Revolver: A Revolução da Contracultura na Música dos Beatles 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Revolver: A Revolução da Contracultura na Música dos Beatles 1"

Transcrição

1 Revolver: A Revolução da Contracultura na Música dos Beatles 1 Diogo Xavier Saes 2 UEL Universidade Estadual de Londrina Ana Paula Silva Oliveira 3 UEL Universidade Estadual de Londrina Resumo O objetivo deste artigo é analisar o disco Revolver (1966) da banda britânica The Beatles a partir de três esferas: a capa, as músicas, e o contexto social dos anos 60, e como a banda estabeleceu uma relação de consumo com seus fãs. Para tal, num primeiro momento, será necessário discutir os conceitos de cultura e contracultura a partir dos estudos de Geertz (2008), Goffman; Joy (2007) e Pereira (1988). Num segundo momento tem-se um passeio pelo universo dos Beatles com autores como Heylin (2012) e Derogatis; Kot (2011). Pretende-se, desse modo, evidenciar o papel desse disco, que retratou uma geração inquieta e atípica para as convenções daquela década, no contexto da contracultura, e introduziu a banda no mercado do psicodelismo. Palavras-chave: Cultura; Contracultura; The Beatles; Revolver; Consumo. Introdução A história do homem é construída ao longo de eras que desencadeiam evoluções provenientes, também, das mudanças sociais que inevitavelmente ocorrem. Cada período pode ser identificado por alguns acontecimentos mais marcantes que pautaram determinadas condutas e estilos de vida. A década de 1960 não foi diferente 1 Trabalho apresentado no Grupo de Trabalho 7 - Comunicação, Consumo e Memória: cenas culturais e midiáticas, do 4º Encontro de GTs - Comunicon, realizado nos dias 08, 09 e 10 de outubro de Mestrando em Comunicação (UEL Universidade Estadual de Londrina). MBA em Marketing, Comunicação e Mercado (UniCesumar). Bacharel em Administração (UEM Universidade Estadual de Maringá). Bacharel em Publicidade e Propaganda (UniCesumar). 3 Pós-doutoranda, bolsista CAPES e investigadora do grupo de pesquisa Telejornalismo e linguagens do programa de Mestrado em Comunicação da UEL. Doutora em Filosofia pela Universidade do Porto, Portugal.

2 e sediou alguns eventos de grande representatividade que a caracterizaram, dando origem ao cenário que ficou conhecido como Contracultura. Este movimento ganhou grande repercussão nos Estados Unidos, seu berço, e no Reino Unido. Várias pessoas foram influenciadoras, como Bob Dylan, Stanley Kubrick, Lichtenstein, o grupo musical Grateful Dead, entre outros. Cada uma delas deu corpo para as bandeiras levantadas, tais como o desejo por mudanças, a necessidade de viver um estilo de vida não condicionado à classe média e alta burguesa, o diálogo entre os opostos, a autonomia dos jovens e outras causas que foram aclamadas durante a revolução contracultural. Com isso, o movimento jovem ganhou grande reforço no meio artístico, o que incluiu a indústria musical. Uma das bandas que teve o apelo característico dos anos 60 representado em seu trabalho foi The Beatles, a qual propagou mensagens que estavam inseridas em um plano maior e aquém de seu controle: a própria contracultura. Em meio ao movimento jovem, o estudo aqui empregado retoma o conceito de cultura, o qual se mostra necessário para a assimilação e contextualização da contracultura que, por sua vez, margeará o vislumbre das significações de seu movimento eladas ao Revolver, disco dos Beatles lançado em 1966 e objeto de estudo deste artigo. Uma vez mapeados estes enredos, é possível acessar de forma mais tácita a compreensão de como uma geração se comportou e, consequentemente, consumiu. A transposição das décadas, ainda, não apagou os vestígios sessentistas e reverbera até nos dias de hoje. Liberdade Cognitiva A Contracultura em 1960 A abrangência epistemológica da cultura é pautada neste artigo pela obra A Interpretação das Culturas, de Geertz (2008). Acreditando, como Max Weber, que o homem é um animal amarrado a teias de significados que ele mesmo teceu, assumo a cultura como sendo essas teias e a sua análise; portanto, não como uma ciência experimental em busca de leis, mas como uma ciência interpretativa, à procura do significado (GEERTZ, 2008, p. 4). A cultura está relacionada às atribuições que o homem, enquanto ator social, emaranha ao seu cotidiano. Os significados acoplados às diferentes objetos, coisas,

3 gestos e outros, ajudam a tornar um modo de vida mais peculiar e/ou distinto que outro. Ao imergir na trama de significações do próximo, o indivíduo pode ter a chance de compreender de forma mais clara as suas próprias pertinências. Deste modo, o comportamento é uma ação simbólica que expressa as crenças do ser. Crenças estas que norteiam condutas e padrões dentro da esfera social e, em seu entorno, funcionam como engrenagens do coletivo. Ou seja, a cultura é compartilhada, manifesta, pública; isto porque a sua teia, conforme explica Geertz (2008), é também coletivizada, atando as pessoas em um convívio mútuo que se justifica por si só, como um plano de instruções que orientam o comportamento. Por isso, a preocupação de análise de Geertz é o significado e a equivalência que uma sociedade adere às coisas, fatos, rituais, celebrações, entre outros. O significado define, molda, orienta, norteia, induz, conduz o vetor social na direção cultural mais pertinente a uma determinada estrutura social estabelecida. Não apenas em questões restritamente culturais, o significado acoplado a algo é perceptível também nas relações de consumo, que além não pode ser considerado apenas como gastos frívolos, mas também inscrito como um dos principais territórios de construção das relações sociais, segundo Cintra (2009, p. 388). A herança cultural pode estabelecer um perímetro de juízo e condicionar o homem a lançar um olhar com perfídia àqueles que demonstram atitudes intangíveis ao comportamento plural pré-estabelecido, aquilatando maneiras com base nas crenças que lhe foram injetadas. Desta maneira, aqueles alheios ao contexto majoritário, com atitudes avulsas e idiossincráticas em meio à padronização, com um pensamento alternativo e não-conformista, podem representar a manifestação da contracultura, que se alastra ao longo da história e possuiu características diferentes em cada uma de suas eras. A pertinente ao tema aqui apurado está situada entre 1960 a 1970, sendo que suas raízes são encontradas na década precedente. Segundo afirmações de Shuker (1999), o termo contracultura inicialmente surgiu para designar determinados grupos dos anos 50 e, posteriormente, as

4 subculturas da classe média da década de 60, que seriam, embora não haja um consenso que delimite o termo subcultura, grupos sociais articulados com interesses em comum, geralmente se opondo às culturas de origem. Ele ainda afirma (1999, p. 79, grifo do autor) que o termo contracultura continua a ser usado para designar diversos grupos e subculturas que não se integram ou se opõe ao mainstream social e econômico. No Reino Unido, onde a nomenclatura adotada para a contracultura foi o termo underground, esta revolução também estabeleceu presença significativa com características similares. Dois fatos ocorridos nos Estados Unidos em 1962 são considerados como os desencadeadores dos movimentos contraculturais daquela década, conforme mostram Goffman e Joy (2007). Um deles foi a demissão, por pressão da CIA (Central Intelligence Agency), de dois professores de Harvard, Richard Alpert e Timothy Leary, que conduziam pesquisas sobre o uso e efeitos da droga que marcou a década de 60, o LSD, acrônimo de Lysergsäurediethylamid. O segundo fato foi quando alguns universitários se reuniram e escreveram um manifesto que recebeu o nome de Declaração de Port Huron. Ainda, o cenário inglês e, principalmente, o americano na década de 60 era bastante conturbado. O presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, havia sido assassinato nas ruas de Dallas em 1963; a guerra dos norte-americanos com o Vietnã era polêmica e as ações bélicas chegaram a ser classificadas como um genocídio; conflitos raciais se instalavam pelo país; os hippies, que eram vistos como os novos beats ou beatniks, como eram chamados os jovens com comportamentos marginais que deram corpo à contracultura, ainda em seus primórdios nos anos 1950, se reuniam pelas ruas em protesto. Estes acontecimentos despertaram o interesse de muitos jovens estudantes que criticavam o estilo de vida da classe média (mesmo sua maioria sendo pertencente às classes média e alta) e que aspiravam por sua liberdade cognitiva. Em busca da quebra das correntes que espremiam a suavidade de expressão do corpo e da mente, o

5 LSD, que até então era lícito, foi um dos recursos mais utilizados pelos jovens e, por isso, fortemente associado ao período aqui demarcado. Os cabelos longos, as indumentárias coloridas, os estilos musicais diferentes, um certo fetiche por misticismo, as representações artísticas saturadas em cores, as atitudes de contramão, a insatisfação com a classe majoritária, a tentativa de manifestar uma represália interiorizada, o pensamento de igualdade e nivelamento dos homens e a procura por um caminho que possibilitasse mudanças, juntas com o LSD, encorpavam a tônica de rebeldia que foi estereotipada naquela década. Contudo, conforme afirma Pereira (1988), essas marcas superficiais se confirmaram apenas como a ponta de um iceberg, que ocultava submerso um composto de novas formas de pensar, de interagir com os outros, de amar, de enfrentar o mundo, uma cultura diferente que aparentava ser contra aos rótulos convencionais e patriarcais da época e que fazia as pessoas refletirem e indagarem a consenso coletivo ocidental. Seria como uma migração da latência destinando a maturação do pensar. As inquietações acerca dos fatos que menearam este período estimularam a sede e degusta dos jovens por novos tônus de percepções. Os protagonistas pertenciam a uma geração que poderia não saber exatamente aonde iria, mas tinha conhecimento de suas origens e de como trilhar o seu caminho. A contracultura pode, então, ao invés de ser observada como um movimento antagônico e fastidioso, ser encarada, conforme expresso nas palavras de Pereira (1988, p. 10), como um antídoto, um anticorpo, necessário à preservação de um mínimo de saúde existencial, que veio para confrontar a ordem vigente com uma roupagem assíncrona da cultura oficial, buscando ejetar-se do sistema instalado, seja nos Estados Unidos ou na Inglaterra. Este sentimento de mudança e, mais que isso, de acreditar em si mesmo e de que cada um é capaz de mudar o mundo, impulsionou a contracultura e seus grupos ao longo dos anos. Todavia, a virada da década veio como um compressor para suprimir esse combustível que movimentava os beats. Este choque que regressou a geração jovem dos anos 1960 ao estado latente, já conhecido de outrora, é comentado

6 por Paul McCartney, baixista dos The Beatles, quando discorreu sobre um episódio ocorrido em Na época, já em turnê com sua nova banda pós Beatles, os Wings, um estudante o abordou e indagou nós realmente pensávamos que ia mudar o mundo. O que aconteceu? (HEYLIN, 2012, p. 213), buscando entender como aquela geração disposta e proativa se acomodou na decantação novamente. E foi com este vazio dúbio que parte das forças contraculturais desaceleraram e esvaneceram em meio a penumbra nostálgica que, hoje, integra o imaginário dos anos 1960 e ainda movimenta o mercado. Embora esta não seja uma síntese reducionista da contracultura, ela não contempla toda tentacularização que as subculturas deixaram de legado para a história. Este é um assunto que demanda (e possui) centenas de páginas voltadas para a compreensão da totalidade do tema. Porém, para o estudo aqui proposto, a breve contextualização e ambientação expostas possibilitarão um embasamento e ancoragem que intersecciona com a esfera artística, a qual se tem na sequência. A Arte Contra Cultura O meio artístico também serviu como catalisador através, como já citado, do cinema de Stanley Kubrick, das obras de Lichtenstein com seu efeito reticulado característico e com suas formas ousadas e cores brilhantes (RAIMES e BHASKARAN, 2007, p. 136) e da irreverência de Bob Dylan, que foi o primeiro compositor a transparecer os vestígios contraculturais nas paradas de sucesso dos Estados Unidos na década de 1960 com duras canções de protesto. A arte colaborou com a exteriorização do pensar revolucionário dos anos 60, possibilitou uma explosão de elementos que correspondia ao emaranhado mental dos jovens e que traduzia, de forma lúdica, o que era presenciado no onírico dos indivíduos participantes deste período histórico. A identificação com a bandeira hasteada pelo movimento contracultural era como um combustível de adesão à causa, uma vez que sua representação era verossímil com as condições as quais atravessavam, criando elos fortes e sólidos entre os participantes. O Revolver foi a engrenagem e a ponte que transportou os Beatles para esta esfera.

7 A Música Contra Cultura O rock, estilo musical que marcou grandes nomes dos anos 1950 como Elvis Presley, Little Richard e Chuck Berry, começava a ganhar uma nova sonoridade. A Inglaterra exportava os rebeldes The Rolling Stones para o mundo, que, embora realmente impregnados pelo espírito da rebeldia, faziam questão de ressaltar a imagem suja e surrada da banda, conforme contam Derogatis e Kot (2011). O traço rebelde contracultural vendia e era embutido na indústria do rock. Além dos Stones, outra banda britânica, agora da cidade de Liverppol, The Beatles, que já era sucesso consolidado, faz sua primeira visita aos Estados Unidos em 1964, fortalecendo a ligação musical dos outrora colonos com o Reino Unido. Nessa época, mesmo em meio a protestos e gritos revolucionários, o mercado continuava a movimentar as negritas cifras das gravadoras e bandas. E a onda contracultural era uma oportunidade que poderia ser valorizada. Goffman e Joy (2007, p. 286) abordam esta condição quando afirmam que embora todos esses jovens (Beatles and Stones) [...] partilhassem a incipiente sensação de insatisfação jovem que permeava sua cultura, eles não estavam ali para subverter o paradigma dominante ou qualquer coisa assim. Até então isto apontava um envolvimento em níveis limitados dessas bandas com os movimentos jovens que, conforme indicam os autores, seria insuficiente para uma mudança radical. Contudo, este cenário começa a se portar de modo distinto a partir da segunda turnê dos Beatles em terras americanas, em A amizade com Bob Dylan crescia e o quarteto aproveitava o pouco tempo livre para relaxar junto a um de seus ídolos. Dylan estabeleceu um relacionamento duradouro com Paul McCartney, um dos líderes e compositores dos Beatles, que, assim como os demais integrantes, fora influenciado nos trabalhos que estariam por vir, como o disco Revolver, lançado em 1966 e recheado de sabores contraculturais que estão explanados na sequência deste artigo. Ainda em 1965 ficou claro nas estações de rádio o grito de insatisfação dos jovens, principalmente propagado pela voz de Bob Dylan, mostrando que eles não

8 apreciavam a sociedade adulta e que era, aos seus olhos, velha, desgastada e obsoleta. As mensagens provocadoras que suplicavam pela ação dos dispostos passam a ser clamadas com o acompanhamento de acordes, harmonia e arranjos. A arte contracultural fica mais forte e explícita, contando com manifestações dos novos beatniks coroadas com degustações públicas de LSD, com direito a convites distribuídos na saída de um show dos Rolling Stones. Música, cores, jovens, liberdade, arte, expressividade. Uma cacofonia que assinalava a viagem mental de uma geração inquieta e que fez as condições favoráveis para o lançamento do disco Revolver, de The Beatles. Revolvendo o Revolver 5 de Agosto de 1966, Inglaterra. Eis a data de lançamento de Revolver (figura 3), o sétimo disco do quarteto de Liverpool. Em um ambiente contracultural, este trabalho se mostrou bastante pertinente ao clima daquela década e um prelúdio de destaque para o Sgt. Pepper s Lonely Hearts Club Band, álbum dos Beatles ainda mais psicodélico que seria lançado um ano depois. Figura 3 Capa do disco Revolver, The Beatles Arte: Klaus Voormann Fonte: TheBeatles.com

9 Lembrando de toda contextualização já comentada, é possível lançar mão deste embasamento e empregar um olhar analítico para este disco de Lennon, McCartney, Harrison e Starr, compreendendo e identificando alguns pontos os quais os traços de uma sociedade agitada se mostram aparentes, seja na composição visual, nas condições de desenvolvimento do material ou no resultado sonoplástico de Revolver, que marca a adesão dos Beatles ao psicodelismo. Estas três esferas são comentadas na sequência. Inicialmente este LP (Long Play) seria batizado como Abracadabra, um termo que remete à ideia do misticismo contagiante dos anos 60 e da contracultura. Todavia, a banda descobriu que o nome já havia sido utilizado e, por isso, optou por Revolver. Entre as canções, pela primeira e única vez George Harrison, guitarrista, conseguiria incluir três de suas composições. A predominância foi sempre de Lennon, vocalista e guitarrista, e McCartney, baixista e vocalista. Entre as músicas de Harrison está Taxman, primeira faixa do disco. Como abre-alas para as demais composições, George traz de prontidão uma crítica direta aos altos impostos cobrados na Inglaterra. Ainda hoje é possível perceber pelas ruas de Liverpool a influência desta atitude governamental, que obrigou moradores a fecharem com concreto algumas janelas de suas casas, pois havia tributação pela quantidade de vidraças nas moradias. Harrison questiona com rigor os altos impostos e faz referência direta a Harold Wilson, na época Primeiro Ministro Inglês do partido Trabalhista, e Edward Heath, que era líder da oposição do Partido Conservador, ao falar Mr. Wilson e Mr. Heath com um tom que pode ser interpretado como sarcástico e irônico. Os Beatles mostraram já na primeira música que não estavam contentes com a política dominante e que, assim como outros milhares, queriam mudanças. Ainda sobre as contribuições de Harrison, Love You Too conta com uma sonoridade indiana, iniciando com o som cortante e característico da sitar (instrumento de cordas) e seguido pela tabla (percussão). Ares orientais agregados aos sucessos do ocidente. A influência de uma cultura diferente nas composições de uma

10 banda do Reino Unido. Já I Want to Tell You fala sobre a dificuldade de expressão em meio a um turbilhão de pensamentos, uma confusão na mente que é reforçada pela sonoridade dos vocais um tanto arrastados na gravação e o piano que acompanha a canção. Outra faixa que vale ser ressaltada é I m Only Sleeping, de Lennon/McCartney 4. Com um desenrolar suave e vozes macias, a letra fala do gracejo em permanecer na cama e relaxar. Mas, pode ser associada às viagens concebidas com o combustível do LSD. O solo de guitarra, que fora gravado do lado contrário da fita para atingir um som diferenciado e vertiginoso, reforça a sensação psicodélica ritmada ao longo de seus três minutos. A última canção do disco é Tomorrow Never Knows, composta por Lennon e creditada a Lennon/McCartney, conforme costume da dupla. Ela reverbera como um transe psicodélico, uma viagem sonoplástica alucinógena que funcionou de piloto para trabalhos posteriores. Nesta faixa foram utilizados vários recursos e efeitos de estúdio. A influência indiana também é notória e transmite uma sensação flutuante reforçada pelos ecos nos vocais. No entanto, há outro fato que torna esta canção mais significativa: ela foi inspirada no livro A Experiência Psicodélica: um manual baseado no livro tibetano dos mortos, escrito por Timothy Leary, já supracitado. Tomorrow Never Knows fala sobre meditação, como uma purificação mental. A letra se apresenta um tanto confusa, e realmente o é, reafirmando a mensagem sonora de um estado catártico sem a ponderação de tempo e espaço. George Martin, produtor musical do quarteto, afirma que foi no Revolver, claro, que tivemos a faixa Tomorrow Never Knows, que foi uma grande inovação (THE BEATLES, 2013b, tradução livre). Ao finalizar o LP com esta canção é como se The Beatles estivesse assinando a carta de alforria da era Yeah Yeah Yeah! e ingressassem em um cenário musical mais politizado, maduro, com entrelinhas e conteúdo densificado. A prova disso veio um ano mais tarde, com o Sgt. Pepper s. 4 Canção suprimida da versão americana de Revolver por ter sido apresentada no single Yesterday... and Today, lançado 45 dias antes do disco, contendo ainda outras duas músicas.

11 Com os ouvidos sintonizados na frequência que Revolver impera, é interessante e pertinente direcionar os olhares para a capa do disco, que é um teaser do conteúdo que ela envolve. A banda utiliza um desenho para dar face ao seu trabalho, estabelecendo um contraste visual perceptível em relação aos discos precedentes, como pode ser observado na figura 4, que traz, da esquerda para a direita e de cima para baixo, as capas de Please Please Me (1963), With The Beatles (1963), A Hard Day s Night (1964), Beatles For Sale (1964), Help! (1965) e Rubber Soul (1965). Figura 4 Capas dos discos de The Beatles de 1963 até 1965 Fonte: TheBeatles.com (adaptado pelos autores) Em Revolver, o responsável pelo trabalho da capa foi o alemão Klaus Voormann, que já possuía um relacionamento com os garotos de Liverpool e aceitou o convite de Lennon. Segundo informações da Klaus Voormann Company (2013), o desenhista era um jovem que saiu da música clássica para o rock (aproximando-o das ideias contraculturais) e que estava no meio artístico tanto através do desenho como pela música. Voormann respirava o mesmo meio e entendia o que os garotos ingleses queriam, chegando a morar com George e Ringo em Londres e, depois dos Beatles, a tocar baixo com Lennon na Plastic Ono Band. Ou seja, não foi apenas uma encomenda para um ilustrador qualquer, mas sim para uma pessoa que tinha uma

12 história e elos com os Beatles e que teria tato para transpor imageticamente a essência do disco e a mensagem que a banda desejava. Brian Epstein, empresário do grupo, tinha uma preocupação com a transição de estilo que a banda revelaria em Revolver e, ao ser apresentado à versão que Voormann criara, aprovou considerando que seria uma excelente ponte para migrar o público do Rubber Soul para o novo trabalho e um ótimo cartão de visitas para o conteúdo sonoro que viria em seu interior. Naquele ano, Revolver ganhou um Grammy Award 5 de melhor capa, sendo a primeira vez que um disco levava o prêmio com uma capa ilustrada (KLAUS VOORMANN COMPANY, 2013). Considerando a evolução dos discos e sua cronologia, o Rubber Soul foi uma plataforma para levar a música dos Beatles e seus fãs ao Revolver que, por sua vez, foi o caminho para o Sgt. Pepper s Lonely Hearts Club Band. Na ilustração de Klaus percebe-se que os cabelos característicos dos quatro Beatles permanecem em destaque, dando movimento à imagem. Os olhos também recebem atenção especial na obra, intensificando a expressividade dos rostos dos integrantes, com cada qual direcionando seu olhar para um ponto diferente, sem contato visual entre si. Apenas Harrison olha diretamente para o receptor, o que pode ser captado como uma adesão de seriedade para a mensagem que ele queria compartilhar, afinal era a primeira vez que colocara três músicas suas em um trabalho da banda e, finalmente, tinha uma chance de estabelecer um diálogo musical um pouco mais longo com seus fãs. Ao centro, onde as quatro cabeças se encontram, há uma colagem de fotografias, que pode remeter a um emaranhado de pensamentos, uma fusão sinérgica dos quatro integrantes que se mistura e exala na margem superior do desenho. Considerando a influência da cultura da Índia que aos poucos se mostrava mais intensa no trabalho dos Beatles, é plausível a interpretação desta combinação de pensamentos tendo como escape o topo como uma alusão ao sétimo chackra indiano, que, segundo Johari (2010), remete à sabedoria e realização e é localizado acima da 5 Grammy Award é o mais prestigioso prêmio da indústria musical internacional.

13 cabeça, sendo o centro da espiritualidade. Ainda, esta colagem também pode ser comparada à obra de Rotello, conforme exposto na figura 2. Não obstante, a parte ilustrada da capa somada às fotografias sobrepostas, quando observadas como um todo, transmitem uma sensação flutuante e vertiginosa que pode ser captada pelo movimento dos cabelos e pelo posicionamento das fotografias, que parecem dissipar-se rumo ao céu (topo). Essa leveza caracterizada pode ser associada, também, ao uso de LSD que era comum nos anos 1960, além de bastante caricata da contracultura, como uma tentativa de exteriorizar as experiências que tocavam partes profundas dos músicos enquanto desfrutavam da viagem proporcionada pelo ácido do momento. Estas leituras pavimentam uma associação direta com a contracultura, com os jovens que tinham muito a dizer sem saber como, que se perdiam em seus pensamentos, seja em função dos alucinógenos ou da quantidade de informação que passaram a processar. A capa de Revolver funciona como um espelho de uma geração com olhares profundos, embora às vezes solitários, com uma preocupação em entender o seu lugar e função no contexto social da época, ou, retomando os conceitos já apresentados de Geertz (2008), na teia de significações que subsidiava as relações sociais. Ainda, a solitude inerente à capa dialoga com a faixa 2 do LP, Eleanor Rigby, de Paul McCartney e creditada a Lennon/McCartney, que pode ser apresentada como uma simples e pura história de solidão, reforçada pelo arranjo sonoro orquestrado e ausência de guitarra, baixo ou bateria. Considerações Finais No decorrer deste estudo foram resgatados os conceitos de cultura aos olhos da antropologia, que alicerçaram a construção do entendimento da contracultura dos anos Portanto, com o entorno da época detalhado lançou-se mão de uma análise do disco Revolver, da banda The Beatles, procurando identificar as principais características presentes neste objeto de estudo que mais representassem o período o qual fora concebido e como ele mesmo influenciou seu meio.

14 Conforme apurado, a banda inglesa foi eivada pela contracultura e, mais que isso, reforçou algumas de suas ideias através da capa do disco analisado e de suas canções, frisando o descontentamento dos jovens daquela época e refletindo alguns anseios compartilhados pelos demais colegas da mesma geração. Com o levantamento realizado, é possível entender que a mensagem principal dialogada em Revolver se aproxima de algo como eu não gosto do que estou vendo, estou incomodado com a situação atual, há muitas coisas e estilos de vida diferentes do que estamos acostumados, quero mudanças e tenho muito mais a dizer, mas ainda não sei como expressar. Um discurso que se encaixa perfeitamente no enredo contracultural de um jovem de classe média da segunda metade dos anos 60 procurando por sinais em meio a um limbo e tentando acrisolar a realidade que o abraçava. Assim, por ser um trabalho que traduz o sentimento e preocupações de milhares, Revolver se tornou um item de consumo que atendeu as expectativas do público e, além de ingressar os Beatles ao psicodelismo, também os colocou no mercado do psicodelismo. A mesma cultura de mídia que opera na esfera massificada também oferece, em um plural, mecanismos para os indivíduos se oporem às classes dominantes. Esta relação entre oposição e consumo, entre controle e revolta, é abordada por Gisela Castro (2009, p. 65, grifos da autora), que afirma tratar-se de oferecer multiplicidade controlada de modelos e perfis para possível identificação assimilando, por exemplo, o novo que circula nas cenas underground e domesticando sua rebeldia de modo a arejar e fecundar o mainstream, mantendo sua hegemonia, o que pode justificar o sentimento infrutífero e impotente, já comentado, daquela geração na virada da década. Referências CASTRO, Gisela Grangeiro da Silva. Mídia, Cultura e Consumo no Espetáculo Contemporâneo. In: CASTRO, Gisela Grangeiro da Silva; TONDATO, Marcia Perecin (orgs.). Caleidoscópio Midiático: o consumo pelo prisma da comunicação. São Paulo: ESPM, Cap. 4. p

15 CINTRA, Fávia Pascoal. A Cultura de Consumo na Sociedade Contemporânea. In: CASTRO, Gisela Grangeiro da Silva; BUDAG, Fernanda Elouise (orgs.). Comunicação e Consumo: primeiros ensaios. São Paulo: ESPM, Parte 5, Cap. 1. p DEROGATIS, Jim; KOT, Greg. The Beatles Vs The Rolling Stones: A grande rivalidade do rock n roll. São Paulo: Editora Globo, GALLERIE D ARTE. Gli "Affichistes" tra Milano e Bretagna. Disponível em: < Acesso em: 13 mar GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1.ed. Rio de Janeiro: LTC, GOFFMAN, Ken; JOY, Dan. Contracultura através dos tempos: do mito de Prometeu à cultura digital. Rio de Janeiro: Ediouro, HEYLIN, Clinton. Sgt. Pepper s Lonely Hearts Club Band: um ano na vida dos Beatles e amigos. São Paulo: Conrad, JOHARI, Harish. Chackras: centros de energia de transformação. São Paulo: Pensamento- Cultrix, KLAUS VOORMANN COMPANY. Biography. Disponível em: <http://www.voormann. com/biography>. Acesso em: 17 dez LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 14. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O que é contracultura. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, RAIMES, Jonathan; BHASKARAN, Lakshmi. Design Retrô: 100 anos de design gráfico. São Paulo: Senac SP, SHUKER, Roy. Vocabulário de música pop. 1. ed. São Paulo: Hedra, THE BEATLES. Explore: albums. Disponível em: <http://www.thebeatles.com/explore? type=story_album>. Acesso em: 20 nov Revolver. Londres: Parlophone Records, Vinil.. Revolver: album. Disponível em: <http://www.thebeatles.com/album/ revolver>. Acesso em: 20 nov

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

Movimentos culturais. Contemporaneidade

Movimentos culturais. Contemporaneidade Movimentos culturais Contemporaneidade Nenhum outro acontecimento desde a Guerra da Secessão de 1861-65 provocou tamanha divisão na opinião pública norte-americana como o envolvimento dos Estados Unidos

Leia mais

Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO. Julio Cesar de Lira. Larissa Ribeiro de Sousa. Niara Rodrigues Freire Luz. Rodolfo dos Santos

Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO. Julio Cesar de Lira. Larissa Ribeiro de Sousa. Niara Rodrigues Freire Luz. Rodolfo dos Santos Design Gráfico Contemporâneo PSICODELISMO Julio Cesar de Lira Larissa Ribeiro de Sousa Niara Rodrigues Freire Luz Rodolfo dos Santos Turma F - 6 semestre - Noturno Professora Cecília São Paulo 2011 HISTÓRIA

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios"

Portugal - João Seixas: As cidades são grandes espelhos de nós próprios Portugal - João Seixas: "As cidades são grandes espelhos de nós próprios" Nas crônicas urbanas do investigador João Seixas, agora publicadas em livro, a cidade é o reflexo das realizações e aspirações

Leia mais

COMO FAZER A TRANSIÇÃO

COMO FAZER A TRANSIÇÃO ISO 9001:2015 COMO FAZER A TRANSIÇÃO Um guia para empresas certificadas Antes de começar A ISO 9001 mudou! A versão brasileira da norma foi publicada no dia 30/09/2015 e a partir desse dia, as empresas

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII

TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: VÁRIAS VARIÁVEIS: O BRASIL DOS ANOS 80 PELAS MÚSICAS DO ENGENHEIROS DO HAWAII CATEGORIA: EM

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O especialista em inovação Lourenço Bustani analisa as dificuldades que travam a inovação na economia brasileira e discute possíveis soluções.

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS B CONSTRUA COM CARINHO SUA REDE PESSOAL Guilherme Demo Limeira SP 2006 2 GUILHERME DEMO CONSTRUA COM CARINHO A SUA REDE PESSOAL Projeto

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Currículo Referência em Música Ensino Médio

Currículo Referência em Música Ensino Médio Currículo Referência em Música Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói

ANDERSON CAVALCANTE. Meu pai, meu herói ANDERSON CAVALCANTE Meu pai, meu herói Dedicatória Ao meu pai, Eraldo, meu herói e minha referência de vida. 5 Agradecimentos A Deus, por sempre me ajudar a cumprir minha missão. A todos os pais que são

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

A Música na Antiguidade

A Música na Antiguidade A Música na Antiguidade Josemar Bessa A palavra música deriva de arte das musas em uma referência à mitologia grega, marca fundamental da cultura da antigüidade ocidental. No entanto muitos estudiosos

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro!

PHELIPE AGNELLI. Baterista Percussionista Compositor. Músico Brasileiro! PHELIPE AGNELLI Baterista Percussionista Compositor Músico Brasileiro 1 ENTREVISTA "Inspirando e sendo inspirado" Phelipe Agnelli é músico e compositor, nascido a 50 minutos de São Paulo, na cidade de

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

INVESTIGANDO REGULARIDADES DA MULTIPLICAÇÃO POR 99 A PARTIR DE UM PROBLEMA Ana Regina Zubiolo Rede Pública Estadual Paranaense zubieng@hotmail.

INVESTIGANDO REGULARIDADES DA MULTIPLICAÇÃO POR 99 A PARTIR DE UM PROBLEMA Ana Regina Zubiolo Rede Pública Estadual Paranaense zubieng@hotmail. INVESTIGANDO REGULARIDADES DA MULTIPLICAÇÃO POR 99 A PARTIR DE UM PROBLEMA Ana Regina Zubiolo Rede Pública Estadual Paranaense zubieng@hotmail.com Magna Natalia Marin Pires Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros Relatório do 3 Encontro de Empreendedores de Cultura Afrobrasileiros São Paulo, 23 de julho de 2011 1 Introdução: Este relatório é produto do 3 Encontro de artistas e empreendedores negros, que discutem

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Em seu diálogo A República, Platão descreve na célebre Alegoria da Caverna a situação de homens aprisionados desde a infância no fundo de uma caverna e de tal

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD

Como escrever para o seu. Site. e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Blog do Advogado Moderno - PROMAD o seu Site e usar seu conhecimento como forma de conquistar e reter clientes. Conteúdo Introdução Escrever bem é um misto entre arte e ciência Seus conhecimentos geram mais clientes Dicas práticas Faça

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

O QUE É UM CÓDIGO DE ÉTICA?

O QUE É UM CÓDIGO DE ÉTICA? O QUE É UM CÓDIGO DE ÉTICA? O Código de ética é um instrumento que busca a realização dos princípios, visão e missão da empresa. Serve para orientar as ações de seus colaboradores e explicitar a postura

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

NIVEL PRATICANTE. Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3. Tranformações e Prosperidade

NIVEL PRATICANTE. Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3. Tranformações e Prosperidade NIVEL PRATICANTE Consultas de Registros Akáshicos PARTE 3 Tranformações e Prosperidade 1 MÓDULO 1 Sua Consulta : Legacia Financeira Esta parte do nível dos profissional é uma sessão de 3 partes que vai

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO

FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO FACETAS DA MULHER BRASILEIRA: VISÃO DAS BRASILEIRAS SOBRE A IMAGEM DA MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Fevereiro 2016 A MULHER NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O que mais incomoda no discurso/posição que a mulher

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais