SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA"

Transcrição

1 8/2011 Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Neste anexo, apresentam-se as regras de decomposição dos contratos futuros em seus fatores primitivos de risco.

2 I. Variáveis consideradas CUPOM = taxa de cupom cambial limpo (dólar); = taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos; DOL_A = taxa de câmbio de dólares dos Estados Unidos por dólar australiano; DOL_C = taxa de câmbio de dólares canadenses por dólar dos Estados Unidos; DOL_F = taxa de câmbio de francos suíços por dólar dos Estados Unidos; DOL_P = taxa de câmbio de pesos chilenos por dólar dos Estados Unidos; DOL_N = taxa de câmbio de yuan chinês por dólar dos Estados Unidos; ETN = preço futuro do Etanol; DOL_E = taxa de câmbio de dólares dos Estados Unidos por euro; DOL_Y = taxa de câmbio de ienes por dólar dos Estados Unidos; DOL_G = taxa de câmbio de dólares dos Estados Unidos por libra esterlina; DOL_M = taxa de câmbio de pesos mexicanos por dólar dos Estados Unidos; DOL_Z = taxa de câmbio de dólar dos Estados Unidos por dólar da Nova Zelândia; PRE = taxa de juros prefixada; SFI = preço futuro de soja com liquidação financeira; SAU = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em dólar australiano; SCA = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em dólar canadense; SCL = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em pesos chilenos; SCN = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em yuan chinês; SDE = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em euro; SCF = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em francos suíços; SYD = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em iene; SGP = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em libra esterlina; STR = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em lira turca; 2

3 SMX = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em peso mexicano; SNZ = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em dólar da Nova Zelândia; SZA = spread de taxas de juros denominadas em dólar dos Estados Unidos e em rande sul-africano; DOL_T = taxa de câmbio de lira turca por dólar dos Estados Unidos; DOL_R = taxa de câmbio de rande sul-africano por dólar dos Estados Unidos; v j = vértice imediatamente anterior, ou igual, ao vencimento do contrato; v j+1 = vértice imediatamente posterior ao vencimento do contrato; PA t = preço de ajuste do contrato futuro em questão; N = número de contratos; M = tamanho do contrato; H = percentual de hedger; T= prazo do contrato; T v j T v j α = fator de distribuição entre vértices: j 1 e j 1. v v v v II. Decomposição j+1 j j+1 j Estão descritas abaixo as fórmulas para decomposição dos contratos futuros em seus Fatores Primitivos de Risco (s), por meio da alocação de quantidades financeiras, expressas em reais. As fórmulas levam em consideração uma posição comprada no respectivo contrato futuro; para as posições vendidas, basta multiplicar a quantidade financeira por ( 1). 3

4 Financeiros Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por dólar australiano DOL_A +1 SAU j SAU j+1 (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por dólar canadense DOL_C +1 SCA j SCA j+1 (-1) x (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por dólar da Nova Zelândia DOL_Z +1 SNZ j SNZ j+1 (-1) x (-1) x 4

5 Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por euro DOL_E +1 SDE j SDE j+1 (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por franco suíço DOL_F +1 SCF j SCF j+1 (-1) x (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por iene DOL_Y +1 SYD j SYD j+1 (-1) x (-1) x (-1) x 5

6 Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por libra esterlina DOL_G +1 SGP j SGP j+1 (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por lira turca DOL_T +1 STR j STR j+1 (-1) x (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por peso chileno DOL_P +1 SCL j SCL j+1 (-1) x (-1) x (-1) x 6

7 Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por peso mexicano DOL_M +1 SMX j SMX j+1 (-1) x (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por rande sul-africano DOL_R +1 SZA j SZA j+1 (-1) x (-1) x (-1) x Contrato futuro de taxa de câmbio de reais por yuan chinês DOL_N +1 SCN j SCN j+1 (-1) x (-1) x (-1) x 7

8 Agropecuários Contrato futuro de etanol hidratado com liquidação financeira ETN j ETN j+1 Contrato futuro de soja com Liquidação Financeira SFI j SFI j+1 (1+H) x N x M x α j x PA t (1+H) x N x M x α j+1 x PA t 8

SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA

SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA 1/2011 Bolsa de Valores, Mercadorias & Futuros SISTEMA DE RISCO DO SEGMENTO BM&F SUBSISTEMA DE MARGEM PARA ATIVOS LÍQUIDOS ANEXO III FUTUROS DE MOEDAS E AGROPECUÁRIOS COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Neste anexo,

Leia mais

Manual de Apreçamento da BM&FBOVESPA

Manual de Apreçamento da BM&FBOVESPA Classificação das Informações [ ] Confidencial [ ] Uso Interno [ x ] Uso Público ÍNDICE CONTRATOS FUTUROS FINANCEIROS E AGROPECUÁRIOS... 3 1. CONTRATOS FUTUROS SOBRE ATIVOS FINANCEIROS... 3 1.1. Contrato

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de abril 2014 para a apuração dos preços

Leia mais

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas DERIVATIVOS DE Balcão Termo de Moedas Termo de Moedas Registro de negociação de taxas de câmbio ou de paridade futura O produto O Contrato a Termo de Moedas possibilita a negociação de taxa de câmbio ou

Leia mais

0101010100 Total da Exposição Ativa Comprada na Cesta de Moedas no País. 0101010101 Exposição Ativa Comprada em Dólares dos EUA no País

0101010100 Total da Exposição Ativa Comprada na Cesta de Moedas no País. 0101010101 Exposição Ativa Comprada em Dólares dos EUA no País Instruções de Preenchimento do documento 2011 Validade a partir de 02/01/2014 Código Nome Descrição 0101010000 Total da Exposição Ativa Comprada no 0101010100 Total da Exposição Ativa Comprada na Cesta

Leia mais

PRODUTOS AUTORIZADOS PARA NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BOLSA OU BALCÃO ORGANIZADO

PRODUTOS AUTORIZADOS PARA NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BOLSA OU BALCÃO ORGANIZADO PRODUTOS AUTORIZADOS PARA NEGOCIAÇÃO EM MERCADO DE BOLSA OU BALCÃO ORGANIZADO 1. SEGMENTO BM&F Contratos Derivativos Ouro Futuro de Ouro (OZ1) Opção de Compra sobre Disponível Padrão Ouro Opção de Venda

Leia mais

Versão: 22/07/2013 Atualizado em: 22/07/2013

Versão: 22/07/2013 Atualizado em: 22/07/2013 Versão: 22/07/2013 Atualizado em: 22/07/2013 i Derivativos Realizados no Exterior Conteúdo Introdução aos Derivativos Realizados no Exterior... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas...

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO ANÁLISE DOS MERCADOS FUTUROS DE CÂMBIO NO BRASIL Carlos Fernando Martins Miranda Nº de matrícula:

Leia mais

HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO - SEGMENTO BM&F. Contratos Futuros, de Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa de Juro em Reais

HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO - SEGMENTO BM&F. Contratos Futuros, de Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa de Juro em Reais HORÁRIOS DE NEGOCIAÇÃO SEGMENTO BM&F s Futuros, Opções e Operações Estruturadas Referenciados em Taxa Juro em Reais Futuro DI1 FUT DI1 09:00 2 16:00 16:07 16:10 16:10 16:42 16:45 16:50 2 18:00 Futuro DI

Leia mais

Exterior. São Paulo: Atlas, 2009.

Exterior. São Paulo: Atlas, 2009. MODALIDADES DE PAGAMENTOS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: FORTUNA, Eduardo. Mercado Financeiro Produtos e Serviços. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996. MAIA, Jayme de Mariz. Economia

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.635, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.635, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.635, DE 4 DE MARÇO DE 2013 Estabelece os procedimentos para o cálculo da parcela dos ativos ponderados pelo risco (RWA) referente às exposições sujeitas à variação da taxa dos cupons de moedas

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 003/03

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 003/03 COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº 003/03 Aos Participantes do Sistema de Contratos a Termo Ref.: Trata de alteração no layout dos arquivos de movimentação DMOVIMENTO e de posição DPOSICAO de contratos

Leia mais

Comunicado CETIP n 102/05 15 de setembro de 2005

Comunicado CETIP n 102/05 15 de setembro de 2005 Comunicado CETIP n 102/05 15 de setembro de 2005 Assunto:Arquivo de Movimento do Termo de Moedas. A CETIP Câmara de Custódia e Liquidação comunica que, a partir de 14/10/2005, irá alterar o layout do arquivo

Leia mais

Política de Gestão de Risco Financeiro

Política de Gestão de Risco Financeiro Política de Gestão de Risco Financeiro Índice Introdução... 2 Objetivos... 2 Atribuições... 3 Descrição dos riscos financeiros... 4 Exposição às flutuações das taxas de juros... 4 Exposição às variações

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA NOVOS INVESTIDORES NÃO RESIDENTES PRODUTOS ELEGÍVEIS E VALORES DOS PONTOS POR CONTRATO

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA NOVOS INVESTIDORES NÃO RESIDENTES PRODUTOS ELEGÍVEIS E VALORES DOS PONTOS POR CONTRATO PROGRAMA DE INCENTIVO PARA NOVOS INVESTIDORES NÃO RESIDENTES PRODUTOS ELEGÍVEIS E VALORES DOS PONTOS POR CONTRATO Conforme Ofício Circular 041/2017-DP, de 12/07/2017, o Programa de Incentivo para Novos

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A APURAÇÃO DOS PREÇOS DE AJUSTE E PRÊMIOS DAS OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA MAIO 2017

CRITÉRIOS PARA A APURAÇÃO DOS PREÇOS DE AJUSTE E PRÊMIOS DAS OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA MAIO 2017 CRITÉRIOS PARA A APURAÇÃO DOS PREÇOS DE AJUSTE E PRÊMIOS DAS OPÇÕES DE COMPRA E DE VENDA MAIO 2017 28/04/2017 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de maio de 2017 para a apuração

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F

Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F 01 de julho de 2016 061/2016-DO C O M U N I C A D O E X T E R N O Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Registro da BM&FBOVESPA pela U.S. Commodity Futures Trading Commission

Leia mais

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB)

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) Subsistema de Margem para Ativos Líquidos Opções com Ajuste sobre Disponível e sobre Futuro Setembro 2006 .ii. 1. Introdução Neste documento, apresenta-se a nova metodologia

Leia mais

Campo Formato Posição Conteúdo Descrição Data X(10) 1-10 Data da operação. Formato: AAAA-MM-DD.

Campo Formato Posição Conteúdo Descrição Data X(10) 1-10 Data da operação. Formato: AAAA-MM-DD. Termo de Moedas Nome do Arquivo Registro de Contrato do Participante Header Campo Formato Posição Conteúdo Descrição Data X(10) 1-10 Data da operação. Formato: AAAA-MM-DD. Registro Campo Formato Posição

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

2,75 0,0-0,8-1,9-2,5-3,0 1 -5,9. Fonte: BDS. Iene. Dólar Australiano. China Malasia. Nova Lira Turca Brasil. China. Indonesia.

2,75 0,0-0,8-1,9-2,5-3,0 1 -5,9. Fonte: BDS. Iene. Dólar Australiano. China Malasia. Nova Lira Turca Brasil. China. Indonesia. 4,4 2,9 2,3 jan Comentários do Gestor 2 0 1 4 Referente a dezembro Moedas (contra o dólar) O real fechou 2013 com desvalorização de 12,8%, seguindo o comportamento das moedas de outros emergentes e exportadores

Leia mais

Metodologia Cetip de Marcação a Mercado

Metodologia Cetip de Marcação a Mercado etodologia Cetip de arcação a ercado ersão: 25/0/206 Índice INTRODUÇÃO... 4 Princípios do cálculo de arcação a ercado (a)... 5 isão do Processo... 6 Coleta de Dados de ercado... 6 Tratamento e alidação

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Instruções para Apuração e Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) Carta-Circular 3.376/09

Instruções para Apuração e Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) Carta-Circular 3.376/09 Instruções para Apuração e Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) Carta-Circular 3.376/09 I. OBJETIVO: O Demonstrativo de Risco de Mercado (DRM) tem por objetivo apresentar

Leia mais

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA Especificações 1. Definições Taxa de câmbio Objeto de negociação do contrato quando a relação for estabelecida em quantidade de reais por uma unidade de moeda estrangeira

Leia mais

Diretoria de Comércio Exterior GECEX Campinas Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior

Diretoria de Comércio Exterior GECEX Campinas Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Diretoria de Comércio Exterior GECEX Campinas Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior CÂMBIO E POLÍTICA CAMBIAL Câmbio: compra e venda de moedas ou papéis conversíveis. Divisas - São as disponibilidades

Leia mais

0,25 0 0 0 0 0 -3,0-3,8-4,5-5,1. Fonte: BDS. Dólar Australiano. Real. Malasia. Chile EUA. Rupia Indiana. Indonesia. Nova Lira Turca.

0,25 0 0 0 0 0 -3,0-3,8-4,5-5,1. Fonte: BDS. Dólar Australiano. Real. Malasia. Chile EUA. Rupia Indiana. Indonesia. Nova Lira Turca. jul Comentários do Gestor 2 0 1 3 Referente a maio Moedas (contra o dólar) Mais uma rodada de desvalorizações das moedas. Com o real não foi diferente. Taxas básicas de juros variação O Brasil é uma das

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Janeiro 2014 TÊXTIL E VESTUÁRIO CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Para 2014, estima-se que a cadeia produtiva têxtil e de vestuário em termos de volume evolua sobre 2013

Leia mais

Atualizações da Versão... 3. Introdução aos Derivativos Realizados no Exterior... 5 Conhecendo o Produto... 6 Ações dos Botões das Telas...

Atualizações da Versão... 3. Introdução aos Derivativos Realizados no Exterior... 5 Conhecendo o Produto... 6 Ações dos Botões das Telas... Versão: 18/08/2014 Atualizado em: 11/05/2016 Derivativos Realizados no Exterior Conteúdo Atualizações da Versão... 3 Introdução aos Derivativos Realizados no Exterior... 5 Conhecendo o Produto... 6 Ações

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 15 de agosto de 2015

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 15 de agosto de 2015 Jornal Oficial C 269 da União Europeia 58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 15 de agosto de 2015 Índice II Comunicações COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA

Leia mais

Fonte de dados: FMI e Bancos Centrais Elaborado por Infinity Asset / MONEYOU.COM.BR

Fonte de dados: FMI e Bancos Centrais Elaborado por Infinity Asset / MONEYOU.COM.BR O Brasil está no topo. Essa poderia ser uma boa notícia, se este assim chamado "topo" não fosse por uma série de dados que demonstram o mau estado da economia brasileira hoje. Vamos levantar algumas questões

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 4 A Moeda e a Inflação A Macroeconomia

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2015 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro 2015 para a apuração dos preços

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de maio de 2011 para a apuração dos preços

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Conteúdo Introdução ao Termo de Moedas... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 4 Registros... 5 Registro de Contrato a Termo Simples -

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 i Conteúdo Conteúdo Introdução ao Swap... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Lançamento... 7 Registro de Contrato - Fluxo Constante...

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Seguindo os ventos externos A projeção do IPCA para os próximos 12 meses voltou a apresentar queda, contudo mesmo a estimativa para 2017 está ainda distante do centro da meta. Apesar das incertezas locais,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Mercado Cambial é a parte do mercado financeiro onde se realizam as operações de compra e venda de moeda estrangeira Funciona 24 h à escala

Mercado Cambial é a parte do mercado financeiro onde se realizam as operações de compra e venda de moeda estrangeira Funciona 24 h à escala MERCADO CAMBIAL 1 Mercado Cambial é a parte do mercado financeiro onde se realizam as operações de compra e venda de moeda estrangeira Funciona 24 h à escala planetária (devido á diferença horária entre

Leia mais

Valor dos Pontos de Contratos

Valor dos Pontos de Contratos s s s s Tamanho Unida Futuro 250g grama 250 Opções sobre Disponível Padrão 250g grama 250 Termo 250g grama 250 Futuro Hang Seng Hang Seng Hang Seng x 0,65 BRL 0,65 Futuro MICEX MICEX MICEX x 4,5 BRL 4,5

Leia mais

Regras para Criação e Exclusão de Vencimentos e Séries de Derivativos

Regras para Criação e Exclusão de Vencimentos e Séries de Derivativos Regras para Criação e Exclusão de Vencimentos e Séries de Derivativos B3: o resultado da combinação entre a BM&FBOVESPA e a Cetip. A B3 foi criada em março de 2017 como fruto da combinação entre a BM&FBOVESPA

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

BOLETIM FINANCEIRO. H.Commcor 2015 EQUIPE. Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015 PANORAMA

BOLETIM FINANCEIRO. H.Commcor 2015 EQUIPE. Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015 PANORAMA BOLETIM FINANCEIRO Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015 EQUIPE Luiz Henrique luizhmp@commcor.com.br Cleber Alessie cleber@commcor.com.br Lúcio Bagio luciobagio@commcor.com.br Caio Liberato caiocosta@commcor.com.br

Leia mais

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 9 de setembro de 2015

58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 9 de setembro de 2015 Jornal Oficial C 297 da União Europeia 58. o ano Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 9 de setembro de 2015 Índice II Comunicações COMUNICAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015

INFORME ECONÔMICO 9 de outubro de 2015 Aug-10 Feb-11 Aug-11 Feb-12 Aug-12 Feb-13 Aug-13 Feb-14 Aug-14 Feb-15 Aug-15 INFORME ECONÔMICO RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Alta de juros nesse ano ainda é o cenário base do FED. No Brasil, a inflação

Leia mais

Paulo Roberto Mendonça Superintendente Geral

Paulo Roberto Mendonça Superintendente Geral COMUNICADO SPR Nº 007/02 Aos Participantes do Sistema de Proteção Contra Riscos Financeiros SPR A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP comunica que, atendendo demanda de instituições

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 29 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Atividade econômica mostra reação nos EUA. No Brasil, o PIB contraiu abaixo do esperado. Nos EUA, os dados econômicos mais recentes sinalizam que a retomada da atividade

Leia mais

TREVISO Corretora de Câmbio S/A. currencies solutions outubro 12

TREVISO Corretora de Câmbio S/A. currencies solutions outubro 12 TREVISO Corretora de Câmbio S/A currencies solutions outubro 12 Apresentação Institucional Empresa 03 Estrutura Corporativa 04 Serviços 05 Produtos 08 Posição Macro 15 Unidades e Correspondentes 16 www.trevisocambio.com.br

Leia mais

Preços de Transferência. Novo tratamento para os juros na Legislação Brasileira de Preços de Transferência

Preços de Transferência. Novo tratamento para os juros na Legislação Brasileira de Preços de Transferência Preços de Transferência Novo tratamento para os juros na Legislação Brasileira de Preços de Transferência São Paulo/SP 16/05/2013 Novo tratamento para juros Lei nº 12.766/2012 Art. 22. Os juros pagos ou

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 147. Legislação. Atos não legislativos. 59. o ano. Edição em língua portuguesa. 3 de junho de 2016.

Jornal Oficial da União Europeia L 147. Legislação. Atos não legislativos. 59. o ano. Edição em língua portuguesa. 3 de junho de 2016. Jornal Oficial da União Europeia L 147 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 3 de junho de 2016 Índice II Atos não legislativos REGULAMENTOS Regulamento de Execução (UE) 2016/869 da Comissão,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Juros reais em baixa No período entre os dias 06 e 13 de maio, o IPCA projetado para os próximos 12 meses apresentou queda, da mesma forma a estimativa para o fechamento de 2017. A estrutura a termo da

Leia mais

TERMO DE MOEDAS SEM GARANTIA. Especificações. Paridade Objeto de negociação do contrato, quando a relação for estabelecida em:

TERMO DE MOEDAS SEM GARANTIA. Especificações. Paridade Objeto de negociação do contrato, quando a relação for estabelecida em: TERMO DE MOEDAS SEM GARANTIA Especificações 1. Definições Taxa de câmbio Objeto de negociação do contrato quando a relação for estabelecida em quantidade de reais por unidade de moeda estrangeira (Ex.:

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2013 para a apuração dos

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

Ambiente macroeconômico e financeiro

Ambiente macroeconômico e financeiro Ambiente macroeconômico e financeiro 1 1.1 Introdução No primeiro semestre de, as políticas monetárias permaneceram acomodatícias nas economias avançadas, condicionadas por seus diferentes posicionamentos

Leia mais

Finanças Internacionais 30 horas/aula

Finanças Internacionais 30 horas/aula Finanças Internacionais 30 horas/aula Módulo 3/4: Operações Financeiras Internacionais Prof. Msc. Ricardo Antonello ricardo@antonello.com.br www.antonello.com.br Introdução: O que é Hedge? Em finanças,

Leia mais

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento A construção das taxas spot é obtida mediante a acumulação das taxas a termo implícitas entre os vencimentos dos instrumentos financeiros listados, assumida a hipótese de que a taxa a termo entre os vencimentos

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2013 Turim Family Office & Investment Management TÓPICOS Economia Global: Estados Unidos...Pág.3 Europa...Pág.4 Economia Brasileira: Produto Interno Bruto...Pág.5 Política

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 SUMÁRIO I Objetivo 1 II Orientações Gerais 2 III Orientações Gerais Sobre

Leia mais

As respostas deverão ser enviadas para o fax +44 207198 0862 QUESTIONÁRIO SOBRE O MERCADO CAMBIAL 2006 EUROMONEY

As respostas deverão ser enviadas para o fax +44 207198 0862 QUESTIONÁRIO SOBRE O MERCADO CAMBIAL 2006 EUROMONEY As respostas deverão ser enviadas para o fax +44 207198 0862 QUESTIONÁRIO SOBRE O MERCADO CAMBIAL 2006 EUROMONEY Por favor responda a este questionário confidencial para ajudar o 28º estudo anual sobre

Leia mais

FUT - ICF - Café arábica Z12 2.552,21 2.552,27. FUT - ICF - Café arábica H13 2.628,70 2.628,68. FUT - ICF - Café arábica K13 2.662,62 2.

FUT - ICF - Café arábica Z12 2.552,21 2.552,27. FUT - ICF - Café arábica H13 2.628,70 2.628,68. FUT - ICF - Café arábica K13 2.662,62 2. FUT - ICF - Café arábica Z12 2.552,21 2.552,27 FUT - ICF - Café arábica H13 2.628,70 2.628,68 FUT - ICF - Café arábica K13 2.662,62 2.662,58 FUT - ICF - Café arábica N13 2.679,18 2.679,26 FUT - ICF - Café

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

ACOMPANHAMENTO SEMANAL DO MERCADO DE COMMODITIES Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços MRE BOLETIM N 63

ACOMPANHAMENTO SEMANAL DO MERCADO DE COMMODITIES Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços MRE BOLETIM N 63 ACOMPANHAMENTO SEMANAL DO MERCADO DE COMMODITIES Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços MRE BOLETIM N 63 (SEMANA DE 31 DE JULHO A 7 DE AGOSTO DE 2009) O Índice de Commodities Bloomberg/CMCI atingiu

Leia mais

Finanças Internacionais exercícios

Finanças Internacionais exercícios Finanças Internacionais exercícios Paulo Lamosa Berger Exemplo Suponha que no dia 20/10/2000 (sexta-feira) um importador deseje uma taxa para liquidação D0. Calcule a taxa justa para esse cliente. Dados:

Leia mais

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO

COMPORTAMENTO SEMANAL DE MERCADO Ancoragem das expectativas inflacionárias Por motivos internos e externos, na semana de 08 a 15 de abril, o prêmio de risco soberano brasileiro reduziu-se em 48 pontos básicos. A expectativa de um eventual

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Vamos falar sobre o que são as taxas de câmbio e explicar alguns dos fatores que podem afetar o valor da moeda nos países em todo o mundo.

Vamos falar sobre o que são as taxas de câmbio e explicar alguns dos fatores que podem afetar o valor da moeda nos países em todo o mundo. TAXAS DE CÂMBIO Introdução Todo mundo que viaja para o exterior acaba usando moedas estrangeiras. Normalmente, os turistas compram dólares norte-americanos e, se não for viajar para os Estados Unidos,

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

www.trevisocambio.com.br Quem é a Treviso Corretora?

www.trevisocambio.com.br Quem é a Treviso Corretora? www.trevisocambio.com.br Quem é a Treviso Corretora? Quem é a Treviso Corretora? Devidamente regulamentada pelo Banco Central e habilitada a trabalhar com produtos voltados para o mercado de câmbio desde

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Dezembro 2015 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de dezembro 2015 para a apuração dos preços

Leia mais

-5,3-5,5. Fonte: BDS. Libra Esterlina. Iene. Malasia. Chile. Mexico -4,0. IBrX. Ambev. Seul. Istambul. Tóquio. Fonte: Andima/Western Asset

-5,3-5,5. Fonte: BDS. Libra Esterlina. Iene. Malasia. Chile. Mexico -4,0. IBrX. Ambev. Seul. Istambul. Tóquio. Fonte: Andima/Western Asset fev Comentários do Gestor 2 0 1 3 Referente a janeiro Moedas (contra o dólar) O real continuou o seu rali em janeiro, mas ainda é uma das moedas que mais se desvalorizou nos últimos 12 meses. O Iene é

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Banco de Investimento Rural (BIR), S.A

Banco de Investimento Rural (BIR), S.A Banco de Investimento Rural (BIR) Preçário Banco de Investimento Rural (BIR), S.A Instituição Financeira Bancária ANEXO II Tabela de Taxas de Juro (Entrada em vigor: 01/11/2015) O Preçário pode ser consultado

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015

INFORME ECONÔMICO 20 de março de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS FED reduz projeções de crescimento e inflação nesse ano, e mostra cautela em relação ao início do aperto monetário nos EUA. No Brasil, inflação se mantém pressionada. O Comitê

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 04 Contratos Futuro e a Termo

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 04 Contratos Futuro e a Termo DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP EAC 0466 Precificação de Derivativos e Outros Produtos Aula 04 Contratos Futuro e a Termo Ciências Atuariais 2017 Programa 2. Mercado a Termo Mercado

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio

Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Mercado de Capitais e seu Papel Indutor no Desenvolvimento do Agronegócio Fabio Dutra Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercados 16/06/2015 1 AGENDA DESAFIOS DO AGRONEGÓCIO MERCADO DE CAPITAIS

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

Política. Gestão de Risco de Mercado

Política. Gestão de Risco de Mercado Política de Gestão de Risco de Mercado Superintendência de Riscos Aprovada no Comitê de Riscos e Liquidez de 30/09/2010 Índice 1. OBJETIVO 3 2. PERÍMETRO 3 2.1 CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO 3 2.2 CARTEIRA ESTRUTURAL

Leia mais