A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886)"

Transcrição

1 A rebeldia dos escravos e a abolição da pena de açoites no Brasil (1886) Ricardo Pirola No dia 15 de outubro de 1886 foi aprova a lei que determinava o fim da pena de açoites no Brasil. 1 Os trabalhos que se dedicaram a analisar o processo de abolição da pena de açoites têm associado tal resultado a fatores como à pressão vinda de fora com o fim da escravidão em Cuba naquele mesmo ano de 1886 (forçando, assim, o Parlamento nacional a tomar mais uma medida em direção a derrocada do cativeiro por aqui) e ainda a própria busca por parte das autoridades imperiais em dar ao país um aspecto mais civilizado, perante as grandes nações do mundo. No que se refere à primeira explicação se destaca o trabalho de Robert Conrad, que insere a abolição da pena de açoites dentro de um contexto gradual de desmantelamento da escravidão, em que a abolição definitiva em Cuba, ocorrida em 7 de outubro de 1886, favoreceu a rápida tramitação e quase unânime aprovação da proposta de fim dos açoites. Para Conrad, os açoites representavam a chave fundamental de todo sistema escravista, representando a sua proibição quase que a abolição da própria escravatura. 2 Já a segunda explicação tem sido defendida por Alexandra K. Brown para quem, desde meados do século XIX, se esforçaram as autoridades imperiais em dar às leis da escravidão uma roupagem mais civilizada (reduzindo as execuções capitais e abolindo os açoites). Assim, para Brown os legisladores buscaram limpar a instituição da escravidão de seus elementos mais brutais, não porque eles, de fato, queriam humanizar o sistema escravista, mas porque consideravam inapropriados tais elementos para o nível de grandeza e civilização que o Brasil aspirava na segunda metade do século XIX. 3 Apesar de não discordar da importância doselementos levantados tanto por Conrad como por Brown para a aprovação da lei que colocou fim a pena de açoite, não posso deixar de chamar atenção, porém, para a próxima relação da abolição da pena de açoites com a própria lei de 10 de junho de 1835 e, consequentemente, as lutas travadaspara a sua deslegitimaçãonos tribunais do Império. Criada no contexto das agitações políticas e sociais da era Regencial, a lei de 10 de junho de 1835 ficou marcada pela severidade de suas Lei no. 3310, de 15 de outubro de 1886, Coleção das leis do Império do Brasil de Conrad, Robert. Os últimos anos da escravatura no Brasil ( ), pp Brown Alexandra K., A black mark on our legislation : slavery, punishment, and the politics of death in nineteenth century Brazil in: Luso-Brazilian Review, 37 (2), pp

2 punições para com os escravos que atentassem contra seus senhores e familiares ou ainda agentes controladores da produção (como feitores e administradores). Entre os principais crimes abarcados pela lei estava o de agressão física, assassinato e insurreição. Em comparação com a legislação então existente a nova lei ampliou o número de delitos praticados por cativos, que passariam a ser condenados com a pena capital, e encurtou os procedimentos para o julgamento e execução de sentença. Assim, não me parece nada fortuito que no momento em que fora apresentado no Senado, por Inácio Martins, o projeto de fim da pena de açoites, tenha sido pedido ainda a abolição da lei de combate aos crimes escravos de A justificativa levantada pelo senador para solicitar essa dupla modificação na legislação Imperial foi a de que as reformas, até então adotadas no que se referia à escravidão, faziam com que legalmente o escravo não pudesse mais ser considerado como coisa. Isto é, passaram os cativos a ter personalidade jurídica, sendo capaz de direitos, não sendo admitido, portanto, que estivesse de fora da doutrina constitucional; por consequência não podendo ser sujeito à pena infamante de açoites e outras abolidas pela Constituição. Nesse sentido, o senador destacou que a lei de 10 de junho de 1835 representava uma nódoa na legislação do Império tanto por sua severidade na punição dos delitos (como a de prever, por exemplo, a pena de morte para casos de agressão física) e ainda impedir o sistema de circunstâncias agravantes e atenuantes. O senador Jaguaribe interrompeu a fala de Inácio Martins para dizer que a lei de 10 de junho de 1835 era marcada ainda pela falta absoluta de recurso, o que em sua opinião representava um absurdo!. A proposta de abolição da lei de 10 de junho de 1835, contudo, foi vetada ainda na comissão de Constituição e Justiça do Senado, por onde tramitou inicialmente o projeto de Ignácio Martins, antes de ser discutido em plenária. Seguiu em frente, porém, o projeto de acabar com a pena de açoites. O que me parece fundamental destacar de todo o debate é que a proposta de abolição do açoite e também da lei de 10 de junho de 1835 (mesmo sendo esta última derrotada) nasceram de um mesmo processo de lutas pela ampliação das garantias dos escravos na Justiça Imperial. Isto é, o projeto de Inácio Martins de 1886 resultava de uma série de lutas conduzidas, ao longo do século XIX, em que os próprios escravos e seus curadores na Justiça Criminal desempenharam papel fundamental. Tais batalhas atuaram fortemente no processo de deslegitimação da própria lei de 10 de junho de 1835 e ainda da prática de açoites. A 2

3 aplicação de açoites ou a ameaça de vir a fazê-lo se tornou um dos motivos fundamentais reclamados pelos escravos para justificarem seus crimes. De fato, desde a primeira metade do oitocentos, travaram os curadores de escravos batalhas pela extensão de garantias da legislação ordinária para os casos da lei de 10 de junho de 1835 (obtendo vitórias importantes já na década de 1840 no que se referia a interpretação do artigo 94 do Código do Processo e aos direitos dos menores de idade, que impediam a aplicação da pena de morte). Tais considerações podem ser melhor observadas a partir da maneira pela qual o Estado Imperial tratou três casos da década de 1880, em que os réus escravos foram condenados por assassinato. Dois dos casos selecionados envolveram o assassinato de senhores e o outro processo, de feitor. Nas três situações foram os réus condenados à morte, mas acabaram com a pena comutada para galés pelo Imperador.Então vejamos. No primeiro desses casos, ocorrido logo em 28 de janeiro de 1881, o réu Fabiano invadiu a casa grande, portando um machado, no momento em que a família senhorial estava almoçando, e matou o proprietário Antônio Joaquim de Toledo. 4 O réu foi capturado pouco tempo depois e levado à delegacia da cidade de Resende, província do Rio de Janeiro. Fabiano confessou que cometeu o crime porque seu senhor exagerava nas cobranças de trabalho e o ameaçava de castigos. A combinação de crimes cometidos dentro da casa senhorial com a reclamação de excesso de trabalho e ameaça de castigos físicos se tornaram mais comum nesse e evidenciam a própria decadência do sistema escravista. Julgado no tribunal de primeira instância, o réu foi condenado à pena de morte, sendo sua sentença imediatamente encaminhada ao monarca para a autorização da execução (como era de praxe em tais situações). Antes de chegarem ao monarca os processos eram analisados pelos membros da seção Justiça do Conselho de Estado (obrigados a elaborarem um parecer sobre o processo). Estranhamente para o caso de Fabiano, a posição da seção Justiça foi a de recomendar a execução da sentença. Digo estranhamento, pois nesse período, via de regra, a seçãojustiça tendia a indicar a comutação da pena de morte em galés perpétuas. O único conselheiro favorável à comutação foi Visconde de Niterói, que alegou falta de unanimidade do júri de Resende no momento da decisão da pena de Fabiano (Niterói justificou sua decisão por meio da lei de 20 de setembro de 1871 e de duas decisões dos tribunais da Relação da Corte e de 4 Maço 5H-104, Ministério da Justiça, GIFI, Arquivo Nacional (AN). 3

4 São Paulo sobre a necessidade de unanimidade dos jurados para a imposição da pena de morte). Os outros dois conselheiros da seção Justiça, Visconde de Abaeté e Visconde de Jaguary, contudo, se opuseram a tal argumentação e lembraram a própria decisão daquele colegiado de que a reforma judicial do começo da década de 1870 não se aplicava à lei de 10 de junho de 1835, não havendo assim necessidade de unanimidade do júri para a condenação capital. Dom Pedro II, que, desde meados da década de 1870, não mandava mais ninguém para o patíbulo, aparentemente ficara em situação delicada. Mas não acatou, porém, a decisão de mandar executar a sentença. Durante três anos, ele manteve o caso parado, sem apresentar resposta alguma. Até que em maio de 1884, Dom Pedro II mandou expedir decreto comutando a pena do réu Fabiano para 20 anos de galés. A comutação para uma pena menor que a perpétua fugia do padrão da época (ao menos em minha amostra), já que a regra era comutar as sentenças de morte em galés perpétuas. Vimos no capítulo anterior que mesmo com a pressão de diversos réus escravos que cumpriam galés ou prisão perpétua, evitou o Imperador diminuir suas penas até o ano de Contudo, o caso de Fabiano já indicava que o caminho vinha então sendo vagarosamente preparado. O segundo processo que tenho em minha amostra para a década de 1880 envolveu também o assassinato de um senhor por seu próprio cativo. O caso tem origem na comarca de Vacaria, Rio Grande do Sul. 5 Em maio de 1881, o cativo Adão africano, com 52 anos de idade, havia sido chamado, juntamente com seu senhor, para consertar um engenho de moer cana, nas margens do rio Pelotas, já quase na divisa com Santa Catarina. Estando apenas senhor e escravo no engenho, fez uso o primeiro de uma barra de ferro utilizada no conserto para matar seu senhor. Após o assassinato, Adão foge, mas é capturado e preso no dia seguinte. Ao ser interrogado, o escravo disse que matou, pois era seu senhor muito violento, destacando que certa vez o mesmo assassinara três de seus parceiros: Manoel (por meio do açoite), Roberto (ao aplicar veneno em sua comida) e Manoelzinho (com um golpe de martelo), enterrando todos os três em Santa Barbara. O juiz de direito que presidiu o caso, ao enviar o relatório do julgamento ao Poder Moderador, destacou que, de fato, tinha aquele senhor a fama de ser muito severo, mesmo com seus filhos, na localidade onde morava. Destacou que a vítima costumava ainda comprar escravos por baixo preço, sabendo que eram incorrigíveis, de maus instintos e com eles empreendia trabalhos importantes, depois de 5 Maço 5H-121, Ministério da Justiça, GIFI, AN. 4

5 aplicar-lhes imoderados castigos, logo que chegados a casa, com o fim de lhes incutir no ânimo o temor e a obediência passiva. Encontrou o senhor do Rio Grande seu fim em Adão africano. Na seção Justiça do Conselho de Estado as considerações a respeito do tipo de cativeiro promovido pelo senhor, somado ainda à falta de testemunhas do crime, levou à comutação da pena de morte em galés perpétuas. Finalmente o último caso que identifiquei para a década de 80 do século XIX foi o do escravo João crioulo, que em outubro de 1883 matou o feitor da fazenda em que ele morava, em Itabaiana, Minas Gerais. 6 Contou João ao delegado de polícia, para quem ele se entregou logo depois de cometido o crime, que ao chegar uma das escravas de seu senhor com o almoço da turma de cativos que trabalhava na roça, ele próprio parou o serviço e foi receber a gamela de comida. Nesse momento, todos os demais que estavam na roça também pararam de trabalhar e foram almoçar. Logo depois que terminaram de comer, o feitor que os supervisionava na roça, o chamou em particular para que fosse castigado, pois não deveria ter parado o trabalho sem sua permissão. João crioulo disse que se ajoelhou e pediu para não apanhar, mas o feitor se mostrou irredutível, dando ordens para os demais lhe segurarem. Foi nesse momento então, comenta João, que ele sacou uma faca que tinha na cintura e matara o feitor. Sabendo da prisão de João pelo assassinato do feitor, decidira seu senhor conceder-lhe a alforria. Não sei se teve aquele senhor de Itabaiana algum impulso humanitário ao libertar João crioulo, mas o fato de ter que arcar com as custas do processo, em caso de condenação do cativo, pode ter servido para incentivar o ato libertador. Isto é, imaginando que o escravo dificilmente escaparia de uma condenação e que, muito certamente, não seria executado publicamente para servir de exemplo aos demais, devido às sistemáticas comutações de Dom Pedro II, preferiu aquele senhor abrir mão de uma vez por todas de sua propriedade a pagar pelos custos do processo. Não sendo mais escravo, o juiz municipal responsável pelo caso pronunciou João então pelo artigo 193 do código criminal (assassinato sem agravantes). No julgamento, contudo, o juiz de direito reformou a pronuncia do juiz municipal para incluir João no artigo primeiro da lei de 10 de junho de E por esse mesmo artigo o condenou à morte, à revelia da própria decisão da seção Justiça do Conselho de Estado do começo da década de 1850, que recomendava que fosse seguida a condição social do réu no 6 Maço 5H-120, Ministério da Justiça, GIFI, AN. 5

6 momento em que corria o processo e não aquela da época em que cometera o crime. Ao subir à seção Justiça do Conselho de Estado, a atitude do juiz de direito da Itabaiana não foi aprovada. Lembraram os conselheiros que a lei de 10 de junho de 1835 aplicava-se apenas a escravos, o que não era mais o caso de João. Destacaram ainda o artigo 6, parágrafo 4º., da lei de 28 de Setembro de 1871, e ainda uma Resolução de Consulta de 3 de Dezembro de 1874 e Aviso de 10 do dito mês e ano, em que se decidiu que o escravo condenado a açoites, tornando-se livre, deve sofrer a pena comum. 7 Com isso foi recomendada a comutação da pena em galés perpétuas, no que foi prontamente aceito pelo monarca. No ano de 1888, no processo de revisão de penas dos réus incursos na lei de 10 de junho de 1835, João teve sua sentença covertida em 20 anos de prisão. Passaria, por certo, ainda muitos anos presos, mas alimentava as esperanças de poder levar, ao menos, parte de sua vida em plena liberdade. Esses três casos da década de 1880 indicavam que o cativeiro vinha recebendo duros golpes em suas bases de legitimidade, por meio do ataque a senhores e seus agentes de controle. Questionavam-se as condições, a quantidade de trabalho e ainda o castigo físico. Esse último, em particular, se transformou em uma das principais justificativas apresentadas às autoridades Imperiais para a prática de um crime, seja porque houvera a efetiva aplicação de açoites ou outro tipo de coerção física, seja pela promessa de o mesmo vir a ocorrer. A atuação da seção Justiça, por sua vez, seguiu utilizando os mesmos argumentos das décadas anteriores a respeito da falta de testemunhas nos crimes (lembrando aí o artigo 94 do Código do Processo) e do mau cativeiro propiciado pelos senhores (exemplificado, sobretudo, no próprio ato de castigar) para justificar as comutações das penas de morte. Novos elementos passaram também a ser incorporados como a lei de 28 de setembro de 1871, para lembrar que escravo abandonado por seu senhor era considerado liberto e enquanto tal jamais deveria ser julgado como de condição cativa. Decisões dos tribunais da Relação, alguns recentemente criados como o de São Paulo, que nasceu em 1874 com a reforma judiciária implantada no começo daquela década, também entraram como justificativas para embasar as decisões da seção Justiça. De fato, tal postura indicava uma alteração importante no próprio papel do Conselho de Estado, que já não mais monopolizava a interpretação das leis como em meados 7 O artigo 6, parágrafo 4º., da lei de 28 de Setembro de 1871 determina o seguinte: serão declarados libertos: os escravos abandonados por seus senhores. Se estes os abandonarem por inválidos, serão obrigados a alimentá-los, salvo o caso de penúria, sendo os alimentos taxados pelo juiz de órfãos. Lei no. 2040, de 28 de setembro de 1871, Atos do Poder Legislativo, Coleção das leis do Império do Brasil de 1871, Rio de Janeiro: Tipografia Nacional,

7 do século XIX. Apesar de não ser novidade os tribunais da Relação interpretarem a lei dos crimes escravos de 1835, na década de 1880, ao que tudo indica, eles ganharam mais e mais espaço em detrimento do próprio Conselho de Estado. Enfim, o que busco argumentar neste texto é que a pressão externa expressa pela abolição em Cuba e mesmo a busca para projetar o Império entre as nações civilizadas certamente contribuíram para a aprovação do projeto de Inácio Martins de 1886, mas não podem ser decolados de todo um processo de lutas pela ampliação dos direitos dos escravos diante da Justiça Imperial, em que os próprios cativos e seus curadores atuaram fortemente. 7

OBRIGAÇÃO DE SOLVÊNCIA, EMPRÉSTIMOS.

OBRIGAÇÃO DE SOLVÊNCIA, EMPRÉSTIMOS. OBRIGAÇÃO DE SOLVÊNCIA, EMPRÉSTIMOS. Luiz Paulo OLIVEIRA SPINOLA BARBOSA 1 RESUMO: Este presente artigo pretende discorrer de forma breve sobre o direito das obrigações, obrigação de dar coisa certa, na

Leia mais

DEFESA DOS CARENTES "O que decidem no mensalão torna-se norte para juízes" Por Marcos de Vasconcellos

DEFESA DOS CARENTES O que decidem no mensalão torna-se norte para juízes Por Marcos de Vasconcellos Revista Consultor Jurídico, 14 de outubro de 2012 DEFESA DOS CARENTES "O que decidem no mensalão torna-se norte para juízes" Por Marcos de Vasconcellos Enquanto, na última semana, os ministros do Supremo

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Apelação nº 0198645-79.2011.8.26.0100 - São Paulo - VOTO Nº 4/9. fls. 4

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo. Apelação nº 0198645-79.2011.8.26.0100 - São Paulo - VOTO Nº 4/9. fls. 4 fls. 4 da cláusula porque realizado somente por ocasião da apelação, No recurso a autora passou a dizer que o pedido de indenização por danos morais é motivado pela privação da coisa, enquanto na inicial

Leia mais

Radar Stocche Forbes Janeiro 2016

Radar Stocche Forbes Janeiro 2016 Janeiro 2016 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Decisões do Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) Termo de Compromisso Responsabilidade de Diretores A área técnica da CVM encaminhou, recentemente,

Leia mais

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS

CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS ANDRESSA FRANCIELLI ROCHA CASOS COM TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE E PROCESSO COM HOMÍCIDIOS DOLOSOS IVAIPORÃ PR 2012 INTRODUÇÃO Como se há de verificar, por meio desse trabalho será apresentado modelos

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO A ESCRAVIDÃO CHEGA AO FIM Aula: 37 Pág. 27 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 INTRODUÇÃO Colonização: trabalho escravo. Séc. XIX condenação da instituição escravista pelos países europeus (Inglaterra): pressiona

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na CARTA ROGATÓRIA Nº 3.198 - US (2008/0069036-9) RELATÓRIO MINISTRO HUMBERTO GOMES DE BARROS: Agravo interno contra exequatur concedido pelo eminente Ministro Marco Aurélio do STF. Em suma, a decisão

Leia mais

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal)

Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª Vara Criminal) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE RONDÔNIA Câmara Criminal Data de distribuição :31/07/2007 Data de julgamento :25/09/2008 100.019.2005.002900-0 Apelação Criminal Origem : 01920050029000 Machadinho do Oeste/RO (1ª

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

Direito Comunitário II. Comentário ao Acórdão C-176/03

Direito Comunitário II. Comentário ao Acórdão C-176/03 Luís Marques Direito Comunitário II Comentário ao Acórdão C-176/03 Faculdade De Direito Da Universidade de Coimbra Coimbra 2008 Luís Marques (2ª Turma) Direito Comunitário II Comentário ao Acórdão de 13

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

POR UNANIMIDADE 06 (seis) meses

POR UNANIMIDADE 06 (seis) meses ACLARAÇÃO DO LAUDO ARBITRAL DO TRIBUNAL ARBITRAL AD HOC DO MERCOSUL CONSTITUÍDO PARA DECIDIR A CONTROVÉRSIA ENTRE A REPÚBLICA DO PARAGUAI E A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI SOBRE A APLICAÇÃO DO IMESI (IMPOSTO

Leia mais

Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1

Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1 Destituição/perda do poder familiar frustrada: restabelecimento jurídico do vínculo deôntico da filiação biológica 1 Sumário I- Introdução II- III- Introdução Fundamentação da tese Conclusão Epaminondas

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO - CTASP PROJETO DE LEI Nº 7920, DE 2014. (Do Supremo Tribunal Federal) Acrescenta o inciso I ao 1º do artigo 4º da Lei nº 11.416, de 15 de dezembro

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas com as disposições

Leia mais

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007.

RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. RECESSO FORENSE NO PODER JUDICIÁRIO - SITUAÇÃO DEFINIDA PELO CNJ CAUSA POLÊMICA ENTRE O SENADO E A CÂMARA NA APRECIAÇÃO AO PLC N. 06/2007. Glauce de Oliveira Barros O chamado recesso forense, tratado no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação ASSUNTO: Consulta sobre os artigos 23 e 24 da Lei 9394/96 RELATOR: Arthur Fonseca

Leia mais

Insolvência intencional ou fortuita

Insolvência intencional ou fortuita Insolvência intencional ou fortuita O facto da insolvência da empresa ser considerada pelo tribunal como intencional ou como fortuita implica várias consequências para as pessoas envolvidas. O chamado

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO 01/2014 PROCESSO N.º 0203500-71.1989.5.05.0015 ABRAHÃO SADIGURSKY E OUTROS VS. PETROBRÁS

BOLETIM INFORMATIVO 01/2014 PROCESSO N.º 0203500-71.1989.5.05.0015 ABRAHÃO SADIGURSKY E OUTROS VS. PETROBRÁS Salvador, 07 de março de 2014 BOLETIM INFORMATIVO 01/2014 PROCESSO N.º 0203500-71.1989.5.05.0015 ABRAHÃO SADIGURSKY E OUTROS VS. PETROBRÁS Prezado Sr(a). Cliente, O escritório Catharino, Mesquita & Fonseca

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2014.000079XXXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-XX.2011.8.26.0309, da Comarca de Jundiaí, em que é apelante VASSOURAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA.

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de

Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Jefté era de Mizpá, em Gileade, terra de Jó e Elias. Seu nome (hebraico/aramaico - יפתח Yiftach / Yipthaχ). Foi um dos Juízes de Israel por um período de seis anos (Jz 2:7 ). Jefté viveu em Gileade e foi

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

Acórdão 8a Turma. V O T O CONHECIMENTO Conheço do recurso, eis que atendidos os requisitos de admissibilidade.

Acórdão 8a Turma. V O T O CONHECIMENTO Conheço do recurso, eis que atendidos os requisitos de admissibilidade. Acórdão 8a Turma PROCESSO: 0112000-70.2006.5.01.0521 RTOrd PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gab Des Edith Maria Correa Tourinho Av. Presidente Antonio

Leia mais

VI CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 20ª REGIÃO

VI CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO DE JUIZ DO TRABALHO SUBSTITUTO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 20ª REGIÃO PROVA PRÁTICA - 3ª FASE (SENTENÇA) INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS PARA A ELABORAÇÃO DA SENTENÇA: 1. A partir do relatório apresentado, que se constitui no próprio enunciado da prova, o candidato deverá elaborar

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Teresina, 08 de junho de 2015.

Teresina, 08 de junho de 2015. Faculdade Estácio CEUT Coordenação do Curso de Bacharelado em Direito Disciplina: História do Direito Professor: Eduardo Albuquerque Rodrigues Diniz Turma: 1 B Alunas: Alice Brito, Larissa Nunes, Maria

Leia mais

Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei

Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei Legislador VII - Etapas da Tramitação de um Projeto de Lei Processo Legislativo é o procedimento a ser observado para a formação das Leis, estabelecido por disposições constitucionais e pelos regimentos

Leia mais

1. QUAL O VALOR MÁXIMO DE MULTA A SER COBRADO NO PAGAMENTO DE CONTAS EM ATRASO?

1. QUAL O VALOR MÁXIMO DE MULTA A SER COBRADO NO PAGAMENTO DE CONTAS EM ATRASO? 1. QUAL O VALOR MÁXIMO DE MULTA A SER COBRADO NO PAGAMENTO DE CONTAS EM ATRASO? Depende de cada caso. De acordo com o art. 52, 1, do CDC - Código de Defesa do Consumidor, quando o fornecimento de produtos

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19

Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Escravidão e Relações Diplomáticas Brasil e Uruguai, século 19 Keila Grinberg * Este paper está inserido no projeto de pesquisa que venho desenvolvendo atualmente sobre escravidão e formação das relações

Leia mais

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO

PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 PRESCRIÇÃO PENAL: ESPÉCIES DE PRESCRIÇÃO Este trabalho mostrará as tratativas

Leia mais

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS (AL) SENTENÇA DE CONHECIMENTO - PROCESSO N. 0001520-04.2010.5.19.0062. RELATÓRIO. MANOEL BENEDITO FERREIRA DA SILVA,

Leia mais

PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003.

PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003. PARTICIPAÇÃO NO CONGRESSO NACIONAL DE EXECUÇÃO PENAL RIO DE JANEIRO 3 a 05 DE SETEMBRO DE 2003. O PAPEL DO PODER JUDICIÁRIO NO PROCESSO LEGISLATIVO, NA APLICAÇÃO E EXECUÇÃO DA PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS.

Leia mais

Deliberação nº /2012

Deliberação nº /2012 Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Sociais Conselho Científico-Pedagógico Deliberação nº /2012 de 19 de Dezembro Tendo sido criados cursos de pós-graduação e havendo necessidade de deliberar

Leia mais

DECISÃO EM RECURSO ADMINISTRATIVO

DECISÃO EM RECURSO ADMINISTRATIVO DECISÃO EM RECURSO ADMINISTRATIVO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 071/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº 010/2015 RECORRENTE: LAFAIETE PROVEDOR DE INTERNET E TELECOMUNICAÇÕES LTDA. RECORRIDA: OI MÓVEL S/A Em 27 de novembro

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1 APELAÇÃO CRIMINAL Nº 512212-28.2009.8.09.0107(200995122121) COMARCA DE MORRINHOS APELANTE : VIBRAIR MACHADO DE MORAES APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : Des. LUIZ CLÁUDIO VEIGA BRAGA RELATÓRIO O

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO Márcio André Lopes Cavalcante DIREITO ADMINISTRATIVO SERVIDORES PÚBLICOS Férias gozadas em período coincidente com o da licença à gestante Maria, servidora pública, estava grávida. A criança nasceu em

Leia mais

O SR. ALVARO DIAS (Bloco Minoria/PSDB PR) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, hoje não falarei mal da

O SR. ALVARO DIAS (Bloco Minoria/PSDB PR) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, hoje não falarei mal da O SR. ALVARO DIAS (Bloco Minoria/PSDB PR) pronuncia o seguinte discurso: Sr. Presidente, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, hoje não falarei mal da Presidente, Senador Requião. Trago a esta tribuna um assunto

Leia mais

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências.

Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. LEI Nº 9.474, DE 22 DE JULHO DE 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5.

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5. Art. 323. Não será concedida fiança: I nos crimes punidos com pena de reclusão, salvo ao réu maior de setenta anos ou menor de vinte e um, no caso de não ser superior a dois anos o máximo da pena cominada;

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Processo PGT/CCR/ICP/Nº 13120/2014 Câmara de Coordenação e Revisão Origem: PRT 2ª Região. MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Interessados: 1. Fábio Oliveira Freitas 2. CREA/SP Conselho Regional de Engenharia

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 23/05/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 24/04/2012 SEGUNDA TURMA HABEAS CORPUS 106.942 GOIÁS RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) COATOR(A/S)(ES) : MIN. JOAQUIM BARBOSA :SUPERIOR

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14

Tribunal de Contas do Estado do Pará A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14 1 A C Ó R D Ã O Nº. 41.716 (Processo nº. 2005/53596-3) PREJULGADO Nº. 14 EMENTA: Não será aplicada multa regimental pela intempestividade na remessa das prestações de contas aos responsáveis por entidades

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 94 Discurso na solenidade em homenagem

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

Porto Alegre, 13 de abril de 2004. À COSMAM COM. SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE PORTO ALEGRE At. VEREADOR SEBASTIÃO MELLO PRESIDENTE. Senhor Presidente.

Porto Alegre, 13 de abril de 2004. À COSMAM COM. SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE PORTO ALEGRE At. VEREADOR SEBASTIÃO MELLO PRESIDENTE. Senhor Presidente. 1 Porto Alegre, 13 de abril de 2004 À COSMAM COM. SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE PORTO ALEGRE At. VEREADOR SEBASTIÃO MELLO PRESIDENTE. Senhor Presidente. A ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DAS ADJACÊNCIAS DO LIXÃO DE

Leia mais

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Julia Annas. Platão. www.lpm.com.br L&PM POCKET Julia Annas Platão Tradução de Marcio de Paula S. Hack www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 Su m á r i o Ca p í t u l o 1: Discutindo com Platão...7 Ca p í t u l o 2: O nome de Platão e outras questões...18 Ca

Leia mais

O NASCEIRO DO PROSÔNIMO PENHORA ON-LINE

O NASCEIRO DO PROSÔNIMO PENHORA ON-LINE O NASCEIRO DO PROSÔNIMO PENHORA ON-LINE FÁTIMA NANCY ANDRIGHÍ Ministra do Superior Tribunal de Justiça É certo considerar uma ousadia o aluno escrever sobre a matéria em que o seu professor é a estrela

Leia mais

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6 Órgão : 2ª TURMA CÍVEL Classe : APELAÇÃO CÍVEL E REMESSA EX-OFFICIO N. Processo : 2000 01 1 092169 6 Apelante : DISTRITO FEDERAL Apelados : FRANCISCO MASCARENHAS MENDES, SANDRA MARIA REIS MENDES Relatora

Leia mais

Ref: COBRANÇA DE TAXAS DE EMBARQUE E PEDÁGIO DAS GRATUIDADES

Ref: COBRANÇA DE TAXAS DE EMBARQUE E PEDÁGIO DAS GRATUIDADES Brasília, 23 de maio de 2014. Of. circular 021/2014 Ref: COBRANÇA DE TAXAS DE EMBARQUE E PEDÁGIO DAS GRATUIDADES Prezado Associado: Em face da posição de algumas administradoras de terminais rodoviários,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

NCE UNEMAT 2005 NÍVEL SUPERIOR

NCE UNEMAT 2005 NÍVEL SUPERIOR NCE UNEMAT 2005 NÍVEL SUPERIOR TEXTO URGÊNCIA Ao constatar que, de 40 pessoas que costumam dormir nas praias de Copacabana e Ipanema, 35 vieram de fora da cidade, a Secretaria municipal de Assistência

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

CLIPPING. Destaques: Nesta edição: Superintendência de Comunicação Integrada. Contribuinte banca R$ 10,6 mil por ano com transporte oficial - p.

CLIPPING. Destaques: Nesta edição: Superintendência de Comunicação Integrada. Contribuinte banca R$ 10,6 mil por ano com transporte oficial - p. XXI 204 16/09/2013 Superintendência de Comunicação Integrada CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Procon-MG Destaques: Contribuinte banca R$ 10,6 mil por ano com transporte oficial - p. 01 Incra consegue,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO 301 1 Opoente: Opostos: SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE FOZ DO IGUAÇU SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU E REGIÃO, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE

Leia mais

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n.

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n. CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL (Queixa n.º 53468/99) ACÓRDÃO (reparação razoável) ESTRASBURGO 18 de Abril de 2006 Este acórdão

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral reuniu no dia 11 de junho de 2014, na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, a fim de apreciar, relatar e dar parecer

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

PROC. Nº TST-CSJT-195.998/2008-000-00-00.0. A C Ó R D Ã O CSJT IGM/ft/rf

PROC. Nº TST-CSJT-195.998/2008-000-00-00.0. A C Ó R D Ã O CSJT IGM/ft/rf A C Ó R D Ã O CSJT IGM/ft/rf UTILIZAÇÃO DE ADESIVOS INSTITUCIONAIS PARA INGRESSO NO ESTACIONAMENTO PRIVATIVO DOS TRIBUNAIS FORNECIMENTO INDISCRIMINADO DE ADESIVOS E DISTINTIVOS POR TRIBUNAIS E ASSOCIAÇÕES

Leia mais

Enquadramento Histórico

Enquadramento Histórico Enquadramento Histórico Aquilo que os cristãos conhecem de Paulo resume-se a dois ou três momentos da sua vida: a conversão na estrada de Damasco, o discurso no areópago de Atenas, o martírio na cidade

Leia mais

O Último Enforcado: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem do Império Brasileiro.

O Último Enforcado: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem do Império Brasileiro. 95 O Último Enforcado: Pena de Morte e a Manutenção da Ordem do Império Brasileiro. Oseas Batista Figueira Junior RESUMO. Este trabalho tem como objetivo estudar e analisar as formas de controle social

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 170/2012 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 12505/2011 (1 vol.) 2. Classe/Assunto: 3. Consulta / 5. Consulta acerca da legalidade do pagamento de despesas com internação de urgência do senhor João

Leia mais

Estudos sobre o livro de Gênesis LIÇÃO Nº 8 O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO

Estudos sobre o livro de Gênesis LIÇÃO Nº 8 O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO Estudos sobre o livro de Gênesis LIÇÃO Nº 8 O INÍCIO DO GOVERNO HUMANO O Na sequência do estudo do livro do Gênesis, analisaremos hoje o estudo da primeira parte do capítulo 9, quando se institui a dispensação

Leia mais

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br

Questões Extras Direito Tributário Profº Ricardo Alexandre www.lfg.com.br/ www.cursoparaconcursos.com.br TRIBUTO - CONCEITO 1. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Na atividade de cobrança do tributo a autoridade administrativa pode, em determinadas circunstâncias, deixar de aplicar a lei. 2. (ESAF/GEFAZ-MG/2005) Segundo

Leia mais

MUDANÇA NA LEI SECA: AMPLIAR A FISCALIZAÇÃO E SALVAR VIDAS. Senhor Presidente, entre o presidente desta casa, deputado federal Marco

MUDANÇA NA LEI SECA: AMPLIAR A FISCALIZAÇÃO E SALVAR VIDAS. Senhor Presidente, entre o presidente desta casa, deputado federal Marco Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 11/04/2012. MUDANÇA NA LEI SECA: AMPLIAR A FISCALIZAÇÃO E SALVAR VIDAS Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Na

Leia mais

go to http://www.speculumscriptum.com

go to http://www.speculumscriptum.com go to http://www.speculumscriptum.com CONTRATO DE EMPREITADA - Conceito: Empreitada é o contrato em que uma das partes (empreiteiro) se obriga, sem subordinação ou dependência, a realizar certo trabalho

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 RESUMO: O presente estudo vem a demonstrar a evolução do trabalhador doméstico no tempo e espaço, desde o inicio de seu reconhecimento

Leia mais

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO DAS JUNTAS ADMINISTRATIVAS DE RECURSOS DE INFRAÇÕES JARI DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ MT. O prefeito Municipal de Cuiabá-MT,

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO

DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO DA ILEGALIDADE NO CONTROLE, PELO EMPREGADOR, DO ENDEREÇO ELETRÔNICO ( E-MAIL ) FORNECIDO EM DECORRÊNCIA DA RELAÇÃO DE TRABALHO Palavras-chaves: Controle. E-mail. Empregado. Matheus Diego do NASCIMENTO

Leia mais