Proposta de Reformulação do Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de Reformulação do Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio"

Transcrição

1 GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA-SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS ARAGUAÍNA Proposta de Reformulação do Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Araguaína TO, 2010

2 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS CAMPUS ARAGUAÍNA REITOR Francisco Nairton do Nascimento PRÓ-REITORIAS Pró-Reitor de Ensino: Jonas Reginaldo de Britto Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação Tecnológica: Augusto Cesar dos Santos Pró-Reitora de Extensão: Liliane Carvalho Félix Cavalcante Pró-Reitor de Administração: Rodrigo Soares Gori Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional: Danilo Gomes Martins DIRETOR GERAL PRO TEMPORE DO CAMPUS ARAGUAÍNA Ronano Pereira Oliveira GERENTE DE ENSINO Maria Lucimar de Oliveira Souza GERENTE DE ADMINISTRATIVO Márcia Regina Marques Amado da Silva COORDENAÇÃO TÉCNICO PEDAGÓGIO Robson Luiz da Silva Menezes SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Dinéa Wolney Costa Mathews COORDENADORA DE REGISTROS ESCOLARES Rejane Marinho de Sousa BIBLIOTECÁRIA Leontina da Cunha Nascimento PSICÓLOGA Tatiana S. Dunajew Lemos Afonso COORDENADOR GERAL DE RECURSOS HUMANOS Miguel Gomes Amorim 1

3 COORDENADOR DE CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO Luciano Correia Franco RESPONSÁVEL TÉCNICO DO CURSO DE INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO Roberta Alehandra Prados COMISSÃO DE ELABORAÇÃO PROFESSORES DO ENSINO BÁSICO TÉCNICO E TECNOLÓGICO ÁREA DE INFORMÁTICA Mayara Kaynne Fragoso Cabral Julio Aires Azevedo Leite Luciano Correia Franco PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO TÉCNICO E TECNOLÓGICO ÁREA DE CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Daniel Santos de Carvalho PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO TÉCNICO E TECNOLÓGICO ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Cristina Sousa da Silva SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Robson Luis da Silva Menezes 2

4 PERFIL INSTITUCIONAL CNPJ: / Razão Social: Nome de Fantasia: Esfera Administrativa: Endereço Completo: Diretor Geral: Cidade/UF/CEP: Telefone/Fax: Site da unidade: (s) Área do Plano: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins - Campus Araguaína Federal Rua Amazonas, Qd 53 Lt 01, Bairro da Cimba Ronano Pereira Oliveira Araguaína TO / CEP: Fone/Fax: (63) Informática 3

5 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Eixo Tecnológico: Denominação do curso Nível: Modalidade: Modalidade: Regime de Oferta: Regime de Matrícula: Turno de oferta Período Número de vagas oferecidas/ano: Carga Horária Informação e Comunicação Nome: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Médio Ensino Profissional Integrado ao Ensino Médio Presencial Anual Anual Diurno Vespertino 40 (quarenta) Carga horária total: horas Conteúdos curriculares teóricos e práticos: horas Atividades Extra-Curriculares: 40 horas Estágio curricular supervisionado: 360 horas Duração do curso: Tempo mínimo: 4 anos Tempo máximo: 6 anos Forma de ingresso Nº de vagas pelo vestibular: 40 4

6 SUMÁRIO ÌNDICE DE ILUSTRAÇÕES APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAL ESPECÍFICO REQUISITOS DE ACESSO PERFIL DO EGRESSO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO ENFOQUE PEDAGÓGICO DO CURRÍCULO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROJETO INTEGRADOR CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS / COMPETÊNCIAS CONSELHOS DE ANÁLISE DE TURMA INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS EXISTENTES EQUIPAMENTOS DE USO COMUM: ÁREAS COMUNS:

7 9. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO CORPO DOCENTE TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS CERTIFICADOS E DIPLOMAS ANEXO I EMENTAS DA PRIMEIRA SÉRIE Educação Básica Biologia (1/3) Artes (1/4) Língua Portuguesa Educação Física (1/3) Língua Estrangeira Moderna Inglês (1/3) Matemática (1/4) Física (1/3) História (1/3) Filosofia (1/4) Sociologia (1/4) Educação Profissional Fundamentos de Informática e de Redes de Computadores (1/1) Lógica de Programação (1/1) Informática Aplicada (1/1) EMENTAS DA SEGUNDA SÉRIE Educação Básica Biologia (2/3) Educação Física (2/3) Língua Portuguesa (2/4) Artes (2/4) Geografia (1/3) Língua Estrangeira Moderna Inglês (2/3) Matemática (2/4) Química (1/3) Física (2/3)

8 História (2/3) Filosofia (2/4) Sociologia (2/4) Educação Profissional Aplicativos Web (1/1) Redes de Computadores (1/1) Eletricidade e Eletrônica Básica (1/1) EMENTAS DA TERCEIRA SÉRIE Educação Básica Educação Física (3/3) Artes (3/4) Língua Portuguesa (3/4) Língua Estrangeira Moderna - Inglês(3/3) Biologia (3/3) Geografia (2/3) História (3/3) Matemática (3/4) Química (2/3) Física (3/3) Filosofia (3/4) Sociologia (3/4) Educação Profissional Instalação e Manutenção de Computadores (1/1) Banco de Dados (1/1) Desenvolvimento de Sistemas Web (1/2) EMENTAS DA QUARTA SÉRIE Educação Básica Matemática (4/4) Química (3/3) Geografia (3/3) Artes (4/4) Língua Portuguesa (4/4) Filosofia (4/4) Sociologia (4/4)

9 4.2 Educação Profissional Administração de Sistemas Livres (1/1) Webdesign (1/1) Gestão da Tecnologia da Informação (1/1) Técnicas e Projeto de Sistemas (1/1) Desenvolvimento de Sistemas Web (2/2) Gerenciamento e Segurança da Informação (1/1) Desenvolvimento de Sistemas (1/1) Orientação do Projeto Integrador (1/1) ÌNDICE DE ILUSTRAÇÕES Tabela 1:Totalizadores Carga Horária Tabela 2: Cálculos utilizados nas cargas horária Tabela 3: Matriz Curricular do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Campus Araguaína Tabela 4: Critérios para Aprovação Tabela 5: Tabela de integrantes do corpo docente Tabela 6: Tabela de integrantes do corpo técnico-administrativo Tabela 7: Matriz Curricular da Primeira Serie Tabela 8: Matriz Curricular da Segunda Serie Tabela 9:Matriz Curricular da Terceira Série Tabela 10: Matriz Curricular da Quarta Série

10 1. APRESENTAÇÃO Com o crescimento da Internet e das redes de computadores, além do aumento do número de computadores em residências e empresas, o Técnico em Informática tem sido um profissional bastante requisitado. Ele pode atuar com vínculo empregatício ou de forma autônoma, nos limites de sua responsabilidade técnica, junto a residências, indústrias, empresas comerciais ou instituições governamentais que utilizem tecnologias de informação. Pode trabalhar com atividades de manutenção de equipamentos de Informática; manutenção, instalação e configuração de redes de computadores; assessoria, consultoria e treinamento em Informática; desenvolvimento de softwares; e provedores de acesso à Internet. O curso Técnico de Informática integrado ao Ensino propiciará aos interessados a oportunidade de cursarem de forma integrada o Ensino Médio e o Ensino Profissionalizante. Tem como objetivo atender a demanda de jovens em idade de ingresso no ensino médio que desejam profissionalizar-se na área de informática. A duração do curso é de 4 (quatro) anos com carga horária total de (quatro mil) horas, onde estão incluídas as 360 (trezentos e sessenta) horas para serem cumpridas com Estágio Supervisionado e mais 40 (quarenta) horas de Atividades Extra-Curriculares. O regime de oferta e de matrícula é anual, onde são ofertadas 40 vagas por ano, para o turno vespertino, através de processo seletivo. Considerando-se as especificidades do público a ser atendido e os objetivos elencados, a partir de uma perspectiva interdisciplinar e integrada, a organização curricular proposta está estruturada a partir de quatro grandes áreas do conhecimento: 1)Informática; 2)Linguagens, Códigos e suas Tecnologias; 3)Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias; 4) Ciências Humanas e suas Tecnologias. Além disso, a inseparabilidade entre educação profissional e educação geral se dará através de uma distribuição dos professores e seus saberes, pelas áreas acima 9

11 elencadas, e pela participação de todos, no Projeto Integrador. Este projeto visa a interdisciplinaridade e a integração das diferentes unidades curriculares. O Corpo docente é formado por 16 profissionais, onde 9 são docentes do Núcleo Comum da Educação Básica, 7 são docentes do Núcleo Técnico em Informática da Educação Profissional. 1. JUSTIFICATIVA Durante décadas o processo de formação de profissionais para atuarem no setor das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC s) permaneceu quase que inalterado, uma vez que a estes profissionais era exigido apenas o cumprimento de tarefas rotineiras, caracterizadas pelo desenvolvimento de ações mecânicas, repetitivas. Com o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, o mundo do trabalho reconfigura-se, e, conseqüentemente as exigências quanto à formação dos profissionais toma uma nova dimensão. Aos trabalhadores passou a ser exigido um perfil profissional caracterizado pela dinamicidade, pelo potencial criativo e pela capacidade de responder a permanentes e novos desafios. Face à nova realidade, onde o emprego de avançadas tecnologias e o uso de conhecimentos constituem algumas das marcas da chamada era da competitividade, compete às instituições responsáveis pela formação destes profissionais, reavaliarem os indicadores que têm utilizado para a estruturação de suas propostas curriculares. Ao desafio de formar profissionais capazes de responderem às novas exigências do mundo do trabalho, o IFTO Campus Araguaína procedeu com estudo e análise do setor produtivo, com especial atenção para a área das tecnologias de informação e comunicação por ser um dos seus campos de oferta de cursos. Este projeto vem atender à solicitação de qualificação e formação básica das pessoas, alavancando o comércio, a indústria e o setor de serviços, gerando mão-deobra qualificada, novas frentes de trabalho, novos empregos, melhoria na qualidade 10

12 dos serviços prestados, sistematização na resolução dos problemas locais, com a possibilidade de manter as pessoas em suas cidades, diminuindo a migração para outros lugares com melhor infra-estrutura, gerando possibilidades para o emprego e a empregabilidade. Ao oferecer este curso, o IFTO Campus Araguaína, assume o propósito de preparar técnicos em Informática que, acima de tudo, conheçam e saibam aplicar os princípios da Informática possibilitando agilidade no fluxo de informações, confiabilidade e rapidez facilitando a gestão empresarial. Pretende-se, assim, contribuir para o suprimento de uma lacuna importante no contexto da evolução econômica da região norte do Estado do Tocantins, pois abre perspectivas para essas pessoas e empresas encararem a nova economia, no que diz respeito à globalização de mercados, possibilitando o controle cada vez maior da informação para os seus produtos e serviços, e desta maneira, estabilizar o seu crescimento de forma sustentável. 2. OBJETIVOS 2.1. GERAL O tem por objetivo a formação de profissionais para atuar em gestão, planejamento, desenvolvimento e gerenciamento no uso e avaliação de tecnologias de informação aplicadas às organizações, além da formação do aluno que deve primar pela aquisição de conhecimentos básicos, a preparação científica e a capacidade de utilizar as diferentes tecnologias relativas às áreas de atuação. Além de atender às diretrizes curriculares em conformidade com a Resolução do Conselho Nacional de Educação/ Conselho da Educação Básica nº 04/99. Compreendendo atividades de concepção, especificação, projeto, implementação, avaliação, suporte e manutenção de sistemas e de tecnologias de processamento e 11

13 transmissão de dados e informações, incluindo hardware, software, aspectos organizacionais e humanos, visando a aplicações na produção de bens, serviços e conhecimentos ESPECÍFICO O, além de formar cidadãos e profissionais competentes tecnicamente, eticamente e politicamente responsáveis socialmente, tem também como prioridades específicas: Compreender a importância dos computadores para o trabalho do profissional em informática e adquirir embasamento teórico e prático necessário ao uso da linguagem e produção. Distinguir e avaliar linguagens e ambientes de programação, aplicando-os no desenvolvimento de software. Interpretar pseudocódigos, algoritmos e outras especificações para codificar programas. Conhecer a micro computação: Analisar e compreender o funcionamento dos dispositivos de hardware; Identificar os componentes dos computadores e seus periféricos, analisando funcionamento e relacionamento entre eles; Identificar os principais Sistemas Operacionais existentes; Conhecer as tendências da Internet; Analisar a comunicação entre as diversas camadas de rede; Conhecer serviços e funções de servidores de rede; Pesquisar e avaliar novas ferramentas e novas tecnologias para a criação de sistemas web; Adquirir conhecimento teórico-prático necessário à aplicação dos Softwares de Edição Gráfica na construção de sistemas web; Analisar e determinar o software e/ou hardware que melhor se adequa ao funcionamento do computador e a sua utilização; 12

14 Aplicar técnicas de lógica de programação na construção de sistemas web; Analisar os serviços e funções de sistemas operacionais, utilizando suas ferramentas e recursos em atividades de configuração, manipulação de arquivos, segurança e outras; Prestar assistência técnica aos usuários em programas aplicativos instalados; Dominar, de forma prática, o processo de desenvolvimento de sistemas web; Tomar consciência de que a tecnologia é uma mera ferramenta e de que os meios estão em constante adaptação; Conhecer a importância do Design, sua definição, seu surgimento, sua evolução, suas tendências e seu importante papel na elaboração e conclusão de projetos. 3. REQUISITOS DE ACESSO O ingresso no dar-seá por meio das seguintes vias: a. O educando deverá ter concluído o Ensino Fundamental; b. Aprovação e classificação em Processo Seletivo, para alunos que tenham concluído, no mínimo, o Ensino Fundamental ou equivalente, a ser divulgado através de edital próprio publicado na Imprensa Oficial, com indicação dos requisitos, condições e sistemática do processo e número de vagas oferecidas. As competências e habilidades exigidas no processo seletivo serão aquelas previstas para o Ensino Fundamental. 13

15 c. Alunos transferidos de outros Institutos Federais de Educação, de Centros de Educação Tecnológica e Escolas Técnicas, desde que a transferência atenda aos requisitos legais vigentes; d. Os casos previstos em lei. 4. PERFIL DO EGRESSO O profissional egresso do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio além dos conhecimentos ligados à área deve apresentar os seguintes atributos pessoais, considerados importantes para a inserção no mercado de trabalho: Postura empreendedora que baseado em conhecimentos científicos, tecnológicos e de gestão, o levará à atuação no planejamento, administração e execução de empreendimentos na área de informática; Assimilação de valores éticos e atitudes que reflitam uma postura coerente de respeito, responsabilidade, flexibilidade, orientação global, decisão, iniciativa, criatividade e comunicação; Comportamentos e valores que indiquem a sua capacidade de exercer o seu papel de cidadão e como pessoa útil à sociedade. O técnico na área da informática é o profissional que tem por característica a capacidade de trabalho em conjunto, de forma proativa, atuando no mercado de trabalho de forma criativa, ética, empreendedora e consciente dos impactos sócioculturais. O perfil do profissional da área, com habilitação em informática, é evidenciado pelas seguintes características: Conhecer os componentes de um sistema de informática; Analisar um sistema informatizado e indicando soluções de hardware e software mais adequados para cada caso; 14

16 Desenvolver aplicações de sistemas de hardware e software utilizando técnicas de implementação em ambientes de programação; Conhecer arquitetura básica de redes e seus principais componentes; Projetar e desenvolver sistemas para ambiente intranet e internet; Planejar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar projetos em informática; Conhecer técnicas de modelagem de dados; Interpretar e avaliar projetos de sistemas; Implementar as estruturas modeladas usando uma banco de dados; Desenvolver aplicativos utilizando metodologias orientadas a objetos e orientadas a eventos; Aplicar normas, métodos, técnicas e procedimentos no desenvolvimento de softwares; Supervisionar a implantação de sistemas informatizados; Propor alternativas de uso de equipamentos de informática; Controlar a qualidade dos softwares desenvolvidos; Elaborar cronograma e orçamentos, orientando, acompanhando e controlando as etapas de desenvolvimento de softwares; Acompanhar a implantação de softwares desenvolvidos; Avaliar a influência de processos e produtos no meio sócio-culturalambiental, para interferir em benefício da sociedade; Ter comprometimento e responsabilidade, com valores éticos orientados para a cidadania; Integrar conhecimentos individuais para atingir metas estabelecidas para a equipe; Coordenar e desenvolver equipes de trabalho; Apresentar capacidade de planejamento; Prestar apoio técnico na compra venda e utilização de produtos e equipamentos da área informática; Adequar-se às mudanças tecnológicas no campo da informática; 15

17 Projetar, implantar e gerenciar a infra-estrutura da tecnologia de informação, envolvendo computadores e comunicação de dados em sistemas organizacionais; 5. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR A organização curricular do Curso Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio contempla os princípios da legalidade determinados nos Parâmetros Curriculares do Ensino Médio, nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e Educação Profissional de Nível Técnico e no Decreto nº 5.154/04. Por ser o conhecimento um dos principais componentes do currículo e responsável pela percepção de aprendizagem, a ação docente deverá atuar sobre este, fazendo uso de mecanismos didático-metodológicos que superem práticas pedagógicas dicotomizadas, em que os conhecimentos são trabalhados isoladamente. A superação da suposta especificidade de conteúdos far-se-á através da compreensão de que a organização de disciplinas em uma matriz curricular representa apenas um mecanismo de natureza didática que serve para expressar as áreas de conhecimento. Porém, ao serem trabalhadas no sentido mútuo da complementaridade, encaminham à formação de um indivíduo cidadão e profissional, em conformidade com os propósitos educacionais assumidos. Para a operacionalização desta proposta, é desejável a prática de planejamento participativo, em que o trabalho docente seja concebido e vivenciado através de ações que se sustentem na essência do trabalho coletivo, contemplando práticas interdisciplinares e contextualizadas. Com essa compreensão um mesmo conteúdo poderá ser trabalhado por vários professores com enfoques diferentes, mas que encaminha à formação básica e profissional. Planejar um trabalho na perspectiva da integração das bases científicas com as tecnológicas exige uma releitura dos seus significados e finalidades, exige perceber em que medida são convergentes, divergentes ou complementares. 16

18 Esta percepção é fundamental para que o trabalho como princípio educativo se efetive e materialize os pressupostos que dão sustentação ao currículo integrado. Nesta proposta de curso, a integração entre currículos se dá pela organização de uma base de conhecimentos científicos e tecnológicos em uma mesma matriz que contém dois núcleos: um dito, Núcleo Comum que caracteriza a Educação Básica, integrando as componentes das áreas de conhecimento do Ensino Médio (Linguagens e Códigos e suas Tecnologias, Ciências Humanas e suas Tecnologias, e Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias) e outro, chamado Núcleo Técnico, que caracteriza a Educação Profissional, que é composto pelas componentes específicas da área de conhecimento de habilitação do curso Informática. A proposta de implementação do curso está distribuída em regime seriado anual com uma carga horária total de (quatro mil) horas, distribuída em (dois mil e quatrocentas) horas para o Núcleo Comum e (mil e duzentas) horas para o Núcleo Técnico, com base na Resolução nº 1, de 3 de Fevereiro de ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS Exercícios; Práticas em laboratórios; Visitas técnicas as empresas; Interpretação e discussão de textos técnicos; Apresentação de vídeos técnicos; Apresentação de seminários; Trabalhos de pesquisa; Trabalhos em equipe; Relatórios de ensaios e atividades desenvolvidas em aula ou atividade extraaula; Execução e apresentação de projetos; 17

19 Realização de Projeto Integrador ao final do quarto ano, no objetivo de desenvolver e articular as competências e habilidades trabalhadas durante o curso MATRIZ CURRICULAR DO CURSO A matriz curricular está estruturada em 4 (quatro) séries, com uma carga horária de 900 (novecentas) horas cada uma, perfazendo um total de (quatro mil) Horas/Ano e 4720 (quatro mil setecentos e vinte) Aulas/Ano. Está inclusa nesta carga horária uma quantidade de 360 (trezentos e sessenta) horas para serem cumpridas com Estágio Supervisionado e mais 40 (quarenta) horas de Atividades Extra- Curriculares, como pode ser visto na tabela abaixo: CARGA HORÁRIA CH TOTAL CH TOTAL 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE 4ª SÉRIE * HORAS ANO(Relogio) * AULAS ANO(50Min) SUBTOTAL GERAL CH (Em Horas Ano) SUBTOTAL GERAL CH (Em aulas) PRÁTICA PROFISSIONAL (Estágio Supervisionado) ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES TOTAL CH Tabela 1:Totalizadores Carga Horária Os cálculos utilizados nas cargas horárias foram feitos da seguinte forma: CÁLCULO DAS CARGAS HORÁRIAS HORAS ANO(Relógio) Foi calculado multiplicando-se o somatório do número de aulas da disciplina por semana durante os 4 anos de curso pelo número de semanas dos 200 dias letivos (200 dias / 5 dias por semana=40 semanas). Em seguida divide-se por 1,2 porque as aulas são de 50 minutos e não de 60 min que corresponderia a 1. Formula: =(Número total de aulas da disciplina*40)/1,2 AULAS ANO (50Min) Corresponde a quantidade de aulas com duração de 50 minutos que são necessárias para o cumprimento da carga horária da disciplina por ano (Horas Ano). Formula:=(Horas Ano da disciplina *1,2) Tabela 2: Cálculos utilizados nas cargas horária 18

20 Todas as disciplinas, que compõem a matriz curricular serão trabalhadas em apenas um turno, com no máximo 6 (seis) horários, com duração de 50 minutos cada. A disciplina de Educação Física será trabalhada em turno oposto à oferta do curso, até que haja instalações apropriadas para a prática da disciplina. O sábado constitui dia letivo e poderá ser usado para reposição de aulas, complemento de carga horária, atividades esportivas, artísticas e culturais. A tabela 1 abaixo descreve a Matriz Curricular do curso e o Anexo I apresenta o programa das componentes. Distribuído assim um conteúdo atualizado e dinâmico e uma relação entre as diversas componentes que compõem o curso, objetivando e garantindo, dessa forma, a interdisciplinaridade. 19

21 NÚCLEO COMUM Educação Básica MATRIZ CURRICULAR DO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO CAM PUS ARAGUAÍNA ÁREA Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Ciências Humanas e suas Tecnologias SUBTOTAL: BASE COMUM (aulas na semana) CARGA HORÁRIA POR SÉRIE (40 semanas letivas) ÁREA 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE 4ª SÉRIE CH TOTAL CH TOTAL CH TOTAL (Por Disciplina) * HOR A S A N O( R elo g io ) * A U LA S A NO( 50 M in) Língua Portuguesa ,00 360,00 Artes ,33 160,00 Lingua Estrangeira Moderna - Inglês/Espanhol ,00 240,00 Educação Física (horário alternativo) ,00 240,00 Matemática ,00 360,00 Biologia ,00 240,00 Física ,00 240,00 Química ,00 240,00 História ,00 240,00 Geografia ,00 240,00 Filosofia ,33 160,00 Sociologia ,33 160,00 UNIDADES CURRICULARES TURNO VESPERTINO BASE NACIONAL COMUM - LDB 9.394/96; Res. CEB n.º 3/98; Parecer CEB n.º 15/98 UNIDADES CURRICULARES ,33 700,00 700,00 366, , ,00 FORMAÇÃO ESPECÍFICA CARGA HORÁRIA SEMANAL CARGA HORÁRIA SEMANAL 1ª SÉRIE 2ª SÉRIE 3ª SÉRIE 4ª SÉRIE CH TOTAL CH TOTAL CH TOTAL (Por Disciplina) * HOR A S A N O( R elo g io ) * A U LA S A NO( 50 M in) Base de Conhecimentos Científicos e Tecnológicos NÚCLEO TÉCNICO Educação Profissional Informática SUBTOTAL: FORMAÇÃO ESPECÍFICA (aulas na semana) CARGA HORÁRIA POR SÉRIE (40 semanas letivas) SUBTOTAL GERAL CH (Em Horas Ano) SUBTOTAL GERAL CH (Em aulas) PRÁTICA PROFISSIONAL (Estágio Supervisionado) ATIVIDADES EXTRA-CURRICULARES TOTAL CH Lógica de Programação ,33 160,00 Informática Aplicada ,67 80,00 Fundamentos de Informática e Introdução à Redes de Computadores ,67 80,00 Redes de Computadores ,67 80,00 Eletricidade e Eletrônica Básica ,67 80,00 Aplicativos Web ,67 80,00 Banco de Dados ,67 80,00 Instalação e Manutenção de Computadores ,67 80,00 Desenvolvimento de Sistemas Web ,33 160,00 Web Designer ,67 80,00 Gerenciamento e Segurança da Informação ,67 80,00 Técnicas e Projeto de Sistemas ,67 80,00 Gestão da Tecnologia da Informação ,67 80,00 Desenvolvimento de Sistemas ,67 80,00 Administração de Sistemas Livres ,67 80,00 Orientação do Projeto Integrador ,67 80, ,67 200,00 200,00 533, , ,00 900,00 900,00 900,00 900,00 0,00 0, , , , ,00 Tabela 3: Matriz Curricular do Campus Araguaína 20

22 5.3. ENFOQUE PEDAGÓGICO DO CURRÍCULO A metodologia proposta para desenvolver o currículo por competências deverá: Conduzir à aprendizagem significativa; Ter critérios de referência, não uma corrida de obstáculos; Dar ênfase ao que o aluno já sabe, não em suas faltas; Ter sentido de diversidade e não de homogeneidade; Levar à aprendizagem pessoal. A escolha de projetos de trabalho para desenvolver a aprendizagem, no currículo organizado por competências, tem como objetivo favorecer a criação de estratégias de organização dos conhecimentos escolares: Em relação ao tratamento da informação; Na interação dos diferentes conteúdos em torno de problemas ou hipóteses que facilitam a construção de conhecimentos; Na transformação das informações, oriundas dos diferentes saberes disciplinares, em conhecimento próprio. O tema do problema ou projeto de trabalho poderá ser selecionado da realidade social ou profissional, ou proposta pelos alunos ou pelo professor, dependendo da escolha de sua relevância dentro do currículo ESTÁGIO SUPERVISIONADO Entende-se que o Estágio compreende o componente pedagógico que mais reúne condições de aproximar o aluno do mundo do trabalho, possibilitando-lhe vivências e aprendizagens que o espaço escolar, por força de sua natureza, não teria condições de proporcionar. Sendo assim, este constituirá componente curricular de 21

23 caráter obrigatório e poderá ser iniciado a partir da segunda série, sendo encaminhado pela Coordenação do Curso. A carga horária do Estágio será de no mínimo 360h, deverá ser concluída até o término do quarto ano. A prorrogação da carga horária só poderá ocorrer com anuência do Coordenador e não deverá ultrapassar o dobro do tempo previsto. Para início do Estágio os alunos deverão preencher a documentação exigida pela Coordenação de Estágio. Se durante a realização do Estágio, o aluno tiver necessidade de interromper, este deverá apresentar justificativa a Coordenação do Curso. O campo de Estágio será constituído por empresas conveniadas ao IFTO Campus Araguaína. Na hipótese do próprio aluno conseguir Estágio em empresa não conveniada, o mesmo deverá comunicar a Coordenação do Curso para que este tome as medidas necessárias que viabilizem a regularização desta com o IFTO Campus Araguaína. Durante o período de realização do Estágio o aluno será acompanhado por um profissional da empresa e supervisionado por um professor designado pelo Coordenador do Curso. Será de responsabilidade da Coordenação do Curso e da Coordenação de Estágio do IFTO Campus Araguaína tomar as providências administrativas de encaminhamento do aluno para iniciar o Estágio. As orientações preliminares que antecedem o ingresso do aluno no campo de estágio serão de responsabilidade do Coordenador e do Professor Supervisor. Durante o período de realização do Estágio, compete ao Professor Supervisor: Elaborar o cronograma de visitas e reuniões; Elaborar o plano de trabalho a ser executado pelo aluno; Fazer visitas periódicas para acompanhar e orientar o aluno; Registrar, em formulário próprio, todas as visitas; Manter o Coordenador informado de suas atividades; Comunicar por escrito o desligamento do aluno do campo de estágio; 22

24 Apresentar sugestões ao Coordenador do Curso, ao Setor de Estágio e ao aluno; Orientar o aluno na elaboração do relatório final; Avaliar o aluno emitindo parecer sobre o desempenho deste; Encaminhar ao Coordenador do Curso relatório descritivo das atividades realizadas; Se, durante o desenvolvimento do Estágio, o Professor Supervisor não conseguir sanar as dificuldades apresentadas, este deverá reunir-se com o Coordenador do Curso para análise da situação e encaminhamento das medidas que o caso requer. As atividades de responsabilidade do aluno estagiário são: Efetivação da matrícula no prazo estabelecido pelo IFTO Campus Araguaína; Cumprimento de todas as atividades estabelecidas pelo professor supervisor e profissional da empresa que irá acompanhá-lo; Cumprimento das normas do IFTO Campus Araguaína e da empresa; Elaboração dos relatórios mensais e final; Participar das reuniões que for convocado; Apresentar sugestões para o IFTO Campus Araguaína e empresa; Ter atitude de zelo pelo o nome do IFTO Campus Araguaína e da empresa; Manter seu cadastro atualizado. A avaliação do desempenho do aluno, durante o Estágio, será de responsabilidade do Professor Supervisor e do Profissional da Empresa que assumiram a responsabilidade de acompanhar e orientar o aluno. Na avaliação do desempenho do aluno, serão considerados: O resultado da avaliação do Supervisor da Empresa que consistiu campo de estágio; A avaliação dos relatórios apresentados pelo aluno ao Professor Supervisor; O cumprimento das 360h. 23

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 010/2006

RESOLUÇÃO Nº 010/2006 Confere com o original RESOLUÇÃO Nº 010/2006 CRIA o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Educação Ambiental, em nível de Especialização. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS e PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.580, DE 23 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC AVISO PÚBLICO Nº10 UNOESC-R/2010

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC AVISO PÚBLICO Nº10 UNOESC-R/2010 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC AVISO PÚBLICO Nº10 UNOESC-R/2010 O Reitor da Universidade do Oeste de Santa Catarina, Instituição Educacional, com sede na Rua Getúlio Vargas, 2125, na cidade

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

Plano de Ensino. CARGA HORÀRIA: 60 horas. ANO/SEM DA TURMA: 4º Semestre TURNO: noturno TURMA: 22 EMENTA

Plano de Ensino. CARGA HORÀRIA: 60 horas. ANO/SEM DA TURMA: 4º Semestre TURNO: noturno TURMA: 22 EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Técnico em Informática FORMA/GRAU: ( )integrado ( X)subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista.

I. DO PROCESSO SELETIVO 1.1. O processo seletivo docente será composto de três etapas: homologação da inscrição, prova didática e entrevista. Rua do Salete, 50, Barris - Salvador - Bahia. Tel: (71) 2108-8562 / 2108-8503 home page: www.cairu.br - E-mail: presidencia@fvc.br E D I T A L A FVC - Fundação Visconde de Cairu, informa a abertura das

Leia mais

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL CONLHO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Homologado em 11/2/2004, publicado no DODF de 12/2/2004, p. 18. Portaria nº 33, de 11/2/2004, publicada no DODF de 12/3/2004, p. 18. Parecer nº 22/2004-CEDF Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL EM LINUX Campus Lages Junho/204 Parte (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2. Endereço/CNPJ/Telefone

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. EDITAL N o 003/2007

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. EDITAL N o 003/2007 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS EDITAL N o 003/2007 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES E/OU PESQUISADORES COM TITULAÇÃO ACADÊMICA DE MESTRES OU DOUTORES A Fundação Universidade

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º -O Programa de Pós-Graduação do Centro Universitário de Brasília UniCEUB tem por objetivo a formação profissional em nível de especialização e destina-se a formar especialistas

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Turno: MATUTINO/NOTURNO MATUTINO CURRICULO Nº 1 NOTURNO CURRICULO Nº 1 Reconhecido pelo Decreto nº 3.554 de 15.02.01, D.O.E. de 16.02.01. Renovação de Reconhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL DE PROGRAMADOR WEB Campus Lages Junho/2014 Parte 1 (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE 1. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2.

Leia mais

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP

Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP VOTO CONSU 2012-01 de 26/04/2012 Regulamento Institucional das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação do UNASP Respeitada a legislação vigente, tanto para Licenciatura quanto para Bacharelado

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES. RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM REDES DE COMPUTADORES RECONHECIDO conforme PORTARIA n 64, de 04 de Fevereiro de 2011. Título: Tecnólogo em Redes de Computadores Turno: Noturno Carga horária total: 2.000

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA

EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA EDITAL PARA PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE DOCENTES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA DA FACULDADE ESTÁCIO DA AMAZÔNIA A Faculdade Estácio da Amazônia/Atual FEA divulga processo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE PEDAGOGIA Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Pedagogia Tempo de Integralização: Mínimo: 8 semestres Máximo: 14 semestres Nome da Mantida: Centro Universitário

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais