AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO"

Transcrição

1 AMBINOV SOLUÇÕES INOVADORAS EM AMBIENTE, RESÍDUOS E ENERGIAS RENOVÁVEIS CARACTERIZAÇÃO A Estratégia de Eficiência Colectiva (EEC) PROVERE AMBINOV Soluções Inovadoras em Ambiente, Resíduos e Energias Renováveis tem como objectivo consolidar e diversificar a fileira ambiental e de tratamento de resíduos já existente na Chamusca bem como explorar o potencial endógeno da região na produção de energia a partir de fontes renováveis, nomeadamente de biomassa de origem florestal, de resíduos e ainda a produção de biocombustíveis. Uma visão integrada da gestão de resíduos implica olhar para o seu potencial de valorização, nomeadamente energética. Tendo em conta a quantidade e diversidade de resíduos, passíveis de serem transformados em energia, que têm como destino as unidades instaladas na região (RESITEJO, CIRVER, Eco-Parque do Relvão), bem como a vasta área de floresta existente, é claramente prioritário apostar em projectos integradores e complementares, preferencialmente com recurso a tecnologias inovadoras, que contribuam de modo decisivo para uma melhor qualidade ambiental, fomentando um modelo de desenvolvimento económico sustentável que visa simultaneamente resolver os problemas ambientais que se colocam no mundo moderno. Pretende-se que este PROVERE sirva de catalisador para a emergência de redes de cooperação que permitam ultrapassar os constrangimentos inerentes aos territórios de baixa densidade, contribuindo decisivamente para o aumento da competitividade territorial e aumentando a sua atractividade para empresas, entidades e populações. O Programa de Acção integra um projecto para gestão e acompanhamento da parceria, 8 outros Projectos Âncora e 13 Projectos Complementares, envolvendo um investimento global previsto de para o caso dos Projectos Âncora (dos quais corresponde a investimento público e a investimento privado). 9

2 PROJECTOS ÂNCORA 1. SYMBIO Facilitação de Simbioses Industriais Regionais Promotor: Município da Chamusca Investimento: ECO-Energy Promotor: Município da Chamusca Investimento: Smart Energy Promotor: ADIOPLAST Indústria de Plásticos, Lda Investimento: Estabelecimento de Armazenagem e Destruição de Baterias Usadas Promotor: SOGEBAT Sociedade de Gestão de Baterias Usadas Investimento: Ampliação e Modernização do Sistema Produtivo Promotor: ADIOPLAST Indústria de Plásticos. Lda Investimento: Central de Co-Geração a Biomassa Florestal Promotor: FLORECHA Forest Solutions Investimento:

3 7. Unidade de Pirólise de Biomassa Promotor: FLORECHA Forest Solutions Investimento: Fabrico e Armazenamento de Produtos Explosivos Promotor: MAXAMPOR, SA Investimento: ENTIDADE LÍDER DO CONSÓRCIO: Município da Chamusca PARCEIROS: 10 parceiros, dos quais: 1 Público 9 Privados 11

4 BREVE CARACTERIZAÇÃO DOS PROJECTOS ÂNCORA 1. SYMBIO Facilitação de Simbioses Industriais Regionais O projecto pretende capitalizar sobre os efeitos positivos gerados pela dinamização do Eco-Parque do Relvão (EPR) e pelos seus conceitos enquadradores, procurando expandir este potencial à restante região. O incentivo à emergência de redes de parcerias na gestão sustentável de recursos gera efeitos ambientais e económicos positivos, quer para as empresas, quer para a região. Ao nível da empresa, ao procurar fechar ciclos de materiais, baixam os custos associados à aquisição de matérias-primas e/ou energia, bem como os custos associados à gestão de resíduos, e podem ser geradas novas receitas através da identificação de oportunidades de negócio com base na reutilização/reciclagem de materiais. Ao nível da região o impacto advém do investimento e geração de emprego, valorização e rentabilização do património industrial instalado, bem como das externalidades ambientais positivas associadas à valorização dos recursos materiais endógenos. Tomando como ponto de partida o EPR e o trabalho desenvolvido em conjunto pelos seus stakeholders (empresas, universidades, câmara municipal, associações industriais, associações multimunicipais) pretende-se encetar uma série de actividades coordenadas que visem analisar e implementar parcerias empresariais que conduzam ao mesmo fecho de ciclos materiais e energéticos, em toda a região envolvente. Estas actividades incluem a análise extensiva de fluxos de materiais e energéticos na região, a identificação de fluxos de materiais prioritários para reintrodução nos ciclos económicos, a identificação de empresas e sectores industriais e de prestação de serviços na região que tenham capacidade tecnológica e processual para integrar os materiais no seu processo produtivo, a identificação de novas oportunidades de negócio com base no potencial material e energético contabilizado, a análise de viabilidade económica e de impacte ambiental associada ao potencial de reutilização identificado e por fim a mediação entre as empresas/sectores identificados. O projecto obriga à criação de uma equipa multidisciplinar, com várias competências, que integra elementos dos actores envolvidos na estratégia, e que trabalhará em conjunto com os recursos externos a serem contratados. 12

5 2. ECO-Energy O projecto tem como finalidade contribuir para o cumprimento dos objectivos estabelecidos na Estratégia Nacional de Energia, no Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética (PNAEE) e no Plano Tecnológico e no Plano Nacional de Combate às Alterações Climáticas. Para a prossecução desse objectivo, propõe-se assegurar o cumprimento da política dos 3 vinte (aumento em 20% da eficiência energética, 20% de energias renováveis e redução em 20% das emissões de GEE) da Comissão Europeia promovendo a autonomia e a auto-suficiência energética e a eficiência colectiva (mini centrais fotovoltaícas para abastecer conjuntos de empresas, infra-estruturas de aproveitamento de calor e vapor, etc.) e a redução global de custos energéticos por parte do conjunto das empresas do Eco-Parque do Relvão (EPR), através da implementação de uma gestão energética sustentável capaz de minimizar o impacte ambiental do parque em geral, e minimizar as emissões de gases de efeito de estufa em particular através da integração de energia obtida a partir de fontes renováveis, bem como de medidas de eficiência energética. Estas acções serão controladas e monitorizadas por sistemas de telecontagem. Pretende-se elaborar o Masterplan Energético do Eco-Parque do Relvão (EPR) que inclui o levantamento do potencial de aproveitamento energético dos recursos endógenos do EPR e da região envolvente (energias renováveis - solar, eólica, biomassa), a elaboração da matriz energética e a elaboração de um Plano de Acção Estratégico, com a identificação de eixos prioritários de intervenção e de medidas concretas a implementar. Este Masterplan e respectivo Plano de Acção Estratégico serão fundamentados em diversos estudos técnico-económicos de viabilidade de implementação das medidas de eficiência energética e energias renováveis, de âmbito colectivo e individual, incluindo a identificação de possíveis modelos de financiamento. A divulgação dos resultados e conhecimentos obtidos será feita através da publicação de um manual de boas práticas energéticas para as empresas instaladas e a instalar no EPR e a sua implementação será assegurada através do projecto de animação e dinamização da EEC. Ao mesmo tempo será feito o levantamento das necessidades de formação no 13

6 domínio da eficiência energética de modo a definir prioridades de formação de curtomédio prazo para a requalificação dos recursos humanos das empresas do EPR e sua envolvente. 3. Smart Energy Este projecto tem como objectivos promover a implementação de medidas de poupança energética nas empresas instaladas no Ecoparque do Relvão, recorrendo a medidas de eficiência energética, integração de energias renováveis e sistemas de telecontagem para monitorização, tendo em vista a promoção do uso dos recursos endógenos (vento, sol e biomassa). Assegurar o cumprimento da política dos 3 vinte (aumento em 20% da eficiência energética, 20% de energias renováveis e redução em 20% das emissões de GEE) da Comissão Europeia por parte das empresas do Ecoparque. O projecto consiste na realização de diagnósticos energéticos nas empresas, elaboração de planos de racionalização de consumos energéticos e estudos de viabilidade técnicoeconómica de implementação das medidas identificadas como necessárias, bem como na implementação de projectos-piloto de telecontagem visando monitorizar a evolução dos consumos energéticos. Pretende que a lógica de actuação tenha um foco principal nas medidas de âmbito colectivo, servindo os resultados deste projecto para posterior disseminação pelas empresas do Eco-Parque e da região. 4. Estabelecimento de Armazenagem e Destruição de Baterias Usadas Construção de um estabelecimento destinado à destruição de baterias, com reaproveitamento total de todos os seus componentes, através da utilização de tecnologia inovadora desenvolvida pelo Grupo Azor Ambiental, com comprovada experiência de mais de 60 anos, nesta área. Esta tecnologia inovadora garante a não contaminação do ambiente pelos componentes das baterias, por funcionar em circuito fechado reaproveitando, para além do chumbo, também os ácidos e o invólucro plástico que, após tratamento, poderão ser utilizados como matéria-prima em circuitos industriais. Serão construídos dois pavilhões industriais, um já terminado, para recolha de baterias e filtros de óleo, e o segundo para instalação de uma linha industrial para a destruição, separação e aproveitamento de todos os componentes que constituem uma bateria. Os 14

7 resíduos a receber e tratar são baterias de chumbo (LER ), filtros de óleo (LER ) e sucata de chumbo (LER ). 5. Ampliação e Modernização do Sistema Produtivo A empresa pretende ampliar a quantidade de resíduos a receber e tratar, que estima em mais de t/ano tendo estabelecido acordos com os sistemas de gestão de RSU da ECOLezíria, Resitejo e Tratolixo. Pretende ainda ser ponto de recepção de todo o plástico proveniente dos agricultores da região, necessitando para isso de modernizar e ampliar o seu sistema produtivo. O projecto tem, por isso, como objectivo ampliar e modernizar linha de triagem, linha de lavagem e linha de granulação, bem como estruturas complementares: a ETAR com o objectivo de garantir o cumprimento da legislação e a melhoria do seu desempenho ambiental, o laboratório de controlo de qualidade com o objectivo de garantir a qualidade da produção e a rede de transportes de recolha de material com o objectivo de garantir a recolha eficaz na vasta área territorial abrangida pelos contratos. Pretende ainda implementar um sistema integrado de gestão da qualidade e ambiente de acordo com as normas ISO 9001 e ISO 14001, de modo a permitir a exportação do material reciclado. 6. Central de Co-Geração a Biomassa Florestal O projecto consiste na produção de energia, sob a forma de electricidade, de água quente e de vapor de água numa unidade de co-geração, a partir de uma fonte de energia renovável, a biomassa florestal, obtida no concelho da Chamusca e concelhos limítrofes. A unidade é constituída por um parque de recepção, trituração e armazenamento de biomassa; equipamento de alimentação da caldeira (gruas e tapetes de alimentação); caldeira; permutador de calor; circuito de vapor/água; turbina; gerador; sistema de tratamento de gás de exaustão e sistema de remoção de cinzas. Os produtos finais passíveis de serem comercializados são água quente, vapor e electricidade. A tecnologia a utilizar pode ser combustão directa ou gaseificação. 15

8 7. Unidade de Pirólise de Biomassa O projecto consiste na produção de um conjunto de produtos tais como bio-óleos, gás de síntese, carvão ou electricidade numa unidade de pirólise (degradação térmica na ausência de Oxigénio), a partir de uma fonte de energia renovável, a biomassa florestal, obtida no concelho da Chamusca e concelhos limítrofes. A instalação inclui um parque de recepção, armazenamento e trituração; secagem do combustível, o reactor de pirólise, recuperador de calor, sistema de recuperação de produtos e sistema de produção de vapor e electricidade. Da pirólise da biomassa obtêm-se produtos na fase sólida (carvão), líquida (alcatrão) e gasosa (H2, CO e CO2). O carvão pode ser transformado em carvão activado, utilizado como combustível ou adicionado a solos agrícolas e florestais por possuir qualidades enquanto melhorador da actividade biológica e da sua capacidade de retenção de nutrientes (importante sumidouro de CO2) e corrector de ph. O alcatrão pode ser refinado num bio-óleo que pode ser utilizado em motores de combustão ou directamente para a produção de calor e electricidade. Também o gás de síntese pode ser utilizado como substituição de gás natural para a produção de calor e electricidade. 8. Fabrico e Armazenamento de Produtos Explosivos Construção de um estabelecimento de fabrico e de armazenagem de um novo tipo de produto explosivo civil, desenvolvido pela unidade de investigação, inovação e desenvolvimento da empresa e que utilizará matéria-prima nacional. O estabelecimento será construído nos terrenos da herdade do Casal da Galega na Chamusca, limítrofe ao Eco-Parque do Relvão e constará de três (3) paióis tipo igloo (semi-enterrados cobertos com uma camada de terra de 2 metros) para armazenagem de explosivos e cordões detonantes, dois (2) paióis em superfície travesados para armazenagem de detonadores e de cartuchos de caça, uma oficina de fabrico de explosivos, para além de edifícios de apoio. 16

Cooperar para melhor Competir. Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters

Cooperar para melhor Competir. Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters Cooperar para melhor Competir Pólos de Competitividade e Tecnologia & Outros Clusters Índice 03 04 Enquadramento 06 Pólo de Competitividade e Tecnologia Engineering & Tooling 10 Pólo de Competitividade

Leia mais

Principais objetivos que integrarão o Plano Nacional de Mudança Climática

Principais objetivos que integrarão o Plano Nacional de Mudança Climática Principais objetivos que integrarão o Plano Nacional de Mudança Climática 1.Fomentar aumentos de eficiência no desempenho dos setores produtivos na busca constante do alcance das melhores práticas. Cogeração

Leia mais

Sistemas de Electrónica, Lda

Sistemas de Electrónica, Lda Sistemas de Electrónica, Lda Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental Statement Grundig Declaração Ambiental Grundig Environmental

Leia mais

Governo dos Açores. Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial

Governo dos Açores. Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial Governo dos Açores Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial Dezembro de 2012 Índice Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial... 1 1 - Política

Leia mais

Guia AGENDA 21 Local

Guia AGENDA 21 Local MANUAL Guia AGENDA 21 Local Um desafio para todos GUIA AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO PARA TODOS Manual Novembro de 2007 Título: Guia Agenda 21 Local Um desafio para todos Autoria: Equipa da TTerra Auditoria,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DA BIOMASSA

GRUPO DE TRABALHO DA BIOMASSA RELATÓRIO GRUPO DE TRABALHO DA BIOMASSA COMISSÃO DE AGRICULTURA E MAR Junho de 2013 ÍNDICE DE ABREVIATURAS UTILIZADAS NO RELATÓRIO ANEFA Associação Nacional de Empresas Florestais, Agrícolas e do Ambiente

Leia mais

Gro Harlem Brundtland (org.). O Nosso Futuro Comum. Relatório da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro 1988.

Gro Harlem Brundtland (org.). O Nosso Futuro Comum. Relatório da Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro 1988. Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades do presente, sem comprometer a capacidade das gerações vindouras satisfazerem as suas próprias necessidades. Gro Harlem Brundtland (org.).

Leia mais

guia metodológico para a produção de cartografia municipal de risco e para a criação de sistemas de informação geográfica (sig) de base municipal

guia metodológico para a produção de cartografia municipal de risco e para a criação de sistemas de informação geográfica (sig) de base municipal guia metodológico para a produção de cartografia municipal de risco e para a criação de sistemas de informação geográfica (sig) de base municipal guia metodológico para a produção de cartografia municipal

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 9.8.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 214/3 REGULAMENTO (CE) N. o 800/2008 DA COMISSÃO de 6 de Agosto de 2008 que declara certas categorias de auxílios compatíveis com o mercado comum, em aplicação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Programa do XVII Governo Constitucional PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Programa do XVII Governo Constitucional 2 Índice INTRODUÇÃO... 6 CAPÍTULO I UMA ESTRATÉGIA DE CRESCIMENTO PARA A PRÓXIMA DÉCADA... 9 I. VOLTAR A ACREDITAR... 9 1. Uma

Leia mais

Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado

Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado Relatório da Nestlé sobre a Criação de Valor Partilhado A Criação de Valor Partilhado Para que uma empresa possa alcançar o sucesso a longo prazo, deverá criar valor não apenas para os seus accionistas

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL - ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL - ALENTEJO 2020 PLANO DE ACÇÃO REGIONAL - ALENTEJO 2020 Documento de Referência para a sua Elaboração CCDRAlentejo, 1 de Fevereiro de 2013 INDICE Introdução 1. Principais conclusões da Avaliação Intercalar do INALENTEJO

Leia mais

Caminhos para uma economia de baixa emissão de carbono no Brasil

Caminhos para uma economia de baixa emissão de carbono no Brasil Caminhos para uma economia de baixa emissão de carbono no Brasil Prefácio Líderes de várias nações discutem hoje metas ambiciosas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE), a fim de diminuir

Leia mais

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e

O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e O Instituto Brasileiro de Siderurgia - IBS é entidade associativa das empresas brasileiras produtoras de aço. Tem como objetivo realizar estudos e pesquisas sobre produção, mercado, comércio exterior,

Leia mais

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO

TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO TÍTULO AUTOR COMPOSIÇÃO IMPRESSÃO POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, DIRECÇÃO DE PLANIFICAÇÃO MINERVA CENTRAL 1500 EXEMPLARES PROGRAMA

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 26.6.2014 L 187/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 651/2014 DA COMISSÃO de 16 de junho de 2014 que declara certas categorias de auxílio compatíveis com o mercado interno, em

Leia mais

A Caminho do Crescimento Verde: Um Sumário para os Decisores Políticos Maio de 2011

A Caminho do Crescimento Verde: Um Sumário para os Decisores Políticos Maio de 2011 A Caminho do Crescimento Verde: Um Sumário para os Decisores Políticos Maio de 2011 Em Junho de 2009, os ministros de 34 países assinaram uma Declaração sobre Crescimento Verde, declarando que iriam: Intensificar

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS DOS ECOSSISTEMAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS

GESTÃO DE SERVIÇOS DOS ECOSSISTEMAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS GESTÃO DE SERVIÇOS DOS ECOSSISTEMAS EM BACIAS HIDROGRÁFICAS Volume IV Nuno Guiomar Associação Portuguesa de Engenharia Natural Departamento de Paisagem, Ambiente e Ordenamento da Universidade de Évora

Leia mais

Manual de. compras. Sustentáveis

Manual de. compras. Sustentáveis Manual de compras Sustentáveis Manual de Compras Sustentáveis Maio 2014 CEBDS Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável Manual de Compras Sustentáveis Índice O que é o CEBDS 8

Leia mais

Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal. Abril de 2014

Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal. Abril de 2014 Anexos: Estratégia Europa 2020 Ponto de Situação das Metas em Portugal Abril de 2014 Abril de 2014 ÍNDICE ÍNDICE... 1 O MEMORANDO DE ENTENDIMENTO... 2 METAS DA ESTRATÉGIA EUROPA 2020: PONTO DE SITUAÇÃO...

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS SEM-ABRIGO PREVENÇÃO, INTERVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS SEM-ABRIGO PREVENÇÃO, INTERVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A INTEGRAÇÃO DE PESSOAS SEM-ABRIGO PREVENÇÃO, INTERVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO 2009-2015 1 ÍNDICE PREÂMBULO...3 1- INTRODUÇÃO...6 2. IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA...8 3 APRESENTAÇÃO DA

Leia mais

DINÂMICAS E DESAFIOS TERRITORIAIS. O CASO PARTICULAR DO

DINÂMICAS E DESAFIOS TERRITORIAIS. O CASO PARTICULAR DO DINÂMICAS E DESAFIOS TERRITORIAIS. O CASO PARTICULAR DO PLANO DE INTERVENÇÃO TERRAS DO PULO DO LOBO: LUGARES COM HISTÓRIA, PLENOS DE FUTURO Jorge Revez* / Sandra Cascalheira** Associação de Defesa do Património

Leia mais

ÍNDICE DE TEXTO. Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES... 2 3 - BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO... 3 4 - CONTEÚDO DA DIA... 7

ÍNDICE DE TEXTO. Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES... 2 3 - BREVE DESCRIÇÃO DO PROJECTO... 3 4 - CONTEÚDO DA DIA... 7 EXPANSÃO DA INSTALAÇÃO DE REJEITADOS DE CERR RO DO LOBO UTILIZANDO TECNOLOGIA DA PASTA / REJEITADOS ESPESSADOS Sumário Executiv vo Fevereiro de 2010 ÍNDICE DE TEXTO Pág. 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ANTECEDENTES...

Leia mais

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade

Avanços da indústria. Encontro da Indústria para a Sustentabilidade Avanços da indústria brasileira rumo ao desenvolvimento sustentável Síntese dos fascículos setoriais Encontro da Indústria para a Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI PRESIDENTE Robson

Leia mais

Eficiência na utilização dos recursos: um imperativo comercial

Eficiência na utilização dos recursos: um imperativo comercial Abril de 2011 Eficiência na utilização dos recursos: um imperativo comercial PT O crescimento da economia mundial e o aumento da população (9 mil milhões de habitantes até 2050) implicam o rápido esgotamento

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PARA O FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 2013-2016

PLANO ESTRATÉGICO PARA O FOMENTO DO EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES 2013-2016 PR-01195 PLANO ESTRATÉGICO PARA O PR-01195 i i Sumário executivo Reconhecendo a importância do empreendedorismo na promoção da inovação e da competitividade, o Governo Regional dos Açores tem vindo a implementar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 de Dezembro A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 310/2003, de 10 de Dezembro (que altera o Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

AVALIAÇÃO EMERGÉTICA DE UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO A GÁS

AVALIAÇÃO EMERGÉTICA DE UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO A GÁS UNIVERSIDADE LUSÍADA DE VILA NOVA DE FAMALICÃO AVALIAÇÃO EMERGÉTICA DE UMA CENTRAL DE COGERAÇÃO A GÁS José Manuel Pereira Gomes Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Engenharia e Gestão Industrial

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais