AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES"

Transcrição

1 Mini Curso 03 AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES Guerreiro-Casanova, Daniela Couto UNICAMP 1 Azzi, Roberta Gurgel UNICAMP Este estudo descritivo e quantitativo teve como objetivo analisar a percepção de autoeficácia de gestores escolares atuantes em escolas públicas da rede de ensino oficial do estado de São Paulo. A crença de autoeficácia do gestor escolar é definida como um julgamento do gestor sobre as próprias capacidades para estruturar cursos de ação específicos a fim de produzir resultados desejados na escola por ele dirigida. Participaram 37 gestores escolares, entre diretores, vice-diretores e coordenadores pedagógicos. Os dados foram obtidos por meio de uma escala e analisados com o uso da estatística descritiva. Verificou-se que os gestores escolares participantes percebemse capazes de realizar com êxito as tarefas relativas aos aspectos gerenciais, instrucionais e de liderança moral inerentes às suas funções. No entanto, a percepção para lidar com o estresse do trabalho foi uma das mais baixas verificadas. Sugere-se dedicar atenção às questões relacionadas ao gerenciamento das ações e ao modo sobre como lidar com o estresse durante o período de formação inicial e/ou continuada. Palavras-chave: gestor escolar; motivação; autoeficácia. 1 A autora agradece o apoio da FAPESP (Processo nº 2010/ ).

2 Mini Curso 03 AUTOEFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES: ALGUMAS PERCEPÇÕES Guerreiro-Casanova, Daniela Couto UNICAMP Azzi, Roberta Gurgel UNICAMP Introdução Para desempenhar o papel de liderança escolar, a crença de autoeficácia do gestor escolar coloca-se como um importante construto mediador das ações gestoras (BANDURA, 2000). Tal crença tem sido pouco explorada (MCCULLERS, 2009; SMITH; GUARINO, 2006), fato que impulsionou a realização desta pesquisa, cujo objetivo é analisar a percepção de autoeficácia de gestores escolares atuantes em escolas públicas da rede de ensino oficial do estado de São Paulo. A crença de autoeficácia do gestor escolar é definida como um julgamento do gestor sobre as próprias capacidades para estruturar cursos de ação específicos a fim de produzir resultados desejados na escola por ele dirigida (BANDURA, 1997). Trata-se de um constructo multifacetado por definição, pois sua constituição engloba de maneira inter-relacionada experiências pessoais e variáveis contextuais (TSCHANNEN- MORAN; GAREIS, 2004). Percepções sobre as tarefas relativas às questões gerenciais, às questões pedagógicas, bem como às questões emocionais e de relacionamentos interpessoais integram os múltiplos aspectos da autoeficácia do gestor escolar (FISHER, 2011). No entanto, as crenças de eficácia são específicas para um domínio de ação, neste caso, focaliza-se no domínio da ação do gestor escolar. Tal crença é construída ao longo da formação e da atuação profissional dos gestores e pode oscilar ao longo dos anos, dependendo do modo como o gestor interpreta as próprias experiências, as experiências vicárias, a persuasão social que recebe e os estados físicos e emocionais que vivencia (BANDURA, 1997). A autoeficácia percebida para pode auxiliar a proteger a saúde do profissional da educação, o qual está exposto a muitos estressores, contribuindo para evitar a síndrome de Burnout (FERREIRA, AZZI, 2010).

3 Essa crença não garante a habilidade necessária para que o gestor desenvolva as tarefas relacionadas à sua função. No entanto, é fundamental para que o gestor inicie uma ação e motive-se para concretizá-la. Tal importância é derivada do aspecto mediador que esta crença desempenha em relação aos aspectos cognitivos, seletivos e motivacionais necessários para que qualquer ação seja realizada. A crença de autoeficácia do gestor escolar é mediadora de comportamentos necessários para o exercício da liderança. Esta crença engloba a percepção sobre a capacidade para desempenhar as funções cognitivas e comportamentais necessárias para orientar o processo grupal em direção à realização dos objetivos (MCCORMICK, 2001). A autoeficácia do gestor escolar é positivamente relacionada com ações de lideranças que visam promover mudanças nas estruturas curriculares e nas estratégias de ensino (MCCULLERS; BOZEMAN, 2010). A autoeficácia do gestor escolar tem apresentado relação positiva com a convicção de ter realizado a decisão de carreira certa (TSCHANNEM-MORAN; GAREIS, 2004). Os anos de permanência em uma mesma escola não apresentaram relações significativas com a autoeficácia gestora (TSCHANNEM-MORAN; GAREIS, 2004; 2007). O apoio vindo dos órgãos governamentais configura-se como um dos aspectos que contribuem para explicar a autoeficácia do gestor escolar, de modo que a percepção de ter recursos adequados e apoio dos supervisores de ensino está interconectada à crença percebida pelos gestores (TSCHANNEM-MORAN; GAREIS, 2007). Método Esta pesquisa foi realizada sob o delineamento descritivo, utilizando técnicas quantitativas, a fim de se analisar as informações obtidas. Após autorização do Comitê de Ética em Pesquisa e das Diretorias Regionais de Ensino, foram visitadas 17 escolas da rede pública estadual de São Paulo, sendo 11 escolas da região do ABC paulista e 6 escolas do interior. Participaram voluntariamente da pesquisa 37 gestores escolares: 6 diretores, 6 vicediretores e 25 coordenadores. A amostra aqui estudada apresenta idade entre 32 e 63 anos, e é composta por 24 pessoas do sexo feminino e 13 do sexo masculino. Os participantes declararam ter entre 4 e 34 anos de experiência docente, tendo entre 1 e 23

4 anos de atuação na função de gestores. São formados em pedagogia (n = 6), licenciaturas (n = 12), têm cursos de especialização (n = 18) e mestrado (n = 1). Quase a totalidade (34 em 37 gestores) atua apenas na escola pesquisada, sendo que 2 participantes atuam em outra escola pública e 1 participante também atua em escola privada. Para acessar a percepção da autoeficácia do gestor escolar foi utilizado o Questionário do Gestor Escolar (TSCHANNEN-MORAN; GAREIS, 2004), elaborado especificamente para obter a percepção de autoeficácia dos gestores escolares em relação aos aspectos relativos à autoeficácia para gerenciamento, autoeficácia para aspectos instrucionais e autoeficácia para liderança moral. Esse questionário tem apresentado boas evidências de validade em pesquisas internacionais (como α = 0,87, α = 0,86 e α = 0,83, respectivamente para cada dimensão). Composto por 18 itens, com respostas em formato Likert de 10 pontos, foi adaptado para a realidade brasileira e submetido a um estudo de busca de evidências, no qual se verificou: 55% da variância explicada, MSA de 0,80 e consistência interna de 0,95. As percepções verificadas Os dados obtidos foram analisados com o auxílio do programa The Statistical Analysis System (SAS), versão 9.2. Por meio da estatística descritiva foi verificado que os gestores participantes, em média, autoanalisaram-se como capazes (médias entre 7,86 e 8,65 pontos e desvio-padrão entre 0,86 e 1,61) de realizarem as tarefas gerenciais, instrucionais e de liderança moral que integram a crença de autoeficácia do gestor escolar. A seguir serão expostas as tarefas que se destacaram do todo, considerando-se à natureza das tarefas: - Tarefas gerenciais: destaca-se a percepção dos gestores escolares sobre a própria capacidade para estabelecer prioridades entre as diversas demandas do trabalho. Esta tarefa recebeu a maior pontuação ( M = 8,65; D.P.= 0,86, mínimo de 6 e máximo de 10) dentre todas as tarefas analisadas pelo Questionário do Gestor Escolar. - Tarefas instrucionais: a percepção sobre a capacidade de criar um ambiente de aprendizagem positivo em sua escola foi a que recebeu maior pontuação (M = 8,27, D.P. = 1,43, mínimo de 5 e máximo de 10).

5 - Tarefas de liderança moral: verificou-se que a percepção sobre promover comportamento ético entre os funcionários da escola foi a que obteve maior pontuação (M = 8,62, D.P. = 1,23, mínimo de 6 e máximo de 10). - Tarefas gerenciais que se destacaram por terem médias mais baixas: foi verificado que as tarefas administrar as demandas de tempo do trabalho (M= 7,86, D.P. = 1,36, mínimo de 4 e máximo de 10) e lidar com o estresse do trabalho (M = 7,86, D.P. = 1,34, mínimo de 4 e máximo de 10) receberam as pontuações mais baixas dentre todas as atividades analisadas nesta pesquisa, considerando-se inclusive as tarefas instrucionais e as de liderança moral. Conclusões Foi interessante observar que as tarefas relacionadas com questões gerenciais foram as que ocuparam os dois extremos quando consideradas as médias. A média mais alta foi relativa à capacidade de estabelecer prioridade entre as diversas demandas do trabalho e as mais baixas relativas às capacidades de administrar as demandas de tempo do trabalho e lidar com o estresse do trabalho. Essas três tarefas parecem bem interconectadas, visto que: as demandas de trabalho não são criadas pelos gestores, mas estes precisam estabelecer prioridades para solucioná-las, o que pode ampliar a percepção de estresse laboral. A percepção de capacidade para lidar com o estresse laboral preocupa, apesar de estar dentro da média. É necessário atentar para o fato de que essa tarefa recebeu a menor pontuação. Caso essas médias caiam ainda mais elas podem revelar diminuição das percepções de eficácia dos gestores, visto que a interpretação dos estados físicos e emocionais pode influenciar a crença de autoeficácia. Percepções de baixa eficácia podem gerar comportamentos de ansiedade e evitação, podendo possibilitar o desenvolvimento da síndrome de burnout (FERREIRA, AZZI, 2010). Tais observações alertam sobre a necessidade de se analisar a formação (inicial e continua) dos gestores escolares. Dedicar atenção às questões relacionadas ao gerenciamento das ações e ao modo sobre como lidar com o estresse durante o período de formação poderia ser uma estratégia interessante para que os gestores pudessem vivenciar tais experiências e aprender a lidar com essas situações. Uma formação que

6 desenvolva habilidade e autoeficácia ao mesmo tempo é importante, pois uma pessoa pode ter determinada habilidade, mas usá-la de modo simples, adequado ou eficiente dependendo da crença de eficácia que possui em dada circunstância (BANDURA, 1997). Isto ressalta a necessidade de se pensar em formação profissional e/ou continuada que auxilie a proporcionar condições para o desenvolvimento de habilidades necessárias para a atividade de gestor escolar aliada à promoção da crença de autoeficácia para realizar as tarefas inerentes a tal função, a qual pode lhe proporcionar percepção de êxito e de bem-estar. Referências BANDURA, A. Self-efficacy, the exercise of control. New York: Freeman and Company, Cultivate self-efficacy for personal and organizational effectiveness. In: LOCKE, E. A. (Ed.) Handbook of principles of organization behavior. Oxford, UK: Blackwell, p FISHER, Y. The sense of self-efficacy of aspiring principals: exploration in a dynamic concept. Social Psychology of Education: An International Journal, v. 14, n. 1, p , mar MCCORMICK, M. J. Self-efficacy and leadership effectiveness: applying social cognitive theory to leadership. The Journal of Leadership studies, v. 8, n. 1, p , MCCULLERS, J. F. Self-Efficacy Beliefs of Florida School Principals regarding Federal and State Accountability Measures ProQuest LLC, Ed.D. Dissertation, University of Central Florida, MCCULLERS, J. F.; BOZEMAN, W. Principal Self-efficacy: The effects of No Child Left Behind and Florida school grades. NASSP Bulletin, jun SMITH, W.; GUARINO, A. Effective teaching and learning environments and principal self-efficacy. Journal of research for educational leaders, v. 3, n. 2, p. 4-23, 2006.

7 TSCHANNEN-MORAN, M.; GAREIS, C. R. Cultivating Principals' Self-Efficacy: Supports that Matter. Journal of School Leadership, v. 17, n. 1, p , jan Principals sense of efficacy: Assessing a promising construct. Journal of Educational Administration, v. 42, p , 2004.

LIDAR COM AS ADVERSIDADES DO CONTEXTO ESCOLAR: DISCUSSÃO A PARTIR DAS CRENÇAS DE EFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES

LIDAR COM AS ADVERSIDADES DO CONTEXTO ESCOLAR: DISCUSSÃO A PARTIR DAS CRENÇAS DE EFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES LIDAR COM AS ADVERSIDADES DO CONTEXTO ESCOLAR: DISCUSSÃO A PARTIR DAS CRENÇAS DE EFICÁCIA DE GESTORES ESCOLARES Daniela Couto Guerreiro-Casanova Universidade Estadual de Campinas, Brasil FAPESP Bolsa doutorado

Leia mais

AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC

AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC AUTO-EFICÁCIA PARA A APRENDIZAGEM AUTODIRIGIDA: O CASO DOS ADULTOS EM PROCESSO DE RVCC Maria João Cunha e Albertina L. Oliveira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra

Leia mais

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA

ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA ATITUDES, AUTO-EFICÁCIA E HABILIDADE MATEMÁTICA Kelly Christinne Maia de Paula* Márcia Regina Ferreira de Brito** RESUMO O desenvolvimento das habilidades matemáticas das crianças é interesse de professores

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO: A PERCEPÇÃO DE AUUTOEFICÁCIA EM RELAÇÃO ÀS SUAS ATRIBUIÇÕES FUNCIONAIS.

O COORDENADOR PEDAGÓGICO: A PERCEPÇÃO DE AUUTOEFICÁCIA EM RELAÇÃO ÀS SUAS ATRIBUIÇÕES FUNCIONAIS. O COORDENADOR PEDAGÓGICO: A PERCEPÇÃO DE AUUTOEFICÁCIA EM RELAÇÃO ÀS SUAS ATRIBUIÇÕES FUNCIONAIS. Pâmela Carolina do Nascimento Martins Mestranda em Educação pela Universidade Nove de Julho pacmartins@bol.com.br

Leia mais

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO

O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO O JOGO DE XADREZ COMO RECURSO PEDAGÓGICO PARA APRENDIZAGEM ESCOLAR DE ALUNOS DO 6º ANO PLAY CHESS AS EDUCATIONAL RESOURCE FOR SCHOOL LEARNING OF 6 YEAR STUDENTS Letícia Alessandra Cavalcante-Graduanda

Leia mais

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA Talles Henrique LIMA; Neuda Alves do LAGO CAJ/UFG tallesh7@hotmail.com, neudalago@hotmail.com Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

Leia mais

Revista da Ciência da Administração versão eletrônica v.3,jan.-jul. 2010 1

Revista da Ciência da Administração versão eletrônica v.3,jan.-jul. 2010 1 v. 3 jan - jul. 2010 ISSN 1982-2065 ESCOLA DE GOVERNO: PERNAMBUCO CONTRIBUÍNDO PARA O NOVO MODELO DE GESTÃO PÚBLICA Marilene Cordeiro Barbosa Borges* Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO

IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO IDENTIDADE DO PEDAGOGO: QUAL A VISÃO QUE O ESTUDANTE DE PEDAGOGIA TEM DE SUA PROFISSÃO Deise Sachetti Pinar,Maria José Gomes Moreira de Miranda 2, Sumiko Hagiwara Sakae 3 Orientadora: Drª. Maria Tereza

Leia mais

Percepções Sobre Autoeficácia Acadêmica E Experiência Escolar: O Que Pensam Os Estudantes Do Ensino Médio? Daniela Couto Guerreiro-Casanova 1

Percepções Sobre Autoeficácia Acadêmica E Experiência Escolar: O Que Pensam Os Estudantes Do Ensino Médio? Daniela Couto Guerreiro-Casanova 1 Percepções Sobre Autoeficácia Acadêmica E Experiência Escolar: O Que Pensam Os Estudantes Do Ensino Médio? Daniela Couto Guerreiro-Casanova 1 Roberta Gurgel Azzi 2 Marilda Aparecida Dantas 3 Eixo temático

Leia mais

O desenho da figura humana: Evidências de validade do desenvolvimento

O desenho da figura humana: Evidências de validade do desenvolvimento O desenho da figura humana: Evidências de validade do desenvolvimento cognitivo e criativo Letícia Medeiros de Figueiredo Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida leticia.mf@puccampinas.edu.br

Leia mais

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN

UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN UMA PROPOSTA DE LETRAMENTO COM FOCO NA MODALIDADE ORAL DE LINGUAGEM EM SUJEITOS COM SÍNDROME DE DOWN RESUMO DANTAS 1, Leniane Silva DELGADO 2, Isabelle Cahino SANTOS 3, Emily Carla Silva SILVA 4, Andressa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

FACULDADE ASTORGA FAAST REGULAMENTO ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

FACULDADE ASTORGA FAAST REGULAMENTO ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE ASTORGA FAAST REGULAMENTO ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS LICENCIATURA EM PEDAGOGIA As atividades de Estágio Supervisionado constantes da Matriz Curricular do Curso de Pedagogia da FAAST deverão ser

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Aulas as terças e quintas, das 19h às 23h

Aulas as terças e quintas, das 19h às 23h Aulas as terças e quintas, das 19h às 23h Apresentação da FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram

Leia mais

A psicopedagogia surgiu como uma necessidade de compreender os problemas de aprendizagem, refletindo sobre as questões relacionadas ao

A psicopedagogia surgiu como uma necessidade de compreender os problemas de aprendizagem, refletindo sobre as questões relacionadas ao Suely Fermon A psicopedagogia surgiu como uma necessidade de compreender os problemas de aprendizagem, refletindo sobre as questões relacionadas ao desenvolvimento cognitivo, psicomotor e afetivo, implícitas

Leia mais

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc

Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Estudando estatística descritiva com auxílio do software Calc Wagner Luis Cabral Martins Palavras-chave: Estatística descritiva. Software Calc. Recursos pedagógicos. As Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA N 429 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes, SANTOS Lázaro, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da. DIDÁTICA E COMPETÊNCIAS DOCENTES: UM ESTUDO SOBRE TUTORIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O conhecimento, bem como os demais

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA Paloma Cristina Gadens de Almeida UNICENTRO, CAPES palomagadens@gmail.com

Leia mais

EdUECE- Livro 1 03430

EdUECE- Livro 1 03430 OS SABERES E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Maria Irene Miranda Universidade Federal de Uberlândia RESUMO O trabalho aborda o Curso de Pedagogia

Leia mais

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR Laís Cristina Viel Gereti Universidade Estadual de Londrina laisvielg@hotmail.com Angela Marta Pereira das Dores Savioli Universidade

Leia mais

APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: ÊNFASE PARA A ENGENHARIA CIVIL AIELLO GIUSEPPE ANTONIO NETO

APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: ÊNFASE PARA A ENGENHARIA CIVIL AIELLO GIUSEPPE ANTONIO NETO APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: ÊNFASE PARA A ENGENHARIA CIVIL AIELLO GIUSEPPE ANTONIO NETO INTRODUÇÃO Há décadas tenho notado o alto índice de reprovação na área de engenharia civil, sobretudo em algumas

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

MODELO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO SOCIAL

MODELO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO SOCIAL MODELO DE ELABORAÇÃO DO PROJETO SOCIAL No Projeto Social, deverão constar os seguintes itens: I Nome do projeto II Introdução III Objetivos Gerais IV Objetivo Especifico V Metas VI Justificativa VII -

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Plano de Carreira e Desenvolvimento

Plano de Carreira e Desenvolvimento Plano de Carreira e Desenvolvimento CNPEM ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONCEITOS... 4 3. MANUAL DE AVALIAÇÃO DOS CARGOS... 5 3.1. As Carreiras... 5 3.2. As carreiras e seus estágios... 6 3.3. Fatores utilizados

Leia mais

AUTO-EFICÁCIA ACADÉMICA

AUTO-EFICÁCIA ACADÉMICA CONTEXTOS EDUCATIVOS ESCOLARES: FAMILIA, EDUCACIÓN Y DESARROLLO AUTO-EFICÁCIA ACADÉMICA Elisabete Pinheiro Alves Mendes Fonseca Escola Superior de Enfermagem de Coimbra RESUMO O presente artigo tem como

Leia mais

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino

O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino O professor que ensina matemática no 5º ano do Ensino Fundamental e a organização do ensino Wérica Pricylla de Oliveira VALERIANO 1 Mestrado em Educação em Ciências e Matemática wericapricylla@gmail.com

Leia mais

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012

Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil. julho 2012 Cross-Cultural Study of Leadership In Public Relations and Communication Management - Etapa Brasil julho 2012 Metodologia e Perfil de Entrevistados Método Amostra por conveniência Questionário (quantitativo)

Leia mais

ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA

ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA Nelson Antonio Pirola UNESP npirola@uol.com.br Resumo: O minicurso

Leia mais

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias

Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Em busca de caminhos que promovam a convivência respeitosa em sala de aula todos os dias Coordenação: Dra. Telma Pileggi Vinha (FE- Unicamp) Dra. Alessandra de Morais (Fac. de Filosofia e Ciências UNESP/Marília)

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP

TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PROFISSIONAIS FORMANDOS DA ÁREA DE NEGÓCIOS DA FACIAP CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

UM POUCO DA HISTÓRIA, FINALIDADES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

UM POUCO DA HISTÓRIA, FINALIDADES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL UM POUCO DA HISTÓRIA, FINALIDADES, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1. Introdução Prof. Msc. Roosevelt Fideles de Souza A preocupação oficial com a necessidade de um trabalho educativo que

Leia mais

Palavras-chaves: Monitoria, ensino, administração da produção

Palavras-chaves: Monitoria, ensino, administração da produção A INFLUÊNCIA DA MONITORIA NO DESEMPENHO DOS ALUNOS DA DISCIPLINA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. CRISTIANO SOUZA MARINS (UFF/UFRJ ) cristianosouzamarins@yahoo.com.br

Leia mais

PROFESSOR PEDAGOGO. ( ) Pedagogia Histórico-Crítica. ( ) Pedagogia Tecnicista. ( ) Pedagogia Tradicional. ( ) Pedagogia Nova.

PROFESSOR PEDAGOGO. ( ) Pedagogia Histórico-Crítica. ( ) Pedagogia Tecnicista. ( ) Pedagogia Tradicional. ( ) Pedagogia Nova. PROFESSOR PEDAGOGO 41 - Identifique como V (verdadeira) ou F (falsa) as afirmativas abaixo, que tratam da atuação do professor pedagogo. ( ) Os professores pedagogos devem orientar, acompanhar e avaliar

Leia mais

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016

Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 Avalie sua vida em 2015 Construa aprendizados para crescer em 2016 1. Introdução... 3 1.1. Orientações Gerais... 3 2. Principais Objetivos... 4 3. Direcionadores Estratégicos... 4 4. Ações realizadas...

Leia mais

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde

CURSO DE ATUALIZAÇÃO. Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde Assédio Moral: proposta de criação de uma comissão como meio de formalização de queias, prevenção e intervenção

Leia mais

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB Antonio Marcos Moreira DE/CCEN/UFPB-marcos@de.ufpb.br Renata P. L. Jeronymo M. Pinto DE/CCEN/UFPB-renata@de.ufpb.br Jodavid de Araujo Ferreira

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA FORMA INTEGRADA BELO HORIZONTE, OUTUBRO

Leia mais

3. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial

3. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial 3. Sustentabilidade e Responsabilidade Social Empresarial GESTOR SOCIAL EMPRESARIAL OU GESTOR EMPRESARIAL SOCIAL? É notório, no cenário mundial, o crescente número de empresas de diversas naturezas e portes

Leia mais

IDENTIFICANDO AS DISCIPLINAS DE BAIXO RENDIMENTO NOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO - CÂMPUS URUTAÍ

IDENTIFICANDO AS DISCIPLINAS DE BAIXO RENDIMENTO NOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO - CÂMPUS URUTAÍ IDENTIFICANDO AS DISCIPLINAS DE BAIXO RENDIMENTO NOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO - CÂMPUS URUTAÍ SILVA, Luciana Aparecida Siqueira 1 ; SOUSA NETO, José Alistor 2 1 Professora

Leia mais

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL

Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Douglas Daniel de Amorim A PSICANÁLISE E O SOCIAL Belo Horizonte 1999 INTRODUÇÃO A Psicologia Comunitária tem sido um dos campos onde a Psicologia tem tido um expressivo crescimento. Trabalhar em comunidades

Leia mais

FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACE À INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE ALAGOAS

FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACE À INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE ALAGOAS FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA FACE À INCLUSÃO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR DE ALAGOAS Francine de Fátima Lima Batista 1 ; Soraya Dayanna Guimarães Santos 2 ; Neiza

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE

EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DOCENTE Stella Maris Pissaia 1 Giseli Dionize Bobato 2 RESUMO: Neste resumo apresentamos uma descrição compreensiva das experiências vivenciadas a partir do contato teórico durante

Leia mais

Marcos Paulo SANCHEZ 2 Ruy GUERIOS 3 Mauro Roberto Claro de SOUZA 4. Faculdade Eniac, Guarulhos, SP

Marcos Paulo SANCHEZ 2 Ruy GUERIOS 3 Mauro Roberto Claro de SOUZA 4. Faculdade Eniac, Guarulhos, SP Utilização da Tecnologia como Fator Motivacional no Aprimoramento do Processo de Ensino-Aprendizagem de Jovens Relato de Experiência do Sistema de Ensino Eniac 1 Marcos Paulo SANCHEZ 2 Ruy GUERIOS 3 Mauro

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Ciência da Informação/Londrina, PR.

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Ciência da Informação/Londrina, PR. 1 A RELAÇÃO ENTRE A COMPETÊNCIA INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes Thomaz 1 ; Linete Bartalo 2 (Orientadora), e-mail: linete@uel.br. Universidade Estadual de Londrina/Departamento

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval

O ENSINO DE INGLÊS NA ESCOLA NAVAL Profa. Dra. Ana Paula Araujo Silva Escola Naval Eixo Temático I: Práticas pedagógicas a serviço da educação superior militar Subtema 1: metodologias de ensino e aprendizagem; ensino voltado para competências; hibridismo pedagógico; interdisciplinaridade

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL

FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL FORMAÇÃO INICIAL: AS EXPECTATIVAS DE ALUNOS DE PEDAGOGIA ACERCA DA PEDAGOGIA EMPRESARIAL Regina Lúcia Maciel De Sousa RESUMO As constantes mudanças econômicas e sociais configuram um novo cenário de valorização

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à relação entre educação e sociedade, julgue os Com relação às concepções pedagógicas, julgue os próximos itens. itens a seguir. 60 A vivência grupal na forma

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE MATERIAIS DIDÁTICOS ADAPTADOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CORAÇÃO EUCARÍSTICO 01 PERFIL DO CURSO: O curso de Ciências Econômicas, reconhecido pelo Decreto nº 67.055, de 14 de agosto de 1970, leva em consideração

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ASSUNTO: Regulamentação Do Programa de Educação a Distância e Instituição do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) no CEFET-MG RELATÓRIO 1. Bases

Leia mais

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS Vlademir Marim Universidade Federal de Uberlândia marim@pontal.ufu.br Leonardo Silva Costa Universidade Federal de Uberlândia leonardo@mat.pontal.ufu.br

Leia mais

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO Adriano Francisco da Paz, Cesar Felipe Quintino dos Santos, Edna do Espirito Santo de Assis, Natália do Amaral Rodrigues, Selma Regina

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA

XADREZ NAS ESCOLAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA XADREZ NAS ESCOLAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA LARA, Silvio Carlos Rezende de Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SANTOS, Mariól Siqueira Docente

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO UTRAMIG / Nº 11 / 2012. Processo de Credenciamento de Docentes Colaboradores Externos

EDITAL DE CREDENCIAMENTO UTRAMIG / Nº 11 / 2012. Processo de Credenciamento de Docentes Colaboradores Externos EDITAL DE CREDENCIAMENTO UTRAMIG / Nº 11 / 2012 Processo de Credenciamento de Docentes Colaboradores Externos A Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais UTRAMIG comunica a abertura do processo

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais

Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Motivação para o trabalho no contexto dos processos empresariais Carlos Alberto Pereira Soares (UFF) carlos.uff@globo.com Wainer da Silveira e Silva, (UFF) wainer.uff@yahoo.com.br Christine Kowal Chinelli

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

6 Conclusões e recomendações

6 Conclusões e recomendações 6 Conclusões e recomendações Este trabalho teve como objetivo investigar o quanto a autenticidade dos líderes melhora o desempenho no contexto, na tarefa e em segurança de seus seguidores, analisando especificamente

Leia mais

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo.

» analisar os resultados de uso dos materiais e refletir sobre as estratégias empregadas no processo. 1 Introdução Quando nos propomos a pensar o quê um professor pode usar na sua relação com os alunos em sala de aula como recurso didático, o que imaginamos? Há um universo de possibilidades para estabelecer

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário

ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário ACÓRDÃO Nº 07/2011 - CFA - Plenário 1. PARECER TÉCNICO CETEF Nº 04/2011, de 20/07/2011. 2. EMENTA: Obrigatoriedade de registro das empresas de Treinamento nos Conselhos Regionais de Administração. 3. RELATOR:

Leia mais

GRADUAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO APRESENTAÇÃO

GRADUAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO APRESENTAÇÃO GRADUAÇÃO - ADMINISTRAÇÃO APRESENTAÇÃO O Curso de Administração da Faculdade de Campina Grande FAC- CG, criado por meio da Portaria MEC 2.001 de 22/07/2003, publicada no DOU de 23/07/2003, foi implementado

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS

CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS CONSTRUÇÃO DE MAQUETES COMO ESTRATÉGIA DE ENSINO- APRENDIZAGEM: CONTRIBUIÇÕES PARA FORMAÇÃO INICIAL DE PEDAGOGOS Autor: Claudio Wagner Locatelli Mestrando do Programa de Ensino, História e Filosofia das

Leia mais

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ RESUMO DOS PROJETOS

REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ RESUMO DOS PROJETOS REDE DE EDUCAÇÃO SMIC COLÉGIO SANTA CLARA SANTARÉM-PARÁ RESUMO DOS PROJETOS PROJETO SEMEANDO VIDAS: PLANTAS QUE ALIMENTAM BABY CLASS A e B Cristiane Repolho dos Santos¹ Talita Rocha de Aguiar² A escola

Leia mais

PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA ARTS TEACHER : EDUCATIONAL POLICY IN VIÇOSA

PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA ARTS TEACHER : EDUCATIONAL POLICY IN VIÇOSA PROFESSOR DE ARTES: A POLÍTICA EDUCACIONAL EM VIÇOSA Fernanda Ribeiro de Nardi Bastos (UFV) i Prof. Ms. Rosana Aparecida Pimenta (UFV) ii RESUMO: O presente trabalho foi desenvolvido no município de Viçosa,

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO

Leia mais

O PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE E O COORDENADOR PEDAGÓGICO

O PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE E O COORDENADOR PEDAGÓGICO O PROGRAMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: DIREITO À DIVERSIDADE E O COORDENADOR PEDAGÓGICO Marcelo Messias Rondon 1 Universidade Federal de São Carlos -UFSCar Palavras-chave: Políticas Públicas, Coordenador Pedagógico,

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE TUTORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE TUTORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE TUTORES EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Goiânia- GO - Abril 2014 Antônio Borges Júnior Instituto Federal de Goiás - antonio.junior@ifg.edu.br Paula Graciano Instituto Federal de Goiás

Leia mais

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum

Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum Necessidade e construção de uma Base Nacional Comum 1. O direito constitucional à educação é concretizado, primeiramente, com uma trajetória regular do estudante, isto é, acesso das crianças e jovens a

Leia mais

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços INFORMATIVO GESTÃO DE PESSOAS 2013-2016 Maio - 2016 Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para uma melhor prestação de serviços uma sociedade cada vez mais complexa e dinâmica exige

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO

SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR

GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR GESTÃO DEMOCRÁTICA: ALGUNS DESAFIOS E PERSPECTIVAS NO COTIDIANO ESCOLAR Girlene dos Santos Souza 1 ; Danielle Lima de Oliveira 1 ; Josilene Maria de Almeida 2 ; Ana Maria Pereira de Lima 3 ; Ângela Cristina

Leia mais

Bacharelado em Educação Física

Bacharelado em Educação Física Bacharelado em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular possivelmente seja uma das mais ricas experiências do acadêmico que optou pelo Curso de Bacharelado em Educação Física. As situações

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Vitória - ES A Carga de Trabalho dos Professores - Pode ser analisada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Ambiental da IES tem por missão a graduação de Engenheiros Ambientais

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO EDUCAÇÃO CONTINUADA E CAPACITAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES DOS CURSOS SUPERIORES DE ENGENHARIA: INICIANDO A DISCUSSÃO Sandra Maria Dotto Stump - sstump@mackenzie.com.br

Leia mais

Impacto_ Aproximar o ambiente escolar do desenvolvimento de habilidades socioemocionais cria espaço para um aprendizado mais completo e tem impacto no bem-estar ao longo de toda a vida. Isso porque, segundo

Leia mais

Pedagogia do Desporto. António Rosado

Pedagogia do Desporto. António Rosado Pedagogia do Desporto António Rosado Âmbito da Pedagogia do Desporto A Pedagogia reflecte sobre as questões: 1. O que é uma boa Educação? 2. Como consegui-la? A Pedagogia do Desporto reflecte: 1. O que

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais