Comente esse excerto, explicando as consequências da Guerra dos Cem Anos ( ) para a França e para o sistema feudal.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comente esse excerto, explicando as consequências da Guerra dos Cem Anos (1337-1453) para a França e para o sistema feudal."

Transcrição

1 01 - Sobre Joana D Arc, o historiador Jules Michelet escreveu: Pela primeira vez, sente-se, a França é amada como uma pessoa, e ela torna-se tal desde o dia em que a amam. Até ali era uma reunião de províncias, um vasto caos feudal, um país imenso, de ideia vaga. Mas desde esse dia, pela força do coração é uma pátria. (MICHELET, Jules. Joana D Arc. São Paulo: Fulgor, 1964, p. 16). Comente esse excerto, explicando as consequências da Guerra dos Cem Anos ( ) para a França e para o sistema feudal. Consequências: A guerra contribuiu na França para revelar uma nova força: o sentimento nacional. A atuação de Joana d Arc, simples camponesa que identificou a continuidade da monarquia francesa como fundamental para a libertação da França do domínio britânico, refletiu os sentimentos do povo francês, cujo futuro devia ser totalmente desvinculado da Inglaterra. Esse nacionalismo emergente foi capitalizado a serviço da monarquia pelos reis valois para a consolidação de um poder central em bases nacionais. A criação de um exército nacional e profissional permanente à serviço da monarquia, também dispondo de impostos permanentes, foi fundamental para a vitória final da França e a retomada da centralização política e territorial nacional. A Guerra dos Cem Anos, cujo processamento implicou a desorganização da produção feudal, acentuou o declínio demográfico devido à elevação do índice de mortalidade, acarretou o aumento da tributação para atender aos gastos bélicos. Evidentemente a guerra atingiu pesadamente os que viviam da terra, não só os senhores feudais, mas principalmente os camponeses, gerando revoltas, crise geral feudal e formação do Estado Nacional Moderno Leia o excerto da Declaração de Direitos (Bill of Rights), assinada pelo rei Guilherme de Orange, em 1689, após a chamada Revolução Gloriosa na Inglaterra em 1688: "Os Lords (...) e os membros da Câmara dos Comuns, declaram, desde logo, o seguinte: 1. Que é ilegal a faculdade que se atribui à autoridade real para suspender as leis ou seu cumprimento (...). 5. Que os súditos têm direitos de apresentar petições ao Rei, sendo ilegais as prisões, vexações de qualquer espécie que sofram por esta causa. (...). 13. Que é indispensável convocar com frequência os Parlamentos para satisfazer os agravos, assim como para corrigir, afirmar e conservar as leis.

2 A partir do documento acima e de seus conhecimentos sobre a Revolução Gloriosa e seus desdobramentos, explique por que ela é interpretada como uma revolução liberal, parlamentar e burguesa. Porque representou o triunfo da burguesia capitalista, dos mercadores de Londres, dos gentis-homens do campo abuguersados pelo capitalismo agrícola. A revolução correspondia ao triunfo da teoria do contrato entre o Rei e a Nação. O Rei de Direito Divino, excluído, foi substituído por um primeiro-ministro e um parlamento fortes, passando simplesmente a reinar, porém, não mais governar. Não se verificou, todavia, a vitória de uma revolução popular, mas sim de uma revolução aristocrática. A massa, o povo, não ascendeu, contudo ao poder. Foi a revolução das liberdades mais do que da liberdade dos privilégios da fortuna ou da educação mais que da igualdade, da harmonia e do compromisso mais que da fraternidade No Estado do Paraná, desde 2005, foram mapeadas mais de 80 comunidades quilombolas, parte delas já reconhecidas pelo governo brasileiro. Explique o que foram os quilombos, e em seguida explique por que, atualmente, o reconhecimento oficial das comunidades quilombolas paranaenses é importante para o estudo da História do Paraná. Surgidos no período colonial e multiplicados desde então até o final do império, quando da abolição da escravidão, os quilombos tornaram-se a mais simbólica e representativa forma de resistência negra ao cativeiro: refúgios criados nas matas, para os quais se dirigiam os egressos das senzalas em meio a fugas e revoltas, transformaram-se em comunidades praticamente autônomas, produzindo para a subsistência e resgatando alguns dos costumes e tradições da mãe África. Em meio ao isolamento geográfico de umas, e à proximidade de outras da cobiça dos grileiros, as comunidades quilombolas ou seja, remanescentes dos antigos escravos fugitivos só tiveram seus direitos e importância reconhecidos a partir da Constituição de 1988, depois de décadas de luta de diversos setores e movimentos sociais. Ainda dependentes da demarcação de muitas das suas terras, tais comunidades têm um papel fundamental na construção do patrimônio material e imaterial da nossa história, portanto seu reconhecimento oficial é essencial para se compreender desde os aspectos locais da escravidão no Paraná (e no Brasil afora) até as formas de resistência física e cultural ao cativeiro, elementos que fazem parte da própria formação da sociedade paranaense, suas idiossincrasias e contradições. Questão razoavelmente fácil, tendo como elemento complicador a menção à História do Paraná o que, neste caso, não fazia a menor diferença para a essência da resposta Durante o Estado Novo ( ) os periódicos acabaram sendo obrigados a reproduzir os discursos oficiais, a dar ampla divulgação às inaugurações, a enfatizar as notícias dos atos do governo, a publicar fotos de Vargas (...) Havia íntima relação

3 entre censura e propaganda. (CAPELATO, M. H. Multidões em cena. S P: Unes p, 2009, 2ª ed., p. 86). Por que o governo desse período deu tanta importância ao controle dos meios de comunicação? Quais tipos de informação e conteúdo eram censurados pelo governo do Estado Novo nos meios de comunicação? Como todo regime autoritário do século XX, o Estado Novo de Getúlio Vargas não ignorava a importância crucial dos meios de comunicação de massa nessa época, jornais e rádio em especial na construção e, sobretudo, manipulação da assim chamada opinião pública, de forma a legitimar a usurpação do poder e a implantação do autoritarismo, bem como estimular o culto à figura do líder. A exemplo do nazifascismo e outros, a ditadura getulista criou mecanismos institucionais para o controle dos meios de comunicação, como o famigerado DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), órgão responsável tanto pela propaganda do regime, através de pérolas como a Hora do Brasil transmitida via rádio em horário nobre e rede nacional, quanto pela seleção e maquiagem de informações e, sobretudo, censura de conteúdos considerados impróprios pelo governo: obviamente quaisquer críticas ao mesmo, mas também notícias de criminalidade (pois no Estado Novo de Vargas supostamente não havia problemas sociais) e, em especial, a exaltação de ideologias antinacionalistas e subversivas, ou ainda comportamentos contrários à moral do trabalho imposta pelo regime. Questão clássica acerca de temas fundamentais: a relação Estado, imprensa e autoritarismo; a ditadura do Estado Novo Leia o excerto de uma obra de Machado de Assis: [...] Toda a questão é não infringir as regras e obrigações capitais. Podes pertencer a qualquer partido, liberal ou conservador (...), com a cláusula única de não ligar nenhuma ideia especial a esses vocábulos [...]. (ASSIS, Machado de. Teoria do Medalhão. In M. de ASSIS, Papéis avulsos. (1882). Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Garnier, 1989, p. 74). Comente essa afirmação, destacando o funcionamento do sistema político do Segundo Reinado no que se refere à atuação dos partidos liberal e conservador, e no que se refere à atuação do imperador D. Pedro II. Conforme aponta Machado de Assis e boa parte da imprensa da época do Segundo Reinado as diferenças entre os partidos liberal e conservador, protagonistas da cena política de então, limitavam-se a seus nomes, não envolvendo divergências ideológicas nem distinções de classe, pois ambos representavam os interesses da aristocracia rural e revezavam-se no poder, de forma razoavelmente equilibrada e sem mudanças significativas na condução do país, graças ao sistema político estabelecido em 1847 e conhecido como parlamentarismo às avessas, no qual D. Pedro II, através do Poder Moderador (que colocava o rei acima dos demais poderes instituídos), escolhia o Primeiro-Ministro e este, por sua vez, assumia a chefia do Executivo e determinava a composição do Legislativo (a seu favor, é claro) por meio

4 de um processo eleitoral marcado por fraudes e violência as famosas eleições do cacete. Desse modo, manipulando os interesses da elite político-econômica e jogando com os partidos que a representavam, o imperador preservava-se dos efeitos da disputa partidária, colocando-se como um elemento neutro e eximindo-se do desgaste da administração da máquina pública, garantindo assim a estabilidade que marcou seu longo reinado. Outra questão clássica e fácil de História do Brasil: parlamentarismo às avessas é beabá do Segundo Reinado para qualquer candidato minimamente preparado ALeia o excerto sobre a Guerra de Secessão dos Estados Unidos ( ): Foi essa experiência terrível [a Guerra de Secessão ], e não a luta pela independência, que fez dos americanos um povo unido, consciente de seu destino único. (AMEUR, Farid. O nascimento de uma nação. História Viva. Disponível em: de_umanacao.html). Por que o autor faz esta afirmação sobre a Guerra Civil norte-americana? Justifique sua resposta, comparando a situação política Após a guerra os estados sulistas derrotados, foram reintegrados à união, tiveram que reconhecer a abolição da escravidão e o direito de voto aos negros tornados cidadãos. O sul desvinculou-se da Inglaterra e se viu na contingência de vender seus produtos agrícolas aos capitalistas do norte que transferiram capitais e indústrias para os Estados sulinos. Após a guerra da independência: Os EUA politicamente organizaram os novos Estados sob a forma confederada desfrutando de completa autonomia. Logo de início defrontaram-se os republicanos (a favor de maior autonomia para os Estados) e os federalistas (a favor de um poder central forte). Na constituição de 1787 houve um visível compromisso entre as duas tendências. Um dos problemas a resolver: afastar a pressão econômica inglesa sendo necessário uma segunda guerra de independência ( ). Após a Guerra de Secessão: formação dos primeiros trustes ligados aos Morgan, Carnegie, Rockefeller, pois os EUA conheceram uma crescente prosperidade econômica. A produção foi estimulada pelo desenvolvimento industrial, pelo estabelecimento de elevadas tarifas protecionistas, pelo afluxo de mão-de-obra graças à imigração que permitiu cultivar as terras do oeste e multiplicar as usinas pelo afluxo de capitais europeus, notadamente britânicos Aponte e explique três consequências econômicas importantes para a sociedade brasileira decorrentes da implantação do Plano Real em 1994 e da política econômica adotada no contexto dos governos Itamar Franco ( ) e do primeiro governo Fernando Henrique Cardoso ( ). Primeiramente e acima de tudo, o controle da inflação depois de mais de uma década de escalada astronômica de preços e várias medidas frustradas para contê-los foi sem dúvida a consequência mais importante e desejada do Plano Real;

5 complementando tal objetivo e desempenhando papel primordial para tanto, este Plano lançou mão de uma política de valorização da moeda, substituindo gradualmente o desgastado Cruzeiro Real pelo Real, unidade cujo valor garantiu maior acesso da população de baixa renda ao consumo bem como fortaleceu o setor de importações, igualmente estimulado pelos governos Itamar e FHC como meio de ampliar a oferta e a concorrência no mercado e assim reduzir os preços; é importante citar ainda, como fatores do sucesso e efeitos colaterais nem sempre benéficos do Plano Real, a política de juros altos e a busca pelo equilíbrio das contas públicas o que, no período citado, significou dificuldades para o financiamento e crediário, redução de investimentos públicos, aumento de impostos e privatização de estatais; apesar de eficientes no combate à inflação, tais medidas também geraram problemas e polêmicas, como a diminuição da atividade financeira, a paralisação de obras de infraestrutura e a diluição do patrimônio público. A questão mais complexa de História do Brasil desta prova: apesar de tratar de tema bastante conhecido pelo senso comum, exigiu do candidato conhecimentos mais aprofundados da história econômica recente do país. 08 Leia a afirmação sobre o movimento muralista mexicano nas décadas de 1920 a 1940: O processo revolucionário mexicano possibilitou o ressurgimento de uma nova arte que visava a integração entre o presente e o passado no México. (BARBOSA, L.C. Muralismo e Identidades: representações préhispânicas em David Alfaro Siqueiros, I Seminário de Pesquisa em PósGraduação. UFG, 2008, p. 4). Comente esta afirmação, destacando quais sujeitos do passado e do presente mexicano foram exaltados e quais foram criticados pelos pintores do movimento muralista. Qual a importância de se integrar personagens do passado e do presente nesse período posterior à Revolução Mexicana de 1910? O Muralismo se transformou na arte revolucionária durante a revolução mexicana. A revolução mexicana teve principais acontecimentos a reivindicação das reforma agrária e a manifestação dos camponeses que solicitavam um retorno à sua cultura, ou seja, a busca e a valorização da cultura indígena. Durante as décadas de 1920 e 1930, o México passou a ser o âmago da arte no continente american. Os pintores mexicanos, influenciados pela revolução, iniciaram uma proposta de arte revolucionária que seria uma mistura entre influências da arte pré-colombiana (asteca, inca e maia) e da arte moderna. A nova arte deveria ser das camadas populares, ou seja, o povo teria acesso a essa arte. A influência revolucionária seria expressa em grandes murais (pintura muralista) nos edifícios públicos, que foram a principal tela dessa nova arte. Sua principal proposta era o retorno às origens indígenas principais muralistas: Clemente Orozco, David Siqueiros e Diego Rivera. Os principais temas pintados por eles foram mensagens de luta, à população, contra as desigualdades sociais, a miséria e a exploração dos camponeses.

6 09 O conflito palestino-israelense não é um filme de faroeste. Não é uma luta entre o bem e o mal. Vejo-o, antes, como um choque entre certo e certo (...) (OZ, Amós. Contra o fanatismo, RJ: Ediouro, 2004, p.45). Comente a afirmação acima, expondo os motivos políticos e religiosos alegados por ambos os lados israelense e palestino para os conflitos que se estendem desde a criação do Estado de Israel e nos territórios ocupados por ele. O conflito palestino-israelense está diretamente redirecionado ao processo de divisão da Palestina pela ONU em novembro de 1947, com o objetivo de formar dois estados independentes Israel e o Estado da Palestina e uma zona neutra, situada na cidade sagrada de Jerusalém tanto para árabes quanto para judeus. Em maio de 1948, foi proclamado o Estado de Israel. Em represália, a Liga Árabe invadiu a Galiléia, no norte do país, dando início a primeira guerra árabe-israelense, que terminou em 1949 com a vitória do Israel e a extinção do Estado Palestino, cujo território foi ocupado por forças israelenses, egípcias (Faixa de Gaza) e jordanianas (Cisjordância). Assim, às disputas pela definição das fronteiras entre árabes e judeus, geraram novas guerras como Suez (1956), Guerra dos seis dias (1967), guerra do Yom Kuppur (1973). Em 2001, israelenses e palestinos firmaram um frágil acordo de paz, intermediado pelos EUA, porém, a paz na região continua sendo uma incógnita Leia o excerto abaixo, retirado da Carta do MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra] aos Candidatos e Candidatas [à presidência da República], publicada em 02 de setembro de 2014: Lutamos por mudanças na relação com os bens da natureza, na produção de alimentos e nas relações sociais no campo. (...) A terra precisa ser democratizada e cumprir com sua função social. (...) Lutamos e exigimos uma política efetiva, estruturante e massiva de Reforma Agrária Popular, indispensável para a permanência das famílias no campo, com produção e distribuição de riquezas. (http://www.mst.org.br/node/16467). Considerando seus conhecimentos sobre a questão da reforma agrária em diferentes períodos da História, responda: Por que há grupos, como o MST, que reivindicam uma reforma agrária no Brasil atual? Por que os irmãos Tibério e Caio Graco tentaram estabelecer a reforma agrária entre 133 e 121 a.c., durante o período republicano romano? Brasil atual: Seja no Brasil, seja no mundo, o tema da Reforma Agrária é histórico e remete à luta das camadas humildes do campo pelo direito à terra e ao trabalho, obstaculizado pela concentração da propriedade rural nas mãos da elite agrária. No caso específico de nosso país, a bandeira da Reforma Agrária já é levantada pelos camponeses e seus

7 representantes políticos, bem como por intelectuais e militantes de esquerda, desde os anos 50 com a criação de movimentos como as Ligas Camponesas de Francisco Julião; prosseguindo esta luta histórica num novo contexto, o da Constituição de 1988, a qual prevê a Reforma Agrária e o direito ao trabalho, além de definir a terra como bem social, o MST se utiliza tanto de meios legítimos como a formação de cooperativas de trabalhadores assentados em terras desapropriadas pelo governo quanto de recursos radicais como a invasão de propriedades para forçar a desapropriação das mesmas, nem sempre com bases legais para sensibilizar a opinião pública e, acima de tudo, naturalmente, alcançar o objetivo prioritário: reduzir a concentração da propriedade rural para evitar o êxodo do homem do campo, garantindo-lhe oportunidade de trabalho e dignidade de existência, além da produção e distribuição da riqueza de forma mais justa, combatendo assim a miséria e a violência decorrentes da exclusão socioeconômica no campo. Os irmãos Graco, Tibério e Caio, durante o período de crise da república romana devido o grande número de escravos proveniente das guerras de conquista, tentaram fazer uma reforma agrária em Roma e em algumas colônias com o objetivo de conter o desemprego de homens livre e entregar terras aos velhos soldados desmoralizados do exército. A reforma deveria ser feita no chamado Áger publicus torna públicas em posse dos patrícios ricos. A tentativa fracassou com a morte de Tibério Graco e o suicídio de Caio que ainda havia tentado pôr em prática a lei frumentária, vendas do trigo a um preço mais baixo para os mais pobres de Roma. Mais uma questão clássica e tranquila para quem estudou o básico envolvendo a comparação histórica de um tema universal: a Reforma Agrária. Comentário Geral: Envolvendo temas contemporâneos, assuntos de grande relevância e propiciando relações e reflexões entre presente-passado e Brasil/Mundo, a prova discursiva de História de 2015 foi uma das melhores e mais equilibradas dos últimos anos; sem surpresas negativas ou conteúdos esdrúxulos, contemplou o candidato bem preparado e capaz de articular o conhecimento histórico com questões atuais. Mesmo a questão sobre o movimento muralista mexicano, apesar de tratar de um tema específico, não fugiu à tradição da UFPR de cobrar conteúdos de história cultural e história da arte, o que certamente atesta coerência e eleva o nível da prova, bem como da preparação exigida do futuro calouro desta instituição. (Prof. Jully Mar e Prof. Sergião)

HISTÓRIA Professores: André, Guga e Pedro Alexandre

HISTÓRIA Professores: André, Guga e Pedro Alexandre HISTÓRIA Professores: André, Guga e Pedro Alexandre Questões 01. Sobre Joana D Arc, o historiador Jules Michelet escreveu: Pela primeira vez, sente-se, a França é amada como uma pessoa, e ela torna-se

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA Prof.: Otto Terra ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA HISTÓRICO Poder nas mãos dos Patrícios; Sociedade censitária; Significativo aumento do número de escravos; Sociedade Patriarcal; Tensões sociais:

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA Origem do Judaísmo Os relatos bíblicos são a principal fonte de informações para entender as origens dos judeus. Segundo a Bíblia, Abraão recebeu de Deus a missão de levar

Leia mais

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável

Rei (controla poder moderador) além de indicar o primeiro ministro e dissolve a Câmara de Deputados Monarquia torna-se estável História do Brasil Professora Agnes (Cursinho Etec Popular de São Roque) Política Interna O SEGUNDO REINADO (1840-1889) * Apogeu da monarquia brasileira. * Centralização política e administrativa. * Pacificação

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX Descolonização e Lutas de Independência no Século XX A Independência da Índia (1947) - Antecedentes: Partido do Congresso (hindu) Liga Muçulmana Longa luta contra a Metrópole inglesa - Desobediência pacífica

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo, Tirreno,

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo,

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo

GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências entre o Norte e o Sul dos EUA (

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de HISTÓRIA do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História

Brasil Império. Sétima Série Professora Carina História Brasil Império Sétima Série Professora Carina História Confederação do Equador Local: Províncias do Nordeste. Época: 1824. Líderes da revolta: Manuel Paes de Andrade, frei Caneca e Cipriano Barata. Causas:

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV)

IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA (SÉC. XI XV) 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social: burguesia; formação

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14 PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano 1 D. PDRO II, O NOVO IMPERADOR Após agitações D. Pedro II assume o trono de 1840 a 1889: foi deposto 1º momento tranquilidade

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

Descolonização Afroasiática

Descolonização Afroasiática Aula 50 Descolonização Afroasiática 1 Fatores Setor 1602 2 Casos Nacionais 3 China ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar o quadro geral da descolonização afroasiática após a Segunda Guerra Mundial.

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010)

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010) GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE Questão 1 DESVENDANDO A NOTÍCIA Certos acontecimentos que ganham destaque na mídia internacional costumam, como se diz na linguagem corrente, esconder problemas ou polêmicas

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSO História. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2004/1 HISTÓRIA CURSO História Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. 1. 2. 3. 4. Este caderno de prova contém dez questões, que deverão

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX

Estados Unidos da América. Aula I Da colonização ao século XIX Estados Unidos da América Aula I Da colonização ao século XIX As Teorias: Corrente asiática Estreito de Bering (beríngia). Malaio Polinésia Corrente australiana Ocupação do Continente Americano: Principais

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas COPEVE Comissão Permanente de Vestibular

Universidade Federal de Alfenas COPEVE Comissão Permanente de Vestibular PROCESSO SELETIVO UNIFAL MG 2008/1 Gabarito Final com Distribuição dos Pontos questão nº 01 1º) 4 pontos serão atribuídos à resposta que contemplar a explicação da política de submissão dos índios nos

Leia mais

Israel e o mundo Árabe

Israel e o mundo Árabe Israel e o mundo Árabe Leonardo Herms Maia¹ Regina Cohen Barros² Para uma compreensão espacial e econômica deste assunto, irei abordar temas principais que nos mostram como Israel se tornou uma grande

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

HISTÓRIA Resolução OBJETIVO 2001

HISTÓRIA Resolução OBJETIVO 2001 1 Tito Lívio, em História de Roma, referindo-se às lutas entre patrícios e plebeus que se estenderam do século V ao IV a.c., escreveu: "... apesar da oposição da nobreza, houve eleições consulares em que

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SÉCULO XIX GUERRA DE SECESSÃO secessão significa separação INTRODUÇÃO a Guerra de Secessão foi uma guerra civil ocorrida nos EUA entre 1861 e 1865 motivo rivalidades e divergências

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

Tensões Separatistas na Bélgica

Tensões Separatistas na Bélgica Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 18 de fevereiro de 2008 Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL 4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL A Revolução Americana é um movimento de ampla base popular, a burguesia foi quem levou esta revolução avante. O terceiro estado (povo e burguesia) conseguiu a independência

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA

Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA Exercícios de Iluminismo e Independência dos EUA 1. (Enem) É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer, mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

A formação do Estado de Israel

A formação do Estado de Israel A formação do Estado de Israel 1946: 500 mil judeus na Palestina querem a independência de Israel do domínio britânico Aumento da tensão entre israelenses e ingleses: centenas de ataques de judeus a britânicos

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA ROSE LIMA Nome: PRIMEIRA PARTE SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: Art.1.º Os homens

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio.

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. HISTÓRIA DE ROMA Localização Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. Primeiros habitantes: Autóctones: nativos do local Sul Sículos Norte Lígures Povoamento Povoamento semelhante ao

Leia mais

Alguns dados sobre a China

Alguns dados sobre a China CHINA "...de que país a China é colônia? É colônia de cada país com quem firmou um tratado, e todos os países que têm um tratado com a China são seus donos. Assim, a China não é somente escrava de uma

Leia mais

Roma. Profª. Maria Auxiliadora

Roma. Profª. Maria Auxiliadora Roma Profª. Maria Auxiliadora Economia: Agricultura e Pastoreiro Organização Política: MONARQUIA 753 a.c. 509 a.c. Rex = Rei (chefe supremo, sacerdote e juiz) Conselho de Anciãos = Senado (legislativo)

Leia mais