UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC XANXERÊ CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC XANXERÊ CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC XANXERÊ CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Subprojeto: Educação Física Atividade Física na Promoção de um Estilo de Vida Ativo Objetivo: - Oportunizar aos acadêmicos a vivência no processo pedagógico para favorecer o desenvolvimento e amadurecimento pessoal do estudante-professor, a sensibilização para as atividades profissionais da área e o encantamento com a profissão docente. - Promover junto a comunidade escolar (alunos, professores, pais e gestores), conhecimento sobre as boas práticas de atividade física e saúde, estimulando crianças e jovens à prática da atividade física no desenvolvimento de habilidades, atitudes e hábitos que podem levar a torná-los ativos fisicamente. A partir das atividades propostas, pretende-se intervir na promoção da saúde e qualidade de vida dos escolares através da orientação de atividades físicas nas aulas de Educação Física e no contraturno escolar, bem como, promover encontros temáticos de conscientização dos estudantes sobre boas práticas de atividade física e saúde na melhora da qualidade de vida. Com isso, possibilitará analisar as características dos programas de Educação Física Escolar oferecidos pela rede estadual de ensino fundamental do município de Xanxerê (SC), de modo a determinar o nível de atividade física dos escolares, investigar os comportamentos de risco dos escolares, mediante levantamento de informações sobre práticas alimentares e nível de intensidade dos esforços físicos a que são submetidos os escolares. Desenvolvimento: 1ª fase: - Avaliação da aptidão física dos escolares (aplicação dos testes) Objetivo: Determinar o perfil de aptidão física e classificação em relação à saúde Atividades: Avaliar os escolares e determinar o perfil de aptidão física e classificação em relação à saúde. Avaliação a partir dos seguintes testes: Avaliação da composição corporal (Teste de IMC); Avaliação da capacidade aeróbica (Teste de vai-e-vém de Course Navette) e Avaliação de habilidades motoras (Teste de resistência muscular localizada: abdominal durante 1 minuto; Teste de flexibilidade: sentar e alcançar; Teste de impulsão horizontal; salto horizontal; Teste de agilidade: Shuttle Run; Teste de capacidade anaeróbica total: teste de 40 segundos). Maiores informações em Intervenção: Propor, estimular e conscientizar nas aulas de Educação Física e/ou contraturno (através de encontros temáticos), orientações de atividades físicas (jogo, esporte, ginástica, dança, lutas...) sobre a importância de um estilo de vida ativo na promoção da saúde.

2 2ª fase: - Investigar os hábitos de vida diário e alimentares dos escolares (aplicação dos questionários) Objetivo: Verificar a associação da obesidade e das doenças cardiovasculares (hipertensão arterial, aterosclerose coronária, doença cerebrovascular) com os hábitos diários e práticas alimentares. Atividades: Aplicação aos escolares dos questionários para identificação dos hábitos de vida e alimentares. Serão aplicados os seguintes questionários. Intervenção: Após a identificação dos hábitos de vida e alimentares, a intervenção irá ocorrer a partir de atividades, como palestras, seminários e aulas propriamente ditas, que promovam o conhecimento de práticas alimentares saudáveis e um estilo de vida ativo. Nesta fase, num segundo momento, será investigado os hábitos de vida diário e alimentares dos familiares/pais. Assim, atividades como palestras e eventos serão desenvolvidas com a comunidade escolar (alunos, pais, professores, dirigentes escolares, funcionários, entre outros). 3ª fase: - Observação, planejamento e intervenção nas aulas de EF Objetivo: Analisar as características e contribuições dos programas de EF escolar na melhora da aptidão física dos escolares com o propósito de estabelecer relações com os objetivos educacionais voltados à atividade física como meio de promoção da saúde. Atividades: Serão realizadas observações das aulas de EF para analisar os tipos das atividades empregadas e o nível de intensidade dos esforços físicos a que são submetidos os escolares. Após identificar as características dos programas de EF escolar, serão desenvolvidas ações que auxiliem na seleção e organização de atividades e tarefas eficazes, ou seja, que promovam experiências motoras satisfatórias para um melhor estado de saúde e levem os escolares a assumirem atitudes positivas em relação à prática de atividades físicas para que se tornem ativos fisicamente, não apenas na infância e na adolescência, mas também na idade adulta. Intervenção: Após analise das características e contribuições dos programas de EF escolar na promoção da saúde, promover nas aulas de Educação Física e/ou no contraturno escolar (através de encontros temáticos), atividades físicas (jogo, esporte, ginástica, dança, lutas...) que contribuam efetivamente com a melhora da aptidão física dos escolares. Cada fase descrita obedece a um ciclo anual, assim, ao início de cada ano letivo repetem-se as fases (primeiro momento de diagnóstico e o segundo de intervenção) com o propósito de melhorar as ações de promoção da saúde nas aulas de EF escolar. Pretende-se através das fases e ações propostas, oportunizar observação dirigidas ao espaço de aprendizagem e de inserção profissional da escola e, também, das relações no interior da sala de aula e dos respectivos saberes necessários ao exercício da docência em Educação Física, em todos os níveis da Educação Básica.

3 Cronograma das Atividades Período Atividades Responsável Mar Capacitação dos bolsistas Mar/Abr 1ª fase: - Avaliação da aptidão física dos escolares (aplicação dos testes) Objetivo: Determinar o perfil de aptidão física e classificação em relação à saúde Atividades: Avaliar os escolares para determinar o perfil de aptidão física e classificação em relação à saúde. Abr Tabulação dos dados/informações Bolsistas Abr Mai Jun Planejamento das ações de intervenção (preparação das aulas/atividades/eventos) Intervenção: Propor, estimular e conscientizar nas aulas de Educação Física e/ou contraturno (através de encontros temáticos), orientações de atividades físicas (jogo, esporte, ginástica, dança, lutas...) sobre a importância de um estilo de vida ativo na promoção da saúde. Relatório Parcial (entrega para coordenação) 2ª fase: - Investigar os hábitos de vida diário e alimentares dos escolares (aplicação dos questionários) Objetivo: Verificar a associação da obesidade e das doenças cardiovasculares (hipertensão arterial, aterosclerose coronária, doença cerebrovascular) com os hábitos diários e práticas alimentares. Atividades: Identificar os hábitos de vida diário e alimentares dos escolares e familiares (aplicação dos questionários) Coordenação Jun/Jul Tabulação dos dados/informações Bolsistas Ago Ago/Set Set Planejamento das ações de intervenção (preparação das aulas/atividades/eventos) Intervenção: Após a identificação dos hábitos de vida e alimentares, a intervenção irá ocorrer a partir de atividades, como palestras, seminários e aulas propriamente ditas, que promovam o conhecimento de práticas alimentares saudáveis e um estilo de vida ativo. Relatório Parcial (entrega para coordenação) 3ª fase: - Observação, planejamento e intervenção nas aulas de EF Objetivo: Analisar as características e contribuições dos programas de EF escolar na melhora da aptidão física dos escolares. Atividades: Serão realizadas observações das aulas de EF para analisar os tipos das atividades empregadas, bem como avaliar o nível de intensidade dos esforços físicos a que são submetidos os escolares, para posteriormente, estabelecer relações com os objetivos educacionais voltados à atividade física como meio de promoção da saúde. Tabulação dos dados/informações Coordenação Bolsistas

4 Set/Out Out/Nov Nov Planejamento das ações de intervenção (preparação das aulas/atividades/eventos) Intervenção: Após analise das características e contribuições dos programas de EF escolar na promoção da saúde, promover nas aulas de Educação Física e/ou no contraturno escolar (através de encontros temáticos), atividades físicas (jogo, esporte, ginástica, dança, lutas...) que contribuam efetivamente com a melhora da aptidão física dos escolares. Reunião de Avaliação Dez Elaboração do Relatório Final de 2014 Coordenação Coordenação Outras Atividades: - Maio/Junho: Oficina de Capacitação (Coord.,, prof. Convidado - Xanxerê) - Dias 21 e 22 de Julho: Seminário Estadual do Pibid (Itajaí-SC) - Maio/Junho e Setembro/Outubro: Períodos destinados a eventos nas escolas - Outubro/Novembro: Seminário Interno do Pibid/Unoesc (Xanxerê-SC)

5 1ª fase: - Avaliação da aptidão física dos escolares (aplicação dos testes) Objetivo: Determinar o perfil de aptidão física e classificação em relação à saúde Aplicação dos testes: - Avaliação da composição corporal (Teste de IMC); - Avaliação da capacidade aeróbica (Teste de vai-e-vém de Course Navette) e - Avaliação de habilidades motoras (Teste de resistência muscular localizada: abdominal durante 1 minuto; Teste de flexibilidade: sentar e alcançar; Teste de impulsão horizontal; salto horizontal; Teste de agilidade: Shuttle Run; Teste de capacidade anaeróbica total: teste de 40 segundos). Maiores informações em 2ª fase: - Investigar os hábitos de vida diário e alimentares dos escolares (aplicação dos questionários) Atividades: Aplicação aos escolares dos questionários para identificação dos hábitos de vida e alimentares. Aplicação dos questionários: 3ª fase: - Observação, planejamento e intervenção nas aulas de EF Objetivo: Analisar as características e contribuições dos programas de EF escolar na melhora da aptidão física dos escolares com o propósito de estabelecer relações com os objetivos educacionais voltados à atividade física como meio de promoção da saúde. Observação e Planejamento das Aulas: Atividades: Serão realizadas observações das aulas de EF para analisar os tipos das atividades empregadas e o nível de intensidade dos esforços físicos a que são submetidos os escolares. Após identificar as características dos programas de EF escolar, serão desenvolvidas ações que auxiliem na seleção e organização de atividades e tarefas eficazes, ou seja, que promovam experiências motoras satisfatórias para um melhor estado de saúde e levem os escolares a assumirem atitudes positivas em relação à prática de atividades físicas para que se tornem ativos fisicamente, não apenas na infância e na adolescência, mas também na idade adulta.

6 O estado nutricional foi avaliado por meio de medidas antropométricas, com aferição do peso corpóreo e estatura, sendo a razão das duas medidas utilizadas para o cálculo do índice de massa corpórea (IMC). Avaliação de hábitos saudáveis - Para avaliar os hábitos saudáveis dos adolescentes = Questionário de Percepção de Hábitos Saudáveis (QPHAS), de acordo com os procedimentos propostos por Guedes et al., (2002). - Questionário de Percepção de hábitos alimentares o QPHAS - Questionário do IPAQ para avaliar o nível de atividade física. Para a coleta de dados do nível de atividade física, este estudo utilizou o questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ), que foi validado em amostra brasileira por Matsudo et al. em 2001, na versão curta. Para verificar os níveis de atividade física habitual dos docentes universitários da Unoesc Xanxerê, empregou-se o questionário proposto. O questionário foi elaborado por Russel R. Pate University of South Carolina/EUA, adaptado por Nahas (2001). Para a obtenção dos dados será utilizado o Questionário Internacional de Atividade Física- IPAQ versão curta, proposto pela Organização Mundial da Saúde de 1998, validado por Matsudo (2001). O nível atual de atividade física será determinado pelo relato da freqüência (número de vezes por semana); intensidade (vigorosas, moderadas e caminhadas) e duração (minutos por dia) em que as atividades físicas eram realizadas semanalmente. Serão consideradas atividades físicas como forma de lazer, esporte, transporte e atividades da vida diária, onde os alunos serão classificados segundo a atividade física em quatro grupos: - Muito ativo: Que pratica atividades físicas moderadas por pelo menos 5 vezes na semana e no mínimo 30 minutos por dia somando as atividades vigorosas por pelo menos 3 vezes na semana e 20 minutos por dia. - Ativo: Que relatar praticar atividades físicas moderadas por pelo menos 5 vezes por semana e no mínimo 30 minutos por dia ou atividades vigorosas por pelo menos 3 vezes por semana e 20 minutos por dia.

7 - Pouco ativo: Que relatar a realização de alguma atividade física, porem não o suficiente para ser considerado ativo. - Sedentário: Quem não relatar envolvimento com nenhum tipo de atividade física por pelo menos 10 minutos contínuos durante a semana. O nível de atividade física foi determinado através do Questionário Internacional de Nível de Atividade Física (Anexo B). O questionário foi elaborado por Russel R. Pate - University of South Carolina/EUA, adaptado por Nahas (2001). Caracteriza-se por um questionário com perguntas fechadas, sendo seu principal objetivo calcular o nível de atividade física diária (NAF) de cada amostra. As perguntas são simples e objetivas onde as respostas resumem-se em SIM ou NÃO. O segundo questionário trata do Perfil do Estilo de Vida Individual (ANEXO C) é adaptado de Nahas, Barros e Francalacci (2000) e estabelece o Pentáculo do bem- star para traçar o perfil do estilo de vida das pessoas, instrumento este, simples e auto-administrado. As questões incluem cinco aspectos fundamentais do estilo de vida: nutrição; atividade física; comportamento preventivo; relacionamento e controle do estresse que, sabidamente e de consenso, afetam a saúde geral e estão associados ao bem-estar. Cada questão tem três opções de resposta e cada resposta apresenta uma escala que vai de zero (ausência total de tal característica no estilo de vida) até três pontos (completa realização do comportamento considerado). Após a consideração das respostas o avaliado deverá colorir o pentáculo construindo uma representação visual, quanto mais colorida estiver à figura, mais adequado estará o estilo de vida da pessoa.

8 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC XANXERÊ CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Subprojeto: Educação Física QUESTIONÁRIO SOBRE HÁBITOS DE VIDA Dados de Identificação Escola:... Turno de estudo na escola: ( ) manhã ( ) tarde ( ) noite Série:... Turma:... Nome:... Sexo: ( ) masc ( ) fem Data de nascimento:.../.../... Idade:... Cidade:... Estado:... Indicadores sócio-econômicos (critério ABIPEME) 1) Escolaridade pai/mãe 1.1) Qual de seus pais obteve maior grau de escolaridade? ( ) pai ( ) mãe ( ) não estudaram 1.2) Considerando entre os pais o de maior escolaridade, assinale o grau de instrução: ( ) não completou a 5ª série do ensino fundamental (primário incompleto) ( ) completou a 5ª série do ensino fundamental (primário completo) ( ) não completou a 8ª série do ensino fundamental (ginásio incompleto) ( ) completou a 8ª série do ensino fundamental (ginásio completo) ( ) não completou o ensino universitário (3º grau incompleto) ( ) completou o ensino universitário (3º grau completo) 2) Itens de conforto doméstico 2.1) Na sua casa tem...(assinale cada item abaixo): TV a cores (não) (sim) Quantos?... Videocassete (não) (sim) Quantos?... Rádio (não) (sim) Quantos?... Banheiro (não) (sim) Quantos?... Carro (não) (sim) Quantos?... Empregadas mensalistas (não) (sim) Quantos?... Aspirador de pó (não) (sim) Quantos?... Máquina de lavar roupa (não) (sim) Quantos? ) Assinale um dos ítens abaixo: Não possui geladeira ( ) Possui geladeira sem freezer ( ) Possui geladeira duplex ou freezer ( ) 2.3) Escreva o número de peças que há na sua casa/apartamento: a) quarto:... b) sala:... c) cozinha:... d) banheiro:... dentro de casa? ( ) sim ( ) não

9 2.4) Quantas pessoas moram na sua casa/apartamento (incluindo você)?... Indicadores de hábitos de vida 3) Hábitos de sono 3.1) A que horas você costuma acordar de manhã? ( ) antes das 6 horas ( ) entre 6 e 7 horas ( ) entre 7 e 8 horas ( ) entre 8 e 9 horas ( ) depois das 9 horas 3.2) A que horas você costuma dormir? ( ) antes das 21 horas ( ) entre 21 e 22 horas ( ) entre 22 e 23 horas ( ) entre 23 e 24 horas ( ) depois das 24 horas 4) Atividades diárias 4.1) Assinale as atividades que você costuma fazer quando está em casa: muitas vezes poucas vezes nunca Ver TV x x x Jogar vídeo game x x x Leituras de Lazer x x x Escutar música x x x Conversar/brincar com amigos x x x x Ajudar nas tarefas domésticas x x x Cuidar de crianças que moram na mesma casa x x x Estudar x x x 4.2) O que você costuma fazer quando sai de casa? muitas vezes poucas vezes nunca Freqüentar danceteria x x x Conversar/brincar com amigos x x x Passear a pé x x x Passear de carro x x x Andar de bicicleta x x x Andar de patins/roller x x x Andar de skate x x x Jogar bola x x x Outros: x x x Indicadores da cultura esportiva 5) Assinale os materiais de esporte que você tem: ( ) patins/roller ( ) patinete ( ) bicicleta ( ) skate ( ) bola de plástico ( ) bola de vôlei ( ) bola de basquete ( ) bola de futebol ( ) bola de handebol

10 ( ) chuteiras ( ) raquete de tênis ( ) outros: 6) Local mais utilizado para a práticas esportivas de lazer: ( ) pátio de casa ( ) condomínio onde mora ( ) campo ou terreno baldio perto de casa ( ) rua ( ) parque/praça ( ) quadra da escola no turno contrário ao das aulas ( ) clube esportivo ou recreativo ( ) outros: Indicadores de atividades culturais 7) Se você participa de algum grupo, assinale qual: ( ) atividades na escola, no turno contrário ao das aulas. Quais:... ( ) clube ( ) grupo de atividades folclóricas ( ) grupo de teatro ( ) grupo de dança ( ) grupo musical ( ) atividades religiosas (catequese, grupo de jovens) ( ) centro comunitário ( ) outros: Indicadores de prática esportiva sistematizada 8) Caso você, atualmente, esteja praticando algum esporte com orientação de um professor/treinador, responda as perguntas abaixo: Qual o esporte que você pratica?... Por que você escolheu este esporte?... Há quanto tempo?... Onde?... Quantas vezes por semana?... Quantas horas por dia?... 9) Se você, há algum tempo trás, praticou algum esporte com orientação de um professor/treinador, responda: Qual o esporte que você praticava?... Há quanto tempo?... Onde?... Quantas vezes por semana?... Quantas horas por dia?... Por quanto tempo o praticou?... Por que parou de praticá-lo?... Avaliação Física - Baterias de Avaliação da Aptidão Física Baterias de testes para avaliação da Aptidão Física Teste de Aptidão Básica (Fleishman, 1964) 1. Teste de Rotação do Tronco - Flexibilidade Extensiva 2. Teste de Flexão e Rotação do Tronco - Flexibilidade Dinâmica 3. Corrida de ida e volta - Força Explosiva 4. Lançamento da Bola de Softbol - Força Explosiva

11 5. Teste de preensão Manual - Força Estática 6. Flexão e Extensão de Braços na Barra Fixa - Força Dinâmica 7. Teste de Elevação das Pernas - Força de Tronco 8. Teste de Salto sobre o Cabo - Coordenação Grossa Corporal 9. Teste de Equilíbrio - Equilíbrio Grosso Corporal 10. Corrida de 600 jardas (548 metros) Resistência Cardiovascular Bateria da American Aliiance for Health, Physical Education and Recreation - AAHPERD Primeira bateria elaborada em 1954 e posteriormente revisada em 1965, e Abdominal (número de execuções) 2. Impulsão horizontal 3. Barra - tempo máximo (garotas) e número de execuções (garotos) 4. 'Shuttle Run' ( 9,14m) 5. Corrida de 50 jardas 6. Corrida de 600 jardas * o teste de arremesso da pelota fazia parte até a revisão de Bateria da Canadian Association for Helth, Physical Education and Recreation - CAHPER Bateria elaborada a partir de estudos com escolares de ambos os sexos de 7 a 17 anos: 1. Abdominais (número em 1 minuto) 2. Impulsão Horizontal 3. Barra (tempo máximo) 4. 'Shuttle Run' ( 9,14m) 5. Corrida de 50 jardas 6. Corrida de 300 jardas Teste de Aptidão - HARO (República Federal da Alemanha ) 1. Corrida da Figura 8 - Agilidade 2. Abdominal - Força/Resistência Muscular 3. Salto sobre o Banco - Força/Resistência de Salto 4. Flexão de Braços no Solo - Força/Resistência Muscular 5. Corrida de Ida e Volta - Agilidade, Velocidade 6. Lançamento da Bola de Basquetebol - Agilidade, Força/Resistência Muscular Teste de Aptidão Física Relacionada à Saúde - AAHPERD, Corrida de 9 minutos - Resistência Cardiorespiratória 2. Dobras Cutâneas Triciptal e Subescapular - Composição corporal 3. Abdominal Modificado - Resistência e Força Muscular 4. Teste de Flexibilidade - Flexibilidade Eurofit Teste ergonométrico PWC170 - Resistência Cardiorespiratória ou Teste de Corrida dos 6 minutos - Resistência Cardiorespiratória 2. Flexão de Braços no Solo - Força Estática 3. Salto em Distância Parado - Força Explosiva 4. Teste de Suspensão na Barra - Resistência Muscular 5. Teste de Abdominal em 30 segundos - Resistência Muscular 6. Teste de Flexibilidade na Caixa - Flexibilidade 7. Teste de Corrida de Ida e Volta 10 x 5 metros - Velocidade de Corrida 8. Teste de Sapateado em 25 ciclos - Velocidade de Movimento dos Membros 9. Teste de Equilíbrio na Trave (posição de Flamingo) - Equilíbrio Corporal Total Bateria do Comitê internacional para a Padronização de Testes de Aptidão Física - ICSPFT A - Exames Médicos: 1. Anamnese 2. Exame físico 3. Exames Laboratoriais: 3.1 Eletro cardiograma de repouso 3.2 Hemograma, colesterol 3.3 Capacidade Vital 3.4 Volume de expiração forçada (FEV) 3.5 Urina B - Medidas do Físico e da Composição Corporal 1. Antropometria: 1.1 Peso 1.2 Medidas de comprimento: Em pé: Altura Altura Acromial Altura Radial Altura Dactylon Altura Trocânter

12 Altura Tibial Sentado: Tronco-Cefálica Supraesternal 1.3 Diâmetros ósseos: Biacromial Bicrista Biepicondilar úmero Biepicondilar fêmur 1.4 Circunferências ou perímetros Corporais: Tórax Coxa Braço 1.5 Dobras Cutâneas: Bíceps Tríceps Subscapular Supra-íliaca Coxa ( medial e lateral) 2.0 Composição Corporal 2.1 Peso Hidrostático 2.2 Água Corporal Total 2.3 Potássio Corporal Total 3.0 Maturação 3.1 Índice pubertário 3.2 Idade Óssea 3.3 Pelos axilares 3.4 Pelos supra-púbicos 3.5 Desenvolvimento genital 3.6 Desenvolvimento mamário C - Medidas Fisiológicas Determinação do VO² máx. (direta ou indireta) 1.0 Teste em esteira, ou 1.2 Teste em bicicletas, ou 1.3 Teste em banco. 1.4 Teste de Performance D - Medidas de Performance Motora 1.0 Impulsão Horizontal 1.2 Dinamometria Manual 1.3 Barra ( número de execuções (rapazes) e tempo máximo (moças) 1.4 Abdominais ( número de execuções em 30 segundos) 1.5 'Shuttle Run' ( 10 metros) 1.6 Flexão de tronco - em posição ortostática e sentado 1.7 Corridas: Endurance ou 2.000m (rapazes acima de 11 anos) ou 800 a m (moças acima de 11 anos) e 600 m (crianças de ambos os sexos abaixo de 11 anos) Velocidade - 50 m Bateria do Programa Biológico Internacional A - Exames Medicos 1.0 Anamnese 1.2 Exame físico 1.3 Exames Laboratoriais: Fezes Escarro Hemograma Capacidade Vital Volume expiratório forçado B - Medidas do Físico e Composição Corporal: 1.0 Antropometria: 1.1 Peso 1.2 Comprimentos: Em pé Sentado C - Diâmetros Ósseos 1.0 Biacromial 1.2 Bicrista 1.3 Bicondilar do fêmur 1.4 Bicondilar do úmero 1.5 Punho 1.6 Tórax (antero posterior)

13 D - Circunferências ou perímetros corporais 1.0 Tórax E - Dobras ou Pregas Cutâneas 1.0 Tríceps 1.2 Subescapular 1.3 Suprailíaca 2.0 Composição Corporal 2.1 Peso Hidrostático 2.2 RX da coxa 3.0 Maturação 3.1 índice Pubertário: Pelos púbicos ( rapazes e moças) Desenvolvimento Dentário (rapazes) Desenvolvimento mamário (moças) 3.2 Idade Óssea 4.0 Somatotipo pelo método fotostático C Medidas Fisiológicas: 1.0 Medida do VO² máx. (direto ou indireto) 1.1 Pelo método cicloergômetro ou 1.2 Pelo método do banco 2.0 Medida da Potência Anaeróbia 2.1 Subida de escada (protocolo de Margaria) D Medidas de Performance Motora 1.0 Impulsão Horizontal 1.2 Dinamometria: Manual Lombar Extensão de perna Flexão de tronco 1.3 Barra máximo de execuções (rapazes) máximo de execuções adaptado (moças) 1.4 Abdominais: número de execuções em 1 minuto 1.5 'Shuttle Run' - 9,14 metros 1.6 Arremesso Pelota 1.7 Corrida: Velocidade 50 jardas Endurance 600 jardas Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul - CELAFISCS (em Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul - LAFISCS) A - Exame Médico: 1.0 Anamnese: 1.1 Médica 1.2 Psicológica 1.3 Esportiva 1.4 Nutricional 2.0 Exame Físico 3.0 Avaliação da Postura B - Medidas Antropométricas: 1.0 Peso 2.0 Alturas: 2.1 Total 2.2 Tronco-cefálica 3.0 Diâmetros ósseos 3.1 Fêmur 3.2 Úmero 4.0 Circunferências ou permitira corporais: 4.1 Braço 4.2 Perna

14 5.0 Dobras Cutâneas 5.1 Bíceps 5.2 Tríceps 5.3 Subescapular 5.4 Suprailíaca 5.5 Abdominal 5.6 Axilar Média 5.7 Panturrilha Medial Posterior 6.0 Somatotipo 7.0 Proporcionalidade 8.0 Maturação 8.1 Menarca ( moças) 8.2 Pelos axilares (rapazes) C - Medidas Metabólicas 1.0 Potência Aeróbia: 1.1 Pista: corrida de 1.000m ou 1.2 Banco Astrand ou Balke 1.3 Cicloergômetro: Astrand ou PWC Potência Anaeróbia Alática 2.1 Teste de corrida de 50m 3.0 Potência Anaeróbia Total 3.1 Teste de corrida de 40 segundos D - Medidas de Performance Motora 1.0 Impulsão vertical 1.1 Sem auxílio dos braços 1.2 Com auxílio dos braços 2.0 Impulsão Horizontal 3.0 Corrida de 50 metros 4.0 'Shuttle Run' (9,14 metros) 5.0 Teste de Barra 5.1 Tempo máximo de execução(moças) 5.2 Número de execuções (rapazes) 6.0 Dinamometria 6.1 Manual 6.2 Lombar E - Medidas Psico-Sociais 1.0 Percepção subjetiva de esforço 2.0 Sociometria 3.0 Socialização Observação: 1.0 Medidas de flexibilidade e de força de músculos abdominais e lombares estão sendo desenvolvidos no momento Wingate Test - desenvolvido por Bar-Or pode ser uma opção para medida da potência anaeróbia. Bateria de Teste do Programa de Condicionamento Físico da ACMS 1.0 Questionário PAR-Q - Estimar fatores de riscos e contra indicação para a pratica da exercícios 2.0 Teste de caminhada de Rockport de metros - Estimar a capacidade aeróbia 3.0 Teste de flexões de braço ao solo - Estimar a capacidade muscular 4.0 Teste de sentar e alcançar adaptado sem banco - Estimar a flexibilidade 5.0 Teste da proporção entre a Cintura e o Quadril - Avaliar a composição corporal 6.0 Teste do Índice de Massa Corpórea IMC - Avaliar a composição corporal

15

16

17

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

Departamento de Educação Física e Desporto

Departamento de Educação Física e Desporto ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Ano Letivo 2013-2014 Departamento de Educação Física e Desporto CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Disciplina de Educação Física Revisto em Departamento no dia

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida

Anamnese Clínica. Dados pessoais. Geral. Patologias. Nome: Modelo Masculino. Sexo: Masculino. Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Nome: Modelo Masculino Idade: 32 anos Avaliador: André Almeida Sexo: Masculino Data da Avaliação: 23/07/2010 Hora: 16:11:09 Anamnese Clínica Dados pessoais Nome: Modelo Masculino Data de Nascimento: 23/12/1977

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores

Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos. comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores Atualmente muito se tem ouvido falar e os estudos científicos comprovam que a prática física diária é considerada um dos fatores que contribui efetivamente para uma melhor qualidade de vida do indivíduo.

Leia mais

LABORATÓRIO DE EDUCAÇAO FÍSICA LEF PROJETO PEDAGÓGICO- ESPORTIVO

LABORATÓRIO DE EDUCAÇAO FÍSICA LEF PROJETO PEDAGÓGICO- ESPORTIVO PROJETO PEDAGÓGICO- ESPORTIVO INTRODUÇÃO Com o crescimento da utilização de aparelhos eletrônicos no mercado, a atividade física não tem o mesmo atrativo e protagonismo de tempos atrás. As crianças hoje

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Programa Institucional de Bolsas de Integração PIBIN 2012/2013 ANEXO II Modelo

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

PEDAGÓGICAS E A FORMAÇÃO DOCENTE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO E

PEDAGÓGICAS E A FORMAÇÃO DOCENTE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO E Trabalhos Orais NOVAS MODALIDADES ESPORTIVAS NA ESCOLA: BUSCANDO OUTROS OLHARES PARA EDUCAÇÃO FÍSICA AUTONOMIA E DEMOCRACIA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA O CENÁRIO DA PRODUÇÃO

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB.

AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB. AVALIAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA: UMA ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATRAVÉS DAS INTERVENÇÕES DO PIBID/UEPB. Lucas Ferreira da Silva¹; Karolyne de Fátima Nunes da Silva²; Mikaely Araújo Barros³; Jozilma de Medeiros

Leia mais

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos

Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Aula 3 Perimetria, Dobras Cutâneas e Protocolos Perimetria Medida da circunferência de determinados segmentos corporais, podendo ser realizados estando o corpo relaxado ou contraído. 2. Fita Métrica Equipamentos

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO. pindiceconicidade.exe 19/08/2014 CAPACIDADE AERÓBICA pindiceconicidade.exe CAPACIDADE DO ORGANISMO EM SE ADAPTAR A ESFORÇOS FÍSICOS MODERADOS, ENVOLVENDO A PARTICIPAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS MUSCULARES, POR PERÍODOS DE TEMPO RELATIVAMENTE

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PELO TRABALHO PARA A SAÚDE PROMOÇÃO DE MODOS SAUDÁVEIS DE VIDA EM ADULTOS E IDOSOS RESIDENTES EM ÁREAS DE ABRANGÊNCIA DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Agrupamento de escolas de Santa Maria dos Olivais Escola Secundária António Damásio Escola Básica 2-3 dos Olivais GRUPO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 620 EDUCAÇÃO FÍSICA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo e Ensino

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Projeto CDL Movimenta Araripina

Projeto CDL Movimenta Araripina Projeto CDL Movimenta Araripina Atração de clientes para o comércio de Araripina Steven PROJETO MOVIMENTA ARARIPINA RESUMO Evento de rua que será realizado em Araripina, visando estimular a visitação de

Leia mais

Programa Corporativo Fitness Timbu

Programa Corporativo Fitness Timbu Programa Corporativo Fitness Timbu O que é? Series de exercícios físicos que utilizam movimentos naturais do ser humano, como pular, correr, puxar, agachar, girar e empurrar. O praticante ganha força,

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

Instruções para a realização da Avaliação Física

Instruções para a realização da Avaliação Física Instruções para a realização da Avaliação Física É imprescindível o preenchimento correto da ficha de anamnese para o andamento adequado de sua Avaliação Física. O objetivo desta avaliação é fornecer dados

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos

7. AVALIAÇÃO. 5º ao 9ºano Áreas Parâmetros % Aptidão Física 10% Conhecimentos 7. AVALIAÇÃO A avaliação incide sobre as aprendizagens e competências definidas no currículo nacional para as diversas áreas e disciplinas de cada ciclo, expressas no projecto curricular de escola e no

Leia mais

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS CAMPUS MANAUS CENTRO PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL CADASTRO

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA

QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDADE FÍSICA 1 QUESTIONÁRIO INTERNACIONAL DE ATIVIDE FÍSICA Data: / / Nome: Idade : Sexo: ( )F ( )M Você trabalha de forma remunerada: ( ) Sim ( ) Não Quantas horas você trabalha de forma remunerada por dia: OBS.:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR.

UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. UNIVERSIDADE GAMA FILHO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOLOGIA E CINESIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE PROF. DR. VILMAR BALDISSERA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO DISCIPLINA DE FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. www.dombosco.sebsa.com.br/colegio

ENSINO FUNDAMENTAL. www.dombosco.sebsa.com.br/colegio ENSINO FUNDAMENTAL www.dombosco.sebsa.com.br/colegio Sala de aula 1º ao 5ª ano Os alunos do Colégio Dom Bosco desfrutam de uma ampla estrutura física, totalmente projetada para atender todas as necessidades

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Por que devemos avaliar a força muscular?

Por que devemos avaliar a força muscular? Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Por que devemos avaliar a força muscular? Desequilíbrio Muscular;

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres. Prof. Ricardo Lucas Pacheco 37219367

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres. Prof. Ricardo Lucas Pacheco 37219367 Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Reconhec.Port.nº 298-06/03/2009 DOU 09/03/2009-Base legal :Res.nº07/CNE-MEC/2004 e Res.nº003/CEG-UFSC/2005. Resolução 003/CEG/2005, 08/06/2005 O objetivo

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,5 ponto) As principais mudanças no corpo de uma pessoa ocorrem na adolescência. É nesta fase que as meninas e os meninos desenvolvem o amadurecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PLANO DE ENSINO Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: EDUCAÇÃO FISICA Disciplina: EDUCAÇÃO

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

TÍTULO: DESCRIÇÃO DA PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS EM CRIANÇAS DE 8 E 9 ANOS DE IDADE, DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DE ITAJOBÍ/SP

TÍTULO: DESCRIÇÃO DA PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS EM CRIANÇAS DE 8 E 9 ANOS DE IDADE, DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DE ITAJOBÍ/SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DESCRIÇÃO DA PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS EM CRIANÇAS DE 8 E 9 ANOS DE IDADE, DE UMA ESCOLA

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Assunção, o estudante também descobre novos conhecimentos além da sala de aula. Crianças e jovens desenvolvem talentos por meio de atividades artísticas, esportivas e

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

É OBRIGATÓRIO O PREENCHIMENTO DE TODOS OS ITENS DESTE QUESTIONÁRIO E ASSINATURA DE TODAS AS PÁGINAS.

É OBRIGATÓRIO O PREENCHIMENTO DE TODOS OS ITENS DESTE QUESTIONÁRIO E ASSINATURA DE TODAS AS PÁGINAS. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FICHA SOCIAL DE ESTUDANTE É OBRIGATÓRIO O PREENCHIMENTO DE TODOS OS ITENS DESTE QUESTIONÁRIO E ASSINATURA DE TODAS AS PÁGINAS. 1 - IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE: Nome completo: Nome

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

adolescente, jovem...

adolescente, jovem... O ALUNO: criança, a, pré-adolescente, adolescente, jovem... A construção histórica do conceito de criança: História social da criança e da família, Philippe Ariés. Rio de Janeiro: LTC, 1981. As idades

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Relatório de Trabalho Estatístico Laboratório de Estatística DEST- CCE - UFES

Relatório de Trabalho Estatístico Laboratório de Estatística DEST- CCE - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA LABORATÓRIO DE ESTATÍSTICA Av. Fernando Ferrari, S/N - Goiabeiras 29060-900 - Vitória ES Brasil E-mail: lestat@cce.ufes.br Fone: (27) 3352470 Fax:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE

09/12/2014 JUSTIFICATIVAS A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA. Questões norteadoras SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM ESTILOS DE VIDA & SAÚDE PROMOÇÃO DE ESTILOS DE VIDA SAUDÁVEIS NA ESCOLA Prof. Mario Renato de Azevedo Júnior A PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ESCOLA Questões norteadoras

Leia mais

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Temas orientadores: 1) O conceito de talento esportivo 2) Procedimentos de detecção do talento esportivo 3) Aspectos

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2014 Assessoria de Desenvolvimento, conforme Parecer 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

Atividades Extraclasse

Atividades Extraclasse Atividades Extraclasse No Marista Conceição, o estudante aprende e desenvolve habilidades dentro e fora da sala de aula, por meio de atividades esportivas, artísticas, culturais, científicas e de solidariedade.

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

PROJETO ESPORTE BRASIL PROESP-Br. Manual de testes e avaliação Versão 2015

PROJETO ESPORTE BRASIL PROESP-Br. Manual de testes e avaliação Versão 2015 PROJETO ESPORTE BRASIL PROESP-Br Manual de testes e avaliação Versão 2015 Adroaldo Gaya; Adriana Lemos; Anelise Gaya; Débora Teixeira; Eraldo Pinheiro & Rodrigo Moreira 1. O QUE É O PROESP-Br? O é um instrumento

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 7º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO 7º ANO METAS ATIVIDADES DESPORTIVAS O aluno cumpre o nível INTRODUÇÃO de cinco matérias diferentes distribuídas da seguinte

Leia mais

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial Planos de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Curso Técnico em Móveis FORMA/GRAU:(X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL

EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL EFEITOS DA ATIVIDADE FÍSICA INTENSA NO CRESCIMENTO DE CRIANÇAS NA FASE ESCOLAR INICIAL Acadêmicos da UCB: Helio Carlos Lima de Abreu e Natali Rodrigues RESUMO A atividade física intensa em crianças na

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE

LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA - FAPEPE APRESENTAÇÃO DO CURSO O curso de licenciatura em Educação Física da FAPEPE tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a atuarem no contexto escolar,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ARTÍSTICA EDUCAÇÃO FÍSICA _7º ANO_A Ano Letivo: 0/03. Introdução A Educação Física, enquanto área curricular estabelece um quadro de relações com as que com ela partilham

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 3 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA

ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA ANEXO A PORTARIA Nº 09/DFNSP/SENASP/MJ PROTOCOLO GERAL DE TESTE DE APTIDÃO FÍSICA CAPÍTULO I Art. 1º - O presente trabalho visa avaliar os militares em condições normais de saúde, já mobilizados ou que

Leia mais