UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR PÓS GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TURMA XIII PATRÍCIA ALVES DA CRUZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR PÓS GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TURMA XIII PATRÍCIA ALVES DA CRUZ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR PÓS GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA POLÍTICA TURMA XIII PATRÍCIA ALVES DA CRUZ COMPORTAMENTO ELEITORAL: UM ESTUDO SOBRE AS TEORIAS EXPLICATIVAS PARA O VOTO NO BRASIL CURITIBA 2009

2 PATRÍCIA ALVES DA CRUZ COMPORTAMENTO ELEITORAL: UM ESTUDO SOBRE AS TEORIAS EXPLICATIVAS PARA O VOTO NO BRASIL Monografia apresentada como requisito à obtenção de titulo de Especialista em Sociologia Política. Departamento de Sociologia Política, Setor de Ciências Sociais, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná. Orientador: Emerson Urizzi Cervi CURITIBA 2009

3 RESUMO O presente trabalho constitui-se num estudo bibliográfico sobre as abordagens teóricas do comportamento eleitoral no Brasil. Tendo como base a teoria sociológica, psicológica/psicossocial e a teoria da escolha racional. A análise parte do pressuposto que o comportamento do eleitor brasileiro é condicionado por fatores estruturais que consideram os aspectos sócio-culturais e econômicos. Dessa forma, a diversidade de fatores sociais que compõem o eleitorado brasileiro dificulta a análise do comportamento do eleitorado a partir de uma teoria única. Palavras-chave: eleições, comportamento eleitoral, decisão do voto, Brasil. 1. INTRODUÇÃO O processo eleitoral é o principal momento em que os eleitores discutem sobre a política, e é nesse período que se acentua a participação dos atores políticos o processo eleitoral. Esse momento, é que Palmeira (1992) definiu como tempo da política. Quando os partidos políticos são identificados e a política é discutida de maneira pouco habitual. É nesse momento que os candidatos estabelecem uma relação mútua com os eleitores. No momento em que as eleições tornam-se tema central de qualquer assunto referente à política. A questão central é saber como os eleitores, que são os principais alvos da campanha eleitoral agem em relação ao voto. Isto é, como e de que maneira os eleitores respondem ao processo eleitoral. A caracterização do voto do eleitor brasileiro e a explicação sobre a direção do voto é um dos fatores de maior relevância para a consolidação da democracia no Brasil.(Castro, 1994) Dessa forma, o objetivo da ciência política na análise do comportamento eleitoral é saber como o eleitor demonstra sua racionalidade nas escolhas eleitorais. De acordo com Castro (1994): Para compreender o comportamento eleitoral é necessário considerar os contextos sócio-econômico e institucionais em que o indivíduo está inserido. Com o objetivo de explicar o comportamento do eleitor, a ciência política possui três teorias: sociológica, psicológica/psicossociologica e a teoria da escolha racional. O principal objetivo desse trabalho é pesquisar as abordagens matrizes do comportamento eleitoral e suas implicâncias no comportamento eleitoral brasileiro. Segundo Radmann (2001: 8): O comportamento eleitoral forma-se na cultura política,

4 com base em determinantes históricos - estruturais institucionalizados na política brasileira. No processo eleitoral democrático é preciso destacar que tem-se uma nova concepção política. As decisões são tomadas por todos os eleitores, logo esses atores políticos possuem diferentes concepções políticas e ideológicas porque estes fazem parte de contextos sociais variados. Na análise do comportamento do voto é possível compreender qual é a racionalidade do eleitor, qual é o entendimento sobre o processo eleitoral que o eleitor demonstra no direcionamento do seu voto. O trabalho está dividido em três principais tópicos. No primeiro, faz-se um estudo sobre as principais abordagens teóricas do comportamento eleitoral. A partir dos trabalhos de Figueiredo (1991), Castro (1994) e Radmann (2001) foram abordadas a teoria sociológica, psicológica e a teoria da escolha racional. No segundo, procuramos identificar as teorias do comportamento eleitoral brasileiro, abordadas a partir dos estudos de Reis (1988), Castro (1994), Almeida (1994) Silveira (1998) e Singer (2000). E, por fim, a conclusão procurou identificar as similaridades entre os tipos de comportamento do eleitor brasileiro e as teorias do comportamento eleitoral. 2. TEORIAS DO COMPORTAMENTO ELEITORAL Nesse estudo bibliográfico faz-se uma abordagem sobre as principais teorias explicativas para a decisão do voto. Dentre as teorias que explicam o comportamento do eleitor no processo eleitoral, as que mais se destacam são: a perspectiva sociológica, a perspectiva psicológica ou psicossocial e a perspectiva economicista ou da escolha racional. 2.1 abordagem sociológica O estudo do comportamento eleitoral teve início na sociologia. A perspectiva origina é macro: a ideia é que fatores históricos, estruturais e culturais globais conformam características sociais, econômicas e políticas de uma sociedade, gerando clivagens sociais que se expressam através de partidos específicos, com os quais setores do eleitorado se identificam. (CASTRO, 1994, p. 29) O eleitor decide o direcionamento do seu voto de acordo com as influências que ele possui que, por sua vez, são

5 resultantes do seu ambiente social. Partindo da sociologia de Durkheim, Lazarsfeld no seu livro Voting (1954 apud Figueiredo, 2008) parte da explicação que fatores sociais interferem na decisão do individuo. Os contextos coletivos que imprimem dinâmica à política. As decisões individuais devem ser compreendidas dentro dos grupos sociais. Entretanto, Para conectar (os comportamentos isolados com o resultado agregado que estes produziram) temos que olhar para o sistema de interação entre os indivíduos e seus ambientes, isto é, entre indivíduos e outros indivíduos e/ou entre individuo e a coletividade. (SCHELLING apud FIGUEIREDO, 2008: 49). A perspectiva sociológica preocupa-se em analisar quais são as condições sociais que são subjacentes a decisão do voto. A decisão do eleitor é resultante do contexto social, político e cultural do qual o indivíduo está inserido. Compreender o voto do eleitor é a última etapa do processo de analítico, na corrente sociológica, a primeira etapa é conhecer o contexto social e político onde o eleitor vive e como esse eleitor se comporta nesse contexto. Nesse sentido, a principal preocupação da sociologia é conhecer quais são as condições sociais que constituem o contexto social do eleitor. Partindo do pressuposto que é a partir das características do contexto que serão formadas a ideologia e as práticas políticas do eleitor. Para a sociologia política (Figueiredo, 2008), o ato individual não é socialmente isolado. As ações individuais são resultantes da interação social. A análise da ação individual não é plausível para explicar um comportamento macro, isto é, o comportamento do eleitor e a decisão do voto se baseiam em micro-motivos. [...] a perspectiva sociológica consiste na atribuição de uma determinante sócio-econômica na conduta política e eleitoral dos indivíduos. Onde os eleitores de situação social semelhantes desenvolvem conduta político-eleitorais similares. (RADMANN, 20001: 17) Dessa forma, na tentativa de compreender o comportamento eleitoral a corrente sociológica procura compreender a decisão de voto dos eleitores a partir da construção de algumas variáveis como: partidos, ideologias, identidades dos grupos e classes sociais. A partir das variáveis explicativas para o comportamento do eleitor, Mies (apud

6 RADMANN, 2001: 18) define três posições: a corrente marxista, a estrutural funcionalista e a pragmatismo metodológico. A corrente marxista se refere a relação entre partidos políticos e a classe trabalhadora. A estrutural funcionalista sustenta a posição de classe que o individuo ocupa na sociedade, a este inclui-se vinculo de parentesco, local de moradia, prestigio, poder e ocupação. O pragmatismo metodológico busca estabelecer variáveis entre a conduta eleitoral e características socioeconômicas do eleitor. A explicação da corrente marxista é que o eleitor, o trabalhador adquire consciência de classe, através da participação político- partidária, as classes trabalhadora passaria a se identificar com os partidos de esquerda. Porém a explicação da corrente marxista foi considerada insuficiente. O comportamento político dos indivíduos somente pode ser compreendido a na articulação histórica concreta com esses conflitos, pois as características especificas tornam-se causas de atos individuais quando não estão inseridas numa estrutura definida, impostas as relações políticas em um dado momento da história.(pizzorno apud, RADMANN, 2001: 20) Na perspectiva sociológica, o eleitor tem uma propensão a agir de acordo com o grupo social que faz parte: religioso, familiar, profissional, enfim grupos que possuem valores semelhantes tendem a manifestar comportamentos políticos similares. Para CASTRO (2004) na perspectiva não marxista a participação dos eleitores é explicada a partir do aspecto socioeconômicos e culturais que o grupo está inserido. A influência do grupo é importância para explicar a preferência partidária do eleitor. O eleitor em situação social semelhante tem propensão a fazer escolhas semelhantes e agir de acordo com as decisões do grupo. Ainda de acordo com a autora, a explicação do comportamento eleitoral no Brasil a partir da abordagem sociológica não foi suficiente para explicar a decisão do voto quando no processo de transformação estrutural contou com o intenso processo de industrialização e urbanização. Nesse período, o comportamento eleitoral das massas (Lamounier apud Castro, 1994) foi caracterizado pelo clientelismo, a consciência de classe e o voto ideológico ficaram restritos a setores do eleitorado. A partir desse

7 momento ficou claro a necessidade de propor outras explicações para o comportamento eleitoral. Sendo assim, teve espaço uma nova explicação a teoria psicológica abordagem psicossocial Ao contrário da teoria sociológica, na abordagem psicológica o comportamento eleitoral baseia-se na personalidade do individuo e nas suas motivações no nível psicológico. A ideia básica é que o comportamento dos indivíduos se baseia na estrutura de sua personalidade dos indivíduos e no seu sistema de crenças, as quais estão relacionadas com o grupo social que o individuo vive. A utilização da teoria psicológica na explicação do comportamento eleitoral teve inicio com a Universidade de Michigan 1. As pesquisas do grupo de Michigam levaram a ampliação do conceito para teoria psicossociológica com a incorporação novos elementos para a análise do comportamento eleitoral. A partir desse esse estudo a corrente psicossociológica adquiriu importância. Sendo assim: [...] os contextos estruturais em que o individuo se insere e as interações que se dão dentro do grupo de que faz parte explicam, em partes, seu comportamento como eleitor. Entretanto, tratam de mostrar que a influência de fatores sociais seria mais remota, não daria conta de flutuações de curto prazo das decisões do voto. (CASTRO, 1994:33) A abordagem psicossociológica utiliza-se de conceitos da sociologia integrados a psicologia. O interesse dos indivíduos pela política varia de acordo com os estímulos recebidos pelo grupo social. Porém esses estímulos teriam inicio no ambiente social, sendo a família o principal ambiente. De acordo com a abordagem psicossociologica o individuo é o principal objeto de análise. A premissa dessa abordagem é saber como os eleitores concebem sua existência, considerando que a forma como os indivíduos se comportam e as respostas que estes dão no processo eleitoral são reflexos da sociedade e das relações sociais. A atitude que o eleitor demonstra na decisão do voto é parte da psicologia humana, porém tem será consolidada na sociologia política. Agindo, reagindo e interagindo social e politicamente, a partir de uma base psicológica formada e com categorias políticas normativas razoavelmente consolidadas, o individuo sempre articulará da mesma maneira suas 1 Os principais formuladores do Modelo de Michigan foram Angus Campbell e Philipe Converse.

8 respostas a diversos contextos. (FIGUEIREDO, apud, RADMANN, 2001:45) Embora o modelo de Michigan admita a influência de fatores históricocontextuais, o individuo continua sendo o centro a unidade de analise. A ideia central é que indivíduos social e atitudinalmente semelhantes tendem a ter comportamentos parecidos, a votarem na mesma direção. Para Campbell (apud FIGUEIREDO, 2008), o interesse pela política varia de indivíduo para indivíduo, o grau de interesse pela política é calculado de acordo com o grau de respostas aos estímulos políticos e devido à importância da política no seu ambiente social do individuo. Para esta teoria do comportamento eleitoral, os eleitores direcionam o seu voto de acordo com o sistema de crenças que é compartilhado entre os indivíduos. A condição de cada grupo social será determinante para a compreensão do voto. As características sociais descrevem o comportamento político de cada grupo social. A partir da premissa que as atitudes dos indivíduos são formadas através da compreensão da vida social e política, Philipe Converse (apud FIGUEIREDO, 2008) elaborou a teoria da crença de massa. Com essa teoria Converse procurou demonstrar que os indivíduos, independente dos seus ambientes sociais, relacionam-se com o mundo político de acordo com o grau de conceituação que são capazes de elaborar. [...] as atitudes, opiniões e ideias a respeito do mundo social, uma vez formadas, são relativamente estáveis no tempo, mais importante ainda, deverão ser inter-relacionar com outras logicamente consistentes com as anteriores.(figueiredo, 2008) Nesse contexto, para compreender o comportamento eleitoral, é necessário conhecer as inter-relações que existem entre os indivíduos e, qual é a implicância dessas relações na relação do individuo com o mundo político. Em relação à similaridade da atitude dos indivíduos, a abordagem psicossociológica prevê que indivíduos que possuem as mesmas ideias, provavelmente se identificarão com os mesmos partidos políticos. Com relação a previsão de comportamento eleitorais futuros, Converse constata que existe uma imprevisibilidade para prever como será a decisão do voto.

9 Converse constata que somente na porção altamente politizada da sociedade(15% nos países desenvolvidos), os sistemas de crenças são suficientemente estruturados para sustentar previsões de longo prazo. Em outros níveis da sociedade, observa-se que os sistemas de crenças vão perdendo coerência e densidade de conteúdo político, identificando-se até mesmo sistemas verdadeiramente indiossincráticos. (Figueiredo, 2008: 29-30) Para auxiliar na compreensão dessa questão, Converse (apud Figueiredo, 2008) aponta duas alternativas: o grau de centralidade e o grau de motivação para a política. O grau de centralidade busca conhecer a similaridade nos sistemas atitudinais, que por sua vez deve ser feita em razão do nível de centralidade de questões políticas para diversos grupos de eleitores. A segunda alternativa estaria no grau de motivação para a política. A segunda alternativa busca informações sobre a predisposição que os indivíduos depositam na política. Em relação à participação política, a abordagem psicossociológica, conforme (Castro, 1994) se resume ao modelo da centralidade. Existe uma co-relação entre a preferência partidária e opinião pública, a centralidade do individuo no seu grupo social. Sendo assim, a solução está em conjugar os níveis de estruturação dos sistemas de crenças com o grau de motivação para a política que os indivíduos desenvolvem. Como mais uma alternativa para o comportamento eleitoral, para Converse seria acrescentar a motivação para a política o conceito de engajamento político. A teoria da Alienação, formulada pela sociologia behaviorista, irá auxiliar na explicação do conceito. A teoria da alienação política apresenta duas maneiras de explicar o comportamento eleitoral: através da psicanalítica e outro pela psicologia social. A abordagem psicanalítica foi elaborada por Robert Lane (1962). Através de uma pesquisa realizada numa cidade americana Lane descobriu a abrangência do conceito alienação política. De acordo com Lane (apud Figueiredo, 2008): Alienação política implica em mais do que desinteresse; ela implica numa rejeição, no sentido psicanalítico do termo alienação. Na abordagem da psicologia social, que foi liderado por Seeman (1959) sugere-se que o conceito alienação é multidimensional. Possui cinco atitudes que constituem a síndrome da alienação : impotência (powerlessness); ininteligibilidade (meaninglessness); anomia (normlessness); isolamento (isolation); e, auto-diferenciação (self-estrangement).

10 Procurando elucidar as razões que determinam o voto, Joel Aberbach e Ada Finisfter (apud, FIGUEIREDO, 2008), demonstram que os eleitores se dividem em alienado e não-alienandos. Os autores se reportam a teoria da cultura cívica para demonstrar que a cultura seria conduzida pela estabilidade dos regimes democráticos. A estabilidade do sistema política depende do engajamento-alienação política. A alienação política é uma das razões. Para o modelo de comportamento eleitoral de Michigan, os fatores sociológicos exercem influência na opção partidária e no direcionamento do voto. Porém, ao analisar as eleições de Eisenhouser e De Gaulle (apud Figueiredo, 1991) Converse constatou que a influência de fatores psicológicos e políticos preponderaram sobre fatores sociais. Para Castro (1994), a explicação para a utilização da abordagem psicossociológica no Brasil se deu a partir de uma pesquisa realizada nos Estados Unidos e no Brasil que estabeleceu uma correlação entre a preferência partidária e a intenção do voto. Com os resultados dessa pesquisa, surgiu a necessidade de conhecer como se formam e como se mantêm as preferências partidárias entre os eleitores. Houve a constatação que consistência ideológica apenas entre eleitores que possuíam alto índice de escolaridade. A pesquisa revelou que a consistência ideológica é resultante da sofisticação política, isto é, do nível de conceituação da política que o eleitor possui. Os indivíduos em posição central são os que apresentam os maiores índices em todos os indicadores de participação eleitoral: mais se envolvem nas campanhas políticas, mais comparecem para votar, etc. (Castro, 1994: 35) Através do estudo pode-se perceber que quanto maior o grau de entendimento e conceituação da política, maior será o envolvimento e a participação e o envolvimento dos eleitores no processo eleitoral. Porém, a dificuldade de prever o comportamento do eleitor está na instabilidade do sistema de crenças e na baixa identificação em relação ao aspecto ideológico. Embora, a teoria psicossociológica tenha uma importância significativa para a análise do comportamento eleitoral, a seguinte teoria ainda não conseguiu eliminar todos os problemas explicativos para o direcionamento do voto, e nesse sentido, outra contribuição para a questão é a teoria da escolha racional.

11 2. 3 abordagem economicista Teoria da Escolha Racional A teoria economicista ou teoria da escolha racional tem como um de seus principais formuladores Anthony Downs (apud CASTRO, 1994). A abordagem downiana baseia-se em aspectos do individualismo metodológico: é possível explicar o comportamento dos eleitores considerando que os eleitores são racionais e agem intencionalmente, procurando maximizar seus interesses e otimizar seus ganhos com o direcionamento de seu voto. Nesta abordagem o homus psicologius e o homus sociologius dá lugar ao homus Economus: os eleitores votam devido ao interesse econômico. O eleitor age de acordo com o mercado econômico, escolhendo a opção que lhe proporcionará maior benéficio econômico. Essa teoria parte da explicação que o eleitor é uma ser racional que sempre escolhe a alternativa que lhe trará maior utilidade ou agirá em seu próprio beneficio. Esses benefícios que são esperados pelo eleitor resultam da utilidade que lhe trará a ação governamental. Os eleitores agem racionalmente nas questões de ordem política votando nos partidos e nos candidatos que lhe trarão maior beneficio. o eleitor desconta os custos com que vai arcar por decidir votar a procura por informações, por exemplo e os custos do próprio ato de votar o tempo e a energia gastos em se deslocar até as urnas. (Castro, 1994: 37) De acordo com Castro (1994), para sair do impasse entre o aspecto econômico ou da maximização, minimização de prejuízos o conceito de racionalidade foi ampliado. Admitindo que existam vários níveis de racionalidade. As escolhas dos eleitores seriam feitas a partir do contexto sócio-cultural de cada eleitor, partindo de aspectos informativos, cognitivo e reflexivo do eleitor. Nesse caso, para a análise da direção do voto do eleitor o que importa no processo eleitoral não são as informações e sim como essas informações são adquiridas. A abordagem economicista supõe um comportamento baseado na racionalidade individual. O eleitor escolhe a alternativa que irá maximizar a satisfação de seus interesses. Para Figueiredo (2008: 78): o modelo downsiano o comportamento humano é maximizante; para o modelo economicista o comportamento humano é satisfacionista (satisficing behavior). (...) o ator seleciona partidos e candidatos em ordem de preferência e opta por aquela alternativa que avalia possibilitar a obtenção de

12 maiores ganhos. O eleitor, analogamente ao consumidor, decide votar em um partido ou candidato de acordo com as ofertas políticas. (...) Assim, o eleitor ordena, conforme seus interesses, as alternativas políticas em grau de desejabilidade e escolhe aquele que, de acordo com as probabilidades eleitorais, oferecer as melhores condições para maximizar os ganhos da sua ação política (SILVEIRA, 1998:58) Considerando o baixo grau de participação dos eleitores, o eleitor não é irracional. Mesmo sem os eleitores terem um grau de sofisticação política elevado, isto é, informação, envolvimento político e capacidade de conceituação política, os eleitores não votam irracionalmente. O eleitor sempre vislumbra a alternativa que lhe trará maiores benefícios. Para Downs (1999), existem diferentes motivos para o voto. A lógica do voto para a teoria downsiana baseia na premissa que os eleitores escolhem a alternativa de voto que lhe trará maior beneficio. Esses benéficos são resultantes da teoria da utilidade. Segundo Downs (1999: 57): Os benefícios que os eleitores consideram, ao tomar suas decisões, são fluxos de utilidade obtidos a partir da atividade governamental. Ao decidir se vota ou não, o eleitor leva em conta o beneficio que espera obter caso seu candidato ganhe e considera a probabilidade de que seu voto afete o resultado da eleição, de forma que seu partido ou candidato vença; nesse cálculo, o eleitor desconta os custos com que vai arcar por decidir votar procura a obtenção de informações e os custos do próprio ato de votar, tempo e energia gastos em se deslocar até as urnas. (CASTRO, 1995) Na teoria da escolha racional o eleitor possui duas alternativas: participar ou não do processo eleitoral. Se o eleitor opta por participar ele novamente duas alternativas: votar no candidato ou no partido político. Entretanto, ocorre o que alguns eleitores chamam de paradoxo da participação (apud, Castro, 1995). O paradoxo da participação procura explicar quais são as razões que levam o eleitor a votar. Vários autores se propuseram a explicar as razões que levam o eleitor a participar do processo eleitoral. Riker e Ordeshook (apud Castro, 1995) propõem que os custos no ato de votar podem ser reduzidas por outros benéficos obtidos pelo eleitor, como os que resultam da conformidade com o voto ético e da obrigação de votar, da afirmação da confiança no sistema político, da afirmação da preferência partidária ou da própria eficácia na conformação do sistema político. Para Ferejohn e Fiorina (1974 apud Castro, 1995) a explicação é que o eleitor não escolhe a ação que maximizará seus ganhos, mas sim a

13 que minimiza seus prejuízos. De acordo com autores como Figueiredo (1991) e Muller (1979) o ato de votar tem diferentes conceituações dependendo do status econômico do eleitor. Entre os setores de status socioeconômico elevado, por exemplo, procurar obter informação são atividades que podem ser realizadas no momento de lazer; como já tem muita informação acumulada, os custos de se manter informados são baixos; além disso, eles têm mais flexibilidade no trabalho e ganham mais; assim, seu gasto de tempo e recursos para votar é mínimo. (Castro, 1995) Em relação as teorias do voto, Fiorena contrapõe dois modelos explicativos para o voto: as preferências partidárias (dos indivíduos) e o modelo downsiano. As duas correntes fazem previsões distintas: a explicação para a preferência dos eleitores é que o voto é retrospectivo, isto é, expressa aprovação ou reprovação do governo, enquanto no modelo downsiano, o voto seria retrospectivo e prospectivo. Para Castro (1994) na teoria da escolha racional o direcionamento do voto pode ser analisado a partir da preferência partidária. O comportamento do eleitor é político partidário e ideológico. A preferência partidária é ideológica e o eleitor procura obter benefícios se o partido que ele (eleitor) tem mais proximidade ideológica. Os eleitores utilizam o seu interesse partidário para diminuir seus custos em relação à campanha eleitoral. A ideologia age como um instrumento de obtenção de voto e como um meio para se chegar ao poder. Dessa forma, a função dos partidos políticos é facilitar a decisão do eleitor. Portanto: Entre os cidadãos que decidem votar com base nas questões, os antecedentes de cada partido (especialmente os ocupantes do cargo) durante o período eleitoral que acaba de se encerrar são mais importantes para suas decisões do que as promessas do partido para o futuro. ( Downs, 1999) A importância dos partidos políticos como instrumento de informação destaca a necessidade de que cada partido possua ideologias distintas. De acordo com Downs(1999): Assim como os empresários que buscam lucro na economia, os partidos políticos procuram maximizar seus interesses. De modo a atingir seus fins privados, eles formulam políticas que lhe trarão mais votos.[...] Na teoria da escolha racional uma regra importante é considerar a situação na qual o eleitor faz sua escolha. No direcionamento do voto existe a possibilidade de que o eleitor seja motivado por fatores institucionais e políticos. Porém, para Castro(1994) da escolha racional exclui a

14 importância da interação entre os grupos sociais. A abordagem que prepondera é que o eleitor é racional, porém sua racionalidade é limitada (Castro, 1994). Com relação ao dilema da participação, de acordo Figueiredo (2008) o eleitor não é um individuo isolado. O eleitor decide se participa ou não do processo eleitoral tendo em vista o comportamento dos outros indivíduos. A decisão do voto compreende a expectativa que cada eleitor tem a respeito do comportamento dos outros. A explicação do comportamento eleitoral não se concentra na racionalidade dos eleitores. Mas na tarefa de compreender a partir de qual contexto social a racionalidade do eleitor é constituída. 3. TEORIAS DO COMPORTAMENTO ELEITORAL NO BRASIL Neste tópico faz-se uma abordagem das principais pesquisas realizadas no Brasil sobre comportamento eleitoral. No Brasil, as principais abordagens que ajudam a compreender o comportamento dos eleitores é a perspectiva sociológica e a psicossociológica. Os primeiros trabalhos desenvolvidos sobre comportamento eleitoral utilizaram a abordagem sociológica, partindo do principio macro da analise, destacando os aspectos sociais e culturais na analise dos grupos de eleitores. Um dos primeiros trabalhos que corrente sociológica no Brasil foi o trabalho de Soares (1973) e Reis (1978), esses autores destacaram em suas pesquisas a relação entre os aspectos socioeconômicos e a opção partidária. Porém, mais tarde foi constatado que tal relação não era tão determinante para o comportamento eleitoral. Dessa forma houve espaço para o desenvolvimento de outros estudos que levaram em consideração a perspectiva psicossociológica. De acordo com CASTRO (1994), os pesquisadores admitiram que fatores socioeconômicos são parte do comportamento dos eleitores, porém é necessário considerar as variáveis psicológicas. A integração entre a perspectiva sociológica e a psicológica com ênfase nos condicionantes da cultura política auxilia na compreensão do comportamento do eleitorado brasileiro, por levar em consideração os contextos estruturais em que o individuo se inserem e as interações que se dão dentro do grupo socioeconômico do qual os eleitores fazem parte.(radmann, 2001: 47) Entre os defensores da teoria da escolha racional no Brasil, é o autor brasileiro Figueiredo (2008). Entretanto, existe uma variedade de pesquisas realizadas no Brasil

15 sobre comportamento eleitoral. Sendo assim, traremos as teses mais recentes sobre o tema no Brasil após a reabertura democrática (1989). 3.1 eleitor personalista pragmático Essa categoria será abordada a partir dos estudos de Baquero (1994 apud Radmann, 2001). Baquero realizou ao longo das últimas décadas pesquisas eleitorais no Rio Grande do Sul. As pesquisas de Baquero tinham o objetivo de averiguar os padrões de comportamento eleitoral e a cultura política dos gaúchos. Com as pesquisas foi demonstrado o comportamento pessimista dos eleitores e o descrédito em relação à democracia. O descrédito dos pesquisados está centrado na concepção de política. O pessimismo da população acentua-se com o sentimento de ineficácia política que é alimentado por escândalos de corrupção, que assolam as instituições democráticas e que são propagados pelos meios de comunicação. (Baquero, Castro apud Radmann, 2001) A prevalência de aspectos autoritários na política resulta numa concepção de cultura política fragmentada e cética. O desinteresse pela política, segundo Baquero (apud Radmann 2001) é agravada pela impunidade dos responsáveis pela corrupção no Brasil, criando um clima de indiferença informada por parte dos cidadãos em relação a política. Para o autor, o comportamento desinteressado dos eleitores e a aceitação de padrões tradicionais de política dão lugar a um tipo de comportamento caracterizado pelo voto personalista e o comportamento pragmático do eleitor. O conceito de voto personalista foi elaborado a partir de uma pesquisa realizada por Silva(1984 apud Radmann: 65) que analisou as variáveis socioeconômicas apontam para o voto no candidato e não no partido político. O exame dos motivos manifestos como critérios orientadores da escolha dos candidatos reafirmam que a mesma é feita em função da pessoa e ratificam a tendência acentuadamente personalista do voto na capital gaúcha. (SILVA apud RADMANN, 2001: 66) Além do voto personalista, a pesquisa apontou que existe no direcionamento do voto, a alienação política e a falta de persistência ideológica. O voto personalista expressa a ausência de ideologia no comportamento político dos setores político urbanos.

16 3.2 eleitor tipo flamengo Essa tipologia foi apontada por Fábio Wanderley Reis (1988). A discussão teórica em relação á abordagem da escolha racional é realizada a partir de uma referencia normativa. Nesse trabalho Reis (Radmann, 2001) caracteriza os tipos de comportamentos eleitorais presentes no eleitorado brasileiro e as observações sobre comportamento eleitoral do eleitor partem de sua identidade. A partir da teoria da escolha racional, Reis (apud, Radmann, 2001) supõe que o comportamento dos indivíduos pressupõe uma intencionalidade, que por sua vez, está relacionada a sua identidade. Essa identidade é que irá atuar no campo cognitivo no processamento de informações que resultaram no comportamento dos indivíduos. Para Reis (1988) existe uma homogeneização entre as teorias da escolha racional e a abordagem sociológica. Portanto: Os principais ingredientes de uma abordagem racional estarão presentes sempre que se admita a característica intencional do comportamento e estarão presentes, portanto, mesmo em abordagens convencionalmente sociológica, cujas, as proposições seriam impossível fazer sentido, em ultima análise, na ausência desses ingredientes.(reis apud Radmann, 1988: 30) De acordo com o autor, é considerado como comportamento racional o comportamento que é orientado por normas sociais. O individuo como ator social pode apresentar comportamento independente das normas vigentes. A proximidade entre as duas teorias da escolha racional e abordagem sociológica pode ser redefinida a partir da analise da identidade e da intencionalidade da ação política dos indivíduos. Reis interpreta o comportamento do eleitor brasileiro procurando associar a abordagem psicossociologica e o modelo de consciência de classe, da abordagem sociológica. Além desse atenuante, o autor correlaciona o aspecto socioeconômico e a sua percepção do mundo político. A percepção do eleitor sobre o processo político é condizente com a sua condição e com sua identidade. A percepção do eleitor apresenta distanciamento até em relações cotidianas que tem impacto direto na vida dos indivíduos. Essa categoria de eleitores Reis (1988) identificou como eleitor tipo Flamengo. A premissa dessa categoria é que o ato de

17 votar para o eleitor é como torcer para um time de futebol. A racionalidade do eleitor é processada de acordo com a sua identidade popular. No caso do eleitor tipo Flamengo estamos no nível de identidades sociais espontâneas e rudimentares que não foram trabalhadas politicamente algo como uma matéria-prima sociológica apenas superficialmente tocadas pela instrumentalidade da vida política. (Reis, apud Radmann, 2001:75) O eleitor age de acordo com a sua racionalidade. Porém, a sua racionalidade precisa ser compreendida a partir do contexto no qual o individuo está inserido. 3.3 eleitor sofisticado Na bibliografia brasileira um dos trabalhos mais representativos sobre comportamento eleitoral é o trabalho de Castro (1994), que elaborou o conceito de sofisticação política. Para a compreensão do comportamento do eleitor, Castro (idem) aponta a integração de todas as abordagens teóricas sociológica, a psicossociológica e a teoria da escolha racional em uma única analise. A proposta da Castro implica em analisar algumas variáveis como: preferência partidária, questões sociais (como sexo, idade, renda familiar, escolaridade, ocupação, raça, participação em associações) e características políticas variadas (opiniões, atitudes, interesses, envolvimento, informação) a partir do contexto sócio econômico do individuo. Uma teoria realmente explicativa do voto deve incluir as variáveis macrosociológicas, que compõem o contexto sócio-econômicos e institucionais dos indivíduos, os atributos sócio-demográficos dos eleitores, que definem posições especificas na estrutura social e experiências re relações sociais em diversos grupos, e, finalmente, os fatores políticos micro, especialmente a preferência partidária e a sofisticação política. (Castro, 1994:203) Em resumo, a sofisticação política corresponde ao interesse e ao envolvimento em questões de ordem política, o conhecimento e a capacidade de conceituação do mundo político. Castro(1994) concluiu com os dados de sua pesquisa que: São eleitores sofisticados, aqueles que votam orientados pelas opiniões sobre issues diversos e por preferências partidárias baseadas em visão informada a respeito das propostas de partidos e candidatos, preferências estas que se relacionam com posições ideológicas que afirmam ter. (Castro, 1994: 180)

18 A percepção que o eleitor possui sobre o processo eleitoral depende do seu nível de sofisticação política. Esse fato explicaria a escolha de um eleitor com baixa sofisticação política possa parecer errônea e equivocada para outro eleitor. Na mesma linha de análise Reis e Castro(apud Radmann, 2001) consideram que o comportamento do eleitor brasileiro é influenciado pelo grupo social que o eleitor faz parte, por esse motivo o eleitor não pode ser considerado irracional. Se o voto reflete a influência do grupo de que o eleitor faz parte e esse grupo faz uma escolha que pode ser interpretada como racional, porque vota no partido que convencionalmente representa seu interesse de classe, o membro do grupo tenderá a fazer a opção correta. (Castro, 1994: 206) Para a autora o voto das classes populares pode ser relacionado com o personalismo do político. Para Radmann (2001: 80): O voto baseia-se na imagem vendida pelo candidato como recurso para decidir a direção do voto. Na percepção de Castro(1994) a escolaridade também é um atenuante para explicar a conceituação que o individuo faz do mundo político e, por conseguinte, o comportamento eleitoral. 3.4 eleitor antropológico não-político Embora os estudos antropológicos não possam ser considerados como uma abordagem teórica do comportamento eleitoral no Brasil, aos trabalhos do NUAP 2 se configuram como uma nova interpretação sobre a política. A análise antropológica procuram analisar o voto, as eleições e a representação política a partir do descentramento em relação aos partidos, reintrodução de dimensões sociológica e a elaboração de abordagens que tomem as práticas eleitorais em sua positividade. (Palmeira e Goldmann1996 apud Radmann, 2001) A análise antropológica tem uma importância significativa para a política por dois principais motivos: partem de análises de eleições locais e se caracterizam pelas pesquisas qualitativas. A abordagem antropológica inicia conceituando a política. A política não é uma atividade permanente. De acordo com Palmeira (1992): o período eleitoral é designado como o tempo da política. O tempo da política representa o 2 Núcleo de Antropologia Política. Constituído por pesquisadores dos Programas de Pós -graduação em Antropologia Social da UFRJ( Museu Nacional), da Universidade de Brasilia (UnB) e do Programa de Pós graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará(UFC)

19 momento em que as facções (os partidos reais) são identificados(...) Heredia(1996) constatou que no direcionamento do voto havia uma relação tradicional patriarcal e frequentemente motivada por favores pessoais que geravam um compromisso moral entre eleitor e candidatos. Nas comunidades camponesas a política, não é um tema que faz parte do cotidiano. No entanto, isso se altera, no período eleitoral, quando a política está presente tanto através da mídia, especialmente rádio e televisão, quando pela presença, física dos candidatos e seus símbolos bandeiras, cartazes e músicas. Essa presença da política em tempos de eleição permite-nos dizer, sem temor de equívoco, que nesses momentos ela faz parte do cotidiano. (HEREDIA, 1996: 57) O conceito tempo da política é um instrumento para a compreensão do comportamento político-eleitoral e para conhecer a partir de quais condicionantes que o eleitor constrói sua conceituação sobre o mundo político. Em síntese, o sucesso eleitoral do candidato irá depender de sua capacidade pessoal de conquistar a confiança dos eleitores e a eficácia na emissão de mensagens que consigam influenciar a constituição das opiniões, que formam a rede de relacionamentos que compõem a lógica popular. (Radmann, 2001: 93). A principal contribuição da abordagem antropológica é compreender os aspectos qualitativos do comportamento eleitoral. Isto é, compreender as variáveis culturais, simbólicas, tradicionais e regionais do eleitor. 3.5 eleitor brasileiro O conceito de eleitor brasileiro foi sistematizado por Jorge Almeida a partir de estudos sobre o perfil ideológico do eleitor e sua evolução nas pesquisas de opinião (1994). A pesquisa procurou descobrir as razões que levam o eleitor brasileiro e como se dão as interpretações eleitorais nos diversos grupos sociais. Classes sociais com inserção específica nas relações de produção e grupos com renda tem renda e padrões de consumo e bens e de serviços públicos específicos pertencentes á população economicamente ativa ou não. Mas que têm diferenças também de sexo, idade, escolaridade, raça e religião. Que vivem em diferentes Estados e regiões diferentes, na capital ou no interior, em grandes, médios ou pequenos municípios. E que tem interesse maior ou menor pela política com preferência ou não por algum partido. (Almeida apud Radmann, 2001: 94) Os resultados identificaram que existe uma variação no comportamento eleitoral de região para região. E essa variação se dá devido a tais fatores: base dos partidos, a

20 condução da campanha, o peso e a relação dos candidatos com os partidos políticos. Dentro desse contexto, deve-se considerar os aspectos ideológicos e a existência de políticas tradicionalistas (clientelismo, paternalismo) como determinante para a decisão do voto. Em relação às variáveis socioeconômicas, Almeida (apud Radmann, 2001), constatou que existe uma concentração de eleitores indecisos entre o eleitorado pobres e os grupos excluídos. Porém, com relação ao nível de informação, a pesquisa demonstrou que na reta final da campanha existe um número considerável de eleitores que não possuem conhecimento dos candidatos e dos partidos políticos. Nas pesquisas eleitorais foi constatado o desinteresse dos eleitores em relação ao processo eleitoral. De acordo com Almeida(apud Radmann, 2001): Os eleitores menos desinteressados são os que possuem escolaridade superior. O grau de distanciamento dos eleitores em relação a política é observado a partir do baixo nível de conhecimento dos eleitores sobre o conceitos da política, a confusão entre representação política e partidos políticos. Para além desses fatores, o desinteresse também é demonstrado através do descrédito das instituições, que por sua vez, são uma das principais representantes do governo democrático. Nas questões da pesquisa de opinião, ficaram evidentes que os problemas sociais são preocupações pessoais dos eleitores. Entre os maiores problemas nacionais, custo de vida/ preços tem 34%. Somando-se a fome/miséria, desemprego, vemos que os três maiores problemas somam 70%. Quanto às preocupações pessoais e familiares, 67%, estão concentradas em cinco problemas: custo de vida, desemprego, saúde, salários e violência. Quanto as áreas prioritárias, 67% indicaram cinco:desemprego, fome/miséria, inflação, educação e saúde. ( ALMEIDA apud RADMANN, 2001: 98) O autor, também constatou que os eleitores levam em consideração a imagem do candidato para direcionar o voto. A imagem do candidato, não está relacionada à opção político-partidária, e sim, é decorrente dos atributos pessoais do candidato. As chances que o candidato seja eleito está relacionada com sua imagem perante os eleitores. A vida pessoal do candidato passa a fazer parte do imaginário do eleitor.

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria.

PROJETO DE PESQUISA. A VOLATILIDADE ELEITORAL: Uma análise socioeconômica e espacial sobre o voto em Santa Maria. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS BACHARELADO GUSTAVO ANDRÉ AVELINE MÜLLER PROJETO DE PESQUISA A VOLATILIDADE

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público

Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Síntese de pesquisas de opinião sobre o Ministério Público Fonte: TRE/Rondônia noticiado na Notícias Jus Brasil Data: 2005 A pesquisa também mostra que 53,5% dos eleitores são favoráveis à realização de

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

2. Abordagens empíricas da Comunicação

2. Abordagens empíricas da Comunicação 2. Abordagens empíricas da Comunicação A Abordagem Empírico-Experimental (ou da Persuasão) é o nome dado a um conjunto de estudos de base psicológica (ainda sob forte influência behaviorista, mas já se

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS: UMA CONCEPÇÃO AMPLIADA DE GESTÃO PÚBLICA Vera Alice Cardoso SILVA 1 A origem: motivações e fatores indutores O Curso de Gestão Pública

Leia mais

Políticas Públicas e Planejamento Governamental

Políticas Públicas e Planejamento Governamental GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL Políticas Públicas e Planejamento Governamental Susan Dignart Gestora Governamental Cuiabá MT, outubro de 2008

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Dinâmica de Grupo Coesão. Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br

Dinâmica de Grupo Coesão. Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br Coesão Profª: Daniela Campos Bahia Moscon danielamoscon@yahoo.com.br É um dos temas que mais desperta interesse no estudo sobre grupos; O seu conceito e a sua forma de mensuração são controversos: Um grupo

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Pesquisa Eleitoral Novembro / 2003 ANEP

Pesquisa Eleitoral Novembro / 2003 ANEP Pesquisa Eleitoral INFLUÊNCIA DA PESQUISA ELEITORAL NA SOCIEDADE Franceschini Análises de Mercado Pesquisa, Imprensa e Política Visão do Político Visão do Jornalista Visão do Técnico de Pesquisa Atuação

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.

MATEMÁTICA E ENEM. Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com. Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail. MATEMÁTICA E ENEM Luiz Henrique Almeida de Souza do Nascimento UFMS luiz_g4@hotmail.com Nathalia Teixeira Larrea UFMS nathalia_tl@hotmail.com Luzia Aparecida de Souza UFMS luzia.souza@ufms.br Resumo Este

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt Disciplina: Governo Eletrônico/EGC/UFSC Professores: Dr. Aires Rover e Dr. Denilson Sell Equipe: David Lemos, Luiza

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Reforma do Sistema Político

Reforma do Sistema Político Reforma do Sistema Político Texto preparatório e questões norteadoras Data: 17/07/2013 Local: Centro de Estudos Helênicos, Areté. Roda de Conversa: Reforma do Sistema Político Data: 17.07.2013 Espaço Areté

Leia mais

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Adm. Thiago Santos Ruel 1 SUMÁRIO: 1. Grupos de Pressão. 2. Lobby. 3. Grupos de Interesse. 4. Conclusão. 5. Referências. INTRODUÇÃO Grande parte da população

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA

OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA 1 OFICINA PEDAGÓGICA DE PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO CURSO DE ENFERMAGEM DAS FACULDADES INTA Maria Adelane Monteiro da Silva Antonia Eliana de Araújo Aragão Keila Maria de Azevedo Ponte Lourdes Claudênia

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Bússola Eleitoral Portugal

Bússola Eleitoral Portugal Bússola Eleitoral Portugal Descubra o seu posicionamento no panorama político português nas eleições legislativas de 2009 Associe-se a www.bussolaeleitoral.pt 1 kieskompas: Bússola Eleitoral www.bussolaeleitoral.pt

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE

A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE A DIDÁTICA NA FORMAÇÃO DOCENTE: ENTRE A INOVAÇÃO TÉCNICA E A EDIFICANTE Ilma Passos Alencastro Veiga 1 Edileuza Fernandes da Silva 2 Odiva Silva Xavier 3 Rosana César de Arruda Fernandes 4 RESUMO: O presente

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I).

Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). Aula 8: Modelos clássicos da análise e compreensão da sociedade e das instituições sociais e políticas: A Sociologia de Max Weber (I). CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman

Leia mais

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento.

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. Daniel Machado Especialista em Marketing

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA JUNTO A UM PROGRAMA DE ESTIMULAÇÃO PRECOCE: O PAPEL DOS PROFESSORES E DA FAMÍLIA Ana Paula Marques Leal Barbosa 1 Adriana Garcia Gonçalves 2 1 Aluno do Curso de Pedagogia; Campus

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Ementário Relações Interpessoais e Ética Profissional Concepções sobre o Processo Inter-relacional no Trabalho; Competência Interpessoal; Qualidade de Vida no

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.

Resumo. Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail. Título: Desafios da Orientação Profissional Um caso prático no SPA da UERJ Autoras: 1 - Clarissa Freitas de Almeida, UERJ. 2 - Veronica Santana Queiroz, UERJ. Endereços Eletrônicos: 1 - cla.raposa@gmail.com

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br

Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título do projeto: Meios de Comunicação e Política Pesquisador responsável: Prof. Doutor Doacir Gonçalves de Quadros Contatos: Telefones: 41.91135521 e-mails: doacir.q@grupouninter.com.br

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ²

RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² RESPONSABILIDADE SOCIAL NO CENÁRIO EMPRESARIAL ¹ JACKSON SANTOS ² A Responsabilidade Social tem sido considerada, entre muitos autores, como tema de relevância crescente na formulação de estratégias empresarias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL RE SIGNIFICANDO A AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Maria Celina Melchior Dados da autora Mestre em Educação, Avaliadora Institucional do INEP/SINAES/MEC, atuou como avaliadora in loco do Prêmio Inovação em Gestão

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 19, nº 2, novembro, 2013, Encarte Tendências. p.475-485 Este encarte Tendências aborda as manifestações populares que tomaram as grandes cidades brasileiras em junho

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais