A ERA DOS PACOTES ESTÁ VOLTANDO?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ERA DOS PACOTES ESTÁ VOLTANDO?"

Transcrição

1 A ERA DOS PACOTES ESTÁ VOLTANDO? PEDRO JORGE RAMOS VIANNA Nesta Carta vamos lembrar um pouco a política de pacotes que durante alguns anos comandou a política econômica brasileira. Isto porque parece que tal política tornou-se a tônica da política econômica do atual governo. Como pano de fundo, faremos um breve relato de todos os pacotes editados até Aqui nos deteremos no último pacote : Medidas de Incentivo à Competitividade, de 05 de maio de Em um passado não muito distante (a partir da década dos setentas do século passado) o Brasil tinha sua vida econômica dominada pela edição de PACOTES ECONÔMICOS. De fato, em 30 de outubro de 1979, foi editado o primeiro pacote. O objetivo era mudar a sistemática de correção dos salários. Ainda em 1979 outro pacote foi editado, nos dias 4 e 7 de dezembro. Neste, a principal medida foi uma maxidesvalorização de 30% na moeda nacional. E a prática dos pacotes continuou. Em 1980 foram editados três deles; em 1981, dois; em 1982, dois; em 1983, seis; em 1984, quatro, em 1985, seis; em 1986, dois e em 1987, dois. No total, foram 29 pacotes em menos de uma década. Mas, concomitantemente com os pacotes, a década dos oitentas do século passado também foi palco dos PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO. Estes planos foram editados dos meados dos anos oitentas até meados dos anos noventas. No Quadro abaixo resumimos esses eventos:

2 QUADRO 1 OS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO NO BRASIL DATA PLANOS 27 de Fevereiro de 1986 Plano Cruzado 13 de Junho de 1987 Plano Bresser 16 de Janeiro de 1989 Plano Verão 15 de Março de 1990 Plano Collor I 1º de Fevereiro de 1991 Plano Collor II 28 de Fevereiro de 1994 Plano Real O restante da década dos noventas não apresentou nenhuma grande mudança na orientação econômica do Governo Federal. Nem pacotes nem planos foram editados. Muito embora possamos citar a mudança de comportamento do Governo Federal para com as PMEs. De fato, em 05 de dezembro de 1996 foi editada a Lei Nº 9.317, que instituía o SIMPLES Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte, objetivando facilitar o cumprimento das obrigações tributárias das micro e pequenas empresas. Ainda na década dos noventas do século passado foi instituído o Estatuto Nacional das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte, com a edição da Lei 9.841, de 05 de outubro de Referida Lei estabelecia que: Art. 1 o Nos termos dos arts. 170 e 179 da Constituição Federal, é assegurado às microempresas e às empresas de pequeno porte tratamento jurídico diferenciado e simplificado nos campos administrativo, tributário, previdenciário, trabalhista, creditício e de desenvolvimento empresarial, em conformidade com o que dispõe esta Lei e a Lei n o 9.317, de 5 de dezembro de 1996, e alterações posteriores. Parágrafo único. O tratamento jurídico simplificado e favorecido, estabelecido nesta Lei, visa facilitar a constituição e o funcionamento da microempresa e da empresa de pequeno porte, de modo a assegurar o fortalecimento de sua participação no processo de desenvolvimento econômico e social.

3 Entretanto, já em meados da primeira década deste século, a volta aos pacotes parece ter acontecido. Senão vejamos: O Pacote de 2004 Em 31 de março de 2004 foi lançado pelo Governo Federal a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior, que ficou conhecida pelo nome de PITCE, através da qual foi viabilizado um conjunto diferenciado de instrumentos que são de responsabilidade de diferentes agências do setor público, inclusive estaduais e municipais. Assim, haverá mecanismos institucionais para a implementação da política e para a coordenação da ação dos órgãos públicos, facilitando a negociação do setor privado com o governo. O resultado final visava maior consistência e eficiência no apoio estatal, maior agilidade no processo de tomada de decisão e maior sinergia entre instituições públicas e mobilização de instrumentos de política. Dentro deste novo paradigma, a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior não é uma iniciativa isolada. Ela faz parte de um conjunto de ações que compõem a estratégia de desenvolvimento apresentada no documento Orientação Estratégica de Governo: Crescimento Sustentável, Emprego e Inclusão Social. Essa política está articulada com os investimentos planejados para a infra-estrutura e com os projetos de promoção do desenvolvimento regional. Nesse sentido é parte integrante do conjunto de medidas previstas no PPA. Sua implementação deverá se articular com a nova política regional De acordo com as diretrizes do Governo, a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior busca, no curto prazo, diminuir as restrições externas do país e, no médio e longo prazo, equacionar o desenvolvimento de atividades-chave, de modo a gerar capacitações que permitam ao Brasil aumentar sua competitividade no cenário internacional. Em função dessas definições, a política buscará: Sustentar a elevação do patamar de exportações, com a valorização de recursos e produtos brasileiros, aproveitando potencialidades para melhorar a imagem do País no exterior e ajudar a criar a marca Brasil. Promover a capacidade inovadora das empresas via concepção, projeto e desenvolvimento de produtos e processos. Estimular o incremento de atividades portadoras de futuro, como biotecnologia, software, eletrônica e optoeletrônica, novos materiais, nanotecnologias, energia renovável, biocombustíveis (álcool, biodiesel) e atividades derivadas do Protocolo de Kyoto.

4 Contribuir para o desenvolvimento regional, estimulando iniciativas que valorizem a dimensão espacial e o fortalecimento de arranjos produtivos locais. Desenvolver projetos voltados para o consumo de massa. Ainda que a demanda seja o indutor dos investimentos, o objetivo é estabelecer padrões de qualidade, design e conteúdo que possibilitem simultaneamente exportações para países com padrão de consumo e renda similares ao Brasil. Busca-se, com isso, auferir ganhos de escala e alcançar um padrão internacional de produto, reduzindo a dicotomia mercado de massas/mercado externo. O Pacote de 2005 Em 21 de novembro de 2005 foi editada a Lei Nº , a chamada LEI DO BEM, mudando a sistemática de tributação para as empresas exportadoras. Assim, foram instituídos o REPES Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação e o RECAP - Regime Especial de Aquisição de Bens de Capital para Empresas Exportadoras, além do PID Programa de Inclusão Digital, além de medidas referentes aos Fundos Previdenciários. O fulcro dessa Lei era incentivar a exportação e a inovação tecnológica para as empresas industriais brasileiras; O Pacote de 2006 Em 14 de dezembro de 2006 foi editada a Lei Complementar Nº 123, a chamada LEI GERAL DAS MICROEMPRESAS. No bojo desta Lei ficou instituído o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Simples Nacional (conhecido como o SUPERSIMPLES) e o Estatuto Nacional das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte. Os Pacotes de 2007 O ano de 2007 foi pródigo em pacotes. De fato, em 31 de maio de 2007, através da Lei Nº , foram instituídos o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores PADIS e o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Equipamentos para TV Digital PATVO. Em 15 de junho do mesmo ano, foi promulgada a Lei Nº , incluindo novos incentivos à inovação tecnológica e a Lei Nº ,

5 criando o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura REIDE. Finalmente, em 12 de novembro de 2007, a Lei Nº modifica o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, ampliando sua abrangência. Os Pacotes de 2008 Em 12 de maio de 2008, o Governo Federal lançou um novo pacote para impulsionar a indústria exportadora brasileira, a chamada POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO. Aqui houve uma mistura de política tributária e política orçamentária. De fato, naquele dia foram editados 05 (cinco) Decretos (números a 6.455) tratando de modificações no IPI e no IOF, do Seguro Crédito à Exportação e criando o CONSÓRCIO SIMPLES. No bojo deste novo pacote foram selecionados as seguintes estratégias de desenvolvimento industrial: Software e tecnologia Para este setor foi estabelecido: i) Redução da contribuição patronal para a seguridade social sobre a folha de pagamento de 20% para até 10% e da contribuição para o Sistema S para até zero, de acordo com a participação das exportações no faturamento da empresas; ii) Dedução em dobro, para determinação da base do cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido das despesas com programas acelerados de capacitação de pessoal; iii); Permissão para que as empresas de informática e automação possam deduzir da base de cálculo do IR e da CSLL os dispêndios relativos a pesquisa e desenvolvimento multiplicados por um fator de até 1,8; iv) e foi estabelecido o novo Prosoft, com aporte de recursos de R$1,0 bilhão entre 2007 e Indústria naval À Indústria Naval Brasileira foi destinado/aprovado: i) um aporte de recursos para investimento inicial da ordem de R$ 400,0 milhões; ii) a suspensão da cobrança de IPI/PIS/CONFINS incidentes sobre peças e materiais destinados a construção de navios por estaleiros nacionais; iii) ampliação da suspensão da cobrança de PIS/Cofins na aquisição de combustíveis para a navegação de longo curso. Hoje, só recebe esse benefício a navegação de cabotagem;iv) autorização para. A Petrobras lançar uma licitação para a construção de 146 embarcações de apoio às operações da estatal. Estímulo ao investimento:

6 Dentro deste tópico, ficou estabelecido: i) a eliminação da incidência do IOF de 0,38% nas operações de crédito do BNDES, Finame e Finep; ii) a redução do IPI para uma lista de setores a ser divulgada; iii) a.redução de prazo de apropriação de créditos de PIS e COFINS derivados da aquisição de bens de capital de 24 para 12 meses; iv) a prorrogação, até 2010, do previsto pela Lei /2004, que reduz de forma acelerada em 50% do prazo de crédito de 25% do valor anual da depreciação que pode ser abatido da CSLL. Financiamento de renda variável Esta política de cunho monetário previu: i) a ampliação do funding do BNDES; ii) a previsão de desembolso total projetado para indústria e serviços entre 2008 e 2010 de R$ 210,4 bilhões (capacidade produtiva, inovação e modernização), dividido em de R$ 62,5 bilhões este ano, R$ 70,2 bilhões em 2009 e R$ 77,7 bilhões em 2010; iii) a redução de 20% no spread básico do conjunto de linhas de financiamento do BNDES, de 1,4% para 1,1% ao ano;; iv) a redução de 40% do spread básico de 1,5% ao ano para 0,9% ao ano; v) a duplicação do prazo para a indústria no produto Finame, de 5 para 10 anos; vi) a redução da taxa de intermediação de 0,8% para 0,5%. Inovação Para promover a inovação tecnológica na indústria brasileira foi estabelecido: i) a criação de uma linha de capital inovador de R$ 6 bilhões entre 2008 e 2010 que cobra apenas a TJLP; ii) o apoio e aos esforços inovativos das empresas, principalmente em capacitação dos, ativos intangíveis de engenharia; iii) criação de uma nova linha de apoio à inovação tecnológica: com o apoio a projetos de pesquisa desenvolvimento e inovação, com taxa de 4,5% por cento; iv) foco do Fundo Tecnológico em saúde, energias renováveis e redução de emissões; v) fortalecimento da FINEP com a linha de financiamento de R$ 740 milhões em 2008; e subvenção econômica à inovação de R$ 325 milhões; Além disto, o pacote visava à ampliação do investimento fixo com relação ao Produto Interno Bruto (PIB), elevar o gasto privado em pesquisa e desenvolvimento, ampliar a inserção internacional do Brasil e dinamizar as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) exportadoras. Essas foram as quatro macrometas estabelecidas na Política de Desenvolvimento Produtivo, que deveriam ser atingidas até 2010 e que previam: Ampliar o investimento fixo/pib: aumentar o investimento fixo para 21% do PIB até 2010.

7 Elevar o gasto privado em P&D: aumento dos gastos privados em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) em um patamar de 0,65% do PIB. Ampliar a participação das exportações brasileiras: inserção internacional das empresas brasileiras por duas vias: (i) exportações e (ii) investimentos diretos no exterior para instalação de representações comerciais ou unidades produtivas (internacionalização). Aumentar o número de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) exportadoras: elevação de 10% no total de Micro e Pequenas Empresas exportadoras entre 2006 e Dentro desta Política (PDP) 24 setores foram escolhidos como beneficiários de suas benesses, conforme descrevemos abaixo. Os Programas Estruturantes um dos níveis da Política de Desenvolvimento Produtivo foram divididos em três eixos: os Programas Mobilizadores em Áreas Estratégicas; os Programas para Consolidar e Expandir a Liderança; e os Programas para Fortalecer a Competitividade. Cada um dos eixos abriga setores e complexos produtivos específicos, para os quais foram definidas metas, objetivos, estratégias, instrumentos, medidas e gestores responsáveis. No total, foram 24 setores contemplados pelos programas estruturantes. PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS: superar os desafios científico-tecnológicos para inovação, com compartilhamento de metas entre a iniciativa privada, os institutos tecnológicos e a comunidade científica. Contemplando os seguintes setores: Complexo Industrial da Saúde Metas: Redução do déficit comercial do Complexo Industrial Saúde para US$ 4,4 bilhões até 2013; desenvolvimento de tecnologia para produção local de 20 produtos estratégicos para o SUS até Complexo Industrial da Energia Nuclear Metas: Ampliação da capacidade de produção de urânio; implementação da primeira etapa da Unidade de Enriquecimento de Urânio; concluir a planta-piloto 2 de produção de UF6 (conversão); criação a Empresa Brasileira de Radiofármacos (EBR) até Tecnologias de Informação e Comunicação Envolveu cinco subsetores: Software e serviços TI, Microeletrônica, Mostradores de informação (displays), infra-estrutura para inclusão

8 digital e adensamento da cadeia produtiva. Cada subsetor teve as seguintes metas já definidas na Política: Software e Serviços de TI: exportar R$ 3,5 bilhões em 2010; criar 100 mil novos empregos até 2010; e consolidar dois grupos ou empresas de tecnologia nacional (serviços de TI) com faturamento superior a R$ 1 bilhão. Os gestores são MCT e MDIC. Microeletrônica: implantar duas empresas de fabricação de Circuitos Integrados (ou MEMS), envolvendo a etapa de front-end; elevar o número de Design Houses do programa CI Brasil de sete para 14 e fortalecer a sua atuação. Os gestores são MCT e MDIC. Mostradores de informação (displays): instalar uma empresa de manufatura de painéis delgados com tecnologia emergente; e instalar uma empresa fornecedora global de insumos para displays. Os gestores são MCT e MDIC. Infra-estrutura para a inclusão digital: ampliar o acesso à Internet para 25% dos domicílios brasileiros; garantir o acesso à banda larga a 100% das escolas públicas urbanas em 2010; dobrar a base instalada de computadores nos domicílios brasileiros; e oferecer serviços de interatividade na TV Digital terrestre para área de cobertura de 30 milhões de domicílios. Os gestores são Casa Civil, Ministério das Comunicações, MCT, MDIC e MPOG. Adensamento da cadeia produtiva de TICs: reduzir para 30% a penetração de importações de TICs do complexo eletrônico; e interromper a trajetória ascendente do déficit comercial do complexo eletrônico. Os gestores são MCT e MDIC. Nanotecnologia Metas: Investir R$ 70 milhões em P,D&I; e alcançar 100% dos investimentos privados previstos no Plano de Ação de Ciência, Tecnologia e Inovação. Biotecnologia Metas: Desenvolver 20 produtos priorizados nas quatro áreas setoriais da Política de Desenvolvimento da Biotecnologia até 2010; induzir até 20 projetos cooperativos (ICTs empresas) até 2010; financiar cinco centros de desenvolvimento em biotecnologia avançada para incorporação da biotecnologia em processos industriais; e ampliar

9 produção nacional de biofármacos e imunobiológicos para 10% do valor das vendas da indústria farmacêutica nacional em 10 anos. Complexo Industrial de Defesa Metas: Investir R$ 1,4 bilhão em modernização e Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I); em 2010, elevar para 50% o fornecimento nacional nas 4 compras de defesa; em 2020, elevar para 80% o fornecimento nacional nas compras de defesa. PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA: Abrangem setores e empresas que possuem capacidade competitiva e projeção internacional, reforçando a competitividade do País por meio da consolidação e da ampliação de novos investimentos, com ênfase na inovação e na internacionalização dessas empresas. Contemplaram os seguintes setores: Bioetanol Metas: Produção de 23,3 bilhões de litros, exportação de 5 bilhões de litros e geração de MW médios adicionais em Petróleo, Gás Natural e Petroquímica Metas: Aumentar produção de óleo e GLN para 2,4 milhões barris/dia em 2012 (1,8 milhões barris/dia em 2007); aumentar a produção de gás natural para 637 mil barris/dia em 2012 (273 mil barris/dia em 2007); e manter o conteúdo local nos projetos em 75% em 2010 (75% em 2007). Indústria Aeronáutica Metas: Sustentar a 3ª posição em aeronaves comerciais; dobrar a participação mundial em aeronaves executivas até 2012; dobrar as exportações de helicópteros para América do Sul; e aumentar a produtividade nas aeropeças (Faturamento/Empregado/ano) para R$ 200 mil. Celulose e Papel, Mineração e Siderurgia Metas: Manter posição entre os cinco maiores produtores mundiais; e aumentar investimentos em P&D para 0,68% do faturamento (0,53% em 2005). Carnes Metas: Exportar US$ 14 bilhões em 2010 PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE: Foram focados em sistemas, cadeias e complexos produtivos que geram efeitos de encadeamento sobre o conjunto da estrutura industrial com potencial exportador. Embora afetados por importações, esses

10 complexos possuem potencial competitivo. Os programas contemplaram os seguintes setores: Complexo automotivo Metas: Produzir 4 milhões de veículos em 2010 e 5,1 milhões em 2013; gastos em P&D de 2% do faturamento em 2010 e 2,5% em 2013; e exportação de 930 mil veículos em Bens de Capital sob Encomenda e Seriados Metas: Bens de capital sob encomenda: aumentar gastos em P,D&I sobre o faturamento líquido de 0,55% para 0,80% em 2010; ampliar exportações para US$ 4,4 bilhões em 2010 (US$ 2,9 bilhões em 2007). BK seriados: investimentos de US$ 11,5 bilhões para ; ampliar os gastos em P,D&I sobre o faturamento líquido de 1,32% para 2%; e ampliar as exportações de US$ 16,7 bilhões para US$ 22,3 bilhões em Indústria Naval e Cabotagem Metas: Aumentar o uso de navipeças nacionais de 65% para 85%; ampliar a participação da bandeira brasileira na marinha mercante mundial para 1%; e gerar mais 25 mil empregos na cadeia produtiva. Indústria Têxtil e de Confecções Meta: Ampliar faturamento para US$ 41,6 bilhões em 2010, frente aos US$ 33 bilhões de Couro, Calçados e Artefatos Metas: Conquistar a segunda posição na produção mundial de calçados; aumentar valor das exportações de couro acabado à taxa média de 10% ao ano; e conquistar a terceira posição na exportação de calçados. Madeira e Móveis Metas: Crescimento médio de 15% a.a. nas vendas internas e de 7,5% a.a. nas exportações; ampliar o investimento em inovação e P&D para, respectivamente, 3% e 0,5% das vendas líquidas; e aumentar o consumo no mercado doméstico em 30%. Sistema Agroindustrial Metas: Ampliar as exportações do sistema agroindustrial em 25% até 2010; estabelecer normas socioambientais para os principais complexos agroindustriais; e apoiar cooperativas agroindustriais de MPEs no processo de gestão e inserção internacional. Biodiesel

11 Meta: Produção de 3,3 bilhões de litros de biodiesel. Construção civil Metas: Aumentar a produtividade em 50% e reduzir perdas em 50% até COMPLEXO DE SERVIÇOS TRANSPORTES, VIAGENS E TURISMO, ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO, SEGURO E FINANÇAS, COMUNICAÇÕES Metas: Ampliar as exportações do complexo de serviços para 1% do comércio mundial de serviços, ou US$ 39,5 bilhões em 2010; e capacitar cinco mil empresários em exportação de serviços até 2010; Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos Metas: US$ 700 milhões de exportações em 2010 (crescimento médio anual de 10%); Plásticos Metas: US$ 2,2 bilhões em exportação de produtos transformados plásticos em 2010, ante US$ 1,1 bilhão em FUNDO SOBERANO Criação de um Fundo Soberano. Ainda em 2008, nos meses de outubro e dezembro foram promulgados 03 Decretos e 02 Medidas Provisórias. Assim, a MP Nº 442, de 06 de outubro de 2008, alterou a Operação de Redescontos do Banco Central do Brasil. A MP 443, de 21 de outubro de 2008 autoriza o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal a constituírem subsidiárias e a adquirirem participações em instituições financeiras sediadas no Brasil. NO dia seguinte, 22 de outubro foi promulgado o Decreto Nº que modificava o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro ou Relativas a Tributos ou Valores Mobiliários IOF, párea as operações tipicamente financeiras.

12 Estas medidas foram ações políticas contra a crise financeira que se espraiava sobre o mundo. Foram políticas anticíclicas, destinadas a preservar a liquidez do mercado monetário-financeiro do Brasil. Mas em 11 de dezembro de 2008 essas políticas foram complementadas por políticas tributárias. De fato, o Decreto 6.687, altera a Tabela DE Incidência do IPI e o Decreto Nº que alterou o Regulamento do IOF, nas operações de exportação. Aqui o objetivo era a preservação do mercado interno brasileiro. Na realidade, após setembro de 2008, quando a crise internacional eclodiu com a quebra do banco Lehman Brothers, a política econômica brasileira foi totalmente voltada para preservar o Brasil dos efeitos da crise, conforme se pode depreender das políticas listadas no Quadro abaixo. QUADRO 2 AS POLÍTICAS BRASILEIRAS NO PÓS-CRISE POLÍTICAS FISCAIS POLÍTICAS POLÍTICA DE POLÍTICA TRIBUTÁRIA MONETÁRIAS GASTOS Redução nas reservas Expansão dos Diminuição da Alíquota compulsórias Redução da TBJ Reservas para Financiar as Exportações Repasse de R$100 bilhões do Tesouro para o BNDES Aumento do volume nas linhas de crédito dos bancos oficiais Queda das taxas de juros nos créditos dos bancos oficiais investimentos do PAC Programa Minha Casa Minha Vida: R$ 28 bilhões em subsídios, 60 bilhões em investimentos Plano Safra: R$ 12,0 bilhões do IOF Redução do IRPJ Redução temporária do IPI veículos Redução temporária do IPI linha branca Redução temporária do IPI - material de construção Alíquota zero do COFINS sobre Motos Alíquota zero dos PIS/COFINS sobre Trigo, Farinha e Pãozinho Desoneração do IPI sobre Bens de Capital

13 Finalmente chegamos ao pacote de 2010: MEDIDAS DE INCENTIVO À COMPETITIVIDADE. Já estando a economia brasileira isenta dos efeitos da crise de setembro de 2008, mister se faz adotar medidas para incentivar a retomada do crescimento. Assim, em 05 de maio deste ano, foi lançado o pacote acima referido. Embutidas no bojo deste último Pacote, temos as seguintes medidas: Devolução de 50,0% dos créditos do PIS/PASEP, COFINS e IPI acumulados na exportação em até 30 dias após a solicitação; Exclusão da receita de exportação no faturamento total para efeito de cálculo no enquadramento no SIMPLES, no limite de R$2,4 milhões por ano; Implantação do Drawback Isenção no mercado interno, no qual a exportação realizada no período anterior dá direito à aquisição de insumos nacionais com alíquota zero de impostos no período corrente; Eliminação em seis meses do redutor de 40,0% do Imposto de Importação sobre autopeças; Criação do Fundo Garantidor de Infraestrutura FGIE, unificando0 a atuação dos fundos NAVAL, de ENERGIA e de PPPS; Criação da Empresa Brasileira de Seguros EBS; Criação do Fundo Garantidor de Comércio Exterior FGCE; para cobertura de riscos comerciais; Criação da EXIM BRASIL, com a transformação da FINAME e com a transferência das operações de comércio exterior do BNDES para a EXIM BRASIL ; Equalização de taxa de juro em financiamento pré-embarque, no Programa de Sustentação do Investimento PSI; e Autorização para a União conceder margem de preferência em suas compras a bens e serviços nacionais Como pode ser visto, exceto para a última medida que trata das compras da União, todas elas estão voltadas para dar maior competitividade às empresas brasileiras em suas operações com o mercado internacional. Entretanto, embora seus efeitos possam ser positivos dois grandes entraves ainda persistem para que as empresas brasileiras possam competir no mercado externo: as altas taxas de juros e a sobrevalorização do Real. Não se pode negar que uma empresa exportadora de um país qualquer leva vantagem sobre as empresas brasileiras quando elas fazem seus contratos de ACC. Enquanto aquela pagará juros muito baixos, a empresa brasileira pagará a mais elevada taxa de juros do mundo.

14 Também não se pode negar que a sobrevalorização da moeda nacional é um forte inibidor para o crescimento das exportações nacionais. Visto que tal sobrevalorização é determinada pelo mercado financeiro, não seria mais conveniente atuar sobre este mercado para inibir a entrada excessiva de cambiais no País? Finalmente, dentro desse tema, vale chamar a atenção que a prática do pacote envolve sempre a discriminação de setores, o que pode ter efeitos deletérios sobre o sistema econômico no seu todo. Carta econômica publicado no site da FIEC, ano 3 número 04 abril 2010

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS

PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS PROGRAMAS ESTRUTURANTES DEFINEM METAS PARA 24 SETORES PRODUTIVOS Os Programas Estruturantes um dos níveis da Política de Desenvolvimento Produtivo estão divididos em três eixos: os Programas Mobilizadores

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO 1 Sumário OPORTUNIDADE PARA UMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO SÍNTESE DA PROPOSTA NÍVEL SISTÊMICO: PROJETOS E INICIATIVAS NÍVEL ESTRUTURAL: PROJETOS

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Workshop: Os Desafios para a Industria Nacional de Petróleo e Gás BNDES, Rio de Janeiro - RJ, 02 de julho de 2008 FINEP Empresa pública

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Programas de Financiamento à Inovação III WORKSHOP DAS UNIDADES DE PESQUISA DO MCT Campinas, 30 e 31 de agosto de 2010 Inovação Inovação

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação

Financiadora de Estudos e Projetos. Agência Brasileira de Inovação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Missão da FINEP Promover e financiar a Inovação e a Pesquisa científica e tecnológica em: Empresas; Universidades; Centros de pesquisa;

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas

LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas LEI DE INOVAÇÃO Regulamentação e Medidas Tributárias Favoráveis às atividades de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação nas Empresas 8 REPICT Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização

Leia mais

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Francisco Silveira Chefe de Divisão/CGTE/SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Lei de Informática Lei 7.232 29.out.1984 Lei 8.248 23.out.1991 Lei 10.176

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades

Exportação de Software e Serviços de TICs. Panorama e Oportunidades Exportação de Software e Serviços de TICs Panorama e Oportunidades Brasília, Novembro de 2008 André Limp Gestor de Projetos - Tecnologia MERCADOS DESENVOLVIDOS Sistema financeiro Seguradoras Gestão de

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

política de desenvolvimento produtivo

política de desenvolvimento produtivo política de desenvolvimento produtivo avaliação e perspectivas Brasília, agosto de 2009 política de desenvolvimento produtivo avaliação e perspectivas Brasília, agosto de 2009 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Financiamento para Inovação em Saúde Seminário sobre o Complexo Econômico-Industrial da Saúde Política Industrial para o Complexo

Leia mais

Apoio à Inovação. Agosto, 2015

Apoio à Inovação. Agosto, 2015 Apoio à Inovação Agosto, 2015 Quem somos vídeo institucional Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M Es Micro Pequena Média Até R$ 2,4 milhões Até R$ 16

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos 1 FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Simpósio Materiais Automotivos e Nanotecnologia São Paulo, 7 de junho de 2010 Resumo Marcos legais regulatórios Nanotecnologia

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G -

Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Apoio do BNDES para a Cadeia de Fornecedores de P&G -Programa BNDES P&G - Departamento da Cadeia Produtiva de Petróleo e Gás Área de Insumos Básicos Outubro de 2011 1 Agenda 1.OBNDESeaIndústriadeP&G 2.ACadeiadeFornecedoresdeP&G

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP I WORSHOP SETORIAL DE AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC / FIESP OUTUBRO / 2009 1 I..

Leia mais

Política de financiamento. da FINEP para empresas

Política de financiamento. da FINEP para empresas Política de financiamento da FINEP para empresas SMR, 15/09/2003 FINEP Marcos históricos 1967 FINEP substitui o Fundo de Financiamento de Estudos de Projetos e Programas (José Pelúcio Ferreira) 1969 Criado

Leia mais

Resídu7.152 33333333339933333333333333333

Resídu7.152 33333333339933333333333333333 Resídu7.152 33333333339933333333333333333 República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Coordenação da Política de Desenvolvimento Produtivo Miguel Jorge Ministro de

Leia mais

SETORIAIS VISÃO GERAL

SETORIAIS VISÃO GERAL MCT FUNDOS SETORIAIS VISÃO GERAL Financiamento de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil RECURSOS GOVERNAMENTAIS IMPOSTOS e TAXAÇÃO SISTEMA DE CT&I Universidades Centros de Pesquisas Empresas do Governo

Leia mais

O Apoio do BNDES à Internacionalização das Empresas Brasileiras Seminário SOBEET

O Apoio do BNDES à Internacionalização das Empresas Brasileiras Seminário SOBEET O Apoio do BNDES à Internacionalização das Empresas Brasileiras Seminário SOBEET São Paulo, 03 de agosto de 2012 Apoio à internacionalização - Histórico Evolução do tema no BNDES refletiu o aumento do

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto do Mercado de Carbono no Brasil Rio de Janeiro RJ, 09 de novembro de 2010 FINEP

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação São Paulo, Junho de 2009 FINEP Agência Brasileira da Inovação Empresa pública vinculada ao

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5

Incentivos Fiscais Pro r f. f.dr. r.a ri r st s e t u G omes T i T ninis C iab a á, á 1 5 1 5 de d ez e e z mbr b o r de 2 0 2 1 0 5 MCTI - Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Incentivos Fiscais Prof. Dr. Aristeu Gomes Tininis Cuiabá, 15 de dezembro de 2015 MCTI SETEC. AGENDA Programa Inovar Auto. Lei do Bem. Possibilidades

Leia mais

Desonerações Instituídas em 2012. RETAERO - ampliação para a indústria aeroespacial. A partir de 01/01/2013.

Desonerações Instituídas em 2012. RETAERO - ampliação para a indústria aeroespacial. A partir de 01/01/2013. 29/02/2012 Decreto 7.683 IOF 15/03/2012 Decreto 7.699 IOF 22/03/2012 Lei 12.598 544) 16 IPI, PIS, COFINS Desonerações Instituídas em 2012 Redução a zero da alíquota do IOF incidente sobre operações de

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas

Apresentação Institucional. Instrumentos de apoio. Evolução dos recursos. Apresentação de propostas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação da Finep São Paulo, 28/04/2009 O desenvolvimento das economias modernas demonstra o papel fundamental que, nesse processo, compete

Leia mais

< > MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS

< > MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARA O RS POLÍTICA INDUSTRIAL DO RS Modelo de Desenvolvimento Industrial do Estado do RS Março de 2012. 2 Sumário MODELO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DO ESTADO DO RS Destaques

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC, O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC e o MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, tornam público e

Leia mais

Relatório de Gestão 2006

Relatório de Gestão 2006 Relatório de Gestão 2006 1. PROGRAMA:- Ciência, Tecnologia e Inovação para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) - ( 1388 ). 1.1.OBJETIVOS: 1.1.1.Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop

Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Incentivos Fiscais à Inovação Tecnológica da Lei do Bem Workshop Eduardo Grizendi Professor Titular egrizendi@inatel.br Blog: www.eduardogrizendi.blogspot.com Santa Rita do Sapucaí, 12 de Março de 2010

Leia mais

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC:

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: Boletim 03/2011 I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: http://www.uesc.br/nucleos/nit/index.php?item=conteudo_projetos.php Visite nosso blog: / Editais / FAPESB Edital 022/2010 Apoio a Pesquisa

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Indústria metalúrgica - uma década de mudança

Indústria metalúrgica - uma década de mudança Indústria metalúrgica - uma década de mudança Muito já se falou dos efeitos perversos das medidas adotadas durante a década de 1990 para o desenvolvimento econômico e social do país. Mas nunca é demais

Leia mais

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N

PROJETO DE LEI N 3476/04 EMENDA DE PLENÁRIO N PROJETO DE LEI N 3476/04 Dispõe sobre incentivos à inovação. EMENDA DE PLENÁRIO N Acrescente-se ao PL os seguintes dispositivos, renumerando os atuais Capítulo VII como IX e os artigos 24 a 27 como 37

Leia mais

D.1. Instrumentos de apoio financeiro

D.1. Instrumentos de apoio financeiro 1 2 Neste capítulo são explicitadas todas as linhas de apoio à inovação que são operadas em nível nacional. Elas consistem em recursos financeiros, transferidos ou intermediados pelos órgãos governamentais

Leia mais

Missão da FINEP inovação e a pesquisa científica e tecnológica mobilizando recursos financeiros integrando instrumentos

Missão da FINEP inovação e a pesquisa científica e tecnológica mobilizando recursos financeiros integrando instrumentos Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, institutos tecnológicos, centros de pesquisa e outras instituições públicas ou privadas,

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Fevereiro 20051 Pilares da Política Macroeconômica - Equilíbrio fiscal - Manutenção da carga tributária do Governo Federal no nível de 2002 - Solidez das contas externas - Medidas

Leia mais

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital

PBM. Agenda Setorial Bens de Capital PBM Agenda Setorial Bens de Capital São Paulo, 16 de janeiro de 2013 Objetivos Objetivos: Aumentar o Consumo Aparente de BK, com Redução Simultânea do Coeficiente de Importação Aumentar as Exportações

Leia mais

Política Industrial em Telecomunicações

Política Industrial em Telecomunicações Ministério das Comunicações Política Industrial em Telecomunicações Maximiliano Martinhão Secretário de Telecomunicações Ministério das Comunicações Brasília Maio/2013 Antecedentes Históricos 1997: Abertura

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

A FINEP e a Inovação nas Empresas

A FINEP e a Inovação nas Empresas A FINEP e a Inovação nas Empresas Avílio Antônio Franco afranco@finep.gov.br A Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e tecnológica em empresas, universidades, centros

Leia mais

Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial

Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial A Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior * Julho 2004 * Trabalho realizado para o IEDI por Roberto Vermulm, professor da FEA / USP.

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Uma Lei em Favor do Brasil

Uma Lei em Favor do Brasil Uma Lei em Favor do Brasil O ambiente desfavorável aos negócios Hostil às MPE Alta Carga Tributária Burocracia Ineficaz Elevada Informalidade Concorrência Predatória Baixa Competitividade Empreendedorismo

Leia mais

Operações com o BNDES

Operações com o BNDES Operações com o BNDES EXIGÊNCIAS AO BENEFICIÁRIO Capacidade de pagamento Estar em dia com obrigações fiscais, tributárias e sociais Não estar em regime de recuperação de crédito Ter a posse do terreno/imóvel

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN

A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN 1 A POSTURA DO GOVERNO DIANTE DA CRISE PRESERVAR O NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO EM CURSO A ATUAÇÃO CONTRADITÓRIA DO BACEN Cézar Manoel de Medeiros* O Novo Ciclo de desenvolvimento em curso no Brasil é

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial no Brasil maior abertura de uma economia não aumenta, necessariamente,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida

Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Construção Civil, Habitação e Programa Minha Casa Minha Vida Ministro Paulo Bernardo Brasília - DF, outubro de 2009 Sumário 1. Situação recente do setor da construção civil 2. Medidas já adotadas pelo

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022 Carteira de projetos prioritários para 2014 Propostas a serem entregues aos presidenciáveis Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 OBS: AJUSTAR TAMANHO DA LOMBADA COM O CÁLCULO FINAL DO MIOLO. Mapa Estratégico

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º WORKSHOP PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS FPSO Automação e Instrumentação

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

Auditoria e Consultoria para seu Negócio.

Auditoria e Consultoria para seu Negócio. Auditoria e Consultoria para seu Negócio. Contexto Local 2005 A Lei nº 11.196/2005 Lei do Bem, em seu Capítulo III, foi concebida de forma a acompanhar a tendência internacional, concedendo incentivos

Leia mais

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas 1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo, 10 de abril de 2012 Ranking Produção científica & Inovação Produção Científica

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia

Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Os investimentos do BNDES nas áreas de infraestrutura, logística e energia Quando analisamos de perto os investimentos do BNDES nos itens de infraestrutura, logística e energia, fica evidente que há uma

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

MPH0808 POLÍTICAS INDUSTRIAIS DOS GOVERNOS LULA E DILMA

MPH0808 POLÍTICAS INDUSTRIAIS DOS GOVERNOS LULA E DILMA III Congresso Internacional de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento 20 a 22 de outubro de 2014 CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO SOCIAL MPH0808 POLÍTICAS INDUSTRIAIS DOS GOVERNOS LULA E DILMA

Leia mais

Pacote de medidas para enfrentamento da crise econômica.

Pacote de medidas para enfrentamento da crise econômica. Pacote de medidas para enfrentamento da crise econômica. Impactos da crise em Pernambuco: FONTE: CTE/SEFAZ Janeiro a Julho 2014 realizado, 2015 orçado x 2015 realizado Valores em R$ Mi Passado o primeiro

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial BRASÍLIA, 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Parque Industrial e sua modernização

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2)

Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2) 36 temas de economia aplicada Sustentabilidade da Dívida Brasileira (Parte 2) Raí Chicoli (*) Este é o segundo de uma série de três artigos que tratarão do tema da sustentabilidade da dívida brasileira.

Leia mais

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 O Brasil no século XXI Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 Construir o Brasil do século XXI Reduzir as Vulnerabilidades Externas; Enfrentar as desigualdades; Realizar as potencialidades; Construir

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Financiamento público de PD&I

Financiamento público de PD&I Financiamento público de PD&I Proposta de Trabalho 27 de Setembro 2012 São Paulo, Agosto 2011 Pedro Wongstchowski 1 Fundos Setoriais: criação, objetivos, governança e reforma 2 Fundos Setoriais Os Fundos

Leia mais

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008)

ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ANEXO (Portaria Interministerial MCT/MDIC nº 291, de 07.05.2008) ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS DE PROJETO LEI Nº 11.484/2007 CAPÍTULO II PATVD I INTRODUÇÃO O presente roteiro orienta a elaboração

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba - SP 08/10/2013

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba - SP 08/10/2013 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba - SP 08/10/2013 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais