Operacionalizar a política de cooperação técnica internacional do país.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Operacionalizar a política de cooperação técnica internacional do país."

Transcrição

1

2 Competências da ABC Operacionalizar a política de cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional recebida pelo país do exterior e aquela mantida junto a países em desenvolvimento. Conceber, aprovar, executar e monitorar projetos de cooperação técnica Sul-Sul.

3 Princípios da Cooperação Sul-Sul Diplomacia solidária. Atuação em resposta a demandas de países em desenvolvimento. Reconhecimento da experiência local e adaptação de experiências brasileiras. Não imposição de condicionalidades. Desvinculada de interesses comerciais ou fins lucrativos

4 Documentos Utilizados na Cooperação Acordos de Cooperação Técnica Ajustes Complementares Programas Executivos Memorandos de Entendimento Protocolos de Intenções Documentos de Projeto Planos de Trabalho

5 Classificação por Setor das Ações de Cooperação Sul-Sul

6 Gráficos Comparativos da Cooperação Sul-Sul Comparativo da Execução de 2007, 2008 e 2009 (US$) ,31% 14,90% 58,79%

7 Execução da Cooperação Sul-Sul por Continente Execução ABC em 2009 (US$) Ásia; ,40; 15% América do Sul; ,81; 23% América Central e Caribe ,51 12% África; ,91; 50%

8 Aumento da Cooperação Triangular com Outros Países No âmbito da Cooperação Brasil-Itália em Moçambique Apoio à Requalificação do Bairro Chamanculo C no âmbito da Estratégia Global de Reordenamento e Urbanização dos Assentamentos Informais do Município de Maputo Instituições Executoras Brasileiras Ministério das Cidades do Brasil Caixa Econômica Federal Instituição Executora de Moçambique Conselho Municipal de Maputo Instituição Executora Italiana Direção Geral Cooperação para o Desenvolvimento da Itália Instituição Executora Internacional Aliança de Cidades Orçamento do Projeto: US$ 2,922,800.00

9 Cooperação Triangular No âmbito da Cooperação Brasil-Japão em Angola Projeto para o Desenvolvimento de Recursos Humanos em Serviços de Saúde em Angola. (2º maior projeto com o Japão) Instituições Executoras Brasileiras ABC - Agência Brasileira de Cooperação Ministério da Saúde e FIOCRUZ Instituições Executoras Angolanas Ministério da Saúde de Angola Hospital Josina Machel Maternidade Lucrécia Paim Diretoria Provincial de Saúde e Centros Instituição Executora Japonesa JICA - Agência de Cooperação Internacional do Japão Orçamento do Projeto: Em negociação

10 Cooperação Triangular No âmbito da Cooperação Brasil-França em Moçambique Capacitação de técnicos Moçambicanos na Área de Agricultura de Conservação Instituições Executoras Brasileiras ABC Agência Brasileira de Cooperação EMBRAPA/Cerrados Instituição Executora de Moçambique Instituto de Investigação Agrária de Moçambique-IIAM Instituição Executora Francesa Governo Francês Instituição Executora Internacional Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento-CIRAD Orçamento do Projeto: US$ 103,500.00

11 Projetos CNI - SENAI 01. Centro de Formação Profissional São Tome e Príncipe Orçamento: US$ 4,523, Situação: Aguarda Assinatura do Ajuste Complementar 02. Centro de Formação Profissional Haiti Orçamento: US$ 4,013, Situação: Aguarda Assinatura do Ajuste Complementar 03. Centro de Formação Profissional Jamaica Orçamento: US$ 4,499, Situação: Em Negociação 04. Centro de Formação Profissional Bolívia Orçamento: US$ 3,778, Situação: Em Elaboração 05. Desenho de Centro Tecn. do Meio Ambiente Paraguai Orçamento: US$ 193, Situação: Em Elaboração 06. Centro de Excelência Brasil-Peru em Tec. Ambientais Orçamento: US$ 193, Situação: Em Negociação

12 Projetos CNI - SENAI 7. Apoio ao Fortalecimento da área de construção civil do Escritório da Formação Profissional e da Promoção do Trabalho Marrocos Orçamento: US$ 2,023, Situação: Em Negociação 8. Apoio ao OFPPT para capacitação de gestores e docentes na área de educação inclusiva Deficientes visuais - Marrocos Orçamento: US$ 700, Situação: Em Negociação 9. Apoio ao OFPPT para capacitação de gestores e docentes na área de educação inclusiva Deficientes físicos Orçamento: US$ 233, Situação: Em Negociação 10. Centro de Formação Profissional Fase II Guiné Bissau Orçamento: US$ 2,361, Situação: Em Execução 11. Centro de Formação Profissional Fase II Cabo Verde Orçamento: US$ 763, Situação: Em Execução

13 Projetos CNI - SENAI 12. Centro de Formação Profissional Fase IV Paraguai Orçamento: US$ 1,726, Situação: Em Execução 13. Centro de Formação Profissional Fase IV Timor Leste Orçamento: US$ 2,361, Situação: Em Execução 14. Centro de Formação Profissional Moçambique Orçamento: US$ 4,233, Situação: Em Execução 15. Centro de Formação Profissional Guatemala Orçamento: US$ 3,378, Situação: Em Execução 16. Programa de reparos automotivos com Suriname Orçamento: US$ 75, Situação: Em Execução 17. Apoio ao Desenvolvimento de Serviços Tecnológicos e de Atividades Educativas do CONALEP - México Orçamento: US$ 166, Situação: Em Execução

14 Projetos Estruturantes Cotton 4 (Benin, Burkina Faso, Chade e Mali). ProSAVANA (Moçambique). Rizicultura (Senegal).

15 Cotton - 4 Apoio ao Desenvolvimento do Setor Algodoeiro dos Países do Cotton-4 (Benin, Burkina Faso, Chade e Mali). Instituições Executoras Brasileiras ABC- Agência Brasileira de Cooperação EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Instituições Executoras do Países Recipiendários IER Instituto de Economia Rural (Mali) INERA Instituto Nacional de Pesquisa Agrícola e Ambientais (Burkina Faso) INRAB Instituto Nacional de Pesquisas Agrícolas do Benin ITRAD Instituto Chadiano de Pesquisas Agrícolas para o Desenvolvimento Orçamento da ABC: US$ 5,219,451.00

16 ProSAVANA Programa de cooperação Triangular para o desenvolvimento agrícola das Savanas Tropicais em Moçambique. Instituições Executoras Brasileiras ABC- Agência Brasileira de Cooperação EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMATER-DF Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural SENAR Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Instituição Executora do Japão JICA Agência de Cooperação Internacional do Japão Projeto em fase final de elaboração Orçamento Previsto para os próximos 20 anos: US$ 500,000,000.00

17 Apoio ao desenvolvimento da Rizicultura Contribuir para o aumento da competitividade da cadeia produtiva do arroz. Instituições Executoras Brasileiras ABC- Agência Brasileira de Cooperação EMBRAPA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMATER Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural SEAPA Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Instituição Executora do Senegal ISRA Instituto de Pesquisa Agropecuária do Senegal Orçamento da ABC: US$ 1,842, Orçamento do Projeto: US$ 2,384,078.00

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL Organograma da ABC O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA

COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA COOPERAÇÃO SUL-SUL BRASILEIRA Representação organizacional da ABC O Mandato da ABC Negociar, aprovar, coordenar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA. Organograma da ABC. Cooperação Técnica Brasileira

COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA. Organograma da ABC. Cooperação Técnica Brasileira COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASILEIRA Organograma da ABC 1 O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Relações Brasil-África:

Relações Brasil-África: 53 Relações Brasil-África: cooperação técnica e comércio Lia Valls Pereira Em 2008, o governo brasileiro lançou a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP). No capítulo sobre Destaques Estratégicos temas

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo I - 48 - I. SITUAÇÃO DOS CENTROS PAN-AMERICANOS. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo I - 48 - I. SITUAÇÃO DOS CENTROS PAN-AMERICANOS. Introdução Anexo I - 48 - I. SITUAÇÃO DOS CENTROS PAN-AMERICANOS Introdução 1. Este documento foi elaborado em resposta ao mandato dos Órgãos Diretivos da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) para realizar avaliações

Leia mais

Agência de Cooperação Internacional do Japão na República de Angola

Agência de Cooperação Internacional do Japão na República de Angola Agência de Cooperação Internacional do Japão na República de Angola O que é JICA? Agência Internacional vinculada ao Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão Órgão responsável pela IMPLEMENTAÇÃO de

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR FNDE MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Atendimento universal Território de 8,5 milhões de km2 27 estados 5.569 municípios 170.000 escolas 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas

Leia mais

Cooperação Técnica: Chave para a Inovação. Formación profesional, sostenibilidad empresarial y trabajo decente

Cooperação Técnica: Chave para a Inovação. Formación profesional, sostenibilidad empresarial y trabajo decente Cooperação Técnica: Chave para a Inovação Contexto Internacional Atual Redução da cooperação técnica proveniente de países desenvolvidos Predominância dos temas pobreza, segurança, meio ambiente e energia

Leia mais

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

RELAÇÕES INTERNACIONAIS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Economist Criação with a MBA in Business Strategy Missão from the Getulio Vargas. Has titles Fatos of Master & Números of Financial Economics, University of London and International

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

AGRICULTORES FAMILIARES

AGRICULTORES FAMILIARES Temas para o Diálogo Brasil-África em termos de Segurança Alimentar, Combate à Fome e Desenvolvimento Rural Brasília, de 10 a 12 de maio de 2010 AGRICULTORES FAMILIARES Transferência de Tecnologia - Recursos

Leia mais

Prezados coordenadores:

Prezados coordenadores: Prezados coordenadores: A Pró-Reitoria de Extensão divulga os projetos contemplados no edital de extensão de 2013. É importante informar que por ocasião da necessária equiparação do valor da bolsa universidade

Leia mais

IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos

IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos IV Seminário de Execução Financeira de Projetos Financiados com Recursos Externos OO f i c i n a 2 Cooperação Técnica: Acordos Internacionais (Regras, Procedimentos e Utilização de Sistemas) Brasília,

Leia mais

Seminários CEsA 2012. 26 de Abril de 2012. Brasil em África: a cooperação. Gerhard Seibert

Seminários CEsA 2012. 26 de Abril de 2012. Brasil em África: a cooperação. Gerhard Seibert Seminários CEsA 2012 26 de Abril de 2012 Brasil em África: a cooperação Gerhard Seibert Centro de Estudos Africanos (CEA), ISCTE-IUL 1. Enquadramento político-histórico 2. História Relações Brasil - África

Leia mais

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana

Date 5 may 2015. SISTEMA S - Brasil. Dionisio Parise. SENAI Departamento Regional do Parana Date 5 may 2015 SISTEMA S - Brasil Dionisio Parise SENAI Departamento Regional do Parana AGRICULTURA INDÚSTRIA COMÉRCIO SISTEMA S EMPREENDEDORISMO COOPERATIVISMO TRANSPORTE CNA Confederação da Agricultura

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Atualizações com base na Lei 11.947/2009 Alaíde Oliveira do Nascimento Coordenadora de fomento ao Controle Social

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOVERNO DO JAPÃO PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA TERCEIROS PAÍSES (TCTP) XII CURSO INTERNACIONAL SOBRE DOENÇAS TROPICAIS

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOVERNO DO JAPÃO PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA TERCEIROS PAÍSES (TCTP) XII CURSO INTERNACIONAL SOBRE DOENÇAS TROPICAIS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOVERNO DO JAPÃO PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA TERCEIROS PAÍSES (TCTP) XII CURSO INTERNACIONAL SOBRE DOENÇAS TROPICAIS BRASIL - 2007 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 04 2. INFORMAÇÕES

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Menezes, Ana Cláudia Brasil é parceiro na alfabetização

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16. Juntos vamos mais longe...

Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16. Juntos vamos mais longe... Programa de Internacionalização Agronegócios CPLP 2015/16 Juntos vamos mais longe... foto: www.verangola.net A CAL - Câmara Agrícola Lusófona - é uma associação empresarial sem fins lucrativos que promove

Leia mais

Relatório de Virgínia Dandan, especialista independente em direitos humanos e solidariedade internacional

Relatório de Virgínia Dandan, especialista independente em direitos humanos e solidariedade internacional Assembleia Geral das Nações Unidas Distr.: Geral 10 de Agosto de 2012 Original: Inglês Conselho de Direitos Humanos 23ª Sessão Agenda item 3 Promoção e proteção de todos os direitos humanos, civis, econômicos,

Leia mais

SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE

SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE Base documental: a) Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009 - dispõe sobre

Leia mais

Rede Latino-americana para Implementação do Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura - LANIIT

Rede Latino-americana para Implementação do Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura - LANIIT Rede Latino-americana para Implementação do Tratado Internacional sobre os Recursos Fitogenéticos para Alimentação e Agricultura - LANIIT II Workshop Regional: Nordeste do Brasil Cruz das Almas, 21-22

Leia mais

TECNOLOGIAS NA AGRICULTURA BRASILEIRA E POTENCIAIS PARA COOPERAÇÃO COM A ÁFRICA

TECNOLOGIAS NA AGRICULTURA BRASILEIRA E POTENCIAIS PARA COOPERAÇÃO COM A ÁFRICA TECNOLOGIAS NA AGRICULTURA BRASILEIRA E POTENCIAIS PARA COOPERAÇÃO COM A ÁFRICA Contribuição para Diálogos Julho, 2013 Laura Antoniazzi Andre Nassar Paula Moura Willian Kimura Índice Agradecimentos 3 Sumário

Leia mais

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG.

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Competências da Divisão: Tratamento político dos temas educacionais nos fóruns multilaterais

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA PPGeog EDITAL N 001/2016 BOLSA DE MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA PPGeog EDITAL N 001/2016 BOLSA DE MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA PPGeog EDITAL N 001/2016 BOLSA DE MESTRADO O programa de Pós-graduação em Geografia PPGeog da Universidade Federal de São João del-rei, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Programa de Parceira Brasil-OIT para a Promoção da Cooperação Sul-Sul VI Reunião Anual Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT

Programa de Parceira Brasil-OIT para a Promoção da Cooperação Sul-Sul VI Reunião Anual Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT VI Reunião Anual Programa de Cooperação Sul-Sul Brasil-OIT Brasília, 16 de maio de 2012 Março/2009: definição do marco jurídico e institucional do Programa de Parceria: Ajuste Complementar assinado pelo

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 1. Antecedentes O Brasil e o Japão mantêm um acordo básico de Cooperação Técnica regido, no âmbito brasileiro, pelo Decreto nº 69.008, de 4 de agosto

Leia mais

Planejamento Estratégico Institucional

Planejamento Estratégico Institucional Planejamento Estratégico Institucional Planejamento Estratégico 2011 Institucional 2012 2013 2010 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO no IFB Planejamento Estratégico Processo que define os objetivos e estratégias

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.332, DE 19 DE OUTUBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde

eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde II Reunião de Coordenação da rede BVS eportuguêse Maputo 17 a 20 de novembro de 2009 Rede eportuguêse Plataforma para fortalecer

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

O Brasil na CPLP Uma modalidade de cooperação Sul-Sul

O Brasil na CPLP Uma modalidade de cooperação Sul-Sul O Brasil na CPLP Uma modalidade de cooperação Sul-Sul SAULO ARANTES COELIN A Cooperação Sul-Sul O termo cooperação, tomado em seu sentido mais amplo, constitui atualmente a essência da prática diplomática

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE. Eduardo Manyari Coordenação Geral do PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE. Eduardo Manyari Coordenação Geral do PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE Eduardo Manyari Coordenação Geral do PNAE Definição da Alimentação Escolar Entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar,

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 798, DE 2015 (DE INICIATIVA DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA)

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 798, DE 2015 (DE INICIATIVA DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA) SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 798, DE 2015 (DE INICIATIVA DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA) O Congresso Nacional decreta: Institui o Programa Ciência

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO <BRA/04/044>

COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO <BRA/04/044> COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO BRASIL ANGOLA FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ANGOLA Brasília, maio de 2006 BASE LEGAL: Acordo Básico de Cooperação Econômica, Científica

Leia mais

DIRETORIA DE PROGRAMAS COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS CGPE EDITAL CAPES/MEC E SECEX/MDIC Nº 19/2009 PRÓ-COMEX

DIRETORIA DE PROGRAMAS COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS CGPE EDITAL CAPES/MEC E SECEX/MDIC Nº 19/2009 PRÓ-COMEX Instruções para Apresentação de Projetos do Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa em Desenvolvimento e Promoção do Comércio Exterior PRÓ-COMEX C A P E S DIRETORIA DE PROGRAMAS COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE CONVOCATÓRIA DE SUBMISSÃO DE SUBPROJETOS EM RESPOSTA AO

Leia mais

EIXOS E PROGRAMAS ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIX. EIXO 2 -Conhecimento e inovação tecnológica

EIXOS E PROGRAMAS ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIX. EIXO 2 -Conhecimento e inovação tecnológica ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIX EIXOS E PROGRAMAS EIXO 2 -Conhecimento e inovação tecnológica Programa de fortalecimento da capacidade de pesquisa e desenvolvimento tecnológico Programa de inovação

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Intercâmbio, Informações, Estudos e Pesquisas

Intercâmbio, Informações, Estudos e Pesquisas Intercâmbio, Informações, Estudos e Pesquisas 1 de 11 Para entender o Regulamento de Avaliação da Conformidade IIEP São Paulo, agosto de 2008 2 de 11 A Certificação Profissional no Brasil Em 04 de dezembro

Leia mais

UEPB UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ - REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UEPB UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ - REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UEPB UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ - REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS EDITAL PARA BOLSAS DE EXTENSÃO CONCEDIDAS A PROJETOS SELEÇÃO 2009 A Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova.

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova. PROJETO DE LEI Nº 143/2009 Cria o Comitê Gestor do Programa Cultivando Água Boa da Itaipu Binacional, no âmbito do Município de Foz do Iguaçu, e dá outras providências. Autor: Vereador Nilton Bobato. A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA (UNILAB) RESOLUÇÃO N 13/2013, DE 06 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre a criação do Programa de Apoio à participação de discentes de graduação e pós-graduação em Eventos Cientificos, Tecnológicos, Esportivos, Culturais

Leia mais

II Seminário Internacional do Programa Estudante Convênio PEC-G

II Seminário Internacional do Programa Estudante Convênio PEC-G II Seminário Internacional do Programa Estudante Convênio de Graduação PEC-G 28 a 30 de maio de 2008 Universidade Federal de Uberlândia Prof. Nivaldo Cabral Kuhnen Escritório de Assuntos Internacionais/UFSC

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 18 DE 21 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner)

PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 928, DE 2011 (Do Sr. Paulo Wagner) Dispõe sobre o Programa Escola Aberta nas escolas públicas urbanas de educação básica. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-7157/2010.

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista Plano de Ensino Disciplina: PROJETOS EMPRESARIAIS Código: Série: 4º Obrigatória ( X ) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 80h Período Letivo: 2015 Obs: Objetivos - Introduzir o aluno no ambiente

Leia mais

O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro

O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro O BID E A AGRICULTURA NA ALC - Financiando oportunidades para o desenvolvimento do setor cafeeiro 4.º Fórum Consultivo da Organização Internacional do Café (OIC) Londres, Reino Unido, 23 de setembro de

Leia mais

LEI N. 6.314 /2013. (Institui o Programa Municipal de Hortifrutigranjeiros e Viveiros) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA:

LEI N. 6.314 /2013. (Institui o Programa Municipal de Hortifrutigranjeiros e Viveiros) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA: LEI N. 6.314 /2013 (Institui o Programa Municipal de Hortifrutigranjeiros e Viveiros) A CÂMARA MUNICIPAL DE RIO VERDE-GO APROVA: Art. 1 0 Fica instituído o PROGRAMA MUNICIPAL DE HORTIFRUTIGRANJEIROS E

Leia mais

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos GEOpress VENEZUELA URUGUAI TIMOR LESTE S.TOMÉ E PRÍNCIPE REP. DOMINICANA PORTO RICO CHILE CABO VERDE COLÔMBIA PERÚ COSTA RICA BRASIL PARAGUAI CUBA BOLÍVIA PANAMÁ EL SALVADOR ARGENTINA Língua Portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as que compõem o currículo pleno do curso

Leia mais

Fundação Cultural Palmares

Fundação Cultural Palmares Fundação Cultural Palmares 2012 Cooperação Brasil-África Programa de Cooperação Cultural Brasil-África Programa de Gestão de Sítios Históricos Ligados ao Tráfico Negreiro e à Escravidão Página 2 Programa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº Institui

PROJETO DE LEI Nº Institui PROJETO DE LEI Nº Institui o Programa Agricultura Familiar Urbana na Escola Cidadã, priorizando, para a merenda escolar, a aquisição de hortifrutigranjeiros da agricultura familiar de Canoas. Art. 1. Fica

Leia mais

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ANEXO À DELIBERAÇÃO Nº 125, DE 06 DE JULHO DE 2006. NORMAS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 25/11/2015, Seção 1, Pág. 22. Portaria n 1.086, publicada no D.O.U. de 25/11/2015, Seção 1, Pág. 21. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Síntese da Conferência

Síntese da Conferência Síntese da Conferência Sob o lema Saneamento para Todos, Responsabilidade de Todos realizou-se de 14 a 16 de Maio de 2014, a Conferência Nacional de Saneamento, no Centro de Conferências Joaquim Chissano,

Leia mais

1.1. Antecedentes do Estudo

1.1. Antecedentes do Estudo CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1. Antecedentes do Estudo 1.1.1. Antecedentes do Estudo A estrutura básica do Programa de Cooperação Triangular para o Desenvolvimento Agrícola da Savana Tropical em Moçambique

Leia mais

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FISICA - LICENCIATURA ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES)

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO FISICA - LICENCIATURA ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES) ATIVIDADES ACADÊMICO CIENTÍFICO CULTURAIS (ATIVIDADES COMPLEMENTARES) As Atividades Acadêmico Científico Culturais (denominadas Atividades Complementares) têm como objetivo estimular no acadêmico na obtenção

Leia mais

Biometano do Agronegócio como combus3vel veicular

Biometano do Agronegócio como combus3vel veicular Biometano do Agronegócio como combus3vel veicular II Fórum de Biogás 2 de Dezembro de 2015 São Paulo Rodrigo Regis de Almeida Galvão Diretor Presidente Inovação I9 Inovação não se ensina ou se aprende

Leia mais

O papel do nutricionista no fortalecimento das Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Novembro de 2015

O papel do nutricionista no fortalecimento das Políticas Públicas e Desenvolvimento Local. Novembro de 2015 O papel do nutricionista no fortalecimento das Políticas Públicas e Desenvolvimento Local Novembro de 2015 1990 Há 1 ano o Brasil comemora a saída do Mapa da Fome UMA GRANDE CONQUISTA TRAZ UM NOVO DESAFIO

Leia mais

SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO

SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Agricultura Familiar na Alimentação Escolar SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Lei 11.947/09 Visão de Futuro, Oportunidades e Desafios PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar Necessidades Alimentação Escolar

Leia mais

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015)

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015) Boletim Econômico (Agosto 2015) I. Movimentação Portuária As estatísticas de movimentação portuária, publicada pela ANTAQ, referente ao primeiro trimestre de 2015 mostram que os portos organizados e os

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTOS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO SUPERIOR DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Hortolândia 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES EDITAL Nº 036/2012 Chamada para Publicação Revista Brasileira de Pós-Graduação RBPG Edição Temática: A pós-graduação e o desenvolvimento

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 21.624/2015

PROJETO DE LEI Nº 21.624/2015 PROJETO DE LEI Nº 21.624/2015 Institui o Projeto Estadual de Auxílio Permanência aos estudantes em condições de vulnerabilidade socioeconômica das Universidades Públicas Estaduais da Bahia e dá outras

Leia mais

2 Quando da seleção prevista no parágrafo anterior as respectivas Secretarias de Educação deverão observar os seguintes critérios:

2 Quando da seleção prevista no parágrafo anterior as respectivas Secretarias de Educação deverão observar os seguintes critérios: Resoluções Resolução/CD/FNDE nº 31, de 22 de julho de 2013 Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes operacionais e regulamentares do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), às escolas

Leia mais

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional.

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional. ENQUADRAMENTO Portugal plataforma intercontinental e polo de inovação Portugal tem de conseguir capitalizar nos negócios, na academia e nas instituições a enorme vantagem que é integrar o espaço lusófono.

Leia mais

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Hilda Lorena Freitas Agente PNAE/REBRAE Cecane/UNB A partir da Lei n. 11.947/2009 Art. 14. Do total dos recursos financeiros

Leia mais

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) O Projeto RN Sustentável, Acordo de Empréstimo (8276-BR) firmado entre o Governo do

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO. A Diretoria de Extensão torna pública aos servidores ativos do IF Goiano

CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO. A Diretoria de Extensão torna pública aos servidores ativos do IF Goiano SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO câmpus MORRINHOS CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE

Leia mais

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012

Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Documento final das consultas regionais sobre o Programa de Desenvolvimento pós-2015, Dacar, Senegal 10/11 de dezembro de 2012 Contexto Os objetivos do Milénio para o desenvolvimento (OMD) tiveram como

Leia mais

PEP/2015-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE

PEP/2015-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1 PEP/2015-3ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA-SAÚDE 1ª QUES TÃ O (Valor 6,0) Comparar a população das Regiões Sul e Sudeste do Brasil com as das Regiões Centro-Oeste, Norte

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

䇾Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro,

䇾Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, 䇾Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. Então eu preciso participar das decisões que interferem na minha vida.䇿 (Herbert de Souza Betinho) CONSELHOMUNICIPALDOSDIREITOS

Leia mais

Painel 4 Cooperação para o desenvolvimento da África: estudos de caso de Brasil e China. O caso da Caixa Econômica Federal

Painel 4 Cooperação para o desenvolvimento da África: estudos de caso de Brasil e China. O caso da Caixa Econômica Federal Painel 4 Cooperação para o desenvolvimento da África: estudos de caso de Brasil e China O caso da Caixa Econômica Federal 149 Anos de existência 49,4 milhões de clientes 27.242 pontos de atendimento 81

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES

Ministério da Educação - MEC Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Programa: 2007 janeiro-2007 a janeiro-2007 90 80 70 60 50 40 30 20 10 Programa: 2006 janeiro-2006 a dezembro-2006 90 80 70 60 50 40 30 20 10 TIMOR LESTE Programa: 2005 janeiro-2005 a dezembro-2005 90 80

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES POLÍTICA DE RELACIONAMENTO CORPORATIVO COM GRANDES CLIENTES CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA SESI, SENAI E IEL GERÊNCIA EXECUTIVA DE RELAÇÕES COM O MERCADO BRASÍLIA,

Leia mais

Ofício Circular n tssí /2013-SEC

Ofício Circular n tssí /2013-SEC corregedoria geral da justiça do estado de goiás poderjudr lírio Corregedoria-Geral da Justiça Secretaria Executiva Ofício Circular n tssí /2013-SEC Expediente n 4602765/2013 Goiânia M de 2013. Aos Magistrados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO UNIFESP ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO UNIFESP ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO UNIFESP ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Osasco Setembro de 2015 CAPÍTULO

Leia mais

AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO

AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO AGENCE BRÉSILIENNE DE COOPÉRATION - LA COOPÉRATION TECHNIQUE DU BRÉSIL EN AFRIQUE BRAZILIAN COOPERATION AGENCY - BRAZILIAN TECHNICAL COOPERATION IN AFRICA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO A COOPERAÇÃO

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Máquinas e Implementos Agrícolas, sobre:

Perspectiva da Indústria de Máquinas e Implementos Agrícolas, sobre: Perspectiva da Indústria de Máquinas e, sobre: Desafios do agronegócio continuar líder em produtividade e inovações tecnológicas em meio às incertezas nacional e internacional. Maximização do uso das tecnologias

Leia mais

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP Introduction to Latin American Economies Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP América Latina México América Central Guianas América Andina América Platina Brasil México América Latina México América Central

Leia mais

Introdução. Brasil: Mapa do Desemprego. Nilo Otani

Introdução. Brasil: Mapa do Desemprego. Nilo Otani Nilo Otani Introdução Brasil - Censo 2010/IBGE: - 190 mi habitantes: 85% na cidade, 15% no campo; - 51% mulheres, 49% homens. 10% analfabetos. - 50% da população = rendimento mensal (familiar per capita/por

Leia mais

Província de Cabinda

Província de Cabinda Província de Cabinda Conselho de Ministros Decreto-Lei n.º 1/07 De 2 de Janeiro Considerando a necessidade da aprovação do Estatuto Especial para a Província de Cabinda estabelecido nos termos do Memorando

Leia mais

2º. Por se tratar de bolsa de estudo, não haverá incidência de pagamento de 13º (décimo terceiro) salário, férias ou demais direitos trabalhistas.

2º. Por se tratar de bolsa de estudo, não haverá incidência de pagamento de 13º (décimo terceiro) salário, férias ou demais direitos trabalhistas. SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI N. 08, DE 01 DE FEVEREIRO 2016 Dispõe sobre o Programa de Residência Médica do Município de Lucas do Rio Verde, disciplina o pagamento de bolsa destinada aos Médicos Residentes

Leia mais