GUIA PRÁTICO JURÍDICO DO CIDADÃO IMIGRANTE (Não Comunitário) DIREITOS E DEVERES EM PORTUGAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PRÁTICO JURÍDICO DO CIDADÃO IMIGRANTE (Não Comunitário) DIREITOS E DEVERES EM PORTUGAL"

Transcrição

1 GUIA PRÁTICO JURÍDICO DO CIDADÃO IMIGRANTE (Não Comunitário) DIREITOS E DEVERES EM PORTUGAL

2

3

4 FICHA TÉCNICA Título GUIA PRÁTICO JURÍDICO DO CIDADÃO IMIGRANTE (NÃO COMUNITÁRIO): DIREITOS E DEVERES EM PORTUGAL 1.ª edição Autores José Manuel da Costa Meireles Maria Manuela da Costa Meireles Magda Sofia Campos Barbosa Editor Associação Famílias Rua de Guadalupe, Braga Design gráfico da capa e contra-capa Carlos Esteves Depósito legal /03 ISBN 972/ Tiragem 500 exemplares Data da publicação Dezembro de 2002 Impressão e acabamentos Barbosa & Xavier, Lda. Braga Todos os direitos reservados Agradecimentos pela colaboração nesta edição Teresa Sofia Guimarães da Rocha Meireles

5 «A cidade que fecha as portas a alguém é uma cidade injusta. Nessa cidade não entrarei» (Teilhard de Chardin) Tu, que vais sentado à proa do barco E vês o rombo em baixo, não te fies na sorte Nem desvies o teu olhar para o largo, Pois não estás fora dos olhos da morte. Sempre achei falso o nome que nos deram: «Emigrantes». Isso quer dizer «os que emigraram». Mas nós Não emigramos, escolhendo por livre decisão Uma outra terra, para ficar lá, possivelmente pra sempre. Nós fugimos. Desterrados é que nós somos, exilados. E a terra que nos recebeu não será asilo, mas exílio. Inquietos aqui estamos, o mais possível perto das fronteiras À espera do dia do regresso, observando cada mínima Alteração pra lá da raia, interrogando com ardor Cada um chega, nada esquecendo e de nada desistindo E também nada perdoando do que aconteceu, nada perdoando. Ai, o sossego do Sund não nos engana! Ouvimos os gritos Lá dos seus campos até aqui. Pois nós mesmo somos Quase como boatos de crimes que se escaparam Por sobre as fronteiras. Cada um de nós, Que passa através da turba de sapatos rotos, Dá testemunho da vergonha que agora mancha a nossa terra. Mas nenhum de nós Ficará aqui. A última palavra Ainda não foi dita. Bertold Brecht, Gesammeltte Werke 9, Frankfur am Main, 1967, p Tradução de Paulo Quintela 7

6

7 PREFÁCIO O fenómeno da imigração e das minorias étnicas não é novo em Portugal, apesar de termos sido até há algumas décadas um país sobretudo de emigrantes. No entanto na sequência das independências africanas, a partir de 1975 e da queda do «muro de Berlim», a imigração ganhou uma importância, dimensão e acuidade que não é necessário sublinhar. É parte do dia-a-dia, basta abrir os olhos, para ver outras cores, estilos, línguas, comportamentos... «Acolher e Integrar» é o grande lema do Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas (ACIME), mas estes dois simples verbos têm vários significados e implicações. Fenómeno altamente positivo, com vertentes sociais, culturais, religiosas, económicas, a imigração traz também os seus inquestionáveis problemas e só uma perspectiva horizontal e integrada informação, legislação, trabalho, segurança social, saúde, ensino, habitação pode ensaiar uma resposta adequada e progressiva, para que os imigrantes que vivam connosco, conheçam os seus direitos e deveres e possam, eles e os seus descendentes, vir a gozar de plena e activa cidadania. É claro que a legislação a «lei» não é tudo mas é um elemento básico e fundamental, quer para aqueles que chegam, quer para aqueles que acolhem. É, nesta linha que se centra a iniciativa e o esforço do meu grande amigo, o advogado Dr. José Manuel da Costa Meireles, de num só volume coligir toda a legislação actual referente aos imigrantes e à imigração, legislação que até agora tem estado dispersa e avulsa. Que nesta bela obra de pesquisa, de recolha e de síntese, possa prestar, como é de esperar, o grande serviço de contribuir de forma significativa para a integração dos nossos irmãos e concidadãos imigrantes. O Alto Comissário Para a Imigração e Minorias Étnicas (P. E ANTÓNIO VAZ PINTO) 9

8

9 NOTA PRÉVIA A ideia de escrever o livro que agora se apresenta tem, simultaneamente, origem no convite e no desafio que foi feito ao primeiro dos co-autores pelo Dr. Carlos de Aguiar Gomes, prezado amigo e Presidente da Direcção do Instituto «Famílias», pessoa jurídica canónica e fundação perante a ordem jurídica civil, com sede na cidade de Braga. Este convite foi, entretanto, alargado à irmã do primeiro dos co-autores, também ela, como ele, jurista de formação e que acumula as funções de docente. Aquele distinto amigo pressentiu e/ou intuiu a necessidade de um Guia Prático em matéria jurídica que pudesse servir de elemento auxiliar de consulta aos imigrantes radicados no nosso país e a todas as pessoas e instituições que, de algum modo, estão envolvidas em actividades de auxílio e apoio a estas comunidades, que,como é sabido, são maioritariamente oriundos de países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e da Europa de Leste. Estas comunidades, com a ajuda deste guia poderiam mais facilmente, conseguir integrar-se na vida social e cultural do nosso país e desse modo adquirir maior consciência da sua cidadania. Posto isto, o primeiro desafio que se colocou ao primeiro dos co-autores foi o ter de decidir-se pela elaboração de um Guia, por assim dizer, «minimalista» ou, ao invés, abalançar-se num projecto de maior monta, elaborando um Guia mais abrangente, isto é, que não se ficasse somente pela abordagem do regime jurídico da entrada, permanência, saída e afastamento dos cidadãos estrangeiros em território Português, um Guia que pudesse constituir-se como uma espécie de manual de cidadania do imigrante não comunitário. Foi esta, ponderadas as vantagens e desvantagens, a opção adoptada. Daí a relativa extensão das matérias e assuntos tratados, inseridos tanto quanto possível em alguns troncos e ramos tradicionais do Direito, pois que, em princípio, o imigrante tem os mesmos direitos que os cidadãos de nacionalidade portuguesa. E, se dizemos, em princípio, é porque, como melhor se verá mais à frente, além das restrições estabelecidas pela Constituição da República Portuguesa de 1976, esta Lei Fundamental da Nação, permite que por lei formal, isto é, provinda da Assembleia da República, ou mediante autorização legislativa do Governo, os direitos dos imigrantes possam ser objecto de limitação. Na verdade, há um leque de certos e determinados direitos de que só gozam os cidadãos portugueses e que, portanto, estão vedados aos estrangeiros, em geral, e aos imigrantes em particular. Todavia, estamos perante uma excepção ao Princípio e Regra da Equipa- 11

10 ração do Estatuto Jurídico entre o cidadão estrangeiro e o cidadão nacional. Assim sendo, à pergunta acerca de quais são os direitos dos imigrantes, poderia responder-se sinteticamente, dizendo-se que são todos os direitos reservados pela Constituição e pela lei aos cidadãos portugueses, com ressalva das excepções que a lei prevê. Ora, e posto isto, ficaríamos dispensados de ter que fazer a catalogação desses direitos, tal é a sua vastidão, limitando-nos, simplesmente, a enumerar as excepções que constituem limites aquele princípio que equipara legalmente o estrangeiro e o cidadão português. E, assim, uma vez definidos esses limites e excepções, teríamos à priori definidos todos os direitos que cabem aos imigrantes. Todavia, por razões pedagógicas, estando cientes dos riscos desta eleição, ousamos ir um pouco mais além do que não pode fazer o imigrante, deslocando grande parte das questões e da nossa atenção para o que ele pode fazer, que direitos e obrigações tem, tendo sempre presente que o imigrante é mais que um simples cidadão estrangeiro, o qual, no dizer de dois distintos constitucionalistas, implica «um tratamento pelo menos tão favorável quanto o concedido ao cidadão português, designadamente no que respeita a um certo número de direitos fundamentais» (G. Canotilho / V. Moreira). Entretanto, à medida que as dificuldades na elaboração deste Guia iam surgindo, resolveu-se estender também o convite à última co-autora que, veio assim dar um novo alento ao projecto inicial. A responsabilidade pela orientação e revisão geral desta obra ficou a cargo do primeiro dos co-autores. Como método de exposição optou-se pelo sistema de perguntas e respostas, procurando-se adoptar, tanto quanto possível, e sempre sem prejuízo do rigor técnico-jurídico necessário, uma linguagem clara e simples, tendo em conta os leitores a quem se destina, pessoas maioritariamente sem formação jurídica. Em suma, espera-se modestamente que este Guia possa, como se disse no início, servir como auxiliar e elemento de consulta e, tanto quanto o permitir a disponibilidade dos autores, que ele possa oportunamente ser actualizado, procurando-se que, uma vez traduzido para alguns dos idiomas mais representativos das comunidades de imigrantes radicados em Portugal, venha a estar disponível para consulta na página que a Associação Famílias tem na Internet em: http//www.planeta.clix.pt/associacao.familias/ Os Autores JOSÉ MANUEL DA COSTA MEIRELES MARIA MANUELA DA COSTA MEIRELES MAGDA SOFIA CAMPOS BARBOSA 12

11 ABREVIATURAS e símbolo de endereço de correio electrónico ( ) Art.º artigo AR Assembleia da República ACIME Alto Comissário para as Migrações e Minorias Étnicas ACNUR Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados AP Autorização de Permanência ar Autorização de Residência BI Bilhete de Identidade CDSP Código Deontológico do Serviço Policial CIAPI Comissão Interministerial de Acompanhamento da Política de Imigração CA Contribuição Autárquica CRSS Centro Regional de Segurança Social CRP Constituição da República Portuguesa de 1976 CIE Centro de Instalação Temporário CIRS Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. CIRC Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas. CIVA Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado. CIMSSD Código do Imposto sobre as Sucessões e Doações. CIS Código do Imposto de Selo CIEC Código dos Impostos especiais sobre o consumo de certos bens: CFE Centro de Formalidades de Empresa DR Diário da República DRE Diário da República Electrónico D.L. Decreto-Lei DUDH Declaração Universal dos Direitos do Homem, da Assembleia Geral da ONU de 1948 Euro(s) EIRL Estabelecimento Individual de Responsabilidade Limitada EU União Europeia EEE Espaço Económico Europeu FGA Fundo de Garantia Automóvel GNR Guarda Nacional Republicana IRS Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRC Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado IMSSD Imposto sobre as Sucessões e Doações IS Imposto de Selo IEC Impostos especiais sobre o consumo de certos bens 13

12 IABA Imposto sobre o álcool e bebidas alcoólicas ISP Imposto sobre os produtos petrolíferos IT Imposto sobre o tabaco IA Imposto automóvel IVVA Imposto sobre a venda de veículos automóveis IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social IGT Inspecção Geral do Trabalho IDICT Instituto do Desenvolvimento e das Condições de Trabalho IEF Instituto do Emprego e Formação Profissional Ius sanguinis direito de sangue Ius soli direito de solo LC Loja do Cidadão LDA Sociedade (Comercial) de Responsabilidade Limitada LTETP Lei do Trabalho de Estrangeiros em Território Português L. Lei LN Lei da Nacionalidade LI Lei da Imigração MTSS Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social N.º/n.º número NIF Número de Identificação Fiscal (número de contribuinte) ob. cit. obra citada OTAN Organização do Tratado do Atlântico Norte ONU Organização das Nações Unidas OIT Organização Internacional do Trabalho OIM Organização Internacional das Migrações ONG Organização Não-Governamental PJ Polícia Judiciária PSP Polícia de Segurança Pública RMG Rendimento Mínimo Garantido (ver RSI) RMG Remuneração Mínima Garantida RNPC Registo Nacional de Pessoas Colectivas RLN Regulamento da Lei da Nacionalidade RSI Rendimento Social de Integração SA Sociedade (comercial) Anónima SEF Serviço de Estrangeiros e Fronteiras SISA Imposto sobre transmissão de bens imóveis SMN Salário Mínimo Nacional (v. RMG) STA Supremo Tribunal Administrativo STJ Supremo Tribunal de Justiça SIS Serviço de Informação Schengen TC Tribunal Constitucional TJCEE Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias 14

13 ÍNDICE PREFÁCIO... 9 NOTA PRÉVIA ABREVIATURAS E GLOSSÁRIO I. O ESTATUTO JURÍDICO DO ESTRANGEIRO E DO IMIGRANTE O estatuto constitucional do estrangeiro O estatuto do estrangeiro segundo o Direito Internacional Público O conceito de Imigrante e de Nacional Português O regime de Entrada, Permanência, Saída e Afastamento de cidadãos estrangeiros em Território Português A cidadania política e o direito de associação do imigrante Entidades públicas vocacionadas para as questões de Imigração II. O TRABALHO E A SEGURANÇA SOCIAL Introdução Procura e acesso ao emprego Relação laboral: direitos e deveres Regime de protecção social Cessação da relação laboral III. O ACESSO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL E/OU PROFISSIONAL IV. DA FAMÍLIA E DO DIREITO SUCESSÓRIO O Reagrupamento Familiar O Casamento e a União de Facto O poder paternal, os filhos e o ensino O fenómeno sucessório V. A HABITAÇÃO E O DIREITO DE PROPRIEDADE PRIVADA O Alojamento temporário Arrendamento, hospedagem e aquisição de uma casa A Propriedade Horizontal O Crédito à Habitação VI. A SAÚDE O Serviço Nacional de Saúde

14 VII. A JUSTIÇA E O APOIO JUDICIÁRIO DO ESTADO PORTUGUÊS O Acesso ao Direito e aos Tribunais Portugueses Direitos Humanos e o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem VIII. O DIREITO CRIMINAL E O DIREITO DAS CONTRA-ORDENAÇÕES APLICÁVEL À IMIGRAÇÃO ILEGAL IX. PREVENÇÃO, PROIBIÇÃO E SANCIONAMENTO DE DISCRIMINAÇÕES NO EXER- CíCIO DE DIREITOS X. LEI APLICÁVEL ÀS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS EM SITUAÇÕES DE CONFLITOS DE LEIS DE VÁRIOS PAÍSES XI. COMPETÊNCIA JUDICIÁRIA E A EXECUÇÃO DE DECISÕES EM MATÉRIA CIVIL E COMERCIAL NA UNIÃO EUROPEIA XII. O CONSUMO XIII. A FISCALIDADE XIV. O CÓDIGO DA ESTRADA A Contra-Ordenação. Classificação O Processo de Infracções estradais As principias inovações do Código da Estrada de 1998 e as alterações em A matrícula, o imposto automóvel, o imposto municipal e o imposto de circulação Carta de condução estrangeira XV. A CRIMINALIDADE ASSOCIADA À CONDUÇÃO RODOVIÁRIA XVI. O SEGURO AUTOMÓVEL DE RESPONSABILIDADE CIVIL. A CARTA VERDE. O SISTEMA DE INDEMNIZAÇÃO DIRECTA AO SEGURADO (IDS) E O FUNDO DE GARANTIA AUTOMÓVEL (FGA) XVII. DIREITO MORTUÁRIO XVIII. ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS SOBRE A EVOLUÇÃO DO FENÓMENO DA IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL XIX. INFORMAÇÕES ÚTEIS Portugal continental e ilhas: geografia, população e clima A história de Portugal A língua e cultura portuguesas O modo de vida português

15 5. A religião e os lugares de culto A moeda corrente Os serviços de urgência Cursos gratuitos de ensino da língua, cultura e cidadania portuguesas FORMULÁRIOS Modelo de requerimento do progenitor para aquisição de nacionalidade portuguesa pelo filho Modelo de requerimento para aquisição de nacionalidade portuguesa Requerimento para autorização de residência (Mod. DR 0001-MAI/SEF) Requerimento para autorização de residência de menores (Mod.DR0003-MAI/SEF) Requerimento de emissão de título de residência por motivo de alteração de estatuto, renovação do título ou segunda via por motivo de extravio, furto ou outro (Mod. DR0011-MAI/SEF) Prorrogação de permanência para visto de trânsito, visto especial, visto de curta duração e turismo, acompanhamento de titulares de visto de estudo, estada temporária, trabalho ou autorização de permanência (Mod. DR00005-MAI/SEF) Requerimento de certidão de residência permanente em Portugal ou de declaração de permanência regular em território nacional ao abrigo de um visto de trabalho, de estudo, ou estada temporária (Mod. DR0008-MAI/SEF) Declaração de entrada em território português (Mod. 812-MAI/SEF) Termo de responsabilidade relativamente à estada em Portugal e cumprimento da lei portuguesa por parte de um cidadão estrangeiro (Mod. DR0009-MAI/SEF) Modelo de requerimento de cidadão brasileiro para obtenção de estatuto geral de igualdade de direitos em Portugal Modelo de requerimento de cidadão brasileiro para obtenção de estatuto geral e especial de igualdade de direitos políticos em Portugal Modelo de requerimento de cidadão brasileiro para obtenção de estatuto especial de igualdade de direitos políticos em Portugal Minuta de um contrato de trabalho Minuta de um contrato de trabalho para prestação de serviço doméstico Requerimento de pessoa singular para obtenção de apoio judiciário do Estado Português (Mod. AJ001/2001-DGSSS) Declaração de salários em atraso (Mod. CD0162-DGRSS) Formulário de identificação complementar do trabalhador estrangeiro (Mod. RV1006/99-DGRSS) INDÍCE DE LEGISLAÇÃO INTERNA E DE ALGUNS TEXTOS INTERNACIONAIS PERTINENTES 241 ENDEREÇOS ÚTEIS BIBLIOGRAFIA PÓSFÁCIO

16

17 CAPÍTULO I O ESTATUTO JURÍDICO DO ESTRANGEIRO E DO IMIGRANTE 1. O estatuto constitucional do Estrangeiro LEGISLAÇÃO Constituição da República Portuguesa (CRP); D.L. n.º 244/98, de 8/08 Lei da Imigração (LI); Convenção de Brasília de 7/10/1971, sobre a Igualdade de Direitos e Deveres entre Brasileiros e Portugueses, que entrou em vigor em 22/03/1972; Tratado de Amizade e Cooperação e Consulta entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil, de 22/04/2000, aprovado pela Resolução da AR n.º 83/2000, de 14/12; Acordo Especial entre Portugal e Cabo Verde, de 15/04/1976, assinado na cidade da Praia, que entrou em vigor em 5/11/1976; Convenção de Aplicação do Acordo de Schengen, assinada em Schengen em Acordo de Schengen, assinado em Schengen em 14 de Junho de Qual é o estatuto constitucional do estrangeiro em Portugal? O estatuto é regido pelo princípio da igualdade segundo o qual «Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas, instrução, situação económica ou condição social» (art.º 13.º da CRP). Assim, em matéria de direitos e deveres «Os estrangeiros e os apátridas que se encontrem ou residam em Portugal gozam dos direitos e estão sujeitos aos deveres do cidadão português» (art.º 15.º, n.º 1 da CRP). Quais são segundo a CRP as excepções ao princípio da igualdade de direitos e deveres? Podem contabilizar-se três excepções, que seguidamente se expõem: direitos políticos; o exercício de funções públicas que não tenham carácter predominantemente técnico; os direitos e deveres reservados pela Constituição e pela lei exclusivamente aos portugueses (n.º 2, do art.º 15.º da CRP). 19

18 No caso de as funções públicas exercidas por estrangeiros terem carácter técnico, «onde predomina um aspecto técnico por oposição a um factor de autoridade pública» então, segundo a Jurisprudência do Supremo Tribunal Administrativo (STA) e a doutrina do Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da Republica (pareceres n. os 23/81, 152/81, e 22/90 e 71/91), permite-se que os estrangeiros tenham acesso a essas funções públicas, e não serão por esse motivo discriminados em razão da sua nacionalidade. Assim, são funções de carácter predominantemente técnico aquelas para as quais a lei exige uma formação específica: jurista, engenheiro, psicólogo, quando a função exercida exija, predominantemente, conhecimentos técnicos resultantes dessa formação específica. No caso do exercício da docência pública, há que referir que os professores no exercício das suas funções têm poderes de autoridade, tais como a realização de exames e atribuição de classificações, administrar a disciplina na escola, que são inerentes à função técnica exercida, isto é, ministrar conhecimentos. Nesse sentido também decidiu o Tribunal de Justiça da CEE para os nacionais de estados membros da comunidade europeia ao dizer que no acesso «aos empregos na administração pública» só poderia haver uma excepção: nas «actividades específicas desta administração enquanto investida no exercício de poder e autoridade publica». De que vício estão feridas as normas constantes de leis ordinárias (de valor normativo abaixo da CRP) relativas ao acesso à função pública que eventualmente estabeleçam uma proibição de acesso dos estrangeiros em geral, isto é, que não se restrinja unicamente às funções que envolvam predominantemente o exercício de poderes de autoridade? Estas normas, a pedido dos interessados com legitimidade para o efeito, poderão vir a ser declaradas inconstitucionais (violadoras da CRP) pelo Tribunal Constitucional. Parece ser este o caso, por ex. da norma constante de uma lei (alínea a), do n.º 2, do art.º 29.º D.L. n.º 204/98, de 11/07) que estabelece o regime geral de recrutamento e selecção de pessoal da Administração Pública segundo a qual constitui requisito geral de admissão a concurso e provimento em funções públicas, «ter nacionalidade portuguesa». Quais são os «direitos e deveres reservados pela Constituição e pela lei exclusivamente aos portugueses»? Esta é uma questão problemática, pois nem sempre será fácil descortinar quais são esses direitos e deveres. Contudo, e sem margem para dúvidas, serão aqueles que a CRP expressamente atribui aos portugueses, como é o caso de: proibição absoluta de expulsão e restrição à possibilidade de extradição (art.º 33.º da CRP); 20

19 capacidade eleitoral activa (direito de votar) e passiva (direito de ser eleito) para a eleição do Presidente da República e da Assembleia da República (art. os 121.º, 122.º, 147.º e 140.º da CRP); dever de prestar serviço militar e defesa da Pátria (art.º 275.º e 276.º); o direito de petição (faculdade que a CRP confere aos cidadãos de, individualmente ou colectivamente, apresentarem queixa, reclamações, representações e petições aos órgãos de soberania para a defesa dos seus direitos), segundo, alguns juristas (J. J. Gomes CANOTILHO/ Vital MOREIRA, in Constituição da República Portuguesa Anotada, 3.ª edição revista, anotação ao art.º 15.º). Porém, os estrangeiros poderão sempre através das suas associações culturais e recreativas e de defesa dos seus direitos, apresentar as suas petições à Assembleia da República, Governo, Autarquias e demais órgãos de soberania, pois para a lei portuguesa, estas associações são consideradas como sendo de nacionalidade portuguesa, pelo que, gozam, com as devidas adaptações, dos direitos e deveres do cidadão português, conforme o estabelecido no art.º 12.º da CRP, nomeadamente, do direito de dirigir petições aos órgãos de soberania. Então quais são os outros direitos e deveres que a CRP reconhece e obriga a todos os cidadãos, independentemente da sua nacionalidade? Desde logo, os direitos, liberdades e garantias fundamentais, tais como o direito à vida, à integridade física, à liberdade e segurança, direito a não ser preso sem culpa formada, direito à inviolabilidade do domicílio e da correspondência, direito à família, a liberdade de apreender e ensinar, entre outros. Em que consiste e a quem é aplicável o chamado princípio da reciprocidade? Aos cidadãos dos países de língua portuguesa podem ser atribuídos, mediante convenção internacional e em condições de reciprocidade, direitos não conferidos a estrangeiros, salvo o acesso à titularidade dos órgãos de soberania e dos órgãos de governo próprio das regiões autónomas, o serviço nas forças armadas e a carreira diplomática. (n.º 3, do art.º 15.º da CRP). Eis alguns exemplos: Convenção de Brasília de 7/10/1971, sobre a Igualdade de Direitos e deveres entre Brasileiros e Portugueses, que entrou em vigor em 22/03/1972, estabelece direitos e deveres para os cidadãos portugueses no Brasil e para os cidadãos brasileiros em Portugal não reconhecidos aos demais estrangeiros, nomeadamente, através do estabelecimento de dois estatutos: um estatuto de igualdade de direitos e deveres e um estatuto de igualdade de direitos políticos, com algumas limitações. 21

20 Acordo Especial da cidade da Praia de 15/04/1976, entre Portugal e Cabo Verde, que entrou em vigor em 5/11/1976 e que estabelece um conjunto de direitos e deveres para os nacionais de cada um das Partes Contratantes, nomeadamente: o livre exercício de profissões liberais, o direito de estabelecimento para a instalação e exercício de actividades de carácter industrial, comercial, agrícola, etc. Os estrangeiros podem votar e ser eleitos, em condições de reciprocidade, para os órgãos de autarquias locais (Câmaras Municipais, Juntas de Freguesia)? Sim, de acordo com o n.º 4, do art.º 15.º da CRP: «A lei pode atribuir a estrangeiros residentes no território nacional, em condições de reciprocidade, capacidade eleitoral activa e passiva para a eleição dos titulares dos órgãos de autarquias locais. A lei pode ainda atribuir, em condições de reciprocidade, aos cidadãos dos Estados membros da União Europeia residentes em Portugal o direito de elegerem e serem eleitos Deputados ao Parlamento Europeu». Os cidadãos portugueses podem ser expulsos de Portugal? «Não é admitida a expulsão de cidadãos portugueses do território nacional» (n.º 1 do art.º 33.º da CRP). Em que situações e de que depende, segundo a CRP, a possibilidade de expulsão de estrangeiros que se encontram em situação ilegal em Portugal ou de quem solicitou asilo? A expulsão de quem tenha entrado ou permaneça regularmente no território nacional, de quem tenha obtido autorização de residência ou de quem tenha apresentado pedido de asilo não recusado só pode ser determinada por autoridade judicial, assegurando a lei formas expeditas de decisão (n.º 2 do art.º 33.º da CRP). Tem algum cidadão estrangeiro em Portugal, perante um outro Estado que requisita a sua extradição por motivos políticos ou por crimes a que segundo esse Estado se aplica a pena de morte, a garantia de que tal pedido não será correspondido pelo Estado português? Não é admitida a extradição por motivos políticos, nem por crimes a que corresponda, segundo o direito do estado requisitante, pena de morte ou outra de que resulte lesão irreversível da integridade física (n.º 3, do art.º 33.º da CRP). 22

21 Em que casos é admissível a extradição em Portugal? Só é admitida a extradição por crimes a que corresponda, segundo o direito do Estado requisitante, pena ou medida de segurança privativa ou restritiva da liberdade com carácter perpétuo ou de duração indefinida, em condições de reciprocidade estabelecidas em convenção internacional e desde que o Estado requisitante ofereça garantias de que tal pena ou medida de segurança não será aplicada ou executada (n.º 4, n.º 5 e, do art.º 33.º da CRP). Quem tem exclusiva competência para decidir sobre um pedido de extradição? A extradição só pode ser determinada por decisão judicial (n.º 7, do art.º 33.º da CRP). É garantido o direito de asilo automaticamente, isto é, sem depender dos motivos alegados, a todas as pessoas que o peçam? Não. É garantido o direito de asilo aos estrangeiros e aos apátridas perseguidos ou gravemente ameaçados de perseguição, em consequência da sua actividade em favor da democracia, da libertação social e nacional, da paz entre os povos, da liberdade e dos direitos da pessoa humana (n.º 8 do art.º 33.º da CRP). Onde se definem os direitos e deveres do Refugiado político? A lei define o estatuto do refugiado político (n.º 9, do art.º 33.º da CRP). Se um estrangeiro que se encontre em Portugal for suspeito de se dedicar a uma actividade criminosa especialmente violenta ou altamente organizada, incluindo o terrorismo e o tráfico de pessoas, de armas e de estupefacientes, pode ver o seu domicílio e correspondência violados? Em princípio, o que a actual CRP prevê no seu art.º 34.º é de que o domicílio e o sigilo da correspondência (e de outros meios de comunicação privada) são invioláveis. Igualmente, e porque Portugal não é um «Estado Policial» a entrada no domicílio dos cidadãos contra a sua vontade só pode ser ordenada pela autoridade judicial competente, nos casos e segundo as formas previstas na lei. Porém, depois da última revisão constitucional (em 2001) passou a admitir-se a entrada no domicílio durante a noite de qualquer pessoa sem o consentimento, nos casos de criminalidade especialmente violenta ou altamente organizada, incluindo o terrorismo e o tráfico de pessoas, de armas e de estupefacientes. 23

22 Qual o âmbito e sentido dos chamados «direitos fundamentais» enunciados na CRP? «Os direitos fundamentais consagrados na Constituição não excluem quaisquer outros constantes das leis e das regras aplicáveis de direito internacional» (n.º 1, do art.º 16.º da CRP). Como devem ser interpretados e integrados os «direitos fundamentais»? «Os preceitos constitucionais e legais relativos aos direitos fundamentais devem ser interpretados e integrados de harmonia com a Declaração Universal dos Direitos do Homem» (n.º 2, do art.º 16.º da CRP). Qual é a força jurídica dos preceitos constitucionais respeitantes aos direitos, liberdades e garantias? Segundo o n.º 1 do art.º 18.º da CRP, eles «são directamente aplicáveis e vinculam as entidades públicas e privadas». Segundo a Constituição são de admitir restrições aos preceitos constitucionais respeitantes aos direitos, liberdades e garantias? Diz o n.º 2, do art.º 189.º da CRP: «A lei só pode restringir os direitos, liberdades e garantias nos casos expressamente previstos na Constituição, devendo as restrições limitar-se ao necessário para salvaguardar outros direitos ou interesses constitucionalmente protegidos». Que requisitos devem observar as lei que restringem os direitos, liberdades e garantias, para estarem em conformidade com a Constituição? O n.º 3 do art.º 18.º da CRP diz expressamente: «As leis restritivas de direitos, liberdades e garantias têm de revestir carácter geral e abstracto e não podem ter efeito retroactivo nem diminuir a extensão e o alcance do conteúdo essencial dos preceitos constitucionais». A Constituição permite, em princípio, a suspensão dos exercício de direitos? Não. De acordo com o n.º 1 do art.º 19.º da CRP: «Os órgãos de soberania não podem, conjunta ou separadamente, suspender o exercício de direitos, liberdades e garantias, salvo em caso de estado de sítio ou estado de emergência, declarados na forma prevista na Constituição». Porém, segundo o n.º 6 do mesmo preceito: 24

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Guia Prático Jurídico do Cidadão Imigrante

Guia Prático Jurídico do Cidadão Imigrante José Manuel da Costa Meireles Maria Manuela da Costa Meireles Magda Sofia Campos Barbosa Guia Prático Jurídico do Cidadão Imigrante (NÃO COMUNITÁRIO) DIREITOS E DEVERES EM PORTUGAL verbojuridico 2005 GUIA

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro

Lei nº 37/81, de 3 de Outubro Lei nº 37/81, de 3 de Outubro TÍTULO I Atribuição, aquisição e perda da nacionalidade CAPÍTULO I Atribuição da nacionalidade Artigo 1.o Nacionalidade originária 1 São portugueses de origem: a) Os filhos

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo

Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Nacionalidade Portuguesa Folheto Informativo Lei da Nacionalidade Portuguesa Lei nº 37/81, de 3 de Outubro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 25/94, 19 de Agosto Regulamento da Nacionalidade Portuguesa

Leia mais

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional

Índice Geral. 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território nacional INTRODUCTION 5 Índice Geral Índice Alfabético 11 Índice Cronológico 15 Índice Sistemático 19 Nota Prévia 65 Parte I Estrangeiros em geral 1. Condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica

Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei Nº 134/99, De 28 De Agosto Proíbe As Discriminações No Exercício De Direitos Por Motivos Baseados Na Raça, Cor, Nacionalidade Ou Origem Étnica Lei n.º 134/99, de 28 de Agosto Proíbe as discriminações

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

APFN - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS NUMEROSAS

APFN - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE FAMÍLIAS NUMEROSAS Excelentíssimo Senhor Provedor de Justiça A Associação Portuguesa das Famílias Numerosas, com sede Rua 3A à Urbanização da Ameixoeira, Área 3, Lote 1, Loja A, Lisboa, vem, nos termos do artigo 23º, n.º

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto n. o 4 /2004 de 7 de Maio REGULARIZAÇÃO DE ESTRANGEIROS EM TERRITÓRIO NACIONAL A Lei de Imigração e Asilo N. 9/2003 de 15 de Outubro (LIA), veio definir

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA

7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA 16.12.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia C 310/261 7. PROTOCOLO RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO QUE, ao abrigo do artigo III 434.

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Carta dos Direitos do Cliente

Carta dos Direitos do Cliente A pessoa com deficiência ou incapacidade, deve ser educada e viver na comunidade, mas com programas e apoios especiais. Cercisiago Carta dos Direitos do Cliente Março de 2010 Carta dos Direitos do Cliente

Leia mais

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006

2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Artigo 6. o. Lei Orgânica n. o 2/2006 2776 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 75 17 de Abril de 2006 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei Orgânica n. o 2/2006 de 17 de Abril Quarta alteração à Lei n. o 37/81, de 3 de Outubro (Lei da Nacionalidade)

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão

DECRETO N.º 37/VIII. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sentido e extensão DECRETO N.º 37/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR O REGIME JURÍDICO QUE REGULA A ENTRADA, PERMANÊNCIA, SAÍDA E AFASTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO TERRITÓRIO NACIONAL A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Assembleia Popular Nacional. Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE

Assembleia Popular Nacional. Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Popular Nacional Lei 6/90 LEI DA NACIONALIDADE CAPÍTULO Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto da lei A presente lei define as condições de atribuição,

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO

NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO 19 de Junho de 2007 NOVA LEI DA IMIGRAÇÃO Cláudia do Carmo Santos Advogada OBJECTIVOS Desburocratização de procedimentos Adequação da lei em vigor à realidade social Atracção de mão-de-obra estrangeira

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

CIDADANIA. na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo

CIDADANIA. na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo CIDADANIA na Escola, em Portugal, na UE e no Mundo Ser cidadão é ter direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade perante a lei, ou seja, ter direitos civis. É também participar no destino da

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO. Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015

ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO. Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015 ENQUADRAMENTO LEGAL DO DIREITO DE ASILO Constança Urbano de Sousa Ordem dos Advogados, 19 de outubro de 2015 Plano I. Notas prévias: Direito de Imigração v. Direito de Asilo; Asilo, proteção subsidiária

Leia mais

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas

Proposta de Lei da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas da Imigração Inovações que mudam a vida das pessoas Fui expulso, mas tenho um filho menor a cargo a viver em Portugal. Podem recusar-me a entrada? Sim. A residência de filhos menores em Portugal é apenas

Leia mais

PARECER N.º 38/CITE/2005

PARECER N.º 38/CITE/2005 PARECER N.º 38/CITE/2005 Assunto: Parecer nos termos do n.º 3 do artigo 133.º do Código do Trabalho e da alínea j) do n.º 1 do artigo 496.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Não renovação de contrato

Leia mais

QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA CONTRA A CÂMARA MUNICIPAL DA FEIRA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA FEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO

QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA CONTRA A CÂMARA MUNICIPAL DA FEIRA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA FEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO QUEIXA AO PROVEDOR DE JUSTIÇA CONTRA A CÂMARA MUNICIPAL DA FEIRA E ASSEMBLEIA MUNICIPAL DA FEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PARTIDO ECOLOGISTA OS VERDES, pessoa colectiva com o NIPC

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO.

COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO. COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO. APRESENTADO POR Veneranda Juíza Presidente Maria do Céu Monteiro Silva DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE,CEDEAO

Leia mais

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993

DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 DIRECTIVA 93/109/CE, 6 DEZEMBRO 1993 SISTEMA DE EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO E DE ELEGIBILIDADE NAS ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU DOS CIDADÃOS DA UNIÃO EUROPEIA RESIDENTES NUM ESTADO-MEMBRO DE QUE

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DE NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE A CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DE NACIONAIS. Decreto n.º 40/2003 de 19 de Setembro Acordo entre a República Portuguesa e a República Federativa do Brasil sobre a Contratação Recíproca de Nacionais, assinado em Lisboa em 11 de Julho de 2003 Tendo

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA BULGÁRIA SOBRE CONTRATAÇÃO RECÍPROCA DOS RESPECTIVOS NACIONAIS. Decreto n.º 23/2003 Aprova o Acordo entre a República Portuguesa e a República da Bulgária sobre Contratação Recíproca dos Respectivos Nacionais, assinado em Sófia em 26 de Setembro de 2002 Considerando

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6)

Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional R-1870/11 (A6) O Provedor de Justiça, no uso da competência prevista no artigo 281.º, n.º 2, alínea d), da Constituição da República Portuguesa,

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social

Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Constituição da República Disposições relevantes em matéria de Comunicação Social Artigo 25 o (Direito à integridade pessoal) 1. A integridade moral e física das pessoas é inviolável. 2. Ninguém pode ser

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS Aprovada em Nova Iorque, em 28 de Setembro de 1954 Entrada em vigor: 6 de Junho de 1960, em conformidade com o artigo 39.º As Altas Partes Contratantes, PREÂMBULO

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I

C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012. PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA CAPÍTULO I C 326/266 Jornal Oficial da União Europeia 26.10.2012 PROTOCOLO (N. o 7) RELATIVO AOS PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES DA UNIÃO EUROPEIA AS ALTAS PARTES CONTRATANTES, CONSIDERANDO que, nos termos do artigo 343.

Leia mais

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS)

DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) DIREITO AO ESQUECIMENTO NA INTERNET / / LIBERDADE DE INFORMAÇÃO (CASO PORTUGUÊS) Cartagena das Índias, 15 de Outubro de 2013 Carlos Campos Lobo Índice Enquadramento Direito ao esquecimento Quadro normativo

Leia mais

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid

Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid Convenção Internacional sobre a Supressão e Punição do Crime de Apartheid INTRODUÇÃO A Convenção Apartheid foi aprovado pela Assembléia Geral da ONU em 1973, mas com um grande número de abstenções por

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2007

PARECER N.º 26/CITE/2007 PARECER N.º 26/CITE/2007 Assunto: Direito ao gozo de férias após licença por maternidade Processo n.º 147 QX/2006 I OBJECTO 1.1. Em 20 de Novembro de 2006, a CITE recebeu da funcionária do, com a categoria

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE CAMPOS DE FÉRIAS DE MANTEIGAS Preâmbulo Considerando: As competências previstas nos artigos 112º e 241º da Constituição da República Portuguesa; O regime previsto no Decreto-Lei

Leia mais

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1.

Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos. Artigo 1. Protocolo Bilateral entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República de Angola sobre Facilitação de Vistos Artigo 1.º (Objecto) O presente Protocolo tem por objecto a criação de um mecanismo

Leia mais

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões 1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Normas nacionais sobre a não discriminação: a Constituição

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA

ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República de Cabo Verde, doravante designadas por Partes : Animadas pela vontade

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010

L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 L 343/10 Jornal Oficial da União Europeia 29.12.2010 REGULAMENTO (UE) N. o 1259/2010 DO CONSELHO de 20 de Dezembro de 2010 que cria uma cooperação reforçada no domínio da lei aplicável em matéria de divórcio

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL ENTREVISTADOR DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho MANUAL DO ENTREVISTADOR Março 2008 2

Leia mais

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos...

Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Eu tenho direitos, tu tens direitos, ele/ela tem direitos... Uma introdução aos direitos da criança Todas as pessoas têm direitos. Se fores um rapaz ou uma rapariga com menos de 18 anos, tens também certos

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia

Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia Sistema Político Administração de Macau pelas suas Gentes e Alto Grau de Autonomia A 20 de Dezembro de 1999 Macau passa a Região Administrativa Especial da República Popular da China, sendo simultaneamente

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Constituição da República Portuguesa Associações

Constituição da República Portuguesa Associações Constituição da República Portuguesa Associações Artigo 46.º Liberdade de associação 1. Os cidadãos têm o direito de, livremente e sem dependência de qualquer autorização, constituir associações, desde

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.

GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I. GUIA PRÁTICO REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA MEDIDA EXCEPCIONAL DE APOIO AO EMPREGO PARA O ANO 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Redução da taxa contributiva Medida

Leia mais