No atual modelo, os contratos bilaterais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No atual modelo, os contratos bilaterais"

Transcrição

1 A comercialização de energia elétrica no Brasil Dilcemar de Paiva Mendes* Aenergia elétrica pode ser comercializada por intermédio de contratos de compra e venda ou no mercado de balcão (também chamado de spot). Conceitualmente, contratos são mecanismos de comercialização de qualquer produto ou commodity e são documentos onde um comerciante concorda em entregar um produto ou serviço a outro comerciante, sob determinadas condições, em troca de certa quantia ou outros produtos ou serviços. Contratos constituem uma oportunidade para compradores e vendedores acor- darem antecipadamente sobre os termos de venda, e permitem empresas distintas negociarem umas com as outras, objetivando o gerenciamento de riscos em um sistema descentralizado e a proteção (hedging) contra a volatilidade de preços. Eles oferecem incentivos para o comportamento eficiente. No atual modelo, os contratos bilaterais podem ser celebrados em ambiente regulado ou no mercado livre, como está exemplificado no diagrama da figura 1. Os geradores que fazem a opção por não celebrar contratos de compra e venda de energia e se dispõem a vender no balcão são denominados geradores merchants. Entretanto, em função da grande volatilidade dos preços do mercado e das limitações no preço máximo do mercado de curto prazo não existem efetivamente geradores economicamente viáveis operando somente no balcão. Os geradores e os comercializadores devem demonstrar lastro de venda para 100% de seus contratos, de forma que a energia contratada possa ser disponibilizada ao mercado. No caso dos geradores, o lastro de venda pode ser composto por energia de geração pró- 68 ENGENHARIA/2007

2 Tabela 1 - Resultados dos leilões de energia velha REALIZAÇÃO DEZEMBRO/2004 ABRIL/2005 OUTUBRO/2005 Produtos Preço médio (R$/MWh) Energia (MWmédio) Energia (GWh) R$ * ,51 67,33 75,46 83,13 94,91 62, , , , , , , , , , , ,72 168,90 pria mais contratos de compras de energia. Da mesma forma, os comercializadores devem demonstrar que 100% da energia que estão vendendo são sustentados em contratos de compra. Por outro lado, as distribuidoras e os consumidores livres devem celebrar contratos de compra para 100% de suas respectivas cargas. Tais exigências de contratação caracterizamse como os principais instrumentos regulatórios de incentivo à expansão da capacidade instalada, sobretudo de geração. A existência de um ambiente de contratação livre (ACL) e um ambiente de contratação regulada (ACR) torna complexa, para a Aneel, a tarefa de estabelecer o escopo e o detalhamento das regras e regulamentos para contabilizar e liquidar as operações de compra e venda no mercado de curto prazo. Em princípio, os ambientes de contratação regulado e livre podem ser vistos como separados. Contudo, são complementares do ponto de vista dos participantes do mercado, dado que, exceto as distribuidoras e os consumidores cativos, todos os demais podem Gerador Distribuidor Cativo Gerador Distribuidor Cativo atuar nos dois ambientes. Outra importante característica do modelo é que a integração vertical das empresas de distribuição não é permitida. Isso significa que não podem ser proprietárias de ativos de geração, nem comercializar com consumidores livres. Isto é, elas podem atuar apenas no ambiente regulado, comprando por meio de leilões e vendendo para consumidores cativos. Essa é uma vantagem do modelo, porque reduz os prováveis e indesejáveis subsídios cruzados, em que as tarifas dos consumidores cativos poderiam patrocinar menores preços para os consumidores livres. Esse é um importante desafio regulatório. O mercado para consumidores livres aumentou 10 vezes nos últimos três anos, motivado pelos preços reduzidos no mercado spot. Em razão desse movimento, os encargos setoriais que são incluídos nas tarifas reguladas, tendem a ser cobrados, cada vez mais, de um número menor de consumidores cativos onerando as tarifas a que são submetidos. Desse modo, um ciclo vicioso pode ser formado: a opção de um consumidor por Gerador Livre Comercializador Figura 1 - Mecanismos de comercialização no novo modelo do setor elétrico brasileiro Obs.: Transações no mercado livre são representadas pelas linhas tracejadas e as linhas cheias representam as transações no ambiente regulado Gerador de fonte incentivada Livre/Especial tornar-se livre aumenta o custo da energia para o consumidor cativo, o que leva outros consumidores a se tornarem livres e assim sucessivamente. Ressalte-se que a legislação pertinente estabelece que o exercício da opção pelo consumidor não pode resultar em aumento tarifário para os consumidores remanescentes da concessionária de distribuição. É importante ressaltar as opções de comercialização de energia disponíveis para os geradores de fontes incentivadas como biomassa, eólicas e Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs). O incentivo para essas fontes de geração consiste na redução de no mínimo 50% e pode chegar a 100% dos custos de uso do sistema de distribuição. Os consumidores livres e os chamados consumidores especiais (aqueles cujas demandas são igual ou superior a 500 kw) quando adquirirem energia de geradores de fontes incentivadas também têm direito ao desconto no uso da rede de distribuição (figura 2). O MERCADO DE CURTO PRAZO As características mais importantes do mercado spot brasileiro são a existência de um operador do mercado (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE) que centraliza as transações de compra e venda de energia; custos e os preços associados diretamente ao despacho econômico; os preços semanais calculados ex-ante; a demanda passiva no mercado atacadista; e a inexistência de pagamentos por capacidade. O sistema considerado pelo operador do mercado é constituído de aproximadamente 70 reservatórios. Para reduzir a sobrecarga computacional e representar sua interdependência hidrológica, eles são agregados em reservatórios equivalentes. Quatro subsistemas passam a ser representados pelos seus corresponden- ENGENHARIA/

3 Tabela 2 - Resultado do 1º leilão de energia nova (Dezembro/2005) HIDRÁULICAS TERMOS Produto Nova Velha não construída Velha em operação Emergenciais Energia (MWmédio) Energia (GWh) Preço médio (R$/MWh) 2008-H H H30 Total Hidro 2008-T T T15 Total Ter ermo , , , ,5, , , , , ,95 114,28 115,04 114,43 132,26 129,26 121, , 1 8 tes reservatórios equivalentes, nos quais as principais características são a capacidade de geração e o fluxo de energia. Esses quatro subsistemas são denominados submercados, caracterizados, principalmente, pelas restrições de transmissão entre eles. O Operador Nacional do Sistema Elétrico, ONS, utiliza uma cadeia de modelos de otimização para determinar o despacho de custos mínimos de operação. Os modelos usam programação dinâmica dual estocástica para definir o perfil das unidades de geração, para cada horizonte de planejamento, visando a calcular o custo marginal de operação no curto prazo para os quatro submercados. As informações essenciais para uma operação otimizada são: a previsão de vazões, o perfil da carga, a configuração da rede, a disponibilidade dos recursos de geração e o planejamento de geração e transmissão. O operador do mercado utiliza os mesmos modelos de otimização do operador do sistema para determinar o preço de liquidação de diferenças ( pld ) em base semanal, para três patamares de carga (pesada, média e leve) e para cada submercado. Esses valores são limitados por um preço mínimo de 16,92 reais por MWh e um preço máximo de 515,80 reais por MWh. Somente as restrições de transmissão entre submercados são consideradas e, dessa forma, os preços de liquidação de diferenças podem diferir significativamente do custo marginal de curto prazo. Um aspecto importante é que para a contabilização das transações de compra e venda de energia no mercado de atacado e definição do pld, a CCEE considera diversas fontes de receitas e pagamentos, que constituem os componentes para formar o resultado financeiro (contabilização) dos agentes no mercado no âmbito da CCEE. Esse resultado pode ser positivo ou negativo e assim os agentes, dependendo do caso, seriam vendedores ou compradores no mercado spot, com correspondente crédito ou débito. Uma dessas fontes de receitas e pagamentos é a exposição ao pld por desvios contratuais. O mercado atacadista brasileiro pode ser tratado como um mercado de diferenças, em que um agente gerador fica exposto ao pld sempre que sua respectiva geração (ou energia alocada) for menor do que o montante de energia contratado. Do mesmo modo, um agente comercializador fica exposto ao pld sempre que seus contratos de compra totalizarem menos energia que seus contratos de venda. Um agente de distribuição, por sua vez, um consumidor livre fica exposto ao pld toda vez que seu consumo for maior que o total da energia que cada um deles tem contratado. Leilão regulado Distribuidora I Distribuidora II Geração Distribuída: licitação com publicidade, transparência e igualdade de acesso ~ Livre > 3 MW III Por determinação da Aneel os participantes são obrigados a apresentar garantias financeiras para comercializarem nesse mercado. As garantias financeiras são estabelecidas todo mês para cada agente setorial, de acordo com a expectativa da contabilização de cada período de liquidação, considerando o histórico de períodos anteriores. O MERCADO DE LONGO PRAZO Uma mudança relevante introduzida pelo atual modelo brasileiro para o setor elétrico está relacionada aos arranjos para as contratações de longo prazo. No modelo anterior era permitido aos participantes do mercado celebrar contratos por meio da livre negociação. Atualmente, as distribuidoras somente podem celebrar contratos bilaterais com geradores se os contratos de comercialização de energia no ambiente regulado (CCEARs) resultarem de leilões regulados, cujas regras assegurem publicidade, transparência e acesso não discriminatório. Geração incentivada (Biomassa, eólicas e PCHs) Desconto de no mínimo 50% da TUSD Especial > 0,5 MW IV Livre negociação Desconto de no mínimo 50% da TUSD Figura 2 - Mecanismos de comercialização para geradores de fontes incentivadas 70 ENGENHARIA/2007

4 Os leilões são realizados tal qual uma estrutura de mercado do tipo comprador único. As distribuidoras são solicitadas a informar suas necessidades de carga, que são agregadas para construir a curva de demanda do sistema. Eles resultam em múltiplas transações bilaterais, nas quais uma distribuidora celebra tantos CCEARs quanto for o número de geradores vencedores no certame. Uma distribuidora não pode discriminar entre geradores, ao contrário do que acontecia no modelo anterior, em que essa possibilidade acabou incentivando compras verticalizadas, distorcendo o mecanismo de self-dealing, agora eliminado. Os CCEARs decorrentes do leilão de energia velha devem ter no mínimo cinco anos. Para o caso da energia nova, a duração mínima do contrato é de 15 anos e a máxima é de 30 anos, sendo que os CCEARs para usinas hidroelétricas são celebrados na modalidade quantidade e para usinas termelétricas são celebrados na disponibilidade. Considerando um dado ano para iniciar o suprimento de energia elétrica, dito ano A, os leilões de energia velha podem ser realizados no ano anterior, ano A-1. Por outro lado, para assegurar a expansão da oferta de acordo com os acréscimos da demanda, os leilões de energia nova podem acontecer três (A-3) ou cinco (A- 5) anos antes do início de suprimento. Esses dois tipos de leilão são essenciais para sinalizar que os contratos decorrentes destes eventos tornarão viável a expansão do sistema de geração e estão sob a responsabilidade da Aneel. Considerando esse contexto, é esperado que as tarifas pagas pelos consumidores finais reflitam a média dos custos de produção de energia velha e nova, o que, em circunstâncias normais, é menor do que o custo marginal de expansão, obtido no leilão para novos empreendimentos. PLANEJAMENTO DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO O planejamento da expansão dos segmentos de geração e transmissão (G&T) é executado em três fases interligadas que abrangem os horizontes de longo (ao menos 20 anos), médio (no mínimo 10 anos) e curto prazos (cinco anos). O planejamento de longo prazo inclui os estudos associados à avaliação da disponibilidade de recursos de geração, a evolução da demanda de energia, as restrições ambientais e as estratégias para expansão da rede de transmissão. O planejamento de médio prazo, permite a elaboração de uma lista de projetos de geração e transmissão pela ordem do mérito econômico, para atender à demanda esperada ao mínimo custo. No programa de curto prazo, são realizados os ajustes no plano de expansão. O planejamento de longo e médio prazo é de responsabilidade do Ministério de Minas e Energia, MME, tendo por base os estudos realizados pela Empresa de Pesquisa Energética, EPE. Já o de curto prazo compete ao operador do sistema, ONS, seguindo diretrizes do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, CMSE, especialmente se há qualquer perspectiva de desequilíbrio entre oferta e demanda. Recentemente foi publicado pelo MME o Plano Decenal de Expansão de Energia Elétrica para o período Dois mecanismos permitem aos participantes do mercado, além de especialistas, o meio acadêmico e a sociedade, contestar os planos de expansão de geração e transmissão de energia elétrica. As hipóteses, critérios, estratégias e metodologias usadas nos estudos, assim como o próprio plano de expansão, podem ser questionados. Também é permitida aos investidores a proposição de projetos alternativos durante o processo de licitação para a seleção das usinas. Assim, a expansão de geração requerida resultará do planejamento determinativo, seguido por um leilão para a escolha de quem será o investidor responsável pela construção dos novos empreendimentos. Será vencedora do leilão a proposta cuja venda de energia que tenha como conseqüência a menor tarifa. Esta estrutura é diferente da utilizada no modelo implementado nos anos 1990, em que o programa de o- bras de geração era apenas indicativo. Apesar dos sucessos dos leilões de concessões, esperava-se que o mercado criasse mecanismos de preços para os novos empreendedores. Isso, infelizmente, não aconteceu, pelo menos não da forma como se esperava. Colaborou para isso a não privatização do controle das empresas estatais federais que detêm a maior parte do parque gerador brasileiro e a instabilidade do marco legal durante o racionamento de Com o atual modelo, a filosofia de planejamento da geração muda radicalmente e, naturalmente, como todo plano, também não se poderia assegurar a execução de todas as obras planejadas. No entanto, agora fica claro que o programa de obras é o de menor custo marginal de expansão e que haverá uma coordenação na elaboração dos estudos (antes vários potenciais empreendedores, de forma individual, investigavam um mesmo projeto), o que reduz de forma relevante os custos de desenvolvimento e tende a aproximar o planejado do realizado. Um aspecto interessante é que parte do sucesso da escolha do plano de expansão de custo mínimo está associada ao leilão para as novas usinas, o que exige esforços de coordenação de atividades entre o MME, a Aneel e a EPE. Caso todas as usinas oferecidas na licitação não sejam leiloadas, isso pode resultar em um déficit de energia no futuro. Ou seja, a relação entre a oferta e a demanda, ao longo do horizonte de planejamento e no instante de cada leilão, individualmente, é uma variável essencial para a competição no momento do leilão e para evitar que um eventual insucesso na licitação de uma das usinas provoque desequilíbrio na garantia do suprimento. Assim, esse é um aspecto fundamental no design dos leilões de novas usinas Na prática, com o atual modelo, o objeto da licitação de novas usinas passa a ser um certificado (o vencedor recebe o direito de assinar contratos regulados com todas as distribuidoras que apresentaram demanda), que, na verdade, é um ótimo instrumento de alocação de riscos. Nesse contexto, mecanismos de cálculo das garantias fi- ENGENHARIA/

5 nanceiras e diferentes arranjos de mitigação de riscos foram desenvolvidos na Aneel com o objetivo de minimizar os efeitos negativos já mencionados. Adicionalmente, a própria forma de distribuir as vendas de uma usina entre todas as distribuidoras é um importante instrumento de minimização de riscos, sobretudo os associados a eventuais inadimplências por parte dos compradores. Um exemplo é o leilão realizado em dezembro de 2004, para o produto cujo suprimento começa em O maior comprador teve uma participação de 14% do total das vendas de cada um dos geradores, sendo o total comercializado igual a 175,320 GWh. Leilões de energia existente As diretrizes para a elaboração desses leilões são definidas pelo governo federal. Cabe à Aneel, no entanto, a elaboração das regras (edital e documentos correlatos), além de supervisionar o certame. A Aneel delegou à CCEE a execução dos leilões até hoje realizados. O primeiro leilão de energia velha foi realizado em dezembro de 2004 com o formato do tipo híbrido: combinando na primeira fase o leilão simultâneo (três produtos ao mesmo tempo), de múltiplas rodadas, e do tipo uniforme de preço decrescente, e, na segunda fase, um leilão fechado, em uma só rodada, do tipo por pagamento discriminatório¹. A demanda do sistema é determinada pela composição das declarações da necessidade de cada concessionária de distribuição, como em um modelo de comprador único. Neste primeiro leilão o preço inicial foi estabelecido e os potenciais vendedores ofereceram quantidades para os produtos disponíveis. Os produtos ( , e ) foram caracterizados, principalmente, pelo primeiro ano de suprimento e pela duração dos contratos, que foi de oito anos. Ao final da primeira fase, os vendedores qualificados ofereceram preço e quantidade para os produtos. A primeira fase foi projetada para determinar preço marginal, enquanto na segunda fase adotou-se a regra de preço discriminatório, como descrito. O segundo e terceiro leilões para comercialização de energia velha ocorreram em abril e outubro de 2005, respectivamente. Excluindo pequenos ajustes, foram realizados com base nas mesmas regras do primeiro. Uma das diferenças observadas no segundo certame, no entanto, reside no mecanismo de oferta de preço e quantidades na segunda fase: os vendedores qualificados na primeira fase puderam oferecer até dois pares preçoquantidade. Os produtos do segundo leilão foram CCEARs com suprimento por oito anos iniciando-se em 2008 e 2009 ( e ). Somente o produto foi vendido no segundo leilão. No terceiro leilão foram oferecidos os seguintes produtos: CCEARs com início de suprimento em 2009 por oito anos de duração ( ) e CCEARs com início de suprimento em 2006 por três anos de duração ( ). Importante ressaltar que os dois produtos foram leiloados separadamente e conforme definido nas regras, não existia a possibilidade de migração dos potenciais vendedores de um produto para o outro. De fato, esse leilão foi inclusive nomeado de terceiro e quarto leilões de energia de empreendimentos existentes. A análise dos preços resultantes dos leilões sugere uma razoabilidade econômica na medida em que os preços dos produtos , , , e são crescentes 2. É razoável esperar que o crescimento da demanda sem o conseqüente aumento da oferta conduza ao aumento do preço. Além disso, observa-se que o produto (67,33 reais por MWh em dezembro/2004) é mais caro que o produto (62,95 reais por MWh em outubro/2005), o que novamente é razoável uma vez que os contratos têm duração diferentes e os mais longos tendem a ser mais caros. A tabela 1 apresenta resultados dos leilões de energia velha. O produto também foi ofertado em abril de 2005, mas não atraiu o interesse dos proponentes vendedores, resultando em compra frustrada para as declarações das distribuidoras para o ano de Conseqüentemente, o produto foi novamente ofertado no leilão de outubro/2005. Entretanto, o preço inicial do produto (outubro/2005) foi de 96 reais por MWh, significativamente inferior ao preço inicial do mesmo produto no leilão anterior (104 reais por MWh). Leilões de energia nova Leilões para novos empreendimentos são complementares ao planejamento da expansão da geração. A lei federal que instituiu o atual modelo define que o vencedor do leilão será o empreendedor disposto a construir a nova usina ou central geradora e a vender a energia pela menor receita requerida resultante dos CCEARs. Essa diretriz praticamente conduz a leilões de preços descendentes. Entretanto, o detalhamento das regras precisa ser definido, incluindo a decisão de leiloar os vários produtos simultaneamente ou de forma seqüencial. Outra escolha a ser feita é quanto à necessidade de utilização de preços de reserva. Para os futuros leilões, o governo novamente vai propor as diretrizes, mas o regulador (Aneel) enfrentará sempre um desafio de grandes proporções na elaboração das regras. De maneira similar aos leilões de energia existente, as distribuidoras fazem a previsão de suas necessidades de contratação para atender seus mercados consumidores e informam ao governo. Como em um modelo de comprador único, o governo facilitará a aquisição de energia por meio dos leilões. Com base nas demandas das distribuidoras e nos estudos de planejamento da EPE, os produtos para os leilões A- 3 e A-5 serão definidos. Os vencedores dos leilões receberão concessões ou autorizações para a construção dos novos empreendimentos e CCEARs com duração de, no mínimo, quinze e, no máximo, trinta anos. Nos leilões de energia nova os projetos são concedidos aos empreendedores que ofertarem menor preço. Este mecanismo difere substancialmente dos leilões de geração no modelo anterior, em que os vencedores dos leilões eram 72 ENGENHARIA/2007

6 Tabela 3 - Resultado do 2º leilão de energia nova (Junho/2006) Produto Nova Velha não construída Velha em operação Emergenciais Energia (MWmédio) Energia (GWh) Preço médio (R$/MWh) aqueles que ofereciam o maior prêmio pela concessão. Já foram realizados dois leilões de energia nova: o primeiro em dezembro de 2005 (tabela 2), e o segundo em junho de 2006 (tabela 3). Para o primeiro leilão foi ofertado um produto tipo A-4, ou seja, CCEARs com início de suprimento em 2009 (2009-H30 e 2009-T15, para hidráulicas e térmicas, respectivamente). A oferta do produto tipo A-3 no segundo, também com início em 2009, permite uma comparação interessante entre a disposição de vender dos proponentes que participaram dos dois leilões. Primeiramente, observa-se que o preço do produto 2009-H30 do leilão de junho de 2006 (126,77 reais por MWh) resultou maior que o preço do mesmo produto do de dezembro de 2005 (114,28 reais por MWh) 3. Esse aumento também se verifica quando se compara o preço do produto 2009-T15 do leilão de junho de 2006 (134,25 reais por MWh) com o preço do mesmo produto 2009-T15 do leilão de dezembro de 2005 (129,26 reais por MWh). Esse fato, na realidade, tem uma razoabilidade econômica, uma vez que à medida que se aproxima o início de suprimento o preço do produto tende a aumentar. Por outro lado, pode-se inferir desse resultado que a realização de leilões consecutivos com a oferta de um mesmo produto permite aos proponentes vendedores exercitar um comportamento estratégico (reduzir sua participação em um determinado leilão, com a expectativa de que terão a oportunidade de vender mais caro num próximo) que lhes garanta maior rentabilidade na oferta de HIDRÁULICAS TERMOS 2009-H T1 T , , ,77 134,25 sua disponibilidade energética. Nesse sentido, para garantir o bom funcionamento do modelo, faz-se necessário pensar na possibilidade de realizar leilões A-1, A-3 e A-5 não mais do que uma vez por ano. Outra comparação que os resultados permitem é que para os preços dos produtos de fonte hidráulica do leilão de dezembro de 2005 (2008-H30, H30 e 2010-H30) são monotonicamente crescentes. Novamente, é razoável esperar que o crescimento do mercado puxa os preços para cima. Outro ponto que corrobora com esses valores crescentes é que as hidroelétricas que venderam em 2008 são usinas já em operação, não havendo, portanto, risco de projeto (o custo da obra já é conhecido) e risco de atraso (penalidades), o que permite submeter um preço menor. A maioria das hidroelétricas vendidas em 2010 são usinas novas, cujo projeto possui incertezas que são precificadas. Entretanto, isso não se observa nos preços dos produtos de fonte térmicas do mesmo leilão (2008-T15, 2009-T15 e 2010-T15), que são decrescentes. Esse comportamento nos preços pode ser explicado em razão da heterogeneidade dos custos variáveis dos empreendimentos termelétricos, em um cenário de disputa por múltiplos produtos. Houve uma concentração de antigas térmicas emergenciais e térmicas a biomassa no produto 2008, resultando em maior preço médio. Por sua vez, o Produto 2010 foi atendido com térmicas a carvão e a gás natural, o que resultou em um preço médio mais baixo. O preço médio do produto 2009 ficou entre os preços médios dos produtos 2008 e 2010, em decorrência da participação de empreendimentos movidos a biomassa. Em tese, a possibilidade de migração deveria prover o incentivo necessário para o ordenamento dos preços. Mas uma fração significativa da oferta térmica em 2010 era relativa a novo empreendimento térmico, que não poderia migrar para o produto 2008 ou Houve migração parcial de empreendimento a gás natural, que não foi total porque resultaria em redução do preço do produto Outra análise interessante é a comparação dos preços resultantes dos produtos com início de suprimento em 2009, considerando a compra frustrada do produto do leilão de energia velha de outubro de As distribuidoras tiveram que atender suas necessidades de energia naquele ano com CCEARs mais caros resultantes dos leilões de energia nova, que não necessariamente vendeu somente energia de empreendimentos novos. Aqui, novamente alguém poderia suspeitar de exercício de arbitragem por parte dos proponentes vendedores, dado que os empreendimentos botox 4 podem arbitrar entre os leilões de energia velha e nova, e as projeções de crescimento da demanda do mercado cativo são conhecidas pelo mercado com razoável precisão, esses agentes têm um forte incentivo para negociar energia com a mínima antecedência possível, uma vez que nessa situação seria possível extrair melhores preços e condições de venda. Notas 1 Conhecido na literatura internacional por pay-as-bid. 2 Mesmo considerando que os preços mostrados não estão na mesma base de tempo. 3 Ressalte-se que o preço máximo estabelecido pelo MME aumentou do leilão de dezembro/2005 para o de junho/ Usinas com outorga e energia não contratada até 16 de março de 2004, e com início de operação comercial até 1.º de janeiro de * Dilcemar de Paiva Mendes é engenheiro elétrico com mestrado pela UFRJ, doutorado pela University of Manchester Institute of Science and Technology, e atualmente é superintendente de Estudos Econômicos do Mercado na Aneel ENGENHARIA/

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 8 14 a 17 Outubro de 27 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre

A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre A Distribuidora do Futuro e a Expansão do Mercado Livre Luiz Barroso luiz@psr-inc.com 7º Encontro Anual do Mercado Livre, Novembro de 2015 1 Temário Contexto e propostas Solucionando o passado: Passivos

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico

Análise dos Riscos de uma Distribuidora Associados à Compra. e Venda de Energia no Novo Modelo do Setor Elétrico Marco Aurélio Lenzi Castro 1 Fernando Monteiro de Figueiredo 2 Ivan Marques de Toledo Camargo 3 Palavras chave: Análise de Risco, Novo Modelo e Simulação de Monte Carlo. Resumo Com a publicação das Leis

Leia mais

3 Comercialização de energia elétrica

3 Comercialização de energia elétrica 3 Comercialização de energia elétrica As relações comerciais 4 entre os Agentes participantes da CCEE são regidas predominantemente por contratos de compra e venda de energia, e todos os contratos celebrados

Leia mais

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação

Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Comercialização de Energia Elétrica no Brasil III Seminário: Mercados de Eletricidade e Gás Natural Investimento, Risco e Regulação Élbia Melo 12/02/2010 Agenda O Setor Elétrico Brasileiro Comercialização

Leia mais

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs

Assinatura Digital. Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Assinatura Digital Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente Regulado - CCEARs Agenda O papel da CCEE Visão geral da comercialização de energia elétrica no Brasil Processo de Assinatura

Leia mais

ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA

ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA ANAIS DOS TRABALHOS DE DIPLOMA DEZEMBRO/2007 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ ENGENHARIA ELÉTRICA O MERCADO DE ENERGIA COM ÊNFASE NAS FONTES DE ENERGIA ALTERNATIVA Diego Correia do Prado Silva Leister Carneiro

Leia mais

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro

Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Os Impactos da MP 579 no Mercado de Energia Elétrica Brasileiro João Carlos Mello - CEO Novembro de 2012 Objetivo Esta é uma síntese do impacto da Medida Provisória nº 579 (MP 579) no setor elétrico nacional

Leia mais

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica

O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica O Novo Ciclo do Mercado Livre de Energia Elétrica PAINEL 2 ENTRE DOIS MUNDOS: O REGULADO E O LIVRE Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte 16 de outubro de 2008 Entre dois mundos: o regulado

Leia mais

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008

PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 PORTARIA Nº 22, DE 18 DE JANEIRO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos II e IV, da Constituição Federal,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA ESTUDO DA EXPANSÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO COM GERAÇÃO TERMELÉTRICA À GÁS NATURAL ANDERSON LUIZ MONTEIRO CAVALCANTE LEONARDO DUARTE SILVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO

Leia mais

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Seminário Internacional Portugal Brasil Visão Geral das Operações da CCEE Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Fevereiro de 2012 Visão Geral das Operações da CCEE Mercado

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0

Mecanismo de Realocação de Energia. Versão 2013.1.0 Mecanismo de Realocação de Energia ÍNDICE MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas do Mecanismo de Realocação de Energia

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica

Mercado de Energia Elétrica Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Mercado de Energia Elétrica Prof. Eduardo Matsudo AULA 07 Santo André, 13 de junho de 2011 Gestor de Energia - Mercado Objetivos ótica da

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

Portaria MME nº 97 e 116/2006. Sistemática Leilão A-3 2006

Portaria MME nº 97 e 116/2006. Sistemática Leilão A-3 2006 Portaria MME nº 97 e 116/2006 Sistemática Leilão A-3 2006 Características do Leilão O Leilão será composto de duas etapas: Etapa Inicial: na qual os Proponentes Vendedores poderão submeter um único lance

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 515, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo)

Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) Regras de Comercialização Formação do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) (Anexo) Versão 1.0 1 versão 1.0 Formação do Preço de Liquidação das Diferenças

Leia mais

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Texto de Discussão do Setor Elétrico: TDSE 33 Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Nivalde J. de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 - Leilão A de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL OBJETO: obter subsídios ao aperfeiçoamento do Edital Nº 05/2014-ANEEL do 13º

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível

5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível 5 Avaliação da Conversão de uma Termelétrica para Bicombustível 5.1 Introdução A idéia principal deste capítulo é apresentar a avaliação econômica da conversão de uma usina termelétrica a Gás Natural,

Leia mais

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ

SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Slide 1 INVESTIMENTO SEGURO SIMPLES ESTÁVEL RENTÁVEL ALTA LIQUIDEZ Iniciar O objetivo da apresentação é demonstrar que o investimento em PCH s é uma oportunidade muito interessante de negócio. A primeira

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013 Ressaltamos a necessidade de contratação pelas distribuidoras no Leilão A-1 de 2013da quantidade de energia correspondente à exposição involuntária decorrente do cancelamento do Leilão A-1 de 2012 e da

Leia mais

Painel: Nova abordagem na formação dos preços 23 / 9 / 2008, Brasília Alvorada Hotel, DF

Painel: Nova abordagem na formação dos preços 23 / 9 / 2008, Brasília Alvorada Hotel, DF Painel: Nova abordagem na formação dos preços 23 / 9 / 2008, Brasília Alvorada Hotel, DF Élbia Melo, Conselheira da - CCEE Edgard Pereira, Edgard Pereira & Associados Paulo Pedrosa, Abraceel Roberto Castro,

Leia mais

4) Ambiente Regulatório e Institucional

4) Ambiente Regulatório e Institucional ANEXO I: EMENTA DA TERCEIRA PROVA DE CERTIFICAÇÃO ABRACEEL DE HABILITAÇÃO PARA EXERCÍCIO DE ATIVIDADE DE ESPECIALISTA EM COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA (2015) 1) Ambientes de Contratação de Energia

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var%

Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 2T14 2T13 Var% 1S14 1S13 Var% 2T14 São Paulo, 14 de agosto de 2014: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6), a maior geradora de energia hidrelétrica do Estado de São Paulo e uma das maiores do

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD

&RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Contratos de Compra e Venda de Energia 36 &RQWUDWRVGH&RPSUDH9HQGDGH(QHUJLD Como visto no capítulo anterior a receita de um agente gerador no mercado de curto prazo é extremamente volátil. Essa incerteza

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

Cenários de Preço Futuro de Energia

Cenários de Preço Futuro de Energia Cenários de Preço Futuro de Energia Novembro/2010 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre

Leia mais

Arbitragem: contratos de energia elétrica

Arbitragem: contratos de energia elétrica Arbitragem: contratos de energia elétrica 23/10/2015 Seminário Arbitragem e Poder Público Solange David Vice-presidente do Conselho de Administração Agenda 1. Comercialização de energia elétrica Câmara

Leia mais

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia

Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Dinâmica Empresarial e Mecanismo de Formação de Preço Seminário Internacional de Integração Energética Brasil Colômbia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração da CCEE 15 de

Leia mais

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var%

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var% 3T15 São Paulo, 13 de novembro de 2015: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6) divulga o release de resultados referentes ao terceiro trimestre de 2015 (3T15). As

Leia mais

DISCUSSÃO SOBRE O NÚMERO DE MÁQUINAS EM PCH s

DISCUSSÃO SOBRE O NÚMERO DE MÁQUINAS EM PCH s DISCUSSÃO SOBRE O NÚMERO DE MÁQUINAS EM PCH s * AFONSO HENRIQUES MOREIRA SANTOS, FÁBIO HORTA, THIAGO ROBERTO BATISTA. OS AUTORES INTEGRAM A EQUIPE PROFISSIONAL DA IX CONSULTORIA & REPRESENTAÇÕES LTDA.

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR

Subchefia de Assuntos Parlamentares SUPAR Quadro comparativo Medida Provisória nº 688, de 18 de agosto de 2015. Repactuação do Risco Hidrológico de Geração de Energia Elétrica Publicada em 18 de agosto de 2015 (DOU EXTRA). Dispõe sobre a repactuação

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Incômodos para consumidores, impactos para a economia

Incômodos para consumidores, impactos para a economia Incômodos para consumidores, impactos para a economia Ainda que o setor elétrico não estivesse passando por um preocupante e oneroso momento de stress, ainda que quase todos os agentes e consumidores do

Leia mais

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores

Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa. A Visão dos Geradores Workshop Andrade & Canellas 2010 Mercado de Energia Práticas e Expectativa A Visão dos Geradores Edson Luiz da Silva Diretor de Regulação A Apine Perfil dos Sócios Geradores privados de energia elétrica

Leia mais

Diretoria de Planejamento Energético

Diretoria de Planejamento Energético Conceitos e Práticas São Paulo, 9 de Fevereiro de 2009. Objetivos 1 Apresentar alguns conceitos fundamentais referentes ao Mercado de Energia Elétrica Brasileiro. 2 Apresentar a atuação da Diretoria de

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. Introdução AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL nº 003/2007 (ap003_2007@aneel.gov.br) Contribuições da TRACTEBEL ENERGIA S.A. A Tractebel Energia, isoladamente ou por meio da APINE, vem estudando e discutindo o tema

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0

Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos. Versão 1.0 Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos ÍNDICE Glossário de Termos/Interpretações e Relação de Acrônimos 4 1. Termos 4 2. Definições 15 3. Dimensões 16 4. Conjuntos 19 5. Acrônimos 34

Leia mais

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica

Impactos e Adaptações do Mercado para. Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Impactos e Adaptações do Mercado para Implantação da Portaria MME 455/2012 Alexandre Nunes Zucarato Gerente de Inteligência de Mercado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Agenda Objetivos gerais

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0

Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Caderno Algébrico Contratos Contratos Versão 1.0 Versão 1.0 ÍNDICE CONTRATOS 3 1. O Esquema Geral 3 2. Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 5 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL A OFERTA e os procedimentos relativos à Venda de

Leia mais

Audiência Pública nº 006/2015

Audiência Pública nº 006/2015 Audiência Pública nº 006/2015 Aprimoramento do sistema de Bandeiras Tarifárias e da regulamentação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifária Contribuições do Grupo Energisa Rio de Janeiro,

Leia mais

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE

Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE Anexo I ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Relação dos Dados e Informações a serem fornecidos pelo ONS à CCEE 1. Objetivo O presente Anexo tem por objetivo estabelecer a relação dos dados e informações

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO NEOENERGIA À CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 015/2010 - GERAÇÃO DISTRIBUIDA A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Teixeira, Nilson Pinto, Bernardo Ariston e outros) Dispõe sobre fontes renováveis de energia, com o objetivo de promover a universalização, a geração distribuída

Leia mais

INFORMAÇÕES AO MERCADO

INFORMAÇÕES AO MERCADO Panorama 2014 1 índice Panorama 2014 Governança do setor elétrico brasileiro A comercialização de energia A CCEE A CCEE Principais atividades Conta-ACR A CCEE em números Quem pode se associar à CCEE? DADOS

Leia mais

4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO 4 A REVITALIZAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Graves problemas apresentam-se no novo modelo setorial de energia elétrica brasileiro, ainda inconcluso. Diversas questões extremamente complexas adiadas

Leia mais

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro

Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Experiência de Regulação no Setor Elétrico Brasileiro Edvaldo Santana Diretor da ANEEL Lisboa, 29 de maio de 2008 Sumário Descrição dos objetivos Considerações iniciais i i i Regulação e Tarifas: evolução

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014 CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA Nº 009/2014 1. Considerações iniciais Recentemente a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), por meio de sua Superintendência de Estudos Econômicos do Mercado (SEM),

Leia mais

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010

Aspectos Regulatórios e de Mercado. Março de 2010 Aspectos Regulatórios e de Mercado Março de 21 Mercado de Energia no Brasil 2 Marco Regulatório Atual Geradores Competição entre geradores (estatais e privados) Todos os geradores podem vender eletricidade

Leia mais

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia

Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados O suprimento de energia no Brasil e o seu impacto nas tarifas de energia Brasília, 26 de março de 2015. A Abraceel Única Independente Livre Atua desde

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 42/2015: Obter subsídios acerca da solicitação da Enguia Gen PI Ltda. e da Enguia Gen CE Ltda. para rescisão amigável de seus Contratos

Leia mais

Entenda a Indústria. energia elétrica

Entenda a Indústria. energia elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 O mercado de energia elétrica Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 6 5 A geração e

Leia mais

Certificados de Energia

Certificados de Energia Certificados de Energia Patrícia Arce Expansão para o Mercado Livre: Oportunidades para Consumidores e Investidores 05.10.2007 Conceito Mercado livre Possibilita a otimização dos processos de aquisição

Leia mais

Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica. XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008

Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica. XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008 Nova Abordagem da Formação do Preço do Mercado de Curto Prazo de Energia Elétrica XIV Simpósio Jurídico ABCE Élbia Melo 23/09/2008 Agenda O Conceito de Preço em um Mercado Qualquer O Conceito de Preço

Leia mais

3º Workshop Smart Grid Energia 2013

3º Workshop Smart Grid Energia 2013 3º Workshop Smart Grid Energia 2013 Sistema de Medição para Faturamento no Âmbito do Mercado de Energia Elétrica Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Campinas, 08 de novembro de 2013 Objetivo

Leia mais

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DO PRÉ- DESPACHO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA DE GRANDE PORTE

MODELO DE SIMULAÇÃO PARA A OTIMIZAÇÃO DO PRÉ- DESPACHO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA DE GRANDE PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA - ELETROTÉCNICA ERNANI SCHENFERT FILHO LUCIANO CARVALHO DE BITENCOURT MARIANA UENO OLIVEIRA MODELO

Leia mais

A Evolução do Mercado Livre de Energia

A Evolução do Mercado Livre de Energia A Evolução do Mercado Livre de Energia 4º ENASE Antonio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 13 de setembro de 2007 Agenda Evolução do Mercado Livre de Energia O Mercado de Energia

Leia mais

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010.

Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL. Em 17 de junho de 2010. Nota Técnica n o 038/2010-SRG/ANEEL Em 17 de junho de 2010. Processo n o : 48500.003207/2010-10. Assunto: Representação das restrições internas aos submercados que possam impactar nos limites de intercâmbio

Leia mais

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública

REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública REDUÇÃO DAS BARREIRAS PARA A INSTALAÇÃO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE PEQUENO PORTE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS Contribuição Consulta Pública nº015/2010 09 de Novembro de 2010 ÍNDICE I RESPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico - MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 58/COGEN/SEAE/MF Brasília, 13 de julho de 2012. Assunto: Audiência Pública nº 44/2012 referente

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS

PARTICIPAÇÃO DO ACL na Expansão da Geração BACKWORDS BACKWORDS Um dos diagnósticos associado as falhas do modelo RE- SEB foi a ausência de sinais para investimentos, devido principalmente: Financiabilidade: prazo de contratação; robustez do PPA (mecanismos

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 005 /2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUA - PECE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENERGIAS RENOVÁVEIS, GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar?

A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar? A tentativa de promover a energia eólica no mercado livre (ACL), via inclusão no A-5: irá funcionar? Profa. Marta Dalbem Unigranrio - PPGA Prof. Luiz Eduardo Teixeira Brandão PUC-Rio IAG/Nupei Prof. Leonardo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15. Combinação de Negócios COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 15 Combinação de Negócios Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 3 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 IDENTIFICAÇÃO DE COMBINAÇÃO

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso

O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG O Índice de Aproveitamento de Subestações e o Planejamento da Expansão: um Estudo de Caso Engº Caius V. S. Malagoli Engº Adriano A. E. Merguizo Engº Luiz C.

Leia mais

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico

Vencimento das Concessões do Setor Elétrico Vencimento das Concessões do Setor Elétrico O problema O Lobby de concessionárias do setor elétrico pela re-prorrogação dos contratos que vencem a partir de 2015 O que vence a partir de 2015 Geração Transmissão

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A Pelo presente Instrumento: De um lado, VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA - CP Produto 1

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA - CP Produto 1 CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA. E PROPONENTEVENDEDOR. Pelo presente Instrumento: De um lado, o BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL

Leilões de Energia. Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Leilões de Energia Eng. José Jurhosa Junior ANEEL Cidade do México, D.F. Jan/ 2013 Conteúdo Visão geral Leilões e contratos Processo e sistemáticas 2 Modelo Setor Elétrico Brasileiro Ambiente de contratação

Leia mais

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica

Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Panorama do Mercado Livre de Energia Elétrica Aspectos Regulatórios Luiz Fernando Leone Vianna 08.08.2011 A Apine Perfil dos Sócios geradores privados de energia elétrica concessionárias de geração estaduais

Leia mais

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP

Moderador: Prof. Dr. Dorel Soares Ramos / Escola Politécnica da USP Mesa Redonda 1: Modelo de Planejamento Energético PL Dual Estocástico e a definição de Preços de Mercado num Sistema Elétrico cuja Matriz Energética Nacional caminha fortemente para a diversificação Moderador:

Leia mais