ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO Marcio Gonçalves Cabeça (UNIMEP) Iris Bento da Silva (UNIMEP) GUSTAVO BENEVIDES (UNISO) A escolha da melhor ferramenta de gestão para suportar o processo de melhoria continua é fundamental em um ambiente competitivo e dinâmico. Neste ambiente surge as ferramentas de gestão Seis Sigma e Lean Manufacturing como opçõe para serem utilizadas.o objetivo deste artigo é fazer uma analise crítica das ferramentas Seis Sigma e Lean Manufacturing através do resultado de um estudo de caso onde estas ferramentas foram aplicadas na resolução de um problema de qualidade em um produto manufaturado Palavras-chaves: Seis Sigma; Lean Manufacturing; Estudo de Caso.

2 1. Introdução Atualmente as empresas do setor automotivo se vêem em uma busca constante por redução de custos e melhorias de qualidade em seus processos produtivos e administrativos. E neste processo de melhoria continua as empresas se vêem perdidas não sabendo definir qual a melhor ferramenta a ser adotada, ora por falta de conhecimento ora por falta de literatura especifica que trate do tema. Um exemplo recente deste dilema é a junção das ferramentas Lean Manufacturing e Seis Sigma, originando, o Lean Sigma, e aumentando com isto a confusão sobre qual a melhor metodologia a ser utilizada e qual o contexto mais apropriado. Conforme Mortimer (2006) interessantemente o Seis Sigma vem sendo utilizado conscientemente devido a um grande quantidade de vantagens. Isto se justifica uma vez que a ferramenta Seis Sigma tem como base fundamental reduzir a variação nos processos e com assim eliminar os defeitos ou falhas nos produtos e processos. (LINDERMAN et. al. 2003; ANDRIETTA;MIGUEL; 2003). Por um outro lado, conforme Bhasin e Burcher (2004), uma grande porção da literatura sugere que a metodologia Lean Manufacturing ajuda na competitividade das empresas. Enfatizando a eliminação do desperdício em todas as atividades ao longo do fluxo de valor (Arnheiter e Maleyeff., 2005). Neste contexto NAVE (2002) salienta que a seleção da metodologia mais adequada para o processo de melhoria depende da cultura da organização em questão e de acordo com este mesmo autor, os lideres de cada metodologia (Lean Manufacturing e Seis Sigma) proclamam que as suas ferramentas e métodos podem superar todas as dificuldades quanto à cultura e valores das organizações uma vez que a implementação de sua metodologia, o foco em suas ferramentas, métodos e teorias irão permitir melhorar a teoria de gerenciamento e a estratégia do negócio. Por isto conforme o autor é de suma importância para as empresas que os projetos e atividades de melhoria estejam alinhadas com sua cultura e valores, independente de quanto atrativa determinada metodologia possa parecer Objetivos do Artigo: De acordo com Bendell (2006) tem havido inumeras tentativas de se combinar as metodologias Lean Manufacturing e Seis Sigma sobre títulos como por exemplo: Lean Seis Sigma ou Lean Sigma. E conforme Bendell (2006), na realidade estes são exemplos práticos de incompatibilidade e mesmo conflitos entre as abordagens que tem levado a subutilização de processos e programas de melhoria. E neste mesmo autor questiona até qual extensão as duas abordagens são compatíveis e como eles podem ser eficientemente combinados em um único sistema? Neste contexto e com o objetivo de responder este questionamento esse artigo será avaliado a aplicação das ferramentas Lean Manufacturing e Seis Sigma na resolução de um problema de qualidade em um produto manufaturado. 2

3 Com isto, pode-se afirmar que o objetivo deste artigo é o de realizar uma análise comparativa do resultado da aplicação das ferramentas Lean Manufacturing e Seis Sigma e assim indicar a melhor situação para aplicação de cada uma. 2. Seis Sigma Atualmente cada vez mais o Seis Sigma vem sendo aplicado como uma metodologia de melhoria dos negócios ao invés de uma medição estatística baseada em tecnologia ( BEHARA et al., 1995 ; HARRY e SCHROEDER, 2000; McADAM ; LAFFERTY; 2004). A abordagem Seis Sigma tem se provado altamente eficiente em termos de realizar economias de custos e aumento na satisfação dos clientes. Tipicamente, os Seis Sigma é uma estratégia, uma abordagem abrangente para empresa onde os projetos têm o potencial de simultaneamente reduzir custos e aumentar a satisfação dos clientes ( Bendell, 2006). Conforme LINDERMAN et al., (2003); ANDRIETTA;MIGUEL; (2003) o principio fundamental do programa Seis Sigma é reduzir continuamente a variação nos processos e com isto eliminar os defeitos ou falhas nos produtos e processos. O que é denominado Seis Sigma surgiu no início de 1987, quando profissionais da empresa Motorola iniciaram uma série de estudos sobre os conceitos estabelecidos por Deming sobre a variabilidade dos processos de produção, tendo como objetivo melhorar o desempenho por meio da análise de tais variações. Essas iniciativas foram reconhecidas pela direção da Motorola, que apoiou e estimulou a disseminação da nova abordagem proposta, pois visava à implantação em todas as atividades da empresa e enfatizava o conceito de melhoria contínua (HENDERSON e EVANS, 2000; ANDRIETTA; MIGUEL, 2007) Processo DMAIC A metodologia DMAIC (Define, Measure, Analyse, Improve e Control) é particularmente efetiva para manufatura e processos simples de serviços (Bendell, 2006) As etapas da metodologia DMAIC pode ser definida conforme abaixo: Etapa Definir: Identificar o processo ou produto que necessita de melhoria; Etapa Medir: Selecionar as características do produto, mapear os processos, realizar as medições necessárias, gravar os resultados e estimar a capacidade do processo no curto e longo prazo; Etapa Analisar: Analisar e fazer benchmark dos produtos e processos chaves e suas métricas; Etapa Melhoria: Tomar as ações necessárias para melhorar os produtos e processos identificados como críticos; Etapa Controlar: Garantir que as condições do novo processo são documentadas e monitoradas via controle estatístico de processo Estrutura do Seis Sigma Um dos pontos fortes do programa Seis Sigma é a sua estrutura onde os papéis de cada membro do programa esta claramente definido, conforme exemplo abaixo. 3

4 Especialistas Patrocinador Patrocinador / Especialista Sponsor Nível de Atuação Principal Executivo da Empresa Principais Atribuições Promover e definir as diretrizes para a implementação do Seis Sigma. Sponsor Facilitador Diretoria Assessorar o Sponsor do Seis Sigma na implementação do programa. Champion Gerência Apoiar os projetos e remover possíveis barreiras para o seu desenvolvimento. Master Black Belt Balck Belt Staff Staff Assessorar os Sponsors e Champios e atuar como mentores dos Black Belts e Green Belts. Liderar equipes na condução de projetos multifuncionais (preferencialmente) ou funcionais. Green Belt Yellow Belt White Belt Staff Supervisão Operacional Liderar equipes na condução de projetos funcionais ou participar de equipes lideradas por Black Belts. Supervisionar a utilização das ferramentas Seis Sigma na rotina da empresa e executar projetos mais focados e de desenvolvimento mais rápido que os executados pelos Green Belts. Executar ações na operação e rotina da empresa que irão garantir a manutenção, a longo prazo, dos resultados obtidos por meio dos projetos. FIGURA 2 Papéis dos membros do programa Seis Sigma Na figura 2 pode-se observar as atribuições dos principais participantes do programa Seis Sigma, onde observa-se as responsabilidades, níveis de atuação e título da posição. 3. Lean Manufacturing O sistema Toyota de produção teve inicio na década de 1950, no Japão, mas especificamente na Toyota (FILHO; FERNANDES, 2004). Foram Eiiji Toyoda e Taiichi Ohno, da Toyota, que perceberam que a manufatura em massa não funcionaria no Japão e adotaram uma nova abordagem a qual tinha a finalidade de eliminar os desperdícios (Womack et. al. 1992). LIKER (2204) propôs um modelo para o sistema Toyota de produção onde ele descreve 14 princípios os quais, em sua opinião, constituem a fundação do sistema Toyota de produção, conforme figura 3.1. De acordo com este mesmo autor, o segredo do sucesso da Toyota é a sua incrível consistência de performance resultado da excelência operacional. Conforme LIKER (2004), os sete desperdícios que o Lean Manufacturing procura eliminar ou diminuir continuamente são: super produção, espera, transporte desnecessário, processamento desnecessário, estoque, movimento desnecessário e defeitos. De acordo com Andersson et.al. (2006), os princípios do Lean Manufacturing, são: Especificar o Valor - É aquilo que o cliente valoriza, o ponto de partida para Lean, é o cliente e não a empresa que define o que é valor. Identificar o Fluxo de Valor - Significa dissecar a cadeia produtiva e separar os processos em três tipos: Os que geram valor; os que não geram valor, mas são importantes para a manutenção dos processos e da qualidade e os que não agregam valor e devem ser eliminados. 4

5 Criação de Fluxos Contínuos - Exige uma mudança de mentalidade, pois, deve-se pensar em dar fluidez para os processos ao invés de pensar na produção em termos de departamento. Um dos efeitos imediatos é a redução dos estoque e lead time de fabricação. Produção Puxada - Consumidor passa a puxar a produção, eliminando estoques e dando valor ao produto. Busca da perfeição - Aperfeiçoamento continuo em busca de um estado ideal. Solução de Problema Melhoria Contínua e Aprendizado - Aprendizado contínuo através de Kaizen. - Vá e veja por si mesmo (Genchi Genbutsu). - Tome decisões devagar por consenso e implemente rápido. Pessoas e Parceiros Respeitar, Desafiar e Desenvolvê-los - Desenvolva líderes que acreditem na filosofia. - Respeite, desenvolva e desafie as pessoas e times. - Respeite, desafie e ajude os seus fornecedores. Processo Eliminar Desperdício - Criar fluxo. - Usar sistema puxado para evitar superprodução. - Balancear a carga de trabalho (Heijunka). - Parar quando houver um problema de qualidade. - Padronizar as tarefas para melhoria continua. - Usar controle visual para que nenhum problema seja escondido. - Use somente tecnologia confiável. Philosophy Pensamento de Longo Prazo - Tomar decisões gerenciais baseado a filosofia de longo prazo. FIGURA 3.1 Modelo do sistema Toyota de Produção 4. Estudo de Caso Conforme descrito previamente neste artigo será analisada a eficácia da aplicação das ferramentas Lean manufacturing e Seis Sigma na resolução de um problema de qualidade em um componente produzido pela empresa estudada. Neste estudo de caso primeiramente foi utilizado a metodologia Lean Manufacturing para resolução do problema em questão e num segundo momento em função da não resolução do problema de qualidade utilizou-se a ferramenta Seis Sigma. O problema pode ser descrito da seguinte maneira: 5

6 Índice de rejeição de 20,7% da produção do componente fabricado pela empresa estudada devido a deformação da hélice e evolvente. 4.1 Metodologia - Lean Manucturing Utilizando a metodologia de kaizen a empresa estudada formou um time que por um período de duas semanas utilizaram ferramentas Lean para a resolução do problema. De modo a se ter uma visão mais clara do problema e objetivos do trabalho este foi resumido nas seguintes etapas: a) Objetivo do Trabalho: Nesta fase foram definidos os vários objetivos do kaizen. b) Situação Atual: Neste momento é definido mais claramente o produto, demanda mensal e o processo envolvido. As métricas do projeto bem como as possíveis causas raízes a serem atacadas. c) Situação Proposta: Foi definido as ações para eliminação das causas raízes. d) Cronograma do Trabalho e Padronização: Foi realizado a padronização do método de trabalho, inclusive do material de treinamento para os operadores de máquina. e) Resultados Esperados. F) Metas. O resumo destas etapas pode-se ser observado na figura 1.2, onde esta é chamada comumente na metodologia Lean Manufacturing com A3. Comentários sobre os resultados: Pode-se observar que muitos dos objetivos propostos no inicio do Kaizen foram atingidos, como o tempo de set-up: 50% de redução, refugo com uma redução de 30% antes do tratamento térmico e retrabalho. No observa-se o índice de rejeição ficou em 18%, muito acima da meta estabelecida, assim não atingindo os objetivos estabelecidos pela empresa estudada. 4.2 Metodologia - Seis Sigma Devido ao não atendimento dos objetivos de redução do índice de rejeição para o componente analisado a empresa estudada resolveu adotar a metodologia Seis Sigma como alternativa para resolver o problema do índice de rejeição. Para tanto foi elaborado um projeto Seis Sigma onde um grupo multifuncional contendo Black e yellow-belts foram designados para esta atividade. Fase Definir: Nesta etapa do projeto foram definidos: Contrato do projeto: em que se definiu mais detalhadamente a descrição do Problema; consequências do Problema (incômodo); metas do projeto; principal processo envolvido no projeto; fronteiras do projeto e ganhos esperados (financeiros); previsão de investimentos; métrica do projeto; desempenho atual do processo, metas; patrocinador, líder do projeto e equipe de trabalho; cronograma preliminar e suas devidas aprovações. Fase Medir: Nesta etapa as várias características do produto foram medidas e os resultados documentados e introduzidos em programas estatísticos de modo a possibilitar a sua análise. Isto foi realizado em todos os processos desde a forjaria até a usinagem final. Pode-se verificar algumas destas medições que são representadas na figura 1 e 2 respectivamente. 6

7 Exemplo de um formulário A3 utilizado no Kaizen. 7

8 FIGURA 3 Exemplo de A3. Fonte: Estudo de Caso 8

9 FIGURA 4 e 5 Diagramas do denteado Na figura 6 observa-se dados da estrutura química do material, tamanho do grão e o Jominy do material informações ao se analisar deformações inerentes de transformações químicas nos materiais. Outro aspecto importante quando se analisa deformações resultantes de cementação e tempera de engrenagens é a forma e a posição que as mesmas são posicionadas nas cargas. E devido a isto na fase de medir foram coletados dados sobre a deformação no denteamento para cada posição de carregamento das engrenagens (superior e inferior), conforme figuras 7 e 6. Fase Analisar: Nesta etapa foram estabelecidas as causas principais em função das coletas de dados na fase medir, para tanto foi utilizado o modelo teórico de análise, onde: As causas foram organizadas focando o problema. Análise das causas via ferramentas estatísticas. Estabelecimento das causas principais. Conforme figura 8 vemos as causas principais correlacionadas com os principais problemas de qualidade da engrenagem, e com isto delineando para quais processos e situações deveriam ser tomadas ações corretivas. Fase Melhoria: É nesta fase onde são implementadas as ações para a correção das principais causas identificadas na fase analisar. De modo a garantir que a causa raiz identificada e as ações planejadas sejam eficazes na solução do problema, nesta fase são realizados testes pilotos que possam comprovar através de resultados práticos o sucesso das contramedidas implementadas no processo em questão. No caso estudado foram tomadas as seguintes ações para cada problemas: Variação no Ângulo de Hélice: a) Alivio do processo de usinagem anterior do processo de acabamento. b) Inclusão de manutenção preventiva no rolamento dos contra mancais. c) Mudança no fluxo de atmosfera do forno. 9

10 d) Diminuição da temperatura de têmpera. FIGURA 6 Dados estatísticos da análise dos elementos químicos. Fonte: Estudo de Caso empresa X. FIGURA 6 e 7 Fotos de carregamento de engrenagens. Fonte: Estudo de Caso empresa X. 10

11 Variação do Ângulo de Hélice Rugosidade Material Forjamento Material Positivo Usinagem - Excêntricidade no processo de shaving - Falta de abaulado no processo de fresagem. - Falta de abaulado no processo de fresagem. Controle Dimensiona T.T - Temperatura de têmpera - Profundidade da camada de H.T.T.P. - Temperatura de têmpera - Temperatura de têmpera Figura 8 Correlação entre as principais causas. Fonte: Estudo de Caso empresa X. Rugosidade Excessiva: - Alteração da cadência do forno. Material Positivo: - Alteração da cadência do forno. - Alivio do processo de usinagem anterior do processo de acabamento. Os resultados da implementação das ações descritas acima podem ser observados na redução da variação da hélice do denteamento quando comparamos a primeira, segunda e terceira experiência, após implementação das ações figura 9. FIGURA 9 Comparação entre varias experiências. Fonte: Estudo de Caso empresa X. 11

12 Fase Controlar: Nesta fase são tomadas as ações que garantam que as condições do novo processo sejam documentadas e monitoradas via controle estatístico de processo de modo que os padrões estabelecidos sejam mantidos mesmo após a conclusão do projeto. Para este projeto foram inseridos os limites de controle no processo de shaving, os pontos relevantes de manutenção foram incluídos na preventiva da máquina e os operadores e líderes de produção foram treinados nos novos procedimentos. Resultados Com a abordagem Seis Sigma os resultados das ações tomadas foram: - Redução de 18,64% no índice de redução de rejeição. De 20,7% para 2,6%. - Aumento da produtividade no tratamento térmico de 20%. - Fim do efeito tampering no processo de usinagem. 5. Comparação e Conclusão entre o resultado da aplicação das Metodologias Lean Manufacturing e Seis Sigma 5.1. Conclusão: Com base no estudo de caso descrito acima pode-se concluir que os resultados atingidos por meio da utilização da ferramentas Lean Manufatcturing foi ineficaz na resolução do problema de índice de rejeição do componente fabricado pela empresa estudada, pois não foi capaz de identificar as causas raízes do problema, comprovado pelo não atendimento da meta de rejeição máxima estipulada em 5%. Porém pode-se observar uma melhora significativa em outros indicadores como o índice de refugo onde houve uma redução de 30% e no tempo de set-up uma redução de 65%. Em relação aos resultados atingidos pela metodologia Seis Sigma pode-se afirmar que os resultados estipulados foram atingidos, pois índice de rejeição caiu de 20,7% para 2,6% bem abaixo da meta estipulada de 5%. Também é possível observar melhorias em outros indicadores como o índice de refugo onde houve melhora de 30% e um aumento de produtividade de 30% na operação de tratamento térmico. Outro aspecto importante observado nesta pesquisa, para a empresa estudada, é o fato de se demonstrar que para as situações onde há necessidade de redução do índice de refugo e tempo de set-up a metodologia Lean Manufacturing seria mais apropriada. E em relação a metodologia Seis Sigma as situações mais apropriadas para a sua aplicação seriam a necessidade de melhoria da qualidade específica e aumento da produtividade. No entanto é da opnião dos autores que existe a necessidade de um estudo mais aprofundado sobre este tema de modo que sejam coletados dados e identificados situações suficientes de aplicação das ferramentas Lean Manufacturing e Seis Sigma para que se possa ter visão mais aprofundada do assunto. Referência Bibliográfica AHLSTROM, P. Sequences in the implementation of lean production. European management journal, v.16, n.3, p ANDREW LEE-MORTINER. Six Sigma: a vital improvement approach when applied to the right problems, 12

13 in the right environment. Assembly Automation, 26-1, pp ANDRIETTA, J. M.; MIGUEL, P.A.C. Aplicação do programa Seis Sigma no Brasil: resultados de um levantamento tipo survey exploratório-descritivo e perspectivas para pesquisas futuras. Gestão e Produção, v.14, n.2, maio-ago p CAMPOS, A. C. Transição da certificação ISSO 9000 para a QS 9000 estudo de caso em uma empresa do segmento eletro-eletrônico p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. CARNEVALLI, J. A. Estudo Exploratório sobre o uso do QFD nas 500 maiores empresas no Brasil p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. EDWARD D. ARNHEITER; JOHN MALEYEFF. The integration of lean management and Six Sigma. The TQM Magazine, v.17, n.1, pp FILHO, M. G.; FERNANDES, F. C. F. Manufatura enxuta: uma revisão que classifica e analisa os trabalhos apontando perspectivas de pesquisas futuras. Gestão e Produção, v.11, n.1, jan.-abr p FORMÁGGIO, I. A. Múltiplos estudos de caso sobre a inserção do QFD no processo de desenvolvimento de produtos p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. LIKER, J. K. The Toyota way. USA: McGraw-Hill, p. McADAM, R.; LAFFERTY, B. A multilevel case study critique of six sigma: statistical control or strategic change?. International Journal of operations & production management, v.24, n.5, p NAVE, D. How to compare six sigma, lean and the theory of constraints. Quality Progress, Março p PARK, S. H. Six Sigma for quality and productivity promotion. Japan: Asian Productivity Organization, p. SANCHEZ, M. A.; PEREZ, M. P. Lean indicators and manufacturing strategies. International journal of operations & production management, v.21, n.11, p TONY BENDELL. A review and comparison of six sigma and the lean organizations?. The TQM Magazine, v.18, n.3, pp

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

Lean Six Sigma Uma visão da integração

Lean Six Sigma Uma visão da integração Lean Six Sigma Uma visão da integração Dr. Marcos A. F. Borges marcosborges@ft.unicamp.br Marcos A. F. Borges Engenheiro, Mestre e Doutor UNICAMP Jogos para formação de profissionais em conceitos Lean

Leia mais

Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas

Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas Curso FMEA Análise dos Modos e Efeitos das Falhas Importante instrumento da Estratégia Six Sigma *1 FMEA FAILURE MODE and EFFECTS ANALYSIS *2 A necessidade da montagem de um sistema preventivo e não corretivo,

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre DEFINIÇÃO Metodologia para a melhoria de processos por toda empresa. Visa obter aprimoramento da qualidade e ganhos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 A GESTÃO DO NEGÓCIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA E A BUSCA PELA EXCELÊNCIA OPERACIONAL 1 ALBERTO PEZEIRO SÓCIO - DIRETOR pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão

Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão Um pouco sobre qualidade na administração Onde estamos? Onde chegar? Quando chegar? Qual direção tomar? 2 2 2 É uma metodologia estruturada para fornecimento de

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 SISTEMAS DA QUALIDADE SEIS SIGMA 1. INTRODUÇÃO 2. SEIS SIGMA 2 O QUE É O SEIS

Leia mais

Kaizen: Uma importante ferramenta do Lean Seis Sigma

Kaizen: Uma importante ferramenta do Lean Seis Sigma Kaizen: Uma importante ferramenta do Lean Seis Sigma O que é Kaizen? Cristina Werkema O Kaizen termo japonês que significa melhoramento contínuo é uma metodologia para o alcance de melhorias rápidas, que

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO

ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO ESTUDO DE ADERÊNCIA DA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA ÀS PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO Valdir Furlan Junior 1 (valdirfurlanjr@gmail.com) Álvaro Azevedo Cardoso 1 (azevedo@unitau.br)

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

Especial - Lean Seis Sigma. A lamentável banalização do. Lean Seis Sigma

Especial - Lean Seis Sigma. A lamentável banalização do. Lean Seis Sigma A lamentável banalização do Lean Seis Sigma Cuidado para não comprar gato por lebre no que diz respeito à utilização do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema Nos últimos anos o Lean Seis Sigma vem passando

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA SEIS-SIGMA EM UMA EMPRESA DO RAMO LOGÍSTICO: ANÁLISE DA METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO

APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA SEIS-SIGMA EM UMA EMPRESA DO RAMO LOGÍSTICO: ANÁLISE DA METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO APLICAÇÃO DE UM PROGRAMA SEIS-SIGMA EM UMA EMPRESA DO RAMO LOGÍSTICO: ANÁLISE DA METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO EDSON NEVES DA SILVA (UFF) engproducao.edson@gmail.com Luiz Carlos Brasil de Brito Mello (UFF)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS PROGRAMA SEIS SIGMA Aluno: Msc. EDER PADUAN ALVES Msc. LUCAS BENEDITO DOS REIS SOUSA Professor: Dr. Leonel Perondi OUTUBRO / 2011 PROGRAMA LEAN 6 SIGMA

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE Roteiro Visão sobre Qualidade Cinco abordagens da Qualidade Expectativa e percepção Possíveis lacunas (GAPs) O que dizem os gurus da Qualidade

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

ADOÇÃO DO SEIS SIGMA E LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DE MANUFATURA SIX SIGMA AND LEAN PRODUCTION ADOPTION IN A MANUFACTURING COMPANY

ADOÇÃO DO SEIS SIGMA E LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DE MANUFATURA SIX SIGMA AND LEAN PRODUCTION ADOPTION IN A MANUFACTURING COMPANY ADOÇÃO DO SEIS SIGMA E LEAN PRODUCTION EM UMA EMPRESA DE MANUFATURA SIX SIGMA AND LEAN PRODUCTION ADOPTION IN A MANUFACTURING COMPANY Alisson Christian Scheller* E-mail: alisson.christianscheller@gmail.com

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA COMO FALHAR COM SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ Quem somos de atuação. Foco em métodos quantitativos para qualidade, produtividade

Leia mais

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O

P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O P L A N E J A M E N T O D E P R O C E S S O 3 Planejamento de Procesos de Fabricação O Planejamento do processo é a ligação entre a engenharia do produto e a manufatura. Diz respeito à seleção dos processos

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva Estratégia Seis Sigma Livre Docente em Engenharia da Qualidade (UNESP) Engenheiro Industrial Químico (FAENQUIL- EEL/USP) Certified Quality Engineer (American Society for Quality-ASQ-USA) Pós-graduado em

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Liderança e Produtividade. ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026

Liderança e Produtividade. ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026 Liderança e Produtividade ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026 1 Definindo o perfil de Liderança que devemos ter na Organização para garantir o aumento da Produtividade

Leia mais

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto

Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Uma abordagem comparativa do gerenciamento da qualidade do projeto Amaury Bordallo Cruz (PEP/UFRJ) bordalo@ugf.br Elton Fernandes - (Coppe-UFRJ) - elton@pep.ufrj.br Solange Lima (PEP/UFRJ) solangelima@petrobras.com.br

Leia mais

QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA. Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) Marcos A. F.

QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA. Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) Marcos A. F. QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) 1 07/06/2010 Amparo Marcos A. F. Borges Engenheiro, Mestre e Doutor UNICAMP Jogos

Leia mais

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY 1. Qualidade Tipos de treinamento 1.1 Interpretação das normas ISO 9000 - Requisitos Específicos da Norma ISO 9001 24 1.2 Interpretação da especificação técnica ISO/TS

Leia mais

Sistema de Produção. VISÃO GERAL (1h)

Sistema de Produção. VISÃO GERAL (1h) Sistema de Produção VISÃO GERAL (1h) 1 Visão Geral do Expectativas Definições e objetivos Modelo de Gestão Operacional Introdução ao Sistema de Produção SüdMetal As 8 Perdas Os 3 Subsistemas Os 15 Princípios

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Para solução de problemas

Para solução de problemas Para solução de problemas Sumário 1. Introdução...4 2. O que é?...6 3. Porque 5?...7 4.Como fazer...8 5.Exemplo...9 6. Dicas...11 7. Conclusão...13 O maior erro cometido por um diretor ou um gerente é

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Técnicas e Ferramentas de Mercado Objetivo Este curso tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as principais técnicas e ferramentas de Gerenciamento da Qualidade utilizadas

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

As Barreiras da Implantação do Sistema Lean Manufacturing: Estudo de Casos Múltiplos em Indústrias do Rio Grande do Sul

As Barreiras da Implantação do Sistema Lean Manufacturing: Estudo de Casos Múltiplos em Indústrias do Rio Grande do Sul As Barreiras da Implantação do Sistema Lean Manufacturing: Estudo de Casos Múltiplos em Indústrias do Rio Grande do Sul Marlon Bissani Cucchi 1 Resumo: A busca permanente pela excelência produtiva tem

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Organização. Trabalho realizado por: André Palma nº 31093. Daniel Jesus nº 28571. Fábio Bota nº 25874. Stephane Fernandes nº 28591

Organização. Trabalho realizado por: André Palma nº 31093. Daniel Jesus nº 28571. Fábio Bota nº 25874. Stephane Fernandes nº 28591 Organização Trabalho realizado por: André Palma nº 31093 Daniel Jesus nº 28571 Fábio Bota nº 25874 Stephane Fernandes nº 28591 Índice Introdução...3 Conceitos.6 Princípios de uma organização. 7 Posição

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Cristiano Marques de Oliveira Delphi Automotive Systems E-mail: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Título do Slide Máximo de 2 linhas

Título do Slide Máximo de 2 linhas Título do Slide 13ª Seminário Internacional de Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de projetos na construção civil predial - uma proposta de modelo de gestão integrada GIULLIANO POLITO 19/09/2013 Título

Leia mais

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC Aula 18 Introdução 2 As técnicas e ferramentas utilizadas no Seis Sigma permitem: Entender o problema; estudar suas causas; analisar

Leia mais

Administração e Finanças para Engenharia

Administração e Finanças para Engenharia Administração e Finanças para Engenharia CICLO PDCA Grupo: Rodrigo Filho, Suhaila Azanki, Tulio Marques, Thays Ferreira e Vinicius Soares. Ciclo PDCA Moen e Norman, autores da área da Qualidade, relatam

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

1- Introdução ao Lean V1-2008

1- Introdução ao Lean V1-2008 1- Introdução ao Lean V1-2008 Autor: José Pedro A. Rodrigues da Silva 1 Programa 1- Introdução 2- Os 7 tipos de desperdício 3- Técnicas e ferramentas do Lean 4- Implementação do Lean 5- Conclusões Anexos

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE

A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE A NECESSIDADE DE UMA NOVA VISÃO DO PROJETO NOS CURSOS DE ENGENHARIA CIVIL, FRENTE À NOVA REALIDADE DO SETOR EM BUSCA DA QUALIDADE ULRICH, Helen Departamento de Engenharia de Produção - Escola de Engenharia

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Six Sigma. Apresentação Executiva. Treinamento Lean Six Sigma - Green Belt

Proposta. Treinamento Lean Six Sigma. Apresentação Executiva. Treinamento Lean Six Sigma - Green Belt Treinamento Lean Six Sigma Green Belt Apresentação Executiva 1 O treinamento de Green Belt Six Sigma tem como premissa proporcionar o entendimento dos princípios Six Sigma e suas ferramentas. Green Belts

Leia mais

Envolvendo a área Operacional da Companhia. Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.

Envolvendo a área Operacional da Companhia. Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com. Envolvendo a área Operacional da Companhia Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.br Escolha Adequada da Estratégia de Melhoria de Processos

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Treinamentos DuPont Engineering University South America

Treinamentos DuPont Engineering University South America Treinamentos DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho organizacional atingido pela DuPont não é uma história de sucesso

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Marcio Gonçalves Cabeça ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS

Leia mais

Workshop 3 Six Sigma aplicado ao mercado farmacêutico, alimentício e saúde

Workshop 3 Six Sigma aplicado ao mercado farmacêutico, alimentício e saúde Workshop 3 Six Sigma aplicado ao mercado farmacêutico, alimentício e saúde Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.br CLIENTES SETA CLIENTES

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

João Marcos Andrietta (UNIMEP) j.m.andrietta@uol.com.br Paulo Augusto Cauchick Miguel (UNIMEP/USP) pamiguel@unimep.br

João Marcos Andrietta (UNIMEP) j.m.andrietta@uol.com.br Paulo Augusto Cauchick Miguel (UNIMEP/USP) pamiguel@unimep.br Levantamento sobre a adoção do programa seis sigma por meio de uma survey exploratória-descritiva: um recorte sobre os investimentos no programa e os benefícios decorrentes João Marcos Andrietta (UNIMEP)

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Excelência na Gestão de Ativos

Excelência na Gestão de Ativos Excelência na Gestão de Ativos 2015 Mudanças em Tempos Difíceis Em tempos difíceis é que as mudanças são necessárias, e a habilidades dos navegantes são testadas. Neste contexto a NT Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Lean Six Sigma e seu relacionamento com outras metodologias Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br 1 Seta Desenvolvimento

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais