SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3"

Transcrição

1 SUMÁRIO Introdução Objetivos Possibilidades de Trabalho

2 Introdução A disciplina de Ensino Religioso aos poucos vai tomando o seu espaço no currículo escolar. Torna-se matrícula facultativa e oferta obrigatória, parte integrante da formação básica do cidadão, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de Educação Básica, assegurando o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil. Concebendo o Ensino Religioso de forma interdisciplinar, com estratégias que considerem um novo perfil de indivíduos, estimulando, sobretudo, o diálogo; procura-se compreender o aluno, explorando temas do seu interesse e oportunizar ao educando a possibilidade de expressar a sua opinião. O Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso, para a efetivação desta área do conhecimento, definiu cinco eixos e os respectivos conteúdos: Culturas e Tradições Religiosas, Teologias, Textos Sagrados e Tradições Orais, Ritos e Ethos (palavra de origem grega que significa caráter). O professor deve ter ciência desses eixos, que constam dos PCNER, pois essa área interessa-se por tudo aquilo que os seres humanos crêem como suas manifestações, ações, instituições, rituais e tudo o que tem a ver com o universo religioso. A proposta dessa coleção é dar subsídios para que o professor de Ensino Religioso auxilie os alunos a desenvolver a religiosidade presente em cada um, orientando-os para a descoberta de critérios éticos, respeitando as escolhas dos que têm e dos que não têm fé religiosa e, assim, possam agir de maneira dialógica e reverente ante as diferentes expressões religiosas. Objetivos Identificar a revelação do Transcendente na visão das diversas Tradições Religiosas e a importância do relacionamento com o Transcendente, consigo mesmo, com os outros e o mundo. Conhecer práticas e rituais religiosos significantes, elaborados pelas diferentes Tradições Religiosas. Utilizar ferramentas de observação para compreender as manifestações religiosas e respeitar as diferentes Tradições Religiosas representadas em sala de aula. Conhecer os ensinamentos sagrados transmitidos de forma oral e escrita pelas diferentes Tradições Religiosas. De senvolver atitudes de respeito com os que têm e os que não têm fé religiosa para agir com reverência ante as diferentes expressões religiosas. 2

3 Possibilidades de Trabalho UNIDADE 1: O Fenômeno Religioso Página 3 Roda de conversa Oriente os alunos a formar grupos de debate. Cada grupo deve eleger um representante e registrar as conclusões dos tópicos da Roda de Conversa para apresentar ao grande grupo. Página 5 Depois que os alunos tiverem pesquisado no dicionário a definição de fé, oriente-os a procurar sinônimos para a palavra fé. Converse com os alunos sobre personalidades que expressaram sua fé por meio de ações, de sentimentos e de palavras, como Madre Teresa de Calcutá e Mahatma Gandhi. Eis duas frases dessas personalidades para comentar com os alunos: Madre Teresa de Calcutá: "A força mais potente do universo? A fé." Mahatma Gandhi: "A minha fé, nas densas trevas, resplandece mais viva." Páginas 6 e 7 Leia o texto junto com os alunos, estimule-os à reflexão e à exposição de suas respostas. Observe o quanto entenderam sobre o que é o transcendente. Pesquisa Disponibilize materiais para a pesquisa e oriente a atividade. Resposta da atividade: ( 1 ) Candomblé ( 7 ) Shiva ( 2 ) Cristianismo ( 5 ) Espíritos ( 3 ) Islamismo ( 3 ) Alá ( 4 ) Budismo ( 6 ) Javé ( 5 ) Kardecismo ( 4 ) O iluminado ( 6 ) Judaísmo ( 8 ) Tupã ( 7 ) Hinduísmo ( 1 ) Orixás ( 8 ) Tradição indígena ( 2 ) Deus 3

4 Página 8 Roda de conversa Divida a turma em duplas para o debate sobre: Qual a sua opinião a respeito desta afirmação: Precisamos ter uma fé sincera e bem fundamentada, na verdade, para não sermos vítimas de pessoas despreparadas que querem nos conduzir na fé. Pesquisa Oriente os alunos a respeito de como realizar a entrevista que deverá ser entregue na próxima aula. Sugestão de trabalho Providencie os materiais para que os alunos montem um painel com algumas respostas para a pergunta Quem é Deus. Logo após, organize pequenos grupos para que conversem sobre o que puderam perceber por meio das respostas das entrevistas apresentadas. Páginas 9 e 10 Leia o texto junto com os alunos, depois forme grupos de estudo. Cada grupo ficará responsável por aprofundar a pesquisa sobre uma tradição religiosa e apresentá-la na próxima aula. Página 11 Apresente os conceitos de monoteísmo e politeísmo aos alunos. Depois solicite a eles que releiam os textos sobre As Cinco Maiores Tradições Religiosas, a fim de classificá-las como monoteístas e politeístas. 4

5 Confira o quadro a seguir, caso surjam dúvidas sobre o significado de monoteísmo e politeísmo. Agnosticismo Ateísmo Deísmo Henoteísmo Monoteísmo Panteísmo Politeísmo Dúvida sobre a existência de deus. Negação da existência de qualquer tipo de deus. Crença em um deus que só pode ser conhecido por meio da razão, e não da fé e da revelação. Crença em um único Deus, mas reconhece a existência de outras divindades. Crença em um único deus. Crença que considera coincidente a divindade e o universo natural. Crença em vários deuses. UNIDADE 2: Ferramentas de observação do Fenômeno Religioso Página 13 Roda de conversa Explique aos alunos que para se observar algo mais profundamente são necessárias algumas ferramentas, como uma lente, um microscópio, um telescópio, a luz, entre outras. Essas ferramentas, além de facilitar a observação, evitam que ela seja superficial. Assim se compararmos o nosso olhar com uma ferramenta é como se tivéssemos lupas capazes de revelar detalhes importantes. O Ensino Religioso utiliza um olhar específico que denominaremos ferramentas de observação, para compreender uma manifestação religiosa, pessoal ou comunitária. É preciso olhar com muita atenção, pois no Fenômeno Religioso estão ocultos muitos detalhes que justificam a ação daqueles que estamos observando. Uma observação superficial pode levar a opiniões erradas e a atitudes preconceituosas. São muitos os casos de preconceito e, não raro, observamos pessoas que não compreendem as atitudes religiosas dos manifestantes e expressam julgamentos sem levar em conta fatores importantes como a cultura, a tradição familiar, a crença e as 5

6 necessidades que podem ser de natureza física, econômica, emocional ou social. Leve uma embalagem de vidro transparente com água para que os alunos leiam a mensagem que está no rodapé desta página. A água funciona como uma lente de aumento. Página 14 O texto sobre os Fundamentos de um Fenômeno Religioso guarda um segredo. Primeiro faça uma leitura em voz alta com a turma, depois desafie cada aluno a descobrir a frase secreta. Para isso, providencie papel celofane vermelho para os alunos colocarem sobre o texto. A frase é: Os fundamentos ensinam e orientam como agir. Página 15 Respostas da atividade: F, V, F, V, V. Consulte as informações, caso surjam dúvidas. 1. A maioria dos grupos religiosos registra suas leis em livros ou em escritos para educar e manter vivas suas formas de agir. 2. Os detalhes de cada prática e de cada ação são regulados e transmitidos por meio dos fundamentos religiosos. 3. A convivência entre os participantes e as atitudes do grupo perante as demais pessoas do local onde vivem são orientações do campo dos fundamentos. 4. Os calendários, as datas especiais, as comemorações e as liturgias são determinados pelo campo dos fundamentos. 5. As regras e as exigências necessárias para a confecção e a utilização dos objetos sagrados fazem parte do campo dos fundamentos. 6. As respostas que são dadas às grandes perguntas da vida nascem nos fundamentos de um grupo religioso. Página 16 Cada aluno deverá fazer uma lista dos símbolos das manifestações do fenômeno religioso de que têm conhecimento. 6

7 Em seguida, divida a turma em pequenos grupos para que façam as comparações entre suas listas. Peça aos alunos que registrem, em seus cadernos, os símbolos mais citados e os menos citados. Página 17 Estimule os alunos a descobrir a frase que está cifrada. Oriente-os a respeito de como fazer a atividade. Em seguida, faça as perguntas: Seria possível decifrar a frase se não houvesse a tabela de símbolos? O que aconteceria se a tabela estivesse errada? Como podemos comparar a experiência da atividade com a observação do Fenômeno Religioso? Páginas 18 e 19 A oração é prática religiosa comum a diversas confissões religiosas. É um ato de reconhecimento e louvor diante de um ser transcendente. Há diversos tipos de oração: adoração, louvor, súplica, agradecimento, confissão, etc. Pergunte aos alunos: Você costuma orar? Qual a sua atitude ao orar? (ajoelhar-se, sinal da cruz, curvar a cabeça, etc.) Onde você ora? Quais foram os momentos em que você sentiu necessidade de fazer uma oração? Como você se sentiu ao fazer a oração? Qual a relação entre a oração e a fé? Página 20 O objetivo desta atividade é listar alguns fundamentos de cada tradição religiosa e não fazer uma lista completa. A seguir, há uma relação extraída das páginas 9 e 11. 7

8 Enfatize que os fundamentos são as regras, as condutas e as respostas às questões existenciais. Hinduísmo Tudo justificado pela vontade dos deuses. A vida na terra é parte de um ciclo eterno de nascimentos, de mortes e de renascimentos. Etapas da vida: instrução, casar e ter filhos, aposentar para ensinar o VEDAS, deixar a vida social e viver somente a espiritual. Budismo Reencarnação. Fazer o bem para alcançar estado de felicidade e de paz interior. Quando se consideram idosos, deixam suas famílias e passam a peregrinar pelos templos buscando fazer o bem e adorar os deuses. Judaísmo Amar a Deus de todo coração e ao próximo como a si mesmo. Dez mandamentos. Cristianismo Ressurreição de Jesus e vida eterna. Seguir os modelos de Jesus. Livre arbítrio. Islamismo Cinco obrigações religiosas denominadas os cinco pilares. Demonstrar sua fé cotidianamente. Páginas 21 a 23 Depois de responder à atividade, os alunos podem comparar suas respostas. Conduza-a respeitando o desejo de expressão de cada um. Ninguém é obrigado a revelar suas respostas. Esta atividade é um processo de reflexão da sua própria tradição religiosa e de como as ferramentas de observação podem auxiliar o aluno na compreensão de sua fé. 8

9 UNIDADE 3: As Narrativas Sagradas Página 25 Roda de conversa Converse com os alunos e faça as perguntas a seguir. Você já falou com amigos ou familiares usando sinais? Quais os sinais mais utilizados e quais os seus significados? (dedo na boca em frente aos lábios quer dizer silêncio; balançar a cabeça para cima e para baixo quer dizer sim; balançar a cabeça para os lados quer dizer não, etc.). Você já combinou com alguém um sinal que só vocês dois conhecessem? Por que fizeram isso? De que outras formas, além de gestos e de sinais, você pode transmitir uma idéia ou pensamento? (escrita, desenho, história, comparações e até por meio do canto). Sugestão de trabalho Oriente uma pesquisa sobre a forma de o homem transmitir uma idéia ou pensamento; começando pelos registros na caverna (forma pictórica), passando pela origem da escrita até os meios de comunicação atuais. Página 26 Pesquisa Leve revistas e jornais para a sala de aula. Forme grupos para a execução da pesquisa. A sugestão é que esta atividade seja trabalhada pelo menos em duas aulas. Na primeira, os grupos escolherão uma notícia e buscarão argumentos para defendê-la. Na segunda, farão a exposição e a defesa da notícia. Página 27 Resposta: Hinduísmo: VEDAS Budismo: TRIPITAKA Judaísmo: TANAK Cristianismo: BÍBLIA Islamismo: ALCORÃO ou CORÃO 9

10 Página 28 Leia as frases das diferentes tradições religiosas e oriente a percepção por parte dos alunos. Indague aos alunos o que há em comum entre elas. Depois peça a eles que criem uma frase com o mesmo princípio. Peça a cada aluno que tente responder às questões individualmente: Por que as Narrativas Sagradas são diferentes das notícias? Qual a relação entre FÉ e Narrativas Sagradas? Em seguida, abra o debate para o grande grupo. Página 29 Esta atividade tem como objetivo fazer uma breve revisão dos temas que foram trabalhados nesta unidade. Sugestão de trabalho Solicite aos alunos que façam um glossário com as palavras relacionadas ao Fenômeno Religioso. UNIDADE 4: Diversidade Religiosa Página 31 Roda de conversa Para construir com os alunos uma concepção clara de diversidade, oriente a elaboração de um gráfico baseado em gostos individuais como prato, música e cor preferidos. Leve-os a refletir: Estas diferenças impedem nossa convivência? Por que com a fé seria diferente? Se possível, traga para sala de aula a música Espelho No Elevador (Composição: Flávio Lemos, Fê Lemos, Dinho, Loro Jones & Bozzo Barretti) do Capital Inicial ou somente trabalhe a letra, que pode ser encontrada no site <http://letras.terra.com. br/capital-inicial/75429/> 10

11 Páginas 32 a 34 Leia os artigos da VII e XVIII da Declaração Universal dos Direitos Humanos junto com os alunos. Para ver a Declaração Universal dos Direitos Humanos completa, consulte: <http://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php> Sugestão: Forme grupos para confecção de um cartaz ilustrando os dois artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Página 35 O objetivo desta atividade é listar alguns fundamentos de algumas tradições religiosas e não fazer uma lista completa. Estimule os alunos a se expressar, fazendo perguntas: Como se relacionam com sua tradição religiosa? É a mesma da família? Depois, oriente-os a respeito de como completar a tabela, recordando as ferramentas de observação do Fenômeno Religioso (fundamentos, símbolos e relações socioreligiosas). Tradições religiosas Fundamentos ou símbolos Narrativas sagrados Esta atividade pode ser parte do processo avaliativo final do aluno e dá a oportunidade a ele para exercitar os conhecimentos apreendidos. 11

12 REFERÊNCIAS BOEING, A. Quais são os eixos do ensino religioso e que conteúdos os integram? Disponível em: <http://www.crencasecrendices.hpg.ig.com.br/religioes.htm> Acesso em: 07 nov BRUSTOLIN, L. A. Textos sagrados nas grandes religiões. In: Revista Renovação da CNBB Sul 3. Porto Alegre: n ọ 357, jul/ago Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: <http://www.onu-brasil.org.br/ documentos_direitoshumanos.php> Acesso em: 07 nov MAKIYAMA, M. T. O ensino religioso. Disponível em: <http://www.hottopos.com/videtur4/o_ ensino_religioso.htm> Acesso em: 07 nov

SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3

SUMÁRIO. Introdução... 2 Objetivos... 2 Possibilidades de Trabalho... 3 SUMÁRIO Introdução............................................ 2 Objetivos............................................. 2 Possibilidades de Trabalho........................... 3 INTRODUÇÃO A disciplina

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO SÉRIE: 9ºs anos PROFESSOR:

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe Anep

APRESENTAÇÃO. Equipe Anep APRESENTAÇÃO A Edição do Currículo de Ensino religioso e Ética para a Educação Básica (Educação infantil, Ensino fundamental e Ensino médio) é o resultado de um laborioso esforço de um grupo de educadores

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

Construindo uma aula significativa passo-a-passo.

Construindo uma aula significativa passo-a-passo. Construindo uma aula significativa passo-a-passo. www.juliofurtado.com.br SINOPSE: O As sete etapas da construção de um conceito. O Os três momentos de uma aula significativa. O A mediação de conflitos

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO. Plano de Curso

Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO. Plano de Curso Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA BALNEÁRIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Plano de Curso Ensino Religioso Educação de Jovens e Adultos 2007 Prefeitura Municipal de Santos ESTÂNCIA

Leia mais

Educação Moral e Religiosa Católica

Educação Moral e Religiosa Católica Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Ano letivo: 205/6 Educação Moral e Religiosa Católica Planos de Unidade do 7º ano de escolaridade Unidade letiva : As origens Metas: B. Construir uma chave de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE ENSINO RELIGIOSO

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE ENSINO RELIGIOSO ESCOLA ESTADUAL ALMIRANTE BARROSO ENSINO FUNDAMENTAL Rua Londres, 769 CEP: 87.800-000 Fone/Fax: (44) 3672.1664 Página na web (site): http:// www.rdnbarroso.seed.pr.gov.br E-mail: rdnbarroso@seed.pr.gov.br

Leia mais

Unidade 1: A Bíblia: Um Guia de Sobrevivência e Vitória A Bíblia é como uma Semente: Ela pode ser Plantada em meu Coração

Unidade 1: A Bíblia: Um Guia de Sobrevivência e Vitória A Bíblia é como uma Semente: Ela pode ser Plantada em meu Coração Unidade 1: A Bíblia: Um Guia de Sobrevivência e Vitória A Bíblia é como uma Semente: Ela pode ser Plantada em meu Coração Para as crianças de 7 e 8 anos, este trimestre inicia enfatizando o Fruto, do Crescimento.

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula.

O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula. O desafio de promover a aprendizagem significativa em sala de aula. www.juliofurtado.com.br 1 Só aprende quem sonha e só sonha quem tem esperança. (Paulo Freire) Aprender envolve três processos: Processos

Leia mais

UNIDADE 2: APRENDENDO A BRILHAR REVISÃO E CELEBRAÇÃO PARA PEQUENOS GRUPOS

UNIDADE 2: APRENDENDO A BRILHAR REVISÃO E CELEBRAÇÃO PARA PEQUENOS GRUPOS Frutos-3 Impact0 LIÇÃO 13 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 2: APRENDENDO A BRILHAR REVISÃO E CELEBRAÇÃO PARA PEQUENOS GRUPOS 9-11 Anos Neste Trimestre, as crianças aprenderão sobre Graça, Crescimento e

Leia mais

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí, / / 14 6º ANO A e B "Não existe um caminho para a felicidade. A felicidade é o caminho."

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO Apresentação da Disciplina O Ensino Religioso busca a valorização do pluralismo e a diversidade cultural. Sendo assim ele faz parte dos patrimônios

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO

CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO CONTRIBUIÇÃO DAS ESCOLAS ESTADUAIS PARA O TEXTO DAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA DO ESTADO DO AMAPÁ ENSINO RELIGIOSO 1. IDENTIDADE DO COMPONENTE CURRICULAR O Ensino Religioso deve buscar

Leia mais

LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS

LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS LIÇÃO 2 AMOR: DECIDIR AMAR UNS AOS OUTROS RESUMO BÍBLICO I João 4:7-21; Jo 13:35 Tudo começou com o amor de Deus por nós. Ele nos amou primeiro e nós precisamos responder a isso. Ele provou seu amor, através

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL [SLIDE 1] CAPA [SLIDE 2] UM ASSUNTO ATUAL APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 Os conceitos de liberdade de consciência e de expressão têm recebido

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós Esta é a primeira de duas lições que lhe darão um bom fundamento para tudo quanto estudar neste curso. Nesta primeira lição, estudará a sua importância no corpo de Cristo.

Leia mais

Prof. José Joaquim Fundador da Sociedade das Comunidades Catequéticas. Aprendendo com Jesus

Prof. José Joaquim Fundador da Sociedade das Comunidades Catequéticas. Aprendendo com Jesus Prof. José Joaquim Fundador da Sociedade das Comunidades Catequéticas Aprendendo com Jesus Apresentação É com a maior confiança na compreensão e aceitação dos nossos queridos catequistas que levo a público

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

// Escola - Bíblica - Dominical

// Escola - Bíblica - Dominical Estudo 17 // Escola - Bíblica - Dominical Salmos 119.103-105 Salmos é o maior livro da Bíblia; contém 150 capítulos que reúnem as orações e os cânticos de fé do povo judeu. Eles servem para conservar a

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013

PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 PLANO DE CURSO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 2013 ESCOLA: 1ºANO OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECIFICOS CONTEÚDOS AVALIAÇÃO BIBLIOGRAFIA Construir com o educando sobre a importância da sua existência e os cuidados

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Densímetro de posto de gasolina

Densímetro de posto de gasolina Densímetro de posto de gasolina Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia Tema Materiais: propriedades Conteúdos Densidade, misturas homogêneas e empuxo Usos / objetivos Introdução ou aprofundamento do

Leia mais

Material Necessário: Livro didático / Caderno

Material Necessário: Livro didático / Caderno Roteiro de Matemática 6º Ano A e B 3º Bimestre Prof a Marineide (manhã) e Prof a Michelle (tarde) Data Início / / Data de Término / / Nota Estação do Conhecimento 1 Tema: Potência, Raízes e Expressões

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS

PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS PARTE DIVERSIFICADA 2º TRIMESTRE TEMA- CUIDAR DA CASA COMUM LEMA: A FESTA JUNINA RESGATANDO A IDENTIDADE COMUM ATRAVÉS DE DANÇAS TÍPICAS Educadores: Ano/turma: 6º ao 9º anos Vespertino / Matutino Disciplina:

Leia mais

1. TEMA. A Bíblia e o Alcorão falam de Deus. 2. SÉRIE. 1º etapa do 2ºciclo ( 3ª série) 3. ALUNA. Marili Bacci Mendes Marili.mendes@pucpr.

1. TEMA. A Bíblia e o Alcorão falam de Deus. 2. SÉRIE. 1º etapa do 2ºciclo ( 3ª série) 3. ALUNA. Marili Bacci Mendes Marili.mendes@pucpr. 1. TEMA A Bíblia e o Alcorão falam de Deus. 2. SÉRIE 1º etapa do 2ºciclo ( 3ª série) 3. ALUNA Marili Bacci Mendes Marili.mendes@pucpr.br 4. OBJETIVOS Reconhecer a história e sua importância para o ser

Leia mais

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA

INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA INTERPRETANDO A GEOMETRIA DE RODAS DE UM CARRO: UMA EXPERIÊNCIA COM MODELAGEM MATEMÁTICA Marcos Leomar Calson Mestrando em Educação em Ciências e Matemática, PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Ciclo da vida. Biologia celular. Populações. Finitude. Temporalidade. Liberdade. Determinismo. Ética. O sagrado.

CONCEITOS A EXPLORAR. Ciclo da vida. Biologia celular. Populações. Finitude. Temporalidade. Liberdade. Determinismo. Ética. O sagrado. CONCEITOS A EXPLORAR H istória Conteúdos e conceitos. Historicidade. Mudança, transformação, simultaneidade e permanência. Alteridade, diversidade e respeito pela diferença. Cultura, sociedade, relação

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES

www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES www.entrenacoes.com.br UMA IGREJA FORTE, SE FAZ COM MINISTÉRIOS FORTES A RESPONSABILIDADE É PESSOAL A CEEN é uma igreja que tem a responsabilidade de informar e ensinar os valores e princípios de Deus,

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR

REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR REFLEXÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE SIGNIFICADO NA MATEMÁTICA ESCOLAR Patrícia Lima da Silva¹ Brunna Sordi Stock² RESUMO No segundo semestre do ano de 2009, em uma das disciplinas obrigatórias do currículo de

Leia mais

PLANO DE ENSINO (2013-2016)

PLANO DE ENSINO (2013-2016) PLANO DE ENSINO (2013-2016) ENSINO RELIGIOSO Ensino Fundamental Anos (Séries) Finais BLUMENAU 2013 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS... 6 3.1. OBJETIVO GERAL... 6 3.2. OBJETIVOS

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 18-11-15

KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 18-11-15 KIT CÉLULA PARA CRIANÇAS: 18-11-15 A ORAÇÃO MANISFESTA O PODER DE DEUS ATRAVÉS DE MIM Princípio: Quando eu oro, o poder de Deus se manifesta através de mim! Versículo: Ora, àquele que é poderoso para fazer

Leia mais

CENTRO ESPÍRITA BENEFICENTE UNIÃO DO VEGETAL ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL COM CRIANÇAS E JOVENS Depto de Instrução e Doutrinação Espiritual da UDV

CENTRO ESPÍRITA BENEFICENTE UNIÃO DO VEGETAL ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL COM CRIANÇAS E JOVENS Depto de Instrução e Doutrinação Espiritual da UDV Kit Boas Vindas - 2013 Seja Bem Vindo! Sua boa vontade te trouxe até aqui, Esta é uma frente de trabalho que se integra com os demais departamentos, um espaço amplo e aberto para bem receber e bem atender

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS O USO DE PROJETOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS Andreza Olivieri Lopes Carmignolli1 UNESP Eva Poliana Carlindo2 UNESP Grupo de Trabalho Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não

Leia mais

Aula lá fora. Episódio 9: Paranapiacaba. Palavras-chave Aula lá fora, escola, pedagogia, pesquisa, meio ambiente, formação de professores.

Aula lá fora. Episódio 9: Paranapiacaba. Palavras-chave Aula lá fora, escola, pedagogia, pesquisa, meio ambiente, formação de professores. Aula lá fora Episódio 9: Paranapiacaba Resumo Este vídeo exibe o episódio n o 9 da série Aula lá fora e trata do tema Meio ambiente. O episódio mostra as atividades desenvolvidas na preparação, realização

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP

Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro. Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Português A2 Programa de Português Nível A2 Ensino Português no Estrangeiro Camões, Instituto da Cooperação e da Língua, IP Direção de Serviços de Língua e Cultura Composição Gráfica: Centro Virtual Camões

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Adecir Pozzer UFSC e GPEAD/FURB pozzeradecir@hotmail.com

Adecir Pozzer UFSC e GPEAD/FURB pozzeradecir@hotmail.com Adecir Pozzer UFSC e GPEAD/FURB pozzeradecir@hotmail.com O percurso do ER no Brasil passou por diferentes formas de viabilidade e expressão, correspondentes ao respectivo contexto histórico, político e

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) Assinale a alternativa correta que completa as lacunas da frase a seguir. No sentido geral, a ontologia, cujo termo tem origem na, se ocupa do em geral, ou seja, do ser, na mais ampla acepção da palavra,

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos.

Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Dicas para você trabalhar o livro Mamãe, como eu nasci? com seus alunos. Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

1 TEMA Convivência com o diferente

1 TEMA Convivência com o diferente 1 1 TEMA Convivência com o diferente 2. CICLO OU SÉRIE ESCOLHIDA O projeto foi elaborado com a finalidade de abordar atividades a serem trabalhadas com alunos da 1ª etapa do 1º ciclo (1ª série) do Ensino

Leia mais

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação

ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação ASSINTEC Associação Inter-Religiosa de Educação RESENHA DA CARTILHA: DIVERSIDADE RELIGIOSA E DIREITOS HUMANOS A cartilha enfoca o fato do Estado Brasileiro ser laico, isto é significa que ele não possui

Leia mais

Por dentro da bola e os estádios

Por dentro da bola e os estádios 1 de 5 02-06-2014 11:37 Por dentro da bola e os estádios Leve a turma a descobrir e entender a evolução tecnológica do futebol Com apuração de Larissa Teixeira. Editado por Ana Ligia Scachetti < < Página

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam Lição 1 Leis no tempo de Cristo Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam 2) Lei Civil do A.T. = Tinha a ver com os costumes

Leia mais

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21 O NOVO NASCIMENTO Texto base: Jo 3: 1 a 21 I. INTRODUÇÃO II. QUEM ERA NICODEMOS? Povo de Deus JUDEU MEMBRO DO SINÉDRIO FARISEU COM POSSES Instruído na Lei de Deus e Tradição Oral. Conhecido por ser puro,

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO)

UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO) Frutos-3 Impact0 LIÇÃO 1 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 1: A ARMADURA DE DEUS O CAPACETE DA SALVAÇÃO (MENSAGEM DA SALVAÇÃO) 9-11 Anos CONCEITO CHAVE O primeiro passo para se ganhar a batalha é escolher

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO

PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE ENSINO RELIGIOSO 6ºs Anos PROFESSOR: André

Leia mais

JPEG JOVENS EM PEQUENO GRUPO

JPEG JOVENS EM PEQUENO GRUPO ORIENTAÇÕES BÁSICAS JPEG JOVENS EM PEQUENO GRUPO JPEG é Jovens em Pequenos Grupos. A nova identidade dos pequenos grupos para jovens. NECESSIDADE DE ORGANIZAÇÃO DA IGREJA PEQUENOS GRUPOS Pequenos grupos

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Ensino Religioso 12) Em

Leia mais

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS

UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS Frutos-1 Impact0 LIÇÃO 12 VIVENDO A VIDA COM DEUS UNIDADE 3: MUNDO PERDIDO PESSOAS PERDIDAS PRECISAM OUVIR A HISTÓRIA DE JESUS 9-11 Anos HISTÓRIA BÍBLICA João 1:12; I Pedro 3:15, 18 A Bíblia nos ensina

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO APÊNDICES 182 APÊNDICE A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PPGE MESTRADO EM EDUCAÇÃO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PESQUISA:

Leia mais

Considerações sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência

Considerações sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Considerações sobre o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência Vivemos um momento complexo no que diz respeito às pessoas com deficiência: por um lado, temos (no campo do Direito) uma legislação específica

Leia mais

COMUNIDADE TRANSFORMADORA UM OLHAR PARA FRENTE

COMUNIDADE TRANSFORMADORA UM OLHAR PARA FRENTE 23 3 COMUNIDADE TRANSFORMADORA UM OLHAR PARA FRENTE Por que você deve dar este estudo Nas duas semanas anteriores, conversamos sobre dois aspectos de nossa missão comunitária que envolve: (a) olhar para

Leia mais

Cantinhos de fé. arquitetura decoração texto: Paula Ignacio. Ambientações do arquiteto João Mansur

Cantinhos de fé. arquitetura decoração texto: Paula Ignacio. Ambientações do arquiteto João Mansur casa arquitetura decoração texto: Paula Ignacio Fotos: Beto Riginik/Divulgação Ambientações do arquiteto João Mansur Cantinhos de fé De santinhos católicos a anjos, velas, flores, sinos e outros símbolos,

Leia mais

Episódio 1: Transformando sua Atitude 1ª Parte: Atitude de Humildade

Episódio 1: Transformando sua Atitude 1ª Parte: Atitude de Humildade Metamorfose Transformação de vidas Lição 1 Episódio 1: Transformando sua Atitude 1ª Parte: Atitude de Humildade Conceito Chave Versículo Bíblico Ninguém elogie a si mesmo; se houver elogios, que venham

Leia mais

Logoterapia & Espiritualidade

Logoterapia & Espiritualidade Logoterapia & Espiritualidade Liberdade da Vontade Ser Consciente Liberdade da Vontade Ser Responsável Liberdade da Vontade Perante o que? Liberdade da Vontade Perante quem? Liberdade da Vontade Vontade

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTOS

TIPOS DE RELACIONAMENTOS 68 Décima-Segunda Lição CONSTRUINDO RELACIONAMENTOS DE QUALIDADE Quando falamos de relacionamentos, certamente estamos falando da inter-relação de duas ou mais pessoas. Há muitas possibilidades de relacionamentos,

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Desafios do contexto histórico-legislativo da formação de professores de Ensino Religioso no Brasil

Desafios do contexto histórico-legislativo da formação de professores de Ensino Religioso no Brasil 185-192-Doss2-Sergio.qxp 17-02-2008 16:49 Page 185 D E B A T E S Desafios do contexto histórico-legislativo da formação de professores de Ensino Religioso no Brasil Enquanto área de Conhecimento, o ER

Leia mais