UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS RELATÓRIO DE GESTÃO 2003

2 APRESENTAÇÃO A Universidade Federal do Paraná, em cumprimento as exigências legais apresenta o relatório de gestão Seguindo a Decisão 408/2002 do Tribunal de Contas da União apresentamos os indicadores de desempenho solicitados e também incluímos outros indicadores definidos pelo FORPLAD (Fórum de Pró-Reitores de Planejamento e Administração), num estudo que visa o estabelecimento de um conjunto de indicadores de gestão para o Sistema Federal de Ensino Superior. Salientamos a impraticabilidade da estrutura do Relatório de Atividades do Gestor para o exercício 2003 proposta pelo Ofício-Circular n 003/2003 CGU/PR/PR, em virtude do prazo e da nova estrutura demandar mais estudos e detalhamento. Este relatório obedece às determinações do Tribunal de Contas da União. Pretende demonstrar de forma objetiva e transparente os resultados sociais, econômicos e financeiros da UFPR, contemplando os conceitos de eficiência, eficácia e economicidade. Os dados aqui apresentados demonstram o esforço da Instituição de atender da melhor forma possível às demandas sociais com os recursos que lhe foram destinados.

3 INTRODUÇÃO A Universidade Federal do Paraná (UFPR) é a mais antiga universidade brasileira. Foi criada em 19 de dezembro de 1912, fruto dos cursos de Direito, Engenharia, Odontologia, Farmácia e Comércio. A UFPR estabeleceu como MISSÃO: Fomentar, construir e disseminar o conhecimento, contribuindo para a formação do cidadão e desenvolvimento humano do Paraná e do Brasil. Tem como OBJETIVOS ESTRATÉGICOS para o período : Buscar a eficiência acadêmica; Ampliar e consolidar a pesquisa e a pós-graduação; Promover a inovação tecnológica dos cursos de graduação; Apoiar e consolidar os cursos de graduação criados a partir de 1999; Integrar produção científica e disseminação do conhecimento; Implantar programa de avaliação institucional; Aperfeiçoar a gestão da Universidade; Ampliar a captação de recursos externos; Expandir a oferta de vagas no ensino profissional e na graduação; Implantar política de marketing institucional. A UFPR possui: 66 cursos de graduação com alunos matriculados, incluindo Educação à Distância; 39 cursos de residência médica com 233 alunos matriculados; 17 cursos na Escola Técnica com alunos matriculados; 44 cursos/programas de mestrado com alunos matriculados; 25 cursos/programas de doutorado com 787 alunos matriculados; 21 Programas, 73 projetos e 259 cursos de Extensão; Corpo docente conta com professores (176 graduados, 180 especialistas, 671 mestres, 927 doutores). E 85 professores na Escola Técnica; No quadro dos técnicos administrativos são 3426; Uma área física de m² com m² de área construída. Um hospital universitário (Hospital das Clínicas); Mantêm em parceira com o Estado do Paraná e com o Município de Curitiba outros dois hospitais (Hospital do Trabalhador e o Hospital Maternidade Vitor Ferreira do Amaral); Um Hospital Veterinário em Curitiba; Um Hospital Veterinário em Palotina. A última década talvez tenha trazido à UFPR o mais sério desafio que a Instituição já teve de enfrentar: expandir-se com limitação de recursos, mantendo altos padrões de qualidade. Os dados apresentados neste relatório revelam o esforço desprendido pela UFPR para atender adequadamente ao desafio que lhe foi imposto.

4 I. A EXECUÇÃO DOS PROGRAMAS DE GOVERNO PROGRAMAS DE GOVERNO Meta % de Justifi- Descrição da Meta Prevista Executada execução cativa DESENVOLVIMENTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Ampliação do Acervo Bibliográfico (volume adquirido) % Assistência ao Educando do Ensino de Graduação (aluno assistido) % Manutenção de Acervo Bibliográfico (volume mantido) % Funcionamento de cursos de graduação (aluno matriculado) % Mod.e Recup. da Infra-Estrutura das IFES e HC (área modernizada) (*) % DESENVOLVIMENTO DO ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO Funcionamento dos Cursos de Pós-Graduação (Aluno Matriculado) % DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Funcionamento da Educação Profissional (Aluno Matriculado) % HOSPITAIS DE ENSINO Serv.Sociais a Comunidade p/ de Hospitais de Ensino (Leito Ofertado) % * Reforma Depto Artes m², Depto Comunicações 500 m², Centro de Estudos do Mar 250m², piscina 500m², centro da visão m², laborátorio de análise combustíveis 300m², biblitecas JD e HL 1.400m².= m² Justificativas 1 - Dentro dos recursos disponibilizados para ampliação do acervo bibliográfico, foi priorizada a aquisição de fontes bibliográficas estrangeiras on-line num total de 26 fontes nas mais diversas áreas de conhecimento, além dos 23 livros nacionais. Tal procedimento se justifica haja vista a informação chegar as bibliotecas de forma mais rápida. Houve aquisição de livros, no período, com recursos próprios. 2 - O aumento do percentual de atendimento dentro do programa, leva em consideração as vagas remanescentes ocupadas por alunos de outras Instituições (PROVAR) num total de 697 novos alunos assistidos. 3 - Com os recursos disponíveis a manutenção do acervo foi possível o atingimento de 73% da meta inicialmente prevista 4 - O aumento do percentual de atendimento dentro do programa, leva em consideração as vagas remanescentes ocupadas por alunos de outras Instituições (PROVAR) num total de 697 novos alunos assistidos. 5 - Com os recursos disponíveis a Modernização da Infra-Estrutura foi possível o atingimento de 62% da meta inicialmente prevista devida a alta nos índices da construção civil e mão de obra de prestação de serviços 6 - O atingimento superior da meta deve-se ao fato da abertura de novos cursos noturnos em formação de ator, técnico do petróleo e técnico em higiene bucal.

5 II. INDICADORES DE GESTÃO Em 2003 a instituição buscou um contínuo melhoramento da gestão e uma coerente utilização dos recursos públicos com objetivos bem definidos e previstos no Plano de Desenvolvimento Institucional Apresentamos os indicadores obtidos a partir da Decisão TCU n 408/2002 salientamos que esses indicadores não atendem a especificidade das IFES, que apresentam grande heterogeneidade entre si. Por exemplo, são consideradas 35% das despesas correntes do Hospital Universitário para o cálculo do custo corrente por aluno equivalente. A UFPR mantém um dos cinco maiores hospitais universitários do País, realiza procedimentos de alta complexidade e, conseqüentemente, altíssimo custo. É o maior hospital público do Estado do Paraná prestando um amplo atendimento e assistência à população. Incluir a despesa corrente do hospital no custo aluno significa elevar o custo aluno do UFPR, se comparado ao aluno de outra instituição, que não mantenha um hospital universitário de mesmo perfil. Na seqüência apresentamos as ações previstas no Plano de Desenvolvimento Institucional , que foram implementadas em E a execução das metas previstas para o exercício de 2003.

6 INDICADORES DE GESTÃO SOLICITADOS PELO TCU INDICADORES DE DESEMPENHO DA UFPR I. Custo Corrente / Aluno Equivalente Aluno Equivalente Graduação+AlunoTempo Integral Pós-Graduação+ Aluno Tempo Integral Residência ,70 = 6.579, , , Custo Corrente II. Aluno Tempo Integral / Professor Aluno Tempo Integral Graduação+Aluno Tempo Integral Pós-Graduação+Aluno Tempo Integral Residência Número de Professores (equivalente) = 12,82 III.Aluno Tempo Integral / Funcionário IV. Funcionário / Professor Aluno Tempo Integral Graduação+Aluno Tempo Integral Pós-Graduação+Aluno Tempo Integral Residência , V. Grau de Participação Estudantil ( GPE ) Número de Funcionários (equivalente) = 7,26 Número de Funcionários (equivalente) Número de Professores (equivalente) 3009 = 1, Aluno Tempo Integral Graduação Aluno Matriculado Graduação ,76 = 0, VI. Grau de Envolvimento com Pós-Graduação (GEPG) Alunos Matriculados de Pós-Graduação Aluno Matriculado Graduação+Aluno Maticulado Pós-Graduação 2492 = 0, VII. Conceito CAPES/MEC para Pós-Graduação Somatório dos Conceitos dos cursos de Pós Número de cursos de pós-graduação 256 = 3,82 67 VIII. Índice de Qualificação do Corpo Docente (IQCD) (5D+3M+2E+G) (D+M+E+G) 7184 = 3, IX. Taxa de Sucesso na Graduação (TSG) Número de Diplomados Número total de alunos ingressantes 2673 = 0,

7 INDICADORES DE GESTÃO DEFINIDOS PELO FORPLAD GRADUAÇÃO 2003 A 1) Relação Diplomado / Docente - RDD RDD = Número de Diplomados na Graduação RDD = 2673 RDD = 1,79 Docente em Tempo Integral 1495 A 2 )- Relação Aluno / Docente A2.1 - RGD Aluno Tempo Integral RGD = 16408,76 RGD = 10,98 Docente em Tempo Integral 1495 A2.2 - RMD Número de Matrículas RMD = RMD = 12,69 Número de Docentes em Tempo Integral 1495 A 3 ) Índice de crescimento das vagas oferecidas na Graduação - IGV IVG = Número de Matrículas no ano x 100 IVG = *100 Número de vagas em IVG = 556,72 A 4 ) Índice de crescimento das Matrículas na Graduação - IMG IMG = Número de Matrículas no ano x 100 IMG = *100 Número de Matrículas em IMG = 120,95 A 5 ) Densidade Processo Seletivo de Ingresso - DPSI DPSI = Número de inscritos nos processos seletivos Número de vagas oferecidas nos processos seletivos DPSI = DPSI = 12,57 A 6 = Taxa de Evasão no ano (a-1) - Tev Tev = {[matrícula a-1 - (matrícula a - ingresso a )] - Ndi a=1} x 100 matrícula a-1 Tev = (( ( )) )*100 Tev = 8, A7 ) Taxa de Matrícula Noturna - TMN TMN = Número de Matrículas em Cursos Noturnos TMN = 4541 TMN = 0,24 Número Total Matrículas A 8 ) Taxa de Matrícula Fora de Sede - TMFS TMFS = Número de Matrículas Fora de Sede TMFS = 390 TMFS = 0,02 Número de Matrículas 18973

8 PÓS -GRADUAÇÃO STRICTO SENSU 2003 B1 ) Taxa de Execelência na PG - TEPG TEPG = [( Número de Matrículas de Mestrado com conceito >_ 4)+(Número de Matrículas de Doutorado com conceito >-6)] Número de Matrículas na Pós-Graduação TEPG = TEPG = 0, B 2 ) Taxa de Matrícula da PG - TMPG TMPG = Número de Matrículas na Pós-Graduação TMPG = 2794 TMPG = 0,13 Matrículas na Graduação + Matrículas na Pós-Graduação B 3 ) Taxa de cobertura das Bolsas de Mestrado - TBM TBM = Total de bolsas de Mestrado (CAPES, CNPq, FAPs, outras) TBM = 434 TBM = 0,22 Número de Matrículas nos cursos de Mestrado 2007 B 4 ) Taxa de cobertura das bolsas de Doutorado - TBD TBD = Total de bolsas de Doutorado (CAPES,CNPq,FAPs,outras) TBD = 225 TBD = 0,29 Número de Matrículas nos cursos de Doutorado 787 B 5 ) Índice de crescimento das Matrículas na Pós-Graduação - B 5.1 ) IMPGM = Número de Matrículas em Mestrado no ano x 100 IMPGM = 2007 *100 = 187,05 Número de Matrículas nos cursos de Mestrado em B 5.2 ) IMPGD = Número de Matrículas em Doutorado no ano x 100 IMPGD = 787 *100 = 201,28 Número de Matrículas nos cursos de Doutorado em B 6 ) Relação aluno de Pós- Graduação por Docente Doutor - APGDR APGDR = Número de Matrículas em Mestrado + Número de Matrículas em Doutorado APGDR = = 3,19 Número de Docentes Doutores 877 B 7 ) Produtividade de Docente Doutor - PDR PDR = NdiPG PDR = PDR = 0,65 Número de Docentes Doutores 877

9 PESQUISA 2003 C1 ) Taxa de alunos com bolsa de pesquisa C 1.1) TB = Número de Alunos Bolsistas(PIBIC,PET,FAPs,outras de pesquisa TB = Matrículas na Graduação+Matrículas na Pós-Graduação TB = 0,07 C 1.2 ) TBG = Número de Alunos Bolsistas na Graduação(PIBIC,PET,FAPs,outras de pesquisa TBG = 766 TBG = 0,04 Matrículas na Graduação C 1. 3) TBPG = Número de Alunos Bolsistas na Pós-Graduação(FAPs,PET,outras de pesquisa) TBPG = 771 TBPG = 0,28 Número de Matrículas na Pós-Graduação 2794 C 2 ) Taxa da Produção Intelectual C2.1) TPIDE = Número de Produções Intelectuais (fonte:lattes) TPIDE = 8381 TPIDE = 7,31 Número de Docentes em Dedicação Exclusiva 1146 C 2.2 ) TPP = Número de Produções Intelectuais (fonte:lattes) TPP = 8381 TPP = 29,30 Número de Grupos de Pesquisa devidamente registrados/cadastrados 286 C 3 ) Taxa do Patenteamento *Dados não disponíveis C 4 ) Taxa de Docentes em grupos de Pesquisa - TDP TDP = Número de Docentes Efetivos pertencentes grupos de pesquisa TDP = 650 TDP = 0,40 Número de Docentes Efetivos 1624

10 EXTENSÃO 2003 D 1 ) Taxa de alunos executores de ação de Extensão D 1.1 ) TE = Número de Alunos executores de ações de extensão Matrículas na Graduação+Matrículas na Pós-Graduação TE = 680 TE = 0, D 1.2 ) TEG = Número de alunos de Graduação executores de ações de extensão Número de Matrículas na Graduação D 1.3 ) TEPG = TEG = 680 TEG = 0, Número de alunos de Pós-Graduação executores de ações de extensão Número de Matrículas na Pós-Graduação TEPG = *Não há registros referente ao setor de Pós-Graduação D 2 ) Taxa de Docentes executores da ação de Extensão - TDE TDE = Número de Docentes executores de ações de extensão Número Total de Docentes TDE = 310 TDE = 0, D 3 ) Número de Ações Equivalentes de Extensão - NAE NAE = Ação de extensão x CH 15 NAE = 457 * NAE = ,93 15 D 4 ) Carga Horária Docente dedicada a ações de Extensão - CHDE CHDE = Total da Carga Horária dedicada a ações de extensão Número de docentes executaores de ações de extensão CHDE = 412 CHDE = 1,33 310

11 ACERVO 2003 E 1 ) DLM = Densidade de Livros por Matrícula - DLM Número de Livros Matrículas na Graduação+Matrículas na Pós-Graduação DLM = DLM = 15, E 2 ) DTM = Densidade de Títulos por Matrícula - DTM Número de Títulos de Livros Matrículas na Graduação+Matrículas na Pós-Graduação DTM = DTM = 9, E 3 ) Densidade de Títulos de Periódicos por Programa de Pós-Graduação - DP DP = Número de Títulos de Periódicos Número de Programas de Pós-Graduação DP = DP = 203,03 67 E 4 ) Densidade de Consulta por Livros - DC DC = Número de Consultas a Livros Número de Livros DC = DC = 1,

12 CORPO DE SERVIDORES 2003 F 1 ) Taxa de Técnico-Administrativos (TA) com curso superior TAS TAS = Número de Servidores TA's com curso superior TAS = 1142 TAS = 0,33 Número Total de TA's 3426 F 2 ) Taxa de Técnico-Administrativos (TA) com curso de Pós-Graduação - TAPG TAPG = Número de Servidores TA's com curso de Pós-Graduação Número Total de TA's TAPG = TAPG = 0,08 F 3 ) Taxa de Docente em DE - TDDE TDDE = Número de Docentes em Dedicação Exclusiva TDDE = 1204 TDDE = 0,74 Número de Docentes 1624 F 4 ) Índice de crescimento do número de Docentes - ID Evolução do número de docentes do quadro efetivo, utilizando dados de 1997 como referência ID = ID = 1624 *100 ID = -1, F 5 ) Índice da evolução do número de Docentes por Titulação Considera-se a formação/titulação do corpo docente, nos níveis de Mestrado e Doutorado conforme segue: F 5.1 ) ç Índice de Docente com q Mestrado - IDTM, referência IDTM = IDTM = 536 *100 IDTM = -27, F 5.2 ) ç Índice de crescimento q do número de, Docente com Doutorado - IDTD referência IDTD = IDTD = 877 *100 IDTD = 85, F 6 ) Índice de evolução do número de Técnico-Administrativos - ITA Evolução do número de técnico-administrativos do quadro efetivo, utilizando dados de 1997 como referência ITA = ITA = 3426 *100 ITA = -1, F7 ) Índice de evolução do número de Técnico-Administrativos por Titulação F 7.1) ç Índice de Técnico-Administrativos q com Mestrado,- IDTM 1997 como referência IDTM = IDTM = 74 *100 IDTM = 311, F 7.2 ) ç Índice de Técnico-Administrativos q com Doutorado, - IDTD 1997 como referência IDTD = IDTD = 44 *100 IDTD = 780, F 8 ) Taxa de Docentes temporários - DT DT = Número de Docentes Temporários DT = (Número de Docentes Efetivos+Número de Docentes temporários) DT = 0,17 F 9 ) Taxa de técnico-administrativos (TA) Temporários - TAT TAT = Número de TA Temporários (Número de TAs Efetivos+Número de TAs temporários) TAT = *Não existe TA temporário

13 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 2003 G 1 ) Densidade de Leito por Médico Residente - DLR DLR = Número de leitos ativos DLR = 635 DLR = 2,73 Número de Médicos residentes do HC 233 G 2 ) Densidade de Internos (alunos) por Médico - DIM DIM = Número de Internos DIM = 361 DIM = 0,91 Número de Médicos do quadro efetivo 396 G 3 ) Taxa de Infecção Hospitalar por período - TIH TIH = Total de casos de infecção em determinado período x 100 Total de altas+total de óbitos no mêsmo período TIH = TIH = 7,95 G 4 ) Taxa de Ocupação - TO TO = Total de pacientes/dia em determinado período x 100 TO = *100 Total de leitos/dia no mesmo período TO = 65,01 G 5 ) Média de Tempo de Permanência - MP MP = Total de pacientes/dia em determinado período de tempo Total de pacientes com alta + remanescentes MP = MP = 8,07 G 6 ) Índice de Consultas por Médico - ICM ICM = Número de Consultas em determinado período ICM = ICM = 1969,75 Número de médicos de ambulatório no mesmo período 201 G 7 ) Índice de Inetrnação por Consulta - IIC I I C = Número de pacientes internados oriundos da emergência em determinado período de tempo x 100 Número de consultas nos ambulatórios no mesmo período I I C = 7753 *100 I I C = 1, G 8 ) G 9 ) G 10 ) Taxa de Mortalidade Infantil - TMI TMI = Total de óbitos infantis em determinado período x 100 TMI = 135 *100 Total de nascidos vivos no mesmo período 1526 TMI = 8,85 Taxa de Partos cirúrgicos ou cesarinos - TP TP = Total de cesarinas em determinado período x 100 TP = 843 *100 Total de partos no mesmo período 1553 TP = 54,28 Taxa de Inetrvenções Cirúrgicas - TIC TIC = Total de Intervenções cirúrgicas pelo centro cirúrgico em determinado período x 100 Total de Internações no mesmo período TIC = 8497 *100 TIC = 45, G 11 ) Densidade de Exames Laboratoriais por Consulta - DELC DELC = Número de exames laboratoriais DELC = DELC = 2,86 Total de consultas no período G 12 ) Densidade de Exames Laboratoriais por Internações - DELI DELI = Número de exames laboratoriais DELI = DELI = 60,31 Total de internações no período 18801

14 2.2. AÇÕES IMPLEMENTADAS NO ENSINO DE GRADUAÇÃO A UFPR procurou implementar ações coordenadas segundo as linhas de ação estratégica definidas no Plano de Desenvolvimento ( ). Que são: A inovação tecnológica e científica dos cursos, com a incorporação de novos instrumentos e metodologias de ensino e redefinição no perfil dos egressos. Expandir a oferta de vagas à comunidade. Prevenir a evasão escolar. Promover a ocupação plena das vagas na graduação INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E CIENTÍFICA DOS CURSOS O processo de reconstrução dos projetos pedagógicos pretende atender às determinações legais, redefinindo competências e habilidades demandas pelo mundo do trabalho. Para isto foi criado um PROGRAMA DE RECONFIGURAÇÃO PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUÇÃO. As ações em desenvolvimento visam: Reconstrução dos projetos pedagógicos e das reformulações curriculares de cada área de conhecimento e/ou formação profissional, visando o envolvimento dos docentes, discentes e representantes de instituições facilitadoras da inserção do futuro profissional. Inclusão dos programas de bolsas institucionais, os intercâmbios, os estágios, as empresas juniores e as atividades integradoras extensivas à comunidade nos projetos pedagógicos dos cursos de graduação. Definição junto aos colegiados de cursos de princípios que devem nortear a elaboração de um calendário de atividades de ensino, pesquisa e extensão para o atendimento das especificidades de cada área de formação. Assessoria na elaboração de encaminhamentos a serem adotados pelos gestores de cursos de graduação a fim de favorecer a resolução dos problemas relacionados ao processo de ensino e de aprendizagem. Outras ações em desenvolvimento implementam uma política de atividades formativas, com a implantação destas como parte do currículo dos Cursos, são: Fortalecimento dos programas: PET, estágios, intercâmbios, monitorias, LICENCIAR, eventos, empresas juniores e outros. Encaminhamento de subsídios para a transformação de disciplinas em atividades. Ampliação do número de convênios com Empresas, Hospitais, Clínicas, Escritórios e novos Agentes Integradores, propiciando oportunidades de diferentes naturezas para os alunos vivenciarem fora dos muros da UFPR. Ano Número de Convênios Estágios Número de Agentes Integradores Estágios Realizados alunos alunos

15 Participação ativa nos Conselhos de Organizações não governamentais, propiciando uma maior integração da Universidade com o mundo Empresarial na perspectiva do ensino, pesquisa e extensão. Realização de seminários para a discussão das Atividades Formativas na UFPR, com a participação da comunidade acadêmica interna e externa. Encaminhamento de proposta de Resolução para normatizar as Atividades Formativas nos cursos da UFPR, tendo em vista a flexibilização prevista nos cursos em fase de reformulação curricular. Atualização da Instrução Normativa para os estágios não obrigatórios (voluntários), previstos na Resolução 19/90-CEP, através da nova Instrução Normativa 01/03-CEPE. Consolidação do Programa Monitoria contemplando a iniciação a docência prevista na Resolução 91/99-CEPE. Organização do Comitê Geral de Monitoria EXPANSÃO DA OFERTA DE VAGAS A expansão da oferta da vagas não ocorreu neste ano em virtude da implantação do Processo de Ocupação de Vagas Remanescentes (PROVAR), da consolidação dos cursos criados a partir de 1999 e principalmente em função da falta de recursos financeiros e humanos. Há uma previsão de ampliação em 2004 de 210 vagas no ensino de Graduação, no projeto Universidade do Litoral nos cursos de Educação Física, Turismo, Pedagogia e Gestão Ambiental COMBATE A EVASÃO ESCOLAR Uma outra linha de ação reforçada no período é a que combate à evasão escolar. A Instituição entende que o processo de adaptação dos alunos deve superar apenas o contato inicial e que um acompanhamento permanente, com melhores condições de atendimento, pode resultar na melhoria da qualidade de formação, e reduzir as taxas de evasão. Algumas das principais ações realizadas em 2003 são: Aperfeiçoamento do processo seletivo para ingresso de alunos nos cursos de graduação da UFPR, normatizado pela Res. 85/03-CEPE, de forma a contemplar a seleção de alunos com perfil acadêmico definido pelos diferentes cursos. PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO ACADÊMICO Implementação de uma política integrada de Acompanhamento Acadêmico junto à Graduação e Ensino Profissionalizante que possa verificar e reorientar, sempre que necessário, o desenvolvimento da vida acadêmica dos estudantes de

16 graduação, desde seu ingresso na UFPR até a colação de grau, promovendo também o autoconhecimento dos cursos. Identificação da curva de aproveitamento dos estudantes da graduação e do ensino profissionalizante. Identificação de índices de retenção nos cursos. Aplicação e análise de avaliações dos docentes pelos discentes. Identificação de evasões nominais dos estudantes da graduação. Identificação dos índices de evasão nos cursos durante os últimos dez anos. Identificação dos prazos médios de conclusão dos alunos nos diferentes cursos. Identificação das vagas remanescentes da universidade. Avaliação dos mecanismos de acesso à UFPR. PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA Consolidação do Programa de Mobilidade Acadêmica que visa ao intercâmbio entre estudantes de Instituições Públicas Federais de Ensino Superior. Criação do Programa de Mobilidade Acadêmica discente entre as Universidades Públicas do Estado do Paraná e a UFPR firmado através de Convênio de Cooperação com a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Governo do Estado do Paraná (SETI). Extensão do Programa de Mobilidade Acadêmica a outras instituições nacionais e estrangeiras com vistas à ampliação da formação acadêmica e cidadã do estudante, com a divulgação e contribuição de áreas de excelência da UFPR e ao aproveitamento de capacidades de outras instituições para o enriquecimento da UFPR. Criação da Unidade de Intercâmbios e Mobilidade Acadêmica para atendimento às questões relativas a intercâmbios e mobilidade de estudantes. PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO ACADÊMICA Implementação de um projeto de acolhimento, apoio e orientação para os alunos de graduação. Articulação para a implementação da orientação acadêmica com as diversas organizações estudantis da UFPR. Articulação para a implementação da orientação acadêmica nos colegiados de curso, cuja implantação do projeto pedagógico atendam aos critérios definidos pelos Núcleos. PROGRAMA DE RECEPÇÃO AOS CALOUROS Articulação das ações com as demais Pró-reitorias, que possam, de forma organizada, contribuir para a semana de recepção aos calouros. Sensibilização dos coordenadores de curso, alunos e professores, através de diversos mecanismos de comunicação, sobre a importância da participação no processo de acolhimento dos novos alunos. Organização e articulação com os alunos veteranos de formas diversificadas de integração e de inserção dos novos alunos na UFPR. Elaboração do Manual do Aluno UFPR com as informações acadêmicas mais relevantes, bem como do calendário escolar. Organização e supervisão da distribuição do Manual do Aluno para as coordenações dos cursos e conseqüentemente para os novos alunos. Outra ação foi à realização da Feira de Profissões em conjunto com a Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Finanças, com a participação de pessoas da

17 comunidade externa, da comunidade interna (alunos, professores e técnicos administrativos), 47 Cursos de Graduação e 30 palestrantes OCUPAÇÃO PLENA DE VAGAS Para a ocupação plena de vagas, a UFPR implantou um novo processo seletivo PROVAR (Processo de Ocupação de Vagas Remanescentes), para ocupar vagas ociosas resultantes da evasão verificada, principalmente, nos dois últimos anos dos cursos. O projeto revestiu-se de um caráter inovador uma vez que antecipou-se à decisão do Governo Federal. Nesta modalidade de concurso as vagas podem ser disputadas por candidatos que estejam cursando o ensino de graduação e que desejam trocar de curso ou instituição. As principais ações realizadas: Levantamento de dados relativos à evasão de alunos da UFPR e discussão sobre formas de preenchimento de vagas. Criação do PROVAR, normatizado através da Res. 91/02 CEPE. Realização da 1ª edição do PROVAR com preenchimento de 976 das vagas disponibilizadas, 697 de outras instituições e 279 trocaram de curso dentro da instituição. Avaliação do processo realizado na 1ª edição. Aprimoramento do processo através da aprovação da Res. 95/03-CEPE EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Com a crescente demanda social, devido às exigências de níveis elevados de formação e a distância geográfica que dificulta o acesso a centros de formação, é um compromisso da UFPR dar continuidade, com permanente atualização e renovação de seus cursos, para atingir o maior número de pessoas, democratizando o acesso ao conhecimento e a formação. O NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA passou por uma reestruturação para melhor atender a comunidade. As principais ações realizadas: Institucionalização do ensino de Educação à Distância, promovida pela Res. 002/99-COUN e regulamentada pela Res. 05/03- COUN. Implantação de uma gestão colegiada com competência para implantar políticas e diretrizes para a Educação à Distância (EAD) estabelecidas no âmbito da UFPR. Encaminhamento para a regularização dos convênios com as mantenedoras do Curso de Pedagogia em EAD. Desenvolvimento de curso de Formação de Tutores on-line, TV Escola e Projetos de Extensão.

18 Cursos de Extensão em: Produção de Material Didático para EAD, Legislação de EAD e Pedagogia de Projetos para EAD. Implementação de uma plataforma própria (NEAD) a ser disponibilizada às disciplinas de graduação. Reestruturação da interface e das informações contidas na Home Page do NEAD, disponibilizando a toda comunidade dados institucional, contatos, cursos em andamento e agendados, legislação, publicações e serviços prestados. A Disciplina Virtual é uma ferramenta informatizada para educação à distância com o intuito de atender professores e alunos da UFPR. Desenvolvida em software livre, a Disciplina Virtual poderá ser utilizada de qualquer computador que tenha acesso a Internet, contando ainda com módulos de segurança para acesso aos conteúdos e atividades. Os professores lançam seus conteúdos no sistema e podem fazer um acompanhamento das atividades entregues pelos alunos. Além disso, a ferramenta disponibiliza um edital para avisos, fórum, salas de bate-papo (chat) e controle acadêmico. O professor terá total autonomia na utilização da ferramenta. Para o 1 semestre de 2004 será implantada a ferramenta Disciplina Virtual em fase de testes com um grupo de professores de diversos cursos da UFPR, para eventuais correções e adaptações. A ferramenta estará disponibilizada a toda a comunidade universitária no 2 semestre de Módulo de acompanhamento dos alunos matriculados, como controle de notas e atividades entregues e não entregues; estudo para integração com sistema de controle acadêmico da UFPR / NAA; redesenho da interface do sistema, utilizando conceitos de IHC (Interação Ser Humano-Computador); trabalho de informação e treinamento para os professores a respeito dos conceitos de EAD (Educação da Distância) e como utilizá-los na construção de material didático (conteúdo); desenvolvimento de ferramenta informatizada para construção de material didático em EAD AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA, EFICIÊNCIA E QUALIDADE DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Com o conjunto de ações descritos acima e constantes no Plano de Desenvolvimento Institucional, a instituição melhorou os níveis de eficiência e eficácia institucional, aplicou os recursos públicos que lhe foram destinados, respeitando o princípio da economicidade e espera ter atendido de forma adequada às demandas sociais. Em 2003 foi ampliada a forma de trabalhar os indicadores disponibilizados pelo MEC, com o objetivo de qualificar os dados numéricos e as notas atribuídas pela avaliação realizada pelo INEP. Neste cenário a UFPR têm somado a avaliação externa, os indicadores internos, os quais tem nos permitido aprimorar os processos de ensino e aprendizagem, reorganizar os projetos pedagógicos dos cursos, ocupar plenamente as vagas remanescentes, efetivar a orientação acadêmica, valorizar todas as atividades acadêmicas desenvolvidas pelos alunos no seu período curricular, capacitar

19 didaticamente os professores para atuar junto ao ensino superior e ensino profissionalizante e ainda, diminuir o percentual de evasão escolar da UFPR. Diversas ações descritas acima tiveram como alvo à melhoria da qualidade do ensino de graduação. Algumas implantadas outras em desenvolvimento como o seu programa de Avaliação Institucional que pretende inserir novos parâmetros com um enfoque mais qualitativo. No último Exame Nacional de Cursos a instituição obteve conceito A (excelente) em 54% dos seus cursos avaliados e 16% foram avaliados com conceito B (muito bom) e 27% com conceito C (bom) ENSINO PROFISSIONAL TÉCNICO E TECNOLÓGICO A formação técnica é focada em aptidões específicas para o mercado de trabalho imediato, por esta razão os programas são desenvolvidos em menor tempo. A Escola Técnica da UFPR tem se preocupado em atender a esta crescente demanda e nos últimos anos ampliou a oferta de cursos e expandiu o total de vagas. Em 2003 na Educação Profissional houve um incremento de 105 vagas com a criação do curso Técnico em Petróleo e Técnico em Agropecuária. Há previsão de ampliação de 100 vagas no Ensino Profissionalizante, referentes ao projeto Universidade do Litoral nos cursos de Técnico de Transações Imobiliárias, Técnico em Enfermagem e Técnico em Aqüicultura. Houve a institucionalização do Núcleo de Ensino Profissionalizante (NEP) visando redimensionar a Estrutura Organizacional da Pró-Reitoria de Graduação com a definição das atribuições e caracterização do Ensino Profissionalizante. Elaboração de normatização do NEP através de resolução e definição de equipe de trabalho. Definição da Política para o Ensino Profissionalizante da UFPR. A reestruturação administrativa da Pró-Reitoria buscando uma maior eficiência na implementação da política de Graduação e de Ensino Profissionalizante. A construção e consolidação da política de ensino profissionalizante têm como principais ações em desenvolvimento: Elaboração de Projeto de Ampliação de vagas para o Ensino Profissionalizante nas diversas áreas do conhecimento, priorizando as demandas dos movimentos sociais, objetivando reduzir as desigualdades, através da oferta de cursos descentralizados para grupos populacionais tradicionalmente excluídos do sistema de ingresso. Participação de grupo de trabalho para elaboração de Diagnóstico, Projeto Pedagógico e Avaliação Contínua de Processo de Implantação dos cursos

20 Técnicos em Enfermagem, Transações Imobiliárias e Aqüicultura para a Universidade do Litoral. Desenvolvimento e implementação de projetos de Ensino Profissionalizante de forma integrada com os movimentos sociais, a exemplo do Projeto Educação Profissionalizante no Campo através da oferta de cursos descentralizados de Técnico em Agroecologia para o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra- MST. Discussão de Projeto integrado na área da cultura para oferta de curso Técnico em Audiovisual; Discussão de Projeto de Técnico em Saúde Comunitária em parceria com o MST. A gestão integrada tem como principais ações em desenvolvimento: Integração do Ensino Médio do Setor de Ensino Médio e Tecnológico SEMTEC/UFPR, com as licenciaturas da graduação visando ações indissociáveis entre estes níveis de ensino no interior da UFPR. Inclusão do Ensino Profissionalizante aos programas de bolsas institucionais, intercâmbios, estágios, empresas juniores e atividades integradoras extensivas à comunidade. Integração do aluno do Ensino Médio e Profissionalizante nas Políticas Estudantis existentes para a Graduação como o Manual do Aluno, o Programa de Recepção aos novos alunos, Projeto Orientação Acadêmica entre outros. Discussão da Política de Ensino Profissionalizante à Distância. Discussão dos Projetos Pedagógicos da Graduação e do Ensino Profissionalizante, programas curriculares, legislação educacional e reformulação curricular de forma contextualizada, social e humanística de forma articulada. O Projeto de Educação e Desenvolvimento Integrado tem como principais ações em desenvolvimento: Desenvolvimento de novas metodologias de educação que atuem de forma articulada entre os diferentes agentes e níveis educacionais e interajam com a ação comunitária, contribuindo no modelo de desenvolvimento local das comunidades envolvidas. Implantação do Projeto Ensino Profissionalizante no Espaço Agrário, ofertado para famílias de pequenos agricultores de Curitiba e Região Metropolitana em parceria com a Associação de Agricultura Orgânica do Paraná-AOPA, Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul-FETRAF- SUL e Central Única dos Trabalhadores-CUT na Fazenda Canguiri da UFPR. Projeto este com a finalidade de integração dos diversos níveis educacionais existentes no interior da Universidade e com desenvolvimento integrado na comunidade AÇÕES IMPLEMENTADAS NA PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO A UFPR tem demonstrado uma sólida competência científica ao longo de sua existência. No entanto, há consenso na Instituição de que esta competência deve ser ampliada, uma vez que o conhecimento será a principal força de produção do século

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN

Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN Projeto de Reestruturação e Expansão REUNI - UFRN Alguns indicadores I n d i c a d o r e s 2006 Acréscimo Número de Alunos Graduação (Regulares, Probásica e Educação a Distância) 23.924 Pós-Graduação (Mestrado

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA

Universidade Estadual de Maringá GABINETE DA REITORIA R E S O L U Ç Ã O N o 119/2005-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente Resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 1º/9/2005. Esmeralda Alves Moro, Secretária. Aprova normas para organização

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL PRÓ-SOCIAL 2014

EDITAL PRÓ-SOCIAL 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CAMPUS UNIVERSITÁRIO REITOR JOÃO DAVID FERREIRA LIMA - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE (048)

Leia mais

Pr o j e t o d e. a u t o-ava l i aç ão i n s t i t u c i o n a l

Pr o j e t o d e. a u t o-ava l i aç ão i n s t i t u c i o n a l Pr o j e t o d e a u t o-ava l i aç ão i n s t i t u c i o n a l 2 PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - UFPR 1 In t r o d u ç ã o A Auto-avaliação é um processo contínuo por meio do qual uma instituição

Leia mais

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno.

Capítulo I. Das Disposições Gerais. Pela contribuição para a formação técnica e humanística do aluno. Regulamento de Atividades Complementares dos cursos de Bacharelado em Administração, Ciências Contábeis, Sistemas de Informação e Enfermagem da Libertas Faculdades Integradas 20 Capítulo I Das Disposições

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA ANEXO II

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA ANEXO II ANEXO II CRITÉRIOS PARA ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA AVALIAÇÃO DE MEMORIAL CRITÉRIOS PARA ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA AVALIAÇÃO DE MEMORIAL 1.1 Aulas ATIVIDADES DE ENSINO PONTUAÇÃO REFERÊNCIA 1.1.1 Graduação

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos ANEXO 1 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO FATOR IV PRODUTIVIDADE 1 A avaliação do Fator Produtividade será realizada de acordo com as atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Produção Intelectual, e Gestão,

Leia mais

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE INESP INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA Em conformidade com o Parecer CES/CNE 146/2002, homologado em 13 de maio de

Leia mais

Programa de Incentivo ao Aumento da Taxa de Sucesso dos Cursos de Graduação (PITS) 2013

Programa de Incentivo ao Aumento da Taxa de Sucesso dos Cursos de Graduação (PITS) 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA GABINETE DA REITORA COMITÊ GESTOR BOLSAS REUNI / DEMANDA SOCIAL Programa de Incentivo ao Aumento da Taxa de Sucesso dos Cursos de Graduação (PITS) 2013 O Problema A retenção

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

Planos de Classificação de Documentos Atividades - Fim Atividades

Planos de Classificação de Documentos Atividades - Fim Atividades Anexo II Planos de Classificação de Documentos Atividades - Fim Atividades 100 GRADUAÇÃO 110 Políticas e Planejamento de Cursos REUNI 111 Fomentação e Implementação de Política de Ensino política de implementação

Leia mais

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional

III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional III.4.4. Inclusão e Desenvolvimento Regional UESC Missão: Formar profissionais, construir conhecimento e criar cultura fomentadora da cidadania, do desenvolvimento humano, social, econômico, artístico

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 007/2012 Institui as Diretrizes de Pesquisa e Pós-graduação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS e providências pertinentes. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. MANUAL DO ALUNO DE MESTRADO E DOUTORADO Normas Gerais

Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. MANUAL DO ALUNO DE MESTRADO E DOUTORADO Normas Gerais Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa MANUAL DO ALUNO DE MESTRADO E DOUTORADO Normas Gerais Rio de Janeiro - 2012 SUMÁRIO A Universidade Estácio de Sá e os Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Leia mais

Boletim da Coordenadoria de Extensão/PROEC Nº 19/2013

Boletim da Coordenadoria de Extensão/PROEC Nº 19/2013 Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Pró-Reitoria de Extensão e Cultura Coordenadoria de Extensão Os Boletins estão organizados neste arquivo em ordem crescente. Boletim da Coordenadoria

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES

ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES I. ENSINO 1. Aulas presenciais e semipresenciais em curso de graduação, pós-graduação

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA -1- REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES FORMATIVAS DO Os alunos do Curso Noturno de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Paraná deverão cumprir um conjunto de atividades formativas complementares,

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA EDITAL N.º 002/201 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA PROFESSOR DO QUADRO DOCENTE DA FACULDADE DE AMERICANA A Direção Geral da Faculdade de Americana - FAM torna público que até 12 horas do dia 1 de julho de 201

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA DA ESCOLA TÉCNICA AO SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNÓLOGICA UFPR: um pouco da história A Escola Técnica Federal do Paraná

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 043/2010 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Dá nova redação à Resolução nº 07/2004 AD REFERENDUM do CEPE, que regulamenta as atividades de Estágio Extracurricular dos estudantes de

Leia mais

APRÊMIO NACIONAL DE GESTÃO EDUCACIONAL - 2011 ANEXO 04 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

APRÊMIO NACIONAL DE GESTÃO EDUCACIONAL - 2011 ANEXO 04 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO APRÊMIO NACIONAL DE GESTÃO EDUCACIONAL - 2011 ANEXO 04 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO ECUCACIONAL 1.1. Histórico da prática eficaz Universidade Positivo é a Instituição de Educação

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná.

A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná. A Comissão Própria de Avaliação na Universidade Federal do Paraná. Universidade Federal do Paraná (UFPR) Eixo I - Criação de estratégias e metodologias para o trabalho das CPA Robson Tadeu Bolzon (Universidade

Leia mais

Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional

Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional Mestrado Profissional em Administração em Rede Nacional Modalidade a Distância Santo André-SP, junho de 2011 A quem se destina Qualificação de funcionários públicos federais, estaduais e municipais. Objetivos

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Eleições UEFS 2011 Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Francisco de Assis Ribeiro dos Santos Candidato a Reitor Maria do Socorro Costa São Mateus Candidata a Vice-Reitora Feira de Santana, fev/2011

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014

EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014 EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014 O Pró-Reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação (PROPPI) do Instituto Federal de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL U E L DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL (PEI) DA UEL LONDRINA 2002 2 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

RELATÓRIO DIAGNÓSTICO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2009 2013 ANÁLISE DAS METAS E AÇÕES PROPOSTAS PARA A EXTENSÃO

RELATÓRIO DIAGNÓSTICO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2009 2013 ANÁLISE DAS METAS E AÇÕES PROPOSTAS PARA A EXTENSÃO RELATÓRIO DIAGNÓSTICO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2009 2013 ANÁLISE DAS METAS E AÇÕES PROPOSTAS PARA A EXTENSÃO FLORIANÓPOLIS, 2013 ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO IFSC REITORA Maria Clara Kaschny

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Planejamento Estratégico - Setor de Ciências Biológicas UFPR Gestão 2014/2016. Diretrizes específicas por unidade setorial. Curso de Graduação

Planejamento Estratégico - Setor de Ciências Biológicas UFPR Gestão 2014/2016. Diretrizes específicas por unidade setorial. Curso de Graduação Planejamento Estratégico - Setor de Ciências Biológicas UFPR Gestão 2014/2016 Diretrizes específicas por unidade setorial Curso de Graduação Fisioterapia Estudo Preliminar Apresentação Este planejamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE Fixa a tabela de pontuação para avaliação de currículo para concurso público na carreira de Magistério Superior da UFPR. 1 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo,

Leia mais

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis

PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis CANDIDATURA DE DIRETOR GERAL AO CAMPUS CARAGUATATUBA PLANO DE GESTÃO - Mudar com Atitude! Prof. Wanderson Santiago dos Reis Nossa Primeira Razão de Ser: Nossos Alunos Proposta: Consolidação do Diretório

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO ESPECIAL A DISTÂNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Andréa Tonini José Luiz Padilha Damilano Vera Lucia Marostega Universidade Federal de Santa Maria RS RESUMO A UFSM vem ofertando Cursos de Formação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba

APEC - Associação Piauiense de Educação e Cultura CESVALE - Centro de Ensino Superior do Vale do Parnaíba RESOLUÇÃO Nº 07 DE 20/09/2004 Estabelece normas para a realização das Atividas Complementares nos cursos graduação do CESVALE. Art. 1 - Define como Ativida Complementar toda e qualquer ativida não prevista

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ)

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ) Relatório elaborado com base nas dimensões avaliativas contempladas no Instrumento

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares

Regulamento das Atividades Complementares Regulamento das Atividades Complementares Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE I. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades

Leia mais

EDITAL Nº 82 de 23 de DEZEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 248 de 29 de DEZEMBRO de 2015

EDITAL Nº 82 de 23 de DEZEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 248 de 29 de DEZEMBRO de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIRURGIA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR EDITAL Nº 82 de 23 de DEZEMBRO de 2015,

Leia mais

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DA ORIENTAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO JANDAIA

Leia mais

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM PROEX N º 05/2015/PROEX APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM EXECUÇÃO: 10 JULHO DE 2015 A 10 DE DEZEMBRO DE 2015. 1 PROEX Nº 05/2015 EDITAL PROGRAMA MULHERES SIM A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES PRÓ-REITORIA ACADÊMICA BURITIS / CARLOS LUZ / SILVA LOBO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares, conforme as Diretrizes Curriculares do MEC, são atividades extracurriculares obrigatórias

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

QS UNIVERSITY RANKINGS LATIN AMÉRICA 2013 64ª da América Latina, 19ª do Brasil, 5ª Estadual do Brasil e 1ª Estadual do Paraná

QS UNIVERSITY RANKINGS LATIN AMÉRICA 2013 64ª da América Latina, 19ª do Brasil, 5ª Estadual do Brasil e 1ª Estadual do Paraná 2012-2013 Referência no Brasil e destaque entre as universidades latino-americanas, a Universi-dade Estadual de Londrina- UEL foi fundada em 1971, com a junção de faculdades isoladas das áreas de Letras,

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/UC Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Edital nº 008/2011/CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria de Relações Internacionais,

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais