AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS OCORRIDAS NA RUA JOÃO PESSOA EM ARACAJU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS OCORRIDAS NA RUA JOÃO PESSOA EM ARACAJU"

Transcrição

1 AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS OCORRIDAS NA RUA JOÃO PESSOA EM ARACAJU HISTÓRICO Ezio Christian Déda de Araújo Universidade Tiradentes A Rua João Pessoa ainda hoje é um referencial no imaginário urbano de Aracaju. Surgiu com a gênese da cidade, localizando-se no seu núcleo de desenvolvimento, próxima à Praça do Palácio e ao estuário do rio Sergipe. Transformou-se gradativamente de uso residencial para comercial esse processo de adaptação, ao longo de sua história, ocasionou significativas mudanças na aparência da Rua. Por isso a necessidade de se abordar a relação entre a imagem e o usuário da cidade, bem como de mostrar a problemática gerada por essas metamorfoses no imaginário urbano. No dia 17 de março de 1855, foi sancionada a resolução nº413, que estabelecia a transferência da capital sergipana de São Cristóvão para o povoado de Aracaju. O fator preponderante para a ocorrência desse fato foi a privilegiada posição geográfica da nova capital, que possuía porto para o escoamento da produção açucareira, facilitando as transações comerciais. Em 1857, o então Presidente da Província de Sergipe, Inácio Barbosa, preocupado com o crescimento desordenado da cidade, solicitou que o engenheiro Sebastião José Basílio Pirro elaborasse um plano urbanístico para a nova capital. O projeto conhecido como Plano Pirro estabelecia a configuração de uma malha urbana em traçado xadrez. Nessa mesma época, nos idos de 1857, surge a Rua João Pessoa, que, ao longo de sua história, recebeu várias denominações. Em princípio chamava-se Rua da Conceição, conhecida como Rua do Barão, posteriormente Rua Japaratuba. Localizava-se, entretanto, numa região estratégica, pois ligava a Praça do Palácio, onde estava o núcleo de poder do Estado, à zona Norte da cidade (primeira região de povoamento). Outro fator determinante para o seu desenvolvimento comercial foi a proximidade com o rio Sergipe, por onde escoavam as especiarias e os artigos de consumo para uma sociedade ainda rural que buscava adequar-se à nova realidade urbana, pois é nessa época que a capital do Estado é transferida para Aracaju. No ano de 1857, o sistema de ocupação do solo ainda era de uso estritamente residencial, onde moravam as famílias mais tradicionais que migraram de São Cristóvão, primeira Capital do Estado, e de outras cidades do interior. Existem poucas referências sobre as tipologias habitacionais dessa época. Sabe-se que não havia recuos frontais e laterais e que a maioria das

2 fachadas ainda seguiam as características da arquitetura colonial, com arcos abatidos e telhados de duas águas. Em sua fase inicial, as construções eram simples e não havia saneamento básico, o calçamento era feito de terra batida. Por conseguinte, esta rua do Barão também apresentava condições favoráveis a ser logo edificada, pois acompanhava sensivelmente o divortium aquarum da duna entre o mar e o Caborge 1 fatores esses que possibilitaram o rápido desenvolvimento da rua: entre 1872 e 1873 já possuía 32 casas, entre 1874 e 1875 aumentou para 42 unidades e, no ano posterior, são construídas mais 4 residências. A partir de 1870, entretanto, surgem as primeiras casas comerciais, alterando hábitos e costumes e modificando as fachadas para adaptação ao uso comercial aparecem letreiros com nomes de fantasia e o ramo do negócio, transformando, gradativamente, o imaginário da população. Mapa 01 Ocupação do Solo em Fonte: Arquivo Municipal de Aracaju Em 1930 passou a ser denominada de Rua João Pessoa, já estando intrinsecamente ligada à história de Aracaju. Parafraseando Mário Cabral, é uma rua cheia de cor regional e que guarda a alma do próprio povo e da própria terra. 2. Foi fundada por João Gomes Melo, o Barão de Maruim, aristocrata de muita influência e poder político, por isso era popularmente conhecida como Rua do Barão. Antes mesmo que o povoado do Santo Antônio de Aracaju fosse elevado à 1 PORTO, Fernando Figueiredo. A cidade do Aracaju 1855/ ºed. Aracaju: FUNDESE. 1991, p CABRAL,Mário. Roteiro de Aracaju. Aracaju: Livraria Regina. 1955, p. 325.

3 categoria de cidade, o Barão já havia adquirido terras nessa localidade, por isso foi o primeiro a construir casas residenciais. Em 1857, começava a se formar a primeira rua paralela ao rio Sergipe, onde se construiu a Igreja de São Salvador, que permanece até hoje. Em 1873, ainda era conhecida por sua denominação inicial, mas, nesse mesmo ano, o Dr. Manuel Pereira Guimarães, então presidente da Câmara Municipal do Aracaju, em edital impresso no Jornal do Aracaju de 11 de Janeiro de 1873, publicou a mudança de nome para Rua Japaratuba, porém, para o povo, ainda permanecia a preferência por Rua do Barão. A expansão do comércio ocorreu a partir da última década do séc. XIX com a inauguração de algumas lojas com serviços sofisticados e artigos de luxo para suprir os novos hábitos de consumo da velha aristocracia rural e das pessoas com poder aquisitivo compatível. Devido a essas transformações, a partir de 1908 começa a haver a melhoria da infra-estrutura básica urbana. Em 1920, o Brasil ainda se adaptava à nova realidade do trabalho livre após a Abolição da Escravatura fato esse que propiciou o declínio do setor agrícola e a ascensão do comércio e da indústria, promovendo mudanças significativas no contexto urbano das cidades brasileiras. É nesse momento, porém, que muitas edificações tomaram feições modernas para se adequar às tendências das vanguardas. Entretanto, apesar de tais acontecimentos, ainda existiam muitos prédios que utilizavam os princípios neoclássicos e ecléticos nas configurações de suas fachadas. Até 1970 muitas lojas foram fechadas para dar espaço a novos empreendimentos, firmando-se com maior intensidade o comércio de confecções. Nesse contexto a Rua ainda é freqüentada pela aristocracia local e do interior do Estado, sendo considerada, portanto, um magazine para a elite, já que a população de baixa renda consumia os produtos comercializados no mercado Thales Ferraz e nas ruas de comércio adjacentes. Em 1977, iniciaram-se as obras para a construção da segunda rua de pedestres do país, que foi inaugurada no dia 13 de agosto de 1978 com o nome de Calçadão da João Pessoa. O projeto arquitetônico é de autoria de Jaime Lernner, que também já havia implantado um em Curitiba. No ano de 2000, foi realizada uma reforma drástica, técnica e popularmente reprovada. O projeto foi concebido com algumas soluções equivocadas: o piso em pedra portuguesa foi substituído por um porcelanato de cor clara e ofuscante, que se encontra praticamente deteriorado; a deficiência de circulação emergencial para o acesso do Corpo de Bombeiros; a instalação de marquises centrais com dimensionamento e alturas incompatíveis, entre outros problemas. O IMAGINÁRIO URBANO As transformações ocorridas implicaram a alteração da forma de percepção do transeunte

4 sobre o espaço urbano, pois surgiram novos paradigmas de consumo e, conseqüentemente, de uso. Esses fatores modificam o imaginário urbano, pois a cidade é o espaço edificado para as relações sociais. A interação entre as pessoas é que possibilita a diversidade de significados que compõem e formam o próprio imaginário urbano. A percepção urbana é uma prática cultural que concretiza certas compreensões da cidade e se apóia, de um lado, no uso urbano e, de outro, na imagem física da cidade, da praça, do quarteirão, da rua, entendidos como fragmentos habituais da cidade. 3 Esse processo metamórfico incide no imaginário urbano, aqui entendido como o acúmulo de informações captadas pela imagem urbana associadas às experiências de vida do usuário. Já a imagem corresponde à informação solidamente relacionada com um significado que constrói numa síntese de contornos claros que a faz única e intransferível, diz Lucrécia Ferrara. O imaginário está relacionado com os aspectos psicológicos das interpretações individuais ou coletivas, enquanto que a imagem é um ícone com o qual as pessoas associam fatos, objetos, locais e situações que formam seu repertório próprio. Assim, a transformação da Rua para uso estritamente comercial implicou significativas diferenças na forma de o transeunte absorver e sentir o espaço, pois os signos que compõem a imagem enquanto forma de percepção e representação sofreram alterações. Para a melhor compreensão do imaginário urbano, Walter Benjamin criou o personagem flâneur, o viajante da modernidade 4. Trata-se de um transeunte que conhece o espaço e a história local: ele viaja entre a vida real e o delírio 5. O flâneur percorre as ruas prestando muita atenção e observa até as coisas que parecem insignificantes, mas que elucidam a compreensão do meio urbano. A cidade é tudo para o flâneur, sua casa, sua paisagem. 6 Ele anda pela multidão como se estivesse sozinho e olha a cidade como se a visse pela primeira vez, porque sabe que há sempre algo inédito para se ver. É um eterno viajante e sabe que para interpretar a sua cidade é necessário conhecer outras para obter parâmetros comparativos. O flâneur é um colecionador de imagens que absorve e detém em sua memória por isso a necessidade de manter-se em movimento na busca de novas sensações para o repertório de seu imaginário. Sobre o diálogo perceptivo entre o morador e a cidade de Aracaju, enquanto paisagem de seu repertório, escreve o notável poeta sergipano Jacintho de Figueiredo: 3 FERRARA, Lucrecia D Alessio. Ver a cidade: cidade, imagem e leitura. São Paulo: Nobel. 1988, p ROUANET, Sergio Paulo. A razão nômade: Walter Benjamin e outros viajantes. Rio de Janeiro: UFRJ. 1993, p Idem. p Ibidem. p. 22.

5 Andarilho Urbano Tomando sempre o rumo da calçada, Lá se vai o andarilho, rua a fora; De quando em vez, um susto, um quase nada, Uma espera, um desgaste, uma demora: Frente ao perigo, que se mostra cada Justo desejo de transpor, agora, Uma rua qualquer, movimentada... - Tão diferente do que fora outrora E lá se vai o pobre andarilho... - Gente do povo, anônimo, sem brilho, Pelos mesmos caminhos da cidade; Cidade, que mudou, radicalmente, Aos olhos de um Passado inda presente... E o andarilho?! um elo de saudade[...] 7 Além de um notável saudosismo, as palavras do poeta ressalta os impactos causados pelas transformações sobre a percepção do andarilho urbano, numa alusão bastante próxima do flâneur benjaminiano. O poeta Jacintho de Figueiredo realizou um importante trabalho literário enfocando o olhar pelas ruas do Centro Histórico de Aracaju, mostrando, através de sua poesia, o processo de transformação da Rua João Pessoa. Seus poemas trazem os signos que formam a sua memória de uma época em que a cidade ainda possuía características bucólicas. Nesse contexto, a memória é compreendida enquanto uma instância do inconsciente capaz de registrar os traços duráveis, já que a consciência recusa-se a gravar esses mesmos traços duráveis e a lembrança do lugar é o lugar do próprio esquecimento. Incide, então, no que Benjamin também chama de memória involuntária, toda uma série de elementos capazes de desencadear valores de rememoração atraídos pelo imaginário; possibilidade de recuperar os traços duráveis. 8 A partir de 1911, no governo de Siqueira de Menezes, a cidade passa por um importante processo de desenvolvimento no setor de infra-estrutura urbana a melhoria no serviço de água e esgoto, além da iluminação elétrica, que mudou o horário de funcionamento dos estabelecimentos comerciais, pois os bares, cafés e cinemas passaram a estender suas atividades até a noite. Com o advento da luz elétrica, a população passa a se habituar com a vida noturna da cidade, principalmente na Rua João Pessoa, onde se concentravam as maiores possibilidades de 7 FIGUEIREDO, Jacintho de. Motivos de Aracaju. Aracaju: Revista. 1998, p OLIVEIRA, Lysie dos Reis. A história na vitrine: novas estratégias e convenções no ritual de preservação p.

6 opções de lazer. Assim, a presença da luz elétrica, influencia o surgimento de novos hábitos de consumo, inclusive passando a figurar nos anúncios de periódicos bastante veiculados na época: CAFÉ IDEAL de João Vieira de Andrade à Rua de Japaratuba. Ponto Chic e agradável de reunião, refrescos, cervejas, licores, doces finos. Casa de deslumbrante iluminação, tendo para maior deleite, ventiladores electricos. 9 EDEN CINEMA Continua como semprea merecer as simpatias do público. Exhibindo no seu écran trabalhos escolhidos da Cinematographia (...) hoje projectará o elegante Eden a bela Fita Mademoiselle Monte Cristo, completo, isto é, as cinco sé ries numa só noite[(...] 10 Entretanto, nessa mesma época, já havia críticas aos novos paradigmas trazidos com a energia elétrica: [...] A luz de fio que botaram na cidade Só nos faz é dar saudade Do tempo dos lampião No tempo bom do escuro Cinema dava futuro[...] 11 O ONTEM E O HOJE A cidade contemporânea é o cenário suporte de signos que modificam a paisagem em prol de uma publicidade cada vez mais voraz. As ruas estão perdendo identidade própria e tudo parece fazer parte de um grande conjunto alegórico, aqui compreendido como uma linguagem de comunicação com as massas em que a imagem não tem compromisso com o historicismo. Diante de um novo contexto cultural, em que a realidade vem sendo substituída pela dimensão virtual, as imagens têm um poder essencial: destinam-se a capturar o desejo e a fantasia 12 9 A Sergipana Revista de Arte e Literatura. Aracaju, n o 1. dez., Século XX. Aracaju, n o 185, 30/11/19, p A Sergipana Revista de Arte e Literatura. Aracaju, n o 1. dez., 1914, p OLIVEIRA, Lysie dos Reis. A história na vitrine: novas estratégias e convenções no ritual da preservação.

7 A perda dos referenciais peculiares a cada rua e até mesmo a cada cidade, talvez seja um dos piores fenômenos ocasionados pela poluição visual, que gera um espaço fragmentado, hostil, inseguro e sem identidade própria trata-se de uma espécie de homogeneização multifacetada, sem compromisso com questões sociais e histórico-culturais. Muito em breve, todas as cidades se parecerão! Terão a mesma cara das Lojas Cem, Pernambucanas, Ponto Frio e não será preciso conhecer mais nenhuma delas. Estar numa delas será um pouco como estar em qualquer uma delas, ou ainda, estar em nenhum lugar. 13 Parafraseando Caetano Veloso...Quando eu te encarei frente a frente e não vi o meu rosto, chamei de mau gosto o que vi...é que Narciso acha feio o que não é espelho..., estamos imersos nessa realidade, com o único diferencial de não precisar mais ir a São Paulo para constatar. A apropriação do espaço urbano pelos signos da poluição visual desenfreada suscita alterações na relação indivíduo/cidade, devido à aglomeração de informações e imagens formando um cenário caótico. Para Lucrécia Ferrara, repertório é a seleção dos usos codificados, ou seja, é um instrumento que possibilita explicar o significado dos elementos que compõem as cidades por isso, a poluição visual é considerada um ruído entre ambiente urbano e usuário. A poluição visual é um limite a partir do qual, o meio não consegue mais digerir os elementos causadores das transformações em curso, e acaba por perder as características naturais que lhe deram origem. 14 As antigas fachadas edificadas principalmente sob as influências dos estilos Eclético, Art Nouveau e Art Decó (como é o caso do Cine Teatro Rio Branco) sofreram mesmo um processo de mutilação para se adequar às novas diretrizes impostas pelo setor comercial com toda a sua parafernália de elementos publicitários estas intervenções ainda são perceptíveis nos muitos casos em que os adornos e características das antigas fachadas sobressaem por trás das estruturas acopladas. Foto 01 Marquise mascarando a fachada. Foto 02 Inadequação da publicidade para o prédio p. 13 MINAMI, Isaao. Paisagem urbana de São Paulo. Publicidade externa e poluição visual. consultado em 20/02/ VARGAS, Heliana Comin, MENDES, Camila Faccioni. Poluição visual e paisagem urbana: quem lucra com o caos? consultado em 18/01/2002.

8 Fonte: Márcio Garcez, ano 2003 Fonte: Márcio Garcez, ano 2003 Na verdade, a Rua João Pessoa transformou-se numa espécie de Shopping Popular, que poderia coexistir com as antigas estruturas sem precisar degradá-las. Assim, talvez a imagem e o imaginário urbano não tivessem sofrido tantas agressões. O usuário poderia apropriar-se melhor do espaço, identificando-o como elemento de seu repertório, como diz Lucrécia Ferrara. Lembrando-se do eterno transeunte espacial, o flâneur, apreciador da cidade e sonhador, que não repudia a modernidade, o novo, acha apenas que o presente poderia ter um diálogo de coerência com o passado, para que todos pudessem admirar o que ele vê ao longo de sua trajetória. Foto 03 Rua João Pessoa, na época Japaratuba Foto 04 Calçadão da João Pessoa atualmente. Fonte: Acervo Rosa Farias, ano de Fonte: Márcio Garcez, ano 2003 É nesse cenário urbano de tantas metamorfoses que o nosso flâneur vem viajando ao longo de aproximadamente 150 anos. De uma remota Rua da Conceição, quando testemunhou o surgimento das primeiras edificações residenciais, até a mudança paulatina para o uso comercial, acompanhou os acontecimentos mais relevantes que ocorriam na efervescência cultural do Teatro Carlos Gomes, posteriormente Rio Branco e do requintado Café Central. Circulou no bonde elétrico que trafegava diariamente até as 23 h, horário da última sessão do cinema. Presenciou a construção do calçadão no final da década de 70 e viu as fachadas de sua memória desaparecerem frente aos letreiros luminosos e às propagandas de tantas novidades. Hoje, o

9 nosso flâneur ainda reconhece alguns traços do passado que escapam por trás das estruturas publicitárias, confunde-se com a diversidade de matizes e informações e com o jogo de volumes. Só ele sabe o que ainda consta no seu imaginário. Todavia, vale ressaltar que, diante das novas tecnologias produzidas em larga escala e de uma política de consumo em massa, a imagem que para muitos pode causar incômodo por sua poluição visual, pode também estar sendo absorvida naturalmente pelas novas gerações que já nasceram sob a égide de novos paradigmas perceptivos. REFERENCIAS BOLLE, Willi. Fisiognomias da Metrópole Moderna: Representações da História em Walter Benjamin. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, BOSI, Ecléa. Memória e sociedade lembranças de velhos. 3 ed. São Paulo: Cia das Letras, CABRAL, Mário. Roteiro de Aracaju. Aracaju: Livraria Regina, DOURADO, Odete. Para sempre memória. Salvador: Revista Rua, FERRARA, Lucrecia D Alessio. Os Significados Urbanos. São Paulo: Universidade de São Paulo: Fapesp, FERRARA, Lucrecia D Alessio. Ver a cidade: cidade, imagem e leitura. São Paulo: Nobel, FIGUEIREDO, Jacintho de. Motivos de Aracaju. Aracaju: Revista. 1998, p FORTES, Bonifácio. Evolução da Paisagem humana da Cidade do Aracaju. Aracaju: Diretório Acadêmico Jackson de Figueiredo da Faculdade Católica de Filosofia de Sergipe, FRANCO, Michelle de Faro. A Rua João Pessoa e suas diversas faces. Aracaju: Centro de Ciências do Homem e da Natureza/UNIT, p Trabalho Final de Graduação. MELIINS, Murillo. Aracaju Romântica que vi e vivi. 2 o Ed. rev. e ampl. Aracaju: NORGRAF, OLIVEIRA, Lysie dos Reis. A história na vitrine: novas estratégias e convenções no ritual de preservação p. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). Salvador: Faculdade de Arquitetura da UFBA, PIRES, Wynne. História de Sergipe Guanabara: Pongetti, PORTO, Fernando Figueiredo. A cidade do Aracaju 1855/ o ed. Aracaju: FUNDESE, ROUANET, Sergio Paulo. A razão nômade: Walter Benjamin e outros viajantes. Rio de Janeiro: UFRJ, SANTOS, Maria Nely. Rua João Pessoa de Outrora. Revista Hora de Estudo. Aracaju, dezembro/2000.

10 FONTE BIBLIOGRÁFICA consultado em 20/02/2002. PERIÓDICOS A Sergipana Revista de Arte e Literatura. Aracaju, n o 1. dez., A Sergipana Revista de Arte e Literatura. Aracaju, n o 1. dez., 1914, p.1. Século XX. Aracaju, n o 185, 30/11/19, p.2.

Quantas vezes, entramos num restaurante, ou numa loja e dizemos: Ih! Não deve ser bom, está vazio!!!!

Quantas vezes, entramos num restaurante, ou numa loja e dizemos: Ih! Não deve ser bom, está vazio!!!! POLUIÇÃO VISUAL E PAISAGEM URBANA: QUEM LUCRA COM O CAOS? Heliana Comin Vargas(*) Camila Faccioni Mendes(**) Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA AVENIDA GUARARAPES RECIFE/PE Vista panorâmica da avenida Guararapes em 1950. Fonte : MORAES, José 2004. Recife MAIO/ 2010. FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA INTRODUÇÃO A Avenida Guararapes, objeto de

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO

POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Pesquisa Quantitativa de Opinião Pública POLUIÇÃO VISUAL NA CIDADE DE SÃO PAULO Julho/ 2006 Índice I. Metodologia e Amostra II. Contexto III. Poluição Visual IV. O Projeto de Lei V. Considerações Finais

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Todo mundo vai passar aqui. EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Todo mundo vai passar aqui. 3 Todo mundo vai te ver aqui. Mais de 150 lojas. A maior vitrine de Brasília. 4 5 No coração de Águas Claras O Vitrinni Shopping está localizado na única quadra inteira ainda

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

EMARKI CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. A melhor localização de Águas Claras Surpreenda seus clientes com estilo. No comércio, o ponto é tudo! Na região que vem se consolidando como maior centro comercial de Águas Claras, nasce o Supremo Mall,

Leia mais

Levantamento Histórico

Levantamento Histórico Praça Roosevelt Levantamento Histórico Até o final do século XIX, o local onde se encontra a Praça Roosevelt era a chácara de Dona Veridiana Prado. Este local teve diversos usos durante este período, desde

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102

PROJETO. Desafios e possibilidades para uma vida melhor. Turma: 102 PROJETO Desafios e possibilidades para uma vida melhor Turma: 102 Carolina Clack, Gabriela Scheffer, Lauren Scheffer e Victória Gomes. Desafios e possibilidades para uma vida melhor Trabalho apresentado

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Salão Nobre da Associação. Salão das Sessões

Salão Nobre da Associação. Salão das Sessões Ano: 1922 Título: Associação Commercial Tipologia: Edifício com 3 pavimentos Logradouro Original: Rua Onze de Junho / Praça Azevedo Júnior / Rua XV de Novembro Logradouro Atual: Rua Riachuelo Bairro: Centro

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza.

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. Ricardo Alexandre Paiva FAUUSP-DAUUFC paiva_ricardo@yahoo.com.br O objeto de estudo do presente trabalho é uma análise do

Leia mais

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento

PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento PERCURSOS DE PAPEL: AS LENTES DA MICHELE ANGELILLO NA GRÉCIA Luciana Marino do Nascimento A existência de núcleos citadinos não é um fenômeno contemporâneo. Na verdade, esses núcleos começaram a surgir

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

nada é referência por acaso. corporate&offices

nada é referência por acaso. corporate&offices lançamento Um produto Melnick Even corporate&offices nada é referência por acaso. A Melnick Even usou toda sua expertise para trazer à rua Anita Garibaldi um empreendimento comercial pensado cuidadosamente

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM

COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM 1 COMÉRCIO E CIDADE : UMA RELAÇÃO DE ORIGEM Heliana Comin Vargas Publicado no Portal do Estado de São Paulo. www.estadao.com.br/ext/eleicoes/artigos31/08/2000 Desde o início das civilizações, comércio

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo A em pre sa Institucional Desde 2003 no mercado do Vale do Aço, a Costa Construtora investe em qualidade e tecnologia com o objetivo de atender toda a demanda na área de construção civil e melhorar o desempenho

Leia mais

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação)

Concurso Planear Estarreja (orientações para a implementação) (orientações para a implementação) Escolas Programa de Regeneração Urbana da Cidade de Estarreja Fases do Fase 1. Diagnóstico Fase 2. Estratégia e Plano de Ação 2 Exercícios para preparação de diagnóstico

Leia mais

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro

Proposta de revisão dos. Calçadões do Centro Proposta de revisão dos Calçadões do Centro Apresentação Durante a campanha eleitoral para a Prefeitura, em 2004, a Associação Viva o Centro apresentou aos candidatos dez propostas para impulsionar o desenvolvimento

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura arquitetura Rua do olhar texto Rodrigo Apolloni imagens Rafael dabul Descansar o olhar sobre certas fachadas, sobre certas casas, pode ser uma experiência reveladora em Curitiba. Uma cidade de mil arquiteturas,

Leia mais

No Coração da Freguesia

No Coração da Freguesia No Coração da Freguesia Um conceito de shopping que oferece perfeita harmonia, estilo, conforto e variedade. Pioneiro na região de Jacarepaguá O RioShopping é o primeiro empreendimento comercial de grande

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Mercado Imobiliário 2

Mercado Imobiliário 2 2 Mercado Imobiliário Lecran Lagoa é um projeto inovador da Brookfield Construtoras oferecem empreendimentos versáteis, sem esquecer do charme e da sofisticação Por Rebecca Ramos Luxo entre e 4 paredes

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS

Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Prezados Senhores, Itacir e Marlene Feltrin e filhos. Farroupilha - RS Registramos com carinho a aproximação com a família Feltrin, iniciada em 1982. Foram mais de três décadas de respeito recíproco e

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

Imagem meramente ilustrativa

Imagem meramente ilustrativa Imagem meramente ilustrativa O Parque Office é um empreendimento pioneiro na cidade, serão as primeiras torres comerciais agregadas a um shopping em Belém. Um empreendimento seguro que você faz para construir

Leia mais

Viver experiências diferentes deveria ser um direito. universal das pessoas. Ninguém quer passar a vida

Viver experiências diferentes deveria ser um direito. universal das pessoas. Ninguém quer passar a vida Viver experiências diferentes deveria ser um direito universal das pessoas. Ninguém quer passar a vida inteira fazendo as mesmas coisas, vivendo a mesma rotina. A vida tem fases diferentes e isso é a maior

Leia mais

Ideal para quem ama a liberdade.

Ideal para quem ama a liberdade. LAR s.m. (Doce; Conforto; Único; Família). adj. Você, desfrutando de momentos inesquecíveis. Ideal para quem ama a liberdade. Venha viver um novo estilo de vida, onde seu conforto é o que vale. Próximo

Leia mais

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico

PRAÇA DAS GERAÇOES. Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico PRAÇA DAS GERAÇOES Autores: Ana Luiza Ribeiro¹; Junia Caldeira¹ Afiliações: 1 - UniCeub Keywords: praça, revitalizaçao, espaço publico INTRODUÇÃO O artigo aborda o tema das áreas verdes nas quadras 700.

Leia mais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais

O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais O Cemitério Municipal São Jose: espacialidade, religiosidade e seus vários enfoques culturais Fernando Michelis - fermichelis_@hotmail.com Resumo O Cemitério Municipal São Jose localizado na cidade de

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

IMAGINARE AGÊNCIA DE DESIGN E COMUNICAÇÃO. Nelson D. FARO JR

IMAGINARE AGÊNCIA DE DESIGN E COMUNICAÇÃO. Nelson D. FARO JR IMAGINARE AGÊNCIA DE DESIGN E COMUNICAÇÃO Nelson D. FARO JR Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM) Av. Gov. José Malcher, 1148 66.055-260 Belém PA _nelson_duarte2005@yahoo.com.br Resumo: Este

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ.

RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. RELATÓRIO DA PESQUISA DA QUALIDADE DE VIDA NA CIDADE DE ARACRUZ. Apresentação Este relatório contém os resultados da 1ª pesquisa de Qualidade de Vida na cidade de Aracruz solicitada pela FACE. O objetivo

Leia mais

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO

A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO A IMAGEM NA SALA DE AULA: UMA PROPOSTA DE PROJETO DE TRABALHO Gabriela Gonçalves da Silva 1 Jonney Gomes de Freitas Abreu 2 Marielli Gomes Mendonça 3 Mônica Mitchell de Morais Braga 4 Murilo Raphael Dias

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das necessidades por um consumo de imagens e valores agora

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Este cordel pode ser distribuído e modificado, desde que você respeite a licença Creative Commons Atribuição Compartilhamento pela Mesma Licença. Ou seja, você

Leia mais

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas.

IPHAE. II Caracterização da área de entorno do bem tombado : características urbanas. IPHAE SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO ESTADO Av. Borges de Medeiros, 1501, 21º andar- Porto Alegre-RS - Cep:90110-150 Fone/Fax: (051)3225.3176 e-mail: iphae@via-rs.net

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL

lugares URBANOS PAPELERACULTURAL lugares URBANOS PAPELERACULTURAL O PROJETO Este projeto pretende revelar os legados das diversas intervenções urbanísticas pelas quais passou a região metropolitana do Rio de Janeiro. São prédios, casarões,

Leia mais

comunicação visual para a

comunicação visual para a projetos de design e comunicação visual para a cidade contemporânea solange de oliveira patrícia a. nascimento sheila nicolini neto orgel ramos júnior estudo de casos Parque das Nações (Lisboa); Estação

Leia mais

Barroco Local / Espaço, Versalhes

Barroco Local / Espaço, Versalhes Barroco Local / Espaço, Versalhes O local Os palcos: a corte, a igreja, a academia O palco no reinado de Luís XIV Os palcos : a Corte, a Igreja e a Academia. A morada do rei - A Corte - tornou-se por isso

Leia mais

Um conceito de shopping que oferece perfeita harmonia, estilo, conforto e variedade.

Um conceito de shopping que oferece perfeita harmonia, estilo, conforto e variedade. Um conceito de shopping que oferece perfeita harmonia, estilo, conforto e variedade. Pioneiro na região de Jacarepaguá O RioShopping é o primeiro empreendimento comercial de grande porte da região. Possui

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas

Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas SP-URBANISMO Projeto Nova Luz Visão e Diretrizes Urbanísticas Novembro 2010 ANTECEDENTES Determinação da Administração desde 2005 de transformar e desenvolver a área Ações multisetoriais: saúde, social,

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

design arquitetura tendência

design arquitetura tendência design arquitetura tendência HOME office mall Lindóia Lindóia ( ) A Melnick Even apresenta mais um produto da linha (HOM), baseado em um conceito inovador: o Mixed Use. Considerados uma solução de grande

Leia mais

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores.

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Equipamento para Observação Didática e Análise da Influência da Temperatura de Cor sobre as Cores. 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Mude seu ponto de vista sobre como morar

Mude seu ponto de vista sobre como morar Mude seu ponto de vista sobre como morar De tempos em tempos a humanidade descobre uma nova perspectiva de vida. A mente cria desejos. Desejos que abrem espaços. Espaços que se transformam em novos enfoques.

Leia mais

P O R T O M A R A V I L H A

P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A P O R T O M A R A V I L H A Porto do Rio Zona Portuária Hoje Da fundação aos dias de hoje Oficialmente, o Porto do Rio de Janeiro foi inaugurado em 1910, o que impulsionou o

Leia mais

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011

Relatório da Visita da Comissão ao. Museu Nacional UFRJ. 5 de agosto de 2011 Relatório da Visita da Comissão ao Museu Nacional UFRJ 5 de agosto de 2011 Bruno de Cerqueira Luiz da Motta Recepção Fomos recebidos de maneira extremamente cordial pela diretora do Museu Nacional, Profª.

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO TFG CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O presente instrumento regulamenta o Trabalho Final

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A.

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Será que nós podemos viver melhor nas cidades? Com mais tempo para nossas famílias; com menos stress, com menos doenças e mais saúde; com mais produtividade;

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais