A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS: ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS: ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO"

Transcrição

1 A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS: ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO Guimarães, Sueli Édi Rufini Universidade Estadual de Londrina Resumo: A teoria da autodeterminação destaca a natureza ativa dos seres humanos, sendo propensos a buscar desafios para aprender coisas novas e exercitar suas habilidades. Uma ação intencional, nessa perspectiva, pode ser motivada por razões intrínsecas, quando a atividade é um fim em si mesma, ou extrínsecas, quando a realização da atividade é um fim para alcançar ou evitar uma conseqüência externa. A motivação intrínseca e as modalidades autodeterminadas de motivação extrínseca têm sido relacionadas com resultados positivos na escola como, por exemplo, aprendizagem de profundidade, criatividade, persistência, melhores desempenhos, entre outros. O presente trabalho descreve os resultados preliminares de uma pesquisa que tem por objetivos a elaboração e validação de uma escala de avaliação da motivação de estudantes universitários brasileiros, a Escala de Motivação Acadêmica (EMA). Tendo como base um instrumento elaborado em 1993, novos itens foram construídos a partir da literatura e, após uma aplicação piloto, adaptados para aplicação em aproximadamente 500 estudantes. Aqui são relatados os resultados da Análise ial Exploratória, com extração dos componentes principais, de 290 questionários, respondidos por universitários de três instituições de ensino superior da região norte do estado do Paraná. A análise fatorial exploratória indicou uma estrutura de sete fatores, que explicaram 57,16% da variação dos dados, aos quais agruparam-se 30 itens com carga fatorial acima de 0,30. Os itens de quatro subescalas de avaliação (desmotivação, regulação introjetada, motivação intrínseca e regulação externa) agruparam-se em torno dos quatro fatores com maior valor próprio. A disponibilidade de um instrumento válido para uso em pesquisas é o principal propósito da conclusão do estudo. Palavras-chave Teoria da Autodeterminação; Motivação Intrínseca; Motivação Extrínseca

2 1760 Os seres humanos, desde o nascimento, são voltados para a aprendizagem e estimulação e essa tendência pode ser fortalecida ou enfraquecida, dependendo das interações contextuais. A satisfação de três necessidades básicas, de competência, autonomia e vínculo, é essencial na determinação do nível de desenvolvimento desse impulso natural, também denominado de motivação intrínseca (REEVE, DECI & RYAN, 2004). A teoria da autodeterminação propõe a existência de diferentes tipos motivacionais, localizados ao longo de um continuum de autodeterminação (Quadro 1), resultantes da interação entre as necessidades psicológicas básicas e o ambiente. A autodeterminação, nessa perspectiva teórica, é a experiência subjetiva de autonomia, que pode ou não estar presente em comportamentos intencionais. Proposta na década de 80, a Teoria da Autodeterminação incorporou alguns conceitos, decorrentes de pesquisas realizadas na década anterior, como o locus de causalidade (decharms, 1984), liberdade psicológica (Rogers, 1961) e percepção de escolha (Deci & Ryan, 1985), passando a considerá-los qualidades da autodeterminação. O locus interno de causalidade significa perceber que o comportamento intencional teve origem e regulação pessoal e, o oposto, locus externo de causalidade, refere-se à percepção de ser uma marionete frente às exigências externas. A sensação de liberdade psicológica é a vontade da pessoa para executar a ação e acontece quando o comportamento é coerente e alinhado aos interesses, preferências e necessidades pessoais, caso contrário, a pessoa sente-se forçada a agir. A percepção de escolha reflete a flexibilidade nas tomadas de decisão sobre o que fazer, como fazer ou até a possibilidade de não fazer. Em suma, a autonomia ocorre quando existe concordância pessoal, baixa pressão e alta flexibilidade na execução da ação, respectivamente, locus de causalidade interno, percepção de liberdade psicológica e de escolha (LEVESQUE, STANEK & RYAN, 2004; REEVE & JANG, 2006). Assim, dependendo da percepção de autodeterminação, a motivação de uma pessoa para a realização de determinada atividade diferencia-se em desmotivação (desvalorização e ausência de percepção de controle), motivação extrínseca por regulação externa (a pessoa age para obter ou evitar conseqüências externas), motivação extrínseca por regulação introjetada (as conseqüências contingentes são administradas pela própria pessoa), motivação extrínseca por regulação identificada (há o reconhecimento e valorização subjacente ao comportamento), motivação extrínseca por regulação integrada (não somente envolve a identificação com a importância do comportamento, mas, também a integração de tal identificação com outros aspectos do self), e a motivação intrínseca (a atividade é

3 1761 vista como um fim em si mesma). Desse modo, mover-se ao longo do continuum de motivação extrínseca significa ter o envolvimento mais semelhante ao de motivação intrínseca, o tipo mais autodeterminado de motivação. Comportamento ausência de autodeterminado determinação Motivação Ausência de motivação Motivação Extrínseca Motivação Intrínseca Estilos reguladores sem regulação regulação externa regulação introjetada Regulação identificada regulação integrada regulação intrínseca Locus de causalidade percebido impessoal externo algo externo Algo interno interno interno Processos reguladores ausência de intenção, desvalorizaçã o, falta de controle submissão, recompensas externas e punições autocontrole, ego envolvimento, recompensas internas e punições Importância pessoal, valorização consciente concordância, consciência, síntese com o eu interesse, prazer e satisfação inerente Quadro 1 - Continuum de autodeterminação, tipos de motivação com os seus loci de causalidade e processos correspondentes (Fonte: REEVE, DECI & RYAN, 2004) Diversos estudos têm buscado apoio para esta proposta, sendo desenvolvida por Vallerand et al. (1992) uma escala de avaliação, extensamente empregada em pesquisas de diversos domínios, a Escala de Motivação Acadêmica (EMA). Suas propriedades psicométricas foram levantadas em alguns estudos (Vallerand et al., 1992, Guay et al., 1993; Mullan et al., 1997; Fairchild et al., 2005, entre outros). No Brasil, uma adaptação da escala foi utilizada por Sobral (2003) em um estudo acerca da motivação de estudantes do Curso de Medicina, não tendo sido realizadas, no entanto, análises de sua validade como instrumento de medida. Para a elaboração da escala, Vallerand et al. (1992) partiram o conceito de motivação intrínseca, unitário segundo a proposição de Deci & Ryan (1985), em três componentes: motivação para saber,

4 1762 motivação para estimulação e motivação para a realização, aumentando o continuum de autodeterminação de seis para oito elementos. Além disso, nos diversos estudos que empregaram o instrumento para coleta de informação o último tipo de motivação extrínseca, por regulação integrada, não foi avaliado. Os resultados das pesquisas que buscaram a validação do instrumento (EMA) indicaram algumas inconsistências, destacadas por Fairchild et al. (2005). Considerando a existência de um continuum crescente de autodeterminação, as correlações entre as subescalas adjacentes, ou seja, a desmotivação, motivação por regulação externa e introjetada deveriam ser correlacionadas de modo positivo e significativo, o mesmo sendo esperado para as correlações entre motivação extrínseca por identificação, integração e motivação intrínseca. No entanto, foram encontradas relações mais fortes, por exemplo, entre a regulação introjetada e a motivação intrínseca e também não foram encontradas correlações negativas entre a desmotivação e os três tipos de motivação intrínseca. Resultados semelhantes já haviam sido encontrados nos estudos de Vallerand et al. (2002) e Cokley (2000). Apesar de não confirmado pelas análises de correlação, o modelo hipotético de sete fatores foi apoiado pela análise confirmatória realizada por Fairchild et al. (2005). A validade de um instrumento de avaliação deve ser buscada continuamente, com diferentes amostras em diferentes momentos. Além disso, no caso de uma proposta teórica recente, como é o caso da Teoria da Autodeterminação, a validade de constructo, alcançada pela análise do instrumento, pode levar a um aprimoramento teórico. Segundo Cronbach (1996), quando um teste é elaborado para avaliar um constructo bem aceito, o teste corre mais riscos do que o constructo, no entanto, as evidências que emergem da validação de um teste podem orientar a revisão do constructo para o qual foi planejado. Este estudo tem como objetivo levantar as propriedades psicométricas de uma versão brasileira da EMA, elaborada a partir da escala original (Vallerand et al. 1993), sendo incluídos novos itens de avaliação. Este trabalho apresenta dados preliminares da pesquisa, a qual pretende alcançar uma amostra de aproximadamente 500 estudantes universitários, com o objetivo de uma maior confiabilidade dos resultados das análises.

5 1763 Método Participantes Participaram desta etapa do estudo 290 estudantes universitários de três instituições de ensino superior do norte do Paraná, sendo 113 homens e 174 mulheres. A distribuição por faixas de idade foi: 84 (29,96%) até 19 anos, 172 (59,31%) entre 20 e 25 anos, 20 (6,89%) entre 26 e 30 e 12 (4,13%) acima de 31 anos de idade. A variação do número de participantes nas distribuições de idade e gênero deve-se ao fato de que alguns deixaram de responder às questões relativas aos dados pessoais. Instrumento A escala original é composta de 28 itens, sendo cada ponto do continuum de autodeterminação avaliado por um conjunto de quatro itens, com exceção da motivação extrínseca por regulação integrada que não foi contemplada na avaliação. Ao participante é apresentada uma questão inicial Por que eu venho à Universidade?, seguida de 28 afirmativas, colocadas em escala likert de 7 pontos (1 nada verdadeiro a 7 totalmente verdadeiro). Para a construção da versão brasileira do instrumento, oito juízes (participantes do grupo de pesquisas sobre Motivação no Contexto Escolar (CNPq/UEL) receberam a definição teórica de cada tipo de motivação constante no continuum, seguida de itens para que pudessem escolher quatro que mais se aproximassem do conceito. Esses itens foram elaborados a partir da teoria ou retirados do próprio instrumento original. Após análise prévia feita pelos membros, em uma reunião do grupo, os itens foram selecionados por consenso e com uma aplicação piloto (30 estudantes) procurou-se descobrir alguma inadequação da escala. A versão escala final da escala passou a conter 31 itens, número maior do que a original porque foram elaborados itens de avaliação da motivação extrínseca por regulação integrada, não contemplada originalmente. A definição de cada constructo e os itens propostos para análise do grupo de pesquisas (que foram a base para a construção da escala) são apresentados na Tabela 1.

6 1764 Tabela 1. Constructos e amostras de itens utilizados para elaboração do instrumento. Conceito Desmotivação - É o estado de falta de intenção para agir. Quando a pessoa está desmotivada, falta intencionalidade e um senso de causação pessoal para seus comportamentos, ou seja, ela não percebe em si mesma a origem de suas ações. Resulta da desvalorização da atividade, do sentimento de falta de competência para realizá-la ou porque a pessoa não acredita que a atividade trará os resultados desejados. Motivação Extrínseca - Regulação Externa é a forma menos autônoma de motivação extrínseca, sendo o caso clássico, no qual o comportamento é controlado por contingências externas específicas. A pessoa age para obter a conseqüência desejada (recompensas materiais) ou para evitar uma punição e percebe seu comportamento sendo controlado, alienado e tendo um locus de causalidade externo (a origem da ação está fora dela). É o único tipo de regulação reconhecido pela teoria operante. Tem sido extensivamente examinada e relacionada com prejuízos para a motivação intrínseca. Para a Teoria da Autodeterminação a regulação externa é considerada controladora Motivação Extrínseca - Regulação Introjetada - A pessoa assume e mantém a regulação externa, sendo esta situação comparada a um alimento ingerido mas não digerido. Enquanto na regulação externa o controle do comportamento vem das conseqüências contingentes, que são administradas por outras pessoas, na regulação introjetada as conseqüências contingentes são administradas pela própria pessoa. São exemplos as contingências de auto-valor (orgulho) ou de ameaças (vergonha ou culpa). Nesses casos a pessoa sente-se pressionada para obter engrandecimento do ego ou para evitar culpa ou ansiedade. Em outras palavras, a ação é regulada pela auto-estima contingente. Representa uma internalização parcial na qual as regulações estão na pessoa mas não se tornaram parte do conjunto integrado de motivações, cognições e emoções que constituem o self. Pelo fato de não terem sido assimiladas pelo self, os comportamentos resultantes de regulações introjetadas não são autodeterminados. Elas são interessantes porque estão dentro da pessoa, mas são relativamente externas ao self. Motivação Extrínseca - Regulação Identificada Este é o processo mediante o qual a pessoa reconhece e aceita o valor subjacente a um comportamento. Por identificar-se com o valor do comportamento a pessoa tem essa regulação mais internalizada e a aceita como sua. Por exemplo, se uma pessoa se identifica com a importância de exercícios regulares para a saúde e o bem-estar, ela exercitar-se-á de modo voluntário. Os comportamentos resultantes dessa regulação são mais autônomos, embora ainda sejam extrinsecamente motivados, pois são instrumentais (nesse caso para ser saudável), não são frutos de interesse espontâneo ou de satisfação pessoal. Itens 1. Sinceramente, eu não sei por que venho à universidade. 2. Eu realmente sinto que estou perdendo meu tempo na universidade. 3. Eu já tive boas razões para vir à universidade, mas, agora, tenho dúvidas sobre continuar. 4. Eu não vejo por que devo vir à universidade. 5. Eu não sei, eu não entendo o que estou fazendo na universidade. 6. Eu não vejo que diferença faz vir à universidade 1. Eu venho à universidade porque só conseguirei um bom trabalho no futuro se continuar estudando 2. Venho à universidade para poder conseguir um trabalho de maior prestígio no futuro 3. Venho à universidade porque quero ter uma vida boa no futuro 4. Venho à universidade porque quero ter um salário melhor no futuro 5. Venho à universidade para não receber faltas 6. Venho à universidade porque a presença é obrigatória 7. Venho à universidade para conseguir o diploma 1. Venho à universidade para provar a mim mesmo que sou capaz de completar meu curso 2. Venho à universidade porque quando eu sou bem sucedido me sinto importante 3. Para mostrar a mim mesmo que sou uma pessoa inteligente 4. Porque quero mostrar a mim mesmo que posso ser bem sucedido nos meus estudos 5. Venho porque é isso que esperam de mim 6. Quero evitar que as pessoas me vejam como um aluno relapso 1. Venho à universidade porque a freqüência nas aulas é necessária para a aprendizagem 2. Venho à universidade porque sei que a freqüência deve ser exigida 3. Venho à universidade porque acredito que alguns anos a mais de estudos melhorarão minha competência no trabalho 4. Caso a freqüência não fosse obrigatória poucos alunos assistiriam as aulas 5. A cobrança de presença é necessária para que os alunos levem o curso a sério Motivação Extrínseca - Regulação integrada É a mais completa forma de internalização da motivação extrínseca porque não somente envolve a identificação com a importância do comportamento mas também a integração de tal identificação com outros aspectos do self. Quando as regulações são integradas, a pessoa as terá aceitado totalmente, de modo coerente e harmonioso com outros aspectos de sua identidade e valores. 1. Porque a educação é um privilégio 2. Porque estudar amplia os horizontes 3. Porque o acesso ao conhecimento se dá na universidade 4. Venho à universidade porque é isso que escolhi para mim 5. Porque acho que com os estudos estarei mais bem preparado para a carreira que escolhi 6. Porque estarei capacitado a iniciar uma carreira na área que escolhi 7. Porque vir à universidade me ajuda a fazer uma melhor escolha de carreira

7 1765 Motivação Intrínseca A ação é totalmente autodeterminada, de tal modo que a atividade é realizada com um fim em si mesma, não havendo necessidade de ameaças ou de recompensas pela sua realização. 1. Porque gosto muito de vir à universidade 2. Porque para mim a universidade é um prazer 3. Pelo prazer que tenho quando me envolvo em debates com professores interessantes 4. Pela euforia que sinto quando leio sobre vários assuntos interessantes 5. Porque a universidade me permite sentir uma satisfação pessoal na minha busca por excelência na formação Procedimentos Os participantes responderam ao questionário em sala de aula, após autorização do professor. Gastaram em média 15 minutos para a realização da tarefa. Resultados Os dados foram codificados e transportados para o programa Statistica, para a realização das análises previstas. Até o momento, a análise fatorial exploratória, foi executada sobre os 31 itens que compuseram o instrumento de avaliação. Mediante o Método de Análise dos Componentes Principais, foram indicados inicialmente 31 fatores, correspondentes ao número de questões contidas no teste, com valor próprio acima de 1. Deste procedimento surgiram 7 fatores, que explicaram 57,16% da variabilidade total dos dados, como está demonstrado na Tabela 2. Tabela 2. Resumo da explicação dos fatores da Análise ial, com autovalor maior do que 1,00, obtida a partir da Análise dos Componentes Principais, aplicada aos itens da escala EMA Valor próprio % Total da variância valor próprio acumulado % acumulada 5, variance 18,54969 Eigenvalue 5, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,16642

8 1766 Entretanto, selecionando-se os seis fatores com autovalor mais alto, surgiram os que corresponderiam às seis subescalas com relevância teórica (desmotivação, regulação externa, regulação introjetada, regulação identificada, regulação integrada e motivação intrínseca), explicando no conjunto 53,36 % da variância. A Fig. 1 representa os autovalores e os componentes principais (scree test), representando cada inclinação da reta o ponto de rotação de cada fator encontrado. 6,5 Mapa de valores próprios Valor 6,0 5,5 5,0 4,5 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 0,5 0,0 Número de valores próprios Figura 1. Valores próprios e componentes principais Na presente análise, para que um item do questionário pudesse carregar num fator, estabeleceuse como critério o valor de corte de 0,30. De acordo com Kline (1994), este é um valor aceitável, dado que explicaria pelo menos 9% da variância total. Na Tabela 3, pode-se visualizar mais nitidamente a locação de cada item nos respectivos fatores. Observando-se o conteúdo dos itens que se agruparam em torno de cada um dos seis fatores, podemos considerar, preliminarmente, que o 1 corresponde à avaliação da Desmotivação, o 2 à Regulação Introjetada, o 3 à Motivação Intrínseca, o 4 à regulação externa. Nos es 5 e 6 carregaram itens que foram elaborados para avaliar a regulação externa, regulação integrada e identificada, com carga fatorial alta. Além disso, o item 25

9 1767 não apresentou carga fatorial aceitável em relação aos fatores encontrados. Os índices de consistência interna de cada fator são considerados aceitáveis e podem ser superiores com o aumento do número de participantes, como também podem ser alteradas as inconsistências da medida encontradas até aqui. Caso a análise de uma matriz consideravelmente maior não modifique o padrão aqui descrito, serão tomadas decisões no sentido de exclusão de itens ou mesmo de subescalas, com o intuito de oferecer uma escala de avaliação viável para utilização em pesquisas brasileiras. Tabela 3. Locação dos itens com saturação > 0,30 em cada um dos seis fatores e os índices de consistência interna (alfa de Cronbach). Item 1. Sinceramente, eu não sei por que venho à universidade 1 α=0,78 0,42 2 α=0,76 3 α=0,77 4 α=0,68 5 α=0,69 6 α=0,61 7. Eu realmente sinto que estou perdendo meu tempo na universidade. 0,63 9. Eu já tive boas razões para vir à universidade, mas, agora, tenho dúvidas sobre continuar 0, Eu não vejo por que devo vir à universidade 0,77 16 Eu não sei, eu não entendo o que estou fazendo na universidade 0,82 19 Eu não vejo que diferença faz vir à universidade 5. Venho à universidade para provar a mim mesmo que sou capaz de completar meu curso 0,72 8. Venho porque é isso que esperam de mim 10. Para mostrar a mim mesmo que sou uma pessoa inteligente 14. Venho à universidade para conseguir o diploma 0,51 15 Venho à universidade porque quando eu sou bem sucedido me sinto importante 0,69 20 Porque quero mostrar a mim mesmo que posso ser bem sucedido nos meus estudos 0,66 23 Quero evitar que as pessoas me vejam como um aluno relapso 0,47 4. Pelo prazer que tenho quando me envolvo em debates com professores interessantes 0,56 17 Porque para mim a universidade é um prazer 18 Porque o acesso ao conhecimento se dá na universidade 21 Porque gosto muito de vir à universidade 0,76 26 Porque estudar amplia os horizontes 0,52 27 Venho à universidade porque é isso que escolhi para mim 0,71 28 Pelo investimento material que faço para poder estudar 29 Venho à universidade porque enquanto estiver estudando não preciso 0,72 0,70 0,62 0,74 0,73 0,42 0,43

10 1768 trabalhar 30 Ver meus amigos é o principal motivo pelo qual venho à universidade 0,71 31 Venho à universidade porque meus pais me obrigam 0,40 6. Venho à universidade para não ficar em casa 0,42 2. Venho à universidade porque acho que a freqüência deve ser obrigatória 3. Venho à universidade para não receber faltas 11. Venho à universidade porque a presença é obrigatória 12. Porque a educação é um privilégio 22 Por que acho que a cobrança de presença é necessária para que os alunos levem o curso a sério 0,69 24 Venho à universidade porque a freqüência nas aulas é necessária para a aprendizagem 0,73 0,69 0,80 0,77 0,47 25 Caso a freqüência não fosse obrigatória poucos alunos assistiriam às aulas 0,28 0,21-0,12 0,25 0,29 0,24 Considerações Finais Para a continuidade da pesquisa, além da aplicação do questionário para uma amostra total de 500 estudantes universitários, estão previstas análises correlacionais, procurando confirmar o continuum de autodeterminação proposto teoricamente; Análise ial Confirmatória para testar o ajuste dos dados observados ao modelo hipotético (o continuum de seis fatores); análise de consistência interna das subescalas, mediante o Alfa de Cronbach e a estabilidade temporal, obtida com os resultados de uma nova aplicação em uma subamaostra de participantes identificados, em um intervalo de dois meses. O interesse pelo tema motivação e aprendizagem escolar não tem sido observado em pesquisas brasileiras e poucos são os estudos que focalizam aspectos metodológicos, envolvendo instrumentos de medida. Por isso, buscar alternativas para o desenvolvimento de investigações nesse campo, em nosso meio, é uma tarefa importante. Nesse sentido, a tradução, adaptação e sobretudo a validação de instrumentos já consolidados por pesquisas em outros países representa um dos caminhos a serem trilhados para o desenvolvimento da área. Em última instância, a elaboração de novos instrumentos favorecerá um conhecimento mais acurado de nossa realidade educacional, apontando novas alternativas para a melhoria no ensino nos diferentes níveis.

11 1769 Referências Cokley, K. O. Examining the validity of the academic motivation scale by comparing scale construction to self-determination theory. Psychological Reports, 86, , CRONBACH, L. J. Fundamentos da testagem psicológica. Porto Alegre: Artes Médicas, 5ed.,1996. decharms, R. Motivation enhancement in educational settings. In: AMES, C., AMES, R. (eds.) Research on Motivation in Education, Student Motivation. New York: Academic Press, v.1, p , Deci, E. L., & Ryan, R. M. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press. Fairchild, A. J.; Horst, S. J.; Finney, S. J.; Barron, K. Evaluating existing and new validity evidence for the Academic Motivation Scale. Contemporary Educational Psychology, v. 30, pp , Guay, F., Mageau, G. A., & Vallerand, R. J. On the hierarchical structure of self-determined motivation: A test of top-down, bottom-up, reciprocal, and horizontal evects. Personality and Social Psychology Bulletin, 29, , Levesque, c.; Stanek, L. R.; Zuehlke, A. N. & Ryan, R. M. (2004) Autonomy and Competence in German and American University Students: A Comparative Study Based on Self-Determination Theory. Journal of Educational Psychology, 96, 1, Mullan, E., Markland, D., & Ingledew, D. K. A graded conceptualisation of self-determination in the regulation of exercise behaviour: Development of a measure using confirmatory factor analytic procedures. Personality and Individual Diferences, 23, , Rogers, C. R. (1961) Tornar-se Pessoa. São Paulo, Martins Fontes.

12 1770 Reeve, J.; Deci, E. L.; Ryan, R. M. (2004) Self-Determination Theory. A dialectical framework for understand sociocultural influences on student motivation. In: D. M. McInerney & S. Van Etten (Eds.) Big Theories Revisited.Connecticut: Age Publishing. Reeve, J.; Jang, H.(2006) What Teachers Say and Do to Support Students Autonomy During a Learning Activity. Journal of Educational Psychology, 98, 1, Sobral, D. T. Motivação do Aprendiz de Medicina: Uso da Escala de Motivação Acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 19, n.1, pp.25-31, Vallerand, R. J., Pelletier, L. G., Blais, M. R., Brière, N. M., Senécal, C., & Vallières, E. F. The academic motivation scale: A measure of intrinsic, extrinsic, and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement, 52, , 1992.

Proposta de um questionário e de um roteiro para estudos sobre indícios de motivação intrínseca em atividades de divulgação científica

Proposta de um questionário e de um roteiro para estudos sobre indícios de motivação intrínseca em atividades de divulgação científica INSTITUTO DE FÍSICA - UFMS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS Produto Educacional gerado a partir da dissertação de mestrado: Um estudo exploratório

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL: ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO

A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL: ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL: ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO Resumo GUIMARÃES *, Sueli Édi Rufini, - UEL sueli_rufini@hotmail.com A motivação tem sido considerada um determinante

Leia mais

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico A motivação de alunos do ensino fundamental

CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico A motivação de alunos do ensino fundamental CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico A motivação de alunos do ensino fundamental Sueli Édi Rufini Guimarães 1 Caracterização do Problema A motivação no contexto escolar é um determinante

Leia mais

Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários

Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários Artigo Científico Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários Psychometric properties of an instrument for assessing the motivation of university Resumo Sueli

Leia mais

ADAPTAÇÃO DE TRÊS QUESTIONÁRIOS PARA A POPULAÇÃO PORTUGUESA BASEADOS NA TEORIA DE AUTO-DETERMINAÇÃO. Sónia Mestre, José Pais Ribeiro

ADAPTAÇÃO DE TRÊS QUESTIONÁRIOS PARA A POPULAÇÃO PORTUGUESA BASEADOS NA TEORIA DE AUTO-DETERMINAÇÃO. Sónia Mestre, José Pais Ribeiro Referência Mestre, S., & Pais Ribeiro, J. (2008). Adaptação de três questionários para a população portuguesa baseados na teoria de auto-determinação. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro, I. Silva & S.Marques (Edts.).

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO GUIMARÃES, GT:

ESTUDO EXPLORATÓRIO GUIMARÃES, GT: O ESTILO MOTIVACIONAL DE PROFESSORES: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO GUIMARÃES, Sueli Édi Rufini UEL GT: Psicologia da Educação / n.20 Agência Financiadora: Fundação Araucária Um dos grandes desafios atuais enfrentados

Leia mais

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER?

DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? DESENCANTAMENTO DE ALUNOS: O QUE FAZER? Rita de Cássia de Souza Soares 1 Arno Bayer 2 Resumo O presente texto versa sobre questões motivacionais e o trabalho de sala de aula. O enfoque dado diz respeito

Leia mais

Tipos de motivação para a licenciatura em educação musical de estudantes brasileiros e portugueses

Tipos de motivação para a licenciatura em educação musical de estudantes brasileiros e portugueses Tipos de motivação para a licenciatura em educação musical de estudantes brasileiros e portugueses TYPES OF MOTIVATION FOR THE DEGREE IN MUSIC EDUCATION OF BRAZILIAN AND PORTUGUESE STUDENTS TAIS DANTAS

Leia mais

Este estudo tem por objetivo geral identificar semelhanças e diferenças

Este estudo tem por objetivo geral identificar semelhanças e diferenças MOTIVAÇÃO DISCENTE NO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ALUNOS DA MODALIDADE PRESENCIAL E ALUNOS DA MODALIDADE A DISTÂNCIA STUDENT MOTIVATION IN ACCOUNTING COURSES:

Leia mais

Uma reflexão sobre a motivação e suas contribuições para a aprendizagem musical e a formação em música

Uma reflexão sobre a motivação e suas contribuições para a aprendizagem musical e a formação em música Uma reflexão sobre a motivação e suas contribuições para a aprendizagem musical e a formação em música Flávia Maiara Lima Fagundes Programa de Pós Graduação em Música PPGMUS/UFRN flavia_moscou@hotmail.com

Leia mais

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO

USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO USO DE ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM E SUAS RELAÇÕES COM AS METAS DE REALIZAÇÃO Souza, Isabel Cristina de Universidade Estadual de Londrina Guimarães, Sueli Édi 1 Universidade Estadual de Londrina 1 jsgj@uel.br

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

Motivação Intrínseca em atividades de composição em sala de aula

Motivação Intrínseca em atividades de composição em sala de aula Motivação Intrínseca em atividades de composição em sala de aula Jeasir Rego UDESC jeasir.udesc@gmail.com Rafael Dias de Oliveira UDESC profrafa@gmail.com Resumo: Neste ensaio discutimos a motivação intrínseca

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES.

COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. COMPARAÇÃO ENTRE O ENSINO REGULAR E O ESPECIALIZADO PARA OS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO MUNICÍPIO DE ALEGRE-ES. Iasmini Nicoli Galter 1, Mayla Gava ¹, Henrique Tabelini ¹, Elias Terra Werner².

Leia mais

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.

O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail. O PAPEL DA MOTIVAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZADO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Bárbara Andrade de Sousa (UFJF) barbaraandrade.letras@gmail.com 1. Introdução Podemos considerar inegável que um dos fatores atuantes

Leia mais

AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES

AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES Mini Curso 03 AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES Guerreiro-Casanova, Daniela Couto UNICAMP 1 Azzi, Roberta Gurgel UNICAMP Este estudo descritivo e quantitativo teve como objetivo analisar

Leia mais

Aprender a Distância na Previdência

Aprender a Distância na Previdência Relatório de Encerramento Aprender a Distância na Previdência (ADP-001-09) Brasília, 05 de março de 2009. 1 1. Identificação: Curso: Aprender a distância na Previdência Descrição do curso: Módulo introdutório

Leia mais

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO PLAY CHESS AS EDUCATIONAL RESOURCE FOR SCHOOL LEARNING OF 6 YEAR STUDENTS Letícia Alessandra Cavalcante-Graduanda

Leia mais

I N T E R P R E T A H O G A N D E S E N V O L V E R INVENTÁRIO HOGAN DE PERSONALIDADE. Relatório para: Fulano Tal ID: HB666327. Data: 14, Março, 2013

I N T E R P R E T A H O G A N D E S E N V O L V E R INVENTÁRIO HOGAN DE PERSONALIDADE. Relatório para: Fulano Tal ID: HB666327. Data: 14, Março, 2013 S E L E C I O N A R D E S E N V O L V E R L I D E R A R H O G A N D E S E N V O L V E R I N T E R P R E T A INVENTÁRIO HOGAN DE PERSONALIDADE Relatório para: Fulano Tal ID: HB666327 Data: 14, Março, 2013

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Propriedades psicométricas de uma medida de avaliação da motivação intrínseca e extrínseca: um estudo exploratório

Propriedades psicométricas de uma medida de avaliação da motivação intrínseca e extrínseca: um estudo exploratório 1 Propriedades psicométricas de uma medida de avaliação da motivação intrínseca e extrínseca: um estudo exploratório Sueli Édi Rufini Guimarães 1 José Aloyseo Bzuneck Resumo O estudo teve por objetivo

Leia mais

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 1. Introdução... 3 1.1. Orientações Gerais... 3 2. Principais Objetivos... 4 3. Direcionadores Estratégicos... 4 4. Ações realizadas...

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL Nanci Cunha Vilela Rost ; Amanda Carvalho ; Edimara Soares Gonçalves ; Juliane Rocha de Moraes BILAC, Faculdade de pedagogia Bilac, graduação em Pedagogia, nancirost@hotmail.com

Leia mais

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS

RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS RAZÕES QUE DESMOTIVAM E MOTIVAM NA APRENDIZAGEM EM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE PELOTAS Roberta A. dos Santos 1* (IC), Karen.L. Cruz 1 (IC) Verno Krüger 2 (PQ) beta x@hotmail.com 1-

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Ciência da Informação/Londrina, PR.

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Ciência da Informação/Londrina, PR. 1 A RELAÇÃO ENTRE A COMPETÊNCIA INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes Thomaz 1 ; Linete Bartalo 2 (Orientadora), e-mail: linete@uel.br. Universidade Estadual de Londrina/Departamento

Leia mais

Aletheia ISSN: 1413-0394 mscarlotto@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil Brasil

Aletheia ISSN: 1413-0394 mscarlotto@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil Brasil Aletheia ISSN: 1413-0394 mscarlotto@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil Brasil Angeli dos Santos, Acácia Aparecida; Ferrreira Mognon, Jocemara; Rosecler Alcará, Adriana; Hulsen Lemos, Thalyta Motivação

Leia mais

Psicologia: Reflexão e Crítica ISSN: 0102-7972 prcrev@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil

Psicologia: Reflexão e Crítica ISSN: 0102-7972 prcrev@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Psicologia: Reflexão e Crítica ISSN: 0102-7972 prcrev@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Guimarães Rufini, Sueli Édi; Boruchovitch, Evely O Estilo Motivacional do Professor e a Motivação

Leia mais

Uma perspectiva autodeterminada da motivação para aprender língua estrangeira no contexto escolar

Uma perspectiva autodeterminada da motivação para aprender língua estrangeira no contexto escolar Revisão Uma perspectiva autodeterminada da motivação para aprender língua estrangeira no contexto escolar A self-determined perspective of the motivation for foreign language learning in the school context

Leia mais

O impacto das emoções na nossa vida GET-PE

O impacto das emoções na nossa vida GET-PE O impacto das emoções na nossa vida financeira e em nossos investimentos. financeira e em nossos investimentos. GET-PE GET-PE Grupo de Estudo e Trabalho em Psicologia Econômica www.getpe.com.br BEM-VINDOS!

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA Talles Henrique LIMA; Neuda Alves do LAGO CAJ/UFG tallesh7@hotmail.com, neudalago@hotmail.com Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA POSSIBILIDADE DE ACESSO A EDUCAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ATRAVÉS DO PROGRAMA MULHERES MIL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Albertina Marília Alves Guedes¹ Elisa Angélica Alves Guedes² Maria Nizete de Menezes Gomes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO ACADÊMICA DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO ACADÊMICA DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DE SÃO PAULO AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO ACADÊMICA DE UNIVERSITÁRIOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO DE UMA UNIVERSIDADE PRIVADA DE SÃO PAULO Bianca Camila Bravo 1 Daniela Maria Alves Chaud 2 Edeli Simioni de Abreu Resumo Objetivo:

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo.

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo. 9 Conclusão Neste estudo, eu me propus a investigar os efeitos de práticas de Língua Portuguesa no aprendizado de leitura e como esses efeitos se diferenciam conforme o ano de escolaridade dos alunos e

Leia mais

COMPETÊNCIAS DE ESTUDO E MOTIVAÇÃO PARA A UNIVERSIDADE

COMPETÊNCIAS DE ESTUDO E MOTIVAÇÃO PARA A UNIVERSIDADE COMPETÊNCIAS DE ESTUDO E MOTIVAÇÃO PARA A UNIVERSIDADE Eli A. R. Prates UNASP Centro Universitário Adventista de São Paulo, Brasil M. Cristina R. A. Joly Universidade São Francisco SP, Brasil Anelise S.

Leia mais

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR

Concurso: Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Concurso: SENADO FEDERAL ADMINISTRADOR Recursos Humanos Aula 03 LEONARDO FERREIRA Conteúdo Programático! Recursos Humanos Senado Federal! Recrutamento e Seleção. Avaliação Desempenho. Treinamento e Desenvolvimento.

Leia mais

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP)

O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP) 1 O CURSO DE GESTÃO PÚBLICA DA UFSCar SOB O OLHAR DOS ALUNOS DA TURMA 2013 DO POLO DE FRANCA (SP) São Carlos - SP - maio/2015 Daniela Salgado Gonçalves da Silva - UFSCar - danisalgadoead@gmail.com Glauco

Leia mais

A Qualidade da Motivação em Estudantes do Ensino Fundamental 1. The Quality of Motivation Among Elementary School Students

A Qualidade da Motivação em Estudantes do Ensino Fundamental 1. The Quality of Motivation Among Elementary School Students Paidéia jan.-abr. 2012, Vol. 22, No. 51, 53-62 A Qualidade da Motivação em Estudantes do Ensino Fundamental 1 Sueli Édi Rufini 2 José Aloyseo Bzuneck Katya Luciane de Oliveira Universidade Estadual de

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 1 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 100-TC-B5 05/2005 Daniela Karine Ramos Ilog Tecnologia, dadaniela@gmail.com B - Conteúdos

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Impacto_ Aproximar o ambiente escolar do desenvolvimento de habilidades socioemocionais cria espaço para um aprendizado mais completo e tem impacto no bem-estar ao longo de toda a vida. Isso porque, segundo

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Questionário do Professor

Questionário do Professor [cole aqui a etiqueta de identificação] (105 x 35 mm) Pesquisa Internacional da OCDE sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS) Questionário do Professor Versão Pesquisa (MS-12-01) [Português, Brasil] Coordenação

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO.

NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. NOÇÕES DE CORPO E MOVIMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES NO TRABALHO DO ESPETÁCULO CIDADE EM PLANO. Luciana Lara 1 RESUMO: Este estudo pretende refletir sobre algumas implicações das noções de corpo e movimento

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Natal- RN- Maio de 2015 Thais Paulo Teixeira Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - thais.paulo@hotmail.com Nathalia

Leia mais

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS MERCER 360 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Ponto de Vista da Mercer A avaliação 360 é um elemento vital para o desenvolvimento da liderança e planejamento de talentos Identifica pontos fortes e áreas de desenvolvimento

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

Motivação na Educação: Uma Ferramenta a ser Compartilhada por Alunos, Professores e Gestores Educacionais

Motivação na Educação: Uma Ferramenta a ser Compartilhada por Alunos, Professores e Gestores Educacionais Motivação na Educação: Uma Ferramenta a ser Compartilhada por Alunos, Professores e Gestores Resumo O estudo trata de uma pesquisa bibliográfica baseado na Teoria da Autodeterminação, aliada a uma pesquisa

Leia mais

ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Londrina 2012 ANGELITA DE SOUZA MOTIVAÇÃO DOCENTE: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao departamento

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001) 1. O sr. considera as provas e exames instrumentos

Leia mais

Uma cura para a síndrome de Down: o que os pais querem?

Uma cura para a síndrome de Down: o que os pais querem? Uma cura para a síndrome de Down: o que os pais querem? Catriona Hippman, MSc, Conselheira Genética Certificada Professora Clínica Assistente, Universidade British Columbia,Department o de Psiquiatria,

Leia mais

#CRIESEUCAMINHO AULA 1 - EXERCÍCIOS DE REFLEXÃO MEDO DE MUDAR VONTADE DE MUDAR

#CRIESEUCAMINHO AULA 1 - EXERCÍCIOS DE REFLEXÃO MEDO DE MUDAR VONTADE DE MUDAR CRIE SEU CAMINHO AULA 1 - EXERCÍCIOS DE REFLEXÃO Na primeira aula do curso introdutório do Programa Crie seu Caminho, você pôde compreender a origem da dor que se manifesta em todas as pessoas que desejam

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira

Dissertação de Mestrado. A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho de Santa Maria da Feira UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Mestrado em Ensino da Educação Física no Ensino Básico e Secundário Dissertação de Mestrado A Motivação para as Aulas de Educação Física no3º ciclo do Concelho

Leia mais

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs

SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs SENTIDOS SUBJETIVOS DE ESTUDANTES DE BIOLOGIA A PARTIR DO USO DAS TICs Iris Maria de Moura Possas (Universidade Federal do Pará Instituto de Educação em Ciências e Matemática e Escola de Ensino Fundamental

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

MOTIVAÇÃO DOS ESTUDANTES EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PARA REALIZAREM MESTRADO

MOTIVAÇÃO DOS ESTUDANTES EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PARA REALIZAREM MESTRADO XXVIENANGRAD MOTIVAÇÃO DOS ESTUDANTES EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PARA REALIZAREM MESTRADO LUIZ FELIPE SILVEIRA E SOUZA JACQUELINE VENEROSO ALVES DA CUNHA EDUARDO MENDES NASCIMENTO SAMUEL DE OLIVEIRA DURSO!

Leia mais

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO

BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO BAILANDO NA TERCEIRA IDADE: RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE A DANÇA EM UMA ASSOCIAÇÃO DE IDOSOS DE GOIÂNIA/GO Palavras-chave: Idoso, práticas corporais, dança, saúde. INTRODUÇÃO Este relato foi fruto de uma

Leia mais

Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula

Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul São Paulo, 17 de junho de 2015. Agenda Introdução

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

Curso de Especialização em Docência para Educação Profissional. A EAD na Educação Profissional

Curso de Especialização em Docência para Educação Profissional. A EAD na Educação Profissional Curso de Especialização em Docência para Educação Profissional A EAD na Educação Profissional Globalização O Cenário Internacional Mudanças socioeconômicas: intensificação dos processos de integração e

Leia mais

PAOLA MORI PIRES DE CAMARGO A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES PARA O APRENDIZADO DE LÍNGUA INGLESA

PAOLA MORI PIRES DE CAMARGO A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES PARA O APRENDIZADO DE LÍNGUA INGLESA PAOLA MORI PIRES DE CAMARGO A MOTIVAÇÃO DE ESTUDANTES PARA O APRENDIZADO DE LÍNGUA INGLESA Londrina 2014 CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO Londrina 2014

Leia mais

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE

PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE PRÁTICAS, EXPERIÊNCIAS, CULTURA ESCOLAR: QUESTÕES QUE ENVOLVEM A PRÁTICA DOCENTE DAMKE, Anderléia Sotoriva - UFMS anderleia.damke@yahoo.com SIMON, Ingrid FADEP ingrid@fadep.br Resumo Eixo Temático: Formação

Leia mais

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO

FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO FORMAÇÃO NO ÂMBITO DO PEFF/A 1ªSESSÃO 28 DE NOVEMBRO - 21 HORAS RECONHECER AS SUAS EMOÇÕES 1-TESTE DE AUTO-AVALIAÇÃO Indique até que ponto cada uma das seguintes afirmações o descreve. Seja franco e 1

Leia mais

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli

Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli Indicadores de resultados de projetos sociais http://www.rits.org.br Leandro Lamas Valarelli O contexto do debate A idéia da construção de indicadores de resultados para projetos vem ganhado força entre

Leia mais

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS VIEIRA, Débora Cristina de Oliveira PUCPR mmdvieira@hotmail.com MARTINS, Pura Lúcia Oliver - PUCPR Pura.oliver@pucpr.br Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA

ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA Maria Antônia Tavares de Oliveira Endo mariantonia@cead.ufop.br Curso de Geografia 1900 Paulo

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Rita de Cássia Mendonça Psicóloga TRT 21ª Região Natal/RN A memória vincula-se às experiências e não a meros acontecimentos, tomando experiências

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br

P-06. Revendo o Treinamento Comportamental. Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br P-06 Revendo o Treinamento Comportamental Bernardo Leite - bernardo@rhestrategia.com.br www.bernardoleite.com.br Proposta Refletir e analisar a metodologia de treinamentos comportamentais. O que acontece

Leia mais

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2

FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 FEEDBACK 1 João Batista Silvério 2 Feedback é um termo da língua inglesa sem um significado preciso em português, usualmente traduzido como realimentação. Inicialmente empregado no campo da mecânica, com

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA

TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL. (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) IRA TESTE DE CONSCIÊNCIA EMOCIONAL (Adaptado de Jonh Gottman e Joan DeClaire, em A Inteligência Emocional na Educação) O seguinte teste foi concebido para o ajudar a encarar a sua própria vida emocional, o

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM

MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM MÉTODOS E TÉCNICAS DE AUTOAPRENDIZAGEM Maiêutica - Cursos de Gestão Claudete Teixeira Fernandes 1 Sirlésia Vigarani Scalco 2 Rodrigo Borsatto Sommer da Silva 3 RESUMO A partir da consideração de que existem

Leia mais

O cidadão e o bem-estar financeiro. Gabriel Garber e Sérgio Mikio Koyama Departamento e Estudos e Pesquisas Banco Central do Brasil

O cidadão e o bem-estar financeiro. Gabriel Garber e Sérgio Mikio Koyama Departamento e Estudos e Pesquisas Banco Central do Brasil O cidadão e o bem-estar financeiro Gabriel Garber e Sérgio Mikio Koyama Departamento e Estudos e Pesquisas Banco Central do Brasil Contextualização 63 questões fechadas 8 perfil 13 conhecimento 22 de atitude

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil.

Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. 6. Humanização, diálogo e amorosidade. Reflexões sobre a prática docente na Educação Infantil. Santos, Marisa Alff dos 1 Resumo O presente trabalho tem como objetivo refletir sobre as práticas docentes

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Documentação da Pesquisa de Satisfação Sistemas de TI 2010

Documentação da Pesquisa de Satisfação Sistemas de TI 2010 Assunto : Análise quantitativa referente à Pesquisa de Satisfação com os Sistemas de Tecnologia da Informação - TRT10-2010. 1. Introdução 1.1. O objetivo deste trabalho é documentar a análise quantitativa

Leia mais

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957.

Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é José Guilherme Monteiro Paixão. Nasci em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, em 24 de agosto de 1957. FORMAÇÃO

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

Título: Mihaly Csikszentmihalyi: Estado de Flow (Fluxo) como elemento de realização e alta performance (Texto 2/ Parte 2) Assunto: Teoria de Fluxo

Título: Mihaly Csikszentmihalyi: Estado de Flow (Fluxo) como elemento de realização e alta performance (Texto 2/ Parte 2) Assunto: Teoria de Fluxo Título: Mihaly Csikszentmihalyi: Estado de Flow (Fluxo) como elemento de realização e alta performance (Texto 2/ Parte 2) Assunto: Teoria de Fluxo Autor: Seiiti Arata Jr. 23 ... Como o estado de flow é

Leia mais

GRUPO OPERATIVO COM CRIANÇAS NO CONTEXTO ESCOLAR: REFLEXÕES ACERCA DESSE ESPAÇO LÚDICO E TERAPÊUTICO

GRUPO OPERATIVO COM CRIANÇAS NO CONTEXTO ESCOLAR: REFLEXÕES ACERCA DESSE ESPAÇO LÚDICO E TERAPÊUTICO GRUPO OPERATIVO COM CRIANÇAS NO CONTEXTO ESCOLAR: REFLEXÕES ACERCA DESSE ESPAÇO LÚDICO E TERAPÊUTICO CEZAR, Pâmela Kurtz; MELLO, Lauren Machado. Revisão Bibliográfica Curso de Pós Graduação: Especialização

Leia mais

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL

RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL RE-ENCONTRANDO COM O ENSINO DA ARTE EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO ENSINO FUNDAMENTAL Joelma Cellin Escola Estadual de Ensino Fundamental Eliseu Lofego, Cachoeiro de Itapemirim-ES 1 INTRODUÇÃO Após um período

Leia mais

Os Sete Centros de Energia Guia de Debate 4. TERCEIRO CENTRO DE ENERGIA: PLEXO SOLAR Páginas 60-87

Os Sete Centros de Energia Guia de Debate 4. TERCEIRO CENTRO DE ENERGIA: PLEXO SOLAR Páginas 60-87 TERCEIRO CENTRO DE ENERGIA: PLEXO SOLAR Páginas 60-87 Compartilhar: Tudo bem com vocês? Alguém teve alguma idéia ou inspiração que queira nos contar? 1. O chakra do plexo solar (pp. 60-62) De onde este

Leia mais

www.poderdocoachingemgrupos.com.br

www.poderdocoachingemgrupos.com.br Pesquisa de Mercado A condução de pesquisas de mercado é uma das atividades mais eficazes e importantes que você pode fazer quando você estiver projetando seu coaching em grupo. Você vai se surpreender

Leia mais