REGULAMENTO INTERNO CONDOMÍNIO CORES DA BARRA Versão : 03 Atualizado em 26/08/04

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO CONDOMÍNIO CORES DA BARRA Versão : 03 Atualizado em 26/08/04"

Transcrição

1 O presente Regulamento Interno foi elaborado com a finalidade de proporcionar aos Srs. condôminos, o máximo de bem estar social e convivência de alto nível. Este regulamento completa e ratifica a Convenção de Condomínio, foi redigido na forma das disposições da lei 4.591/64 e /04 e acata a legislação subseqüente, regula a administração do Condomínio e a forma de uso de suas diferentes unidades e partes comuns, impondo DEVERES E OBRIGAÇÕES A TODOS OS CONDÔMINOS E SEUS FAMILIARES, serviçais, locatários e demais pessoas que freqüentam o conjunto condominial, a fim de disciplinar a conduta e o comportamento dentro da área do condomínio. 1

2 CAPÍTULO I - DA ADMINISTRAÇÃO 1. A administração do condomínio é dirigida e fiscalizada pelo Síndico, assessorada pelos Subsíndicos e Conselho Consultivo, eleitos pela forma estabelecida na Convenção do Condomínio. As funções executivas delegadas são da alçada da Administradora, agindo sempre de acordo com o Síndico. 2. O Síndico pode transferir a outrem, total ou parcialmente, os poderes de representação ou as funções administrativas, em consonância com o Art. 29, h da Convenção de Condomínio e Art 1348 art. 2º do Novo Código Civil. 3. Empregados do Condomínio Os empregados do condomínio estão subordinados ao síndico ou seus representantes, quando houver, incumbindo-lhes a execução de todos os serviços necessários, tais como: portaria, limpeza, conservação, vigilância etc. Os empregados deverão portar-se com urbanidade e cortesia, apresentando-se corretamente vestidos e/ou uniformizados, de acordo com a respectiva função, e manter disciplina de trabalho. 4. Os prestadores de serviço terceirizados são subordinados à própria empresa contratada para prestação de serviços no Condomínio, cabendo à Administração do Condomínio o controle da realização das tarefas, da qualidade dos serviços prestados, da assiduidade dos prestadores de serviços e da sua conduta pessoal e profissional durante o expediente de trabalho nas dependências do Condomínio. 5. Contrato de locação - sendo o Condomínio rigorosamente residencial e familiar, todos os condôminos ficam obrigados, em caso de alienação ou empréstimo de seus apartamentos, a inserir no instrumento do respectivo contrato, uma cláusula que estipule que o adquirente, locatário ou mero ocupante, recebeu um exemplar deste Regulamento Interno, ou que tenha conhecimento do mesmo e se obrigue a cumpri-lo e respeitá-lo. (a). Nos casos citados no artigo anterior, ficam os Condôminos obrigados a informar a Administração do Condomínio, de imediato, para que sejam tomadas as medidas necessárias. 6. É responsabilidade do sindico e administração, promover tempestivamente a manutenção preventiva em maquinários, bens do condomínio que se encontrarem nas áreas comuns Ex. postes de iluminação, bombas d agua, elevadores, piso em volta das piscinas etc, afim de não causarem danos físicos e materiais à condôminos e seus bens; 7. É obrigatória ao sindico, zelador e administradora manter na portaria de forma ininterrupta, livros numerados seqüencialmente para relato de ocorrências que se fizerem necessário, vistando permanentemente em ciência aos fatos ali apontados e tomando as providências necessárias de acordo as normas de convenção e regulamento interno. 8. Na ausência do sindico por motivo de férias ou licença saúde o mesmo deverá com antecedência de 30 dias noticiar qual o subsíndico será seu substituto devendo assumir automaticamente como subsíndico no bloco que houver a vacância o conselheiro eleito que tenha mais idade. 2

3 9. CAPÍTULO II - DA RESPONSABILIDADE DO CONDOMÍNIO 1. O Condomínio por si, seus Administradores ou seus representantes, não assumem responsabilidade: a) Por acidente ou danos de ordem pessoal ou material, bem como extravios, estragos, quebra de instalação ou de objetos que, em qualquer condições e ocasiões, sofram os condôminos, demais moradores ou estranhos, dentro do condomínio, nem responde por objetos ou coisas confiadas a empregados do condomínio; b) Por furtos ou roubos de que sejam vitimas dentro do condomínio, os condôminos demais moradores ou estranhos, em qualquer circunstância e ocasiões; c) Pela interrupção eventual que se verifique no condomínio ou em suas unidades autônomas em qualquer ocasião, dos serviços de fornecimento de energia elétrica, água, gás, telefone, seja qual for a causa; ÚNICO - excetuam-se os casos em que ficar clara a negligência por parte dos Órgãos Condominiais ou de empresas que venham a ser contratadas para prestar serviço ao condomínio por má conservação e uso, cabendo neste caso ao conselho consultivo e síndico avaliarem os fatos ocorridos e através de voto definirem o posicionamento onde o condomínio assume ou não a culpa, emitindo comunicado a ser afixado nos murais. 3

4 CAPÍTULO III DOS DIREITOS DO CONDÔMINO 1. Usar, Gozar e Dispor da respectiva unidade autônoma de acordo com seu destino e as condições previstas na convenção de condomínio e no presente regulamento; 2. Usar e Gozar das partes de uso comum do condomínio e das garagens, desde que não impeçam idêntico uso e gozo pelos demais condôminos, obedecidos os dispositivos da convenção de condomínio e do presente regulamento; 3. Levar ao conhecimento da Administração/Sindico, por escrito, todas e quaisquer irregularidades que observe, bem como propostas de melhorias e benfeitorias no Condomínio; 4. Propor modificações na Convenção de Condomínio e no presente regulamento; 5. Comparecer as Assembléias Gerais, discutir, votar e ser votado, obedecidos os dispositivos da convenção de condomínio e do presente regulamento, desde que em dia com suas obrigações condominiais; 6. Examinar a qualquer tempo, os livros, arquivos e demais documentos da Administração, atendendo as normas pré-estabelecidas, podendo solicitar fotocópia do documento que achar necessário; 4

5 7. CAPÍTULO IV DOS DEVERES/OBRIGAÇÕES DO CONDÔMINO 1. É obrigação inalienável de cada condômino cumprir as normas e interesse comum estabelecidas na convenção e no presente regulamento; 2. Contribuir para as despesas do condomínio na proporção de suas frações ideais, salvo disposição contrário na convenção". Conforme Lei O artigo 1336, inciso I 3. Prestigiar e fazer acatar as normas estabelecidas na convenção do condomínio e no regimento interno, bem como as decisões da Administração do Condomínio e da Assembléia Geral e a esta comparecer, a fim de que as decisões tomadas expressem realmente a vontade condominial; 4. Observar, em todas as áreas do Condomínio, a mais rigorosa moralidade, decência e respeito aos demais moradores e empregados do condomínio; 5. Notificar imediatamente a Administração do Condomínio da incidência de moléstia epidêmica para fins de providência junto a Saúde Pública; 6. Zelar de modo a não prejudicar o valor, conservação, categoria e boa forma do Condomínio e o bem estar de seus moradores, visitantes e terceiros. 7. Executar as suas próprias expensas e como a devida celeridade todos os reparos que se façam necessários em sua unidade, especialmente aqueles que venham a causar incômodos ou prejuízos para as demais unidades ou partes comuns do Condomínio; 8. Não utilizar, funcionários ou prestadores de serviço do condomínio para serviços particulares durante o expediente de trabalho, ainda que em caráter de urgência ou eventual; 5

6 CAPÍTULO V DA UTILIZAÇÃO DAS UNIDADES AUTONOMAS; 1. Os apartamentos do Condomínio destinam-se a fins exclusivamente residenciais, sendo vedado seu uso para qualquer outra finalidade conforme Art. 4º da convenção do condomínio; 2. Conforme Art. 18º da Convenção do Condomínio, é permitida a entrada no interior das unidades autônomas, mediante aviso prévio por escrito, sob protocolo do condômino, com no mínimo 24 horas de antecedência e horário marcado, dos membros da Administração do Condomínio ou seus representantes, do zelador do condomínio e das pessoas que os acompanhem ou venham a ser contratadas por qualquer deles com o objetivo de realizar vistoria, inspeção ou execução de medidas e/ou obras necessárias à correção de qualquer defeito ou problema relacionado com o interesse coletivo do Condomínio ou de outra unidade autônoma; No caso do morador recusar-se a permitir a entrada no interior de sua residência das pessoas mencionadas neste item, deverá justificar-se também por escrito ao solicitante. Excetuam-se os casos de flagrante urgência ou iminência de perigo que coloquem em risco a vida e/ou patrimônio dos demais condôminos. 3. O hall social de cada andar é considerado área comum do edifício, conforme previsto na Convenção do Condomínio. Todavia, poderão os condôminos de um mesmo andar interferir para melhorias e arranjos no seu hall social correspondente, desde que assumam a responsabilidade pela conservação dessa área a partir de então e que as alterações: a) Estejam em conformidade com a legislação vigente; b) Devidamente autorizado por escrito pela administração do condomínio; c) Não interfiram nos aspectos de segurança do edifício e dos moradores d) Sejam aprovadas e tenham a concordância, por escrito, de todos os condôminos do andar, e, em havendo essa concordância unânime, todos deverão se obrigar a participar ou se igualar. e) Nos casos de substituição das portas de entrada dos apartamentos, as alterações somente serão admitidas no caso de serem todas iguais, do mesmo modelo, cor e forma, inclusive com padronização das maçanetas e numeração (a substituição deverá ocorrer de forma simultânea à todas as unidades). 6

7 CAPÍTULO VI - DAS PROIBIÇÕES. É vedado aos condôminos e/ou às pessoas sob sua responsabilidade (parentes, convidados, prepostos, empregados etc.). 1. Utilizar, alugar, ceder ou explorar, no todo ou em partes, a unidade para fins que não sejam estritamente residenciais; (B) 2. Utilizar ou permitir que se use objetos de uso comum e de decoração das partes comuns para fins diversos daqueles a que são destinados; (A) 3. Alugar, vender, ou ceder gratuitamente suas vagas nas garagens a não residentes; (C); 4. Manter ou usar em sua unidade autônoma, vaga de garagem, áreas comuns ou depósito : instalações, equipamentos ou materiais com perigo potencial, ou ainda, substâncias ou produtos tóxicos, corrosivos, explosivos ou inflamáveis, de modo que possa expor a riscos a saúde, segurança ou tranqüilidade dos demais condôminos, ou, ainda, acarretar o aumento das taxas de seguro de condôminos ou do condomínio; (D) 5. Manter a posse ou guarda de animais de temperamento agressivo, de maneira a expor a riscos a saúde, a integridade física ou tranqüilidade dos demais condôminos;(c) 6. Fazer uso de quaisquer que seja a fonte de ruído ou som, em volume audível nos apartamentos vizinhos, no horário compreendido entre 22:00 h e 09:00 h (C); 7. Realizar obras para reformas ou acréscimos estruturais ou de mobiliário em sua unidade autônoma, no horário nos seguintes horários a) de 2ª a 6ª feiras, antes das 9:00h e após as 17:00h; b) aos Sábados, antes das 09:00 h e após as 16:00 h, e c) aos domingos e feriados em qualquer horário;(b) 8. Fazer uso ou consenti-lo por parte de seus dependentes, hóspedes ou visitantes, das coisas do condomínio para fins diversos dos quais se destinam, obstando assim seu funcionamento normal ou contribuindo para sua deterioração, desgaste anormal ou prematuro, ou ainda impossibilitando ou dificultando o livre acesso e circulação dos demais; (C) 9. Modificar o aspecto externo do edifício com instalações de toldos, cortinas, aparelhos de ar condicionado, faixas, placas, cartazes e outros que possam alterar sua estética externa; (C) 10. Estender, pendurar, depositar ou bater tapetes, roupas, vasos e utensílios em janelas e sacadas, nas quais também não poderão ser instalados varais, antenas ou acessórios externos à área interna do apartamento, ou seja, na parte externa da parede limite de sua unidade; (B) 11. Utilizar empregados do edifício para serviços particulares, durante ou fora de seu horário de trabalho no condomínio; (A) 12. Sobrecarregar a estrutura e lajes do edifício com peso superior a 150 Kg / m2, ou ainda as instalações elétricas, hidráulicas, telefônicas, de intercomunicação e sinal de televisão de sua unidade autônoma, com o uso indevido de equipamentos não dimensionados em projeto, de maneira que possa comprometer a segurança ou o perfeito funcionamento das coisas, utilidades ou serviços comuns;(e) 7

8 13. Depositar nas bacias sanitárias, pias e ralos objetos que possam congestionar os encanamentos. Jogar cigarros, charutos e outros objetos pelas janelas ou sacadas, ou ainda, no piso das dependências comum; (A) 14. Deixar de acondicionar adequadamente em saco plástico resistente o lixo de sua unidade autônoma; (A) 15. Deixar de acondicionar em recipientes adequados, vidros quebrados ou materiais que possam ferir ou contaminar seu coletor ou transportador ; (A) 16. Utilizar os elevadores ou transitar nas áreas comuns com trajes de banho, toalhas ou similares, sem camisa, exceto nas áreas do solário e da piscina; (B) 17. Fazer uso de bujão de gás ou quaisquer outro combustível para alimentação de seu fogão ou equipamento similar que não seja o gás da rede de distribuição do condomínio. Salvo os equipamentos elétricos, desde que suportados pelo dimensionamento da instalação elétrica, caso em que o condômino responderá por essa verificação; (E) 18. Realizar lavagem ou conserto de veículos em quaisquer das áreas do condomínio, excetuando-se aqueles de caráter emergencial, com as devidas providencias por parte do condômino para que não haja transtornos, danos ou sujeiras no local ou em veículos próximos; (A) 19. Modificar os padrões das janelas das portas da varanda dos apartamentos, inclusive a aplicação de película tipo insulfim e a alteração do revestimento e cores das paredes externas da sacada, bem como, instalar qualquer tipo de toldo ou cobertura ou qualquer outro material de proteção nas janelas e/ou sacadas que seja diferente do que foi definido pelo Condomínio em assembléia; (B) 20. Instalar janelas na área de serviço em modelo, material e cor diferente do estipulado pelo Condomínio em assembléia, sob pena de ter de modificar tais alterações, de imediato sem qualquer ônus para o Condomínio; (A) 21. Ter ou usar equipamento ou material que, de qualquer forma, possam via a por em risco ou afetar a saúde, segurança e a tranqüilidade dos demais condôminos ou moradores, e/ou que possam acarretar aumento de seguro comum; (D) 22. Manter ou guardar substâncias odoríferas e/ou perigosas como produtos químicos inflamáveis, explosivos etc. (E) 23. Utilizar as áreas da varanda para preparo de qualquer tipo de alimento; (C) 24. Instalar adereços no teto (inclusive lustres) e nas paredes da sacada do apartamento, que agrida a harmonia das fachadas dos prédios que compõem o Condomínio; (A) 25. Instalar aparelhos de ar condicionado nas fachadas externas; (C) 26. Alterar a alvenaria das unidades individuais, utilizando outro material que não o DRY WALL ; (E) 27. A realização de brincadeiras ou trafego pelas áreas ajardinadas do Condomínio; (A); 28. Instalação de chuveiros elétricos (110w ou 220w); (E) 29. Deixar de tomar as devidas providências ou abandonar qualquer válvula ou torneira aberta por negligência ou defeito de funcionamento, prejudicando o consumo de água e/ou gás do Condomínio; (D) 30. Utilizar o Hall Social dos Blocos para encontros com finalidade diferente daquela destinada a integração social entre os moradores ou qualquer outra reunião, em especial das 22:00 as 08:00h. (B) 31. É proibida a permanência no Hall social de casais de namorados; (A) 32. Realizar mudanças aos domingos e feriados, bem como fora do horário compreendido entre 09:00 e 17:00 de segunda a sexta-feira ou das 09:00 as 16:00 aos sábados; (B) 33. Usar nas áreas comuns (exceto nas áreas designadas para tais finalidades) bicicletas, patins, skates, bolas e brinquedos aéreos, ou praticar atividades que possam colocar em risco a segurança dos moradores e o patrimônio do condomínio; (A) 8

9 34. Depositar ou usar nos apartamentos materiais explosivos, inflamáveis ou aparelhos e instalações suscetíveis de afetar, por qualquer meio, a saúde, segurança ou tranqüilidade dos moradores; (E) 35. Atirar pelas janelas ou portas fragmentos de lixo, papéis, pontas de cigarro, absorventes usados ou quaisquer outros tipos de detritos ou objetos para os jardins, áreas comuns, piscinas, elevadores, corredores, escadas, garagens e demais dependências do condomínio; (B) 36. Lavar qualquer parte externa das janelas ou dos terraços utilizando-se de mangueira ou vasilhame, de modo a atingir os apartamentos dos andares inferiores ou as áreas comuns do condomínio; (A) 37. Utilizar fogões, máquinas de lavar ou passar, chuveiros ou qualquer outro aparelho cujo funcionamento não seja a gás canalizado ou de eletricidade; (D) 38. Fazer instalações no apartamento que impliquem em sobrecarga para o edifício, de peso ou de energia elétrica; (E) 39. Acesso ou permanência de condôminos nos terraços de cobertura dos prédios, exceto com autorização do Síndico/Zelador, ou por motivo de força maior; (D) 40. Fumar nos elevadores com base na lei Municipal 9120/80.; (E) 41. Fazer uso nas áreas comuns do condomínio de fogos de artifício, balões, pipas ou outros similares; (E) 42. Qualquer forma de discriminação em virtude de raça, sexo, cor, origem, condição social, idade, porte ou presença de deficiência e doença contagiosa por contato social, no acesso aos elevadores deste edifício, conforme disposto no artigo 1º da Lei 11995/96, bem como Decreto Municipal 36434/96; (E) 43. Fazer qualquer reparo nos elevadores que não seja pela empresa credenciada (Lei 12751/98) (C) 44. O uso dos elevadores com finalidade diferente do simples transporte de passageiros aos seus andares, ou seja, reuniões de crianças passeando de elevadores, batucadas, brincadeiras de saltar, riscar e escrever nas cabinas, acionar comandos múltiplos, quebrar ou depredar seus componentes, segurar portas para esperar passageiros por tempo superior ao necessário para embarque ou desembarque ou praticar qualquer ato lesivo ao equipamento em suas partes internas ou externas; (C) 45. A promoção e gerenciamento de venda e locação de qualquer produto nas dependências do condomínio, salvo eventos de interesse global de conhecimento prévio e autorizados por escrito, pelo sindico; (B) 46. É proibido depositar objetos em quaisquer áreas de uso comum, como entradas, passagens, elevadores, garagens, escadarias, saídas de emergência etc. a) Os objetos depositados serão removidos pelo zelador e somente serão devolvidos após o infrator reparar os danos que porventura tenham sido ocasionados e o pagamento de eventual multa pelo descumprimento deste regulamento; (D) 47. O trânsito de operários ou pessoas estranhas ao condomínio, nas áreas comuns. a) Será permitido somente no trajeto portaria/apartamento e vice-versa, nos dias e horários estabelecidos, se devidamente identificados. Sob a anuência do Síndico e conhecimento do Zelador. (B) b) Não se aplica este inciso, se estiver acompanhado do proprietário, de membro do Colegiado Gestor ou do zelador. 9

10 CAPÍTULO VII DA UTILIZAÇÃO DAS ÁREAS COMUNS DO CONDOMINIO. 1. Em conformidade com a Convenção do Condomínio e o Novo código Civil, as partes de uso comum, como Hall social, hall dos elevadores, corredores, escadarias, jardins, quadra esportiva, piscinas, salas de ginástica, passeios, depósitos, garagens, centros de medição, salões de festas, salas de recreação, churrasqueiras, lixeiras, apartamentos do zelador, guaritas, salão de jogos etc, destinam-se às finalidades que lhes são especificas, sendo vedado seu uso para outra finalidade; 2. Poderá ser analisado pela Administração, o uso de áreas comuns do Condomínio para finalidade diversa aquela destinada, sendo vedada a cessão para atividades de cunho político partidária, religiosas, profissionais, mercantis e jogos considerados de azar pela legislação pertinente e que não exponha o condomínio junto a comunidade, em caráter provisório e por prazo determinado, nos casos de interesses ou necessidades especificas do condomínio. Nesses casos, deverão ser realizadas as adaptações e tomadas todas as medidas necessárias com relação à segurança e usabilidade da área a fim de não causar riscos ou transtornos aos moradores e sempre mediante prévia aprovação por Assembléia; 10

11 CAPÍTULO VIII DAS MUDANÇAS RESIDENCIAIS E DA MONTAGEM DE MÓVEIS. 1. A realização de mudanças residenciais (transporte horizontal ou vertical), totais ou parciais, bem como a entrega de móveis, utensílios, aparelhos, engradados, caixas ou qualquer objeto considerado de volume excessivo, realizado por terceiros, empresas fornecedoras ou contratadas para tal finalidade devem obedecer as seguintes normas que visam preservar a segurança, a privacidade e a tranqüilidade dos moradores: a) Nos casos de mudança residencial total (realizada por empresa contratada): - Somente serão permitidas 2 (duas) mudanças por dia, cada uma em um período, independente do Bloco a qual pertença a unidade de destino; - Todas as mudanças deverão ser previamente agendadas com a Zeladoria do Edifício ou com a Portaria. Deverão obedecer aos seguintes dias, horários limites e períodos: Segundas a sextas-feiras Das 09:00 às 17:00 h Sábados Das 09:00 às 16:00 h Domingos e Feriados Proibido b) Nos casos de mudança residencial parcial (realizada pelo próprio morador) : Serão liberadas em qualquer quantidade, devendo obedecer aos seguintes dias e horários: Segundas a sextas-feiras Das 09:00 às 17:00 h Sábados Das 09:00 às 16:00 h Domingos e Feriados Proibido 11

12 c) Nos casos de entrega de objetos considerados de volume excessivo; São liberadas em qualquer quantidade, devendo obedecer aos seguintes dias e horários limites: Segundas a sextas-feiras Das 09:00 às 18:00 h (Horário Comercial) Sábados Das 09:00 às 16:00 h Domingos e Feriados Proibido. d) No caso de montagem de armários e/ou móveis nas unidades autônomas - Sendo realizado por terceiros, empresas fornecedoras ou contratadas para tal finalidade, devem obedecer as seguintes normas que visam preservar a segurança, a privacidade e a tranqüilidade dos demais moradores: - São liberadas em qualquer quantidade, devendo obedecer aos seguintes dias e horários limites: Segundas a sextas-feiras Das 09:00 às 17:00 h Sábados Das 09:00 às 16:00 h Domingos e Feriados Proibido 2. A montagem de armários e/ou móveis nas unidades autônomas, realizadas pelo próprio morador devem obedecer ao mesmo texto acima descrito; 3. Orçamentistas somente serão permitidos com a presença do morador; 4. Para garantir a segurança, a tranqüilidade e a privacidade de todos os moradores, não será permitida a continuidade da mudança, instalação de móveis, bem como a permanência na área comum do Condomínio de qualquer prestador de serviço, após os horários determinados neste regulamento. 5. Todas as mudanças realizadas dentro do condomínio, tanto as de entrada quanto as de saída deverão ser acompanhadas pessoalmente pelo zelador ou funcionário nomeado, o qual deverá ter como principal responsabilidade, vistoriar o hall de entrada dos elevadores a fim de evitar abusos e danos ao patrimônio, registrando as ocorrência, onde o conselho definirá as penalidades a serem impostas. 12

13 6. Em nenhuma hipótese será permitido que os horários determinados sejam excedidos; 13

14 CAPÍTULO IX DO USO DE EQUIPAMENTO DE TRANSPORTES 1. Os equipamentos para transporte de objetos (carrinhos) pertencem ao Condomínio, sendo de uso comum a todos os moradores. 2. Os equipamentos são para uso exclusivo ao qual se destinam, conforme normas aqui estabelecidas; 3. Os equipamentos de transportes do condomínio Cores da Barra são compostos pelos seguintes itens: a) Carrinhos de compras (travado); Somente poderão ser utilizados para transportes de compras de supermercado (alimentos, produtos de higiene e limpeza) e pequenos volumes que não comprometam a higiene nem causem danos è estrutura física dos mesmos. b) Carrinho para transportes de equipamentos e pequenos objetos de mudança plataforma (travado); Somente poderão ser utilizados para transporte ou locomoção de pequenos móveis, pequenos objetos de mudança (roupas, aparelhos eletrônicos), materiais de reformas e construção, e materiais como plástico, isopor e madeira, com limitação de 50 quilos. c) Carro grande tipo gaiola. Localizado próximo à guarita, deve ser solicitada junto à zeladoria ou à portaria a utilização do mesmo; Tem como finalidade o transporte de equipamentos e objetos em grande quantidade e equipamentos eletrônicos, com limite de pesagem de até 100 quilos. (Não é permitida a entrada deste carro no Hall Social do edifício); 4. Todos os condôminos receberão (2 cartões) para o sistema de travamento, com identificação do Condomínio e do apartamento, que devem ser retirados e devolvidos ao seu respectivo local de origem, imediatamente após o uso, havendo tolerância para a devolução dos carrinhos de no máximo 30 minutos 5. É imprescindível que todos os condôminos mantenham em seu poder os cartões que correspondam ao seu numero de apartamento. 6. Os carrinhos encontram-se numerados, bem como o sistema de travas fixadas nas paredes do prédio garagem. É obrigatório o encaixe do carrinho no local correspondente à numeração. 7. É terminantemente proibido : a) a utilização dos equipamentos do tipo A (Carrinho de compras) para carregamento de entulho e lixo de qualquer tipo;(b) b) o transporte de crianças no interior dos carrinhos (A); c) o transporte de animais no interior dos carrinhos; (A) d) deixar o carrinho durante a madrugada no Hall dos andares, ou no interior dos apartamentos. Os seguranças estão autorizados, caso encontre algum que não tenha sido devolvido, levar o carrinho para a garagem, e recolherem o cartão de travamento, correspondente. Tal cartão ficará com a Zeladoria que estará notificando a ocorrência. (A). 8. Cuidados a) O morador deverá zelar pela manutenção dos equipamentos descritos, sob a pena de ser responsabilizado pela manutenção em caso de avaria pelo uso irresponsável do mesmo. b) O usuário do equipamento de transporte, também deverá tomar cuidados especiais no manuseio do carrinho para não atingir as paredes de entrada dos elevadores. 14

15 c) É recomendável que os carrinhos sejam utilizados de forma racional, para que não haja incômodos à outros moradores principalmente em relação aos horários; 15

16 CAPÍTULO X DO USO DO SALÃO DE FESTAS 1. A. utilização dos salões de festas (2) é exclusiva dos moradores do Condomínio, que só poderão fazê-la para promoção de atividades sociais, festas comemorativas ou recepções, sendo vedada a cessão para atividades político-partidárias, religiosas, profissionais, mercantis, e jogos considerados "de azar" pela legislação pertinente. (a) O proprietário que alugar ou ceder seu apartamento perderá o direito de uso do salão de festas, em beneficio do inquilino ou morador devidamente registrado; 2. Ao condomínio, são destinados a reuniões ou eventos de interesse da administração do condomínio ou outros que sejam de interesse dos moradores; 3. A Administração do condomínio, através de seu Zelador, é responsável pela manutenção, conservação decoração, limpeza, vistoria antes e após o uso, elaboração de agenda e outras ações necessárias para que o mesmo possa satisfazer a contento os fins específicos a que se destinam; 4. A administração do Condomínio ajuizará do caráter e interesse condominial de reuniões ou eventos, dispensando-os das taxas de utilização; 5. A solicitação de uso do salão de festas por moradores ou pela administração do Condomínio para reuniões e/ou eventos comerciais ou de qualquer outra natureza, diferente daquelas anteriormente citadas, somente será autorizada quando se tratar de assunto de interessa geral dos moradores, após analise e aprovação dos membros da administração do condomínio. 6. As reservas para uso do salão de festas deverão ser efetuadas mediante preenchimento de formulário exclusivo em 2 vias, que se encontra em poder da zeladoria, que é o responsável pela agenda de datas disponíveis, sendo que uma será encaminhado à administradora para cobrança e outra será devolvida ao morador com assinatura do sindico. 7. No caso de desistência da utilização do salão, os valores cobrados não serão devolvidos, ficando um crédito de utilização do salão morador para data posterior, sempre respeitando a agenda de eventos. 8. A cessão do salão de festas está condicionada à prévia assinatura, por parte do requisitante, de um termo de responsabilidade onde ficará expressamente consignado haver recebido as referidas dependências em perfeitas condições, assumindo integralmente o ônus de quaisquer danos que se venham registrar desde a entrega do salão de festas, inclusive os causados por familiares, convidados, prepostos, pessoal contratado e serviçais, incluindo também aos moveis, que o guarnecer também na copa e cozinha. 9. O salão de festas funcionará em regime de aluguel conforme tabela de valores vigente na época do aluguel. 10. O valor referente ao aluguel do salão, será cobrado do requisitante, através da taxa condominial mensal, no mês da reserva do salão; 11. Somente serão permitidas reservas com 3 meses de antecedência; 12. O Reajuste do valor de aluguel e a destinação dos valores serão definidos em assembléia; 13. Os valores recebidos referente ao aluguel do salão de festas serão demonstrados mensalmente em conta a parte no balancete; 14. O solicitante deverá retirar as chaves do salão reservado no dia do evento, com a portaria ou Zeladoria, passando a ser o responsável pelo mesmo a partir daquele momento, devendo devolver a chave imediatamente após a utilização. 16

17 (a)a não devolução das chaves dentro do prazo aqui estabelecido implicará na cobrança ao responsável, de taxa adicional de reserva no valor de 01 (um) aluguel por dia excedente. 15. O uso do salão de festas será acompanhado do Relatório de Vistoria, onde constam : a relação e o estado geral de todos os bens móveis, inclusive os de cozinha e copa, da decoração e do estado geral das dependências; Este relatório será necessariamente conferido pelo interessado e pelo zelador, no ato da entrega da chaves e novamente conferido, quando da sua devolução; 16. É proibida a utilização de aparelho de som, de qualquer tipo, ou barulho em excesso após as 22:00h de domingos a quintas-feiras e após as 00:00h às sextas-feiras e sábados; 17. Somente poderão ser realizadas uma festa por dia em cada um dos salões. 18. Quando da realização de eventos, o morador responsável deverá zelar para que seus convidados mantenham conduta coerente e respeitosa, de maneira a não ferir a tranqüilidade, o sossego e a liberdade dos demais condôminos. 19. O responsável deverá entregar no dia do evento, relação contendo o nome dos convidados para controle de portaria, facilitando assim o trabalho da portaria, bem como não sendo necessário incomodar o morador que locou o salão de festas solicitando autorização para entrada do mesmo; Caso algum visitante não conste desta listagem, o responsável será interfonado para permitir a entrada do mesmo. 20. A administração do Condomínio e/ou seus representantes deverão tomar todas as medidas cabíveis, para fiel cumprimento das normas aqui estabelecidas, sem prejuízo de suas funções ou possibilidade de contestação imediata ou futura por parte do condômino ou morador responsável. 21. Os eventos deverão ser restritos ao salão de festas, não é permitido o trânsito de convidados nas dependências das áreas comuns do condomínio, sem o acompanhamento do morador responsável pelo uso do salão. 22. A entrada dos convidados no salão de festas deverá sempre ser efetuada somente através das portas laterais do salão (próximo a entrada das piscinas). 23..Somente serão liberadas as reservas para uso do salão de festas, dos moradores das unidades que não estejam em atraso com suas obrigações condominiais (este procedimento será efetuado em base a relação mensal em poder da Zeladoria), não havendo qualquer exceção sobre este assunto. 24..É terminantemente proibido ao usuário do salão de festas, utilizar-se de quaisquer funcionário do Condomínio para trabalhos de interesses particulares; 25. O Condômino que por ocasião da realização de uma festa, infringir uma ou mais das normas aqui relatadas, permitir abuso de qualquer ordem por parte de seus convidados, desrespeitando a autoridade ou instruções da Administração do condomínio e/ou seus representantes, ou de alguma forma vier a causar incômodo e mal estar para os demais moradores ficará sujeito à multas convencionais e a efeitos suspensivos no que tange ao aluguel do salão de festas; 26. É terminantemente proibida a afixação de decorações nas paredes e teto do salão de festas, de maneira que possa causar danos aos mesmos; (A) 27. O Requisitante assumirá, para todos os efeitos legais, a responsabilidade de manutenção do respeito e das boas normas de conduta e convivência social no decorrer das atividades, comprometendo-se, na medida do possível, a reprimir abusos e excessos e afastar pessoas cuja presença seja considerada inconveniente. (B) 28. Todo material da festa deverá ser retirado pelo requisitante até às 09:00 h do dia seguinte se houver reserva do salão ou até as 12:00h, caso não haja reserva de utilização para aquele dia. 17

18 29. A vistoria referente a entrega do salão de festas, será realizada pelo Zelador ou por qualquer membro da administração do condomínio, imediatamente após a retirada dos materiais da festa, o condômino deverá acompanhar tal vistoria para que não alegue posteriormente que não tenha sido responsável por eventuais danos causados. 30. Na constatação de qualquer prejuízo, a avaliação dos mesmos, para efeito do ressarcimento por parte do requisitante, será feita através de coleta de preços entre firmas habilitadas à execução dos serviços de reparo ou reposição, cabendo recurso à assembléia geral. 31. Caso o condômino opte também pela utilização de uma churrasqueira, será cobrado o aluguel referente a mesma, sugere-se que para utilização também da churrasqueira o salão utilizado seja do Bloco D. 32. A recusa ao pagamento, ou sua demora por mais de trinta dias, a partir da data da notificação relativa ao ressarcimento das despesas havidas com reparação dos danos causados, acarretará o acréscimo de 20% no montante dos danos apurados e a cobrança judicial do débito, com o pagamento de custas e honorários advocatícios, bem como a perda do direito da requisição do salão de festas até o cumprimento das obrigações. 33. Toda e qualquer festa a ser realizada somente poderá ser feita no salão de festas, não havendo qualquer exceção de realização de festas a beira da piscina ou em alguma outra área comum do edifício; (C) 34. É vedada a cessão do salão de festas para comemorações particulares dos moradores do Edifício nas seguintes datas tradicionais; - 24 de dezembro - 25 de dezembro - 31 de dezembro - 01 de Janeiro - Carnaval - Páscoa - Dia das mães - Dia dos pais - Dia das crianças 18

19 CAPÍTULO XI DO USO DA SALA DE GINÁSTICA 1. As salas de ginásticas (2) são de uso exclusivo dos condôminos e moradores do Condomínio, incluindo aqui, os filhos de condôminos, que não residam com os pais, que devem zelar por seus equipamentos a higiene e a conservação do local; a) O proprietário que alugar ou ceder seu apartamento perderá o direito de freqüentar a sala ginástica, em beneficio do inquilino ou morador devidamente registrado; 2. A sala de ginástica funcionará diariamente, 24 horas por dia; a) não será permitido o uso das salas de ginásticas nos horários determinados para limpeza e ou manutenção das mesmas 3. Somente será permitido o uso da sala de ginástica em trajes esportivos, sendo também obrigatório o uso de toalha quando da utilização dos equipamentos; 4. Proibições nas salas de ginásticas : a) o uso pelos funcionários ou prestadores de serviços do Condomínio, bem como dos empregados e prestadores de serviços dos moradores; b) a utilização por menores de 15 (quinze) anos, bem como a permanência na sala desacompanhados de responsáveis;(b) c) o uso de equipamentos em trajes molhados; (B) d) o fumo, consumo de alimentos e bebida alcoólica; (B) e) a utilização de aparelhos de som entre 22:00h e 06:00h. (B) f) a utilização por convidados de moradores, mesmo com a presença do morador responsável; (C) 5. Quaisquer danos causados aos equipamentos em virtude de má utilização, será debitado da unidade responsável, através do boleto relativo a taxa condominial. 6. É de total responsabilidade do condômino / morador a obtenção de autorização médica para realização de exercícios na sala de ginástica do edifício, O condômino também é exclusivamente responsável pelas conseqüências do uso dos equipamentos das salas de ginástica sem autorização médica ou pelo seu mau uso ou uso indevido; 7. A retirada de chaves das salas de ginásticas somente poderá ocorrer mediante anotação em livro específico na portaria. 8. A chave deverá ser devolvida à portaria imediatamente após a utilização da sala de ginástica, sendo terminantemente proibido transitar com a mesmas pelos andares ou levá-las até o apartamentos. 9. Os funcionários da portaria, estão autorizados a interfornar ao morador que porventura não tenha devolvido as chaves e não esteja utilizando a sala de ginástica; 10. Sob qualquer hipótese, os funcionários da portaria não estarão autorizados, mesmo que através de autorização dos Pais, a fornecer a chave das salas de ginástica a menores de quinze anos, estando sujeito a penalidade decorrente; Se for constatado que alguns dos Pais retirou a chave na portaria e concedeu à seus filhos menores, o mesmo será notificado pelo descumprimento da norma. (B); 11. No caso de um morador já estar utilizando alguma das salas e outro morador vier a iniciar suas atividades, este novo usuário deverá anotar no livro específico na portaria que está permanecendo com as chaves da academia. 12. Personal Trainner a) É permitida a presença de Personal Trainner na sala de ginástica, contanto que o mesmo esteja apenas instruindo as pessoas e não utilizando os equipamentos, exceto em caráter meramente instrutivo aos alunos; b) A contratação de Personal Trainner, deverá ficar a cargo do morador ou grupo de moradores que o fizer, devendo antes da contratação comunicar ao Sindico. c) Não é de responsabilidade do condomínio e vedado ao mesmo, qualquer contratação, pagamento, ou ajuda de custo a qualquer Personal Trainner; 19

20 d) Não será permitida a entrada de um mesmo Personal Trainner no condomínio mais de 2 dias na semana, para que não seja caracterizado qualquer víinculo empregatício do Condomínio. e) É de total responsabilidade do morador ou de grupo de moradores que contratarem um Personal Trainner a presença do mesmo nas dependências do edifício. 20

MODELO REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO... REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO DO CONDOMÍNIO

MODELO REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO... REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO DO CONDOMÍNIO MODELO REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO... REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DEFINIÇÃO DO CONDOMÍNIO Art. 1º - O presente Regulamento Interno, do Condomínio do Edifício, aprovado em Assembléia Geral

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO BLOCOS

REGULAMENTO INTERNO DO BLOCOS 1 REGULAMENTO INTERNO DO BLOCOS 1. A Administração do Condomínio Condomínio Parque Residencial Vitória Régia II Blocos reger-se-á pela Lei 4.591, de 16/12/1964 e outras Leis que forem aplicáveis, a cujo

Leia mais

Condomínio do Residencial Villa D'Itália

Condomínio do Residencial Villa D'Itália Prezados moradores, De acordo com a Assembléia Extraordinária realizada no dia 18 de dezembro de 2014, informamos para ciência de todos que alguns itens presentes no Regimento Interno, que foram aprovados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONDOMINIO CAMÉLIAS APROVADO EM ASSEMBLÉIA DIA 27/052015

REGULAMENTO INTERNO CONDOMINIO CAMÉLIAS APROVADO EM ASSEMBLÉIA DIA 27/052015 O CONDOMÍNIO DAS CAMELIAS reger-se-á, para todos os efeitos de direito, pelo presente Regulamento Interno, Convenção condominial e pela Legislação federal, estadual e municipal em vigor, especialmente

Leia mais

Regimento Interno - Empreendimento do PAR - Programa de Arrendamento Residencial

Regimento Interno - Empreendimento do PAR - Programa de Arrendamento Residencial Nome do empreendimento REGIMENTO INTERNO O presente regimento interno estabelece normas de disciplina, procedimento, conduta e comportamento às quais estão obrigados todos os moradores e toda e qualquer

Leia mais

CONDOMÍNIO DO ED. NUMBER ONE BUSINESS CENTER REGIMENTO INTERNO

CONDOMÍNIO DO ED. NUMBER ONE BUSINESS CENTER REGIMENTO INTERNO CONDOMÍNIO DO ED. NUMBER ONE BUSINESS CENTER REGIMENTO INTERNO O presente regimento interno visa regulamentar o funcionamento do edifício zelando sempre pela segurança e conforto dos condôminos. I REGULAMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

Rua Engenheiro Niepce da Silva, 144, Portão, Curitiba PR, 80610-280 www.lejardinresidencial.com administrativo@lejardinresidencial.

Rua Engenheiro Niepce da Silva, 144, Portão, Curitiba PR, 80610-280 www.lejardinresidencial.com administrativo@lejardinresidencial. CIRCULAR Nº 003/2014 DATA: 15 de dezembro de 2014 ASSUNTO: LIBERAÇÃO, em caráter provisório, de parte das áreas comuns do condomínio, que foram aprovadas e recebidas da Cyrela. A Síndica do Condomínio

Leia mais

COMPLEMENTO DO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS DEVERES DOS CONDÔMINOS

COMPLEMENTO DO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS DEVERES DOS CONDÔMINOS CONDOMÍNIO VILA VERDE SABARÁ Rua Doutor Marino Costa Terra, 1000, Parque Sabará São Carlos- SP COMPLEMENTO DO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS DEVERES DOS CONDÔMINOS Artigo 1 : Zelar e fazer zelar pela

Leia mais

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento CAPÍTULO V Da Garagem e Estacionamento Art 37. Cada unidade autônoma tem direito a uma vaga de estacionamento, perfazendo um total de 967 (novecentos e sessenta e sete) vagas, distribuídas de acordo com

Leia mais

ARTIGO 1º - Compete ao Síndico (Artigo 20 da Convenção) a administração geral do condomínio, fazendo cumprir o disposto neste Regimento Interno.

ARTIGO 1º - Compete ao Síndico (Artigo 20 da Convenção) a administração geral do condomínio, fazendo cumprir o disposto neste Regimento Interno. Nome do empreendimento Regimento Interno - Programa Minha Casa Minha Vida PMCMV Grau de sigilo #PÚBLICO REGIMENTO INTERNO O presente regimento interno estabelece normas de disciplina, procedimento, conduta

Leia mais

CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AHEAD

CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AHEAD REGULAMENTO INTERNO Todos os condôminos, locatários e usuários do CONDOMÍNIO EDIFÍCIO AHEAD, ficam obrigados a cumprir e respeitar por si, a qualquer título, os termos e condições do presente: 1 - Horário

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL AMORIM II

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL AMORIM II DOS DIREITOS E DEVERES DOS CONDÔMINOS E LOCATÁRIOS CONDOMÍNIO RESIDENCIAL AMORIM II Rua: Manoel Libãnio Amorim nº 86 Massaguaçú Caraguatatuba- SP. 1 REGIMENTO INTERNO RESUMIDO DO ACESSO ÀS DEPENDÊNCIAS

Leia mais

MANUAL DO CONDÔMINO. O edital de convocação deve indicar com clareza os assuntos a serem debatidos, a data, horário e local.

MANUAL DO CONDÔMINO. O edital de convocação deve indicar com clareza os assuntos a serem debatidos, a data, horário e local. MANUAL DO CONDÔMINO REGULAMENTO INTERNO Cada prédio possui as suas próprias necessidades e, por isso, tanto a convenção como o regulamento interno devem ser redigidos especialmente para a edificação em

Leia mais

Condomínio Edifício MAISON DE MOUETTE REGIMENTO INTERNO. Reeditado conforme alterações da. Assembléia Geral Extraordinária. de 18 de Maio de 1994

Condomínio Edifício MAISON DE MOUETTE REGIMENTO INTERNO. Reeditado conforme alterações da. Assembléia Geral Extraordinária. de 18 de Maio de 1994 Condomínio Edifício MAISON DE MOUETTE REGIMENTO INTERNO Reeditado conforme alterações da Assembléia Geral Extraordinária de 18 de Maio de 1994 Projectus Assessoria S/C Ltda - janeiro/95 1.É dever de todos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RESIDENCIAL FATTO MANSÕES

REGULAMENTO INTERNO RESIDENCIAL FATTO MANSÕES REGULAMENTO INTERNO RESIDENCIAL FATTO MANSÕES O presente Regulamento Interno foi elaborado com a finalidade de proporcionar aos Senhores Condôminos o máximo bem estar social, e excelente convivência. Este

Leia mais

MINUTA DO REGIMENTO INTERNO RESIDENCIAL COSTÃO DA BARRA (PARA APROVAÇÃO) CAPÍTULO I FINALIDADE

MINUTA DO REGIMENTO INTERNO RESIDENCIAL COSTÃO DA BARRA (PARA APROVAÇÃO) CAPÍTULO I FINALIDADE MINUTA DO REGIMENTO INTERNO RESIDENCIAL COSTÃO DA BARRA (PARA APROVAÇÃO) CAPÍTULO I FINALIDADE Art. 1 A finalidade primordial deste Regimento Interno é consolidar conceitos, normas de procedimentos, horários

Leia mais

Regulamento para Obras nos Apartamentos do Condomínio Residencial Resort Santa Angela

Regulamento para Obras nos Apartamentos do Condomínio Residencial Resort Santa Angela Regulamento para Obras nos Apartamentos do Condomínio Residencial Resort Santa Angela DAS NORMAS REGULAMENTARES 1. Todas as empresas prestadoras de serviço, seus funcionários, representantes, são obrigados

Leia mais

MODELO DE REGIMENTO INTERNO I - DISPOSIÇÕES GERAIS

MODELO DE REGIMENTO INTERNO I - DISPOSIÇÕES GERAIS MODELO DE REGIMENTO INTERNO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - O presente Regulamento Interno do Condomínio do Edifício, tem por objetivo explicitar as normas que devem ser obedecidas por todos os moradores,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO CANTO DE AREMBEPE (APLCA) CAPÍTULO I DO OBJETO

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO CANTO DE AREMBEPE (APLCA) CAPÍTULO I DO OBJETO REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO CANTO DE AREMBEPE (APLCA) CAPÍTULO I DO OBJETO Art. 1. Este Regimento Interno tem por objetivo primordial a regulamentação das relações entre

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MONTES CLAROS MINAS GERAIS

REGIMENTO INTERNO MONTES CLAROS MINAS GERAIS REGIMENTO INTERNO 2009 MONTES CLAROS MINAS GERAIS 1 CADASTRO DE CONDÔMINOS 1. Entende-se como condômino: 1.1. Pessoa que esteja residindo no apartamento. 1.2. Filhos (as) solteiros (as) do condômino, que

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados.

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados. SEM MARCADOR TEXTO ORIGINAL GRIFADO EM VERDE ALTERAÇÕES A SEREM APROVADAS NA ASSEMBLÉIA REGIMENTO INTERNO Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos

Leia mais

CENTRO DE CONVIVÊNCIA Associação Residencial Alphaville 9

CENTRO DE CONVIVÊNCIA Associação Residencial Alphaville 9 REGRAS ESPECÍFICAS ESTABELECIDAS PARA FREQUENCIA E USO A, disponibiliza aos seus Associados o Centro de Convivência e Academia, como espaço destinado à prática de atividades esportivas e sociais, fundamentais

Leia mais

CONDOMÍNIO ROSSI IDEAL JACARANDÁS REGULAMENTO INTERNO

CONDOMÍNIO ROSSI IDEAL JACARANDÁS REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO CONDOMÍNIO ROSSI IDEAL JACARANDÁS REGULAMENTO INTERNO O presente instrumento constitui o Regulamento Interno do Condomínio Rossi Ideal Jacarandás, regido pelas disposições da lei 4591 de 16/12/64

Leia mais

2.1 - Estabelecer normas de acesso de pessoas a ULIVING SOROCABA.

2.1 - Estabelecer normas de acesso de pessoas a ULIVING SOROCABA. O Regulamento Interno da ULIVING SOROCABA, localizado na cidade de SOROCABA à Rua Bernardo Ferraz nº 100 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento. I - HORÁRIO

Leia mais

CONDOMÍNIO SPORTS GARDEN LESTE. Rua Desembargador Andrade Pinto, 27 MINUTA REGULAMENTO INTERNO

CONDOMÍNIO SPORTS GARDEN LESTE. Rua Desembargador Andrade Pinto, 27 MINUTA REGULAMENTO INTERNO CONDOMÍNIO SPORTS GARDEN LESTE Rua Desembargador Andrade Pinto, 27 MINUTA REGULAMENTO INTERNO O presente Regulamento Interno, de obediência obrigatória e incondicional, foi elaborado com a finalidade de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMINIO EDIFÍCIO JACARANDÁ CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO E USO

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMINIO EDIFÍCIO JACARANDÁ CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO E USO REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMINIO EDIFÍCIO JACARANDÁ CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO E USO Artigo 1º - A administração do Condomínio Edifício Jacarandá é dirigida e fiscalizada por um Síndico e, no impedimento

Leia mais

Contrato de Locação de Imóvel e Mobília por Temporada

Contrato de Locação de Imóvel e Mobília por Temporada Contrato de Locação de Imóvel e Mobília por Temporada LOCATÁRIO: Profissão: RG: CPF: Residente e domiciliado: LOCADOR: VILA DOS MANACÁS ATIVIDADES IMOBILIARIAS, empresa estabelecida nesta cidade de Ubatuba/SP,

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS CIRCULAR Nº 003/2015 Curitiba, 05/06/2015. ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS A Síndica do Condomínio Le Jardin Residencial, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ff 1 REGULAMENTO GERAL Nº. 001/2007 Regulamenta o funcionamento do clube social da Associação dos Servidores da Secretaria da Administração e Unidades Vinculadas - ASSECAD e dá outras providências. DAS

Leia mais

Data de emissão: 05/03/2007. Assunto: Regulamento Interno. Número: 4307 CONDOMÍNIO EDIFÍCIO ACAPULCO REGULAMENTO INTERNO

Data de emissão: 05/03/2007. Assunto: Regulamento Interno. Número: 4307 CONDOMÍNIO EDIFÍCIO ACAPULCO REGULAMENTO INTERNO Data de emissão: 05/03/2007 Assunto: Regulamento Interno Número: 4307 CONDOMÍNIO EDIFÍCIO ACAPULCO REGULAMENTO INTERNO O Condomínio Edifício Acapulco, situado à Rua Cel. Pedro Dias de Campos, 388, reger-se-à

Leia mais

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007.

PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. PORTARIA Nº 15, DE 08 DE MARÇO DE 2007. Regulamenta o uso dos veículos da frota oficial e estabelece normas gerais sobre as atividades de transporte de usuários da FHDSS-Unesp. O Diretor da Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMÍNIO CHÁCARA DOS PINHEIROS

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMÍNIO CHÁCARA DOS PINHEIROS 1 de 6 15/3/2010 21:05 REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMÍNIO CHÁCARA DOS PINHEIROS I DISPOSIÇOES GERAIS 1 O Condomínio é regido pela Convenção de 19/12/1979 e pela lei 4.591 de 16 de dezembro de 1964. 2 Ao

Leia mais

Capítulo I Da Administração... Capítulo II Normas, direitos e obrigações dos condôminos... Capítulo III Disposições de uso da garagem...

Capítulo I Da Administração... Capítulo II Normas, direitos e obrigações dos condôminos... Capítulo III Disposições de uso da garagem... ÍNDICE Capítulo I Da Administração... Capítulo II Normas, direitos e obrigações dos condôminos... Capítulo III Disposições de uso da garagem... Capítulo IV Disposições sobre o uso do salão de festas...

Leia mais

ACESSO A SEDE CAMPESTRE DE RATONES REGULAMENTO Nº. 001/2014

ACESSO A SEDE CAMPESTRE DE RATONES REGULAMENTO Nº. 001/2014 ACESSO A SEDE CAMPESTRE DE RATONES REGULAMENTO Nº. 001/2014 Regulamenta o funcionamento da SEDE CAMPESTRE da Associação dos Servidores da UDESC - ASUDESC e dá outras providências. Das disposições preliminares

Leia mais

Regimento Interno Condomínio Vésper Ouro Preto. Capítulo I - Da área de lazer do Condomínio:

Regimento Interno Condomínio Vésper Ouro Preto. Capítulo I - Da área de lazer do Condomínio: Capítulo I - Da área de lazer do Condomínio: Art. 1- A área de lazer do Condomínio é composta de: piscina, sauna, quadra, espaço gourmet e sala fitness. Título I Da Piscina: Art. 2 A piscina será de uso

Leia mais

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 EMENTA: Dispõe sobre o acesso,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONDOMINIO XXXXXXXXXXXXX

REGIMENTO INTERNO DO CONDOMINIO XXXXXXXXXXXXX REGIMENTO INTERNO DO CONDOMINIO XXXXXXXXXXXXX Regulamento, aprovado pelos Condôminos presentes na Assembleia Geral do Condomínio, realizada no dia XX de XXXXXX de 20XX. Este Regimento tem como finalidade

Leia mais

Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC

Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC Regimento da Colônia de Férias em Garopaba/SC CAPITULO I - DA UTILIZAÇÃO Artigo 1º - A Colônia de Férias da ASSUFRGS, localizada em Garopaba/SC, é de uso exclusivo dos seus filiados, servidores da UFRGS,

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DAS SEDES DE LAZER DA AMPB

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DAS SEDES DE LAZER DA AMPB Art. 1º. O presente regulamento visa disciplinar o uso do Clube de Areia Dourada, assim como eventuais unidades de lazer a serem construídas ou adquiridas pela Associação dos Magistrados da Paraíba. DOS

Leia mais

Regulamento da Colônia de Férias e Lazer da ASRUNESP Associação dos Servidores da Reitoria da UNESP

Regulamento da Colônia de Férias e Lazer da ASRUNESP Associação dos Servidores da Reitoria da UNESP ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA REITORIA DA UNESP Alameda Santos, 647 CEP. 01419 901 Fone Fax 3141 9410 Sede Própria Regulamento da Colônia de Férias e Lazer da ASRUNESP Associação dos Servidores da Reitoria

Leia mais

Clube de Campo de São Paulo

Clube de Campo de São Paulo REGULAMENTO DO USO DOS "CHALÉS DO C.C.S.P" 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 - O uso dos quatro chalés do C.C.S.P construídos na zona residencial "A", doravante denominados "Chalés do CCSP" ou simplesmente "Chalés",

Leia mais

Edifício Itower Manual do Credenciado

Edifício Itower Manual do Credenciado Edifício Itower Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

DICAS PARA CONDÔMINOS

DICAS PARA CONDÔMINOS DICAS PARA CONDÔMINOS Área Privativa: É a unidade de cada proprietário incluindo a vaga de garagem. Áreas Comuns: São utilizadas por todos os moradores, como playground, jardins, elevadores, corredores,

Leia mais

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

Edifício Crespi II Manual do Credenciado

Edifício Crespi II Manual do Credenciado Edifício Crespi II Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Altera o Regimento Interno da Área de Lazer da ASIBAMA-DF A Presidente da ASIBAMA-DF, nos termos do art. 30, inciso I, do Estatuto da ASIBAMA-DF, e considerando o disposto

Leia mais

"CONDOMÍNIO RESIDENCIAL GRAN VILLE GUANABARA REGULAMENTO INTERNO

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL GRAN VILLE GUANABARA REGULAMENTO INTERNO "CONDOMÍNIO RESIDENCIAL GRAN VILLE GUANABARA REGULAMENTO INTERNO O presente Regulamento Interno foi elaborado com a finalidade de proporcionar aos Srs. Condôminos, o máximo de bem estar e convivência de

Leia mais

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio:

REGULAMENTO DE OBRAS ANEXO I. Cuidados ao iniciar a obra: Horário de funcionamento do prédio: ANEXO I REGULAMENTO DE OBRAS Cuidados ao iniciar a obra: Toda obra ou reforma na unidade deve ser comunicada ao síndico, com antecedência mínima de 10 dias, através da apresentação de respectivo croqui

Leia mais

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo.

Contamos com a compreensão e a colaboração de todos para manter uma interação marcada pela gentileza e o profissionalismo. 1 Regulamento Interno Este regulamento define regras e procedimentos para o pleno entendimento entre Hóspedes e a Administração do Hotel, lembrando que o bom senso e o respeito mútuo constituem as melhores

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO - N. 1

REGULAMENTO INTERNO - N. 1 REGULAMENTO INTERNO - N. 1 Regulamenta a Convenção do Condomínio Tayayá Resort no que diz respeito ao setor de habitação e o setor de lazer A Assembléia Geral de Instalação do Condomínio Parcial do Complexo

Leia mais

RECIBO DE LOCAÇÃO DO SALÃO DE FESTAS

RECIBO DE LOCAÇÃO DO SALÃO DE FESTAS RECIBO DE LOCAÇÃO DO SALÃO DE FESTAS ASSOCIADO: QUADRA: LOTE: FASE DATA DA RESERVA: / / VALOR DA DIÁRIA: R$ 151,50 (Cento E Cinquenta E Um Reais E Cinquenta Centavos) FORMA DE PAGAMENTO: À VISTA (EM DINHEIRO)

Leia mais

Regulamento do Alojamento Estudantil do Curso de Medicina da Universidade de Marília

Regulamento do Alojamento Estudantil do Curso de Medicina da Universidade de Marília Regulamento do Alojamento Estudantil do Curso de Medicina da Universidade de Marília I - Da Organização do Alojamento Artº 1º- A Gestão do Alojamento estudantil da Universidade de Marília é da competência

Leia mais

É DEVER DO CONDÔMINO ESTAR CIENTE DE SEUS DIREITOS E DEVERES. GUARDE UMA CÓPIA DESTE REGIMENTO PARA FUTURA REFERÊNCIA.

É DEVER DO CONDÔMINO ESTAR CIENTE DE SEUS DIREITOS E DEVERES. GUARDE UMA CÓPIA DESTE REGIMENTO PARA FUTURA REFERÊNCIA. REGIMENTO INTERNO 1 2 É DEVER DO CONDÔMINO ESTAR CIENTE DE SEUS DIREITOS E DEVERES. GUARDE UMA CÓPIA DESTE REGIMENTO PARA FUTURA REFERÊNCIA. 1. ADMINISTRAÇÃO... 3 2 DIREITOS DOS CONDÔMINOS... 4 3 DEVER

Leia mais

3.9 Comunicar imediatamente ao administrador a ocorrência de moléstia contagiosa em sua unidade autônoma.

3.9 Comunicar imediatamente ao administrador a ocorrência de moléstia contagiosa em sua unidade autônoma. REGULAMENTO INTERNO Cláusula Primeira - Do Objeto 1.1 Comercial Park Palace, prédio comercial situado na freguesia de Jacarepaguá, desta cidade, na Av. das Américas, nº 5777, submetido ao regime estabelecido

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL THE WAY GRANJA VIANNA

REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL THE WAY GRANJA VIANNA REGULAMENTO INTERNO DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL THE WAY GRANJA VIANNA Estrada Velha de Sorocaba, nº. 763 - Jardim Semirames - Cotia/S.P CEP 06709-320. Este regulamento, aprovado pelos condôminos presentes

Leia mais

Regulamento Interno para Utilização Associação Veper

Regulamento Interno para Utilização Associação Veper Regulamento Interno para Utilização Associação Veper A Associação Veper Os dirigentes do Grupo Veper tinham o sonho de oferecer um benefício a mais aos seus colaboradores, um espaço que oferecesse lazer,

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO 1 DA LOCAÇÃO: 1.1 O Veículo objeto da presente locação, inclusive acessórios, devidamente caracterizado no anverso, está sendo entregue em perfeitas condições de funcionamento

Leia mais

Regimento Interno. Residencial Villa D Itália

Regimento Interno. Residencial Villa D Itália Regimento Interno Residencial Villa D Itália O objetivo do presente regulamento interno é estabelecer regras de convivência para que tenhamos um local de moradia agradável, onde o respeito ao outro seja

Leia mais

MANUAL GERAL DE FUNCIONAMENTO DO EDIFÍCIO INSTITUCIONAL DO BH-TEC

MANUAL GERAL DE FUNCIONAMENTO DO EDIFÍCIO INSTITUCIONAL DO BH-TEC MANUAL GERAL DE FUNCIONAMENTO DO EDIFÍCIO INSTITUCIONAL DO BH-TEC Maio de 2014. 1 APRESENTAÇÃO O funcionamento do Primeiro Edifício Institucional do BH-TEC será regulado pelas normas específicas contidas

Leia mais

COSTAS MARIS POUSADA

COSTAS MARIS POUSADA COSTAS MARIS POUSADA Regras para efetivação de Reservas. 1 - Nossas diárias iniciam às 14:00hs e encerram às 12:00hs do dia seguinte com tolerância de 30 minutos após este período, será cobrada mais uma

Leia mais

Que se celebra entre o Sr. Cristiano Carnelós Peyrer, brasileiro, solteiro, portador da

Que se celebra entre o Sr. Cristiano Carnelós Peyrer, brasileiro, solteiro, portador da INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE LOCAÇÃO DO ESPAÇO PARA EVENTOS Que se celebra entre o Sr. Cristiano Carnelós Peyrer, brasileiro, solteiro, portador da cédula de identidade R.G. sob nº 28.266.412-9,

Leia mais

Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado

Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado Edifício Joviano de Moraes Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

Arena Porto-Alegrense S.A Av. Padre Leopoldo Brentano, 110 Bairro Humaitá 90250-590 Porto Alegre - RS Fone:+ 55 51 3019.1903

Arena Porto-Alegrense S.A Av. Padre Leopoldo Brentano, 110 Bairro Humaitá 90250-590 Porto Alegre - RS Fone:+ 55 51 3019.1903 REGULAMENTO DE USO DOS CAMAROTES DA ARENA DO GRÊMIO Este Regulamento de Uso estabelece as diretrizes e as regras de funcionamento dos Camarotes da Arena do Grêmio, sujeitando aqueles que não o observarem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO LOTEAMENTO FECHADO TERRA PARK CLUB RESIDENCE CAPÍTULO I DA DESTINAÇÃO DO LOTEAMENTO

REGIMENTO INTERNO DO LOTEAMENTO FECHADO TERRA PARK CLUB RESIDENCE CAPÍTULO I DA DESTINAÇÃO DO LOTEAMENTO REGIMENTO INTERNO DO LOTEAMENTO FECHADO TERRA PARK CLUB RESIDENCE CAPÍTULO I DA DESTINAÇÃO DO LOTEAMENTO Art. 1º - O TERRA PARK CLUB RESIDENCE é um loteamento dividido em partes de propriedade privativa,

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

d) Acesso masculino restrito no horário específico das mulheres (das 11h às 12h e das 13h às 14h);

d) Acesso masculino restrito no horário específico das mulheres (das 11h às 12h e das 13h às 14h); website: www.academiapodium.yolasite.com REGULAMENTO DA ACADEMIA PODIUM 1. A Academia Podium 1.1. A Academia Podium consiste em um espaço diferenciado disponibilizado aos seus alunos e funcionários, para

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG)

REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG) REGULAMENTO PARA USO E FUNCIONAMENTO DO ESTACIONAMENTO DA FACULDADE GUANAMBI (FG) O DIRETOR GERAL da Faculdade Guanambi (FG), no uso de suas atribuições, e considerando a necessidade de disciplinar o uso

Leia mais

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MEDITERRÂNEO Rua Prof. Roberval Fróes, 390 Jardim Esplanada II São José dos Campos São Paulo CNPJ 10.816.

CONDOMÍNIO RESIDENCIAL MEDITERRÂNEO Rua Prof. Roberval Fróes, 390 Jardim Esplanada II São José dos Campos São Paulo CNPJ 10.816. REGULAMENTO INTERNO O presente Regulamento Interno, complementando a Convenção do Condomínio Mediterrâneo, e em conformidade com as disposições do Código Civil Brasileiro, Lei 10.406/02, Lei 4.591/64 e

Leia mais

REGULAMENTO PARA ÁREAS DE LAZER ESPAÇO FRANELLI DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL PONTAL DA LIBERDADE

REGULAMENTO PARA ÁREAS DE LAZER ESPAÇO FRANELLI DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL PONTAL DA LIBERDADE REGULAMENTO PARA ÁREAS DE LAZER ESPAÇO FRANELLI DO CONDOMÍNIO RESIDENCIAL PONTAL DA LIBERDADE Art. 1º - Este documento visa de estabelecer as normas relativas à utilização das áreas comuns do Espaço FRANELLI,

Leia mais

Regulamento de Cessão de Espaços para Eventos

Regulamento de Cessão de Espaços para Eventos 1. Finalidade dos Espaços Regulamento de Cessão de Espaços para Eventos Espaços destinados à realização de eventos sociais, como aniversários, casamentos, palestras e happy hour, a associados e seus convidados.

Leia mais

Propostas de Alteração do Regimento Interno

Propostas de Alteração do Regimento Interno Propostas de Alteração do Regimento Interno 1- Proposta de Antônio de Jesus Ribeiro Q22 L17: Incluir Único no Artigo 1º Parágrafo único Caso o dano seja no meio, caberá ao proprietário da unidade danificada

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PREFEITURA DE AERONÁUTICA DE CURITIBA CIRCULAR Nº 01/PACT/2011 REGRAS DE CONVIVÊNCIA NAS VILAS MILITARES

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PREFEITURA DE AERONÁUTICA DE CURITIBA CIRCULAR Nº 01/PACT/2011 REGRAS DE CONVIVÊNCIA NAS VILAS MILITARES MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PREFEITURA DE AERONÁUTICA DE CURITIBA CIRCULAR Nº 01/PACT/2011 REGRAS DE CONVIVÊNCIA NAS VILAS MILITARES 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Toda vila militar incluindo

Leia mais

Normas regulamentares para bom convívio entre os moradores

Normas regulamentares para bom convívio entre os moradores Normas regulamentares para bom convívio entre os moradores 1) Esclarecemos que a administração desse condomínio é participativa, nenhum dos representantes recebe qualquer salário, portanto, todos devemos

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária

ANEXO 5. Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária ANEXO 5 Detalhamento dos serviços sob responsabilidade da Concessionária 1 1. INTRODUÇÃO O presente anexo busca delimitar e detalhar as atividades e serviços sob responsabilidade da CONCESSIONÁRIA no âmbito

Leia mais

Condomínio Residencial SOLAR DA CHAPADA REGIMENTO INTERNO Aprovado em 06/11/13 e alterado em 13/01 e 31/03/2014

Condomínio Residencial SOLAR DA CHAPADA REGIMENTO INTERNO Aprovado em 06/11/13 e alterado em 13/01 e 31/03/2014 REGIMENTO INTERNO Introdução; Com o intuito de formalizar as ações coletivas e individuais, estabelecendo normas de conduta para a boa convivência e administração do Residencial Solar da Chapada, adotou-se

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO D E CHÁCARA TEMPORÁRIA

CONTRATO DE LOCAÇÃO D E CHÁCARA TEMPORÁRIA CONTRATO DE LOCAÇÃO D E CHÁCARA TEMPORÁRIA Pelo presente instrumento, de um lado, como LOCADOR e assim chamado doravante, FRANCISCO AUGUSTO LOPES, brasileiro, casado, autônomo, portador da cédula de identidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL

REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL REGULAMENTO INTERNO DO PIAZITO PARK HOTEL O presente regulamento rege as relações jurídicas entre o prestador de serviços PIAZITO PARK HOTEL e o(s) hóspede. As condições descritas neste regulamento também

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE Art. 1.º - O REGIMENTO INTERNO do Condomínio Residencial Passaredo, situado à Av. Francisco Sá, nº 7630, bairro Barra do Ceará, CEP 60.330-878, inscrito no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE USO DO

REGIMENTO INTERNO DE USO DO REGIMENTO INTERNO DE USO DO ANHEMBI TÊNIS CLUBE CAPÍTULO I DA FREQUÊNCIA E DA PERMANÊNCIA NA SEDE Art. 1º. Este regulamento trata da frequência, permanência e desenvolvimento de atividades esportivas,

Leia mais

ARTILHA DO SÍNDICO CARTILHA DO SÍNDICO

ARTILHA DO SÍNDICO CARTILHA DO SÍNDICO ARTILHA DO SÍNDICO CARTILHA DO SÍNDICO 1. Função do Síndico O síndico é aquele eleito pelos condôminos, por um período de até dois anos, para administrar e representar o condomínio, seja judicialmente

Leia mais

MANUAL FEIRA DE PEÇAS E ANTIGUIDADES

MANUAL FEIRA DE PEÇAS E ANTIGUIDADES Águas de Lindóia SP De 21 a 24 de abril de 2016 MANUAL FEIRA DE PEÇAS E ANTIGUIDADES I. ÁREA FÍSICA 1. É o espaço contratado sem qualquer tipo de montagem ou carpete. O expositor receberá a área locada

Leia mais

Divisão de Lazer - DIL

Divisão de Lazer - DIL Divisão de Lazer - DIL REGULAMENTO CENTRO DE LAZER DA UFRGS TRAMANDAÍ CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento dispõe sobre as regras a serem observadas para utilização do espaço do Centro

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA.

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA. Manual de Uso de Veículo Respeito a Vida! TERMO DE RECEBIMENTO R ecebi da Cooperativa de Trabalho dos P r o f i s s i o n a i s d e A g r o n o m i a L t d a. UNICAMPO, o MANUAL DE USO DO VEÍCULO e após

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 13 a 17 de Abril de 2015, das 08:00 às 18:00h. MANUAL PARA MONTADORAS 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 23/03/2015

Leia mais

RESIDENCIAL PRAIA DE ITACARÉ REGULAMENTO INTERNO

RESIDENCIAL PRAIA DE ITACARÉ REGULAMENTO INTERNO RESIDENCIAL PRAIA DE ITACARÉ REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Condomínio reger-se-á pelas disposições do Código Civil, da Lei nº 4.591/64 e demais legislações pertinentes e ainda

Leia mais

ORIENTAÇÕES, REGRAS E INFORMAÇÕES AO EXPOSITOR.

ORIENTAÇÕES, REGRAS E INFORMAÇÕES AO EXPOSITOR. ORIENTAÇÕES, REGRAS E INFORMAÇÕES AO EXPOSITOR. APRESENTAÇÃO A Organizadora e Montadora Oficial vêm através deste Manual colocar à disposição, todas as informações necessárias para que você Expositor possa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 23 DE 17 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 23 DE 17 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO Nº. 23 DE 17 DE ABRIL DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais RESOLVE: I) Aprovar o REGIMENTO INTERNO DA MORADIA ESTUDANTIL

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Revogado pela Portaria STJ n. 417 de 24 de outubro de 2012 PORTARIA N. 329 DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Superior Tribunal de Justiça.

Leia mais

Condomínio A Reserva Rua Olavo Bilac, 242 CAPÍTULO IV DO REGIMENTO INTERNO

Condomínio A Reserva Rua Olavo Bilac, 242 CAPÍTULO IV DO REGIMENTO INTERNO Condomínio A Reserva Rua Olavo Bilac, 242 CAPÍTULO IV DO REGIMENTO INTERNO Art. 6º - O Regimento Interno, disciplinador da conduta interna dos condôminos do CONDOMÍNIO A RESERVA e usuários, a qualquer

Leia mais

EDIFÍCIO RESIDENCIAL PEDRA DO MAR

EDIFÍCIO RESIDENCIAL PEDRA DO MAR EDIFÍCIO RESIDENCIAL PEDRA DO MAR 1 Regimento Interno SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO EDIFÍCIO RESIDENCIAL PEDRA DO MAR... 4 CAPÍTULO I... 4 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 CAPÍTULO II... 6 DAS NORMAS REGULAMENTARES...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA POUSADA BUTTERFLY HOUSE. A hospedagem na POUSADA BUTTERFLY HOUSE é regida pelas condições abaixo descritas:

REGIMENTO INTERNO DA POUSADA BUTTERFLY HOUSE. A hospedagem na POUSADA BUTTERFLY HOUSE é regida pelas condições abaixo descritas: REGIMENTO INTERNO DA POUSADA BUTTERFLY HOUSE A hospedagem na POUSADA BUTTERFLY HOUSE é regida pelas condições abaixo descritas: 1. É obrigatório o preenchimento da ficha de identificação, atendendo normas

Leia mais

REGULAMENTO DA HOTELARIA

REGULAMENTO DA HOTELARIA REGULAMENTO DA HOTELARIA I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º. O presente Regulamento, aprovado pela Diretoria Executiva, rege o uso dos serviços de hotelaria disponibilizados pela AMAM aos Associados e seus

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEICULOS CARRENT ALUGUEL & VEICULOS LTDA, CNPJ sob n.o 23.002.258/0001 22 com Rua Bento Albuquerque 2653 A Papicu 60 191 355

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEICULOS CARRENT ALUGUEL & VEICULOS LTDA, CNPJ sob n.o 23.002.258/0001 22 com Rua Bento Albuquerque 2653 A Papicu 60 191 355 CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEICULOS CARRENT ALUGUEL & VEICULOS LTDA, CNPJ sob n.o 23.002.258/0001 22 com Rua Bento Albuquerque 2653 A Papicu 60 191 355 doravante identificada LOCADORA e a pessoa física ou

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE EVENTOS Centro de Exposições do CIETEP / FIEP

REGULAMENTO GERAL DE EVENTOS Centro de Exposições do CIETEP / FIEP REGULAMENTO GERAL DE EVENTOS Centro de Exposições do CIETEP / FIEP PARTE I DOS ASPECTOS GERAIS CLÁUSULA PRIMEIRA. Intransferibilidade. É vedado ao CESSIONÁRIO transferir a terceiros, total ou parcialmente,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR Seja bem-vindo à Blue Service Assistance, a opção mais vantajosa em assistência e clube de vantagens. É uma enorme satisfação ter você como nosso associado. A Blue Service Assistance está cada vez mais

Leia mais