OS ESPAÇOS RESIDENCIAIS POPULARES FECHADOS: DEFINIÇÃO E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS ESPAÇOS RESIDENCIAIS POPULARES FECHADOS: DEFINIÇÃO E"

Transcrição

1 OS ESPAÇOS RESIDENCIAIS POPULARES FECHADOS: DEFINIÇÃO E INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO Ricardo Lopes Batista 1 UNESP/ Presidente Prudente Com o desenvolvimento da tese de doutorado intitulada Controle social e produção do espaço urbano: os espaços residenciais populares fechados como novo conceito de moradia, objetivamos contribuir com a compreensão da cidade atual em sua complexidade. Assim, ao analisar as recentes transformações urbanas em sua relação com as mudanças nas estratégias do controle social, buscamos compreender como a atual organização do espaço urbano vem alterando o cotidiano dos citadinos, em particular, dos moradores em espaços residenciais populares fechados em duas cidades médias, Presidente Prudente (SP) e Três Lagoas (MS), onde constatamos a produção de 12 espaços residências populares fechados implantados entre os anos 2000 a Nesse texto, abordamos uma questão teórico-metodológica, a busca por uma definição para nosso objeto de estudo. Tendo em vista que não tratamos dos loteamentos fechados destinados aos segmentos de renda média e alta e que queríamos evitar a denominação condomínios populares, amplamente utilizada, inclusive pelos moradores desses espaços que entrevistamos, justamente por não abranger todos os residenciais por nós pesquisados, isso porque nem todos preenchem os requisitos estipulados pela lei 4.591/64. Diante das dificuldades encontradas na busca de um termo que fosse adequado ao nosso objeto de pesquisa, percebemos a necessidade de fazermos uma análise de cunho teóricointerpretativa, sobre as noções de loteamento fechado e de condomínio horizontal, os quais foram, a nosso ver, erroneamente considerados como sinônimos por diversos autores. Em defesa da necessária distinção entre os termos, fizemos, inicialmente, uma discussão pautada nas legislações sobre a incorporação dos loteamentos (6.766/79) e condomínios (4.591/64), 1 Bolsista FAPESP, doutorando do Programa de Pós-graduação em Geografia da FCT UNESP.

2 demonstrando não apenas a distinção jurídica entre ambas, como também que a implantação de loteamentos fechados é ilegal, tendo a sua incorporação sustentada por meio da imbricada relação entre mercado imobiliário e o poder público municipal, cujo exemplo pode ser dado através da criação de uma lei municipal, elaborada na década de 1980, que conferiu legitimidade à incorporação de dois loteamentos fechados em Presidente Prudente/SP. A partir das distinções propostas pela legislação específica, optamos também por a uma abordagem pautada na análise sobre a tipologia dos empreendimentos incorporados como loteamentos fechados e condomínios horizontais, que revelaram significativas diferenças, sobretudo em relação ao valor tanto dos lotes, quanto das unidades habitacionais, que indicaram uma segmentação por renda dos moradores. Apesar de identificarmos semelhanças entre as incorporações caracterizadas por condomínios horizontais e os residenciais estudados em nosso doutoramento, pudemos, a partir da realização de entrevistas com seus moradores, identificar diferenças, fazendo com que nos esforçássemos para cunhar uma nova terminologia que desse conta de nosso objeto de estudo. A DIFERENCIAÇÃO ENTRE LOTEAMENTOS FECHADOS E CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS DO PONTO DE VISTA JURÍDICO No desenvolvimento de nosso doutoramento, fizemos a leitura atenta de um conjunto de referências bibliográficas 2 sobre o tema proposto, que fizeram emergir uma grande preocupação sobre o uso destas terminologias. Esta preocupação foi recorrente na análise de Freitas (1998), que ressaltou a grande confusão entre alguns legisladores e trabalhadores do setor imobiliário sobre as noções de loteamento fechado e de condomínio horizontal. Para compreendermos as significativas diferenças entre os loteamentos fechados e os condomínios horizontais, propomos uma análise inicialmente centrada no ordenamento jurídico que trada das incorporações imobiliárias em meio à definição de loteamento e de condomínio. 2 Consideramos as leituras realizadas dos trabalhos de Caldeira (2000), Sobarzo (2001 e 2004), Pires (2004), Galvão (2007), Zandonadi (2008), Moura (2008), Dal Pozzo (2008 e 2010), Magrini (2013) e Sposito e Góes (2013).

3 O loteamento foi, inicialmente, regulamentado pelo Decreto-lei 058, de 10 de dezembro de 1937, posteriormente foi modificado pela Lei 6.766, de 10 de dezembro de 1979, que também foi alterada, parcialmente, pela Lei 9.785, de 20 de janeiro de 1999, que hoje rege o parcelamento do solo urbano (MOURA, 2008, p. 42). De acordo com a legislação específica 3, o loteamento é o resultado do parcelamento do solo urbano, dado através da subdivisão de glebas em lotes destinados a edificação, com abertura de novas vias de circulação, de logradouros públicos ou seu prolongamento, modificação e ampliação das vias já existentes. Por sua vez, o lote é o terreno servido de infraestrutura básica, cujas dimensões atendam aos índices urbanísticos definidos pelo Plano Diretor ou lei municipal para a zona em que se situe. Tendo em vista as especificidades do loteamento e seu caráter eminentemente público, é vedada a constituição de áreas comuns ou frações ideais, as ruas ou áreas coletivas, como praças, parques ou bosques não são propriedades de seus moradores e tampouco devem ser comercializadas, justamente por serem áreas de uso coletivo. Compreendemos então, que os loteamentos fechados não tem legalidade, pois seu enquadramento jurídico diz respeito ao parcelamento do solo, de forma que haja uma interação nos equipamentos públicos neles dispostos entre os moradores deste loteamento e os demais moradores da cidade. A apropriação de espaços de uso coletivo é inadequada e irregular e sua produção não pode sequer ser regulamentada pelos municípios, que não possuem competência jurídica para legislar sobre a produção de condomínios (FREITAS, 1998). No entanto, são constantes as pressões exercidas pelo mercado imobiliário sobre o poder público municipal que regula, através de legislação específica, as incorporações municipais. Um exemplo muito significativo foi apresentado por Sobarzo (2001, p. 193), ao verificar que a incorporação dos Residenciais Jardim Morumbi e Jardim João Paulo II, em Presidente Prudente, os quais não poderiam ser fechados por terem sido incorporados com base na lei 6.766/79, foi não apenas ignorada, como legalizada pelo poder público que, em 30 de novembro de 1981, aprovou a Lei 2.187, estabelecendo que: 3 BRASIL. Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. Brasília, 1979.

4 Artigo 1: Os loteamentos ou condomínios em áreas urbanas ou rurais poderão adotar a forma fechada, que se caracteriza pela separação da área utilizada, da malha viária urbana, ou área rural adjacente, por meio de muro ou de sistema de tapagem admitido pela autoridade municipal. Nossa análise sobre a legislação federal identificou aspectos contraditórios: por um lado, houve uma tentativa de regulação das apropriações indevidas do espaço público decorrentes das incorporações imobiliárias, por outro, inúmeras brechas foram abertas para atuação dessas incorporações, o que caracteriza a legislação como porosa. Ao conferir maior autonomia aos municípios que atuam por meio de legislação específica (Plano Diretor), autorizando a execução de empreendimentos urbanos e fiscalizando suas atividades, houve uma grande possibilidade de barganha do capital financeiro imobiliário, tendo em vista que o poder público municipal têm cada vez menos meios de enfrentar a força dos agentes privados produtores do espaço urbano, uma vez que os representantes públicos estão cada vez mais associados ao mercado imobiliário (MARICATO, 2009). Em relação ao condomínio, verificamos que ele foi estabelecido pela Lei de 16 de dezembro de 1964, que regulamenta a construção de residências ou prédios comerciais (horizontais ou verticais) em um mesmo terreno, sendo dispostas frações ideais aos respectivos condôminos, que se dividem em espaços de uso individual/familiar (residências ou escritórios) e espaços de uso coletivo (vias terrestres, praças, parques, piscinas, salão de festas, etc.). Os espaços de uso coletivo são restritos aos moradores do condomínio, com isso o uso de praças, parques, vias, equipamentos de lazer, entre outros (construídos no interior dos condomínios) perdem o seu caráter público, passando a ser de uso exclusivo. Esta apropriação de equipamentos públicos tem garantia jurídica, sendo prevista no artigo 8 da mesma lei. No entanto, a produção destes equipamentos de uso coletivo deve ser feita pela construtora e incorporadora do projeto, não onerando o poder público. Percebemos também que as indefinições jurídicas, em meio à proibição (prevista por lei federal) e a legalização (prevista por lei municipal) dos loteamentos fechados e as implantações de condomínios horizontais, contribuíram para uma confusão que pode ser claramente observada em publicações nas quais, não raramente, tanto os loteamentos fechados quanto os condomínios horizontais eram vistos como sinônimos.

5 Sobarzo (2001), por exemplo, definiu os condomínios horizontais como empreendimentos residenciais fechados, voltados aos segmentos de renda média e alta, em seu estudo sobre a segregação socioespacial em Presidente Prudente. De modo semelhante, Galvão (2007), ao estudar o fenômeno em Maringá, também relacionou os condomínios horizontais fechados a espaços apropriados por famílias pertencentes aos segmentos médios e altos. O trabalho deste autor revela que os condomínios horizontais por ele estudados, apresentam o mesmo significado dos loteamentos fechados analisados por Sobarzo (2004) e dos enclaves fortificados caracterizados por Caldeira (2000). Nós discordamos da definição proposta por Galvão (2007), cuja justificativa utilizada para o uso da expressão condomínios horizontais fechados já é suficiente para demonstrar que os termos (condomínio horizontal e loteamento fechado) não são sinônimos. Se analisarmos os trabalhos elaborados por Sobarzo (1999, 2001 e 2004), perceberemos que à medida que o autor avançou e aprofundou seus estudos sobre o processo de segregação e privatização do espaço público em Presidente Prudente, houve uma significativa mudança em relação às definições por ele adotadas para condomínios horizontais e loteamentos fechados. Embora o autor tenha verificado que a legislação federal atinente ao parcelamento do solo atribuísse ilegalidade jurídica ao fechamento dos loteamentos, ele constatou a existência de uma legislação municipal que legitimava a incorporação de loteamentos fechados. Neste sentido, o autor compreendeu que havia mais coerência em definir seu objeto de estudo como loteamentos fechados do que como condomínios horizontais, como havia feito em trabalhos anteriores. Tal mudança mostra-se pertinente, uma vez que os loteamentos fechados estudados por Sobarzo (2004) foram parcelados e vendidos em lotes e não em unidades habitacionais já edificadas (condomínios). Mas, os problemas relacionados ao uso dos termos loteamentos fechados e condomínios horizontais vão além da simples identificação de suas diferenças jurídicas, devendo levar em conta os segmentos socioeconômicos aos quais são destinados. Neste sentido, é importante a contribuição de Dal Pozzo (2008) que, ao estudar o processo de fragmentação socioespacial em Presidente Prudente, propôs uma distinção entre os loteamentos fechados e condomínios horizontais. Primeiramente o autor levou em conta que os condomínios horizontais apresentavam grandes diferenças estruturais em relação aos loteamentos fechados, como

6 o tamanho dos empreendimentos, localização, área privativa dos moradores, área reservada para o espaço de lazer e padrão construtivo das habitações, uma vez que nos condomínios horizontais não eram vendidos apenas os lotes, mas também as habitações que, segundo suas pesquisas de campo, apresentavam um padrão construtivo similar às moradias populares. Já os loteamentos fechados foram implantados em áreas dotadas de boas infraestruturas, com grande extensão territorial, áreas destinadas ao lazer, guaritas de segurança e sistema de monitoramento moderno. Os lotes eram vendidos e as residências construídas pelos compradores, apresentando alto padrão construtivo e sofisticação. As diferenças estruturais refletiram no preço do imóvel (condomínio horizontal) ou do lote (loteamento fechado) que, por sua vez, implicou numa apropriação segmentada por renda, em que as famílias pertencentes aos segmentos de renda média e alta ocuparam os loteamentos fechados e as famílias de segmentos de renda baixa, adquiriram as moradias nos condomínios horizontais 4. O estudo sobre a legislação pertinente às incorporações imobiliárias foi fundamental para percebemos que juridicamente há diferenças entre loteamento fechado e condomínio horizontal, mas as diferenças se mostraram ainda mais relevantes quando observamos o padrão construtivo e a infraestrutura dos residenciais, demonstrando uma superioridade dos investimentos dos loteamentos fechados, que por sua vez incorreu no aumento do valor dos lotes. Cientes da grande dificuldade de se trabalhar com as noções de loteamento fechado ou de condomínio horizontal, propomos uma nova expressão que se desenhou a partir das discussões teórico-epistemológica encontradas nos trabalhos de Dal Pozzo (2010) e Sposito e Goes (2013), que contribuíram para um avanço em nossa pesquisa. CUNHANDO UMA NOVA EXPRESSÃO: ESPAÇOS RESIDENCIAIS POPULARES FECHADOS 4 É conveniente destacar que toda tentativa de generalização deve ser apresentada com ressalvas, neste sentido, nossa intenção é a de chamar a atenção para a evidente distinção entre os moradores de loteamentos fechados e de condomínios horizontais pautada, sobretudo na renda. Isso não descarta o fato de moradores de renda alta e média residirem em condomínios horizontais.

7 A busca por uma expressão que fosse capaz de reunir em um grande grupo diversos residenciais incorporados pelas Leis 6.766/79 ou 4.591/64, não é uma exclusividade nossa, justamente ser um problema enfrentado por autores que tem como objeto de suas pesquisa as inúmeras interfaces de análises envolvendo os moradores destes espaços de moradia. Reconhecendo a dificuldade de se trabalhar com os loteamentos fechados e os condomínios horizontais, Dal Pozzo (2010) propôs o termo espaços residenciais fechados, como alternativa metodológica que reunisse em um só grupo tanto os residenciais incorporados como loteamento, quanto como condomínio horizontal. Para o autor, esta expressão designada de modo genérico foi utilizada para evitar erros, uma vez que os loteamentos fechados nem sempre estão contemplados juridicamente pela municipalidade, ou por vezes pode ocorrer a figura do falso condomínio, legalmente incorporado como condomínio horizontal, porém, o que se verifica é a comercialização dos lotes em vez das unidades habitacionais e da fração ideal das áreas comuns (DAL POZZO, 2010, p. 64). Em trabalho publicado recentemente, Sposito e Goes (2013, p.62) também optam pela expressão espaços residenciais fechados, por reconhecerem que existem diferenças na legislação vigente entre as formas de fechamento e o controle observado nesses espaços. No plano prático, e não no técnico-jurídico, estamos nos referindo a áreas habitacionais urbanas cercadas por muros, às quais o acesso de não moradores é autorizado ou não segundo sistemas de controle e vigilância, bem como sob regras estabelecidas pelos proprietários e/ou locatários dos terrenos ou imóveis edificados nesses espaços. Tendo em vista as contribuições de Dal Pozzo (2010) e Sposito e Goes (2013), consideramos que podemos não apenas nos apropriar de sua proposta metodológica, mas conferir um novo significado a ela, visto que os espaços residenciais fechados não são homogêneos e se inserem num processo mais amplo que comporta mudanças, sobretudo na última década, quando a produção habitacional voltada a segmentos sociais de baixa renda incorporou e passou a reproduzir o modelo condominial fechado. Buscando dar conta desses novos elementos incorporados ao processo de produção de espaços residenciais fechados, propomos a expressão espaços residenciais populares fechados (ERPFEs).

8 Entendê-los como espaços residenciais populares fechados possibilita uma generalização aceitável que dá conta dos residenciais por nós estudados. Isso porque eles implicam em uma espacialidade, existe uma apropriação espacial que é delimitada e localizável. Chamá-los de residenciais implica na valorização das relações que são produzidas nestes espaços, dentre as quais, as de moradia são as mais importantes. Chamá-los de populares implica na delimitação dos consumidores finais destes imóveis, os segmentos sociais de baixo poder aquisitivo 5, que são também aqueles cujas práticas espaciais caracterizam o cotidiano dos ERPFEs. O fechamento denota a construção de barreiras, uma separação, entre dentro e fora, entre moradores e não moradores, embora, diferente do que ocorre nos espaços residenciais fechados de classe média e de elite. Partindo da constatação de que há diferenças entre os espaços residenciais fechados (SPOSITO e GÓES, 2013), que em seu conteúdo e significado são enclaves fortificados (CALDEIRA, 2000), e os espaços residências populares fechados que pesquisamos. Como forma de exemplificar as incorporações imobiliárias descritas em nossa pesquisa por espaços residenciais populares fechados, apresentamos algumas características do Residencial Esmeralda, que foi implantado nas proximidades do Conjunto Habitacional Ana Jacinta, no ano de 2006, em Presidente Prudente/SP. Neste residencial foram construídas 158 residências, de 38,30 m². A implantação deste empreendimento deu-se através do Programa de Arrendamento Residencial (PAR), criado pelo Governo Federal em 1999, instituído por meio da Medida Provisória n /1999. A primeira característica que gostaríamos de apresentar é a localização, que se deu em uma zona periférica, afastada da malha urbana consolidada. Sobre a localização dos empreendimentos incorporados pelo PAR, Honda e Albano (2012, p. 4) chamaram a atenção para a mudança no Governo Federal em 2003 e para a criação do Ministério das Cidades, que passou a fazer a gestão do PAR. Tal medida gerou alterações no programa como a tendência dos locais de implantação dos empreendimentos na franja urbana, retornando a possibilidade 5 Nesse sentido, também não é desimportante o fato de muitos adquirirem sua primeira residência nos ERPFEs estudados por nós.

9 de incremento no processo segregador urbano. Os reflexos desta medida são facilmente observados no mapa de localização do residencial Esmeralda (figura 1). Figura 1: Localização do Residencial Esmeralda. Outras características importantes assentam-se na tipologia do empreendimento, tal como o material utilizado para o fechamento, a estrutura da guarita de segurança e o padrão construtivo das residências. A estética deste residencial apresenta mais semelhanças com os conjuntos habitacionais populares do que com os loteamentos fechados ou condomínios horizontais. Sua portaria é modesta, apresentando uma pequena guarita de segurança, com um padrão arquitetônico popular, o controle do acesso dos moradores e dos visitantes é realizado por um porteiro terceirizado, responsável pela identificação dos transeuntes e controle da cancela eletrônica. Por sua vez, o cercamento deste residencial foi feito com a instalação de

10 alambrados, dado o baixo preço da instalação em relação à edificação de muros, comumente utilizados em residenciais destinados aos moradores de maior poder aquisitivo (ver figura 1). A distribuição dos espaços internos das residências também é uma importante característica dos ERPFEs. No exemplo apresentado (Residencial Esmeralda), verificamos que em seu projeto inicial foram planejados dois quartos, um banheiro social, sala, cozinha, além de área de serviço descoberta (externa). Sua tipologia é muito similar a dos loteamentos populares abertos, caracterizados por construções em duas águas, pelo reduzido tamanho das casas, pela falta de muros entre as casas, além dos materiais de baixa qualidade utilizados no acabamento. A figura 2 ilustra bem a tipologia residencial. Figura 2: Padrão construtivo do Residencial Esmeralda (13/03/2013) Destaque para o modelo em duas águas, facilmente observável pela posição do telhado. Chamamos a atenção para a cobertura da área de serviço feita com lona, denotando um improviso típico de conjuntos habitacionais populares, além do material utilizado para o acabamento, como portas e janelas de vidro.

11 Embora muitas outras características tenham grande importância para definirmos o que consideramos como espaços residenciais populares fechados, tais como o aprofundamento sobre as práticas cotidianas de seus moradores, que revelam problemas enfrentados que se estreitam aos problemas dos moradores de conjuntos habitacionais populares abertos 6, consideramos que o exemplo inserido neste artigo foi suficiente para o alcance de nosso objetivo, que foi o de apresentar e superar um problema teóricometodológico que nos deparamos ao longo de nosso doutoramento, neste sentido, consideramos importante caracterizarmos e definirmos o que entendemos por espaços residenciais populares fechados. CONCLUSÃO As duas formas de incorporações imobiliárias analisadas neste artigo apresentam além de diferenças jurídicas, diferenças na tipologia dos empreendimentos, as quais não devem ser negligenciais, uma vez que provocam mudanças no espaço urbano, alterando o seu uso e as práticas socioespaciais de seus moradores e dos moradores domiciliados em sua vizinhança. Entendemos que os loteamentos fechados não deveriam existir, pois causam prejuízos à ordem jurídica e aos moradores das cidades, isso porque se apropriam de equipamentos públicos, restringindo seu uso aos proprietários dos imóveis edificados no interior destes residenciais. Diante de todas as diferenças destacadas entre os loteamentos fechados e os condomínios horizontais, percebemos que a tipologia dos empreendimentos e as infraestruturas dispostas tanto em seu interior como ao seu redor, contribuem para a diferenciação do valor das unidades habitacionais e dos lotes oferecidos e administrados pelo mercado imobiliário, que sugerem uma segmentação por renda dos moradores dos distintos empreendimentos. Por fim, chamamos a atenção para uma profunda popularização do modelo de moradia cercado de controlado que vem nos intrigando ao longo dos últimos anos, cujas pesquisas 6 As entrevistas com estes moradores e suas análises vêm sendo realizadas ao longo da pesquisa de doutorado.

12 indicam novas formas de controle social que se exerce entre os segmentos sociais de renda baixa. BIBLIOGRAFIA CALDEIRA, Tereza Pires do Rio. Cidades de muro: crime, segregação e cidadania em São Paulo: Ed. 34 EDUSP, DAL POZZO, Clayton Ferreira. Fragmentação sócio-espacial: análise das práticas sócioespaciais dos sujeitos auto-segregados em Presidente Prudente SP. Presidente Prudente, 2008, 195 f. Monografia - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista.. Territórios de autosegregação e de segregação imposta: fragmentação socioespacial em Marília e São Carlos. Dissertação (Mestrado em Geografia). Presidente Prudente, Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP. FREITAS, José Carlos de. Da legalidade dos loteamentos fechados. São Paulo: Centro de apoio operacional das promotorias de justiça de habitação e urbanismo, Disponível em: <http://www.mp.sp.gov.br/caohabitacao> Acesso em: 10/06/2013. GALVÃO, Altair Aparecido. Condomínios horizontais fechados: segregação ou segregados? Um estudo de caso no municipio de Maringa Pr. Maringá, f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Universidade Estadual de Maringá. HONDA, Sibila Corral de Area Leão e ALBANO, Mayara Pissutti. Residencial Atalaia Habitação social em Presidente Prudente. In: Colloquium Humanarum, vol. 9, n. 1, DOI , Presidente Prudente, 2012, p MAGRINI, Maria Angélica de Oliveira.Vidas em enclaves: imaginário das ciudades inseguras e fragmentação socioespacial em contextos não metropolitanos. Tese (Doutorado em Geografia). Presidente Prudente, Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP. MARICATO, Ermínia. O minha casa é um avanço, mas a segregação urbana fica intocada. In: Carta Maior, São Paulo, 2009, p.1-3. MOURA, Gerusa Gonçalves. Condomínios horizontais/loteamentos fechados e a vizinhança (in)desejada: um estudo em Uberlândia/MG. Uberlândia, f. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Federal de Uberlândia. PIRES, André. De Rocinha aos Enclaves: figurações do rural em Vinhedo, SP. Campinas,

13 f. Tese (Doutorado em Geografia) Universidade Estadual de Campinas. SOBARZO, Oscar Miño. A segregação socioespacial em Presidente Prudente: análise dos condomínios horizontais. Presidente Prudente, f. Dissertação (Mestrado em Geografia) Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP.. Os condomínios horizontais em Presidente Prudente. In: SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão. Textos e contextos para a leitura geográfica de uma cidade média. Presidente Prudente: Ed. UNESP, 2001, p Os espaços da sociabilidade segmentada: a produção do espaço público em Presidente Prudente. Presidente Prudente, f. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP. SPOSITO, Maria encarnação Beltrão e GÓES, Eda. Espaços fechados e cidades: insegurança urbana e fragmentação socioespacial. São Paulo: Editora da Unesp, ZANDONADI, Julio Cesar. Novas centralidades e novos habitats: caminhos para a fragmentação urbana em Marília (SP). Dissertação (Mestrado em Geografia). Presidente Prudente, f - Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP.

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina 20 a 26 de março de 2005 Universidade de São Paulo

Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina 20 a 26 de março de 2005 Universidade de São Paulo A LEGALIDADE E (I)LEGALIDADE NA IMPLANTAÇÃO DE LOTEAMENTOS FECHADOS E CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO EM UMA CIDADE MÉDIA - MARÍLIA SP - BRASIL 1 Júlio César Zandonadi

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 229 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL E SEU CONTROLE POR MEIO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE 1996 Jéssica Telles Zanateli¹; Lennon Gomes¹; Marcela do Carmo Vieira²; Sibila Corral de Arêa Leão Honda³ 1 Discente

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

1217 LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS: LEI PARA QUE, LEI PARA QUE? MAS QUAL LEI?

1217 LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS: LEI PARA QUE, LEI PARA QUE? MAS QUAL LEI? 1217 LOTEAMENTOS E CONDOMÍNIOS: LEI PARA QUE, LEI PARA QUE? MAS QUAL LEI? Gisela Cunha Viana Leonelli Resumo Este artigo pretende compor o quadro de regulação sobre a produção de loteamentos e condomínios

Leia mais

NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP.

NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP. NOVAS FORMAS DE EXPANSÃO URBANA: OS LOTEAMENTOS FECHADOS E OS CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS NA CIDADE DE JACAREÍ/SP. Alex Pires Rabelo¹, Harley Rogério Sant Anna², Kell en Suleyzy Sant Anna³. Orientador

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

AS AÇÕES DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM CIDADES PEQUENAS DO RECÔNCAVO BAIANO: AGENTES, ESTRATÉGIAS E ESPECIFICIDADES

AS AÇÕES DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM CIDADES PEQUENAS DO RECÔNCAVO BAIANO: AGENTES, ESTRATÉGIAS E ESPECIFICIDADES AS AÇÕES DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM CIDADES PEQUENAS DO RECÔNCAVO BAIANO: AGENTES, ESTRATÉGIAS E ESPECIFICIDADES ANTONIO ANDRADE MOTA PROFESSOR DA SEC / BA. e-mail: aamota@bol.com.br INTRODUÇÃO Nas últimas

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes.

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. Bruno Pereira Reis 1 ; Everaldo Santos Melazzo 2 Universidade

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

DINÂMICA IMOBILIÁRIA E EXPANSÃO URBANA EM MONTES CLAROS/MG: estudo dos condomínios horizontais e a verticalização. 1

DINÂMICA IMOBILIÁRIA E EXPANSÃO URBANA EM MONTES CLAROS/MG: estudo dos condomínios horizontais e a verticalização. 1 DINÂMICA IMOBILIÁRIA E EXPANSÃO URBANA EM MONTES CLAROS/MG: estudo dos condomínios horizontais e a verticalização. 1 Ricardo dos Santos Oliveira 2 Ricardoliveira.port@hotmail.com Iara Soares de França

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Loteamentos Fechados & Segurança

Loteamentos Fechados & Segurança Mesa redonda 7: Espaço, território e conflitos urbanos Loteamentos Fechados & Segurança Thyana Farias Galvão de Barros Universidade Federal de Pernambuco Departamento de Expressão Gráfica Universidade

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 DR. ANTONIO FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, Prefeito Municipal de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, usando das atribuições que me são conferidas por lei. FAÇO SABER

Leia mais

Condomínios & Associações: principais diferenças

Condomínios & Associações: principais diferenças Condomínios & Associações: principais diferenças Por Mariangela Iamondi Machado CNPJ Despersonalizado Condomínio Associação de Proprietários em Loteamentos CNPJ idêntico a de empresas Não pode adquirir

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO .?va y PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 193 ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA ~.-,~~ REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO i iiiiii IIIII iiiii IIIII mil um uni mu mi

Leia mais

Rafaela Mussolini Celestino de Oliveira¹, Mayara Mota Cordeiro Souza¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo Vieira²

Rafaela Mussolini Celestino de Oliveira¹, Mayara Mota Cordeiro Souza¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo Vieira² 324 HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE EPITÁCIO-SP E QUESTÕES URBANAS Rafaela Mussolini Celestino de Oliveira¹, Mayara Mota Cordeiro Souza¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda², Marcela do Carmo Vieira² 1 Discentes

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Produção do Espaço Urbano Condomínios horizontais e loteamentos fechados em Cuiabá-MT

Produção do Espaço Urbano Condomínios horizontais e loteamentos fechados em Cuiabá-MT Produção do Espaço Urbano Condomínios horizontais e loteamentos fechados em Cuiabá-MT Conselho Editorial Profa. Dra. Andrea Domingues Prof. Dr. Antônio Carlos Giuliani Prof. Dr. Antonio Cesar Galhardi

Leia mais

Fragmentação socioespacial

Fragmentação socioespacial Clayton Ferreira Dal Pozzo Fragmentação socioespacial Análise das práticas socioespaciais dos sujeitos auto-segregados em Presidente Prudente - SP Presidente Prudente 2008 Clayton Ferreira Dal Pozzo Fragmentação

Leia mais

Análise das práticas espaciais em Presidente Prudente, Marília e São Carlos, no Estado de São Paulo 1

Análise das práticas espaciais em Presidente Prudente, Marília e São Carlos, no Estado de São Paulo 1 Análise das práticas espaciais em Presidente Prudente, Marília e São Carlos, no Estado de São Paulo 1 Clayton Ferreira Dal Pozzo Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia Univ Estadual Paulista,

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO.

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. Laura Pereira Aniceto Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC Laura.aniceto@gmail.com Jonathas

Leia mais

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística.

1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. REGISTRO DE IMÓVEIS DE LAJEADO - RS Fluxograma constitucional-urbanístico-condominial e anotações Luiz Egon Richter 12 1 1. Das competências constitucionais sobre matéria condominial e urbanística. A Constituição

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 INSTITUI A PLANTA GENÉRICA DE VALORES DO MUNICÍPIO DEFINE CRITÉRIOS PARA LANÇAMENTO DO IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos.

Aluno do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos. TRANSFORMAÇÕES URBANAS NA CIDADE DE SÃO CARLOS: CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS FECHADOS E NOVAS FORMAS DE SOCIABILIDADE Ferreira, Francisco Barnabé 1 franbar@linkway.com.br 1 Aluno do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI COMPLEMENTAR Nº 3.149, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2002. Dá nova redação aos arts. 108, 113, 115, e cria os arts. 108-A, 108-B, 108-C, 108-D, 108-E, 108-F, 108-G, 108-H, 108-I, 108-J, 108-L, 108-M, 108-N,

Leia mais

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA 316 HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL: AS TIPOLOGIAS HABITACIONAIS E O SEU REFLEXO NA PRODUÇÃO DA CIDADE ATRAVÉS DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Gustavo Favaretto Martinez, Marcelo Batista Pigioni, Mayra

Leia mais

FORMAS ESPACIAIS E PRODUÇÃO DA CIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE OS LOTEAMENTOS FECHADOS DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA NO ESPIRITO SANTO (RMGV-ES)

FORMAS ESPACIAIS E PRODUÇÃO DA CIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE OS LOTEAMENTOS FECHADOS DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA NO ESPIRITO SANTO (RMGV-ES) FORMAS ESPACIAIS E PRODUÇÃO DA CIDADE: UMA ANÁLISE SOBRE OS LOTEAMENTOS FECHADOS DA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA NO ESPIRITO SANTO (RMGV-ES) 1 1 - INTRODUÇÃO Francismar Cunha Ferreira Mestrando

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

Poder Público e mercado imobiliário: os promotores da exclusão social em cidades médias

Poder Público e mercado imobiliário: os promotores da exclusão social em cidades médias Poder Público e mercado imobiliário: os promotores da exclusão social em cidades médias ALEXANDRE BERGAMIN VIEIRA 1 FCT-UNESP Presidente Prudente/SP Brasil INTRODUÇÃO Diante do acirramento das desigualdades

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

OS CONDOMÍNIOS FECHADOS NA DINÂMICA E NA ESTRUTURA URBANA DE SANTO ANTÔNIO DE JESUS, BAHIA - BRASIL

OS CONDOMÍNIOS FECHADOS NA DINÂMICA E NA ESTRUTURA URBANA DE SANTO ANTÔNIO DE JESUS, BAHIA - BRASIL OS CONDOMÍNIOS FECHADOS NA DINÂMICA E NA ESTRUTURA URBANA DE SANTO ANTÔNIO DE JESUS, BAHIA - BRASIL ANTONIO ANDRADE MOTA 1 WEDMO TEIXEIRA ROSA 2 1. INTRODUÇÃO O tema de pesquisa que ora estabelecemos como

Leia mais

A produção de loteamentos fechados e condomínios horizontais: diferenciação, legalidade e (i)legalidade no espaço urbano da cidade de Marília, SP 1

A produção de loteamentos fechados e condomínios horizontais: diferenciação, legalidade e (i)legalidade no espaço urbano da cidade de Marília, SP 1 Revista Faz Ciência, v.11, n.13 Jan./Jun. 2009, pp. 249-264 A produção de loteamentos fechados e condomínios horizontais: diferenciação, legalidade e (i)legalidade no espaço urbano da cidade de Marília,

Leia mais

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de

12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de 86 12 - HABITAÇÃO Bela Vista de Goiás 12.1. Tipologia atual dos imóveis habitacionais no município de Na região central da Zona Urbana a heterogeneidade está evidente em suas edificações. Existem alguns

Leia mais

Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos

Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos Baixada Santista: imóveis de 2 e 3 dormitórios lideram lançamentos A Região Metropolitana da Baixada Santista tem uma extensão territorial de 2.422 km² e é a terceira maior do Estado em termos populacionais,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes)

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) MÓDULO A 2015 FASE II Nesta Rota de Aprendizagem destacamos a importância

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Lots Closed and Residential Condominiums - Public and Private Initiative.

Lots Closed and Residential Condominiums - Public and Private Initiative. 1 Lots Closed and Residential Condominiums - Public and Private Initiative. Loteamentos Fechados e Condomínios Residenciais Iniciativa Pública e Privada. Silvia Rodrigues FAU-USP, Rua Jose Abdo Marão,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS 2007 PMA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo através

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS VERT RESIDENCIAL CLUBE LOTEAMENTO

INFORMAÇÕES GERAIS VERT RESIDENCIAL CLUBE LOTEAMENTO INFORMAÇÕES GERAIS VERT RESIDENCIAL CLUBE LOTEAMENTO LOCALIZAÇÃO: Os terrenos onde serão implantados os empreendimentos localizam-se na Estrada de Rodagem Venda das Pedras, RJ 114, Km 5 (Estrada Maricá/Itaboraí),

Leia mais

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E SOLO USOS PERMITI PERMISSÍVEL PROIBI Habitação unifamiliar uma por lote Comércio e serviço vicinal de pequeno porte 1 e 2 Comércio e serviço de bairro Comunitário

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Dinâmicas urbanas. condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial Reconfigurações Espaciais e Diferenciação Social em Cidades de Angola e Moçambique Lisboa, Junho de 2014 Dinâmicas urbanas condomínios fechados, transformações espaciais e processos de mobilidade residencial

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015

CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 CONCESSÃO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA NOVOS EMPREENDIMENTOS ENG.006.03.2015 OBJETIVO Estabelecer as regras e procedimentos para concessão de viabilidade técnica, aprovação de projetos e acompanhamento

Leia mais

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL Divisão de Áreas Introdução Para a realização de um loteamento, o primeiro passo é o levantamento topográfico do terreno. Depois, a elaboração do projeto arquitetônico,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA

PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA PERGUNTAS E RESPOSTAS CONSTANTES NO GUIA DE SERVIÇOS DA PREFEITURA IMÓVEIS - EDIFICAÇÕES E LOTEAMENTOS A Prefeitura Municipal de Aracaju fiscaliza e licencia obras de edificação e de parcelamento do solo

Leia mais

CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS EM ESPAÇOS PERIFÉRICOS: REFLEXÕES SOBRE A REALIDADE DE IMPERATRIZ (MA)

CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS EM ESPAÇOS PERIFÉRICOS: REFLEXÕES SOBRE A REALIDADE DE IMPERATRIZ (MA) CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS EM ESPAÇOS PERIFÉRICOS: REFLEXÕES SOBRE A REALIDADE DE IMPERATRIZ (MA) SHERYDA LILA DE SOUZA CARVALHO 1 ADÃO FRANCISCO DE OLIVEIRA 2 Resumo: As ideias expostas neste estudo expressam

Leia mais

ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Gisele dos Santos de Miranda Clarisse da Cunha Müller PUC Rio gigisa@gmail.com

ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Gisele dos Santos de Miranda Clarisse da Cunha Müller PUC Rio gigisa@gmail.com AS TRANSFORMAÇÕES LOCAIS NO BAIRRO RIO DA PRATA, EM CAMPO GRANDE, A PARTIR DA EXPANSÃO DE CONDOMÍNIOS FECHADOS: UMA PERSPECTIVA MULTIESCALAR DA DINÂMICA INTRODUÇÃO ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana ISSN: 2175-3369 urbe@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil

urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana ISSN: 2175-3369 urbe@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana ISSN: 2175-3369 urbe@pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil de Arêa Leão Honda, Sibila Corral Política habitacional de baixa renda e a atuação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

RESIDENCIAL PORTAL DA PÉROLAII - HABITAÇÃO SOCIALSEGUNDO AS DIRETRIZES DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDADA EM BIRIGUI SP

RESIDENCIAL PORTAL DA PÉROLAII - HABITAÇÃO SOCIALSEGUNDO AS DIRETRIZES DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDADA EM BIRIGUI SP 411 RESIDENCIAL PORTAL DA PÉROLAII - HABITAÇÃO SOCIALSEGUNDO AS DIRETRIZES DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDADA EM BIRIGUI SP Daiane dos Santos Esquevani¹, Mayara Pissutti Albano², Sibila Corral de Arêa

Leia mais

Programa de Qualidade do Ar e Transporte Sustentável

Programa de Qualidade do Ar e Transporte Sustentável Programa de Qualidade do Ar e Transporte Sustentável Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Questionário preparatório a)

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013

ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL SECOVI-SP VICE- PRESIDÊNCIA DE INCORPORAÇÃO E TERRENOS URBANOS 18-04-2013 ZEIS-ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL década de 1980 surgimento de movimentos sociais

Leia mais

Comprar: Deixe-se guiar!

Comprar: Deixe-se guiar! Está prestes a comprar um imóvel e tem numerosas perguntas bem legítimas. Quais as diferentes etapas e as formalidades a efetuar, antes, durante e após a compra? Siga o guia! Antes da compra Se está a

Leia mais

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877

RESPONSÁVEL TÉCNICO: Claudio Marcos Piotrowski Engenheiro Civil CREA 0601452877 INSTRUMENTO PARTICULAR DE INCORPORAÇÃO Condomínio Horizontal Fechado RESIDENCIAL VILLAVERDE (Identificado no Cartório de Registro Civil do Distrito de Monte Verde Camanducaia Livro 05-B 1º Traslado Fls

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso

Zoneamento da Cidade de São Paulo. Zoneamento Cidade de São Paulo. Características das Zonas de Uso Zoneamento da Cidade de São Paulo Zoneamento Cidade de São Paulo Características das Zonas de Uso 1 Histórico A Legislação relativa a zoneamento reunia algumas dezenas de atos, decretos- leis, leis e decretos,

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa 1 Curso: Construção de Edifícios Equipe: Professor coordenador: EULER SOARES FRANCO Alunos: Camila Silva Romoaldo Liege Farias Tailine Mendes Martins Dutra ESTUDO DA ACESSIBILIDADE DOS PORTADORES DE NECESSIDADES

Leia mais

GATED COMMUNITIES: CONDOMINIUMS AND DEVELOPMENTS TYPOLOGIES AND RESIDENTES PROFILES IN THE CITY OF SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SÃO PAULO

GATED COMMUNITIES: CONDOMINIUMS AND DEVELOPMENTS TYPOLOGIES AND RESIDENTES PROFILES IN THE CITY OF SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SÃO PAULO ENCLAVES FORTIFICADOS: TIPOLOGIAS DOS CONDOMÍNIOS HORIZONTAIS E LOTEAMENTOS FECHADOS E PERFIL DOS SEUS MORADORES NA CIDADE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SÃO PAULO GATED COMMUNITIES: CONDOMINIUMS AND DEVELOPMENTS

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 196 - Data 5 de agosto de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO. INCORPORAÇÕES

Leia mais

A rede é mais ampla do que a pesquisa que a coloca em movimento num dado momento.

A rede é mais ampla do que a pesquisa que a coloca em movimento num dado momento. Cidades médias: agentes econômicos e reestruturação urbana e regional Metodologia e Resultados Beatriz Ribeiro Soares UFU Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Geografia Caracterização da ReCiMe

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA)

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Dispõe sobre a aquisição e alienação de imóveis sem prévio arrendamento no âmbito do Programa de Arrendamento Residencial - PAR,

Leia mais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015 Estabelece normas gerais para o registro da regularização fundiária urbana. Seção I Disposições Gerais Art. 1º. O processo e os atos de registro da

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

SL-04. Análise das condições de inserção urbana do Programa Minha Casa Minha Vida nas cidades brasileiras: segregação e negação do direito à cidade

SL-04. Análise das condições de inserção urbana do Programa Minha Casa Minha Vida nas cidades brasileiras: segregação e negação do direito à cidade SL-04. Análise das condições de inserção urbana do Programa Minha Casa Minha Vida nas cidades brasileiras: segregação e negação do direito à cidade Coordenador: Luis Renato Bezerra Pequeno (UFC) Resumo:

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

CONJUNTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL ESTIMULADORES DE IMPACTOS AMBIENTAIS?

CONJUNTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL ESTIMULADORES DE IMPACTOS AMBIENTAIS? Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 320 CONJUNTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL ESTIMULADORES DE IMPACTOS AMBIENTAIS? Tauana Rodrigues Batista¹; Letícia Pirola

Leia mais

Processo de seleção de bolsistas de pós-doutorado

Processo de seleção de bolsistas de pós-doutorado Projeto temático: Lógicas econômicas e práticas espaciais contemporâneas: cidades médias e consumo Processo de seleção de bolsistas de pós-doutorado O Grupo de Pesquisa Produção do Espaço e Redefinições

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A FUNÇÃO DOS CONSELHOS PROFISSIONAIS E A OBRIGATORIEDADE DE INSCRIÇÃO NO CRECI DE JURÍDICA COM COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS Ilmos. Srs.. OPTIO ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA. Rua Sete de Setembro n

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Não é verdade que a esquerda apenas critica e não sabe o que propor. A história da luta por moradia

Leia mais

A NEGAÇÃO DA CIDADE EM CONFIGURAÇÕES HABITACIONAIS CONTEMPORÂNEAS TRÊS CASOS EM SÃO CARLOS/SP

A NEGAÇÃO DA CIDADE EM CONFIGURAÇÕES HABITACIONAIS CONTEMPORÂNEAS TRÊS CASOS EM SÃO CARLOS/SP A NEGAÇÃO DA CIDADE EM CONFIGURAÇÕES HABITACIONAIS CONTEMPORÂNEAS TRÊS CASOS EM SÃO CARLOS/SP Ana Lara Barbosa Lessa Profa. Dra. Eulalia Portela Negrelos Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia

Leia mais