Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos"

Transcrição

1 Noções em Medicina Nuclear e Radiofármacos

2 Elementos Radioativos em Medicina Nuclear RADIONUCLÍDEOS PARA DIAGNÓSTICO EM MEDICINA NUCLEAR NUCLÍDEO MEIA-VIDA (h) DECAIMENTO ENEGRGIA (kev) 99mTc 6 IT I 193 β-, t I 13 EC Ga 78 EC 300, In 67 EC 171, Tl 73 EC 135, 167 Nuclear Oncology - Diagnosis and Therapy

3 Elementos Radioativos em Medicina Nuclear RADIONUCLÍDEOS PARA TERAPIA EM MEDICINA NUCLEAR NUCLÍDEO MEIA-VIDA (d) DECAIMENTO ENERGIA (MeV) 90Y 2,67 β- 2,28 188Re 0,71 β- 2,12 32P 14,3 β- 1,71 89Sr 50,5 β- 1,49 186Re 3,77 β- 1,08 153Sm 1,95 β- 0,81 131I 8,04 β- 0,61 67Cu 2,58 β- 0,57 177Lu 6,7 β- 0, mLu 13,6 β- 0,16 213Bi 45,6 min α 8,0 212Bi 60,6 min α 9,0 211At 0,30 α 7,5 125I 60,3 EC 0,4 kev (Auger e-) Nuclear Oncology - Diagnosis and Therapy

4 Elementos Radioativos em Medicina Nuclear RADIONUCLÍDEOS EMISSORES DE PÓSITRONS USADOS EM ONCOLOGIA NUCLÍDEO MEIA-VIDA (min) 11C 20,4 13N 10 15O 2,07 18F I 4,2 d 64Cu 0,54 d 68Ga 68,3 Nuclear Oncology - Diagnosis and Therapy

5 Evolução Composição Iodo 99m Tecnécio Outros k Radioisótopo 99m Tc: Perrier e Segré (1937) Preparação reator nuclear ou gerador Gerador 99 Mo 99m Tc Características (necessidade de ag. redutor)

6 Radiofármácia - Brasil Produção no IPEN: Sm-153, I-123, I-131 (60%), F-18, Ga-67, Tl-201 Importação radioisótopos: Mo-99, I-131 (40%), In-111, Lu-177, Y-90, P-32, Cr-51 Reavaliação da Estratégia: A- aquisição de 99Mo de vários fornecedores B- importação de Geradores de 99Mo/99mTc C- Parcerias de longo prazo;

7 Radiofármácia - Brasil Moléculas marcadas: MIBG- 131I (Metaiodobenzilguanidina) MIBG- 123I (Metaiodobenzilguanidina) SAH- 131I (Soro Albumina Humano) Hippuran- 131I (o-iodo-hipurato de sódio) LIPIODOL 131I EDTA 51 Cr (Sal de Crômio III do Ácido Etilenodiaminotetracético) SAH 51 Cr (Soro Albumina Humano) EDTMP- 153Sm - (ácido etilenodiaminotetrametilenfosfônico) HA 153Sm - (Hidroxiapatita) FDG- 18Fluor - (2- Flúor 2 deoxi D - Glicose) (Octreotideo DTPA Indio-111) Citrato- Itrio-90 (Lutecio-177) Hidroxiapatita (90 Y)

8 Radiofármácia - Brasil Radioisótopos Primarios: 123I (Iodeto de Sódio) 131I (Iodeto de Sódio) 131I (Cápsula) 201Tl (Cloreto de Tálio) 67Ga (Citrato de Gálio) 51Cr (Cromato de Sódio) 32P (Ácido Fosfórico) 32P (Fosfato de Sódio) 35S (Ácido Sulfúrico) Gerador de 99mTc (Gerador de 99Mo/99mTc) Atividades dos geradores em mci: 250, 500, 750, 1000, 1250, 1500, 2000

9 Radiofármácia - Brasil Reagentes liofilizados para radiodiagnóstico para marcação com Tecnécio-99m 1- DEXTRAN DEXTRAN DISIDA 4- DMSA 5- DTPA 6- EC 7- ECD 8- Sn COLOIDAL 9- FITATO 10- GHA 12- MDP 13- PIRO 14- SAH

10 99mTc 99m Tc - Decaimento - transição isomérica - Não emite partículas corpusculares - Meia-vida - 6,0h -Energia γ kev - Marcação de várias moléculas - radioisótopo mais utilizado em diagnóstico - distribuído na forma de gerador ( 99 Mo t 1/2 = 66h), - equilíbrio transiente, - máximo de crescimento: 22,89 h - marcação de kits versatilidade

11 99mTc 99mTc: 99mTc: Metal de transição múltiplos estados de oxidação Facilidade de ligações coordenadas com uma grande variedade de compostos orgânicos ricos em elétrons Ligação a proteínas: sem prejuízos na biodistribuição; Ligação a elementos sangüíneos: cinética determinada pelo organismo; Demais compostos: significativa alteração no comportamento (elementos com tamanho < 1000 g/mol) Geradores: Brookhaven National Laboratory 1950s

12 99mTc 99mTc: 99mTc: Atividade específica teórica: 5,5 * 10 9 mci/g; Equilíbrio transiente entre Mo 99 e as duas formas (99mTc e 99Tc); Ex: 20 mci 99mTcO 4 - representa aprox. poucos nanogramas; Compostos não marcados: Grande maioria dos fármacos marcados: sem alteração Ligação a sistemas enzimáticos ou receptores: significativo prejuízo Grupamentos viáveis: N, O, S, P Amina, tiol, hidróxi, carboxilatos Agente redutor: excesso na formulação e ampla faixa de ph Cloreto estanoso (SnCl 2 )

13 Exemplo de Geradores p/ MN

14 Gerador 99Mo / 99mTc Gerador 99 Mo/ 99m Tc - foto e transporte

15 Gerador 99Mo / 99mTc Filtro Estéril Solução salina 0,9% NaCl Al 2 O 3 (1 g) Colun a de alumi -na Eluído 99mTc 99m Tc Frasco à vácuo Placa Porosa

16 Gerador 99Mo / 99mTc

17 Gerador 99Mo / 99mTc Produção de 99 Mo Reator 1) Fissão do 235 U - difícil separação química e purificação - gde número de rejeitos radioativos - altas doses de radiação - células de processamento complexas - alto custo - alta atividade específica: > 10 4 Ci/g - livre de carregador - facilidade do preparo dos geradores

18 Gerador 99Mo / 99mTc 99 Mo de fissão, importado do Canadá ou da Bélgica Cerca de 270 geradores por semana Geradores de 250, 500, 750, 1000, 1250, 1500 e 2000mCi (Segunda 08:00h) tratamento da alumina: peneiramento, calcinação (1100 o C), lavagem com H 2 O (remover os finos) e condicionamento com HCl troca iônica Colunas, agulhas e tampas esterilizadas previamente lavagem com acetato e cloreto para condicionamento e acomodação do 99 Mo Eluição na produção para teste de desempenho Volume de eluição: 6mL, eficiência de eluição > 90%, rendimento de eluição > 95% Eluição em menos de 30 s >99,5% TcO 4-, ph 5-7, 99 Mo < 0,1%, Al < 5ppm

19 Situação Mundial 99Mo Where is Moly-99 made? Ten years ago, 90 percent of medical isotopes used in the U.S. were produced domestically. Today, less than 10 percent are made domestically. The vast majority of Moly-99 is made in five countries: 1- Canada Rolphton, Ontario NRU Chalk River 52 years old 31% The Netherlands Zijpe HFR-Petten 47 years old 33% Belgium Mol BR2 47 years old 10% France Saclay OSIRIS 42 years old 8% South Africa Pelindaba SAFARI 43 years old 3% Australia Sydney OPAL 2 years old NA 20

20 Gerador 99Mo / 99mTc PRINCÍPIO PIO 10-6 a 10-9 M Agente redutor 99mTcO 4 - Tc x SL y Ligante forte Agente redutor Ligante forte 99mTcO4 - Tc x WL y Tc x SL y Ligante fraco

21 Gerador 99Mo / 99mTc REAÇÃO DE OXI-REDU REDUÇÃO 3 Sn 3 Sn + 6 e - 2 TcO H e - 2 TcO H 2 O 2 TcO Sn + 8 H + 2 TcO Sn + 4 H 2 O REAÇÃO DE OXI-REDU REDUÇÃO E COMPLEXAÇÃO 99m Tc 7+ - O 4 + Sn 2+ + Quelante 99m 99m Tc x+ x+ (Quelante) + Sn 4+

22 Gerador 99Mo / 99mTc REAÇÃO DE HIDRÓLISE Sn 2+ (aq) (aq) + 2Cl - 2 (aq) + H 2 O (l) (l) Sn(OH)Cl (s) Sn(OH)Cl (s) + OH - (aq) Sn(OH) 2(s) REAÇÃO DE OXI-REDU REDUÇÃO Sn 2+ + oxigênio SnO SnO 2(s)

23 Primeira Geração 99mTc-enxofre coloidal 99mTc-DTPA Agentes liofilizados com íon estanoso prontos para marcação com 99mTc: 99mTc-fosfatos 99mTc-fosfonatos 99mTc-DMSA 99mTc-IDA

24 Segunda Geração 1970s desenvolvimento de compostos específicos marcados com tecnécio cio Química, Bioquímica e Medicina Nuclear Ligantes Tetradentados: 04 átomos coordenados estão juntos através s de 02 ou 03 átomos não coordenados, formando pseudo anéis ao redor de um centro metal. Alta estabilidade MAG3, MIBI, HMPAO, ECD

25 Exemplo Marcação (PM 182) HOOC-CH-CH-COOH SH SH - Relação 2:1 (DMSA:Sn) - Complexo anelar com 5 membros TcO Sn 2+ + H + Tc 99m (+3 e +4) ph 2,5 Redução, exceto TcO 4 - e 99m Tc-sulfúrico coloidal Complexo formado com biodistribuição característica ( renal) OBS: Imagem de carcinoma medular da tireóide = 99mTc +5, utilizando solução estéril de bicarbonato de sódio 3,5% ( ph 7,5), possui maior excreção renal.

26 Exemplo Marcação 1 2 3

27 SAC - Radiopharmacus Recomendações Pré-marcação: 1- caso o técnico do Serviço de Medicina Nuclear tenha alguma dúvida sobre marcação e/ou controle de qualidade dos Produtos Radiopharmacus, favor contatar o SAC (disponível das 06:00 as 18:00); 2- a Radiopharmacus transfere os protocolos de controle de qualidade de todos os seus produtos (exigência RDC n. 38 ANVISA). Podemos também orientar o cliente quanto aos consumíveis necessários para a realização destas análises (especificações e fornecedores);

28 SAC - Radiopharmacus Farm. Leandro De Souza Avilla Fone: / Farm. Bárbara Martins Fone: /

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil Jair Mengatti Diretor de Produtos e Serviços IPEN-CNEN/SP " XI ENAN 26 de novembro de 2013 Recife, Pernambuco Radiofármaco De acordo com a RDC nº

Leia mais

Comissão Nacional de Energia Nuclear

Comissão Nacional de Energia Nuclear II workshop International ENUMAs 2010 Comissão Nacional de Energia Nuclear Nilson Dias Vieira Junior 19/08/2010 A ÁREA NUCLEAR BRASILEIRA Presidência da República Ministério da Ciência e Tecnologia Institutos

Leia mais

ESTUDOS DE TÉCNICAS DE CONCENTRAÇÃO DA ATIVIDADE DE 99m Tc ELUÍDO DE GERADORES DE

ESTUDOS DE TÉCNICAS DE CONCENTRAÇÃO DA ATIVIDADE DE 99m Tc ELUÍDO DE GERADORES DE INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES Autarquia associada à Universidade de São Paulo ESTUDOS DE TÉCNICAS DE CONCENTRAÇÃO DA ATIVIDADE DE 99m Tc ELUÍDO DE GERADORES DE 99 Mo/ 99m Tc TIPO GEL Katia

Leia mais

PRODUÇÃO DE RADIOFÁRMACOS NO IPEN

PRODUÇÃO DE RADIOFÁRMACOS NO IPEN PRODUÇÃO DE RADIOFÁRMACOS NO IPEN Dra Elaine Bortoleti de Araújo Gerência Adjunta para Garantia da Qualidade Centro de Radiofarmácia IPEN ebaraujo@ipen.br Aplicação dos Radiofármacos: diagnóstico e terapia

Leia mais

Regulamentação sobre Registro de Radiofármacos

Regulamentação sobre Registro de Radiofármacos Regulamentação sobre Registro de Radiofármacos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Setembro / 2010 www.anvisa.gov.br HISTÓRICO Constituição de 1988 Art. 21 XXIII - explorar os serviços e instalações

Leia mais

Produção de Radiofármacos

Produção de Radiofármacos Produção de Radiofármacos Jair Mengatti DIRF IPEN CNEN-SP II WORKSHOP INTERNACIONA L ENUMAS Oportunidades em Atividades Nucleares Medicina, Agricultura e Indústria São Paulo 20 de Agosto de 2010 Missão

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Oncologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 1 Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares AUTARQUIA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE PREPARO DE GERADORES DE 90 Sr/ 90 Y NA DIRETORIA DE RADIOFARMÁCIA DO IPEN/CNEN-SP

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

PROGRAMA POLÍTICA NUCLEAR PPA 2016 2019 E LOA 2016

PROGRAMA POLÍTICA NUCLEAR PPA 2016 2019 E LOA 2016 PROGRAMA POLÍTICA NUCLEAR PPA 2016 2019 E LOA 2016 Janeiro de 2016 1. O PPA 2016-2019 e o Programa Temático Política Nuclear A política nacional de atividades nucleares tem como objetivos: assegurar o

Leia mais

Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos

Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos Exame de diagnóstico II: Técnicas Cintilográficas Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos Algumas datas marcantes na história da Medicina Nuclear 1896 - Descobrimento

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

SAMAR-IPEN lexidronam (153 Sm)

SAMAR-IPEN lexidronam (153 Sm) SAMAR-IPEN lexidronam (153 Sm) ATENÇÃO SAMAR-IPEN É PARA USO EXCLUSIVO EM TERAPIA NA MEDICINA NUCLEAR USO RESTRITO A HOSPITAIS E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS APRESENTAÇÃO O SAMAR-IPEN possui as seguintes apresentações

Leia mais

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2

Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 11 Segundo a Portaria do Ministério da Saúde MS n.o 1.469, de 29 de dezembro de 2000, o valor máximo permitido (VMP) da concentração do íon sulfato (SO 2 4 ), para que a água esteja em conformidade com

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS FARMÁCIA-BIOQUÍMICA ÉRICO BENNEMANN CARVALHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS FARMÁCIA-BIOQUÍMICA ÉRICO BENNEMANN CARVALHO 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS FARMÁCIA-BIOQUÍMICA ÉRICO BENNEMANN CARVALHO REVISÃO DOS PRINCIPAIS RADIOFÁRMACOS UTILIZADOS NO BRASIL E SUAS

Leia mais

PUL-TEC É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO NA MEDICINA NUCLEAR

PUL-TEC É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO NA MEDICINA NUCLEAR PUL-TEC macroagregado de albumina Conjunto de reagente liofilizado para marcação com solução injetável de pertecnetato de sódio (99m Tc) macrosalbe (99m Tc) ATENÇÃO PUL-TEC É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO

Leia mais

QUI 326 Primeira lista de exercícios 1/2013

QUI 326 Primeira lista de exercícios 1/2013 Exercícios de revisão QUI 326 Primeira lista de exercícios 1/2013 1) Balanceie as equações abaixo: a) Cu + HNO 3 Cu (NO 3 ) 2 + NO +H 2 O b) CrO 3 + SnCl 2 + HCl CrCl 3 + SnCl 4 + H 2 O c) PbO 2 + HCl

Leia mais

Suprimento de Molibdênio 99 - Potencial Crise de Abastecimento no Médio Prazo e Ações de Mitigação Propostas INAC 2013

Suprimento de Molibdênio 99 - Potencial Crise de Abastecimento no Médio Prazo e Ações de Mitigação Propostas INAC 2013 Comissão Nacional de Energia Nuclear Suprimento de Molibdênio 99 - Potencial Crise de Abastecimento no Médio Prazo e Ações de Mitigação Propostas INAC 2013 Recife, 27 de novembro de 2013 Isaac José Obadia

Leia mais

Química Nuclear e Radiofarmácia

Química Nuclear e Radiofarmácia Licenciatura em Engenharia Biomédica Química Nuclear e Radiofarmácia T 7 AC Santos - 2008/2009 Outros radiometais para marcação de radiofármacos Os radiofármacos baseados em metais deram um grande contributo

Leia mais

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Introdução Na Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), diferentemente dos exames de Raio-x ou CT, a emissão da radiação é realizada diretamente

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Nome: Nº BI: Data - Local Emissão: / / -

Nome: Nº BI: Data - Local Emissão: / / - PROVA DE QUÍMICA Nome: Nº BI: Data - Local Emissão: / / - Pergunta / Opção 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 a) b) c) d) PROVA DE QUÍMICA Duração da prova: 60 minutos +

Leia mais

OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO 99 MO NO BRASIL: UMA NECESSIDADE SOCIAL.

OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO 99 MO NO BRASIL: UMA NECESSIDADE SOCIAL. 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 OFERTA/DEMANDA DO RADIOISÓTOPO

Leia mais

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO

9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO Departamento de Química Inorgânica IQ / UFRJ IQG 18 / IQG 31 9. REAÇÕES DE OXIRREDUÇÃO I. INTRODUÇÃO As reações de oxirredução estão entre as reações químicas mais comuns e importantes. Estão envolvidas

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe 27,0 28,1 31,0 32,1 35,5 39,9 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PRVA DE QUÍMICA º 2º 3º 4º 5º 6º 7º TABELA PERIÓDICA DS ELEMENTS (IA),0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr Mn Fe

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

Química Analítica IV TITULOMETRIA DE COMPLEXAÇÃO

Química Analítica IV TITULOMETRIA DE COMPLEXAÇÃO Química Analítica IV 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos TITULOMETRIA DE COMPLEXAÇÃO 1 TITULAÇÕES POR COMPLEXAÇÃO Titulometria de complexação ou titulações por complexação são titulações

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET/Agronomia. TUTOR: Dr. Ribamar Silva PETIANO: Rafael de Melo Clemêncio

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET/Agronomia. TUTOR: Dr. Ribamar Silva PETIANO: Rafael de Melo Clemêncio UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET/Agronomia TUTOR: Dr. Ribamar Silva PETIANO: Rafael de Melo Clemêncio Estabelecido entre uma substância e seus íons; Reação reversível Reagente

Leia mais

Química. Energia de formação (KJ mol -1 )

Química. Energia de formação (KJ mol -1 ) Química 01. A formação dos compostos iônicos é geralmente um processo exotérmico cuja energia liberada será tanto maior quanto maior for a força de interação entre o cátion e o ânion. gráfico abaixo apresenta

Leia mais

CO 3 H 2. (aq) e H 2. O, ocorrendo, portanto, acidose

CO 3 H 2. (aq) e H 2. O, ocorrendo, portanto, acidose 11 A maior parte do dióxido de carbono gerado no metabolismo celular, no corpo humano, por reagir rapidamente com a água contida no sangue, é conduzida pela corrente sanguínea, para eliminação nos pulmões.

Leia mais

Soluções Químicas são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias, onde o solvente aparece em maior quantidade e o soluto em menor quantidade. O estado de agregação do solvente é que determina o estado

Leia mais

Física da Radiologia-F852. Aulas 1-2

Física da Radiologia-F852. Aulas 1-2 Introdução Física da -F852. Aulas 1-2 Mário Antônio Bernal 1 1 Departamento de Física Aplicada-DFA Universidade Estadual de Campinas- Local-DFA 68 email: mabernal@ifi.unicamp.br url pessoal: www.ifi.unicamp.br\

Leia mais

CPV o cursinho que mais aprova na fgv Fgv - 05/12/2004

CPV o cursinho que mais aprova na fgv Fgv - 05/12/2004 37 QUÍMICA 31. s irradiadores de alimentos representam hoje uma opção interessante na sua preservação. alimento irradiado, ao contrário do que se imagina, não se torna radioativo, uma vez que a radiação

Leia mais

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis

Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Vantagens da Energia Nuclear sobre Combustíveis Fósseis Reservas mundiais de U devem bastar para, pelo menos, mais 100 anos de geração de energia elétrica no mundo. Independência estratégica. Emissão zero

Leia mais

Metais em água. metais tem um papel crucial em. como espécies hidroxiladas, ex.: FeOH(H 2 O)

Metais em água. metais tem um papel crucial em. como espécies hidroxiladas, ex.: FeOH(H 2 O) Metais em água Para a estabilização dos elétrons mais externos os cátions metálicos em água são ligados (coordenados) a outras espécies. Assim, os metais em soluções aquosas procuram a máxima estabilidade

Leia mais

O SUS na medicina nuclear do Brasil: avaliação e comparação dos dados fornecidos pelo Datasus e CNEN *

O SUS na medicina nuclear do Brasil: avaliação e comparação dos dados fornecidos pelo Datasus e CNEN * Artigo Original Pozzo L et al. / O SUS na medicina nuclear do Brasil O SUS na medicina nuclear do Brasil: avaliação e comparação dos dados fornecidos pelo Datasus e CNEN * SUS in nuclear medicine in Brazil:

Leia mais

CPV o cursinho que mais aprova na fgv gv 04/12/2005

CPV o cursinho que mais aprova na fgv gv 04/12/2005 33 QUÍMICA 106. Compostos hidratados são sólidos que apresentam moléculas de água em sua estrutura e são mais comuns do que se imagina. Um exemplo disso são os tetos dos cômodos de nossas casas, que podem

Leia mais

GERADOR IPEN-TEC Gerador de 99 Mo/ 99m Tc pertecnetato de sódio (99m Tc)

GERADOR IPEN-TEC Gerador de 99 Mo/ 99m Tc pertecnetato de sódio (99m Tc) GERADOR IPEN-TEC Gerador de 99 Mo/ 99m Tc pertecnetato de sódio ATENÇÃO GERADOR IPEN-TEC É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO NA MEDICINA NUCLEAR USO RESTRITO A HOSPITAIS E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS

Leia mais

C 5 H 12 O álcool 88g/mol. x 12,5g x = 9,94g 5CO 2 + 5H 2 O

C 5 H 12 O álcool 88g/mol. x 12,5g x = 9,94g 5CO 2 + 5H 2 O Questão 1 O esquema abaixo mostra compostos que podem ser obtidos a partir de um alceno de fórmula molecular C 5 H 10. A seguir, responda às questões relacionadas a esse esquema, considerando sempre o

Leia mais

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

CORROSÃO. Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO Química Geral Prof a. Dr a. Carla Dalmolin CORROSÃO - DEFINIÇÃO Ferrugem Deterioração Oxidação Perda de material ASTM G15: Reação química ou eletroquímica entre um material (geralmente metálico)

Leia mais

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO

PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO O FUTURO DA PRÁTICA DA ONCOLOGIA EM PORTUGAL: BASEADA NO ÓRGÃO VERSUS ENTIDADE NOSOLÓGICA CASE STUDY: TUMORES NEUROENDÓCRINOS PAPEL DA MEDICINA NUCLEAR: TERANÓSTICO Inês Lucena Sampaio Assistente Hospitalar

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 4 Tipos de Resíduos Sólidos. Professor: Sandro Donnini Mancini

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 4 Tipos de Resíduos Sólidos. Professor: Sandro Donnini Mancini Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 4 Tipos de Resíduos Sólidos Professor: Sandro Donnini Mancini

Leia mais

Questão 76. Questão 78. Questão 77. alternativa D. alternativa C. alternativa A

Questão 76. Questão 78. Questão 77. alternativa D. alternativa C. alternativa A Questão 76 O hidrogênio natural é encontrado na forma de três isótopos de números de massa, 1, 2 e 3, respectivamente: 1 1 H, 2 1 H e 3 1 H As tabelas periódicas trazem o valor 1,008 para a sua massa atômica,

Leia mais

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7.

121,8 127,6 126,9 131,3. Sb Te I Xe. Pb Bi Po At Rn 69,7 72,6 74,9 79,0 79,9 83, Ga Ge As Se Br Kr. In Sn 114,8 118,7. PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS º 2º 3º 4º 5º 6º 7º (IA) H,0 3 Li 6,9 Na 23,0 9 K 39, 2 (IIA) 4 Be 9,0 2 Mg 24,3 3 (III B) 4 5 6 7 8 9 0 2 20 2 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Ca Sc Ti V Cr

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 009/2017, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2016 SELEÇÃO DO

Leia mais

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2.

38 C 37 B 39 D. Sabendo-se que a amônia (NH 3. ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água. o diclorometano (CH 2. QUÍMICA 37 B Sabendo-se que a amônia (N 3 ) é constituída por moléculas polares e apresenta boa solubilidade em água o diclorometano (C Cl ) não possui isômeros Sua molécula apresenta polaridade, devido

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA CMENTÁRI DA PRVA DE QUÍMICA que se espera de uma boa prova de vestibular é que seja seletiva. Para tanto, ela deve conter questões fáceis, médias e difíceis. Nesse sentido, a prova foi boa. Algumas ressalvas,

Leia mais

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq) " 2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq) " 2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível.

S 2 O 5 (aq) + 2 H + (aq)  2 SO 2(aq) + H 2 O (,) 2 (aq) + 2 OH (aq)  2 SO 3 2 (aq) + H 2 O (,) QUESTÃO 2. Combustível. Química QUESTÃO 1 O metabissulfito de potássio (K 2 S 2 O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando a deterioração provocada

Leia mais

TESTE. Avaliação do Controle de Qualidade de Radiofármacos em Serviço de Medicina Nuclear

TESTE. Avaliação do Controle de Qualidade de Radiofármacos em Serviço de Medicina Nuclear InternationalJoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR TESTE Avaliação do Controle de Qualidade de Radiofármacos em Serviço

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO APLICADOS A UMA RADIOFARMÁCIA HOSPITALAR

CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO APLICADOS A UMA RADIOFARMÁCIA HOSPITALAR CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO APLICADOS A UMA RADIOFARMÁCIA HOSPITALAR Priscilla BRUNELLI PUJATTI, Débora SILVA GONÇALVES e Jayda EIRAS RAMIM Endereço Profissional: Radiofarmácia

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013 II CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 11 1B. 26 Fe 55,8 44 Ru 101,1 76 Os 190,2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2013

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL OLIMPÍADAS DE QUÍMICA XVI OLÍMPIADA DE QUÍMICA DO RIO GRANDE DO NORTE

PROGRAMA NACIONAL OLIMPÍADAS DE QUÍMICA XVI OLÍMPIADA DE QUÍMICA DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA NACIONAL OLIMPÍADAS DE QUÍMICA XVI OLÍMPIADA DE QUÍMICA DO RIO GRANDE DO NORTE PROVA OBJETIVA E DISCURSIVA MODALIDADE B 3ª série PARTE OBJETIVA QUESTÃO 1 Uma prática bastante comum empregada em

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga)

GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga) GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga) ATENÇÃO GAL-IPEN É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO NA MEDICINA NUCLEAR USO RESTRITO A HOSPITAIS E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS APRESENTAÇÃO O GAL-IPEN possui as seguintes

Leia mais

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma Candidato: CPF:

Exame de Seleção Mestrado em Química Turma Candidato: CPF: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DPTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção Mestrado em Química Turma 2014.2

Leia mais

Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades

Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades Capítulo 6: Estrutura dos Materiais Ligação química e propriedades Questões a abordar... O que promove a ligação química? Que tipos de ligações químicas existem? Que propriedades dependem da ligação química?

Leia mais

CÁLCULO DE BLINDAGEM PARA PET/CT (TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE PÓSITRON)

CÁLCULO DE BLINDAGEM PARA PET/CT (TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE PÓSITRON) UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física CÁLCULO DE BLINDAGEM PARA PET/CT (TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE PÓSITRON) Autor: Alessandra Keiko

Leia mais

Bruna Maria Guimarães Pereira Farmacêutica do setor de preparo de medicamentos de apoio e antineoplásicos

Bruna Maria Guimarães Pereira Farmacêutica do setor de preparo de medicamentos de apoio e antineoplásicos Suspensão de BCG para uso intravesical aspectos farmacotécnicos e de biossegurança Bruna Maria Guimarães Pereira Farmacêutica do setor de preparo de medicamentos de apoio e antineoplásicos Uso intravesical

Leia mais

Apostila. Tratamento de soluções residuais contendo cromo

Apostila. Tratamento de soluções residuais contendo cromo 27ª REUNIÃO ANUAL DO ENSAIO DE PROFICIÊNCIA IAC PARA LABORATÓRIOS DE ANÁLISE DE SOLO PARA FINS AGRÍCOLAS AUTORIA Apostila Nadia Valério Possignolo Mestranda CENA/USP José Albertino Bendassolli Professor

Leia mais

MDP-TEC. ácido medrônico

MDP-TEC. ácido medrônico MDP-TEC Ácido medrônico Conjunto de reagente liofilizado para marcação com solução injetável de pertecnetato de sódio (99m Tc) medronato de sódio (99m Tc) ATENÇÃO MDP-TEC É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

Resultados para os exames de Medicina Nuclear. Pedro Teles. Workshop Dose Datamed Portugal 15 de Março de 2012 ITN, Sacavém

Resultados para os exames de Medicina Nuclear. Pedro Teles. Workshop Dose Datamed Portugal 15 de Março de 2012 ITN, Sacavém Resultados para os exames de Medicina Nuclear Pedro Teles Workshop Dose Datamed Portugal 15 de Março de 2012 ITN, Sacavém Metodologia Existem 32 centros de Medicina Nuclear em Portuga, dos quais, 14 na

Leia mais

QUÍMICA. Questão 01. A configuração eletrônica de um átomo X Z

QUÍMICA. Questão 01. A configuração eletrônica de um átomo X Z QUÍMICA Questão 01 A A configuração eletrônica de um átomo X Z é [ X ]. Determine: a) os valores de Z e de n, para que a configuração eletrônica [X] ns 2 (n 1)d 10 np (n+1) represente um elemento químico

Leia mais

Marcas Trilon. Informações Técnicas. Especialidades Químicas. Setembro 1998. Edição 1

Marcas Trilon. Informações Técnicas. Especialidades Químicas. Setembro 1998. Edição 1 Informações Técnicas Setembro 1998 Edição 1 = Marca Registrada Marcas Trilon Agentes Sequestrantes rgânicos para a Indústria de detergentes e produtos de limpeza, as Indústrias Químico-Técnicas e outros

Leia mais

BIOLOGIA/QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. COLE AQUI A ETIQUETA

BIOLOGIA/QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. COLE AQUI A ETIQUETA 2 a Etapa BIOLOGIA/QUÍMICA SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Leia atentamente o CARTAZ sobre ELIMINAÇÃO AUTOMÁTICA, afixado na parede da sala, à sua frente, e as instruções

Leia mais

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s)

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s) ITA 2001 DADOS CONSTANTES Constante de Avogadro = 6,02 x 10 23 mol 1 Constante de Faraday (F) = 9,65 x 10 4 Cmol 1 Volume molar de gás ideal = 22,4L (CNTP) Carga Elementar = 1,602 x 10 19 C Constante dos

Leia mais

(b) É uma reacção de neutralização: base + ácido sal + água 2 mol de NaOH reagem com 1 mol de H 2 SO 4 originando 1 mol de Na 2 SO 4 e 2 mol de H 2 O.

(b) É uma reacção de neutralização: base + ácido sal + água 2 mol de NaOH reagem com 1 mol de H 2 SO 4 originando 1 mol de Na 2 SO 4 e 2 mol de H 2 O. EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 3. Reacções químicas I Soluções da ficha de exercícios 1. (a) NaOH = hidróxido de sódio. H 2 SO 4 = ácido súlfurico. Na 2 SO 4 = sulfato de sódio. H 2 O

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 02/02/2014 Questão 1 Conhecimentos Específicos Técnico de Laboratório / Área: Química Que massa de sulfato de cobre pentahidratado é necessária para se preparar 500 ml de uma solução 1,0 x 10-2 mol L -1 de cobre?

Leia mais

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE

UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE UFU 2014 VESTIBULAR DE MAIO 1ª FASE 1-O iodo-132, devido à sua emissão de partículas beta e radiação gama, tem sido muito empregado no tratamento de problemas na tireoide. A curva abaixo ilustra o decaimento

Leia mais

SIMULADO de QUÍMICA GABARITO COMENTADO 3º ANO 1º BIMESTRE/2011

SIMULADO de QUÍMICA GABARITO COMENTADO 3º ANO 1º BIMESTRE/2011 SIMULADO de QUÍMICA GABARITO COMENTADO 3º ANO 1º BIMESTRE/2011 1. (FATEC-2011) Os elementos cloro (Z = 17) e iodo (Z = 53) pertencem ao mesmo grupo da tabela periódica. Assim, átomos neutros desses elementos

Leia mais

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país José Soares Junior Presidente da SBBMN (Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular)

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES CADERNO DE QUESTÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO/2010-2 GRUPO 1 Química 1º DIA 06/06/2010 SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUÍMICA ANALÍTICA E AMBIENTAL Em atendimento a solicitação da Delegacia de Meio Ambiente (DEMA)

Leia mais

Métodos Clássicos de Separação

Métodos Clássicos de Separação Analítica V: Aula 8 Métodos Clássicos de Separação ATENÇÃO À SEQUENCIA DAS PRÁTICAS: Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan Plano

Leia mais

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS

QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS QUÍMICA - 3 o ANO MÓDULO 13 SAIS Ácido ídrico eto oso ito ico ato Sal nome do ácido de origem eto ito ato nome do cátion da base de origem +y B x +x A y Como pode cair no enem O etanol é considerado um

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na fgv

CPV O cursinho que mais aprova na fgv QUÍMIA O cursinho que mais aprova na fgv FGV economia 1 a Fase 30/novembro/2008 106. Na figura, é representado o espectro de massa dos isótopos naturais do elemento gálio. 107. O gráfico mostra a radioatividade

Leia mais

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE

PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE PRODUÇÃO DE ZEÓLITAS A PARTIR DE CAULIM PARA ADSORÇÃO DE COBRE E. C. RODRIGUES¹, H. S. ALMEIDA², J. C. F. REIS JR 1, A. C. P. A. SANTOS 1, P. R. O. BRITO 1 e J. A. S. SOUZA 1 1 Universidade Federal do

Leia mais

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Sumário NORMAS OPERACIONAIS Fluxograma dos Pacientes Fluxo de Pacientes antes ou após Cintilografia sem Ergometria e/ou Acompanhantes Fluxo de Pacientes após Ergometria Protocolo

Leia mais

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido.

H = +25,4 kj / mol Neste caso, dizemos que a entalpia da mistura aumentou em 25,4 kj por mol de nitrato de amônio dissolvido. Lei de Hess 1. Introdução Termoquímica é o ramo da termodinâmica que estuda o calor trocado entre o sistema e sua vizinhança devido à ocorrência de uma reação química ou transformação de fase. Desta maneira,

Leia mais

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução?

Soluções I e II. Soluções I e II Monitor: Gabriel dos Passos 28 e 29/05/2014. Material de apoio para Monitoria. 1. O que é uma solução? 1. O que é uma solução? 2. Como podemos classificar as soluções? 3. O que você entende por concentração comum? 4. O que você entende por molaridade? 5. O que você entende por título percentual? 6. O que

Leia mais

Exercícios de Radioatividade

Exercícios de Radioatividade Exercícios de Radioatividade 1. Os Curie empreenderam uma elaborada análise química da uranimite, separando seus numerosos elementos em grupos analíticos: sais de metais alcalinos, de elementos alcalino

Leia mais

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21

QUÍMICA. 32. A neutralização equimolar do HClO com NaOH gera hipoclorito de sódio e água. Questão 21 Questão 21 QUÍMICA A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

International Junior Science Olympiad

International Junior Science Olympiad International Junior Science Olympiad IJSO Brasil 2009 Segunda Fase Gabarito Q U A D R O D E R E S P O S T A S Física Química Biologia A B C D E 01 X 02 X 03 X 04 X 05 X 06 X 07 X 08 X 09 X 10 X A B C

Leia mais

FIEB FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI CURSINHO PREPARATÓRIO PARA VESTIBULARES PROVA DE QUÍMICA 2016

FIEB FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI CURSINHO PREPARATÓRIO PARA VESTIBULARES PROVA DE QUÍMICA 2016 FIEB FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI CURSINHO PREPARATÓRIO PARA VESTIBULARES PROVA DE QUÍMICA 2016 NOME: INSCRIÇÃO: RG: E-MAIL: TEL: INSTRUÇÕES Verifique se este caderno corresponde a sua opção

Leia mais

Lista de exercícios Química prof. Raimundo. 2º. trimestre

Lista de exercícios Química prof. Raimundo. 2º. trimestre Lista de exercícios Química prof. Raimundo. 2º. trimestre 3º. Ens. Médio 2015 NO PORTAL E NA PAPELARIA DESDE 29/05/2015 Resolução comentada no site: www.quimicaevestibular.com.br/cadernobom Dados: C =

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

Oxirredução. O professor recomenda: Estude pelos seguintes livros/páginas sobre a oxirredução e faça os exercícios! 26/10/2011

Oxirredução. O professor recomenda: Estude pelos seguintes livros/páginas sobre a oxirredução e faça os exercícios! 26/10/2011 Oxirredução O professor recomenda: Estude pelos seguintes livros/páginas sobre a oxirredução e faça os exercícios! Shriver Ed 4 Cap.4 p.164-190 Atkins & Jones 1 ED Cap. 12 p. 603-635 Brown Cap. 20 p. 721-754

Leia mais

REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS E ESTEQUIOMETRIA. Prof. Dr. Cristiano Torres Miranda Disciplina: Química Geral QM81A Turmas Q13 e Q14

REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS E ESTEQUIOMETRIA. Prof. Dr. Cristiano Torres Miranda Disciplina: Química Geral QM81A Turmas Q13 e Q14 REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS E ESTEQUIOMETRIA Prof. Dr. Cristiano Torres Miranda Disciplina: Química Geral QM81A Turmas Q13 e Q14 CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS Reações em soluções aquosas

Leia mais

Questão 23 A asparagina ou ácido aspartâmico (fórmula abaixo) é um aminoácido não essencial que apresenta isomeria óptica.

Questão 23 A asparagina ou ácido aspartâmico (fórmula abaixo) é um aminoácido não essencial que apresenta isomeria óptica. QUÍMICA Questão 21 A irradiação é uma técnica utilizada na conservação de alimentos para inibir a germinação, retardar o amadurecimento e destruir bactérias patogênicas. Os isótopos césio 137 e cobalto

Leia mais

3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br

3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br 3213-0597 / 3243-1739 www.cursofiq.com.br Profª Helena Bonaparte Soluções : Concentração, diluição, misturas e neutralização. Unidades de concentração das soluções De acordo com a IUPAC, a quantidade de

Leia mais

EXAME DE CAPACIDADE - IQ-USP. PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM QUÍMICA 1 o SEMESTRE / 2007

EXAME DE CAPACIDADE - IQ-USP. PROVA DE CONHECIMENTOS GERAIS EM QUÍMICA 1 o SEMESTRE / 2007 EXAME DE CAPACIDADE - IQ-USP PROVA DE COHECIMETOS GERAIS EM QUÍMICA 1 o SEMESTRE / 7 Questão 1 a) O que é tempo de meia-vida de um dado reagente numa reação química? b) Determine as expressões para os

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32

Processo Seletivo/UFU - Janeiro 2004-2ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 32 QUÍMICA QUESTÃO 31 Considerando a Tabela Periódica e as propriedades dos elementos químicos, assinale a alternativa correta A) Um metal é uma substância dúctil e maleável que conduz calor e corrente elétrica

Leia mais

Desenvolvimento de método de recuperação de 131 I no

Desenvolvimento de método de recuperação de 131 I no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares Autarquia associada à Universidade de São Paulo Desenvolvimento de método de recuperação de 131 I no processo de produção de 99 Mo pela fissão de 235 U ALINE

Leia mais