E-commerce: a internet como ponto de venda

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-commerce: a internet como ponto de venda"

Transcrição

1 E-commerce: a internet como ponto de venda Ercules Costa (CESCAGE) Resumo O presente artigo tem como objetivo discutir as vantagens do e-commerce para as empresa que atuam no varejo. Foi realizado um estudo mostrando a pagina da internet sob a ótica do ponto de venda de uma loja física. Por meio de uma pesquisa qualitativa exploratória, focou-se na análise da empresa Submarino para relacionar os componentes de um ponto de venda, bem como sua relação com consumidores, fornecedores e prestadores de serviço. Concluiu-se que uma pagina na internet, modalidade de e-commerce, se torna um ponto de venda desde que sejam adotadas as orientações de marketing contemporâneo. Palavras-chave: E-commerce; Ponto de venda; Internet; B2C. E-commerce: the internet as a selling point Abstract: This article aims to discuss the advantages of e-commerce for the company who work in retail. We conducted a study showing the webpage from the perspective of the selling point of a physical store. Through an exploratory qualitative research, focused on the analysis of the Submarine company to relate the components of a point of sale, as well as its relationship with customers, suppliers and service providers. It was concluded that a page on the Internet, e-commerce mode, becomes a point of sale provided that the guidelines adopted contemporary marketing. Keywords: E-commerce, point of sale, Internet, B2C.

2 1 Introdução A busca pelo comodismo de comprar sem sair de casa, deixar de enfrentar o trânsito ou procurar vagas no estacionamento, além de se evitar correr perigo de um assalto, vem tornando a venda on-line mais atrativa a cada ano. Outros fatores que também contribuem para o aumento de vendas pela internet como, a facilidade de poder comprar 24hs por dia, o ano todo, receber o produto em casa, pagar com o cartão de crédito parcelado e o mais interessante, comprar produtos específicos, os chamados nichos de mercado sem que se tenha uma loja especializada em sua cidade. Segundo o relatório divulgado em 2011 pela Consultoria e-bit, o comercio eletrônico deve crescer 30% em 2011, faturando 21 bilhões de Reais. Se for analisada a evolução histórica de compras via internet, verifica que de 2006 á 2010 o crescimento de negócios realizados nesta modalidade no Brasil saltou 142,2%, de 4,4 para 14,8 Bilhões de Reais.(dados do relatório 23 da consultoria e-bit, 2011). Até março de 2011, o total de internautas que acessam a rede no Brasil passou de 37,9 milhões em março de 2010 para 43,2 milhões (REVISTA EXAME, 2011), ou seja, um crescimento de 13,9% em apenas um ano, esse aumento também poderá impactar em mais negócios realizados pela internet. Mas como utilizar o site de uma empresa como o ponto de venda e assim praticar esta modalidade de negócio? Existem empresas que não possuem uma sede física, apenas atuam com o e-commerce via internet, diminuindo o seu custo e atingindo consumidores que não estão em sua localização geográfica. Mas, quais os procedimentos por elas adotados para que consigam isso? Este artigo tem como objetivo discutir de que maneira é possível utilizar o e-commerce na internet, através de site, para promover as vendas. Para isso, buscou-se mostrar como funciona esta modalidade de venda que cresce a cada ano no Brasil. O presente estudo se concentrará na transação B2C, negócio-a-consumidor. Não se especificará a parte técnica de programação dos softwares, que tornam o mesmo possível, pois o foco deste estudo está na prática do comércio. Devido ao objetivo desta pesquisa, o estudo será concentrado em sites das empresas que vendem produtos no varejo. 2 Referencial teórico Desde o micro ao grande empresário, todos podem ter a oportunidade de expansão de seus negócios se utilizarem o e-commerce. Mas afinal, como deve ser feito isso? Por se tratar de um assunto novo, ainda existe pouca literatura a respeito, o que aponta para a importância da investigação desta modalidade contemporânea de negócio. Martins (2007) analisa o crescimento do e-commerce entre países e afirma que o Brasil tem muito a crescer em volume de negócios, haja vista que a Argentina, país com menor população, já supera o Brasil nesta modalidade. Segundo ele, ainda existem barreiras culturais, com a segurança de dados, confiança, falta de padrões entre outros que impedem momentaneamente o potencial desta pratica. Pode-se definir e-commerce como a compra e venda de produto por meios digitais (O BRIEN, 2004). Logo, toda a transação comercial eletrônica utilizando o computador caracteriza a prática do e-commerce. Aprofundando mais este conceito, Albertin (2000) mostra quão amplo é o tema, pois o mesmo compreende toda a cadeia de valor dos processos

3 de negocio, num ambiente eletrônico através das aplicações intensas das tecnologias de comunicação e de informação, tendo como objetivo os negócios. Os negócios podem ser realizados de forma completa ou parcial, incluindo transações negócio-a-negócio, negócio-a-consumidor e intra-organizacional (ALBERTIN, 2000). Com relação as formas do e-commerce, quando se utiliza meios eletrônicos para começar uma negociação, sem que ela se finalize desta mesma forma, se tem a forma parcial de negocio, porém quando ela é inteiramente feita por meio eletrônico pode-se dizer que ela tem uma forma completa. As transações negócio-a-negócio, mencionado por Albertin (2000), são as conhecidas Business-to-business (B2B) negócios realizado por empresas. Na mesma linha do autor, a denominação negócio-a-consumidor (B2C) são as transações realizadas entre empresas e consumidores. Por fim, temos as intra-organizacionais, que são aquelas transações internas de uma empresa. Como menciona-se anteriormente, concentramos na modalidade B2C, analisando paginas de internet como ponto-de-venda direto do fornecedor ao consumidor final na categoria de varejo onde, segundo Blumenschein e Cruz (2000), as situações possíveis de comercio são inumeráveis. Historicamente, o e-commerce é dinâmico, já passou por duas fases e agora esta vivendo a terceira fase descrita por Kalakota e Robinson (2001). Na primeira fase ocorreu de 1994 á 1997, momento em que as empresas utilizavam a internet como um meio de propaganda institucional, bastando apenas tem uma página na web. Já de 1997 á 2000 demarca a época em que os negócios virtuais começaram a surgir, mas inda com um foco apenas no fluxo de pedidos e receitas. Iniciaram então as aproximações entre vendedores e compradores, contudo, sem um foco em toda a cadeia envolvida. A partir de 2000 foi que realmente o e-commerce se tornou o e-business, pois a compreensão de negócios do meio digital nota-se a necessidade de não apenas coloca-lo em um plano de negócios, mas sim, de utilizá-lo como o caminho para a lucratividade, em outras palavras o P2P (Path to Profitability). Nesta fase que se encontra o e-commerce atual, segundo Amor (2000), os consumidores podem conversar diretamente com as empresa, isso provoca a rapidez e aumento na competitividade de cada empresa, aproximando o consumidor. 2.1 E-commerce, marketing e a teoria do consumidor Enraizado na logica da natureza do comportamento humano, o marketing é a atividade humana dirigida para a satisfação das necessidades e desejos humanos, através dos processos de troca (KOTLER, 1996, p. 20). Assim, o e-commerce vem facilitando esta troca e contribuindo para a satisfação das necessidades e desejos humanos de maneira dinâmica. O consumidor pode comprar um produto que esta disponível em outro país (por exemplo) sem ao menos sair de casa. Isso reafirma a logica do comercio eletrônico: [...] uma empresa, mesmo pequena, possa atingir clientes (leia-se consumidores/compradores) e fornecedores localizados em qualquer parte do globo terrestre, desde que tenham acesso a rede mundial de computadores... (RAZZOLINI FILHO, 2010, p. 23). Portanto nesta relação, pode-se identificar que a satisfação do cliente, pois o benefício é maior que o custo relacionado à aquisição do produto. Esta relação cria valor ao cliente, como nos mostra Honorato (2004). Comprando um produto recém-lançado ou um produto de marca de um site longe de sua casa, o consumidor experimenta o beneficio social, pois se esperasse chegar a sua cidade, não teria

4 exclusividade e com isso não seria percebido pelo seu meio social. Até mesmo por que, ainda hoje, a compra via internet é sinônimo de status social. Para um colecionador, por exemplo, encontrar uma peça única em um site, situada a quilômetros de sua casa, algo impossível de encontrar em sua cidade ou próximo dela, traz o valor pessoal. Encontrar um perfume que tanto se queria, mas em sua cidade não há fornecedor, adquiri-lo traz ao consumidor o valor experimental. Ao procurar um produto, o consumidor passa por um processo de analise e síntese das vantagens que encontra (GIGLIO, 2005). O autor afirma também que este processo é influenciado pela expectativa que e o leva a sua satisfação. Este processo de escolha do consumidor começa com o levantamento de alternativas, pois ele decide a compra baseado na história de eventos passados, reconstrução destas histórias, relato de outros sobre suas histórias, processo racional de comparação e relacionamento com o vendedor. E quanto aos custos, o consumidor pode rapidamente comparar preços e comprar o mais barato, em seu processo racional de comparação, reduzindo então o custo monetário. Como não despenderá tanta energia física e tempo para consumir, diminui também o custo comportamental e temporal. De todos os custos, o mais difícil de ser reduzindo pode ser o psicológico. É um desafio ao marketing e, talvez seja por isso, que o Mercado Livre (empresa de vendas varejistas via internet) criou duas ferramentas: Mercado pago, qual o consumidor só libera o pagamento quando recebe o produto e o sistema de pontuação do vendedor. Isso diminui a sensação de insatisfação futura, ou seja, o medo do pós-compra. Esta modalidade de comercio nos faz refletir sobre o Mix do Marketing, difundido e aprimorado por Mccarthy (1976), também conhecido como os 4P s do Marketing: Produto, Preço, Promoção e Praça, e definidos por Kotler (1996) como as ferramentas utilizadas pela empresa para atingir o objetivo junto ao seu mercado-alvo. Sabemos hoje que existem outras variações que acrescentam mais P s ao marketing, mas nos atemos nestes 4 pois a praça é a variável que mais interessa neste estudo. Uma vez que a variável praça ou ponto de venda compreenda as atividades Lojas, Canais de distribuição, Logística, Armazenamento e Distribuição (KOTLER, 1996), estas atividades são diferenciadas no e-commerce, principalmente a loja, pois ela não esta mais em um ambiente físico e sim em um ambiente virtual. 2.2 A internet como ponto-de-venda No e-commerce, as páginas de internet voltadas às transações de negócios, denominadas como sites e/ou portais de vendas, exercem a função da loja e, por consequência, são o ponto de venda das empresas virtuais. Nelas podemos visualizar os produtos, verificar sua disponibilidade, escolher a cor, modelo, tamanho, etc., verificar formas de pagamento, preço de frete, tempo para entrega e finalizar a compra, assumindo assim toda função de um ponto de venda. Neste ponto deve-se alertar para uma das regras do e-business, apontadas por Kalakota e Robinson (2001, p. 25): Para projetos urgentes de e-business, é fácil minimizar as necessidades da infraestrutura de aplicação e concentrar-se no falso brilho das aplicações de interface com os usuários. A omissão pode custar caro. Como toda a modalidade de negócio tem vantagens e desvantagens, com o e-commerce, em especial via internet que esta sendo estudado, não é diferente. Segundo o portal e-commerce News, com uma loja virtual a empresa terá uma loja aberta 24hs por dia e 7 dias por semana, também atingirá o publico além de seus limites geográficos. Poderá praticar maiores descontos, pois não terá de pagar

5 comissão a vendedores, diminuirá seu custo, pois não terá de manter a estrutura de uma loja física como funcionários, luz, água etc. Tendo um banco de cadastro do cliente, também possuirá um CRM atualizado, permitindo analisar o perfil de seu cliente, entre outras oportunidades descritas. Uma parte ruim do negócio, também citado pelo portal, é que uma vez na rede, sua empresa corre o risco de ataques de fraudadores e vírus. Outra desvantagem verificada é a distância física com seu comprador, uma vez que o relacionamento é feito tudo por uma tela de computador. O dinamismo do e-business não permite que empresas tenham seus modelos de negócio obsoletos, nem que não sejam altamente criativas e em constante inovação, tomada de decisões rápidas e grande adaptação ao mercado. Podemos verificar que a falta destes adjetivos a uma empresa no e-business, leva ao que aconteceu com varejista Value América ou a WebVan, ambas falindo em pela 2 fase do e-commerce, a primeira por falta de estoque e a segunda por imobilizar seu capital em grande quantidade de estoque. Mas entre desvantagens e vantagens, existem muitas empresas superando metas de vendas e se tornando referência em compras via internet. Elas conhecem o seu público, conhecem seu produto, muitas vezes trabalham os nichos de mercado e aplicam as ferramentas de marketing em suas lojas virtuais, desde analise de layout do site até a plena satisfação de seus clientes que a cada ano se tornam mais exigentes. Mais especificamente, nota-se que uma página na internet primeiramente tem a função da vitrine do ponto de venda. Porém, segundo Tupiniquin e Freitas(1999) o ponto de venda compreende não só a vitrine, mas o canal de distribuição, a logística, armazenamento e as promoções. Com base nesta afirmação e toda e literatura abordada, é que se desenvolveu o presente trabalho. 3 Metodologia Para este estudo, empregou-se a pesquisa exploratória, explicada por Gil (2002, p.41) como uma investigação tem como objetivo principal o aprimoramento de ideias ou a descoberta de intuições, visando a familiaridade com o problema pesquisado. Seu foco, neste trabalho está em levantar informações para melhor compreender a internet como ponto de venda virtual. Para tanto, a análise dos dados ocorreu de forma qualitativa, uma vez que se enfatizou as informações de forma descritas. As pesquisas qualitativas, segundo Silva e Menezes (2005) possui a relação direta entre o objeto pesquisado e a interpretação subjetiva, a qual não pode ser descrita estatisticamente. Foi eleito para a presente pesquisa o site devido o mesmo possuir apenas loja virtual e se consolidar no mercado. Fato que permite melhor compreensão da modalidade de negocio pesquisado. Primeiramente, buscou-se situar a empresa no ambiente do e-commerce, verificando sua pratica e atuação. Após analisou-se o layout do site, verificando as referencias com o ponto de venda. 4 Apresentação dos dados 4.1 Apresentação do site a ser analisado

6 Quando se pensa em vendas a varejo na internet logo se tem inúmeros sites como referencia. Verifica-se que entre muitas, uma empresa brasileira conhecida como Submarino (www.submarino.com.br) está consolidado com um grande volume de vendas. Logo após a fusão com a Americanas.com em novembro de 2006, criou-se a maior empresa de vendas on-line do Brasil. O que começou em meados de 1999, o site estava sendo projetado desde 1996 pelos sócios: Antonio Bonchristiano (presidente), Marcelo Ballona (Presidente de Marketing) e Flavio Jansen (Diretor de tecnologia). Foi então que surgiu a empresa TBL S.A. A primeira ação a ser tomada foi adquirir uma das maiores livrarias virtual, a Booknet, que possuía uma carteira de cinquenta mil clientes cadastrados e o know-how necessário. Com o investimento inicial de doze milhões de dólares para a aquisição da Boocknet a Submarino não começou do zero. Seu back office no inicio, inicialmente foi disponibilizado pela Total Express, empresa fundada no Brasil em 1996, atuando na importação e distribuição rápida de produtos, possuindo muitos clientes como o Shoptime (BW2, 2011). No inicio o seu mix de produtos contava com livros, CDs e Brinquedos, mas em pouco tempo lançaram seus próprios produtos, como resenhas e sinopses de livros e CDs brasileiros (PEREIRA, 2006). Em 3 de novembro de 1999 o site foi inaugurado em São Paulo, contando desde o inicio com uma versão em espanhol. Os esforços publicitários foram grandes e contaram com diversas mídias impressas e eletrônicas. Em 2000 com a mudança da bolsa eletrônica americana, a Nasdaq, a empresa encerrou sua participação no mercado argentino, espanhol e mexicano, concentrando seus esforços apenas no mercado interno brasileiro. Em 2003 já possuía 17 categorias, com cerca de 700 mil produtos disponíveis (PEREIRA, 2006). Em 2004 era um grande varejista nacional, sem possuir uma loja física, mas com 450 funcionários distribuídos em um deposito com 8 mil metros quadrados na Barra Funda em São Paulo. Após 2007 o deposito foi transferido para Osasco, também no estado de São Paulo (B2W, 2011). O estoque que a empresa possui é equivalente a 35 dias de faturamento, sendo que a escolha de compra é analisada pelo banco de dados da empresa. Ele demonstra o produto com maior demanda e prováveis tendências. Quando houve a fusão da Submarino com a Americanas em 2006, criou-se a empresa B2W (Business to World) a maior empresa de comercio varejista on-line da América Latina (PEREIRA, 2006). A empresa foi escolhida para a analise por se encaixar nos moldes do presente estudo e também por abundantes informações disponibilizadas no site da mesma e em revistas de negocio de todo o país. 4.2 Analisando o site Em linhas gerais, na primeira página, podem-se retirar informações e comparações com um ponto de venda físico. Posteriormente, será realizada uma análise de cada um dos componentes do ponto de venda dentro da página da empresa Submarino.

7 A figura 1 mostra a pagina inicial do site, a qual será estratificada A vitrine Figura 1- Página inicial do site Submarino Conforme a figura abaixo, que se situa na parte superior do site, encontra-se um tema para apresentação dos produtos, de forma descontraída para chamar a atenção do consumidor, neste ambiente chamado internauta. Este atrativo também pode ter o objetivo de mostrar produtos que estão sendo lançados pelo site. Figura 2- A vitrine do site

8 Como ponto positivo em relação a uma loja física, nota-se que é necessário apenas um webdesigner para montar esta vitrine ao invés de vários designers de vitrine em todas as filiais. Com isso a vitrine se torna padronizada Promoções Com o intuito de chamar a atenção do consumidor, na página inicial, como mostra a figura abaixo, encontram-se as promoções: Figura 3 - Promoções Artigos diferentes na porta da loja convidam a entrar e verificar outros produtos. Ponto forte para a loja virtual sobre a loja física é justamente o espaço físico na entrada da mesma, sem que impeça a locomoção (navegação) do cliente, podem ser expostos diversos produtos de diversos tamanhos e variadas linhas Prateleiras Em uma loja física encontramos os produtos separados e classificados por categorias. Estas categorias distintas de produtos ficam separadas por prateleiras, ou seja, corredores. No site não é diferente, pois os produtos se encontram organizados e distribuídos em categorias, separados por seções, assim como ilustra a figura a seguir: Figura 4 - Prateleiras Esta é outra inovação e vantagem competitiva para a loja virtual. Com o acesso a um click, o consumidor não precisa percorrer centímetro algum para mudar de corredor. Mas a maior vantagem esta no controle de informação, com um bom banco de dados o administrador pode saber qual seção é mais visitada, qual é menos visitada, qual está crescendo e qual está caindo

9 em acesso. Isso o leva a tomada de decisões, mostrando o que pode ser uma tendência, o que comprar mais ou menos e até o que não comprar O vendedor Ao chegar em uma loja, o consumidor pode ou não ter em mente o que consumir. Na loja virtual isso também ocorre. Mas como encontrar o produto no meio de tantas opções? Geralmente o consumidor se dirige a um vendedor que ira mostrar o local certo e as disponibilidades. O buscador no site desempenha este papel, como ilustra a figura 5: Figura 5 - O vendedor Fazendo uma busca o consumidor encontra o que precisa. Da mesma forma que pedindo auxilio ao vendedor. A vantagem da loja virtual é que este vendedor não esta sujeito à variação de humor e atenderá todos os consumidores de forma padronizada. Outra função do vendedor é demonstrar o produto, preço e forma de pagamento. Aqui se verifica que o preço é aquele da tela, o cliente não pode pechinchar, ou pedir desconto. O desconto somente é dado seguindo a politica da empresa e o planejamento de marketing. De forma padronizada todas as informações estão disponíveis, como mostra a figura abaixo: Figura 6 Integração: Produto Vendedor - Cliente No campo 1 da figura, temos a apresentação do produto, onde o consumidor pode ampliar a imagem e verificar outros ângulos do produto, como se ele estivesse em sua mão. Em 2 o cliente tem mais informações sobre o produto e pode verificar a avaliação que outros consumidores deram a ele. Já em 3, verifica-se o preço, onde também aparece uma promoção.

10 A forma de pagamento esta ilustrada abaixo (4) como um display de ponto de venda. Calculase o frete no campo 5 e avalia-se o produto no campo 6. Então, pode-se finalizar a compra no campo 7, ou adicionar o produto à uma lista no campo 8. A vantagem deste campo se dá à medida que ao cadastrar sua vontade, a loja poderá enviar mailing ao consumidor, avisando-o quando o produto entra em promoção ou quando está disponível no site. Quando o produto não esta disponível, uma mensagem aparece no campo 3, informando esta situação. Ao mesmo tempo, os campos 2, 4, 5, 6, ficam desabilitados e no campo 7 abre a opção para que o consumidor seja avisado quando o produto estiver disponível. Nota-se a integração do cliente com o produto pelo intermediário, a pagina, que faz o papel do vendedor, informando sobre os aspectos do produto, sua disponibilidade, valor e formas de pagamento e finalizando a venda. Também quando se coloca na lista de intenção de compra, o vendedor, nesse caso o sistema, sempre estará lembrando o consumidor das disponibilidades do produto Outras possibilidades Outra forma de receita são os banners localizados a direita e esquerda do site. Estes podem ser comercializados, utilizados como propaganda para fornecedores e outras lojas. Pode-se notar o canal direto com os administradores e responsáveis pelo planejamento de marketing através de links como: fale conosco. Outra consideração muito importante é que para se comprar, deve-se fazer um cadastro onde o cliente fornece muitas informações que ajudam o planejamento estratégico da empresa. Não há problema se a compra for para presente, no site existe a opção de comprar uma embalagem e entrega-la ao presenteado. O canal de distribuição é terceirizado, feito pela Empresa de Correios e Telégrafos, conhecida como Correios, que possui uma abrangência em todo o território nacional. 5 Analise dos dados coletados Igualmente como afirma O Brien (2004), a empresa se caracteriza como e-commerce, uma vez que suas negociações acontecem de maneira eletrônica. Também verifica-se quão profundo é este processo, sendo amplo, compreendendo uma cadeia de valor e processos de negócios no ambiente eletrônico Albertin (2000). Como o site é uma loja varejista virtual, seu foco esta no consumidor final. Este aspecto, segundo Albertin (2000) caracteriza-se o a forma de e-commerce como B2C (transações realizadas entre empresas e consumidores) e suas possibilidades de transações são inumeráveis, aja visto a quantidade de itens comercializados. O site não é institucional, é funcional, esta comprometida com a entrega de seus produtos, bem como, com o a lucratividade para seus acionistas, operando com valor de estoque igual ao valor de 35 dias de faturamento B2W(2011), consegue imobilizar pouco capital, sendo que o mesmo tem giro rápido. A empresa foi fomentada para o comercio virtual. Seu plano de negócio foi montado com o foco no e-commerce, baseado nele, encontrando o caminho da lucratividade, também conhecido como P2P (Path to Profitability), reafirmando a colocação de Kalakota e Robinson (2001). Devido o canal direto que o consumidor tem com a empresa mantem sua competitividade e aproxima o consumidor Amor (2000).

11 Com a empresa nascendo exclusivamente para o e-commerce, a mesma não trouxe antigas crenças. Terceirizando os serviços de importação e distribuição encontrou parceiros que somaram know-how para a empresa, aprendendo e aperfeiçoando-se. Seu foco esta no mercado global, pratica o marketing direto, com seus mailing. Estas características, segundo Kotler (2010) fazem parte das praticas vencedoras do marketing. Como o site encontrasse na rede global de informações, a internet, pode-se comprar de qualquer parte do país, o que também, segundo Razzolini Filho (2010), caracteriza e- commerce. Não há duvidas que a página inicial tem a característica de vitrine de uma loja física. Quando o consumidor procura busca por um produto específico, ele se depara com muitas informações dobre o mesmo. Ainda se estiver em dúvida sobre especificações do produto ele pode mandar um ou ligar para a empresa. Ao poder ler sobre as opiniões de outros consumidores e deixar a sua, o consumidor entra em contato com os eventos passados. Quando compara os preços e prazos de entrega, toma uma decisão racional. O relacionamento com o vendedor se torna reto, o site oferece a informação relevante, especificações e formas de pagamento, de maneira verdadeira, a melhor relação que podemos manter com um vendedor, relação de confiança nos dados apresentados. Esses componentes afirmam as palavras de Honorato (2004), ao tratar da decisão de compra, promovendo o valor para o cliente, onde o benefício do produto é maior que o custo para a aquisição do mesmo. 6 Conclusão Tomando por base nas teorias apresentadas, nota-se que existe uma série de critério para que a internet possa ser considerada um ponto de venda. Ponto de venda não é só a vitrine, compreendem as atividades, logística, armazenagem e distribuição. Existem muitas paginas de lojas virtuais, mas as que mais faturam e não fadaram ao fracasso praticam todo o planejamento voltado as teorias apresentadas. Quando estas falham em alguns aspectos são rapidamente deixadas para traz, pois a informação na rede é rápida. Se alguém for mal atendido ou de alguma forma teve problemas de relacionamento ou com o produto adquirido, essa se encarrega de passar a todos o ocorrido. Com isso a empresa acaba perdendo muitos clientes. A internet pode ser considerada um ponto de venda, para sites que se concentrem em negócios eletrônicos, o e-commerce. É necessário retirar desta afirmação as páginas institucionais, pessoais, informativas, enfim, aquelas que não tem como objetivo a venda. Verifica-se que o site Submarino é um ponto de vendas (PdV), pois possui a vitrine, atividades de compra, promoção, informação entre outras, distribui os produtos com uma logística terceirizada realizada por empresas consolidadas no mercado e possui espaço físico de armazenagem dos produtos. Estas características afirmam e consolidam a internet como ponto de vendas para empresas que incorporam o e-commerce como base e caminho para a lucratividade. Referencias ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio eletrônico, modelo, aspecto e contribuições de sua aplicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, AMOR, Daniel. A revolução do e-business. 1 ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

12 B2W. Relações com investidores: histórico. Disponível em: Acesso em 21 ago BLUMENSCHEIN, Alberto F. CRUZ, Luiz C. T. de F.: Manual simplificado de comercio eletrônico. 1 ed. São Paulo: Aquariana E-COMMERCE NEWS. Quais são as vantagens de comprar no e-commerce?. Disponível em Acesso em 06 jun RAZZOLINI FILHO, Edelvino. Empreendedorismo: dicas e planos de negócios para o século XXI. 1 ed. Curitiba: IBEPX GIGLIO, Ernesto M. Comportamento do consumidor. 3 ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, HONORATO, Gilson. Conhecendo o marketing. Barueri: Manole, KALAKOTA, Ravi; ROBINSON, Marcia. E-business: estratégia para alcançar o sucesso no mundo digital. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, KOTLER, Philip. Marketing 1. São Paulo: Atlas, Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Ediouro, MARTINS, Leandro. Informática para negócios. 1 ed. São Paulo: Digerati Books MCCARTHY, Jerome E.. Marketing Básico. Cidade: Zahar Editores, O BRIEN, James A. Sistemas de informação: e as decisões gerenciais na era da internet. 2 ed. São Paulo: Saraiva PEREIRA. Vinícius Silva. SUBMARINO.COM: um exemplo bem sucedido de gestão do mix mercadológico de varejos virtuais. III Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia REVISTA Exame. Ibope: Brasil cresce 13,9% em internautas. Disponível em market ing/noticias/ibope-brasil-cresce-13-9-eminternautas?page=2&slug_name=ibope-brasil-cresce-13-9-em-internautas. Acesso 06 jun SILVA, Edna Lucia; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4.ed. Florianópolis: UFSC, TUPINIQUIN, Armando C.; FREITAS, Sebastião N. Marketing básico e descomplicado. 1 ed. São Paulo: STS Publicações e Serviços LTDA, 1999 WEBSHOPPERS. Relatório e-bit. Disponível em Acesso 06 jun. 2011

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000).

O sucesso do comércio eletrônico depende tanto da infra-estrutura de negócio, quanto da infra-estrutura de tecnologia (Pickering, 2000). Comércio Eletrônico É a compra e a venda de informações, produtos e serviços por meio de redes de computadores. (Kalakota, 1997) É a realização de toda a cadeia de valor dos processos de negócios em um

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja.

com seu consumidores e seu fornecedores. Trazemos para aqui 40 dicas que vão ajudar no amadurecimento, crescimento e no sucesso da sua loja. Com a consolidação do comércio eletrônico no Brasil e mundo, fica cada vez mais claro e a necessidade de estar participando, e mais a oportunidade de poder aumentar suas vendas. Mas é claro que para entrar

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Comércio na internet: muito mais que e-commerce

Comércio na internet: muito mais que e-commerce Comércio na internet: muito mais que e-commerce Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo.

livrarias. No Brasil, o mercado livreiro é um dos melhores do mundo. Universidade Castelo Branco O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DO E-COMMERCE DA SARAIVA RUAN CAÍQUE DE JESUS SIMAS Orientação: Prof.ª Carla Mota. Rio de Janeiro, jun. 2014 Introdução O comercio varejista brasileiro

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

Guia de Vendas Online para Iniciantes

Guia de Vendas Online para Iniciantes Guia de Vendas Online para Iniciantes ebook SUMÁRIO Introdução: Dúvidas comuns para quem deseja começar a vender pela internet... 2 Capítulo 1: O é e-commerce?... 3 Capítulo 3: Como funcionam os principais

Leia mais

PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS

PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS PROPOSTA MICRO-FRANQUIAS ON-LINE Alterada dia 13/01/2015-13h00 Venha fazer parte do sucesso de vendas de camisetas que mais cresce na Internet... Já são mais de 100 micro-franqueados e franqueados no Brasil!

Leia mais

Comprar online é uma delícia, direto do meu sofá sem filas!

Comprar online é uma delícia, direto do meu sofá sem filas! Comprar online é uma delícia, direto do meu sofá sem filas! Todos Querem Comprar Online As lojas virtuais brasileiras estão ganhando cada vez mais espaço e força. Para ter uma ideia, faturam bilhões, só

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Pesquisa Profissionais de Ecommerce

Pesquisa Profissionais de Ecommerce Pesquisa Profissionais de Ecommerce Agosto de 2011 http://www.ecommerceschool.com.br Introdução O crescimento do comércio eletrônico brasileiro é feito com tecnologia e pessoas. Por trás desse crescimento

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET CURITIBA 2014 MAX ALEXANDRE AMERICO CANAL DE VENDA - INTERNET Monografia

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS

E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS www.espm.br/centraldecases Central de Cases E-COMMERCE COMO FERRAMENTA DE VENDAS Preparado pelo Prof. Vicente Martin Mastrocola, da ESPM SP. Disciplinas

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 INDICE INTRODUÇÃO DIFINIÇÃO COMO FUNCIONA AS ETAPAS HISTORIA RELACIONAMENTO PRATICAS REDES SOCIAS EXEMPLOS VANTAGEM INTRODUÇÃO Comumente pode se entender

Leia mais

ESTAMOS PREPARADOS PARA LIDAR COM O NOVO CONSUMIDOR DO E- COMMERCE E O MUNDO DIGITAL?

ESTAMOS PREPARADOS PARA LIDAR COM O NOVO CONSUMIDOR DO E- COMMERCE E O MUNDO DIGITAL? ESTAMOS PREPARADOS PARA LIDAR COM O NOVO CONSUMIDOR DO E- COMMERCE E O MUNDO DIGITAL? SANTOS, J. G. O. GRADUANDO EM ADMINISTRAÇÃO PELA FACULDADE AGES Lattes: http://lattes.cnpq.br/2990422158230715 O padrão

Leia mais

Trabalho Final. Apresentação do site de Comércio Eletrônico (.ppt) : Elaborar o Site de Comércio Eletrônico proposto:

Trabalho Final. Apresentação do site de Comércio Eletrônico (.ppt) : Elaborar o Site de Comércio Eletrônico proposto: Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br) Apresentação

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Palavras-chave: Loja virtual. Comércio eletrônico. Internet.

Palavras-chave: Loja virtual. Comércio eletrônico. Internet. Migração de Lojas Físicas para Virtuais: breve histórico e contextualização Gabriel Dallo gabriel_dalo@hotmail.com Lucas Gabriel Rodrigues Simões lucasgabriel_simoes@hotmail.com Pedro Gustavo Duarte pedro_g_duarte@hotmail.com

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Felipe Morais @plannerfelipe O CENÁRIO DO E-COMMERCE BRASILEIRO

Felipe Morais @plannerfelipe O CENÁRIO DO E-COMMERCE BRASILEIRO Felipe Morais @plannerfelipe O CENÁRIO DO E-COMMERCE BRASILEIRO ESPECIALISTA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL Autor do livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed. Brasport) Autor do Blog do Planejamento

Leia mais

B2W Companhia Digital Divulgação de Resultados 1T13

B2W Companhia Digital Divulgação de Resultados 1T13 Estar Mais Próximo do Cliente B2W Companhia Digital Divulgação de Resultados 1T13 Considerações Gerais Considerações referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução

1 Descrição do Problema 1.1.Introdução 14 1 Descrição do Problema 1.1.Introdução Desde a década de 90, a Internet tem-se mostrado importante instrumento na vida cotidiana do consumidor, não somente para ampliar a pesquisa de informações sobre

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE

CELULAR X COMPUTADOR APLICATIVO PARA CELULAR DICAS DO SEBRAE CELULAR X COMPUTADOR Atualmente, o Celular roubou a cena dos computadores caseiros e estão muito mais presentes na vida dos Brasileiros. APLICATIVO PARA CELULAR O nosso aplicativo para celular funciona

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

Estar Mais Próximo do Cliente. Divulgação dos Resultados 4T14

Estar Mais Próximo do Cliente. Divulgação dos Resultados 4T14 Estar Mais Próximo do Cliente Divulgação dos Resultados 4T14 CONQUISTAS DO ANO DE 2014 Anúncio Aumento de Capital R$ 2,38 Bi Divulgação 1T14 +30% RB Lançamento Marketplace Americanas.com Conclusão Aumento

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

brasil +55 48 3025 2124 chile +56 832 401 61 peru +511 711-8466. amplie suas vendas ecommerce b2b

brasil +55 48 3025 2124 chile +56 832 401 61 peru +511 711-8466. amplie suas vendas ecommerce b2b brasil +55 48 3025 2124 chile +56 832 401 61 peru +511 711-8466. amplie suas vendas loja online ecommerce b2b A SOLUÇÃO B2C É TOTALMENTE INTEGRÁVEL COM A SOLUÇÃO B2B, GERANDO ASSIM UM E-COMMERCE MULTICANAL

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Comércio Eletrônico Um breve histórico Comércio compra, venda, troca de produtos e serviços; Incrementado pelos Fenícios, Árabes, Assírios e Babilônios uso

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012

B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012 Estar Mais Próximo do Cliente B2W DIGITAL Divulgação de Resultados 4T12/2012 Considerações Gerais Considerações referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros,

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA

A ERA DIGITAL E AS EMPRESA A ERA DIGITAL E AS EMPRESA Em 1997 o Brasil já possuia 1,8 MILHÕES de usuários Brasil O 5 Maior país em extensão territorial Brasil 5 Vezes campeão do Mundo Brasil O 5 Maior país em número de pessoas conectadas

Leia mais

brasil +55 48 3025 2124 chile +56 832 401 61 peru +511 711-8466. amplie suas vendas ecommerce b2c

brasil +55 48 3025 2124 chile +56 832 401 61 peru +511 711-8466. amplie suas vendas ecommerce b2c brasil +55 48 3025 2124 chile +56 832 401 61 peru +511 711-8466. amplie suas vendas loja online ecommerce diferenciais A EMPRESA b2c A PLATAFORMA FLEXY É UM CONJUNTO DE SERVIÇOS E SISTEMAS ESPECIALIZADOS

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

Apresentação comercial

Apresentação comercial Apresentação comercial 1 Dotstore Quem somos 8 anos de mercado Mais de mil clientes ativos Uma das plataformas líderes no país 40 colaboradores Equipe certificada Mais de 150 projetos personalizados por

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS².

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². ¹Estudante do curso Análise e Desenvolvimento de sistemas. Instituto Federal de Minas Gerais campus Bambuí. Rod. Bambuí

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO Ari Lima É possível implantar um plano prático e funcional de marketing jurídico com ótimas chances

Leia mais

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007

PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral. João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 PUBLICIDADE ONLINE uma visão geral João Luiz Serpa Seraine Webdesigner 11/05/2007 Nova Economia A nova economia está diretamente ligada à velocidade de informações, comunicação, conhecimento, tecnologia.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A.

PLANO DE NEGÓCIOS FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. FORMAÇÃO DA REDE DR. MARIDO NEGÓCIOS DO PEQUENO E MÉDIO PORTE, ATRAVÉS DO MODELO HOMME OFFICE, COM RETORNO PROJETADO DE 86% A.A. PLANO DE NEGÓCIOS Data: Janeiro 2.013 Dr. Marido - Operacional S U M Á R

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais