UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof. Ms. Marco A. Larosa Niterói 2007

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Corporativo e Finanças. Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues

3 3 AGRADECIMENTOS Ao Deus da minha Salvação; Em especial a minha esposa e aos meus pais pela total dedicação e apoio; Ao meu irmão, Márcio pelo incentivo; Aos meus familiares e amigos de uma forma geral.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico a Deus, minha família, esposa, ao pessoal do escritório (Cristina,

5 5 RESUMO Existem vários fatores que influenciam na formação do preço de venda, porém o foco desse trabalho está voltado para a formação do preço através do custo. A formação dos preços de venda dos produtos ou serviços obedece a várias técnicas e estratégias; porém, a mais antiga e, portanto, a mais usada é a formação de preços por meio da apuração dos custos dos produtos e/ou serviços. Assim sendo, os métodos de custeio são considerados fontes gerenciais de extrema importância para a tomada de decisões, para a obtenção de lucros e para o alcance dos objetivos previamente traçados. Atualmente, são utilizados pelas empresas quatro métodos para a apuração dos custos dos produto/serviços: o custeio por absorção, o custeio direto/variável, o custeio baseado em atividades (ABC) e o custeio meta. O custeio por absorção define que todos os gastos na produção são considerados custos, tanto os diretos como os indiretos, fixos ou variáveis. Os custos indiretos, devido a sua difícil identificação, são alocados aos produtos por meio de rateio. O custeio por absorção caracteriza-se, principalmente, por ser o único aceito pelo fisco e por atender aos princípios da contabilidade. O custeio direto/variável diz que os custos fixos são considerados despesas, não sendo apropriados para a apuração do custo unitário dos produtos. Somente os custos que variam com a produção é que compõem a apuração dos custos dos produtos. O ABC identifica os custos por atividades, medindo a quantidade de recursos dispensados para a realização de tais atividades. No ABC, ao serem apropriados os custos às atividades, todos os custos ou despesas são considerados variáveis diante dos direcionadores de custos. O custeio meta tem por objetivo principal reduzir ao máximo os custos de fabricação, pois o preço de venda dos produtos é determinado pelo mercado, portanto, quanto menores os custos, mais competitivo se tornará o produto. Será abordado a contribuição de cada uma dessas ferramentas na formação

6 6 do preço e também os pontos fortes e os pontos fracos de cada um desses métodos.

7 7 METODOLOGIA Os métodos que levam ao problema proposto, como leitura de livros, após coleta de dados, pesquisa bibliográfica. Foi observado que os custos influenciam na tomada de decisão de preços, então busquei descrever as formas de avaliação de custos para o melhor entendimento das empresas para com isso estabelecer um padrão de melhor aproveitamento.

8 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 09 CAPÍTULO I METODOS DE CUSTEIO 10 CAPÍTULO II FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 20 CONCLUSÃO 24 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 26 ÍNDICE 27 FOLHA DE AVALIAÇÃO 28

9 9 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo mostrar algumas ferramentas importantes para a tomada de decisão das empresas no que diz respeito a formação do preço de venda, tendo em vista que as empresas que conseguem elaborar bem o preço de suas mercadorias ou serviços, terão um maior volume de venda e conseqüentemente uma melhor posição no mercado. Serão apresentados quatro métodos de Custeio, são eles: Custeio por Absorção, Custeio Direto ou Variável, Custeio ABC e o Custo Meta. Para cada um dos métodos acima citados será apresentada a forma de apuração dos custos através de cada um deles, também será apresentado os pontos fortes e os pontos fracos; as características, conceitos, comportamento diante da legislação, etc.

10 10 CAPÍTULO I MÉTODOS DE CUSTEIO Custeio por absorção O custeio por absorção consiste em que, para se obter os custos dos produtos, todos os gastos da indústria, fixos ou variáveis, diretos ou indiretos, são alocados aos produtos. Conforme podemos observar o que nos descreve o autor abaixo, este método é o mais aceito pelos contadores e o único aceito pelo fisco, por atender os princípios e as normas de contabilidade. Também é utilizado pelo governo como o principal método para apuração do valor dos estoques e dos custos das mercadorias a fim de apurar o IRPJ da empresa. Este tipo de custeio é o único aceito pela Auditoria Externa, porque atende aos Princípios Contábeis da Realização da Receita, da Competência e da Confrontação. Além disso, é único aceito pelo Imposto de Renda. (Viceconti e Neves, 1995, p.17) O custeio por absorção consiste na apropriação de todos os custos de produção aos produtos elaborados, de forma direta ou indireta por meio de rateios. No Custeio por absorção os custos indiretos são acoplados aos produtos por meio de rateio, escolhendo-se um parâmetro, que pode ser, mãode-obra direta, custos totais diretos, materiais direto que é computado ao produto pelo percentual que representa.

11 11 O resultado por esse método é influenciado pelo volume de produção e não acompanha o volume de vendas Apropriação dos custos aos produtos Vimos nos conceitos que todos os custos são apropriados aos produtos elaborados, sendo que os custos considerados diretos são relacionados aos produtos de forma objetiva, enquanto os custos indiretos são feitos de forma de rateios necessitando da escolha de algum critério para o mesmo. Podemos dizer que os custos diretos são alocados diretamente aos produtos, por isso são facilmente identificados no processo de fabricação. São representados, praticamente, pela matéria prima, mão-de-obra e energia da indústria, tornando-se de fácil controle, pois a matéria-prima tem suas requisições, a mão-de-obra calcula-se pelas horas trabalhadas e a energia pelo número de horas-máquina trabalhadas no período. O custeio por absorção utiliza o método de rateio para alocar os custos indiretos aos produtos. Custos indiretos como aluguéis, seguros, depreciações, etc., são de difícil alocação aos produtos, portanto, apura-se o total desses custos, escolhendo-se um parâmetro substancial dos custos diretos, como a mão-de-obra direta, e com base nesse parâmetro, distribui-se os custos indiretos. Muitos autores consideram que os critérios de rateio usados para distribuir os gastos entre os departamentos nem sempre são objetivos e podem distorcer os resultados, penalizando alguns produtos em benefício de outros.

12 Custeio variável ou direto No Custeio Variável, diferente do que foi apresentado no tópico anterior, somente os custos claramente identificados com os produtos ou serviços vendidos, chamados de diretos ou variáveis, devem ser apropriados. Os demais custos relacionados e necessários para a produção, os custos fixos, são desconsiderados. O CRC/SP, 6 (1993), define o custeio variável como: Este método considera apenas os custos variáveis de produção e comercialização dos produtos a serviço, sejam eles diretos ou indiretos. Todos os demais gastos são transferidos para a apuração do resultado como despesas, sem serem apropriados aos produtos fabricados. Então, melhor definindo, o custeio direto ou variável, apropria aos produtos fabricados todos os custos variáveis, sejam diretos ou indiretos, deixando os custos fixos, como despesas, indo diretamente ao resultado, e isso provoca uma diminuição do imposto a pagar, e por isso não é aceito pela fiscalização. No Custeio Variável não se utilizam arbitrariedades para apropriar os custos indiretos aos produtos, considera como custos somente aqueles itens que variam conforme a produção da empresa. Como ferramenta gerencial de custos, é mais vantajoso que o custeio por absorção, por relacionar o custo com a sua produção, evitando arbitrariedades na alocação dos custos. Porém não é aceito pela legislação fiscal, pois resulta num imposto de renda a pagar menor, como já havia sido citado anteriormente, e pelos

13 13 contadores, por ferir os princípios de competência e o da confrontação, não sendo aceito para controle de estoque e C.M.V. O custeio variável pode ser usado internamente na empresa e também formalizado na contabilidade, desde que no final do período seja feito um lançamento de ajuste para que fique de acordo com os critérios exigidos pela legislação Margem de contribuição Abaixo, segue conceitos básicos de margem de contribuição segundo a visão de alguns autores. Martins (1993, p. 195): É a diferença entre a receita e o custo variável de cada produto; é o valor que cada unidade efetivamente traz à empresa, entre sua receita e o custo que de fato provocou e lhe pode ser imputado sem erros. Nakagawa (1995): No planejamento do lucro, a gerência precisa conhecer o preço de venda unitário do produto, o custo unitário variável para fabricá-lo e vendê-lo e a diferença entre o preço e o custo unitário variável. Isto é, a gerência precisa conhecer a Margem de Contribuição de cada unidade do produto. De acordo com o que foi citado a Margem de Contribuição é a diferença para maior, entre o preço de venda e as despesas e custos variáveis referente as unidades vendidas. Sendo assim podemos afirmar que a fórmula para calcular a Margem de Contribuição é a seguinte: MCu = PVu CVu DVu

14 14 Onde: MCu = Margem de contribuição unitária em R$ PVu = Preço de venda unitário em R$ CVu = Custos variáveis unitários em R$ DVu = Despesas variáveis unitárias em R$ Existe algumas vantagens da Margem de Contribuição, destacamos as seguintes: 1 Os dados necessários à relação C/V/L, para o planejamento do lucro, são rapidamente obtidos dos demonstrativos contábeis; 2 Lucro de um período não é afetado pelas variações nas absorções de despesas fixas e os lucros apresentam as mesmas tendências das vendas; 3 A gerência encontra maior facilidade e compreensão ao utilizar os relatórios do custeio direto; 4 Impacto dos custos fixos sobre os lucros é enfatizado, porque a soma destes territórios do período aparece em destaque no demonstrativo dos lucros; 5 Os dados sobre o lucro marginal facilitam as avaliações relativas aos produtos, territórios de vendas, classes de clientes e outros segmentos de negócios, sem estarem os resultados obscurecidos pela alocação de custos fixos em conjunto; 6 Apresenta vantagens imediatas quando usado com planos de efetivo controle de custos, tais como o custo-padrão e orçamentos flexíveis. As desvantagens também são citadas por alguns autores: Padoveze (1996, p. 236): O custeamento direto (Margem de Contribuição) é útil para tomada de decisões de curto prazo, mas subestima os

15 15 custos fixos, que são ligados à capacidade de produção e de planejamento de longo prazo. Martins (1993): Restrições quanto à aplicação do custeamento marginal devem ser observadas nas empresas cujos ativos permanecentes sejam elevados, como é o caso das empresas transportadoras, das que utilizam tecnologia operacional avançada, etc. Nestas, os custos fixos, por serem relevantes, devem receber atenção redobrada, principalmente no aspecto das depreciações Custeio ABC (custo baseado em atividades) custos. O ABC é o método de custeio mais moderno existente hoje na área de O CRC-SP/8 (1995), descreve Cooper e Kaplan, da Harvard Bussiness School, como seus primeiros estudiosos, que assim o conceituaram:... é uma abordagem que analisa o comportamento dos custos por atividades, estabelecendo relações entre as atividades e o consumo de recursos... Diríamos então que o ABC é o método de custeio que procura identificar os custos para cada atividade, identificando qual delas consome maior parte dos recursos disponíveis para a produção. No ABC, são as atividades que agregam valor aos produtos, que consomem atividades e estas consomem recursos. Para Cooper e Kaplan (1991), as empresas usam três métodos para identificar os custos por meio do ABC:

16 16 1º - Agregar gastos dos recursos destinados a determinadas atividades. Estes custos são alocados aos produtos de acordo com o número de vezes que a atividade foi realizada; 2º - Utilizar o tempo dispensado para a realização de cada atividade na alocação das despesas indiretas aos produtos; 3º - Medir diretamente, usando direcionadores de carga, o consumo dos recursos destinados a cada ocorrência da atividade. Leone nos lembra que o sistema ou técnica de custos ideal é aquele que permite aos usuários das informações auferidas tomarem decisões acertadas, possibilitando avaliar os desempenhos setoriais da empresa, controlando seus custos e traçando planos para aperfeiçoar suas técnicas, e que possa ser implantado com o mínimo de recurso possível. O ABC, quando operado juntamente com outro sistema de custos, oferece maiores e melhores qualidades nas informações, podendo trazer maiores benefícios à empresa, como nos coloca Koehler, Assim sendo, o ABC permite tomada de decisões contínuas para o aperfeiçoamento das atividades de redução dos custos e despesas indiretas, pois determina os custos das atividades que incidem indiretamente nos produtos, facilitando, também, a determinação dos custos relevantes. Cogan (1999, p. 49), salienta: As estimativas realizadas tornam o ABC factível e o consagra como poderosa ferramenta de decisões gerenciais. Uma das principais desvantagens na aplicação do ABC está na transformação dos custos fixos em custos variáveis, o que traz graves conseqüências à determinação do custo do produto.

17 17 O ABC não faz a divisão dos custos e despesas em fixas ou variáveis ao apropriar estas às atividades, isto é, todos os custos e despesas são considerados variáveis diante da unidade que direciona os custos Melhores situações para a aplicação do custeio ABC Segundo nos coloca Leone (1997, p. 265), as melhores situações para a aplicação do ABC, a fim de obtermos melhores informações gerenciais, são: a) Quando o montante das despesas e dos custos indireto passa a ter valor substancial ao montante dos custos de MOD, diante do custo total de produção; b) Quando os investimentos em imobilizados são altos, fazendo com que os custos e despesas indiretas tornen-se quase fixos; c) Quando se produz grande quantidade de diversos produtos; d) Quando há facilidade de análise das operações, facilitando a implantação de novas técnicas que atendam a uma relação favorável entre custo e benefício; e) Quando as empresas possuem sistemas automatizados, fornecendo informações tanto no processo produtivo como também auxilia no controle de consumo dos diversos insumos Custeio meta O custeio meta tem início no preço determinado pelo mercado, ou seja, no preço que o consumidor deseja pagar. É um custo máximo permitido para o produto, isto é, o custo com o qual se poderá produzir determinado produto

18 18 até o fim do processo de produção. Com o advento do custeio meta, quebrouse a barreira do pensamento que considerava o custo do produto como fator principal para a formação do preço de venda. O custeio meta tem por objetivo planejar o custo dos produtos para um determinado período. É uma importante ferramenta gerencial para reduzir os custos de fabricação desde o nascimento do produto até a venda final, identificando tais custos a fim de decidir se o produto é viável ou não em relação ao mercado. O custeio meta tem como principal característica à de indicar fatos antes que eles aconteçam. Previne insucessos ao determinar se o produto lançado no mercado, a determinado preço final, alcançará ou não os objetivos desejados pela empresa. Se, neste caso, o resultado for negativo, a empresa terá tempo necessário para projetar o produto para que este se torne rentável, tendo aceitação necessária para mantê-lo no mercado. Mesmo com a diversidade das empresas e as diferentes maneiras de as mesmas desenvolverem e individualizarem sem procedimentos e técnicas de produção, Samuel Cogam nos apresenta três partes iniciais para o custeio meta: cliente; 1) Novos produtos serão planejados de acordo com a satisfação do 2) Determinar o custo meta de acordo com a política da empresa, tornando-o viável com os custos factícios;

19 19 3) Atingir o custo meta planejado, usando técnicas de produção de custos, adotando um sistema de custo padrão. Assim sendo, primeiro temos que determinar o custo permitido por meio da diferença do preço de venda planejado e do lucro programado. O passo seguinte será apurar se o produto pode ser fabricado com o custo estimado, levando consideração que o preço está diretamente ligado ao mercado e o quanto os clientes desejam pagar.

20 20 CAPÍTULO II FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA De acordo com a história, no que se refere à formação de preços de venda, o mesmo era obtido por meio do acréscimo de uma margem de lucro aos custos de produção dos produtos. Porém, na atual competitividade apresentada e devido à concorrência e à diversidade de produtos similiares, o preço, muitas vezes, é determinado pelo mercado. A contabilidade de custos observa, contudo, diversas estratégias para a formação do preço de venda para os produtos e/ou serviços. Dentre elas destaca-se a formação do preço de venda baseada nos métodos de custos Formação do preço de venda a partir do custo Mesmo sabendo-se que o indicador básico para o emprego de tal técnica baseia-se no preço que o mercado está disposto a aceitar pelos produtos oferecidos, e que estes preços são calculados por meio dos custos reais orçados para a fabricação destes produtos, tal cálculo torna-se necessário para apurar-se um padrão inicial, que servirá como ponto de partida para futuras análises comparativas entre cotação de preços. Conforme nos informa Padoveze (1996, p. 280), diversas situações sugerem a formação de preços por meio dos custos de produção, como por exemplo: a) Introdução de novos produtos no mercado; b) Análise e acompanhamento constantes do custo e dos preços dos atuais produtos;

21 21 c) Surgimento de novos negócios; d) Pedidos especiais; e) Produtos por encomendas; f) Análise de preços de produtos concorrentes, etc Formação do preço de venda a partir do custeio por absorção Consiste numa das técnicas mais utilizadas pelas empresas, devido à simplicidade com que é aplicado e a facilidade de ser usado. Basicamente, aplicam-se os custos industriais por produto, acrescentando as despesas administrativas, financeiras e comerciais, adicionando-se a margem de lucro desejada Formação do preço de venda a partir do custeio direto ou variável Neste critério, toma-se por base para a formação do preço de venda os custos diretos ou variáveis, ao contrário do que foi visto anteriormente (que usava tanto os custos diretos quanto os indiretos), juntamente com as despesas variáveis identificadas aos produtos. A margem de lucro a ser aplicada após a identificação dos custos diretos/variáveis e das despesas deverá cobrir também, os custos e despesas fixos que não foram alocados aos produtos na sua fabricação.

22 22 Este critério torna-se importante na formação dos preços de venda porque por meio dele pode-se identificar a margem de contribuição que cada produto oferece à empresa Formação do preço de venda a partir do custeio ABC Assim como no custeio por absorção, também no ABC os custos fixos criam problemas na alocação aos produtos, tanto quanto a variação nos volumes de produção. Todavia, a sistemática de apuração do preço de venda dos produtos e/ou serviços é quase a mesma para ambos, ou seja, conhecido o custo unitário de um produto, acrescido das despesas globais do mesmo, determina-se o preço de venda adicionando-se a margem de lucro desejada, por unidade. Porém, este raciocínio só teria validade se a empresa fabricasse um produto sem concorrência, ou se o preço do mesmo fosse controlado pelo governo. Outro fator de grande relevância para a não utilização do método do Custeio Baseado em Atividades, neste caso em estudo, é que o referido método é de grande recomendação e aplicabilidade apenas nas grandes empresas, as quais possuem sistemas de informações completos, em departamentos bem organizados, facilitando a obtenção das informações necessárias e a perfeita alocação dos custos às atividades Formação do preço de venda a partir do custeio meta Partindo-se do pressuposto de que quem determina o preço de venda dos produtos é o mercado, este critério torna-se, na verdade, o inverso da formação do preço de venda até aqui exposto. Assim sendo, é fato afirmar a não necessidade da apuração dos custos, pois se o preço que o mercado está disposto a pagar é o máximo que a empresa pode atribuir ao seu produto, a mesma terá que deduzir uma margem mínima de lucro sobre o produto, tentando reduzir ao máximo seus custos para, então, a partir da obtenção de

23 23 tais dados, verificar se é possível produzir, com qualidade suficiente para encarar a concorrência do mercado, obtendo o lucro desejado. Nakagawa (1991, p. 48) citado por Padoveze (1997, p.296), exemplifica: Preço de Venda no Mercado 100,00 (-) Margem de Lucro Desejada (10,00) Custo Meta 90,00

24 24 CONCLUSÃO Diante do atual mercado e das fortes concorrências, as empresas devem estar atentas na hora de formar seu preço, para que consigam manter a rentabilidade de seus produtos e também para que consigam torna-los mais competitivo. Em cada um dos métodos estudados podemos mostrar uma qualidade. O Custeio por Absorção é muito vantajoso porque a sua implantação é fácil, e é aceito pela legislação. O Custeio Direto ou Variável é muito utilizado nas funções gerenciais como instrumento de tomada de decisão. O Custeio ABC auxilia a formação do preço em um mercado monopolista, porém no mercado competitivo ele é falho, principalmente nas empresas de pequeno porte. Ao contrario do Custeio ABC, o Custeio Meta seria indicado para um mercado mais competitivo onde o fator concorrência é mais evidente. Porém ao estudarmos cada um dos métodos apresentados, chegamos a conclusão de que não podemos afirmar que exista um único método de custeio que seja melhor na formação do preço, pelo contrário, todos os métodos são de grande importância na para a formação do preço. Chegamos a essa conclusão porque ao longo do trabalho verificamos que o custo não é o único fator que influencia o preço, existem outros fatores que são de grande relevância na formação do preço de uma empresa. Como exemplo poderíamos citar a região onde a empresa está instalada, a concorrência, o tipo de mercado o próprio cliente, etc. Esses exemplos demonstram que o preço também sofre muita influencia externa. Com isso concluímos que existem muitas ferramentas importantes para a formação do preço, só temos que ter o cuidado de usa-las no tempo

25 25 certo, e no momento certo, para que consigamos explora-las em um todo o seu potencial.

26 26 BIBLIOGRÁFICAS CONSULTADAS. Curso sobre Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, Curso sobre Contabilidade de Custos. São Paulo : Atlas, COGAN, Samuel. Custos e Preços: Formação e Análise. São Paulo: Pioneira, 1999 LEONE, Georg Sebastião Guerra. Curso de Contabilidade de custos. São Paulo : Atlas,1997. MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 9 ed. São Paulo : Atlas NAKAGAWA, Masayuki. Gestão Estratégica de Custos. São Paulo : Atlas, PADOVEZE, Clóvis Luiz. Contabilidade Gerencial. São Paulo : Atlas, VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez; NEVES, Silvério das. Contabilidade de Custos. 4 ed. São Paulo : Frase

27 27 ÍNDICE FOLHA DE ROSTO 02 AGRADECIMENTO 03 DEDICATÓRIA 04 RESUMO 05 METODOLOGIA 07 SUMÁRIO 08 INTRODUÇÃO 09 CAPÍTULO I METODOS DE CUSTEIO Custeio por absorção Apropriação dos custos aos produtos Custeio variável ou direto Margem de contribuição Custeio ABC (custo baseado em atividades) Melhores situações para a aplicação do custeio ABC Custeio meta 17 CAPÍTULO II FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Formação do preço de venda a partir do custo Formação do preço de venda a partir do custeio por absorção Formação do preço de venda a partir do custeio direto ou variável Formação do preço de venda a partir do custeio ABC Formação do preço de venda a partir do custeio meta 22 CONCLUSÃO 24 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 26 ÍNDICE 27 FOLHA DE AVALIAÇÃO 28

28 28 FOLHA DE AVALIAÇÃO Nome da Instituição: Título da Monografia: Autor: Data da entrega: Avaliado por: Conceito:

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA A FORMAÇÃO DE PREÇOS NA PEQUENA EMPRESA Por: Márcia Valéria Vieira Souza Orientador

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Formação do Preço de Venda

Formação do Preço de Venda CURSO DE ADM - 5º PERÍODO - FASF Objetivo Refletir sobre a importância de se conhecer e identificar a FORMAÇÃO DE PREÇO, como fator determinante para a sobrevivência da exploração da atividade da empresa.

Leia mais

Terminologias e Classificações

Terminologias e Classificações Terminologias e Classificações Ramos da Contabilidade Definições Contabilidade Financeira: ciência social aplicada que capta, registra, resume, interpreta e evidencia fenômenos que afetam a situação financeira

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Pablo Rogers (UFU) msc_pablo@yahoo.com.br Eduardo José dos Santos (UFU) eduardo.js@brturbo.com

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A GESTÃO DE CUSTOS NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A GESTÃO DE CUSTOS NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A GESTÃO DE CUSTOS NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Por: Ricardo Dufrayer Gomes Orientador Prof. Nelsom Magalhães Rio de Janeiro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

CUSTOS NAS REFEIÇÕES INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO

CUSTOS NAS REFEIÇÕES INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO CUSTOS NAS REFEIÇÕES INDUSTRIAIS: ESTUDO DE CASO Ana Lúcia Freitas 1 Ivan Henrique Vey 2 RESUMO Em uma economia globalizada, complexa e com uma alta competitividade, a performance nos custos de produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS II CEF ARTIGO Alavancagem Operacional: Uma breve visão sobre a relação custo, volume

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

A importância do controle de custos nas pequenas empresas: Um estudo aplicado a pequenas fábricas de confecções

A importância do controle de custos nas pequenas empresas: Um estudo aplicado a pequenas fábricas de confecções A importância do controle de custos nas pequenas empresas: Um estudo aplicado a pequenas fábricas de confecções JÚLIA GRACIELE STOFFEL Resumo: Este estudo possui como tema, a proposta de implantação de

Leia mais

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS

CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS CUSTEIO VARIÁVEL COMO UM INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA AS EMPRESAS RURAIS Aline de Souza Malavazi (PG UEM) Dayane Eiko Fugita ( PG UEM) Paulo Moreira da Rosa, Dr. (UEM) Resumo Devido às novas complexidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONOMICAS, CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS CAMPUS SOLEDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONOMICAS, CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS CAMPUS SOLEDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONOMICAS, CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS CAMPUS SOLEDADE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CLEBER ROBERTO DE PAULA CUSTOS NA PRODUÇÃO

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone

Seminário. Contabilidade de Custos Conceitos Societários e Gerenciais. Setembro 2012. Elaborado por: Sidney Leone Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo:

Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br Isac de Freitas Brandão (UVA) - isacdefreitas@hotmail.com. Resumo: Uma análise comparativa da aplicação dos métodos de custeio tradicionais e do ABC (Activity Based Cost) em uma empresa de pequeno porte de produção de sorvetes Helena Mara Oliveira Lima (UVA) - helenamaraol@yahoo.com.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC

APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC APRESENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DIDÁTICA DE SOFTWARE DE CUSTOS ABC Leo Brunstein Universidade Paulista UNIP Rua Dr. Bacelar 1212 CEP 04026-002 São Paulo SP Fone/Fax (0xx11) 5586-4145 lbab@bol.com.br

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERÊNCIAS UTILIZADAS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA EM UMA REDE DE SUPERMERCADO DANIEL TOMÁS ULIANA Piracicaba,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIAÇÕES DE CUSTOS NO SISTEMA ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA INDÚSTRIA DE AUTOPEÇAS José Henrique de Freitas Gomes (UNIFEI) ze_henriquefg@yahoo.com.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão

Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Análise do Ponto de Equilíbrio como Ferramenta de Gestão e Tomada de Decisão Flávio Aparecido dos Santos 1 Samuel de Freitas 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é a definição do ponto de equilíbrio do

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3. Contabilidade gerencial: panorama... 1. Contabilidade gerencial e conceitos de custo... 23 SUMÁRIO Capítulo 1 Contabilidade gerencial: panorama... 1 O que é contabilidade gerencial?... 2 Planejamento... 3 Controle... 3 Tomada de decisões... 4 Por que a contabilidade gerencial é importante para

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA ÀS INDÚSTRIAS COURO- CALÇADISTAS DA CIDADE DE FRANCA (BRASIL) - UM ESTUDO DE CASO

CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA ÀS INDÚSTRIAS COURO- CALÇADISTAS DA CIDADE DE FRANCA (BRASIL) - UM ESTUDO DE CASO CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA ÀS INDÚSTRIAS COURO- CALÇADISTAS DA CIDADE DE FRANCA (BRASIL) - UM ESTUDO DE CASO *Adriana Cristina da Silva **Maisa de Souza Ribeiro ***Rosana C. de M. Grillo Gonçalves

Leia mais

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios

Revisão Tarifária Escelsa. Etapa I. Reposicionamento Tarifário. Metodologia e Critérios Revisão Tarifária Escelsa Etapa I Reposicionamento Tarifário Metodologia e Critérios APRESENTAÇÃO A ESCELSA foi privatizada em 11 de julho de 1995, sendo as concessões outorgadas pelo Decreto de 13 de

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Universidade de Brasília UnB Faculdade UnB de Planaltina FUP Graduação em Gestão do Agronegócio. Jhenifer Alice Alves de Souza

Universidade de Brasília UnB Faculdade UnB de Planaltina FUP Graduação em Gestão do Agronegócio. Jhenifer Alice Alves de Souza Universidade de Brasília UnB Faculdade UnB de Planaltina FUP Graduação em Gestão do Agronegócio Jhenifer Alice Alves de Souza A GESTÃO DE CUSTOS NUMA AGROINDÚSTRIA ARTESANAL DO DISTRITO FEDERAL:UM ESTUDO

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso

SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING. Jaime José Veloso SISTEMA DE CUSTEIO ABC ACTIVITY BASED COSTING Métodos de Custeio Os métodos de custeio são as maneiras de alocação dos custos aos produtos e serviços. São três os métodos mais utilizados: Custeio por absorção

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

Modelo de apuração de custos para o agronegócio da estrutiocultura.

Modelo de apuração de custos para o agronegócio da estrutiocultura. 82 Modelo de apuração de custos para o agronegócio da estrutiocultura. Recebimento dos originais: 23/12/2009 Aceitação para publicação: 09/04/2010 Dnyse Queiroz Costa Simões Mestre em Controladoria pela

Leia mais

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO João Ernesto Escosteguy Castro Caixa Postal 476 - Florianópolis - SC - 88.040-900 Ruth Ferreira Roque Caixa Postal 1207 - Florianópolis - SC

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE ROSADAS, L.A. da S.; MACEDO, M.A. da S. 1 A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS¹ MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO² 1. Aluno do 7ª período do curso de Ciências

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO MATOS DE SOUZA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO MATOS DE SOUZA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUARDO MATOS DE SOUZA PROPOSTA DE SISTEMA DE CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES EM EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS

Leia mais

O USO DO CUSTEIO POR ATIVIDADES NA GESTÃO HOTELEIRA : UM ESTUDO DE CASO

O USO DO CUSTEIO POR ATIVIDADES NA GESTÃO HOTELEIRA : UM ESTUDO DE CASO O USO DO CUSTEIO POR ATIVIDADES NA GESTÃO HOTELEIRA : UM ESTUDO DE CASO Dirlei Salete Fries Roberto Mauro Dall Agnol Resumo: O presente artigo discorre sobre os conceitos e aplicações do Custeio Baseado

Leia mais

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido Os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA,... 10, 7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido DOIS PERÍODOS CONTÁBEIS Alguns serviços,

Leia mais

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional

Carga Horária: Total: 60 horas/aula Semanal: 04 aulas Créditos: 04 Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo pelas DCN: Formação Profissional DISCIPLINA: Contabilidade Gerencial VALIDADE: a partir do 1º semestre de 007 TÉRMINO: CÓDIGO: ADM.0 Carga Horária: Total: 0 horas/aula Semanal: aulas Créditos: Modalidade: Teórica Classificação do Conteúdo

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE: um estudo no Jornal Gazeta do Oeste em Mossoró/RN

GESTÃO DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE: um estudo no Jornal Gazeta do Oeste em Mossoró/RN Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) GESTÃO DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE PLANEJAMENTO E CONTROLE: um estudo no Jornal Gazeta do Oeste em Mossoró/RN Jandeson Dantas da Silva (UFC) - jandeson.dantas@hotmail.com

Leia mais

I CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO

I CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO I CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1. Introdução No curso Controle de Custos estudamos os procedimentos da Contabilidade de Custos para efeito de avaliação de estoques e de Resultado e também

Leia mais

Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá. E-mail: patriciacolletti@hotmail.com

Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá. E-mail: patriciacolletti@hotmail.com PROPOSTA DE UM QUESTIONÁRIO PARA IDENTIFICAÇÃO DA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DAS EMPRESAS DE CONFECÇÕES EM RELAÇÃO ÀS PRÁTICAS GERENCIAIS DA CONTABILIDADE CUSTOS Patricia Colletti Graduanda em Ciências Contábeis

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura

Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura Resolução da Prova de Contabilidade de Custos Professor Luciano Moura 1 de 9 Olá queridos alunos, Hoje faremos alguns comentários acerca da prova para o cargo de Auditor Fiscal Tributário Municipal da

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE AP. DOS ANJOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 5º PERÍODO CONTABILIDADE GERENCIAL As empresas devem ser dirigidas como organismos vivos, como entidades em continuidade, cujo objetivo é a criação de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos

Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Instituto de Educação Tecnológica Pós Graduação Gestão de Tecnologia da Informação Turma 24 16 de Outubro de 2014 Avaliação da implantação de um sistema ERP para controle de processos Felipe Rogério Neves

Leia mais

PATRÍCIA MEURER. Orientadora: Professora Valdirene Gasparetto, Dra.

PATRÍCIA MEURER. Orientadora: Professora Valdirene Gasparetto, Dra. PATRÍCIA MEURER INFORMAÇÕES DE CUSTOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS POR UMA EMPRESA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONDOMÍNIOS E FORNECIMENTO DE MÃO-DE- OBRA DE LIMPEZA, PORTARIA, JARDINAGEM E ZELADORIA Monografia apresentada

Leia mais

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS

ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS ANÁLISE DO MÉTODO DE CUSTEIO ABC E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR MARK-UP: UM ESTUDO DE CASO NUMA EMPRESA DE VAREJO DE MADEIRAS Margarete Fatima Mezzomo Monteiro (FMGR) magamezzomo@hotmail.com Natalia Tomaz da

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE FLUXO DE CAIXA Por: Adriana Sant Anna dos Santos Orientador Profº.: Luiz Claudio Lopes Alves D.Sc. Rio de Janeiro 2009 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

Revista Mineira de Contabilidade CRC/MG, n. 40, p. 32-40, out-dez 2010. Leonardo José Seixas Pinto, professor da Universidade Federal Fluminense

Revista Mineira de Contabilidade CRC/MG, n. 40, p. 32-40, out-dez 2010. Leonardo José Seixas Pinto, professor da Universidade Federal Fluminense Proposta de adaptação da contabilidade financeira para uso do custeio variável sem violar a legislação tributária Resumo: O custeio variável é indubitavelmente um excelente método de custeio devido as

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II ANÁLISE DE CUSTOS A disciplina está dividida em 02 unidades. Unidade I 1. Custos para Controle 2. Departamentalização 3. Custo Padrão Unidade II 4. Custeio Baseado

Leia mais

Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A.

Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A. Um Estudo Sobre Sistemas de Custeio em Empresas do Setor Hoteleiro: O Caso da Rede Carioca de Hotéis S.A. Adriano Rodrigues Ricardo de Assis Faria Maria Luiza de Souza Fuentes Resumo: Este estudo se propõe

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS

GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras) ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 45 GASTOS VARIÁVEIS, FIXOS E SEMI-VARIÁVEIS (alguns conhecimentos indispensáveis para quem trabalha com análises econômicas e financeiras)! Gasto variável se associa ao produto!

Leia mais

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN 4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN A Cadeia de Valores é uma representação de uma cadeia industrial que auxilia as empresas a identificarem e a avaliarem suas fontes de vantagens competitivas

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANAGEMENT COSTS IN BUSINESS SERVICE PROVIDER

GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANAGEMENT COSTS IN BUSINESS SERVICE PROVIDER Curso de Ciências Contábeis Artigo Original GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MANAGEMENT COSTS IN BUSINESS SERVICE PROVIDER Sara Brito Mendonça¹, Wilson Costa Pereira Júnior¹,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Sistema OMMINI. http://www.ommini.com.br/home/

Sistema OMMINI. http://www.ommini.com.br/home/ Sistema OMMINI http://www.ommini.com.br/home/ Sistema integrado a qualquer aplicativo ERP com análises precisas de Inteligência Empresarial ou Business Intelligence. O conceito surgiu na década de 90 e

Leia mais

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PREÇO DE VENDA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Estabelecer o preço de venda é um dos mais importantes momentos nas decisões a serem implantadas na empresa. A simples questão Por quanto devem ser vendidos os serviços

Leia mais

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Prof. Dr. Armando Catelli FACULDADE DE ECONOMIA,

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais