OS CONDOMINIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS E AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM DO MORRO DO IMPERADOR EM JUIZ DE FORA/MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS CONDOMINIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS E AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM DO MORRO DO IMPERADOR EM JUIZ DE FORA/MG"

Transcrição

1 OS CONDOMINIOS RESIDENCIAIS HORIZONTAIS E AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM DO MORRO DO IMPERADOR EM JUIZ DE FORA/MG Nelson Paes Leme Domingues de Araújo Geógrafo, especialista em Gestão Ambiental e mestrando em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal Fluminense. Resumo O presente trabalho mostra como os agentes sociais de uma cidade podem organizar e transformar o espaço urbano e suas paisagens de acordo com seus interesses. Essas transformações criam novos valores para os imóveis de determinado setor e podem trazer inúmeros impactos ambientais, quando não é respeitada a legislação ambiental em cada área em que estão inseridas. O estudo de caso escolhido mostra as transformações na paisagem do Morro do Imperador, em Juiz de Fora e os impactos ambientais causados pela proliferação dos condomínios residenciais horizontais na região. Palavras chaves: Paisagem, Impactos Ambientais e Condomínios Residenciais.

2 Introdução Ao longo da história da humanidade o homem vem transformando a paisagem do espaço terrestre com a finalidade de organizá-lo. Com a evolução das tecnologias, o meio natural passou a ser modelado pelo homem. Milton Santos (2002) já afirmava que o meio natural está ficando cada vez mais técnico. As transformações da paisagem da superfície da Terra podem ser observadas na maior parte do mundo e nos mais diversos tipos de organizações sociais. Ocorre tanto em áreas rurais como em áreas urbanas. Porém, é no espaço das cidades onde são observadas as maiores modificações, pois sobre este é que acontece a maior concentração das atividades humanas. Para o geógrafo Roberto Lobato Corrêa (1989), o espaço urbano capitalista é fragmentado e articulado, reflexo e condicionante social, cheio de símbolos e campos de luta, ou seja, é um produto social, resultado de ações acumuladas através do tempo, e engendradas por agentes que produzem e consomem espaço. Ao considerar o espaço urbano e, por conseguinte, a transformação de sua paisagem como fruto de um produto social, é importante considerar as ações dos agentes sociais nesse processo de transformação. O arquiteto e urbanista Carlos Nelson Ferreira dos Santos (1988) destaca a importância dos agentes na produção do espaço urbano, comparando a cidade como resultante de um jogo de cartas. Ele defende a idéia de que o ideal seria fazer com que toda a população dominasse as regras básicas de conformação da sua cidade. Portanto, as modificações na paisagem estão relacionadas à maneira com que os agentes sociais organizam o espaço. Sendo assim, à mudança desses agentes segundo as intervenções antrópicas, pode corresponder também uma mudança na forma de organização do espaço. No sistema capitalista os agentes transformam o espaço e a paisagem em função da lógica do mercado, bastante empreendida pelos agentes imobiliários, valorizando e desvalorizando lugares e terrenos de acordo com os interesses dos agentes dominantes. O crescimento dos centros urbanos também traz relevantes conseqüências para a transformação e organização de seus espaços, além de alterar a maneira de como a população se apropria desse espaço. Nos países em desenvolvimento como o Brasil o processo de aglomeração urbana e crescimento das cidades vem acompanhado de problemas, como violência e poluição; percebe-se, em contrapartida, o aumento pela busca da qualidade de vida em diferentes escalas desses aglomerados.

3 Para fugir dos problemas causados pelo desenvolvimento insustentável das cidades, muitas pessoas, principalmente aquelas com renda mais elevada, procuram por moradias mais afastadas desses centros, com o desejo de contar com mais segurança e conviver mais próximos às áreas verdes. Surgem assim os condomínios residenciais, uma nova proposta de se morar; vende-se agora um novo estilo de vida, mais saudável, em contato com a natureza, com conforto e a segurança pretendida. Tal fato pode ser observado em várias cidades brasileiras. Mas esses condomínios, como toda construção, transformam a paisagem local e, muitas vezes, geram grandes impactos ambientais, pelo fato de muitos não respeitaram as leis de proteção ambiental e de uso e ocupação do solo, e devido à falta de planejamento paisagístico e urbanístico, virando, por vezes, uma espécie de favelas de luxo. O termo se dá uma vez que encontramos um aglomerado de casas luxuosas que descaracteriza a paisagem local, impermeabiliza o solo, modifica o relevo e destrói quase toda a cobertura vegetal da área, afastando, assim, a possibilidade de resposta adequada, sustentável, na busca pela qualidade de vida, tanto procurada por seus moradores. Este trabalho procura contribuir para o entendimento sobre a transformação da paisagem, quando da criação e proliferação de condomínios residenciais, destacando as alterações ocorridas no Morro do Imperador, em Juiz de Fora, Minas Gerais, onde as construções desses condomínios causam sérios impactos ambientais, pois a maioria de suas localizações se situa em topos de morros, em outras áreas de preservação permanente e em áreas de preservação ambiental ou próxima a elas. Condomínios no Brasil Os processos sociais acontecem com clareza nas cidades capitalistas, devido ao acúmulo de capital e da reprodução social no espaço. CORRÊA (1989) acredita que esses processos propiciam a criação de funções e formas espaciais, constituindo, assim, a distribuição e a organização espacial urbana. São esses processos sociais, como o da urbanização, que transformam a paisagem de um determinado local, de acordo com o interesse dos atores sociais envolvidos. Podemos observar uma mudança no processo de urbanização brasileira que começou a partir da década de 1970, primeiramente nas áreas metropolitanas e, posteriormente, nas cidades de médio porte. É relevante a observação que essas

4 transformações advêm, principalmente, de processos sociais que impulsionam as transformações físicas. Segundo Nestor Goulart Reis (2006), essas mudanças se dão, entre outros, devido, aos seguintes fenômenos: - a formação de áreas de urbanização dispersa, que se entende por esse vasto território, separada no espaço, mas mantendo estreitos vínculos entre si, como partes de um único sistema (urbano); - a adoção de novos modos de vida pela população, que adquire maior mobilidade; - a adoção de novas mobilidades de gestão do espaço urbano, com formas condominiais diversificadas, com loteamentos fechados, nos condomínios horizontais para residências ou fábricas e nos projetos de desenvolvimento urbano de maior porte, como de Alphaville ou Riveira de São Lourenço (SP); - novas formas de organização do mercado imobiliário, com o surgimento de empreendimento de usos múltiplos, que reúne residências, comércio, lazer, ensino, indústria e escritórios. (2006, p.12) Com essas mudanças surgiram novas formas de uso do espaço, em áreas de expansão e de renovação do tecido urbano. Nestor Goulart Reis identifica essas áreas com a apresentação de características antes inexistentes, tais como: - Área com freqüência isolada do tecido urbano tradicional; - Empreendimentos que não incluem apenas loteamentos, mas também espaços coletivos, infra-estrutura, serviços e edificações; - Empreendimentos complexos com tratamento urbanístico, em boa parte, dos padrões do urbanismo moderno; - Ocorrência, muitas vezes, na periferia das cidades; - Atendimento na maior parte dos empreendimentos a múltiplas finalidades, incluindo residências, escritórios, indústrias, lazer, comércio e serviços diversos; - Substituição da gestão pública pela privada. Com esse novo processo de urbanização temos destaque para os condomínios residenciais que começaram a proliferar de forma mais significativa a partir dos anos 1990.

5 O sucesso dos condomínios residenciais se deve ao crescimento dos centros urbanos e de seus problemas, como, entre tantos, o aumento da poluição e o crescimento econômico desigual, que têm como conseqüência o crescimento do desemprego, da violência e da marginalização nesses centros urbanos. Com o quadro presente na maioria das cidades grandes e de porte médio no Brasil, pessoas com maiores poderes aquisitivos procuraram formas de morar em locais onde a qualidade de vida e a segurança fosse o principal requisito. Aproveitando esses anseios, os empreendedores imobiliários passaram a vender não somente lotes, casa e apartamentos, mas sim um estilo de vida que tem como base o contato com a natureza e o conceito de comunidade e unidade de vizinhança, que segundo Nestor Goulart Reis, são as base desses grandes projetos urbanísticos. Segundo LEITÃO (1999): Esses empreendimentos, de acordo com informes publicitários se propunham a resgatar a qualidade de vida comprometida pelo crescimento urbano desordenado, criando um novo modo de viver. (1999, p.83) Como exemplos desses empreendimentos no Brasil, podemos destacar, além dos exemplos citados - o Alphaville na periferia de São Paulo e o Riviera de São Lourenço em Bertioga - os conjuntos da Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Com o crescimento desse tipo de empreendimentos, surge uma preocupação com a transformação da paisagem e, conseqüentemente, com a degradação ambiental dos locais onde estão inseridos, pois os espaços são de uso coletivo, mas de propriedade privada. Ainda segundo Nestor Goulart Reis (2006): As normas de preservação não podem ser alteradas pelos proprietários isoladamente, pelas câmaras de vereadores ou por omissão de funcionários das prefeituras, uma vez que são objeto de contratos de direito privado, no momento da compra do imóvel. A conclusão possível é que as normas prevalecem quando há interesse dos próprios moradores (condôminos). (2006, p.151)

6 Assim, mesmo os empreendimentos oferecendo normas para o direito de construir e para a preservação ambiental, sua preservação fica atrelada à vontade dos proprietários. Condomínios em Juiz de Fora/MG O município de Juiz de Fora está localizado na Zona da Mata Mineira, na Bacia do rio Paraíba do Sul. Com a população estimada em mais de 513 mil habitantes, de acordo com o Censo Demográfico do IBGE (2000), ele possui uma área de 1437 km², sendo aproximadamente 400 km² de área urbana. Pertencente à Região Mantiqueira Setentrional, Juiz de Fora se insere na Unidade Serrana da mencionada Zona da Mata Mineira, tendo como característica o relevo ondulado, apresentando grandes variações de altitude, próximas a m nos pontos mais elevados, 670 a 750 m no fundo do vale do rio Paraibuna e níveis médios em torno de 800 m, de acordo com o Plano Diretor (1996). O clima da cidade é classificado como o tropical de altitude, que apresenta duas estações bem definidas: o período de verão brando ou moderadamente quente, destacado pela concentração de chuvas, com temperaturas médias em torno de 22ºC e o período de inverno frio e com estiagem, com temperaturas médias em torno de 16ºC. Favorece, assim, a formação da Floresta Estacional Semidecidual Montona, como vegetação original. Quanto à hidrografia, de acordo com o Plano Diretor (1996), a cidade está contida na bacia do Médio Paraibuna, tendo como afluentes principais os rios do Peixe e Cágado e pertencente à bacia do rio Paraíba do Sul. O Perímetro Urbano é drenado por 156 sub-bacias de diversas dimensões. O município de Juiz de Fora mantém seu destaque econômico no setor terciário. Com destaque para os serviços ligados à área de educação, segundo CREMONESE (2007) contamos com um universo composto por treze instituições de ensino superior, sendo a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) a única instituição pública nesse nível. Devido aos processos históricos e de localização geográfica, somada ao destaque do setor terciário na região, principalmente em relação ao comércio local e aos serviços nas áreas de educação e saúde, Juiz de Fora continua na posição de cidade pólo da Zona da Mata Mineira, influenciando também as cidades fluminenses mais próximas à divisa estadual.

7 Como a maioria das cidades de porte médio brasileiras, Juiz de Fora também sofreu as conseqüências do crescimento urbano e econômico. E, por conseguinte, os condomínios residenciais foram às soluções encontradas por muitas famílias de classe alta e média, para melhorarem sua qualidade de vida e segurança. Os primeiros condomínios em Juiz de Fora surgiram nos anos 1970, mas somente na década de 1990 os lotes vazios começaram a dar lugar às primeiras residências. Pela proximidade da capital fluminense e pelo histórico da cidade, sempre houve uma grande influência do Rio de Janeiro sobre Juiz de Fora. Isso explica o fato dos condomínios residenciais começarem a aparecer com freqüência a partir dos anos 1990 na cidade, uma vez que neste período ocorreu o boom dos condomínios na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Assim como os empreendedores da Barra da Tijuca, os empreendedores de Juiz de Fora também vendiam um novo estilo de vida, em contato com a natureza e com segurança para os juizforanos de classe alta e média, uma vez que os condomínios se localizam, conforme foi mencionado, mais afastado do centro da cidade e próximo à áreas de preservação ambiental. Mas os condomínios de Juiz de Fora possuem uma característica que os diferem dos condomínios da Barra da Tijuca. Na cidade mineira esses empreendimentos são horizontais e não possuem serviços de comércio, clubes, escolas etc. Estes empreendimentos estão instalados entre 1 e 8 kms de raio do centro urbano de Juiz de Fora. Normalmente, um loteamento-padrão tem acima de dez casas com área construída de 100 m² em média. A parte residencial é fechada por muros ou grades de 3 a 5 metros de altura. Sobre muros e cercas há cacos de vidro ou fios elétricos. Câmeras e guardas vigiam os limites da propriedade. Existe pelo menos uma portaria munida de guarita, cancela ou portão. Os seguranças ficam em contato por interfone com cada uma das casas, como nos edifícios residenciais. Nos condomínios fechados, é possível de se encontrar toda uma infra-estrutura de lazer: são quadras esportivas, salão de festas, piscinas, churrasqueira, pista de corrida e sauna. Existem também jardineiros e outros funcionários que cuidam da manutenção e seguranças motorizados. Em alguns casos, os próprios moradores se organizam para criar mais serviços. (Souza, 2003 p. 61)

8 Figura 1: Condomínio em Juiz de Fora Foto: Do autor (2007) Até o final da década de 1990 a maioria dos condomínios de Juiz de Fora se localizava na Zona Oeste da cidade que, de acordo com o Plano Diretor de 1996, é a área de expansão urbana do município. Segundo o Plano Diretor de Juiz de Fora, 1996: O Setor Urbano Oeste da cidade apresenta-se como área de expansão urbana, ou seja, representa uma área urbana que compreende espaços predominantemente vazios e pouco adensados. Este setor é fruto de uma orientação que encontra seu principal marco na implantação da Av. Independência, na década de O acentuado desnível do relevo em relação ao centro da cidade lhe conferiu a determinação de Cidade Alta. O setor caracteriza-se por uma ocupação horizontalizada, alastrada pela totalidade do território, com predominância de residências unifamiliares de, no máximo, dois andares. O caráter dos bairros contido neste setor é predominantemente residencial.

9 Figura 2: Setor Oeste de Juiz de Fora. Fonte: SOUZA, A ocupação do Setor Oeste da cidade é facilitada pela disponibilidade de água, devido à represa de São Pedro que abastece a região e a disponibilidade de área plana, mesmo se tratando de uma área topograficamente mais alta em relação ao centro de Juiz de Fora; daí a denominação Cidade Alta. O interesse da população de renda mais elevada pelo Setor Oeste da cidade é impulsionado pelos equipamentos de lazer que a região oferece para a cidade, além das áreas verdes e do Campos da Universidade Federal de Juiz de Fora, no Setor Oeste ainda se encontram alguns clubes campestres, o aeroporto, o marco paisagístico constituído pelo próprio Morro do Imperador e seu Mirante e as cachoeiras do Córrego São Pedro. Os condomínios em Juiz de Fora e as transformações na paisagem do Morro do Imperador Criada pela Lei Federal 9985/2000, as Unidades de Conservação de Juiz de Fora, que são classificadas de acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação SNUC são: Reserva Biológica Municipal do Poço D'Anta, Parque Municipal da Lajinha, Área de Proteção Ambiental Mata do Krambeck, Particular do Patrimônio Natural Vale de Salvaterra, Florestas Municipais que atualmente são 11 (onze).

10 Juiz de Fora também possui algumas áreas tombadas: O Morro do Cristo, o Parque Halfeld e o Parque do Museu Mariano Procópio, que segundo a AGENDA JF, órgão responsável por atuar na proteção, conservação e promoção do meio ambiente no município são áreas protegidas por lei, mas que não possuem uma categoria de manejo específica, de acordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), mas foram tombadas devido ao seu aspecto cênico e paisagístico. Muitos dos condomínios residenciais que surgiram em Juiz de Fora na década de 1990 localizam-se no Morro do Cristo também conhecido como Morro do Imperador. Tombado pelo Poder Público nos decretos municipais 4312/90 e 4355/93, por exercer importante função paisagística, representativa do padrão e relevo do Município, o Morro do Cristo, com uma área aproximadamente 78 há, foi e ainda é alvo das ações de empreendedores imobiliários. Figura 3: Condomínios no Morro do Imperador Fonte: Google Earth (2007) A importância paisagística do Morro do Imperador para Juiz de Fora é de tal grandeza que em 1998 foi criada por lei uma Zona especial no seu entorno. A lei diz o seguinte: LEI Nº de 15 de janeiro de 1998: Cria Zona Especial na área resultante do entorno do "Morro do Imperador", acrescida da área compreendida entre o Parque Halfeld e o Morro do Imperador. A Câmara Municipal de Juiz de Fora aprova e eu sanciono a seguinte Lei:

11 Art.1º - Fica definida como Zona Especial, de acordo com o art. 11 da Lei nº6910, de 31 de maio de 1986, a área de vizinhança do "Morro do Imperador", tombado nos termos do Decreto nº4312, de 24 de maio de 1990, alterado pelo Decreto nº 4355, de 17 de agosto de 1990, e a respectiva visibilidade, referida no Decreto nº4223 de 10 de novembro de 1989, que "Dispõe Sobre o Tombamento do Parque Halfeld". Art.2º - A Zona Especial fica subdividida nos Setores 1,2,3,4 e 5, este último subdividido em Sub-setores "A" e "B", delimitados em planta conforme anexo I e memorial descrito de acordo com o anexo II. Art.3º - O Setor 1 passa a ser considerado área "non aedificandi", sendo vedado o seu parcelamento. Parágrafo Único - A área abrangida pelo Setor 1 será objeto de projeto para correção do processo de erosão existente e de estudo paisagístico, visando a integração com área tombada. Art.4º - No setor 2 só será permitida a construção de edificações de até 02 (dois) pavimentos e altura igual a 8,00 (oito metros), altura esta medida a partir do ponto mais alto do meio-fio, na linha de testada do terreno até o plano transversal correspondente a última laje (forro) ou cobertura de edificação, não se considerando telhados sobre lajes de forro, caixas d'àgua, casa de máquinas e assemelhados, com faixa "non aedificandi" de 25% da propriedade total do terreno, permeável, vedado o corte de árvores. Art.5º - No Setor 3, a altura das edificações não poderá ultrapassar a 9,00 m (nove metros), altura esta medida a partir do ponto mais alto do meio-fio, na linha de testada do terreno até o plano transversal correspondente ao último elemento construtivo. Parágrafo Único - Os projetos serão previamente apreciados e analisados pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento - IPPLAN, através de seus diversos órgãos e/ou comissões, no âmbito das respectivas atribuições. Art.6º - Vetado. Art.7º - O Setor 5, que corresponde à área de vizinhança pertencente à UTI, será subdividido nos Sub-setores "A"e "B". 1º - As edificações a serem construídas no Subsetor "A", terão até 04 (quatro) pavimentos e altura máxima igual a 11,70 (onze metros e setenta centímetros), altura esta medida a partir do ponto

12 mais alto do meio-fio, na linha de testada do terreno até o plano transversal que contém o ponto mais alto da edificação. 2º - As edificações a serem construídas no Subsetor "B" terão até 06 (seis) pavimentos e altura máxima igual a 17,10 (dezessete metros e dez centímetros), altura esta medida a partir do ponto mais alto do meio-fio, na linha de testada do terreno até o plano transversal que contém o ponto mais alto da edificação. 3º - Não poderá ser utilizado o espaço sobre a laje do 4º (quarto) pavimento, conforme estabelece o 1º deste artigo, e nem, a do 6º (sexto) pavimento, de acordo com o previsto no 2º do mesmo artigo. Art.8º - Será exigido projeto paisagístico relativo às áreas abrangidas pelos setores de 1 a 4, incluindo, no mínimo, soluções para correção do processo de erosão, se verificado, assim, como reflorestamento destas áreas com espécies existentes ou de garantida adaptação ao local. Art.9º - Será observada, também no que couber, ou no que esta Lei se omitir, a legislação de Uso e Ocupação do Solo vigente. Art.10º - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Paço da Prefeitura de Juiz de Fora, 15 de janeiro de a) TARCÍSIO DELGADO - Prefeito de Juiz de Fora a) GERALDO MAJELA GUEDES - Secretário Municipal de Administração. Sabemos que o consumo do espaço está relacionado com a lógica do mercado. Assim, o Morro do Cristo, por possuir beleza cênica e paisagística e sendo envolvido pela Mata Atlântica, virou objeto de especulação imobiliária em Juiz de Fora. Com a necessidade de explorar o Morro do Cristo, percebe-se o desrespeito ao Código Florestal (Lei Federal nº 4771/65) que estabelece proibições de corte de vegetação nos topos dos morros (terço superior), nas declividades muito acentuadas (superiores a 45 graus). O não cumprimento do Código Florestal traz danos ambientais para o município, como alerta o Plano Diretor (1996):

13 Os desmatamentos e movimentos de terra são responsáveis pela reativação dos processos morfodinâmicos naturais. Já os deslizamentos e escorregamentos, agravados nos períodos de chuvas intensas e a forte erosão contribui para acelerar a instabilidade do relevo, sendo mais intensa a atuação da erosão laminar, presente extensivamente nas áreas não urbanizadas. Com a criação dos condomínios residenciais, vem ocorrendo transformações na paisagem da área. Com isso, a vegetação original do topo dos morros vem aos poucos sendo substituída por loteamentos com infra-estrutura urbana e por casas luxuosas, que descaracterizam a paisagem local. Figura 4: Construção de condomínio Foto: Do autor (2007) Em muitos casos, principalmente em locais onde se encontra o relevo mais ondulado, esses novos empreendimentos necessitam de movimentação de terra para implantar sua ocupação ou para aumentar o número de lotes, fato que gera grande impacto ambiental, pois o material solto é arrastado pelas chuvas para o leito dos córregos gerando assoreamento. Essa amontoação de areias ou terras nos córregos diminui a sua capacidade de receber águas pluviais e diminuem sua velocidade de escoamento, podendo causar inundações nas localidades próximas aos córregos.

14 Assim, além de transformar a paisagem do Morro do Imperador, os condomínios residenciais horizontais também causam diversos impactos ambientais no Setor Oeste de Juiz de Fora, principalmente no córrego de São Pedro e na Represa de São Pedro, responsável por abastecer parte da cidade, devido à falta de tratamento de efluentes e a degradação da mata ciliar, pode ser observado o assoreamento da represa e do córrego e a poluição de suas águas. De acordo com o Plano Diretor (1996): O desequilíbrio das vertentes pode ser visualizado pelos elevados índices de movimentos de massa, principalmente em solos, além de processos erosivos tanto laminares como de escoamento concentrado. Figura 5: Córrego de São Pedro Fonte: Do autor (2007) Além dos impactos já citados, a existência de um relevo cujos desníveis topográficos alcançam mais de 200 metros, associadas aos fatores antrópicos causados pela intensa urbanização, produz microclimas diferenciados dentro do próprio perímetro urbano. Segundo o departamento de climatologia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) já foi registrado diferenças de temperatura de até 11º C em diferentes pontos da cidade. Considerações Finais Foi comprovado ao longo do trabalho que no sistema capitalista os agentes transformam o espaço e a paisagem de acordo com a lógica do mercado. Assim,

15 essas transformações se relacionam com a maneira através da qual o espaço urbano é organizado pelos seus agentes sociais. A criação dos condomínios residenciais no Morro do Imperador em Juiz de Fora é um exemplo de como os atores sociais atuam, transformando e dando valor de mercado para determinado espaço. Mesmo com as transformações na paisagem natural, essas ações sobre o espaço podem valorizar a área no ponto de vista mercadológico, criando assim uma especulação imobiliária no local e atraindo consumidores desse espaço. Muitas vezes, essas ações são prejudiciais para a localidade se transformar em um habitat sadio e garantir sua vitalidade (uma das cinco dimensões básicas para a boa forma da cidade, segundo Lynch), trazendo para a população sustentação. A degradação ambiental causada pelos condomínios residenciais em Juiz de Fora traz para a população perda na qualidade de vida e no conforto ambiental nos próprios condomínios e em sua proximidade, uma vez que a impermeabilização do solo, a poluição, o desmatamento e modificações no relevo modificam o micro-clima local, prejudicando a qualidade ambiental da região. É preciso, portanto, uma melhor estruturação dos anseios de conceber um modelo de ocupação que atenda às necessidades (ou luxos) das populações de alta renda, de maneira a criar novas possibilidades para o modelo, tendo como referência as formas de como esses condomínios têm sido construídos em Juiz de Fora, em muitos momentos, não respeitando a declividade correta, o comprimento de rampa, a topografia, a vegetação etc. Segundo Carlos Nelson Ferreira dos Santos (1988), o perímetro urbano não deve seguir modelos, dependerá de cada caso. Os condicionantes naturais devem ser observados com cuidado, pois apontam as direções lógicas por meio das quais podem ou não prosseguir o processo de urbanização. Assim, na construção dos condomínios, as áreas protegidas por leis deveriam ser de fato respeitadas, e determinado o potencial de desenvolvimento de cada lugar. Para minimizar esses problemas, muitas vezes gerado pelo interesse de algum grupo econômico, é necessário consonância das leis ambientais e de uso e ocupação do solo, respeitando, assim os limites das áreas de proteção ambiental. Tal como, maior fiscalização e seriedade dos órgãos responsáveis por liberar certos empreendimentos.

16 Referências Bibliográficas Lei Federal nº 4771/65. Código Florestal CORRÊA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. São Paulo: Ática, CREMONESE, Matheus Machado. A Segragação Sócio-Espacial em Juiz de Fora MG: Estudo de Caso do Loteamento Popular Jardim Cachoeira. Juiz de Fora. UFJF, Lei Municipal de Juiz de Fora Nº de 15 de janeiro de LEITÃO, Gerônimo. A Construção do Eldorado Urbano: O Plano Piloto da Barra da Tijuca e da Baixada de Jacarepaguá 1970/1988. Niterói: EDUFF, LYNCH, Kevin. La Buena Forma de La Ciudad. Barcelona. Gustavo Gilli, Coleccion Arquitetura Perspectiva, MARX, Roberto Burle. Arte e paisagem: conferências escolhidas. Rio de Janeiro: Nobel, Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, Plano Diretor de Juiz De Fora: Diagnóstico. Juiz de Fora: CONCORDE, , Plano Diretor De Juiz de Fora: Prognósticos. Juiz de Fora: CONCORDE, , Relatório de Visita aos Loteamentos Fechados. Juiz de Fora: REIS, Nestor Goulart. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, REZENDE, Vera; LEITÃO Gerônimo. O Plano Piloto para a Barra da Tijuca e Baixada de Jacarepaguá: Intenções e Realizações Após três Décadas. Niterói: UFF, SANTOS, Carlos Nelson Ferreira. A Cidade Como um Jogo de Cartas. Niterói: EDUFF, SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, SECRETARIA MUNICIAPAL DE ATIVIDADES URBANAS. ANUÁRIO ESTATÍSTICO. UFJF, 2001.

17 SOUZA, Renata Schetino. Expansão Urbana e Degradação Ambiental O Caso do Setor Urbano Oeste do Município de Juiz De Fora MG. Juiz de Fora; UFJF

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E SOLO USOS PERMITI PERMISSÍVEL PROIBI Habitação unifamiliar uma por lote Comércio e serviço vicinal de pequeno porte 1 e 2 Comércio e serviço de bairro Comunitário

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares

LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares LEI 1620 DE 23.10.1997 Define disposições relativas à aprovação de edificações residenciais unifamiliares Lei 1620/1997 - Secretaria de Urbanismo e Controle Urbano - www.urbanismo.niteroi.rj.gov.br 0 Lei

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Laudo Técnico Ambiental

Laudo Técnico Ambiental E-MAIL: tnm_1984@hotmail.com Laudo Técnico Ambiental Atendimento a Notificação Nº 104/2013 Laudo Anual para Atender as exigências da Lei nº 4.123 de 04 de maio de 2007. Ano de referência: 2012 Valinhos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 408, DE 2012 Altera a Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979, que dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências, para alargar a faixa não

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA DENOMINAÇÃO: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL BOUGAINVILLEA FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

DECRETO Nº 7.643 de 10 de junho de 2005.

DECRETO Nº 7.643 de 10 de junho de 2005. DECRETO Nº 7.643 de 10 de junho de 2005. Dispõe sobre as competências, a estrutura básica e o Quadro de Lotação de Cargos Comissionados da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo - SEMURB, e

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref.

Santo André, 26 de agosto de 2014. À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana. Ref. Santo André, 26 de agosto de 2014 À Prefeitura Municipal de Santo André Conselho Municipal de Política Urbana Ref.: Revisão da LUOPS O SINDUSCON-SP Sindicato da Industria da Construção Civil do Estado

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável;

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável; Instrução n. 22/2007 Visa garantir nos imóveis, Área Livre de qualquer intervenção, permeável, passível de arborização e dá outras providências. atribuições legais, O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito.

O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco, Camilo, Aurélia e Tito. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O condomínio La Dolce VIta Vila Romana, está situado em um terreno de 10.153,29 m², situado entre as Ruas Espártaco,

Leia mais

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo:

2. (Espcex (Aman) 2013) Com relação às regiões metropolitanas (RM) no Brasil, leia as afirmativas abaixo: 1. (Fuvest 2013) Observe os gráficos. Com base nos gráficos e em seus conhecimentos, assinale a alternativa correta. a) Em função de políticas de reforma agrária levadas a cabo no Norte do país, durante

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 208, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº 208, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº 208, DE 2015 Autoriza o Poder Executivo a desapropriar, para fins ambientais e culturais, terreno para incorporação ao "Parque Burle Marx", na Capital do Estado. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO MUNICIPIO DE ITIQUIRA PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE TURISMO E MEIO AMBIENTE

ESTADO DE MATO GROSSO MUNICIPIO DE ITIQUIRA PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE TURISMO E MEIO AMBIENTE LEI Nº. 535 de 07 de Abril de 2005. Institui o Plano Diretor Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório do Aproveitamento Hidroelétrico de Ponte de Pedra, localizado nos Municípios de Itiquira,

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14

FLUXO LICENCIAMENTO DE GRANDES EMPREENDIMENTOS À LUZ DAS LEIS 13.885/04 E 16.050/14 PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO I SEL SECRETARIA EXECUTIVA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS I SEC MANUAL DE EMPREENDIMENTOS DE GRANDE PORTE nr1 nr2 nr3 SÃO PAULO 2014 EMPREENDIMENTOS

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 INSTITUI A PLANTA GENÉRICA DE VALORES DO MUNICÍPIO DEFINE CRITÉRIOS PARA LANÇAMENTO DO IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP

MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP 361 MORFOLOGIA URBANA DAS ÁREAS DE FUNDO DE VALE DO CÓRREGO DO VEADO EM PRESIDENTE PRUDENTE, SP Andressa Mastroldi Ferrarezi, Arlete Maria Francisco Curso de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Planejamento,

Leia mais

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A.

Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Luiz Augusto Pereira de Almeida Sobloco Construtora S.A. Será que nós podemos viver melhor nas cidades? Com mais tempo para nossas famílias; com menos stress, com menos doenças e mais saúde; com mais produtividade;

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO LEI COMPLEME TAR º 203, DE 17 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta os usos admitidos e índices urbanísticos da Área de Urbanização de Interesse Turístico - AUIT do município de Palmas seguinte Lei: O PREFEITO

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos

LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA. Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos LEGISLAÇÃO FLORESTAL APLICADA Docentes Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Eng. Agr. Renata Inês Ramos Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado de São Paulo Artigo 1º

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU

Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Planejamento Urbano e a Dinâmica da Cidade Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria de Urbanismo - SMU Dinâmica do Licenciamento Evolução da Área Licenciada 1980-2011 5,3 mil Evolução da Área

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015

LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 LEI Nº. 715/2015, DE 30 DE ABRIL DE 2015 Regulariza áreas públicas municipais ocupadas para fins de moradia e estabelece diretrizes para concessão de outorga para uso especial e dá outras providências.

Leia mais

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2

6 - Áreas de Influência... 1. 6.1 - Delimitação das Áreas de Influência... 2. 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 Índice 6 -... 1 6.1 - Delimitação das... 2 6.1.1 - Área de Influência Direta (AID)... 2 6.1.2 - Área de Influência Indireta (AII)... 2 Índice de Quadros Quadro 1 - Lista dos Municípios da Área de Influência

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE DOM PEDRO II UFJF Faculdade de Engenharia - Dep. de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Projeto VIII Prof: Luciane Tasca Grupo: Jeanny Vieira, Livia Cosentino, Marília

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992

SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992 SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA Nº 12 DE 11 DE NOVEMBRO DE 1992 O Conselho Municipal do Meio Ambiente COMAM, no uso das atribuições

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais