RECONHECIMENTO DE PADRÕES. OCR - Reconhecimento óptico de caracteres

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECONHECIMENTO DE PADRÕES. OCR - Reconhecimento óptico de caracteres"

Transcrição

1 RECONHECIMENTO DE PADRÕES OCR - Reconhecimento óptico de caracteres

2 INTRODUÇÃO Reconhecimento de padrões é uma área da ciência cujo objetivo é a classificação de objetos dentro de um número de categorias ou classes. Esses objetos de estudo variam de acordo com cada aplicação, podem ser imagens, sinais em forma de ondas (como voz, luz, rádio) ou qualquer tipo de medida que necessite ser classificada.

3 CARACTERÍSTICAS Um sistema completo de reconhecimento de padrões consiste de um sensor que obtém observações a serem classificadas ou descritas; um mecanismo de extração de características que computa informações numéricas ou simbólicas das observações; e um esquema de classificação das observações, que depende das características extraídas.

4 OCR Reconhecimento Óptico de Caracteres, ou OCR, é uma tecnologia para reconhecer caracteres a partir de um arquivo de imagem ou mapa de bits sejam eles escaneados, escritos a mão, datilografados, impressos ou capturados.

5 HISTÓRIA OCR As primeiras patentes de métodos de OCR surgiram entre 1929 e 1935, muito antes da existência de supercomputadores, sendo utilizados em métodos de criptografia e automação industrial. Nos anos 60, passou a ser utilizado, por exemplo, nos principais Correios do mundo para identificar CEPs devido a sua facilidade de identificação de caracteres impressos por máquina. Nos anos 70 a utilização do OCR avançou, levantando a idéia para utilização de OCR em sistemas para leitura de cegos, que interpretam o texto a imagem e com base em um sintetizador de voz, e pronuncia as palavras para os usuários.

6 OCR e a Inteligência Artificial A inteligência artificial utilizada em programas OCR pode ser bastante simples ou extremamente complexo, dependendo do nível de padronização dos dados a serem lidos. Se a gama de imagens for finita e inteiramente conhecida, torna o processo mais simples. Por outro lado, se houver margem para que o texto inserido seja aleatório, a probabilidade de o resultado obtido ser errado é elevada, portanto a Inteligência Artificial do sistema precisará contemplar mais condições. Alguns dos padrões de inteligência artificial utilizado nos programas de OCR são baseados em algoritmos que auxiliam na definição do caracter encontrado.

7 Técnicas Utilizadas Essas técnicas vão desde técnicas para o reconhecimento da posição da placa a ser identificada até métricas desenvolvidas para estabelecer de qual padrão está mas próximo cada caracter da imagem que está sendo analisada. Este sistema poderia também ser utilizado para o reconhecimento de elementos alfanuméricos em qualquer outro tipo de imagens. O que seria útil, por exemplo, no reconhecimento de embalagens ou da numeração de containers. Neste último caso, poderia ser útil em estacionamentos portuários ou em pátios de carga e descarga onde se conseguiria um controle praticamente sem falhas e a possibilidade de associar o sistema a um banco de

8 Técnicas Utilizadas Reconhecimentos de placas Diversos métodos de computação visual são empregados, combinando aspectos de computação gráfica, processamento de imagem e inteligência artificial. A implementação do sistema compreende a implementação de diversas etapas. Na primeira etapa a imagem é adquirida. Na segunda, a imagem é pré-processada, visando identificar a região de possível placa nas imagens. Na terceira, só a região da placa é processada visando obter características de cada caracter que extraídas possibilitem sua análise. Finalmente os caracteres são classificadas para posterior identificação da placa.

9 Técnicas Utilizadas Reconhecimentos de placas

10

11 Bibliografia THIAGO VERÍSSIMO DOS SANTOS RA

Reconhecimento de Padrões. Reconhecimento de Padrões

Reconhecimento de Padrões. Reconhecimento de Padrões Reconhecimento de Padrões 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 0.4 0.3 0.2 0.1 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 Escola Superior de Tecnologia Engenharia Informática Reconhecimento de Padrões Prof. João Ascenso e Prof.

Leia mais

Reconhecimento de Padrões

Reconhecimento de Padrões Reconhecimento de Padrões As técnicas de RP são usadas para classificar ou descrever padrões ou objectos através de um conjunto de propriedades ou características. Objecto desconhecido Características

Leia mais

Visão e Processamento de Imagens. Imagem digital. Processamento Digital de Imagens. Obtenção de uma imagem digital

Visão e Processamento de Imagens. Imagem digital. Processamento Digital de Imagens. Obtenção de uma imagem digital Visão e Processamento de Imagens Hitoshi aula 1 - Introdução 1o Semestre 2004 Ao final dessa aula você deverá saber: Imagem digital Descrição de imagens digitais Processamento digital de imagens definição

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FERNANDO DUTKA LEONARDO ZEQUINELLI BIBOLOTTI MAICON ÉDER MOTELIEVICZ ROBERTO FERNANDO NEHLS MAFRA - SC

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

Русский Tipo Data Cor Semana Classifi cado conforme o tipo de arquivo (por exemplo, imagem, vídeo ou voz) Classifi cado conforme a seqüência de datas registradas. Classifi cado conforme a cor

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 12 Aprendizado de Máquina Agentes Vistos Anteriormente Agentes baseados em busca: Busca cega Busca heurística Busca local

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Mouse & Teclado. Mouse & Teclado

Mouse & Teclado. Mouse & Teclado Mouse & Teclado -1- ÍNDICE CAPÍTULO 1 Apresentação do Mouse...07 Como o mouse funciona...13 Os botões do mouse...16 CAPÍTULO 2 Utilizando o mouse com segurança...26 Dicas de utilização...28 Tipos de mouses...31

Leia mais

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Seções: 1. Visão geral dos métodos de identificação automática 2. Tecnologia de códigos de barra 3. Identificação por radiofrequência 4. Outras tecnologias

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação AUTOMAÇÃO Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Conceitos iniciais Automação é todo um ferramental

Leia mais

Algoritmos e Programação Parte Teórica

Algoritmos e Programação Parte Teórica Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte Teórica Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

Implementação de uma Ferramenta de Apoio à Criação de Sistemas Especialistas

Implementação de uma Ferramenta de Apoio à Criação de Sistemas Especialistas 1 Implementação de uma Ferramenta de Apoio à Criação de Sistemas Especialistas Fabrício Kelmer Pinto, Elio Lovisi Filho (Orientador) Departamento de Ciência da Computação - Faculdade de Ciência da Computação

Leia mais

Princípio de Funcionamento

Princípio de Funcionamento ROTEIRO Introdução O Controlador Lógico Programável CLP nasceu dentro da General Motors, em 1968, devido a grande dificuldade de mudar a lógica de controle dos painéis de comando a cada mudança na linha

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

Usina Termelétrica Pampa Sul

Usina Termelétrica Pampa Sul 0 14/01/2015 Emissão Inicial AMA REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO ELAB. VERIF. APROV. EMPRESA: Usina Termelétrica Pampa Sul EMPREENDIMENTO: UTE Pampa Sul NO CONTRATO: NA TIPO: Atendimento a Condicionante

Leia mais

Identificação Humana Através de Biometria

Identificação Humana Através de Biometria Identificação Humana Através de Biometria por Marco César Chaul, CBP. Diretor de Tecnologias Neokoros - Brasil CBP Certified Biometric Professional. Fundamentos da Biometria Definição de Biometria Termo

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF 2 OBJETIVOS Conhecer

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DA REDE DE ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE PARTE 2 MOOTIRO MAPS

MAPEAMENTO DIGITAL DA REDE DE ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE PARTE 2 MOOTIRO MAPS MAPEAMENTO DIGITAL DA REDE DE ARTICULAÇÃO INTERSETORIAL PARA PROMOÇÃO DA SAÚDE PARTE 2 MOOTIRO MAPS maps.mootiro.org O que é o MootiroMaps? MootiroMaps é uma aplicação livre para promover o desenvolvimento

Leia mais

Ementas Disciplinas Eletivas

Ementas Disciplinas Eletivas Ementas Disciplinas Eletivas INFORMÁTICA Administração de Redes CH: 60 h Créditos: 2.1.0 Pré-requisito(s): Redes de Computadores II Conceitos e políticas de administração de redes. Gerência de redes e

Leia mais

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias.

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Orientador: Lúcio A. C. Jorge Palestrante: Agostinho B. R. da Silva Introdução Embrapa Instrumentação

Leia mais

Documentação técnica e material arquivístico. Documentação técnica. Documentação natural. Fabrício Mariano

Documentação técnica e material arquivístico. Documentação técnica. Documentação natural. Fabrício Mariano Documentação técnica e material arquivístico Documentação técnica Fabrício Mariano Um documento é uma unidade de registro de informações, independente do suporte utilizado, sendo o suporte o material no

Leia mais

Manual de Operação Fresadora CNC

Manual de Operação Fresadora CNC Manual de Operação Fresadora CNC 1 Índice Introdução...3 Métodos de Utilização...3 Controle manual...4 Link Serial...5 Modo Automático com Cartão SD...6 2 Introdução A Fresadora CNC do Lab, é uma fresadora

Leia mais

ÍNDICE - 06/10/2006 Jornal do Commercio (RJ)...2 Economia...2 Tribuna da Imprensa (RJ)...3 Economia...3

ÍNDICE - 06/10/2006 Jornal do Commercio (RJ)...2 Economia...2 Tribuna da Imprensa (RJ)...3 Economia...3 ÍNDICE - 06/10/2006 Jornal do Commercio (RJ)...2 Economia...2 UE põe Brasil e mais 5 países em lista negra da pirataria...2 Tribuna da Imprensa (RJ)...3 Economia...3 UE põe Brasil em lista negra da pirataria...3

Leia mais

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos.

INTRODUÇÃO. O conteúdo programático foi pensado em concursos, assim simularemos algumas questões mais usadas em vestibular e provas de concursos. INTRODUÇÃO Essa apostila foi idealizada como suporte as aulas de Informática Educativa do professor Haroldo do Carmo. O conteúdo tem como objetivo a inclusão digital as ferramentas de pesquisas on-line

Leia mais

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57

Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio 57 Aula 5 Aspectos de controle de acesso e segurança em redes sem fio Objetivos Descrever como funciona o controle de acesso baseado em filtros de endereços; Definir o que é criptografia e qual a sua importância;

Leia mais

4.1.10. Os equipamentos multifuncionais devem possuir digitalizador (scanner) com as seguintes características mínimas:

4.1.10. Os equipamentos multifuncionais devem possuir digitalizador (scanner) com as seguintes características mínimas: 4.1.10. Os equipamentos multifuncionais devem possuir digitalizador (scanner) com as seguintes características mínimas: f) Possuir compatibilidade com software de reconhecimento ótico de caracteres (OCR

Leia mais

Introdução. Capítulo. 1.1 Considerações Iniciais

Introdução. Capítulo. 1.1 Considerações Iniciais Capítulo 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais A face humana é uma imagem fascinante, serve de infinita inspiração a artistas há milhares de anos. Uma das primeiras e mais importantes habilidades humanas

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 O Conceito de Provisão. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. 2 O Conceito de Provisão. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 O Conceito de Provisão... 1 3 Exemplos de Provisão... 2 3.1 Provisão para garantias... 2 3.2 Provisão para riscos fiscais, trabalhistas e cíveis... 3 3.3 Provisão para reestruturação...

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

ASPECTOS ALGÉBRICOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

ASPECTOS ALGÉBRICOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ASPECTOS ALGÉBRICOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Antonio Euclides da Rocha Vieira CPD/IBICT RESUMO O uso da criptografia na segurança e privacidade da informação vem gradativamente assumindo papel de relevância

Leia mais

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII

Figure 2 - Nós folhas de uma árvore binária representando caracteres ASCII A ocorrência tamanho ASCII codificação de Huffman é um A Codificação método de compactação de Huffman caracteres (American e a variável codificação dos usado símbolos Standard para por cada muitas no Code

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ

RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ RECONHECIMENTO DE PADRÕES RECONHECIMENTO DE VOZ O ESQUEMA DE CLASSIFICAÇÃO É GERALMENTE BASEADO NA DISPONIBILIDADE DE UM CONJUNTO DE PADRÕES QUE FORAM ANTERIORMENTE CLASSIFICADOS, O "CONJUNTO DE TREINAMENTO";

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2.1. Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens entende-se como a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados

Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Detecção e estimação de sinais Reconhecimento de Padrões Utilizando Filtros Casados Aline da Rocha Gesualdi Mello, José Manuel de Seixas, Márcio Portes de Albuquerque, Eugênio Suares Caner, Marcelo Portes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIAS DE 24 DE AGOSTO DE 2005 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu.

ARTIGOS CIENTÍFICOS. MANUAL DE NORMAS FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO CENTRO DO PARANÁ - UCP PITANGA/PR biblioteca@ucpparana.edu. ARTIGOS CIENTÍFICOS Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e

Leia mais

CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ANEXO 26 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Data: março 2013 - total 08 horas com 02 módulos de 4 horas Local: Municípios de Paranaíta, Alta Floresta Coordenação técnica:

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015

RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA. Daniel C. Zanotta 23/03/2015 RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Daniel C. Zanotta 23/03/2015 O QUE É A REM? A radiação eletromagnética é uma oscilação, em fase, dos campos elétricos e magnéticos. As oscilações dos campos magnéticos e elétricos

Leia mais

Endereço de acesso: https://suporte.ufopa.edu.br

Endereço de acesso: https://suporte.ufopa.edu.br Manual Do Usuário O GLPI é o sistema de chamados de suporte técnico utilizado pelo CTIC da UFOPA. Através dele serão atendidos os chamados de suporte a equipamentos de informática, redes de computadores

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO A disciplina aborda o estudo da área de Informática como um todo, e dos conceitos fundamentais,

Leia mais

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA

NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA NATUREZA DO TRABALHO : PERÍCIA DE ENGENHARIA O USO DE ORTOIMAGENS EM PERÍCIAS DE ENGENHARIA Resumo Em lides que envolvem a apuração de áreas e divisas de imóveis, as atividades de conferência normalmente

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 SOFTWARE DE CONTROLE DE ARMAMENTO EM QUARTEL MILITAR Kahic Ribeiro de Almeida Rocha 1 ; Montgomery Scofield Ferreira Furletti; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva¹ ¹Universidade de Uberaba - UNIUBE, Uberaba

Leia mais

Image Enable: conceito

Image Enable: conceito Image Enable Gestão Eletrônica de Documentos - GED Image Enable: conceito Empresas possuem diversos sistemas para controlar suas operações Sistemas integrados de gestão; Sistemas de Recursos humanos, Contabilidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA COMPUTAÇÃO 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA COMPUTAÇÃO ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS (Orientações para a realização das APS dos Cursos de Engenharia

Leia mais

PROJETO INTEGRADOR. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno

PROJETO INTEGRADOR. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno GOIÂNIA 2014-1 Sistemas de Gestão Empresarial Alunos: Alessandro Santos André de Deus Bruno

Leia mais

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 Um dos fatores que mais influenciam a permanência do educando em uma iniciativa EAD é a qualidade dos materiais que lhe são postos à disposição: não podem apresentar

Leia mais

O que é backup/cópia de segurança

O que é backup/cópia de segurança FATEC Americana Análise de Sistemas e Tecnologias da Informação Diagnóstico e solução de problemas de TI II Prof. Humberto Celeste Innarelli O que é backup/cópia de segurança Em informática, backup é a

Leia mais

Sumário. 1- O que é o Moodle? 2- Cadastrando-se. Comissão de Ensino a Distância (CEAD) - FCM - UNICAMP

Sumário. 1- O que é o Moodle? 2- Cadastrando-se. Comissão de Ensino a Distância (CEAD) - FCM - UNICAMP Comissão de Ensino a Distância (CEAD) - FCM - UNICAMP Manual Moodle MD758 Ensino a Distância (EAD) para disciplina Atenção Integral à Saúde Sumário 1- O que é o Moodle?...1 2- Cadastrando-se...1 3- A tela

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Apresentação das Peças Catalogo TOP Catalogo TOP O material tem as cores da identidade visual, Azul e Verde que simbolizam a união da Remaster com a tecnologia e a natureza, um produto ambientalmente correto.

Leia mais

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Sistemas Multimídia Prof. Marcelo Nogueira Parte - 02 Versão 2008/1.0

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Sistemas Multimídia Prof. Marcelo Nogueira Parte - 02 Versão 2008/1.0 O que é Multimídia UNIP Tatuapé - SP Ciência da Computação / Sistemas de Informação Sistemas Multimídia Prof. Marcelo Nogueira Parte - 02 Versão 2008/1.0 Objetivos deste texto (1) Por multimídia entenderemos

Leia mais

informando a cor aos daltônicos

informando a cor aos daltônicos informando a cor aos daltônicos Amanda Fortes da Maia - Universidade Federal do Paraná Brasil Mestrado em Design - PPGDesign Encuentro Latino Americano de Diseño de Palermo - Agosto 2012 Mas afinal, o

Leia mais

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.

Abstrações e Tecnologias Computacionais. Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress. Abstrações e Tecnologias Computacionais Professor: André Luis Meneses Silva E-mail/msn: andreluis.ms@gmail.com Página: orgearq20101.wordpress.com Agenda Introdução Sistemas Computacionais Arquitetura X

Leia mais

Introdução à Produção Gráfica

Introdução à Produção Gráfica Introdução à Produção Gráfica Flávio Gomes 1 - Sistemas de Cores Atualmente boa parte dos layouts desenvolvidos para impressão são elaborados em softwares gráficos, esses softwares utilizam um processo

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA Profa. Reane Franco Goulart Administrador de banco de dados O Administrador de banco de dados (DBA - DataBase Administrator) é responsável por manter e gerenciar bancos

Leia mais

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS

IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS IMPACTOS DO USO X PERFIL DAS EMPRESAS E ANALISAR SEUS PROCESSOS DE GESTÃO DE PROJETOS Vinicius Coutinho dos Santos BARBOSA (1); Michele Tereza Marques CARVALHO (2) (1) Campus Universitário Darcy Ribeiro

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SENSOR MATRIX

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SENSOR MATRIX ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SENSOR MATRIX 1. DEFINIÇÃO O Sensor Matrix é uma nova geração de sensores de contagem automática de pessoas que utiliza o processamento de imagens 3D pelo método TOF (Time of Flight,

Leia mais

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface

Sistemas Multimédia. Ano lectivo 2006-2007. Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital. MIDI: Musical Instrument Digital Interface Sistemas Multimédia Ano lectivo 2006-2007 Aula 11 Conceitos básicos de Audio Digital Sumário Aúdio digital Digitalização de som O que é o som? Digitalização Teorema de Nyquist MIDI: Musical Instrument

Leia mais

elementos para discussão - Comércio Electrónico

elementos para discussão - Comércio Electrónico elementos para discussão - Comércio Electrónico Multimédia, Hipermédia Realidade virtual Internet 2 1 Objectivos - apresentação e enquadramento das tecnologias de informação emergentes - apresentação de

Leia mais

ANEXO III FASES DE EXECUÇÃO

ANEXO III FASES DE EXECUÇÃO 1ª FASE MAPEAMENTO E ESTUDOS Na primeira fase do projeto deverão ser mapeadas demandas dos segmentos contemplados pelo projeto a fim de identificar as necessidades desses setores, visando o crescimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR DEDICADOS AO ENSINO DE LIBRAS DE FORMA LÚDICA E BASEADOS EM TÉCNICAS MULTIMÍDIA

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR DEDICADOS AO ENSINO DE LIBRAS DE FORMA LÚDICA E BASEADOS EM TÉCNICAS MULTIMÍDIA DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR DEDICADOS AO ENSINO DE LIBRAS DE FORMA LÚDICA E BASEADOS EM TÉCNICAS MULTIMÍDIA BOTARO, Cássio Oliveira 1 ALMEIDA, Matheus Henrique Nascimento 2 CORRÊA, Gean

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS

SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS SEGMENTAÇÃO DE IMAGENS EM PLACAS AUTOMOTIVAS André Zuconelli 1 ; Manassés Ribeiro 2 1. Aluno do Curso Técnico em Informática, turma 2010, Instituto Federal Catarinense, Câmpus Videira, andre_zuconelli@hotmail.com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 550 INFORMÁTICA Planificação Anual /Critérios de avaliação DOMÍNIOS (Unidades) UNIDADE 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Introdução Conteúdos Objetivos Estratégias/ recursos Conceitos fundamentais Teste e controlo de erros em algoritmia Estruturas de controlo Arrays

Leia mais

MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB

MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB MANUAL OFICINAS HDI - AUDATEX WEB Audatex Web Oficinas HDI Nível Usuário (Versão 2.8) Gerência de Suporte Técnico Departamento de Treinamento Resp.: Equipe de Treinamento Versão 1.0 Revisão 1 Data 13/5/2008

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

Outlook 2003. Apresentação

Outlook 2003. Apresentação Outlook 2003 Apresentação O Microsoft Office Outlook 2003 é um programa de comunicação e gerenciador de informações pessoais que fornece um local unificado para o gerenciamento de e-mails, calendários,

Leia mais

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006

Tratamento de erros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Redes de Computadores Tratamento de erros Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Ligação de dados Conceitos e objectivos Uma ligação física caracteriza-se

Leia mais

PROPOSTA PROJETO DE LEI CINEMA E TEATRO PARA TODOS

PROPOSTA PROJETO DE LEI CINEMA E TEATRO PARA TODOS PROPOSTA PROJETO DE LEI CINEMA E TEATRO PARA TODOS Novembro 2014 APRESENTAÇÃO Esta proposta visa ao livre acesso das pessoas que possuem limitação sensorial aos cinemas com filmes nacionais e às peças

Leia mais

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS IMPRESSOS.

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS IMPRESSOS. PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS IMPRESSOS. Código Documento: MA-1.2.00.03 Aprovado em: 18/03/2009 Revisão: 03 Página: 1/31 1 INTRODUÇÃO As informações contidas neste manual são

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Maio de N o Diminui a migração no Estado de São Paulo A divulgou mais um número do SP Demográfico, o terceiro de. Dessa vez, são apresentadas estimativas inéditas dos saldos migratórios e das taxas de

Leia mais

Projeto de Pesquisa Demanda Universal Edital FAPEMIG 01/2010

Projeto de Pesquisa Demanda Universal Edital FAPEMIG 01/2010 Projeto de Pesquisa Demanda Universal Edital FAPEMIG 01/2010 shigueonomura@hotmail.com É proibida a reprodução parcial ou total deste documento sem a autorização expressa do autor deste projeto de pesquisa.

Leia mais

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes AR COMPRIMIDO ASPIRAÇÃO IMAGIOLOGIA TRATAMENTO HIGIENE Eficiência no decorrer dos procedimentos na

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais