Regulamento Interno da Associação Alphaville Campo Grande.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento Interno da Associação Alphaville Campo Grande."

Transcrição

1 Regulamento Interno da Associação Alphaville Campo Grande Capítulo I Da Segurança. 1.1 Cadastro de Associados. Artigo 1º. Todo associado, morador ou não, deverá atualizar anualmente o cadastro de associados junto à Administração, em formulário específico disponibilizado pela Associação, o qual deverá ser entregue preenchido e assinado, ou por meio eletrônico, no e mail fornecido pela Associação. 1. O cadastramento tem como objetivo atualizar o rol dos associados e seus dependentes, constando os dados pessoais, endereços e telefones para contato, bem como, no caso de moradores, o credenciamento dos empregados domésticos; 2. Os dados constantes no formulário serão tratados de forma estritamente confidencial pelos funcionários do Alphaville Campo Grande e membros do Conselho Diretor; 3. No caso de novos associados que adquirirem lote ou imóvel no residencial, além do formulário de cadastro citado, deverão também apresentar cópia autenticada do instrumento de compra e venda do referido imóvel, ou cópia de certidão da matrícula do imóvel expedida pelo respectivo Cartório de Registros de Imóveis; 4. Os novos associados serão incluídos no rol da Associação mediante assinatura no Termo de Inscrição e Compromisso no momento da entrega dos documentos citados no parágrafo terceiro, recebendo da Administração pasta contendo uma via de cada um dos documentos a seguir: Estatuto Social da Associação Alphaville Campo Grande; Regulamento do Loteamento; Regulamento da Área de Lazer; Regimento Interno do Alphaville Campo Grande Clube; Regulamento Interno da Associação Alphaville Campo Grande. a) entretanto, todos os proprietários de lote ou imóvel, independentemente da formalização do cadastro junto à Associação, são obrigados ao cumprimento das normas internas, bem como responsáveis por quaisquer fatos que ocorram, pessoalmente ou por seus prestadores de serviços, que porventura tenham o ingresso autorizado no residencial. 1

2 1.2 Acesso ao Residencial. Artigo 2º. Para o ingresso no residencial, todo associado e/ou dependentes deverão estar com o formulário de cadastro devidamente atualizado junto à Administração, que disponibilizará seus nomes à portaria do residencial. Este cadastro não desobriga a portaria ou a segurança de proceder à identificação do associado, dependente, ou morador, solicitando, inclusive, a apresentação de documento pessoal contendo foto, no caso de dúvidas ou de necessidade. 1. Somente os associados moradores do Residencial Alphaville Campo Grande receberão cartão magnético para liberação de acesso da portaria, podendo ingressar no residencial liberando pessoalmente a cancela de passagem destinada aos Moradores ; a) neste caso, porém, deverá acessar ao local de forma lenta, liberando a cancela utilizando o cartão magnético, e mantendo os vidros do veículo abaixados, permitindo desta forma que a segurança possa observar o interior do veículo e seus eventuais acompanhantes, em benefício próprio e dos demais moradores em relação à segurança de todos os associados; 2. Todos os demais associados e dependentes que não estiverem morando no residencial terão acesso obrigatório pela passagem destinada aos Visitantes, localizada próxima à guarita de entrada, sendo que a liberação da cancela será realizada pela segurança após a devida identificação, caso necessário; 3. O acesso dos associados não moradores ao residencial se dará diariamente, no período das 07h00 (sete) horas às 21h00 (vinte e uma) horas, sendo que a partir das 22h00 (vinte e duas) horas será desligada a iluminação na pista destinada a caminhadas Dos visitantes. Artigo 3º. Para o ingresso no residencial qualquer convidado deverá contar com a autorização do morador que será visitado, além de ser devidamente identificado mediante apresentação de documento pessoal com foto, obrigatoriamente a Carteira Nacional de Habilitação CNH no caso do condutor do veículo, com anotação da placa, horário de entrada e de saída, recebendo identificação própria aos visitantes, que será recolhida pela segurança na saída do residencial. 1. A autorização do morador se fará por telefone, ao ser anunciada a presença do visitante na portaria, podendo também ser feita por meio de autorização escrita específica, com validade limitada de 30 (trinta) dias, no caso de hóspede na residência; 2

3 2. No caso de convidados, parentes ou não de morador, que costumam visitá lo frequentemente, poderá ser elaborada autorização escrita específica, com os dados pessoais do visitante e respectivo grau de parentesco, se for o caso, entregando a na Administração do residencial. Esta autorização terá validade de até 06 (seis) meses, devendo ser renovada pelo morador sempre que necessário; 3. Nos eventos festivos em residências com diversos participantes, o morador poderá autorizar a entrada de seus convidados por meio de lista escrita, que deverá conter o nome completo de cada convidado, não dispensada a identificação de todos os veículos e seus ocupantes na passagem da cancela destinada aos Visitantes ; a) nesta hipótese, fica estabelecido que os veículos dos convidados só poderão permanecer estacionados nas ruas transversais do residencial, ou no estacionamento do Clube, desde que não haja evento local no mesmo dia e hora, ou ainda defronte à residência visitada, desde que não obstrua o tráfego interno do residencial. 4. No caso de visitantes de associados não moradores, o acesso ao residencial se fará, obrigatoriamente, na companhia do associado ou dependente e nos horários estabelecidos neste regulamento, não dispensada a identificação dos veículos, bem como de todos os seus ocupantes, mediante apresentação de documento pessoal, no caso do condutor de automóvel/motocicleta, obrigatoriamente a Carteira Nacional de Habilitação CNH. 5. As mudanças no residencial Alphaville Campo Grande deverão ser realizadas de segunda a sábado, das 08h00 (oito) às 17h00 (dezessete) horas. 1.3 Veículos. Artigo 4º. Todos os veículos, de propriedade ou de uso pessoal dos associados, moradores ou não, deverão ser devidamente cadastrados na Administração do Residencial Alphaville Campo Grande, e poderão receber selo ou outro dispositivo de identificação estabelecido pela Diretoria de Segurança, que deverá ser utilizado de acordo com as instruções aprovadas. 1. No caso de associados transportados por táxis ou veículos de terceiros, a entrada deverá ser feita sempre pela passagem da cancela de Visitantes, devendo a segurança registrar a placa do veículo, bem como a hora de entrada e de saída do mesmo; 2. Caso algum morador esteja na direção de veículo não cadastrado, deverá utilizar a passagem da cancela destinada aos Visitantes, que será liberada pela 3

4 portaria quando não houver necessidade de identificação formal, e desde que possa ser feita visualmente pela segurança, sendo possível impedir se o acesso de qualquer pessoa quando houver necessidade de identificação formal. Artigo 5º. É vedado o empréstimo ou cessão, a qualquer título, dos dispositivos de identificação de veículos a não associados do Residencial Alphaville Campo Grande. No caso de venda de veículo cadastrado, o associado deverá comunicar o fato à Administração da Associação, utilizando formulário próprio, devendo anexar em devolução o dispositivo de identificação retirado do veículo vendido. Capítulo II Dos Prestadores de Serviços. Artigo 6º. Todos os prestadores de serviços, eventuais, temporários ou permanentes, não importando a formação profissional, deverão ter acesso ao Residencial Alphaville Campo Grande exclusivamente através da passagem das cancelas de Serviços, na portaria de Triagem. 1. É obrigatório o registro de identificação de todas as pessoas que prestam serviços no Residencial Alphaville Campo Grande em caráter temporário ou permanente, sendo este registro efetuado na portaria de triagem através de cadastro com foto e mediante a apresentação dos documentos pessoais, no caso de condutores de veículos a apresentação da Carteira Nacional de Habilitação CNH. O prestador de serviço cadastrado terá os dados biométricos da mão direita colhidos, e receberá senha para liberação da catraca de acesso; 2. Sem este registro não será permitido o ingresso do prestador de serviços ao residencial, devendo o morador, associado ou o responsável pela obra, regularizar a situação do trabalhador por meio de autorização específica; 3. O associado é o responsável pelas informações prestadas sobre seus empregados e prestadores de serviços, devendo comunicar ao Supervisor de Segurança eventuais ocorrências desabonadoras que envolvam tais pessoas; 4. É de responsabilidade do associado morador, ou de obra em andamento, a comunicação imediata à Administração por escrito, das eventuais demissões ou abandonos de emprego de seus funcionários ou prestadores de serviços, a fim de que seja cancelado o registro deste profissional na portaria de triagem, evitando se o acesso ao residencial; 5. Os veículos pessoais de todo prestador de serviço, bem como os veículos de qualquer empresa prestadora de serviço ou fornecedora de material de qualquer espécie, seja nas obras ou nas residências, terá o acesso ao residencial, sempre e exclusivamente, através da entrada e saída de Serviços, sendo que todos os 4

5 ocupantes destes veículos deverão ser obrigatoriamente registrados na portaria de Triagem, salvo os entregadores previstos no parágrafo seguinte; 6. As entregas realizadas aos moradores, referente a certos produtos tais como: flores; presentes; caixas de surpresa; pizzas; lanches ou refeições, ou quaisquer outros que porventura tenham de ser entregues fora do horário de funcionamento da portaria de Triagem, poderão ter acesso através da passagem da cancela de Visitantes, desde que autorizados pelo morador e após a devida identificação do veículo e do condutor pela segurança do residencial; 7. O horário de funcionamento da portaria de Serviços será de segunda à sextafeira, das 07h00 (sete) às 17h30 (dezessete e trinta), e aos sábado, das 07h00 (sete) às 12h00 (doze) horas, sendo vedado o acesso ao residencial de qualquer prestador de serviço ou profissional autônomo fora destes horários, exceto no caso de realização de mudança, conforme artigo 3 (terceiro), parágrafo 5 (quinto) e nos casos de emergência autorizados pela Associação. Capítulo III Do Trânsito de Veículos Artigo 7º. A velocidade máxima dentro do Residencial Alphaville Campo Grande é de 30 Km/h (trinta quilômetros horários) para todos os tipos de veículos, salvo ambulâncias, em caso de socorro médico, ou de viaturas policiais, no atendimento a ocorrências, sendo ainda proibida a realização de quaisquer manobras que possam colocar em risco as pessoas ou o patrimônio da Associação ou de seus associados. Artigo 8º. De acordo com a legislação vigente Lei n de 23/09/1997 (Código de Trânsito Brasileiro) é expressamente proibida a condução de quaisquer veículos automotores, independente de cilindragem, por pessoas menores de idade, ou não habilitadas, e se habilitadas, sem a utilização dos instrumentos de segurança obrigatórios por lei, tais como: cintos de segurança, capacete, etc. 1. É expressamente proibida a realização, promoção ou incentivo a qualquer tipo de competição, ou de corridas, com veículos de qualquer tipo no interior do residencial; 2. A proibição citada no caput deste artigo vale também para utilização de quaisquer veículos automotores de pequeno porte, tais como: mini bugues, quadriciclos, triciclos, ou assemelhados. Artigo 9º. Fica expressamente proibida a obstrução das vias públicas, bem como o estacionamento e circulação irregulares ou em desconformidade com a sinalização estabelecida para o tráfego interno. 5

6 Parágrafo único. É terminantemente proibida a parada ou o estacionamento de veículos de qualquer natureza sobre os lotes não edificados; sobre as guias; praças; rotatórias; áreas comuns ou de convivência, sob qualquer pretexto e em qualquer horário ou tempo de duração. Capítulo IV Da Criação de Animais. Artigo 10. É expressamente proibido no Residencial Alphaville Campo Grande: a) criação de suínos; caprinos; ovinos; bovinos; muares e assemelhados; b) a criação de animais peçonhentos, selvagens, silvestres e exóticos, de qualquer natureza, que possam colocar em risco as pessoas, ou prejudicar o sossego dos moradores, bem como alimentá los no interior do residencial; c) A criação ou permanência de cães de grande porte ou de raças que sejam publicamente reconhecidas como perigosas, tais como pit bull; rottweiler, ou quaisquer outras assemelhadas. Artigo 11. A permanência de animais domésticos não inclusos nas listas de proibições é permitida desde que mantidos no interior da residência e, quando em passeio, conduzidos por pessoa responsável, presos a coleiras ou por guias apropriadas, sendo expressamente proibida a circulação de cão ou de qualquer animal solto, independente do porte. No caso de raças de cães comprovadamente ferozes, tais animais deverão se fazer acompanhar de adultos ou de pessoas capazes fisicamente de contê los, e estar presos com enforcador, focinheira e coleira. Parágrafo único. Todo animal deverá ter identificação de seu proprietário. Caso não tenha identificação e for encontrado solto no interior do residencial, estará sujeito ao recolhimento pelas autoridades competentes ou pela segurança do residencial. Artigo 12. Os proprietários de animais deverão proceder à coleta dos dejetos sólidos, cuja deposição tenha ocorrido na área interna do residencial, seja particular ou pública. Parágrafo único. O fato de o animal estar sendo conduzido por terceiros não exime o seu proprietário dessa responsabilidade. Capítulo V Da Limpeza e Estética. Artigo 13. É expressamente proibido: 6

7 a) lançar lixo, entulho ou qualquer tipo de detrito em lote próprio ou alheio, ou ainda em vias públicas ou nas áreas comuns do residencial, como praças e nas destinadas à convivência; b) colocação de sacos de lixo ao alcance de animais, ou no chão; c) a utilização de lote alheio para guarda de qualquer tipo de máquina, utensílio, ou equipamento, exceto nos casos previstos no regulamento construtivo, com a devida autorização do proprietário e sob cercamento com tapume. Artigo 14. O lixo doméstico deverá ser acondicionado em sacos plásticos pretos, separados seletivamente, os recicláveis dos orgânicos, dentro dos coletores estabelecidos pela administração, e colocados à frente das residências para coleta, apenas nos dias e horários divulgados pela administração. Artigo 15. É expressamente proibida a colocação de faixas, placas, cartazes, propaganda política, e luminosos publicitários, na frente das residências ou dos lotes, nas vias e áreas públicas, salvo quando por motivo de saúde pública, ou interesse da sociedade, sendo necessária autorização formal da administração, ou de órgão público competente. No caso de obra, apenas as previstas no Regulamento do Loteamento serão permitidas. Artigo 16. Para prevenir a proliferação de insetos e surto de doenças, fica proibido manter: a) piscina sem o necessário tratamento; b) depósitos ou caixas d água sem tampa; c) vasos com anteparos coletores de água; d) pneus ou quaisquer outros recipientes que possam conter água parada. Artigo 17. A manutenção dos jardins das residências é de inteira responsabilidade do seu proprietário. As construções não habitadas, se à venda ou destinadas à locação, não eximem o proprietário da obrigação de manutenção de seus jardins. Artigo 18. Os restos de jardinagem tais como grama cortada ou folhagens, devem ser acondicionados em sacos plásticos que serão retirados por empresa prestadora de serviços de paisagismo contratada pela associação. As podas ou cortes de árvores plantadas na frente dos lotes ou nas áreas comuns só poderão ser executadas pela 7

8 empresa citada. No caso de necessidade, o associado deverá solicitar à associação as providências necessárias. Capítulo VI Do Sossego e da Paz Social. Artigo 19. É proibida a utilização de buzina ou qualquer outro meio de alerta porventura instalado nos veículos para o chamamento de pessoas, bem como a utilização de equipamentos sonoros em volume que incomode os demais moradores quando em circulação no interior do residencial; a) também é proibido causar barulho excessivo por meio de veículo automotor em razão da inclusão ou retirada de qualquer equipamento de abafamento acústico, ou mesmo através de aceleração sem movimento, ou ainda em movimento, acima dos limites de velocidade previstos internamente. Parágrafo único. Fica também vedada a reunião de pessoas defronte às residências, ou nas áreas comuns, após as 22h00 (vinte e duas) horas, quando resultar em algazarras ou barulhos que possam incomodar os demais moradores. Artigo 20. Na realização de eventos sociais nas residências, fica permitido o funcionamento de equipamentos sonoros até as 22h00 (vinte e duas) horas, e mesmo assim desde que os ruídos não ultrapassem os limites permitidos por lei. Artigo 21. O funcionamento de equipamentos sonoros, tipo furadeiras, serras, cortadores de grama ou outros assemelhados, de forma constante e que afete o sossego público, não será permitido desde as 22h00 (vinte e duas) até às 8h00 (oito) horas do dia seguinte, inclusive nos sábados, domingos e feriados. Artigo 22. Os moradores proprietários de animais deverão mantê los em local adequado e tomar todas as providências para evitar o excesso de ruídos que possam ser causados por estes animais durante todo o dia, e, em especial, no período das 22h00 (vinte e duas) às 8h00 (oito) horas, inclusive nos feriados e fins de semana prolongados. Capítulo VII Do Patrimônio da Associação. Artigo 23. Compõem o patrimônio da Associação Alphaville Campo Grande todos os veículos, equipamentos, utensílios, edificações e demais valores integrantes dos ativos da associação, cabendo aos associados, em conjunto com os colaboradores administrativos, zelarem pela manutenção e bom uso desse patrimônio. 8

9 Artigo 24. A destruição ou dano a qualquer dos itens do conjunto patrimonial da Associação obrigará o responsável ao ressarcimento do prejuízo causado. Artigo 25. É expressamente proibido o corte ou modificação de árvores, plantas e gramados das áreas comuns, rotatórias, praças, jardins e áreas de convivência. Quando tais serviços forem necessários, deverão ser requeridos por escrito à Administração da Associação que acionará a empresa prestadora de serviços de paisagismo, sob a supervisão do Comitê Executivo. Artigo 26. As áreas construídas e a área de lazer do Alphaville Campo Grande Clube, bem como todos os materiais esportivos e sociais constantes no Clube, fazem parte do patrimônio da Associação e o seu uso será regido por regulamentação específica, no caso, seu Regimento Interno. Capítulo VIII Do Uso dos Imóveis no Residencial. Artigo 27. Todos os imóveis que compõem a área interna do Residencial Alphaville Campo Grande, construídos ou não, são de uso estritamente residencial, ficando expressamente proibida a instalação ou funcionamento de: a) edificações para fins não residenciais ou para uso misto sejam comerciais, hoteleiras, industriais ou escritórios, de forma a nunca se exercer nelas atividades como as de: comércio, indústria, todo e qualquer tipo de estabelecimento de ensino, hospital, clínica, consultório, ateliê, de prestação de serviços, templos religiosos de qualquer natureza, cinema, teatro, hotel, pousada, motel, pensão, clubes ou associações ou áreas de lazer, de acordo com o Regulamento do Loteamento anexo B do Estatuto Social; b) atividades que requeiram ou exijam atendimento público de qualquer natureza, remunerado ou não; c) estabelecimentos artísticos com finalidade gratuita ou remunerada. Capítulo IX Das Disposições Finais. 9.1 Armas e Entorpecentes. Artigo 28. É expressamente proibida: a) a existência de armas de qualquer espécie no interior do residencial, salvo os casos autorizados legalmente; 9

10 b) o consumo de toda e qualquer espécie de drogas e entorpecentes proibidos em lei, no interior do Residencial Alphaville Campo Grande, a qualquer pretexto ou quantidade; c) o consumo de bebidas alcoólicas nas áreas comuns do residencial, exceto naquelas destinadas a eventos sociais; d) a existência de bebidas alcoólicas nos locais das obras, podendo os funcionários da segurança proceder a vistoria de todas as dependências nestes locais para a devida apreensão, devendo o proprietário/associado ser notificado do fato. 9.2 Dos Funcionários da Associação. Artigo 29. Os funcionários da Associação Alphaville Campo Grande reportam se ao Comitê Executivo, e estão devidamente orientados sobre quando e como fazer cumprir este regulamento. 1. O Escritório da administração do Residencial Alphaville Campo Grande funcionará de segunda a sexta feira das 08h00 (oito) às 17h00 (dezessete) horas, salvo feriados; 2. Os funcionários que exerçam funções de fiscalização, manutenção e os que exerçam funções ligadas à portaria e segurança, mesmo que terceirizados deverão obrigatoriamente trabalhar uniformizados, de modo a serem identificados por qualquer pessoa. 9.3 Das Penalidades e Defesas. Artigo 30. As penalidades previstas neste regulamento são: a) comunicação verbal; b) advertência por escrito; c) multa. 1. A comunicação verbal deverá ser aplicada por funcionário da fiscalização do residencial, ou da segurança, de acordo com o caso e nos limites de sua competência, e ser devidamente registrada no livro de ocorrências. Caberá, no caso de eventual excesso, reclamação ao Comitê Executivo, no prazo de até 48 (quarenta e oito) horas do ocorrido; 10

11 2. A advertência por escrito é exclusiva dos membros do Comitê Executivo em suas áreas de atuação, e será aplicada através de carta dirigida ao infrator, contra recibo ou via postal, com comprovante de recebimento, após apuração do respectivo caso; 3. Da pena de advertência escrita, caberá defesa oral ou por escrito a ser oferecida na próxima reunião do Comitê Executivo, no prazo de até 30 (trinta) dias após o recebimento; 4. A pena de multa será sempre aplicada em reunião ordinária do Comitê Executivo, lavrada em ata e decidida por maioria de votos, após explanação e discussão do assunto, e se for o caso da análise da defesa interposta; 5. Da pena de multa caberá defesa oral ou por escrito a ser apresentada até a data da primeira reunião ordinária do Comitê Executivo, contado o prazo máximo de 30 (trinta) dias do recebimento da notificação; 6. A aplicação de qualquer penalidade pela associação ou a aceitação da defesa não afasta e nem impede que tal agente venha sofrer medidas de ordem judicial, cível ou policial, cabíveis quando o ato configurar ilícito previsto em lei. A comunicação aos órgãos públicos competentes dar se á por escrito por decisão do Conselho Diretor, lavrada em ata, ou por qualquer prejudicado, no seu regular exercício de cidadania. Artigo 31. Os valores definidos para as multas serão atualizados, anualmente, por decisão do Conselho Diretor, respeitando se índices oficiais. 1. Fixa se o valor da multa em 500 (quinhentas) vezes o valor de referência definido para a taxa de manutenção do residencial devida por metro quadrado; 2. No caso de reincidência em qualquer tipo de infração, o valor da multa será o dobro, calculada progressivamente, tomando se como base o valor da maior multa aplicada nos 360 (trezentos e sessenta) dias anteriores, período limite para a aplicação da dobra. Artigo 32. Toda a renda auferida pela aplicação deste regulamento reverterá em benefício do próprio Residencial Alphaville Campo Grande, podendo ser cobrada judicialmente com os acréscimos cabíveis. 11

12 9.4 Do Cumprimento. Artigo 33. Este regulamento entra em vigor na data da sua aprovação pela Assembléia Geral Extraordinária, só podendo ser alterado em Assembléia Geral Extraordinária convocada para este fim de acordo com o Estatuto Social. Artigo 34. Quando o Estatuto Social e seus anexos, ou ainda este Regulamento Interno, ou outros regulamentos existentes, não forem específicos a respeito de alguma regra para solução de problemas ou questões surgidas no Residencial Alphaville Campo Grande, caberá ao Conselho Diretor, no âmbito de suas atribuições, buscar solução adequada, tomada em reunião com lavratura de ata, a qual vigerá como norma excedente até a efetiva incorporação a este Regulamento em Assembléia Geral Extraordinária. Campo Grande MS, 29 de Junho de Carlos Antônio Gonçalves Linares Presidente Fernando Villa de Paula Secretário 12

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO FAZENDA TAMBORÉ RESIDENCIAL FINALIDADE 1. Este regulamento tem por finalidade definir direitos e deveres e orientar a conduta de todas as pessoas que se encontrarem, a

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSSUNTOS JURÍDICOS DECRETO N o 525, DE 11 DE JULHO DE 2013. Regulamenta a utilização de veículos oficiais pela administração direta e indireta do Município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso de suas atribuições que

Leia mais

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização.

DA SEGURANÇA. A infringência aos artigos 1º e 2º implicará nas seguintes sanções: a) Comunicação por escrito solicitando a regularização. Aprovação das alterações das cláusulas do Regulamento Interno (trechos destacados em amarelo e azul são trechos que foram feitas mudanças e/ou alterações) DA SEGURANÇA Art. 1º - Cada novo morador receberá

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados.

REGIMENTO INTERNO. Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos permanentemente fechados. SEM MARCADOR TEXTO ORIGINAL GRIFADO EM VERDE ALTERAÇÕES A SEREM APROVADAS NA ASSEMBLÉIA REGIMENTO INTERNO Artigo 8º - Fica estabelecido que os portões de entrada que dão acesso ao CONDOMÍNIO serão mantidos

Leia mais

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS

ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS CIRCULAR Nº 003/2015 Curitiba, 05/06/2015. ASSUNTO: REGULAMENTA O USO DE ADESIVOS DE IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS DE CONDÔMINOS A Síndica do Condomínio Le Jardin Residencial, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO JARDIM SHANGRILÁ REGIMENTO INTERNO APROVADO EM A.G.E. DE 31/08/2.013

ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO JARDIM SHANGRILÁ REGIMENTO INTERNO APROVADO EM A.G.E. DE 31/08/2.013 ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS E MORADORES DO JARDIM SHANGRILÁ REGIMENTO INTERNO APROVADO EM A.G.E. DE 31/08/2.013 CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º Na forma do artigo 20 do Estatuto Social da Associação

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 383/2010, de 26 de abril de 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 383/2010, de 26 de abril de 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 383/2010, de 26 de abril de 2010. Procedência: Poder Executivo Natureza: Projeto de Lei Complementar nº 1022/2009 DOM - Edição nº 224 de 30.04.2010 Fonte: CMF/Gerência de Documentação

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de Goiás Casa do Advogado Jorge Jungmann

Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de Goiás Casa do Advogado Jorge Jungmann REGULAMENTO DO CEL DA OAB-GO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SEÇÃO I Da Conceituação e da Freqüência Art. 1º. O Centro de Cultura, Esporte e Lazer da Advocacia de Goiás é um espaço reservado aos profissionais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO:

REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: REGULAMENTO UNIDADE PAULISTA ATENÇÃO: 1) Este regulamento SÓ se aplica aos contratos celebrados na unidade Paulista, por alunos matriculados nos cursos preparatórios para concursos públicos semestrais

Leia mais

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS.

REGULAMENTO DA PORTARIA - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. REGULAMENTO DA PORTARIA INDICE CAPÍTULO I CAPÍTULO II CAPÍTULO III - DO OBJETIVO. - DOS LOCAIS DE ACESSO AO CLUBE. - DOCUMENTOS A SEREM EXIGIDOS. 1. Dos sócios titulares, seus dependentes e acompanhantes

Leia mais

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.714, DE 25 DE ABRIL DE 2011 Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo pago, nas vias e logradouros públicos denominado Zona Azul São José dos Pinhais. A Câmara Municipal de São José dos Pinhais,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DAS SEDES DE LAZER DA AMPB

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DAS SEDES DE LAZER DA AMPB Art. 1º. O presente regulamento visa disciplinar o uso do Clube de Areia Dourada, assim como eventuais unidades de lazer a serem construídas ou adquiridas pela Associação dos Magistrados da Paraíba. DOS

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS

CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS CONTROLE DE ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS Procedimentos 1. Introdução Este documento visa regulamentar o controle de acesso e permanência de pessoas e veículos nas dependências dos Órgãos da SECRETARIA

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte

NORMA DE PROCEDIMENTOS Utilização de meios de transporte pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos a serem adotados para a utilização dos meios de transporte na COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma, poderá ser necessário consultar:

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007. Estabelece normas especiais para funcionamento de bares e similares e dá outras providências.

LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007. Estabelece normas especiais para funcionamento de bares e similares e dá outras providências. ANTEPROJETO DE LEI ORDINÁRIA MUNICIPAL PARA ESTABELECIMENTO DE NORMAS ESPECIAIS PARA FUNCIONAMENTO DE BARES E SIMILARES NA REGIÃO DO ENTORNO DO DISTRITO FEDERAL LEI MUNICIPAL Nº..., de... de... de 2007

Leia mais

LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012

LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012 LEI Nº 3.743, de 30 de novembro de 2012 EMENTA: Institui o Sistema de Estacionamento Rotativo Pago nas vias e logradouros públicos ora denominados ZONA AZUL no âmbito deste Município da Vitória de Santo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 Av. Yojiro Takaoka, 6715 Santana de Parnaíba-SP. Fone/fax: 4153.2292. e-mail: sar12@sar12.org.

ASSOCIAÇÃO ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 Av. Yojiro Takaoka, 6715 Santana de Parnaíba-SP. Fone/fax: 4153.2292. e-mail: sar12@sar12.org. REGULAMENTO INTERNO DASOCIEDADE ALPHAVILLE RESIDENCIAL 12 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 2. DOS BENS E EMPREGADOS 3. DA PORTARIA E SEGURANÇA 4. DAS EXCUÇÕES DE OBRAS 5. DAS PENALIDADES E DEFESAS 6. CONSIDERÇÕES

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NOR 204 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO CÓD. 200 ASSUNTO: ESTABELECE CRITÉRIOS DE PROCEDIMENTOS PARA O CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDÊNCIAS DA EMPRESA CÓD: APROVAÇÃO: Resolução nº 0098/94, de 15/12/1994 NORMA

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº. 243/2015 Dispõe sobre regulamentação do atendimento ao serviço de Transporte Individual de Passageiros, Táxi, em casos de solicitação por aplicativo (APP) ou internet, no Município de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação SOCIEDADE AMIGOS DO CURIÓ (SAC) Fundada em 23 de julho de 1980 Rua Prof. Osmarino de Deus Cardoso, 101 CEP 88.036-598 Trindade Florianópolis SC CNPJ 75.329.243/0001-71 www.sacurio.com.br / saccurio@brturbo.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2.

L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. L E I n º 5 3 9 / 2 0 1 2 d e 0 6 d e j u l h o d e 2 0 1 2. Disciplina o serviço de transporte de passageiros em veículos de aluguel (táxi). A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE ITAQUIRAÍ, ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61

2.2 - A entrada ou saída de pedestres nas dependências da ULIVING BELA VISTA dar-se-á, pela recepção principal Rua Barata Ribeiro, 61 O Regulamento Interno da ULIVING BELA VISTA, localizado na cidade de SÃO PAULO CAPITAL, à Rua Barata Ribeiro nº 61 estabelece as regras de convivência e as relações entre os usuários do empreendimento.

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações

BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações BANRISUL ARMAZÉNS GERAIS S.A. EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 001/2007 Regida pela Lei nº 8.666/93 e suas alterações A Banrisul Armazéns Gerais S.A., atendendo ao disposto nos arts. 13 e 25 II da lei nº 8.666/93,

Leia mais

DECRETO Nº 32965 DE 20 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO Nº 32965 DE 20 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO Nº 32965 DE 20 DE OUTUBRO DE 2010. Institui o Regimento Interno do Clube do Servidor Municipal da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Clube do Servidor e dá outras providências. O PREFEITO DA

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

LEI Nº. 6.612, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014.

LEI Nº. 6.612, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. LEI Nº. 6.612, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Disciplina o funcionamento de Feiras no Município de Chapecó e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina, no uso de suas

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES Documentação que deve ser apresentada pelo candidato e membros do grupo familiar, quando for o caso, na fase de comprovação de informações. É vedado

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA SISBI REGULAMENTO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNIPAMPA Art. 1º Este regulamento fixa normas e procedimentos para o serviço circulação das coleções pertencentes às bibliotecas

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS Gratificação por dirigir veículos

NORMA DE PROCEDIMENTOS Gratificação por dirigir veículos pág.: 1/5 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à concessão e ao pagamento da gratificação por dirigir veículos aos condutores de veículos automotores da frota da COPASA MG. 2 Referências

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à utilização do cartão de crédito corporativo para pagamento das despesas de viagem e deslocamento dos empregados a serviço da COPASA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 12, de 7 dez. 2011, p. 7-11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 129, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o funcionamento da Biblioteca Ministro Victor Nunes Leal do Supremo Tribunal

Leia mais

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA DETRO/PRES. Nº 1088 DE 17 DE SETEMBRO DE 2012. Dispõe sobre os procedimentos a serem observados e aplicados no parcelamento/reparcelamento de débitos referente a multas e taxa de vistoria e fiscalização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO JARDINS SIENA MANUAL DE NORMAS ADMINISTRATIVAS

ASSOCIAÇÃO JARDINS SIENA MANUAL DE NORMAS ADMINISTRATIVAS ASSOCIAÇÃO JARDINS SIENA MANUAL DE NORMAS ADMINISTRATIVAS Nome do Arquivo: Normas de utilização de Áreas de Lazer Última alteração: 18/09/2015 1. OBJETIVOS Estabelecer normas para utilização das áreas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE RESERVAS

REGULAMENTO GERAL DE RESERVAS REGULAMENTO GERAL DE RESERVAS A diretoria do Candeias Esporte, Lazer e Recreação usando das atribuições conferidas pelo Estatuto Social, (art. 91 alínea b), institui o presente "Regulamento Geral de Reservas",

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001;

CONSIDERANDO o disposto no art. 14-A e no inciso IV do art. 26 da Lei nº 10.233, de 05 de junho de 2001; RESOLUÇÃO ANTT Nº 1.737, de 21/11/2006 Estabelece procedimentos de registro e fiscalização, institui infrações e sanções referentes ao Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga - RNTRC,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE AS ZONAS DE ESTACIONAMENTO TARIFADO E DE DURAÇÃO LIMITADA NA VILA DE VIEIRA DO MINHO O Decreto-Lei nº 114/94, de 3 de maio, com a redação dada pelo Decreto-Lei nº 265-A/2001,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS. Capítulo I Da Finalidade REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA UAB DE ÁGUAS LINDAS Capítulo I Da Finalidade Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normalizar o serviço de circulação de obras da Biblioteca UAB de Águas Lindas,

Leia mais

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - CONDIÇÕES GERAIS 1.1. A PARTE proprietária dos itens de infra-estrutura cedidos e a PARTE a qual será feita

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA

TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA 1 TERMO DE COMPROMISSO PARA APROVAÇÃO DE PROJETO E EXECUÇÃO DE OBRA Termo de compromisso para aprovação de projeto e execução de obra que entre si celebram, de um lado a SOCIEDADE ALDEIA DA SERRA RESIDENCIAL

Leia mais

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66

MUNICÍPIO DE GUARANIAÇU Estado do Paraná CNPJ 76.208.818/0001-66 LEI N.º 809/2014 SÚMULA: Disciplina procedimentos de controle da frota e transporte municipal e da outras providências. aprovou, e eu, Prefeito Municipal sanciono a seguinte A Câmara Municipal de Guaraniaçu,,

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

BIBLIOTECA REGULAMENTO

BIBLIOTECA REGULAMENTO BIBLIOTECA REGULAMENTO Agosto, 2010 SUMÁRIO INFORMAÇÕES GERAIS... 3 DAS FINALIDADES... 4 DA CONSULTA AO ACERVO... 4 DO EMPRÉSTIMO... 5 DOS TIPOS DE EMPRÉSTIMO... 5 DA RENOVAÇÃO... 6 DA RESERVA DE LIVROS...

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas

Leia mais

Art. 15º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Art. 15º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Veja, na íntegra, os artigos da lei que estabelece normas para obtenção de alvará de licença e funcionamento de feiras, bazares ou eventos similares itinerantes, de venda a varejo ou no atacado e dá outras

Leia mais

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS

Capítulo II DOS USUÁRIOS REGULARES E EVENTUAIS RESOLUÇÃO DA VRG Nº 03/2008 DISPÕE SOBRE O SERVIÇO DE ATENDIMENTO E FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA MARIO OSORIO MARQUES DA UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL -

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB

ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB ANEXO I T E R M O DE R E F E R Ê N C I A EDITAL DE PREGÃO Nº 05/2015 CREMEB 1 -DO OBJETO O objeto do Pregão Presencial é a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de rádio-táxi

Leia mais

1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz.

1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz. Revisão: julho/2007 Fl. 01 de 03 1 Objetivo Esta Regulamentação Especial estabelece normas para acesso de pessoas ao Condomínio Edifício São Luiz. 2 Procedimentos 2.1 O acesso de pessoas nas dependências

Leia mais

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF

Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Resolução Nº 003/2011/ASIBAMA-DF Altera o Regimento Interno da Área de Lazer da ASIBAMA-DF A Presidente da ASIBAMA-DF, nos termos do art. 30, inciso I, do Estatuto da ASIBAMA-DF, e considerando o disposto

Leia mais

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. PORTARIA Nº 81, DE 18 DE SETEMBRO DE 2012. EMENTA: Disciplina a cessão e locação de espaços destinados a reuniões e eventos na sede do CRMV-RJ. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA

Leia mais

Resolução Congregação 01/2007

Resolução Congregação 01/2007 Resolução Congregação 01/2007 Dispõe sobre os procedimentos da Biblioteca da FEAD. O Presidente da Congregação, no uso de suas atribuições regimentais, e considerando: a) a necessidade de adequar normas

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom

Procedimentos Para Visita e/ou Entrada-Saída de Equipamentos ao Housing Intelig Telecom 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever a metodologia para o Controle de Acesso, Entrada e Saída de Clientes Dentro ou Fora do Ambiente Housing., bem como a metodologia para o recebimento

Leia mais

Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações do TJAC, objetivando promover a segurança patrimonial e pessoal.

Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações do TJAC, objetivando promover a segurança patrimonial e pessoal. Código: MAP-ASMIL-002 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Assessoria Militar Aprovado por: Presidência do TJAC 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para o controle de acesso às instalações

Leia mais

DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.403, DE 12 DE SETEMBRO DE 2013. Estabelece normas para utilização de Parques e Praças Municipais para Feiras de Adoção de Animais e de Eventos Relacionados à causa animal. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA SERRA SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CAPIXABA DA SERRA... 2 DOS OBJETIVOS:... Erro! Indicador não definido. DO HORÁRIO

Leia mais

LEI N 1742, de 01 de junho de 2015

LEI N 1742, de 01 de junho de 2015 gabinete(fl)capaodolcao.rs.gov.br LEI N 1742, de 01 de junho de 2015 Disciplina os canis e animais particulares e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento

CAPÍTULO V. Da Garagem e Estacionamento CAPÍTULO V Da Garagem e Estacionamento Art 37. Cada unidade autônoma tem direito a uma vaga de estacionamento, perfazendo um total de 967 (novecentos e sessenta e sete) vagas, distribuídas de acordo com

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

Autorização Especial de Trânsito AET

Autorização Especial de Trânsito AET Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbano Autorização Especial de Trânsito AET Amparo legal: Lei Complementar Municipal nº 205/2009: que acrescenta, altera e regulamenta a Seção XI, do Capítulo

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA:

A CÂMARA MUNICIPAL DE SALVADOR DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 335/2009 Obriga os estabelecimentos denominados de Ferro-Velho localizados no município de Salvador, dedicados à compra e venda de sucatas e peças avulsas de veículos automotores a manterem

Leia mais

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO

Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO Guia para contratação de Transporte Intermunicipal de Passageiros sob regime de FRETAMENTO 100 95 75 25 5 0 Introdução A Artesp tem a finalidade de regulamentar e fiscalizar todas as modalidades de serviços

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

CONTRATO 035/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CONTRATO 035/2014 CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONTRATO 035/2014 A Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência (FATEC), inscrita no CNPJ n.º 89.252.431/0001-59, sediada na Cidade Universitária, em Santa Maria /RS, neste ato representada pelo Diretor Presidente,

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO

SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde Edital 001/2015 PROCESSO SELETIVO A Direção da SOBRESP - Faculdade de Ciências da Saúde torna públicas as normas a seguir, que regem o Processo Seletivo Vestibular

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos Órgãos Setoriais

Leia mais

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:

Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011. Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: Lei nº 14.592, de 19 de outubro de 2011 Proíbe vender, ofertar, fornecer, entregar e permitir o consumo de bebida alcoólica, ainda que gratuitamente, aos menores de 18 (dezoito) anos de idade, e dá providências

Leia mais

CONSIDERANDO, ainda, a necessidade e conveniência de consolidar todas as regras relativas aos veículos oficiais; CAPÍTULO I. Das Disposições Gerais

CONSIDERANDO, ainda, a necessidade e conveniência de consolidar todas as regras relativas aos veículos oficiais; CAPÍTULO I. Das Disposições Gerais Instrução Normativa DPG nº 02 de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a gestão operacional e patrimonial da frota de veículos oficiais da Defensoria Pública do Estado do Paraná e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3)

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2013. MINUTA (versão 3) Estabelece as diretrizes e critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos superficiais para fins de captação por

Leia mais

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61 Tabela das Multas 7 pontos na CNH Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades Dirigir com a carteira já vencida há mais de 30 dias Recolhimento da carteira e retenção do veículo Não reduzir a

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

REGULAMENTO DA HOTELARIA

REGULAMENTO DA HOTELARIA REGULAMENTO DA HOTELARIA I DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º. O presente Regulamento, aprovado pela Diretoria Executiva, rege o uso dos serviços de hotelaria disponibilizados pela AMAM aos Associados e seus

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Revogado pela Portaria STJ n. 417 de 24 de outubro de 2012 PORTARIA N. 329 DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Superior Tribunal de Justiça.

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS PROPRIETÁRIO:... TEL:...

AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS PROPRIETÁRIO:... TEL:... AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA À ASSOCIAÇÃO DOS S DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ATHENAS REF. AUTORIZAÇÃO PARA RESPONSÁVEL PELA OBRA LOTE:... QUADRA:... :... TEL:... Venho através deste, comunicar a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

Art. 2º Para os fins da presente Resolução, adotam-se as seguintes

Art. 2º Para os fins da presente Resolução, adotam-se as seguintes RESOLUÇÃO N o 004, de 16 de março de 2015. Estabelece procedimentos para utilização de veículos oficiais da UFSJ, e dá outras providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 510/2012

RESOLUÇÃO CFN Nº 510/2012 Página 1 de 9 RESOLUÇÃO CFN Nº 510/2012 Dispõe sobre o registro, nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, de atestados para comprovação de aptidão para desempenho de atividades nas áreas de alimentação

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca.

Regulamento da Biblioteca. Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo Regulamento da Biblioteca Este Regulamento define normas para a prestação e utilização dos serviços da Biblioteca. Usuários da Biblioteca Alunos

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Autarquia Municipal ANEXO ÚNICO

FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Autarquia Municipal ANEXO ÚNICO ANEXO ÚNICO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE DIREITO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO AUTARQUIA MUNICIPAL 1. ACERVO DA BIBLIOTECA 1.1 A Biblioteca da Faculdade de Direito São Bernardo do Campo é dotada

Leia mais

PROJETO DE LEI N 031/2015

PROJETO DE LEI N 031/2015 PROJETO DE LEI N 031/2015 Dispõe sobre as vagas de estacionamento de veículos destinadas exclusivamente às pessoas deficientes e com dificuldade de locomoção e dá outras providências. O Vereador que o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. Estabelece as informações contábeis e societárias a serem apresentadas pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores dos

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001 LEIN 1.195/2001 Institui o Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Motocicletas de aluguel (Mototáxi) O Prefeito Municipal de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO INSTITUCIONAL UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DA BIBLIOTECA KOSHITY NARAHASHI São Paulo 2010 SEÇÃO I DA COMPETENCIA Artigo 1º - À Biblioteca compete planejar, coordenar,

Leia mais

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013

PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 19/06/2013 RESOLUÇÃO Nº 96/2013 EMENTA: Dispõe sobre o acesso,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais