Juan José Gil Sánchez

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Juan José Gil Sánchez"

Transcrição

1 VERSÃO BRASILEIRA Juan José Gil Sánchez Modelos preditivos aplicados ao seguro de vida ANO XXIX 114 Nosso modelo facilita a permeabilidade da cultura do risco Diretor de financiamento de riscos e seguros corporativos do Grupo Telefónica Uma ferramenta adequada para a modelagem de riscos TERCEIRO QUADRIMESTRE 2012 JOSÉ MIGUEL RODRÍGUEZ-PARDO DEL CASTILLO Impacto da Diretriz de Gênero no setor segurador Proposta de um novo modelo preditivo MÓNICA SALDAÑA SANZ Cartéis das companhias de seguros marítimos no séc. XIX O exemplo histórico de Barcelona MARIO SALA O naufrágio do cruzeiro Costa Concordia Causas e consequências econômicas do acidente GERÊNCIA DE RISCOS E SEGUROS

2 Instituto de Ciencias del Seguro Centro de Documentación C/ Bárbara de Braganza, 14, 3ª planta Madrid España CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO EM SEGUROS, GERÊNCIA DE RISCOS, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE Sistema integral de gestão documental desenvolvido conforme padrões internacionais. Catálogo web com mais de referências bibliográficas e documentos eletrônicos com texto completo. Múltiplos recursos de informação: bancos de dados externos, imprensa econômica, normas técnicas, etc. Catálogo web na: Para mais informações: Tel.: Fax:

3 editorial Um olhar para o futuro Encerramos um ano que foi dificílimo para muita gente. Com as taxas de desemprego, os despejos e a precariedade de trabalho, as festas de Natal, que normalmente passamos com alegria e diversão, acabaram sendo cruéis para muitas pessoas. Refiro-me àqueles que, exatamente porque há alegria e festa no ar, sentem com maior intensidade o desamparo, a carência de tantas coisas e o desânimo. Ainda assim, nossa situação nos obriga a superar a amargura e o desencanto que nos paralisa como cidadãos críticos e reflexivos. Estas festas devem ter sido o espelho para o qual olhamos e onde como se fosse um objeto mágico pudemos saber o futuro. É hora de compreender que o futuro deixou de ser uma extrapolação previsível do passado. Não é hora de repetir ações que se mostraram infrutíferas. Não, não estamos em crise. O que acontece é que as regras do jogo mudaram. De nada vale nosso empenho em busca da excelência se partimos de posições rotineiras e pouco criativas. A boa notícia é que, ultrapassando as palavras e o modo de formular os problemas, a originalidade e a criatividade estão sempre no cerne das respostas que imaginamos para enfrentar a mudança. Temos a solução nas mãos e não devemos esquecer que a aposta na competência e na inovação é a fonte da nossa prosperidade futura. Competência e inovação são dois valores que a cultura do Grupo Telefónica conforme nos revela na entrevista seu diretor de financiamento de riscos e seguros corporativos aplica nos 25 países onde atua, sendo esta a forma como consegue se posicionar como uma das principais operadoras de telecomunicações, líder mundial em soluções de comunicação, informação e entretenimento. No primeiro dos três estudos publicados neste número da Revista, contamos com a reflexão que seu autor propõe sobre os modelos preditivos utilizados para a modelagem dos riscos pessoais para a correta gestão do modelo de negócio segurador relacionado às redes sociais e às mudanças que isso acarreta na cultura empresarial. O segundo estudo apresenta uma nova metodologia para o cálculo da probabilidade de sobrevivência e falecimento, como resultado da Diretriz de Igualdade de Gênero da União Europeia, segundo a qual o sexo deixará de ser utilizado como uma variável determinante no estabelecimento do prêmio do seguro. No terceiro dos estudos publicados, o autor nos transmite sua visão sobre as razões do auge em Barcelona, na metade do século XIX, das companhias de seguros especializadas no comércio de seguros marítimos e discorre sobre o convênio que várias delas firmaram para evitar a 3

4 editorial concorrência mútua, que amarrava sua atividade comercial, e regular a produção, a venda e os preços. Encerrando a seção, trazemos um relatório elaborado pelo Instituto de Ciências do Seguro da FUNDACIÓN MAPFRE sobre o mercado segurador latino-americano com informações sobre os 25 maiores grupos seguradores no ano de Ele revela um aumento conjunto da concentração desses 25 grupos para 65,3 por cento do negócio. Esse incremento derivou dos processos de aquisição e acordos empresariais que aconteceram nesse ano. No Observatório de Sinistros, relata-se o acidente do Costa Concordia, o navio que, no início de 2012, chocou-se contra uma rocha e naufragou em frente à ilha italiana de Giglio. O tratamento que os meios de comunicação deram ao acidente despertou no imaginário coletivo um afã sobre segurança em navegação, especialmente nos cruzeiros, que se traduziu na implementação de novas medidas de segurança. Apesar da realidade imperante, que nós possamos ter tido festas dignas de serem lembradas. Que, ao levantar a taça e brindar à meia-noite, tenhamos conseguido lembrar que estas festas serão uma recordação das que estão por vir. E que futuro pode ser melhor do que fazer parte de uma boa recordação? Feliz 2013! FUNDACIÓN MAPFRE Instituto de Ciencias del Seguro Paseo de Recoletos, Madrid (España) Tel.: Fax: PRESIDENTE: Filomeno Mira Candel DIRETOR: José Luis Ibáñez Götzens CHEFE DE REDAÇÃO: Ana Sojo Gil COORDENAÇÃO: María Rodrigo López CONSELHO DE REDAÇÃO: Irene Albarrán Lozano, Alfredo Arán Iglesia, Francisco Arenas Ros, Montserrat Guillén Estany, Alejandro Izuzquiza Ibáñez de Aldecoa, César López López, Jorge Luzzi, Francisco Martínez García, Ignacio Martínez de Baroja y Ruíz de Ojeda, Eduardo Pavelek Zamora, Mª Teresa Piserra de Castro, César Quevedo Seises, Daniel San Millán del Río, François Settembrino. PRODUÇÃO EDITORIAL: Comark XXI Consultores de Comunicación y Marketing DESENHO GRÁFICO: Adrían y Ureña Versão Brasileira: Fundación mapfre - Delegação Brasil Direção: Fátima Lima COORDENAÇÃO: Renata Pappalardo e Gabriela Freitas Tradução E REVISÃO: Maristela Leal Casati Projeto Gráfico e Design Adaptado: bmew Propaganda A revista Gerência de Riscos e Seguros não se responsabiliza pelo conteúdo de nenhum artigo ou trabalho assinado por seus autores, e o fato de publicá-los não implica concordância ou identificação com os trabalhos expostos nesta publicação. É proibida a reprodução total ou parcial dos textos e ilustrações desta revista sem a autorização prévia do editor. 4

5 índice TERCEIRO quadrimestre 2012 Obs.: Versão brasileira traduzida, originalmente, da edição espanhola da Revista Gerencia de Riesgos y Seguros, 3 º Quadrimestre de Atualidade 6 Novidades legislativas. Notícias IGREA Congresso Renovações Previsão sobre risco extremo de tempestades solares em Real Decreto regulador da Responsabilidade Civil e a garantia equivalente dos administradores de massa falida. Temporada 2012 de incêndios florestais na Espanha. Limpando vazamentos: Prestige e Deepwater Horizon. Consequências do furacão Sandy. Entrega do VI Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán. Graduação do curso acadêmico 2011/2012 do CUMES. Agenda Entrevista 14 Juan José Gil Sanchez, diretor de financiamento de riscos e seguros corporativos do Grupo Telefónica O seguro é uma ferramenta financeira admirável e única pela forma em que se ajusta às perdas com os funcionários Estudos Modelos preditivos aplicados ao seguro de vida JOSÉ MIGUEL RODRÍGUEZ-PARDO DEL CASTILLO Impacto da Diretriz de Gênero no setor segurador MÓNICA SALDAÑA SANZ Os cartéis das companhias de seguros marítimos de Barcelona no séc. XIX MARIO SALA Relatório Ranking de grupos seguradores na América Latina 2011 CENTRO DE ESTUDOS Observatório de sinistros Costa Concordia : um naufrágio no litoral GERÊNCIA DE RISCOS E SEGUROS Livros 81 Notícias AGERS 87 Caderno Brasil 90 Sustentabilidade: Gestão de risco, eis a questão 5

6 LEGISLAÇÃO Novidades Ordem ECC/2150/2012, de 28 de setembro, pela qual se modifica a Ordem EHA/339/2007, de 16 de fevereiro, pela qual se desenvolvem determinados preceitos da legislação que regula os seguros privados. B.O.E. núm. 245, de 11 de outubro de Real Decreto 1333/2012, de 21 de setembro, pelo qual são regulados o seguro de responsabilidade civil e a garantia equivalente dos administradores de massa falida. B.O.E. núm. 241, de 6 de outubro de Real Decreto 1192/2012, de 3 de agosto, pelo qual se regula a condição de segurado e de beneficiário para fins da assistência à saúde na Espanha, por conta dos fundos públicos, através do Sistema Nacional de Saúde. B.O.E. núm. 186, de 4 de agosto de Resolução de 13 de julho de 2012, da Secretaria de Estado de Serviços Sociais e Igualdade, pela qual se publica o Acordo do Conselho Territorial do Sistema para a Autonomia e Atenção à Dependência para a melhora do sistema para a autonomia e atenção à dependência. B.O.E. núm. 185, de 3 de agosto de Resolução de 6 de julho de 2012, da Direção Geral de Seguros e Fundos de Pensão, pela qual se cumpre o previsto no dispositivo adicional único do Real Decreto 1736/2010, de 23 de dezembro, pelo qual se modifica o Plano de Contabilidade das Companhias Seguradoras, aprovado pelo Real Decreto 1317/2008, de 24 de julho, com relação às tabelas de mortalidade e sobrevivência a serem utilizadas pelas companhias seguradoras e ao artigo único da Ordem EHA/69/2011, de 21 de janeiro, pela qual se prorroga a utilização das tabelas de sobrevivência GRM95 e GRF95 e as tabelas de falecimento GKM95 e GKF95 no sistema de planos de pensão. B.O.E. núm. 174, de 21 de julho de atualidade IGREA realiza em Sevilha seu congresso de tendências do mercado para 2013 Em 28 de novembro, a IGREA realizou em Sevilha seu congresso de tendências do mercado para 2013, Renovações , ao qual assistiram representantes das principais companhias seguradoras de grandes riscos na Espanha, bem como das principais corretoras e de todas as empresas que são membros da IGREA. O congresso foi inaugurado pelo Secretário Geral, Miguel Ángel Jiménez-Velasco, que deixou clara a importância de estabelecer na empresa uma cultura do risco e a necessidade de implantar sistemas de gestão global de risco (ERM) que permitam às grandes multinacionais espanholas fazer frente à internacionalização com maiores garantias de êxito. Sob o formato de debate entrevistado-entrevistador, foram abordados importantes assuntos sobre as peculiaridades dos distintos mercados seguradores em nível mundial e as exigências particulares de cada um deles. Rogelio Bautista, Gerente de Riscos da Abengoa, e 6

7 Jaime Echanove, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Willis, conversaram sobre a política de asseguramento nos Estados Unidos e as grandes diferenças em relação a outros mercados. Entre outros tópicos, eles falaram sobre temas relativos a acidentes de trabalho, terrorismo e cobertura futura deste risco quando terminar, em 2014, o atual acordo sobre cobertura deste risco em nível estatal, construção, efeitos do Sandy e evolução do seguro de D&O (Directors & Officers). Segundo a opinião dos especialistas, o mercado norte-americano endurecerá levemente em Juan José Gil, Diretor de Financiamento de Riscos e Seguros da Telefónica, e Vicente Cancio, CEO da Zurich Global Solutions para a Espanha, dialogaram sobre o mercado latino-americano e o importante crescimento do PIB desses países. Ressaltaram, também, que neles ainda se mantém uma cessão importante dos programas de seguros aos mercados internacionais de resseguro, ficando o mercado local com os seguros pessoais. Eles fizeram menção especial à problemática atual dos mercados de seguros na Argentina e no Brasil, devido às políticas intervencionistas e protecionistas que esses países mantêm. Daniel San Millán, Gerente de Riscos Ferroviários, e Luis Basabe, Diretor Executivo da Marsh Espanha, apresentaram um projeto inovador de asseguramento de riscos, mais eficiente por meio de um programa Multiline / Multiyear através de companhias cativas, vinculando diferentes ramos durante vários anos e estabelecendo valores agregados de responsabilidade. Em seguida, David González, Gerente de Riscos do Sacyr, fez uma apresentação sobre a busca da excelência no tratamento dos riscos. O congresso foi encerrado pelo Presidente da IGREA, Daniel San Millán, que agradeceu a todos os participantes por sua presença e pelo grande apoio dado à instituição, destacando que a IGREA já possui 31 empresas multinacionais entre seus membros. Mudança de ano com risco extremo de tempestades solares Os estudos e previsões da Academia Nacional de Ciências de Washington (EUA), da NASA, da ESA e de outras agências espaciais e meteorológicas anunciam um grande aumento das tempestades solares para o final do ano passado e início deste ano. Os efeitos eletromagnéticos destes ventos solares em instalações e equipamentos elétricos na Terra e seu espaço próximo podem chegar a produzir danos materiais e alterações de serviços muito significativos. O sol sofre aumentos de atividade em ciclos que têm certa regularidade, com período de retorno estimado em cerca de 50 anos. Esta intensa atividade se manifesta pelo maior número e tamanho das manchas escuras solares e as coincidentes emissões eruptivas extremas de plasma solar, formado por partículas magnéticas 7

8 ionizadas que chegam à atmosfera terrestre e, em condições normais, propiciam auroras boreais nas zonas polares, enquanto que, em condições extremas, alteram eletromagneticamente todo tipo de instalações e equipamentos elétricos e eletrônicos: satélites, redes de telecomunicações, naves espaciais, linhas elétricas, radares, sistemas GPS e muitos outros. A pior experiência que sofremos desde a era industrial, já que antes não havia instalações nem equipamentos elétricos, se deu em 1879, no hemisfério norte. Ela se concentrou nos Estados Unidos e Canadá, onde, apesar da presença limitada deste tipo de sistemas elétricos, houve sérios danos às linhas e aparelhos elétricos e às redes do telégrafo, único sistema de telecomunicação naquele tempo. Registraramse principalmente inúmeros incêndios causados por curtoscircuitos nas linhas e aparelhos elétricos de todo tipo. Diante da prolongada exposição a tempestades solares durante várias semanas, as grandes operadoras de satélites, telecomunicações, aviação e redes elétricas estão adotando medidas para evitar as zonas do espaço e da atmosfera terrestre por onde se espera que circule o tão temido vento solar. Elas também prepararam planos de contingência e de continuidade das atividades para minimizar as alterações de serviços que possam ocorrer. CIRCULAR 7/2012 Comissão de Seguros Patrimoniais, RC e Transportes Responsabilidade Civil. Seguro RC de Administradores de Massa Falida O Boletim Oficial do Estado de 6 de outubro de 2012 publicou o Real Decreto 1333/2012, de 21 de setembro, pelo qual se regula o seguro de RC e a garantia equivalente dos Administradores de Massa Falida, introduzido, em caráter obrigatório, pela Lei 38/2011, em reforma à Lei 22/2003, de Massa Falida, sobre a qual se informou pela Circular 09/2011. Os aspectos de maior destaque do RD, que entrou em vigor no dia seguinte ao de sua publicação (Dispositivo Final segundo), são os que se encontram a seguir: - O dever de asseguramento recai sobre o Administrador de Massa Falida, seja pessoa física ou jurídica (art. 2.1); na segunda suposição, o seguro terá de incluir a responsabilidade dos profissionais que atuam por conta própria (art. 2.2). - O seguro de RC, além de cobrir os danos e prejuízos causados à massa ativa da Massa Falida pelo Administrador de Massa Falida ou pelo auxiliar autorizado, cobrirá os gastos necessários que teria tido o credor que tivesse proposto a ação em interesse da massa (art. 3.2). - Independentemente das obrigações impostas ao Administrador de Massa Falida que dizem respeito à comprovação da vigência da garantia e de suas sucessivas renovações, assim como os ajustes da quantia segurada, o segurador deverá informar imediatamente o tribunal a respeito de qualquer modificação do seguro, falta de pagamento do prêmio, oposição à prorrogação, suspensão da cobertura ou extinção do contrato (art. 7.1), subsistindo a cobertura por um mês a partir da data dessa comunicação (art. 7.2). - A quantia segurada mínima será de euros (art. 8.1), que se elevará a euros se o Administrador de Massa Falida administrar no mínimo três massas falidas ordinárias, ou a euros em massas falidas de importância especial, que terá de se elevar a euros no caso de massas falidas especiais (art. 8.2). Caso o Administrador de Massa Falida seja uma pessoa jurídica, a quantia segurada será de euros, devendo elevar-se para euros (art. 8.4) quando o Administrador de Massa Falida exercer suas funções em massas falidas especiais indicadas no art A cobertura compreenderá 8

9 os pedidos de indenização apresentados durante o exercício das funções do Administrador de Massa Falida ou durante os quatro anos seguintes à sua saída do cargo, sendo que as ações de responsabilidade prescreverão no prazo de um ano (art. 9.1). - A ação direta prevista na LCS (Lei de Contrato de Seguro) será proposta pelos prejudicados ou seus herdeiros (art. 11). - Os seguros de RC contratados após 1º de janeiro de 2012 deverão ajustar-se às condições estabelecidas no RD no prazo de dois meses a partir da entrada em vigor do mesmo (Dispositivo transitório único). A dramática temporada de verão 2012 de incêndios florestais na Espanha O fim da época de incêndios florestais de 2012 na Espanha, em 31 de outubro do ano passado, não poderia ser mais dramático e alarmante, quando foi anunciado o saldo final de dez mortos e hectares de território queimado. A superfície queimada em 2012 foi 235% superior à registrada em Embora o número de incêndios tenha ficado 6,4% abaixo da média dos últimos dez anos, a superfície calcinada ficou 88% acima da média; atendose à superfície arborizada, o aumento foi de 120%. É fácil detectar o enorme aumento de Grandes Incêndios Florestais (GIF) com superfície maior que 500 hectares, que foram 37 em 2012, número muito superior ao dos últimos anos. Em 2012 parece que foi sintomática a coincidência de grandes incêndios em parques naturais em zonas de interface com áreas urbanas muito povoadas, várias das quais tiveram de ser evacuadas, gerando um alarme social e uma repercussão muito forte nos meios de comunicação. Alguns especialistas apontam como suspeitas as duas ondas de grandes incêndios que, em poucos dias no final de julho e na metade de agosto, provocaram este tipo de incêndios, a maioria reconhecidos inicialmente como intencionais. Será um plano orquestrado? É resultado do efeito contágio ou apenas uma estranha coincidência? E, em cada uma destas hipóteses, que intenções os motivaram? Estes são aspectos fundamentais para penalizar os culpados e estabelecer a prevenção futura. As comunidades autônomas mais afetadas foram a Comunidade Valenciana (cerca de ha), Castela e Leão ( ha), Catalunha ( ha) e Galícia ( ha). Entre as principais causas, destacamse as intencionais (63% do total), as provocadas por negligência de pessoas (14%) e as desconhecidas (10%). 9

10 Limpando vazamentos: Prestige vs Deepwater Horizon Dois vazamentos de petróleo, o do Prestige na costa da Galícia e o da plataforma petrolífera da BP no Golfo do México, estão atualmente dirimindo suas responsabilidades. A explosão da plataforma da BP ocorreu há pouco mais de dois anos em 20 de abril de O Prestige afundou faz 10 anos em 13 de novembro de 2002 e só agora é que começou o processo judicial. Nos Estados Unidos, a investigação criminal continua aberta e há inúmeros casos abertos por via civil, mas a BP assumiu a responsabilidade: declarou-se culpada da acusação de negligência pela morte de 11 empregados, de duas acusações relativas a danos ao meio ambiente e de outra ainda por obstrução ao Congresso. Os responsáveis da BP pela plataforma Deepwater Horizon pediram desculpas por seu papel no acidente e, conforme demonstra seu acordo com o governo, assumiram sua responsabilidade. Atualmente eles estão aguardando um pacto para resolver causas civis que se encontram abertas. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos impôs à BP 4,5 bilhões de dólares de multa, dos quais 1,3 bilhão correspondem à multa penal mais elevada imposta até o momento. O pagamento será feito em parcelas durante os próximos seis anos. Não obstante, a Lei de Águas Limpas dos Estados Unidos poderá elevar a multa até um máximo de 21 bilhões de dólares se for determinado, em termos legais, que a BP foi sumamente negligente e não simplesmente negligente. Na Espanha, por um vazamento semelhante, a Lei de Responsabilidade Ambiental e a Lei de Hidrocarbonetos fixam um máximo de 3 milhões de euros. Na Espanha ainda não ficou determinado quem causou a tragédia do Prestige e quem deverá pagar por ela. O promotor pediu 4,442 bilhões de euros pelos danos causados, que o Tesouro já encarou com uma ajuda do Fundo Internacional de Indenização de Danos devidos à Contaminação por Hidrocarbonetos (FIDAC), e aponta a seguradora britânica do petroleiro, The London Steam Ship Owners, que já depositou em juízo uma fiança de 22,77 milhões de euros, como responsável civil direta pela indenização milionária. No acidente da BP, as consequências foram pagas e serão pagas pela empresa que o causou. A BP gastou 14 bilhões de dólares na recuperação das zonas afetadas e criou um fundo de outros 20 bilhões para indenizar os afetados. No acidente do Prestige foi o Estado espanhol que arcou com os gastos de limpeza do vazamento. Ainda que as diferenças entre os dois sinistros sejam importantes, faz-se necessário 10

11 destacar duas coincidências neles: o elevado custo das catástrofes e o fato de as multas serem as mais altas que os Estados podem impor até hoje. Consequências do furacão Sandy O furacão Sandy assolou o Caribe e os estados da costa leste dos Estados Unidos, deixando um saldo devastador de vítimas e danos. Depois de espalhar a devastação na região do Caribe, afetando lugares como Haiti, Cuba, Bahamas, República Dominicana, Porto Rico e Jamaica, ele chegou à costa leste e afundou a Big Apple no caos. Milhares de pessoas ficaram sem fornecimento de energia elétrica, o metrô fechou, os voos foram suspensos e zonas residenciais enormes foram evacuadas. Inúmeras casas ficaram reduzidas a escombros, e os danos materiais foram consideráveis. A AIR Worldwide, a firma de modelagem de catástrofes, estima que as perdas seguradas do furacão Sandy oscilarão entre os 16 e os 22 bilhões de dólares. Entrega do VI Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán No dia 21 de novembro foi entregue em Madri o VI Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán, oferecido pela FUNDACIÓN MAPFRE. O vencedor foi Camilo Pieschacón Velasco pelo trabalho intitulado Riesgo sistémico y actividad aseguradora. O estudo analisa o impacto do risco sistêmico no setor segurador e especialmente a evolução registrada entre os anos 2008 e O prêmio foi entregue por Alberto Manzano, presidente da FUNDACIÓN MAPFRE. Do ato de entrega participaram também Filomeno Mira, vicepresidente da FUNDACIÓN MAPFRE, Andrés Jiménez, presidente do Instituto de Ciencias del Seguro, e Mercedes Sanz, secretária do Júri e diretora geral do Instituto de Ciencias del Seguro. 11

12 O vencedor, um pesquisador especializado em seguros e pensões, destaca em sua pesquisa os mecanismos de controle e supervisão do risco sistêmico, uma categoria de risco pouco analisada até agora e que ultimamente tem chamado a atenção em virtude da atual crise financeira, o cenário regulador atual e as tendências, entre outros aspectos. Ele também ressalta que um estudo desta natureza contribui para enriquecer significativamente a literatura sobre a atividade seguradora e a divulgar argumentações menos discutidas ou conhecidas sobre a essência básica do seguro e suas diferenças fundamentais com relação a outras operações de caráter financeiro, principalmente as bancárias. O objetivo do Prêmio Internacional de Seguros Julio Castelo Matrán é premiar bianualmente trabalhos científicos inéditos que estejam relacionados com o Seguro e o Risco. Sua verba chega a euros em dinheiro e um diploma certificando a obtenção do prêmio. Graduação do curso acadêmico 2011/2012 do CUMES A Faculdade de Ciências do Seguro, Jurídicas e da Empresa e o Centro Universitário MAPFRE de Estudos de Seguros (CUMES) realizaram a cerimônia de graduação dos alunos do curso acadêmico 2011/2012 no Auditório da FUNDACIÓN MAPFRE. O ato foi presidido pelo reitor da Universidade Pontifícia de Salamanca, Ángel Galindo, que fez a entrega dos títulos aos 129 alunos que concluíram seus estudos e do título de Doutor pela Universidade Pontifícia de Salamanca ao aluno Francisco Javier Garayoa. A solenidade ficou por conta de Alberto Manzano, presidente da FUNDACIÓN MAPFRE, cujo discurso se intitulava Algunas reflexiones sobre el Seguro en España. Andrés Jiménez, presidente do Instituto de Ciencias del Seguro, entregou o prêmio ao melhor trabalho de graduação para Mendía Aseguinolaza por seu projeto Cuentas nacionales de aportación definida: una alternativa para la sostenibilidad de los sistemas de pensiones, orientado pela professora Begoña Gosálbez. 12

13 agenda AGENDA 2013 CONGRESSOS E SEMINÁRIOS EVENTO DATAS LOCAL CONVOCANTE XXIX Risk Management Conference 3-5 de março Carlsbad CA(EUA) CBOE XIV Conferência Anual de março Nova York, NY (EUA) GARP V Seminário Internacional de Seguros e Resseguros 8-11 de abril Havana (Cuba) ESICUBA Spring 2013 ERM Roundtable 19 de abril Raleigh, NC (EUA) ERM Congresso Mundial de abril Los Angeles, CA (EUA) RIMS Exceedance (Client Conference) 7-10 de maio Boston, MA (EUA) RMS I Asia CRO Assembly 10 de maio Pequim (China) Associação de Genebra Exhibition de junho Brighton (Reino Unido) AIRMIC Conferência Anual 4-7 de agosto Washington (EUA) ARIA Simpósio de setembro Munique (Alemanha) DVS Fórum de setembro - 2 de outubro Maastricht (Países Baixos) FERMA 13

14 entrevista O seguro é uma ferramenta financeira admirável e única pela forma em que se ajusta às perdas No Grupo Telefónica, a Gerência de Riscos é uma função que se atribui ao mais alto encarregado de cada filial e que a Auditoria Interna coordena para que seja apresentada ao Conselho da Telefónica, declara Juan José Gil. Este modelo facilita a permeabilidade da cultura de risco, por envolver boa parte da nossa organização. Além disso, dispomos de uma experiência de financiamento de seguros de duas décadas. Juan José Gil Sánchez diretor de financiamento de riscos e seguros corporativos do grupo telefónica Texto: ALICIA OLIVAS Fotos: ALBERTO CARRASCO 14

15 15

16 entrevista Em primeiro lugar, o sr. poderia descrever como é o dia a dia do diretor de financiamento de riscos e seguros corporativos do Grupo Telefónica? A Gerência de Riscos na Telefónica é uma função atribuída a um grande número de detentores de riscos e supervisionada pelo encarregado mais alto de cada filial ou área corporativa. Ela é coordenada pela Auditoria Interna para ser apresentada ao Conselho da Telefónica por meio da Comissão de Auditoria e Controle. Minha área ajuda a gerir os riscos do grupo através das atividades e práticas do mundo segurador. Para isso, utilizamos as situações que as atividades de Mediação, Seguro e Resseguro proporcionam e procuramos repassar internamente suas técnicas e experiências. NOSSA OBRIGAÇÃO É QUE A TELEFÓNICA TRANSFIRA SEUS RISCOS COM A MAIOR QUALIDADE E O MENOR CUSTO POSSÍVEL Com que equipe o sr. conta para desenvolver todas estas tarefas? A Telefónica conta com uma seguradora conhecida de Vida e Saúde na Espanha, a Antares. Dispomos também de uma seguradora de Não Vida, a Telefónica Insurance, e de uma resseguradora, a Casiopea Re, ambas domiciliadas em Luxemburgo. Na Espanha também contamos com uma corretora de seguros, a Pléyade Peninsular, que tem filiais na Argentina, Brasil, Chile, México e Peru. Quais são, então, as principais funções do seu departamento? Em primeiro lugar, somos os responsáveis por definir os critérios de asseguramento do grupo e também decidimos os níveis de retenção e de transferência. Apoiamos todas as filiais, empregados e dirigentes na gestão dos seguros e sinistros. Também supervisionamos a gestão e os resultados de nossas diversas filiais de seguros, resseguros e mediação de acordo com critérios de rentabilidade e serviços. Nossa obrigação é que a Telefónica transfira seus riscos com a maior qualidade e o menor custo possível. Pautamo-nos no benchmark periódico que solicitamos, nas pesquisas de qualidade de serviços e nas contas de resultado das filiais que gerimos. Além disso, estamos diretamente envolvidos com o procedimento corporativo de gestão de riscos, com a análise e a gestão de riscos de novas atividades e com as fusões e aquisições. 16

17 Aproveitamos a livre prestação de serviços ou a liberdade de estabelecimento para atuar diretamente na União Europeia. Convém ressaltar que algumas destas companhias foram criadas há mais de vinte anos. Digamos que nosso grupo está acostumado a um serviço de seguros muito personalizado e competitivo. Onde se localiza este departamento dentro da empresa e como ele se estrutura? A Área de Seguros está incluída na Direção da Tesouraria, Riscos e Seguros Corporativos. Nosso diretor reporta ao diretor de Finanças da Telefónica, S.A. Independentes de nossa estrutura societária, existem quatro áreas de atividade bem definidas: Seguros Corporativos, que protege os ativos e a conta de resultados do grupo e suas filiais; Planos de Previdência Social Complementar, para atender os compromissos do grupo com seus empregados; Esquemas de seguros contratados pelos clientes do grupo e terceiros; e Seguros contratados por empregados e fornecedores. Nossas filiais intervêm com bastante intensidade em todas estas atividades. NOSSA ÁREA TEM A SORTE DE SER UMA DAS PRIMEIRAS A INTERVIR NAS OPERAÇÕES DE CRESCIMENTO DO GRUPO A INFORMAÇÃO DO PROCEDIMENTO DE GESTÃO DE RISCOS É UM ELEMENTO DE APOIO NA TOMADA DE DECISÕES Modelo de gerência Quais são os pontos principais da Gerência de Riscos seguráveis num grupo como a Telefónica, com uma base de clientes de 300 milhões e presença em 25 países? O importante é como ajudamos nosso grupo a ser mais competitivo e colaborar com a redução do maior número possível de riscos. Nossa aspiração, cumprida em boa parte, é que todas as filiais do grupo disfrutem, sem diferenças, uma cobertura ampla, adaptada às necessidades e competitiva em termos de custos. O sr. poderia descrever o modelo atual de Gerência de Riscos implantado no seu grupo? O procedimento corporativo de gestão de riscos foi renovado recentemente. É um modelo muito completo, uma vez que identifica, corporativamente e país a país, em todas as operadoras e filiais mais importantes, os gestores dos riscos (risk owners), que devem reportar periodicamente os perfis quantitativos e qualitativos de seus riscos. Através da Auditoria Interna, as informações sobem para as áreas regionais e corporativas. Depois de depuradas, a Comissão de Auditoria e Controle do grupo as apresenta ao Conselho de Administração. O modelo facilita a permeabilidade da cultura do risco, por envolver boa parte da nossa organização e resultar numa análise estruturada dos riscos de cada gestor. Como as decisões da Gerência de Riscos influem na orientação global da empresa ou em futuros lançamentos ou investimentos? O Grupo Telefónica tem uma imagem bastante merecida de qualidade em sua gestão estratégica. 17

18 entrevista Por nossa atividade, áreas muito diversas contribuem com suas visões nesse tipo de decisão. A informação do procedimento de gestão de riscos é um elemento de apoio na tomada de decisões. Desenvolvimento internacional Como a Gerência de Riscos está acompanhando seu desenvolvimento internacional? Nossa área tem a sorte de ser uma das primeiras a intervir nas operações de crescimento do grupo, seja por meio de novas atividades ou por acordos e/ou transações. Temos vasta experiência nisso, e nosso objetivo é que nestas operações de integração os temas de riscos seguráveis, programas de seguros e sinistros existentes sejam solucionados de forma rápida e não atrapalhem outras atividades. Além disso, o desenvolvimento internacional sempre é uma fonte importante de conhecimento adicional para nós. A Gerência de Riscos tem alguma característica especial em empresas listadas na Bolsa, como é o seu caso? Com certeza. Estar listado na Bolsa de Valores, especialmente nos Estados Unidos, exige que a gestão dos riscos seguráveis disponha de alguns padrões que sejam ao menos comparáveis aos de qualquer multinacional de cotação semelhante. Além de gerir os riscos derivados da existência de acionistas de todo tipo, as informações fornecidas incluem dados cada vez mais detalhados sobre os programas de seguro. Por outro lado, a gestão de seguros deve ter, se possível, maior transparência e solidez, dada a existência de acionistas e a repercussão do Grupo Telefónica nos meios de comunicação. A GESTÃO DE SEGUROS DEVE TER, SE POSSÍVEL, MAIOR TRANSPARÊNCIA E SOLIDEZ, DADA A EXISTÊNCIA DE ACIONISTAS NOSSO GRUPO ESTÁ ACOSTUMADO A UM SERVIÇO DE SEGUROS MUITO PERSONALIZADO E COMPETITIVO Em sua opinião, a Telefónica está vivendo uma verdadeira cultura do risco? Nossa equipe é um testemunho permanente da gestão de riscos na Telefónica. A ocorrência de perdas acidentais e reclamações de todo tipo nos mostra a qualidade de como ela lida com os riscos, tanto antes como depois de se materializarem. A qualidade e a especialização das equipes e pessoas que gerenciam os riscos são muito altas. Também é verdade que estas situações, às vezes, são muito valiosas para fazer aflorar determinados erros e corrigi- -los. De qualquer forma, o saldo da gestão me parece muito profissional e positivo. Categorias de riscos Quais são as categorias de riscos mais importantes que a sua empresa enfrenta no momento: riscos financeiros, de cunho tecnológico, os que se surgem com a concorrência, as mudanças regulatórias...? Todas as categorias que você mencionou são importantes. É evidente que a situação financeira atual, a constante evolução da tecnologia, os efeitos da concorrência, promovida também pelos reguladores, levam a uma revisão contínua da gestão. Eu acrescentaria também os efeitos da forte globalização, que não geram um grande número de novos riscos, mas sim uma maior intensidade e uma gestão mais complexa dos que existem. Entre os riscos emergentes eu destacaria a presença das redes sociais. Atualmente estamos aprendendo a gerir os riscos que elas trazem, mas elas também proporcionam grandes oportunidades. Quanto à sua localização, que regiões ou países nos quais vocês estão presentes concentram hoje o maior nível de risco? 18

19 companhias e fundação, quanto pelas atividades de seus empregados, dedica historicamente grande atenção e esforço à promoção das sociedades em que está presente. Resumindo, acreditamos que conseguir os objetivos e resultados econômico-financeiros é tão importante quanto a forma em que esses resultados são obtidos. Com relação ao meio ambiente, temos dedicado completa atenção à diretriz europeia sobre Responsabilidade Ambiental. Embora a Telefónica, pela natureza de sua atividade, não tenha a necessidade legal de estabelecer garantias ou coberturas, faz dois anos que dispomos de um programa de seguro que apoia as obrigações da diretriz, inclusive a reparação dos danos ambientais. Nossa presença, em nível de gestão, está fundamentalmente na América Latina e Europa. A crise econômica estendida na Europa e a evolução política em alguns países americanos são elementos aos quais prestamos atenção especial. Em sua opinião, a Gerência de Riscos está preparada para assumir ameaças de tipo ambiental ou em matéria de responsabilidade social, por exemplo? A resposta é, sem dúvida, afirmativa. O Grupo Telefónica, tanto através de suas CADA RENOVAÇÃO CONSTITUI UM GRANDE ESFORÇO DE MEIOS E TEMPO PARA A NOSSA EQUIPE Qual é o procedimento de vocês se o risco se materializa em sinistro? Que importância vocês dão aos planos de contingência de negócio na Telefónica? Os planos de continuidade de negócio na Telefónica são uma exigência dos reguladores, dado o caráter de serviço público de suas atividades. Portanto, sua importância é capital, tanto em sua definição como em seus procedimentos. Quando um risco se materializa, nossas filiais atuam automaticamente. Nossa função consiste em prestar assessoria, caso tenhamos experiência em situações prévias semelhantes. Apoiamos tanto na gestão da situação como no modo de preservar os direitos dos seguros contratados, fornecendo informações e colaborando com os seguradores. Retenção e transferência do risco Quais riscos vocês decidiram passar para 19

20 entrevista 20

VII PRÊMIO INTERNACIONAL DE SEGUROS JULIO CASTELO MATRÁN

VII PRÊMIO INTERNACIONAL DE SEGUROS JULIO CASTELO MATRÁN VII PRÊMIO INTERNACIONAL DE SEGUROS JULIO CASTELO MATRÁN 2013-2014 A FUNDACIÓN MAPFRE é uma instituição sem fins lucrativos, cujo objetivo é contribuir para a realização de atividades de interesse geral

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Apresentação... 5. 1. Convocação... 6. 2. Valor da bolsa... 7. 3. Requisitos dos solicitantes... 7. 4. Solicitação e documentação...

Apresentação... 5. 1. Convocação... 6. 2. Valor da bolsa... 7. 3. Requisitos dos solicitantes... 7. 4. Solicitação e documentação... Bolsas de estudo de pós-graduação em Seguros, Prevenção, Saúde e Meio Ambiente 2013-2014 Índice Apresentação... 5 1. Convocação... 6 2. Valor da bolsa... 7 3. Requisitos dos solicitantes... 7 4. Solicitação

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente

75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente FUNDACIÓN MAPFRE 1 Apresentação A FUNDACIÓN MAPFRE, criada em 1975, desenvolve na Espanha e na Iberoamérica atividades de interesse

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações. Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013

Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações. Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013 Passivos ambientais:avaliação e análise nas demonstrações contábeis Maisa de Souza Ribeiro FEA-RP/USP Julho/2013 GOVERNANÇA CORPORATIVA Equidade; Transparência; Prestação de contas; e Conformidade com

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Convocatória para 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente

Convocatória para 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente FUNDACIÓN MAPFRE Convocatória para 75 Bolsas de Auxílio à Pesquisa: Seguros, Saúde, Prevenção e Meio Ambiente 2012 Índice Apresentação Bases da Convocatória Questionários: - Solicitação do diretor do projeto

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER Breve Análise de cada Situação Por: Antonio Carlos Nasi Nardon, Nasi Auditores e Consultores 1. INCORPORAÇÃO A incorporação

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana.

1. Introdução. Capitalização FENASEG no ano de 2005. 2 Tábuas de mortalidade construídas com base na população norte americana. 1. Introdução O mercado segurador vem ganhando importância no cenário econômico brasileiro, representando hoje, aproximadamente 3,5% do PIB 1, sendo que 1,6% refere-se ao segmento de pessoas, ou seja,

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro.

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. www.accenture.com.br/carreiras www.facebook.com/accenturecarreiras www.twitter.com/accenture_vagas Quem somos A Accenture é uma

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

A FUNDACIÓN MAPFRE desenvolve atividades de interesse geral para a obtenção dos seguintes objetivos:

A FUNDACIÓN MAPFRE desenvolve atividades de interesse geral para a obtenção dos seguintes objetivos: 1 APRESENTAÇÃO A FUNDACIÓN MAPFRE desenvolve atividades de interesse geral para a obtenção dos seguintes objetivos: Segurança das pessoas e de seus patrimônios, com especial atenção à segurança viária,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) e o CFC (Conselho Federal de Contabilidade)

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais.

Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais. Resolução IBA xxx Dispõe sobre a criação do Pronunciamento Atuarial CPA 001 - Princípios Atuariais. O INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA - IBA, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES;

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES; CONSIDERANDO QUE: I É de interesse da IES aprimorar o ensino, propiciando aos seus estudantes, estabelecer e desenvolver relações com instituições de ensino localizadas em países distintos através da participação

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

história sucesso Otimização do controle e seguimento do faturamento mediante uma única plataforma integradora

história sucesso Otimização do controle e seguimento do faturamento mediante uma única plataforma integradora história sucesso de Otimização do controle e seguimento do faturamento mediante uma única plataforma integradora sumário executivo Empresa SAICA Setor Papel Produtos e Serviços Fabricação, comercialização,

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços!

Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 1 of 14 Perfil G.A Global Advising Projetos e Serviços! 2 of 14 Quem somos Criada em 2002 - Equipe de especialistas oriundos de unidades especiais das áreas de inteligência e segurança do Estado de Israel.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA BOLSAS IBERO-AMERICANAS. JOVENS PROFESSORES E INVESTIGADORES CONVOCATÓRIA 2015 A promoção da investigação através de programas que contribuam de maneria eficaz para a criação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO 1. Introdução: Por que a Matemática? Eu, Alessandro Ferreira Alves professor de Matemática já alguns anos, já vivenciei em vários momentos a experiência

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

Soluções de Output LRS

Soluções de Output LRS Soluções de Output LRS Enormes economias de custo estão aguardando L O G O A B A I X O D A S U P E R F Í C I E Organizações de todos os tamanhos enfrentam um desafio singular: reduzir dramaticamente os

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 A Importância do RI na Abertura de Capital Etapas do Processo de IPO José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 Agenda Registro Inicial de Companhia Aberta Registro de Oferta Pública de Distribuição

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais