POSSUI A INGLATERRA, CONSTITUIÇÃO NÃO ESCRITA?(*)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POSSUI A INGLATERRA, CONSTITUIÇÃO NÃO ESCRITA?(*)"

Transcrição

1 1 POSSUI A INGLATERRA, CONSTITUIÇÃO NÃO ESCRITA?(*) (*) O Autor: Fábio Alves Dos Reis Professor de Direito, Advogado, Graduado em Direito, pelas Faculdades Metropolitanas Unidas; Pós-Graduado em Direito Processual Civil pelas Faculdades Metropolitanas Unidas; Mestrando em Direito da Sociedade Da Informação pelo Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. Mediador pela Escola Paulista de Magistratura; Membro Efetivo da Comissão de direito da Sociedade da Informação da OAB. Currículo Lattes: RESUMO Teria mesmo a Inglaterra uma constituição não escrita, conforme defende a grande fatia da doutrina constitucionalista? Essa pergunta vem atrelada à idéia de que os usos e costumes, que tão bem construíram os parâmetros diretivos daquele povo, são vistos como constituição não escrita. Entretanto, em que pese o fato de terem lutado significativamente para a manutenção da ordem social e política, faltou aos ingleses um elemento formal, denominado assembléia constituinte advinda do poder do povo para a criação da sua constituição não escrita. É justamente a falta desse elemento, a Assembléia Constituinte, que muitos constitucionalistas atribuem como a âncora mestra da constituição da Inglaterra, denominando-a de constituição não escrita. DISCUSSÃO Para iniciarmos a defesa e a discussão da presente tesem temos que mencionar, em primeiro plano, a definição de constituição mais aceita atualmente. Segundo o professor Paulo Hamilton de Siqueira Júnior e o professor Alexandre de Moraes, o termo constituição relaciona-se ao seu significado mais abrangente, isto é, formar, organizar e nesse sentido, a constituição de um país, serve para constituir ou organizar o seu povo.

2 2 É certo que, juridicamente a constituição pode ser entendida como a lei fundamental do Estado, a origem de todas as demais leis ordinárias, cujas interpretações devem, necessariamente, ser entendidas sempre em consonância com a norma constitucional. Porem, antes mesmo de falarmos sobre as classificações possíveis das constituições, devemos nos dedicar a responder alguns enunciados mínimos para idealizarmos a resposta à tese proposta. Assim, torna-se oportuno formular as seguintes questões: a constituição é responsável pela formação do Estado ou o Estado é responsável pela formação da constituição? Caso todo o povo da nação desapareça, restando apenas um pequeno grupo reduzido assentado em seu território, a constituição continua tendo eficácia? O Estado ainda continua a existir? Por fim, caso o território desapareça restando apenas o povo, como parece ser o caso da Holanda 1 que um dia pode ser tomada pelo oceano, já que boa parte de seu território se localiza à menos de 1 metro acima do nível do mar, a constituição continuaria tendo eficácia? Por fim, o que vem a ser o Estado? O que vem a ser Governo? Parece que a solução dessas perguntas soluciona o enunciado. Comecemos, pois, com a indagação sobre o que é Estado e quais as diferença que apresenta em relação a palavra Governo. Segundo o professor Emanuel de Moraes, no seu livro A Origem e as Transformações do Estado 2, as pessoas fazem confusão entre a palavra Estado e a palavra Governo, pois segundo ele, desde a época em que o vocábulo estado passou a ter foros jurídicos, em substituição aos clássicos polis, civitas, respublica e impérium, misturam-se os significados de Estado e Governo 3. Por esse matiz, a análise da etimologia da palavra Estado, é de suprema importância para o nosso estudo e para responder a indagação proposta pelo tema. Assim, para Emanuel de Moraes, o Estado surgiu não como exemplo de supremacia de um grupo de indivíduos, munidos de poder, sobre a comunidade, como 1 Aproximadamente metade do território fica a menos de 1 metro!cima do nível do mar, e boa parte das terras estão de fato abaixo do nível do mar. O ponto mais alto, Taalserberg, na fronteira sudeste, localizase a uma altipude de 321 m. Muitas áreas baixas estão protegidas por diques e barragens (http://pt.wikipedia.org/wiki/geografia_dos_pa%c3%adses_baixos) 2 MORAES, Emanuel de. A origem e as tranqformações do estado. Rio de Janeiro: Imago Editnra, MORAES, Emanuel de. A origem E as transformaçõec do estado. Rio de Janeiro: Imago Editora, p. 16

3 3 muitos costumam dizer, entretanto surgiu como um processo natural de ocupação sobre um território 4. Sobre as inúmeras variações morfológicas da palavra Estado, complementa o nobre professor, temos que, na verdade, sua origem deriva do radical indu-europeu STA, isto é, conservar-se de pé, impondo a idéia de fixar-se, estabelecer-se, permanecer em determinado local de maneira permanente 5. Eis que por conclusão lógica, o Estado surgiu pela necessidade de acampamento de uma comunidade, visando resguardar a segurança e a sobrevivência do grupo, concluindo que, não havia forma de liderança originária e central que justificasse a criação do Governo, que veio aparecer algum temo depois. O eminente professor tece considerações sobre o assunto asseverando que não se pode, em nenhuma hipótese, confundir Estado com forma de governo, ou Estado com administração superior de um país ou até mesmo Estado com a autoridade suprema sobre um determinado território 6, apesar do que, é comum que o termo Estado ser utilizado como sinônimo do termo Governo. Por essas lógicas de argumento, podemos afirmar com muita segurança que o nascimento do Estado precedeu ao da Constituição que, necessariamente, depende do Governo com a aprovação e uma Assembléia Constituinte, formada por elementos de seu povo, para sua aprovação. Também aqui é necessário levar em consideração a aceitação da norma pelos governados, pois a submissão aos preceitos constitucionais 4 Esclareça-se, pnrém, pelo fato de a expressão ter adquirido um sentido específico em direito romano, que não se trata aqui do dominium de um indivíduo q5e se investiu do direi4o absoluto, sobre coisas e homens coisaficados, acrescentando esse titulo em nível de poder governamental, à sua distorcida categoria de imperium, conforme se refere Leon Duguit, analisando a natureza do poder monárquico mitificado em soberania. Trata-se simplesmente, do dominium de um povo que teve a necessidade em certo momento histórico, de re-organizar-se jurídica e politicamente, em função do fato de se haver estabelecido de maneira permanente em habitat mais adequado às práticas de tendências culturais estratificadas e, de acordo com as novas exigências econômicas, ao exercício de sua intrínseca sociabilidade. (MORAES, Emanuel de. A origem e as transformações do estado. Rio de Janeiro: Imago Editora, p. 17). 5 Efetivamente nas inúmeras variações morfológicas quer na língua grega, quer na na latina representadas pro vocábulos que tem na sua formação a raiz indu-européia STA (conservar-se de pé), destacam-se as idéias conexas de fixidez, imobilidade, estabilidade, estabelecimento, permanência; e, acompanhando-se o percurso do étimo primário, chega-se a palavras significativas de acampamento, local em que se guardam animais, habilitação, residência e sedentário. Delas, a estado, ou local em que um povo se estabeleceu de maneira permanente. (MORAES, Emanuel de. A origem e as transformações do estado. Rio de Janeiro: Imago Editora, p. 17). 6 Os usos da palavra Estado que perturbam o entendimento do seu verdadeiro significado são aqueles que o identificam com forma de governo, ou com governo e administração superior de um pais, ou com a autoridade suprema sobre os indivíduos em determinado território, ou com um poder supremo sobre uma coletividade humana, ou com o poder soberano, com personalidade própria e distinta, que se impõe aos indivíduos, ou com uma ordem essencial, superior e divina, à qual nenhum povo pode subtrair-se (MORAES, Emanuel de. A origem e as transformações do estado. Rio de Janeiro: Imago Editora, p. 20).

4 4 mínimos é fator fundamental para a sua fixação. Pelo relato histórico ligado a formação do Estado, poderemos perceber que as comunidades primitivas se auto regulavam, sem, no entanto, conhecerem, o conceito de Constituição. Essa linha de raciocínio nos leva a concluir que o Estado, enquanto assentamento permanente de um povo sobre determinado território, foi o precursor do Governo e da Constituição, sendo responsável pela sustentação da base do governo, não dependendo dele e dela para existir, porque seriam coisas autônomas, porquanto se imaginarmos uma catástrofe natural que aniquilasse grande parte de um povo, restandolhe o território, não haveria sentido na continuidade nem do governo central, nem da constituição. Trata-se mesmo de uma conclusão fatalista, porém lógica, porque restando um pequeno grupo de cidadãos de um país, depois da catástrofe aniquiladora, ainda instalada em seu território, a soberania interna e externa deixariam de existir, tornando o povo facilmente dominável devido a impossibilidade de defesa. É certo que, eliminando-se a hipótese de domínio por outra comunidade estrangeira maior, a auto regulamentação do pequeno grupo remanescente torna-se viável e suficiente para sua sustentação, pois seus membros passam a ter a mesma importância hierárquica uns diante dos outros, levando a concluir que não só o Governo quanto a Constituição deixam de ter poder-força assim como deixam de ter poderregulatório. Tomando-se ainda a hipótese fatalista da catástrofe natural, no caso de continuar havendo território, mas tendo sido dizimada a totalidade do contingente populacional, inexistindo pessoas suficientes para defender o território, ocorre, naturalmente o domínio do espaço territorial por outra comunidade, fazendo com que tanto o Estado, enquanto território para assentamento da comunidade, quanto o Governo outrora ali dominante deixem de existir, fazendo com que a Constituição, igualmente ao caso anterior, perca seu valor ou eficácia para ditar as normas mínimas reguladoras do povo. Por fim, caso o território desapareça na sua totalidade, restando apenas o povo, ainda assim, do mesmo modo, a constituição perde sua razão de existir, pois não há onde fixar a forma de governo ou as garantias individuais da comunidade. A conclusão que se obtém é a de que para haver Constituição é necessário haver território, governo e povo, sendo elas interdependentes entre si, porquanto sem a submissão do povo à força do governo, não há que se falar em Constituição.

5 5 Dessa construção lógica, subtrai-se que o poder originário do governo para a submissão de seu povo a uma norma constitucional, advém de uma assembléia originária do próprio povo, ou que pelo menos represente os interesses do povo, denominada de Assembléia Geral Constituinte, legitimada a legislar as regras mínimas de conduta para a pacificação e convivência geral. Essa Assembléia, após estabelecer as normas legais, pode determinar sejam elas escritas ou não, e daí temos as duas espécies de constituição conhecidas, isto é, a Constituição Escrita e a Constituição Não-Escrita. No caso da Inglaterra, é verdade, temos normas adotadas por usos e costumes desde sua fundação até hoje, que regem a boa convivência entre seus cidadãos, entretanto, nunca houve a formação de uma Assembléia Constituinte reunida em nome do povo. Nem mesmo a Carta Magna de 1215 entregue ao Rei João pelos Barões, Duque e Condes, pode ser entendida como uma norma constitucional, isto porque ela foi criada pela minoria da alta nobreza, para defender interesses próprios da classe nobre. A Carta Magna não foi aprovada por uma Assembléia Constituinte para defender os interesses e aclamações populares, mas para obrigar a redução dos poderes do Rei, que manipulava impostos e taxas que sobrecarregavam a alta nobreza. A Carta Magna, na verdade foi elaborada como instrumento de força entre o lobby da alta nobreza e o monarca, mas na verdade não foi a única representante dos princípios limitadores impostos à realeza. Entre 1485 à 1509, Henrique VII também foi muito afetado por diversos princípios que limitavam o poder real, tais como o Rei não podia lançar impostos nem promulgar novas leis sem o consentimento do Parlamento criado pelo Rei João Sem Terra, Parlamento composto pelos Nobres, na Câmara dos Lordes e pelos burgueses e camponeses, na Câmara Dos Comuns 7. É certo, porém, que Henrique VII ( ), agia como senhor absoluto de seu reino, assim como seus sucessores Henrique VIII (1509 a 1547), Eduardo VI ( Os legistas afirmavam que a Lei era a primeira herança do rei, pois este o era pela Lei e sem ela não existiriam soberanos. : a lei estava portanto, acima do rei. Outros princípios aplicados viviam nas consciências: o rei não podia lançar novos impostos, nem promulgar novas leis, sem o consentimento do Parlamento... (CROUZET, Mourice. História Geral das Civilizações: séculos XVI a XVII, os processos da civilização européia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.194).

6 6 1553) com Maria Tudor, sendo que o poder absoluto atingiu o clímax com a Rainha Isabel ( ) num período histórico denominado de absolutismo total 8. Não nos cabe julgar se o país foi beneficiado pela sorte do destino ao ser submetido ao absolutismo, o que importa mesmo é que a Realeza manteve seu status de reinado absoluto porque a nobreza, responsável pela imposição de várias idéias controladoras dos poderes do Monarca, se viu dizimada pela Guerra das Duas Rosas, fazendo com que nobres mais recentes tivessem um ideal de gratidão muito elevado para com o Rei 9. Também o povo preferiu a tranqüilidade de um governo estável sem dificuldades em governar, dando primazia para o poder monárquico. Apenas para trazer à lume um exemplo mais claro da supremacia real, que sufocou qualquer possibilidade de levante contra a realeza acentuando seus poderes absolutos, em 1517, sentenças proferidas pela Câmara Estrelada, obrigava aos xerifes, juízes de paz e todos os ingleses a cumprirem as ordens do Rei 10. Esse sintético relato histórico aliado às concepções formuladas no início da tese demonstra claramente que a Carta Magna não teve força regulatória permanente com efeitos constitucionais, já que num longo período posterior a realeza governou com mão de ferro, demonstrando toda sua autoridade sobre os súditos, subjugando inúmeros princípios básico de qualquer constituição, como por exemplo, o Tribunal de Alta 8 CROUZET, Mourice. História Geral das Civilizações: séculos XVI a XVII, os processos da civilização européia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.194 9`... Hunrisue VII agia como rei absoluto; seu sucessor, Henrique VIII ( ) ainda mais; aconteceu o mesmo após Eduardo VI ( ), com Maria Tudor; finalmente o absolutismo de fato atingiu o apogeu coma Rainha Isabel ( ). Henriqua VII recebeu como herança um país cansado de guerras civis, desejando repouso e autoridade. A Guerra das Duas Rosas dizimara a nobreza. Os nobres dm fresca data deviam tudo ao rei; o Parlamento era dócil. O sentimento nacional excitado pela Guerra dos Cem Anos, bem como o ódio e o receio em relação à França, favoreciam o poder real. O Reis se beneficiava também das idéias do Renascimento, que desde iuito Cedo se propagaram pela Inglaterra. Os Ingleses que, logo se absorveram nas questões`religiosas, desinteressaram-se um pouco da política e deixaram o Rei governar. (Op.cit. p. 195) 10 Henrique VIII e seus sucessores puderam, assim, criar recursos, exigindo empréstimos forçados, donativos, impondo direitos alfandegários. Puderam, também, lugislar pop meio de proclcmações, prática, que recebeu do Parlamento vador constitucional0entre 1539 e 1549, e por decretos do Conselho Real. A seção judicial do Conselho, a Câmara Estrelada, reorganizada em 1487 e, mais tarde pelo chanceler Wolsey em 1517, obrigava, pelas suas sentenças contra os que atentavam contra as prerrogativa reais, os xerifes, juizes de paz e todos os ingleses, a executarem as vontades do rei. O Conselho estabilizado em 1540, dominando os Conselhos particulares, garantiu a unidade do governo. Os parlamentos, raramente convocados, mostraram-se bastante dóceis. Aliás, o rei praticava a candidatura oficial para as eleições à Câmara dos Comuns. Quanto às Câmaras dos Lordes, os bispos, nomeados pelo rei, substituíram os abades.

7 7 Exceção de 1583 que julgava, sem júri, os atentados á Supremacia da Rainha sobre a Igreja (Ato de 1559) 11. Ora, se a realeza podia manipular as instituições, como efetivamente o fez, refletindo significativamente nos princípios básicos mínimos de qualquer norma constitucional, podemos asseverar, com segurança que não havia Constituição promulgada. Do mesmo modo, podemos dizer que os efeitos das normas consuetudinárias também não podem ser reconhecidas como normas constitucionais, apesar de regular diversos princípios de manutenção estatal e limites de poder. É que usos e costumes são mutáveis de acordo com a época por que passa o país. Não é difícil entender que depois do advento da internet, à partir de 1960, os costumes do povo não são mais iguais aos de As constituições, sabemos, podem existir na sua forma escrita ou não escrita, essa é uma classificação clássica admitida pelos constitucionalistas de maior renome. Assim, se após elaborar as normas constitucionais a Assembléia Constituinte instrumentaliza a lei, elas passam a ser reconhecidas como constituição escrita, entretanto, não havendo instrumentalização, ela passaria à categoria de não escrita. A diferença fundamental entre as constituições, sejam elas escritas ou não, em comparação ao sistema inglês, reside no fato de que na Inglaterra nunca houve uma Assembléia Geral Constituinte que pudesse estabelecer as normas mínimas básicas do Estado, faltando-lhe portanto um elemento formal importantíssimo sem o qual as Constituições não podem ser promulgadas. Admitir que as normas consuetudinárias da Inglaterra se equiparem a normas constitucionais, porque regem o comportamento do povo com maestria, é admitir simpaticamente que a rigidez de padrões comportamentais que norteiam a Anarquismo, sistema que rejeita qualquer norma legal não escrita, seja entendida como verdadeiro manual constitucional. O que temos, na verdade, é que a maioria dos Constitucionalistas aceitam as normas costumeiras da Inglaterra como sua Carta Constitucional, em razão da necessidade de classificá-la a qualquer custo, em razão da grande dificuldade em aceitar que um dos países mais ricos e poderosos do mundo não apresenta constituição. 11 CROUZET, Mourice. História Geral das Civilizações: séculos XVI a XVII, os processos da civilização européia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.197

8 8 A lenta e contínua síntese da história e tradições de um determinado povo, conforme assinala com a devida propriedade o nobre e respeitado professor Alexandre de Moraes 12, constitui, na verdade, a classificação tradicional de constituição histórica, e não de constituição não escrita. CONCLUSÃO Assim, por todas as razões acima levantadas, a presente tese sugere que a Inglaterra não possui constituição não escrita, conforme muitos pretendem acreditar, isto porque lhe falta o pré-requisito formal essencial para a criação da constituição denominado Assembléia Constituinte que teria o dever de declarar, após a promulgação das normas e princípios mínimoz, se elas seriam escritas ou não escritas. No caso em concreto, temos que a Inglaterra, não possui, na verdade, uma constituição não escrita, mas rege com competência inigualável as diretrizes básicas de seu povo, sobre um determinado território, chefiado por seu governo central que, sabemos, é uma monarquia. Podemos e devemos admirar, entretanto, que um dos países mais poderosos do mundo, alcançou sua hegemonia, ordem e soberania, sem constituição. 12 MORAES Alexandre de. Direito Constitucional. 12 ed. São Paulo: Atlas, p.38

9 9 BIBLIOGRAFIA CROUZET, Mourice. História Geral das Civilizações: séculos XVI a XVII, os processos da civilização européia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade: para uma teoria geral da política. 4 ed. São Paulo, Paz e terra: CROUZET, Mourice. História Geral das Civilizações: séculos XVI a XVII, os processos da civilização européia. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, FAVOREU, Louis. As cortes constitucionais. Tradução Dunia Marinho Silva. São Paulo, Landy Editora: MORAES Alexandre de. Direito Constitucional. 12 ed. São Paulo: Atlas, MORAES, Emanuel de. A origem e as transformações do estado. Rio de Janeiro: Imago Editora, SIQUEIRA JÚNIOR, Paulo Hamilton. Direito Processual Constitucional. São Paulo: Saraiva, Sites consultados Constituição Federal da Áustria Lei Fundamental para a República Federal Da Alemanha Tribunal Constitucional da Alemanha Tribunal Constitucional da Áustria Corte Constitucional da Itália Wilipedia

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense.

A Revolução Inglesa. Autor: Jose Jobson de Andrade Arruda. Editora: Brasiliense. Objetivos: - ANALISAR as relações entre a Monarquia inglesa e o Parlamento durante a Dinastia Stuart. - IDENTIICAR as principais etapas do processo revolucionário inglês. - INERIR o amplo alcance das lutas

Leia mais

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S

Informativo diário de dicas para concursos públicos - Nr 05 de 71/07/2011 P R A Z O S P R A Z O S Processo/Procedimento Prazo Fundamento Comunicação Disciplinar 05 dias úteis art 56, parág 2º CEDM Entrada em vigor da Lei 14.310 45 dias artigo 98 CEDM Mudança de conceito cada ano sem punição

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Hierarquia das Leis Professora Rosinethe Monteiro Soares Vamos falar do produto, antes mesmo de descrever o processo formal de sua obtenção. Nosso propósito é facilitar a compreensão

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime

Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Revolução Inglesa Movimento revolucionário inglês que derrubou as práticas do Antigo Regime Prof: Otto BARRETO Os ingleses foram os primeiros a aprender a dominar o Leviatã, e a fazer dele seu servo em

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime

Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime Formação do Estado Nacional Moderno: O Antigo Regime A formação do Absolutismo Inglês Medieval Territórios divididos em condados (shires) e administrados por sheriffs (agentes reais) submetidos ao poder

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 22/2011

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 22/2011 PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 22/2011 Altera o Regimento Interno para dispor sobre o Procon-Assembléia e atribuir à Comissão de Defesa do Consumidor a defesa da Livre Concorrência, da Economia Popular e do Contribuinte.

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE

EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE EFA- TÉCNICO DE CONTABILIDADE UFCD 567 NOÇÕES DE FISCALIDADE INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA LEI FISCAL Trabalho realizado: -Patrícia Alves; -Joaquim Mira; -Maria Antónia; -Ana Maltêz; 22 de Maio de 2014

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão

A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1. Profª Viviane Jordão A formação dos Estados Nacionais M3_Unid.1 Profª Viviane Jordão O que é Nação? Nação é um contrato político. Os integrantes de uma nação compartilham os mesmos direitos e uma mesma história. Ser brasileiro

Leia mais

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Lívia Aragão de Melo 1 O Projeto de Lei nº 213/2015, de autoria da senadora Vanessa Grazziotin, pretende alterar a Lei do Serviço

Leia mais

Bacharel em Medicina, a quem interessa?

Bacharel em Medicina, a quem interessa? Espaço CREMERS Bacharel em Medicina, a quem interessa? DR. ISMAEL MAGUILNIK Segundo Secretário CREMERS DR. GUILHERME BRUST BRUM Consultor Jurídico DRA. CARLA BELLO FIALHO CIRNE LIMA Consultora Jurídica

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da Aula 2) Como estabelecer um governo? Constituintes e Constituição 3) Características

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Modelo esquemático de ação direta de inconstitucionalidade genérica EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Legitimidade ativa (Pessoas relacionadas no art. 103 da

Leia mais

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL INTERVENÇÃO FEDERAL ARTIGO 34 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL É o ato de intervir (tomar parte), toda vez que a ação de um Estado- Membro perturbe o sistema constitucional federativo ou provoque grave anormalidade

Leia mais

Contribuinte x Responsável Regulamento do Imposto de Importação e Exportação

Contribuinte x Responsável Regulamento do Imposto de Importação e Exportação Contribuinte x Responsável Regulamento do Imposto de Importação e Exportação Guilherme Ehlers Farias é sócio do escritório Rodrigues, Ehlers & Neves. Formado em Ciências Contábeis no Centro Universitário

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS *

LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * LEIS INTERPRETATIVAS E A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS * CARLOS EDUARDO CAPUTO BASTOS Interpretar a lei, assevera Bevilaqua, é revelar o pensamento que anima suas palavras, daí por

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Prof. Cristiano Lopes

Prof. Cristiano Lopes Prof. Cristiano Lopes CONCEITO: É o procedimento de verificar se uma lei ou ato normativo (norma infraconstitucional) está formalmente e materialmente de acordo com a Constituição. Controlar significa

Leia mais

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores)

Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) 53 Controle de Constitucionalidade (Princípios Norteadores) Camila Novaes Lopes Juíza de Direito do II Juizado Especial Cível - Capital Durante o curso de Controle de Constitucionalidade ministrado pela

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito de associação do servidor público militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* Constituição Federal vigente rompeu com o Estado até então existente e que era regido pela Constituição

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Competência da Justiça Militar Paulo Tadeu Rodrigues Rosa* A Justiça Militar é um dos órgãos do Poder Judiciário, com previsão constitucional e Lei de Organização Judiciária que

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Direito Administrativo Aula 01 Lei 8.666/93 Licitações Normais Gerais Conceito da Lei Dispensa de Licitação Tipos de Licitação Contrato Administrativo Direito Administrativo Aula

Leia mais

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução.

V - ESTADO. O ASPECTO HISTÓRICO É aquele que vê o Estado como um fato social em constante evolução. V - ESTADO 1 ORIGEM E FORMAÇÃO DO ESTADO Origem da Palavra: A denominação de Estado tem sua origem do latim status = estar firme, significando situação permanente de convivência e ligada à sociedade política.

Leia mais

Estado e Cidadania. O que são, uma análise histórica e suas especificidades no mundo contemporâneo e no Brasil

Estado e Cidadania. O que são, uma análise histórica e suas especificidades no mundo contemporâneo e no Brasil Estado e Cidadania O que são, uma análise histórica e suas especificidades no mundo contemporâneo e no Brasil Algumas definições e conceitos Cidadania origem etimológica no latim civitas, significando

Leia mais

Essa concepção aparece já em Aristóteles, no séc. III a.c., quando definiu o Homem como o zõom politikós, ou seja, como um animal político.

Essa concepção aparece já em Aristóteles, no séc. III a.c., quando definiu o Homem como o zõom politikós, ou seja, como um animal político. CIÊNCIA POLÍTICA A política refere-se às negociações que mantemos uns com os outros para um melhor convívio social, o que inclui as formas de organizá-lo. Verificamos, então, a política em todas as relações

Leia mais

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II

O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831. Professor Eric Assis Colégio Pedro II O IMPÉRIO DO BRASIL: PRIMEIRO REINADO 1822-1831 Professor Eric Assis Colégio Pedro II OS DESAFIOS APÓS A INDEPENDÊNCIA I- Manter a unidade territorial do Brasil. II- Construir o Estado Nacional Brasileiro.

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 6 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP UNIDADE DE ESTUDO 06 OBJETIVOS - Localizar, na História, a Idade Média;

Leia mais

IMPEACHMENT INGLÊS 1

IMPEACHMENT INGLÊS 1 IMPEACHMENT INGLÊS 1 Maurício Silva de Góes mau.1988@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar O impeachment no direito inglês era julgado pela Câmara dos Altos 2, ou seja, os

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

Grandes Santos de Deus.

Grandes Santos de Deus. Grandes Santos de Deus. Grupo de da IBRVN 2010 2010 John Wyckliff (1320 31 /12/1384) A estrela Matutina da Reforma. Valoroso campeão da Verdade! Foi professor da Universidade de Oxford, teólogo e reformador

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

Os SERVIDORES PÚBLICOS E A REFORMA

Os SERVIDORES PÚBLICOS E A REFORMA Os SERVIDORES PÚBLICOS E A REFORMA ADMINISTRATIVA CONSTITUCIONAL IVAN BARBOSA RIGOUN Advogado I - Com o empossamento dos novos Prefeitos Municipais, ocorrido em janeiro de 1997, volta à baila o nunca esgotado

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO

RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO RESPOSTA A QUESTÃO DE ORDEM SOBRE A INCLUSÃO DE MATÉRIA ESTRANHA À MEDIDA PROVISÓRIA EM PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO ENVIADO À APRECIAÇÃO DO SENADO Em resposta à questão de ordem apresentada pelo Senador

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL João e José são pessoas com deficiência física, tendo concluído curso de nível superior. Diante da abertura de vagas para preenchimento de cargos vinculados ao Ministério

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder

1- Unificação dos Estados Nacionais. Centralização do poder 1- Unificação dos Estados Nacionais Centralização do poder 1.1- Nobreza classe dominante Isenção de impostos; Ocupação de cargos públicos; Altos cargos no exército. 1- Conceito: Sistema de governo que

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos)

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) *C0051224A* C0051224A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) Altera o Parágrafo único do art. 66 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

PARECER DECRETO CALL CENTER

PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO 6.523/2008 Elizabeth Costa de Oliveira Góes Trata-se de parecer com vistas a analisar a aplicabilidade do Decreto 6.523/2008, de 31 de julho de 2008, no que

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais