Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo"

Transcrição

1 Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013

2 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades; Diretrizes; Objetivos gerais e específicos do Plano; Programas -ações estratégicas e projetos; Prazos de execução (cronograma executivo); Resultados e impactos esperados; Recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis e necessários; Mecanismos e fontes de financiamento; e Indicadores de monitoramento e avaliação.

3 Produtos: Plano de ação para a cultura Paracatu Programa de formação cultural para Paracatu

4 ETAPA I: COMO ESTAMOS?

5 Diagnóstico São as explicações da realidade na qual se quer atuar e mudar. Identifica fragilidades e fortalezas, ameaças e oportunidades, a partir da perspectiva dos atores sociais envolvidos no planejamento e de dados e fatos levantados e tecnicamente analisados. Documento já disponibilizado para análise do grupo.

6 Desafios e Oportunidades É a percepção do que precisa ser superado e alavancado pelo município Desafios e oportunidades estimulam a Desafios e oportunidades estimulam a superação de situações adversas, impulsionam o interesse coletivo e mobilizam iniciativas. É equilíbrio entre exigências e potencial, mantendo viva a capacidade de ousar.

7 Desafios Desafio 1 Mobilização de agentes públicos e privados para a implantação do plano de ação Desafio 2 Implantação do Sistema Municipal de Cultura, propiciando a integração de Paracatu ao Sistema Nacional de Cultura. Desafio 3 Ampliação e articulação de ações voltadas à valorização e à preservação do patrimônio cultural, material e imaterial, e natural do município. Desafio 4 - Promoção da atuação transversal da política de cultura com outras políticas públicas, como educação, turismo, meio ambiente, segurança pública e desenvolvimento socioeconômico. Desafio 5 Incentivo ao empreendedorismo cultural e ao desenvolvimento econômico na área da cultura. Desafio 6 Estimulo e fomento à profissionalização no campo da cultura. Desafio 7 Reconhecimento, valorização e fomento à produção cultural local. Desafio 8 - Afirmação e divulgação da cultura Paracatuense como fator de inclusão social, e de desenvolvimento local e regional, promovendo a cidadania e a democratização cultural. Desafio 9 Sensibilização de potenciais parceiros, como empresas e instituições de ensino da cidade, para a viabilização de programas, projetos e ações culturais diversos, com financiamentos, pesquisas e atividades de formação...

8 Oportunidades Oportunidade 1 - Patrimônio cultural (tombado pelo IPHAN como Patrimônio Cultural Brasileiro), com grande potencial turístico. Oportunidade 2 Políticas e programas públicos, estaduais e federais, de financiamento e fomento à cultura. Oportunidade 3 Presença de grandes empresas e instituições de ensino e pesquisa na cidade. Oportunidade 4- Sociedade civil organizada adepta à causa cultural. Oportunidade 5-...

9 ETAPA II ONDE QUEREMOS CHEGAR?

10 Diretrizes Estabelecem critérios de alinhamento e de delimitação do campo de atuação do Plano, estabelecendo parâmetros e orientações para o desenvolvimento dos programas e projetos para a cidade. As diretrizes dão rumo e direção ao Plano

11 Diretrizes As primeiras diretrizes, como gerais de orientação, alinhadas pelo grupo, durante dinâmica de construção coletiva, foram: 1. Institucionalização e organização da cultura; 2. Formação profissional para a área cultural; 3. Patrimônio material e imaterial; 4. Fomento à produção cultural; 5. Democratização do acesso à cultura; 6. Comunicação; 7. Financiamento à cultura; 8. Espaços Culturais; 9. Identificação e fortalecimento das interfaces com a cultura; 10. Mapeamentos, registros, estudos e pesquisas; 11. História cultural.

12 Diretriz 1 - Institucionalização e organização da cultura Esta diretriz tem como foco o desenvolvimento de programas, projetos e ações por parte do poder público com vistas à estruturação e à organização do setor cultural da cidade, fortalecendo as instituições públicas de cultura e, consequentemente, proporcionando o reconhecimento do setor cultural como um dos fortes elementos de desenvolvimento local. Abrange a constituição de uma política pública de cultura para a cidade, baseada em princípios democráticos e na viabilização de ações planejadas e contínuas, tendo como parâmetro as políticas integradas nos âmbitos estadual e federal, em especial o Sistema Nacional de Cultura. Estão inclusos os programas, projetos ou ações: de comunicação (interna e externa), constituintes de um plano de comunicação estratégica para a cidade, valorizando as suas potencialidades artísticas e culturais, o patrimônio material e imaterial, seus bens e serviços culturais e turísticos; voltados à garantia da perenidade de aportes financeiros para o setor cultural; destinados à identificação e ao fortalecimento das interfaces com a cultura, visando a interlocução e desenvolvimento conjunto de projetos e ações e a articulação e transversalidade de políticas públicas setoriais; e com objetivos de conhecimento e reconhecimento do ambiente cultural da cidade, com vistas ao desenvolvimento de políticas culturais consistentes.

13 Diretriz 2 - Formação profissional para a área cultural A formação profissional para a área cultural é uma diretriz fundamental para o seu desenvolvimento, visto que a estruturação do setor público ou privado requer agentes capacitados para atender à complexidade exigida em um processo organizacional do setor. Ela abrange o desenvolvimento de programa, projetos e ações de formação cultural, voltados a toda a cadeia produtiva da cultura da cidade.

14 Diretriz 3 - Patrimônio material e imaterial Esta diretriz abarca objetos primordiais do trabalho a ser desenvolvido no campo da cultura em Paracatu, considerando seu relevante conjunto arquitetônico, representado pelo Núcleo Histórico de Paracatu, tombado, em 2010, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), como Patrimônio Cultural Brasileiro. Cabem aqui programas, projetos e ações voltados ao reconhecimento, valorização, preservação e salvaguarda de bens patrimoniais materiais e imateriais, expressos pelas manifestações tradicionais da cultura, que podem ser representada pelas tradições quilombolas, além dos Saberes, relacionados à culinária típica de Paracatu; e também aqueles voltados à valorização e divulgação do legado histórico da cidade, uma das principais fontes de sua riqueza cultural e, consequentemente, de fomento à atividade turística de natureza cultural.

15 Diretriz 4 - Fomento à produção cultural Considerando a diversidade da produção artística e cultural da cidade, esta diretriz deverá abordar programas, projetos e ações para incrementar a produção local, por meio do incentivo à formalização e empreendedorismo da classe artística, criação de mecanismos ampliação do acesso a recursos financeiros e formativos, bem como garantir a manutenção de grupos de manifestações tradicionais. Abarcará também programas, projetos e ações com objetivos de criação, adaptação e potencialização de espaços culturais, em acordo com as demandas identificadas.

16 Objetivos Gerais e Específicos Objetivos são situações ou resultados pretendidos para alcançar no futuro desejado. São gerais quando formulados numa ampla perspectiva de propósitos e se desdobram em específicos quando são focados em alvos mais minuciosos no horizonte do Plano.

17 Objetivos gerais e específicos Objetivos gerais: 1.Dotar a cidade de Paracatu de um plano de ação norteador da execução de iniciativas voltadas à organização e ao desenvolvimento do seu setor cultural 2. Adequar a estrutura do setor público da cultura de Paracatu aos critérios estabelecidos pelo Ministério da Cultura, para a participação no Sistema Nacional de Cultura 3. Promover, valorizar e potencializar os bens artísticos e culturais da cidade, como centrais no processo de desenvolvimento socioeconômico e turístico da região

18 Objetivos específicos 1.1 Legitimar o documento produzido, por meio de sua apresentação e discussão pública, reunindo e envolvendo comunidades, produtores de cultura e autoridades do município Identificar e sensibilizar agentes com interfaces para a execução do Plano. 1.3.

19 Objetivos específicos 2.1. Subsidiar a elaboração de um Plano Municipal de Cultura, como um dos requisitos para a participação no Sistema Nacional de Cultura Incentivar a criação de um fundo municipal de fomento à cultura Estruturar e fortalecer o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Artístico e Paisagístico de Paracatu, ampliando o seu escopo com a inclusão das políticas públicas de cultura Divulgar e estimular a adesão de agentes e serviços culturais da cidade ao Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais SNIIC.

20 Objetivos específicos 3.1.Identificar, valorizar e incentivar as ações culturais já existentes; 3.2. Estimular novas iniciativas voltadas aos diversos campos da cultura e da arte; 3.3. Implementar ações de formação profissional voltadas às diversas áreas artísticas e culturais, técnicas e de gestão. 3.4.Estimular o empreendedorismo na área cultural Fidelizar e ampliar a rede de parceiros para o desenvolvimento da cultura no município.

21 ETAPA III COMO FAZER E QUANDO CHEGAREMOS LÁ?

22 Programas (ações estratégicas e projetos) Os programas têm por finalidade orientar a proposição de ações, constituindo-se em um conjunto de projetos, alinhados quanto ao seu objetivo maior. Devem sempre ser definidos em consonância com os escopos instituídos pelas diretrizes. Eles permitem a otimização de recursos financeiros, recursos humanos, potencializam as ações de comunicação e marketing, além de serem fundamentais para atingir suas metas e consolidar seus objetivos.

23 Programas 1 - Programa Institucional (qual o melhor nome? ) 2 - Programa de fomento e difusão da produção artística e cultural (um ou dois programas?) 3 - Programa de valorização do patrimônio cultural e natural 4 - Programa de Formação Cultural

24 1 - Programa Institucional (qual o melhor nome? ) Ações estratégicas: :: desenvolvimento de ferramentas de comunicação, para a sistematização de dados e informações institucionais, visando a facilitação do fluxo dessas informações para população e turistas. :: identificação, análise e diversificação de fontes de recursos financeiros, como leis de incentivo à cultura; editais públicos e privados; fundos de cultura; receitas próprias. :: construção de parcerias permanentes e desenvolvimento de trabalhos em rede de cooperação. :: reconhecimento e estabelecimento de interfaces com outras áreas, visando intervir propositivamente para a criação e consolidação de parcerias de trabalho e para o desenvolvimento de ações integradas com a educação, o desenvolvimento social, o turismo, a indústria e comércio, a saúde e a segurança pública, entre outras.

25 1 - Programa Institucional (qual o melhor nome? ) Ações estratégicas: :: divulgação e estímulo à inscrição de instituições, espaços, grupos, bens e profissionais da área cultural no Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais SNIIC, plataforma de difusão de dados culturais, criada pelo Ministério da Cultura, como ferramenta essencial do Sistema Nacional de Cultural. :: fomento, estímulo e realização de estudos e pesquisas na área cultural, como subsídio à formulação de políticas públicas de cultura consistentes e condizentes com a realidade cultural da cidade. Propostas de Projetos

26 1 - Programa Institucional (qual o melhor nome? ) projetos/ações Propostas de Projetos e ações 1 Plano de Comunicação; 2- Acompanhar a aprovação do projeto de Lei 2814 que dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Cultura e sua posterior regulamentação; 3 Seminário Municipal de Políticas Públicas (transversalidades das políticas culturais, incluindo a iniciativa privada e terceiro setor) 4- Mapeamento da cadeia produtiva do setor cultural de Paracatu (em andamento Kinross); 4 Sugerir projetos de lei de iniciativas públicas que beneficie a cultura em Paracatu, participando das discussões coletiva (setores público, privado e terceiro setor); 6 Evento de apresentação pública do Plano de Ação para Paracatu. 7 Paracatu Bonito discutir o slogan e seu uso (direito de uso). 8 Projeto Âncora: estruturar um projeto mais amplo (ideia inicial Revelando Paracatu (rural culinária tradicional, artesanato...)

27 2 - Programa de fomento e difusão da produção artística e cultural Ações estratégicas: :: desenvolvimento de ações descentralizadas, abrangentes e diversas, que visem garantir a formação de público, criando o hábito e o desejo de frequentar ambientes culturais. :: integração, organização e gerenciamento, com base em ferramentas atuais de gestão, dos espaços culturais, otimizando recursos financeiros e humanos, agendas e curadorias. :: Criação e implantação de novos espaços culturais, tendo como base o levantamento da reais demandas. :: Estímulo e apoio à constituição, profissionalização e manutenção de coletivos artísticos.... Propostas de Projetos

28 2 - Programa de fomento e difusão da produção artística e cultural - projetos (um ou dois programas?? Fomento: 1 TV Caroço (Audiovisual/Conscienciarte); 2 - Festival de Música (SESC/ADESP), relaciona com o programa 4; 3 Festival de Cultura Sérgio Ulhôa 1ª edição; Difusão: 1 Feira Municipal de Artesanato de Paracatu (Casa do Artesão) ; 2- Expocatu (COOPERVAP); 3- Salão de Fotografia (Casa de Cultura); 4- Carnaval de Outrora (SMC) 5 Catálogo de Artesanato (Kinross 6 Catálogo de Gastronomia (Kinross

29 3 - Programa de valorização do patrimônio cultural e natural Ações estratégicas :: criação e disponibilização de banco de dados com informações e dossiês acerca dos bens materiais, para subsidiar ações variadas de valorização e divulgação do patrimônio edificado. :: ampliação das ações de educação patrimonial. :: continuidade as atividades de sinalização do patrimônio cultural. :: divulgação dos bens patrimoniais da cidade, por meio das embalagens dos produtos alimentícios. :: fomento aos grupos e manifestações tradicionais da cultura. :: articulação com a Fundação Palmares, para a viabilização de projetos de pesquisa e fomento às comunidades quilombolas.... Propostas de Projetos

30 3 - Programa de valorização do patrimônio cultural e natural - projetos 1 - Descubra Patrimônio Paracatuense (ADESP); 2- Educação Patrimonial (SMC); 3- Garimpeiras de História (Casa do Artesão), relaciona com os programas 2 e 4; 4 Quitandeiras de Paracatu (Casa do Artesão/ Programa Integrar), relaciona com o programa 4; 5 Feira da Cachaça (Sec. Mun. De Comércio, Indústria e Turismo); 6 Café com Prosa (SMC) 7 Curso de capacitação para o comércio e indústria investimento em cultura e turismo (Demanda que saiu da Conferência Intermunicipal)

31 4 - Programa de Formação Cultural Ações estratégicas :: elaboração e implantação de um programa de formação para a área cultural, abrangendo as áreas artísticas, técnicas, gerenciais e de produção, acompanhando as discussões contemporâneas sobre o tema e a modernização de ferramentas de trabalho e de equipamentos disponíveis no mercado. :: articulação e estabelecimento de parcerias com as instituições de ensino locais, para a realização de cursos e oficinas na área cultural.... Propostas de Projetos

32 4 - Programa de Formação Cultural - Artesanato: projetos 1 Projeto Borboletas (Crochê), (Associação Esther Siqueira Tillman/programa Integrar); 2 Tecelelagem Casulo (tear), (Associação Esther Siqueira Tillman/programa Integrar); 3 - Bordando Paracatu com Arte (Casa do Artesão/ Programa Integrar), relaciona com o programa 2; Música 4 Vozes da Juventude (e capoeira) 5- Oficinas de Arte da Casa de Cultura 6 - Programa de Formação Cultural de Paracatu

33 Outros projetos citados e não incorporados não são especificamente da área cultural ou são serviços 1 Feira Agripar (EMATER); 2 Encontro da Mulher Rural (EMATER); 3 Paracatuense Ausente; 4- Café Colonial (serviço, Casa do Artesão)

34 Prazos de Execução Trata-se de organizar um cronograma geral com os prazos de execução dos objetivos, tendo como referência as metas estabelecidas e as ações para alcançá-las. A esse cronograma será associado o volume de recursos necessários, de modo a se ter uma visão clara do quanto é requerido de aplicação em cada ano.

35 Prazos de execução Construção coletiva de um cronograma de execução estruturar um modelo

36 Resultados e Impactos Esperados Resultados são consequências esperadas com a consecução do Plano. Essa análise permitirá definir o resultante necessário e possível para o alcance do alvo estabelecido. Resultados e impactos estão associados ao monitoramento e à avaliação da execução do Plano

37 Resultados e impactos esperados rever a ordem 1. Tornar-se referência, como cidade que tem a cultura como vetor de desenvolvimento local. 2. Melhoria da qualidade de vida da população de Paracatu (segurança, saúde, educação...) 3. Visibilidade de Paracatu em âmbito nacional. 4. Vocações culturais da cidade identificadas e potencializadas.

38 4. Patrimônio edificado reconhecido e valorizado localmente e nacionalmente, com uma política consistente de preservação instituída. 5. Vocações turísticas identificadas e potencializadas (patrimônio material e imaterial, tradições rurais...) 6.

39 Recursos Disponíveis e Necessários Recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis, devem ser detalhados e associados a programas, projetos e ações. Essa associação permitirá a avaliação daqueles que serão necessários para cumprir o projetado. Uma vez declarados viáveis, serão agregados ao cronograma, demonstrando com clareza o volume de recursos para execução do planejado nos períodos de tempo definidos.

40 Recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis e necessários Este item só é possível ser detalhado após a construção do plano de ação, programas e projetos.

41 Mecanismos e Fontes de Financiamento Fontes estão relacionadas à origem dos recursos Fontes estão relacionadas à origem dos recursos e os mecanismos aos instrumentos para sua aplicação.

42 Mecanismos e fontes de financiamento A partir da definição dos programas e projetos, é fundamental que seja desenvolvido, paralelamente, um plano de sustentabilidade para cada programa/projeto, que consiste em: Análise geral das diversas fontes de recursos financeiros e possibilidades de sustentação das iniciativas. Identificar os parceiros: poder público (municipal, estadual e federal); Identificar os parceiros: na iniciativa privada; Identificar programas/editais específicos para cada programa/projeto (públicos e privado); Construção de parcerias; Trabalho em rede de cooperação.

43 Mecanismos e Fontes de Financiamento Quais mecanismos de financiamento disponíveis no âmbito federal? Quais mecanismos de financiamento disponíveis no âmbito estadual? Quais mecanismos de financiamento disponíveis no âmbito municipal? Público e Privado. Quais os potenciais patrocinadores no município? Listar.

44 ETAPA IV COMO GERIR OS AVANÇOS?

45 Indicadores de Monitoramento e Avaliação Indicadores são parâmetros para medição da situação futura desejada em relação à situação atual encontrada. O monitoramento é a medição sistemática, contínua e permanente dos resultados das metas a serem perseguidas. Ele deve apontar o grau de progresso obtido ao longo da trajetória do Plano. A avaliação é a análise qualitativa dos alvos atingidos, bem como do processo para o alcance dos objetivos, abarcando períodos pré-definidos, podendo ultrapassar o horizonte do Plano, vez que muitos resultados poderão ser aferidos após a execução de suas ações.

46 Indicadores de monitoramento e avaliação Este item deverá ser detalhado após a construção do plano de ação, programas e projetos.

47 Fonte consultada para elaboração desse material: Projeto MinC - UFBA GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE CULTURA (disponível em arquivo PDF na internet)

48 Contatos Maria Helena Cunha Rua Fernandes Tourinho, 235, sala 601 Bairro Funcionários Belo Horizonte MG

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

AÇÕES DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. Número da ação

AÇÕES DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. Número da ação Meta Número da ação 1.1.1; 1.1.2; 1.1.3; 1.1.4; 1.1.5; 1.1.7; 1.1.8; 1.1.9; 1.2.3; 1.3.1; 1.4.2; 1.5.1; 1.5.2; 1.6.5; 1.7.1; 1.7.2; 1.7.4; 1.10.1; 1.10.3; 5.1.1; 5.1.4; 5.4.1; 5.4.2; 5.4.3 e 5.4.4 1.1.1

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Tubarão 27 e 28 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta de

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

Com relação aos Compromissos Nacionais

Com relação aos Compromissos Nacionais Plano de Ação México Com relação aos Compromissos Nacionais 1. Nos último anos, o Ministério da Cultura do Brasil (MinC) vem debatendo com especial ênfase o impacto econômico propiciado pela música na

Leia mais

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura

Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Diretriz 1. Criar e desenvolver um Censo Geral da Cultura Meta 1.1 Levantar e catalogar anualmente, dados e informações acerca da diversidade cultural, do município de Paranaguá; identificar a vocação

Leia mais

Economia Criativa conceito

Economia Criativa conceito Economia Criativa conceito A Economia Criativa é um conceito ainda em desenvolvimento, que compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas. Abrange os ciclos de

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE

II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE II SEMINÁRIO BRASILEIRO DE EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE DECLARAÇÃO SOBRE COOPERAÇÃO ENTRE PAÍSES NA EFETIVIDADE DA PROMOÇÃO DA SAÚDE O II Seminário Brasileiro de Efetividade da Promoção da Saúde (II

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL

EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional,

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA: Construindo o Plano de Cultura para a cidade de Belo Horizonte

CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA: Construindo o Plano de Cultura para a cidade de Belo Horizonte CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA: Construindo o Plano de Cultura para a cidade de Belo Horizonte PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BELO HORIZONTE 2014-2023* Caderno de Propostas: Metas e Ações *O período de

Leia mais

INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE CULTURA PMC, CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE INFORMAÇÕES E INDICADORES CULTURAIS SMIIC, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE CULTURA PMC, CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE INFORMAÇÕES E INDICADORES CULTURAIS SMIIC, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 28/07/2015 Lei Ordinária 3809 2015 de Balneário Camboriú SC www.leismunicipais.com.br LEI Nº 3809, DE 24 DE JULHO DE 2015. INSTITUI O PLANO MUNICIPAL DE CULTURA PMC, CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE INFORMAÇÕES

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação

Projeto de Disseminação da Informação para ME e EPP no Brasil Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Projeto de Disseminação da Informação Ação conjunta Secretaria Técnica e Comitê Informação Introdução Detalhamento da Proposta do Projeto Estratégia e desenvolvimento tático Atividades e ações Resultados

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização. Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Oficina de Planejamento Participativo

Oficina de Planejamento Participativo Oficina de Planejamento Participativo 2010 Facilitadora Laura Maria Pedrosa de Almeida Planejamento - planejar significa pensar antes de agir; - planejar não é adivinhar ou predizer o futuro, e sim, calcular,

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos Raquel Moreira NIC Núcleo de Investigação em de Recursos Pesquisa e Consultoria Tema e objetivos de nossa conversa Reflexão sobre:

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de Treze Tílias

Estado de Santa Catarina Prefeitura Municipal de Treze Tílias LEI COMPLEMENTAR Nº 53/2013 Institui o Sistema Municipal de Cultura, estabelece diretrizes para as Políticas Municipais de Cultura, e dá outras Providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE TREZE TÍLIAS/SC,

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS

PROPOSTAS PRIORITÁRIAS PROPOSTAS PRIORITÁRIAS EIXO1: PRODUÇÃO SIMBÓLICA E DIVERSIDADE CULTURAL SUB EIXO: 1.1 - Produção de Arte e Bens Simbólicos 1 - Implementar políticas de intercâmbio em nível regional, nacional e internacional

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS

Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS Projeto de Mobilização Social - PMS para Elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - PMGIRS BOM JESUS - SC Fevereiro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO À MOBILIZAÇÃO SOCIAL 3 2.

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS

Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS Página 1 Carteira de Projetos da Seção Judiciária do RS Projeto I Padronização e Melhoria dos Procedimentos das Varas Federais, Juizados e Turmas Recursais Escopo: Implementação de método de gerenciamento

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA Superintendência de Cultura e Sociedade Coordenadoria de Diversidade Cultural

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA Superintendência de Cultura e Sociedade Coordenadoria de Diversidade Cultural Chamada de seleção simplificada para participação na 1º Feira Favela Criativa REGULAMENTO Com os objetivos de: (1) fortalecer as ações culturais já existentes nas comunidades pacificadas e outros territórios

Leia mais

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS

RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS RELATÓRIO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS 1 I - FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO: 1. ESTADO: SANTA CATARINA 2. MUNCÍPIO: FLORIANÓPOLIS 3. ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELO EVENTO

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

ANEXO PLANO NACIONAL DE CULTURA: DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E AÇÕES CAPÍTULO I DO ESTADO

ANEXO PLANO NACIONAL DE CULTURA: DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E AÇÕES CAPÍTULO I DO ESTADO ANEXO PLANO NACIONAL DE CULTURA: DIRETRIZES, ESTRATÉGIAS E AÇÕES CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO NA INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS POLÍTICAS CULTURAIS INTENSIFICAR O PLANEJAMENTO DE PROGRAMAS

Leia mais

Eixo I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural

Eixo I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural Consolidação das Propostas de Estratégias Âmbito Nacional Eixo I - Produção Simbólica e Diversidade Cultural 1.1. Regulamentar a relação entre a produção de conteúdo independente e o sistema de comunicação.

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS

ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CAMARAS TEMÁTICAS ESTRUTURA ORGÂNICA CONSELHO DE REPRESENTANTES DIRETORIA PRESIDENTE CONSELHOR CONSULTIVO CONSELHO FISCAL CAMARAS TEMÁTICAS COMÉRCIO VAREJISTA ALIMENTAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO SERVIÇOS TURISMO E HOSPITALIDADE

Leia mais

Levantamento Qualitativo e Quantitativo

Levantamento Qualitativo e Quantitativo Estabelecer ações conjuntas no sentido de enfrentar os desafios e potencializar as muitas oportunidades existentes para o desenvolvimento do setor artesanal, gerando oportunidades de trabalho e renda,

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013

CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013 CENTRO LÚCIO COSTA (CLC) PROGRAMA DE FORMAÇÃO Novembro 2013 Datam de 2008 as primeiras negociações entre o Governo do Brasil e a UNESCO para a criação de um Centro de Categoria II (CC2) sediado no Rio

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

Estudo de Caso: Indicadores: A experiência da Universidade Federal do Pará UFPA

Estudo de Caso: Indicadores: A experiência da Universidade Federal do Pará UFPA Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento e de Administração das Instituições Federais de Ensino Superior (Forplad) Fórum: 2º Fórum 2015. Estudo de Caso: Indicadores: A experiência da Universidade

Leia mais

CULTURA EM MOVIMENTO -SECULT ITINERANTE: O DESAFIO DA DESCENTRALIZAÇÃO - RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

CULTURA EM MOVIMENTO -SECULT ITINERANTE: O DESAFIO DA DESCENTRALIZAÇÃO - RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA CULTURA EM MOVIMENTO -SECULT ITINERANTE: O DESAFIO DA DESCENTRALIZAÇÃO - RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Suzete Nunes 1 RESUMO O trabalho consiste numa apresentação do Projeto Cultura em Movimento-Secult Itinerante,

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE CULTURA. INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião)

FUNDO NACIONAL DE CULTURA. INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião) FUNDO NACIONAL DE CULTURA INVESTIMENTOS 2012 (1 a reunião) SEC Secretaria da Economia Criativa PROJETO CRIATIVA BIRÔ Financia a implantação de 9 dos 16 escritórios de Economia Criativa nas cidades-sede

Leia mais

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016

PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016 1. SERVIÇOS PÚBLICOS 1.1 Funcionalismo PLANO DE GOVERNO ADMINISTRAÇÃO 2013/2016 Valorizar os funcionários profissionalmente para o seu bem estar e da população, reconhecendo, respeitando e garantindo os

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 1. Contexto Roteiro 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.886, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Institui a Política Nacional de Promoção da Igualdade Racial - PNPIR e dá

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

Participação por meios digitais Ronald Costa

Participação por meios digitais Ronald Costa Participação por meios digitais Ronald Costa Assessor Técnico - Secretaria Geral da Presidência da República Subtenente - Exército Brasileiro ronald.costa@presidencia.gov.br Participação Social - Digital

Leia mais

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos

O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos O Marco de Ação de Dakar Educação Para Todos: Atingindo nossos Compromissos Coletivos Texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação Dakar, Senegal - 26 a 28 de abril de 2000. 1. Reunidos em Dakar em Abril

Leia mais

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver MANUAL DO INCUBADO PPV Programa Pronto para Viver SUMÁRIO 1. CONTEXTUAIS... 2 2. EQUIPE TÉCNICA DA AGENDE... 2 3. PLANEJAMENTO ESTRETÉGICO... 3 3.1 Planejamento Estratégico - Gestão... 3 3.2 Planejamento

Leia mais

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- ConectaDEL EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS CRIATIVOS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DE PROJETOS E EMPREENDIMENTOS CRIATIVOS MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DE FOMENTO E INCENTIVO À CULTURA Diretoria de Gestão de Mecanismos de Fomento Coordenação-Geral de Normatização e Orientação Coordenação de Programas de Capacitação PROGRAMA

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio Rodrigues Dias DEIXE O MBA QUE É REFERÊNCIA FALAR POR VOCÊ. OBJETIVO: O MBA em

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA

TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA TERMO DE REFERÊNCIA Nº XXXX CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA Contrato por Produto - Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos. Título do projeto em outra capa

Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos. Título do projeto em outra capa Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos Título do projeto em outra capa Bacia Hidrográfica do Alto Tietê com destaque para a Sub-bacia Pinheiros-Pirapora Fortalecimento do Subcomitê Pinheiros-Pirapora

Leia mais

Estratégias para o desenvolvimento humano

Estratégias para o desenvolvimento humano ofício Estratégias para o desenvolvimento humano A Olhar Cidadão é uma empresa de planejamento estratégico, gestão e inovação, na qual se desenvolvem soluções integradas, projetos e ideias que contribuam

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

1) O que é o Projeto

1) O que é o Projeto 1) O que é o Projeto Instituições e órgãos públicos se mobilizam com o objetivo de amplificar as informações sobre direitos e garantias no Mundo do Trabalho. Esta é a definição do Projeto Mundos do Trabalho

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro SUBSTITUTIVO Nº, APRESENTADO EM PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 0141/2009 Institui o Programa de Incentivo a Rede de Comércio Solidário da Cidade de São Paulo, e dá outras providências. A D E C R E T A:

Leia mais

AVANÇAR PELA LEITURA E PELA CIDADANIA UM PLANO PARA O BRASIL

AVANÇAR PELA LEITURA E PELA CIDADANIA UM PLANO PARA O BRASIL AVANÇAR PELA LEITURA E PELA CIDADANIA UM PLANO PARA O BRASIL José Castilho Marques Neto 1 Procurarei explanar aqui o que considero lições essenciais da caminhada e do que entendo ser o essencial do Plano

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA

POLÍTICA DE PESQUISA POLÍTICA DE PESQUISA Apresentação Este documento trata da política de pesquisa e de iniciação científica do UNISAL, que deve guiar toda e qualquer iniciativa de investigação e geração de conhecimento institucionais.

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU

PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL NO SISTEMA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - SNDU EIXO 1 PARTE 1 - A PARTICIPAÇÃO E O CONTROLE SOCIAL NO SNDU DEVERÃO SER EXERCIDOS: (i) no âmbito federal, pelo Conselho

Leia mais

Transversalidades da Cultura e Gestão de Projetos Culturais: Articulações e Possibilidades. 1

Transversalidades da Cultura e Gestão de Projetos Culturais: Articulações e Possibilidades. 1 Curso de Sustentabilidade em Projetos Culturais. Transversalidades da Cultura e Gestão de Projetos Culturais: Articulações e Possibilidades. 1 Diogo Reyes da Costa Silva. 2 Introdução: O presente texto

Leia mais

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Missão do Instituto Ethos Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente responsável, tornando-as parceiras

Leia mais