O século das. comercial da Idade Moderna, adotou as novas idéias dos filósofos racionalistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O século das. comercial da Idade Moderna, adotou as novas idéias dos filósofos racionalistas"

Transcrição

1 A UU L AL A O sécuo das revouções A burguesia, que comandou a expansão comercia da Idade Moderna, adotou as novas idéias dos fiósofos racionaistas do sécuo XVIII. Essas idéias forneceram os argumentos utiizados na uta contra o despotismo e a favor da iguadade de direitos - entre ees o anticericaismo, a razão e a experimentação. A Ingaterra foi a precursora. A Revoução Goriosa de 1688 coocou um ponto fina no absoutismo dos reis ingeses. No restante da Europa, o fim do Antigo Regime deu-se com o impacto vioento da revoução: em 1776, as coônias ingesas da América do Norte decararam-se independentes; pouco depois, em 1789, a Revoução Francesa pôs fim ao Antigo Regime. Os demais países da Europa atacaram a Revoução Francesa. Napoeão a defendeu e difundiu seus princípios em outros países. A derrota de Napoeão anunciava o triunfo da reação anti-revoucionária.

2 A U L A Mas o absoutismo parecia ferido mortamente. As revouções na América Portuguesa e Espanhoa contribuíram para enfraquecer ainda mais os impérios cooniais ibéricos. A Europa assistiu a um sécuo de revouções nacionais que ecodiram em vários países. Ao mesmo tempo, ocorreram grandes transformações sociais por causa da difusão do maquinismo. A Revoução Industria, fruto da renovação das ciências e das técnicas, inaugura a época em que vivemos. A quaidade de vida da maior parte da popuação européia, entretanto, não sofreu mehora significativa com a adoção do iberaismo e dos vaores burgueses. Na reaidade, o governo da minoria aristocrática do Antigo Regime foi substituído peo governo da minoria burguesa. Os protestos de trabahadores urbanos e camponeses tornaram-se cada vez mais freqüentes durante o sécuo. A burguesia fez o que pôde para tentar controar a situação, embora nunca estivesse predisposta a abrir mão de seus priviégios econômicos em troca de uma mehor distribuição da renda. A casse trabahadora, principa aiada da burguesia contra o Antigo Regime, tornou-se, no transcorrer do sécuo XIX, sua principa inimiga. O fim do absoutismo No fina do sécuo XVIII, vários setores da sociedade começaram a se manifestar contra o absoutismo. As desiguadades, as injustiças e o empobrecimento generaizado provocaram um profundo ma-estar entre os habitantes que não gozavam dos priviégios concedidos peo Antigo Regime à nobreza e ao cero. O sistema poítico vigente continuava excuindo aquees que arcavam com o peso dos impostos. O movimento revoucionário O desejo generaizado de reforma atingiu todas as camadas sociais da popuação européia. Os camponeses não agüentavam os impostos e as obrigações feudais. A burguesia ansiava peo fim dos priviégios da nobreza e do ato cero e desejava participar das decisões de governo. A nobreza e o ato cero apoiavam a monarquia constituciona, na expectativa de desempenhar um pape mais importante no governo. O resutado desse choque de interesses com a monarquia foi a revoução, que derrubou o Antigo Regime. Antecedentes Quase todos os países da Europa experimentaram revotas e rebeiões contra os príncipes e reis absoutistas. O movimento mais importante ocorreu na Ingaterra, no sécuo XVII, onde o rei Caros I foi decapitado. O primeiro grande sucesso na uta contra o Antigo Regime foi a independência das coônias ingesas da América do Norte.

3 A Revoução Americana ( ) As prósperas coônias ingesas da América do Norte gozavam de certa autonomia. Em cada uma deas havia um governador, representante do poder metropoitano. Os assuntos internos eram resovidos por uma assembéia de representantes. Todos os cidadãos tinham acesso a essas assembéias. Após a Guerra dos Sete Anos ( ), a Ingaterra quis cobrar impostos para compensar os gastos. Instituiu o imposto do seo e várias tarifas afandegárias, prejudicando os interesses dos coonos. Em 1773, após a instituição de um imposto sobre o chá, os coonos se rebeam no porto de Boston. O rei Jorge III ordenou o fechamento do porto e enviou 10 mi sodados para submeter os rebedes. A partir desses incidentes, representantes das treze coônias se reuniram num congresso na cidade de Fiadéfia, em Os coonos decidiram criar um exército naciona para enfrentar as forças enviadas pea Ingaterra. Era o início da uta entre os coonos norte-americanos e a metrópoe. Em 1776, as coônias se decaram independentes. Após sete anos de uta, auxiiados pea França e a Espanha, os coonos norte-americanos derrotaram as forças ingesas. Na Paz de Versahes, em 1783, a Ingaterra reconheceu a independência das treze coônias e cedeu territórios para a França e a Espanha. A U L A Os Estados Unidos da América Em 1787, os Estados Unidos promugaram uma Constituição, na qua se procamaram uma Repúbica Federativa sob os seguintes princípios: a divisão dos poderes Executivo, Legisativo e Judiciário; a forma repubicana de governo; mantinha-se a escravidão. George Washington, primeiro presidente dos Estados Unidos. O exempo da bem-sucedida rebeião dos coonos ingeses se espahou por todo o continente americano. Em Minas Gerais, os inconfidentes de 1789 se inspiraram nea para conspirar contra a dominação portuguesa. A Revoução Americana abriu a primeira fissura no Antigo Regime. Poucos anos depois, os franceses se subevaram contra o absoutismo. A Revoução Francesa ( ) A França foi o país no qua os efeitos do absoutismo mais se fizeram sentir. As guerras imperiaistas empobreceram o tesouro; os impostos sobre o campesinato e a burguesia tornaram-se cada vez mais pesados e insuportáveis. A revota não tardou a ecodir.

4 A U L A O reinado de Luís XVI Luís XVI assumiu o trono francês num momento caamitoso. As injustiças e os impostos abusivos que recaíam sobre a burguesia e o campesinato compicaram a situação ainda mais. O ministro Turgot propôs reformas que foram rejeitadas pea nobreza. O ministro Necker, banqueiro suíço a serviço de Luís XVI, conseguiu, por meio de empréstimos, evitar a faência do Estado. Ao pubicar os gastos da corte, foi demitido do cargo que ocupava. A nobreza boicotava todas as tentativas de reforma. Os custos da participação francesa na Revoução Americana foram fatais para a economia do país, que, aém disso, sofria vários anos de más coheitas. No verão de 1788, a França se decarou em bancarrota. Os Estados-Gerais: a Assembéia Naciona Para superar a crise, Luís XVI convocou uma reunião dos Estados-Gerais, nos quais estavam representadas as três ordens do reino. O Terceiro Estado representava a maioria e era contra o voto por ordem. O rei, pressionado pea nobreza, dissoveu os Estados-Gerais. Os representantes do Terceiro Estado não acataram a ordem e se autoprocamaram uma Assembéia Naciona, dispostos a dar uma Constituição ao reino. O rei aceitou e pediu a incorporação das outras ordens à Assembéia. A formação da Assembéia Naciona marcou o início da derrubada do absoutismo na França. A queda da Bastiha. A Assembéia Constituinte: o governo popuar O rei havia cedido apenas para ganhar tempo. Enquanto isso, concentrou tropas nos arredores de Paris, para prender os deputados. A atitude do rei provocou um motim popuar: o povo de Paris tomou a Bastiha, presídio do Antigo Regime, no dia 14 de juho de Era o início da revoução. Enquanto isso, os camponeses assatavam os casteos da nobreza, queimando os documentos e as obrigações feudais. Em Paris, formou-se a Comuna, ou governo popuar. Esta organizou uma guarda naciona e adotou a bandeira tricoor como estandarte. Diversos segmentos da sociedade formaram cubes poíticos que atuaram na Assembéia Constituinte. O mais importante foi o dos jacobinos, que incuía entre seus membros os revoucionários Robespierre, Danton e Marat. A massa invadiu o paácio de Versahes, obrigando a famíia rea a votar a Paris. Muitos nobres fugiram para o exterior, onde incitaram vários governos estrangeiros a intervir contra o novo regime.

5 O fim do absoutismo A Assembéia conseguiu restabeecer a ordem e impementou várias reformas: decretou o fim da servidão, dos priviégios, dos dízimos da Igreja, dos tribunais excepcionais e de títuos de nobreza; instituiu a iguadade no pagamento dos impostos; procamou, em 26 de agosto de 1789, a Decaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, inspirada nas idéias de iberdade, iguadade e fraternidade, coocando um fim à tortura e às perseguições reigiosas. reformou o Exército, para permitir que a burguesia participasse dee, e reformou o Poder Judiciário; confiscou os bens do cero, da Coroa e dos nobres que haviam fugido para o exterior; reorganizou a Igreja: os bispos passaram a ser eeitos peo povo e ficaram submetidos à autoridade do governo adotou o casamento civi e o divórcio e suprimiu ordens reigiosas. A U L A A fuga do rei Em juho de 1791, Luís XVI tentou escapar com sua famíia para a Áustria. Foi reconhecido em Varennes, perto da fronteira, e evado de vota para Paris. A comuna o acusou de traição, mas manobras poíticas fizeram uma conciiação. Poucos dias depois, a Constituição foi promugada. A partir de então, a França seria governada por uma monarquia constituciona. O rei presidia o Poder Executivo, sancionava as eis ou podia vetá-as durante um prazo de dois anos. Sua pessoa era invioáve. O Poder Legisativo era exercido pea Assembéia Legisativa, eeita peos cidadãos proprietários. O Poder Judiciário também era exercido por cidadãos eeitos. As comunas autônomas, governos ocais, foram reconhecidas. A monarquia constituciona ( ) Os cubes poíticos se mobiizaram para eeger os deputados da Assembéia Legisativa. Os repubicanos eeitos eram chamados de girondinos, pois a maioria dees vinha da região de Bordéus, também chamada de Gironda. Os girondinos representavam a rica burguesia moderada e eram antimonarquistas. Em pouco tempo, dominaram a Assembéia. Enquanto o rei se recusava a votar as eis contra a nobreza e o cero, os nobres emigrados conspiravam contra o novo regime no exterior. Em 1792, a Assembéia Legisativa decarou guerra à Áustria e à Prússia, que protegiam a maioria dos nobres emigrados. A Assembéia recorreu ao recrutamento em massa para formar um exército e deter os inimigos. O rei foi preso, acusado de tramar contra o regime. A Assembéia então convocou a Convenção Naciona para escrever uma nova Constituição. O jorna de Marat incitava o povo a eiminar os traidores dentro da França. O povo tomou as prisões e matou membros da nobreza e do cero. Caricatura sobre a decapitação de Luís XVI.

6 A U L A Enquanto isso, o exército revoucionário derrotava os prussianos em Vamy. Desde então, a Marsehesa tornou-se o canto do exército revoucionário. Exércitos franceses tomaram a Bégica, a Hoanda e o norte da Itáia. Esses países se procamaram repúbicas aiadas e adotaram os princípios revoucionários da iguadade e da iberdade. A Convenção: a Repúbica jacobina ( ) Robespierre Nas eeições para a Convenção, os deputados jacobinos (nome derivado do convento em que se reuniam) assumiram a iderança do processo, propondo a aboição da monarquia e a adoção da Repúbica. Em meio a isso, Luís XVI foi condenado à morte. Perdeu a cabeça na guihotina em janeiro de No interior, monarquistas contrários à revoução se subevaram, iniciando a guerra civi. Com a morte do rei, a situação piorou: a Áustria iderou uma coaizão européia contra a França. Em pouco tempo, os girondinos, acusados de não defender a fundo os interesses da Revoução, também foram considerados inimigos do povo e enviados para a guihotina. Os jacobinos tomaram o poder e instituíram o Comitê de Savação Púbica, formado por nove membros eeitos pea Assembéia. O comitê, presidido por Robespierre, instituiu o terror jacobino: perseguiu nobres, girondinos e todos aquees que contrariavam suas decisões. Mihares de vítimas morreram na guihotina. Apesar disso, os exércitos revoucionários organizados peo Comitê conseguiram destruir a coaizão européia em poucas semanas. Com o fim da ameaça externa, o terror jacobino não se justificava mais. Danton A reação termidoriana No dia 28 de juho de 1794, um gope iderado por um grupo de convencionais destituiu o Comitê de Savação Púbica. Robespierre e seus companheiros foram enviados para a guihotina. Era o fim do terror jacobino. Em outubro de 1795 foi procamada a segunda Constituição, que garantiu: a iberdade de ensino: a instrução primária tornou-se obrigatória e gratuita; o sufrágio universa; a adoção do sistema métrico decima; a reforma agrária com as terras do Estado; a execução de obras púbicas para criar empregos; eis contra os atravessadores e especuadores. Durante esse período, os princípios revoucionários de iberdade e iguadade foram ampamente difundidos em toda a Europa.

7 O Diretório ( ) Para evitar uma nova ditadura, o governo ficou nas mãos de um Diretório, formado por cinco membros eeitos peo Poder Legisativo. Mas o Diretório não conseguiu manter a ordem interna nem conter as disputas entre os diversos partidos poíticos. A corrupção existente desmoraizou os governantes. Foi quando surgiu um jovem genera vitorioso, comandante do exército do interior. Com um gope de Estado no dia 9 de novembro de ou 18 Brumário, segundo o caendário adotado peos revoucionários -, Napoeão Bonaparte iniciou uma nova fase no processo revoucionário. Continuação ou fim da Revoução Francesa? A U L A Exercício 1 O que derrubou o Antigo Regime? Exercícios Exercício 2 Aponte os motivos que provocaram o movimento de independência das coônias ingesas da América do Norte? Exercício 3 Enumere as medidas tomadas pea Assembéia no ano de Quais foram as conseqüências dessas medidas?

A vitória da reação. A derrota de Napoleão encerrou um longo. A Restauração na França: Luís XVIII

A vitória da reação. A derrota de Napoleão encerrou um longo. A Restauração na França: Luís XVIII Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A A vitória da reação A derrota de Napoeão encerrou um ongo período de guerras que afetou toda a Europa e o mundo coonia. Após a queda de Napoeão, os defensores

Leia mais

Napoleão e a expansão da revolução

Napoleão e a expansão da revolução Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Napoeão e a expansão da revoução A difusão dos princípios de iguadade e iberdade na maior parte dos países da Europa foi obra de Napoeão Bonaparte. A ee também

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

O absolutismo na França e o século XVII

O absolutismo na França e o século XVII O absoutismo na França e o sécuo XVII A UU L AL A No início do sécuo XVII, a Europa ainda estava convusionada peas utas reigiosas. A Espanha, esgotada peas guerras empreendidas por Fiipe II, entrou em

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9

R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9 R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9 A bandeira francesa - o azul representa o poder legislativo/liberdade (Liberté), branco o poder Executivo/Igualdade, (Égalité) e o vermelho o Povo/Fraternidade

Leia mais

Da crise da república ao fim do império romano

Da crise da república ao fim do império romano Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Da crise da repúbica ao fim do império romano A UU L AL A A conquista de novos territórios acabou enriquecendo um pequeno grupo de famíias que se encarregaram de governar

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

O mundo do pós-guerra

O mundo do pós-guerra A U A UL LA O mundo do pós-guerra Depois da Segunda Guerra Mundia, a Europa perdeu a hegemonia mundia. Duas novas potências passaram a disputar a supremacia econômica e miitar mundia, iniciando o confronto

Leia mais

Conv n o v ca c çã ç o d os Est s a t dos Gerais (1789)

Conv n o v ca c çã ç o d os Est s a t dos Gerais (1789) Revolução Francesa Convocação dos Estados Gerais (1789) Reunião dos Estados Gerais em 5 de maio de 1789. Tensa disputa política entre nobreza, clero e burguesia. Impasse sobre deliberações: Voto por Estado

Leia mais

A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE

A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE Prof. Marcos Faber www.historialivre.com A sociedade francesa estava dividida em três Estados (clero, nobres e povo/burguesia). Sendo que o povo e a burguesia sustentavam,

Leia mais

Revolução Francesa. Profº Hamilton Milczvski Jr

Revolução Francesa. Profº Hamilton Milczvski Jr Revolução Francesa Profº Hamilton Milczvski Jr Fatores e antecedentes Revolução Francesa é o nome dado ao conjunto de acontecimentos que, entre 5 de maio de 1789 e 9 de novembro de 1799, alteraram o quadro

Leia mais

8 O mundo romano: da monarquia à república

8 O mundo romano: da monarquia à república A U A UL LA O mundo romano: da monarquia à repúbica Os romanos deixaram marcas cuturais e poíticas que ajudaram a modar o mundo contemporâneo. Muitos traços da história romana estão presentes em nossa

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

A situação da França antes da revolução de 1789.

A situação da França antes da revolução de 1789. A situação da França antes da revolução de 1789. I-POLÍTICA->Antigo Regime existente na França -GOVERNO Luis XVI: altas taxas cobradas pela nobreza, nos impostos cobrados pelo Estado absolutista e nas

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS

A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DESTRÓI A UNIDADE DO SISTEMA COLONIAL COLABORA DECISIVAMENTE PARA A DERROCADA DO ANTIGO REGIME NO CENTRO PENSILVÂNIA, NOVA YORK, NOVA JERSEY E DELAWARE. NO NORTE MASSACHUSETTS,

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

A REVOLUÇÃO FRANCESA. A Revolução Francesa. Fatores da Revolução

A REVOLUÇÃO FRANCESA. A Revolução Francesa. Fatores da Revolução A REVOLUÇÃO FRANCESA A Revolução Francesa Introdução: A Revolução Francesa foi o acontecimento mais importante da Era Moderna. Por isso ela marca o início da Época Contemporânea. Para muitos historiadores

Leia mais

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA ROSE LIMA Nome: PRIMEIRA PARTE SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: Art.1.º Os homens

Leia mais

A Segunda Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundial A U A UL LA A Segunda Guerra Mundia A Segunda Guerra Mundia ecodiu com a invasão da Poônia pea Aemanha, em setembro de 1939. A Europa já estava preparada para o pior. O medo do comunismo fez com que as

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

Ocupação do interior da Colônia

Ocupação do interior da Colônia MÓDULO 1 Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Ocupação do interior da Coônia Nesta aua Atuamente, o Brasi é um dos maiores países do mundo. Você tem idéia de como se formou esse território? A resposta para

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

Os tempos modernos e o Renascimento

Os tempos modernos e o Renascimento Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Os tempos modernos e o Renascimento A UU L AL A Nos dois útimos sécuos da Idade Média, começaram a despontar os sinais dos novos tempos que revoucionaram a vida da humanidade

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

A civilização muçulmana

A civilização muçulmana Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A A civiização muçumana Enquanto o Império Romano do Oriente utava para manter vivas a cutura e as tradições heenísticas, um povo de pastores semitas mudava

Leia mais

A Era das Revoluções. Autor: Eric Hobsbawm. Editora: Paz e Terra.

A Era das Revoluções. Autor: Eric Hobsbawm. Editora: Paz e Terra. Objetivos: - EXPLICAR as características do Antigo Regime. - IDENTIFICAR o conjunto de causas sociais, econômicas e políticas da Revolução Francesa. - IDENTIFICAR as etapas do processo revolucionário francês

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos

Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos Colonização da América do Norte Formação dos Estados Unidos A ocupação da América do Norte foi marcada por intensos conflitos entre ingleses e indígenas da região. Duas companhias de comércio foram autorizadas

Leia mais

Revolução francesa. Monarquia absolutista*

Revolução francesa. Monarquia absolutista* Revolução francesa No desenrolar dos fatos históricos, alguns deles de tão marcantes, dividem os períodos da humanidade. Atualmente os seres humanos dividem a sua atuação no mundo em cinco partes. Pré-História

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL

4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL 4 de julho 1776 PROF. ROBERTO BRASIL A Revolução Americana é um movimento de ampla base popular, a burguesia foi quem levou esta revolução avante. O terceiro estado (povo e burguesia) conseguiu a independência

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799. http://historiaonline.com.br

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799. http://historiaonline.com.br REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 1. DEFINIÇÃO: Queda do Absolutismo francês Ascensão da burguesia ao controle do poder político Consolidação do Estado Burguês Condições necessárias para o início da industrialização

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

ANTECEDENTES A idéia de República

ANTECEDENTES A idéia de República ANTECEDENTES A idéia de República Silêncio, o imperador está governando o Brasil Piada comum entre os republicanos. Para eles, não era apenas o imperador que estava envelhecido e incapaz. O próprio regime

Leia mais

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX 1820 Independência da Grécia submetida ao Império turco-otomano, o movimento conquista a autonomia política da região com apoio popular e internacional.

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I

Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I Texto Base: Período Napoleônico (1799-1815) Parte I O período napoleônico consolida a vitória dos ideais burgueses na França do final do século XVIII. Mais que isso, a ascensão de Napoleão Bonaparte ao

Leia mais

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas.

Em 1776 nascia a primeira nação livre das Américas, os Estados Unidos da América, antigas colônias inglesas. IDADE MODERNA Revolução Americana Os cinquenta anos que se passam entre o final do século XVIII e o início do século XIX foram decisivos para o continente americano. Foi nessa época que as ideias iluministas

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Analise a gravura e explique qual crítica ela revela. Gravura anônima do século XVIII. Biblioteca Nacional da França, Paris

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: / /2012 Nota: Professora: Ivana Cavalcanti Riolino Valor da Prova: 65 pontos Orientações

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro.

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10. Maria Stuart País que governou Escócia Período 1542-1567

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Conteúdo: Independência dos Estados Unidos Habilidades: Compreender o processo de independência Norte Americana dentro do contexto das ideias iluministas. Yankee Doodle 1 Causas Altos impostos cobrados

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Profª. Maria Auxiliadora 3º Ano Contradições entre o sistema colonial e as propostas liberais a partir do século XVIII Guerra de sucessão do trono espanhol (1702-1713) Luís XIV conseguiu impor seu neto

Leia mais

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos

Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Do Congresso de Viena à Primavera dos Povos Liberalismo Conceitos Importantes A palavra liberal é um adjetivo derivado do latim liberale, termo que se designava o homem livre na antiguidade romana. Uma

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Revolução Francesa. Esta imagem é a representação da Liberdade conduzindo o povo à luta contra a opressão do regime absolutista.

Revolução Francesa. Esta imagem é a representação da Liberdade conduzindo o povo à luta contra a opressão do regime absolutista. Revolução Francesa A Idade Contemporânea começa com a Revolução Francesa, a partir de 1789, e se estende até os dias de hoje. Esta revolução representa a derrubada do poder absoluto dos reis, o Absolutismo,

Leia mais

Revoluções Burguesas

Revoluções Burguesas Aula 10 Revoluções Burguesas Entende-se por Revoluções Burguesas os processos históricos que consolidam o poder econômico da burguesia, bem como sua ascensão ao poder político. Ao longo dos séculos XVII

Leia mais

A CRISE DO ANTIGO REGIME A INDEPENDÊNCIA DOS EUA. A Independência dos EUA

A CRISE DO ANTIGO REGIME A INDEPENDÊNCIA DOS EUA. A Independência dos EUA A Independência dos EUA Definição: Movimento que inspirado nos princípios iluministas determinou o fim do domínio da Inglaterra sobre as chamadas 13 colônias americanas (atualmente EUA); que teve início

Leia mais

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII

O Urbanismo Clássico. Séculos XVII e XVIII O Urbanismo Clássico Séculos XVII e XVIII Urbanismo Clássico Realizações Legislação Prá?ca administra?va Filósofos, arquitetos e médicos Urbanismo Clássico Recusa do Gigan?smo Urbano Paris 500 mil habitantes

Leia mais

HISTÓRIA DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA REVOLUÇÃO FRANCESA

HISTÓRIA DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA REVOLUÇÃO FRANCESA Marcos Faber 1ª Edição www.historialivre.com Antecedentes: O Iluminismo O Iluminismo foi um movimento filosófico que defendeu o final dos regimes absolutistas

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Principais causas para revolução francesa

Principais causas para revolução francesa Revolução Francesa Principais causas para revolução francesa -Empobrecimento do povo francês guerras, luxo, empréstimos. -Cerca de 80% do povo viviam no campo em situação precária. -Os anos que antecederam

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO FERRAMENTAS MECÂNICAS INDIVIDUAL TRABALHO

ARTESANATO MANUFATURA PRODUÇÃO INDUSTRIAL FERRA- MENTAS MANUAIS DIVISÃO DO TRABALHO FERRAMENTAS MECÂNICAS INDIVIDUAL TRABALHO Definição: conjunto de transformações técnicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura pela fábrica. ARTESANATO

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

HISTÓRIA - 3 o ANO MÓDULO 43 REVOLUÇÃO FRANCESA: OS ANTECEDENTES E A ASSEMBLEIA NACIONAL (1789-92)

HISTÓRIA - 3 o ANO MÓDULO 43 REVOLUÇÃO FRANCESA: OS ANTECEDENTES E A ASSEMBLEIA NACIONAL (1789-92) HISTÓRIA - 3 o ANO MÓDULO 43 REVOLUÇÃO FRANCESA: OS ANTECEDENTES E A ASSEMBLEIA NACIONAL (1789-92) Como pode cair no enem Em nosso país queremos substituir o egoísmo pela moral, a honra pela probidade,

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

As civilizações da Palestina: fenícios e hebreus

As civilizações da Palestina: fenícios e hebreus As civiizações da Paestina: fenícios e hebreus A UU L AL A Enquanto os povos semitas e ários brigavam peo domínio da Mesopotâmia, o mar Mediterrâneo era posse indiscutíve de um povo de comerciantes que

Leia mais

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS

REVOLUÇÃO AMERICANA (1776-1781) - LISTA DE EXERCÍCIOS 1. (Upe 2014) A passagem do século XVIII para o XIX foi marcada por um desequilíbrio nas relações entre a Europa e o Novo Mundo. As lutas políticas na América estavam ligadas à resistência contra a colonização

Leia mais