A CONSTRUÇÃO DA IDEOLOGIA SOCIAL-DEMOCRATA: UMA ANÁLISE DO CASO BRASILEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONSTRUÇÃO DA IDEOLOGIA SOCIAL-DEMOCRATA: UMA ANÁLISE DO CASO BRASILEIRO"

Transcrição

1 A CONSTRUÇÃO DA IDEOLOGIA SOCIAL-DEMOCRATA: UMA ANÁLISE DO CASO BRASILEIRO Nayara Moreira Lacerda da Silva, UFG

2 A CONSTRUÇÃO DA IDEOLOGIA SOCIAL-DEMOCRATA: UMA ANÁLISE DO CASO BRASILEIRO Nayara Moreira Lacerda da Silva 1 RESUMO: No intuito de compreender a estruturação da social democracia no caso brasileiro, faz-se interessante o apontamento de pontos relacionados à formação e articulação do PSDB, assim como a relação dos mesmos com os aspectos condizentes às configurações dos partidos pioneiros que apresentaram o referido posicionamento ideológico. Dessa forma, o presente estudo se desenvolveu tendo por base os aspectos referentes à configuração ideológico-organizacional do Partido da Social Democracia Brasileira, buscando evidenciar seus principais elementos de moldagem socialdemocrata. PALAVRAS-CHAVE: Partidos Políticos ; Ideologia; Social-Democracia INTRODUÇÃO A social-democracia se iniciou no final do século XIX a partir dos ideais marxistas, dos quais se diferencia pelo fato de acreditar que a transição da sociedade poderia ocorrer de forma gradual, dentro da democracia, ou seja, sem a necessidade da revolução. De acordo com essa lógica o próprio sistema permitiria, por meio da reforma legislativa, o alcance de uma forma de organização social mais igualitária. Inicialmente, as principais bases dessa concepção político-ideológica se estruturaram na Alemanha, durante o período de sua recém unificação, principalmente por meio do Partido Social- Democrata da Alemanha SPD- fundado em A interação entre partido e ideologia política constitui uma discussão recorrente, que ultrapassa a lógica cronológica e sempre se encontra em processo de (re)estabelecimento na agenda da Ciência Política. A indicação de autores clássicos sobre o assunto, torna-se interessante de ser pensada, uma vez que permite a ampla 1 Graduanda, modalidade bacharelado, no curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás.

3 visualização das formas organizacionais adquiridas pelas organizações partidárias ao longo de sua história, assim como as implicações relativas à sua estruturação identitárioideológica. Para aqueles que desenvolveram sua análise a partir da escolha racional, a principal objetivação dos partidos políticos estaria voltada para a competição eleitoral, por via da eleição de seus representantes. Inserindo-se nessa lógica, a ideologia se torna então, um meio destinado à obtenção de votos que se utiliza do lançamento de estratégias que potencializem o arraigamento da preferência eleitoral. Segundo Sartori (1982), além da ideologia, existem também outras três funções que fazem com que os partidos políticos sejam considerados como instituições importantes: (1) a intermediação entre governo e população; (2) a inserção no todo político; (3) a constituição quanto canal de comunicação. Ainda seguindo pela concepção indicada, apresenta-se uma percepção de que a definição ideológica do partido busca alcançar pontos diversos encontrados no espectro político-ideológico, para que dessa forma consiga atingir uma ampla mobilidade no que condiz às suas propostas, transitando com maior facilidade entre as demandas que possam emergir da sociedade (Downs, 1957). De acordo com o posicionamento ideológico social-democrata, a apropriação e distribuição de poder partiria da própria integração ao sistema democrático, através do sufrágio universal, assim como por intermédio da democracia parlamentar. É preciso atentar ao fato de que, para além de uma estruturação puramente política, a social-democracia se estabelece seguindo também uma indicação moral (Silva, 2010), indicada principalmente pela defesa das condições de pleno emprego e igualdade educacional. De acordo com essa perspectiva caberia então ao Estado a correção dos desníveis ocasionados pela lógica de mercado vigentes no sistema capitalista. Aos poucos, tornaram-se significativas as divergências que se formavam dentro das bases programáticas do SPD: como um partido de visão rigorosamente progressista, se relacionando à esquerda e, ao mesmo tempo, se estabelecendo dentro

4 das regras democráticas, o que o relacionava com as formatações de espectro político de centro. Esta configuração ambígua futuramente ocasionou uma reestruturação dos programas da instituição a partir do ano de Em 1959, o Partido Social-Democrata da Alemanha desenvolveu o programa de Bad Godesberg, que diminuiu drasticamente a influência marxista sobre a qual de fundamentava seu ideário, e aspectos de cunho liberal, como livre iniciativa e concorrência de mercado, passaram a ser incorporados. Nesse sentido, conjuntamente às diretrizes da social-democracia, se desenvolveu a ideia do chamado Welfare State, ou Estado de bem-estar social, que indica como objetivos funcionais do aparelho estatal a guarda da propriedade privada, a busca pelo atendimento dos interesses presentes na sociedade (Outhwaite e Bottomore, 1996) e, ainda, o exercício de estimular a iniciativa privada no desenvolvimento de funções sociais (Przeworski, 1989). O modelo social-democrata de Welfare State permitia uma clara integração entre aspectos socialistas, na busca da efetiva melhoria das condições sociais, e liberais, uma vez que os aparelhos da burocracia e as relações de dependência estariam relacionadas às potencialidades que o mercado ofereceria, através da criação de empregos. No final da década de 70, o indicado modelo sente de maneira agravada os efeitos das crises econômicas vivenciadas. Em decorrência das dissonâncias que perpassavam o âmbito econômico há uma clara diminuição dos investimentos estatais, o que prejudicou de forma intensificada o Welfare State. A interpretação indicada sobre a crise econômica global e o modo como ela se relaciona com o declínio do Estado de bem-estar social, se desdobra em um duplo caminho explicativo: um pelo viés progressista e outro pela visão conservadora (Draibe, 1998). O primeiro compreende a tentativa de direcionar melhorias ao plano do dito modelo levou a uma concepção falida do Estado no que diz respeito à sua formatação político-ideológica. O segundo ponto de vista acredita que o próprio Welfare State levou à crise, uma vez que contribuiu com a inibição da competitividade de mercado. Configurado este cenário de crise, uma nova forma passa a ser pensada a partir dos anos 80, e assim, emergindo como alternativa, surge o modelo da Terceira

5 Via, que se estabelece como uma revisão do pensamento social-democrata, modificada pela presença do neoliberalismo (Giddens, 1999). A política de Terceira Via propõe uma reforma do Estado, para que este busque estabelecer parcerias com a sociedade civil no intuito de se tornar mais eficaz e também para que seja adotada a utilização de meios próprios do mercado, sem que isso signifique sua mínima participação econômica. Nesse sentido, a Terceira Via se instaura como uma nova social-democracia, segundo a qual a globalização, por meio de uma percepção neo individualista e as novas expectativas e humores sociais formam a ideia de um Estado que divida suas funções com a iniciativa privada e outras instituições, integrando suas responsabilidades com a sociedade. METODOLOGIA Com vistas à apreensão do desenvolvimento ideológico de um partido político inserido no cenário brasileiro, a análise estará pautada sobre o referencial bibliográfico sobre o Partido da Social Democracia Brasileira, incluindo-se documentos sobre as articulações relacionadas à origem do indicado partido, assim como uma prévia leitura de comentadores que destinem sua atenção às questões de cunho socialdemocrata, principalmente centrada na visualização do percurso ideológico-institucional do SPD, como primeiro partido formado sob uma base social-democrata. A opção pelo Partido da Social Democracia Brasileira para o estudo proposto foi realizada, tendo em vista que seu surgimento não representou uma grande ruptura, ou inovação em relação aos demais partidos até então existentes no sistema brasileiro, além de não se ter observação de um partido que tenha crescido com tamanha velocidade, no que diz respeito ao desenvolvimento organizacional e também aos resultados eleitorais (Campos, 2002). A discussão inicial do presente estudo propõem uma breve passagem pela trajetória da ideologia social-democrata e as principais modificações pelas quais passou no decorrer de sua história, objetivando realizar posteriormente uma interpretação comparativa que permita analisar, partindo do ponto de vista ideológico, como o

6 referido posicionamento político se instaura no âmbito brasileiro, através da fundação, desenvolvimento e articulação do PSDB. RESULTADOS E DISCUSSÃO Em um contexto global demarcado por transformações econômicas e políticas, ocorre no Brasil o surgimento de uma sigla partidária que se identifica como social-democrata. O Partido da Social Democracia Brasileira - PSDB - sua fundação oficial datada em 25 de junho de 1988, inicialmente trazendo em suas diretrizes programáticas aspectos da social-democracia alemã, assim como da chamada política de Terceira Via. Os partidos sociais democratas, em sua maioria, são partidos de massa e têm seus processos de origem ligados a movimentos sociais e sindicalistas (Przewoski, 1985), de modo que o PSDB se apresenta como uma exceção. Pelo critério ideológico, os membros fundadores do partido afirmavam se tratar de uma organização socialdemocrata que se alinhava principalmente aos moldes da social-democracia europeia. Em seus primórdios enquanto organização partidária o PSDB conseguiu reunir uma bancada composta por intelectuais e também participantes de movimentos sociais (Marcos e Fleischer,1999), se afastando da formatação das sociais-democracias europeias pela ausência de vínculos com questões sindicais. Torna-se então interessante apontar que grande parte das lideranças do novo partido já atuavam previamente no cenário político 2 e, dessa forma, possuíam um vasto capital de integração e receptividade para tal meio. Segundo Roma (2002), a institucionalização do PSDB se desdobra historicamente não apenas sobre questões ideológicas, mas também pragmáticas. Para o autor três aspectos pragmáticos são fundamentais para se compreender a fundação do PSDB: primeiramente, o restrito espaço político que o governo Sarney conferiu aos membros fundadores deste partido. Em seguida, a exclusão de tais atores do processo de sucessão à presidência da República. E, por fim, o terceiro elemento que está relacionado aos anteriores pela 2 Devido à origem interna ao parlamento, o PSDB já nasce com uma base sólida de parlamentares (45 ao todo), sendo a grande maioria composta por dissidentes do PMDB.

7 configuração de uma nova demanda criada por eleitores de centro insatisfeitos com o governo federal. É de extrema relevância reiterar que além do cenário global no qual o surgimento do PSDB está inserido, no âmbito interno o Brasil está passando por uma experiência de transição, vivenciada por meio dos processos de redemocratização e que, em certa medida os aspectos da nova constituição aprovada exerceram alguma influencia sobre as diretrizes originais do partido. Em relação ao momento geral presenciado pela doutrina social-democrata, o PSDB surge justamente quando este posicionamento ideológico está sendo repensado a partir das restrições que sofria em meio à iminência das crises socioeconômicas globais. A situação previamente mencionada relativa à queda do Welfare State ocorre de maneira concomitante à emergência do ideário neoliberal e pela interação destes, entre outros fatores, se condiciona, em alguma medida, a nova roupagem da socialdemocracia. É interessante ressaltar que não há na literatura nacional, de fato, um consenso no que condiz ao atual posicionamento ideológico do PSDB, questão que pode ser relacionada à própria natureza do partido, que se estrutura a partir de uma cisão dentro de um partido de centro (PMDB) e possui em seus programas 3 elementos de identificação liberal. De acordo com algumas discussões a cerca da polarização ideológica no Brasil contemporâneo, existe uma inclinação explicativa de que o PSDB surge na centro-esquerda (Kinzo, 1993), se movimenta para a centro-direita durante os anos em que esteve à frente do executivo federal (Santos, 2008; Power e Zucco, 2009) e hoje se encontra no centro do espectro político ideológico (Krause e Godoi, 2010). Dessa forma o posicionamento do partido para a realização deste estudo, foi considerado como centro. A principal diferença entre o PSDB e o SPD pode ser explicada partindo-se da observação de alguns aspectos relacionados à suas origens. A instituição brasileira 3 O manifesto de fundação do partido e os dois programas partidários publicados pelo partido, um em 1988 e o outro em Disponíveis em:

8 se constitui a partir da dissidência de outro partido político, de modo que não se percebe uma ligação direta com questões sindicais, ao contrário do que se deu na gênese do partido europeu, que tem sua causa de fundação pautada fortemente nos vínculos de cunho popular. Dessa forma, o PSDB se afastou dos moldes da social-democracia tradicional e, por isso, não teve que pagar os custos do afastamento de suas causas originais, como o SPD. Um ponto de convergência que pode ser percebido entre os partidos é a responsabilidade atribuída ao setor privado em relação à questões sociais. O partido alemão carrega desde seus primórdios um forte apelo estatizante no que condiz a este aspecto, já o PSDB não trás, em seu manifesto do ano de 1988, argumentação à cerca da maneira pela qual serão direcionadas essas atribuições. Nesse sentido, elementos como educação, ciência, tecnologia, pesquisa e saúde se afirmam como prioritários na agenda de ambos os partidos, sendo que no caso brasileiro a iniciativa privada passa a ser entendida como um dos principais financiadores, de forma que o potencial investimento deve ser estimulado por parte do Estado. É interessante perceber que no momento de sua fundação, o Partido da Social Democracia Brasileira não estabeleceu um claro recorte social-democrata afirmando que abrangeria ideologicamente um amplo espaço, no qual seria possível se inserir, principalmente, quatro correntes: os liberais progressistas, os democratas cristãos, os sociais-democratas e os socialistas democráticos (Sanchez, 2003). Essa configuração indica não apenas a necessidade de construir um perfil ideológico que possibilitasse a definição indicativa de centro-esquerda, mas também foi pensada diante da lógica de viabilidade eleitoral do partido (Kinzo, 1993). Pensada segundo essa lógica dual, o que se tem é a agremiação de uma diversidade que está inserida no declarado posicionamento do partido, mas que não chega a ser tão extensa quanto aquela apresentada pelo PMDB. Se pode então, falar em uma descentralização sobre a qual as bases programáticas do PSDB foram lançaram desde o início, o que também pode ser evidenciado na formação das novas diretrizes lançadas pelo SPD na década de 80. A

9 preocupação relativa aos investimentos tecnológicos se insere na agenda do próprio cenário da globalização, assim como a temática da responsabilidade ambiental, que caracteriza o ideário de ambas as organizações partidárias. É possível verificar linhas de claros contornos sustentáveis traçadas na programação do PSDB, assim como no caso do SPD. Um importante discurso sobre desenvolvimento sustentável passa a ser empregado durante o momento de revisitação da social-democracia e pode, ainda, estabelecer ligações diretas com a própria noção de responsabilidade social atribuída ás corporações privadas. Em suma, pode-se afirmar que o Partido da Social Democracia Brasileira se instaura em meio à transformações diversas, ocorridas tanto a nível nacional, quanto internacional e esta formatação se estabelece de maneira integrada à sua origem, atingindo a estrutura ideológica que se desenvolve, o que pode ser constatado pela observação de suas bases programáticas. CONCLUSÕES O estabelecimento da social-democracia brasileira, percebido por meio da criação e institucionalização do PSDB, se configura de acordo com preceitos de revisão desse arranjo ideológico. Com isso se pode indicar que o referido partido obtém sua configuração com bases voltadas ao pensamento da social-democracia moderna, o que pode ser percebido, tendo-se em vista as formas tomadas pela atuação do Estado, que são voltadas para a intermediação reguladora. De acordo com a concepção de Duverger (1980) existem os partidos de massas e os partidos de quadros. A primeira categorização abrange as organizações que tem sua construção originada no contato externo, geralmente pela interação entre associações e sindicatos, como se pode observar na formação do Partido Social- Democrata da Alemanha. Já o segundo conceito, está relacionado aos partidos que se formam dentro de instituições preexistentes e muitas vezes se formam pela aproximação de objetivos comuns que se destacam dentro de um, ou mesmo entre diferentes partidos.

10 É inegável a idenficação do Partido da Social Democracia Brasileira com o último conceito. O fato de o PSDB ser um partido de quadros é um dos aspectos que mais o distancia das sociais-democracias tradicionais. A mencionada ausência de vínculos com as questões sindicais, faz do partido brasileiro uma peculiaridade ideológica em sua menção social-democrata. O histórico de reavaliações sofridas pela social-democracia levou à dois pontos de grande importância em seu desenvolvimento interpretativo: inicialmente o modelo do Welfare State, cuja decadência estimula a emergência da chamada Terceira Via. Estas mudanças revisionistas tiveram um grande impacto sobre a ideologia socialdemocrata. No caso do PSDB, o que se observa é uma forte influência das vias modernizadoras das diretrizes da mencionada corrente ideológica e o estabelecimento de um partido descentralizado, o que em termos práticos demonstra uma clara preocupação com sua viabilidade eleitoral, aspecto característico de uma organização baseada na lógica dos partidos de quadros (Duverger, 1980). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BOTTOMORE, Tom e OUTHWAITE, William. Dicionário do Pensamento Social do Século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, CAMPOS, Consuelo. Inserção no cenário político e crescimento partidário: o caso do PSDB. Vitrais, 02, p , CARDOSO, Fernando Henrique. A social-democracia: o que é e o que propõe para o Brasil, Brasília: Instituto Teotônio Vilela, DOWNS, Anthony. Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Ed. da USP, DUVERGER, Maurice. Os partidos políticos. Rio de Janeiro: Ed. Zahar/UnB, DRAIBE, Sônia; Henrique Wilnês. Welfare State, crise e gestão da crise, um balanço da literatura internacional. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.3, nº 6, 1988.

11 FLEISCHER, David. Os Partidos Políticos no Brasil Vol. II. Brasília: Editora UnB, FURTADO, Olavo Henrique P. Trajetos e perspectivas social-democratas: do modelo europeu para o PSDB e o PT no Brasil Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, GIDDENS, Antony. A terceira via: Reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social democracia. Rio de Janeiro: Record, KINZO, Maria Dalva. Radiografia do quadro partidário Brasileiro. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer Stiftung, KRAUSE, Silvana; DANTAS, Humberto; MIGUEL, Luis Felipe. Coligações partidárias na nova democracia brasileira: perfis e tendências. Rio de Janeiro/ São Paulo: Editora da Unesp, KRAUSE, Silvana. Uma análise comparativa das estratégias eleitorais nas eleições majoritárias ( ): coligações eleitorais x nacionalização dos partidos e do sistema partidário brasileiro, In S. Krause e R. Schmitt (orgs.), Partidos e Coligações Eleitorais no Brasil. Rio de Janeiro/ São Paulo: Editora da Unesp, MARQUES, Jales R. E FLEISHER, David V. PSDB, de facção a partido. Brasília: Instituto Teotônio Vilela, PANEBIANCO, Ângelo. Modelos de Partido: Organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, POWER, Timothy; ZUCCO, César. Estimating Ideology of Brazilian Legislative Parties, Latin American Research Review, 44, p , POWER, Timothy. A social-democracia no Brasil e no mundo. Porto Alegre: Mercado Aberto, Fernando Henrique e a Terceira Via: Blairismo à Brasileira? In J. Tavares (org.). O que esperar da Social-Democracia no Brasil?. Brasília: Instituto Teotônio Vilela, SANCHES, Raul Christiano. De volta ao começo: raízes de um PSDB militante, que nasceu na oposição. Brasília: Geração Editorial, SARTORI, Giovanni. Partidos e sistemas partidários. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

DEMOCRACIA E EDUCAÇÃO: DA SOCIAL-DEMOCRACIA AO NEOLIBERALISMO

DEMOCRACIA E EDUCAÇÃO: DA SOCIAL-DEMOCRACIA AO NEOLIBERALISMO DEMOCRACIA E EDUCAÇÃO: DA SOCIAL-DEMOCRACIA AO NEOLIBERALISMO PANSARDI, Marcos Vinícius - UTP mvcps@hotmail.com Área Temática: Políticas Públicas e Gestão da Educação Resumo O desenvolvimento dos direitos

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB

SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB SINTONIA ENTRE OS ÓRGÃOS? A RELAÇÃO ENTRE COMISSÃO EXECUTIVA NACIONAL E CONSELHO NACIONAL NO PMDB, PFL/DEM E PSDB Brina Deponte Leveguen 1 RESUMO: O trabalho tem como objeto de estudo os órgãos de cúpula,

Leia mais

O horário eleitoral gratuito na televisão e o padrão das coligações em eleições majoritárias municipais *

O horário eleitoral gratuito na televisão e o padrão das coligações em eleições majoritárias municipais * Leviathan Cadernos de Pesquisa Política N. 5, pp.1-14, 2012 O horário eleitoral gratuito na televisão e o padrão das coligações em eleições majoritárias municipais * Humberto Dantas ** Resumo O Horário

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FCS/FACE Curso: Ciências Econômicas Disciplina: Teoria Política Professor: Francisco Mata Machado Tavares 2o Semestre / 2012 PROGRAMA / PLANO DE ATIVIDADES 1) Ementa da Disciplina:

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria.

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS BACHARELADO GUSTAVO ANDRÉ AVELINE MÜLLER PROJETO DE PESQUISA A VOLATILIDADE

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

Anexo II Resolução nº 133/2003-CEPE

Anexo II Resolução nº 133/2003-CEPE 1 Anexo II Resolução nº 133/2003-CEPE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO - PERÍODO LETIVO / ANO: 2011 Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR?

INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR? INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR? Priscila Caetano Bentin Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

O PROJETO NEOLIBERAL DE EDUCAÇÃO: OS REFLEXOS DA VIOLÊNCIA ECONÔMICA

O PROJETO NEOLIBERAL DE EDUCAÇÃO: OS REFLEXOS DA VIOLÊNCIA ECONÔMICA O PROJETO NEOLIBERAL DE EDUCAÇÃO: OS REFLEXOS DA VIOLÊNCIA ECONÔMICA Lisandra Amaral de Souza 1 Introdução Ao analisar questões como a descentralização das políticas educacionais e a reforma porque passou

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010

O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 22 O PMDB E OS DESAFIOS DA ELEIÇÃO DE 2010 The Brazilian Democratic Movement Party (PMDB) and the challenges of the elections of 2010 Eliseu Padilha Deputado Federal (PMDB RS) e Presidente da Comissão

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

A Descentralização e a Territorialização nas Políticas de Assistência Social:

A Descentralização e a Territorialização nas Políticas de Assistência Social: A Descentralização e a Territorialização nas Políticas de Assistência Social: Novas estratégias para as políticas sociais no Brasil Priscilla André Ribeiro 1 Resumo: Descentralização e territorialização

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

O SISTEMA PROPORCINAL NO BRASIL: ORÍGENS, CARACTERÍSTICAS E EFEITOS Proportional system in Brazil: origins, characteristics and effects.

O SISTEMA PROPORCINAL NO BRASIL: ORÍGENS, CARACTERÍSTICAS E EFEITOS Proportional system in Brazil: origins, characteristics and effects. 21 O SISTEMA PROPORCINAL NO BRASIL: ORÍGENS, CARACTERÍSTICAS E EFEITOS Proportional system in Brazil: origins, characteristics and effects. Noelle Del Giudice Universidad Autónoma de Madrid noellecg@yahoo.com.br

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA

INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Curso Técnico em Gestão Pública Módulo INOVAÇÃO NA GESTÃO PÚBLICA Prof. Dr. Fernando de S. COELHO fernandocoelho@usp.br São Paulo, 13 de maio de 2015 Onde estamos no curso? Disciplina Periodo Local Data

Leia mais

PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO

PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO E N A PREPARATÓRIO ENADE 2015 FACULDADE DOIS DE JULHO CURSO DE FORMAÇÃO GERAL TEMA 3: CRISE FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO D E CURSO DE ADMINISTRAÇÃO E DIREITO 1 O FUTURO DA DEMOCRACIA Boaventura de Souza Santos

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO

O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO O TEMA DAS POLÍTICAS SOCIAIS NO DEBATE POLÍTICO ELEITORAL BRASILEIRO Pela primeira vez desde 1984 uma das grandes figuras da política moderna no Brasil, Luis Ignácio Lula da Silva, não será candidato a

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Partidos Políticos do Brasil

Partidos Políticos do Brasil Partidos Políticos do Brasil Fonte: http://www.suapesquisa.com/partidos/ INTRODUÇÃO 04.06.2012 Atualmente, a legislação eleitoral brasileira e a Constituição, promulgada em 1988, permitem a existência

Leia mais

REFORMA POLÍTICA: AGORA VAI?

REFORMA POLÍTICA: AGORA VAI? DAVID FLEISCHER SÉRGIO ABRANCHES ANTÔNIO OCTÁVIO CINTRA JUAN RIAL BRUNO WILHELM SPECK REFORMA POLÍTICA: AGORA VAI? Editor responsável Wilhelm Hofmeister Conselho editorial Antônio Octávio Cintra Maria

Leia mais

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR

O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR O PAPEL DAS POLÍTICAS SOCIAIS E O TERCEIRO SETOR Ana Paula S. Giroto ALVES 1 Resumo: o Estado é parte integrante, que foi e é determinado, pelas mudanças na estrutura da sociedade e pelas relações sociais

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) Discurso em 28/10

Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) Discurso em 28/10 Diretor: José Francisco de Jesus Pantoja Pereira Gerente de Relações Institucionais: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Claudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas

XVII Semana do Administrador do Sudoeste da Bahia ISSN: 2358-6397 O Administrador da Contemporaneidade: desafios e perspectivas A Atuação das Organizações Não Governamentais no Controle Social da Gestão Pública: O caso do Instituto Nossa Ilhéus Autoria: Luiza Silva Buente 1 ; Adrielle Victoria Soares Alves 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Ministério de Ação Social, que tem a função de coletar todos os documentos oficiais referidos a essa área.

Ministério de Ação Social, que tem a função de coletar todos os documentos oficiais referidos a essa área. 1 Introdução O objetivo desta dissertação é analisar os Pressupostos políticoideológicos, determinantes e direção do terceiro setor no âmbito das políticas sociais no contexto de consolidação do neoliberalismo

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1 MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR Referência: 2015 Curso: Bacharelado em Relações Internacionais DURAÇÃO IDEAL: 08 SEMESTRES 1 o semestre Aula Trabalho Semestral Anual DFD0125 Instituições de Direito EAE0110 Fundamentos

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS PLANEJAMENTO PARA ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA 1º SEMESTRE DE 2016 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o objetivo de preparar profissionais bem

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016 INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA PROCESSO SELETIVO 2015/2016 RELAÇÃO DOS CANDIDATOS INSCRITOS PARA O PROCESSO SELETIVO 2015/2016 MESTRADO EM CIÊNCIA

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA LDB: UM OLHAR CRÍTICO FRENTE À REALIDADE BRASILEIRA

A TRAJETÓRIA DA LDB: UM OLHAR CRÍTICO FRENTE À REALIDADE BRASILEIRA A TRAJETÓRIA DA LDB: UM OLHAR CRÍTICO FRENTE À REALIDADE BRASILEIRA CERQUEIRA, Aliana Georgia Carvalho 1 E-mail: alianageorgia@hotmail.com CERQUEIR, Aline Carvalho 2 E-mail: alinecarvace@yahoo.com.br SOUZA,

Leia mais

Prefácio Introdução: As origens do socialismo democrático PRIMEIRA PARTE: 1864-1918

Prefácio Introdução: As origens do socialismo democrático PRIMEIRA PARTE: 1864-1918 ÍNDICE 11 17 19. 199 22 25 25 28 31 33 36 42 47 48 48 51 51 52 56 58 62 63 72 Prefácio Introdução: As origens do socialismo democrático PRIMEIRA PARTE: 1864-1918 I. A Primeira Internacional 1. As origens

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

Políticas Públicas I. Classificações de Welfare State e Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011

Políticas Públicas I. Classificações de Welfare State e Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011 Políticas Públicas I Classificações de Welfare State e Modelos de Análise de Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011 Temas Classificações de Welfare State (Titmuss e Esping-Andersen).

Leia mais

A HISTÓRIA POLíTICA DO RIO GRANDE DO SUL: BREVE COMENTÁRIO

A HISTÓRIA POLíTICA DO RIO GRANDE DO SUL: BREVE COMENTÁRIO A HISTÓRIA POLíTICA DO RIO GRANDE DO SUL: BREVE COMENTÁRIO SONIA RANINCHESKI* RESUMO O presente trabalho, com ênfase no estudo da história política, discute a formação do sistema político-partidário no

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano3 n. 9 junho / setembro, 2010 www.flc.org.br. ARTIGO Educação Política: Reflexões Sobre um Pilar da Democracia

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano3 n. 9 junho / setembro, 2010 www.flc.org.br. ARTIGO Educação Política: Reflexões Sobre um Pilar da Democracia 1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano3 n. 9 junho / setembro, 2010 www.flc.org.br ARTIGO Educação Política: Reflexões Sobre um Pilar da Democracia Por Humberto Dantas * Introdução A Democracia é vista com

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO.

ANALISE COMPARATIVA DE DUAS PESQUISAS SOBRE IDENTIDADE E PRÁTICAS DE LETRAMENTO NO CONTEXTO MULTISSERIE DO CAMPO. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

33º Encontro Anual da ANPOCS GT 18 ELITES E INSTITUIÇÕES POLÍTICAS

33º Encontro Anual da ANPOCS GT 18 ELITES E INSTITUIÇÕES POLÍTICAS 33º Encontro Anual da ANPOCS GT 18 ELITES E INSTITUIÇÕES POLÍTICAS UMA GUINADA À ESQUERDA? UM ESTUDO DA ELITE POLÍTICA FEDERAL PARANAENSE NOS GOVERNOS FHC/LERNER (1999/2003) E LULA/REQUIÃO (2003/2006).

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios

GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios 1 GESTÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: Origens e Desafios São Carlos, SP 05/2009 Daniel Mill UFSCar - mill@ufscar.br Nara D. Brito UFSCar - nara.diasbrito@gmail.com 2.2.1. - Categoria: Gerenciamento e Logística

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO O PNE (2014-2024) E OS DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Silmara Cássia Barbosa Mélo Universidade Federal da Paraíba silmaracassia2008@hotmail.com Angela Maria Dias Fernandes Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 PLANO DE ENSINO Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 Código: DV Pré-requisito: Carga horária: 30 (trinta) horas aula Créditos: 2 (dois) Natureza: semestral Docente: EMENTA História do sindicalismo.

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

SEMINÁRIO PRÁTICAS E GOVERNANÇA EM GESTÃO DE PESSOAS DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE PESSOAS

SEMINÁRIO PRÁTICAS E GOVERNANÇA EM GESTÃO DE PESSOAS DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE PESSOAS SEMINÁRIO PRÁTICAS E GOVERNANÇA EM GESTÃO DE PESSOAS DAS EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA DE PESSOAS Empresa coordenadora: Simone EMPRESAS PARTICIPANTES Empresas participantes: Tatyana

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

Opinião Pública Universidade Estadual de Campinas cesop@unicamp.br ISSN (Versión impresa): 0104-6276 ISSN (Versión en línea): 1807-0191 BRASIL

Opinião Pública Universidade Estadual de Campinas cesop@unicamp.br ISSN (Versión impresa): 0104-6276 ISSN (Versión en línea): 1807-0191 BRASIL Opinião Pública Universidade Estadual de Campinas cesop@unicamp.br ISSN (Versión impresa): 0104-6276 ISSN (Versión en línea): 1807-0191 BRASIL 2007 Luciana Veiga Fernandes OS PARTIDOS BRASILEIROS NA PERSPECTIVA

Leia mais

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas

Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas Balanço DA Política Educacional Brasileira (1999-2009) ações e programas ESTA OBRA FOI IMPRESSA EM PAPEL RECICLATO 75% PRÉ-CONSUMO, 25 % PÓS- CONSUMO, A PARTIR DE IMPRESSÕES E TIRAGENS SUSTENTÁVEIS. CUMPRIMOS

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais