POSIÇÃO DO GOVERNO ESCOCÊS SOBRE O PREÇO MÍNIMO POR UNIDADE DE ÁLCOOL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POSIÇÃO DO GOVERNO ESCOCÊS SOBRE O PREÇO MÍNIMO POR UNIDADE DE ÁLCOOL"

Transcrição

1 POSIÇÃO DO GOVERNO ESCOCÊS SOBRE O PREÇO MÍNIMO POR UNIDADE DE ÁLCOOL Introdução 1. O Governo Escocês está a propor introduzir um Preço Mínimo Por Unidade de álcool para que os danos causados por bebidas alcoólicas baratas e de alta graduação sejam minimizados. O Preço Mínimo Por Unidade baseia-se no número de unidades Britânicas de álcool (1mls de álcool puro) num produto, multiplicadas por 5p (,6 1 ) por unidade, o qual é o preço preferencial do Governo Escocês. 2. A Comissão Europeia, e alguns membros da União Europeia, questionaram a compatibilidade do Preço Mínimo Por Unidade com a Lei Europeia e a livre circulação de bens e produtos, embora o Artigo 36 do Tratado diga claramente que medidas de saúde pública podem ser justificadas, desde que sejam proporcionais. O objectivo principal do Governo Escocês é reduzir os danos provocados pelo álcool. O objectivo do Preço Mínimo Por Unidade é lidar com o consumo excessivo das bebidas mais baratas que causam o maior dano à saúde, e as quais são as preferidas de pessoas que bebem de um modo nocivo e prejudicial para a sua saúde. A Comissão sugeriu que novos impostos poderiam permitir atingir o objectivo de reduzir o consumo de álcool de um modo geral, sendo ao mesmo tempo pouco restritivos comercialmente. Impostos, contudo, não iriam atingir o objectivo de terem um impacto em pessoas que bebem de um modo nocivo e prejudicial para a sua saúde. O Preço Mínimo Por Unidade é um modo mais eficiente de atingir este objectivo, uma vez que tem um efeito mais progressivo em pessoas que bebem muito, tanto em relação ao consumo como aos danos causados pelo consumo de álcool. Este artigo explica a razão do Preço Mínimo Por Unidade de Álcool e o Governo Escocês está a tentar receber apoio em relação a esta política. A escala do problema do álcool na Escócia. 3. A Escócia consume níveis de álcool muito elevados em relação aos níveis globais. Os níveis de consumo dentro da EU são elevados (de acordo com a Organização Mundial da Saúde, o consumo dentro da UE é quase o dobro da média Mundial) e o nosso consumo situa-se acima da média e o nosso estilo de consumo, 1 Taxa de câmbio de 1= 1,2 usada em todo o documento. Portuguese Translation Page 1

2 Age standardised mortality rate per 1, juntamente com outros factores de saúde, significa que existe um impacto muito elevado em indivíduos, famílias e comunidades. 4. O volume de vendas de álcool na Escócia em 211 foi equivalente a 21,6 unidades Britânicas (216 mls de álcool puro) por pessoa por semana (11,2 litros de álcool puro por ano), situando-se entre os mais elevados da Europa Ocidental. Ao passo que o consumo em muitos países (tais como França, Itália e Espanha) tem vindo a reduzir em décadas recentes, o consumo no Reino Unido duplicou desde a década de 5 (incluindo um aumento de 1% na Escócia desde meados da década de O número de pacientes com alta de hospital relacionados com álcool quadruplicou desde o começo da década de 8, com mais de 1 escoceses a serem hospitalizados todos os dias. O número de mortes causadas pelo álcool duplicou em décadas recentes, tendo a Escócia um dos níveis com crescimento mais rápido de doença crónica do fígado e cirrose do mundo. O álcool é o terceiro maior factor de risco mundial de doença e o segundo maior na Europa 2. Taxas de mortalidade de doença do fígado crónica e de cirrose por 1 habitantes, Men Homens aged entre os years 45 e 64 anos 8 Women Mulheres aged entre os years 45 e 64 anos 7 6 Outros Países Other Europeus European countries Escócia Scotland 7 6 Taxa de mortalidade aferida por idade por England Inglaterra and e País Wales de Gales Escócia Scotland 3 Outros Países Other European Europeu countries 2 s 1 England Inglaterra e País de Gales and Wales Acção que já foi tomada de forma a reduzir o abuso de álcool 6. O Governo Escocês considera que lidar 5 com o abuso de álcool é uma prioridade de saúde pública crucial e tem uma estratégia para o álcool 5, a qual determina mais de 4 medidas que têm como objectivo lidar com os danos causados pelo álcool através de acção tomada a nível nacional e local, com a intenção de prevenir e tratar os danos causados pelo álcool. Foi publicada em 29 e encontra-se estreitamente alinhada com a Estratégia global para reduzir o uso danoso do álcool 2 Organização Mundial da Saúde, Alcohol Factsheet (Ficha Técnica Sobre o Álcool), Fevereiro de 211, 3 Taxas para a Escócia, Inglaterra e País de Gales, actualizadas até 21; taxas Europeias até Outros países Europeus significa países Ocidentais e do Sul/Mediterrâneo e o seu número total é Changing Scotland s Relationship with Alcohol: A Framework for Action (Mudando a Relação da Escócia com o Álcool: Uma Estrutura para Acção), publicada a 29 Portuguese Translation Page 2

3 da Organização Mundial da Saúde. Na secção sobre opções de política e intervenções de políticas de preço, a Estratégia global inclui: estabelecer preços mínimos para o álcool se relevante. 6 Capacidade de Compra de Álcool 7. Apesar destas medidas, o consumo e danos na Escócia permanecem em níveis inaceitavelmente elevados. A componente principal da estratégia sobre o álcool da Escócia que ainda não se encontra estabelecida é uma intervenção de forma a lidar com o baixo preço do álcool. Existe evidência clara que o preço e capacidade de compra do álcool são factores chave na promoção do consumo e, assim sendo, de criar danos, como foi reconhecido pela Organização Mundial da Saúde e pela União Europeia. De um modo simples, à medida que o preço do álcool baixa, o consumo aumenta; à medida que o consumo aumenta, os danos aumentam. 8. A maioria das off-sales 7 de álcool ocorrem nas grandes cadeias de supermercados (cerca de 7% das vendas). Preços de álcool muito baixos, incluindo a existência de muitos produtos com grandes descontos e a capacidade de vender álcool com prejuízo de forma a aumentar o preço de outros produtos não alcoólicos é uma característica importante deste sector de retalho. Isto resulta em que o álcool se encontre constantemente disponível a preços muito baixos. Na Escócia, é possível exceder as directrizes semanais de consumo sensato de álcool para homens (21 unidades Britânicas ou 21 ml de álcool puro) por apenas 4 ( 4,8). 9. O álcool tornou-se cerca de 45% mais barato no Reino Unido desde 198. Os preços mais acessíveis no off-trade resultou num aumento de vendas de 48% entre 1994 e 211, ao contrário do on-trade que viu uma quebra de 3% 8. O seguinte gráfico mostra a relação entre os preços acessíveis e os danos. Demonstra claramente que, à medida que o preço do álcool se tem tornado mais acessível desde o princípio da década de 8, o número de pacientes com alta de hospitais tem tido uma tendência semelhante Off-sales e off-trade referem-se ao álcool que é comprado em lojas, tais como supermercados e pequenas lojas, e que se destina ao consumo fora destas instalações. 8 On-sales e on-trade referem-se ao álcool que é consumido em instalações como pubs, clubes e restaurantes. Portuguese Translation Page 3

4 Affordability index (UK) Alcohol-related discharge rates per 1, popn (Scotland) Índice de preços acessíveis de álcool no Reino Unido comparado com a taxa de pacientes com alta de hospitais relacionada com álcool (Escócia), Índice de Acessibilidade de Preços (Reino Unido Taxas de alta de hospital relacionadas com o álcool por 1 pessoas (Escócia) Acessibilidade de Affordability Preços Discharges Alta de Hospital Porquê o Preço Mínimo Por Unidade? 1. A política escocesa de Preço Mínimo Por Unidade tem como objectivo reduzir o consumo do álcool e, em particular, tem como objectivo uma redução no consumo de bebidas alcoólicas baratas em relação à sua percentagem de álcool. O Preço Mínimo Por Unidade de Álcool atinge este objectivo uma vez que tem um efeito progressivo maior em relação ao consumo e danos causados pelo álcool para aqueles que mais bebem. O Preço Mínimo por Unidade tem um impacto no sector de mercado de bebidas mais baratas e é o álcool barato que é preferencialmente da escolha das pessoas que bebem muito, os quais sofrem os maiores danos. A venda de álcool na Escócia demonstra que 3% da população escocesa consome 8% do álcool e é este grupo que o Preço Mínimo Por Unidade irá ter como objectivo. 11. Os resultados de projectos de pesquisa emergentes sobre sistemas de preços mínimos em uso em duas províncias Canadianas providenciam-nos com a primeira evidência empírica em relação à eficiência do preço mínimo. Os resultados principais de um dos estudos estima que um aumento de 1% nos preços mínimos iria reduzir consumo por 8,4% para todas as bebidas combinadas em Saskatchewan. Um segundo estudo sugere que um aumento de 1% no preço mínimo médio de todas as bebidas alcoólicas estaria associado a uma redução estimada de 32% em mortes atribuídas inteiramente ao álcool na British Columbia. Essa pesquisa conclui que o preço mínimo é uma estratégia prometedora para reduzir o fardo na saúde pública associado com o consumo perigoso do álcool. Benefícios esperados 12. O trabalho de reputação internacional da Universidade de Sheffield estima que um Preço Mínimo Por Unidade de 5p (,6) iria salvar mais de 3 vidas por ano na Escócia (o que é equivalente a uma redução de 17% nas mortes causadas pelo álcool). Tendo em conta os diferentes tamanhos de população, isso é equivalente a 9 O Índice de Acessibilidade de Preços é para o Reino Unido, uma vez que não existe um Índice escocês disponível (contudo, a acessibilidade relativa será semelhante ao longo do Reino Unido). A Acessibilidade é medida no ano do calendário, altas de hospital no ano fiscal. As taxas de alta de hospital são atribuídas ao ano do qual a maioria da informação origina. Portuguese Translation Page 4

5 3 vidas salvas todos os anos na União Europeia toda. Este impacto substancial na saúde iria ser complementado por uma gama de outros benefícios sociais, os quais incluem um nível de crime reduzido, menos ausências no trabalho resultantes do álcool e redução na taxa de desemprego entre pessoas que bebem demais. Estima-se que a redução de danos teria um valor cumulativo de 942m ( 1 13m) a cada ano a partir do décimo ano da política. Impacto no mercado 13. Os consumidores escoceses têm uma grande gama de produtos alcoólicos à sua disposição. Estes são produzidos tanto internamente, como em vários países ao redor do mundo e abrangem vários preços. A legislação determina um Preço Mínimo Por Unidade baseado na quantidade de unidades do produto e, assim sendo, abrange todos os produtos de um modo igual e também não discrimina entre produtos domésticos ou importados. O Preço Mínimo Por Unidade não é uma medida proteccionista. Os produtos já presentes no mercado terão que observar o Preço Mínimo Por Unidade, mas a legislação não requer que os produtores alterem as características desses produtos, nem doutro modo previne que tal alteração nos produtos seja feita se o produtor o preferir fazer. Entre os produtos alcoólicos que presentemente têm preços abaixo do Preço Mínimo Por Unidade de 5p (,6), 29% são bebidas espirituosas (a maioria das quais produzidas no Reino Unido), 28% são vinhos (os quais são principalmente importados), 33% são cervejas (as quais variam em relação ao país de origem mas são predominantemente produzidas no Reino Unido), e 7% são cidras (as quais são geralmente produzidas domesticamente). 14. Deverá haver um impacto mínimo na inovação tanto de produtos já existentes, como à introdução de novos produtos no mercado. Poderá até haver um incentivo ao mercado para inovar, com um dos possíveis efeitos do Preço Mínimo Por Unidade a ser a produção de bebidas alcoólicas com menor graduação. Estas poderiam ser vendidas a um preço relativamente baixo, uma vez que iriam conter menos unidades de álcool. Isto iria ao encontro do objectivo dos consumidores beberem menos álcool, deixando ao mesmo tempo o mercado livre de determinar as características dos produtos. Produtos novos com alta graduação teriam que ser vendidos pelo Preço Mínimo Por Unidade ou acima dele, mas isso não os iria impedir de serem introduzidos. Por que não impostos ou taxas? 15. Ao considerar as opções disponíveis, o Governo Escocês estudou várias alternativas, incluindo impostos. Não temos dúvidas em relação ao potencial dos impostos de criarem efeitos ao nível da população inteira na tentativa de reduzir consumo. O Reino Unido é, na verdade, um dos poucos países Europeus que têm continuado a aumentar as taxas de impostos sobre bebidas alcoólicas todos os anos (de 28 a 215, o Reino Unido está a aumentar a taxa de imposto à taxa de inflação acrescida de 2%). 16. Contudo, o aumento do imposto não iria e não consegue- ter o impacto vital nos consumidores que bebem de um modo nocivo e prejudicial para a sua saúde. A natureza não discriminatória dos impostos significa que qualquer tentativa de criar um regime de imposto capaz de ter um resultado semelhante ao Preço Mínimo de 5p iria inevitavelmente significar um aumento significativo no preço de todos os Portuguese Translation Page 5

6 produtos, irrespectivamente da sua contribuição para os danos causados pelo álcool. Tais aumentos mais ou menos 3,3 ( 4) de aumento no preço de todas as garrafas de vinho de 75cl, ou 5 ( 6) extra numa garrafa de bebida espirituosa não só seriam desnecessários, como não justificáveis em termos de saúde. 17. O Preço Mínimo Por Unidade tem a vantagem em relação aos impostos que aqueles que não bebem, ou bebem só moderadamente (os quais vêm desproporcionadamente de grupos com rendimentos mais baixos), serão pouco ou nada afectados de todo, em virtude do facto que bebem muito pouco e não tendem a comprar o tipo de produtos que serão afectados pelo Preço Mínimo Por Unidade. Estima-se que os consumidores moderados de bebidas vão pagar uma quantia adicional relativamente pequena por ano (cerca de 8 ( 9,6) em relação a um Preço Mínimo Por Unidade de 5p). 18. Claro que isto deverá ser analisado no contexto de poupanças significativas para a saúde, justiça criminal e custos de produtividade gerados pelo Preço Mínimo Por Unidade. Estima-se que os maiores benefícios para a saúde irão encontrar-se no grupo de consumidores que bebem de um modo nocivo e prejudicial para a sua saúde, uma vez que consomem desproporcionadamente álcool barato e com alta graduação. O Preço Mínimo Por Unidade afecta desse modo especificamente os indivíduos que mais irão beneficiar de uma redução no consumo. Conclusão 19. O Preço Mínimo Por Unidade é essencial de forma a reduzir os danos causados pelo álcool na Escócia. Esta opinião é também partilhada pelo Parlamento Escocês, comunidade de saúde pública, Polícia, instituições de caridade para crianças e por muitos cidadãos escoceses. A legislação personifica a preeminência que os Tratados Europeus colocam na saúde e vida do ser humano, e no reconhecimento que os Estados Membros é que terão que determinar o nível de protecção que querem ter em relação à saúde pública e como é que esse nível será atingido. 2. Tendo isto em consideração, o Governo Escocês irá continuar a defender veementemente o Preço Mínimo Por Unidade e vê com bons olhos o diálogo a nível Europeu com o objectivo de assegurar que, sempre que necessário, os Estados Membros possam lidar com o consumo excessivo do modo mais eficiente possível. O Governo Escocês espera que o possam apoiar de forma a assegurar que a mensagem de saúde pública seja parte activa do diálogo. Scottish Government April 213 Portuguese Translation Page 6

Brochura. Apenas ao saborear o vinho moderada e calmamente, os seus sabores complexos podem ser apreciados e desfrutados na totalidade.

Brochura. Apenas ao saborear o vinho moderada e calmamente, os seus sabores complexos podem ser apreciados e desfrutados na totalidade. Brochura Vinho com moderação Vinho: a cultura da moderação A produção e consumo de vinho são parte da cultura europeia desde há milénios. A UE é a maior produtora de vinhos do mundo, bem como a líder mundial

Leia mais

FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" 1

FERNANDO LEAL DA COSTA: FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL 1 FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" 1 FERNANDO LEAL DA COSTA: "FISCALIZAÇÃO E PUNIÇÃO SÃO DECISIVAS NA NOVA LEI DO ÁLCOOL" "Fiscalização e punição dos infractores

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens

Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens Directiva 94/62/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de Dezembro de 1994, relativa a embalagens e resíduos de embalagens O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado

Leia mais

A Imigração em Portugal

A Imigração em Portugal Immigrant Language Learning A Imigração em Portugal Relatório síntese elaborado pela DeltaConsultores - Projecto financiado pela UE no âmbito do Programa Sócrates Luísa Falcão Lisboa, Fevereiro de 2002

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 11.2.2008 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a melhoria da educação financeira dos consumidores e da sua sensibilização

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001

Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Decreto n.º 15/2004 Convenção sobre Poluentes Orgânicos Persistentes, adoptada em Estocolmo em 22 de Maio de 2001 Reconhecendo que os poluentes orgânicos persistentes possuem propriedades tóxicas, são

Leia mais

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA)

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) PRIMEIRA EDIÇÃO/JANEIRO DE 2008 Um conjunto de notas informativas sobre a CQLA e as obrigações associadas da UE. A primeira edição fornece

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do RELATÓRIO Resumo das afirmações mais pertinentes efectuadas durante a Conferencia Parlamentar dos Presidentes de Comissão na EU-25, realizada nos dias 10 e 11 de Maio de 2004 no Parlamento Sueco em Estocolmo,

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

A Nova Lei de Saúde Mental

A Nova Lei de Saúde Mental A Nova Lei de Saúde Mental De que se trata? Uma breve introdução Este folheto foi redigido por Sandra McDougall, Oficial Judicial, Associação Escocesa para a Saúde Mental (Scottish Association for Mental

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo Health at a Glance: OECD Indicators 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005 Sumário em Português Sumário Executivo Os sistemas de saúde nos países da OCDE

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Concorrência: Para uma Nova Cultura Empresarial. Abel M. Mateus Presidente da Autoridade da Concorrência

Concorrência: Para uma Nova Cultura Empresarial. Abel M. Mateus Presidente da Autoridade da Concorrência Concorrência: Para uma Nova Cultura Empresarial Abel M. Mateus Presidente da Autoridade da Concorrência Conferência proferida no American Club of Lisbon, Hotel Sheraton, 21 de Abril de 2004 Minhas Senhores

Leia mais

"Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013

Med Forward Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013 "Med Forward" "Papel da indústria na redução de riscos associados ao consumo nocivo de álcool" Casa do InfantePorto 24 de Maio 2013 1 "Med Forward" SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Casa

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

IDENTIDADE ESCOCESA. João Ferreira Bento. Políticas de Arquitectura na União Europeia:

IDENTIDADE ESCOCESA. João Ferreira Bento. Políticas de Arquitectura na União Europeia: Boletim da Ordem dos Arquitectos, Nº 150, Julho de 2005: p.8. Políticas de Arquitectura na União Europeia: IDENTIDADE ESCOCESA João Ferreira Bento No panorama europeu, a Escócia tem-se salientado como

Leia mais

Estudo sobre Comportamentos de Risco

Estudo sobre Comportamentos de Risco quadernsquadernsanimacio.netnº10;julhode2009animacio.netnº10;julhode2009 quadernsanimacio.net nº11;janeirode2010 EstudosobreComportamentosdeRisco ResultadosdeInquéritonumaPerspectiva depromoçãodasaúde

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal

Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Plano de Acção para a Segurança Infantil em Portugal Coordenação oficial: Coordenação técnica: Apoio: I Enquadramento O Plano de Acção para a Segurança Infantil (PASI) enquadra-se no projecto Europeu Child

Leia mais

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social

Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Resolução da CES sobre Governação Económica e Social Adoptada no Comité Executivo a 13-14 de Outubro de 2010 Governação económica europeia e a U.E.2020: As propostas da Comissão 1. Um Pacto de Estabilidade

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Estudo de caso relativo ao projecto

Estudo de caso relativo ao projecto Comissão Europeia Estudo de caso relativo ao projecto Comercialização de novos produtos à base de percebes FLAG: Ria de Vigo A Guarda Galiza, Espanha Apresentação do projecto Na Galiza os percebes são

Leia mais

O que é a adaptação às mudanças climáticas?

O que é a adaptação às mudanças climáticas? Síntese da CARE Internacional sobre Mudanças Climáticas O que é a adaptação às mudanças climáticas? As mudanças climáticas colocam uma ameaça sem precedentes a pessoas vivendo nos países em desenvolvimento

Leia mais

PARECER. Calendário e Programa de Trabalhos para a Elaboração dos Planos de Gestão de Região Hidrográfica

PARECER. Calendário e Programa de Trabalhos para a Elaboração dos Planos de Gestão de Região Hidrográfica PARECER Calendário e Programa de Trabalhos para a Elaboração dos Planos de Gestão de Região Hidrográfica A LPN tem acompanhado atentamente todo o processo de elaboração da Directiva-Quadro da Água (DQA),

Leia mais

O que é redução de danos?

O que é redução de danos? IHRA Briefing O que é redução de danos? Uma posição oficial da Associação Internacional de Redução de Danos (IHRA) Redução de danos é um conjunto de políticas e práticas cujo objetivo é reduzir os danos

Leia mais

A publicidade de bebidas alcoólicas 3

A publicidade de bebidas alcoólicas 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(8). Edição 44 Gerlane Lopes e Silva 1 Gessica de Andrade Fonseca 1 Hanna Kamylla Antonia Soares dos Santos 1 Márcia Andrea

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL

PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL PROCEDIMENTO LEVANTAMENTO AMBIENTAL Regulamento EMAS (EC Nº. 761/2001) A organização deve estabelecer e manter um ou mais procedimento para identificar os aspectos ambientais das suas actividades, produtos

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Eurobarómetro Standard 80 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Esta sondagem foi encomendada e coordenada pela Comissão Europeia, Direcção-Geral da Comunicação Este

Leia mais

Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças. Comissão Europeia Empresas e Indústria

Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças. Comissão Europeia Empresas e Indústria SEGURANÇA DOS BRINQUEDOS Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças Comissão Europeia Empresas e Indústria Fotolia Orange Tuesday Existem cerca de 80 milhões de crianças menores de 14

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

2011 O Ano Europeu do Voluntariado

2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 O Ano Europeu do Voluntariado Mais de 100 milhões de Europeus e Europeias estão envolvidos(as) em actividades voluntárias, são solidários(as) e, assim fazem a diferença na nossa sociedade. Uma pesquisa

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS NAS COMUNICAÇÕES COMERCIAIS DO VINHO PRINCÍPIOS DA COMUNICAÇÃO DOS VINHOS DA UE I. PREÂMBULO O vinho tem sido parte da vida e cultura Europeias desde que há memória; é um pilar

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

Investir na Saúde em África

Investir na Saúde em África Harmonização da Saúde em África Investir na Saúde em África Cenário para Reforçar os Sistemas na Procura de Melhores Produtos da Saúde Resumo Porquê um cenário de investimento em África? Investir nos sistemas

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

SPEED Bridge Program Africa LEAD II

SPEED Bridge Program Africa LEAD II SPEED Bridge Program Africa LEAD II Revisão Técnica do Quadro Legal de Terras Position Title: - ESPECIALISTA EM POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DE TERRAS - JURISTA, E ESPECIALISTA EM LEGISLAÇÃO SOBRE TERRAS Período

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO NA LIBERTY SER ENFERMEIRO É UMA VANTAGEM! DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Fazemos nossas as suas exigências de Inovação! Planos da Solução Liberty Protecção Total Protecção

Leia mais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Preâmbulo Uma habitação condigna representa um dos vectores fundamentais para a qualidade de vida do ser humano, sendo,

Leia mais

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders

Worldwide Charter for Action on Eating Disorders Worldwide Charter for Action on Eating Disorders - CARTA MUNDIAL DE ACÇÃO PARA AS PARTURBAÇÕES ALIMENTARES- DIREITOS E EXPECTATIVAS PARA PESSOAS COM PERTURBAÇÕES ALIMENTARES E AS SUAS FAMÍLIAS PREÂMBULO

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Quem deve ter o. direito de pescar. Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond

Quem deve ter o. direito de pescar. Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond Quem deve ter o direito de pescar Uma pergunta dos Verdes no Parlamento Europeu. Photo Jillian Pond DEMASIADAS EMBARCAÇÕES Photo Håkan Lindgren / SCANPIX CONFERIR ACESSO À À PESCA A A QUEM POUCOS GANHOS

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

O QUE SABEMOS SOBRE O ÁLCOOL CHEGA PARA NOS PROTEGERMOS?

O QUE SABEMOS SOBRE O ÁLCOOL CHEGA PARA NOS PROTEGERMOS? O QUE SABEMOS SOBRE O ÁLCOOL CHEGA PARA NOS PROTEGERMOS? INFORMAR AJUDAR AGIR É UM TRABALHO DE TODOS! Portugal está entre os maiores consumidores de bebidas alcoólicas e de álcool puro, a nível europeu

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010

Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010 International Migration Outlook: SOPEMI 2010 Summary in Portuguese Análise Geral sobre a Migração Internacional: SOPEMI 2010 Sumário em Português A migração internacional continua a ser uma prioridade

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico

Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 1 Determinação de Preços Internos Fluxos Comerciais Lucros das Empresas Valorização de Activos Crescimento Económico 2 Taxas Bilaterais Taxas Efectivas 3 4 Bilateral Nominal and Real Exchange Rates: Rand/Meticais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Comparação dos preços dos combustíveis entre Julho de 2008 e Janeiro de 2011 No passado mês de Dezembro, bem como já no corrente ano, foram muitos os Órgãos

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR

2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR ,3 Bruxelas, 16 de Maio de 2002 2 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR DVVLQDOD SURJUHVVRVPDVVXEVLVWHPREVWiFXORVDRFRPpUFLR 'H DFRUGR FRP R ~OWLPR 3DLQHO GH $YDOLDomR GR 0HUFDGR,QWHUQR YHULILFDPVH DLQGD

Leia mais

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas

OFICIAL DA ORDEM MILITAR DE CRISTO MEDALHA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E BONS SERVIÇOS. Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas Circular n.º 029/2014 PORTAL FPT Abertura aos atletas Exmo. Sr. Presidente, Após muitos meses de desenvolvimento e melhorias contínuas na nova plataforma informática onde se inclui o amplamente divulgado

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009 2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2009/2205(INI) 1.6.2010 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o papel das mulheres numa sociedade em envelhecimento (2009/2205(INI))

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Agência Europeia para a Segurança da Aviação

Agência Europeia para a Segurança da Aviação Apêndice ao Parecer n.º 05/2007 PreRIA 21.040 Agência Europeia para a Segurança da Aviação AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO IMPACTO REGULAMENTAR Documentação sobre ruído das aeronaves 1. Finalidade e efeito pretendido

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-17. PT Unida na diversidade PT 2014/2054(BUD) 4.9.2014. Projeto de relatório Anneli Jäätteenmäki (PE536.184v01-00)

ALTERAÇÕES 1-17. PT Unida na diversidade PT 2014/2054(BUD) 4.9.2014. Projeto de relatório Anneli Jäätteenmäki (PE536.184v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão dos Orçamentos 2014/2054(BUD) 4.9.2014 ALTERAÇÕES 1-17 Projeto de relatório Anneli Jäätteenmäki (PE536.184v01-00) Mobilização do Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais

Marketing Internacional. Negócios Internacionais Marketing Internacional 1 Objectivos do Capítulo Compreender a Política do Produto e a sua implementação a nível internacional; Descortinar as razões que levam as empresas a escolher entre a estandardização

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais

Regulamento Interno Férias Academia 2014. Art.º 1 - Informações Gerais Regulamento Interno Férias Academia 2014 Art.º 1 - Informações Gerais 1. As Férias Academia decorrem nas instalações da Academia Sporting, em regime fechado; 2. Os campos de férias têm, normalmente, uma

Leia mais