TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSIÇÃO PARA O. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 FLAP INTERNACIONAL 49 FLAP INTERNACIONAL"

Transcrição

1 TRANSIÇÃO PARA O Da hélice para o turbofan, os cuidados que devem ser observados por pilotos que estão migrando de tipo de equipamento. Os conceitos mudam radicalmente e a transição exige um bom treinamento teórico e simulado. Adaptação: Ernesto Klotzel 48 49

2 O mercado das modernas famílias de jatos executivos leves (VLJ Very Light Jets, hoje conhecidos como entry level, uma denominação mais atualizada) sofreu uma mudança sensível com relação ao perfil de boa parte de seus compradores: hoje são pessoas físicas, não só corporações. Muitos destes jatos serão pilotados por tripulações profissionais, mas um número cada vez maior terá no comando seu proprietário ao menos durante parte dos voos. O que significa que, em futuro breve, centenas de pilotos farão, pela primeira vez, a transição de algum tipo de avião a hélice para o turbofan. Existem diversos modelos de jatos que podem ser operados por um só piloto em lugar de uma tripulação dupla, o que representa um atrativo a mais para o proprietário que se vê livre das complicações e gastos envolvidos no transporte obrigatório de um copiloto. O Beechraft Premier 1, a série CitationJet, o Mustang e o Phenom 100 da Embraer são alguns dos jatos certificados para a operação com um só piloto outros modelos mais estão sendo desenvolvidos. Então, o que acontece com os jatos? Por que a FAA, as seguradoras e especialmente os pilotos os enxergam como criaturas diferentes dos aviões a hélice? Alguns mistérios ainda perduram desde o início da era do jato, quando ainda não se entendiam completamente as leis da aerodinâmica a grandes altitudes e velocidades, em especial. Os primeiros jatos possuíam muitas características como o chamado coffin O empresário que já pilota seu avião é um candidato natural à transição para um jato executivo. Mesmo o mais simples monomotor como o Cessna 172 já pode educar o pilotoproprietário de um novo jato. Tripulações profissionais de bimotores como o King Air 350 já têm, geralmente, a cultura do jato. corner (canto do caixão), que podiam ser armadilhas para o piloto inexperiente. O coffin corner é coisa do passado, mas nos primeiros jatos o projeto das asas era tal que, a grande altitude e com peso elevado, o jato podia estar voando a alguns nós acima do estol de baixa velocidade e, ao mesmo tempo, alguns nós abaixo do valor máximo do número de Mach (velocidade do som) para que as asas começassem a sofrer fortes vibrações estruturais (buffet). Nesta situação, a turbulência ou a carga adicional induzida por manobras agressivas poderia provocar a perda de controle da aeronave. Um outro motivo pelo qual se exige um nível maior no treinamento e experiência dos pilotos de jatos é que estes são certificados para um padrão mais elevado de segurança potencial do que os aviões a hélice. Da decolagem ao pouso, não existe uma única falha ou uma série de falhas na aeronave ou em seus sistemas remotamente possível que poderia impedir o pouso seguro de um jato. Para utilizar estes recursos redundantes, no entanto, o piloto do jato precisa operar dentro dos padrões mais elevados e responder corretamente a qualquer falha em um sistema ou emergência potencial. Se o piloto não estiver à altura da missão, o potencial superior de segurança do jato é desperdiçado. É por esse motivo que a FAA exige que o piloto de qualquer jato tenha o respectivo certificado de tipo. Como o próprio nome diz, o certificado atesta que o piloto está qualificado para operar, especificamente, aquele tipo de jato. É diferente das exigências impostas aos pilotos de aviões a hélice para a obtenção de seus certificados de qualificação por categoria, como, por exemplo, aeronaves monomotoras terrestres, multimotoras terrestres e assim por diante. Uma certificação por tipo se aplica a um jato específico, como uma CE-525 (CitationJet), e não importa qual o grau de experiência que se tenha no tipo, ela não é transferível para qualquer outro tipo de jato. No Brasil muitos proprietários de Cirrus SR-22 optaram por adquirir o novo VLJ Vision, que já acumula mais de 60 encomendas no país

3 antigos motores turbojatos, que só começavam a trabalhar em velocidades do ar de 200 ou mais nós, embora ainda possam ser notados em motores turbofan modernos, em que o fan produz grande parte do empuxo em velocidades e altitudes baixas. Na operação de rotação da decolagem o jato apresenta um excesso gigantesco de empuxo porque toda decolagem é planejada para ser continuada dentro de total segurança se um dos motores falhar, na pior situação, ainda na pista. Este excesso de empuxo surpreende inicialmente, pois, ao contrário dos aviões convencionais a hélice, o jato vai subir e acelerar com o nariz apontando para o céu em ângulo pronunciado. Pilotos que só têm experiência em aviões a hélices serão tentados a aliviar a pressão para trás imposta ao manche após a rotação, o que apenas permitirá ao jato varar o limite de velocidade de 200 nós imposto para a área de tráfego do aeroporto. Na verdade, será necessário manter o ângulo de rotação talvez até aumentá-lo e depois reduzir a potência drasticamente, se já existe um primeiro nível de voo, poucos milhares de metros sobre o aeroporto. Uma vez estabilizado em voo de cruzeiro, um jato não é tão diferente de um avião a hélice exceto pelo fato de exigir mais precisão do piloto. Devido às velocidades mais elevadas e ao projeto das asas, mudanças muito pequenas na atitude Muitos modelos modernos de monomotores, como o Cirrus SR-22, já vêm com glass cockpit. Mas os jatos são tão diferentes assim? O piloto necessita de técnicas diferentes das que aplica em seu avião a hélice? Mais uma vez a resposta é sim, mas também não. A maioria dos pilotos iniciantes em jatos pode ficar surpresa com o tempo necessário para os motores atingirem a rotação máxima ou reduzi-la à marcha lenta e pela potência disponível dos motores. As regras da certificação permitem que um motor a jato leve até cinco segundos para acelerar da marcha lenta à potência máxima. Cinco segundos podem parecer pouquíssimo tempo, mas nada como experimentar contar os segundos enquanto se espera pela resposta total à movimentação das manetes. Se já se está voando muito devagar e se necessita de maior potência, muita coisa pode acontecer em cinco segundos e nada será bom. Nas primeiras decolagens em um jato nota-se o retardo na aceleração dos motores e, claro, do próprio avião, quando as manetes são empurradas para a frente. Então vem uma nova surpresa que pode ser chamada de aceleração da aceleração caso o termo faça sentido. A resposta de potência em um motor a jato não é linear normalmente. Em outras palavras, à medida que o compressor e a turbina começam a girar cada vez mais rápido, o empuxo se multiplica. Assim, se o motor leva quatro segundos para atingir a potência máxima, a maioria será produzida em torno do último segundo do que nos primeiros três. À medida que se acelera sobre a pista, o motor se alimenta de mais ar, aumentando assim sua potência. Isso é chamado de recuperação do efeito aríete (ram recovery), porque o ar que está sendo comprimido na parte dianteira do motor auxilia o compressor em seu trabalho. O fenômeno era ainda mais fácil de notar nos Detalhe do instrumento Garmin 1000 com o sistema de visualização do terreno ativado, excelente para voos IFR e noturnos. O Bonanza e o Premier I têm algo de vital importância para o candidato a piloto-proprietário são certificados para um só piloto. produzirão velocidades verticais. Desta forma, a captura e manutenção da altitude autorizada com a necessária precisão exige um controle da atitude muito exato. Esta tarefa torna-se mais complexa durante as curvas nas quais à exceção da velocidade de aproximação para o pouso é necessário fazer curvas de inclinação pronunciada para obter um resultado útil. Trinta graus é o ângulo máximo de inclinação lateral em um jato para todas as manobras, exceto as incomuns ou emergenciais, mas nestas condições é necessário um controle muito preciso de elevação do nariz bem como do ângulo de rolamento para manter a altitude. Tudo isso, monitorado pelos instrumentos, pois as referências externas são inúteis para manter a altitude, velocidade e rumo com a precisão desejada. Voo a jato é 100% voo por instrumentos. Outra diferença em qualidade do voo em muitos jatos é um dutch roll levemente amortecido, particularmente quando a asa é enflechada. O fenômeno, como muitos sabem, é causado pela guinada quando a asa que avança produz mais sustentação do que a que recua, causando Os extremos da Piper se encontram: o popular Cub, que ensinou milhares de pilotos a voar, e o moderno monomotor Piper Jet

4 o rolamento da aeronave para o lado desta. Com uma asa enflechada, o fenômeno é ampliado. O dutch roll pode se tornar um problema de controle quando é excitado por turbulências, especialmente em grandes altitudes onde o ar menos denso oferece um amortecimento natural menor. Nos primórdios dos jatos, alguns pilotos perderam o controle de seus aviões devido a um dutch roll não amortecido. Em muitos jatos o amortecedor automático de guinadas (automatic yaw damper) precisa estar ligado todo o tempo ou ao menos acima de uma altitude especificada para controlar o dutch roll. No entanto, aprimoramentos aerodinâmicos mais recentes, como aletas ventrais em V invertido, encontradas em muitos jatos, amortecem aerodinamicamente o dutch roll, tornando o amortecedor de guinadas eletrônico muito mais um item de conforto para o passageiro do que uma necessidade de controle do avião. Voando a grandes altitudes pés parece ser sempre o nível mencionado, é citado muitas vezes como o motivo pelo qual os pilotos precisam ser mais experientes. Mas por quê? Naquela altitude o ar é extremamente fino e uma baixa densidade do ar pode afetar o desempenho das asas e dos motores. Em altitudes muito elevadas, as asas estão sob o efeito do número de Mach, que pode causar a formação de ondas de choque nas mesmas e na empenagem. Estas ondas podem prejudicar a sustentação, causando arfagens inesperadas caso não seja mantida a velocidade apropriada ou se as asas estiverem muito sobrecarregadas devido a uma altitude muito elevada para o peso da aeronave, por curvas de grande inclinação ou por turbulência. Os jatos projetados em data mais recente têm asas que perdoam muito mais os deslizes cometidos a grandes altitudes e velocidades elevadas do que aquelas de jatos de uma ou duas gerações anteriores. O que significa que o jato moderno tolera um nível menor de capricho na pilotagem sem morder o piloto, embora ainda existam limites. Em altitudes muito elevadas, qualquer que seja o jato, o piloto precisa operar suavemente e se manter bem dentro dos limites de operação. Os motores a jato também sentem os efeitos do ar fino em grandes altitudes e os compressores podem estolar se as manobras forem muito bruscas ou o avião encontrar turbulência. Mais uma vez, as margens em motores mais novos são muito mais favoráveis do que naqueles de anos atrás. Qualquer grau de controle razoavelmente bom do avião será aceitável para as operações de voo, mas as grandes altitudes servem para enfatizar a importância das boas práticas de pilotagem. A Embraer também aposta em seus modelos VLJ Phenom 100 e Phenom 300. No Phenom 300, o conforto de um jato executivo maior convive com um design projetado para um só piloto. É claro que é o piloto automático que estará no comando em grandes altitudes. É tipicamente exigido que seja ligado quando em voo nivelado acima do nível FL 290 dentro dos padrões RVSM (Reduced Vertical Separation Mínima) do espaço aéreo. Lembrar que o ser humano é o backup para o piloto automático e que precisa estar pronto para assumir o controle a qualquer momento. O novo piloto de jato precisa estar no topo de sua forma técnica para manobrar na área terminal e para a aproximação e pouso. Acontecem mais acidentes com jatos nas operações de aproximação e pouso do que em qualquer outra fase do voo. A grande diferença em se fazer a aproximação em um jato é, mais uma vez, a resposta mais lenta motor-acelerador do que em um avião a hélice. Este detalhe é especialmente importante quando o jato está configurado para o pouso. Jatos têm uma carga alar superior a dos aviões a hélice, uma condição que reduz o arrasto em voo de cruzeiro mas também aumenta a velocidade de estol e desta forma aumenta a velocidade de aproximação, o que por sua vez exige pistas mais longas. Para ajudar na redução da velocidade de estol, a despeito da área alar menor, quase todos os jatos são equipados por flapes maiores e mais eficazes do que aqueles em aeronaves com hélices todos sabem que os flapes aumentam o arrasto bem como a sustentação. Justamente pelo fato de os jatos apresentarem mais arrasto que a maioria dos aviões a hélice quando configurados para o pouso, deve-se tomar cuidado em não permitir o colapso da velocidade de pouso. É de importância crucial que o piloto faça o monitoramento das tendências da velocidade e opere agressivamente as manetes para evitar que a velocidade da aeronave caia abaixo daquela Nada substitui um programa de treinamento teóricoprático para garantir a segurança de voo antes da transição para o jato

5 Uma nova e moderna família de jatos muito leves entry-level deve mudar o cenário da aviação executiva no mundo. A Embraer já entregou dezenas destes aviões no Brasil e no exterior. planejada para a aproximação. Mais uma vez, a tarefa é dificultada pela resposta mais lenta do motor. O piloto precisa se antecipar à necessidade de maior ou menor potência e se manter à frente das tendências da velocidade. O que se deve temer numa aproximação é que o avião, com seus flapes de grande arrasto, comece a afundar e a aplicação de potência pelo piloto inexperiente seja muito tardia para neutralizar a perda de altura. Isto pode e tem acontecido, com resultados geralmente desastrosos. No entanto, o acidente mais comum com pilotos de jatos, aqueles menos experientes em especial, resulta de uma aproximação muito rápida, um pouso muito alongado e a impossibilidade de frear no final da pista. A única coisa pior é o piloto que percebe que não vai poder parar a tempo e tenta uma arremetida tardia, varando a pista em franca aceleração, porém sem sustentação sem a redução da velocidade receita certa para uma tragédia. A solução, tanto para pousar curto como longo, é a mesma: um controle preciso da velocidade aerodinâmica. Os modernos aviônicos de tela plana em vidro (glass cockpit), com seus indicadores de tendência de velocidade, tornaram este controle muito mais simples. O indicador é uma pequena fita que se move para cima e para baixo na escala de velocidades, mostrando em que ponto estará a velocidade dentro de um determinado número de segundos, caso haja continuidade na aceleração ou desaceleração. O indicador de tendência dá um aviso antecipado de cinco a dez segundos, permitindo o ajuste de potência do motor para o retorno ao valor preestabelecido para a velocidade aerodinâmica. A maioria dos jatos se aproxima da pista em atitude nivelada ou com o nariz ligeiramente elevado, enquanto quase todos os aviões a hélice se aproximam para o pouso com o nariz ao menos ligeiramente abaixado. Como o nariz do jato já está em uma posição muito próxima à configuração de pouso, qualquer movimento adicional para trás do manche vai paralisar a descida prematuramente. É muito fácil para o novo piloto de um jato arredondar o pouso muito alto e ali permanecer durante alguns segundos, com uma sangria rápida da velocidade, enquanto o jato ainda se encontra a uma distância excessiva sobre a pista. Muitos jatos dispõem de radioaltímetros que, por meio de mensagens audíveis, contam a altura do avião sobre a pista até os últimos 50 pés, o que pode ser de grande ajuda para informar ao piloto se seu avião ainda está descendo, pois as referências visuais podem ser enganosas. Mas não existe nada melhor que a experiência em cada tipo de jato para saber qual a aparência de uma atitude de pouso, onde iniciar o arredondamento, o quanto arredondar e como fazer o jato tocar a pista sem flutuar por grandes distâncias sobre a mesma. A transição para um jato é algo que qualquer piloto de avião a hélice competente pode realizar quando tem treinamento adequado. No entanto, caso alguém julgue existir um jato em seu futuro, a melhor maneira de se preparar Retardo na resposta do motor da marcha lenta ao máximo de potência pode chegar a cinco segundos uma eternidade. é a de pilotar seu avião a hélice com a maior precisão que pode exigir de si próprio. Altitudes, velocidades e rumos na mosca no avião atual servem de excelente preparo para o jato. Pilotos de aviões a hélice gozam de maior tolerância das autoridades, inclusive do próprio avião, do que seus colegas em jatos. Mas não existe motivo para não pilotar qualquer avião observando e mantendo todos os parâmetros rigorosamente em cima da marca. Gerenciamento do combustível O planejamento do combustível em um jato é muito mais complexo do que em um avião a pistão e ainda mais variável do que para um turboélice. O motivo é que o fluxo de combustível em um jato varia dramaticamente das altitudes mais reduzidas às grandes altitudes, ideais para os voos de cruzeiro, e os pilotos precisam planejar para condições inferiores às ótimas que poderão lhe ser atribuídas pelo controle do tráfego aéreo. O consumo de combustível a pés, por exemplo, pode chegar a quatro vezes o valor a pés. As quedas mais drásticas no fluxo de combustível ocorrem acima de pés, até acima de pés, e assim em um espaço aéreo congestionado em que não se pode subir rápido o suficiente ou quando não existe permissão para a subida, o combustível total calço a calço será muito diferente daquele quando se voa em espaço aéreo desimpedido. A situação mais crítica do combustível pode acontecer frequentemente no final de um voo, quando os controladores ordenam que o avião baixe de altitude a muitos quilômetros do destino. Em áreas de grande densidade de tráfego aéreo, os controladores têm de separar a superposição do tráfego aéreo que chega daquele que parte do aeroporto. A maneira mais lógica de efetuar esta operação é fazer o tráfego de partida subir o mais rápido possível para que fique acima dos jatos que chegam para o pouso. Isto significa que o tráfego de chegada fica confinado a baixa altitude, começando a grande distância do aeroporto para que o tráfego das partidas passe por cima dele. Não há nada que um piloto de jato possa fazer, exceto carregar mais combustível extra provavelmente o dobro do normal quando tiver de enfrentar um espaço aéreo congestionado como Nova York, sul da Flórida e sul da Califórnia. Se o piloto não conhece estas regiões e não sabe o que esperar do controle de tráfego aéreo na chegada, recomenda-se que seja ainda mais cuidadoso com o planejamento do combustível. A transição da aviação a hélice para o mais simples jato que seja, exige dos pilotos a adoção de novos conceitos

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi HISTÓRICO AEROPORTOS 1. PRINCÍPIOS GERAIS: Cinco Liberdades do Ar: 1. Uma aeronave tem direito de sobrevoar um outro país, sem pousar, contanto que o país

Leia mais

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato

edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato edição 23 julho agosto 2010 r$12,00 embarque imediato EspEcial 32 páginas com muita coisa extra Ensaio Em voo RV-9A e TBM 850 dizem A que VieRAM dia-a-dia da cachaça O Museu TAM ReABRe glorioso EntrEvista

Leia mais

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves

Índice. Classificação. Mais leve do que o ar. Curso n 4 Aeronaves Curso n 4 Aeronaves Aeronaves são quaisquer máquinas capazes de sustentar vôo, e a grande maioria deles também são capazes de alçar vôo por meios próprios. Índice 1 Classificação o Mais leve do que o ar

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais,

De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma. força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, De uma maneira fácil e simplificada, um planador é uma aeronave sem uma força motriz, equivalente a um avião sem motor. Embora as linhas gerais, aerodinâmica e maneira de pilotagem que se aplicam aos aviões

Leia mais

EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas

EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas EMBRAER CERTIFICA JATO EXECUTIVO PHENOM 100 JUNTO A ANAC Certificação nos Estados Unidos é esperada em breve, seguida pelas primeiras entregas São José dos Campos, 9 de dezembro de 2008 O jato executivo

Leia mais

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO Para o empresário do agronegócio, investir em uma aeronave particular, com características versáteis, representa economia de tempo e dinheiro Líder Aviação expõe avião Baron

Leia mais

DORNIER DO-24 50 FLAP INTERNACIONAL 51 FLAP INTERNACIONAL

DORNIER DO-24 50 FLAP INTERNACIONAL 51 FLAP INTERNACIONAL O BRASIL NA TURNÊ MUNDIAL DO DORNIER DO-24 O aerobote produzido na Alemanha nos anos 1930/1940 pela fábrica Dornier foi resgatado de um museu e posto a voar. Posteriormente, foi apresentado em vários países,

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Pictures shown are artist s renderings Artist rendering

Pictures shown are artist s renderings Artist rendering N661EC Pictures shown are artist s renderings UM JATO REALMENTE DO SÉCULO 21. O Legacy 600 é perfeito para os negócios no mercado atual. Um jato super midsize com incrível conforto e confiabilidade. Mesmo

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 5 Fundamentos Básicos sobre o Funcionamento de uma Aeronave Tópicos Abordados Fundamentos Básicos Sobre o Funcionamento de uma Aeronave. Superfícies de Controle.

Leia mais

DINÂMICA 1 DE UM KART 2 Bob Bondurant (tradução de Eduardo Moreira)

DINÂMICA 1 DE UM KART 2 Bob Bondurant (tradução de Eduardo Moreira) DINÂMICA 1 DE UM KART 2 Bob Bondurant (tradução de Eduardo Moreira) Se você fizer uma lista de cada componente de seu kart cada parafuso, porca, peça do motor, componente do chassi, cabo, fio e, então,

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

AERONAVES E SUAS PARTES

AERONAVES E SUAS PARTES AERONAVES E SUAS PARTES Definição de Avião Um avião é definido como uma aeronave de asa fixa mais pesada que o ar, movida por propulsão mecânica, que é mantido em condição de vôo devido à reação dinâmica

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

Técnico em Regulação. Especialista em Regulação. Analista Administrativo R$ 5.419,20 R$ 2.383,20 - - - - R$ 4.663,20 R$ 2.158,40

Técnico em Regulação. Especialista em Regulação. Analista Administrativo R$ 5.419,20 R$ 2.383,20 - - - - R$ 4.663,20 R$ 2.158,40 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO EDITAL Nº 2 ANAC, DE 17 DE SETEMBRO DE 2012 O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

ensaio em voo 08 mar abr 2010

ensaio em voo 08 mar abr 2010 08 mar abr 2010 escolha Precisa Texto: Edmundo Reis Fotos: Marcio Jumpei pilatus pc-12 NG Faz muito por muito pouco e ainda voa muito bem, o avião suíço ganha o mercado brasileiro mostrando serviço 09

Leia mais

EMBRAER PARTICIPA DO PRINCIPAL EVENTO RUSSO DE AVIAÇÃO EXECUTIVA Empresa apresentará o jato executivo Legacy 600 na JetExpo 2009, em Moscou

EMBRAER PARTICIPA DO PRINCIPAL EVENTO RUSSO DE AVIAÇÃO EXECUTIVA Empresa apresentará o jato executivo Legacy 600 na JetExpo 2009, em Moscou EMBRAER PARTICIPA DO PRINCIPAL EVENTO RUSSO DE AVIAÇÃO EXECUTIVA Empresa apresentará o jato executivo Legacy 600 na JetExpo 2009, em Moscou São José dos Campos, 10 de setembro de 2009 - A Embraer participa

Leia mais

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto

Introdução Forças aerodinâmicas Empuxo = Arrasto Sustentação = Peso Arrasto Introdução Os aviões estão entre as invenções mais incríveis. Um Boeing 747, por exemplo, pode levar 600 pessoas - e pesa quase 400 toneladas quando está abastecido para a decolagem. Mesmo assim, ele percorre

Leia mais

Índice. 02- Tomando como modelo equipamentos existentes para o desenho 3D

Índice. 02- Tomando como modelo equipamentos existentes para o desenho 3D Índice 01- Introdução ao projeto de um drone movido a ar comprimido com motor elétrico Tipos de drones existentes atualmente Meu projeto, uma iniciativa diferente Comparações dos drones existentes com

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA

CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES - CGA Vinícius Roggério da Rocha MonolitoNimbus.com.br/ComissarioNerd Aerodinâmica Parte da Física que estuda o movimento de fluidos gasosos e as forças envolvidas Superfície

Leia mais

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447

Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Balão fez Airbus perder sensor no RJ como em queda do AF447 Avião da TAM com 95 passageiros ficou sem dados em 2011, após decolar. Companhia respondeu que melhorou treinamento de pilotos, diz relatório

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

Embraer KC-390. Marcos Galvão Leite das Chagas

Embraer KC-390. Marcos Galvão Leite das Chagas Embraer KC-390 Marcos Galvão Leite das Chagas Introdução O Embraer KC-390 é um projeto de aeronave para transporte tático/logístico e reabastecimento em voo que estabelece um novo padrão para o transporte

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO À CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AVIÕES DE PEQUENO PORTE. ibr2020

PROGRAMA DE FOMENTO À CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AVIÕES DE PEQUENO PORTE. ibr2020 PROGRAMA DE FOMENTO À CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS DE AVIÕES DE PEQUENO PORTE ibr2020 Anexo à Resolução nº 345, de 4 de novembro de 2014, publicada no Diário Oficial da União de 7 de novembro de 2014, Seção

Leia mais

1 08 Esta t bil i i l d i ade L o L n o g n it i u t d u in i a n l, l, La L te t ra r l l e Di D r i e r cio i n o a n l Prof.

1 08 Esta t bil i i l d i ade L o L n o g n it i u t d u in i a n l, l, La L te t ra r l l e Di D r i e r cio i n o a n l Prof. 1 08 Estabilidade Longitudinal, Lateral e Direcional Prof. Diego Pablo 2 Equilíbrio Estabilidade Longitudinal Estável Tende a voltar ao equilibrio espontâneamente Instável Se tirado do estado inicial tende

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros.

O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. por Jerry Gibbs Revista Soaring - Julho 1980 Tradução e adaptação: Antonio Milan O planador de ouro Uma fábula sobre polar básica conforme contada ao autor por uma garota em um bar de solteiros. Era uma

Leia mais

Hoje em dia muita gente já andou

Hoje em dia muita gente já andou Hoje em dia muita gente já andou de avião e muitos se perguntaram como é que um avião voa. A resposta que normalmente se obtém ou é enganosa ou simplesmente errada. Esperamos que as respostas encontradas

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO

www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CURSO DE COMISSÁRIOS DE VOO www.academiadoar.com.br tel.:11 2414-3014 CONHECIMENTOS GERAIS DE AERONAVES CGA Aerodinâmica Ciência que estuda as forças produzidas

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

This page should not be printed.

This page should not be printed. Nº MODIFICAÇÃO POR DATA 0 Liberação de Arquivo Julia M. 09-02-2015 This page should not be printed. This document is property of Britannia AND CAN NOT BE USED BY A THIRD PARTY PROJ. DATA MATERIAL QUANTIDADE

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL CERTIFICAÇÃO DE PRODUTO AERONÁUTICO. RBAC nº 21 EMENDA nº 00 Aprovação: Resolução ANAC nº xx, de xx de xxxxxxxx de 2009 Origem: SAR SUMÁRIO SUBPARTE A GERAL

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 063/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PP-KBK A-122B DATA 24 JUL 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Cimitarra 560 Sundeck CUSTO-BENEFÍCIO É A PALAVRA-CHAVE

Cimitarra 560 Sundeck CUSTO-BENEFÍCIO É A PALAVRA-CHAVE Cimitarra 560 Sundeck CUSTO-BENEFÍCIO É A PALAVRA-CHAVE UTILIZANDO O CONCEITO DO SUNDECK, ONDE O FLYBRIDGE FICA INTEGRADO AO DESENHO DO BARCO, MESCLANDO O HARD TOP COM TETO ELÉTRICO, O ESTALEIRO GAÚCHO

Leia mais

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da profissão de aeronauta e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 115/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-IKM 210L DATA: 10 OUT 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO N330XX VAI MAIS LONGE. MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

8teste de voo. vulcanair p68c

8teste de voo. vulcanair p68c 8teste de voo TESTE DE VOO 76 A v iã o R ev u e IDEAL PARA QUALQUER Com dois motores de 200 hp supereconômicos, o P68C surge como uma opção de bimotor que se adapta a qualquer tarefa por Décio Corrêa fotos

Leia mais

Conviasa recebe dois novos Embraer E190

Conviasa recebe dois novos Embraer E190 Conviasa recebe dois novos Embraer E190 Por Rubens Barbosa Filho A companhia aérea estatal venezuelana Conviasa (Consorcio Venezolano de Industrias Aeronáuticas y Servicios Aéreos, S.A.) recebeu em 25

Leia mais

VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO.

VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO. RBHA 103 VEÍCULOS ULTRALEVES AUTOPROPULSADOS: REGRAS DE OPERA- ÇÃO E REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE CERTIFICADOS DE PILO- TO DESPORTIVO E DE PILOTO DE RECREIO. ESTE ARQUIVO CONTÉM O TEXTO DO RBHA 103, APROVADO

Leia mais

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência.

3.1.2. Os candidatos (de engenharia mecânica) poderão optar por duas subequipes em ordem de preferência. PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NA EQUIPE F- CARRANCA AERODESIGN SAE NO ANO DE 2016 A F- Carranca, equipe de AeroDesign da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), informa que realizará

Leia mais

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar?

A Ciência da Mecânica. Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado fiz a seguinte pergunta: Como um avião se sustenta no ar? A Ciência da Mecânica Washington Braga, Professor Associado 13/ Ano II Departamento de Engenharia Mecânica - PUC - Rio Título: Avião Voa? Olá, estamos de volta com mais uma coluna sobre Ciência. Mês passado

Leia mais

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013

Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 Resolução Comentada UFTM - VESTIBULAR DE INVERNO 2013 01 - A figura mostra uma série de fotografias estroboscópicas de duas esferas, A e B, de massas diferentes. A esfera A foi abandonada em queda livre

Leia mais

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido.

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido. Navegação Aérea Navegaçao aerea é a maneira de conduzir um veículo voador de um lugar a outro em segurança, pode ser um balão, um dirigível ou qualquer artefato próprio para voar. A Navegação aérea requer

Leia mais

LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil

LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil LABACE: TAM Aviação Executiva traz dez aeronaves, duas delas pela primeira vez no Brasil CESSNA Citation Latitude A TAM Aviação Executiva, representante exclusiva no Brasil das fabricantes Cessna Aircraft

Leia mais

O Curso Piloto Privado Avião - PPA

O Curso Piloto Privado Avião - PPA O Curso Piloto Privado Avião - PPA Esta coleção de slides foi preparada por Paulo Dirceu Dias, de Sorocaba, SP, com a finalidade de oferecer informações básicas aos possíveis interessados nas atividades

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página

Leia mais

Piloto de testes admite: Caça mais caro do mundo não é capaz de fazer 'Dogfight'!

Piloto de testes admite: Caça mais caro do mundo não é capaz de fazer 'Dogfight'! Piloto de testes admite: Caça mais caro do mundo não é capaz de fazer 'Dogfight'! Novo caça stealth é carne morta em um combate aéreo! Por David Axe Um piloto de teste tem más notícias sobre o F-35 Joint

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EJI EMB 810C DATA 15 OUT 2002 RF A- 071/CENIPA/2009

Leia mais

Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional

Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional Manual Do Usuário ( v1.2 ) Dji Phantom 3 Professional Preparando a Aeronave Removendo a trava do gimbal Remova a trava do gimbal deslizando ela para a direita ( olhando a aeronave de frente ), como mostra

Leia mais

VENAS CORRETORA DE SEGUROS LTDA Segunda Avenida Qda. 1-B Lt. 39 3º Andar Cidade Empresarial CEP 74934-605 Aparecida de Goiânia Goiás Fone: (62)

VENAS CORRETORA DE SEGUROS LTDA Segunda Avenida Qda. 1-B Lt. 39 3º Andar Cidade Empresarial CEP 74934-605 Aparecida de Goiânia Goiás Fone: (62) INTRODUÇÃO Educando com valores O trânsito é feito pelas pessoas. E, como nas outras atividades humanas, quatro princípios são importantes para o relacionamento e a convivência social no trânsito. 1. O

Leia mais

EMBRAER E BANK OF AMERICA SE UNEM PARA PROMOVER VENDAS DE JATOS EXECUTIVOS Programa inclui os jatos executivos da Embraer

EMBRAER E BANK OF AMERICA SE UNEM PARA PROMOVER VENDAS DE JATOS EXECUTIVOS Programa inclui os jatos executivos da Embraer EMBRAER E BANK OF AMERICA SE UNEM PARA PROMOVER VENDAS DE JATOS EXECUTIVOS Programa inclui os jatos executivos da Embraer São José dos Campos, 17 de outubro de 2006 A Embraer anunciou um acordo com o Bank

Leia mais

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo

1 06 Com o and n os o d e Voo o, o, Voo o o em C ur u v r a Prof. Diego Pablo 1 06 Comandos de Voo, Voo em Curva Prof. Diego Pablo 2 Comandos de Voo Eixo Vertical Centro de Gravidade Os movimentos do avião se dão em torno de eixos imaginários, que se cruzam no Centro de Gravidade

Leia mais

Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas. Por Chris Heintz

Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas. Por Chris Heintz Anatomia de um avião STOL: Projetando uma decolagem curta moderna e aterrando o avião. A função das formas Por Chris Heintz [Este artigo é parte de uma série, onde o engenheiro aeronáutico Chris Heintz

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011

Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011 Federação Portuguesa de Voo Livre Exame Nacional Nível 3 - Parapente 1 de Abril 2011 1. Aerodinâmica: a) O ângulo de ataque é o ângulo formado entre a corda e a linha de trajectória do fluxo de ar. b)

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 014/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-EBF EMB-810C 11SET2004 ADVERTÊNCIA

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO PT-SBC DESEMPENHO DE SUCESSO. Por qualquer perspectiva que você o examine, o Phenom 300 o impressionará por seu excepcional desempenho. Com motores Pratt & Whitney Canada, ele pode ser facilmente operado

Leia mais

Apresentação 4. Módulo I 6 29. Módulo II 32 59. Módulo III 61 95. Módulo IV 98 116. Módulo V 119 136. Módulo VI 139-160

Apresentação 4. Módulo I 6 29. Módulo II 32 59. Módulo III 61 95. Módulo IV 98 116. Módulo V 119 136. Módulo VI 139-160 1 2 Apresentação 4 Módulo I 6 29 Módulo II 32 59 Módulo III 61 95 Módulo IV 98 116 Módulo V 119 136 Módulo VI 139-160 3 Caro aluno Pretendo que a disciplina Teoria e Construção de Motores de Aeronaves,

Leia mais

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade

Características do Design Manutenção Economia Versatilidade O A-Viator é um bimotor de hélices turbinadas, asa na parte superior e com capacidade para 11 lugares, desenvolvido para satisfazer as crescentes demandas de operadores por uma aeronave de alto desempenho

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 011/CENIPA/2012

RELATÓRIO FINAL A - Nº 011/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 011/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-WEH MODELO: C-402 DATA: 26 NOV 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Existem mais jeitos de voar. 1. SCHETTERT, Gabriela Antunes. 2 BOGUSZEWSKI, Luiza. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR.

Existem mais jeitos de voar. 1. SCHETTERT, Gabriela Antunes. 2 BOGUSZEWSKI, Luiza. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. Existem mais jeitos de voar. 1 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 2 BOGUSZEWSKI, Luiza. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com as agências de propaganda procurando sempre novas

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 109/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-EPT E 720C DATA: 21 JUL 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS

(Actos não legislativos) REGULAMENTOS 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 311/1 II (Actos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 1178/2011 DA COMISSÃO de 3 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos técnicos e

Leia mais

Labace 2015: H130 para pronta entrega estará em exposição durante a feira de aviação

Labace 2015: H130 para pronta entrega estará em exposição durante a feira de aviação Labace 2015: H130 para pronta entrega estará em exposição durante a feira de aviação A principal atração do estande da Helibras na Labace 2015 será um novíssimo H130. O helicóptero estará em exposição

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO PR-JAJ VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014)

MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014) MÓDULO 12 HELIPORTOS Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 16/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO O grande desenvolvimento verificado atualmente no transporte aéreo através de helicópteros tem como razões: as facilidades

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 91-002 Aprovação: Portaria nº 2471/SPO, de 17 de setembro de 2015. Assunto: Uso de informação aeronáutica em formato digital - Electronic Flight Bag (EFB). Origem: SPO 1.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 038/CENIPA/2012

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 038/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 038/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-OJU C90 DATA: 15 MAIO 2006 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br 2 SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 GENERALIDADES 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 08 SEÇÃO 4 PROCEDIMENTOS NORMAIS 11 SEÇÃO 5 DESEMPENHO 17 SEÇÃO 6 PESO E BALANCEAMENTO 21 SEÇÃO 7 DESCRIÇÃO

Leia mais

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO Este arquivo contém o texto do RBHA 61 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012

RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 078/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-YHA MODELO: 206L-3 DATA: 22OUT2006 ADVERTÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação.

Aviação agrícola. trabalho, com uma razoável aproximação. Aviação agrícola Voand A aplicação aérea é uma atividade com No entanto, existem fatores que influen podendo aumentar ainda mais o des Aprodutividade do trabalho efetuado com aeronaves agrícolas assu me

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO IVAO Brasil Academy Versão 01 / Junho 2013 Radionavegação por VOR Autor: Andre Oscar Schneider Padronizado por:

Leia mais

Como é voar e pilotar um caça AL 39 Albatros

Como é voar e pilotar um caça AL 39 Albatros Como é voar e pilotar um caça AL 39 Albatros A avaliação de hoje não é de uma companhia aérea, mas com certeza vai fazer muitos leitores sonharem e outros tantos começarem a juntar uma grana para realizar

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS. Edital ATAc-64/2015

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS. Edital ATAc-64/2015 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS Edital ATAc-64/2015 ABERTURA DE INSCRIÇÕES AO CONCURSO DE TÍTULOS E PROVAS VISANDO O PROVIMENTO DE UM CARGO DE PROFESSOR TITULAR NO DEPARTAMENTO

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 13 Grupo Moto-Propulsor e Seleção de Hélices Tópicos Abordados Grupo Moto-Propulsor. Motores para a Competição AeroDesign. Características das Hélices. Modelo Propulsivo.

Leia mais

A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico

A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico JUSTIÇA FEDERAL A Responsabilidade Penal em Acidente Aeronáutico OBJETIVO Conhecer as principais conseqüências jurídicas de um acidente aéreo, a especialmente quanto à responsabilidade criminal. ROTEIRO

Leia mais

Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno

Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno Clube de parapente do vale (CPV) Regimento interno Este regimento tem por finalidade regularizar a prática do voo livre no Clube de Parapente do Vale (CPV), associação privada fundada em 30/01/1997 e inscrita

Leia mais

COMO FUNCIONA UM AVIÃO

COMO FUNCIONA UM AVIÃO Maj Av Mario Cesar Berto Centro Técnico Aeroespacial - CTA Instituto de Aeronáutica e Espaço - IAE Divisão de Ensaios em Vôo - AEV berto@iae.cta.br COMO FUNCIONA UM AVIÃO Resumo. O sonho de voar acompanha

Leia mais