Grupo de Trabalho para a Revisão das Normas de Auditoria Conclusão da Primeira Fase

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo de Trabalho para a Revisão das Normas de Auditoria Conclusão da Primeira Fase"

Transcrição

1 BOLETIM da CRAC No. 38 Julho de 2014 (Não destinado a venda) Revisão das Normas Grupo de Trabalho para a Revisão das Normas de Auditoria Conclusão da Primeira Fase Entre os meses de Abril e Maio de 2014, o grupo de trabalho responsável pela revisão das Normas de Auditoria concluiu o correspondente trabalho de pesquisa relativo às normas internacionais, e apresentou as propostas de revisão à CRAC. Estas propostas incidem principalmente sobre os conflitos existentes entre aquelas normas internacionais e a legislação de Macau, tendo ainda sido considerados elementos de natureza prática. A CRAC irá organizar e estudar as propostas de revisão apresentadas pelo grupo de trabalho, antes de definir o Plano de Elaboração das Normas de Auditoria de Macau. A comissão tenciona colher junto do sector contabilístico opiniões e comentários sobre o mencionado Plano. Enquanto isso, a CRAC encontra-se empenhadamente a tentar obter, junto da respectiva organização internacional, a tradução das normas em língua chinesa e portuguesa. Reunião da CAPA Continente Asiático Reforça o seu Poder de Diálogo no Seio do Sector Contabilístico Mundial Uma delegação da CRAC participou, a convite, na Reunião do Conselho da Confederação de Contabilistas da Á sia e do Pacífico (CAPA, na sigla inglesa) que teve lugar em Negombo, no Sri Lanka, nos passados dias 22 e 23 de Maio de Participaram na referida reunião diversos delegados em representação de diferentes países, tais como Liang LiQun, Secretário-Geral Adjunto do Instituto Chinês de Contabilistas Registados (CICPA, na sigla inglesa) e Liang Jing, representante do CICPA no Conselho da CAPA. Estiveram ainda presentes membros do sector contabilístico em representação da Austrália, do Reino Unido, do Canadá, da Índia, da Coreia do Sul e do Japão, entre outros. Na qualidade de anfitrião, Arjuna Herath, Presidente do Institute of Chartered Accountants of Sri Lanka (CA Sri Lanka), efectuou um breve discurso de apresentação do seus país. O Sri Lanka dispõe de uma área de 65,610 km2 e conta com uma população de cerca de 21 milhões de pessoas, sendo a sua capital Colombo. Relativamente à respectiva economia, o PIB do Sri Lanka é de 60 milhares de milhões de USD, o crescimento do PIB cifra-se em 7%, o rendimento per capita é de 2,800 USD, e a taxa de desemprego é de 4.2%. Os principais sectores de actividade do Sri Lanka contribuem para o PIB nas seguintes percentagens: agricultura 11.2%, indústria 29.3% e serviços 59.5%, tendo-se vindo a registar uma diminuição na dependência do sector tradicional da agricultura. O Sri Lanka exporta essencialmente folhas de chá, têxteis e produtos de plástico, enquanto que as importações se centram em torno do petróleo e de outros produtos. Os desafios económicos que se colocam ao Sri Lanka na actualidade são a elevada taxa de inflação, e a dependência da desvalorização da moeda enquanto estímulo para as exportações, o que originou diversos problemas como os do défice comercial e da dívida pública. O CA Sri Lanka foi fundado em 1959, contando, por isso, com 55 anos de história e 4,300 membros. O CA Sri Lanka é responsável pela emissão de normas de contabilidade, de licenças profissionais, e pelo assegurar das correspondentes tarefas de carácter administrativo. Sujeewa Mudalige (Presidente da CAPA nos anos de 2014 e 2015) é oriundo de Colombo, no Sri Lanka, onde é sócio da PricewaterhouseCoopers Sri Lanka, já tendo exercido o cargo de presidente do CA Sri Lanka. No decurso da reunião foram aprovados diversos assuntos objecto de relato, tendo ainda Sujeewa Mudalige (Presidente) e Brian Blood (Director Executivo) apresentado o relatório do trabalho realizado pela CAPA. Sujeewa Mudalige afirmou que, para a profissão contabilística, a Á sia tem um grande potencial de crescimento, se olharmos para a sua população ou para a escala da sua economia. Devido à globalização, a natureza de muitas empresas modificou-se ao longo dos anos, sendo previsível que o trabalho relacionado com a profissão contabilística irá beneficiar de um notável Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas 1 Julho de 2014

2 desenvolvimento na Á sia. A fim de acompanhar e de evoluir com o avançar dos tempos, e de obter a atenção dos sistemas económicos que são destinatários de serviços, todos os que integram o sector necessitam de se assegurar de que contam com o apoio do sector contabilístico mundial que lhes disponibilizará auxílio e soluções, permitindo-lhes estarem preparados para enfrentar os desafios com que se deparem nesta região. Brian Blood discursou sobre o desenvolvimento económico registado na Á sia após a crise financeira, sendo que, em seu entender, já existem melhorias notórias. Brian Blood prevê que, com o esforço e empenho de todos os profissionais, será ainda possível um maior desenvolvimento. No entanto referiu com entusiasmo -, para que possamos alcançar este objectivo, torna-se necessário que nos preparemos, de modo a que possamos ter um papel e um contributo efectivo no panorama internacional. Brian Blood fez votos para que cada um dos presentes possa contribuir para o esforço conjunto, no sentido de auxiliar os profissionais do sector, tanto do seu país, como de toda a região, a darem um grande passo em frente. Jackie Poirier, da Comissão de Desenvolvimento das Organizações Profissionais de Contabilidade (PAODC, na sigla inglesa) também deu a conhecer algum do trabalho da comissão. A PAODC esforça-se por partilhar informação actualizada sobre questões actuais, assim como por disponibilizar material técnico de formação, por acrescentar ou melhorar a informação que é trocada entre as Organizações Profissionais de Contabilidade (PAO, na sigla inglesa), quer em volume e quantidade, e, em especial, informação relativa a corporate governance, a operações, serviços e responsabilidade. Antes da Reunião do seu Conselho, a CAPA realizou, entre os dias 19 e 21 de Maio, juntamente com o Banco Mundial e a Federação Internacional de Contabilistas (IFAC, na sigla inglesa), uma conferência regional de alto nível sobre Relato Financeiro para o Desenvolvimento Económico, na qual participaram 200 delegados em representação de mais de 20 países. A referida conferência foi organizada pelo CA Sri Lanka. A próxima Reunião do Conselho da CAPA está agendada para os dias 8 e 9 de Novembro de 2014 em Roma, Itália. Paralelamente, realizar-se-á igualmente em Roma, entre os dias 10 e 13 de Novembro de 2014, o Congresso Mundial de Contabilistas (WCOA, na sigla inglesa), organizado pela IFAC. Dados Estatísticos À data de 30 de Junho de 2014, o número de auditores de contas, contabilistas registados, sociedades de auditores de contas e sociedades de contabilistas registados inscritos na Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas era de: Auditores de Contas 113 Contabilistas Registados 170 Sociedade de Auditores de Contas 13 Sociedade de Contabilistas Registados 1 Notícias Sobre Prestação de Provas Prestação de Provas: Concluída a 1. a Época Round I of the licensing examinations for first-time registration and reinstatement of registered auditors, registered accountants/accounting technicians 2014 has successfully taken place at the Cheng Feng Commercial Centre, Alameda Dr. Carlos d Assumpção between May and June. A total of 64 candidates have sat this round of exams (13 candidates sat exam for registered auditors, 51 for registered accountants). Please refer to the table below for statistics for each subject. Os resultados das provas serão em princípio anunciados entre os meses de Julho e Agosto, iniciando-se pouco depois a o período de inscrições na segunda época de prestação de provas. A 2.ª época de prestação de provas terá lugar nos meses de Novembro e Dezembro. Para obter informação actualizada, deverá visitar com regularidade o sítio da internet da CRAC. Alternativamente e para algum esclarecimento, poderá contactar a CRAC telefonicamente. Número de Candidatos Data Matéria Auditores de Contas Contabilistas Registados 24/05/2014 Contabilidade Geral e Financeira / Contabilidade Geral /05/2014 Fiscalidade da RAEM /05/2014 Contabilidade Analítica /06/ 2014 Código Comercial /06/2014 Normas de Auditoria 6 - Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas 2 Julho de 2014

3 Notícias Relacionadas com o CEPA Anúncio Oficial da Lista de Incentivos Fiscais Relativos ao Imposto Complementar de Rendimentos das Empresas de HengQin O Ministério das Finanças, juntamente com a Direcção-Geral dos Impostos, anunciaram, em Março de 2014, a supramencionada lista (No.26 [2014] do Ministério das Finanças), assim como várias políticas relacionadas com o imposto complementar de rendimentos das empresas (ICRE). A lista de incentivos e as referidas políticas serão implementadas entre 1 de Janeiro de 2014 e 31 de Dezembro de De acordo com a referida lista de incentivos, às empresas constituídas na nova região de HengQin que operem num dos sectores ou indústrias incentivadas será aplicada uma taxa reduzida de ICRE de 15%. Dever-se-á notar, todavia, que apenas poderão beneficiar da referida taxa reduzida as empresas que desenvolvam, a título principal, uma das actividades constantes da referida lista, e que cujo rendimento gerado por aquela actividade (principal) corresponda a pelo menos 70% do rendimento global da empresa sendo que por rendimento global se deverá entender o total dos rendimentos da empresa nos termos do artigo 6.º do Imposto Complementar de Rendimentos da Notícias sobre Formações Empresas da República Popular da China. A lista de incentivos fiscais encontra-se dividida em 5 principais indústrias, abrangendo um total de 72 itens, incluindo 37 itens de alta e nova tecnologia, 13 itens da área médica e de saúde, 10 itens das área de pesquisa e ensino científicos, 5 itens das áreas cultural e criativa, e 7 itens das áreas do comércio e serviços. Paralelamente, e visando as organizações que dispõem, em simultâneo, de balcões ou filiais tanto na nova zona de HengQin como no exterior, a política define condições específicas para se poder beneficiar da aplicação da taxa preferencial de imposto. A lista de incentivos consagra ainda disciplina para as empresas que beneficiem, em simultâneo, de outras taxas preferenciais de imposto. Para mais informações, poderá visitar o sítio da internet abaixo. ds/content.portal?contentid=e8b0bc4666d4b 4A10CED2AF4A4B18545&categoryId=3099 Acções de Formação: Elevado Número de Inscrições em Todas as 3 Sessões No segundo trimestre de 2014, a CRAC organizou, em colaboração com instituições profissionais locais e do exterior, 3 acções de formação distintas sobre temas específicos, como sejam os do investimento na China Continental, o da contabilidade analítica e o do controlo de qualidade de auditoria.. As inscrições nos referidos cursos foram bastante elevadas, tendo-se inscrito um total de 380 formandos. De entre estes, 281 concluíram os respectivos cursos, tendo-lhes sido atribuído um certificado de participação emitido conjuntamente pela CRAC e pela instituição que colaborou na organização de cada curso. O workshop sobre Controlo de Qualidade no  mbito de uma Auditoria, coorganizado pela CRAC e pela União das Associações de Profissionais de Contabilidade de Macau, e que teve lugar no dia 17 de Maio, teve por objecto os diferentes requisitos de auditoria estipulados nas Normas Internacionais de Auditoria (ISAs, na sigla inglesa) para os profissionais da área, tendo sido abordados os seguintes tópicos: os conceitos de controlo de qualidade no âmbito de uma auditoria e de ciclo de auditoria; pontos merecedores de especial atenção, questões que habitualmente mais se suscitam e sugestões sobre qualidade de auditoria. Paralelamente, a CRAC coorganizou ainda, no dia 22 de Maio, com a Association of Chartered Certified Accountants (ACCA), o seminário intitulado Como é que o Custeio Baseado em Actividades Maximiza o Lucro das Organizações?. O custeio baseado em actividades (sistema ABC) encara cada actividade enquanto um objecto independente para efeito do cálculo dos custos, melhorando, dessa forma, o sistema de custeio. Uma vez que o sistema ABC se foca em cada centro de custos, o mesmo tem vindo a ser gradualmente mais adoptado pelas empresas enquanto método de controlo dos respectivos custos. No seminário explorou-se a implementação e aplicação do sistema ABC, e as vantagens que o mesmo oferece às diferentes entidades. Na presente número do Boletim da CRAC, iremos dedicar especial atenção ao terceiro curso realizado (Investimento na China e Estruturas Holding). Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas 3 Julho de 2014

4 A CRAC e a ACCA coorganizaram o acima identificado seminário no dia 29 de Abril, com o intuito de dar a conhecer, através duma melhor compreensão e conhecimento dos impostos da China Continental e do objectivo do investimento, as precauções que se deverão adoptar aquando da realização de investimentos em imobiliário e em acções. Com o recurso ao estudo de casos reais e ilustrativos, o formador conseguiu melhorar as noções e os conhecimentos dos formandos sobre esta matéria, de uma forma simples e clara. A sessão de perguntas e respostas permitiu ainda ao formador clarificar várias das interrogações e dúvidas dos formandos, fomentando, dessa modo, a interacção entre formador e formando. Aquando da realização de um investimento em imobiliário ou acções, dever-se-ão levar em linha de conta os seguintes tipos de impostos: impostos relacionados com o rendimento, i.e., impostos sobre o volume de negócios, tal como o imposto sobre o valor acrescentado (IVA), o imposto sobre as vendas e o imposto de consumo; impostos relacionados com os lucros, tais como o imposto complementar de rendimentos das empresas e o imposto complementar de rendimentos das pessoas singulares; impostos relacionados com terrenos e imóveis, tais como o imposto sobre as escrituras, o imposto sobre a utilização de terrenos nas cidades e vilas, o imposto de habitação, e o imposto sobre a valorização de terrenos; impostos relacionados com a importação, tais como impostos aduaneiros, IVA sobre as importações, e imposto de consumo sobre bens importados; outros impostos, como o imposto do selo, e o imposto sobre a agricultura. Adicionalmente, dever-se-á também prestar especial atenção aos efeitos que podem advir do Aviso da Administração Tributária Estatal sobre o Reforço da Gestão da Cobrança do Imposto Complementar de Rendimentos das Empresas relativo a Rendimentos Provenientes de Transferências Patrimoniais de Empresas Não Residentes (GuoShuiHan [2009] No.698) e, em especial, ao artigo 6.º no que se refere a transferências indirectas de participações accionistas em empresas residentes chinesas através da utilização abusiva das formas de organização. O seminário incidiu ainda sobre as precauções a ter aquando da realização de um investimento na China Continental sobre diversas perspectivas: 1. Objectivo: apartamento habitacional, apartamento comercial, ou uma sociedade; 2. Finalidade da propriedade: para uso do próprio proprietário, para arrendamento, para o recebimento de dividendos de acções, ou para alienação; 3. Estrutura de capital: detido directamente por pessoas singulares, detido através de sociedades sediadas fora da China Continental, detido através de sociedades sediadas fora da China Continental e escritórios de representação, ou detido através de empresas com investimento estrangeiro. O seminário deu ainda a conhecer os prós e os contras ou os factores influentes de cada uma das estruturas de investimento, nomeadamente dos escritórios de representação, das empresas como financiamento interno, e das empresas com investimento estrangeiro (incluindo empresas unipessoais). O formador deu ainda especial atenção à importância do registo da marca, assim como à discrepância entre o investimento total e o capital registado das empresas com investimento estrangeiro, e ao seu uso adequado. No. de Participantes Data Denominação do Curso No. de Inscrições Certificados Atribuído 29 de Abril Investimento na China e Estruturas Holding de Maio Controlo de Qualidade no  mbito de uma Auditoria de Maio Como é que o Custeio Baseado em Actividades Maximiza o Lucro das Organizações? Desenvolvimento Internacional das Normas de Contabilidade Nova Norma sobre Reconhecimento do Rédito A nova norma sobre reconhecimento do rédito - norma que recebeu especial atenção, a nível internacional, por parte da profissão contabilística foi emitida em Maio de O reconhecimento do rédito sempre constitui uma questão contabilística central, e, ao longo do anos, os requisitos plasmados nas Normas Internacionais de Relato Financeiro (IFRS, na sigla inglesa) e nos Princípios Contabilísticos Geralmente Aceites do EUA (GAAP, na sigla inglesa) foram mostravam-se distintos a muitos níveis, o que dificultou, em certa medida, a comparabilidade de demonstrações financeiras de diferentes partes do mundo. Com o intuito de melhorar a comparabilidade das demonstrações financeiras, o International Accounting Standards Board (IASB) e o Financial Accounting Standard Board (FASB) (de ora em diante designados por Conselhos) emitiram em conjunto, em Dezembro de 2008, um documento de discussão sobre reconhecimento de rédito. Posteriormente, os Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas 4 Julho de 2014

5 Conselhos emitiram a primeira versão para recolha de comentários em Junho de 2010, que foi mais tarde reemitida, em Novembro de 2011, após ter sido revista. Pese embora tenham decorrido 5 anos desde que o documento de discussão foi publicado, a emissão da norma convergente sobre reconhecimento do rédito por parte dos Conselhos constitui indubitavelmente um marco a nível global para a profissão contabilística. Prevê-se que a nova norma venha a revolucionar a forma como as empresas lidam com o reconhecimento do rédito, e, em certos sectores como os das telecomunicações e do imobiliário, antecipa-se que a sua repercussão será ainda mais significativa. Os Conselhos constituíram um Grupo de Apoio ao Período de Transição (GAT) em Junho de De entre os respectivos membros contam-se preparadores de demonstrações financeiras, auditores e utilizadores de um vasto conjunto de diferentes indústrias e sectores. O GAT informará os Conselhos sobre possíveis questões que se poderão colocar aquando da implementação da referida norma pelas empresas e organizações. O GAT possibilitará ainda aos stakeholders aprender mais sobre a referida norma junto de quem se encontra envolvido na respectiva implementação. Os Conselhos salientaram, todavia, que o GAT não irá emitir quaisquer orientações. Qualquer stakeholder poderá submeter para diálogo, nas reuniões do GAT (actualmente agendadas para 2014 e 2015), qualquer questão relacionada com a implementação. 1. o Passo Identificar o Contrato 2. o Passo Identificar as Obrigações de Desempenho 3. o Passo Determinar o Preço de Transacção No presente número do Boletim da CRAC iremos analisar, ainda que brevemente, o conteúdo da nova norma do IASB (para ter acesso a toda norma poderá visitar A mais recente norma do IASB sobre o rédito será integrada nas IFRS (na sigla inglesa) enquanto IFRS 15, Rédito de Contratos com Clientes. A IFRS 15 estabelece princípios para o relato de informação útil para os utilizadores das demonstrações financeiras sobre a natureza, montante, momento e incerteza do rédito e dos fluxos de caixa oriundos dos contratos celebrados pela entidade com clientes. A IFRS 15 aplicar-se-á a períodos anuais com início em ou após 1 de Janeiro de 2017, sendo no entanto permitida a sua aplicação antes daquela data. A IFRS 15 substitui a IAS 11 Contratos de Construção, a IAS 18 Rédito e as interpretações relacionadas. O princípio fundamental das IFRS 15 é o de que uma entidade reconhece o rédito para reflectir a transferência de bens ou serviços prometidos aos clientes por um valor correspondente à contrapartida a que a entidade espera ter direito em troca daqueles bens ou serviços. Uma entidade reconhece o rédito de acordo com aquele princípio fundamental adoptando, para o efeito, os seguintes 5 passos: 4. o Passo Repartir o Preço de Transacção pelas Obrigações de Desempenho 5. o Passo Reconhecer o Rédito à Medida que se Cumprem as Obrigações de Desempenho Um contrato é um acordo entre 2 ou mais partes que cria direitos e obrigações legalmente exigíveis. Uma entidade apenas deverá tratar contabilisticamente um contrato com um cliente de acordo com a IFRS 15 quando se preencheram todas as seguintes condições: 1. Ambas as partes tenham subscrito o teor do contrato, prometendo cumprir com as respectivas obrigações. O contrato pode ser celebrado por escrito, oralmente ou de acordo com uma outra prática comercial usual; 2. A entidade consiga identificar os direitos de cada uma das partes sobre os bens ou serviços a serem transferidos; 3. A entidade consiga identificar as condições de pagamento dos bens ou serviços a serem transferidos; 4. O contrato tenha substância comercial (i.e. quando se espera que o risco, o momento ou montante dos fluxos de caixa futuros da entidade se alterem em função do contrato); e 5. Seja provável que a entidade irá receber uma contrapartida. Os requisitos da IFRS 15 aplicam-se a cada contrato que tenha sido acordado com um cliente e que cumpra com determinados critérios. Em alguns casos, a IFRS 15 exige que a entidade combine contratos e os trate como apenas um só. A IFRS 15 estabelece ainda requisitos para o tratamento contabilístico a dar às alterações contratuais. Um contrato incorpora a promessa de transferir para o cliente determinados bens ou serviços. Se estiverem em causa bens ou serviços distintos, as referidas promessas consubstanciam obrigações de desempenho e devem ser consideradas Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas 5 Julho de 2014

6 separadamente. Os bens ou serviços a transferir para o cliente são considerados distintos caso se preencham, em simultâneo, as duas condições que se seguem: 1. Se o cliente puder beneficiar do bem ou serviço individualmente ou em conjunto com outros recursos que já se encontram disponíveis para o cliente; e 2. A promessa da entidade de transferir o bem ou serviço para o cliente possa ser identificada separadamente de outras promessas constantes do contrato. Por exemplo, um cliente poderia beneficiar em separado do fornecimento de tijolos e do fornecimento de mão-de-obra de construção civil. Aqueles itens, no entanto, não seriam distintos caso a empresa se encontre a fornecer os tijolos e a referida mão-de-obra ao cliente no âmbito da sua promessa plasmada no contrato de construir um muro de tijolos. Neste caso, a empresa tem uma única obrigação de desempenho, qual seja a de construir o muro de tijolos. Os tijolos e a mão-de-obra não constituiriam bens ou serviços distintos uma vez que os mesmos são disponibilizados em conjunto como meio de poder fornecer ao cliente o resultado contratado. O preço de transacção é o montante da contrapartida a que entidade afirma ter direito no contrato em troca dos bens ou serviços transferidos para o cliente. Aquando da determinação do preço de transacção, poder-se-á ter em consideração o seguinte: 1. O preço de transacção pode ser uma quantia fixa, mas pode algumas vezes incluir uma contrapartida variável ou uma contrapartida não realizada em dinheiro; 2. O preço de transacção é também ajustado aos efeitos do valor temporal do dinheiro, caso o contrato inclua uma componente de financiamento significativa, e a qualquer contrapartida pagável ao cliente; 3. Se a contrapartida for variável, a entidade estimará o montante da contrapartida à qual terá direito pelos bens ou serviços prometidos. O montante estimado da contrapartida variável será incluído no preço de transacção apenas se for altamente provável que não irá acontecer uma reversão significativa no montante do rédito reconhecido acumulado quando a incerteza associada à contrapartida variável se extinguir. Uma entidade habitualmente aloca o preço de transacção a cada obrigação de desempenho tendo por base o preço de venda autónomo de cada bem ou serviço distintos prometidos nos termos do contrato. Se o preço de venda autónomo não puder ser determinado, a entidade estimá-lo-á. Por vezes, o preço de transacção inclui um desconto ou uma parcela variável da contrapartida relacionados apenas com uma parte do contrato. Os requisitos especificam quando é que uma entidade aloca o desconto ou a contrapartida variável a uma ou mais das obrigações de desempenho resultantes do contrato, mas não a todas. Uma entidade reconhece o rédito quando (ou à medida que) cumpre uma obrigação de desempenho ao transferir um bem ou serviço prometido para o cliente (o que acontece quando o cliente obtém o controlo do referido bem ou serviço). O montante do rédito reconhecido corresponderá ao montante alocado para satisfazer a obrigação de desempenho. Uma obrigação de desempenho mostra-se cumprida: 1. Num determinado momento (o que sucede normalmente no que se refere a promessas de transferência de bens para o cliente); ou 2. Ao longo do tempo (o que sucede habitualmente relativamente às promessas de transferência de um serviço para o cliente). Relativamente às obrigações de desempenho cumpridas ao longo do tempo, a entidade reconhece o rédito ao longo do tempo seleccionando, para o efeito, um método apropriado para calcular o progresso verificado relativamente ao cumprimento cabal da obrigação de desempenho em causa Todos os Contributos São Bem-Vindos! Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Endereço : 1/F, Centro de Recursos da Direcção dos Serviços de Finanças No. 30, Rua da Sé, Macau Tel : (853) , Fax : (853) Website : Linha de Apoio e Atendimento Normas de Contabilidade (853) Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas 6 Julho de 2014

BOLETIM da CRAC. No. 43 Outubro de 2015. Projecto de Revisão das Instruções. Discurso do Presidente. Seminário Aberto

BOLETIM da CRAC. No. 43 Outubro de 2015. Projecto de Revisão das Instruções. Discurso do Presidente. Seminário Aberto BOLETIM da CRAC No. 43 Outubro de 2015 (Versão Electrónica) Seminário Aberto A CRAC e o Gabinete de Informação Financeira (GIF) coorganizaram um Seminário de Esclarecimento sobre a Avaliação de Risco Regional,

Leia mais

IAASB propõe nova Norma sobre a utilização do trabalho dos auditores internos

IAASB propõe nova Norma sobre a utilização do trabalho dos auditores internos Auditoria IAASB propõe nova Norma sobre a utilização do trabalho dos auditores internos Reconhecendo a evolução do ambiente de auditoria interna e a evolução da relação entre os auditores internos e externos,

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2009 Número 31 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Ciclo de actividades Cidade-Modelo na Implementação do CEPA do ponto

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81.

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO. apresentada nos termos do artigo 81. PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 9.9.2008 B6-0000/2008 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada nos termos do artigo 81.º do Regimento pela Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários sobre

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008

CPC COOPERATIVA DE POUPANÇA E CRÉDITO, S.C.R.L. Demonstrações Financeiras. 31 de Dezembro de 2008 Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2008 4ª MINUTA EXERCÍCIO DE 2008 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 31 DE DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PÁGINAS RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE 1 2 BALANÇO 3 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010

Nota às demonstrações financeiras relativas ao semestre findo em 30 de Junho de 2010 1. Nota Introdutória Elementos identificativos: Denominação Fortis Lease Instituição Financeira de Crédito, SA NIF 507 426 460 Sede Social Objecto Social A Fortis Lease Portugal Instituição Financeira

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Balanço da eficácia do Acordo CEPA 2013 2. Primeiro banco com sede em Macau,

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO

PÁGINA INTENCIONALMENTE DEIXADA EM BRANCO 1 Índice Volume II 5 Relatório do Conselho Geral e de Supervisão 12 Parecer do Conselho Geral e de Supervisão incluíndo declaração de conformidade 14 Relatório da Comissão para as Matérias Financeiras

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Cerimónia de entrega de Certificados do Exame Nacional de Qualificação

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1

TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 TRATAMENTO CONTABILÍSTICO DE CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS 1 Os procedimentos contabilísticos a adoptar nas operações de concentração de actividades empresariais são definidos nas seguintes

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau»

Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Suplemento II ao «Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau» Com o objectivo de reforçar o intercâmbio e a cooperação económica e comercial entre o

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais

ABRIL 2012. Reforma Fiscal Angolana. Decreto Legislativo Presidencial n.º 5/11 Revisão ao Código do Imposto sobre a Aplicação de Capitais 1 /5 Reforma Fiscal Angolana Foram publicados no início de Março, como suplemento ao Diário da República datado de dia 30 de Dezembro de 2011, os Decretos Legislativos Presidenciais n.º 5/11, n.º 6/11

Leia mais

Ciclo de Formações em Prestação de Contas

Ciclo de Formações em Prestação de Contas Ciclo de Formações em Prestação de Contas A prestação de informação financeira, exige uma constante actualização, quer gerada pela experiência prática de diferentes casos, cada vez mais complexos e não

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Setembro de 2011 1 Goodwill e Testes de Imparidade Parte II 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Setembro de 2011 1 Goodwill e Testes de Imparidade Parte II 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Setembro de 2011 1 Goodwill e Testes de Imparidade Parte II 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL SETEMBRO DE 2011 Presidência do Conselho de Ministros - Resolução

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

DIRECTIVA 2006/43/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2006/43/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 9.6.2006 L 157/87 DIRECTIVA 2006/43/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de Maio de 2006 relativa à revisão legal das contas anuais e consolidadas, que altera as Directivas 78/660/CEE e 83/349/CEE

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva

O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV (O Prospecto) da exclusiva O presente documento é uma tradução do sumário do prospecto do Plano de Acções para os Empregados do Grupo DHV ("O Prospecto") da exclusiva responsabilidade da DHV Holding B.V. O Prospecto foi aprovado

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Para os empresários portugueses Ajman Fujairah Sharjah Dubai Ras Al-Khaimah Umm Al Qaiwain O País Designação Oficial: Emirados Árabes Unidos Forma de Estado: Federação de sete Emirados

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão Março de 2009 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL DEZEMBRO DE

LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL DEZEMBRO DE Índice Resumo Fiscal/Legal Dezembro de 2009 1 Operações de Cobertura IAS 39 (Parte III) 2 O Uso de Confirmações Externas numa Auditoria às Demonstrações Financeiras 6 Revisores e Auditores 10 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Descrição da Compilação

Descrição da Compilação Guia de candidatura a bolsas de investigação científica financiadas em conjunto pelo Ministério das Ciências e da Tecnologia da República Popular da China e pelo Fundo para o Desenvolvimento das Ciências

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março

AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março Publicado no Diário da República, I Série, nº 60, de 28 de Março AVISO Nº 02/2014 de 20 de Março ASSUNTO: DEVERES GERAIS DE INFORMAÇÃO NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E PRODUTOS FINANCEIROS Considerando a necessidade

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES

Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES LEGAL FLASH I ANGOLA Setembro 2013 LEGAL FLASH I ANGOLA SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES CAMBIAIS DE INVISÍVEIS CORRENTES 2 LEGISLAÇÃO EM DESTAQUE 5 SIMPLIFICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL

ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL ANGOLA LEGISLAÇÃO CAMBIAL 1 ANGOLA Processo de investimento em Angola Desenvolvimento da actividade Obriga a que se tenha presente a política cambial angolana Regulamentada por um conjunto de leis e regulamentos

Leia mais

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email:

República de Angola PROCESSO N.º: Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual. Nome: Morada: Localidade: Telefones: Fax: Email: A PREENCHER PELA ANIP PROCESSO N.º: ANO DO FORMULÁRIO REGIME DE APROVAÇÃO Lei 11/03 de 13 de Maio Lei 20/11 de 20 de Maio Declaração Prévia Contractual PROMOTOR Obs: Residente /Presente Nome: _ Morada:

Leia mais

CONSULTORIA É UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA

CONSULTORIA É UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA CONSULTORIA É UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA 1 - Qual o trabalho de uma consultora na área de gestão e contabilidade, como é o caso da Gesbanha? A Consultadoria é uma ferramenta estratégica para uma empresa.

Leia mais

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso

O desafio de informar melhor. Juntos, uma comunicação de sucesso O desafio de informar melhor Juntos, uma comunicação de sucesso Janeiro 2006 1.Introdução Dar a conhecer à população (e sensibilizar os potenciais beneficiários) o papel que os financiamentos comunitários

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Assinatura do Suplemento ao CEPA com maior liberalização 2. Conferência

Leia mais

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007 Este documento, apresentado como Modelo de Projecto de Fusão, resulta de um caso (processo de fusão) real. Na conjuntura actual, em que as entidades empresariais cada vez mais encaram processos de reorganização

Leia mais

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15 Decreto-Lei n.º 17/09 de 26 de Junho Regras e procedimentos a observar no recrutamento, integração, formação e desenvolvimento dos trabalhadores no sector petrolífero Página 1/15 Considerando que a formação

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD

PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD PROJECTO ANÚNCIO DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL E OBRIGATÓRIA DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES EMITIDAS PELA FUTEBOL CLUBE DO PORTO FUTEBOL, SAD Na sequência da divulgação do anúncio preliminar em 2 de Outubro

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

1 Políticas contabilísticas a) Bases de apresentação A F&C Portugal, Gestão de Patrimónios, S.A. ( Sociedade ) é uma sociedade privada constituída a 31 de Outubro de 2001, tendo iniciado a sua actividade

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

IMPOSTO DO SELO Particularidades da sua aplicação Abílio Marques

IMPOSTO DO SELO Particularidades da sua aplicação Abílio Marques IMPOSTO DO SELO Particularidades da sua aplicação Abílio Marques Neste artigo, o leitor encontrará, tratadas e comentadas, várias questões respeitantes ao Imposto do Selo, o qual, se já não era de fácil

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 15/2009. Prazo: 15 de junho de 2009 Prazo: 15 de junho de 2009 A Comissão de Valores Mobiliários CVM, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), submete à Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, I, da Lei nº 6.385,

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro CONTABILIDADE E OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS Enquadramento Legal Decreto n.º 82/01, de 16 de Novembro Aprova o Plano Geral de Contabilidade

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011

L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 L 305/16 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2011 REGULAMENTO (UE) N. o 1205/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que altera o Regulamento (CE) n. o 1126/2008 que adopta certas normas internacionais

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IPSAS 12 INVENTÁRIOS

Manual do Revisor Oficial de Contas IPSAS 12 INVENTÁRIOS IPSAS 12 INVENTÁRIOS Reconhecimento Esta Norma Internacional de Contabilidade do Sector Público é principalmente extraída da Norma Internacional de Contabilidade (IAS) 2 (revista em 1993), Inventários

Leia mais

Formação e Certificação

Formação e Certificação Formação e Certificação Requisitos de CPE para CIAs Editado por Giovani Ehrhardt*. Traduzido por Ana Clara Sebastião Macedo Ventura. Resumo: Este artigo visa esclarecer os requisitos obrigatórios da Formação

Leia mais

DC26 - Rédito (1) Directriz Contabilística Nº 26

DC26 - Rédito (1) Directriz Contabilística Nº 26 DC26 - Rédito (1) Índice Directriz Contabilística Nº 26 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. MENSURAÇÃO 4. IDENTIFICAÇÃO DA TRANSACÇÃO 5. RECONHECIMENTO 5.1. Venda de bens 5.2. Prestação de serviços 5.3. Juros,

Leia mais

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO

VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM. Novas modalidades: EM FUNCIONAMENTO VISTOS GOLD NOVAS MODALIDADES ENTRAM EM FUNCIONAMENTO Podem ser atribuídas Autorizações de Residência para Investimento a cidadãos de Estados terceiros i.e., que não pertençam ao Espaço Schengen, que exerçam

Leia mais

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio;

AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO. Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; AVISO Nº. 05/98 DE 30 DE NOVEMBRO Havendo necessidade de se actualizarem as regras de constituição e funcionamento das Casas de Câmbio; No uso da competência que é atribuída pelo artigo 580 da Lei nº.

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais