Vazamento de Informações no ambiente de Ensino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vazamento de Informações no ambiente de Ensino"

Transcrição

1 Webinário 1 Tema: Vazamento de Informações no ambiente de Ensino Por Patricia Peck Pinheiro 13/04/2015 1

2 Você sabe guardar segredo? Acessado em às 12h06. 2

3 Novos Paradigmas Novos Riscos 3

4 Jurisprudência Culpa concorrente evidenciada, porquanto a ré publicizou o desentendimento através de página na Internet - facebook -, tendo o autor, por seu lado, impresso a referida publicação e colocado em quadro mural na sala de professores da escola freqüentada pelos filhos da demandada e onde o mesmo exercia, à época, função de diretor, do que se extrai ressentirem-se as partes da necessária urbanidade. Recurso Cível Nº , Primeira Turma Recursal Cível, Turmas Recursais, Relator: Marta Borges Ortiz, Julgado em 26/08/2014 4

5 Jurisprudência Caso em que preposto da Universidade do Vale do Rio dos Sinos insere, acidentalmente, em correspondência eletrônica enviada aos alunos do curso de arquitetura e urbanismo lista contendo dados pessoais de discentes. 2. Ré que, diante da situação, adotou todas as medidas que estavam a seu alcance para evitar a propagação das informações na rede virtual de computadores, e eventuais prejuízos dela decorrentes. Apelação Cível Nº , Nona Câmara Cível, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Iris Helena Medeiros Nogueira, Julgado em 12/03/2014 5

6 Jurisprudência Autor Desconhecido. Fonte: EMMG. Disponível em: rna_gerais,487502/professora-fala-de-caspa-de-aluna-eescola-e-condenada-a-pagar-10-mil-de-indenizacao.shtml. Acesso em às 17h29min. Finalidade educacional. 6

7 Dever de Sigilo Educacional Fonte: Autor desconhecido. Fonte: ipog. Disponível em: Acesso em às d= h33. Finalidade educacional. 7

8 Autor desconhecido. Fonte: The Hype BR. Disponível em: Acesso em às 16h15min. Finalidade educacional. 8

9 Autor desconhecido. Fonte: The Hype BR. Disponível em: Acesso em às 16h15min. Finalidade educacional. 9

10 Estatuto da criança do adolescente Lei 8.069/90 Art. 17. O direito ao respeito consiste na inviolabilidade da integridade física, psíquica e moral da criança e do adolescente, abrangendo a preservação da imagem, da identidade, da autonomia, dos valores, idéias e crenças, dos espaços e objetos pessoais. Autor Desconhecido. Fonte: E-commerce News. Disponível em Acessado em às 19h17. Finalidade Educacional. 73

11 Estatuto da criança do adolescente Lei 8.069/90 Art. 18. É dever de todos velar pela dignidade da criança e do adolescente, pondo-os a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor. Art. 18-A. A criança e o adolescente têm o direito de ser educados e cuidados sem o uso de castigo físico ou de tratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação ou qualquer outro pretexto, pelos pais, pelos integrantes da família ampliada, pelos responsáveis, pelos agentes públicos executores de medidas socioeducativas ou por qualquer pessoa encarregada de cuidar deles, tratá-los, educá-los ou protegê-los. Autor Desconhecido. Fonte: E-commerce News. Disponível em Acessado em às 19h17. Finalidade Educacional. 74

12 O professor deve ter MUITO cuidado com a linguagem escrita (documentada). Evite termos com dupla interpretação, pejorativos, comparativos, ou no diminutivo quando se referir a alunos: Lesma Sujo Fofa Baixinho Lento Fedorento Querida Mimado Burro Pentelho Selvagem Saco Porco Linda Inútil Terrível Delinquente Imbecil 12

13 De olho na Lei: Difamação Art. 139 do Código Penal Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa. Acessado em às 13h44. 13

14 Microsoft Office 365 Education O Office 365 Education permite que: Os alunos instalem o Office 365 em dispositivos móveis, incluindo tablets, notebooks e ipads; O repositório digital seja utilizado para lições de casa e trabalhos escolares; Alunos e professores possam interagir por meio dos sites SharePoint, Office Online e Yammer; Fornece gratuito, sites, edição de documentos e armazenamento online, mensagens instantâneas e videoconferência para alunos, docentes e colaboradores. Autor desconhecido. Fonte: MS Clous Solutions. Disponível em: Acessado em às 14h. Finalidade educacional 14

15 Cláusulas contratuais Privacy practices. Microsoft will comply with all laws and regulations applicable to its provision of the Microsoft Online Services, as applicable (including applicable security breach notification law). However, Microsoft is not responsible for compliance with any laws applicable to Customer or Customer s industry that are not generally applicable to information technology services providers. Transfer of Customer Data; appointment. Customer Data that Microsoft processes on Customer s behalf may be transferred to, and stored and processed in, the United States or any other country in which Microsoft or its Affiliates or subcontractors maintain facilities. Customer appoints Microsoft to perform any such transfer of Customer Data to any such country and to store and process Customer Data in order to provide the Microsoft Online Services. Microsoft (i) abides by the EU Safe Harbor and the Swiss Safe Harbor frameworks as set forth by the U.S. Department of Commerce regarding the collection, use, and retention of data from the European Union, the European Economic Area, and Switzerland, and (ii) will, during the term designated under the Enrollment, remain certified under the EU and Swiss Safe Harbor programs so long as they are maintained by the United States government. 15

16 Microsoft Office 365 Education Os data centers da Microsoft se localizam em 3 países: Holanda, Irlanda e Estados Unidos; Os logs de acesso podem ser acessados por 4 países: Holanda, Irlanda, Estados Unidos e Canadá; O Suporte técnico prestado pela empresa pode acessar dados pessoais a partir de diferentes países: Bulgaria, Canadá, Irlanda e Estados Unidos; Arquivos enviados ou recebidos para a nuvem com vírus/malwares podem comprometer a confidencialidade e integridade dos dados; Existe a subcontratação de terceirizados que podem ter contato com os dados pessoais enviados à MICROSOFT. Autor desconhecido. Fonte: MS Clous Solutions. Disponível em: Acessado em às 14h. Finalidade educacional 16

17 Blindagem das informações de Ensino Atualização dos contratos de colaboradores e Docentes Atualização dos contratos dos Alunos Publicidade e clareza das políticas e termos de uso da aplicação Treinamento de uso para Docentes e Discentes Vacinas legais (interfaces físicas e digitais) Autor desconhecido. Fonte: MS Clous Solutions. Disponível em: Acessado em às 14h. Finalidade educacional 17

18 Como aumentar a cultura de segurança da informação no ambiente educacional? Acessado em às 19h19. 18

19 O Sigilo e a Governança: 1. Regra Clara (contratos e normas) 2. Orientação do comportamento (receber treinamento para saber qual é o procedimento) 3. Uso de ferramentas protetivas (uso de recursos de TIC para garantir segurança da informação como bloqueio de acesso por senha, criptografia, avisos legais nas interfaces e nas informações) Acessado em às 17h53. 19

20 A instituição de ensino tem que poder provar que fez tudo ao seu alcance para proteger a informação do aluno. Autor Roberto S. Donovan. Fonte disponível em Acesso em às 09h09. Finalidade Educacional 20

21 Check-list: Cláusula de sigilo contrato trabalho NDA e/ou Cláusula de confidencialidade contratos com fornecedores Rodapé de informação confidencial (documento, , telade entrada/acesso) Norma de Uso de Recursos TIC com regra de sigilo, confidencialidade, classificação da informação, descarte seguro Autor Roberto S. Donovan. Fonte disponível em Acesso em às 09h09. Finalidade Educacional 21

22 Inserir nota de rodapé em s e documentos para toda informação classificada como CONFIDENCIAL : Blindagem Legal Vacina legal INFORMAÇÃO CONFIDENCIAL Esta mensagem contém informações confidenciais e/ou privilegiadas. Se você não for o destinatário ou a pessoa autorizada a receber esta mensagem, não deve usar, copiar ou divulgar as informações nela contida ou tomar qualquer ação baseada nessas informações. Este ambiente é monitorado. Documentos: Este documento foi classificado pela Coordenação Pedagógica e seu acesso está restrito apenas aos Docentes da Instituição de Ensino Autor desconhecido. Fonte: The Hype BR. Disponível em: Acesso em às 16h15min. Finalidade educacional. 22

23 MODELO DE CLÁUSULA PARA CLASSIFICAÇÃO E RÓTULO DA INFORMAÇÃO Classificação da Informação: Para que as informações sejam adequadamente protegidas, cabe ao Docente realizar a classificação no momento em que for obtida ou gerada a informação, por ele ou por terceiros, para garantir a devida confidencialidade. Toda informação envolvendo dados pessoais de alunos, especialmente referente ao seu prontuário escolar, devem ser tratados como sigilosos, utilizados com cautela, apenas por pessoas autorizadas, e devem ser devidamente rotulados com os dizeres informação confidencial. Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: KYWL0/TzVrWEhG63I/AAAAAAAACnw/SuizcNsQS18/s1600/teletrabalho-brasil.jpg. Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 23

24 MODELO DE CLÁUSULAS PARA DOCENTES O EMPREGADO deverá rotular como CONFIDENCIAL todas as informações criticas da Instituição, informações pessoais, educacionais e/ou médicas dos alunos, dados pessoais dos docentes ou demais colaboradores, e demais informações que devam permanecer com acesso restrito ao ambiente interno da Instituição e/ou colaboradores previamente autorizados Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: KYWL0/TzVrWEhG63I/AAAAAAAACnw/SuizcNsQS18/s1600/teletrabalho-brasil.jpg. Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 24

25 MODELO DE CLÁUSULAS PARA DOCENTES O EMPREGADO poderá ter acesso a informações sigilosas e críticas da EMPREGADORA, de seus alunos, e demais colaboradores, docentes, fornecedores, prestadores de serviços e clientes durante o exercício de suas atividades profissionais e educacionais. Por isso, assume o compromisso de: a. Manter em estrita confidencialidade todas as informações a que tiver acesso, conforme descrito na cláusula X., e não divulgá-las, compartilhá-las ou cedê-las a quaisquer terceiros, sob nenhuma hipótese, por prazo indeterminado, salvo se forem expressamente classificadas como PÚBLICAS; b. Rotular como CONFIDENCIAL todas as informações criticas da EMPREGADORA, informações pessoais, educacionais e/ou médicas dos alunos, dados pessoais dos docentes ou demais colaboradores, e demais informações que devam permanecer com acesso restrito ao ambiente interno da Instituição e/ou colaboradores previamente autorizados; c. Responder pelos danos que forem comprovadamente causados em razão da revelação indevida das informações que tiver tido acesso por conta da relação de trabalho com a Instituição. Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: KYWL0/TzVrWEhG63I/AAAAAAAACnw/SuizcNsQS18/s1600/teletrabalho-brasil.jpg. Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 25

26 MODELO DE CLÁUSULAS PARA DOCENTES Constitui obrigação fundamental do(a) EMPREGADO(A), que deverá ser por ele(a) rigorosamente observado durante ou mesmo após o término do seu vínculo empregatício com a EMPREGADORA, não divulgar ou usar, mesmo em causa própria ou de terceiro, assim como manter o mais absoluto sigilo em relação a todo e quaisquer serviços, dados, informações e documentos, independente do suporte ou meio de armazenamento ou transmissão utilizados, que como decorrência de sua função, manusear, criar ou conhecer. a. A obrigação de sigilo aqui assumida engloba, a exemplo, mas não se limitando a informações comerciais, educacionais, financeiras, tecnológicas ou informação confidencial, métodos, processos e conteúdos, e continuará prevalecendo ainda que o(a) EMPREGADO(A) seja transferido(a) para outras unidades da EMPREGADORA. Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: KYWL0/TzVrWEhG63I/AAAAAAAACnw/SuizcNsQS18/s1600/teletrabalho-brasil.jpg. Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 26

27 MODELO DE CLÁUSULAS PARA DOCENTES A comunicação feita de qualquer forma, seja ela escrita, física ou presencial, com/sobre clientes, alunos, colaboradores e fornecedores da EMPREGADORA deve ser com linguagem apropriada, ética, respeitosa e condizente com o ambiente educacional, evitando uso de termos que possam caracterizar excesso de intimidade, com sentido pejorativo, ridicularizante ou qualquer tipo de assédio ou discriminação Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: KYWL0/TzVrWEhG63I/AAAAAAAACnw/SuizcNsQS18/s1600/teletrabalho-brasil.jpg. Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 27

28 MODELO DE CLÁUSULAS PARA DOCENTES O EMPREGADO deve mencionar fonte e autoria de todo conteúdo de conhecimento próprio ou de terceiros utilizado em aulas e demais atividades de ensino, no padrão determinado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), quer seja no formato público ou protegido, aberto ou licenciado e deve sempre respeitar as leis, tratados e convenções internacionais sobre direitos autorais. Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: KYWL0/TzVrWEhG63I/AAAAAAAACnw/SuizcNsQS18/s1600/teletrabalho-brasil.jpg. Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 28

29 Normas de Uso Propósito de uso do Office 365 apenas para Ensino; Colaboradores e professores devem classificar a confidencialidade dos arquivos e s orientar sobre o uso da tecnologia RMS; Contratar profissional especializado para configurar os requisitos de segurança específicos para essa aplicação. Autor desconhecido. Fonte: MS Clous Solutions. Disponível em: Acessado em às 14h. Finalidade educacional 29

30 Normas de Uso A Instituição de Ensino tem o dever de informar o monitoramento do conteúdo aos alunos e responsáveis Constituição Federal art. 5º., inc. X Lei de Interceptação artigo. 10 Marco Civil da Internet arts. 7 e demais Autor desconhecido. Fonte: MS Clous Solutions. Disponível em: Acessado em às 14h. Finalidade educacional 30

31 MODELO DE CLÁUSULA DE REPOSITÓRIO DIGITAL Uso de Repositórios Digitais: Recomendamos que o upload (transmissão de arquivos) de informações da Instituição de Ensino ou sob sua responsabilidade, para serviços e aplicativos de armazenamento na nuvem, seja previamente autorizado pelo responsável imediato e realizado com aplicação de medidas protetivas como uso de criptografia, chave ou senha Autor desconhecido. Fonte: Blogspot. Disponível em: Acesso em às 16h33min. Finalidade educacional. 31

32 Blindagem Legal Contrato de trabalho de Docentes e Colaboradores 1. Obrigatoriedade do colaborador cumprir e manter-se atualizado com o Regimento Interno, políticas e normas da Instituição; 2. Obrigatoriedade do colaborador respeitar os direitos de propriedade intelectual de obras de terceiros e direitos de imagem; 3. Dever de uso de aplicativos de comunicação e mídias sociais de forma responsável, ética e segura; 4. Dever de respeitar os limites de uso de imagem dos alunos e demais colaboradores; 5. Dever de utilizar linguagem condizente ao ambiente de Ensino em meios físicos e digitais; Autor desconhecido. Fonte: The Hype BR. Disponível em: Acesso em às 16h15min. Finalidade educacional. 6. Dever de rotular e classificar as informações quanto ao sigilo; 32

33 Blindagem Legal Contrato de trabalho de Docentes e Colaboradores 7. Proibição de compartilhar conteúdos ou imagens dos alunos nas Mídias Sociais e na Internet; 8. Dever de sigilo da informação, inclusive após o término do contrato de trabalho; 9. Aviso de monitoramento físico e lógico, e possibilidade de inspeção e revista; 10. Aviso de não configuração de sobrejornada ou sobreaviso no uso de dispositivos móveis e/ou acesso remoto; 11. Autorização de uso da imagem, som da voz e nome para fins institucionais, registro e acervo histórico; 12. Transferência e cessão de direitos patrimoniais sobre o conteúdo produzido pelo docente; Autor desconhecido. Fonte: The Hype BR. Disponível em: Acesso em às 16h15min. Finalidade educacional. 13. Dever de descarte seguro das informações. 33

34 A TI tem que estar compliance Legislação aplicável Marco Civil da Internet em vigor Constituição Federal de 1988 Código Civil Estatuto da Criança e do Adolescente Código de Processo Civil Código Penal Código de Processo Penal Consolidação das Leis do Trabalho Código de Defesa do Consumidor Súmula Supremo Tribunal Federal 341 Súmula 428 do TST Decreto Lei 4.657/42 (Lei de Introdução ao Código Civil) Lei de Propriedade Industrial (Marcas e Patentes) 9279/96 Lei de Direitos Autorais 9610/98 Lei de Software 9609/98 Decreto n.º de novembro de 2012 que regulamenta procedimentos para segurança e tratamento da informação classificada Leis de Crimes Eletrônicos nº e 12.77/2012 ISO/IEC (antiga ), item

35 A ética digital está relacionada: Moral Valores Costumes Regras de Comportamento Autor Desconhecido. Fonte: Marketing 4 Nerds. Disponível em Acesso em às 13h54. Finalidade Educacional 35

36 Autor desconhecido. Fonte: Dicas de Cúrriculo. Disponível em: s/d%c3%bavida.jpg. Acesso em às 00h26min. Finalidade comercial. 66

37 Para informações e inscrições: Contato: Marta Cavalcanti Informações: (11) Realização: FIA Apoio: PPP Treinamentos 67

38 Patricia Peck Pinheiro Advogada formada pela Universidade de São Paulo USP Especialização Negócios Harvard Business School Formada pela Escola de Inteligência do Exército Brasileiro Sócia Fundadora do escritório Patricia Peck Pinheiro Advogados Sócia Fundadora da Patricia Peck Pinheiro Treinamentos Idealizadora e fundadora do Instituto I-START e Movimento Família mais Segura Vice-presidente jurídica da ABSI Autora do livro Direito Digital, já na 5ª. edição (www.saraiva.com.br) Autora e Organizadora do Livro Direito Digital Aplicado Coautora dos audiolivros Direito Digital no Dia-a-Dia, Direito Digital Corporativo e Eleições Digitais Coautora do ebook imarketing Direito Digital napublicidade (http://itunes.apple.com/br/) Coautora dos livros e-dicas, Internet Legal e Direito e Internet II ; Coautora dos livros Novas Competências na Sociedade do Conhecimento, Os Novos Direitos no Brasil, Vivendo este mundo Digital e Coletânea Direito e Saúde 2012 Recebeu o Prêmio Security Leaders por seus trabalhos de Educação e Conscientização em Segurança Digital em 2012 Recebeu o Prêmio Advogada Mais Admirada em Propriedade Intelectual em 2010, 2011, 2012, 2013 e 2014 Recebeu o Prêmio A Nata dos Profissionais Segurança Informação em 2006 e 2008 Colunista do Brasil Post da Editora Abril, IDG Now, Revista PartnerSales, Revista Segurança Digital 38

39 Principais Obras Publicadas 39

40 40

41 41

42 Fique de olho nos principais artigos e entrevistas sobre o tema Artigo - Dever de Sigilo - Entrevista Revista A&E - Mudanças geradas na nova Era Digital - Entrevista Revista Escada - O papel da escola na era digital - Artigo - PartnerSales Furto de Identidade Digital - Artigo Brasil Post Abandono Digital - Artigo O problema do celular na escolas - Artigo Brasil Post Herança Digital - Entrevista NetEducação Dia da internet Segura: jovem pode fazer do online ambiente melhor - Entrevista Revista Pais & Filhos Ideias de como manter os filhos longe dos perigos digitais - J7mxe7XKJg==. 42

43 FamiliaMaisSeguraNaInternet

44

45 PatriciaPeckPinheiro pppadvogados

Blindagem Legal do Ensino Digital (parte 2 sobre uso de Imagem)

Blindagem Legal do Ensino Digital (parte 2 sobre uso de Imagem) Webinário 1 Tema: Blindagem Legal do Ensino Digital (parte 2 sobre uso de Imagem) Por Patricia Peck Pinheiro 14/04/2015 1 Sobre uso de imagem, temos que primeiro sempre observar: 1. A coleta da imagem

Leia mais

Segurança da Informação e os Riscos com os Terceirizados Como prevenir?

Segurança da Informação e os Riscos com os Terceirizados Como prevenir? Segurança da Informação e os Riscos com os Terceirizados Como prevenir? 1 A Tecnologia transformou a Sociedade! http://www.missaopraiadacosta.com.br/up/wp-content/uploads/2012/07/gafetrabalho.jpg Acessado

Leia mais

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva

Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo. Dra. CRISTINA SLEIMAN. Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva Comissão de Direito eletrônico E Crimes de Alta Tecnologia Aspectos Jurídicos no Uso de Dispositivos Pessoais no Ambiente Corporativo Dra. CRISTINA SLEIMAN Dra. Cristina Sleiman Diretora Executiva SP,

Leia mais

A Mobilidade e seus efeitos no Ambiente Educacional

A Mobilidade e seus efeitos no Ambiente Educacional A Mobilidade e seus efeitos no Ambiente Educacional Dra. Patricia Peck Fonte: Autor Desconhecido, disponível emhttps://www.brinquebook.com.br/wp/wpcontent/uploads/2014/05/arvore.png. Acessado em 24.08.2015

Leia mais

Novembro/2013. Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança

Novembro/2013. Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança Novembro/2013 Segurança da Informação BYOD/Redes Sociais Marco Vinicio Barbosa Dutra Coordenador de Segurança Segurança da Informação BYOD/Consumerização Redes Sociais Perguntas Não vendo cofres, vendo

Leia mais

Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais. Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho

Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais. Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho Políticas de Segurança a da Informação e Aspectos Legais Qual é o impacto para a sua empresa? Paulo Roberto Runge Filho Qual é o patrimônio mais importante dentro da sua empresa? A informação representa

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

Mobilidade Corporativa e os Riscos Trabalhistas

Mobilidade Corporativa e os Riscos Trabalhistas Mobilidade Corporativa e os Riscos Trabalhistas Webinar 3 24.04.2015 Instrutor(a): Caroline Teófilo 1 Como está a Sociedade Digital com a Mobilidade: Ausência de Fronteiras Físicas; Tempo Real Conectividade;

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SUMÁRIO I - Aspectos Gerais... 2 II - Proteção da Informação... 2 III - Responsabilidades... 3 IV - Informações Confidenciais... 3 V - Informações Privilegiadas... 4

Leia mais

I P E S Q U I S A E D U C A Ç Ã O D I G I T A L N A S E S C O L A S B R A S I L E I R A S

I P E S Q U I S A E D U C A Ç Ã O D I G I T A L N A S E S C O L A S B R A S I L E I R A S a I P E S Q U I S A E D U C A Ç Ã O D I G I T A L N A S E S C O L A S B R A S I L E I R A S U N I V E R S O P E S Q U I S A D O 400 instituições de ensinos primário e médio Abril/2015 Estado de São Paulo

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

Guia de Conduta do Colaborador e Prestador de Serviço Aker. 1 Aker Security Solutions www.aker.com.br

Guia de Conduta do Colaborador e Prestador de Serviço Aker. 1 Aker Security Solutions www.aker.com.br Guia de Conduta do Colaborador e Prestador de Serviço Aker 1 Importante Este guia faz parte da política interna da Aker Security Solutions e sua utilização é restrita a colaboradores e prestadores de serviço

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador Política de TI A Política de segurança da informação da OPERARIO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO aplica-se a todos os colaboradores e prestadores de serviços, incluindo trabalhos executados externamente ou por

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com

Segurança Cibernética X Segurança Legal. Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Segurança Cibernética X Segurança Legal Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Agenda Introdução: por que devemos nos preocupar? Questões Cíveis. QuestõesTrabalhistas. O

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Projeto Integrador Módulo IV Política de Segurança Disciplinas: - Implantação e Gestão de S.I.: Prof. Diego Américo Guedes - Gerência de Redes de Computadores: Prof. Fernando Pirkel Tsukahara - Segurança

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

Notícia de privacidade da Johnson Controls

Notícia de privacidade da Johnson Controls Notícia de privacidade da Johnson Controls A Johnson Controls, Inc. e companhias filiadas (coletivamente, Johnson Controls, nós ou nossa) respeitam sua privacidade e estão comprometidas em processar suas

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

Segurança de Dados. Relatório de Segurança de Dados, Inteligência de Mercado

Segurança de Dados. Relatório de Segurança de Dados, Inteligência de Mercado Segurança de Dados Segurança de dados e sigilo de informações ainda é um tema longe de ser solucionado no Brasil e no Mundo. A cada novo dispositivo lançado, cada nova transação bancária ou a cada novo

Leia mais

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Agenda Projeto Realizado Política de Segurança da ALCE Próximos passos Projeto realizado Definição/Revisão da Política de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED

POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED POLÍTICA DE PRIVACIDADE SEGUROS UNIMED Este documento, denominado Política de Privacidade, tem por finalidade estabelecer as regras sobre a obtenção, uso e armazenamento dos dados e informações coletados

Leia mais

REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS

REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS REGRAS PARA USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS DA ESCOLA SOKA INTRODUÇÃO Dispositivos móveis de comunicação definidos legalmente são a Internet do computador, notebook, o

Leia mais

Utilização das redes sociais e suas repercussões

Utilização das redes sociais e suas repercussões Utilização das redes sociais e suas repercussões O papel da escola : @ Orientação aos professores, alunos e pais @ Acompanhamento de situações que repercutem na escola @ Atendimento e orientação a pais

Leia mais

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0

PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 PLASAC - POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET PLASAC POLÍTICA PARA UTILIZAÇÃO DA INTERNET Versão 1.0 Tecnologia da Informação. Índice: 1. Introdução 2. Objetivos da política 3. Princípios da política 4.

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Normas para o Administrador do serviço de e-mail

Normas para o Administrador do serviço de e-mail Normas para o Administrador do serviço de e-mail Os serviços de e-mails oferecidos pela USP - Universidade de São Paulo - impõem responsabilidades e obrigações a seus Administradores, com o objetivo de

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Revisado em agosto de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Revisado em agosto de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Revisado em agosto de 2010 A. Propósito O propósito desta Política de Uso da Tecnologia da Informação ("Política") é oferecer diretrizes

Leia mais

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest

[CÓDIGO DE ÉTICA] Interinvest [CÓDIGO DE ÉTICA] Este documento determina as práticas, padrões éticos e regras a serem seguidos pelos colaboradores, fornecedores e a todos aqueles que, direta ou indiretamente, se relacionem com a Interinvest.

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

DECISÃO Nº 124/2014 D E C I D E. aprovar a Política de Segurança da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue:

DECISÃO Nº 124/2014 D E C I D E. aprovar a Política de Segurança da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 124/2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 28/03/2014, tendo em vista o constante no processo nº 23078.020136/13-35, de acordo com o Parecer nº 494/2013 da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA A FIESP esclarece que as informações apresentadas na presente Cartilha são apenas sugestões para auxiliar as

Leia mais

StorageTek Tape Analytics

StorageTek Tape Analytics StorageTek Tape Analytics Guia de Segurança Versão 2.1 E60953-01 Janeiro de 2015 StorageTek Tape Analytics Guia de Segurança E60953-01 Copyright 2012, 2015, Oracle e/ou suas empresas afiliadas. Todos os

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Código: PSI_1.0 Versão: 1.0 Data de Publicação: 28/05/2014 Controle de Versão Versão Data Responsável Motivo da Versão 1.0 28/05/2014 Heitor Gouveia Criação da Política

Leia mais

Manual de SQUI Uso da Internet

Manual de SQUI Uso da Internet PE Manual de SQUI Uso da Internet Conteúdo Introdução...3 Finalidade... 3 Internet...4 Regras e Normas... 4 Monitoramento.....9 Causas à Desrespeito das Regras...10 Declaração de Acordo...11 Copyright

Leia mais

Norma de Segurança Estadual para Gerenciamento de Senhas

Norma de Segurança Estadual para Gerenciamento de Senhas GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANEXO I - RESOLUÇÃO Nº. 011/2011

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Quanto mais informações você disponibiliza na Internet, mais difícil se torna preservar a sua privacidade Nada impede que você abra mão de sua privacidade e, de livre e espontânea

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações T TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações Versão 1.2 24/08/2015 1 1. Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a FSB Comunicações, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação 29 de janeiro 2014 Define, em nível estratégico, diretivas do Programa de Gestão de Segurança da Informação. ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 PÚBLICO ALVO... 3 3 RESPONSABILIDADES

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da PMESP Cooperacs - SP

3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos Praças e Oficiais da PMESP Cooperacs - SP Título : Política institucional de segurança da informação. Capítulo : Índice Seção : Capítulo Seção Item Descrição 3 Política institucional de segurança da informação da Cooperativa Crédito Mutuo dos

Leia mais

ISO/IEC 17799. Informação

ISO/IEC 17799. Informação ISO/IEC 17799 Norma de Segurança da Norma de Segurança da Informação Segurança da Informação Segundo a norma ISO/IEC 17799, é a proteção contra um grande número de ameaças às informações, de forma a assegurar

Leia mais

Webinário. Tendências Marketing Legal Milena Grado

Webinário. Tendências Marketing Legal Milena Grado Webinário Tendências Marketing Legal Milena Grado Milena Mendes Grado Advogada formada pela Pontifícia Universidade Católica PUC/SP Especialização em Internet e Sociedade: Tecnologias e Políticas de Controle

Leia mais

Principais diferenciais do Office 365

Principais diferenciais do Office 365 Guia de compras O que é? é um pacote de soluções composto por software e serviços, conectados à nuvem, que fornece total mobilidade e flexibilidade para o negócio. Acessível de qualquer dispositivo e qualquer

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

PSI Política de Segurança da Informação Documento Normas Educacionais

PSI Política de Segurança da Informação Documento Normas Educacionais PSI Política de Segurança da Informação Documento Normas Educacionais V.1.0 Índice APRESENTAÇÃO... 3 1. ABRANGÊNCIA E APLICAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 3 4. REGRAS DE APLICAÇÃO

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

Política de segurança da INFORMAÇÃO

Política de segurança da INFORMAÇÃO Política de segurança da INFORMAÇÃO 1 - VISÃO GERAL Esse documento apoia o SGSI e se aplica a todos os empregados, estagiários e terceiros que utilizam as informações da Montreal de forma a atender: As

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

2.4 Ao cadastrar-se, a Instituição receberá uma senha de utilização do software.

2.4 Ao cadastrar-se, a Instituição receberá uma senha de utilização do software. CONTRATO DE CESSÃO DE USO DO SOFTWARE JOGO DA ECONOMIA BRASILEIRA ÀS INSTITUIÇÕES DE ENSINO E AFINS, RELACIONADAS A ATIVIDADE ECONÔMICA OU FINANCEIRA, PELO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA DO PARANÁ Este

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MEIO ELETRÔNICO DE CADASTRO DE CURRÍCULO E VAGAS (USUÁRIO GRATUITO) Este Contrato disciplina os termos e condições mediante as quais o Liceu Braz Cubas com sede em

Leia mais

CARTILHA DE SEGURANÇA

CARTILHA DE SEGURANÇA ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO CARTILHA DE SEGURANÇA COORDENADORIA DE INFORMÁTICA Sumário O que é informação... 3 Cuidado com a Engenharia Social... 3 Dicas de Senhas... 4 Recomendações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL DEFINIÇÕES: ESCOLA: toda unidade franqueada CNA. FRANQUEADO/OPERADOR: todo aquele que ingressa na rede CNA, através da formalização

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE A Política de Privacidade da SOS EMPRESARIAL foi elaborada para reafirmar nosso compromisso com a privacidade e a segurança das informações que coletamos de nossos clientes e usuários.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA DA SOMMA INVESTIMENTOS 1. O CÓDIGO Este Código de Ética (Código) determina as práticas e padrões éticos a serem seguidos por todos os colaboradores da SOMMA INVESTIMENTOS. 2. APLICABILIDADE Esta política é aplicável: 2.1. A

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação Documento Política de Segurança da Informação Data Revisão Responsável Área 14/07/2008 1.0 Thiago Lima da Silva Suporte Interno ÍNDICE Introdução...4 1.Pessoal...4 1.1.Prestadores

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL 1 OBJETIVO A Política de Segurança da Informação do Instituto Federal Sul-rio-grandense estabelece as diretrizes para a segurança da informação, visando preservar

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES CLÁUSULA PRIMEIRA DAS PARTES 1.1 De um lado, JKL SERVIÇOS E TECNOLOGIA ME, Pessoa Jurídica com sede na Rua CAROLINA ROQUE nº 416, CEP 02472-030, cidade

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

Amway - Política de privacidade

Amway - Política de privacidade Amway - Política de privacidade Esta Política de Privacidade descreve como a Amway Brasil e determinadas filiadas, inclusive a Amway América Latina (conjuntamente Amway ) utilizam dados pessoais coletados

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL

CÓDIGO DE ÉTICA - PORTAL 1. Disposições Preliminares Este Código de Ética tem como principal objetivo informar aos colaboradores, prestadores de serviço, clientes e fornecedores da Petronect quais são os princípios éticos que

Leia mais

Apresentação. Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida!

Apresentação. Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida! Apresentação Vitae Tec Tecnologia a Serviço da Vida! A Vitae Tec A Vitae Tec é uma empresa de tecnologia que tem como missão oferecer serviços e produtos adequados às necessidades do cliente - pessoa física

Leia mais

Bloqueie ameaças avançadas e proteja dados confidenciais para usuários em roaming

Bloqueie ameaças avançadas e proteja dados confidenciais para usuários em roaming TRITON AP-ENDPOINT Bloqueie ameaças avançadas e proteja dados confidenciais para usuários em roaming Desde danos a reputações até multas e penalidades de agências reguladoras, uma violação de dados pode

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado.

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado. TERMOS DE USO 1. O acesso ao(s) curso(s) contratado(s) só será efetivado com o correto preenchimento do cadastro de inscrição e após a confirmação do pagamento, conforme especificações no item 4 5, abaixo.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES SETEMBRO 2013 Sumário 1. POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES DO MINISTÉRIO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ.

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO TOPHQ" O presente Termo e Condições Gerais regulamentam o concurso TOPHQ. Por favor, leia atentamente antes de participar. CONCORDÂNCIA COM OS TERMOS 1 - A Yamato Comunicações

Leia mais

Ética e Legislação em Comunicação

Ética e Legislação em Comunicação Ética e Legislação em Comunicação Ambientes Digitais Blog Site/Sitio Portal Acervo Virtual Plataformas de aprendizagem virtual / Educação à distância Exercício coletivo: Exemplos e análise de ambientes

Leia mais

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Direito Digital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais