE COLETA DE DADOS SOBRE AS CONDIÇÕES DE TRÁFEGO DAS ESTRADAS VICINAIS Resumo JESUS,Erivelton Gonçalo 1 BRAUN, Leonardo Luiz 2 BARROS, Andersown Becher Paes 2 Este artigo tem como objetivo apresentar os resultados obtidos através de pesquisas bibliográficas e implementação, para se desenvolver o aplicativo APESVICI (Aplicativo Estrada Vicinal). A seção dois aborda conceitos relacionados às tecnologias empregadas para desenvolver o software. Na seção três é apresentada a arquitetura, explicando como é realizada a integração entre as diferentes tecnologias. Já na seção quatro, é exposto o aplicativo, descrevendo as principais funcionalidades e suas características. Palavras chaves: APESVICI, Aplicativo, Estrada Vicinal, Tecnologias. Abstract This article aims to present the results obtained through bibliographic research and implementation, to develop APESVICI application (App outer). Section two discusses the related concepts used to develop the application technology. In section three to architecture is presented, explaining how the integration between different technologies is carried out. Already in section four, the application is exposed, describing the main features and characteristics. Key Words: APESVICI, Application, Side Roads, Technologies. 1 Acadêmico do Curso de Ciência da Computação do Instituto Cuiabano de Educação. 2 Professor/Orientador do Curso de Ciência da Computação do Instituto Cuiabano de Educação. E-

27 27 1. Introdução As estradas vicinais, também chamadas de estradas rurais, ou ainda estradas municipais, podem ser definidas como vias que interligam as propriedades rurais com as cidades (VALFRIDIA, 2003). A maioria dessas vias não é asfaltada, o que dificulta o acesso a esses locais. Objetivo deste artigo é expor os resultados obtidos mediante pesquisas, para desenvolver o aplicativo móvel APESVICI (Aplicativo Estrada Vicinal). A seção dois apresenta de maneira resumida conceitos sobre a plataforma Android, biblioteca Google Play Services, e Web Service. A seção três explica a arquitetura do software, como é realizada a integração entre o aplicativo, Banco de Dados local, Web Service, servidor de Banco de Dados remoto, e quais protocolos são utilizados para a comunicação. Já a seção quatro apresenta o projeto, onde são explicitadas as principais funcionalidades do aplicativo e suas características. 2. Tecnologias empregadas ao aplicativo APESVICI Para desenvolver o aplicativo APESVICI (Aplicativo Estrada Vicinal) foi utilizada a plataforma de desenvolvimento Android, que é gratuita, de código aberto, e utiliza a linguagem de programação Java. Como o software utiliza mapas, foi necessário adicionar a biblioteca Google Play Services na aplicação, que oferece diversas funcionalidades para manipulação de mapas no Android. Dentre as funcionalidades disponíveis destacam-se GPS (Global Positioning System), visualização de mapas, inserção de marcadores, entre outros. Para estabelecer conexão do aplicativo APESVICI com um servidor externo, foi necessário utilizar Web Service. Conforme Hugo (2006), Web Service fornece serviços para soluções de problemas de comunicação entre diferentes tipos de aplicações, desenvolvidas nas mais variadas linguagens de programação. 3. Arquitetura do aplicativo A figura 1 faz a ilustração da arquitetura do aplicativo APESVICI. Como pode ser visualizado, o aplicativo primeiramente armazena uma cópia dos dados no Banco de Dados local do

28 28 Android, o SQLite. Essa prática foi necessária devido à conexão 3G de algumas localidades serem de péssima qualidade, especialmente no interior das cidades abordadas por este projeto. O acesso ao SQLite pode ser realizado off-line. Armazenando os dados na base de dados do dispositivo, permite que o usuário faça a sincronização com o servidor remoto assim que a conexão com a internet seja restabelecida. Após a sincronização todos os dados são excluídos do dispositivo. Figura 1 - Arquitetura do aplicativo APESVICI Elaborado pelo autor Conforme figura 1, o SOAP (Simple Object Access Protocol) é um protocolo de comunicação baseado em XML (Extensible Markup Language) onde seu objetivo aqui é criar um envelope que vai abrigar os métodos e as propriedades do Web Service, além das informações inseridas pelo usuário da aplicação. A comunicação é realizada através de troca de mensagens entre a aplicação requisitante e o serviço. Para enviar as informações do software para o Web Service, bem como receber a resposta deste, o aplicativo APESVICI utiliza o protocolo de transporte HTTP (HiperText Transfer Protocol). A interface do Web Service possui as descrições dos serviços oferecidos, e o tipo de dados que este suporta. O aplicativo APESVICI utiliza o serviço FS_Proced, que é um método responsável por fazer a inserção dos dados no Banco de Dados remoto, e o Consulta, que disponibiliza as informações no dispositivo, para que o usuário consulte. Os dados de conexão com o Banco de Dados remoto, como por exemplo, usuário e senha, não ficam disponíveis no Web Service, esses dados são ocultados para garantir a segurança.

29 29 4. APESVICI - Projeto O projeto APESVICI (Aplicativo Estrada Vicinal) consiste de um software móvel, desenvolvido na plataforma Android onde o mesmo tem como objetivo coletar dados sobre as condições de tráfego das estradas vicinais. As informações são fornecidas pelo usuário do aplicativo que identificar problemas nas vias participantes do projeto. Inicialmente o projeto conta com a participação de quatro cidades do estado do Mato Grosso, são elas: Alta Floresta, Confresa, Juara e Marcelândia. Para identificar as cidades, o aplicativo dispõe de uma lista com a descrição dos municípios, que ao ser clicado, mostra na tela o mapa com marcadores e linhas traçadas. Ao clicar no marcador o usuário é direcionado para um formulário onde poderá deixar a sua avaliação sobre a via que selecionou. Na mesma tela, existe uma aba para conferir os resultados parciais de avaliações anteriores. Veja a figura 2: Figura 2 Telas do Mapa e de avaliação. Fonte: Elaborado pelo autor. Conforme figura 2, a tela que exibe o mapa é a mais importante do projeto, pois é ela que vai inserir os traçados coloridos e marcadores, para que os dados possam ser coletados. O traçado preto representa a delimitação do município, que na figura acima é Confresa. Já o traçado interno desenha as estradas vicinais, onde são dispostos marcadores que ao ser clicado exibe um pop-up com a identificação da via selecionada e link para avaliação. Já a tela que exibe o formulário, figura 2, permite que o usuário realize a avaliação da via através de campos pré-definidos. No primeiro campo é designado que tipo de estrada vicinal o usuário vai avaliar: Pavimentada (Asfalto) ou Não pavimentada (Terra). No segundo campo é avaliada a condição que se encontra a estrada, no momento da interação do usuário com o

30 30 aplicativo. As opções são: Ótimo, Ruim e Buraco. Ao concluir o preenchimento do formulário, o usuário salva os dados primeiramente no dispositivo móvel, através do botão Salvar. Caso esteja com conexão 3G ou Wi-Fi o mesmo poderá enviar os dados para o servidor de Banco de Dados externo, bastando clicar no botão Enviar. A figura 3 exibe a tela Resultado e Gerar relatório. A tela resultado exibe para o usuário o percentual parcial de avaliações referente à condição de tráfego de determinada via. A exibição dos resultados é divido em dois tópicos: Tipo de estrada Asfalto e Terra. As condições disponíveis para consulta são: Buraco, Ótimo e Ruim. Já a tela Gerar relatório, permite gerar arquivos no formato PDF (Portable Document Format). Os dados disponíveis no relatório são os seguintes: Identificação da via avaliada, o tipo de estrada: Asfalto ou Terra, e a condição da via: Buraco, Ótimo e Ruim. Veja a figura 3: Figura 3 Tela Resultado e Gerar Relatório Fonte: Elaborado pelo autor. 5. Resultados obtidos Dessa forma, o resultado final que se obteve, foi à conclusão do aplicativo, que realiza a coleta de dados sobre as condições de tráfego das estradas vicinais. A princípio os dados são distribuídos apenas através do aplicativo, mas para trabalhos futuros será desenvolvido um gerenciador web para administrar as informações coletadas.

31 31 6. Conclusão As estradas vicinais são caminhos que ligam as propriedades rurais aos grandes centros urbanos. A superfície da maioria dessas estradas não dispõe de pavimentação, o que prejudica o fluxo de veículos. Problemas como poeira, erosão, buracos e atoleiros é bastante comum de encontrar durante o percurso. Essas vias são importantes para o crescimento socioeconômico do Brasil, pois é através delas que os produtos do agronegócio são escoados para outras localidades. O objetivo deste artigo foi expor os resultados obtidos através de pesquisas, para desenvolver um software para dispositivos móveis, na plataforma Android, capaz de coletar informações sobre as condições de tráfego das estradas vicinais. 7. Referências bibliográficas ESTRELLA, Júlio Cézar; et al. Avaliação de desempenho de web services attachments. Disponível em: <http://www.icmc.usp.br/cms/arquivos/arquivos_enviados/biblioteca_113_rt_336.pdf>. Acesso em: 08 de jun HUGO, Victor Vieira. Web Services de apoio a aplicações voltadas ao trabalho em grupo Dissertação (Mestre em Ciência da Computação e Matemática Computacional) Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMC-USP, Universidade de São Paulo, São Paulo, Disponível em: < >. Acesso em: 18 de abr VALFRIDIA, Tercia Lima Nunes. Método de previsão de defeitos em estradas vicinais de terra com base no uso das redes neurais artificiais: Trecho de Aquiraz CE. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes) Programa de Mestrado em Engenharia de Transportes, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Disponível em: <http://www.det.ufc.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=16&itemid=13 2>. Acesso em 28 de mar LECHETA, Ricardo R. Google android: aprenda a criar aplicações para dispositivos móveis com o android sdk. 2 ed. São Paulo: Novatec, RABELLO, Ramon Ribeiro. Android: um novo paradigma de desenvolvimento móvel. Disponível em: <http://www.cesar.org.br/site/files/file/wm18_android.pdf>. Acesso em: 27 de out

32 32 DESENVOLVENDO APLICAÇÕES WEB ADAPTÁVEIS UTILIZANDO CONCEITOS DE DESIGN RESPONSIVO BARROS, Andersown Becher Paes 1 AMORIN, Kenny Jonhson da Silva 2 2 RESUMO A crescente evolução das tecnologias e juntamente com a popularização de dispositivos móveis têm permitido o desenvolvimento de aplicações que tenham uma melhor experiência para o usuário. Neste aspecto, o web design responsivo tem como função facilitar esse desenvolvimento. Tendo como objetivo central o estudo dos conceitos básicos e recursos disponíveis para serem utilizados em aplicações web para dispositivos móveis. Utilizando como exemplo o site do ICE (http://www.ice.edu.br). Mantendo o design do layout, porém tornando-o adaptável a qualquer resolução. Palavras chave: Web Design, Responsivo, Aplicações Web. ABSTRACT The growing and evolving technologies with popularization of mobile devices have allowed the development of applications that have a better user experience. In this aspect, the responsive web design is to facilitate this function development. Having a central procedure the study of basic concepts and available for use in web applications for mobile devices features.

33 33 1. INTRODUÇÃO A popularização dispositivos móveis, tais como celulares, smartphones e tablets tem aumentado a facilidade de acesso a informação, em especial através da internet. E isso tem gerado uma grande mudança na maneira de acessar as informações, com um crescente número de usuários, diversos modelos e resoluções de telas diferentes, surgiu a necessidade de criar interfaces mais amigáveis e adaptáveis a esses dispositivos. Na tentativa de solucionar esse problema, surge o conceito de, desenvolver uma aplicação web voltada para telas maiores e outra interface voltada para telas menores. Essa abordagem gerava uma experiência de usuário mais agradável, quando acessado a partir de um celular, ou outro dispositivo com tela menor. Porém gerava outros, como se tratava de uma interface exclusiva, esta possuía outro endereço. E quando o link é compartilhado visitantes ficarão presos em uma pequena tela amigável vista, independentemente do dispositivo que seja usado, gerando um má experiência no caso de desktop. Figura 1 - Layout Responsivo. (Fonte: Acessado em: 01/04/2014)

34 34 2. DESENVOLVIMENTO Zemel (2012) nos diz que para conseguir implementar um design responsivo necessitamos de 3 tecnologias principais: 1) Layout fluido; 2) Imagens e recursos flexíveis; e 3) Media queries LAYOUT FLUÍDO Layout fluídos ou como chamado por Marcotte, grid flexível, é o primeiro passo para se conseguir construir aplicações web responsivas. Para isso é importante não utilizar medidas absolutas no CSS. De modo que os espaçamentos, tamanhos, margens, paddings, ou qualquer outro elemento do layout da pagina do site devemos utilizar unidades relativas como porcentagem e em. Para converter uma medida absoluta, geralmente em pixel em uma medida relativa Marcotte nos apresenta uma fórmula. target context = result Com a fórmula fica fácil calcular qual será a medida relativa permitindo assim a conversão correta de um determinado elemento que possuía uma medida absoluta.

35 35 Figura 2 - Medidas Absolutas Por exemplo, vamos aplicar a fórmula ao site acima (Figura 1). O menu possui 170px de largura, e o conteúdo possui 960px de largura, então neste caso a largura do menu é o target (170) e a largura do conteúdo é o context (960), então aplicando a fórmula ficaria da seguinte maneira: = 0,177 O resultado será 0,177, se avançarmos duas casas decimais a direita teremos 17,7 e este é o valor e porcentagem. Dessa maneira é possível converter todas as medidas absolutas em pixel em valores relativos em porcentagem IMAGENS E RECURSOS FLEXÍVEIS Quando se desenvolve uma aplicação através do conceito de web design responsivo, é preciso encontrar uma solução que faça com que as imagens se adequem ao espaço devido e, independentemente da resolução, sejam bem apresentadas. Segundo Marcotte (2011, p. 52), para se conseguir um efeito de imagens flexíveis, é preciso apenas algumas poucas linhas de CSS (Cascading Style Sheets). Sem regras complexas ou propriedades recém-lançadas. Só é preciso acrescentar isso ao CSS.

36 36 img { } max-width: 100%; Figura 3 Script responsável por tornar as imagens com tamanho responsivo O problema dessa abordagem mais simples, é que é a imagem será sempre a mesma independente, forçando dispositivos com tamanhos menores utilizar uma imagem em alta resolução, devido a atender a qualidade em dispositivos com tamanhos maiores. Alem disso quando o acesso é feito a partir de dispositivos moveis a velocidade de acesso geralmente é menor. Para isso existem frameworks que podem ser de alternativa para isso como o jquery-picture MEDIA QUERYS O design responsivo não consiste em apenas redimensionamento de conteúdo e imagens, mas também que os elementos possam variar de posição, tamanho, se esconder ou exibir, conforme a necessário. E é exatamente para isso que utilizaremos as media querys. <link rel="stylesheet" type="text/css" media="screen and (minwidth:480px)" href="480.css"> <link rel="stylesheet" type="text/css" media="screen and (minwidth:768px)" only screen and (min-width: 480px) {... only screen and (min-width: 768px) {... } Figura 4 Semântica das media-queries O media query é uma parte de um recurso presente no css desde a versão 2.1 e seu uso é recomendado pela W3C, as media types. Media type é responsável por permitir que sejam criados estilos distintos conforme a mídia, como monitores, projetores, impressão TVs, entre outros. Mas as media types não servem totalmente como separadores de estilo porque cada vez mais dispositivos de mídia surgem com recursos diferentes e ao mesmo tempo parecidos, mesclando recursos existentes entre algumas mídias.

37 37 Os media querys permitem que o foco da separação de layout seja o tamanho e não o tipo da mídia em si. É possível especificar o uso de estilos separados por arquivo ou blocos dentro do mesmo arquivo usando um ou vários dos parâmetros a seguir: width height device-width device-height orientation aspect-ratio device-aspect-ratio color color-index monochrome resolution scan grid No geral apenas alguns poucos parâmetros são usados para estruturar o layout. A maioria dizem respeito a largura e altura do display e a orientação do dispositivo. Para declarar as regras CSS especificas conforme o tamanho do dispositivo ou browser, utilizamos os parâmetros devicewidth e width. Mas, é importante definir breakpoints (pontos de interrupções) adequados, pois, estes serão os pontos em que o comportamento e/ou a estrutura do layout sofrerá alterações. Não há um padrão predefinido de quais devem ser os melhores breakpoints a serem adotados. Cada aplicação web tem sua necessidade. E portanto deverá ser ajustada conforme a necessidade.

38 38 Mesmo assim, existem uma serie de frameworks que definem alguns breakpoints iniciais, como o Twitter Bootstrap, Skeleton e Less Framework. Cada um deles estabelecem um modelo de breakpoints APLICAÇÃO DO DESIGN RESPONSIVO Como forma de demonstrar a aplicação das técnicas de web design responsivo foi utilizado o site do ICE localizado no endereço eletrônico Por meio do layout responsivo o site se adapta a diferentes resoluções como pode ser visto na figura abaixo (Figura 3 - Layout Responsivo). Se comparado com o layout de largura fixo que foi desenvolvido focado em resoluções de 1024 pixels de largura. No caso de resoluções superiores esta não aproveita devidamente o espaço excedente na tela e em casos de resoluções menores gera barra de rolagem na posição horizontal prejudicando a experiência do usuário. Figura 3 - Layout Responsivo Isso só é possível as media-queries que definem como os elementos irão ser posicionados na tela dependendo de cada resolução. Como no caso do menu superior que se adapta a largura afim de aproveitar melhor o espaço na tela. Na primeira parte da imagem ele fica escondido, aparecendo apenas quando clicado no ícone ao lado do campo de busca, já na terceira imagem ele assume o tamanho de 100% da largura da tela. Os menus de navegação tiveram que ser escondidos em caso de resoluções menores como de celulares e smartphones.

39 39 Figura 4 - CSS responsável pelo layout dos menus. Figura 5 - Menu responsivo.

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB

TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB TÉCNICAS DE ESTRUTURAÇÃO PARA DESIGN RESPONSIVO: AMPLIANDO A USABILIDADE NO AMBIENTE WEB Tiago Volpato 1, Claudete Werner 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagovolpatobr@gmail.com,

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS Aluna: Eleonora Cominato Weiner Orientador: Markus Endler Introdução A palavra mobilidade ganha mais importância a cada instante,

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. Melhores práticas na utilização de media queries para sites responsivos Andre Sandes Farias andre.sandes@gmail.com Resumo: Esse artigo tem como objetivo mostrar dentro do ambiente de desenvolvimento de

Leia mais

Design responsivo para WEB com Bootstrap. Fernando Freitas Costa dovernando@gmail.com Especialista em Gestão e Docência Universitária/UNIFIMES

Design responsivo para WEB com Bootstrap. Fernando Freitas Costa dovernando@gmail.com Especialista em Gestão e Docência Universitária/UNIFIMES Design responsivo para WEB com Bootstrap Fernando Freitas Costa dovernando@gmail.com Especialista em Gestão e Docência Universitária/UNIFIMES Assunto de hoje... Um pouco de História... Por que me preocupar

Leia mais

Responsive Web Design

Responsive Web Design Professor: http://jemaf.github.com DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB - INFORMATICA - COLTEC/UFMG 2014 Introdução Atualmente, a web é acessada de qualquer lugar, em qualquer dispositivo. Acesso a web: Anos

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson. Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.gomes Apresenta!!! 1. A Empresa A HCCONSYS com o intuito de ser

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 1 Índice Portal CopaGIS...3 1 - Como se cadastrar...4 2 - Serviços do Portal de Geoprocessamento...8 3 - Serviço de Consulta...9 3.1 - Dados informativos... 10

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7

PROGRAMANDO ANDROID NA IDE ECLIPSE GABRIEL NUNES, JEAN CARVALHO TURMA TI7 Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Rio Grande do Sul Informação e Comunicação: Habilitação Técnica de Nível Médio Técnico em Informática Programação Android na IDE Eclipse PROGRAMANDO ANDROID

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Android Básico Hello World!

Android Básico Hello World! Android Básico Hello World! Instrutor Programador desde 2000 Aluno de doutorado Mestre em informática pelo ICOMP/UFAM Especialista em aplicações WEB FUCAPI marcio.palheta@gmail.com sites.google.com/site/marcio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Android. 10 vantagens do sistema Android em relação ao iphone

Android. 10 vantagens do sistema Android em relação ao iphone Android Android é um sistema operacional do Google para smartphones, TVs e tablets. Baseado em Linux e de código aberto, o sistema móvel é utilizado em aparelhos da Samsung, LG, Sony, HTC, Motorola, Positivo,

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Programação para Android

Programação para Android Programação para Android Aula 01: Visão geral do android, instalação e configuração do ambiente de desenvolvimento, estrutura básica de uma aplicação para Android Objetivos Configurar o ambiente de trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE

COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE COMO USAR OS VÍDEOS ONLINE PARA ALAVANCAR O MEU E-COMMERCE White Paper com dicas essenciais para quem já trabalha ou pretende trabalhar com vídeos em lojas virtuais. 1 PORQUE USAR VÍDEOS ONLINE NO E-COMMERCE?

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Web Design Responsivo

Web Design Responsivo Capítulo 1 Web Design Responsivo Arlino Henrique Magalhães de Araújo Abstract The growing variety of devices where the websites are shown (laptops, tablets, netbooks, mobile phones, small screen desktops,

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - CONCEITOS BÁSICOS ARCPAD

1 - INTRODUÇÃO 2 - CONCEITOS BÁSICOS ARCPAD 1 - INTRODUÇÃO O ArcPad é um software de mapeamento e tratamento de Informações Geográficas desenvolvido pela ESRI cujo objetivo principal é a portabilidade e mobilidade dos dados. O ArcPad pode ser utilizado

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá9ca 1 Prof. Markus Endler Pré- requisitos Para desenvolver para plataforma Android, é necessário fazer o download e instalar: Android SDK Tools: necessário para gerenciamento

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas

Leia mais

Universidade Católica de Pelotas. Centro Politécnico. Analise e Desenvolvimento de Sistema LET S RUNNING. Por. Guilherme Carvalho Gehling

Universidade Católica de Pelotas. Centro Politécnico. Analise e Desenvolvimento de Sistema LET S RUNNING. Por. Guilherme Carvalho Gehling Universidade Católica de Pelotas Centro Politécnico Analise e Desenvolvimento de Sistema LET S RUNNING Por Guilherme Carvalho Gehling Documento de conclusão da disciplina de Trabalho de Curso II Orientador.

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID

PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID PROTÓTIPO DE APLICAÇÃO PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS EM DISPOSITIVOS MÓVEIS NA PLATAFORMA ANDROID Acadêmica: Shaiane Mafra Casa Orientador: Jacques Robert Heckmann 07/2013 Roteiro Introdução

Leia mais

Google Android para Tablets

Google Android para Tablets Google Android para Tablets Aprenda a desenvolver aplicações para o Android De smartphones a tablets Ricardo R. Lecheta Novatec Copyright 2012 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos

Leia mais

Busca Certa Combustíveis

Busca Certa Combustíveis UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Busca Certa Combustíveis por Luma Melo Borges Documento de conclusão da disciplina de Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS. por

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS. por UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CERVA TOISS por Daniel Teixeira Braga Trabalho de Conclusão de curso II Prof. Marcos Echevarria

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES Autores: Luciano GONÇALVES JUNIOR, Natália Maria Karmierczak DA SILVA, Paulo César Rodacki GOMES,

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados

Tutorial Plone 4. Manutenção de Sites. Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Tutorial Plone 4 Manutenção de Sites Universidade Federal de São Carlos Departamento de Sistemas Web Todos os direitos reservados Sumário Introdução 1 Como fazer a autenticação do usuário 1.1 Através do

Leia mais

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO

Pré-Projeto do Trabalho de Conclusão de Curso Tiago Garcia Pereira 1. INTRODUÇÃO UM PADRÃO ABERTO DE SOFTWARE PARA COMPUTAÇÃO MÓVEL: UM ESTUDO SOBRE GOOGLE ANDROID 1. INTRODUÇÃO O aumento do número usuários de dispositivos móveis atrai cada vez os desenvolvedores a produzir aplicações

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

23 LOCAIS ESTRATÉGICOS PARA INSERIR O OPT-IN DO EMAIL MARKETING

23 LOCAIS ESTRATÉGICOS PARA INSERIR O OPT-IN DO EMAIL MARKETING WHITEPAPER 23 LOCAIS ESTRATÉGICOS PARA INSERIR O OPT-IN DO EMAIL MARKETING Por Juliana Padron CEO da Templateria INFO@TEMPLATERIA.COM WHITEPAPER 23 LOCAIS ESTRATÉGICOS PARA INSERIR O OPT-IN DO EMAIL MARKETING

Leia mais

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1

Tutorial SD. Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Mobile and Smart devices Development Solution - Página 1 Introdução Hoje em dia, está claro para a indústria de TI a relevância que têm os smartphones, tablets e dispositivos inteligentes (os chamados

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis

Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Aplicativo para elaboração de questionários, coleta de respostas e análise de dados na área da saúde em dispositivos móveis Visão Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 24/06/12

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo

Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Acadêmico: Maicon Machado Orientador: José Carlos Toniazzo Tema; Delimitação do Problema; Hipóteses ou questões de pesquisa; Objetivos; Justificativa; Revisão Bibliográfica; Cronograma; Referências. Desenvolver

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis

PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis PLATAFORMA URBANMOB Aplicativo para captura de trajetórias urbanas de objetos móveis Gabriel Galvão da Gama 1 ; Reginaldo Rubens da Silva 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO Este artigo descreve um projeto

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

DESIGN RESPONSIVO TÉCNICAS E PROCESSOS DE PRODUÇÃO. Profº Ritielle Souza

DESIGN RESPONSIVO TÉCNICAS E PROCESSOS DE PRODUÇÃO. Profº Ritielle Souza DESIGN RESPONSIVO TÉCNICAS E PROCESSOS DE PRODUÇÃO Profº Ritielle Souza Web design responsivo Mas, o que é Web Design Responsivo? O Wiki diz o seguinte (tradução livre): Web Design Responsivo (RWD), essencialmente

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Versão 1 Mkt Salvador 17.10.12

Versão 1 Mkt Salvador 17.10.12 Versão 1 Mkt Salvador 17.10.12 NÓS CUIDAMOS DOS PROCESSOS. VOCÊ CUIDA DOS NEGÓCIOS. NÓS CUIDAMOS DOS PROCESSOS. Mais de 10 anos de atuação. Empresa mais premiada do setor. Consolidada e com experiência

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

RELATÓRIO DO GOMOMETER

RELATÓRIO DO GOMOMETER RELATÓRIO DO GOMOMETER Análise e conselhos personalizados para criar sites mais otimizados para celular Inclui: Como os clientes de celular veem seu site atual Verificação da velocidade de carregamento

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 12? O PaperPort 12 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

A plataforma Android: Uma Introdução

A plataforma Android: Uma Introdução A plataforma Android: Uma Introdução Android Iniciativa da Google de prover uma plataforma aberta para Web móvel Open Handset Alliance Associação de um grupo bastante heterogêneo de empresas (operadoras,

Leia mais

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI.

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI. Mostrar área de trabalho.scf Manual do Produto EDI. ÍNDICE MANUAL DO PRODUTO EDI....3 1. O QUE É O EDI?...3 1.1. VANTAGENS... 3 1.2. FUNCIONAMENTO... 3 1.3. CONFIGURAÇÃO NECESSÁRIA... 3 2. UTILIZANDO O

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Apostila da Ferramenta AdminWEB

Apostila da Ferramenta AdminWEB Apostila da Ferramenta AdminWEB Apostila AdminWEB SUMÁRIO OBJETIVO DO CURSO... 3 CONTEÚDO DO CURSO... 4 COMO ACESSAR O SISTEMA... 5 CONHEÇA OS COMPONENTES DA PÁGINA... 6 COMO EFETUAR O LOGIN... 9 MANTER

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO TUTORIAL http://pt.wordpress.com http://.wordpress.org Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto

Leia mais

Manual de instalação e configuração da Ferramenta Android SDK

Manual de instalação e configuração da Ferramenta Android SDK Trabalho de Programação para Dispositivos Móveis Turma: 1011 Camila Botelho camilacunhabotelho@gmail.com Manual de instalação e configuração da Ferramenta Android SDK Introdução O Android é uma ferramenta

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (O Mercado Mobile no Brasil) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox Manual Software Controle de Jukebox Versão 1.0 2014 Sumário 1. Principais Características... 2 2. Software Controle de Jukebox... 3 I. Tela Principal... 4 1 Data Cobrança... 4 2 Linha... 4 3 Cobrador...

Leia mais

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS 1. Apresentação Os sites e sistemas web desenvolvidos pela Dynamika apresentam um conjunto de critérios de desenvolvimento que visam entregar o projeto de

Leia mais

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br

inux Sistemas Ltda. MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br 2013 inux Sistemas Ltda. s MANUAL DO USUÁRIO www.inux.com.br Sumário 1 Introdução... 2 2 Visão Geral do Sistema... 2 3 Tela de Configuração... 3 4 Tela de Mensagens... 5 5 Tela de Importação... 8 6 Tela

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN

SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN SIG como uma ferramenta de análise espacial Um estudo de caso da saúde no RN Adeline M. Maciel, Luana D. Chagas, Cláubio L. L. Bandeira Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Universidade do Estado do

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile

Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Inicialização Rápida do Novell Vibe Mobile Março de 2015 Introdução O acesso móvel ao site do Novell Vibe pode ser desativado por seu administrador do Vibe. Se não conseguir acessar a interface móvel do

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

Windows Phone: Acesse Configurações > Rede celular + SIM > Ativada/Desativada. Android: Deslize a tela para baixo e desmarque a opção de dados.

Windows Phone: Acesse Configurações > Rede celular + SIM > Ativada/Desativada. Android: Deslize a tela para baixo e desmarque a opção de dados. Sempre que você não estiver usando a conexão, desligue a internet do seu aparelho. Mesmo em espera, os programas do celular ou tablet ficarão atualizando com redes sociais, e-mails, entre outros. Com isso

Leia mais

Computação II Orientação a Objetos

Computação II Orientação a Objetos Computação II Orientação a Objetos Fabio Mascarenhas - 2014.1 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/java Android Android é um sistema operacional para dispositivos móveis Kernel Linux, drivers e bibliotecas do

Leia mais

VALORES MISSÃO. "Ética nos negócios e no relacionamento com nossos colaboradores, comprometimento e transparência com nossos clientes e parceiros".

VALORES MISSÃO. Ética nos negócios e no relacionamento com nossos colaboradores, comprometimento e transparência com nossos clientes e parceiros. Media Kit 2015 A DRT Brasil é inovadora quando o assunto é Comunicação e Publicidade Digital, além de ser uma empresa jovem e arrojada em seus projetos. Iniciou suas operações com muito otimismo e trabalho,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Ministério da Defesa Exército Brasileiro Maio/2012 Sumário 1- Introdução...2 1.1- O que é o BDGEx?...2 1.2- Entrando no Sistema...2 1.3- Apresentando a Área de Trabalho

Leia mais