UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ESTRADOS ACADÊMICO E PROFISSIONAL DOUTORADO EM QUÍMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ESTRADOS ACADÊMICO E PROFISSIONAL DOUTORADO EM QUÍMICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ESTRADOS ACADÊMICO E PROFISSIONAL DOUTORADO EM QUÍMICA Florianópolis Julho/2007

2 PPGQ/ - CURSOS Mestrado Acadêmico Mestrado Profissional Doutorado HISTÓRICO MESTRADO ACADÊMICO: Autorização de funcionamento (): 1991 Implantação: Química Inorgânica - Química Orgânica Recomendação pela CAPES: 1995.

3 PPGQ/ - HISTÓRICO MESTRADO (MA( e MP) ) e DOUTORADO: Autorização de funcionamento (): abril/1999 Recomendação pela CAPES: setembro/1999 Homologação pelo CNE: agosto/2005. Físico-Química Química Analítica Química Inorgânica Química Orgânica

4 PPGQ/ - HISTÓRICO CONCEITOS DO PROGRAMA NA AVALIAÇÃO CAPES 1995: Curso Novo (CN) Julho de 1998: 4 (1 a avaliação) Triênio : 5 Triênio : 03: 4

5 DIAGNÓSTICO PPGQ DESAFIO ESTRATÉGICO CONSOLIDAR-SE SE como PROGRAMA DE PESQUISA E FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS na HUMANOS na área da QUÍMICA.

6 DIAGNÓSTICO PPGQ Missão, diretrizes, objetivos estratégicos PRINCIPAIS LINHAS DE AÇÃO A IMEDIATA: Identificação de investimentos estratégicos; Acompanhamento constante do corpo discente; Ampliação do processo de informatização dos procedimentos administrativos; Revisão curricular; Revisão das Normas Internas; Consolidação da sistemática tica de planejamento e auto-avaliação; avaliação; Rediscussão dos objetivos do Mestrado Profissional.

7 DADOS DO PROGRAMA Mestrado Acadêmico e Doutorado

8 EVOLUÇÃO QUANTITATIVA DOS CORPOS DISCENTE E DOCENTE PERMANENTE DISCENTES DOCENTES 2,8 discentes/docente permanente no triênio

9 NÚMERO DE DOCENTES PERMANENTES CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 28% 29,0 28,0 30,0 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0, PPGQ/: abrangência geral; 20,2 DP: 67% dos doutores do quadro efetivo do 15,8DQUI/; 93% titulados em instituições externas à ; 61% com estágio de pós-doutoramento; Bolsistas PQ-CNPq CNPq: : 39% ( ) 03) 54% (); 06); Pareceres, consultorias ad-hoc hoc,, SBQ, editorias, convênios com empresas; Orientação de 70 alunos IC 2,5 IC/DP; Conc 4 Conc 5 Dois projetos PROCAD.

10 NÚMERO DE DISSERTAÇÕES E DE TESES 33 NÚMERO DE PRODUTOS TESES DISSERTAÇÕES ANO 108 DISSERTAÇÕES e 26 TESES DEFENDIDAS (DEZ/2006)

11 INSERÇÃO DOS 128 EGRESSOS NO MERCADO DE TRABALHO 40% 35% 38,3% 30% 24,2% 25% 20% 13,3% 10,2% 15% 7,8% 10% 5% 2,3% 3,9% 0% Docentes IES 1 Outros cargos IES Institutos de pesquisa Ensino médio Indústria química Doutoramento ou pós-doutoramento Outras posições DOS 26 EGRESSOS DO DOUTORADO: 34,6% cursam pós-doutoramento. p

12 INDICADORES DE DESEMPENHO Evolução Histórica PPGQ/ Indicadores Nacionais 06

13 EMPO MÉDIO M DE TITULAÇÃO NO MESTRADO Conc 4 Conc 5

14 EMPO MÉDIO M DE TITULAÇÃO NO DOUTORADO 53,0 52,6 52,0 51,1 51,0 50,0 49,0 47,9 48,0 47,0 46,0 45, Conceito Conceito CONCEITO 4 CONCEITO 5 : - 3%

15 % ARTIGOS INTERNACIONAIS CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 10% 95,0% 90,0% 85,0% [(IA+IB+IC)/(I+N+L)] X ,9% 83,0% 91,5% 80,0% 75,0% 70,0% 65,0% 60,0% 55,0% 50,0% Conceito 4 Conceito 5

16 PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS / DP CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 30% 3,0 Artigos+livros+capítulos tulos internacionais/dp 2,6 2,5 2,3 2,0 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Conceito 4 Conceito 5

17 ARTIGOS INTERNACIONAIS/DP CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 30% (IA+IB+IC)/DP 2,6 2,6 2,3 2,0 1,7 1,4 1,1 0,8 1,4 1,5 2,0 2,0 JANEIRO A MARÇO/07: 50 ARTIGOS COMPLETOS (JAN a DEZ/2006: 73) Publicados: 27 (com DOI) No prelo, on-line : 14 (com DOI) Aceitos: 09 56% de co-autoria discente / egressos 96% IA + IB + IC (89% 2006) 0, Conc 4 Conc 5

18 ARTIGOS INTERNACIONAIS/DP 3,00 (IA+IB+IC)/DP 2,63 2,50 2,00 0,57 1,97 1,50 1,40 1,45 1,00 2,00 0,50 0, Conc 4 Conc 5

19 PERCENTUAL DE ARTIGOS I-A 50,0% 48,4% [IA/(IA+IB+IC)] X ,0% 40,0% 36,9% 39,4% 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% Conceito 4 Conceito 5 CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 7%

20 ARTIGOS I-A I A / DOCENTE PERMANENTE 1,2 1,0 1,0 1,1 1,0 0,7 0,8 0,6 0,4 0,2 0, Conceito 4 Conceito 5 CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 57%

21 PERCENTUAL DE ARTIGOS I-B 50,0% 45,0% 44,2% [IB/(IA+IB+IC)] X ,2% 40,0% 36,7% 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% Conceito 4 Conceito 5 CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 20%

22 TITULADOS / DOCENTE PERMANENTE CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 22% 1,2 1,0 1,1 1,0 0,9 0,8 0,6 0,4 0,4 0,2 0,2 0, Conc 4 Conc 5

23 % ARTIGOS COMPLETOS COM DISCENTES 50,0% 47,2% [N o art compl com disc/(i+n+l) completos] X ,0% 41,1% 44,2% 40,0% 35,0% 30,0% Conceito 4 Conceito 5 CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 7,5%

24 CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 12,5% o DE ARTIGOS COMPLETOS COM DISCENTES / TOTAL DE DISCENTES 0,31 0,29 0,30 [N o total art completos com discentes/tdmd] 0,27 0,27 0,25 0,24 0,23 0,21 0,19 0,17 0, Conceito 4 Conceito 5

25 DISCENTES CO-AUTORES (ARTIGOS) NO TOTAL DE DISCENTES 34,4% [N o discentes co-autores de artigos/tdmd] X ,0% 30,0% 25,5% 23,5% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% Conceito Conceito CONCEITO 4 CONCEITO 5 : + 8,5%

26 ERCENTUAL TOTAL DE PUBLICAÇÃO COM DISCENTES 64,0% 63,0% [N o total de publicações com discentes / N o total de publicações] X ,0% 60,0% 58,0% 56,4% 56,1% 56,0% 54,0% 52,0% Conceito Conceito Produção bibliográfica: publicações em periódicos, anais de congressos,

27 PRINCIPAIS AÇÕES A DESENVOLVIDAS NO TRIÊNIO Reformulação completa das Normas Internas: Credenciamento de docentes; Exigências para titulação ão. Revisão curricular e dos objetivos da formação discente (projeto pedagógico): gico): Alteração do número de disciplinas permanentes; Criação de disciplinas no núcleo básico; Atualização dos conteúdos programáticos ticos; Revisão do número de créditos por disciplina; Reativação do ciclo de seminários rios.

28 PRINCIPAIS AÇÕES A DESENVOLVIDAS NO TRIÊNIO Criação e fusão de linhas de pesquisa; Investimentos estratégicos gicos: - manutenção de equipamentos multi-usu usuários; - reformas de espaço o físico: f sala de aula, sala de estudos, laboratórios rios multi-usu usuários; - aprimoramento do sistema eletrônico de registro acadêmico; - melhoria da infra-estrutura administrativa; Acompanhamento cuidadoso do desempenho docente e discente; Melhoria do fluxo de informações entre Departamento e a comunidade do Programa. o Colegiado,, o

29 OBJETIVOS ATINGIDOS NO TRIÊNIO Melhoria significativa no fluxo discente; Aumento expressivo: - no número n de publicações internacionais por permanente; - no número n de patentes depositadas; docente - na captação de recursos em projetos de médio e grande portes,, inclusive junto à iniciativa privada; - no número n de bolsistas PQ-CNPq CNPq; Evolução positiva na visibilidade internacional; Reformulação profunda do Mestrado Profissional.

30 OBJETIVOS ATINGIDOS NO TRIÊNIO Melhoria significativa na infra-estrutura instrumental:

31 Infra-estrutura 21 laboratórios rios de grupos de pesquisa; Laboratórios rios de equipamentos multi-usu usuários: - Laboratório rio de Ressonância Paramagnética Eletrônica (RPE) (espectrômetro Bruker ESP-300); - Laboratório rio de Ressonância Magnética Nuclear (RMN) (equipamentos Bruker 200 e 400 MHz); - Laboratório rio de Difratometria de Raios-X de PóP e Microscopia Raman (Shimadzu XRD 6000 e Renishaw Raman Image); - Laboratório rio de Espectrometria de Absorção Atômica (Shimadzu AA 6800); - Laboratório rio de Espectrofometria no Infravermelho (BIO-RAD FTS 3500GX e BOMEN Michelson MB100); - Equipamentos Multiusuários rios: : espectrofotômetros UV-vis visívelvel (HP 8452A e Shimadzu UV 2401PC); espectrofluorímetro Hitachi F4500; cromatógrafos a gás s (Shimadzu( GC-14B e Shimadzu GC-17A); potenciostato/galvanostato PAR 273; potenciostato PAR 263.

32 Novos equipamentos Espectrômetro de RPE Bruker ELEXSYS E500; Espectrômetro de Emissão Ótica em Plasma (ICP( ICP), icap 6500 DUO; Cromatógrafo a gásg TRACE GC Ultra THERMO ELECTRONPID; Cromatógrafo a gásg FOCUS GC THERMO ELECTRON; Cromatógrafo a gásg FOCUS acoplado a espectrômetro de massas POLARIS Q; Digestor por microondas START D MILLESTONE; Cromatógrafo a gásg VARIAN com amostrador automático; tico; Sistema universal de ensaios EMIC-DL2.000; Misturador/injetor com aquecimento programável Plast Mac; Aparelho de determinação de área superficial/porosimetria porosimetria NOVA 1000e; Termoanalisador temperaturas. DSC com capacidade de operação a baixas

33 Projetos Aprovados AÇÕES TRANSVERSAIS FINEP Chamada Pública P MCT/FINEP/Ação Transversal - Equipamentos Multiusuários 04/2006: "Reestruturação do Laboratório rio de EPR da " Edital: Chamada Pública P MCT/FINEP Ação A Transversal - Biodiesel 10/2006: Produção e Purificação do Biodiesel em Modo Contínuo nuo ENCOMENDAS TRANSVERSAIS (FINEP/CNPq) Projeto: Desenvolvimento de Tecnologias para a Uso de Co- produtos derivados da cadeia produtiva do biodiesel (liderado por docente permanente do PPGQ) Projeto: Implantação da Rede de Estudos e Projetos sobre Armazenamento de Biodiesel no Âmbito da Rede Brasileira de Tecnologia de Biodiesel (liderado pelo INT/RJ e pela UFPB)

34 Projetos Aprovados FINANCIADOR: CNPq / FUNDOS SETORIAIS Edital: MCT/CNPq 29/ Redes Cooperativas em Nanociência, Nanotecnologia e Nanobiotecnologia - Rede Nanoglicobiotecnologia Edital: MCT/CNPq 29/ Redes Cooperativas em Nanociência, Nanotecnologia e Nanobiotecnologia - Rede Nacional de Pesquisa em Nanotubos de Carbono Edital: CT-PETRO - CNPq 01/2003: Produção e caracterização de biosurfactantes produzidos por cepas microbianas nativas Edital: MCT- CNPq / MS-SCTIE SCTIE-DECIT-DAF DAF nº 54/2005: Desenvolvimento de Metodologias Espectroscópicas picas Multivariadas para Controle de Qualidade de Produtos Farmacêuticos.

35 Projetos Aprovados FINEP/FUNDOS SETORIAIS Edital CT-Energ Energ/MCT/CNPq nº 029/2004: "Avaliação da combustão de biodiesel e de misturas biodiesel/diesel em grupos geradores - Criação da rede BIOENERG - Segunda fase PARCERIAS COM EMPRESAS, INSTITUTOS DE PESQUISA E ÓRGÃOS REGULADORES Financiador: PETROBRÁS - Rede de Monitoramento Marinho: Implantação do laboratório rio de análises de contaminantes ambientais orgânicos e inorgânicos DQUI/ Desenvolvimento de tecnologias apropriadas para a conversão Financiador: Instituto de Tecnologia do Paraná - TECPAR: de óleos vegetais em biodiesel

36 Projetos Aprovados PARCERIAS COM EMPRESAS, INSTITUTOS DE PESQUISA E ÓRGÃOS REGULADORES Financiador: ELETRONORTE: Estudo das cianobactérias no reservatório rio da UHE de Tucuruí: : avaliação do grau de toxicidade e desenvolvimento de filtros poliméricos visando a remoção de cianotoxinas da água Financiador: Corn Products Brasil - Desenvolvimento de plastificantes para PVC a partir de óleo de milho e seus derivados - Produção de biossurfactantes por cepas microbianas nativas, empregando torta de milho como substrato e óleo de milho como indutor - Desenvolvimento de um protótipo tipo para a conversão de óleos vegetais em monoésteres de ácidos graxos, através s da reação de transesterificação ão

37 Projetos Aprovados PARCERIAS COM EMPRESAS, INSTITUTOS DE PESQUISA E ÓRGÃOS REGULADORES Financiador: Companhia Paranaense de Eletricidade COPEL Distribuição - Desenvolvimento de materiais uretânicos para purificação de gás g s natural: remoção de mercúrio rio e CAPTAÇÃO TOTAL DE RECURSOS NO TRIÊNIO compostos à base de enxofre Financiador: Degussa Brasil (valores - aproximados) Desenvolvimento do processo de hidrólise enzimática do bagaço o e da palha de cana-de de-açúcar Financiador: R$ Agência ,00 Nacional através de de Energia projetos de Elétrica pesquisa (ANEEL) - "Aplicação de R$ biodiesel ,00 e de através misturas de propostas à base CT-INFRA de diesel/biodiesel e diesel/etanol/aditivo em grupos geradores - Óleos ecológicos para transformadores de distribuição ão. Financiador: EMBRAPA Macro 1 (Biocombust( Biocombustíveis) - Desenvolvimento de usos alternativos da glicerina e de catalisadores heterogêneos para a produção de biodiesel

38 NOVAS METAS Melhoria na qualidade da formação discente: - oferta de disciplinas condensadas (convidados externos); - dinamização dos seminários; - tópicos relativos à propriedade intelectual; - treinamento na elaboração de relatos científicos; - ampliação do acesso a melhores condições de trabalho experimental Aumento do número de produtos com co-autoria discente (com manutenção da qualidade); Diminuição das desigualdades de produção no corpo docente; Consolidação do Mestrado Profissional.

39 CONCLUSÕES Resultados bastante favoráveis veis do esforço o docente e discente: - qualidade da produção bibliográfica; - número de titulados; - participação discente nas publicações. Muito espaço o para evolução no futuro próximo: - relação discentes/docente permanente; - qualidade da formação discente; - qualidade e quantidade de produtos; - participação discente nas publicações; - número de doutores absorvidos satisfatoriamente pelo mercado de trabalho.

40 CONCEITO 5

13/8/2007. Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ ENTRADA NO PROGRAMA

13/8/2007. Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ ENTRADA NO PROGRAMA AVALIAÇÃO TRIENAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA CTC-QUÍMICA/CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DQ/CCEN/UFPB Universidade Federal da Paraíba CCEN DQ MESTRADO ACADÊMICO (1986) DOUTORADO

Leia mais

Programa de Pós-graduação Mestrado & Doutorado

Programa de Pós-graduação Mestrado & Doutorado Programa de Pós-graduação Mestrado & Doutorado PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ORGÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE NITERÓI-RJ PERÍODO DA AVALIAÇÃO: 2004-2006 Coordenador: Dr. Marcos Costa de

Leia mais

DADOS DO TRIÊNIO 2004-2006

DADOS DO TRIÊNIO 2004-2006 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Coordenador: Carlos Kleber Z. Andrade DADOS DO TRIÊNIO 2004-2006 www.unb.br/iq/pg PPG-IQ-UnB Criação Mestrado: 1974 (188

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4

Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO ICE- DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA ORGÂNICA Mestrado (1966) Doutorado (1994) CONCEITO 4 COORDENADORA: Profa. Dra. Rosane Nora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA APRESENTAÇÃO DOS DADOS DO DATACAPES 2004-2006 FLORIANÓPOLIS 27-28/07/07 COORDENADORA MARIA

Leia mais

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Arnaldo de França Caldas Jr (UFPE) Outubro 2011 OBJETIVOS Refletir sobre trajetórias, discutir

Leia mais

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação

HISTÓRIA ÁREA: TRIÊNIO 2007-2010. Coordenador: Raquel Glezer. Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos Soares. Ministério da Educação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação ÁREA: HISTÓRIA Coordenador: Raquel Glezer TRIÊNIO 2007-2010 2010 Coordenador-Adjunto: Luiz Carlos

Leia mais

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA

LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA LABORATÓRIOS DA ÁREA DE QUÍMICA Laboratórios de Química I, II, III, IV Localização: - Analítica - Bloco "M" 304 Área: 70,65 m² - Físico Química - Bloco M 303 Área: 95,48m² - Química Inorgânica - Bloco

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Coordenadora de Área: CLARILZA PRADO DE SOUSA Coordenadora-Adjunta de Área: ELIZABETH FERNANDES DE MACEDO Modalidade: Acadêmica I. Considerações gerais sobre o

Leia mais

Graduação em Química Universidade de São Paulo. Claudimir Lucio do Lago Julho de 2007

Graduação em Química Universidade de São Paulo. Claudimir Lucio do Lago Julho de 2007 Programa de Pós-GraduaP Graduação em Química Universidade de São Paulo Claudimir Lucio do Lago Julho de 2007 História Os cursos de mestrado e doutorado do IQ-USP foram iniciados em fevereiro de 1970 nas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. Programa de Pós-Graduação em Química

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. Programa de Pós-Graduação em Química UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Programa de Pós-Graduação em Química José Arimatéia Dantas Lopes COORDENADOR Edmilson Miranda de Moura VICE-COORDENADOR LOCALIZAÇÃO: Teresina - PI PROGRAMAS MAIS PRÓXIMOS:

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004 Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes Documento de Área: Ciências e Tecnologia de Alimentos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Química UFBA. Coordenador: Sérgio Luis Costa Ferreira Vice-coordenador: Jorge Mauricio David

Programa de Pós-Graduação em Química UFBA. Coordenador: Sérgio Luis Costa Ferreira Vice-coordenador: Jorge Mauricio David Programa de Pós-Graduação em Química UFBA Coordenador: Sérgio Luis Costa Ferreira Vice-coordenador: Jorge Mauricio David Histórico 02/1968 - Criação do Instituto de Química 05/1968 - Início do Mestrado

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Programa de Pós-Graduação em Química MESTRADO Profa. Mônica Regina Marques Palermo de Aguiar Coordenador Prof. Marcos Antonio da Silva Costa Coordenador Adjunto

Leia mais

PERFIL E INTERDISCIPLINARIDADE DA ÁREA

PERFIL E INTERDISCIPLINARIDADE DA ÁREA COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE ASTRONOMIA E FÍSICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 18 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ASTRONOMIA E FÍSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE

Leia mais

V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema

V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema V Seminário Interno do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da UFRGS (08 de Abril de 2015) A Pós-graduação em Zootecnia Uma visão do sistema Papel da CAPES na Condução da Pós-Graduação Fundação vinculada

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO ESTÁGIO SANDUÍCHE E PÓS-DOUTORAL NO ENSINO DA PÓS-GRADUAÇÃO Isabela Almeida Pordeus Novembro 2009 A Pós-Graduação em Odontologia Evolução dos Programas: Odontologia Evolução do Programas

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco SUAPE GLOBAL GT 4 Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco Instituição: Universidade Católica de Pernambuco Agenda Proposta para o Primeiro Semestre

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz Área de Concentração: Biologia de Plantas Tropicais A área visa o desenvolvimento de estudos básicos e aplicados da fisiologia, morfologia e diversidade de plantas tropicais.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (Engenharia de biomateriais) COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Avaliação Triênio 2004-2006 Prof. Marcelo Menossi Teixeira coordgbm@unicamp.br Processo de avaliação Anualmente cada PPG

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós Graduação em Química. PPGQuímica - UFSM. Denise Bohrer Nascimento. UFSM: http://www.ufsm.

Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós Graduação em Química. PPGQuímica - UFSM. Denise Bohrer Nascimento. UFSM: http://www.ufsm. Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós Graduação em Química PPGQuímica - UFSM Coordenadores: Ernesto Schulz Lang Denise Bohrer Nascimento UFSM: http://www.ufsm.br/ppgq Universidade Federal

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 15 - MEDICINA I IES: 33009015 - UNIFESP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Programa: 33009015045P8 - MEDICINA INTERNA E TERAPÊUTICA Modalidade: Acadêmico

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA: 31005012005P5 QUÍMICA Nível 5 Coordenadora: Isabel Maria Neto da Silva Moreira

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA: 31005012005P5 QUÍMICA Nível 5 Coordenadora: Isabel Maria Neto da Silva Moreira PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA: 31005012005P5 QUÍMICA Nível 5 Coordenadora: Isabel Maria Neto da Silva Moreira PROPOSTA DO PROGRAMA Cursos: Mestrado acadêmico (início 1969):

Leia mais

Plano de Ensino de Disciplina 2º Semestre de 2015

Plano de Ensino de Disciplina 2º Semestre de 2015 : Sigla: : Análise Instrumental Alimentos atendidas por este Plano Ensino: (marcar): A B Ementa: Importância da análise instrumental alimentos. Avaliação métodos analíticos. Controle qualida analítica.

Leia mais

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ

Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais IVIG/COPPE/UFRJ Formação e Capacitação de Recursos Humanos p/exploração de Recursos Energéticos e Geração de Energia Prof. Marcos Aurélio Vasconcelos de Freitas (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) Instituto Virtual Internacional

Leia mais

DOCUMENTO DE ÁREA 2013

DOCUMENTO DE ÁREA 2013 Identificação Área de Avaliação: CIENCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS Coordenador de Área: Maria Beatriz de Abreu Gloria (UFMG) Coordenador-Adjunto de Área: Roseane Fett (UFSC) Coordenador-Adjunto de Mestrado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 008/2009, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2009, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 008/2009, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2009, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIFAL-MG 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG SECRETARIA GERAL RESOLUÇÃO Nº 008/2009, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2009, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima):

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima): 1. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS GRADE CURRICULAR Energia e Bioenergia Combustíveis e Biocombustíveis Seminários I 2 30 Seminários II 2 30 Estágio em Docência 2 30 Total de créditos obrigatórios: 14 créditos,

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

EMENTÁRIO. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Química Analítica, Química Inorgânica, Química Orgânica, Físico-Química

EMENTÁRIO. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Química Analítica, Química Inorgânica, Química Orgânica, Físico-Química PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA - DOUTORADO Autorizado pela Resolução Univ. nº 17 de 27 de março de 2008. Para completar o Programa ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM QUÍMICA DOUTORADO (UEL/UEPG/UNICENTRO)

Leia mais

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como:

A Specanalítica organiza e desenvolve conteúdos programáticos ajustados às necessidades dos laboratórios e empresas, em áreas tão vastas como: PLANO DE FORMAÇÃO 2014 A Specanalítica, Equipamentos Científicos, Lda ter por objectivo oferecer condições que favoreçam a transmissão, o desenvolvimento e a aplicação de conhecimentos científicos e técnicos

Leia mais

As ementas das disciplinas estão disponíveis em: http://www.ieav.cta.br/cppg_ieav/pg-cte-disc022012.php

As ementas das disciplinas estão disponíveis em: http://www.ieav.cta.br/cppg_ieav/pg-cte-disc022012.php INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DISCIPLINAS OFERECIDAS PERÍODO / ANO: 2 o / 2012 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ESPACIAIS As ementas das

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

Prof. Oswaldo Luiz Alves. 40 anos de Universidade Estadual de Campinas

Prof. Oswaldo Luiz Alves. 40 anos de Universidade Estadual de Campinas Prof. Oswaldo Luiz Alves 40 anos de Universidade Estadual de Campinas DESTAQUES EM ORDEM CRONOLÓGICA "GRANDES NÚMEROS" MAIO DE 2014 Prof. Oswaldo Luiz Alves 40 anos de Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

IX CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO TEMA - CIÊNCIA E TECNOLOGIA: IMPACTOS SOCIAIS

IX CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO TEMA - CIÊNCIA E TECNOLOGIA: IMPACTOS SOCIAIS IX CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO TEMA - CIÊNCIA E TECNOLOGIA: IMPACTOS SOCIAIS Palestras: 09/04/2014 - "Algumas considerações sobre ética na pesquisa", prof. Joaquim de Araujo Nóbrega

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

Plano Diretor do CNPEM (2013-2016) Apoio ao Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais - CNPEM

Plano Diretor do CNPEM (2013-2016) Apoio ao Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais - CNPEM 1 Plano Diretor do CNPEM (2013-2016) Apoio ao Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais - CNPEM Aprovado na 66ª Reunião do Conselho de Administração, em 29/08/2013. 2 Sumário APRESENTAÇÃO...

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Objetivos das Disciplinas Curso de Química

Objetivos das Disciplinas Curso de Química Objetivos das Disciplinas Curso de Química ANÁLISE INSTRUMENTAL Ementa: Introdução aos métodos eletroquímicos. Potenciometria; Condutometria; Voltametria; Espectrofotometria UV- VIS; Espectrometrias de

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Centro de Ciências Exatas - CCE Departamento de Química DQI PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Mestrado (1987) Doutorado (2001) CONCEITO 4 http://www.dqi.uem.br/posgraduacao/index.html COORDENADORA:

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4

I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4 I Seminário de Avaliação da Pós-Graduação da UnB RELATÓRIO GT 4 Programas de pós-graduação Ciências da Saúde Ciências Médicas Educação Física Enfermagem Medicina Tropical Nutrição Humana Eixo analítico

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM QUÍMICA - UFMG

PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM QUÍMICA - UFMG PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM QUÍMICA - Histórico Criado em 1967 40 anos de tradição Um dos primeiros programas do Brasil Titulou 407 Mestres e 260 Doutores em Química 2004 Auto-avaliação Características

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil.

Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe. 58059-900, PB, Brasil. Influência da Temperatura nas Propriedades Fluidodinâmicas das Misturas Biodiesel/Diesel de Óleo de Peixe Pontes, A.S.G.C. 1 (IC), Vasconcelos, A.F.F. 1,2 (PQ); Bicudo, T.C. 1 (PQ) Santos, I.M.G. 1 (PQ);

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2010 a 2012 Etapa: Avaliação Trienal 2013 Área de Avaliação: 27 - ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO IES: 42001013 - UFRGS - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Programa:

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Coordenadoria Executiva das Atividades Colegiadas e de Consultorias QUESITOS, INDICADORES E CRITÉRIOS PARA A AVALIAÇÃO TRIENAL DA GRANDE

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PROCIÊNCIA 2014 Comprovação do Currículo e Aplicação de Critérios de Pontuação

PROCIÊNCIA 2014 Comprovação do Currículo e Aplicação de Critérios de Pontuação PROCIÊNCIA 2014 Comprovação do Currículo e Aplicação de Critérios de Pontuação. Considerando o expresso no art. 7 da Deliberação 25/2013, e nos itens 9.5, 9.6 e 9.7 do Edital PROCIÊNCIA/2014, o DEPESQ/SR-2

Leia mais

2. As dimensões do plano de reestruturação

2. As dimensões do plano de reestruturação 40 2. As dimensões do plano de reestruturação F. Suporte da pós-graduação ao desenvolvimento e aperfeiçoamento qualitativo dos cursos de graduação F.1 Articulação da graduação com a pós-graduação: expansão-quantitativa

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitoria de Graduação Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 48 - BIOTECNOLOGIA IES: 28025016 - CPqGM - CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ - FIOCRUZ Programa: 28025016001P4 - BIOTECNOLOGIA EM SAÚDE E MEDICINA

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais

Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação

Orientações do CTC Reunião de 07/06/2006 sobre a Nova Ficha de Avaliação 1C A P E S NOVA FICHA DE AVALIAÇÃO PROGRAMAS/CURSOS ACADÊMICOS Versão 07/06/2006 Obs: A Capes deverá contar com duas fichas de avaliação: uma para os programas e cursos acadêmicos e outra para cursos profissionais.

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES

QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES QUÍMICA ANALÍTICA JOSÉ CARLOS MARQUES http:// 2 Introdução Histórico / aspectos gerais Análise qualitativa / análise quantitativa Análise clássica / análise instrumental Análise espectrofotométrica Introdução

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (CiPharma)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (CiPharma) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS (CiPharma) EDITAL CIPHARMA 002/2010 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE CANDIDATOS A BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO PNPD DE ACORDO COM O EDITAL Nº001/2010

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Capes Relatório do Acompanhamento Anual 2006 - Ano Base 2005 Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL

1 APRESENTAÇÃO. Capes Relatório do Acompanhamento Anual 2006 - Ano Base 2005 Área de Avaliação: SERVIÇO SOCIAL 1 APRESENTAÇÃO O Serviço Social vem registrando, a partir dos anos 1990 e, mais especificamente nos anos recentes, um desenvolvimento significativo em relação às três dimensões da Profissão: dimensão acadêmica,

Leia mais

EDITAL N o 004/2014 PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA (PPGQ)

EDITAL N o 004/2014 PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA (PPGQ) Universidade Regional de Blumenau PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA PPGQ. EDITAL N o 004/2014 PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA (PPGQ) A coordenação do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO 2014 APRESENTAÇÃO O Plano de Ação ora apresentado planeja o processo da Autoavaliação Institucional, que vem se consolidando na Faculdade Norte Capixaba de São

Leia mais

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT

Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação como Agenda Estratégica nas Políticas do MCT Inovação: motor da competitividade e do desenvolvimento sustentado O investimento bem sucedido em inovação: Aumenta produtividade e cria novos produtos:

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 32020015 - CEFET/MG - CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECN. DE MINAS GERAIS Programa: 32020015004P3 - ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação:

Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: Comissão da Área de Odontologia Relatório da Avaliação do triênio 2004-2006 Apreciação e informações sobre a avaliação: A comissão se reuniu no período de 6 a 10 de agosto de 2007 na FINATEC, UNB, Brasília

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008

PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE. www.cresesb.cepel.br. Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 PESQUISA CEPEL FINEP MCT EM INSTITUIÇÕES COM TRABALHOS EM ENERGIA RENOVÁVEL XII CBE Rio de Janeiro - 18 de novembro de 2008 www.cresesb.cepel.br Hamilton Moss de Souza Célia Regina S. H. Lourenço Sérgio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE RESOLUÇÃO Nº 10/05-CEPE Fixa a tabela de pontuação para avaliação de currículo para concurso público na carreira de Magistério Superior da UFPR. 1 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo,

Leia mais

EDITAL PIBITI 2011/2012 PROPESP/UNICENTRO/CNPq

EDITAL PIBITI 2011/2012 PROPESP/UNICENTRO/CNPq EDITAL PIBITI 2011/2012 PROPESP/UNICENTRO/CNPq I O QUE SÃO PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO? II COMO FAZER O PROJETO PIBITI/UNICENTRO? Paulo Rogério Pinto Rodrigues I O QUE SÃO PROJETOS

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 8 - CIÊNCIAS BIOLÓGICAS II IES: 33003017 - UNICAMP - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Programa: 33003017040P8 - BIOLOGIA FUNCIONAL

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 29900/2010;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 29900/2010; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 004/2010 Reestrutura a organização curricular do Programa de Pós- Graduação em Ciência de Alimentos, em nível de Mestrado e Doutorado. CONSIDERANDO a solicitação

Leia mais

MédioTécnico ( ) Técnico Modular ( ) Carga Horária Semanal: 2 h Semestral: 40 h

MédioTécnico ( ) Técnico Modular ( ) Carga Horária Semanal: 2 h Semestral: 40 h Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) MédioTécnico ( ) Técnico Modular ( ) Graduação (X) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Tecnologia em Processos Químicos Disciplina Introdução

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Educação e Ensino no ITA 2003. Mestrado Profissional PG/EAM

Educação e Ensino no ITA 2003. Mestrado Profissional PG/EAM Educação e Ensino no ITA 2003 Mestrado Profissional PG/EAM Parâmetros para o Mestrado Profissional Programas Profissionais Reconhecidos CAPES Avaliação dos Cursos Profissionalizantes Mestrado Profissional

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Instrução normativa Nº 003/2015 Define critérios para credenciamento e recredenciamento de Docentes como Docentes do Progrma no Programa de Pós- Graduação em Zootecnia. O Colegiado de Pós-graduação em

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Ciências Biológicas. Segundo Dia (8/12, quarta) Grupo de Trabalho (GT5) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Biológicas. Segundo Dia (8/12, quarta) Grupo de Trabalho (GT5) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Segundo Dia (8/12, quarta) Grupo de Trabalho (GT5) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ)

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ) COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO SUBCOMISSÃO DOS NAUs RELATÓRIO DO NÚCLEO DE AVALIAÇÃO DA UNIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA (NAU-IQ) Relatório elaborado com base nas dimensões avaliativas contempladas no Instrumento

Leia mais