7. Significado político, social, econômico e cultural da Revolução. Francesa.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7. Significado político, social, econômico e cultural da Revolução. Francesa. www.geocities.com/simaocc/hmc"

Transcrição

1 Francesa 7. Significado político, social, econômico e cultural da Revolução Nas vésperas da Revolução: A monarquia absolutista francesa atravessava, desde meados do século XVIII, uma profunda crise que se reflectia num elevado défice orçamental, agravado com as Guerras dos Sete Anos (na qual perde as suas colónias) e da Independência da América (onde não se soube contabilizar as despesas) e também pela competição que existia com a Inglaterra, que neste momento despoletava para a Revolução Industrial e prejudicava a produção nacional francesa. A agricultura, embora ocupasse a maioria da população francesa, não ultrapassava o nível de subsistência, fruto do uso generalizado de técnicas arcaicas e da estrutura feudal dominante. Consequentemente, a carência de cereal era frequente e contribuía para o descontentamento da população. Tinham sido maus anos de colheita no vinho e nos cereais. Por outro lado, o desenvolvimento do comércio, sobretudo o comércio colonial, bem como o, ainda que tímido, sector industrial, originaram o aparecimento de uma dinâmica burguesia mercantil e industrial que não conseguia ver a sua força econômica traduzida em poder político real: os lugares-chave da administração eram privilégio da nobreza e do alto clero. O descontentamento da burguesia, agravado com os entraves que as fronteiras internas do regime senhorial representavam para os seus negócios, encontrava eco nos outros elementos do terceiro estado, isto é, nos camponeses e assalariados urbanos que, vivendo no limiar da pobreza, eram obrigados a sustentar as finanças públicas através dos impostos a que se encontravam sujeitos. Havia a riqueza, o fausto, a ostentação que não eram bem vistas pela nobreza rural, pequena nobreza, camposinato e burguesia e a imperialidade da ruralidade. L. Labrousse estudou a evolução dos preços e colheitas na Pré-Revolução e proclama os 20 anos anteriores à revolução sem prosperidade contínua e por volta de 1770 diz que surgem más colheitas. Estas oscilações nas colheitas repercutem-se nos preços que por sua vez originam descontentamento social e problemas nas instituições familiares. O camposinato passa por dificuldades e isso vai afectar a nobreza que depende das rendas fixas que o primeiro tem de pagar. A nobreza pede pensões régias, mas as finanças do 1

2 Estado estão tão más que não são conseguidas. Entretanto, o sector secundário também já está em crise. A necessidade de encontrar uma solução para o défice financeiro, para as ameaças de bancarrota nacional e para a crise geral (agrícola, económica-financeira, industrial e demográfica porque os recursos não estavam à medida da população) vivida no seu reino,obrigou Luís XVI a convocar os Estados Gerais, assembleia onde se encontravam reunidos representantes das três ordens. Logo aqui é de notar um desequilíbrio e uma crise política em que o descrédito na monarquia, na sua autoridade e incapacidade para enfrentarem os problemas está bem patente. Foi, então, a 5 de Maio de 1789, que Luís XVI abriu solenemente os Estados Gerais em Versalhes; durante meses anteriores havia sido dada oportunidade ao terceiro estado, através dos seus representantes, de redigir cadernos de reivindicações. Neles se reflectia, mais do que qualquer atitude contra a monarquia ou o monarca, o desejo de libertação do jugo feudal e de igualdade entre as três ordens.vai ser assim pelo facto do terceiro estado reinvindicar mudanças trágicas e o sistema de voto por cabeça (por ser o povo a maioria) e clero e nobreza não aceitarem que o terceiro estado convoca uma Assembleia Nacional Constituinte que dote a França de uma Constituição. A reacção popular: Apesar de toda a intensa actividade legislativa da Assembleia Constituinte (assembleia formada com o fim de dotar um Estado de uma Constituição), a estabilidade desejada não foi alcançada: a venda dos bens nacionalizados não permitiu restabelecer as finanças; a fome grassava, fruto das más colheitas, do açambramento e da alta de preços; os sans-culottes (população urbana/ povo que, ao contrário da nobreza, não usava calções/culottes mas sim calças ) mostravam-se cada vez mais insatisfeitos ; as monarquias absolutistas européias, receosas do alastrar das ideias revolucionárias, invadiram a França; o rei, hesitante, empreendeu uma frustrada tentativa de fuga; o próprio movimento revolucionário foi perturbado por divisões internas onde se destacam uma ala moderada (os Girondinos) e uma ala extremista (os Jacobinos) esta divisão ocorreu porque na assembleia Constituinte a burguesia queria 2

3 a proibição à greve, a colaboração entre operários, o liberalismo económico, medidas que chocam com os interesses populares, daí que nasçam dois grupos. Luís XVI, acusado de colaborar com o inimigo, foi preso e destituído das suas funções. Sob pressão popular, a Assembleia Legislativa foi dissolvida e uma nova Assembleia Constituinte, a Convenção, proclamou a República. O sistema de voto praticado nos Estados Gerais encontrava-se, desde há muito, estabelecido: independentemente do número de representantes, cada ordem, tinha direito a um voto; o terceiro estado, mais numeroso (661 deputados, contra 326 do clero e 330 da nobreza), exigiu o voto nominal verdadeiramente representativo da nação e o único pelo qual podia defender os seus interesses. Tal pretensão não foi aceite pela nobreza e pelo clero, muito menos pelo rei. O terceiro estado proclamou então a Assembleia Constituinte e considerou sem efeito qualquer novo imposto que não tivesse sido por ela aprovado: colocava assim em causa as tentativas da coroa para sanear as finanças. A reacção do rei foi energética a sala de reuniões do terceiro estado foi encerrada; este reuniu então na sala do jogo da péla e jurou não se separar até datar o reino de uma constituição na prática, abolia-se a monarquia absoluta. A situação de Paris agravava-se e a revolta popular crescia. A agitação e a miséria alastrou nos campos; os alimentos escasseavam; bandos de vagabundos e marginais saquearam aldeias e assaltaram castelos foi o chamado período da Guerra do Medo. Em Paris, o povo, temendo uma reacção dos privilegiados contra a Assembleia Constituinte, atacou o quartel dos Inválidos e assaltou a forte-prisão da Bastilha, velho símbolo do poder da monarquia absoluta. A tentativa de uma monaquia Constitucional: Depois da tomada da Bastilha, primeiro facto revolucionário do povo francês, ocorre a fase da monarquia constitucional ( ). Pressionada pela crescente organização popular das cidades e pelo ataques sistemáticos às propriedades e bens das ordens privilegiadas, a Assembleia Constituinte prosseguia com os seus trabalhos: na noite de 4 de Agosto de 1789 o regime feudal foi abolido e proclamada a igualdade tributária; em 26 do mesmo mês foi concluída a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, baseada em Rousseau. Em 1791, dotou o reino de uma Constituição que estabelecia a divisão tripartida dos poderes: 3

4 legislativo (a cargo de uma Assembleia Legislativa que vota as leis e o orçamento), executivo (da competência exclusiva do rei) e judicial a França tornou-se era assim uma monarquia constitucional onde o rei detinha ainda importantes poderes. O princípio da soberania da nação, que faz emergir o nacionalismo (que surge no séc.xix), é aplicado só aqueles que estavam sujeitos ao censo, só estes podiam votar (existia uma cidadania passiva e uma cidadania activa, em que só o mais poderoso era activo). Com a abolição dos antigos privilégios, a nacionalização dos bens da Igreja e posterior venda, a divisão da França em departamentos (acabando-se assim com as barreiras alfandegárias internas), a proibição das associações de operários e da greve e a liberalização dos preços e do comércio, as medidas tomadas pela Assembleia Constituinte orientavam-se na defesa dos interesses da burguesia que triunfava não só sobre o clero e nobreza, mas igualmente sobre o povo, ou seja, os restantes elementos que constituíam o terceiro estado. Com a radicalização do processo revolucionário, os Jacobinos tomaram o poder e instituíram um governo revolucionário controlado por um Comité de Salvação Pública (do qual Danton foi o primeiro presidente). Declarada a pátria em perigo (as monarquias absolutistas europeias, desde o começo da revolução, se mostraram inquietas com a propagação da contestação popular aos seus territórios. Áustria, Prússia e mais tarde a Inglaterra empenharam-se em restaurar a ordem tradicional; a invasão da França pelos exércitos conjuntos absolutistas provocou uma reacção patriótica vigorosa que justificará a própria política repressiva da Convenção), seguiram uma política de perseguições e terror: milhares de suspeitos foram julgados sumariamente, ou verificada apenas a sua identidade, e condenados à morte os mais perseguidos eram os nobres e os cleros; os focos de resistência interna foram duramente abafados; foi decretada a mobilidade geral contra o inimigo (Agosto de 1793). A rígida disciplina imposta pelo Comité de Salvação Pública e o patriotismo revolucionário levaram a França a obter sucessivas vitórias militares e a expandir o seu próprio território. Entretanto, um jovem general destacou-se pelos seus êxitos. Vencido o inimigo externo e imposta a ordem na França, o regime de terror não encontrou justificação: vítimas dos seus próprios excessos, Robespieree foi deportado a 27 de Julho de 1794 (9 do Termidor pelo calendário republicano este calendário foi instituído pelo governo revolucionário e modificou a designação tradicional dos meses, tomando como referência a implantação da República a 22 de Setembro de 1792, Ano I) e guilhotinado no dia seguinte. 4

5 Afastados os sans culottes do poder, a média e a alta burguesias tomaram o controlo da revolução e anularam as medidas de carácter popular tomadas pela Convenção, entretanto dissolvida. O Consulado e o Império: Após um período de transição, Napoleão organizou, com o apoio da burguesia, um golpe de Estado a 18 do Brumário (Novembro de 1799)e instituiu o Consulado. Sucessivamente cônsul vitalício (1802) e imperador (1804) e protector dos republicanos, Napoleão empenhou-se, no plano interno, em pacificar e modernizar um país agitado por um longo processo revolucionário. Face às ameaças das potências estrangeiras, receosas do expansionismo francês, empenhou-se na derrota militar dos inimigos da França e na construção de um vasto império. Estratega brilhante, com um exército numeroso e motivado, derrotou os exércitos austríaco, russo e prussiano e incorporou na França vastos territórios da Itália e Países Baixos. Reconhecendo a superioridade naval inglês e as dificuldades de uma possível invasão, decretou um Bloqueio Continental (1806) pelo qual era vedado aos países europeus qualquer transacção comercial com a Inglaterra. (A atitude ambígua de Portugal face ao bloqueio e a recusa de o colocar efectivamente me prática, originou a invasão do território português pelas tropas napoleônicas em três campanhas sucessivas: 1807, 1809, 1810) Esta tentativa de asfixiar economicamente o inimigo não surtiu porém os efeitos desejados: além de alguns estados não terem aderido na prática ao bloqueio, o contrabando com a Inglaterra era amplamente praticado. O fracasso da ofensiva militar contra a Rússia (1812), com a derrota por causa do clima frio, marcou o início do declínio de Bonaparte e a volta da Monarquia à França. Regressado a França com um exército destroçado e desmoralizado, Napoleão sofreu ainda novas derrotas frente aos exércitos da Inglaterra, Áustria, Prússia, Rússia e Suécia. Obrigado a abdicar, foi exilado em 1814 na ilha de Elab de onde regressou para um curto governo de 100 dias; e em 1815 foi definitivamente derrotado na batalha de Waterloo (Bélgica) e deportado para a ilha de Santa Helena, onde morreu seis anos mais tarde. 5

6 Outras factores que ajudaram à revolução: - a constituição americana, o triunfo americano nestas lides, o regresso de soldados de franceses da revolução do outro lado do Atlântico, o liberalismo político e a prosperidade económica fizeram os franceses aspirarem à mudança. - o contributo da filosofia iluminista do século XVIII (com raíses cartesianas) desenvolveu a tendência para o racionalismo e a liberdade e a aposta nas capacidades do Homem em dirigir o seu destino. Neste sentido, razão caminha a lado com progresso. E o enciclopedismo é o hino à capacidade racional. - passos decisivos eram dados pela ciência, nesta altura - a forma como os exércitos napoleónicos, ao invadirem outros países, contaminaram a população com ideias liberais - quer-se saber do direito natural; aspira-se a um Estado que termine com tudo o que seja bloqueio para a natureza humana. Nomes a salientar: Voltaire reconhecia a mediocridade do presente mas confiava num futuro melhor, promissor graças às conquistas das razão. Este optimista criticava a religião, desenvolvendo por isso uma religião natural e tolerante. Montesquieu O autor de Do espírito das leis onde diz O poder deve parar o poder, estudou os vários regimes políticos, procurando discernir o regime que seria o perfeito. Concluiu com uma teoria abstracta de poder que assenta na separação dos poderes (legislativo, jurídico e executivo) por ver nesta uma liberdade política. Rousseau o autos de Contracto Social, destacou insuficiências nas explicações racionais, sobretudo na razão aplicada aos sentimentos do homem. Sublinhou que o homem pouco sabia de si : há razões que a explicação racional desconhece. Por natureza, o homem é bom e feliz mas a sociedade fê-lo assim não ser (conflito homem individual-homem social). Rousseau afirma um pacto entre o homem e a comunidade através do qual todos os associados têm os mesmos direitos(não via a liberdade sem igualdade). Debruçou-se ainda sobre a questão da moral e na liberdade do 6

7 povo que só é livre de acordo com as leis que tem. Concluiu que o povo é o soberano: a soberania reside na Nação A obra da revolução A Revolução Francesa, ocorrida no século das ideias iluministas e potenciada pelas mesmas (enciclopedismo de Dideror, ideias de política e Estado), bem como no século das revoluções, assinalou o fim da sociedade de ordens do Antigo Regime e o início da Idade Contemporânea. As suas repercussões ultrapassam em muito o território francês, ao se assimilar a movimentos análogos ocorridos na América Latina e na Europa, e marcaram profundamente as modernas democracias. A revolução ao lado da soberania da Nação trás um novo conceito, o de cidadania e a liberdade que vai conseguir é um processo que ocorre paulatinamente. Esta revolução afectou a maneira de se ver a sociedade no lugar de estados privilegiados apareceram estados vistos da mesma forma pela lei. Levada a cabo pela burguesia (que mais beneficiada saiu), a Revolução tem de ser vista também como resultado de uma actividade do camposinato. As condições para a sua ocorrência partem de um espírito favorável à mudança, por isso a expressão Antigo Regime (de Mirabou) é vista como instituições e costumes anteriores à revolução que se contrapõem às inovações. A estrutura social do Antigo Regime era rígida, com pouca mobilidade social e assente na componente de hereditariedade (sobretudo da nobreza) socialmente a mudança no sistema de promoção ocorre com a revolução no sentido de que a nova promoção é de mérito, de curriculum profissional ou recurso a exame. Baseia-se em três ordens/estados: o primeiro estado é o clero, o segundo estado a nobreza e o terceiro o povo. O clero e a nobreza como ordens privilegiadas tinham títulos, direitos próprios, formas de tratamento e até vestuário que os distinguiam dos não priveligiados. O clero cuja função é orar e envangelizar, domina o ensino e a assistência, desempenha censuras aos livros legalmente impressos, tem vastas propriedades urbana ou rural obtidas por compra ou doações das quais recebia rendimentos como qualquer proprietário e tem funções administrativas como registros de casamentos, batizados, óbitos, goza da isenção do pagamento de impostos directos e da prestação de serviço militar e recebe a dízima da produção agrícola e muitas doações pias, em vida ou por morte. Para além disto, desde os tempos medievais que os seus privilégios eram de foro privativo (tinham 7

8 tribunais e leis próprias direito canónico), gozavam do direito de asilo (os fugitivos podiam-se abrigar nas igrejas, embora judeus, mouros e escravos não beneficiassem desta protecção). O clero tinha discrepâncias por se dividir em alto clero (bispos e abades) e baixo clero(monges e simples párocos). Em 1789, todos os bispos eram nobres e tinham direitos senhoriais. A nobreza baseava-se numa economia fundiária, tinha também tarefas societárias, salvo raras excepções não pagava impostos, não era sujeita a penas infamantes (como açoutes em público ou morte por enforcamento), ocupava preferencialmente altos cargos admnistrativos, possuía extensas propriedades de onde recebia rendas e outras obrigações, recebia títulos e pensões da parte da coroa e dividia-se em várias categorias: nobreza de espada (função guerreira, vivia mais junto do rei e tinha favores régios), nobreza de toga (era nobilitada como recompensa de serviços prestados na magistratura e administração) e nobreza de província (com cargos públicos nas cidades de província ou que vivia nas suas propriedades rurais), por isso também existiam desigualdades nos seu seio. O povo (Albert Soboul aponta o terceiro estado como a imensa maioria da nação, 24 milhões de habitantes no final do Antigo Regime) trabalhava através do esforço físico, produzia os alimentos para a sobrevivência dos outros estados, no caso dos populares rurais, nas quais recaía maior peso numa situação de crise. 80 % da população trabalhava no sector primário. Depois existiam também os assalariados fabris, as classes populares urbanas e de serviços. Era no terceiro estado que estava a burguesia, sendo que aqui tinham bastante importância aqueles que se dedicavam ao grande comércio colonial. Esta burguesia foi ascendendo graças à actividade comercial que criavam para competir com a nobreza, e aposta nos estudos dando quadros para a administração régia. A burguesia via as portas do Estado a ela lhes fechada e tinha um papel subalterno na sociedade e se subia à nobreza era através do casamento ou por nobilitação em paga de serviços prestados. A sua tentativa de se identificar com a nobreza era adquirindo grandes propriedades rurais, sinal de prestígio social. Portanto, esta sociedade é de ordens, em que o rei tinha poder absoluto justificado pelo direito divino, e usufrui de inúmeras prerrogativas sem ter de ceder a outra ordem. A abolição dos privilégios feudais e da sociedade de ordens, bem como o reconhecimento da igualdade e liberdade como valores fundamentais, possibilitaram a ascensão da burguesia como classe dirigente. O absolutismo cedeu lugar às monarquias constitucionais ou a regimes republicanos nos quais se reconhece a soberania popular e a igualdade dos cidadãos perante a lei. Por fim, a divisão tripartida dos poderes presente 8

9 na Constituição americana e na Constituição Francesa de 1791 serviu de modelo às futuras constituições europeias. Veja-se o quanto a revolução francesa foi temida pelos outros países: uma carta do ministro austríaco dos Países Baixos ao seu soberano falava do ressentir da revolução na Holanda e em Liège e o quanto isso o alarmava. Robert Palmer, em As revoluções da liberdade e da igualdade (1968), afirma que a revolução francesa foi a mais revolucionária das revoluções, que talvez tenha sido a causa para o atraso do crescimento do capitalismo na França mas decidiu muito quanto à redefinição de propriedade (a propriedade foi despojada do feudalismo e do direito aristocrático de progenitura; a propriedade estava até então mal distribuída), quanto às classes possidentes. De um lado estava a esfera do indivíduo e do outro a esfera do Estado com autoridade e função pública, sendo que à monarquia e aos poderes hereditários se opôs a soberania do povo. Diz ainda que os republicanos substituiram os súbditos pelos cidadãos, reclamaram a liberdade de pensamento, de expressão, de religião, de associação de de empresa de todas as espécies, colocando no lugar da discriminação o ideal da igualdade, da solidariedade e da fraternidade. Falta ainda referir, que a revolução separa a Igreja do Estado, toma a escola como exigência social já no consulado de Napoleão a Universidade Imperial nasce dividida em Academias. A nível económico, abre-se o caminho para o liberalismo económico, para a liberdade de comércio, abole-se as corporações e decreta-se livre a concorrência entre produtores, a livre circulação e fixação de preços. Já no sector cultural, constituem-se museus (Museu do Louvre), arquivos nacionais, a Biblioteca Nacional, compõem-se códigos (Código Civil de Napoleão que acaba com os morgadios, os privilégios do primogênito, constitui o casamento civil e o divórcio, e o Código Penal). 9

10 CRONOLOGIA DA REVOLUÇÃO FRANCESA 1789 Reunião dos Estados Gerais em Versalhes. O terceiro Estado declara-se como assembléia Nacional e empreende a elaboração de uma constituição. Tomada da Bastilha (que era símbolo da opressão feudal). Adopção pela Assembléia Nacional da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão 1790 Constituição civil do clero francês 1791 Constituição de 1791 A Assembleia Legislativa reúne-se pela primeira vez 1792 Invasão da França pelos exércitos prussianos e austríacos de 1792 até 94/95, os jacobinos ao prenderem o Rei tentam implantar uma República Popular. Nomes revolucionários desta altura: Marat que é assassinado, Danton e Robespierre que são levados à guilhotina Julgamento de Luís XVI 1793 Execução de Luís XVI, o último monarca absoluto de França. O terror 1795 Directório Fase da República Burguesa - derrubado Robespierre e livre dos radicais jacobinos, a Convenção fez aprovar a Constituição do ano III. Esta, menos democrática do que a de 1793, estabelecia a divisão dos poderes, entregava o poder executivo a uma junta de 5 directores e o legislativo a duas câmaras: o Conselho de 500 e o dos Anciãos. O Directório pretendia governar sem os jacobinos, apoiado apenas nos moderados.o descontentamento generalizado e o reduzido número de bases em que se apoiava conduziram ao Golpe de estado de , dirigido por Bonaparte com o apoio de membros do Directório (assim se instaurou o Consulado) Consulado 1803 Declaração de guerra da Inglaterra à França 1804 Com Napoleão de 1804 a 1814, vive-se na fase do Império 1806 Declaração do Bloqueio à Inglaterra 1812 Campanha da Rússia 1813 Derrota de Napoleão em Leipzig 1814 Exilo de Napoleão na ilha de Elba 10

11 1814/1815 Congresso de Viena, em que os que derrotaram Napoleão formam um novo mapa político para a Europa. A Rússia, Áustria e Prússia constituem a santa Aliança para porem em prática os princípios do Congresso de Viena 1815 Governo dos Cem Dias. Derrota de Napoleão em Waterloo que a bordo do navio britânico Nothumberland foi conduzido ao exílio na ilha de Santa Helena Cátia Calado Covilhã

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9

R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9 R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9 A bandeira francesa - o azul representa o poder legislativo/liberdade (Liberté), branco o poder Executivo/Igualdade, (Égalité) e o vermelho o Povo/Fraternidade

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

Revolução francesa. Monarquia absolutista*

Revolução francesa. Monarquia absolutista* Revolução francesa No desenrolar dos fatos históricos, alguns deles de tão marcantes, dividem os períodos da humanidade. Atualmente os seres humanos dividem a sua atuação no mundo em cinco partes. Pré-História

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE

A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE Prof. Marcos Faber www.historialivre.com A sociedade francesa estava dividida em três Estados (clero, nobres e povo/burguesia). Sendo que o povo e a burguesia sustentavam,

Leia mais

A Era das Revoluções. Autor: Eric Hobsbawm. Editora: Paz e Terra.

A Era das Revoluções. Autor: Eric Hobsbawm. Editora: Paz e Terra. Objetivos: - EXPLICAR as características do Antigo Regime. - IDENTIFICAR o conjunto de causas sociais, econômicas e políticas da Revolução Francesa. - IDENTIFICAR as etapas do processo revolucionário francês

Leia mais

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA ROSE LIMA Nome: PRIMEIRA PARTE SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: Art.1.º Os homens

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso

Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola Básica de Custóias/ Faculdade de Letras da Universidade do Porto Núcleo de Estágio em História e Geografia 2011/2012 Estagiária: Diana Barroso Escola: Básica de Custóias (sede) Ano: 8º ano Turma:

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

A situação da França antes da revolução de 1789.

A situação da França antes da revolução de 1789. A situação da França antes da revolução de 1789. I-POLÍTICA->Antigo Regime existente na França -GOVERNO Luis XVI: altas taxas cobradas pela nobreza, nos impostos cobrados pelo Estado absolutista e nas

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS

A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DESTRÓI A UNIDADE DO SISTEMA COLONIAL COLABORA DECISIVAMENTE PARA A DERROCADA DO ANTIGO REGIME NO CENTRO PENSILVÂNIA, NOVA YORK, NOVA JERSEY E DELAWARE. NO NORTE MASSACHUSETTS,

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

George Washington forma um exército de voluntários. Inicia-se a guerra da independência. Boston Tea Party

George Washington forma um exército de voluntários. Inicia-se a guerra da independência. Boston Tea Party 13 colónias: Colónias do Norte: Os seus habitantes eram industriais e comerciantes e partilhavam a ideologia republicana. Colónias do Sul: Os seus habitantes eram católicos e anglicanos e dedicavam-se

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Unidade I Produção, Circulação e Trabalho. Aula 3.2 Conteúdo Revolução Francesa II

Unidade I Produção, Circulação e Trabalho. Aula 3.2 Conteúdo Revolução Francesa II A A Unidade I Produção, Circulação e Trabalho. Aula 3.2 Conteúdo Revolução Francesa II 2 A A Habilidade Analisar a Era Napoleônica e a organização social da França no Pós-Revolução. 3 A A Napoleão 4 A

Leia mais

O Brasil comemorou com festas, palestras e publicações várias

O Brasil comemorou com festas, palestras e publicações várias Os 200 anos da vinda da Família Real para o Brasil (1808-2008) Elmo Vasconcelos * O Brasil comemorou com festas, palestras e publicações várias o transcurso dos 200 anos da chegada da família real portuguesa

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Conv n o v ca c çã ç o d os Est s a t dos Gerais (1789)

Conv n o v ca c çã ç o d os Est s a t dos Gerais (1789) Revolução Francesa Convocação dos Estados Gerais (1789) Reunião dos Estados Gerais em 5 de maio de 1789. Tensa disputa política entre nobreza, clero e burguesia. Impasse sobre deliberações: Voto por Estado

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Revolução Francesa. Profº Hamilton Milczvski Jr

Revolução Francesa. Profº Hamilton Milczvski Jr Revolução Francesa Profº Hamilton Milczvski Jr Fatores e antecedentes Revolução Francesa é o nome dado ao conjunto de acontecimentos que, entre 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799, alteraram o quadro

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO FERRAMENTAS MECÂNICAS INDIVIDUAL TRABALHO

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO FERRAMENTAS MECÂNICAS INDIVIDUAL TRABALHO Definição: conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX 1820 Independência da Grécia submetida ao Império turco-otomano, o movimento conquista a autonomia política da região com apoio popular e internacional.

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I

Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I O período napoleônico consolida a vitória dos ideais burgueses na França do final do século XVIII. Mais que isso, a ascensão de Napoleão Bonaparte ao

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALISMO E DA ORDEM BURGUESA NA EUROPA

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALISMO E DA ORDEM BURGUESA NA EUROPA EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA CONSOLIDAÇÃO DO CAPITALISMO E DA ORDEM BURGUESA NA EUROPA 01) "Movimento intelectual portador de uma visão unitária do mundo e do homem, o Iluminismo, apesar das diversidades

Leia mais

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio?

03. O que foi o Bloqueio Continental? 04. Qual o interesse de Napoleão Bonaparte em estabelecer esse Bloqueio? Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 2ª. Disciplina: História (p2,1ª,chamada, 3º. Bimestre) prova dia 26 setembro de 2015.

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Analise a gravura e explique qual crítica ela revela. Gravura anônima do século XVIII. Biblioteca Nacional da França, Paris

Leia mais

Exercícios de Congresso de Viena, Independências na América Espanhola e Primeiro Reinado

Exercícios de Congresso de Viena, Independências na América Espanhola e Primeiro Reinado Exercícios de Congresso de Viena, Independências na América Espanhola e Primeiro Reinado Material de apoio do Extensivo 1. (FGV) Entre 1814-1815, representantes das nações europeias reuniram-se no chamado

Leia mais

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014

Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Agrupamento de Escolas Agualva-Mira Sintra Planificação anual 2013/2014 Departamento Curricular de Ciências Sociais e Humanas Disciplina de História Ano:8º Temas Conteúdos Conceitos E : Expansão e Mudança

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: / /2012 Nota: Professora: Ivana Cavalcanti Riolino Valor da Prova: 65 pontos Orientações

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

A REVOLUÇÃO FRANCESA. A Revolução Francesa. Fatores da Revolução

A REVOLUÇÃO FRANCESA. A Revolução Francesa. Fatores da Revolução A REVOLUÇÃO FRANCESA A Revolução Francesa Introdução: A Revolução Francesa foi o acontecimento mais importante da Era Moderna. Por isso ela marca o início da Época Contemporânea. Para muitos historiadores

Leia mais

APRESENTAÇÃO Aula 12 4B A Era Napoleônica e a Reação Conservadora Prof. Alexandre Cardoso - Golpe do 18 Brumário ( 9 de novembro de 1799) - Apoio de alguns setores da burguesia. - Napoleão Bonaparte toma

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Independência do Brasil

Independência do Brasil A UA UL LA MÓDULO 3 Independência do Brasil Nesta aula No dia 7 de setembro, comemoramos a Independência do Brasil. Por isso, é feriado nacional. Todos nós sabemos que os feriados significam algo mais

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910

PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 PORTUGAL: DO FINAL DO SÉCULO XIX A 1910 Antecedentes da implantação da República em Portugal O século XIX foi um período particularmente perturbado para Portugal. - A partir de 1870, o país sofreu, como

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

Questões de vestibular sobre a Era Napoleônica e o Congresso de Viena

Questões de vestibular sobre a Era Napoleônica e o Congresso de Viena Questões de vestibular sobre a Era Napoleônica e o Congresso de Viena 1) (Puccamp) No contexto histórico da Revolução Francesa, o episódio denominado "O Golpe do 18 Brumário", aconteceu a) quando se inicia

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas.

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas. IDADE MODERNA Revolução Americana Os cinquenta anos que se passam entre o final do século XVIII e o início do século XIX foram decisivos para o continente americano. Foi nessa época que as ideias iluministas

Leia mais

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA NOME: ANO: 8º TURMA: ENS. FUND. II DATA: / /2014 PROF.: Ariany Galvão ATIVIDADE COMPLEMENTAR História (2º BIMESTRE) REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA UMA INTRODUÇÃO A Revolução Inglesa do século XVII

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA MANUAL ADOTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL HGP 6º ANO AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE EDITORA: TEXTO EDITORES 6º ANO ANO LETIVO 2013-2014 1º Período Subtema Conteúdos Conceitos Operacionalização

Leia mais