O absolutismo na França e o século XVII

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O absolutismo na França e o século XVII"

Transcrição

1 O absoutismo na França e o sécuo XVII A UU L AL A No início do sécuo XVII, a Europa ainda estava convusionada peas utas reigiosas. A Espanha, esgotada peas guerras empreendidas por Fiipe II, entrou em decadência no cenário europeu. A Ingaterra foi governada peos impopuares Stuart, que provocaram uma guerra civi. A França enfrentou situações difíceis após as guerras de reigião, mas contou com situações particuares que fizeram desse país a primeira potência entre as nações européias do sécuo XVII. A supremacia francesa No fina do sécuo XVI, a situação da França era deporáve. As guerras de reigião e as revotas de camponeses esfomeados assoavam o país. A situação mudou com Henrique IV: a promugação do Edito de Nantes pacificou o reino. A economia do reino recuperou-se devido às poíticas de Henrique IV e de seu primeiro-ministro, o duque de Suy: construção de estradas, canais e pontes; incentivos à instaação de fábricas e manufaturas, sobretudo de tapeçarias e seda; criação de incentivos para os camponeses, com diminuição dos impostos. Em 1610, Henrique IV foi assassinado. Maria de Médicis, a rainha-mãe, assumiu como regente. Em meio a uma grave crise financeira, ea convocou os Estados-Gerais, em 1614, nos quais se destacou um representante do cero, o bispo Richeieu. Essa foi a útima convocação dos Estados-Gerais antes da ecosão da Revoução Francesa, em Em 1617, Luís XIII assumiu o trono da França em meio à desordem generaizada. O cardea Richeieu Richeieu conquistou a confiança de Maria de Médicis, que o indicou ministro em Em pouco tempo, o cardea se transformou na mais importante figura do governo francês. Sua poítica restabeeceu o poder absouto do

2 A U L A rei, enfrentando os nobres e os protestantes, e transformou a França na primeira potência da Europa, combatendo os Habsburgos que governavam a Espanha, os Países Baixos e a Áustria. Fie a esses princípios até sua morte, em 1642, Richeieu estabeeceu o absoutismo na França. Para isso: expusou a rainha-mãe da França, junto com outros parentes do rei. A desobediência às eis tornou-se crime de Estado; criou um corpo de intendentes, os inspetores reais, para vigiar a nobreza; os protestantes perderam as praças-fortes, os priviégios poíticos e a iberdade de cuto; fundou a Academia Francesa, estabeeceu a Imprensa Rea e criou o Jardim Botânico. reorganizou o exército e construiu duas frotas, a do Mediterrâneo e a do oceano Atântico; seou aianças com todos os rivais da França para derrotar os Habsburgos. A Guerra dos Trinta Anos ( ) Um sécuo depois da rebeião uterana, o Sacro Império foi o campo de bataha das utas entre catóicos e protestantes. Outros países europeus intervieram nessas utas. Em 16, começou a rebeião dos protestantes da Boêmia contra o imperador. A França, Dinamarca e Suécia intervieram na uta contra o Império: após a derrota, o imperador pediu a paz. A Paz de Westfáia: paz reigiosa e equiíbrio europeu Os tratados assinados em 1648 acabaram com o poder dos Habsburgos. A Aemanha foi dividida em mais de trezentos Estados independentes. O imperador continuava sendo eeito, mas não tinha autoridade sobre ees. Os súditos eram obrigados a adotar a reigião de seus príncipes. As secuarizações reaizadas até 1624 foram consideradas egítimas. A Espanha reconheceu a independência dos Países Baixos do norte. A França obteve o domínio da Asácia e Lorena, e a Suécia consoidou seu domínio no Bático. Mas o equiíbrio europeu pregado por Richeieu, princípio peo qua nenhuma nação européia podia se expandir coocando em risco as demais, foi rompido pea própria França. A França de Mazarino A França saiu vitoriosa da guerra, porém arruinada. Após a morte de Luís XIII, a regente, Ana da Áustria, confiou o governo a um ex-coaborador de Richeieu, o cardea Mazarino. Para soucionar a situação financeira, Mazarino aumentou os impostos sobre as fortunas e os nobres. Essas medidas provocaram forte reação. Os nobres se negaram a pagar os impostos decretados, e o povo de Paris sitiou o Paácio Rea do Louvre. Esse movimento foi conhecido como as Frondas de Paris. A famíia rea fugiu e os protestos continuaram durante quatro anos. Em 1661, Luís XIV assumiu o trono francês e iniciou a reconstrução do reino.

3 A França de Luís XIV Durante o reinado de Luís XIV, o rei-so, o absoutismo francês teve seu apogeu. Luís XIV estabeeceu a monarquia do direito divino, segundo a qua o rei era sagrado. Aém disso, exerceu a autoridade absouta: sua vontade se transformou em ei e justiça. Ee decarava a guerra e propunha a paz, administrava os bens do Estado como se fossem próprios. O rei também tinha deveres para com a reigião e o povo: devia vear peo bem-estar da popuação. Luís XIV governou com o auxíio dos Consehos: aumentou o poder dos inspetores reais, que, com o passar do tempo, se tornaram governadores das províncias. A U L A O mercantiismo Cobert, ministro da Fazenda, foi o principa coaborador de Luís XIV. Instituiu o orça- mento anua e apicou as teorias mercantiistas, segundo as quais a riqueza de uma nação se obtém vendendo muito para as outras nações e comprando pouco. Dessa forma, a nação teria sempre uma baança comercia favoráve. Cobert estimuou a instaação de teceagens, fábricas de cristais, cerâmicas e outras manufaturas para evitar que a França tivesse de comprar esses produtos de outras nações. Ao mesmo tempo, os produtos estrangeiros tinham de pagar impostos pesados para serem vendidos na França. Para sustentar essa poítica exportadora, era necessário contar com uma poderosa marinha mercanti e de guerra. Assim, a França aumentou sua frota e iniciou a expansão coonia, visando obter mercados e matérias-primas para os produtos manufaturados franceses. Os cambistas, símboo das operações mercantis. Na África, a França ocupou a iha de Madagascar e o Senega. Na Ásia, ocupou pontos estratégicos na Índia. Na América, iniciou o ocupação do Canadá e da Luisiana. Ao mesmo tempo, o governo de Luís XIV reaizou a ordenação das eis francesas: criou o código civi e pena que serviu de base para o Código Napoeônico, promugado no início do sécuo XIX; em 1685, ordenou o fechamento dos tempos protestantes na França e expusou os huguenotes do país. Mais de 500 mi huguenotes fugiram para a Ingaterra, os Países Baixos e a Prússia; transferiu a corte para o Paácio de Versahes, em A poítica européia de Luís XIV A poítica internaciona de Luís XIV teve dois objetivos básicos: consoi- dar a hegemonia francesa na Europa e estender seus domínios até a frontei-

4 A U L A Gravura que mostra os rebedes no período da Fronda. ra do Reno. Para isso, o rei manteve uma eficiente atividade dipomática e um poderoso exército, com o qua empreendeu várias guerras durante seu reinado: Guerra da Devoução ( ): após a morte de Fiipe IV, da Espanha, Luís XIV recamou direitos sobre territórios nos Países Baixos. Derrotou o exército espanho, mas teve de enfrentar uma coaizão formada pea Ingaterra, Hoanda, Áustria e Suécia. Em 1668, assinou a Paz de Aquisgran, por meio da qua a França obteve agumas regiões nos Países Baixos. Guerra da Hoanda ( ): a Hoanda, centro da economia mundia européia, rivaizava com a França. Luís XIV invadiu-a sem fazer uma decaração de guerra. Para se defender, os hoandeses quebraram os diques e inundaram toda a região. Uma coaizão se formou para defender a Hoanda. No fina do confito, a França ocupou o Franco Condado, território que disputou com a Espanha durante um sécuo. Guerra da Liga de Augsburgo ( ): as pretensões de Luís XIV sobre o rico território do Paatinado, na Aemanha, provocou a formação da Liga de Augsburgo, composta por Espanha, Ingaterra, Suécia, Hoanda e aguns principados aemães. Na Paz de Ryswick, em 1697, a França devoveu os territórios conquistados desde 1680 e reconheceu Guiherme de Orange como rei da Ingaterra. Guerra da Sucessão Espanhoa ( ): ao morrer o útimo rei Habsburgo da Espanha, Caros II, o trono ficou vago. Luís XIV desejava que a coroa fosse dada a seu neto, Fiipe de Anjou. Após tratativas dipomáticas, Fiipe assumiu o trono espanho, provocando a reação da Áustria, que tinha seu próprio pretendente ao trono. Uma coaizão iderada pea Ingaterra e pea Hoanda derrotou as forças de Luís XIV. Na Paz de Utrecht, em 1713, a Ingaterra foi a principa vencedora do confito, obtendo vantagens comerciais e territoriais sobre a Espanha. A partir de então, a Ingaterra assumiu a condição de centro da econo- mia mundia européia. As artes e a ciência no sécuo XVII No sécuo XVII amadureceram as propostas cuturais surgidas durante o Renascimento. A França de Luís XIV tornou-se o centro do desenvovimento científico e cutura. Durante esse período, o francês tornou-se o idioma da dipomacia e a íngua da moda. Seus autores eram idos em toda a Europa. Entre estes destacam-se os dramaturgos Corneie, Racine e Moière. As fábuas de La Fontaine são muito popuares ainda hoje. Por meio da apicação do método experimenta, os homens do sécuo XVII conheceram cientificamente a organização e as eis do universo. Os fiósofos rejeitaram a intervenção divina e anunciaram a preeminência da Razão. O fiósofo ingês Francis Bacon organizou o método experimenta. O francês René Descartes, criador da geometria anaítica, foi o maior pensador do racionaismo, que acreditava que a razão humana era a verdadeira forma de conhecimento. Penso, ogo existo, disse ee. O hoandês Spinoza apicou o racionaismo à reigião. A matemática e a astronomia aproveitaram o impuso dado peos fiósofos. O aemão Keper

5 reduziu as eis do Sistema Soar a fórmuas matemáticas. O ingês Newton formuou a ei da gravidade e a decomposição da uz. A Europa de Luís XIV A U L A A França conseguiu manter a hegemonia poítica na Europa durante o sécuo XVII: tornou-se o Estado-chave do continente. A poítica das nações girou em torno da Guerra dos Trinta Anos e das campanhas imperiaistas de Luís XIV. O Sacro Império Conforme já vimos anteriormente, o Sacro Império ficou praticamente destruído após a Guerra dos Trinta Anos. Luís XIV apoderou-se de várias cidades na fronteira com a França. Ao mesmo tempo, a Prússia se fortaeceu. No sécuo seguinte, tornou-se a principa riva da Áustria. A Áustria Os Habsburgos conservaram o títuo honorário de imperador, mas governaram apenas suas posses pessoais na Áustria e na Europa centra. Bem administrada, a Áustria tornou-se uma potência. O imperador Leopodo I enfrentou a ameaça turca e as ambições de Luís XIV. A Ingaterra dos Stuart O sécuo XVII foi conturbado por causa da presença de reis impopuares no trono da Ingaterra. Os Stuart foram os principais responsáveis pea ecosão da guerra civi que modificou profundamente a face poítica da Ingaterra. Jaime I assumiu o trono da Ingaterra em Procurou aprofundar o absoutismo, mas enfrentou a oposição da nobreza. Perseguiu os catóicos e os puritanos. Estes útimos fugiram para a América do Norte, onde fundaram coônias de povoamento. Caros I, fiho de Jaime, tentou fazer vaer seu direito divino. Entrou em choque com o Paramento, que apresentou uma Petição de Direitos, exigindo que o rei respeitasse as tradições e iberdades do povo ingês. Caros I dissoveu o Paramento e decretou impostos abusivos. Em 1640, sem recursos, convocou-o novamente. Ao tentar prender aguns de seus membros, ecodiu a guerra civi entre absoutistas (cavaeiros cavaeiros) e paramentaristas, sob o comando de Oiver Cromwe. Derrotado em 1645, o rei foi condenado. Morreu decapitado em A Repúbica de Cromwe Cromwe assumiu o governo da Ingaterra. Governou junto com a Câmara dos Comuns, mas estabeeceu uma ditadura miitar. Submeteu a Escócia

6 A U L A e a Iranda vioentamente. As principais medidas de seu governo visaram ao fortaecimento comercia da Ingaterra: em 1651, promugou os Atos de Navegação, que deram impuso decisivo à marinha mercante ingesa; em 1655, empreendeu a primeira guerra nava contra a Hoanda, até então senhora dos mares; em 1655, tomou da Espanha a iha da Jamaica, no Caribe. Cromwe foi sucedido em 1659 peo fiho, Ricardo, que não conseguiu se manter no poder. Deu-se então a restauração da monarquia. Caros II assumiu o trono, em 1660, prometendo respeitar o Paramento. Catóico e absoutista, em pouco tempo tornou-se impopuar. Em 1679, o Paramento aprovou a Lei do Habeas-Corpus, garantindo a iberdade pessoa. Essa ei foi incorporada a muitas constituições em todo o mundo. Em 1685, Jaime II assumiu o trono. Ao tentar promugar a iberdade de cuto para os catóicos, foi destronado. O trono foi oferecido a Guiherme de Orange, príncipe hoandês. A Revoução Goriosa Em 1688, após uma revoução pacífica, Jaime II se refugiou na corte de Luís XIV e a Ingaterra adotou o regime poítico que mantém até hoje. Ao assumir o trono da Ingaterra, Guiherme de Orange aprovou uma Decaração de Direitos eaborada peo Paramento, instituindo a monarquia paramentarista. Exercícios Exercício 1 Por que ocorreram as Frondas de Paris? Exercício 2 O que foi o mercantiismo? Exercício 3 Descreva as medidas mercantiistas adotadas por Cromwe para fortaecer o poder da Ingaterra.

A vitória da reação. A derrota de Napoleão encerrou um longo. A Restauração na França: Luís XVIII

A vitória da reação. A derrota de Napoleão encerrou um longo. A Restauração na França: Luís XVIII Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A A vitória da reação A derrota de Napoeão encerrou um ongo período de guerras que afetou toda a Europa e o mundo coonia. Após a queda de Napoeão, os defensores

Leia mais

O século das. comercial da Idade Moderna, adotou as novas idéias dos filósofos racionalistas

O século das. comercial da Idade Moderna, adotou as novas idéias dos filósofos racionalistas A UU L AL A O sécuo das revouções A burguesia, que comandou a expansão comercia da Idade Moderna, adotou as novas idéias dos fiósofos racionaistas do sécuo XVIII. Essas idéias forneceram os argumentos

Leia mais

Napoleão e a expansão da revolução

Napoleão e a expansão da revolução Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A Napoeão e a expansão da revoução A difusão dos princípios de iguadade e iberdade na maior parte dos países da Europa foi obra de Napoeão Bonaparte. A ee também

Leia mais

Da crise da república ao fim do império romano

Da crise da república ao fim do império romano Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Da crise da repúbica ao fim do império romano A UU L AL A A conquista de novos territórios acabou enriquecendo um pequeno grupo de famíias que se encarregaram de governar

Leia mais

Os tempos modernos e o Renascimento

Os tempos modernos e o Renascimento Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Os tempos modernos e o Renascimento A UU L AL A Nos dois útimos sécuos da Idade Média, começaram a despontar os sinais dos novos tempos que revoucionaram a vida da humanidade

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

A Segunda Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundial A U A UL LA A Segunda Guerra Mundia A Segunda Guerra Mundia ecodiu com a invasão da Poônia pea Aemanha, em setembro de 1939. A Europa já estava preparada para o pior. O medo do comunismo fez com que as

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

8 O mundo romano: da monarquia à república

8 O mundo romano: da monarquia à república A U A UL LA O mundo romano: da monarquia à repúbica Os romanos deixaram marcas cuturais e poíticas que ajudaram a modar o mundo contemporâneo. Muitos traços da história romana estão presentes em nossa

Leia mais

O mundo do pós-guerra

O mundo do pós-guerra A U A UL LA O mundo do pós-guerra Depois da Segunda Guerra Mundia, a Europa perdeu a hegemonia mundia. Duas novas potências passaram a disputar a supremacia econômica e miitar mundia, iniciando o confronto

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

A civilização muçulmana

A civilização muçulmana Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ A UU L AL A A civiização muçumana Enquanto o Império Romano do Oriente utava para manter vivas a cutura e as tradições heenísticas, um povo de pastores semitas mudava

Leia mais

As civilizações da Palestina: fenícios e hebreus

As civilizações da Palestina: fenícios e hebreus As civiizações da Paestina: fenícios e hebreus A UU L AL A Enquanto os povos semitas e ários brigavam peo domínio da Mesopotâmia, o mar Mediterrâneo era posse indiscutíve de um povo de comerciantes que

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

O mundo grego: de Creta à Grécia heróica

O mundo grego: de Creta à Grécia heróica Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ O mundo grego: de Creta à Grécia heróica A UU L AL A Você já imaginou, aguma vez, um corin- tiano que não fosse um torcedor do time de futebo de São Pauo? Se entrarmos

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro.

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10. Maria Stuart País que governou Escócia Período 1542-1567

Leia mais

Ocupação do interior da Colônia

Ocupação do interior da Colônia MÓDULO 1 Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Ocupação do interior da Coônia Nesta aua Atuamente, o Brasi é um dos maiores países do mundo. Você tem idéia de como se formou esse território? A resposta para

Leia mais

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno.

843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. História 8A - Aula 22 As Monarquias Feudais 843 Tratado de Verdum divisão do Império entre os netos de Carlos Magno. -Séculos IX e X sociedade francesa se feudalizou. -Poder real enfraqueceu. -Condes,

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso

Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Reconhecimento: Resolução nº CEE - 1464/85 - D.O. 04/05/85 Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso CNPJ: 13.911.052/0001-61 e Inscrição Municipal

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra

FO F RMA M ÇÃ Ç O DA D S S MO M NARQUIAS A NACI C ONAIS França e Inglaterra FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS França e Inglaterra Contexto: Cruzadas O Poder Real Ganha Força Burguesia Renascimentos Comercial e Urbano Aliança Rei-Burguesia versus Senhores Feudais e Igreja Os senhores

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

Sample text here. O Sistema Político e o Direito Internacional: da Guerra dos Trinta Anos às Críticas da Contemporaneidade

Sample text here. O Sistema Político e o Direito Internacional: da Guerra dos Trinta Anos às Críticas da Contemporaneidade O Sistema Político e o Direito Internacional: da Guerra dos Trinta Anos às Críticas da Contemporaneidade Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Objetivo:

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL

Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): João Carlos Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2014. LISTA DE HISTÓRIA GERAL OBS:CÓPIA DO ÍTEM CORRETO JUSTIFICADO. Absolutismo - Questões de Vestibulares

Leia mais

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII

HISTÓRIA. SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII HISTÓRIA SEGUNDA SÉRIE DO ENSINO MÉDIO Profº Msc. Givaldo Santos de Jesus REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII 1 - A Inglaterra no Início do Século XVII - A Dinastia

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

Crise no Império Romano. Capítulo 6

Crise no Império Romano. Capítulo 6 Crise no Império Romano Capítulo 6 A falta de escravos leva ao aparecimento do sistema do colonato. Corte nas verbas do exército, gera revolta e briga entre os generais. Os generais passam a não obedecer

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES

HISTÓRIA 7ºano 2º Trimestre / 2015 BATERIA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES Capítulo 6 RENASCIMENTO CULTURAL 1. O Renascimento surgiu primeiro na região onde hoje é a Itália. Sobre as razões para que o movimento renascentista europeu se iniciasse na Península Itálica afirmamos

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado)

(Perry Anderson, Linhagens do Estado absolutista. p. 18 e 39. Adaptado) 1. (Fgv 2014) O paradoxo aparente do absolutismo na Europa ocidental era que ele representava fundamentalmente um aparelho de proteção da propriedade dos privilégios aristocráticos, embora, ao mesmo tempo,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

Forma de organização econômica e tutorial rural na qual o trabalhador arrenda uma porção de terreno sob condição de reservar parte de sua produção como pagamento ao proprietário. O colono é denominado

Leia mais

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média.

Cite e analise UMA SEMELHANÇA e UMA DIFERENÇA entre a religião muçulmana e a religião cristã durante a Idade Média. Questão 1: Leia o trecho abaixo a responda ao que se pede. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE Quando Maomé fixou residência em Yatrib, teve início uma fase decisiva na vida do profeta, em seu empenho

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE

A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE A REVOLUÇÃO FRANCESA ATRAVÉS DA ARTE Prof. Marcos Faber www.historialivre.com A sociedade francesa estava dividida em três Estados (clero, nobres e povo/burguesia). Sendo que o povo e a burguesia sustentavam,

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

Revolução Inglesa. Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia.

Revolução Inglesa. Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia. Revolução Inglesa Guilherme I foi o primeiro rei da Inglaterra e da Normandia. Após seu governo, em 1215, a Inglaterra publicou a primeira Carta Magna, que previa a formação de um Parlamento que possuía

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

HISTÓRIA GEOGRAFIA 5º CORUJÃO 9º ANO 5º CORUJÃO 9º ANO

HISTÓRIA GEOGRAFIA 5º CORUJÃO 9º ANO 5º CORUJÃO 9º ANO HISTÓRIA 1) Internamente, buscavam a consolidação do absolutismo monárquico através da redução dos poderes da alta nobreza e da influência da burguesia, concentrando toda a autoridade política na pessoa

Leia mais

A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ. Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais

A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ. Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais SÍNTESE DO PROCESSO O nacionalismo foi a ideologia [ideia motivadora] que justificou a unificação; O Estado-nação se apropriou

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789)

IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) IDADE CONTEMPORÂNEA (a partir de 1789) ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja catolicismo oficial.

Leia mais

Mercantilismo. Os Impérios Coloniais na Idade Moderna. Absolutismo

Mercantilismo. Os Impérios Coloniais na Idade Moderna. Absolutismo Mercantilismo Os Impérios Coloniais na Idade Moderna Absolutismo Definição Mercantilismoéo nome dado a um conjunto de práticas econômicas desenvolvido na Europa na Idade Moderna, entre o século XV e o

Leia mais

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX 1820 Independência da Grécia submetida ao Império turco-otomano, o movimento conquista a autonomia política da região com apoio popular e internacional.

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

Daniel e Apocalipse. O panorama do futuro. Pr. Erivelton Rodrigues Nunes

Daniel e Apocalipse. O panorama do futuro. Pr. Erivelton Rodrigues Nunes Daniel e Apocalipse O panorama do futuro Pr. Erivelton Rodrigues Nunes Interbíblico Período de aproximadamente 400 anos que divide o Antigo Testamento ao Novo. Títulos Título Dario Assuero Faraó Abimeleque

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ

AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ DIREITOS DA CRIANÇA CATARINA ALBUQUERQUE Técnica Superior no Gabinete de Documentação e Direito Comparado da Procuradoria-Gera da Repúbica AS NAÇÕES UNIDAS, A CONVENÇÃO E O COMITÉ Documentação e Direito

Leia mais

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS

ALTA IDADE MÉDIA 1. FORMAÇÃO DOS REINOS CRISTÃOS-BÁRBAROS ALTA IDADE MÉDIA É costume dividir o período medieval em duas grandes fases: a Alta Idade Média, que se estende do século V ao século XI e a Baixa Idade Média, do século XII ao século XV. A primeira fase

Leia mais

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida

1 O mundo da Física. A curiosidade do homem pode ser compreendida A U A UL LA O mundo da Física A curiosidade do homem pode ser compreendida de várias maneiras: aguns dizem que vem de uma necessidade de sobrevivência, outros dizem que é uma forma de prazer ou, ainda,

Leia mais

Transição da condição colonial para o país livre

Transição da condição colonial para o país livre Transição da condição colonial para o país livre ERA COLONIAL (1521-1810): Conhecido como Nova Espanha, a maior parte das terras era comandada por proprietários espanhóis. Economia e política mexicanas

Leia mais

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia

Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia Aula 6 A Expansão Ultramarina Européia A Crise Européia dos Séculos XIV e XV - fatores - econômicos - monopólio do comércio Veneza / falta de metais - políticos - Guerra dos Cem Anos - naturais - peste

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França

Prof. Cristiano Pissolato. Formação dos Estados nacionais. França Prof. Cristiano Pissolato Formação dos Estados nacionais França Ducado da Normandia sob controle Plantageneta (ING). Ducado da Bretanha administrada pela dinastia Plantageneta (ING) a partir de 1116 porque

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2014 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Ano: 2º Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa.

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Aula 17 Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Esta aula abordará a Primeira Guerra Mundial, suas causas e conseqüências, entre as conseqüências; destaque para a Revolução Russa e a criação do primeiro

Leia mais

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de

Há que imaginar a Europa nos séculos XII e XIII como um imenso tabuleiro de SEXTA CRUZADA (1228 1229) O Desencadeamento. Desde 1187 Jerusalém permanecia em mãos dos Muçulmanos. Nenhuma das Cruzadas anteriores havia conseguido avanço algum em terra Santa. Desta forma havia a necessidade

Leia mais

Formação dos Estados Nacionais

Formação dos Estados Nacionais Formação dos Estados Nacionais Comentário Sabe-se que durante a Idade Média os países europeus caracterizaram-se pela fragmentação política devido ter prevalecido uma organização denominada de feudalismo,

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA

REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA NOME: ANO: 8º TURMA: ENS. FUND. II DATA: / /2014 PROF.: Ariany Galvão ATIVIDADE COMPLEMENTAR História (2º BIMESTRE) REVOLUÇÃO INGLESA: PURITANA E GLORIOSA UMA INTRODUÇÃO A Revolução Inglesa do século XVII

Leia mais

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO

A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO A ÁFRICA NOS TEMPOS DO TRÁFICO ATLÂNTICO O ISLÃ CHEGA À ÁFRICA A partir do séc. VII, os árabes muçulmanos construíram um grande império na África: Oriente Médio, norte da África até grande parte da Península

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais