ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA UNIDADE PILOTO DE REFRIGERAÇÃO NO ARMAZENAMENTO DE CEBOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA UNIDADE PILOTO DE REFRIGERAÇÃO NO ARMAZENAMENTO DE CEBOLA"

Transcrição

1 ISSN ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA UNIDADE PILOTO DE REFRIGERAÇÃO NO ARMAZENAMENTO DE CEBOLA Mabel Ribeiro Sousa 1, Joás Oliveira de Meneses 2, Jorge Wellington Menezes Martins 3, Marcos Fábio de Jesus 4, Marcelo A. Gutierrez Carnelossi 5, Gabriel Francisco da Silva 5 RESUMO O presente trabalho teve por objetivo estudar a viabilidade técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração. A unidade piloto é composta por um sistema de compressão a energia elétrica e por um sistema de absorção água/amônia que utiliza gás natural como fonte de energia. A análise técnica e econômica foi feita individualmente para cada sistema utilizando como produto armazenado a cebola. O consumo de energia elétrica e gás natural foram estimados a partir da carga térmica total calculada através do programa computacional denominado CAAL1.0. As planilhas de fluxo de caixa contendo as despesas e as receitas dos projetos foram montadas para determinar os indicadores econômicos de rentabilidade e liquidez dos projetos, o valor presente líquido (VPL), a taxa interna de retorno (TRI) e o tempo de retorno do investimento. Os resultados obtidos foram comparados para indicar a viabilidade dos sistemas e determinar a tecnologia mais rentável. Os dois sistemas de refrigeração são técnica e economicamente viáveis. Entretanto, o sistema de refrigeração por compressão apresentou uma ligeira vantagem em relação ao sistema de refrigeração por absorção de acordo com a metodologia proposta neste estudo. Palavras-chave: gás natural, energia elétrica, carga térmica. TECHNICAL AND ECONOMIC ANALYSIS OF THE PILOT REFRIGERATION UNIT IN THE STORAGE OF ONION ABSTRACT The present work consist in the study of the technical and economic viability of the pilot system of refrigeration, that s composed by a compressor system through electric energy and by an absorption water/ammonia system using natural gas as source of energy. The technical and economic analysis was made individually for each system using the onion as stored product. The consumption of electric energy and natural gas had been esteem through the total thermal load of each system that was calculated through the CAAL1.0 software. The box flow worksheets that contain the expenses and the revenues of the projects were mounted to determine the economic indicators of profitability and liquidity, the liquid present value (VPL), the intern rate of return (TRI) and the investment return time. The obtained results were compared to indicate the viability of the systems and to determine which technology is considered more profitable. The two systems of refrigeration are technical and economically viable. However, the system of refrigeration for compressor presented advantage in relation to the system of refrigeration by absorption, according to the proposed methodology in this study. Keywords: natural gas, electric energy, thermal load Protocolo /11/ Química Industrial, Bolsista DTI/CNPq, DEQ/UFS, Tel: (79) , 2 Engenheiro Químico, PETROBRAS/FAFEN/SE, Tel: (79) , 3 Químico Industrial, Tel: (79) , 4 Engenheiro Químico, Mestrando de Engenharia Química/UFBA, 5 Professor do Departamento de Engenharia Química, Universidade Federal de Sergipe, Cidade Universitária, Jd. Rosa Elze, São Cristóvão - SE Tel: (79) , Fax: (79) ,

2 166 Análise técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração no armazenamento de cebola INTRODUÇÃO Segundo Chitarra & Chitarra (1990), a refrigeração é o processo mais econômico para armazenamento de frutas e hortaliças frescas. A qualidade comestível em muitos produtos perecíveis, aumenta após a colheita e depois recai rapidamente, se não for utilizado o processo de armazenamento a frio. Sem este, as deteriorações são mais rápidas, devido à produção de calor vital e a liberação do CO 2 decorrentes da respiração. A refrigeração é recomendada, pois retarda a ação de fatores como o amadurecimento, conduzindo a mudanças na textura e na cor; mudanças metabólicas indesejáveis e produção de calor vital pela respiração; perda de umidade e murchamento, deterioração devida a bactérias e fungos, crescimento indesejável (brotamento, elongação de caules, etc.). O processo de refrigeração difere dos demais processos de frio, pelos graus de temperatura utilizados, que estão compreendidos entre -1ºC e 10ºC (Evangelista, 2001), portanto, o objetivo da refrigeração é manter a qualidade do alimento até o ato de sua ingestão, transporte, transformação industrial, ou submissão a outros processos de conservação. Existem variados métodos de refrigeração dos alimentos e, de acordo com Evangelista (2001), a diversificação desses métodos ocorre, justamente, em razão das características de cada alimento e sua destinação. A corrida crescente pela adoção e desenvolvimento de novas tecnologias no armazenamento e conservação dos alimentos, objetiva não somente minimizar os custos, mas também melhorar a segurança operacional das instalações, viabilizar a utilização de formas limpas de energia, manter a qualidade e o nível de segurança dos alimentos estocados, atendendo as exigências de mercado e às leis ambientais e trabalhistas. Para isto, faz-se necessário buscar fontes energéticas que possam ser utilizadas com baixo custo e segurança. Em comparação com outros combustíveis fósseis utilizados em larga escala o gás natural apresenta menor grau de poluentes e, em futuro próximo, esse combustível poderá se constituir em uma importante fonte energética, ambientalmente adequada e competitiva. Suas vantagens são percebidas ainda no aumento da vida útil dos equipamentos e uma significativa melhoria dos produtos fabricados, o que lhe confere maior competitividade a diversos segmentos industriais e comerciais. O gás natural corresponde a, aproximadamente, 7,5% da matriz energética brasileira e suas aplicações o tornam uma alternativa viável para o país. Com o intuito de contribuir para o aumento da participação do gás natural na matriz energética e, especificamente, no segmento de armazenamento e conservação de alimentos. O presente trabalho teve como objetivo estudar o armazenamento de cebolas em câmara frigorífica com gás natural como fonte energética para produção de frio, sistema por absorção água/amônia, e em câmara com o sistema convencional por compressão a energia elétrica. MATERIAL E MÉTODOS Foi utilizada neste trabalho, uma unidade piloto de refrigeração instalada na Universidade Federal de Sergipe no Departamento de Engenharia Química. A unidade consiste em um sistema de refrigeração por absorção água/amônia constituído de três câmaras frigoríficas com paredes de isopainéis de poliuretano, dimensões 2mx3mx2m com capacidade máxima de estocagem de kg cada uma; um chiller de absorção água/amônia com queima direta de gás natural, consumo máximo de 2,7m 3 /h e capacidade de 5 TR s; painel de controle e um sistema de abastecimento de gás natural comprimido com duas carretas que contêm em cada uma três cilindros com capacidade de 23,8 m 3 totalizando 71,4 m 3 por carreta, válvulas reguladoras, de bloqueio e medidor de vazão de gás; e um sistema de compressão acoplado a uma câmara frigorífica com as mesmas características. Na Figura 1, está representado o Layout da Unidade Piloto de Refrigeração instalada para fins de teste com armazenamento de alimentos usando gás natural como fonte de energia. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.6, n.2, p , 2004

3 Análise técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração no armazenamento de cebola 167 Figura 1 - Unidade piloto de refrigeração Onde I, II, III são as Câmaras 1, 2 e 3 em painéis de poliuretano conjugadas de dimensões 2mx3mx2m cada; IV é a sala de controle disponível para os equipamentos de controle; V é o chiller Robur por absorção água/amônia para uso do gás natural em queima direta e VI é a câmara frigorífica 4, com sistema por compressão em painéis de poliuretano de dimensões 2mx3mx2m. O estudo da viabilidade do projeto foi determinado, mediante uma análise técnica e econômica realizada de forma simplificada e baseada, principalmente, no consumo de gás natural e energia elétrica para os sistemas de absorção água/amônia e compressão, respectivamente. Os parâmetros relativos aos custos operacionais usados no estudo, consumo de gás natural e energia elétrica foram estimados a partir do cálculo da carga térmica total fornecida pelo programa computacional CAAL1.0. Com os valores da carga térmica total calculada pelo programa e dados de calor específico, calor de respiração, temperatura de entrada e de armazenamento do produto foi feita a estimativa do custo de armazenamento do produto, seguindo a metodologia de Jesus & Silva (2003). A estimativa da rentabilidade do projeto foi calculada através do fluxo de caixa do empreendimento, a partir de resultados obtidos dos investimentos iniciais, do fluxo das receitas e despesas, durante um período pré-fixado para o projeto e avaliado mediante o cálculo de seus indicadores de rentabilidade e liquidez (Sousa, 2004). O produto armazenado para estimar a carga térmica dos sistemas foi a cebola. A análise financeira teve como base de cálculo, a capacidade total de estocagem das câmaras frigoríficas, kg, e a temperatura de armazenamento 10ºC, de acordo com a Tabela 1. As câmaras 1, 2 e 3 estão acopladas ao sistema por absorção. Para efeito comparativo, foi estipulado um fator multiplicador de 3, para os dados técnicos, referente à câmara acoplada ao sistema por compressão. Tabela 1 - Condições operacionais de armazenamento para a análise financeira Câmara Capac. Temp. (n o ) (kg) (ºC) Produto cebola cebola cebola cebola

4 168 Análise técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração no armazenamento de cebola Através dos fluxos de caixa realizados para cada um dos sistemas de refrigeração foram obtidos os resultados relativos aos respectivos indicadores econômicos, o VPL (valor presente líquido) e a TRI (taxa interna de retorno) para discussão, em torno da rentabilidade dos projetos. O VPL é encarado como o lucro líquido do projeto, constituindo um critério de decisão, sendo este positivo indica que o projeto é viável, tornando-se tanto mais atrativo, quanto maior for. A taxa interna de retorno é uma medida para ser comparada com um indicador, neste caso a TMA (taxa mínima de atratividade) cujo valor estimado é de 15%, como critério de decisão caso a TRI seja maior que a TMA o projeto é considerado aceitável. Outro critério de avaliação utilizado neste trabalho foi à determinação de um outro índice, o tempo de retorno, que determina a liquidez do projeto. A estimativa foi feita para ambos os sistemas de refrigeração. Os valores encontrados para o sistema de refrigeração por absorção foram comparados com os valores referentes ao sistema de refrigeração por compressão. A partir dos resultados obtidos, determinou-se a viabilidade dos sistemas, indicando-se o projeto de maior rentabilidade, ou seja, o projeto que apresenta o maior valor para o VPL e uma TRI superior a taxa mínima de atratividade. RESULTADOS E DISCUSSÃO A análise técnica permitiu verificar que os equipamentos estão dimensionados, de acordo com a capacidade requerida pelos sistemas. Na Tabela 2, são apresentados os dados estimados pelo CAAL 1.0 e os dados nominais, fornecidos pelo fabricante, para o consumo de energia elétrica e gás natural dos referidos sistemas. Tabela 2 - Consumo teórico e o experimental para a energia elétrica e gás natural Sistema Forma do consumo Energia elétrica (kwh/dia) Gás natural (m 3 /dia) Normal 155,52 - Compressão Estimado 90,28 - Absorção Normal - 66,37 Estimado - 56,91 Para cada sistema, foram realizadas duas análises, quanto ao tipo de investimento, com 100% recurso próprio ou através de um financiamento. De acordo com o critério de investimento utilizado, foram encontrados distintos valores para os indicadores VPL (valor presente líquido), TRI (taxa interna de retorno) e o tempo de retorno do investimento. As Tabelas 3, 4 e 5 demonstram o comportamento deles para cada situação referente ao sistemas por compressão e absorção. Tabela 3 - Valores dos indicadores econômicos de acordo com o tipo de investimento para o sistema por compressão Indicador 100% Debit/Equity Recurso próprio Ratio 30/70 VPL (R$) , ,65 TRI (%) Tabela 4 - Valores dos indicadores econômicos de acordo com o tipo de investimento para o sistema por absorção Indicado r 100% Recurso próprio Debit/Equity Ratio 30/70 VPL (R$) , ,40 TRI (%) Tabela 5 - Tempo de retorno para o armazenamento de cebola Investimento Sistema de refrigeração 100% Recurso próprio Debit/Equity Ratio 30/70 Absorção 1 a 3 anos 1 a 2 anos Compressão 1 a 3 anos 1 a 2 anos Comparando-se os resultados obtidos nas Tabelas 2 e 3 para os dois sistemas de refrigeração, referente ao indicador econômico VPL, constata-se que, tanto para 100% de recurso próprio ou Debit/Equity Ratio igual à 30/70 o sistema de refrigeração por compressão atingiu um valor maior em relação ao sistema de refrigeração por absorção. Com relação ao indicador econômico, TRI, obteve-se o mesmo comportamento, o sistema de refrigeração por compressão obteve uma TRI de maior valor para os dois tipos de investimento em relação ao sistema de refrigeração por absorção. Fazendo-se um comparativo com relação à questão do tipo de investimento inicial observa-se que ocorreu uma alavancagem financeira, quando se utiliza uma Debt/Equity Ratio igual à 30/70 para os dois sistemas de refrigeração, ou seja, há um aumento nos valores para VPL e TRI em relação ao

5 Análise técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração no armazenamento de cebola 169 investimento inicial com 100% de recurso próprio. De acordo com a Tabela 5, os projetos apresentam uma liquidez expressiva, verifica-se que, para cada sistema, o tempo de retorno é menor, quando se utiliza financiamento. Os valores variaram de 1 a 3 anos para o investimento com recurso próprio e de 1 a 2 anos a partir de uma Debt/Equity Ratio 30/70. As Figuras 2 e 3 representam, graficamente, o período necessário para retornar o investimento empregado nos projetos tanto para um investimento com 100% de recurso próprio quanto para um financiamento. Valor Atual de Investimento x R$ 1000, Período(Anos) 100% Recurso próprio Debt/equity ratio 30/70 Figura 2 - Tempo de retorno em função do valor atual do investimento para o sistema por compressão Valor Atual de Investimento x R$ 1000, Período(Anos) 100% Recurso próprio Debt/equity ratio 30/70 Figura 3 - Tempo de retorno em função do valor atual do investimento para o sistema por absorção água/amônia O sistema de refrigeração por compressão apresenta uma ligeira vantagem na rentabilidade, entretanto, percebe-se uma igualdade na liquidez dos projetos. Observando-se os resultados, existe uma equivalência no comportamento para ambos os tipos de investimentos iniciais, ou seja, 100% de recurso próprio e com financiamento. O projeto aponta para uma liquidez expressiva para ambos os investimentos, inferior ao

6 170 Análise técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração no armazenamento de cebola período de três anos. Ocorre uma ligeira vantagem, quando se utiliza um financiamento no início do projeto, com o tempo de retorno do investimento menor. Segundo Sousa (2004), os dois sistemas são considerados viáveis para as condições estabelecidas e previamente citadas nesta análise técnica e econômica. Sendo assim, o sistema de refrigeração por compressão, de acordo com os resultados obtidos apresentou o indicador econômico VPL com valor superior ao obtido pelo projeto do sistema de refrigeração por absorção e, portanto, considerado mais rentável. Apesar de possuir um custo total maior, o fator que diferenciou e influenciou a maior rentabilidade do projeto para o sistema de compressão foi o menor gasto com investimento inicial em equipamentos. CONCLUSÕES A tecnologia de utilização do gás natural como fonte de energia no armazenamento refrigerado de alimentos in natura é, economicamente, viável. Entretanto, para se obter maior rentabilidade no projeto do sistema de refrigeração por absorção água/amônia, é necessário otimizar as condições operacionais, usando o máximo de sua capacidade de estocagem ou por outro lado agregar valor ao produto estocado. O gás natural se constitui em uma importante fonte energética, podendo substituir formas convencionais de energia que são largamente utilizadas na conservação e armazenamento refrigerado de alimentos in natura. Mesmo a análise, apontando uma maior rentabilidade para o sistema de refrigeração por compressão, o estudo demonstrou condições em que a opção pelo gás natural é viável. Contudo, é necessário, que sejam identificados os melhores parâmetros operacionais e econômicos compatíveis com o projeto. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Chitarra, M.I.F.; Chitarra, A.B. Pós-colheita de frutas e hortaliças. Lavras: Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão, p. Evangelista, J. Tecnologia de alimentos. 2.ed. São Paulo: Atheneu, p. Jesus, M.F.; Silva, G.F. Custo no armazenamento de alimentos: CAAL. Versão 1.0. Universidade Federal de Sergipe, CD-Rom. Sousa, M.R. Estudo da viabilidade técnica e econômica da unidade piloto de refrigeração no armazenamento de cebola. São Cristóvão: UFS, p. (Monografia de Especialização).

7 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Este trabalho tem como objetivo desenvolver méto-do alterna

Este trabalho tem como objetivo desenvolver méto-do alterna 23 Refrigeração usando gás natural como fonte de energia Gabriel F. da Silva Marcelo A. G. Carnelossi Vahideh R. R. Jalali* R E S U M O Este trabalho tem como objetivo desenvolver méto-do alterna tivo

Leia mais

Viabilidade Econômica da Produção de Palmito de Pupunha com Adubação Orgânica em Costa Rica

Viabilidade Econômica da Produção de Palmito de Pupunha com Adubação Orgânica em Costa Rica Viabilidade Econômica da Produção de Palmito de Pupunha com Adubação Orgânica em Costa Rica Economic feasibility of heart of peach palm production with organic fertilizer in Costa Rica. CHAIMSOHN, Francisco

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

Figura 1 Oferta interna de energia elétrica por fonte no Brasil segundo o Balanço Energético Nacional (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2015)

Figura 1 Oferta interna de energia elétrica por fonte no Brasil segundo o Balanço Energético Nacional (EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA, 2015) Auditoria, diagnóstico energético e proposta de ação: análise da viabilidade de implantação de um sistema alternativo de geração de energia em uma indústria de médio porte da área metal-mecânica Juliana

Leia mais

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO PROCESSO DE CARGA PARA O ARMAZENAMENTO DE GÁS NATURAL POR ADSORÇÃO

AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DO PROCESSO DE CARGA PARA O ARMAZENAMENTO DE GÁS NATURAL POR ADSORÇÃO Copyright 2004, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade III AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias aplicadas Unidade III Avaliação

Leia mais

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro.

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Guilherme Wilson 1 ; Sérgio Peixoto dos Santos 2 ; Taisa Calvette 3 ; Richele Cabral 4 ; Christiane Chafim 5 ; Giselle Ribeiro 6 ;

Leia mais

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL

CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL CUSTOS DO ABATIMENTO DE EMISSÕES AÉREAS NA GERAÇÃO TERMELÉTRICA A CARVÃO MINERAL ANA PAULA ANDERSON 1 e GILNEI CARVALHO OCÁCIA 2 1- SUMESA Sulina de Metais S/A 2- ULBRA/CANOAS Departamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM SISTEMA DE MICROGERAÇÃO DE ENERGIA PARA USO RESIDENCIAL alvaro antonio ochoa villa (Universo) ochoaalvaro@hotmail.com Helder Henrique Lima Diniz (Universo) helder.diniz@terra.com.br

Leia mais

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU

QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU QUALIDADE PÓS-COLHEITA DE MAMÃO PAPAIA COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU Wadson de Menezes Santos 1 ; Maria Priscilla Celestino Silveira 1 ; Raul Santos Macedo 2 ; Christtianno de Lima Rollemberg

Leia mais

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 21

Revista Intellectus Ano VIII Nº. 21 DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS FOTOVOLTAICOS COM DIFERENTES ACUMULADORES ELETROQUÍMICOS DE ENERGIA Comparative study of different batteries technology for photovoltaic systems DIAS JR., Luiz Eduardo Ferreira

Leia mais

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação

Monitoramento de Biogás Manual de aplicação / engezer@engezer.com.br Monitoramento de Biogás Manual de aplicação O biogás constitui uma fonte de energia renovável verdadeiramente sustentável. A utilização do biogás cresceu de forma exponencial nos

Leia mais

Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja

Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja Análise de viabilidade econômica de implantação de uma unidade de extração de óleo vegetal e produção de biodiesel a partir da soja Marco Antonio Sartori (UFV) marcosartori@ufv.br Silvia Regina Sartori

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 DESEMPENHO DE UM GRUPO GERADOR OPERANDO COM MOTOR DIESEL CONVERTIDO PARA FUNCIONAR APENAS COM GÁS NATURAL Jaguaribe,

Leia mais

1 Introdução simulação numérica termoacumulação

1 Introdução simulação numérica termoacumulação 22 1 Introdução Atualmente o custo da energia é um dos fatores mais importantes no projeto, administração e manutenção de sistemas energéticos. Sendo assim, a economia de energia está recebendo maior atenção

Leia mais

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo

Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Análise de risco em incorporações imobiliárias: construção de cenários e simulação de Monte Carlo Pedro Beck Di Bernardi (UFSC) pedrodibernardi@hotmail.com Norberto Hochheim (UFSC) hochheim@ecv.ufsc.br

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA

ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA ANALISANDO O INVESTIMENTO EM TECNOLOGIA Mariano Yoshitake Francisco Santos Ventura Ricardo Krayuska Araujo Fabrício Antão de Sousa Thais Vieira Damasceno RESUMO Este artigo foi realizado como parte das

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIPPG Coordenadoria de Pesquisa e Estudos Tecnológicos COPET RELATÓRIO FINAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA Custo da energia elétrica no Brasil é um dos mais caros do mundo. Crescimento

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA

APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE UM SIMULADOR INDUSTRIAL COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EM UMA REFINARIA DE ÓLEO DE SOJA José Maximiano Candido Neto 1, Wagner Andre dos Santos

Leia mais

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A

(ROA) 1) 20010 10% 2011 11%. A CURSO LISTA DE EXERC CÍCIOS 2012.2 UNIDADE II ADM SEMESTRE 2º BLOCOO DISCIPLINA Gestão Financeira NOTA TURMA ADM 5NB ESTUDANTES PROFESSOR (A) Dr. Wellington Ribeiro Justo DATA 01/12/2012 Responda com responsabilidade

Leia mais

SISTEMA PARA OTIMIZAR O ATENDIMENTO DE ENCOMENDAS EM FÁBRICAS PROCESSADORAS DE CASTANHA DE CAJU

SISTEMA PARA OTIMIZAR O ATENDIMENTO DE ENCOMENDAS EM FÁBRICAS PROCESSADORAS DE CASTANHA DE CAJU SISTEMA PARA OTIMIZAR O ATENDIMENTO DE ENCOMENDAS EM FÁBRICAS PROCESSADORAS DE CASTANHA DE CAJU Autor(es) Pedro F. Adeodato de Paula Pessoa E-mail: pedro@cnpat.embrapa.br Vínculo: Centro Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO

ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO ESTUDO DE CASO: APLICAÇÃO DO PROCESSO DE ETIQUETAGEM DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO DE UM EDIFÍCIO TIPO ESCRITÓRIO Thiago Gonçalves de Oliveira Santos (1), Álvaro Messias Bigonha Tibiriçá (2), Joyce Carlo

Leia mais

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS

SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS SIMULAÇÃO DE SECAGEM DE MILHO E ARROZ EM BAIXAS TEMPERATURAS DOMINGOS SÁRVIO MAGALHÃES VALENTE 1 CRISTIANO MÁRCIO ALVES DE SOUZA 2 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ 3 RESUMO - Um programa computacional para simular

Leia mais

SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ

SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ Juarez de Sousa e SILVA¹, juarez@ufv.br; Cristiane Pires SAMPAIO²; cpsampaio@ulbra to.br; Roberta Martins NOGUEIRA

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA

ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA ESTUDO EXPERIMENTAL DA COMBUSTÃO DO ETANOL ADITIVADO NA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA Aluno: Dayana Siqueira de Azevedo Orientador: Carlos Valois Maciel Braga Introdução Hoje em dia, muitas pesquisas estão

Leia mais

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento

Oilon ChillHeat. Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento Oilon ChillHeat Desempenho otimizado na refrigeração e aquecimento As bombas de calor oferecem energia econômica e ecologicamente correta Calor residual de baixa temperatura contém energia valiosa A indústria

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico

Estudo de viabilidade econômica para projetos eólicos com base no novo contexto do setor elétrico Ricado Marques Dutra 1 * Maurício Tiomno Tolmasquim 1 Resumo Com base nas resoluções ANEEL n 233/199 e ANEEL 245/1999, este trabalho procura mostrar os resultados de uma análise econômica de projetos eólicos

Leia mais

Sistemas de Automação Residencial aliados ao uso de Energias Renováveis. Automation Systems Residential allies the use of Renewable Energy

Sistemas de Automação Residencial aliados ao uso de Energias Renováveis. Automation Systems Residential allies the use of Renewable Energy Sistemas de Automação Residencial aliados ao uso de Energias Renováveis Resumo A intensa utilização de energias não renováveis e derivados do petróleo e a preocupação com o meio ambiente estão levando

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

Viabilidade da Geração Própria de Energia Elétrica em Unidades de Beneficiamento de Madeira de Pequeno Porte

Viabilidade da Geração Própria de Energia Elétrica em Unidades de Beneficiamento de Madeira de Pequeno Porte Scientific Electronic Archives Volume 5 p. 57-62 2014 Viabilidade da Geração Própria de Energia Elétrica em Unidades de Beneficiamento de Madeira de Pequeno Porte Availability of Own Electricity Generation

Leia mais

Unidade Compressor Alternativo

Unidade Compressor Alternativo Unidade Compressor Alternativo Confiabilidade e alto desempenho www.mayekawa.com.br UNIDADE COMPRESSOR Serie M UNIDADE COMPRESSOR ALTERNATIVO Série M Os compressores da série M são projetados para comprimir

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

RELEASE Belo Horizonte, 1º de setembro de 2014

RELEASE Belo Horizonte, 1º de setembro de 2014 RELEASE Mesmo tendo de um a três cartões de crédito, consumidor da capital mineira prefere pagar em dinheiro Eles privilegiam o pagamento a vista e controlam os impulsos na hora das compras. Mas a maioria

Leia mais

III CNEG Niterói, RJ, Brasil, 17, 18 e 19 de agosto de 2006.

III CNEG Niterói, RJ, Brasil, 17, 18 e 19 de agosto de 2006. COMPARAÇÃO ENTRE OS RESULTADOS DECLARADOS POR FORNECEDORES DE MISTURAS PADRÕES DE GÁS NATURAL COM MEDIÇÕES REALIZADAS SEGUINDO PADRÕES METROLÓGICOS DO INMETRO Leandro Joaquim Rodrigues Pereira (UFF) -

Leia mais

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS

CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS CUSTO DO PRODUTO - UMA METODOLOG'IA PARA REDUZIR OS GASTOS COM INSUMOS * Dlmas de Paula Mietto A redução dos gastos com insumos através da determinação do fornecedor / matéria-prima de mais baixo custo.

Leia mais

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA

ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA ANEXO II PARTILHA DO SIMPLES NACIONAL - INDÚSTRIA Seção I: Receitas decorrentes da venda de mercadorias por elas industrializadas não sujeitas a substituição tributária, exceto as receitas decorrentes

Leia mais

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÂO ELETRÔNICA Controle de um sistema de ventilação em um quadro de comando e controle

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I:

Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo. Unidade I: Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo Unidade I: 0 Unidade: Decisão de Investimento de Longo Prazo 1. Introdução à Disciplina Aspectos Gerais 1. 1. Orçamento de Capital As empresas efetuam investimentos

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS

ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS ANÁLISE ECONÔMICA DA SUBSTITUIÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES POR TECNOLOGIA LED EM UMA EMPRESA DE MANUTENÇÃO DE MÁQUINAS Thiago de Carvalho Sousa (UVV) thiagocs01@hotmail.com Lucca de Carvalho De Biase

Leia mais

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS Luiz Henrique de Oliveira Bispo Bolsista de Inic. Científica, Eng. Química, UFRJ Salvador Luiz Matos de Almeida Orientador,

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA

POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA Revista Brasileira de Energia, Vol. 17, N o. 1, 1 o Sem. 2011, pp. 73-81 73 POTENCIAL DE INTERCÂMBIO DE ENERGIA ELÉTRICA ENTRE OS SISTEMAS ELÉTRICOS DO BRASIL E DA ARGENTINA André Luiz Zanette 1 RESUMO

Leia mais

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta James Masseroni 1 Cristina Maria de Oliveira 2 Resumo: Como tentativa de reduzir o pico de carga que ocorre no final da tarde e início da noite,

Leia mais

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE EM UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO ÁGUA-AMÔNIA

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE EM UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO ÁGUA-AMÔNIA ANÁLISE DE SENSIBILIDADE EM UM SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO ÁGUA-AMÔNIA Joel Carlos Zukowski Jr Faculdade de Engenharia Agrícola, Centro Universitário Luterano de Palmas. TO. CEP 77000-000 Palmas-TO tel: (063)

Leia mais

Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento

Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento Soluções de Retrofit Modernize, aumentando confiabilidade e eficiência do seu equipamento É hora de renovar O mercado de retrofit tem crescido exponencialmente nos últimos anos. Novas regulamentações

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Avaliação de empresas no Brasil: determinação do

Avaliação de empresas no Brasil: determinação do Marcio Almeida de Assis Avaliação de empresas no Brasil: determinação do custo de capital para investimento em concessões de terminais aeroportuários. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

ENSAIOS EM CÂMARAS DE COMBUSTÃO DE TURBINAS A GÁS

ENSAIOS EM CÂMARAS DE COMBUSTÃO DE TURBINAS A GÁS ENSAIOS EM CÂMARAS DE COMBUSTÃO DE TURBINAS A GÁS João Vitor Fontenele Romero- IC Aluno de graduação do curso de Engenharia Aeronáutica do Instituto Tecnológico de Aeronáutica Bolsista PIBIC-CNPQ; Brasil;

Leia mais

"A nova legislação do desempenho energético dos edifícios

A nova legislação do desempenho energético dos edifícios XI SIMPÓSIO LUSO-ALEMÂO DE ENERGIA "A nova legislação do desempenho energético dos edifícios Lisboa, 26 de maio 2014 ADENE Pedro Mateus A nova regulamentação de eficiência energética em edifícios 1. Sistema

Leia mais

VIII-Lubi-Brasil-1 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS ESTAÇÕES DE BOMBEAMENTO COM O MODELO HÍBRIDO.

VIII-Lubi-Brasil-1 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS ESTAÇÕES DE BOMBEAMENTO COM O MODELO HÍBRIDO. XXX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL 26 al 30 de noviembre de 2006, Punta del Este Uruguay ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL - AIDIS VIII-Lubi-Brasil-1

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Projetos da Comgas no Setor de Climatização e Cadeia do Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 26 de Maio de 2010. Matriz Energética Brasileira 2

Leia mais

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento

! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento CAVALCANTE & COMO MONTAR O FLUXO DE CAIXA EM! Revisão de conceitos importantes! Fluxo com VRG diluído! Fluxo com VRG no final do contrato! Comparação com outras alternativas de financiamento Autores: Francisco

Leia mais

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS

ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS ANÁLISE TARIFÁRIA E OTIMIZAÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA: ESTUDO DE CASO EM INDÚSTRIA DE EMBALAGENS PLÁSTICAS Rafael Nishimura, Saulo Gomes Moreira, Wellington Rocha Araújo, Amâncio R. da Silva Júnior, Gervásio

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1.

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. 8. GESTÃO DO AGRO-NEGÓCIO VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA NA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR 1. Thomaz Machado Universidade de São Paulo FEARP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON

O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON 1 O QUE É CFROI CASH FLOW RETURN ON Métricas de Retorno Os direcionadores do retorno total do acionista -TSR O CFROI passo a passo Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA CATEGORIA:

Leia mais

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS

MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS Projeto de Iniciação Científica MODELO TERMODINÂMICO DE UMA TURBINA A GÁS COM COMBUSTÃO EXTERNA Orientador: Prof. Dr. Paulo Eduardo Batista de Mello Departamento: Engenharia Mecânica Candidato: José Augusto

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio CONTABILIDADE E FINANÇAS ACI ATIVIDADE CURRICULAR INTERDISCIPLINAR Competências a serem trabalhadas... Planejamento

Leia mais

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL

ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL ANÁLISE DE TENDÊNCIAS DE TEMPERATURA MÍNIMA DO BRASIL RENATA RIBEIRO DO VALLE GONÇALVES 1 e EDUARDO DELGADO ASSAD 2 1 Engenheira Cartógrafa, doutoranda da Faculdade de Engenharia Agrícola Feagri /Unicamp,

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos

Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos Regras de Decisão na Avaliação de Investimentos A ordenação de projetos e a decisão sobre sua aceitação para inclusão no orçamento envolvem cinco métodos: (1) período de recuperação do investimento (payback);

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA

METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA METODOLOGIA PARA DECISÕES DE INVESTIMENTOS E DIMENSIONAMENTO DOS FLUXOS DE CAIXA Flávia Fernanda Gaspari SILVA 1 Camila Pires Cremasco GABRIEL 2 Luís Roberto Almeida GABRIEL FILHO 3 RESUMO: A base da tomada

Leia mais

ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA

ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA ADOÇÃO DO SISTEMA DE FRANQUIA NO SETOR ALIMENTÍCIO: UM ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FINANCEIRA Rafael Ribeiro Gaia (Unifran) rafael.gaia@unifran.edu.br Gabriela Azevedo Motta (Unifran) gabriela@dep.ufscar.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO ECONOMIA DA ENERGIA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PÓS-GRADUAÇÃO ECONOMIA DA ENERGIA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PÓS-GRADUAÇÃO ECONOMIA DA ENERGIA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 2015-2016 2 PÓS-GRADUAÇÃO ECONOMIA DA ENERGIA, AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COORDENAÇÃO Eng.º Nuno Ribeiro da Silva Prof.

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

Bacharelado em Sistemas de Informação

Bacharelado em Sistemas de Informação Bacharelado em Sistemas de Informação Recife, 8 de agosto de 00 Missão da FIR A Faculdade Integrada do Recife coloca em primeiro plano a excelência do ensino, a qualidade docente e a atividade discente

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. ESTUDO DE INSTALAÇÃO FOTOVOLTAICAS ISOLADAS E CONECTADAS À REDE ELÉTRICA Bolsista Apresentador: Diego Leonardo Bertol Moraes. Coordenador: Airton Cabral de Andrade Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

A VIABILIDADE ECONÔMICA DO GÁS NATURAL

A VIABILIDADE ECONÔMICA DO GÁS NATURAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Edison Luis Correa A VIABILIDADE ECONÔMICA DO GÁS NATURAL Dissertação de

Leia mais

DESEMPENHO DE UM AQUECEDOR DE ÁGUA A BIOGÁS

DESEMPENHO DE UM AQUECEDOR DE ÁGUA A BIOGÁS DESEMPENHO DE UM AQUECEDOR DE ÁGUA A BIOGÁS FABIO M. DA SILVA 1, JORGE DE LUCAS JUNIOR 2, MARIO BENINCASA 2, EZEQUIEL DE OLIVEIRA 3 RESUMO: Estudos foram desenvolvidos para dimensionar e adaptar o injetor

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implementação de Sistemas de Aquecimento Solar nos Chuveiros e Piscina da AACD Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA Métodos para Análise de Fluxos de Caixa A análise econômico-financeira e a decisão

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

ASSOALHOS PARA CARROCERIAS ECOLOGICAMENTE CORRETO

ASSOALHOS PARA CARROCERIAS ECOLOGICAMENTE CORRETO ASSOALHOS PARA CARROCERIAS ECOLOGICAMENTE CORRETO Cassius Flavius Barbosa Fantoni Antonio Luciano De Marco Leite Betim 2010 1 RESUMO Este trabalho tem por objetivo, apresentar uma alternativa de uso de

Leia mais

Poluição atmosférica decorrente das emissões de material particulado na atividade de coprocessamento de resíduos industriais em fornos de cimento.

Poluição atmosférica decorrente das emissões de material particulado na atividade de coprocessamento de resíduos industriais em fornos de cimento. Poluição atmosférica decorrente das emissões de material particulado na atividade de coprocessamento de resíduos industriais em fornos de cimento. Benedito Costa Santos Neto

Leia mais

Lavagem de recipientes com água aquecida.

Lavagem de recipientes com água aquecida. Lavagem de recipientes com água aquecida. Um sistema de baixo custo para lavagem de recipientes com água aquecida. Categoria: Infraestrutura Flávio Pastorello Ultragaz Mauro Matsuda Ultragaz Wellington

Leia mais

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO

CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO CUSTOS ADMINISTRATIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL - ESTUDO DE CASO João Ernesto Escosteguy Castro Caixa Postal 476 - Florianópolis - SC - 88.040-900 Ruth Ferreira Roque Caixa Postal 1207 - Florianópolis - SC

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 NOTA TÉCNICA Nº 014/2011 SRD/ANEEL METODOLOGIA E CRITÉRIOS GERAIS PARA CÁLCULO DAS PERDAS TÉCNICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO... TERCEIRO

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

Diagnóstico da Indústria Catarinense Estratégia e Gestão Ambiental

Diagnóstico da Indústria Catarinense Estratégia e Gestão Ambiental Diagnóstico da Indústria Catarinense Estratégia e Gestão Ambiental Realização: Apoio: APRESENTAÇÃO Cada dia mais consciente quanto à função que desempenha na sociedade, a indústria catarinense avança rumo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE OCTAVE EM FENÔMENOS DE TRANSPORTES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE OCTAVE EM FENÔMENOS DE TRANSPORTES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE OCTAVE EM FENÔMENOS DE TRANSPORTES Paulo Roberto Paraíso paulo@deq.uem.br Universidade Estadual de Maringá Departamento de Engenharia Química Endereço : Av. Colombo, 5790 -

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

Análise da influência do marketing verde na decisão de compra de estudantes universitários no interior da Paraíba

Análise da influência do marketing verde na decisão de compra de estudantes universitários no interior da Paraíba Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Análise da influência do marketing verde na decisão de compra de estudantes universitários no interior da Paraíba Analysis

Leia mais